ÍNDICE DE ABSENTEISMO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE DE ABSENTEISMO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO"

Transcrição

1 ÍNDICE DE ABSENTEISMO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANAIR LAZZARI NICOLA RONALDO LUIZ BARBOZA MARISTELA SALETE MARASCHIN RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo identificar e analisar o índice de absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem e conhecer as causas do mesmo no Hospital Universitário do Oeste do Paraná, localizado na cidade de Cascavel - PR. A população estudada contemplou enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, que no período de janeiro a dezembro de 2004, que mantinham vínculo com a referida instituição. Foi realizamos um levantamento retrospectivo sobre a incidência de ausências e suas causas. Durante o ano de 2004, o referido hospital tinha em média 285 funcionários de enfermagem. No período estudado, encontramos dias de faltas, dias de licença médica com até 15 dias, dias de licença médica a partir de 15 dias de afastamento, 979 dias de licença maternidade, dias de férias, 582 dias de licença especial, 1.757,1 dias de horas extras a 50% este percentual corresponde ao horário normal de trabalho e 520,6 dias de horas extras a 100%, correspondendo a domingos e feriados. Como as causas do absenteísmo nem sempre estão somente no funcionário, mas também na organização e nas condições do trabalho, acreditamos que o resultado desta investigação servirá de suporte à Direção do Serviço de Enfermagem, Direção Geral e Recursos Humanos do Hospital para estudos e análise, em conjunto a outros fatores organizacionais para a implementação de políticas institucionais ou programas que visem reduzir os níveis de ausências, atuando sobre as causas do absenteísmo e não mais só sobre seus efeitos. PALAVRAS-CHAVE: Absenteísmo; Enfermagem; Trabalhadores.

2 INTRODUÇÃO: O absenteísmo é uma expressão usada para designar a falta do empregado ao trabalho e tem se tornado um problema crucial para as organizações e seus administradores. Suas causas estão ligadas a múltiplos fatores que o torna complexo e de difícil gerenciamento. Seu efeito é negativo, pois as ausências diminuem a produção, repercutindo diretamente na economia da empresa. Ele ocasiona não só custos diretos, mas também indiretos representados pela diminuição da produtividade, redução da qualidade e pelos problemas administrativos. Os fatores desencadeantes do absenteísmo podem estar relacionados com as condições de trabalho que as empresas oferecem, por fatores sociais, culturais, de personalidade e de doenças (CHIAVENATO, 1997). Assim podemos perceber que existe um conjunto de fatores que podem levar ao absenteísmo. Ainda, segundo o autor, um aspecto importante a ser considerado é que as causas do absenteísmo nem sempre estão no trabalhador, mas na empresa e podem ser encontradas na deficiência e na organização e supervisão do trabalho, na repetitividade das tarefas, nas condições desfavoráveis de ambiente e do trabalho, na falta de integração entre os funcionários e a empresa estes, são fatores que podem levar a desmotivação e desestímulo dos trabalhadores e como conseqüência à ausência no trabalho. Nas instituições hospitalares, a enfermagem constitui-se no maior contingente da força de trabalho e suas atividades geralmente são marcadas pela fragmentação das tarefas, por uma estrutura hierárquica inflexível para o cumprimento dos regulamentos e rotinas e com dimensionamento de pessoal insuficiente tanto qualitativamente como quantitativamente com repercussões na qualidade da assistência prestada, na resolutividade, na produtividade e nos elevados índices de absenteísmo, principalmente por doenças. Segundo Gaidzinski e Kurcgant (1998), absenteísmo é o comportamento de faltar ao trabalho com freqüência, independente das causas que o motiva e das conseqüências que provoca. O ônus econômico acarretado pelas ausências ao trabalho tem preocupado os administradores devido a sua repercussão e abrangência gerando prejuízos no desenvolvimento do trabalho, aumento dos custos de produção, efeitos negativos na moral dos trabalhadores e diminuição da qualidade e produtividade. O trabalho hospitalar, caracteriza-se pela concentração de condições de trabalho de risco, representadas por

3 trabalho noturno, nos finais de semana, por carga horária diária extensa, por cuidar de enfermos, por manipulação de produtos químicos, por radiações ionizantes, por transporte de cargas e por lidar com a morte (PITTA, 2003; SILVA; MARZIALE, 2003) Depoimentos de gerentes de enfermagem de hospitais brasileiros demonstram a necessidade de proporcionar boa qualidade de vida e preservar a saúde física e mental dos profissionais de enfermagem. Reconhecem que o desgaste diário do exercício profissional, o estresse e os conflitos enfrentados pela equipe, necessitam de medidas e estratégias que incentivem a promoção da saúde dos trabalhadores para garantir a qualidade da assistência, a produtividade e evitar o absenteísmo (NASCIMENTO, 2003). Historicamente o exercício do trabalho de enfermagem continua sendo desenvolvido predominantemente por mulheres. As atividades de cuidar dos doentes com suas características tecnológicas próprias de assistir, higienizar, alimentar, prover dos elementos indispensáveis ao bom desenvolvimento do enfermo, seguindo os padrões da divisão social do trabalho, sempre estiveram delegadas a mulher (PITTA, 2003). Segundo estudo publicado pelo Ministério da Saúde, em 1996, do pessoal de enfermagem empregado em todos os setores da economia, 85,26% são mulheres (BRASIL, 1996). Investigações têm sido realizadas sobre alguns aspectos da realidade profissional da mulher e a relação com o absenteísmo, mostrando que este se dá pelo acumulo de tarefas, pois após terminarem a jornada de trabalho formal nas empresas, se deparam com um vasto leque de atividades domésticas e familiares a serem cumpridas (PITTA, 2003; NASCIMENTO, 2003). Outra variável que intensifica o problema do absenteísmo é o fato do profissional de enfermagem possuir múltiplos empregos devido aos salários aviltantes e incompatíveis com a dignidade de suas atividades (ROBAZZI; MARZIALE, 1999). Nos estudos acerca do absenteísmo na área de enfermagem, uma das abordagens predominantes é a relação entre saúde-doençatrabalho. Os prejuízos à saúde física e mental decorrem das atividades realizadas em extensas jornadas de trabalho, do ritmo acelerado da produção desencadeado por excesso de tarefas, da realização de ações repetitivas e baixa remuneração. O trabalho desenvolvido nessas condições deixa de significar satisfação e ganhos e passa a representar sofrimento, exploração, doença e até morte (PITA, 2003). Em estudo

4 realizado pela mesma autora, as manifestações somáticas de distúrbios e sofrimento psíquico são antigas e conhecidas, frente a dificuldades de as pessoas habitualmente elaborarem no nível de pensamento angústias e dificuldades na esfera psíquica, assim, evidenciam de modo indireto as doenças e o sofrimento psíquico. Além destes aspectos, encontrou também problemas de ordem do aparelho-gênito urinário, grupo de pessoas poliqueixosas, transtornos mentais, doenças mal definidas, doenças do aparelho digestivo. Stacciarini; Tróccoli (2000), ao relacionar o estresse na profissão do enfermeiro evidenciam o papel interveniente das organizações. Ainda para as autoras, a influência organizacional sobre o estresse ocupacional do enfermeiro, parece estar mais voltada para aqueles que têm algum poder decisório na instituição, principalmente entre os enfermeiros com cargos administrativos. Outro aspecto importante são os fatores intrínsecos ao trabalho como, as relações interpessoais que comportam consecutivamente a sobrecarga de trabalho e os problemas de relacionamento, estes fatores são os maiores determinantes de estresse entre os enfermeiros. O ambiente organizacional, a falta de suporte social, de competência e confiança no papel profissional e a falta de preparo adequado são interpretados como fontes de estresse, tais condicionantes encontram-se relatados ao longo do tempo pelas publicações já realizadas. Segundo Robbins (2005), o condicionante ambiente organizacional revelase como fonte de estresse a partir das pressões para evitar erros ou cumprir prazos, a carga excessiva de tarefas, a insensibilidade das chefias e os relacionamentos desagradáveis, e, em tais situações podemos categorizar a partir das tarefas, dos papéis e das demandas interpessoais, da estrutura organizacional, da liderança organizacional, e ainda do lapso temporal de vida da organização. Assim, podemos dizer que as tarefas estão relacionadas às pessoas e as características de cada trabalho, bem como as condições que este trabalho se dá e o ambiente físico. Por sua vez as demandas dos papéis relacionam-se com as pressões sofridas pela pessoa em razão do papel que desempenha na organização, vez que os conflitos entre os diferentes papéis geram expectativas de difícil conciliação e satisfação (ROBBINS, 2005). As demandas interpessoais vinculam-se a falta de apoio social por parte dos colegas ou relações interpessoais insatisfatórias, refletindo assim como pressões

5 exercidas por outros funcionários. A estrutura permite-se como fonte de estresse a partir do nível de diferenciação dentro da organização, à quantidade de regras e regulamentações e forma de tomada de decisões. A liderança está ligada ao estilo gerencial, onde se cultuam as tensões, pelo medo e pela ansiedade, estabelecem pressões irrealistas para o desempenho em curto prazo (idéias focadas a aspectos pontuais desligados da realidade fática da estrutura), impõem controle muito rígido e enfocam rotineiramente a demissão de profissionais que não atingem as metas (ROBBINS, 2005). A falta de suporte social remete o trabalhador de enfermagem a uma situação de estresse em face da conjuntura política e econômica vivenciada pelo mesmo, fator que interfere de sobremaneira no seu desempenho, e via de conseqüência, o leva ao estresse reduzindo sua capacidade profissional e laboral. Algumas pessoas são capazes de reagir a situações estressantes, enquanto outras se abatem perante as mesmas. Os fatores individuais estão associados à história de vida do trabalhador, suas experiências e o acumulo destas. Podemos dizer que o indivíduo relaciona a sua capacidade de produção aos problemas econômicos, aos relacionamentos familiares e pessoais. Assim, podemos referir que os fatores de estresse são fenômenos cumulativos. O profissional se depara com problemas da falta de competência e do preparo ao exercício da função, que sua vez referencia fatores estressantes, pois diante da prática e no regular exercício de seus papéis torna-se incompreensível suas atitudes e decisões, que rotineiramente estão desvinculadas da realidade e necessidade que os fatos se apresentam para a intervenção, quer sejam, de ordem administrativa ou da assistência. Embora o absenteísmo venha sendo focalizado predominantemente sob a ótica da saúde ocupacional este fator insere-se em um contexto mais amplo, qual seja a da gerência de recursos humanos, particularmente no que se refere ao dimensionamento de pessoal de enfermagem, transcendendo assim, a área da saúde ocupacional. Sob essa perspectiva, o absenteísmo representa uma das variáveis que interfere na organização dos serviços de enfermagem e no estabelecimento do quadro de recursos humanos (GAIDZINSKI, 1998). Assim, quando se trata de dimensionar o quadro de pessoal de enfermagem, é necessário tomar as ausências do indivíduo no trabalho de forma distinta, ou seja,

6 existem ausências que podem ser previstas e a cobertura pode ser realizada de forma planejada, porém, o que afeta o desenvolvimento das atividades nos serviços de enfermagem, são as chamadas ausências não previstas, as quais exigem estratégias de planejamento diferenciadas. Diante das considerações apresentadas entendemos que o absenteísmo constitui um problema da gerência de recursos humanos e para a direção do serviço de enfermagem hospitalar que necessita manter um número suficiente de profissionais nas vinte e quatro horas para atender as necessidades dos pacientes sob sua responsabilidade. Para Chiavenato (1997), uma das formas de conhecer a magnitude do absenteísmo no âmbito organizacional é mensurá-lo através do índice de absenteísmo. Este é um indicador que reflete a porcentagem de tempo (dias e horas) não trabalhado devido às ausências em relação ao volume de atividades planejadas. Nos processos de dimensionamento de pessoal de enfermagem é imprescindível conhecer o índice de absenteísmo para que seja viável estabelecer o percentual de pessoal necessário para a cobertura dessas ausências denominado Índice de Segurança Técnica (IST) para garantir a qualidade da assistência prestada. OBJETIVOS: Identificar e analisar o índice de absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem e conhecer as causas do mesmo no Hospital Universitário do Oeste do Paraná. METODOLOGIA: Realizamos um levantamento retrospectivo sobre a incidência de ausências e suas causas, no período de um ano (janeiro a dezembro de 2004). A população estudada foi constituída por enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem de um hospital universitário. Para a realização da pesquisa, solicitamos autorização à Direção Geral do Hospital e ao Comitê de Ética em Pesquisa da universidade. Após o parecer favorável, realizamos a coleta de dados junto aos registros efetuados pelo Setor de Recursos Humanos do hospital. A principal variável do estudo foi identificar as causas das ausências registradas.

7 RESULTADOS: Durante o ano de 2004, o referido hospital tinha em média 285 funcionários de enfermagem registrados em seu quadro funcional. Segundo Gaidzinski (1998) as ausências, no serviço de enfermagem, podem ser consideradas previstas como as férias, folgas semanais e feriados e aquelas consideradas não previstas, por exemplo, faltas justificadas e injustificadas, suspensões, licenças médica, maternidade, paternidade, nojo, gala, entre outras. No período estudado, encontramos dias de faltas sem justificativa dias de licença médica com até 15 dias dias de licença médica a partir de 15 dias de afastamento, considerado auxílio doença. 979 dias de licença maternidade dias de férias, 582 dias de licença especial. Ao aplicar o cálculo do índice de absenteísmo proposto por Chiavenato (1997), encontramos uma média de 4,06 dias de falta sem justificativa para cada funcionário de enfermagem. 5,61 dias de licença médica até quinze dias por funcionário. 6,77 dias de auxílio doença. 3,43 dias de licença maternidade. 21,74 dias de férias e 2,04 dias de licença especial por funcionário. Com o elevado índice de absenteísmo, houve a necessidade de cobertura, supridas por meio de horas extras, ficando assim representadas, 1.757,1 dias de horas extras a 50% este percentual corresponde ao horário normal de trabalho e 520,6 dias de horas extras a 100%, correspondendo a domingos e feriados, ou seja, 6,16 dias de horas extras a 50% e 1,82 dias de horas extras a 100% para cada funcionário de enfermagem. Os resultados encontrados apontam que o maior índice de ausências corresponde a licença médica, com afastamento de mais de 30 dias, seguido da licença médica com afastamento de até 15 dias. Estudos realizados em diferentes instituições hospitalares indicam que a licença relacionada a problemas de saúde constitui-se na principal causa de ausências não previstas da equipe de enfermagem. Para Nicola (2004), o absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem do hospital onde este estudo foi desenvolvido, pode estar relacionado a sentimentos de insatisfação com o ambiente e condições de trabalho, número insuficiente de funcionários, tendo em vista que não existe substituição dos funcionários que estão de folga ou que faltam e isso gera sobrecarga de trabalho para os demais profissionais que permanecem no

8 trabalho. Outra forma de insatisfação manifestada está relacionada à ausência de qualquer benefício social, além daqueles exigidos pela legislação trabalhista e previdência social, bem como a ausência de um plano de assistência médico-hospitalar diferenciado que proporcionaria certo grau de segurança em casos de imprevistos de doenças ou emergências. CONCLUSÃO: Como as causas do absenteísmo nem sempre estão somente no funcionário, mas também na organização e nas condições do trabalho, acreditamos que o resultado desta investigação poderá subsidiar a Direção do Serviço de Enfermagem, Direção Geral e Recursos Humanos do Hospital estabelecer políticas institucionais ou programas que visem reduzir os níveis de ausências. A identificação dos tipos de ausências e sua repercussão na produtividade devem servir de suporte para ações voltadas para a melhoria das condições de trabalho e que visem à redução do percentual de ausências. As ações devem estar voltadas para as causas do absenteísmo e não mais só sobre seus efeitos. Administrar o problema das ausências, segundo Chiavenato (1999) traz retornos indiscutíveis relacionados aos custos. Cada pequena redução nos níveis de absenteísmo pode trazer razoável economia para a organização, bem como, melhoria na qualidade da assistência prestada, satisfação da equipe de enfermagem e melhorar as condições ambientais de trabalho, evitando assim, a sobrecarga para os profissionais que cumprem sua jornada de trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto de profissionalização dos trabalhadores da área de enfermagem (PROFAE). Sinais de mercado de trabalho do pessoal de enfermagem no Brasil. Brasília, CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

9 GAIDZINSKI, R.R. Dimensionamento do pessoal de enfermagem em instituições hospitalares. São Paulo, p. Tese (Livre-Docência) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo. GAIDZINSKI, R.R., KURCGANT, P. Dimensionamento do pessoal de enfermagem: vivência de enfermeiras. Nursing, São Paulo, v. 1, n.2, p , NASCIMENTO, G.M. Estudo do absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem em uma unidade básica e distrital de saúde do município de Ribeirão Preto-SP. Ribeirão Preto p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. NICOLA, A.L. Dimensionamento de pessoal de enfermagem no Hospital Universitário do Oeste do Paraná. Ribeirão Preto p. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. PITTA, A. M.F. Hospital: dor e morte como oficio. 5. ed. São Paulo: Annablume/Hucitec, ROBAZZI, M.L.C.C., MARZIALE, M. H. P. Alguns problemas ocupacionais decorrentes do trabalho de enfermagem no Brasil. Rev. Bras. Enf. Brasília, v. 52, n. 3, p , jul/set ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, STACCIARINI, J. M. R.; TRÓCCOLI, B. T. Instrumento para mensurar o estresse ocupacional: inventário de estresse em enfermeiros (IEE). Revista Latino Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 8, n. 6. p , dezembro de 2000.

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Estudos de Psicologia Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Marcela Luísa Manetti Maria Helena Palucci Marziale Universidade de São Paulo Ribeirão Preto Resumo ao trabalho

Leia mais

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho

Stress e a caracterização de doenças psicológicas. Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho Stress e a caracterização de doenças psicológicas Camila Helaehil Alfredo Médica do Trabalho camila@azevedonetto.com.br Definição Uma força que deforma corpos processo corporal para se adaptar a todas

Leia mais

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem Profa. Dra. Ana Maria Laus analaus@eerp.usp.br ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... cuidado de enfermagem prestado nas 24 horas elaboração de uma escala de trabalho

Leia mais

GESTÃO DE ABSENTEÍSMO

GESTÃO DE ABSENTEÍSMO GESTÃO DE ABSENTEÍSMO O CENÁRIO - dados - O absenteísmo é um fenômeno de alcance mundial que tem crescido significativamente nos últimos anos trazendo impactos econômicos e sociais aos trabalhadores e

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS Rodrigo Janoni Carvalho 1 INTRODUÇÃO O comportamento humano é fundamental para a compreensão da dinâmica organizacional. Nessa perspectiva, a motivação

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Visão geral da gestão de recursos humanos

Visão geral da gestão de recursos humanos Visão geral da gestão de recursos humanos 1 Referência: Cap.1 Livro-texto Por que estudar GRH? Empresas competem por meio das pessoas. Sucesso das empresas depende, cada vez mais, da capacidade de gerenciar

Leia mais

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress III Congresso Brasileiro dos serviços de saúde do PODER JUDICIÁRIO São Paulo, novembro 2011 (apresentação baseada nos artigos de Tânia Franco

Leia mais

ENFERMAGEM E O ABSENTEÍSMO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM E O ABSENTEÍSMO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ENFERMAGEM E O ABSENTEÍSMO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Chayanne Neves Telles Barreto 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: O absenteísmo é uma expressão

Leia mais

ADM Administração para Engenharia. Prof. Henrique

ADM Administração para Engenharia. Prof. Henrique ADM29008 Administração para Engenharia Prof. Henrique Roteiro Introdução Abordagem Clássica (Teorias Clássica e Científica) Teoria Comportamental (Relações Humanas) Hierarquia de Necessidades (Maslow)

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

Clima Organizacional

Clima Organizacional slide 1 Clima Organizacional Maria Cristina Bohnenberger cristin@feevale.br Conceitos de Clima organizacional É a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos

Leia mais

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Agenda Stress profissional nos enfermeiros e seus impactos Burnout profissional Engagement com o trabalho Preditores

Leia mais

BHTRANS Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte

BHTRANS Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte BHTRANS Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte Evolução na Carreira A forma de evolução na carreira de cada categoria funcional, indicando critérios percentuais, interstícios, teto possível

Leia mais

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014. Todos direitos reservados. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Modelo Geral do SIG Planejamentos Fator Humano SIG Estrutura

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS CONCEITOS E PRÁTICAS DE RH

GESTÃO DE PESSOAS CONCEITOS E PRÁTICAS DE RH CONCEITOS E PRÁTICAS DE RH A Gestão de Pessoas ocorre através da participação, capacitação, envolvimento e desenvolvimento de funcionários de uma empresa, sua função é humanização e seu objetivo é a valorização

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CEPE/UNICENTRO, DE 30 DE JANEIRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Gestão de Negócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Avançado da UNICENTRO, no Município

Leia mais

Estrategias para Busca de Emprego

Estrategias para Busca de Emprego Estrategias para Busca de Emprego Apresentação Atualmente o problema de desemprego atinge a todos. Não importa se é homem, mulher, jovem, adulto, se tem ou não experiência nem o seu nível de qualificação,

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Gestão Por Estratégia Por Competência Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. GESTÃO ESTRATÉGICA POR COMPETÊNCIA

Leia mais

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho 1 CONCLUINDO A SST e a defesa do trabalhador, da comunidade e do meio ambiente Na promoção da segurança e saúde no trabalho o indivíduo

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CST EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Missão A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Universidade Estácio de Sá consiste em formar profissionais

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem

Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem Referência bibliográfica Marquis BL; Huston CJ. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO NA UFG

PROPOSTA DE MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO NA UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS PROPOSTA DE MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE TÉCNICOS

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015

PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015 PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015 Assunto: Parecer Técnico sobre a mudança de setor sem aviso. 1-Do Fato: Olá sou Enfermeira do Waldemar de Alcântara há 3 anos, trabalho no Centro Cirúrgico no serviço noturno.

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG383 Gerência em Enfermagem II

Programa Analítico de Disciplina EFG383 Gerência em Enfermagem II 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 8 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL

CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL PLANO DE AULA Contexto e Mudanças no Ambiente de Trabalho Conceito de Clima Organizacional Conceito de Cultura Organizacional Clima e Cultura Organizacional Indicadores de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

Análise do Artigo para leitura

Análise do Artigo para leitura Conflitos e gerações Análise do artigo solicitado para leitura; Conflitos geracionais no ambiente de trabalho; Stress e conflitos organizacionais; Stress, conflitos e doenças do trabalho. Prof. Dr. Alexandre

Leia mais

Técnicas de pesquisa de clima organizacional. 1 Profª Carminha Lage

Técnicas de pesquisa de clima organizacional. 1 Profª Carminha Lage Técnicas de pesquisa de clima organizacional 1 Profª Carminha Lage Técnicas de pesquisa de clima organizacional Profª Carminha Lage 1 ª- Questionário - mais utilizado Permite aplicação maciça, mesmo para

Leia mais

Incapacidade Fática x Incapacidade Jurídica

Incapacidade Fática x Incapacidade Jurídica Incapacidade Fática x Incapacidade Jurídica Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO Gestão de Pessoas é uma área ou departamento da organização que se ocupa com um conjunto de atividades relacionadas às pessoas (funcionários, familiares, comunidade,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec CENTRO PAULA SOUZA Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL

5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL 5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL 1 DEPARTAMENTO PESSOAL Algum tempo atrás, somente empresas de grande porte sabiam a importância de manter um departamento pessoal. Mas alguns anos

Leia mais

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL 16 TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores.

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores. Assunto: Política de Jornada de Trabalho Página: 1 / 5 Descrição: Política de Jornada de Trabalho. A DIRETORIA da LBH BRASIL, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista a elaboração do presente

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros)

Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros) Projeto de Lei do Senado nº, de 2010 (do Senador Renan Calheiros) Altera a Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006, a Consolidação das Leis do Trabalho aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio

Leia mais

Avaliação de Desempenho Técnicos Administrativos Auto Avaliação

Avaliação de Desempenho Técnicos Administrativos Auto Avaliação Avaliação de Desempenho Técnicos Administrativos Campus: Nome: Matrícula: Lotação Cargo: Data de Admissão (efetivo exercício): / / Ocupante de Cargo de Direção ( ) Ocupante de Função Gratificada ( ) Não

Leia mais

Art 2º Os procedimentos para a seleção de ocupantes dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas serão os seguintes:

Art 2º Os procedimentos para a seleção de ocupantes dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas serão os seguintes: RESOLUÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA Relator: JEANNE LILIANE MARLENE MICHEL Diretoria de Gestão de Pessoas Número: 008 Data: 24/9/2012 Reunião: 7 a Dispõe sobre os procedimentos e os critérios de seleção para

Leia mais

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR Realização: Ibope A Fundação Victor Civita, que tem por missão contribuir para a melhoria da qualidade da Educação Básica no Brasil, produzindo publicações, sites, material pedagógico,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: : GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Participação nos Resultados da Cooperativa de Trabalho Médico da Região Oeste Catarinense

Leia mais

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas)

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Introdução É relativamente frequente que, pontualmente, a criança se recuse

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Ensino Técnico Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM 1 -DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Departamento/Setor: Enfermagem Disciplina: Administração I Código Ano:2012 Distribuição

Leia mais

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena »Vamos começar relembrando algumas teorias administrativas... 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Pré-história

Leia mais

Roteiro Trabalho de RH

Roteiro Trabalho de RH Roteiro Trabalho de RH Fase I - Caracterização de Empresa -Histórico -Porte -Setor/Posição de Mercado/Atuação (local, regional, nacional e internacional) -Principais Produtos ou Serviços - Organograma

Leia mais

PCMAT. Programa de Condições e Meio Ambiente na Indústria da Construção

PCMAT. Programa de Condições e Meio Ambiente na Indústria da Construção PCMAT Programa de Condições e Meio Ambiente na Indústria da Construção Características da atividade Heterogeneidade do produto final Temporariedade do estabelecimento Transitoriedade de processos, instalações

Leia mais

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONSULTORIA CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ms. Carlos William de Carvalho 1 OBJETIVO Entender o contexto da consultoria organizacional, pois muitos serviços são realizados para as organizações e não devem ser

Leia mais

Saúde Mental no trabalho. Aline Maria Reinbold Simões - GEAF Débora Staub Cano - ASSEQVSM

Saúde Mental no trabalho. Aline Maria Reinbold Simões - GEAF Débora Staub Cano - ASSEQVSM Saúde Mental no trabalho Aline Maria Reinbold Simões - GEAF Débora Staub Cano - ASSEQVSM O que é TRABALHO? O que é TRABALHO? Tripalium = do latim, um instrumento de ferro com três pontas, originalmente

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826 Santa Casa Fundada em 1803 Inaugurada em 1826 PERFIL Organização Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Instituição de direito privado, filantrópica, de ensino e assistência social, reconhecida

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CARREIRA BIBLIOGRAFIA: CHIAVENATO; DUTRA FONTE: VALENTINI E CESAR

PLANEJAMENTO DE CARREIRA BIBLIOGRAFIA: CHIAVENATO; DUTRA FONTE: VALENTINI E CESAR PLANEJAMENTO DE CARREIRA BIBLIOGRAFIA: CHIAVENATO; DUTRA FONTE: VALENTINI E CESAR PLANEJAMENTO DE CARREIRA Para tornarmos o trabalho uma atividade alegre e criativa não basta apenas alterarmos as formas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação: Sem certificação técnica

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação: Sem certificação técnica Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de:

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de: Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Econômica Critério I - Estratégia Indicador 1 - Planejamento Estratégico 1. Assinale os objetivos que estão formalmente contemplados no planejamento

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA ESTRATÉGIA DE QUALIDADE DE VIDA Seção Judiciária do Estado de São Paulo OFICINA DE MEMÓRIA REALIZADA COM OS OFICIAIS DE JUSTIÇA AVALIADORES DA CEUNI Uma Estratégia de Qualidade

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

RETRATO DO SETOR SAÚDE

RETRATO DO SETOR SAÚDE COORDENADORIA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE SEMINÁRIO DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO EM SAÚDE NO CEARÁ RETRATO DO SETOR SAÚDE Lúcia Arruda GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

Pesquisa sobre a atuação e o mercado de trabalho do Fisioterapeuta na Atenção Domiciliar /Home Care APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

Pesquisa sobre a atuação e o mercado de trabalho do Fisioterapeuta na Atenção Domiciliar /Home Care APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Pesquisa sobre a atuação e o mercado de trabalho do Fisioterapeuta na Atenção Domiciliar /Home Care (Saúde Suplementar) 2016 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Com grande satisfação que apresentamos os resultados

Leia mais

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH.

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. Apresentação Experiência e juventude se unem na Avanti Humanas, afinal, somos uma empresa dedicada à atração, recrutamento, seleção e desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA 1 o.semestre de 2013

PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA 1 o.semestre de 2013 PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA 1 o.semestre de 2013 DISCIPLINA: Administração em Enfermagem Hospitalar COORDENADOR: Profa. Dra. Maria Lucia Alves de Sousa Costa CARGA HORÁRIA: 60 horas teóricas SEMESTRE: 7

Leia mais

AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO

AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO ETEC SÃO MATEUS - 13-05-2016 Não fique sem o conteúdo, acesse: www.professorprocopio.com OTreinamento É um processo que promove a aquisição de habilidades,

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular PARECER TÉCNICO COREN-MA-CPE Nº 20/2015 ASSUNTO: Atendimento de Enfermagem particular em domicilio. 1. Do fato Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS *

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * Estela Regina Garlet 1 José Luís Guedes dos Santos 2 Maria Alice Dias da Silva

Leia mais

Motivação: teoria e prática

Motivação: teoria e prática Aula 3 Motivação: teoria e prática 1 Agenda Seminário Motivação Teorias Motivacionais Implicações práticas 2 1 O que é motivação? Processo de criação e sustentação de comportamentos (disposição) voltados

Leia mais

STRESS DE TRABALHO EM CONTEXTO. Maria

STRESS DE TRABALHO EM CONTEXTO. Maria STRESS Maria José Chambel A Psicologia da Saúde Ocupacional tem mostrado que o bem-estar em contexto de trabalho tem 2 facetas: o lado negativo do bem-estar a doença, a tensão e o stress dos empregados.

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem na Saúde do Trabalhador Professor: Maria Júlia Nascimento Cupolo e-mail: mjcupolo@gmail.com

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

PLANO DE ENSINO semestre. Apresentar conceitos modernos de Gestão de Pessoas. Apresentar conceitos modernos de Gestão de.

PLANO DE ENSINO semestre. Apresentar conceitos modernos de Gestão de Pessoas. Apresentar conceitos modernos de Gestão de. PLANO DE ENSINO - 2016.2 DISCIPLINA: SU-B0065 Gestão de PROFESSOR: ANDERSON LOPES CARGA HORÁRIA: 60 HORAS TURMA: DF05-N101 SALA: 07 DATA Nº. MÓDU CONTEÚDO OBJETIVO METODOLOGIA RECURSO AULA LO 08/08/2016

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP

MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP Patricia Santesso Laurino Assessora de Aprimoramento e Desenvolvimento Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

Estudo de caso da Galeteria Pingão

Estudo de caso da Galeteria Pingão Estudo de caso da Galeteria Pingão APRESENTAÇÃO Iolanda Ferreira Nicácio Objetivo Geral: observar o estilo de liderança na Galeteria Pingão e analisar a influência do líder sobre seus liderados Objetivos

Leia mais

Joselita Batista dos Santos

Joselita Batista dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ESPAÇO DE HUMANIZAÇÃO DO SERVIDOR, JOÃO CÂMARA/RN Joselita Batista dos Santos João Câmara, RN Agosto, 2012 1 1.

Leia mais

Andréia de Conto Garbin

Andréia de Conto Garbin Andréia de Conto Garbin Promoção: DVST - CEREST ESTADUAL/SP São Paulo, 12 de novembro de 2015 O nexo causal dos Transtornos mentais relacionados ao trabalho e a importância da anamnese ocupacional Por

Leia mais

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº /

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº / TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - 2007/2009 PROCESSO Nº 46218.001339/2009-25 EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICACOES S.A - EMBRATEL, CNPJ n. 33.530.486/0001-29, com sede na Av. Presidente Vargas,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE. Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação:

Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE. Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação: Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE Nota Final: Para uso do RH Nome do Avaliado: Cargo: Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação: Nome do Avaliador: Cargo: ASSIDUIDADE

Leia mais

Para Mezzaroba e Monteiro: Marlyse F. de C. Magalhães 1 1 PESQUISA

Para Mezzaroba e Monteiro: Marlyse F. de C. Magalhães 1 1 PESQUISA 4 1 PESQUISA Marlyse F. de C. Magalhães 1 Para uma melhor compreensão, iniciar-se-á no conceito da pesquisa e após explanar o conceito de acordo com os autores, explicará a finalidade de uma pesquisa.

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Estrutura da Área... 4 6. Análise de Risco de Crédito...

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015

GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015 GESTÃO SUSTENTÁVEL IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO GEP BRASIL 2015 RIBEIRÃO PRETO JUNHO 2015 SUMÁRIO PROBLEMAS LEGISLAÇÃO AMBIENTE SOLUÇÕES PROBLEMAS CULTURA HISTÓRIA

Leia mais

Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH. O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas

Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH. O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas 1 2 3 A nova economia Início do século XX Papéis determinantes para a empresa: Localização; Mão de obra barata;

Leia mais

Principais funções do Gestor e do Coordenador de Formação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

Principais funções do Gestor e do Coordenador de Formação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! Principais funções do Gestor e do Coordenador de Formação Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! ENQUADRAMENTO A formação profissional surge como um dos instrumentos indispensáveis para o

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE Data: 27/01/2016 1. Identificação Nome da Instituição: Centro de Atenção Psicossocial para Infância e Juventude (CAPSi) Endereço:

Leia mais