a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares."

Transcrição

1 MATEMÁTICA NOTAÇÕES : cojuto dos úmeros aturais; = {,,, } : cojuto dos úmeros iteiros : cojuto dos úmeros racioais : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i: uidade imagiária, i = z: módulo do úmero z z: cojugado do úmero z Re(z): parte real do úmero z det A : determiate da matriz A A t : trasposta da matriz A P(A): cojuto de todos os subcojutos do cojuto A (A): úmero de elemetos do cojuto fiito A P(A): probabilidade de ocorrêcia do eveto A f o g : fução composta das fuções f e g [a, b]: {x ; a x b} [a, b[: {x ; a x < b} ]a, b]: {x ; a < x b} ]a, b[: {x ; a < x < b} A\B = {x; x A e x B} k a = a + a a k, k = Observação: Os sistemas de coordeadas cosiderados são cartesiaos retagulares. E Das afirmações: I. Se x, y \ Q, com y x, etão x + y \ ; II. Se x e y \, etão xy \ ; III. Sejam a, b, c, com a < b < c. Se f:[a, c] [a, b] é sobrejetora, etão f ão é ijetora, é (são) verdadeira( s ) a) apeas I e II. b) apeas I e III. c) apeas II e III. d) apeas III. e) ehuma. I) Falsa Se x, y \ =, com y x, etão x e y são irracioais. Nos exemplos abaixo, os úmeros x e y são irracioais, mas a soma deles é racioal. x = + y = x + y = + + = \, pois. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

2 II) Falsa Se x, etão x pode ser ulo. Neste caso, x. y = 0 e x. y xy \ III) Falsa Cosidere a fução f: [a; c] [a; b], estritamete decrescete o itervalo [a; c], defiida pelo grá fico a seguir. Ela é ijetora, pois é estritamete decrescete, e é sobrejetora, pois Im(f) = [a; b] = CD(f). ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

3 E Cosidere as fuções f, g:, f(x) = ax + m, g(x) = bx +, em que a, b, m e, são costates reais. Se A e B são as images de f e de g, respectivamete, etão, das afirmações abaixo: I. Se A = B, etão a = b e m = ; II. Se A =, etão a = ; III. Se a, b, m,, com a = b e m =, etão A = B, é (são) verdadeira(s) a) apeas I. b) apeas II. c) apeas III. d) apeas I e II. e) ehuma. I) Falsa. Cosidere as fuções f: f(x) = x + e g: g(x) = x ; otemos que a b, pois a = e b =, e m, pois m = e = Como se vê o gráfico a seguir, ambas possuem o mesmo cojuto imagem. II) Falsa. Na fução f do primeiro item, a =, apesar de A =. III) Falsa. Cosidere as fuções f: f(x) = x + e g: g(x) = x, Neste caso, temos: a = b e m =. Veja que Im (f), pois f(0) =, e Im(g), pois g(x) = x = x = D(g) = Se Im (f) = A e Im(g) = B, etão A B. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

4 D A soma = log / log / 8 + é igual a 8 5 a). b). c) d). e). 8 5 I) log =. log =. ( 5) = II) log (8 + ) = ( + ). log 8 = = ( + ). ( ) = ( + ) 5 log III) / = = = log / 8 + = ( + ) 5 5 = =. = ( + ) ( + ) = 5 = = =. =. = =. = 0 8 = ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

5 A Se z, etão z 6 z (z z ) z 6 é igual a a) (z z ). b) z 6 z 6. c) (z z ). d) (z z) 6. e) (z z) (z z ). Lembrado que z = z. z, temos: z = z. z Assim: z 6 z (z z ) z 6 = z 6. z. z. (z z ) z 6 = = z 6 z. z + z z z 6 = (z z ) ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

6 5 E Sejam z, w. Das afirmações: I. z + w + z w = (z + w ); II. (z + w ) (z w ) = z w; III. z + w z w = Re (z w), é (são) verdadeira ( s) a) apeas I. b) apeas I e II. c) apeas I e III. d) apeas II e III. e) todas. Cosideremos os úmeros complexos z = a + bi e w = c + di, com a, b, c e d reais. Temos z = a + b, w = c + d, z + w = (a + c) + (b + d)i, z w = (a c) + (b d)i z + w = (a + c) + (b + d) e z w = (a c) + (b d) Assim, temos: I) Verdadeira z + w + z w = = [(a + c) + (b + d) ] + [(a c) + (b d) ] = = a + c + b + d = (z + w ) II) Verdadeira (z + w) (z w) = = (z + z w+ w ) (z z w+ w ) = z w III) Verdadeira z + w z w = = [(a + c) + (b + d) ] [(a c) + (b d) ] = = ac + bd = Re (z w ), pois z w = (a + bi). (c di) = (ac + bd) + (bc ad)i e Re(z. w ) = ac + bd ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

7 6 C Cosidere os poliômios em x da forma p(x) = x 5 + a x + a x + a l x. As raízes de p(x) = 0 costituem uma progressão aritmética de razão quado (a, a, a ) é igual a a) 5. b) 5, 0,,,. c) 5. d) 5, 0,, 0,. e),,. I) O cojuto solução da equação x x + a. x + a. x + a. x + 0 = 0 é V = a ; a ; a; a + ; a +, com (a ) + a + a + a + + (a + ) = 0 a = 0 II) V =,, 0,, III) O poliômio p, a forma fatorada, é p(x) =. (x + ) x+.(x 0) x p(x) = x (x ) x p(x) = x x x + p(x) = x 5 5 x + x IV) x 5 + a x + a x + a x = x 5 5 x + x 5 a =, a = 0, a = 5 (a, a, a ) =, 0, 5. (x ) ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

8 7 D Para os iteiros positivos k e, com k, sabe-se que + =. k + k + k + Etão, o valor de é igual a + a) +. b) + +. c) + +. d) +. e). + Sedo S = , temos: ( + ) S = ( + ) S = ( + ) S = + ( + ) S = + S = ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

9 8 C Cosidere as seguites afirmações sobre as matrizes quadradas A e B de ordem, com A iversível e B atissimétrica: I. Se o produto AB for iversível, etão é par; II. Se o produto AB ão for iversível, etão é ímpar; III. Se B for iversível, etão é par. Destas afirmações, é (são) verdadeira(s) a) apeas I. b) apeas I e II. c) apeas I e III. d) apeas II e III. e) todas. I) Verdadeira. () Se B é atissimétrica, etão B t = B =. B e det (B t ) = det (. B) = ( ). det B = det B, pois o determiate de uma matriz é igual ao da sua trasposta. () Se o produto AB for iversível, etão: det (AB) 0 det A. det B 0 det A 0 e det B 0 () Dos ites () e (), temos: ( ). det B = det B ( ) det B = = e, det B portato, é par. II) Falsa. Se A é iversível e AB ão é iversível, etão det B = 0, pois det A 0 e det (AB) = 0. 0 a 0 b 0 a 0 0 c A matriz B =, com a, b e c b c 0 ão ecessariamete ulos, é atissimétrica e det B = 0, porém, este caso, = (par). III) Verdadeira. Se B for iversível, etão det B 0; sedo assim, da igualdade ( ). det B = det B, teremos: ( ) det B = = e, portato, é par. det B ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

10 9 B Sejam A = e B = y x x + y z + matrizes reais tais que o produto AB é uma matriz atissimétrica. Das afirmações abaixo: I. BA é atissimétrica; II. BA ão é iversível ; III. O sistema (BA)X = 0, com X t = [x x x ], admite ifiitas soluções, é (são) verdadeira(s) a) apeas I e II. b) apeas II e III. c) apeas I. d) apeas II. e) apeas III. AB = = y x x + x y y z + z = = x + y + + z + x y + z y(x+) x(y )+z+ xy xy + z x y z x = y + z + 6 x + y + z + x y + z z Se AB é atissimétrica, etão: (AB) = (AB) t x y + z + 6 x y + z = x + y + z + z x y + z + 6 x + y + z + = x y + z z x y + z + 6 = 0 z = 0 x =, y = 5 x + y + z + = (x y + z) z = 0 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

11 Assim, temos: A =, B = 5, BA = = e det (BA) = 8 8 = 0 I) Falsa, pois BA (BA) t II) Verdadeira, pois det BA = 0 III) Verdadeira, pois (BA) X = 0 x com X = x sedo um sistema liear homo - x gêeo e, como det (BA) = 0, o sistema admite ifiitas soluções, além da solução trivial. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

12 0 A Seja M uma matriz quadrada de ordem, iversível, que satisfaz a igualdade det(m ) det( M ) = 9 det(m). Etão, um valor possível para o determiate da iversa de M é 5 a). b). c). d) 5. e). det (M ) det ( M ) = det (M) 9 (det M) ( ) (det M) =. det M 9 8(det M). (det M) = 6 det M 8det M. (det M) = 6 (det M) det M + = 0 det M = ou det M = det M = ou det M = ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

13 B Cosidere a equação A(t)X = B(t), t, em que e t x et A(t)=, X = y eb(t) =. 0 Sabedo que det A(t) = e t 0, os valores de x, y e z são, respectivamete, a), 0,. b), 0,. c) 0,,. d) 0,,. e),, 0. I) Fazedo e t = a e t = a matriz a e t A(t) = e sedo det A(t) =, com t 0, tem-se: a e t a a = ou a = = a a + = 0 II) e t = a e t = ou e t = e t =, pois t 0 III) e t = e t = IV) A(t).X = B(t) e t z x. y. z 0 x y z = x z = x + y + z = y = 0 x + y + z = 0 x + z = 0 x = y = 0 z = ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

14 A Cosidere o poliômio complexo p(z) = z + a z + 5 z i z 6, em que a é uma costate complexa. Sabedo que i é uma das raízes de p(z) = 0, as outras três raízes são a) i,,. b) i, i,. c) i, i,. d) i,,. e ) i, i, i. I) Já que i é raiz da equação, temos: (i) + a. (i) + 5. (i) i (i) 6 = 0 6 8ai = 0 8ia = 8 a = i II) O poliômio p(z) é divisível por z i e, portato: z + iz + 5z iz 6 0 III) z + iz + 5z iz 6 = 0 (z i) (z + iz z i) = 0 (z i) (z ) (z + i) = 0 z = i ou z = ou z = ou z = i IV) As outras raízes de p(z) = 0 são i,, z i z + iz z i ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

15 E ab Sabedo que se x =, a 0 e b 0, um possível a + b valor para cossec x tg x é a b a + b a b a). b). c). ab ab ab a + b a b d). e). ab ab ab I) se x = cos ab x = a + b (a + b ) cos x = (a b ) cos x = a b (a + b ) a + b se x II) cossec (x) tg x = = se x cos x cos x se x cos x cos x = = = se x cos x se x cos x se x a b a + b III) cossec (x) tg x = = ab. a + b IV) Um possível valor para cossec (x) a b ab a b ab tg x é ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

16 C Cosidere o triâgulo ABC retâgulo em A. Sejam AE e AD a altura e a mediaa relativa à hipoteusa BC, respectivamete. Se a medida de BE é ( ) cm e a medida de AD é cm, etão AC mede, em cm, a) 5. b). c) 6. d) ( ) e) 5. Sedo x = AC e y = AE, os triâgulos retâgulos EDA e ECA, temos, respectivamete: y + ( ) = e x = y + ( ) Assim: x = ( ) + ( ) x = 6 x = 6, pois x > 0 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

17 5 D Seja ABC um triâgulo de vértices A = (,), B = (5,) e C = (5,5). O raio da circuferêcia circuscrita ao triâ - gu lo mede, em uidades de comprimeto, a). b). c) d). e). 8 8 (;) A C (5;5) B (5;) No triâgulo de vértices A(; ), B(5; ) e C(5; 5) e área S, temos: I) AB = ( 5) + ( ) = 5 AC = ( 5) + ( 5) = 7 BC = (5 5) + ( 5) = II) S = 5 =. 6 = III) Sedo R o raio da circuferêcia circuscrita ao triâgulo ABC, vem: S = (AB). (AC). (BC). R = R =. R 8 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

18 6 A Em um triâgulo isósceles ABC, cuja área mede 8 cm, a razão etre as medidas da altura AP e da base BC é igual a. Das afirmações abaixo: I. As mediaas relativas aos lados AB e AC medem 97 cm; II. O baricetro dista cm do vértice A; III. Se α é o âgulo formado pela base BC com a mediaa BM, relativa ao lado AC, etão cos α =, 97 é (são) verdadeira(s) a) apeas I. b) apeas II. c) apeas III. d) apeas I e III. e) apeas II e III. De acordo com o euciado, temos: AP = BC BC. AP = 8 cm AP = 8 cm BC = cm Podemos etão motar a seguite figura, a qual G é o baricetro do triâgulo ABC. A 5 5 N M G B 6 P 6 C Nessa figura, cujas medidas estão expressas em ce - tímetros, podemos afirmar que: 6 ) GA =. 8 = 8 ) GP =. 8 = ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

19 ) BG = (BP) + (GP) = 6 + = 97 ) BG =. BM 8 Assim:. 97 = BM BM = 97 5) BM = CN Assim: BM = CN = 97 BP 6 6) cos = = = BG Portato, a afirmação I é verdadeira e as afir - mações II e III são falsas. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

20 7 B Cosidere o trapézio ABCD de bases AB e CD. Sejam M e N os potos médios das diagoais AC e BD, respecti - vamete. Etão, se AB tem comprimeto x e CD tem comprimeto y < x, o comprimeto de MN é igual a a) x y. b) (x y). c) (x y). d) (x + y). e) (x + y). Seja P o poto de itersecção da reta MN com o lado oblíquo BC do trapézio ABCD. D y C M N P A x B De acordo com a figura, temos: I) MP é base média o triâgulo CAB AB x Assim: MP = MP = NP é base média o triâgulo BCD CD y Assim: NP = NP = II) III) MN + NP = MP y x Assim: MN + = MN = (x y) ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

21 8 C Uma pirâmide de altura h = cm e volume V = 50 cm tem como base um polígoo covexo de lados. A partir de um dos vértices do polígoo traçam-se diagoais que o decompõem em triâgulos cujas áreas S i, i =,,...,, costituem uma progressão aritmética a qual S = cm e S 6 = cm. Etão é igual a a). b). c) 6. d) 8. e). I) Se h = cm é a altura da pirâmide e V = 50 cm é seu volume, etão a área da sua base é de 50 cm. II) Se S = cm e S 6 = cm, etão podemos cocluir que a razão dessa progressão aritmética, em cetímetros quadrados, é r = = 6 Assim, os ( ) termos dessa progressão arit - mética, em cetímetros quadrados, são: S =, S =, S =, S = e a sua soma é igual a 50. Logo: (S + S )( ) + = 50 ( ) = 00 ( ) ( ) = = 0 = 6 ou = Obs.: A solução = ão serve, pois 5. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

22 9 D A equação do círculo localizado o ọ quadrate que tem área igual a π (uidades de área) e é tagete, simulta - eamete, às retas r: x y + 5 = 0 e s: x + y = 0 é a) x + y =. b) x + y + =. c) x + + y =. d) x + + y =. e) x + + y =. 0 0 I) As retas (r): x y + 5 = 0 e (s): x + y = 0 possuem coeficietes agulares m r = e m s =, respectivamete, portato, são perpediculares. II) Sedo {P} = r S, temos: x y + 5 = 0 x + y = 0 x = y = P ; III) Sedo Q (x Q, y Q ) o cetro do círculo de raio lo - calizado o ọ quadrate, tagete simulta - eamete às retas r e s, e otado que a diagoal PQ do quadrado PT QT é paralela ao eixo x, vem: x Q = + e y Q = A equação da circuferêcia com cetro Q + ; e raio é x + + y = ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

23 Observação: Existem três outras circuferêcias de raio, tagetes simultaeamete às retas r e s (com cetros as retas x = e y = ), porém, ehuma delas está cotida o ọ quadrate. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

24 0 C Cosidere o sólido de revolução obtido pela rotação de um triâgulo isósceles ABC em toro de uma reta para - le la à base BC que dista 0,5 cm do vértice A e 0,75 cm da base BC. Se o lado AB π + mede cm, o volume π desse sólido, em cm, é igual a a). b). c). d). e) e B R R h M h A r r C De acordo com o euciado, podemos cocluir que o volume V (em cetímetros cúbicos) do sólido de revolução obtido pela rotação do triâgulo isósceles ABC em toro da reta e, que é paralela à BC e dista r = cm do vértice A e R = cm da base BC, é igual à difereça etre o volume de um cilidro circular reto de raio R e altura BC = h e a soma dos volumes de dois trocos de coes cogruetes e retos de raios R e r e altura h. Assim: π + π π I) h + = (AB) h = h = II) V = πr πh h. (R + r + Rr) Portato: π π π V = π V = V = 6 8 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

25 AS QUESTÕES DISSERTATIVAS, NUMERADAS DE A 0, DEVEM SER RESOLVIDAS E RESPONDIDAS NO CADERNO DE SOLUÇÕES. Cosidere as fuções f :, f(x) = e αx, em que α é uma costate real positiva, e g : [0, ], g(x) = x. Determie o cojuto-solução da iequação (g f) (x) > (f g) (x). Sedo 0 e x 0, temos: I) (gof) (x) = g [f(x)] = g (e αx ) = e x II) (fog) (x) = f [g(x)] = f (x) = e x III) (gof) (x) (fog) (x) e x e x e x (e x ) e x e x x x x x x x x Resposta: S = {x x } ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

26 Determie as soluções reais da equação em x, (log x) log (x log ) 0 6x = 0. log 00 6 log 6 x log 6 x log I) 0 6 x log = 0 log = 0 = log 00 6 = log 6x = log 6 + log x = + log x II) (log x) log (x ). = 0 (log x) log x. ( + log x) = 0 (log x) log x 6 log x = 0 (log x) 7 log x 6 = 0 Fazedo log x = y, resulta: y 7y 6 = 0 (y ) (y + y + ) = 0 y = ou y = ou y = Etão, log x = ou log x = ou log x = x = ou x = ou x = x = 6 ou x = ou x = 6 Resposta: As soluções reais da equação são 6, e 6 log 6 log 0 log 0 6 x log 00 6 log 0 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

27 a) Determie o valor máximo de z + i, sabedo que z =, z. b) Se z 0 satisfaz (a), determie z 0 ; a) Os úmeros z = x + yi, com x e y, que satis - fazem z = são tais que x + yi = x + yi = (x ) +y = (x ) + y = Cocluímos, etão, que os afixos desses úmeros pertecem a uma circuferêcia de cetro C (; 0) e raio R =. Os potos que represetam os úmeros complexos z + i são os pertecetes à circuferêcia obtida acima deslocada de uma uidade para cima, isto é, é a circuferêcia de cetro (; ) e raio. O valor máximo de z + i é dado pela distâcia do poto P até a origem, que é igual a d = 5 + b) Se P(a; b) é o afixo do úmero complexo w = a + bi, com a e b e z 0 = a + (b )i, temos: a 5 (5 + 5) = a = e b = b = 5 5 (5 + 5) Assim, w = a + bi = + i 5 5 (5 + 5) e z 0 = + i = (5 + 5) 5 = + i 5 5 Respostas: a) 5 + (5 + 5) 5 b) z 0 = + i 5 5 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

28 Seja o espaço amostral que represeta todos os resul - tados possíveis do laçameto simultâeo de três dados. Se A é o eveto para o qual a soma dos resultados dos três dados é igual a 9 e B o eveto cuja soma dos resultados é igual a 0, calcule: a) (); b) (A) e (B); c) P(A) e P(B). Admitido que cada dado seja ão viciado e teha suas faces umeradas de a 6, temos: a) () = = 6 = 6 b) Eveto A (Soma 9): Faces voltas para cima Número de casos, e 6! = 6, e 5! = 6, e, e 5! =!! =!, e! = 6, e Logo, (A) = = 5 Eveto B (Soma 0): Faces voltas para cima Número de casos, e 6! = 6, e 5! = 6, e 6! =!, e 5! = 6, e, e! =!! =! Logo, (B) = = 7 (A) 5 c) P(A) = = (Ω) 6 (B) 7 P(B) = = = (Ω) 6 8 Respostas: a) 6 b) 5 e 7 5 c) e 6 8 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

29 5 Determie quatos paralelepípedos retâgulos diferetes podem ser costruídos de tal maeira que a medida de cada uma de suas arestas seja um úmero iteiro positivo que ão exceda 0. I) Seja A = {; ; ; ; 5; 6; 7; 8; 9; 0} II) Cada elemetos de A, distitos ou ão, deter - miam um só paralelepípedo. III) O úmero de paralelepípedos retâgulos difere - tes que podem ser costruídos é, pois, C * 0, = C 0 +, = C, =!!9! = 0 Resposta: 0 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

30 6 Cosidere o sistema liear as icógitas x, y e z x + y + z = 0 x + (se ) y + z = 0, [0, π]. x + ( cos ) y + 6z = 0 a) Determie tal que o sistema teha ifiitas soluções. b) Para ecotrado em (a), determie o cojuto-solu - ção do sistema. a) I) cos = ( se ) = se II) Para que o sistema liear homogêeo teha ifiitas soluções, devemos ter: = 0 6 = 0 6 se se = 0 se = Assim, para [0; π], resulta = b) Para =, temos: x + y + z = 0 x + y + z = 0 x y + z = 0 6z = 0 x + y + 6z = 0 z = 0 se cos se se x + y = 0 z = 0 y = x z = 0 Fazedo x =, temos: S = {(,, 0)}, Respostas: a) b) S = {(; ; 0)}, ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

31 7 Determie o cojuto de todos os valores de x [0, π] que satisfazem, simultaeamete, a se x + se x < 0 e cos x tg x + < ( + cotg x) cotg x Para x [0; π], tem-se: se I) x + se x < 0 e cos x < 0, pois cos x cos x, etão: se x + se x > 0 π 5π < se x < x < 6 6 II) tg x + < ( + cotg x) cotg x tg x + < +. tg x tg x tg x + tg x + < tg x tg x (tg x + ) < tg x +, pois tg x > 0 (tg x ) (tg x + ) < 0 Aalisado os siais das fuções f(tg x) = tg x e g(tg x) = tg x +, tem-se: ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

32 π π π π Assim, 0 < x < ou < x < ou < x < π 5π π 5π 7π ou π < x < ou < x < ou < x < π III) Sedo S I e S II os cojutos soluções das iequações (I) e (II), temos: π π π π Resposta: { x / < x < ou < x < ou 6 π 5π < x < 6 } ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

33 8 Seis esferas de mesmo raio R são colocadas sobre uma superfície horizotal de tal forma que seus cetros defiam os vértices de um hexágoo regular de aresta R. Sobre estas esferas é colocada uma sétima esfera de raio R que tagecia todas as demais. Determie a distâcia do cetro da sétima esfera à superfície horizotal. Os cetros das 6 esferas meores e os potos em que elas tocam a superfície horizotal são vértices de um prisma hexagoal regular com as arestas das bases medido R e a altura medido R. Os cetros das 6 esferas meores e o cetro da esfera maior são vértices de uma pirâmide hexagoal regular com as arestas das bases medido R e as arestas laterais medido R. Assim, o triâgulo retâgulo VOA, temos: (VO) + (AO) = (VA) h + (R) = (R) h = R5 Logo, a distâcia d do cetro da sétima esfera à superfície horizotal é d = h + R = R5 + R = R ( 5+ ) Resposta: R ( 5+ ) ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

34 9 Três circuferêcias C, C e C são tagetes etre si, duas a duas, exteramete. Os raios r, r e r destas circuferêcias costituem, esta ordem, uma progressão geométrica de razão. A soma dos comprimetos de C, C e C é igual a 6π cm. Determie: a) a área do triâgulo cujos vértices são os cetros de C, C e C. b) o volume do sólido de revolução obtido pela rotação do triâgulo em toro da reta que cotém o maior lado. Todas as dimesões lieares estão em cm; coseque - temete, as dimesões superficiais estão cm e as dimesões volumétricas, em cm. a) Como r, r e r costituem, esta ordem, uma progressão geométrica de razão, temos: r r = r e r = 9 Assim, de acordo com o euciado, temos: πr + πr + πr = 6π r π. r + π. + π. = 6π r = 9 9 r 9 9 Portato, r = = e r = = 9 Os cetros das circuferêcias C, C e C são, respectivamete, os vértices A, B e C de um triâgulo ABC tal que AB = 9 + =, AC = 9 + = 0 e BC = + =. ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

35 Sedo p o semiperímetro e S a área do triâgulo ABC, temos: I) p = = II) S =. ( ). ( 0). ( ) = 9 b) Como a área do triâgulo ABC é igual a 9, temos:. r = 9 r = Assim, o volume V do sólido é dado pela soma dos volumes de dois coes, um com raio r e altura h e o outro com raio r e altura h. Logo, V = πr. h + πr. h = = πr (h + h ) = π.. = 9π Respostas: a) 9 cm b) 9π cm 9 9 ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

36 0 Um cilidro reto de altura h = cm tem sua base o plao xy defiida por x + y x y + 0. Um plao, cotedo a reta y x = 0 e paralelo ao eixo do cilidro, o seccioa em dois sólidos. Calcule a área total da superfície do meor sólido. x + y x y + 0 (x ) + (y ), que é represetada o plao xy por um círculo o poto (; ) e raio r =. O plao, cotedo a reta y x = 0 e paralelo ao eixo do cilidro, seccioa-o em dois sólidos. O de meor volume é um segmeto cilídrico cujas bases são cogruetes ao segmeto circular destacado a figura, que é limitado por um segmeto de reta de comprimeto cm e um arco de comprimeto.. = cm. Como sua altura é h = cm, etão sua área total S, em cetímetros quadrados, é igual a:.. S = S = + + S = + Resposta: ( + ) cm ITA (º DIA) DEZEMBRO/0

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

TC DE MATEMÁTICA (REVISÃO) / 3ª SÉRIE E EXTENSIVO. PROFESSOR Fabrício Maia ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO:

TC DE MATEMÁTICA (REVISÃO) / 3ª SÉRIE E EXTENSIVO. PROFESSOR Fabrício Maia ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: TC DE MATEMÁTCA (REVSÃO) / ª SÉRE E EXTENSVO PROESSOR abrício Maia ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGO: OSG 98/0. Os valores de b para os quais a parábola y + b tem um úico poto em comum com a

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

Propostas de Resolução

Propostas de Resolução Propostas de Resolução Eercícios de MATEMÁTICA A. ao Como utilizar este ficheiro e localizar rapidamete a resolução pretedida? Verifique se a Barra de Ferrametas deste documeto eiste a caia de pesquisa

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

Prova de Matemática: 13/12/12 PROVA ITA

Prova de Matemática: 13/12/12 PROVA ITA Prova de Matemática: // PROVA ITA matemática Gabarito ITA Prova de Matemática: // matemática : conjunto dos números naturais : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números reais M m x n ( ): conjunto

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}}

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}} MATEMÁTICA NOTAÇÕES = {,,,,...} : conjunto dos números reais : conjunto dos números compleos [a, b] = { ; a b} (a, + ) = ]a, + [ = { ; a < < + } A\B = { A; B} A C : complementar do conjunto A i: unidade

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4. alternativa B. alternativa E. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4. alternativa B. alternativa E. alternativa E Questã Se P é 0% de Q, Q é 0% de R, e S é 50% de R, etã P S é igual a a) 50. b) 5. c). d) 5. e) 4. D alterativa Tems P 0, Q, Q 0, R e S 0,5 R. Lg P 0, Q 0, 0, R. S 0,5 R 0,5 R 5 Questã Seja f:r R uma fuçã

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números naturais : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária:

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

CONTEÚDO AOS LEITORES 2. XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 3 Problemas e Soluções da Primeira Fase

CONTEÚDO AOS LEITORES 2. XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 3 Problemas e Soluções da Primeira Fase CONTEÚDO AOS LEITORES XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 3 Problemas e Soluções da Primeira Fase XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 7 Problemas e Soluções da Seguda Fase XXVI OLIMPÍADA BRASILEIRA

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_007_ A FASE RESOLUÇÃO PELA PROFA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Se Amélia der R$3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia Se Maria

Leia mais

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36 MATEMÁTICA Se Amélia der R$ 3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa C. alternativa D. Os trabalhadores A e B, trabalhando separadamente,

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa C. alternativa D. Os trabalhadores A e B, trabalhando separadamente, Questão Os trabalhadores A e B, trabalhando separadamente, levam cada um 9 e 0 horas, respectivamente, para construir um mesmo muro de tijolos Trabalhando juntos no serviço, sabe-se que eles assentam 0

Leia mais

n! (n r)!r! P(A B) P(A B) = P(A)+P(B) P(A B) P(A/B) = 1 q, 0 < q < 1

n! (n r)!r! P(A B) P(A B) = P(A)+P(B) P(A B) P(A/B) = 1 q, 0 < q < 1 FORMULÁRIO DE MATEMÁTICA Análise Combinatória P n = n! = 1 n A n,r = Probabilidade P(A) = n! (n r)! número de resultados favoráveis a A número de resultados possíveis Progressões aritméticas a n = a 1

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

( ) = = MATEMÁTICA. Prova: 28/07/13. Questão 17. Questão 18

( ) = = MATEMÁTICA. Prova: 28/07/13. Questão 17. Questão 18 Prova: 8/07/13 MATEMÁTICA Questão 17 A equação x 3 4 x + 5x + 3 = 0 possui as raízes m, p e q. O valor da expressão m + p + q é pq mq mp (A). (B) 3. (C). (D) 3. Gabarito: Letra A. A expressão é igual a:

Leia mais

Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distância; Breves Noções Topológicas em R n

Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distância; Breves Noções Topológicas em R n Faculdade de Ecoomia da Uiversidade Nova de Lisboa Apotametos Cálculo II Lista 2.1 Breves Revisões de Lógica; Noção de Norma e Distâcia; Breves Noções Topológicas em R 1. Símbolos e operadores lógicos:

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt:

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt: Proposta de Resolução do Exame de Matemática Aplicada às Ciêcias Sociais Cód. 835-2ª 1ª Fase 2014 1.1 Comecemos por determiar a distribuição de represetates por aplicação do método de Hodt: Divisores PARTIDOS

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

115% x + 120% + (100 + p)% = 93 2 2. 120% y + 120% + (100 + p)% = 106 2 2 x + y + z = 100

115% x + 120% + (100 + p)% = 93 2 2. 120% y + 120% + (100 + p)% = 106 2 2 x + y + z = 100 MATEMÁTICA Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Análise combinatória

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Análise combinatória Resolução das atividades complemetares Matemática M Aálise combiatória p. 6 Ao laçarmos um dado duas vezes, quatas e quais são as possibilidades de ocorrêcia dos úmeros? Ao laçarmos um dado duas vezes,

Leia mais

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA.

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 00 ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. QUESTÃO.01.Carlos, Luis e Sílvio tinham, juntos, 100 mil reais para investir por um ano. Carlos

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Celso Melchiades Dória. Geometria II

Celso Melchiades Dória. Geometria II Celso Melchiades Dória Geometria II Floriaópolis, 007 Uiversidade Federal de Sata Cataria Cosórcio ReDiSul Campus Uiversitário Tridade Caixa Postal 476 CEP 88040-900 Floriaópolis SC Reitor: Lúcio José

Leia mais

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) =

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) = Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 9 Trigonometria I Resumo das principais fórmulas da trigonometria Arcos Notáveis: Fórmulas do arco duplo: ) sen (a) = ) cos (a) = 3)

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

CONTEÚDO. XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2 Problemas e Soluções da Primeira Fase

CONTEÚDO. XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2 Problemas e Soluções da Primeira Fase CONTEÚDO XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA Problemas e Soluções da Primeira Fase XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 4 Problemas e Soluções da Seguda Fase XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA FUVEST-FASE POR PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA Q 4) A trajetória de u prjétil, laçad da beira de u pehasc sbre u terre pla e hriztal, é parte de ua parábla

Leia mais

1. Sendo (x+2, 2y-4) = (8x, 3y-10), determine o valor de x e de y. 2. Dado A x B = { (1,0); (1,1); (1,2) } determine os conjuntos A e B. 3. (Fuvest) Sejam A=(1, 2) e B=(3, 2) dois pontos do plano cartesiano.

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP-FASE PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA O velocíetro é u istrueto que idica a velocidade de u veículo A figura abaio ostra o velocíetro de u carro que

Leia mais

QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas.

QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. Resolução por Maria Antônia Conceição Gouveia da Prova de Matemática _ Vestibular 5 da Ufba _ 1ª fase QUESTÕES de 1 a 8 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Matemática da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Matemática da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ 1º Exame de Qualificação 011 Questão 6 Vestibular 011 Observe a representação do trecho de um circuito elétrico entre

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal 5 Aálise de sistemas o domíio da frequêcia O termo resposta a frequêcia utiliza-se para desigar a resposta de um sistema, em regime estacioário, a uma oda siusoidal. Esta resposta, para o caso de um sistema

Leia mais

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que LISTA INCRÍVEL DE MATEMÁTICA DISCRETA II DANIEL SMANIA 1 Amostras, seleções, permutações e combiações Exercício 1 Quatos bytes (8 bits) existem de modo que ele coteha exatamete quatro 1 s? Exercício 2

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

UNICAMP - 2004. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2004. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 004 ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Em uma sala há uma lâmpada, uma televisão [TV] e um aparelho de ar codicioado [AC]. O cosumo da lâmpada equivale

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ECONOMIA RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ECONOMIA RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 0 - FGV CURSO DE ECONOMIA Profa. Maria Antônia C. Gouveia QUESTÃO 0 Laura caminha pelo menos km por dia. Rita também caminha todos os dias, e a soma das distâncias diárias

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

CONTEÚDO AOS LEITORES 2. XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 4 Problemas e Soluções da Primeira Fase

CONTEÚDO AOS LEITORES 2. XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 4 Problemas e Soluções da Primeira Fase CONTEÚDO AOS LEITORES XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 4 Problemas e Soluções da Primeira Fase XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 7 Problemas e Soluções da Seguda Fase XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição Editora Vestseller São José dos Campos SP 2008 É proibida a reprodução parcial ou total por quaisquer

Leia mais

Frações Contínuas, Representações de Números e Aproximações Diofantinas

Frações Contínuas, Representações de Números e Aproximações Diofantinas Frações Cotíuas, Represetações de Números e Aproximações Diofatias Carlos Gustavo T. de A. Moreira I M P A o Colóuio da Região Sudeste Abril de 0 Sumário Frações Cotíuas. Itrodução.....................................

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Gabarito - Matemática - Grupos I/J

Gabarito - Matemática - Grupos I/J 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Para a estréia de um espetáculo foram emitidos 1800 ingressos, dos quais 60% foram vendidos até a véspera do dia de sua realização por um preço unitário de R$

Leia mais