06 de dezembro de :00 horas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "06 de dezembro de :00 horas"

Transcrição

1 1 Universidade Católica de Brasília, Brasília/DF, 2 Colegiado de Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina /PE Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina UEL/PR Mestre em Educação Física UEL/PR Doutor em Educação Física UCB/DF Grupo de Estudos e Pesquisa em Genética e Exercício - GEPEGENE Grupo de Estudos e Pesquisa em Metabolismo, Nutrição e Exercício GEPEMENE Orientador do Mestrado em Ciências da Saúde e Biológicas UNIVASF/PE Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF/PE 06 de dezembro de :00 horas

2

3

4

5 CEFIS 4 anos

6

7

8 Resistência Cardiorrespiratória Exercício Físico Resistência Muscular Composição Corporal Flexibilidade Dislipidemia Força Sedentarismo Obesidade Problemas Cardiovasculares Hipertensão Ronque et. al, 2007; Serassuelo Júnior et. al, 2007; ACSM, 2011; Carvalho 2012; Carvalho et.al., 2013.

9

10 SAÚDE x EDUCAÇÃO

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23 COLOCAR OS VÍDEOS

24

25 Crianças 51,4 43,8

26 Crianças 38,0 43,5

27 Crianças 34,1 34,9

28 Crianças 34,1 34,9

29 27,6 23,4

30 22,3 19,9

31 19,0 20,1

32 Adultos 62,5 64,9

33 Adultos 58,3 52,8

34 Adultos 61,9 61,2

35

36

37 COLOCAR OS VÍDEOS

38 COLOCAR OS VÍDEOS

39 COLOCAR OS VÍDEOS

40 COLOCAR OS VÍDEOS

41 COLOCAR OS VÍDEOS

42 Crianças e adolescentes argentinos (n=334); > P90 para PA (CDC, 2000); 5 a 18 anos (zona rural) 70% nunca haviam medido PA; Estudantes sedentários tem [OR] = 3.67; (95% CI 1.08, 12.46; p = 0.037) do que os ativos fisicamente; Obesos tem [OR] = 5.17; (95% CI 1.52, 17.60; p = 0.02) do que osque tem peso normal; Meninos tem 3,4 vezes mais chance de hipertensão do que as meninas.

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53 Qual o Maior Inimigo?

54 Obesidade: : 1.000% ~11% Projeção da obesidade na 4% 0.1% : 4.000% Suécia 1% AUMENTO:

55

56

57

58 85,7 7,1 mmhg 78,6 82,9 4,8 mmhg 78,1

59 Obesidade abdominal atinge 6% dos estudantes Chance de obesidade é 30% menor em adolescentes ativos Arq. Bras. Cardiol. vol.94 no.3 São Paulo Mar. 2010

60 Hipertensão acomete 16,9% dos estudantes Chance de HAS é 40% superior se estudante não é fisicamente ativo Arq Bras Endocrinol Metabol Oct;54(7):

61 13,9% dos estudantes apresentam excesso de peso; Excesso de peso é mais frequente em rapazes e chance é 24% maior para entre aqueles que não participam das aulas de EF;

62 64,9% (2006) não participavam de aulas de EF A participação nas aulas de EF aumenta as chances de que o adolescente seja fisicamente ativo (27%), inclua diariamente frutas na alimentação (45%) e assista <2/dia de TV (30%) Journal os School Health, v.80, n.3,

63 65,1% são insuficientemente ativos Chance de ser insuficientemente ativo é 14% inferior em estudantes que participam das aulas de EF Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 13, n.1, 2010

64

65

66

67 1) Sessão exercício -duração de 36min e composta por 3 circuitos na seguinte ordem: extensão de joelho, supino, flexão de joelho, supino invertido, agachamento, desenvolvimento e 5min subindo e descendo de uma caixa de madeira (STEP) de 15cm de altura (2min recuperação entre circuitos).

68 AGREGAÇÃO DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR Estudos E OCORRÊNCIA da Hipertensão DE HIPERTENSÃO Conceitos Gerais ARTERIAL EM ADULTOS Principais SEDENTÁRIOS Causas (Carvalho et al., em RBME, Crianças 2014). e

69 Avaliação Física Avaliação Motora Aspectos Sociais Genética Será que por meio da genética pode-se encontrar um talento esportivo? Apenas 1 gene pode ser responsável por modulações na pressão arterial? Será que a prescrição de exercícios físicos não deveria ser prescrita de maneira separada por genótipos? (Roth, 2008) Será que existe diferenças entre os genótipos?

70 GENOMA = ~ genes DESEMPENHO ESPORTIVO = 240 genes ECA Enzima Conversora de Angiotensina Alfa-actinina 3 = ACTN3 Dias, 2007

71 - Está situado no cromossomo 17, no íntron 16 (SAYED-TABATABAEI et al., 2006);

72 LIPPI, G.; LONGO, U.G.; MAFFULLI, N. Genetics and Sports. British Medical Bulletin, v. 93, p , 2010.

73 DD II

74 - São 287 pb deleção ou inserção; -ALELO D -Deleção -ALELO I -Inserção ECA DD ID II

75 AMOSTRA 149 adolescentes (85 meninos e 64 meninas) Participantes do projeto segundo tempo; Idade de 11 a 16 anos; CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Regularmente inscrito e freqüentando o projeto segundo tempo; Com idade entre 11 e 16 anos; Autorização dos pais e/ou responsáveis (TCLE); CRITÉRIOS DE INCLUSÃO que não apresentaram o TCLE assinado; que não participaram de todas as coletas; O projeto foi aprovado pelo comitê de ética da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) nº

76 ANTROPOMETRIA Índice de Massa Corporal Peso Corporal (Kg) Iplenna Digital Estatura (cm) Gaya & Silva (2007) % de Gordura Slaughter (1988)

77 Circunferências: * Braço relaxado * Braço contraído * Perna * Coxa * Cintura * Quadril Área Muscular de Braço (AMB) Equação de Frisancho (1984): Callaway et al., (1988) AMB (cm 2 ) = {[CBR (cm) -π.dctr (cm)] 2 /4.π} 10 Onde CBR é a circunferência de braço relaxado em centímetros e DCTR é a dobra cutânea de tríceps em centímetros. O valor de πadotado foi de 3,1416.

78 PRESSÃO ARTERIAL (CHRISTOFARO et al., 2009) - Equipamento da marca Omron (HEM 742); - Dois tipos de manguitos: -6 x 12 mm (Tamanho infantil anos); -9 x 18 mm ( de anos); -(PICKERING et al., 2005); -10 minutos de repouso antes da coleta; - Não fazer atividades físicas vigorosas 24 horas anteriores a coleta; - Não estivessem em continência urinária;

79 COLD PRESSOR TEST Sempre aplicado no mesmo horário; Colocar a mão em uma vasilha com água gelada (4 e 5 graus) por 60 segundos; Foi aferida a pressão arterial nos 30 e 60 segundos; A freqüência cardíaca foi mensurada por um frequencímetro da marca POLAR Hiperreativo: PAS 25 mmhg PAD 20 mmhg

80 Extração de DNA 1º Passo: Coleta da saliva (1000ul) + 10ul de EDTA 2º Passo: Extração (150ul de saliva) 3º Passo: Eletroforese em gel de agarose 0,6% 6º Passo: Armazenamento -20ºC 5º Passo: Identificação (Foto) 4º Passo: Identificação das amostras de DNA

81 Análise genotípica I 1º Passo: Descongelar a amostra 2º Passo: Preparo da Reação de PCR (ECA e ACTN3) 3º Passo: Termociclador Amplificação da Reação de PCR (ECA e ACTN3) 4º Passo: Eletroforese em gel de agarose 1,6% (ECA e ACTN3) 5º Passo: Identificação dos produtos de PCR (ECA e ACTN3)

82 Análise genotípica II ECA Foto da reação da PCR Foto da reação da PCR confirmatória 335pb

83 TESTES MOTORES Envergadura Flexibilidade com o banco Flexibilidade sem o banco Arremesso de Medicine Ball Impulsão Horizontal Teste do quadrado Gaya e Silva, 2007

84 TESTES MOTORES Corrida de 20 metros Abdominal Corrida e/ou caminhada de 12 minutos Gaya e Silva, 2007

85 Tabela 2. Caracterização geral da amostra (n=149). Masculino (n=85) Feminino p (n=64) Idade (anos) 13,1 ± 1,2 13,2 ± 1,2 0,784 Massa Corporal (kg) 53,1 ± 8,7 51,7 ± 9,4 0,349 Estatura (cm) 1,60 ± 0,10 1,57 ± 0,08 0,018 IMC (kg.m 2(-1) ) 20,5 ± 2,5 20,9 ± 3,3 0,345 CCin (cm) 66,1 ± 7,8 68,4 ± 7,6 0,064 PAS (mmhg) 110,9 ± 14,6 108,0 ± 13,2 0,205 PAD (mmhg) 64,5 ± 9,2 65,4 ± 9,3 0,567 PAM (mmhg) 80,0 ± 10,2 79,6 ± 9,7 0,811 % Gordura 20,4 ± 8,5 27,7 ± 7,0 < 0, minutos (metros) 1443,2 ± 214,1 1132,9 ± 157,0 < 0,001 Nota: IMC = Índice de Massa Corporal; CCin = Circunferência de cintura; PAS = Pressão Arterial Sistólica; PAD = Pressão Arterial Diastólica; PAM = Pressão Arterial Média; 12 minutos = Corrida ou caminhada de 12 minutos; p 0,05. AAHPERD, 1998; CONDE & MONTEIRO, 2006; AAHPERD, 1998;

86 Amostra está em equilíbrio de Hardy-Weinberg(Rodriguez et al., 2009). ECA(χ 2 = 4,9; df = 1; P= 0,61) e ACTN3(χ 2 = 0,72; df = 1; P= 0,6) Frequência (%) 19,4 % 38,9 % 41,7 % 8,7 % 60,0 % 31,3 % Figura 20. Frequência dos genótipos do polimorfismo I/D do gene da ECA e do polimorfismo R577Xdo gene ACTN3.

87 Tabela 4. Valores de PAS, PAD e FC em repouso, de ambos os sexos dentro de cada genótipo (DD, ID e II) e alelos (D e I). PAS PAD FC Genótipo (DD) Masculino (n=39) 112,2 ± 12,1 68,5 ± 9,1 70,2 ± 17,0 Feminino (n=23) 109,3 ± 12,5 67,8 ± 9,9 4,9 73,2 ± 9,4 Genótipo (ID) Masculino (n=24) 109,2 ± 14,8 5,8 63,6 ± 9,3 6,8 72,1 ± 10,1 4,8 Feminino (n=34) 106,9 ± 14,3 64,3 ± 8,4 5,8 73,0 ± 9,6 Genótipo (II) Masculino (n=22) 106,4 ± 13,5* 61,7 ± 8,5* 72,0 ± 14,0 Feminino (n=7) 104,5 ± 11,3* 62,0 ± 8,4* 73,8 ± 8,6 Alelo D Masculino (n=63) 111,6 ± 13,1 64,8 ± 9,5 70,9 ± 14,7 Feminino (n=57) 107,9 ± 13,5 5,2 65,1 ± 9,0 3,1 73,1 ± 9,9 3,4 Alelo I 3,1 Masculino (n=22) 106,4 ± 13,5 61,7 ± 8,5 72,0 ± 14,0 Feminino (n=7) 104,5 ± 11,3 62,0 ± 8,4 73,8 ± 8,6 *p 0,01 em relação ao genótipo DD; p 0,05 em relação ao genótipo DD; p 0,05 em relação ao alelo D.

88 Tabela 6. Valores de PAS dos hiperreativos no Cold Pressor Test - CPT separado por genótipos entre os sexos. PAS (rep) PAS 30s PAS 60s MASCULINO (n=15) 7,0 21,0 DD+ID (n=8) 106,0 ± 7,8 113,0 ± 9,0 127,0 ± 11,2,# II (n=7) 97,4 ± 8,8* 106,4 ± 12,4*, 122,7 ± 11,0*,,# FEMININO (n=15) 9,0 6,5 18,5 25,3 DD+ID (n=12) 106,9 ± 15,4 113,4 ± 10,1 125,4 ± 13,4,# II (n=3) 101,0 ± 14,5* 109,6 ± 7,0*, 118,3 ± 15,3*,,# 8,6 17,3 Nota: PAS = Pressão Arterial Sistólica; (rep) = repouso; (s) = segundos. * p 0,05 em relação ao genótipo DD+ID; p 0,01 em relação ao repouso; # p 0,01 em relação aos 30 segundos. Observamos que 53,3% dos meninos e 80,0% das meninas possuem o alelo de maior risco para hipertensão (D).

89 Tabela 7. Valores de PAD dos hiperreativos no Cold Pressor Test - CPT separado por genótipos entre os sexos. PAD (Rep) PAD 30s PAD 60s MASCULINO (n=15) 14,7 23,5 DD+ID (n=8) 60,7 ± 6,4 75,4 ± 5,7 84,2 ± 5,0,# II (n=7) 55,7 ± 7,0* 72,5 ± 5,0 82,2 ± 6,9,# FEMININO (n=15) 13,5 16,8 26,5 24,3 DD+ID (n=12) 65,0 ± 8,1 78,5 ± 9,2 89,3 ± 10,5,# II (n=3) 61,9 ± 7,9* 16,7 78,6 ± 11,5 24,7 86,6 ± 11,6,# Nota: PAD = Pressão Arterial Diastólica; (rep) = repouso; (s) = segundos. * p 0,05 em relação ao genótipo DD+ID; p 0,01 em relação ao repouso; # p 0,01 em relação aos 30 segundos.

90 PAS (mmhg) ,0 * 101,5 21,0 mmhg 113,0 * 109,8 13,6 mmhg 127,0 # # 115,1 Alelo D (n=8) Alelo I (n=15) Repouso 30 seg 60 seg Cold Test Pressor Figura 22. Valores de PAS (mmhg) dos voluntários hiperreativos portadores do alelo de maior risco para hipertensão (D), e não reativos portadores do alelo de menor risco para hipertensão (I) durante a aplicação do Cold Pressor Test em meninos. * p 0,05 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao repouso; # p 0,01 em relação aos 30s.

91 PAS (mmhg) ,9 * 103,7 18,5 mmhg 113,4 * 109,2 14,0 mmhg 125,4 # Alelo D (n=12) Alelo I (n=4) 90 Cold Test Pressor Repouso 30 seg 60 seg Figura 23. Valores de PAS (mmhg) das voluntárias hiperreativas portadores do alelo de maior risco para hipertensão (D), e não reativos portadores do alelo de menor risco para hipertensão (I) durante a aplicação do Cold Pressor Test em meninas. * p 0,05 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao repouso; # p 0,01 em relação aos 30s. # 117,7

92 PAD (mmhg) ,7 23,5 mmhg 75,4 72,2 # Alelo D (n=8) Alelo I (n=15) 60 60, ,1 mmhg 50 Repouso 30 seg 60 seg Cold Test Pressor Figura 24. Valores de PAD (mmhg) dos voluntários hiperreativos portadores do alelo de maior risco para hipertensão (D), e não reativos portadores do alelo com menor risco para hipertensão (I) durante o no Cold Pressor Test em meninos. p 0,01 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao repouso; # p 0,01 em relação aos 30s. 84,2 76,5

93 PAD (mmhg) ,2 65,0 24,3 mmhg 78,5 # Alelo D (n=12) Alelo I (n=4) 50 Repouso 30 seg 60 seg Cold Test Pressor Figura 25. Valores de PAD (mmhg) das voluntárias hiperreativas portadoras do alelo de maior risco para hipertensão (D), e não reativas portadoras do alelo de menor risco para hipertensão (I) durante o Cold Pressor Test em meninas. p 0,01 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao repouso; # p 0,01 em relação aos 30s. 89,3 71,0 71,2 5,0 mmhg

94 FC (bpm) Conceitos Gerais ,6 72,2 86,1 16,8 bpm Alelo D (n=8) Alelo I (n=15) 50 Cold Test Pressor Repouso 30 seg 60 seg Figura 26.Valores da FC(bpm) dos voluntários hiperreativos portadores do alelo de maior risco para hipertensão (D), e não reativos portadores do alelo de menor risco para hipertensão (I) durante o Cold Pressor Test em meninos. p 0,01 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao repouso. 89,0 75,6 78,8 4,2 bpm

95 FC (bpm) ,2 76,5 8,7 bpm 84,2 Alelo D (n=12) Alelo I (n=4) 50 Cold Test Pressor Repouso 30 seg 60 seg Figura 27. Valores de FC (bpm) das voluntárias hiperreativas portadoras do alelo de maior risco para hipertensão (D), e não reativas portadoras do alelo de menor risco para hipertensão (I) durante o Cold Pressor Test em meninas. p 0,01 em relação ao alelo I; p 0,01 em relação ao repouso. 85,2 83,7 79,7 2,5 bpm

96 Tabela 8. Valores da antropometria e da composição corporal, de ambos os sexos e separados por genótipos (DD, ID e II) do gene da ECA. DD (n=39) MASCULINO (n=85) ID (n=24) II (n=22) DD (n=23) FEMININO (n=64) ID (n=34) II (n=7) MC (kg) 55,8 ± 7,2 *, 53,1 ± 8,0 * 50,7 ± 10,4 57,5 ± 12,9 *, 51,8 ± 9,3 50,4 ± 8,6 IMC (kg.m 2(-1) ) 20,6 ± 2,2 20,6 ± 2,6 20,1 ± 2,7 23,1 ± 4,0 *, 20,4 ± 3,1 20,8 ± 3,2 CCin (cm) 66,5 ± 4,7 66,2 ± 6,9 65,5 ± 11,1 68,7 ± 3,6 67,9 ± 8,5 68,8 ± 7,6 %Gordura 20,2 ± 7,2 20,2 ± 8,2 20,7 ± 10,3 28,0 ± 5,0 26,2 ± 6,8 28,6 ± 7,5 AMB (cm 2 ) 15,8 ± 4,9 * 14,7 ± 5,1 13,7 ± 6,7 13,8 ± 3,5 *, 11,5 ± 4,0 12,3 ± 4,2 Nota: MC = Massa Corporal; IMC = Índice de Massa Corporal; CCin = Circunferência de Cintura; AMB = Área muscular de Braço; * p 0,05 em relação ao alelo II; p 0,05 em relação ao ID.

97 Qual é a minha obrigação?

98 REPERTÓRIO Principais RIOCausas

99

100

101

102 Benefícios na P. A e Gasto energético 20, 1% na modalidade tênis.

103

104

105 Um currículo escolar que inclua alimentação saudável, atividade física e imagem corporal; Mais sessões de atividades físicas e desenvolvimento de habilidades motoras fundamentais ao longo da semana escolar; Melhora na qualidade nutricional dos alimentos fornecidos na escola; Ambiente e práticas culturais que incentivem as crianças a comerem alimentos mais saudáveis e a serem fisicamente ativas ao longo de cada dia;

106 Apoio aos professores e outros funcionários para implementação de estratégias e atividades de promoção de saúde (por ex. atividades de desenvolvimento e capacitação profissional); Apoio aos pais e atividades em casa que encorajem a criança a ser fisicamente ativa, a comer alimentos mais nutritivos e a gastar menos tempo com atividades em frente das televisões, computadores, tablets, celulares e jogos eletrônicos.

107

108

109 Considerações finais Será que só avaliar também resolve o problema? Será que apenas os textos ou teorias resolverá o problema? Qual o impacto do analfabetismo motor nas séries iniciais? Temos que mudar a Educação Física escolar brasileira, essa éa certeza de que tenho.

110 Direções futuras Estudar mais sobre as aulas de EF Maior número de aulas de Educação Física Aulas com conteúdos, programa diferente do tradicional Combinação destas estratégias Mudar o currículo escolar com o foco no Exercício Físico e alimentação saudável Estudar intervenções que possam ser realizadas em contexto comunitário Esportes ou outras atividades estruturadas; Atividades na atenção básica à saúde

111 RECOMENDAÇÕES - Exercício físico no mínimo 5 vezes na semana; - 2 ou 3 dias força + 2 ou 3 dias aeróbio + 1 dia flexibilidade; - Controlar o peso corporal (Gordura corporal); - Incentivar os filhos a fazerem exercício físico; - Fazer sempre em locais com a presença de um profissional de educação física; - Sempre fazer avaliações físicas e médicas;

112 Site do GEPEGENE

113 Site do SAFO

114 V CEFIVASF (29/04, 01 e 02/05 de 2015)

115

116 AGRADECIMENTOS

117 AGRADECIMENTOS

118 AGRADECIMENTOS

119 OBRIGADO! FERDINANDO OLIVEIRA CARVALHO Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF

Exercício físico e respostas cardiovasculares

Exercício físico e respostas cardiovasculares Exercício físico e respostas cardiovasculares 1 Universidade Católica de Brasília, Brasília/DF, 2 Colegiado de Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina /PE Prof. Dr.

Leia mais

Efeito do consumo de vinhos do Vale do São Francisco na saúde humana

Efeito do consumo de vinhos do Vale do São Francisco na saúde humana Efeito do consumo de vinhos do Vale do São Francisco na saúde humana 1 Universidade Católica de Brasília, Brasília/DF, 2 Colegiado de Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina

Leia mais

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho Introdução Avalon 2.0.1-06/02/2016 Interpretação dos Percentis Avalon 2.0.1-06/02/2016 Anamnese ANAMNESE Histórico de Atividades Físicas Praticou tênis durante 15 anos, mas está parado há 4 anos. Atividades

Leia mais

Cassio Nobre - Personal trainner e Consultori

Cassio Nobre - Personal trainner e Consultori Cassio Nobre - Personal trainner e Consultori cassiosantan@hotmail.com Dados da Avaliação Nome: Ricardo Chagas Rodrigues Idade: 62 Anos Data: 31/01/2017-11:52 Email: ricrodrigues@uol.com.br Etnia: Branco

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ALUNOS DO PROJETO ESCOLA DA BOLA COM BASE NOS TESTES DA PROESP-BR

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ALUNOS DO PROJETO ESCOLA DA BOLA COM BASE NOS TESTES DA PROESP-BR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ÍNDICE DE

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais AVALIAÇÃO FÍSICA: Testes de Aptidão em Escolares ( 7 17 anos) O Proesp-BR Considerando: a) Carência de estrutura física das escolas brasileiras em sua estrutura

Leia mais

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS A obesidade é uma doença crônica classificada como epidêmica, tendo apresentado importante aumento na sua prevalência nas últimas décadas, em diversos países, em todas as faixas etárias e níveis econômicos

Leia mais

II Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão da UniEVANGÉLICA Anais do IX Seminário de PBIC Volume Anápolis-Go

II Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão da UniEVANGÉLICA Anais do IX Seminário de PBIC Volume Anápolis-Go MELHORIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS APÓS SEREM SUBMETIDAS AO TREINAMENTO RESISTIDO CASTRO, Danilo Leandro Santos de 1 LIMA, William Alves 2 SILVA, Maycon Karllos Napolitano da 3 TEIXEIRA, Cristina

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais

Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais Páblius Staduto Braga da Silva Medicina do Exercício e do Esporte Hospital Nove de Julho Coordenador Médico

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ

RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ Ligia Silva Marcon 1 ; Sergio

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Denomina-se bateria a um conjunto de testes cujos resultados possam ser analisados

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Desenvolvimento motor. Flexibilidade. Resistência abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Desenvolvimento motor. Flexibilidade. Resistência abdominal. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS E FATORES RELACIONADOS

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

Atualidades em Nutrição Esportiva trica

Atualidades em Nutrição Esportiva trica Atualidades em Nutrição Esportiva Avaliação Antropométrica trica Apresentação: Nutricionista Kamilla Morais Severino Especialista em Nutrição Clínica e Esportiva CEEN/ UCG Personal Dieter Diretora de Marketing

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA 16 TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CAMINHADA ORIENTADA EM PARÂMETROS FISIOLÓGICOS E PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS 1

INFLUÊNCIA DA CAMINHADA ORIENTADA EM PARÂMETROS FISIOLÓGICOS E PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS 1 INFLUÊNCIA DA CAMINHADA ORIENTADA EM PARÂMETROS FISIOLÓGICOS E PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS 1 CHAVES, Ricardo - Lemes 2 TEIXEIRA, Bruno Costa 3 Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO E IDOSOS

EXERCÍCIO FÍSICO E IDOSOS EXERCÍCIO FÍSICO E IDOSOS Dra. Maria Isabel Toulson Davisson Carrea Coordenadora do Observatório de Metabolismo e Nutrição Msc. Alessandra de Magalhães Campos Garcia Professora de Educação Física coordenadora

Leia mais

VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS

VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS 1 VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL PÓS-EXERCÍCIO EM ATLETAS E NÃO-ATLETAS Rodrigo Batista Maia UFPI Cláudio Henrique Lima Rocha UFPI Irapuá Ferreira Ricarte UFPI Vitor

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

O Impacto de uma pesquisa de hidroginástica na captação de novos clientes Condicionamento cardiorrespiratório

O Impacto de uma pesquisa de hidroginástica na captação de novos clientes Condicionamento cardiorrespiratório O Impacto de uma pesquisa de hidroginástica na captação de novos clientes Tese de Doutordo Efeitos do treinamento aeróbio, de força muscular e combinado no meio aquático em mulheres com Síndrome Metabólica:

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 SEGUIMENTO 15 MESES

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 SEGUIMENTO 15 MESES Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 Número do Centro l ID do Participante l Data do Atendimento l l l / l l l / 201l l Iniciais do Participante SEGUIMENTO

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL

COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL REQUISITOS BÁSICOS PARA ADEQUADA AFERIÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL Tele-educação REDE DE TELEASSISTÊNCIA DE MINAS GERAIS Organizadores Edênia S. G. Oliveira Lidiane A. Pereira

Leia mais

POPAF (Projeto Operacional Padrão da Avaliação Física)

POPAF (Projeto Operacional Padrão da Avaliação Física) POPAF (Projeto Operacional Padrão da Avaliação Física) Objetivo Alcançar a padronização do atendimento operacional e funcional do início ao fim da avaliação física, com o intuito de manter o padrão de

Leia mais

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Medida da Pressão Arterial na Infância Prof. Dra Marcia Camegaçava Riyuzo Disciplina de Nefrologia Pediátrica Departamento de Pediatria FMB - UNESP

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Qualidades Físicas As qualidades físicas podem ser definidas como todas as capacidades treináveis de um organismo. As qualidades são: resistência, força, velocidade,

Leia mais

Na ESGB, os testes utilizados para avaliar a força são: força abdominal; flexões/extensões de braços.

Na ESGB, os testes utilizados para avaliar a força são: força abdominal; flexões/extensões de braços. Agrupamento de Escolas D. Maria II Escola Básica e Secundária de Gama Barros Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 10º Ano Qualidades Físicas As qualidades físicas podem ser definidas como todas

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 ; Marina Santin¹. RESUMO: Essa pesquisa quase experimental

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA EM PARÂMETROS DE SAÚDE

EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA EM PARÂMETROS DE SAÚDE EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA EM PARÂMETROS DE SAÚDE Prof. Dr. Edilson Serpeloni Cyrino Centro de Educação Física e Esporte Universidade Estadual de Londrina e-mail: emcyrino@uel.br ENVELHECIMENTO MODIFICAÇÕES

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO Prof. Hassan Mohamed Elsangedy hassanme20@hotmail.com Hassan M. Elsangedy, MS. Especialização em Fisiologia do Exercício - 2009 1 INCIDÊNCIAS Hassan M. Elsangedy,

Leia mais

Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde na Vigilância Nutricional

Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde na Vigilância Nutricional Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial

Leia mais

Instituto de Cultura Física

Instituto de Cultura Física Página 1 Instituto de Cultura Física ANÁLISE BIOMECÂNICA Nome: Sexo: Data Nasc: Idade: Cafi Otta M 16/08/78 35 Objetivo: Av. fís. anterior: Av. fís. atual: Alto Rendimento Físico 24/09/12 08/10/13 AVALIAÇÃO

Leia mais

EFEITO AGUDO DE UMA SESSÃO DE HIDROGINÁSTICA SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL EM MULHERES NORMOTENSAS E HIPERTENSAS

EFEITO AGUDO DE UMA SESSÃO DE HIDROGINÁSTICA SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL EM MULHERES NORMOTENSAS E HIPERTENSAS EFEITO AGUDO DE UMA SESSÃO DE HIDROGINÁSTICA SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL EM MULHERES NORMOTENSAS E HIPERTENSAS JANE MARIA SILVA CARVALHO BRUNO ALMEIDA TOCANTINS MAYCOM DO NASCIMENTO MOURA ANTONIO EDUARDO

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL.

ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL. ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL. Diagnes Marostica 1 ; Everton Paulo Roman 2 Resumo Introdução: As questões que envolvem

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM.

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM. PT.03.02 (RS35150B) SÍNDROME METABÓLICA E FATORES ASSOCIADOS Inácio LB 1 ; Fagundes ALR 1 ; Menezes E 1 ; Magnino FS 1 ; Mendonça ALS 1 ; Redondo LS 1 ; Ribeiro NC 1 ; Dias CR 1 ; Carvalho NV 2 ; Lopes

Leia mais

PERCENTIL DE CRESCIMENTO EM ATLETAS DE BASQUETEBOL MIRIM

PERCENTIL DE CRESCIMENTO EM ATLETAS DE BASQUETEBOL MIRIM 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCENTIL DE

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES A avaliação nutricional dos adolescentes deve considerar a idade cronológica (peso, estatura e idade) e a idade biológica

Leia mais

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 ; PANDA, Maria Denise Justo 3 Palavras Chave: IMC. PIBID. Saúde. Educação Física. Introdução

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Laboratório de Investigação em Desporto AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014

Laboratório de Investigação em Desporto AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO 2014 Equipa: Doutor João Brito (coordenador) Doutor Hugo Louro Doutora Ana Conceição Mestre Nuno

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES FÍSICAS PARA DIAGNÓSTICO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UTILIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES FÍSICAS PARA DIAGNÓSTICO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UTILIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES FÍSICAS PARA DIAGNÓSTICO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ RAFAEL DE PAIVA PEREIRA THIERS VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ, ITAJUBÁ MINAS GERAIS

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

Universidade do Extremo Sul Catarinense SUMÁRIO

Universidade do Extremo Sul Catarinense SUMÁRIO SUMÁRIO 14007 - DISTRIBUIÇÃO DE GORDURA CORPORAL EM MULHERES NA MENOPAUSA Ian Rabelo Gabriel 1,3, Geiziane Laurindo de Morais 1,3, Monica Martins Binatti 3,4, Larissa Nunes da Silva 1,3, Aline Maria Garcia

Leia mais

Consumo Máximo de Oxigênio

Consumo Máximo de Oxigênio Consumo Máximo de Oxigênio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Consumo Máximo de Oxigênio VO2max BE066 Sistema Portátil K4b 2 BE066 VO2max Definição: É a razão máxima de O2 que uma pessoa pode absorver,

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE ESCOLARES: estudo comparativo dos escolares com IMC normal e com excesso de peso de Santa Cruz do Sul-RS

APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE ESCOLARES: estudo comparativo dos escolares com IMC normal e com excesso de peso de Santa Cruz do Sul-RS APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE ESCOLARES: estudo comparativo dos escolares com IMC normal e com excesso de peso de Santa Cruz do Sul-RS CHARLES MAURICIO HENKES* PRISCILA Tatiana da SIlva** MIRIAM

Leia mais

FITNESSGRAM MENSAGENS ACTIVIDADE APTIDÃO AERÓBIA FORÇA MUSCULAR, RESISTÊNCIA, FLEXIBILIDADE COMP. CORPORAL NÚCLEO DE EXERCÍCIO E SAÚDE

FITNESSGRAM MENSAGENS ACTIVIDADE APTIDÃO AERÓBIA FORÇA MUSCULAR, RESISTÊNCIA, FLEXIBILIDADE COMP. CORPORAL NÚCLEO DE EXERCÍCIO E SAÚDE Manual de Aplicação de Testes 35 APTIDÃO AERÓBIA FORÇA MUSCULAR, RESISTÊNCIA, FLEXIBILIDADE COMP. CORPORAL ACTIVIDADE ZONA SAUDÁVEL Precisa Bom Óptimo Os meus Melhorar resultados Vaivém Nº Voltas Actual

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES COMPOSIÇÃO CORPORAL DE JOVENS ESTUDANTES Vivian Mendes de Souza /UFGD Aline Rodrigues Guedes da Silva/UFGD Wallisson Lucas dos Santos Farias /UFGD Dra. Josiane Fujisawa Filus de Freitas /UFGD Dr. Gustavo

Leia mais

Os ABCs da melhoria das condições de saúde com o desenvolvimento na primeira infância.

Os ABCs da melhoria das condições de saúde com o desenvolvimento na primeira infância. Os ABCs da melhoria das condições de saúde com o desenvolvimento na primeira infância. Professor James Heckman Prêmio Nobel em Economia Professor emérito de economia Henry Schultz, Universidade de Chicago

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

Bons hábitos alimentares. Coma cinco vezes por dia (menor quantidade de alimentos por refeição).

Bons hábitos alimentares. Coma cinco vezes por dia (menor quantidade de alimentos por refeição). A adopção de uma dieta alimentar e equilibrada é uma das medidas mais importantes para a prevenção de alguns riscos de acidentes cardiovasculares (cardíacos, cerebrais, hipertensão, diabetes e obesidade).

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA TESE DE DOUTORADO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA TESE DE DOUTORADO 18 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA TESE DE DOUTORADO ASSOCIAÇÃO DE VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS, HEMODINÂMICAS E DE TESTES MOTORES COM VARIANTES ALÉLICAS CLÁSSICAS

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio BE066 - Fisiologia do Exercício Consumo Máximo de Oxigênio Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Conceituar Consumo Máximo de Oxigênio Descrever os Fatores que influenciam o VO2max Meios para determinação

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 MANUAL DE AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ADULTOS PARA ESTUDANTES DE NUTRIÇÃO Sônia Maria Ximenes Gomes Lilian Vasconcelos

Leia mais

MEDIDAS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE MOTORA

MEDIDAS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE MOTORA Escola de Educação Física e Esporte da USP Avaliação morfológica: peso, estatura, índice de massa corporal MEDIDAS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE MOTORA Profa. Dra. Maria Urbana P. B. Rondon 1º. Semestre/ 2017

Leia mais

AGRADECIMENTOS. Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

AGRADECIMENTOS. Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. i AGRADECIMENTOS A toda minha família e meus amigos, pela paciência e apoio. Ao meu orientador, Prof. Dante de Rose Jr., pelo crédito e apoio irrestrito, todo meu carinho e admiração. Aos professores Osvaldo

Leia mais

Projeto PéAtivo: promoção da deslocação ativa, atividade lúdicomotora, saúde e bem-estar em crianças da Educação Pré-escolar

Projeto PéAtivo: promoção da deslocação ativa, atividade lúdicomotora, saúde e bem-estar em crianças da Educação Pré-escolar II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto PéAtivo: promoção da deslocação ativa, atividade lúdicomotora, saúde e bem-estar em crianças da Educação Pré-escolar Catarina Vasques 1 ; Élia Cordeiro 3

Leia mais

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas.

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Mst.. Sandro de Souza A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Para a aptidão cardiorrespiratória,

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TÍTULO: NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICAS DE PRATICANTES DE DOIS MODELOS DE TREINAMENTO RESISTIDOS.

TÍTULO: NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICAS DE PRATICANTES DE DOIS MODELOS DE TREINAMENTO RESISTIDOS. TÍTULO: NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICAS DE PRATICANTES DE DOIS MODELOS DE TREINAMENTO RESISTIDOS. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA

RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA Linhas de Pesquisa de Fisioterapia em Cardiologia RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA VI Simpósio de Fisioterapia em Cardiologia Fisiot. Espec. Cleusa Maria Richter INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA www.icca-rs.com.br

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal: Uma importante ferramenta no controle do treino. Me. Ruy Calheiros

Avaliação da Composição Corporal: Uma importante ferramenta no controle do treino. Me. Ruy Calheiros Avaliação da Composição Corporal: Uma importante ferramenta no controle do treino Me. Ruy Calheiros Me. Ruy Calheiros (CREF: 003552-G/SP) Graduado em Educação Física (UNISA), Pós graduado em Treinamento

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12

SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12 Departamento de Expressões SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12 1. ÁREA DE ATIVIDADES FÍSICAS 3º CICLO MATÉRIAS NUCLEARES SECUNDÁRIO 10º ano 11º e 12º ano Futsal Voleibol Basquetebol

Leia mais

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso).

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso). Caro Sr(a) alunos do Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal, estamos nos dirigindo a VSrª, para convocá-lo a participar de mais uma etapa componente do processo geral. Nesta etapa, como

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG EFEITO CARDIOVASCULAR AGUDO DA ZUMBA EM AMBIENTE VIRTUAL SIMULADO PELO XBOX

Leia mais

Desafio 90 dias. e treinamento funcional

Desafio 90 dias. e treinamento funcional Desafio 90 dias DESAFIO 90 DIAS/ TREINAMENTO FUNCIONAL e treinamento funcional Rodrigo Valério de Assumpção Desafio 90 dias e treinamento funcional Rodrigo Valério de Assumpção Supervisor de Lazer e Esportes

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Composição Corporal e Puberdade: tecido gorduroso, massa muscular e massa mineral óssea

Composição Corporal e Puberdade: tecido gorduroso, massa muscular e massa mineral óssea Composição Corporal e Puberdade: tecido gorduroso, massa muscular e massa mineral óssea Prof. Dra. Tamara Beres Lederer Goldberg Departamento de Pediatria Disciplina de Medicina do Adolescente Faculdade

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE RESUMO

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE RESUMO COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE PEDROSA, Olakson Pinto. Professor do Curso de Educação Física da ULBRA * NETO, Wilson Nonato Rabelo. Graduado

Leia mais

Medidas e Avaliação da Atividade Motora

Medidas e Avaliação da Atividade Motora Escola de Educação Física e Esporte da USP Tema da aula: Conceitos Básicos Medidas e Avaliação da Atividade Motora Objetivos da aula: Conceituar: medida, teste, avaliação Compreender as etapas do processo

Leia mais

ANAMNESE. Cirurgias: Doenças/Sintomas : Medicamentos: Lesões Alergias TPM Outros

ANAMNESE. Cirurgias: Doenças/Sintomas : Medicamentos: Lesões Alergias TPM Outros ANAMNESE Nome: Sexo: M ( ) F ( ) Endereço: Nascimento : Bairro : Cidade : Estado : CEP : Profissão: Estado Civil : Telefone: residencial - comercial - celular - Data de início : Objetivos do aluno : (

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

Sistema muculoesquelético. Prof. Dra. Bruna Oneda

Sistema muculoesquelético. Prof. Dra. Bruna Oneda Sistema muculoesquelético Prof. Dra. Bruna Oneda Sarcopenia Osteoporose A osteoporose é definida como uma desordem esquelética que compromete a força dos ossos acarretando em aumento no risco de quedas.

Leia mais