AULA Nº 4. Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA Nº 4. Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez"

Transcrição

1 AULA Nº 4 Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez que até aqui tratamos dos aspectos qualitativos. Para tanto teremos que apreender alguns conceitos de genética de população. A genética de população é o estudo quantitativo da distribuição e da quantificação da variação genética nas populações e a dinâmica da alteração das freqüências genéticas. A genética de populações aplicada às espécies silvestres tem como objetivo garantir que as espécies silvestres tenham um conjunto gênico bastante variável para que possa sobreviver mesmo sob pressão de seleção natural maior que a plasticidade fenotipica, pois do contrário a extinção é inevitável (Frankel, 1983). Geneticamente os organismos são estruturados do seguinte modo: Gene genótipo populações espécies Esse conhecimento é essencial para se ter medidas quantitativas da hierarquia da diversidade genética. A descrição da estrutura genética da população e da sua dinâmica é baseada na freqüência alélica e genotípica em amostras de populações com características simples herdadas segundo o modelo Mendeliano. Para este estudo o ideal é trabalhar com o conceito de alelo neutro, que foi discutido por Kimura e Crow (1964) para características sem vantagens comparativas de tal forma que tais características estariam protegidas da ação da seleção natural e do homem. 16

2 As estimativas da freqüência alélica de um loco a partir do conhecimento das freqüências genotípicas é baseada no princípio do equilíbrio de Hardy Weinberg. Este principio estabelece que para populações grandes com acasalamentos ao acaso as freqüências alélicas e genotípicas permanecem constantes geração após geração na ausência de mutação, migração e seleção natural. Para que possamos visualizar este principio vejamos a seguinte ilustração: Em uma população natural com freqüência alélica A = p e a = q, tem-se os seguintes genótipos: AA, Aa e aa. Desta forma são possíveis os seguintes acasalamentos: Acasalamentos Freqüência de Descendência acalamento AA Aa aa AA x AA P 2 P2 AA x Aa 2PQ PQ PQ AA x aa 2PR 2PR Aa x Aa Q 2 ¼ Q 2 ½ Q 2 ¼ Q 2 Aa x aa 2QR QR QR Aa x aa R 2 R 2 Freqüência genotípica: AA = P Aa = Q Aa = R. 17

3 A freqüência de AA na descendência será: P 2 + PQ + ¼ Q 2, que pode ser escrito da seguinte forma: (P + ½ Q) 2 assim: (p 2 + pq) 2 (p 2 + p(1-p)) 2 (p 2 + p p 2 ) 2 (p 2 + p p 2 ) 2 (p) 2 = p 2 A freqüência de Aa, na geração seguinte será: PQ + 2PR + ½ Q 2 + QR, que pode ser escrito assim: 2(P + Q/2) (R + Q/2) assim pode ser desenvolvido como: 2( p 2 + pq)(q 2 + pq) 2(p 2 + p(1-p)) (q 2 + q(1-q)) 2(p 2 + p p 2 ) (q 2 + q q 2 ) 2(p 2 + p p 2 ) (q 2 + q q 2 ) 2(p)(q) = 2pq A freqüência de aa na geração seguinte será: ¼ Q 2 + QR + R 2, que pode ser escrito da seguinte (R + 1/2Q) 2 (q 2 + pq) 2 (q 2 + q(1-q)) 2 (q 2 + q q 2 ) 2 (q 2 + q q 2 ) 2 (q) 2 = q 2 18

4 Entretanto quando se trata de amostras para Banco de germoplasma na verdade trata-se de amostras genéticas das populações, ou seja trabalha-se com populações finitas, para que tal amostragem tenha sucesso absoluto o ideal é que na amostra tivéssemos a mesma freqüência alélica da população total. Como estatisticamente tal acontecimento é pouco provável, estima-se que toda a amostragem feita para bancos de germoplasma tenha um certo efeito de deriva ou fragmentação populacional. Fatores perturbadores do equilíbrio de Hardy Weinberg: _ Efeito fundador: A freqüência gênica da amostra dependerá da freqüência alélica inicial da amostra que é chamada de efeito fundador. Tamanho efetivo populacional : Além do efeito fundador as variações no potencial reprodutivo dos genitores também afetam a freqüência gênica da geração subsequente, que é chamado de tamanho efetivo populacional, que pode ser entendido da seguinte maneira: Tamanho efetivo populacional, designado Ne, refere-se ao número de plantas geneticamente diferentes que compõe uma amostra e que efetivamente participam para a formação da próxima geração. Neste sentido Vencovsky (1986) desenvolveu, a partir da expressão original de Crow & Kimura, expressões matemáticas que relacionam o tamanho físico da coleta com o tamanho efetivo populacional para coletas de plantas alógamas. Casos de plantas alógamas: a) Coleta de amostras sem controle gamético: quando se colhe diferentes números de sementes por planta: 19

5 Ne = n n F em que : n = número total de sementes; F = número de genitoras dos quais as sementes foram retiradas. Dar o exemplo de ter colhido 100 sementes de 20 plantas. b) Coleta de amostras com controle dos gametas femininos: Ne = n n + 3 4F 4 Tomando-se n = 100 sementes e F igual a 20, portanto com cinco sementes por plantas, tem-se Ne = 50. Para alógamas, milho defini-se que o tamanho ideal para reduzir os feitos da deriva seria que o Ne = 200. Desta forma pede-se para calcular o tamanho físico das amostras para que tenhamos Ne igual a 200. Caso de plantas de que se reproduzem por autofecundação Neste caso o Ne = 1. Pois a população descende de uma única planta. Desta forma deve-se colher sementes em número igual do maior número de plantas genitoras para compor uma amostra. Caso de plantas dioicas Ne = 4FM (F + M) F= número de plantas masculinas; 20

6 M = número de plantas masculinas. Caso de plantas propagação vegetativa Para uma conjunto de C clones tem-se Ne= C, desde que estes clones sejam não aparentados. Se por outro lado estes C clones vierem de P plantas mães o tamanho efetivo será p. 21

GENÉTICA DE POPULAÇÕES

GENÉTICA DE POPULAÇÕES GENÉTICA DE POPULAÇÕES Conceito geral de populações Freqüências alélicas e genotípicas Equilíbrio de Hardy-Weinberg Estrutura genética de populações Fatores que afetam o equilíbrio de H-W: mutação, seleção,

Leia mais

Melhoramento de Espécies Alógamas

Melhoramento de Espécies Alógamas Aula 10 Melhoramento de Espécies Alógamas INTRODUÇÃO Espécies alógamas reprodução via fecundação cruzada (mais de 95% de cruzamentos). Definição: Comunidade reprodutiva composta de organismos de fertilização

Leia mais

5.1 Estratégias de regeneração. Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem

5.1 Estratégias de regeneração. Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem a) Para populações autógamas 5.1 Estratégias de regeneração Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem controle genético e considerando u como a proporção de sementes da amostra

Leia mais

GENÉTICA DE POPULAÇÃO

GENÉTICA DE POPULAÇÃO GENÉTICA DE POPULAÇÃO Eng. Agr. Msc. Franco Romero Silva Muniz Doutorando em Genética e Melhoramento de Soja Departamento de Produção Vegetal UNESP Jaboticabal/SP Molecular e Biotecnologia Quantitativa

Leia mais

GENÉTICA DE POPULAÇÕES. Prof. Piassa

GENÉTICA DE POPULAÇÕES. Prof. Piassa GENÉTICA DE POPULAÇÕES Prof. Piassa DEFINIÇÃO Estudo da distribuição e frequência dos alelos determinantes de características de uma população. EQUILÍBRIO DE HARDY-WEINBERG 1908 Definição: Na ausência

Leia mais

M E L H O R A M E N T O D E A L Ó G A M A S M E L H O R A M E N T O G E N É T I C O V E G E T A L

M E L H O R A M E N T O D E A L Ó G A M A S M E L H O R A M E N T O G E N É T I C O V E G E T A L M E L H O R A M E N T O D E A L Ó G A M A S M E L H O R A M E N T O G E N É T I C O V E G E T A L PLANTAS ALÓGAMAS Plantas alógamas são aquelas que realizam preferencialmente polinização cruzada (acima

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Biologia Aplicada Aula 7

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Biologia Aplicada Aula 7 Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Biologia Aplicada Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 1 4.

Leia mais

O MODELO DE HARDY-WEINBERG

O MODELO DE HARDY-WEINBERG Modelo simples de genética de populações: modelo de Hardy-Weinberg (Hardy 1908; Weinberg 1908). Embora faça vários pressupostos simplificadores que não são realistas, ele se mostra bastante útil para descrever

Leia mais

Aula 5 Melhoramento de Espécies Alógamas

Aula 5 Melhoramento de Espécies Alógamas Aula 5 Melhoramento de Espécies Alógamas Piracicaba, 2012 1 Introdução Espécies alógamas: reprodução via fecundação cruzada (mais de 95% de cruzamentos) Exemplos: milho, girassol, cenoura, beterraba, brássicas

Leia mais

Genética de Populações e Evolução

Genética de Populações e Evolução Genética de Populações e Evolução Populações Genética de populações a palavra população geralmente não se refere a todos os indivíduos de uma espécie, mas sim a um grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Piracicaba, 2013 1 -Introdução Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexuadamente ou sexuadamente

Leia mais

Tamanho populacional 31/08/2010. Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Relação entre o Censo (N) e tamanho efetivo (Ne)

Tamanho populacional 31/08/2010. Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Relação entre o Censo (N) e tamanho efetivo (Ne) Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Equilíbrio de Hardy-Weinberg (EHW) Os fatores evolutivos e a dinâmica populacional (p + q) 2 = p 2 + 2pq + q 2 Professor Fabrício R. Santos

Leia mais

Sistemas de Acasalamento. Acasalamento ao acaso. Acasalamento ao acaso. O ciclo de vida de uma população. Pressupostos de Hardy Weinberg.

Sistemas de Acasalamento. Acasalamento ao acaso. Acasalamento ao acaso. O ciclo de vida de uma população. Pressupostos de Hardy Weinberg. Pressupostos de Hardy Weinberg Produção de alelos: 1 locus autossômico 2 alelos sem mutação 1ª Lei de Mendel União de alelos: Sistema de acasalamento aleatório Tamanho populacional infinito Troca genética

Leia mais

Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural)

Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Evolução Estocasticidade (Acaso) e Determinismo (Seleção natural) Os fatores evolutivos e a dinâmica populacional Equilíbrio de Hardy-Weinberg (EHW) (p + q) 2 = p 2 + 2pq + q 2 Professor Fabrício R Santos

Leia mais

ECOLOGIA II RELATÓRIO 1-2ªPARTE. Trabalho realizado por:

ECOLOGIA II RELATÓRIO 1-2ªPARTE. Trabalho realizado por: ECOLOGIA II RELATÓRIO 1-2ªPARTE Genética de populações Trabalho realizado por: Eva Firme, nº15471 Licª. Ensino de Ciências da Natureza Maio de 2006 INTRODUÇÃO Uma população é a reunião de famílias com

Leia mais

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Deriva Genética. Desvios de Hardy-Weinberg

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Deriva Genética. Desvios de Hardy-Weinberg Definição de Evolução A definição operacional de evolução em nível de deme é mudanças na freqüência alélica ou genotípica. Forças evolutivas Fatores ou processos que podem alterar a freqüência alélica

Leia mais

Genética de Populações. Prof. Anderson Moreira

Genética de Populações. Prof. Anderson Moreira Genética de Populações Prof. Anderson Moreira Genética de Populações É o estudo do conjunto de genes de uma população em dado momento (pool gênico), detectando suas variações ou sua estabilidade (equilíbrio

Leia mais

SUBESTRUTURA POPULACIONAL E FLUXO GÊNICO

SUBESTRUTURA POPULACIONAL E FLUXO GÊNICO SUBESTRUTURA POPULACIONAL E FLUXO GÊNICO AULA 5 Mariana Fonseca Rossi mfonsecarossi@gmail.com RELEMBRANDO... Equilíbrio de Hardy-Weiberng: RELEMBRANDO... Equilíbrio de Hardy-Weiberng: Frequência dos genótipos

Leia mais

ZAB1304 Genética Básica e Biologia Molecular. Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Aula preparada do Dra. Fernanda Marcondes de Rezende

ZAB1304 Genética Básica e Biologia Molecular. Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Aula preparada do Dra. Fernanda Marcondes de Rezende ZAB1304 Genética Básica e Biologia Molecular Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Aula preparada do Dra. Fernanda Marcondes de Rezende Roteiro Estrutura genética de uma população Freqüências gênicas e genotípicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética Profa Angelica Boldt BG403 - GENÉTICA ANIMAL Lista de Exercícios T7 GENÉTICA DE POPULAÇÕES 1) As propriedades genéticas

Leia mais

AULA Nº5. Brown & Marshall (1995), trabalhando com distribuição binomial e série

AULA Nº5. Brown & Marshall (1995), trabalhando com distribuição binomial e série AULA Nº5 E) Tamanho amostral x Freqüência alélica Brown & Marshall (1995), trabalhando com distribuição binomial e série infinita de Taylor sugerem a seguinte expressão que associa freqüência alélica com

Leia mais

As bases evolutivas da Saúde Pública Teoria da evolução

As bases evolutivas da Saúde Pública Teoria da evolução As bases evolutivas da Saúde Pública Teoria da evolução Claudia Torres Codeço codeco@procc.fiocruz.br 22 de Julho de 2003 Página 1 de 24 1. Epidemiologia: dinâmica de doenças na população Genética de populações:

Leia mais

Curso de Licenciatura em Biologia Evolução Biológica

Curso de Licenciatura em Biologia Evolução Biológica INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Campus Macau Curso de Licenciatura em Biologia Evolução Biológica IFRN/Macau - Curso de Licenciatura em Biologia - Parasitologia

Leia mais

AU08. Genética de Populações. Lorena Carolina Peña. Doutoranda PPG-GEN

AU08. Genética de Populações. Lorena Carolina Peña. Doutoranda PPG-GEN AU08 Genética de Populações Lorena Carolina Peña Doutoranda PPG-GEN lorecarol@gmail.com Resumo Aula expositiva/participativa abordando os tópicos: Definição de populações, Frequências genotípica e alélica,

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas MELHORAMENTO DE PLANTAS 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas Espécies autógamas A autofecundação sucessiva leva a homozigose genótipo homozigótico - linhagem - ou mistura de linhas

Leia mais

Variação ambiental Poligenes

Variação ambiental Poligenes Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Ronald A. Fisher Encerrou toda oposição séria ao Mendelismo, e

Leia mais

Por quê? Variação ambiental Poligenes. Variação ambiental Poligenes. Normas de Reação. Fenótipo é qualquer característica mensurável.

Por quê? Variação ambiental Poligenes. Variação ambiental Poligenes. Normas de Reação. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Fenótipo é qualquer característica mensurável. A grande maioria de fenótipos não tem categorias discretas e não tem um gene que seja necessário e suficiente para explicar sua variação Genótipos Mendelianos

Leia mais

LGN 313 Melhoramento Genético

LGN 313 Melhoramento Genético LGN 313 Melhoramento Genético Professores: Antonio Augusto Franco Garcia José Baldin Pinheiro Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Genética - ESALQ/USP Segundo semestre - 2010

Leia mais

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Professor: Robson Fernando Missio 1ª Avaliação 1) Um pesquisador trabalhando com o melhoramento de milho realizou o cruzamento controlado

Leia mais

LGN GENÉTICA. Aula 2 - Genética da Transmissão I. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello

LGN GENÉTICA. Aula 2 - Genética da Transmissão I. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello LGN 215 - GENÉTICA Aula 2 - Genética da Transmissão I Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz

Leia mais

8) Reprodução em plantas de espécies tropicais e implicações na seleção de matrizes

8) Reprodução em plantas de espécies tropicais e implicações na seleção de matrizes 8) Reprodução em plantas de espécies tropicais e implicações na seleção de matrizes Afonso Celso Candeira Valois Engenheiro Agrônomo, Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Genética e Melhoramento de Plantas,

Leia mais

Mapas de Ligação e de. Marcadores Moleculares a Programas de Melhoramento

Mapas de Ligação e de. Marcadores Moleculares a Programas de Melhoramento Mapas de Ligação e de Desequilíbrio, Identificação de QTL e Integração de Marcadores Moleculares a Programas de Melhoramento de Alógamas Prof. José Marcelo Soriano Viana DBG/UFV População (Geração 0) Fragmentos

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓLGICAS Disciplina: Ecologia e Diversidade Biológica

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓLGICAS Disciplina: Ecologia e Diversidade Biológica UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓLGICAS Disciplina: Ecologia e Diversidade Biológica 01. Considerando os níveis de complexibilidade e interrelações, distinguem-se

Leia mais

Aula 2: Genética da Transmissão I

Aula 2: Genética da Transmissão I LGN215 - Genética Geral Aula 2: Genética da Transmissão I Antonio Augusto Franco Garcia Maria Marta Pastina Primeiro semestre de 2011 Piracicaba SP Conceitos Essenciais A existência de genes pode ser deduzida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CCNE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE GENÉTICA AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CCNE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE GENÉTICA AGRONOMIA 1. Introdução UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CCNE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE GENÉTICA AGRONOMIA Unidade 6 A é um dos ramos matemáticos da Genética

Leia mais

A teoria sintética da evolução

A teoria sintética da evolução A teoria sintética da evolução De 1900 até cerca de 1920, os adeptos da genética mendeliana acreditavam que apenas as mutações eram responsáveis pela evolução e que a seleção natural não tinha importância

Leia mais

Genética de Populações Prof.ª Daniela Fiori Gradia Laboratório de Citogenética Humana e Oncogenética

Genética de Populações Prof.ª Daniela Fiori Gradia Laboratório de Citogenética Humana e Oncogenética 2017 Genética de Populações Prof.ª Daniela Fiori Gradia Laboratório de Citogenética Humana e Oncogenética O que é Genética de populações? É o estudo da origem e da dinâmica da variação genética nas populações

Leia mais

Seleção Natural. Fundamentos de Ecologia e Modelagem Ambiental Aplicados à Conservação da Biodiversidade

Seleção Natural. Fundamentos de Ecologia e Modelagem Ambiental Aplicados à Conservação da Biodiversidade Seleção Natural Fundamentos de Ecologia e Modelagem Ambiental Aplicados à Conservação da Biodiversidade Aluna: Michelle Andrade Furtado Profº Dalton e Profª Silvana Definição Seleção Natural pode ser definida

Leia mais

Sistemas Reprodutivos. Sistemas Reprodutivos. Sistemas Reprodutivos. Reprodução x Melhoramento 27/02/2016. Principais fatores que condicionam a:

Sistemas Reprodutivos. Sistemas Reprodutivos. Sistemas Reprodutivos. Reprodução x Melhoramento 27/02/2016. Principais fatores que condicionam a: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE GENÉTICA LGN0313 Melhoramento Genético Prof. Fernando Angelo Piotto Importância Cruzamentos Métodos de melhoramento

Leia mais

Genética de Populações. Profa Angelica B. W. Boldt

Genética de Populações. Profa Angelica B. W. Boldt Genética de Populações Profa Angelica B. W. Boldt Genética de populações Estrutura genética de uma população Créditos dos slides: MSc. Jiulliano de Sousa Costa e Prof. Dr. Eric Santos Araújo MCAS Genética

Leia mais

Aula 10: Genética Quantitativa II

Aula 10: Genética Quantitativa II LGN215 - Genética Geral Aula 10: Genética Quantitativa II Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Monitora: Maria Marta Pastina Piracicaba SP Caracteres Quantitativos Caracteres controlados por muitos

Leia mais

HERANÇA MONOGÊNICA. 1ª Lei de Mendel. Interações Alélicas

HERANÇA MONOGÊNICA. 1ª Lei de Mendel. Interações Alélicas HERANÇA MONOGÊNICA 1ª Lei de Mendel Interações Alélicas Introdução à Genética Mendeliana Conceito de gene (mas não o termo) => foi proposto pela 1ª vez por Gregor Mendel em 1865. Até então, a noção que

Leia mais

Endogamia & Heterose. Leandro S. A. Gonçalves Dr. Genética e Melhoramento de Plantas

Endogamia & Heterose. Leandro S. A. Gonçalves Dr. Genética e Melhoramento de Plantas Endogamia & Heterose Leandro S. A. Gonçalves Dr. Genética e Melhoramento de Plantas - Endogamia - Conceito: Acasalamento entre indivíduos aparentados (FEHR, 1987) - Histórico: Desde os primeiros tempos

Leia mais

AULA Nº 6. aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra

AULA Nº 6. aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra AULA Nº 6 aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra em local ventilado. As sementes ortodoxas devem ser conservadas em sacolas ventiladas até que sejam levadas ao

Leia mais

Modelando microevolução GENÉTICA DE POPULAÇÕES E EVOLUÇÃO

Modelando microevolução GENÉTICA DE POPULAÇÕES E EVOLUÇÃO Modelando microevolução GENÉTICA DE POPULAÇÕES E EVOLUÇÃO Modelando microevolução Evolução: mudança na frequência de alelos ou combinações de alelos no pool gênico. Modelos de evolução deve incluir a passagem

Leia mais

Evolução e Ecologia de Populações

Evolução e Ecologia de Populações Evolução e Ecologia de Populações O que é Ecologia?? A ciência capaz de compreender a relação do organismo com o seu ambiente (Ernst Haeckel, 1866) Estudo científico da distribuição e da abundância de

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: GENÉTICA Código da Disciplina: NDC121 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 3 p Faculdade responsável: Núcleo de Disciplina Comum (NDC) Programa

Leia mais

Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel. Profa. Vanessa Kava

Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel. Profa. Vanessa Kava Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel Profa. Vanessa Kava 1a Lei de Mendel VOCÊ JÁ SABE QUE Os cromossomos situam-se no núcleo das células 1 cromossomo 1 molécula de DNA 1molécula de DNA vários genes

Leia mais

SISTEMÁTICA VEGETAL. Aula 01: O Processo de Evolução

SISTEMÁTICA VEGETAL. Aula 01: O Processo de Evolução SISTEMÁTICA VEGETAL Aula 01: O Processo de Evolução INTRODUÇÃO Em 1831, Charles Darwin inicia sua viagem de cinco anos como naturalista do navio HMS Beagle. INTRODUÇÃO Por fornecer evidências meticulosamente

Leia mais

Melhoramento de espécies autógamas

Melhoramento de espécies autógamas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies autógamas Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução Efeitos

Leia mais

Pode-se pensar que a deriva genética seja importante apenas em poucas espécies. Entretanto, a maioria das espécies é formada por demes pequenos e com

Pode-se pensar que a deriva genética seja importante apenas em poucas espécies. Entretanto, a maioria das espécies é formada por demes pequenos e com Pode-se pensar que a deriva genética seja importante apenas em poucas espécies. Entretanto, a maioria das espécies é formada por demes pequenos e com localização estável Essas populações podem divergir

Leia mais

Evolução Molecular. "Nothing in Biology Makes Sense Except in the Light of Evolution. Theodosius Dobzhansky

Evolução Molecular. Nothing in Biology Makes Sense Except in the Light of Evolution. Theodosius Dobzhansky "Nothing in Biology Makes Sense Except in the Light of Evolution Theodosius Dobzhansky Evolução Evolução Evolução Genótipo + Ambiente = Fenótipo Parental F1 F2 Evolução Evolução = mudança (características

Leia mais

Aula 2 Caracteres Qualitativos e Quantitativos

Aula 2 Caracteres Qualitativos e Quantitativos Aula Caracteres Qualitativos e Quantitativos Piracicaba, 011 1 -Introdução Caracteres controlados por muitos genes são denominados de caracteres poligênicos, e como se referem a mensurações de quantidades

Leia mais

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net

Leia mais

Aula 08. Melhoramento de espécies autógamas - Método SSD, Método do Retrocruzamento

Aula 08. Melhoramento de espécies autógamas - Método SSD, Método do Retrocruzamento Aula 08 Melhoramento de espécies autógamas - Método SSD, Método do Retrocruzamento MÉTODO DESCENDENTE DE UMA SEMENTE (SSD - SINGLE SEED DESCENDENT) Foi proposto com o intuito de reduzir o tempo requerido

Leia mais

Herança Monogênica. Homem Genética 6000 anos atrás = luta pela sobrevivência (seleção de plantas e animais)

Herança Monogênica. Homem Genética 6000 anos atrás = luta pela sobrevivência (seleção de plantas e animais) Herança Monogênica Introdução: Homem Genética 6000 anos atrás = luta pela sobreiência (seleção de plantas e animais) Transmissão de características hereditárias Hipóteses Início do século passado: redescobrimento

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA DE POPULAÇÕES

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA DE POPULAÇÕES PRINCÍPIOS DE GENÉTICA DE POPULAÇÕES Aula 10 META Mostrar ao aluno que a dinâmica dos genes nas populações pode ser compreendida por meio do estudo das suas frequências gênicas e genotípicas. Pretende-se

Leia mais

UM JOGO DE BOLINHAS: ENTENDENDO O TEOREMA DE HARDY-WEINBERG

UM JOGO DE BOLINHAS: ENTENDENDO O TEOREMA DE HARDY-WEINBERG UM JOGO DE BOLINHAS: ENTENDENDO O TEOREMA DE HARDY-WEINBERG Alan Bonner da Silva Costa (Laboratório de Genética Marinha e Evolução - Departamento de Biologia Marinha - Instituto de Biologia - UFF - Bolsista

Leia mais

OS GENES NAS POPULAÇÕES. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

OS GENES NAS POPULAÇÕES. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas OS GENES NAS POPULAÇÕES Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas GENÉTICA POPULACIONAL Estudo dos genes e frequência dos alelos nas populações EQUILÍBRIO DE HARDY-WEINBERG

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Depressão por Endogamia dos Caracteres Agronômicos e da Qualidade da Forragem em Milho (Zea mays L.) Lucas Rafael

Leia mais

Prof. Manoel Victor. Genética Quantitativa

Prof. Manoel Victor. Genética Quantitativa Genética Quantitativa Modos de ação dos genes ação qualitativa expressão de genes seguindo padrões e modelos como os descritos por Mendel AA Aa aa (genes qualitativos) Fenótipos Genótipos Modos de ação

Leia mais

Introdução à Genética da Conservação: Diversidade Genética e Evolução das Populações Naturais

Introdução à Genética da Conservação: Diversidade Genética e Evolução das Populações Naturais Biologia da Conservação: Genética Professor: Fabrício R. Santos Bibliografia: Fundamentos de Genética da Conservação [Frankham et al. 2008] e artigos científicos http://www.icb.ufmg.br/labs/lbem/aulas/grad/biolcons

Leia mais

Apresentação... Prefácio...

Apresentação... Prefácio... SUMÁRIo Apresentação... Prefácio... V VII Capítulo 1 Melhoramento de Fruteiras... 1 Capítulo 2 ANÁLISE de VARIÂNCIA: PROGÊNIES, CLONES E MEDIDAS REPETIDAs... 7 2.1 Experimentação Adequada... 7 2.2 Teste

Leia mais

Exercícios de Especiação

Exercícios de Especiação Exercícios de Especiação 1. (UEPB) Vários conceitos são utilizados para definir uma espécie. De maneira geral podemos dizer que uma espécie representa um conjunto de indivíduos com potencial, em condições

Leia mais

Testes de Hipóteses Genéticas. Alan Silva. Doutorando PPG-GEN

Testes de Hipóteses Genéticas. Alan Silva. Doutorando PPG-GEN Testes de Hipóteses Genéticas Alan Silva Doutorando PPG-GEN alanbio@gmail.com AU08 Resumo Determinação da herança de características a partir da formulação e testes com hipóteses em Genética; Tipos de

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO 6 INTRODUÇÃO A seleção é uma das principais ferramentas do melhorista independente do tipo de método de melhoramento utilizado. A seleção é utilizada tanto

Leia mais

Desequilíbrio de ligação

Desequilíbrio de ligação Desequilíbrio de ligação Associação não aleatória de alelos em loci diferentes. É um indicador sensível das forças da genética de populações que estruturam o genoma. Crescimento de métodos para avaliar

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS Unidade 2 - PATRIMÓNIO GENÉTICO Situação Problemática Que desafios se colocam à genética no melhoramento da qualidade de vida? Cap. 1.1 Transmissão

Leia mais

2ª LEI DE MENDEL Lei da Segregação Independente. DIIBRIDISMO, TRIIBRIDISMO E POLIIBRIDISMO

2ª LEI DE MENDEL Lei da Segregação Independente. DIIBRIDISMO, TRIIBRIDISMO E POLIIBRIDISMO 2ª LEI DE MENDEL Lei da Segregação Independente. DIIBRIDISMO, TRIIBRIDISMO E POLIIBRIDISMO SEGREGAÇÃO INDEPENDENTE DOS CARACTERES Os alelos de dois ou mais genes de um indivíduo segregam-se (separam-se)

Leia mais

Genética Quantitativa. Genética de características com herança complexa

Genética Quantitativa. Genética de características com herança complexa Genética Quantitativa Genética de características com herança complexa DIFERENÇAS ENTRE CARÁTER QUANTITATIVO 1 E QUALITATIVO 2 1 herança poligênica 1 estudadas em nível de população; descritas através

Leia mais

Melhoramento de. vegetativa

Melhoramento de. vegetativa Aula 05 Melhoramento de espécies de propagação vegetativa Introdução Em espécies em que existe uma variabilidade intra e interespecífica como: produção de biomassa, taxa de crescimento, resistência a geadas

Leia mais

15/05/2016. Modo de reprodução das plantas: Propagação Assexuada. Melhoramento de Espécies de Propagação Vegetativa.

15/05/2016. Modo de reprodução das plantas: Propagação Assexuada. Melhoramento de Espécies de Propagação Vegetativa. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE GENÉTICA LGN0313 Melhoramento Genético Melhoramento de Espécies de Modo de reprodução das plantas: Autógamas Alógamas

Leia mais

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Desvios de Hardy-Weinberg. Desvios de Hardy-Weinberg

Forças evolutivas. Definição de Evolução. Desvios de Hardy-Weinberg. Desvios de Hardy-Weinberg Definição de Evolução Forças evolutivas A definição operacional de evolução em nível de deme é mudança na freqüência alélica ou genotípica em gerações. Fatores ou processos que podem alterar a freqüência

Leia mais

Definições. Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes

Definições. Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes Seleção Natural Definições Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes Essas definições são inexatas e insuficientes Seleção Natural Para Huxley,

Leia mais

Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada

Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada Prof. Dr. Isaias Olívio Geraldi Piracicaba, 2011 Cronograma de Aula 1. Objetivos do Melhoramento 2. Vantagens do Uso da Propagação Assexuada 3.

Leia mais

Biologia e Ciências Naturais. Prof. Paulo Henrique Mueller.

Biologia e Ciências Naturais. Prof. Paulo Henrique Mueller. Prof. Paulo Henrique Mueller GENÉTICA É a ciência que estuda o material hereditário e os mecanismos de transmissão ao longo das gerações. É o processo pelo qual as características são passadas dos genitores

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção Plano de Intervenção Jogo da Evolução Jessica Queretti Pereira Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO Evolução é o processo pelo qual todas as formas de vida se modificam ao longo das gerações. Pode ser

Leia mais

2 vertical: 5 letras, plural. 1 vertical: 11 letras

2 vertical: 5 letras, plural. 1 vertical: 11 letras 1 vertical: 11 letras São organismos originados da alteração molecular do DNA. 2 vertical: 5 letras, plural Fatores que condicionam as características genéticas de um organismo, sendo um proveniente do

Leia mais

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL Genética Mendeliana: aquela determinada por um ou poucos genes, cuja expressão não é influenciada ou é pouco afetada pelo meio. => Conceito de gene (mas não o termo)

Leia mais

Evolução determinística. Seleção Natural. Seleção Natural

Evolução determinística. Seleção Natural. Seleção Natural Equilíbrio de Hardy-Weinberg (EHW) Evolução determinística Natural Professor Fabrício R. Santos - UFMG Populações estão em EHW quando: tamanho populacional é infinito; acasalamento é totalmente ao acaso;

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Genética Clássica 1. Conceito: É a ciência voltada para o estudo da hereditariedade, bem como da estrutura e função dos genes. Características Fundamentais

Leia mais

Retrocruzamento. Allard, Cap. 14 Fehr, Cap. 28

Retrocruzamento. Allard, Cap. 14 Fehr, Cap. 28 Retrocruzamento Allard, Cap. 14 Fehr, Cap. 28 Retrocruzamento Retrocruzamento (RC) Hibridação recorrente pela qual uma característica desejável é transferida para uma cultivar (que seja deficiente nesse

Leia mais

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA FORMULÁRIO R0092 PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR COMPONENTE

Leia mais

Tamanho populacional 18/02/2014. A estimativa do Ne é baseada em uma população idealizada: Categorias ameaçadas da IUCN

Tamanho populacional 18/02/2014. A estimativa do Ne é baseada em uma população idealizada: Categorias ameaçadas da IUCN Evolução em pequenas populações e manutenção da diversidade genética Tamanho efetivo, Deriva, Endogamia, Depressão Endogâmica, Populações geneticamente viáveis e Extinção Importância das pequenas populações

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 Populações que obedecem a todas estas premissas são chamadas de populações em equilíbrio. Embora, provavelmente, não existam, na natureza, populações que preencham todos os requisitos do equilíbrio,

Leia mais

ESTRUTURA POPULACIONAL

ESTRUTURA POPULACIONAL ESTRUTURA POPULACIONAL ESTRUTURA POPULACIONAL fluxo génico Selecção natural Processos ao acaso na transmisão dos alelos de uma geração para outra deriva genética Diferenças de frequências alélicas entre

Leia mais

Aula 4: Genética da Transmissão III

Aula 4: Genética da Transmissão III LGN215 - Genética Geral Aula 4: Genética da Transmissão III Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Monitora: Maria Marta Pastina Experimentos de Mendel Inicialmente, Mendel estudou cruzamentos considerando

Leia mais

RR (vermelha) x Rr (púrpura) R RR RR r Rr Rr. 50% RR- raiz vermelha 50% Rr - raiz púrpura. profª. Isabel Lopes 1

RR (vermelha) x Rr (púrpura) R RR RR r Rr Rr. 50% RR- raiz vermelha 50% Rr - raiz púrpura. profª. Isabel Lopes 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Proposta de correção 2º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Património genético dezembro de 2012 1. b) só ocorre quando em dose dupla.

Leia mais

Karla Yotoko. 9 de outubro de 2009

Karla Yotoko. 9 de outubro de 2009 Introdução à Genética de Populações Karla Yotoko 9 de outubro de 2009 1 Sumário 1 Equilíbrio de Hardy-Weiberg 6 1.1 Introdução............................. 6 1.2 Definição de População......................

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: SIMULAÇÃO DO TEOREMA DE HARDY- WEINBERG

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: SIMULAÇÃO DO TEOREMA DE HARDY- WEINBERG 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: SIMULAÇÃO DO TEOREMA DE HARDY- WEINBERG Ribeirão Preto-SP - 04/2011 Murilo Amaru Gomes - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP murilomag@hotmail.com

Leia mais

Métodos de Melhoramento em Plantas Alógamas

Métodos de Melhoramento em Plantas Alógamas Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Departamento de Fitotecnia - Programa de Pós-Graduação em Agronomia Disciplina de Melhoramento Genético de Plantas Métodos de Melhoramento

Leia mais

Genótipo e Fenótipo ECOLOGIA IBB-057. Como ocorre o processo de Seleção Natural? Como ocorre o processo de Seleção Natural?

Genótipo e Fenótipo ECOLOGIA IBB-057. Como ocorre o processo de Seleção Natural? Como ocorre o processo de Seleção Natural? ECOLOGIA IBB-057 Genótipo e enótipo AULA 8 e 9 I. Evolução, Adaptação e Historias de vida Genótipo e enótipo Como atua a seleção natural? Plasticidade fenotípica Que são as historias de vida? Alocação

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral

Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral 1 Genética de Populações Evolução Orgânica - Bio 340 Profa. Karla Yotoko 2 Capítulo 1 Introdução à Genética de Populações Equilíbrio

Leia mais

Seleção natural. Bio Diogo Meyer. Departamento de Genética e Biologia Evolutiva Universidade de São Paulo

Seleção natural. Bio Diogo Meyer. Departamento de Genética e Biologia Evolutiva Universidade de São Paulo Seleção natural Bio 0208-2017 Diogo Meyer Departamento de Genética e Biologia Evolutiva Universidade de São Paulo Leitura básica: Ridley 5.6, 5.7, 5.10,5.12 Seleção Natural Lembremos o quão complexas e

Leia mais

LGN GENÉTICA. Aula 3 - Genética da Transmissão II. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello

LGN GENÉTICA. Aula 3 - Genética da Transmissão II. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello LGN 215 - GENÉTICA Aula 3 - Genética da Transmissão II Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz

Leia mais

Neodarwinismo ou Teoria sintética de evolução

Neodarwinismo ou Teoria sintética de evolução Neodarwinismo ou Teoria sintética de evolução O desenvolvimento dos conhecimentos de genética e as novas descobertas sobre hereditariedade, permitiram fazer uma nova interpretação da teoria da evolução

Leia mais

BIO 208 Processos Evolutivos Prática 2

BIO 208 Processos Evolutivos Prática 2 Roteiro de Atividade Aula Prática Neste roteiro de aula prática iremos analisar o efeito da seleção em populações infinitas, Na aula seguinte, analisaremos resultados de processos combinados, tal como

Leia mais

Ecologia de Populações e Comunidades

Ecologia de Populações e Comunidades Ecologia de Populações e Comunidades Profa. Isabel Belloni Schmidt Dept. Ecologia UnB isabels@unb.br Evolução Nada em biologia faz sentido a não ser à luz da evolução Theodosius Dobzhansky Jean Baptiste

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE BIOLOGIA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE BIOLOGIA 1) O processo fotossintético é fundamental para a vida das plantas. a) Explique por que uma planta mantida em uma intensidade de radiação abaixo do seu ponto de compensação luminoso não cresce. b) O gráfico,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ECOLOGIA EVOLUTIVA

PRINCÍPIOS DE ECOLOGIA EVOLUTIVA PRINCÍPIOS DE ECOLOGIA EVOLUTIVA RELEMBRANDO... O que é Ecologia? Biosfera Ecossistema Comunidade População Organismo PENSAMENTO EVOLUTIVO E ECOLÓGICO Em biologia, nada tem sentido, exceto à luz a evolução

Leia mais