Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas"

Transcrição

1 Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Viviane Candoletta Arquitetura e Urbanismo CEATEC puc-campinas.edu.br Manoel Lemes da Silva Neto Requalificação Urbana CEATEC Resumo: O presente trabalho visa analisar o caso do loteamento Village, Campinas- SP, utilizando para isso uma pesquisa geral de comparação com os loteamentos aprovados pela GRAPROHAB em SP, de uma forma mais ampla, até chegar a uma lista de loteamentos da década de 70 em Campinas, que permitiu identificar os bairros que foram aprovados no mesmo ano que o específico, os quais constituem uma família, que servirá de comparação e estudo, de modo a entender como foi o desenvolvimento e crescimento ao longo dos anos, principalmente quanto às questões de infraestrutura e equipamentos públicos. Palavras-chave: Loteamento, Década de 70, Infraestrutura. Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Arquitetura e Urbanismo FAPIC/Reitoria. 1. INTRODUÇÃO O loteamento Village, Campinas- SP é, assim como todos os espaços, um lugar do acontecer solidário [1] associado a um entorno que influencia e interfere no todo, que será analisado. A pesquisa parte de uma análise mais abrangente, com o levantamento dos loteamentos aprovados pela GRAPROHAB em São Paulo, os quais foram georreferenciados e conduzem à uma percepção ampla do espaço e suas relações. Com isso, busca-se a partir de uma lista de loteamentos aprovados em Campinas após 1908, levantados pela autora junto à Prefeitura Municipal de Campinas, identificar o processo de urbanização da cidade nos últimos 40 anos. Dado que o bairro em específico é do ano de 1974, esta pesquisa seleciona os loteamentos de anos próximos (dois anos antes, e um ano depois), para fazer uma comparação principalmente quanto à infraestrutura e aos equipamentos públicos que atendem o local, sendo identificados a partir de uma observação em visita de campo, em alguns casos, e também utilizando o recurso do Google Street View, que permitiu andar pelas vias do bairro e levantar uma percepção própria da autora, sobre os problemas e as qualidades de cada loteamento. Sendo assim, foi possível entender o loteamento Village junto aos demais por serem do mesmo ano (ou próximo), visando os pontos peculiares e os pontos em comum. 2. Loteamentos aprovados pela GRAPROHAB Através de uma tabela com as informações sobre os loteamentos, foi possível através do programa QGIS georreferencia-los. Cada ponto representado com uma cor pela data de aprovação mostra que no ano de 2005 houve maior número de loteamentos. Além disso, é possível perceber a expansão linear da urbanização, partindo da cidade de São Paulo, onde há uma grande concentração seguindo a direção das cidades de Campinas e de São José dos Campos. Poucos loteamentos neste período encontram-se isolados no mapa ou próximos ao litoral. Figura 1- Mapa com os loteamentos aprovados pela GRAPROHAB. Fonte: Programa QGIS produzido por Viviane Candoletta.

2 3. Loteamentos de Campinas Com o georreferenciamento pelo programa QGIS dos loteamentos na cidade de Campinas, de 1908 até 2014, foi possível identificar os loteamentos, que foram aprovados no mesmo ano que o objeto de estudo, o bairro Village. 4. Loteamentos 1972/ 1973/ 1974 Para entender melhor o Village, quatorze loteamentos, que foram aprovados em anos próximos, foram identificados. Figura 4- Localização dos loteamentos que serão analisados. Fonte: Google Mapas modificado no Power Point pela autora. Figura 2- Loteamentos de Campinas. Fonte: Programa QGIS produzido por Viviane Candoletta Loteamentos da década de 70 Sabendo que o loteamento Village teve sua aprovação do ano de 1974, um mapa dos loteamentos desa década foi elaborado de modo a identificá-los, permitindo uma aproximação do caso em estudo. A fim de compará-los, foi utilizada uma metodologia de observação, tendo como fonte, basicamente as imagens satélites do Google Earth, em que foi possível percorrer pelas ruas, através do Google Street View, e caracterizar o loteamento quanto a presença de equipamentos públicos, transporte público, a existência ou não dos pontos de ônibus Chácaras Primavera (1972) de três linhas de ônibus, que pelo tamanho do bairro, parecem atender as necessidades. Os pontos de ônibus encontram-se apenas com a cobertura em 50% dos casos. As vias são bem pavimentadas, porém não há calçadas ao longo de todas elas, o que implica numa passagem ruim dos pedestres, pelo local. Quanto a arborização observada, há cerca de 30% das vias sem qualquer sombra proporcionada pela vegetação nas vias Jardim Santa Genebra (1972/ 1975) Figura 3- Loteamentos década de 70 de Campinas. Fonte: Programa QGIS produzido por Viviane Candoletta. de três linhas de ônibus, que por estar próximo ao Shopping Dom Pedro, onde há um terminal ao lado,

3 parece atender as necessidades dos moradores, mas com concentração de linhas que passam exclusivamente em poucas vias do bairro. Os pontos de ônibus estão em bom estado, com cobertura e banco para os usuários. As vias são bem pavimentadas, e apenas 30% dele encontra-se sem calçamento para a passagem dos pedestres. A arborização é encontrada em apenas 65% do bairro de forma significativa Mansões Santo Antônio (1972) de três linhas de ônibus, que pelo tamanho do bairro, parecem atender as necessidades. Não há pontos de ônibus com cobertura e bancos, a maioria encontrada está sinalizada com uma placa de parada. As vias são 90% pavimentadas, porém não há calçadas ao longo de todas elas, o que implica numa ruim passagem dos pedestres, pelo local. É um dos bairros pouco arborizados, cerca de 30% Vila Lemos (1972/ 1974) Neste bairro foram encontradas duas escolas, sendo elas uma faculdade, e uma escola municipal de ensino fundamental, conta com a passagem de três linhas de ônibus, que parecem atender as necessidades. Não há pontos de ônibus com cobertura e bancos em sua maioria, apenas há uma sinalização com um pequeno poste amarelo. Há pavimentação nas vias e calçadas ao longo de todo o loteamento. Apenas 30% do loteamento é arborizado Vila Orozimbo Maia (1972) Neste bairro foram encontradas duas escolas, uma de ensino fundamental e outra de ensino infantil, além de um centro de saúde. Há duas linhas que atendem ao bairro, apesar de poucas, elas passam por vias estratégicas, próximas a esses equipamentos, sendo que, 90% dos pontos de ônibus são sinalizados com um pequeno poste azul e branco. As vias são 80% pavimentadas, porém não há calçadas ao longo de todas elas. Este loteamento é 20% arborizado, sendo o segundo com menor arborização encontrado. Neste bairro também foram encontradas ocupações que não possuem ruas pavimentadas ao longo do Ribeirão Anhumas Jardim São Marcos (1973) O bairro localizado na região norte de Campinas possui uma escola municipal de ensino fundamental e uma escola estadual próxima. Conta apenas com duas linhas de ônibus, que passam por um único trajeto, o qual parece não ser suficiente para atender os moradores. Os pontos de ônibus, porém, são encontrados em bom estado, com cobertura e bancos. Neste bairro, foi encontrada uma ZEIS ao longo do Ribeirão do Quilombo, o que resulta num bairro em que apenas 70% das vias são pavimentadas com calçadas, e arborização em apenas 50% do local Jardim do Lago II (1973) Este loteamento conta com a presença de três escolas municipais e um centro de saúde. Há três linhas que atendem ao bairro, mas que não possuem pontos de ônibus sinalizados. Este bairro possui poucas vias pavimentadas, e as mesmas, não possuem calçadas adequadas. O loteamento é predominantemente constituído de ocupações irregulares, ou em processo de regularização, como é o caso do Parque Oziel. É o bairro com as menores porcentagens em pavimentação, apenas 15%, calçamento 10%, e arborização 10%, o que significa que o desenvolvimento ao longo dos anos foi menor em relação aos demais casos Nova Campinas (1973/ 1974) O loteamento não possui escolas públicas nem centro de saúde. Há apenas uma linha que passa no perímetro no bairro, visto que é constituído de residências de alto padrão. Os pontos de ônibus são cobertos e com bancos, mas são distantes do todo. É o único loteamento desta década que encontra- se plenamente pavimentado, com arborização e calçadas Vila Aeroporto (1974) Localizado no Distrito de Ouro Verde, o loteamento possui quatro escolas públicas. Conta com apenas uma linha de transporte público que corta o bairro, e parece não atender às necessidades dos moradores, mas com a presença de pontos de ônibus. O bairro conta com 70% das vias pavimentadas, calçadas ao longo de 80% dele e 40% de arborização.

4 4.10. Jardim José Martins (1974) O loteamento possui um centro de saúde e uma escola pública no limite do bairro, com quatro linhas de transporte públco que passam também pelo perímetro do bairro, mas que são muito distantes do todo. O local é totalmente pavimentado, com calçadas e arborização encontradas em cerca de 80% do total Village (1974) O bairro está localizado no Distrito de Barão Geraldo e possui um centro de saúde e uma escola estadual. Há três linhas de ônibus que passam pelo local, em poucos horários, em péssimo estado e que levam somente até o Terminal Barão Geraldo. Este é o único loteamento em que não há vias pavimentadas e calçadas para a passagem de pedestres, o que mostra que apesar de ter sido aprovado no mesmo ano dos loteamentos aqui apresentados, é o único que não se desenvolveu quanto à estas questões. Mas, por estar numa área predominantemente rural, o bairro é bem arborizado Vila Perseu Leite de Barros (1975) O bairro está localizado no distrito de Ouro Verde em Campinas. Existem nele, duas escolas públicas, uma estadual, e outra de ensino infantil. Foram encontradas seis linhas de ônibus que passam pelo bairro, e parecem atender o local. Apenas 10% dos pontos de ônibus possuem cobertura e banco. As vias são todas pavimentadas, e há presença de calçadas em todas elas. Entretanto, a vegetação no bairro é a menor em relação aos demais loteamentos, com apenas 10% de arborização. Também, através das informações fornecidas pela Prefeitura Municipal de Campinas, foi possível fazer uma comparação entre dados frios, através das estatísticas encontradas, e dados quentes, levantados pela observação da autora. Tabela 1- Comparação dos loteamentos de 1972/ 1973/ 1974/ Fonte: Elaborado no Excel pela autora Sítios Gramado (1974) O bairro está localizado na região leste de Campinas e não possui equipamentos públicos. Há duas linhas de transporte público que passam pelo bairro e parecem não atender suficientemente. Os pontos de ônibus que representam os 100% dos encontrados, estão sem cobertura e banco, apenas com o pequeno poste azul e branco. É bem arborizado e pavimentado, visto que é constituído predominantemente de condomínios fechados, com calçadas ao longo de 70% do loteamento Jardim do Lago I (1975) O loteamento não possui equipamentos públicos. Há seis linhas que passam pelo bairro, e atendem principalmente próximo ao Campinas Shopping. Os pontos de ônibus, não foram encontrados em sua maioria, a não ser um pequeno poste amarelo. Há uma parte do loteamento não pavimentada, sem calçadas e arborização, ao lado do córrego. É um loteamento 20% arborizado, o que é pouco em relação aos demais, com calçadas ao longo de 80% das vias que são 90% pavimentadas. 5. CONCLUSÃO A partir da observação e análise de quatorze loteamentos entre os anos de 1972 a 1975, é possível perceber, que apesar de aprovados na mesma década, o desenvolvimento ao longo dos anos, foi bastante diverso, pois há desde ocupações irregulares, como o Jardim do Lago II, que pelas porcentagens da tabela 1 é um dos mais precários em infraestrutura, a loteamentos de alto padrão, como o bairro Nova Campinas. Além disso, sete desses loteamentos, não possuem equipamentos públicos, no caso, escolas estaduais ou municipais e centro de saúde, são geralmente atendidos por três ou mais linhas de transporte pú-

5 blico, encontram-se predominantemente pavimentados, a passagem dos pedestres pela calçada, é parcialmente encontrada, e a arborização é bastante variável. O caso específico, Village, Campinas (1974), é o único que se encontra distante da área central de Campinas, ou até mesmo, próximo à rodovias e avenidas importantes da cidade, além de estar situado numa zona predominantemente rural. Diante disso a infraestrutura do bairro é precária em relação aos demais, com vias não pavimentadas, sem calçadas, com linhas de ônibus que não atendem as necessidades dos moradores, com a menor densidade habitacional, porém bastante arborizado. Assim, a análise geral em relação ao caso específico, mostra que todos os loteamentos, evoluíram em relação ao Village, exceto o bairro Jardim do Lago II que também possui vários problemas de infraestrutura. minhas amigas que estiveram ao meu lado, e contribuíram para a realização deste trabalho. REFERÊNCIAS [1] SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo; razão e emoção. São Paulo: Hucitec, [2] SILVA, P. F. F. A expansão urbana de Campinas através de condomínios e loteamentos fechados ( ). Dissertação, USP Carlos, AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a Deus por me iluminar e dar sabedoria para a realização desta pesquisa. Depois à professora Nelly Nahum, pelas orientações e todo o apoio transmitido, assim como ao meu professor orientador. Por último, à minha família e às

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Quarta feira, 17 de junho de 2015. A Transporte Ativo juntamente com as organizações locais, Grupo Charlas Urbanas

Leia mais

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos MONTE MOR MACROZONA 6 INDAIATUBA Barreiras físicas Rodovia Santos Dumont principal ligação com Viracopos; utilizada para tráfego urbano, opera já no

Leia mais

2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas

2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas 2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas Fazemos leitura espacial quase todo o tempo! Seja quando estamos parados ou quando nos movimentamos. Nosso olho observa e analisa tudo que vemos

Leia mais

FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO

FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO FIAM FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO ARQUITETURA E URBANISMO PRAÇA MICHIE AKAMA DIAGNOSTICO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO - ESCRITÓRIO MODELO JAQUELINE LEMOS PRINA RA.: 413693-4 SÃO PAULO 2011 LISTA DE IMAGENS IMAGEM

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE GO LEI COMPLEMENTAR N /2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE GO LEI COMPLEMENTAR N /2011 LEI COMPLEMENTAR N. 6.074/2011 Consolidada com LEI COMPLEMENTAR N. 6.216/2012 Dispõe sobre o perímetro urbano do município de Rio Verde GO e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA

Leia mais

LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU

LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU RELATÓRIO DE IMPACTO VIÁRIO CA URBANISMO SPE LTDA. JUNHO / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2 TOPOGRAFIA...6 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Cidades, urbanismo e lazer

Cidades, urbanismo e lazer Curso: Tecnologia em Gestão Desportiva e do Lazer Disciplina: Planejamento de equipamentos e espaços de lazer Professora: Andréa Costa Cidades, urbanismo e lazer Como são as nossas cidades hoje? Elas sempre

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

A Construção do Shopping Center Parque das Bandeiras e a Especulação Imobiliária Decorrente

A Construção do Shopping Center Parque das Bandeiras e a Especulação Imobiliária Decorrente A Construção do Shopping Center Parque das Bandeiras e a Especulação Imobiliária Decorrente Mayra Abboudi Brasco Graduanda em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - SP) mayrabrasco@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Hawick Arnaud do Nascimento Lopes Universidade Federal da Paraíba hawickarnaud@hotmail.com Rafael de Mendonça Arruda Prefeitura Municipal de Sapé rafaelmend@ymail.com ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS

Leia mais

os bairros da regional venda nova BREVES INFORMACOES

os bairros da regional venda nova BREVES INFORMACOES os bairros da regional venda nova BREVES INFORMACOES CÉU AZUL OUTROS NOMES: Mangueiras, Vila Maria José. ORIGEM DO BAIRRO: A aprovação do bairro é de 1976. O bairro Mangueiras se fundiu ao Céu Azul em

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 Lei Complementar nº Institui o Macrozoneamento Municipal, parte integrante do Plano Diretor de Organização Físico-territorial de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

ANÁLISE DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE MARAU RS/BRASIL

ANÁLISE DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE MARAU RS/BRASIL ANÁLISE DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE MARAU RS/BRASIL Giovanni Bortoluz Moreira Paz (*), Alcindo Neckel 2, Anaise Breda 3, Tales Gonçalves Visentin 4, Miguel Bueno Czarnobai 5 * Faculdade Meridional

Leia mais

A URBANIZAÇÃO PELA INDUSTRIALIZAÇÃO: MODIFICAÇÃO DO ESPAÇO PELA CRIAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL RENAULT EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS- BAIRRO BORDA DO CAMPO.

A URBANIZAÇÃO PELA INDUSTRIALIZAÇÃO: MODIFICAÇÃO DO ESPAÇO PELA CRIAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL RENAULT EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS- BAIRRO BORDA DO CAMPO. A URBANIZAÇÃO PELA INDUSTRIALIZAÇÃO: MODIFICAÇÃO DO ESPAÇO PELA CRIAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL RENAULT EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS- BAIRRO BORDA DO CAMPO. Helen Caroline Cunha BARBOSA Universidade Federal

Leia mais

PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92

PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92 PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92 PROJETO DE LEI 01-00470/2011 do Executivo (Encaminhado à Câmara pelo Sr. Prefeito com o ofício ATL 126/11). Institui o Projeto Estratégico de Intervenção Urbana - Parque

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

março/2013 ÍNDICES URBANÍSTICOS E SEU REFLEXO NO TECIDO URBANO: HABITAÇÃO PIQUERI, REORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO

março/2013 ÍNDICES URBANÍSTICOS E SEU REFLEXO NO TECIDO URBANO: HABITAÇÃO PIQUERI, REORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO março/2013 ÍNDICES URBANÍSTICOS E SEU REFLEXO NO TECIDO URBANO: HABITAÇÃO PIQUERI, REORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO Pirituba, do lado Leste, onde é possível aproveitar as áreas verdes existentes e otimizar

Leia mais

CICLOVIA LINHA 15 PRATA: CORREDOR VERDE COMO ELEMENTO DE REQUALIFICAÇÃO URBANA

CICLOVIA LINHA 15 PRATA: CORREDOR VERDE COMO ELEMENTO DE REQUALIFICAÇÃO URBANA CICLOVIA LINHA 15 PRATA: CORREDOR VERDE COMO ELEMENTO DE REQUALIFICAÇÃO URBANA Neila Custódio Michelle Mikaro Juliana Yoshida Mayara Silva 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária No campo do paisagismo,

Leia mais

MAPEAMENTO DOS ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL DOS BAIRROS DE TERESINA PI COM USO DE IMAGENS DO SENSOR RAPIDEYE PARA O ANO DE 2013.

MAPEAMENTO DOS ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL DOS BAIRROS DE TERESINA PI COM USO DE IMAGENS DO SENSOR RAPIDEYE PARA O ANO DE 2013. MAPEAMENTO DOS ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL DOS BAIRROS DE TERESINA PI COM USO DE IMAGENS DO SENSOR RAPIDEYE PARA O ANO DE 2013. Valmir Faustino da Silva Junior¹, Carol Thânia Oliveira Sousa¹ ¹Estudante,

Leia mais

A CIDADE COMO ESPAÇO VERDE SIGNIFICANDO A IMAGEM DA CIDADE DE CORUPÁ (SC) COMO PRODUTORA DE PLANTAS ORNAMENTAIS

A CIDADE COMO ESPAÇO VERDE SIGNIFICANDO A IMAGEM DA CIDADE DE CORUPÁ (SC) COMO PRODUTORA DE PLANTAS ORNAMENTAIS A CIDADE COMO ESPAÇO VERDE SIGNIFICANDO A IMAGEM DA CIDADE DE CORUPÁ (SC) COMO PRODUTORA DE PLANTAS ORNAMENTAIS ( susan@netuno.com.br ) Susan Eipper ( (afeche@arq.ufsc.br Margareth de Castro Afeche Pimenta

Leia mais

VICENTE PIRES E BOA VISTA

VICENTE PIRES E BOA VISTA ANEXO VI PARÂMETROS URBANÍSTICOS DAS ÁREAS DE REGULARIZAÇÃO Anexo VI - 01 ÁREAS INSERIDAS EM SETORES HABITACIONAIS Área de Reg. Interesse Específico ARINE (3.E-1;3.E-2;8.E-1;8.E-2;8.E-3;8.E-4) VICENTE

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina.

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. 1. Método Racional A vazão máxima pode ser estimada com base na precipitação, por

Leia mais

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA OBJETIVOS: 1º ano Conhecer o ambiente de moradia e sua localização através de passeios, fotos e desenhos. Conhecer o ambiente de estudo e sua localização através de passeios, fotos,

Leia mais

PRAÇA CORA CORALINA - MOEMA LEVANTAMENTO ACESSIBILIDADE

PRAÇA CORA CORALINA - MOEMA LEVANTAMENTO ACESSIBILIDADE PRAÇA CORA CORALINA - MOEMA LEVANTAMENTO ACESSIBILIDADE LOCALIZAÇÃO DA PRAÇA A praça esta localizada entre as ruas Bento de Andrade e Lima Barros em Moema e fica próxima ao parque do Ibirapuera. PRAÇA

Leia mais

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária

Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Utilização de Técnicas de SIG e de Campo para Identificação de Áreas Sensíveis com Intuito de Regularização Fundiária Ludmilson Roberto da Silva Lud_roberto@yahoo.com.br Rodrigo Baldson Godoi godoi_rodrigo@yahoo.com.br

Leia mais

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP CENÁRIO Apresentação do PL 688/13 na CMSP Promulgado o PDE Lei nº 16.050/14 Apresentação

Leia mais

ÁREAS DO PROGRAMA MANANCIAIS FASE 2. Núcleo Cantinho do Céu Favela Cantinho do Céu/Gaivota Relatório de Diagnóstico

ÁREAS DO PROGRAMA MANANCIAIS FASE 2. Núcleo Cantinho do Céu Favela Cantinho do Céu/Gaivota Relatório de Diagnóstico ÁREAS DO PROGRAMA MANANCIAIS FASE 2 Núcleo Cantinho do Céu Favela Cantinho do Céu/Gaivota Relatório de Diagnóstico Consórcio JNS-HagaPlan Contrato SEHAB 002/2001 Nº do Documento: Elaborado: JNSHPP Verificado:

Leia mais

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO 6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO I. BAIRRO AMÂNCIO PIMENTA Foto 1 Declividade acentuada acesso bairro Foto 2 Via em blocos sextavados em conjunto habitacional II. BAIRRO CAMPO VINTE Foto 3 Principal via

Leia mais

Plano Diretor Participativo de Florianópolis

Plano Diretor Participativo de Florianópolis Plano Diretor Participativo de Florianópolis Distrito: LAGOA DA CONCEIÇÃO Data da RTD: 08 de agosto de 2016 REUNIÃO TÉCNICA DISTRITAL Presentes: Alexandre Felix IPUF Carlos Eduardo Medeiros IPUF Cleide

Leia mais

UNIÃO dos Movimentos de Moradia da Grande SÃO PAULO e INTERIOR

UNIÃO dos Movimentos de Moradia da Grande SÃO PAULO e INTERIOR UNIÃO dos Movimentos de Moradia da Grande SÃO PAULO e INTERIOR PRINCÍPIOS Construção do movimento popular de base Articulação com outros movimentos e organizações do campo popular Defesa da: Autogestão

Leia mais

o patrimônio urbano e o desenvolvimento da cidade

o patrimônio urbano e o desenvolvimento da cidade 121 o patrimônio urbano e o desenvolvimento da cidade estudo de caso: subprefeitura da lapa maria lucia bressan pinheiro agnes helena chiuratto objetivo 122 Tentar conciliar a preservação do patrimônio

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

X Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste

X Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste Arqtª. Lina Martins de Carvalho (APRESENTADORA) Profº. Drª. Verônica Robalinho Cavalcanti X Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 16 a 19 de novembro de 2010, Fortaleza-CE Temática: Drenagem Urbana

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO URBANA DE LIMEIRA-SP EM ÁREAS DE EXPANSÃO NO PERÍODO DE 1989 à Denise Rossini 1 Celina Foresti 2

ESTRUTURAÇÃO URBANA DE LIMEIRA-SP EM ÁREAS DE EXPANSÃO NO PERÍODO DE 1989 à Denise Rossini 1 Celina Foresti 2 ESTRUTURAÇÃO URBANA DE LIMEIRA-SP EM ÁREAS DE EXPANSÃO NO PERÍODO DE 1989 à 1995 Denise Rossini 1 Celina Foresti 2 UNESP - Universidade Estadual Paulista Avenida 24 - A n. 1515, Caixa Postal 199 CEP: 13.506-900

Leia mais

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 As cidades e a urbanização brasileira Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 O que consideramos cidade? No mundo, existem diferentes cidades (tamanhos, densidades demográficas

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II 1 INTRODUÇÃO 2 Por que um conjunto habitacional no Guará II? Cidade onde moro Otimizar a infraestrutura urbana existente Atender as necessidades por moradias compactas

Leia mais

PROJETO DE REURBANIZAÇÃO NÚCLEO HABITACIONAL GAZUZA DIADEMA ST 1 O desenho dos programas, projetos e ações de urbanização e suas várias dimensões

PROJETO DE REURBANIZAÇÃO NÚCLEO HABITACIONAL GAZUZA DIADEMA ST 1 O desenho dos programas, projetos e ações de urbanização e suas várias dimensões PROJETO DE REURBANIZAÇÃO NÚCLEO HABITACIONAL GAZUZA DIADEMA ST 1 O desenho dos programas, projetos e ações de urbanização e suas várias dimensões O Núcleo Habitacional Gazuza, no município de Diadema,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: Sabará MG Fones: (31) Fax (31)

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: Sabará MG Fones: (31) Fax (31) LEI NÚMERO 1.899, de 21 de dezembro de 2012 Estabelece o perímetro das Zonas Urbanas do Município de Sabará e dá outras providências. O Povo do Município de Sabará, por seus representantes, decreta e eu,

Leia mais

Aquisição de terreno, pagamento de assistência técnica para elaboração de projetos e despesas com legalização.

Aquisição de terreno, pagamento de assistência técnica para elaboração de projetos e despesas com legalização. À CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Prezados Senhores Ficha Resumo do Empreendimento Programa Minha Casa, Minha Grau de sigilo #Público Encaminho a presente proposta com as informações necessárias para participar

Leia mais

As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹

As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹ As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹ PASQUOTTO, Geise Brizotti; SILVA, Ricardo Alexandre da; LIMA,

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÕES DESCRITIVO OPERACIONAL OBRAS REVITALIZAÇÃO AV. FRANCISCO GLICÉRIO

DIRETORIA DE OPERAÇÕES DESCRITIVO OPERACIONAL OBRAS REVITALIZAÇÃO AV. FRANCISCO GLICÉRIO DIRETORIA DE OPERAÇÕES DESCRITIVO OPERACIONAL OBRAS REVITALIZAÇÃO AV. FRANCISCO GLICÉRIO EMPRESA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS S/A 1 REVITALIZAÇÃO AV. FRANCISCO GLICÉRIO APRESENTAÇÃO O projeto

Leia mais

Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural

Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural A Lei nº 13.465/17 e suas PerverCidades Rosane Tierno - São Paulo - 10/10/17 PerverCidade 0 Cidade Mercado x Cidade Direito Cidade propriedade

Leia mais

PARTE 2 Requisitos de Obras. Seção VI: Requisitos de Obras (WR) LICITAÇÃO ENCERRADA. [Works Requirement WR] Anexo A Projeto Executivo

PARTE 2 Requisitos de Obras. Seção VI: Requisitos de Obras (WR) LICITAÇÃO ENCERRADA. [Works Requirement WR] Anexo A Projeto Executivo PARTE 2 Requisitos Obras Seção VI: Requisitos Obras (WR) [Works Requirement WR] Seção VI - Requisitos Obras (WR) 1 / 5 Projeto Executivo O Projeto Executivo das obras do Sistema Troncal Ônibus da RMB parte

Leia mais

Exercícios de Azimutes, Rumos e Estaqueamento

Exercícios de Azimutes, Rumos e Estaqueamento UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Exercícios de Azimutes, Rumos e Estaqueamento Autores: Prof. Fernando José de Lima Botelho Prof. Eduardo Oliveira Barros Prof. Glauber Carvalho Costa Prof. Diogo

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO. Urbanização Jd. Monte Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO. Urbanização Jd. Monte Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO Urbanização Jd. Monte Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: 2006 2016 Ribeirão

Leia mais

OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS

OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS Juliana Cristina Franz 1 Carlos Vinícius da Silva Pinto 2 Giancarla Salamoni

Leia mais

MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG

MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG EDUARDO OLIVEIRA JORGE 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 dudukotipelto@yahoo.com.br, martafelicia@uol.com.br 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG 2

Leia mais

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA A cidade de João Pessoa, na Paraíba, possui bastantes obras modernas importantes e interessantes, mas que não foram levantadas devidamente, para fins acadêmicos.

Leia mais

Complexo Cantinho do Céu

Complexo Cantinho do Céu Complexo Cantinho do Céu Diretrizes Para Urbanização e Recuperação Ambiental Características Gerais Complexo Cantinho do Céu Características Gerais Localização Represa Billings; Subprefeitura: Capela do

Leia mais

Plano Municipal de Habitação Social da Cidade de São Paulo. agosto 2010

Plano Municipal de Habitação Social da Cidade de São Paulo. agosto 2010 Plano Municipal de Habitação Social da Cidade de São Paulo agosto 2010 Plano Municipal da Habitação apresentação marcos institucionais capítulo 1 princípios e diretrizes capítulo 2 a construção do PMH

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina Teresina (PI), Fevereiro de 2016 1. A SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA 1. SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA Enchentes na Zona Norte 1.

Leia mais

Corretores de Imóveis

Corretores de Imóveis Corretores de Imóveis QUEM SOMOS A Jorasa atua na área de empreendimentos imobiliários com foco em incorporações de condomínios e loteamentos no Estado do Paraná. Para a Jorasa, cada projeto é desenvolvido

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO

VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO 1 MORAIS. Roberto P., 2 NASCIMENTO. Adriana S., 3 Silva. Nislaine C. A cobertura vegetal exerce papel de vital

Leia mais

DA CARTOGRAFIA DO CHÃO À CARTOGRAFIA DA AÇÃO: SUBSÍDIOS DE TÉCNICA CARTOGRÁFICA PARA O DESENHO DE ESTRATÉGIAS DE AÇÃO TERRITORIAL EM CAMPINAS

DA CARTOGRAFIA DO CHÃO À CARTOGRAFIA DA AÇÃO: SUBSÍDIOS DE TÉCNICA CARTOGRÁFICA PARA O DESENHO DE ESTRATÉGIAS DE AÇÃO TERRITORIAL EM CAMPINAS DA CARTOGRAFIA DO CHÃO À CARTOGRAFIA DA AÇÃO: SUBSÍDIOS DE TÉCNICA CARTOGRÁFICA PARA O DESENHO DE ESTRATÉGIAS DE AÇÃO TERRITORIAL EM CAMPINAS Danilo Mangaba de Camargo Faculdade de Geografia CEATEC danilo.mc@puccamp.edu.br

Leia mais

ANÁLISE GEOESPACIAL DAS DINÂMICAS AMBIENTAIS DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO MONTEIRO-PB

ANÁLISE GEOESPACIAL DAS DINÂMICAS AMBIENTAIS DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO MONTEIRO-PB ANÁLISE GEOESPACIAL DAS DINÂMICAS AMBIENTAIS DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO MONTEIRO-PB Éder Geovani da Paz Oliveira Hermes Alves de Almeida Francilaine Nóbrega de Lima Luciano Guimarães de Andrade

Leia mais

Ventos predominantes. Poente. P Ponto de ônibus

Ventos predominantes. Poente. P Ponto de ônibus P Ponto de ônibus Poente P P Ventos predominantes O terreno da intervenção localizase no bairro São João do Tauape em uma área de alta densidade demográfica e ocorrência de ocupações irregulares. Observouse

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA Mesa REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA ELEUSINA LAVOR HOLANDA DE FREITAS Demacamp PLANO METROPOLITANO DE HIS, 2009 fonte: prefeituras Município CEM João Pinheiro Fichas municipais CEBRAP Total Urbano Rural

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB 2013 O desafio de: - Fortalecer espaços produtivos - Aproximar a oferta de empregos dos locais de moradia Fonte: Pesquisa

Leia mais

Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha.

Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha. Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha. Diamantino Augusto Sardinha Neto Doutor em Ciências Sociais PUC/SP Guilherme

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

V SIGA Ciência (Simpósio Científico de Gestão Ambiental) V Realizado dias 20 e 21 de agosto de 2016 na ESALQ-USP, Piracicaba-SP.

V SIGA Ciência (Simpósio Científico de Gestão Ambiental) V Realizado dias 20 e 21 de agosto de 2016 na ESALQ-USP, Piracicaba-SP. EIXO TEMÁTICO: Tecnologias CARACTERIZAÇÃO DO NÚCLEO RESIDENCIAL PARQUE OZIEL/ JARDIM MONTE CRISTO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, QUANTO AOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Leia mais

Material de Treinamento

Material de Treinamento Material de Treinamento QUEM SOMOS A Via Célere Incorporações Imobiliárias é uma empresa de origem espanhola que possui mais de 25 anos de experiência no mercado de incorporações. Em 2008 o Brasil, em

Leia mais

Análise Territorial do Conjunto Habitacional do Monte Verde Florianópolis - SC

Análise Territorial do Conjunto Habitacional do Monte Verde Florianópolis - SC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Disciplina : Teoria Urbana Acadêmicas: Ana Luiza Tomasi, Natália Moneró, Greice Merin Moresco, Thiele Londero. Análise Territorial

Leia mais

1/9 O CONCEITO O TEMA O LOCAL FLUXOS DOS ÔNIBUS- ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO ESTAÇÃO RODOVIÁRIA E CENTRO TURÍSTICO CULTURAL DE NOVA PETRÓPOLIS - RS

1/9 O CONCEITO O TEMA O LOCAL FLUXOS DOS ÔNIBUS- ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO ESTAÇÃO RODOVIÁRIA E CENTRO TURÍSTICO CULTURAL DE NOVA PETRÓPOLIS - RS A CIDADE_NOVA PETRÓPOLIS REGIÃO CENTRAL BAIRRO CENTRO O LOCAL O TEMA O CONCEITO Desde 2014, o proprietário do edifício e concessionário da Estação Rodoviária alegava ter prejuízos e demostrava interesse

Leia mais

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG.

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. PATRÍCIA DUARTE DE OLIVEIRA PAIVA 1 ; PAULO ROBERTO CORRÊA LANDGRAF 2 ; PETTERSON BAPTISTA DA

Leia mais

Shopping Mercadorama Colégio Estadual Escola Municipal

Shopping Mercadorama Colégio Estadual Escola Municipal LOCALIZAÇÃO N Hospital Erasto Gaertner Wall Mart UFPR Shopping Jardim das Américas Mercadorama Colégio Estadual Escola Municipal Terminal de ônibus Politécnic o UFPR Jardim das Américas FICHA TÉCNICA TERRENO:

Leia mais

FORMULÁRIO 16 Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico CATEGORIA C2: Coordenação Geral de Regionalização CABEÇALHO

FORMULÁRIO 16 Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico CATEGORIA C2: Coordenação Geral de Regionalização CABEÇALHO INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA Página 1 de 6 CABEÇALHO UF REGIÃO TURÍSTICA SP MUNICÍPIO PIRACAIA DISTRITO Atibaia São Paulo TIPO SUBTIPO RELIGIOSO IDENTIFICAÇÃO 1- DESCRIÇÕES DO ATRATIVO 1.1 NOME OFICIAL:

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Teorias do Urbanismo II 2012/1. Prof.ª Nirce Saffer Medvedovski

Universidade Federal de Pelotas. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Teorias do Urbanismo II 2012/1. Prof.ª Nirce Saffer Medvedovski Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Teorias do Urbanismo II 2012/1 Prof.ª Nirce Saffer Medvedovski ANÁLISE DO MERCADO IMOBILIÁRIO E DOS AGENTES INTERVENIENTES Loteamentos

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

Q1 ID ROTA: Q2 Setor censitário: Q3 Data: / / Q4 Horário inicial: : Q5 ID avaliador: [ ] Online (Street View)

Q1 ID ROTA: Q2 Setor censitário: Q3 Data: / / Q4 Horário inicial: : Q5 ID avaliador: [ ] Online (Street View) Q ID ROTA: Q2 Setor censitário: Q3 Data: / / Q4 Horário inicial: : Q5 ID avaliador: MAPS GLOBAL BRASIL BLOCO : CARACTERÍSTICAS DA ROTA AVALIAR OS DOIS LADOS Seção. Uso do solo / destinos Q6 Como as informações

Leia mais

AJAB - ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DOS CONDOMÍNIOS DA REGIÃO DO JARDIM BOTÂNICO. Assunto: Resposta ao documento recebido nesta sexta-feira (19/06/2015).

AJAB - ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DOS CONDOMÍNIOS DA REGIÃO DO JARDIM BOTÂNICO. Assunto: Resposta ao documento recebido nesta sexta-feira (19/06/2015). Ofício nº 0026/2015 - AJAB. À Senhora AGENIR NUNES MARQUES Síndica do Condomínio Jardim Botânico VI NESTA. Brasília-DF, 19 de junho de 2015. Assunto: Resposta ao documento recebido nesta sexta-feira (19/06/2015).

Leia mais

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo População Rural 30 milhões de pessoas residem em localidades rurais no Brasil,

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA Nº 07/2014 PHIP/PHI/DP/CAESB

RELATÓRIO DE VISTORIA Nº 07/2014 PHIP/PHI/DP/CAESB COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL Diretoria de Operação e Manutenção DP Superintendência de Monitoramento e Controle de Recursos Hídricos PHI Gerência de Proteção de Mananciais PHIP

Leia mais

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Por Raquel de Lucena Oliveira e João Luis Nery A publicação do Índice de Bem estar Urbano (IBEU), elaborado no âmbito do INCT Observatório das Metrópoles

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

CASA MAIA. Implantação e Partido Formal

CASA MAIA. Implantação e Partido Formal Cópia_de_seguranç a_de_banner 02 - C CASA MAIA Local: Carapicuíba-SP Ano: 2014 Escritório Yuri Vital Autoras: Stefânia Rossato Tonet, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal

Leia mais

Diagnóstico do Parque Augusta

Diagnóstico do Parque Augusta Diagnóstico do Parque Augusta Bruno Massao Carolina Camargo Daniela Gomes Giuliana Takahashi Luciana Santiago ESCRITÓRIO MODELO 2013 Localização Próximo ao local há comércios, universidades (Mackenzie,

Leia mais

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU ESTUDO DE IMPACTO NO TRÁFEGO Loteamento Fazenda Flores SPE Ltda ABRIL / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLO EM UMA MICROBACIA DE OCUPAÇÃO URBANA - SOROCABA/SP

ESPACIALIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLO EM UMA MICROBACIA DE OCUPAÇÃO URBANA - SOROCABA/SP ESPACIALIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLO EM UMA MICROBACIA DE OCUPAÇÃO URBANA - SOROCABA/SP Rodrigo Custódio Urban 1 ; Alexandre Marco da Silva 1 ; Luiz Augusto Manfré 1 1 UNESP Campus Sorocaba. Av. Três de

Leia mais

URBFAVELA Eixo temático 4.4: Participação social nos projetos de urbanização

URBFAVELA Eixo temático 4.4: Participação social nos projetos de urbanização URBFAVELA Eixo temático 4.4: Participação social nos projetos de urbanização PESQUISA PASSAGENS URBFAVELA JARDIM ÂNGELA ixo temático 4.4: Participação social nos projetos de INSTITUTO DA CIDADE urbanização

Leia mais

LEI Nº 3709/92 (*) (**)

LEI Nº 3709/92 (*) (**) LEI Nº 3709/92 (*) (**) INSTITUI O PLANO DE URBANIZAÇÃO ESPECÍFICA DO RETIRO DA LAGOA. Faço saber a todos os habitantes do Município de Florianópolis, que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono a

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO PRESENCIAL E ON-LINE

EDITAL DE LEILÃO PRESENCIAL E ON-LINE EDITAL DE LEILÃO PRESENCIAL E ON-LINE Liliamar Pestana Gomes, Leiloeira Oficial inscrita na JUCERGS sob nº 168/00, faz saber, através do presente Edital, que devidamente autorizada por Banco Bradesco S.A.,

Leia mais

FIGURA PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO.

FIGURA PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO. 1 1 - Introdução As estradas não-pavimentadas representam um importante meio de ligação entre as áreas rurais e urbanas. Servem para escoar produtos e safras e proporcionam aos moradores do campo acesso

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHA DE TRANSMISSÃO NOVAS TECNOLOGIAS PARA ESTUDO

Leia mais

SANTA SOFIA II - MOHAS

SANTA SOFIA II - MOHAS ENTIDADE: MOVIMENTO HABITACIONAL E AÇÃO SOCIAL - MOHAS ASSESSORIA: AMBIENTE ARQUITETURA REGIME DE CONSTRUÇÃO: ADM DIRETA ( AUTOGESTÃO) MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO: AQUISIÇÃO DE TERRENO E CONSTRUÇÃO Nº UNIDADES:

Leia mais

ESTUDO DA OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DOS PEREIRAS (IRATI-PR)

ESTUDO DA OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DOS PEREIRAS (IRATI-PR) ESTUDO DA OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DOS PEREIRAS (IRATI-PR) Sidiomar Scariot (ICV/UNICENTRO), Adelena Gonçalves Maia (Orientadora), e-mail: adelena@irati.unicentro.br. Universidade Estadual

Leia mais

2.CONTEXTULIZAÇÃO ÁREA DE ESTUDO

2.CONTEXTULIZAÇÃO ÁREA DE ESTUDO A CONSTITUIÇÃO DA FORMA URBANA NO EIXO ESTRATÉGICO ANHANGUERA: OS SISTEMAS DE ESPAÇOS LIVRES E A TRANSIÇÃO DA URBANIZAÇÃO TRADICIONAL PARA URBANIZAÇÃO DISPERSA E FRAGMENTADA Giovanna Fiorante Pizzol Prof.

Leia mais

USUÁRIO TIPO ATRAÇÃO PERMANÊNCIA NECESSIDADE Estudantes e Pedestres Consumidores

USUÁRIO TIPO ATRAÇÃO PERMANÊNCIA NECESSIDADE Estudantes e Pedestres Consumidores 4 PROGRAMA 4.1 Quadro de Caracterização do Usuário de Campinas Para definir quais os principais usos para a intervenção na área buscou-se entender as principais necessidades de seus moradores e usuários.

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Suely Franco S. Lima

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Suely Franco S. Lima Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Suely Franco S. Lima suely@dsr.inpe.br Disciplina: Meio Ambiente Público Alvo: alunos do 3º colegial Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Objetivo Continuidade

Leia mais

FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA

FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA 122KM ATÉ 2012 Terminal Municipal Existente Faixa Exclusiva à Direita Proposta Corredor de Ônibus Municipal Existente FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA

Leia mais

DATA DA VISITA:05/02/2014. OBS.: No local da praça foi construída uma quadra de esportes.

DATA DA VISITA:05/02/2014. OBS.: No local da praça foi construída uma quadra de esportes. DATA DA VISITA:07/07/2014 DATA DA VISITA:05/02/2014 PRAÇA "CAPITÃO MANOEL ROBERTO VASCONCELOS" Responsável: Leonardo Amorim Gonçalves Endereço: Rua Filomeno Ribeiro e Rua Frei Antônio dos Mártires Bairro:

Leia mais

ESPAÇOS DE HOSPITALIDADE PERCEPTIVAS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ESPAÇOS DE HOSPITALIDADE PERCEPTIVAS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ESPAÇOS DE HOSPITALIDADE PERCEPTIVAS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Chaniéle Lando dos Santos (*), Vanessa Dallagnol, Alcindo Neckel, Tauana Bertoldi, Caliane Christie Oliveira de Almeida Silva * Graduanda

Leia mais

Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina

Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina Um potencial no apoio à identificação de áreas para conservação DANIEL COHENCA A N A L I S TA A M B I E N TA L I B A M

Leia mais

Consultando o cadastro, informaram que o imóvel é rural, não havendo dados na Prefeitura.

Consultando o cadastro, informaram que o imóvel é rural, não havendo dados na Prefeitura. OBJETIVO: LOCALIZAÇÃO DOS IMÓVEIS MATRÍCULA nº 21.159 CONSULTA LOCAL PREFEITURA DE SANTA GERTRUDES Endereço: Rua 01A, 332 Centro Telefone: (19) 3545-8000 Consultando o cadastro, informaram que o imóvel

Leia mais

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO Diana Oneide Montelo de Oliveira UNIFESSPA/Camos Marabá; dianaoneide@gmail.com Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO A geografia é uma Ciência essencial

Leia mais

1/8 OCUPAÇÃO CARREFOUR

1/8 OCUPAÇÃO CARREFOUR QUANDO O MURO VIRA 1/8 OCUPAÇÃO CARREFOUR O objetivo do projeto é ocupar o edifício do antigo Supermercado Carrefour no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, que está abandonado há nove anos. A idéia do projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO CsU N., DE 16 DE MARÇO DE o Estatuto da UEG, aprovado pelo Decreto Estadual n , de 8 de setembro de 2011;

RESOLUÇÃO CsU N., DE 16 DE MARÇO DE o Estatuto da UEG, aprovado pelo Decreto Estadual n , de 8 de setembro de 2011; RESOLUÇÃO CsU N., DE 16 DE MARÇO DE 2016 Posiciona-se favoravelmente à aceitação da doação dos imóveis que especifica e encaminha para deliberação do Conselho de Gestão. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais