ÍNDICE DE ABSENTEISMO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE DE ABSENTEISMO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO"

Transcrição

1 ÍNDICE DE ABSENTEISMO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANAIR LAZZARI NICOLA RONALDO LUIZ BARBOZA MARISTELA SALETE MARASCHIN RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo identificar e analisar o índice de absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem e conhecer as causas do mesmo no Hospital Universitário do Oeste do Paraná, localizado na cidade de Cascavel - PR. A população estudada contemplou enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, que no período de janeiro a dezembro de 2004, que mantinham vínculo com a referida instituição. Foi realizamos um levantamento retrospectivo sobre a incidência de ausências e suas causas. Durante o ano de 2004, o referido hospital tinha em média 285 funcionários de enfermagem. No período estudado, encontramos dias de faltas, dias de licença médica com até 15 dias, dias de licença médica a partir de 15 dias de afastamento, 979 dias de licença maternidade, dias de férias, 582 dias de licença especial, 1.757,1 dias de horas extras a 50% este percentual corresponde ao horário normal de trabalho e 520,6 dias de horas extras a 100%, correspondendo a domingos e feriados. Como as causas do absenteísmo nem sempre estão somente no funcionário, mas também na organização e nas condições do trabalho, acreditamos que o resultado desta investigação servirá de suporte à Direção do Serviço de Enfermagem, Direção Geral e Recursos Humanos do Hospital para estudos e análise, em conjunto a outros fatores organizacionais para a implementação de políticas institucionais ou programas que visem reduzir os níveis de ausências, atuando sobre as causas do absenteísmo e não mais só sobre seus efeitos. PALAVRAS-CHAVE: Absenteísmo; Enfermagem; Trabalhadores.

2 INTRODUÇÃO: O absenteísmo é uma expressão usada para designar a falta do empregado ao trabalho e tem se tornado um problema crucial para as organizações e seus administradores. Suas causas estão ligadas a múltiplos fatores que o torna complexo e de difícil gerenciamento. Seu efeito é negativo, pois as ausências diminuem a produção, repercutindo diretamente na economia da empresa. Ele ocasiona não só custos diretos, mas também indiretos representados pela diminuição da produtividade, redução da qualidade e pelos problemas administrativos. Os fatores desencadeantes do absenteísmo podem estar relacionados com as condições de trabalho que as empresas oferecem, por fatores sociais, culturais, de personalidade e de doenças (CHIAVENATO, 1997). Assim podemos perceber que existe um conjunto de fatores que podem levar ao absenteísmo. Ainda, segundo o autor, um aspecto importante a ser considerado é que as causas do absenteísmo nem sempre estão no trabalhador, mas na empresa e podem ser encontradas na deficiência e na organização e supervisão do trabalho, na repetitividade das tarefas, nas condições desfavoráveis de ambiente e do trabalho, na falta de integração entre os funcionários e a empresa estes, são fatores que podem levar a desmotivação e desestímulo dos trabalhadores e como conseqüência à ausência no trabalho. Nas instituições hospitalares, a enfermagem constitui-se no maior contingente da força de trabalho e suas atividades geralmente são marcadas pela fragmentação das tarefas, por uma estrutura hierárquica inflexível para o cumprimento dos regulamentos e rotinas e com dimensionamento de pessoal insuficiente tanto qualitativamente como quantitativamente com repercussões na qualidade da assistência prestada, na resolutividade, na produtividade e nos elevados índices de absenteísmo, principalmente por doenças. Segundo Gaidzinski e Kurcgant (1998), absenteísmo é o comportamento de faltar ao trabalho com freqüência, independente das causas que o motiva e das conseqüências que provoca. O ônus econômico acarretado pelas ausências ao trabalho tem preocupado os administradores devido a sua repercussão e abrangência gerando prejuízos no desenvolvimento do trabalho, aumento dos custos de produção, efeitos negativos na moral dos trabalhadores e diminuição da qualidade e produtividade. O trabalho hospitalar, caracteriza-se pela concentração de condições de trabalho de risco, representadas por

3 trabalho noturno, nos finais de semana, por carga horária diária extensa, por cuidar de enfermos, por manipulação de produtos químicos, por radiações ionizantes, por transporte de cargas e por lidar com a morte (PITTA, 2003; SILVA; MARZIALE, 2003) Depoimentos de gerentes de enfermagem de hospitais brasileiros demonstram a necessidade de proporcionar boa qualidade de vida e preservar a saúde física e mental dos profissionais de enfermagem. Reconhecem que o desgaste diário do exercício profissional, o estresse e os conflitos enfrentados pela equipe, necessitam de medidas e estratégias que incentivem a promoção da saúde dos trabalhadores para garantir a qualidade da assistência, a produtividade e evitar o absenteísmo (NASCIMENTO, 2003). Historicamente o exercício do trabalho de enfermagem continua sendo desenvolvido predominantemente por mulheres. As atividades de cuidar dos doentes com suas características tecnológicas próprias de assistir, higienizar, alimentar, prover dos elementos indispensáveis ao bom desenvolvimento do enfermo, seguindo os padrões da divisão social do trabalho, sempre estiveram delegadas a mulher (PITTA, 2003). Segundo estudo publicado pelo Ministério da Saúde, em 1996, do pessoal de enfermagem empregado em todos os setores da economia, 85,26% são mulheres (BRASIL, 1996). Investigações têm sido realizadas sobre alguns aspectos da realidade profissional da mulher e a relação com o absenteísmo, mostrando que este se dá pelo acumulo de tarefas, pois após terminarem a jornada de trabalho formal nas empresas, se deparam com um vasto leque de atividades domésticas e familiares a serem cumpridas (PITTA, 2003; NASCIMENTO, 2003). Outra variável que intensifica o problema do absenteísmo é o fato do profissional de enfermagem possuir múltiplos empregos devido aos salários aviltantes e incompatíveis com a dignidade de suas atividades (ROBAZZI; MARZIALE, 1999). Nos estudos acerca do absenteísmo na área de enfermagem, uma das abordagens predominantes é a relação entre saúde-doençatrabalho. Os prejuízos à saúde física e mental decorrem das atividades realizadas em extensas jornadas de trabalho, do ritmo acelerado da produção desencadeado por excesso de tarefas, da realização de ações repetitivas e baixa remuneração. O trabalho desenvolvido nessas condições deixa de significar satisfação e ganhos e passa a representar sofrimento, exploração, doença e até morte (PITA, 2003). Em estudo

4 realizado pela mesma autora, as manifestações somáticas de distúrbios e sofrimento psíquico são antigas e conhecidas, frente a dificuldades de as pessoas habitualmente elaborarem no nível de pensamento angústias e dificuldades na esfera psíquica, assim, evidenciam de modo indireto as doenças e o sofrimento psíquico. Além destes aspectos, encontrou também problemas de ordem do aparelho-gênito urinário, grupo de pessoas poliqueixosas, transtornos mentais, doenças mal definidas, doenças do aparelho digestivo. Stacciarini; Tróccoli (2000), ao relacionar o estresse na profissão do enfermeiro evidenciam o papel interveniente das organizações. Ainda para as autoras, a influência organizacional sobre o estresse ocupacional do enfermeiro, parece estar mais voltada para aqueles que têm algum poder decisório na instituição, principalmente entre os enfermeiros com cargos administrativos. Outro aspecto importante são os fatores intrínsecos ao trabalho como, as relações interpessoais que comportam consecutivamente a sobrecarga de trabalho e os problemas de relacionamento, estes fatores são os maiores determinantes de estresse entre os enfermeiros. O ambiente organizacional, a falta de suporte social, de competência e confiança no papel profissional e a falta de preparo adequado são interpretados como fontes de estresse, tais condicionantes encontram-se relatados ao longo do tempo pelas publicações já realizadas. Segundo Robbins (2005), o condicionante ambiente organizacional revelase como fonte de estresse a partir das pressões para evitar erros ou cumprir prazos, a carga excessiva de tarefas, a insensibilidade das chefias e os relacionamentos desagradáveis, e, em tais situações podemos categorizar a partir das tarefas, dos papéis e das demandas interpessoais, da estrutura organizacional, da liderança organizacional, e ainda do lapso temporal de vida da organização. Assim, podemos dizer que as tarefas estão relacionadas às pessoas e as características de cada trabalho, bem como as condições que este trabalho se dá e o ambiente físico. Por sua vez as demandas dos papéis relacionam-se com as pressões sofridas pela pessoa em razão do papel que desempenha na organização, vez que os conflitos entre os diferentes papéis geram expectativas de difícil conciliação e satisfação (ROBBINS, 2005). As demandas interpessoais vinculam-se a falta de apoio social por parte dos colegas ou relações interpessoais insatisfatórias, refletindo assim como pressões

5 exercidas por outros funcionários. A estrutura permite-se como fonte de estresse a partir do nível de diferenciação dentro da organização, à quantidade de regras e regulamentações e forma de tomada de decisões. A liderança está ligada ao estilo gerencial, onde se cultuam as tensões, pelo medo e pela ansiedade, estabelecem pressões irrealistas para o desempenho em curto prazo (idéias focadas a aspectos pontuais desligados da realidade fática da estrutura), impõem controle muito rígido e enfocam rotineiramente a demissão de profissionais que não atingem as metas (ROBBINS, 2005). A falta de suporte social remete o trabalhador de enfermagem a uma situação de estresse em face da conjuntura política e econômica vivenciada pelo mesmo, fator que interfere de sobremaneira no seu desempenho, e via de conseqüência, o leva ao estresse reduzindo sua capacidade profissional e laboral. Algumas pessoas são capazes de reagir a situações estressantes, enquanto outras se abatem perante as mesmas. Os fatores individuais estão associados à história de vida do trabalhador, suas experiências e o acumulo destas. Podemos dizer que o indivíduo relaciona a sua capacidade de produção aos problemas econômicos, aos relacionamentos familiares e pessoais. Assim, podemos referir que os fatores de estresse são fenômenos cumulativos. O profissional se depara com problemas da falta de competência e do preparo ao exercício da função, que sua vez referencia fatores estressantes, pois diante da prática e no regular exercício de seus papéis torna-se incompreensível suas atitudes e decisões, que rotineiramente estão desvinculadas da realidade e necessidade que os fatos se apresentam para a intervenção, quer sejam, de ordem administrativa ou da assistência. Embora o absenteísmo venha sendo focalizado predominantemente sob a ótica da saúde ocupacional este fator insere-se em um contexto mais amplo, qual seja a da gerência de recursos humanos, particularmente no que se refere ao dimensionamento de pessoal de enfermagem, transcendendo assim, a área da saúde ocupacional. Sob essa perspectiva, o absenteísmo representa uma das variáveis que interfere na organização dos serviços de enfermagem e no estabelecimento do quadro de recursos humanos (GAIDZINSKI, 1998). Assim, quando se trata de dimensionar o quadro de pessoal de enfermagem, é necessário tomar as ausências do indivíduo no trabalho de forma distinta, ou seja,

6 existem ausências que podem ser previstas e a cobertura pode ser realizada de forma planejada, porém, o que afeta o desenvolvimento das atividades nos serviços de enfermagem, são as chamadas ausências não previstas, as quais exigem estratégias de planejamento diferenciadas. Diante das considerações apresentadas entendemos que o absenteísmo constitui um problema da gerência de recursos humanos e para a direção do serviço de enfermagem hospitalar que necessita manter um número suficiente de profissionais nas vinte e quatro horas para atender as necessidades dos pacientes sob sua responsabilidade. Para Chiavenato (1997), uma das formas de conhecer a magnitude do absenteísmo no âmbito organizacional é mensurá-lo através do índice de absenteísmo. Este é um indicador que reflete a porcentagem de tempo (dias e horas) não trabalhado devido às ausências em relação ao volume de atividades planejadas. Nos processos de dimensionamento de pessoal de enfermagem é imprescindível conhecer o índice de absenteísmo para que seja viável estabelecer o percentual de pessoal necessário para a cobertura dessas ausências denominado Índice de Segurança Técnica (IST) para garantir a qualidade da assistência prestada. OBJETIVOS: Identificar e analisar o índice de absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem e conhecer as causas do mesmo no Hospital Universitário do Oeste do Paraná. METODOLOGIA: Realizamos um levantamento retrospectivo sobre a incidência de ausências e suas causas, no período de um ano (janeiro a dezembro de 2004). A população estudada foi constituída por enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem de um hospital universitário. Para a realização da pesquisa, solicitamos autorização à Direção Geral do Hospital e ao Comitê de Ética em Pesquisa da universidade. Após o parecer favorável, realizamos a coleta de dados junto aos registros efetuados pelo Setor de Recursos Humanos do hospital. A principal variável do estudo foi identificar as causas das ausências registradas.

7 RESULTADOS: Durante o ano de 2004, o referido hospital tinha em média 285 funcionários de enfermagem registrados em seu quadro funcional. Segundo Gaidzinski (1998) as ausências, no serviço de enfermagem, podem ser consideradas previstas como as férias, folgas semanais e feriados e aquelas consideradas não previstas, por exemplo, faltas justificadas e injustificadas, suspensões, licenças médica, maternidade, paternidade, nojo, gala, entre outras. No período estudado, encontramos dias de faltas sem justificativa dias de licença médica com até 15 dias dias de licença médica a partir de 15 dias de afastamento, considerado auxílio doença. 979 dias de licença maternidade dias de férias, 582 dias de licença especial. Ao aplicar o cálculo do índice de absenteísmo proposto por Chiavenato (1997), encontramos uma média de 4,06 dias de falta sem justificativa para cada funcionário de enfermagem. 5,61 dias de licença médica até quinze dias por funcionário. 6,77 dias de auxílio doença. 3,43 dias de licença maternidade. 21,74 dias de férias e 2,04 dias de licença especial por funcionário. Com o elevado índice de absenteísmo, houve a necessidade de cobertura, supridas por meio de horas extras, ficando assim representadas, 1.757,1 dias de horas extras a 50% este percentual corresponde ao horário normal de trabalho e 520,6 dias de horas extras a 100%, correspondendo a domingos e feriados, ou seja, 6,16 dias de horas extras a 50% e 1,82 dias de horas extras a 100% para cada funcionário de enfermagem. Os resultados encontrados apontam que o maior índice de ausências corresponde a licença médica, com afastamento de mais de 30 dias, seguido da licença médica com afastamento de até 15 dias. Estudos realizados em diferentes instituições hospitalares indicam que a licença relacionada a problemas de saúde constitui-se na principal causa de ausências não previstas da equipe de enfermagem. Para Nicola (2004), o absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem do hospital onde este estudo foi desenvolvido, pode estar relacionado a sentimentos de insatisfação com o ambiente e condições de trabalho, número insuficiente de funcionários, tendo em vista que não existe substituição dos funcionários que estão de folga ou que faltam e isso gera sobrecarga de trabalho para os demais profissionais que permanecem no

8 trabalho. Outra forma de insatisfação manifestada está relacionada à ausência de qualquer benefício social, além daqueles exigidos pela legislação trabalhista e previdência social, bem como a ausência de um plano de assistência médico-hospitalar diferenciado que proporcionaria certo grau de segurança em casos de imprevistos de doenças ou emergências. CONCLUSÃO: Como as causas do absenteísmo nem sempre estão somente no funcionário, mas também na organização e nas condições do trabalho, acreditamos que o resultado desta investigação poderá subsidiar a Direção do Serviço de Enfermagem, Direção Geral e Recursos Humanos do Hospital estabelecer políticas institucionais ou programas que visem reduzir os níveis de ausências. A identificação dos tipos de ausências e sua repercussão na produtividade devem servir de suporte para ações voltadas para a melhoria das condições de trabalho e que visem à redução do percentual de ausências. As ações devem estar voltadas para as causas do absenteísmo e não mais só sobre seus efeitos. Administrar o problema das ausências, segundo Chiavenato (1999) traz retornos indiscutíveis relacionados aos custos. Cada pequena redução nos níveis de absenteísmo pode trazer razoável economia para a organização, bem como, melhoria na qualidade da assistência prestada, satisfação da equipe de enfermagem e melhorar as condições ambientais de trabalho, evitando assim, a sobrecarga para os profissionais que cumprem sua jornada de trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto de profissionalização dos trabalhadores da área de enfermagem (PROFAE). Sinais de mercado de trabalho do pessoal de enfermagem no Brasil. Brasília, CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

9 GAIDZINSKI, R.R. Dimensionamento do pessoal de enfermagem em instituições hospitalares. São Paulo, p. Tese (Livre-Docência) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo. GAIDZINSKI, R.R., KURCGANT, P. Dimensionamento do pessoal de enfermagem: vivência de enfermeiras. Nursing, São Paulo, v. 1, n.2, p , NASCIMENTO, G.M. Estudo do absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem em uma unidade básica e distrital de saúde do município de Ribeirão Preto-SP. Ribeirão Preto p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. NICOLA, A.L. Dimensionamento de pessoal de enfermagem no Hospital Universitário do Oeste do Paraná. Ribeirão Preto p. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. PITTA, A. M.F. Hospital: dor e morte como oficio. 5. ed. São Paulo: Annablume/Hucitec, ROBAZZI, M.L.C.C., MARZIALE, M. H. P. Alguns problemas ocupacionais decorrentes do trabalho de enfermagem no Brasil. Rev. Bras. Enf. Brasília, v. 52, n. 3, p , jul/set ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, STACCIARINI, J. M. R.; TRÓCCOLI, B. T. Instrumento para mensurar o estresse ocupacional: inventário de estresse em enfermeiros (IEE). Revista Latino Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 8, n. 6. p , dezembro de 2000.

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Estudos de Psicologia Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Marcela Luísa Manetti Maria Helena Palucci Marziale Universidade de São Paulo Ribeirão Preto Resumo ao trabalho

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Alunas: Mireli Basilio R.A: 198019 Pâmela Oliveira 204015 Jhuenner Guareis 203006 Profª: Gisele Sailler A qualidade de vida no trabalho proporciona uma maior participação

Leia mais

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem Profa. Dra. Ana Maria Laus analaus@eerp.usp.br ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... cuidado de enfermagem prestado nas 24 horas elaboração de uma escala de trabalho

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

ENFERMAGEM E O ABSENTEÍSMO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM E O ABSENTEÍSMO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ENFERMAGEM E O ABSENTEÍSMO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Chayanne Neves Telles Barreto 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: O absenteísmo é uma expressão

Leia mais

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho Stress e a caracterização de doenças psicológicas Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho camila@azevedonetto.com.br Definição Uma força que deforma corpos processo corporal para se adaptar a todas

Leia mais

PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL PARA OS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALVORADA RS

PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL PARA OS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALVORADA RS PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL PARA OS SERVIDORES DA RESUMO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALVORADA RS GRAZIELE ALVES DIAS 1 LIA T. HOFFMANN 2 O Projeto de Ginástica Laboral Para os Servidores da Prefeitura Municipal

Leia mais

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress III Congresso Brasileiro dos serviços de saúde do PODER JUDICIÁRIO São Paulo, novembro 2011 (apresentação baseada nos artigos de Tânia Franco

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS Rodrigo Janoni Carvalho 1 INTRODUÇÃO O comportamento humano é fundamental para a compreensão da dinâmica organizacional. Nessa perspectiva, a motivação

Leia mais

GESTÃO DE ABSENTEÍSMO

GESTÃO DE ABSENTEÍSMO GESTÃO DE ABSENTEÍSMO O CENÁRIO - dados - O absenteísmo é um fenômeno de alcance mundial que tem crescido significativamente nos últimos anos trazendo impactos econômicos e sociais aos trabalhadores e

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE QUANTO A IMPORTÂNCIA DA NOTIFICAÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO EM

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: COMPETENCIAS GERENCIAIS DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Planejamento estratégico. de pessoas

Planejamento estratégico. de pessoas Planejamento estratégico de pessoas PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL X PLANEJAMENTO DE RH O QUE É GESTÃO POR RESULTADOS? A cada nível hierárquico, o líder reúne-se com os líderes que lhe são imediatamente subordinados

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde Legislação Rápida O Conselho Federal

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN O ESTILO DE LIDERANÇA EXERCIDO PELO ENFERMEIRO DE UNIDADE DE INTERNAÇÃO Ritieli Suffiatti 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: O estudo científico da liderança teve seu início no século XX, com os primeiros

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE PADRóES MINIMOS. DE ASSIST!NCIA DE ENFERMAGEM Á COMUNIDADE

GRUPO DE TRABALHO SOBRE PADRóES MINIMOS. DE ASSIST!NCIA DE ENFERMAGEM Á COMUNIDADE RBEn, 30 : 339-344, 1977 GRUPO DE TRABALHO SOBRE PADRóES MINIMOS. DE ASSIST!NCIA DE ENFERMAGEM Á COMUNIDADE APARECIDA M. JESUÍNO DE S. RENDANO * RBEn/ll RENDADO, A.M.J.S. - Grupo de trabalho sobre padrões

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS SOCIOECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUÍZIO LÁZARO DE PAULA MOREIRA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS SOCIOECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUÍZIO LÁZARO DE PAULA MOREIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS SOCIOECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUÍZIO LÁZARO DE PAULA MOREIRA PRÉ-PROJETO DE PESQUISA: A importância da Auditoria

Leia mais

Juliana de Oliveira Barros

Juliana de Oliveira Barros CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde GERENCIAMENTO DE RISCOS ERGONÔMICOS: PROPOSTA PARA A EQUIPE DE ENFERMAGEM DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

Leia mais

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar... Guimarães Rosa Clima organizacional Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa Conceitos básicos Clima Organizacional é o potencial de energia disponível para alavancar resultados. Perfil

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO EM TODO O MUNDO: Tendências de jornadas de trabalho, legislação e políticas numa perspectiva global comparada

DURAÇÃO DO TRABALHO EM TODO O MUNDO: Tendências de jornadas de trabalho, legislação e políticas numa perspectiva global comparada DURAÇÃO DO TRABALHO EM TODO O MUNDO: Tendências de jornadas de trabalho, legislação e políticas numa perspectiva global comparada Conferência A Indústria Química no Ano 2020 Santo André, 27 de setembro

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho e treinamento profissional para os profissionais da Saúde em um Hospital Público em Belo Horizonte, Minas Gerais

Qualidade de vida no trabalho e treinamento profissional para os profissionais da Saúde em um Hospital Público em Belo Horizonte, Minas Gerais Qualidade de vida no trabalho e treinamento profissional para os profissionais da Saúde em um Hospital Público em Belo Horizonte, Minas Gerais Caroline Bicalho Maluf Belo Horizonte Julho, 2012 1. PROBLEMA

Leia mais

Barbara Correia Neves; Laura Motta Fernandes; Maysa Alahmar Bianchin; Bolsa de IC Faculdade de Medicina de S.J.Rio Preto

Barbara Correia Neves; Laura Motta Fernandes; Maysa Alahmar Bianchin; Bolsa de IC Faculdade de Medicina de S.J.Rio Preto Barbara Correia Neves; Laura Motta Fernandes; Maysa Alahmar Bianchin; Bolsa de IC Faculdade de Medicina de S.J.Rio Preto INTRODUÇÃO No campo dos cuidados da saúde, o trabalho de enfermagem, além de insalubre,

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA

FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA Martha Maria Macedo Bezerra Rachel de Sá Barreto Luna Callou Cruz 2 Elisabeth Alves Silva 3 Resumo O estresse é um dos

Leia mais

Direitos Sociais. 2ª Dimensão de Direitos Fundamentais

Direitos Sociais. 2ª Dimensão de Direitos Fundamentais Direitos Sociais 2ª Dimensão de Direitos Fundamentais 2ª Dimensão de Direitos Fundamentais A 2ª Geração/Dimensão de Direitos Fundamentais foi marcada pela característica positiva, ou seja, de prestações

Leia mais

I Workshop dos Programas de Pós-graduação em Enfermagem

I Workshop dos Programas de Pós-graduação em Enfermagem PRAZER E SOFRIMENTO: RECONHECIMENTO NO TRABALHO DE PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Linha de Pesquisa: Gestão em serviços de saúde Responsável pelo trabalho: GONÇALVES, A. M. Instituição:

Leia mais

Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade. Laís Abramo, OIT Novembro 2014

Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade. Laís Abramo, OIT Novembro 2014 Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade Laís Abramo, OIT Novembro 2014 Quanto custam as mulheres? É muito frequente a noção de que os custos da mão de obra feminina são superiores aos

Leia mais

5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL

5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL 5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL 1 DEPARTAMENTO PESSOAL Algum tempo atrás, somente empresas de grande porte sabiam a importância de manter um departamento pessoal. Mas alguns anos

Leia mais

CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS

CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS Ser Humano tratado como Vantagem Competitiva Empregado como principal agente no desempenho organizacional Essa valorização é feita através de recompensas O mais importante

Leia mais

ANÁLISE DA DOR E QUALIDADE DE VIDA (QV) EM COSTUREIRAS DE CONFECÇOES DE PEQUENO PORTE NA CIDADE DE ERVÁLIA,

ANÁLISE DA DOR E QUALIDADE DE VIDA (QV) EM COSTUREIRAS DE CONFECÇOES DE PEQUENO PORTE NA CIDADE DE ERVÁLIA, ANÁLISE DA DOR E QUALIDADE DE VIDA (QV) EM COSTUREIRAS DE CONFECÇOES DE PEQUENO PORTE NA CIDADE DE ERVÁLIA, MG Fernanda Godinho Silva 1, Ramon Repolês 2 Resumo: Este estudo analisou a qualidade de vida,

Leia mais

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REQUISITOS, REMUNERAÇÃO MENSAL, JORNADA DE TRABALHO E ATRIBUIÇÕES. I VAGAS POR LOTAÇÃO, COM RESERVA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. 1.1 Nível Superior Advogado Região 02 01 03 (a)

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO 16/03/2010

ÉTICA E LEGISLAÇÃO 16/03/2010 ÉTICA E LEGISLAÇÃO EMPRESAS E SOCIEDADE Um dos desafios maiores de uma empresa é vencer a aparente contradição entre a sobrevivência e o crescimento, mantendo a humanização do trabalho e o resgate da dignidade

Leia mais

PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015

PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015 PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015 Assunto: Parecer Técnico sobre a mudança de setor sem aviso. 1-Do Fato: Olá sou Enfermeira do Waldemar de Alcântara há 3 anos, trabalho no Centro Cirúrgico no serviço noturno.

Leia mais

2.2 Elementos formais e informais

2.2 Elementos formais e informais 2.2 Elementos formais e informais A produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo com a solidariedade de suas

Leia mais

Joselita Batista dos Santos

Joselita Batista dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ESPAÇO DE HUMANIZAÇÃO DO SERVIDOR, JOÃO CÂMARA/RN Joselita Batista dos Santos João Câmara, RN Agosto, 2012 1 1.

Leia mais

BHTRANS Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte

BHTRANS Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte BHTRANS Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte Evolução na Carreira A forma de evolução na carreira de cada categoria funcional, indicando critérios percentuais, interstícios, teto possível

Leia mais

04/03/2015 GPII - 1. Tópicos. Os procedimentos de registros fazem parte das rotinas de um Departamento de Pessoal, que envolvem :

04/03/2015 GPII - 1. Tópicos. Os procedimentos de registros fazem parte das rotinas de um Departamento de Pessoal, que envolvem : Tópicos pg 1.Introdução 2 2.Jornada de Trabalho 3 3.Hora Extraordinária 4 4.Férias 5 5.Auxílio Doença 6 6.Período de Descanso 7 7.Trabalho da Mulher 8 8.Trabalho do Menor 10 9.Empregado Doméstico 11 10.Exercícios

Leia mais

Proposta para PLANTÃO 24hx72h - SINDIRECEITA

Proposta para PLANTÃO 24hx72h - SINDIRECEITA Proposta para PLANTÃO 24hx72h - SINDIRECEITA Considerando que a jornada de trabalho dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil é de 40 horas semanais conforme artigo 19 da Lei nº 8.112/1990;

Leia mais

Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia

Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia Michele Firmino Guimarães Vanessa Q. Rocha Centro Universitário do Norte (Uninorte) RESUMO Este trabalho vem mostrar o

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO DO PERFIL DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA CIDADE DE JUIZ DE FORA - MG

ESTUDO EXPLORATÓRIO DO PERFIL DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA CIDADE DE JUIZ DE FORA - MG ESTUDO EXPLORATÓRIO DO PERFIL DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA CIDADE DE JUIZ DE FORA - MG 1 RESUMO Gestão de Pessoas é uma nova perspectiva para a área de Recursos Humanos (RH) que implica em assumir um

Leia mais

Fábio Patrus Superintendente de Gestão de Pessoas e Qualidade Hospital Sírio-Libanês. I Fórum de Recursos Humanos - SPDM

Fábio Patrus Superintendente de Gestão de Pessoas e Qualidade Hospital Sírio-Libanês. I Fórum de Recursos Humanos - SPDM Fábio Patrus Superintendente de Gestão de Pessoas e Qualidade Hospital Sírio-Libanês I Fórum de Recursos Humanos - SPDM Administrador de Empresas FACE-UFMG Mestre em Administração Hospitalar e de Sistemas

Leia mais

Motivação Página 1. Motivação

Motivação Página 1. Motivação Motivação Página 1 Objetivo: Entender o processo de motivação; descrever as teorias da motivação mais antigas e explicar como as teorias contemporâneas sobre motivação se completam mutuamente. Referências:

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG383 Gerência em Enfermagem II

Programa Analítico de Disciplina EFG383 Gerência em Enfermagem II 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 8 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR Realização: Ibope A Fundação Victor Civita, que tem por missão contribuir para a melhoria da qualidade da Educação Básica no Brasil, produzindo publicações, sites, material pedagógico,

Leia mais

Doenças Mentais e os Riscos Psicossociais no Trabalho

Doenças Mentais e os Riscos Psicossociais no Trabalho Doenças Mentais e os Riscos Psicossociais no Trabalho Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho Porto Alegre, Novembro/2010 Especialista em Medicina do Trabalho, Doutora pela USP, Diretora

Leia mais

MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP

MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP Patricia Santesso Laurino Assessora de Aprimoramento e Desenvolvimento Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de

Leia mais

Estresse. O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no

Estresse. O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no Estresse O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no contexto profissional quanto na vida pessoal. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 90% da população mundial sofre

Leia mais

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito

Leia mais

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Agenda Stress profissional nos enfermeiros e seus impactos Burnout profissional Engagement com o trabalho Preditores

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A FUNÇÃO GERENCIAL DO ENFERMEIRO

REFLEXÕES SOBRE A FUNÇÃO GERENCIAL DO ENFERMEIRO 1 REFLEXÕES SOBRE A FUNÇÃO GERENCIAL DO ENFERMEIRO A gerência pode ser entendida como a arte de pensar, de decidir e de agir; é a arte de fazer acontecer, de obter resultados. (1) Tais resultados podem

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA IMPACTO NA GESTÃO DE PESSOAS, CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA IMPACTO NA GESTÃO DE PESSOAS, CENÁRIOS E PERSPECTIVAS 1º FÓRUM DE RELAÇÕES TRABALHISTAS LEGISLAÇÃO TRABALHISTA IMPACTO NA GESTÃO DE PESSOAS, CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Sumário o o o RELAÇÕES DE TRABALHO E RH AMPLITUDE DE TEMAS IMPOÂNCIA DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

Leia mais

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 24/02/2014 HORÁRIO: 15h00 TEMA: Programa de Participação

Leia mais

AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL COROINHA DARONCHI 1

AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL COROINHA DARONCHI 1 AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL COROINHA DARONCHI 1 Débora Regina Lermen 2, Maira Fátima Pizolotto 3. 1 Trabalho de Conclusão de Curso 2 Aluna do curso de Administração

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM Missão Objetivo Geral Objetivos Específicos

CURSO: ENFERMAGEM Missão Objetivo Geral Objetivos Específicos CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

NORMA DE REGISTRO DE FREQUÊNCIA - NOR 311

NORMA DE REGISTRO DE FREQUÊNCIA - NOR 311 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REGISTRO E APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 89, de 14/09/2015. VIGÊNCIA: NORMA DE REGISTRO DE FREQUÊNCIA - NOR 311 1/9 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

4 Perfil do Quadro de Servidores

4 Perfil do Quadro de Servidores 4 Perfil do Quadro de Servidores 4.1 Servidores Docentes O quadro de servidores docentes do IFRO é composto por Professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico regidos pela Lei nº 8.112/90 e Lei nº

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

Andréia de Conto Garbin

Andréia de Conto Garbin Andréia de Conto Garbin Promoção: DVST - CEREST ESTADUAL/SP São Paulo, 12 de novembro de 2015 O nexo causal dos Transtornos mentais relacionados ao trabalho e a importância da anamnese ocupacional Por

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIAÇÃO, CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIAÇÃO, CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO 9 PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIAÇÃO, CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO 120 121 9-PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIA- ÇÃO CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO 9.1-COMENTÁRIO O monitoramento de um Programa de

Leia mais

Jornada de Trabalho das Entidades do Sistema FIEMA JORNADA DE TRABALHO ENTIDADES DO SISTEMA FIEMA - FIEMA - SESI - SENAI - IEL -

Jornada de Trabalho das Entidades do Sistema FIEMA JORNADA DE TRABALHO ENTIDADES DO SISTEMA FIEMA - FIEMA - SESI - SENAI - IEL - Jornada de Trabalho das Entidades do Sistema FIEMA DC-GP-81 Rev.: 01 21/11/2013 ELABORAÇÃO COGEP APROVAÇÃO Comissão Gestora ENTIDADE TODAS JORNADA DE TRABALHO ENTIDADES DO SISTEMA FIEMA - FIEMA - SESI

Leia mais

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores.

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores. Assunto: Política de Jornada de Trabalho Página: 1 / 5 Descrição: Política de Jornada de Trabalho. A DIRETORIA da LBH BRASIL, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista a elaboração do presente

Leia mais

Ausências na equipe de enfermagem em unidades de clínica médico-cirúrgica de um hospital filantrópico*

Ausências na equipe de enfermagem em unidades de clínica médico-cirúrgica de um hospital filantrópico* Artigo Original Ausências na equipe de enfermagem em unidades de clínica médico-cirúrgica de um hospital filantrópico* Absenteeism in the nursing team in surgical-clinical units of a philanthropic hospital

Leia mais

O que é banco de horas?

O que é banco de horas? Este conteúdo faz parte da série: Controle de Horas Extras Ver 4 posts dessa série O que é banco de horas? O banco de horas é um sistema que serve para flexibilizar a jornada de trabalho de funcionários,

Leia mais

III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA

III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA Proposta de Sistema de Indicadores de Desempenho de Segurança Pública Doriam Borges (Consultor da SENASP) Abril de 2009 A informação como instrumento

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. GESTÃO ESTRATÉGICA POR COMPETÊNCIA

Leia mais

Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado do Rio Grande do Sul

Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado do Rio Grande do Sul Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado do Rio Grande do Sul Metodologia e amostra Investigação com uso de entrevistas presenciais. Nesta etapa, das cidades em que encontramos

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem na Saúde do Trabalhador Professor: Maria Júlia Nascimento Cupolo E-mail: mjulia.cupolo@fasete.edu.br

Leia mais

Direito do Trabalho. Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas

Direito do Trabalho. Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas Direito do Trabalho Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas Horas Extras Art. 58 A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas

Leia mais

DuPont, sua Cultura de Segurança e PSM

DuPont, sua Cultura de Segurança e PSM DuPont, sua Cultura de Segurança e PSM Eduardo Francisco Gerente Corporativo SSMA Líder PSM América Latina A Cultura DuPont em Segurança, Saúde e Meio Ambiente 1802 Início das operações fábrica de pólvora

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO ERGONÔMICO E NORMAS REGULAMENTADORAS DO TRABALHO.

ANÁLISE DO CONHECIMENTO ERGONÔMICO E NORMAS REGULAMENTADORAS DO TRABALHO. 1 ANÁLISE DO CONHECIMENTO ERGONÔMICO E NORMAS REGULAMENTADORAS DO TRABALHO. RESUMO Maílla S. Silva 1 Paloma C. Dias Regina de S. Fagundes Tauane F. S. Amaral Mauro C.R. Santos 2 O presente estudo discute

Leia mais

PORTARIA Nº 1478/GR, DE 21 DE JULHO DE 2016.

PORTARIA Nº 1478/GR, DE 21 DE JULHO DE 2016. Regulamenta a solicitação da flexibilização de jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos em educação do Instituto Federal de Alagoas e dá outras providências. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros)

Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros) Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros) Altera a Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006, a Consolidação das Leis do Trabalho aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio

Leia mais

CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL

CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL PLANO DE AULA Contexto e Mudanças no Ambiente de Trabalho Conceito de Clima Organizacional Conceito de Cultura Organizacional Clima e Cultura Organizacional Indicadores de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Participação nos Resultados da Cooperativa de Trabalho Médico da Região Oeste Catarinense

Leia mais

Módulo 16 Relações com os trabalhadores. Segurança, Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho.

Módulo 16 Relações com os trabalhadores. Segurança, Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho. Módulo 16 Relações com os trabalhadores. Segurança, Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho. 16.1 Relações com os trabalhadores O estilo de gestão adotado por uma empresa estrutura toda a forma de condução

Leia mais

ESTUDO DO ABSENTEÍSMO-DOENÇA DO PESSOAL DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1

ESTUDO DO ABSENTEÍSMO-DOENÇA DO PESSOAL DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1 1 ESTUDO DO ABSENTEÍSMO-DOENÇA DO PESSOAL DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1 Angela Elisa Breda 2 ; Anair Lazzari Nicola 3 Introdução O trabalho sempre ocupou posição de destaque na vida das

Leia mais

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender DICAS Para a sua leitura: Os itens do índice são clicáveis, então sinta-se à vontade para ler o conteúdo que

Leia mais

CHAMA O SAMU: QUEM PRECISA SOU EU. Edilzia Souza Guedes (1) Augusto Catarino Bardosa (2) Robson Edney Mariano (3)

CHAMA O SAMU: QUEM PRECISA SOU EU. Edilzia Souza Guedes (1) Augusto Catarino Bardosa (2) Robson Edney Mariano (3) CHAMA O SAMU: QUEM PRECISA SOU EU Edilzia Souza Guedes (1) Augusto Catarino Bardosa (2) Robson Edney Mariano (3) (1) Universidade Potiguar (UNP); edilziaguedes@hotmail.com (2) Universidade Potiguar (UNP);

Leia mais

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL Andréia Therezinha Lima Reis * A gestão pública brasileira vive um momento de transição e ajustamento às exigências, tanto das leis de responsabilidade

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015

GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015 GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015 SUMÁRIO PROBLEMAS LEGISLAÇÃO AMBIENTE SOLUÇÕES PROBLEMAS CULTURA HISTÓRIA

Leia mais

Motivação Conceito e Aplicações

Motivação Conceito e Aplicações Motivação Conceito e Aplicações Cap. 6 e 7 (11º edição) Cap. 7 e 8 (14º edição) Profª. Drª. Adriana Cristina Ferreira Caldana Motivação Origem Etimológica: (Latim: Movere), noção de dinâmica ou de ação

Leia mais

é gratuito e não há contraprestação para quem presta o serviço não é remunerado.

é gratuito e não há contraprestação para quem presta o serviço não é remunerado. é gratuito e não há contraprestação para quem presta o serviço não é remunerado. Jornada de Trabalho Jornada em revezamento de forma ininterrupta um grupo de colaboradores assume o posto de outro a jornada

Leia mais

Jornada de trabalho LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA

Jornada de trabalho LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA Jornada de trabalho 1 A jornada de trabalho normal será o espaço de tempo durante o qual o empregado deverá prestar serviço ou permanecer à disposição do empregador, com habitualidade, executadas as horas

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO HISTÓRICO A ergonomia nasce da constatação de que o Homem não é uma máquina, pois: - ele não é um dispositivo mecânico; - ele não transforma energia como uma máquina a vapor;

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL: QUALIDADE E CLIMA ORGANIZACIONAL NO TRABALHO EM UM RESTAURANTE DA CIDADE DE JOÃO PESSOA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL: QUALIDADE E CLIMA ORGANIZACIONAL NO TRABALHO EM UM RESTAURANTE DA CIDADE DE JOÃO PESSOA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL: QUALIDADE E CLIMA ORGANIZACIONAL NO TRABALHO EM UM RESTAURANTE DA CIDADE DE JOÃO PESSOA Erick Araújo Silva Sayomara Silva Meireles Thales Batista de Lima RESUMO: Atualmente,

Leia mais

Compreender e aplicar os cálculos trabalhistas necessários à elaboração da folha de pagamento.

Compreender e aplicar os cálculos trabalhistas necessários à elaboração da folha de pagamento. ROTINAS DE ADM. DE PESSOAL - GST1141 Título Cálculos trabalhistas - execícios propostos Objetivo Ao final da realização das atividade o aluno será capaz de: Compreender e aplicar os cálculos trabalhistas

Leia mais

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Habilidade, métodos, políticas, técnicas e práticas QUEM SOMOS Somos uma empresa jovem com a visão de valorização do recurso humano como impulso

Leia mais

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico)

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico) Layout (Arranjo Físico) O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido pelos indivíduos dentro da empresa; Importa mais o fluxo do trabalho e pessoas que o aspecto visual e de conforto;

Leia mais

O trabalho na saúde pública e a saúde no trabalho: uma experiência de estágio com grupo de enfermeiros.

O trabalho na saúde pública e a saúde no trabalho: uma experiência de estágio com grupo de enfermeiros. O trabalho na saúde pública e a saúde no trabalho: uma experiência de estágio com grupo de enfermeiros. Tanya Marques Cardoso 1 Milena dos Santos Maróstica 2 Cláudio Edward dos Reis 3 Faculdade de Ciências

Leia mais

Absenteísmo dos servidores da Universidade Federal do Ceará

Absenteísmo dos servidores da Universidade Federal do Ceará Absenteísmo dos servidores da Universidade Federal do Ceará Francisco José Carneiro Teles 1, André Luiz Gomes Aires 2 Ana Elisa Alencar 3 1,2 Acadêmicos do Curso de Perícia Oficial em Saúde do Centro Universitário

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar 21/9/2015 Rosely Gaeta Revisão Fundamentos da Administração Introdução àadministração e às organizações Fonte: Felipe Sobral Alketa Peci - Teoria e Prática no Contexto Brasileiro

Leia mais

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho 1 CONCLUINDO A SST e a defesa do trabalhador, da comunidade e do meio ambiente Na promoção da segurança e saúde no trabalho o indivíduo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE CADA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAMPUS: MARUÍPE - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

INTRODUÇÃO À METODOLOGIA GRUPOSER PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO À METODOLOGIA GRUPOSER PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO À METODOLOGIA GRUPOSER PARA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL O que é Clima mesmo? Clima é a percepção coletiva que as pessoas têm da empresa, através da vivência de práticas, políticas, estrutura,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CARGA MENTAL DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO SETOR DA CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ HUOP

AVALIAÇÃO DA CARGA MENTAL DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO SETOR DA CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ HUOP AVALIAÇÃO DA CARGA MENTAL DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO SETOR DA CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ HUOP ISABELE MAIA GALVÃO JOSÉ MOHAMUD VILAGRA HELENARA SALVATI BERTOLOSSI

Leia mais