SUMÁRIO. O que é o Programa Anjo da Guarda? Quais são os objetivos do programa? Quais são as Responsabilidades do Anjo da Guarda?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. O que é o Programa Anjo da Guarda? Quais são os objetivos do programa? Quais são as Responsabilidades do Anjo da Guarda?"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO O que é o Programa Anjo da Guarda? Quais são os objetivos do programa? Quais são as Responsabilidades do Anjo da Guarda? Quais são as Responsabilidades do Novo Colaborador? Quais são as Responsabilidades do Gestor? Quais são as Responsabilidades do RH? Os limites das responsabilidades entre o Gestor e Anjo da Guarda Quais são os Pré requisitos para ser Anjo da Guarda? Em caso de dúvidas sobre o programa, a quem devo procurar?

3 1- O QUE É O PROGRAMA ANJO DA GUARDA? É o processo de acompanhamento do novo colaborador durante 90 dias após a sua contratação, pelo qual ele aprende os valores, normas e comportamentos inerentes à cultura da SoftwareONE, permite não somente entender melhor tudo o que acontece na empresa, como também se integrar à rotina da organização. 2- Quais são os objetivos do programa? _Integrar o colaborador no seu dia-a-dia de trabalho e compartilhar melhores práticas; _Garantir que a Integração do novo colaborador seja efetiva de acordo com uma linha de orientação no exercício da função / cargo, sempre identificando as necessidades da Área. _Diminuir possíveis lacunas / dificuldades no período de Integração do novo colaborador; _Avaliar o desempenho profissional do novo colaborador e definir ações para melhoria contínua de sua performance e atividades. 3- Quais são as Responsabilidades do Anjo da Guarda? _Garantir que a Integração do novo colaborador seja efetiva de acordo com a linha de orientação no exercício da função, sempre identificando as necessidades da Área de Atuação. _Estar sempre disponível e acessível, atendendo solicitações em até 24 horas, de forma a deixar o novato completamente à vontade; _Responder as questões com o conhecimento existente, direcionando para as áreas responsáveis pelos temas quando não tiver a solução completa; _Atentar para as dificuldades de desempenho do novato, fornecendo e/ou direcionando feedbacks; _Realizar a avaliação constante da evolução do novo colaborador e ao final dos 90 dias 4

4 reportar o desenvolvimento na Avaliação do Programa Anjo da Guarda ao Gestor da área e ao RH. 4- Quais são as Responsabilidades do Novo Colaborador? _Buscar prioritariamente o seu Anjo da Guarda para quaisquer questões; _Demonstrar iniciativa para aprender sobre sua função, processos, políticas, regras de conduta, etc; _Estar aberto para receber feedbacks e solicitá-los sempre que necessário; _Garantir que a avaliação da sua evolução aconteça no dia a dia e ao final dos 90 dias fechar com o Anjo da Guarda a avaliação do desenvolvimento de todo o Programa; _Garantir que após a realização da Avaliação dos 90 dias o RH e Gestor receba o resultado final, para acompanhamento de desenvolvimento futuro. 5- Quais são as Responsabilidades do Gestor? _Definir os itens de desenvolvimento do novo colaborador ao Anjo da Guarda com antecedência à admissão do novo colaborador; _Garantir que as atividades que o novo colaborador contratado irá assumir sejam transmitidas a ele com clareza; _Acompanhar as atividades junto com o Anjo da Guarda para entender como o novo colaborador está evoluindo; _Fornecer suporte e coach ao Anjo da Guarda; _Garantir feedback ao colaborador quanto a sua performance e competências alcançadas ao longo do programa. 5

5 6- Quais são as Responsabilidades do RH? _Apresentar o Programa Anjo da Guarda no New Hiring e tirar eventuais dúvidas durante o período de acompanhamento do novo colaborador; _Prover modelo de avaliação das atividades do programa; _Avaliar o programa anualmente, junto com os Anjos da Guarda e Gestores para busca de melhorias. 7- Os limites das responsabilidades entre o Gestor e Anjo da Guarda _O gestor deve buscar mensalmente um feedback com o Anjo da Guarda sobre o andamento do programa; _Gestor e Anjo da Guarda devem dar em conjunto o feedback final ao novo colaborador sobre o desempenho do período de 90 dias Integração. 8- Quais são os Pré requisitos para ser Anjo da Guarda? _Ter no mínimo 6 meses de empresa; _Conhecer a cultura e valores da SoftwareONE; _Informar para seu gestor o interesse em participar do programa; _Ser da mesma àrea em que o novo colaborador irá atuar; _Respeitar e seguir todas as responsabilidades inerentes ao Anjo da Guarda. 9- Caso tenha dúvidas em relação ao programa e o acompanhamento do mesmo, a quem devo procurar? O Setor de RH é responsável pelo programa e sempre está à disposição para esclarecimentos. 6

6 O Programa Anjo da Guarda é a chave do sucesso na SoftwareONE! SoftwareONE Comércio e Serviços de Informática Ltda. André Fernandes Federation Leader Alice Avelar Humam Resources LATAM Leader Flávio Palestino Country Leader 7

7

8

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

Avaliação de Desenvolvimento e Performance

Avaliação de Desenvolvimento e Performance Avaliação de Desenvolvimento e Performance - 2017 Metas Composição de Metas 2017 (Exceto Executivos de Vendas) Metas x PLR Diretores Gerentes Coordenadores Placar de metas individuais * e corporativas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU 0 ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU APRESENTAÇÃO Este manual busca orientar os funcionários do quadro da FAEPU sobre a Avaliação de Desempenho que será realizada.

Leia mais

Política de Recrutamento e Seleção. Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa.

Política de Recrutamento e Seleção. Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa. Política de Recrutamento e Seleção 1. OBJETIVO: Estabelecer critérios para o recrutamento e seleção de profissionais para a empresa. 2. ABRANGÊNCIA: Abrange todas as contratações de profissionais da empresa.

Leia mais

Organizações públicas, privadas, mistas, e do terceiro setor ou como autônomos e consultores.

Organizações públicas, privadas, mistas, e do terceiro setor ou como autônomos e consultores. TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS (RH) Perfil Profissional O TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS é o profissional que executa rotinas administrativas de pessoal com base na Legislação Trabalhista e Previdenciária. Auxilia

Leia mais

Inclusão de profissionais com deficiência RH que descentraliza, REALIZA!

Inclusão de profissionais com deficiência RH que descentraliza, REALIZA! www.talentoincluir.com.br Inclusão de profissionais com deficiência RH que descentraliza, REALIZA! 10 de abril de 2014 Carolina Ignarra Viabilizar a inclusão da pessoa com deficiência na sociedade

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA POLÍTICA DE CERTIFICAÇÃO VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 10/02/2016 Versão: 1.0 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ÁREAS RESPONSÁVEIS... 3 3.

Leia mais

empowering talents WWW.CASLEADER.COM.BR UM PRODUTO:

empowering talents WWW.CASLEADER.COM.BR UM PRODUTO: empowering talents WWW.CASLEADER.COM.BR UM PRODUTO: "VIMOS A TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, E A NECESSIDADE DE MELHOR ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM, E ENTÃO SABÍAMOS QUE ERA PRECISO CRIAR O CASLEADER".

Leia mais

MANUAL DO LÍDER DE TURMA

MANUAL DO LÍDER DE TURMA Criada em 1 de 6 MANUAL DO LÍDER DE TURMA Criada em 2 de 6 Parabéns! Você foi eleito (a) representante de sua turma. O que demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e a Escola Profissional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017 PRIMEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Guaíra, Estado de São Paulo, torna público que realizará por meio do INSTITUTO EXCELÊNCIA LTDA - ME, na forma prevista no artigo 37, inciso IX, da Constituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO da APPACDM do Porto - Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental. Anexo VII- Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO da APPACDM do Porto - Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental. Anexo VII- Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO da APPACDM do Porto - Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental Anexo VII- Regulamento do Voluntariado Índice Disposições Gerais... 3 Enquadramento jurídico

Leia mais

Operacionalização de Ouvidoria Recursos e Ferramentas de Apoio. Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Julho/2013

Operacionalização de Ouvidoria Recursos e Ferramentas de Apoio. Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Julho/2013 Operacionalização de Ouvidoria Recursos e Ferramentas de Apoio Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Julho/2013 Canais de Entrada A Unimed Vitória possui como canais de

Leia mais

Regulamento Interno. para o. Voluntariado

Regulamento Interno. para o. Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE POLÍTICA ESTUDANTIL - SPE REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE POLÍTICA ESTUDANTIL - SPE REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE POLÍTICA ESTUDANTIL - SPE REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento

Leia mais

Programa de Gestão da Performance

Programa de Gestão da Performance Programa de Gestão da Performance O impulso para ir mais longe está em suas mãos. Cada dia do ano é um passo à frente no seu desenvolvimento. Movimente-se! Quer ir mais longe? O primeiro passo é ler este

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

GUIA DO REPRESENTANTE DA FIEB

GUIA DO REPRESENTANTE DA FIEB GUIA DO REPRESENTANTE DA FIEB A FIEB participa atualmente de mais de 120 representações externas, constituídas em grupos de trabalho, comitês e conselhos, cuja atuação é direcionada à discussão de temas

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026 1/7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão dos Indicadores 02 Revisão geral do documento 03 Item 4.1: Foi inserida uma aprovação final da após o Gestor escolher o

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Elaborado em agosto 2009. Revisão agosto 2015. Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

QUER. melhorar. seus resultados. no Agronegócio? Confira 5 passos de como empresas lideres conseguem os melhores resultados.

QUER. melhorar. seus resultados. no Agronegócio? Confira 5 passos de como empresas lideres conseguem os melhores resultados. QUER melhorar seus resultados no Agronegócio? Confira 5 passos de como empresas lideres conseguem os melhores resultados. Introdução: A última década permitiu constatar ao país e ao mundo o enorme potencial

Leia mais

Processo de TRAINEE Os membros TRAINEE, INTEGRAÇÃO JR. dispõem benefícios como:

Processo de TRAINEE Os membros TRAINEE, INTEGRAÇÃO JR. dispõem benefícios como: ASSOCIAÇÃO DE CONSULTORIA DOS ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL - CAMPUS CERRO LARGO INTEGRAÇÃO JUNIOR EDITAL Nº. 002/2017 1. DO OBJETIVO Processo de TRAINEE 1.1.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão ( Comitê ) é um

Leia mais

Procedimentos de Execução e Alocação de Ordens

Procedimentos de Execução e Alocação de Ordens POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS Objetivo Esta Política busca definir as diretrizes e os procedimentos necessários para garantir a justa alocação de ordens entre os Veículos Geridos pela Apex. Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 1 de 10 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 10 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 5 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7

Leia mais

O QUE É MENTORING... 3 O PROGRAMA... 3 OBJETIVOS DO PROGRAMA... 4 FASES DO PROGRAMA... 5 FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA... 5

O QUE É MENTORING... 3 O PROGRAMA... 3 OBJETIVOS DO PROGRAMA... 4 FASES DO PROGRAMA... 5 FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA... 5 Guia 2 ÍNDICE O QUE É MENTORING... 3 O PROGRAMA... 3 OBJETIVOS DO PROGRAMA... 4 FASES DO PROGRAMA... 5 FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA... 5 PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 6 BENEFÍCIOS QUE O MENTOR TRAZ PARA O

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento.

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento. Este conteúdo faz parte da série: Avaliação de Desempenho Ver 3 posts dessa série O que é Quando o assunto é gestão de pessoas um dos tópicos mais importantes e falados é a avaliação de desempenho. Esse

Leia mais

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Habilidade, métodos, políticas, técnicas e práticas QUEM SOMOS Somos uma empresa jovem com a visão de valorização do recurso humano como impulso

Leia mais

esocial: do planejamento à execução

esocial: do planejamento à execução esocial: do planejamento à execução esocial: do planejamento à execução Entender desafios, definir responsabilidades e estabelecer estratégias são aspectos fundamentais para tirar o projeto do papel Apesar

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

Política: Recrutamento e Seleção

Política: Recrutamento e Seleção Política: Recrutamento e Seleção Última Atualização em 09/01/2013 As informações neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Copyright 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. Nenhuma

Leia mais

Encontre Os Indicadores Chave De Performance Ideais Para Seu Planejamento De Vendas

Encontre Os Indicadores Chave De Performance Ideais Para Seu Planejamento De Vendas Encontre Os Indicadores Chave De Performance Ideais Para Seu Planejamento De Vendas Os indicadores chave de performance são dados internos e externos que têm bastante importância para o sucesso do seu

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Gestão por Competência

Gestão por Competência Gestão por Competência Vera Gobetti 04/05/2017 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS É UMA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS A Competência é sustentada em 3 pilares: 1- Conhecimento 2- Habilidades 3- Atitudes Aspectos Fundamentais

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES CICLO MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Ciclo MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Mentoring Inspira o participante a melhorar seu desempenho

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

DESLIGAMENTOS Políticas

DESLIGAMENTOS Políticas Esta política estabelece diretrizes que serão aplicadas no Morena Rosa Group, cabendo a todas as áreas envolvidas no processo e citadas neste documento a responsabilidade pelo seu cumprimento. DESLIGAMENTOS

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA]

PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA] 2013 CONSÓRCIO UNILANCE TRIXX CONSULTING [MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA] De forma a atender aos procedimentos de controle e Direção, bem como agir de acordo com a legislação o Consórcio

Leia mais

Portfólio de Produtos

Portfólio de Produtos Portfólio de Produtos 1 Pessoas Alguns sintomas que podem revelar o que está acontecendo no seu RH... Muito focado em tarefas operacionais. Não sabe quais são as atividades prioritárias. Não sabe quais

Leia mais

PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA

PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA FACULDADE MARIA MILZA BACHARELADO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA Maria do Espírito Santo da Silva¹ Adriana

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 029

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 029 1/ 5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E RECICLAGEM DE COLABORADORES

POLÍTICA DE TREINAMENTO E RECICLAGEM DE COLABORADORES POLÍTICA DE TREINAMENTO E RECICLAGEM DE COLABORADORES Sumário INTEGRAÇÃO INICIAL... 3 TREINAMENTO CONTÍNUO... 4 PROGRAMAS DE TREINAMENTO... 4 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 5 Política de Treinamento e Reciclagem

Leia mais

COMISSÃO DE ENSINO E PESQUISA (CEP-CSE BUTANTÃ MAIO/2008)

COMISSÃO DE ENSINO E PESQUISA (CEP-CSE BUTANTÃ MAIO/2008) U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O F A C U L D A D E D E M E D I C I N A CENTRO DE SAÚDE-ESCOLA PROF. SAMUEL BARNSLEY PESSOA Av. Dr. Vital Brasil, 1490, Butantã - CEP 05503-000 São Paulo SP (011)

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIA NA ERA DO CONHECIMENTO

GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIA NA ERA DO CONHECIMENTO GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIA NA ERA DO CONHECIMENTO Douglas Henrique de Toledo Piza RA: 4614371 RESUMO Pode-se chamar de gestão a tomada de decisões racionais e fundamentada na recolha e tratamento

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1. OBJETIVO A política de recrutamento e seleção tem como objetivo formalizar o processo de recrutamento e seleção da empresa Irapuru. Este processo desempenha papel fundamental na organização, pois através

Leia mais

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios lição de casa F1 o que é? É um recurso didático que o professor propõe aos alunos para potencializar a relação dele com o objeto de conhecimento. A lição pode ter vários objetivos: Resgatar um conteúdo

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Viagens Página 1 ELABORAÇÃO Cristina Isidio Gracília dos Santos Gonçalves Tatiany Torres FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira DATA Estabelecido em 10/12/2013 Manual

Leia mais

de tecnologia P A R A EM 2016

de tecnologia P A R A EM 2016 ^ TENDENCIAS de tecnologia P A R A + RH EM 2016 Panto O RH de hoje faz + - MAIS com menos A expansão das plataformas de avaliação nas últimas décadas transformou praticamente toda a gestão de RH das empresas.

Leia mais

MUNICÍPIO DE OURÉM Câmara Municipal EDITAL N.º 35/2012

MUNICÍPIO DE OURÉM Câmara Municipal EDITAL N.º 35/2012 EDITAL N.º 35/2012 Paulo Alexandre Homem de Oliveira Fonseca, Presidente da de Ourém, faz público que o REGULAMENTO DO BANCO DE VOLUNTARIADO MUNICIPAL DE OURÉM, aprovado nas reuniões camarárias de 18 de

Leia mais

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Brasília DF OBJETIVO Promover a cultura da excelência, a melhoria da gestão e o compartilhamento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Teste de Competência Profissional Seu mapa de sucesso

Teste de Competência Profissional Seu mapa de sucesso Teste de Competência Profissional Seu mapa de sucesso Autor Jorge Penillo Teste de Competência profissional Muito mais que uma ferramenta, um verdadeiro mapa para seu sucesso. Olá meu amigo e minha amiga,

Leia mais

Importância do Feedback

Importância do Feedback FEEDBACK O que é Feedback? Técnica utilizada para dar um parecer sobre uma pessoa ou grupo de pessoas na realização de um trabalho com o intuito de avaliar o seu desempenho. É uma ação que revela os pontos

Leia mais

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar... Guimarães Rosa Clima organizacional Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa Conceitos básicos Clima Organizacional é o potencial de energia disponível para alavancar resultados. Perfil

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Como Contratar Advogados em Escritórios de Volume

Como Contratar Advogados em Escritórios de Volume Como Contratar Advogados em Escritórios de Volume Garantindo a eficácia na formação da sua equipe jurídica Consultora: Fabiana Marin Rodigheri Principais desafios do RH no escritório que atua com processos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005.

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE UBERABA-MG CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. Aprova o Regulamento de Estágio dos Cursos do Centro Federal de

Leia mais

Política de Treinamento & Desenvolvimento

Política de Treinamento & Desenvolvimento 1. Objetivo Padronizar e estabelecer regras referentes de Treinamento & para colaboradores da Omnilink. 2. Abrangência Todas as filiais da Omnilink. 3. Diretrizes Todas as diretrizes desta política são

Leia mais

APRESENTAÇÃO E PROPOSTA Válida por 10 dias.

APRESENTAÇÃO E PROPOSTA Válida por 10 dias. É com satisfação que apresentamos a você o AVALEXPRESS, com objetivo de levar à sua empresa uma solução Fácil, Rápida e Eficaz, para gestão da Avaliação de Desempenho! www.menvie.com.br São Paulo (11)

Leia mais

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT Cursos Recomendados TOPICS: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT TOPIC: COMMUNICATION SKILLS Módulo: Competências relacionais do gestor M144 Duração 30 min. Adquirir as competências-base

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO > VERSÃO 2 / 8 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate à Corrupção ( Política ) visa promover a adequação

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário ao Pessoal Não Docente O pessoal dos serviços de administração e gestão da escola e o pessoal auxiliar de acção educativa e guardas-nocturnos

Leia mais

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Apresentação 1.1. A ABM Gestora de Recursos Ltda. ( ABM Capital ) é uma sociedade limitada dedicada à prestação de serviços de administração de carteiras de valores mobiliários, notadamente

Leia mais

INSTRUÇÃO CRH/PRAD N 01, DE 24 DE ABRIL DE 2015.

INSTRUÇÃO CRH/PRAD N 01, DE 24 DE ABRIL DE 2015. INSTRUÇÃO CRH/PRAD N 01, DE 24 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos no âmbito da UNESP para a operacionalização da Avaliação no Período de Experiência (90 dias) dos servidores técnicos e administrativos

Leia mais

Título: Qual a consideração para o cálculo de proporcionais ou indenizadas na rescisão?

Título: Qual a consideração para o cálculo de proporcionais ou indenizadas na rescisão? Título: Qual a consideração para o cálculo de proporcionais ou indenizadas na rescisão? férias Os dados a seguir foram elaborados para demonstrar como avaliar o cálculo das férias proporcionais ou indenizadas

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão. Recrutamento, Seleção e Contratação de Pessoal. Responsável: Gerente de Recursos Humanos Revisado em: 16/09/2016

Procedimento Operacional Padrão. Recrutamento, Seleção e Contratação de Pessoal. Responsável: Gerente de Recursos Humanos Revisado em: 16/09/2016 Objetivos Estabelecer conceitos, responsabilidades, critérios e procedimentos relacionados à captação, seleção e contratação de pessoal de forma interna e/ou externa. Glossário R&S (Recrutamento e Seleção):

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho OBJETIVO A Avaliação de Desempenho foi desenvolvida com o objetivo de avaliar as competências dos funcionários com base na Cultura PAR, fornecer um feedback estruturado e acompanhar o seu desenvolvimento.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Único - Considerando sua finalidade, são atribuições gerais do Centro de Informática:

Único - Considerando sua finalidade, são atribuições gerais do Centro de Informática: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Centro de Informática da Universidade Pedagógica - CIUP é um orgão central técnico e académico virada para a área de serviços, desenvolvimento

Leia mais

Guia de Apoio Avaliação de Performance. Definição e Cadastro de Objetivos. Página 1 de 19

Guia de Apoio Avaliação de Performance. Definição e Cadastro de Objetivos. Página 1 de 19 Guia de Apoio Avaliação de Performance Definição e Cadastro de Objetivos Página 1 de 19 Sumário 1. Avaliação de Performance... 3 2. Definição de Objetivos... 4 3. Metodologia SMART... 4 3.1 Exemplo de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 101, DE 08 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo

Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo Preâmbulo O Centro Social Paroquial de Pinhal Novo é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por objetivos

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de 2014 CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO Cacoal - RO 2016 2 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Perguntas e respostas. Gestão de Desempenho PLR Funcionário

Perguntas e respostas. Gestão de Desempenho PLR Funcionário Gestão de Desempenho PLR Funcionário O programa A PLR é formada por quatro blocos de Objetivos, sendo que cada um deles possui Objetivos específicos. Esses blocos têm um peso diferente na apuração do resultado,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

A implantação de uma consultoria interna de RH pelo TCMSP, em cooperação com outros órgão municipais

A implantação de uma consultoria interna de RH pelo TCMSP, em cooperação com outros órgão municipais A implantação de uma consultoria interna de RH pelo TCMSP, em cooperação com outros órgão municipais Luiza Correia Hruschka Gestora das Relações do Trabalho e Professora da Escola de Contas SET/2015 luiza.correia@tcm.sp.gov.br

Leia mais

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando.

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando. EDITAL Nº 009/2016 SELEÇÃO DE MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORIA DO ENADE DA FATENE Edital de Seleção de membros que constituirão a Comissão Permanente de Assessoria preparatória para o Exame

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI Artigo 1º. O Comitê de TI ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho

Leia mais

6 Dicas De Liderança Para Fazer Uma Ótima Gestão De Equipes Externas

6 Dicas De Liderança Para Fazer Uma Ótima Gestão De Equipes Externas 6 Dicas De Liderança Para Fazer Uma Ótima Gestão De Equipes Externas Uma grande parte do sucesso da gestão de pessoas se deve a capacidade dos gestores de liderar. E realmente essa é uma tarefa bem difícil

Leia mais

OKR para os desafios de um RH moderno

OKR para os desafios de um RH moderno 1 OKR para os desafios de um RH moderno índice 2 Introdução... 03 O que é OKR?... 06 Benefícios da metodologia OKR... 12 Número de colaboradores... 20 Indicadores... 22 Sobre nós... 30 Introdução 3 Quando

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública MATRIZ CURRICULAR. Módulo 1/Semestre 1 Carga horária total: 30h. 30h -

Curso de Especialização em Gestão Pública MATRIZ CURRICULAR. Módulo 1/Semestre 1 Carga horária total: 30h. 30h - Curso de Especialização em Gestão Pública CÂMPUS Florianópolis MATRIZ CURRICULAR Módulo 1/Semestre 1 Carga horária total: 30h Introdução a Informática e Ambiente Virtual de Ensino- Aprendizagem (AVEA)

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Título I. responsabilidades gerais. Capítulo I. Art. 1 - São deveres fundamentais do Orientador. sua determinação;. seu espaço na escola;

Título I. responsabilidades gerais. Capítulo I. Art. 1 - São deveres fundamentais do Orientador. sua determinação;. seu espaço na escola; O presente Código de Ética estabelece normas de conduta profissional para os Orientadores Educacionais fluminenses (e para os Orientadores Educacionais dos demais estados brasileiros, se assim o desejarem).

Leia mais

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017 Resumo Descreve os componentes do SCI Sistema de Controles Internos da Riviera Investimentos e estabelece as responsabilidades e procedimentos para a sua gestão. Sumário 1. Objetivo...2 2. Público-alvo...2

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE LÍDERES

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE LÍDERES PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE LÍDERES CONQUISTE A LIDERANçA INSCRIÇÕES ABERTAS Prepare-se para novos desafios e seja o destaque no mercado de trabalho. Muitas vezes, a liderança não sabe quais

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais