EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus"

Transcrição

1 EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus Dana Marques de Olvera ; Ellezer Almeda Mello ; Carolne Stephany Inocênco ; Adrano Rbero Mendonça Bolssta PBIC/UEG, graduandos do Curso de Engenhara Florestal, UnU Ipamer - UEG. Bolssta PVIC/UEG, graduandos do Curso de Engenhara Florestal, UnU Ipamer - UEG. Orentador, docente do Curso de Engenhara Florestal, UnU Ipamer UEG. RESUMO Os recursos florestas cada vez mas se tornam lmtados e, com sso, aumenta a procura por métodos que aperfeçoem o aprovetamento destes recursos. Para sso, é fundamental o conhecmento da forma do fuste das árvores e técncas de modelagem aplcadas ao estudo da forma de dferentes materas genétcos. Neste contexto, o objetvo prncpal deste trabalho fo avalar o efeto da dade na forma das árvores em dferentes materas genétcos de Eucalyptus. Foram utlzados dados da empresa Internatonal Paper, Mog das Cruzes, São Paulo. Os materas genétcos utlzados foram provenentes de propagação semnífera e propagação clonal. A forma da árvore fo avalada a partr da estmatva do fator de forma e aflamento médo do fuste. Além dsso, avalaram-se os modelos de Demaerschalk, Ormerod e Schöepfer na estmatva do aflamento. Observou-se que em geral, a forma das árvores dos materas genétcos avalados, pora até dades próxmas de 5,5 anos e, a partr daí, há uma melhora na forma até o fnal do cclo de corte do povoamento para maderas destnadas a celulose e papel. Os fatores dade e materal genétco, adconados como covarantes, nfluencaram sgnfcatvamente nos modelos de aflamento para árvores de Eucalyptus. A adção de covarantes que explcam a característca a ser avalada (aflamento) dmnu a necessdade de se obter equações para cada combnação entre dade e materas genétcos dferentes. Palavras-chave: Eucalyptus, fator de forma, aflamento.

2 Introdução Atualmente, verfca-se uma tendênca de troca das maderas orundas de florestas naturas por maderas de reflorestamento. O gênero Eucalyptus, pertencente à famíla Myrtaceae, aparece como uma alternatva promssora devdo, prncpalmente, ao seu rápdo crescmento e às tecnologas já desenvolvdas para sua produção, fato ncomum para outras espéces florestas. O maor conhecmento tecnológco da produção do gênero Eucalyptus está permtndo uma vsão bastante otmsta quanto ao aumento da utlzação desse gênero, além de ser representado por árvores com alta taxa de crescmento, plastcdade, forma retlínea do fuste, desrama natural e madera com varações nas propredades tecnológcas, adaptadas às mas varadas condções de uso (OLIVEIRA et al., 999). As substtuções de madera orunda de floresta natural pela madera de eucalpto estão relaconadas prncpalmente ao preço e à dfculdade de obter outros tpos de madera (SERPA, 00). No mundo, com a lmtação dos recursos florestas devdo à grande exploração das florestas, é crescente a mportânca de se utlzar métodos de aprovetamento destes recursos de manera mas efcaz (STERNADT, 00). Para melhor aprovetamento do tronco de uma árvore em povoamentos florestas, é necessáro um melhor conhecmento da forma do tronco. Segundo usch et al. (97), o decréscmo em dâmetro, dâmetro da base para o topo, conhecdo como aflamento, concdade ou taper, tem efeto fundamental no volume das árvores, devdo a este fato o seu conhecmento é de fundamental mportânca no nventáro florestal. Alado a necessdade de estudar o efeto de varáves como a dade na forma do fuste das árvores, tem-se a necessdade de modelar a forma do tronco. A utlzação de modelos para representação e explcação de uma realdade essencalmente mas complexa consttu estratéga de grande vala para o desenvolvmento da cênca (ASENAUER, 000). No Brasl, estudos de perfl do tronco de árvores, tradconalmente, se baseam em equações que permtem estmar o dâmetro em qualquer altura ao longo do tronco como em Lma (986), Fgueredo Flho et al. (996) e Mendonça et al. (007). Mas, atualmente tem-se realzados estudos onde se obtém a estmatva da altura em qualquer parte do tronco em função do dâmetro ou rao como em Calegaro (00). Neste contexto, este trabalho tem como objetvo avalar o efeto da dade na forma das árvores em dferentes materas genétcos de Eucalyptus.

3 Materal e Métodos Foram utlzados dados provenentes da Empresa Internatonal Paper, stuada em Mog das Cruzes, São Paulo. Os dados foram coletados por meo de cubagem rgorosa em plantos comercas de Eucalyptus. Para estmatva da forma das árvores de Eucalyptus, foram calculados os fatores de forma para cada dade em cada materal genétco analsado. O aflamento médo das árvores, de cada materal genétco em todas as dades, também, fo calculado pela relação entre o DAP e a das árvores menos,0m. A correção é necessára para normalzar o valor do aflamento médo uma vez que todos os dâmetros foram meddos à altura de,0m (FERREIRA e SILVA, 00). Foram analsados os modelos que representam o aflamento do fuste de árvores. Os modelos analsados foram: dj hj hj hj hj hj - Modelo de Schöepfer: = β β β β β β + ε j DAP dj β0 β β β - Modelo de Demaerschalk: = DAP L + ε j DAP 0 dj hj - Modelo de Ormerod: = + ε j DAP, β Em que: d j = dâmetro na altura h j (cm); h j = altura comercal (m) da -ésma árvore na posção j; εj = erro aleatóro. Fo adconado o efeto das covarantes dade e materal genétco nos parâmetros dos modelos analsados. E, os modelos foram avalados por meo das estatístcas (Lma,986 e Mendonça et. al, 006): Bas, Méda das Dferenças e Erro Padrão das Dferenças. Para essas estatístcas, quanto mas o valor aproxmar de 0 (zero) mas precso será o modelo. 4 5

4 Resultados e Dscussão Analsando os resultados encontrados para os materas genétcos clonas, e 5, percebeu-se que houve uma tendênca de queda do fator de forma médo das árvores nas dades ncas (,;,5; caso dos clones e 5) e 4,8 anos para o clone, até as dades próxmas de 5,5 anos. E, a partr desta dade, houve uma melhora na forma das árvores quando se aproxmam do fnal do cclo de corte para povoamentos destnados a ser matéraprma para fábrcas de papel e celulose. Já para o materal genétco (propagação semnífera), onde estavam dsponíves dados apenas de dades mas próxmas ao cclo de corte, a tendênca de melhora na forma das mesmas também fo evdente à medda que chega próxmo a dade de corte da floresta. Todava, os materas genétcos, provenentes de plantos clonas, 4 e 6 apresentaram tendêncas contrastantes aos materas genétcos,, e 5. Analsando os resultados encontrados para aflamento médo (cm/m), notou-se que para os materas genétcos,,, 4 e 6, a tendênca encontrada quando estes foram avalados pelo fator de forma médo, foram dêntcas. Pelos resultados encontrados para o fator de forma médo e o aflamento médo em função das dades para os materas genétcos avalados, percebe-se que, em geral, a forma da árvore pora de dades ncas até dades entre 4,5 e 5,5 anos. Após sso, nota-se uma melhora na forma das árvores até o fnal do cclo de corte de maderas destnadas a celulose. Analsando os modelos, em termos de erro padrão relatvo, o modelo de Schöepfer fo o que obteve o melhor resultado (S yx = 7,4%), segudo do modelo de Ormerod (S yx =,5%) e Demaerschalk (S yx =,98%). A Tabela 5 apresenta as estatístcas bas (B), méda das dferenças absolutas (MD) e desvo padrão das dferenças (DPD) para estmatva do aflamento de árvores de Eucalyptus. Tabela 5 - Estatístcas bas (B), méda das dferenças absolutas (MD) e desvo padrão das dferenças (DPD) para as estmatvas referentes ao aflamento de árvores de Eucalyptus. Estatístca Schöepfer Demaerschalk Ormerod B -0,08 0,8 0,5 MD 0,46 0,84 0,6 DPD 0,65,06,0 A Tabela 6 mostra as notas atrbuídas para as estmatvas de aflamento, baseadas nas estatístcas da Tabela 5. 4

5 Tabela 6 - Notas atrbuídas, a partr das estatístcas da Tabela 5, para as estmatvas referentes ao aflamento de árvores de Eucalyptus. Estatístca Schöepfer Demaerschalk Ormerod B MD DPD Total 9 6 Os valores postvos e negatvos da estatístca B ndcam subestmatva e superestmatva, respectvamente. Os menores valores das três estatístcas testadas ndcam que a equação apresenta maor precsão para o objetvo em pauta. Como exemplo, a equação de Schöepfer, tem para estatístca desvo padrão das dferenças (DPD) o valor 0,65 (Tabela 5). Quando este valor é comparado com o DPD das equações assocadas aos outros modelos, a nota atrbuída a essa equação fo (Tabela 6). Esse valor sgnfca que, consderando o DPD, a equação de Schöepfer obteve a melhor estmatva em relação as outras equações avaladas, seguda, pela ordem, pelas equações de Ormerod (Nota ) e Demaerschalk (Nota ). Após análse das tabelas, verfcou-se que o modelo de Schöepfer apresentou os melhores resultados para estmatva do aflamento de árvores de Eucalyptus para todas as estatístcas analsadas, segudo dos modelos de Ormerod e Demaerschalk. Conclusões De acordo com os resultados obtdos, para as condções em que fo desenvolvdo este estudo, conclu-se que: - Em geral, a forma das árvores dos materas genétcos avalados, pora até dades próxmas de 5,5 anos e, a partr daí, há uma melhora na forma até o fnal do cclo de corte do povoamento para maderas destnadas a celulose e papel. - Os fatores dade e materal genétco, adconados como covarantes, nfluencaram sgnfcatvamente nos modelos de aflamento para árvores de Eucalyptus. - A adção de covarantes que explcam a característca a ser avalada (aflamento) dmnu a necessdade de se obter equações para cada combnação entre dade e materas genétcos dferentes. 5

6 Referêncas Bblográfcas CALEGARIO, N. Modelng Eucalyptus stand growth base don lnear and nonlnear mxed-effects models. Georga, 00. p. Tess (Doctor of Phlosophy n Forest Scence) - Unversty of Georga, 00. FERREIRA, C. A.; SILVA,. D. Aflamento e forma do tronco de árvores de Eucalyptus grands e Eucalyptus salgna e suas varações com a adubação. Boletm de Pesqusa Florestal, n.44, p.87-05, 00. FIGUEIREDO FILO, A.; BORDERS, B. E.; ITC, K. L. Taper equatons for Pnus taeda plantatons n southern Brazl. Forest Ecology and Management, n.8, p.9-46, 996. ASENAUER,. Prncípos para a modelagem de ecossstemas florestas. Cênca e Ambente. n. 0, p USC, B.; MILLER, C.I.; BEERS, T.W. Forest mensuraton. New York: The Ronald Press, p. LIMA, F. Análse de funções de taper destnadas à avalação de multprodutos de árvores de Pnus ellott. Vçosa: UFV, p. Dssertação (Mestrado em Cênca Florestal) - Unversdade Federal de Vçosa, 986. MENDONÇA, A. R. de, et al. Avalação de funções de aflamento vsando a otmzação de fustes de Eucalyptus sp. para multprodutos. Cerne, v., n., p.7-8, 007. OLIVEIRA, J. T. da S. et al. Caracterzação da madera de sete espéces de eucalptos para a construção cvl: - avalações dendrométrcas das árvores. Scenta Forestals, n.56, p SERPA, P. N. et al. Avalação de algumas propredades da madera de Eucalyptus grands, Eucalyptus salgna e Pnus ellott. Revsta Árvore, v.7, n. 5, p.7-7, 00. STERNADT, G.. Cubagem de toras de mogno: comparação do processo do IBAMA e o adotado por madereras. [S.L]:IBAMA, p. 6

SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP., NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE

SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP., NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP, NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE Jáder da Slva Jale Joselme Fernandes Gouvea Alne Santos de Melo Denns Marnho O R Souza Kléber Napoleão Nunes de

Leia mais

Federal do Espírito Santo, Alegre, ES, Brasil. 2

Federal do Espírito Santo, Alegre, ES, Brasil.    2 Aplação da dentdade de modelos não-lneares na estmatva da relação hpsométra de Pnus arbaea var. hondurenss e Pnus ooarpa sob dferentes dades Leonardo Cassan Laerda Adrano Rbero de Mendonça Edson Lahn Glson

Leia mais

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação.

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação. Estudo quanttatvo do processo de tomada de decsão de um projeto de melhora da qualdade de ensno de graduação. Rogéro de Melo Costa Pnto 1, Rafael Aparecdo Pres Espíndula 2, Arlndo José de Souza Júnor 1,

Leia mais

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR 1 CORRELAÇÃO E REGREÃO LINEAR Quando deseja-se estudar se exste relação entre duas varáves quanttatvas, pode-se utlzar a ferramenta estatístca da Correlação Lnear mples de Pearson Quando essa correlação

Leia mais

Comparação dos modelos prognósticos de clutter e da função logística

Comparação dos modelos prognósticos de clutter e da função logística Pesqusa Florestal Braslera Brazlan Journal of Forestry Research http://pfb.cnpf.embrapa.br/pfb/ ISSN: 983-605 (onlne) Comparação dos modelos prognóstcos de clutter e da função logístca Julana Carnero Gonçalves

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios Algarsmos Sgnfcatvos Propagação de Erros ou Desvos L1 = 1,35 cm; L = 1,3 cm; L3 = 1,30 cm L4 = 1,4 cm; L5 = 1,7 cm. Qual destas meddas está correta? Qual apresenta algarsmos com sgnfcado? O nstrumento

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO Semnáro Anual de Pesqusas Geodéscas na UFRGS, 2. 2007. UFRGS METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL Iran Carlos Stallvere Corrêa Insttuto de Geocêncas UFRGS Departamento

Leia mais

Uso de covariáveis em modelos biométricos para estimação de altura total em árvores de Eucalyptus dunnii

Uso de covariáveis em modelos biométricos para estimação de altura total em árvores de Eucalyptus dunnii Uso de covaráves em modelos bométrcos para estmação de altura total em árvores de Eucalyptus du Oar Medes de Olvera Adrao Rbero de Medoça Fábo Mareto Glso Ferades da Slva Samuel de Pádua Chaves e Carvalho

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA EDSON LACHINI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA EDSON LACHINI UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA EDSON LACHINI EFEITO DA IDADE NA ESTIMATIVA DO VOLUME DE ÁRVORES DE Pnus carbaeavar.hondurenss

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório Programa de Certfcação de Meddas de um laboratóro Tratamento de dados Elmnação de dervas Programa de calbração entre laboratóros Programa nterno de calbração justes de meddas a curvas Tratamento dos resultados

Leia mais

MELHORAMENTO DE MILHO-PIPOCA PARA PRODUÇÃO DE MINIMILHO

MELHORAMENTO DE MILHO-PIPOCA PARA PRODUÇÃO DE MINIMILHO ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internaconal de Produção Centífca Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 MELHORAMENTO DE MILHO-PIPOCA PARA PRODUÇÃO DE MINIMILHO Glberto Barbosa Sandoval Junor 1, Klayton

Leia mais

UMA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO E DA PRODUÇÃO DE Eucalyptus sp CLONAL PARA FINS ENERGÉTICOS SAMUEL DE PÁDUA CHAVES E CARVALHO

UMA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO E DA PRODUÇÃO DE Eucalyptus sp CLONAL PARA FINS ENERGÉTICOS SAMUEL DE PÁDUA CHAVES E CARVALHO UMA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO E DA PRODUÇÃO DE Eucalyptus sp CLONAL PARA FINS ENERGÉTICOS SAMUEL DE PÁDUA CHAVES E CARVALHO 2010 1 SAMUEL DE PÁDUA CHAVES E CARVALHO UMA NOVA METODOLOGIA

Leia mais

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO PROF. RAMÓN SILVA Engenhara de Energa Dourados MS - 2013 CHAMAS DIFUSIVAS 2 INTRODUÇÃO Chamas de dfusão turbulentas tpo jato de gás são bastante comuns em aplcações ndustras. Há

Leia mais

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva Teora da Regressão Espacal Aplcada a Modelos Genércos Sérgo Alberto Pres da Slva ITENS DE RELACIONAMENTOS Tópcos Báscos da Regressão Espacal; Banco de Dados Geo-Referencados; Modelos Genércos Robustos;

Leia mais

Uso de sólidos geométricos para gerar equações de forma do tronco de árvores em pé

Uso de sólidos geométricos para gerar equações de forma do tronco de árvores em pé Sc e n t a For e s ta l s Uso de sóldos geométrcos para gerar equações de forma do tronco de árvores em pé Use of geometrc solds to generate equatons of the bole form of standng trees Valdr Carlos Lma

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p ISSN

Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p ISSN Cênca Florestal, Santa Mara, v., n., p.67-88 67 ISSN 3-9954 EXATIDÃO DOS MODELOS POLINOMIAIS NÃO-SEGMENTADOS E DAS RAZÕES ENTRE VOLUMES PARA REPRESENTAR O PERFIL DO TRONCO DE Pnus taeda ACCURACY OF NON-SEGMENTED

Leia mais

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II Unversdade Federal de Paraná Setor de Tecnologa Departamento de Engenhara Elétrca Estudo e Prevsão da Demanda de Energa Elétrca Parte II Prof: Clodomro Unshuay-Vla Etapas de um Modelo de Prevsão Objetvo

Leia mais

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER Renaldo Bomfm da Slvera 1 Julana Mara Duarte Mol 1 RESUMO Este trabalho propõe um método para avalar a qualdade das prevsões

Leia mais

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil Revsta Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Unversdade Federal de Vçosa Brasl Truglho, Paulo Fernando; Iwakr, Setsuo; Rocha Perera da, Márco; Matos Montero de, Jorge Lus; Saldanha Karman, Leopoldo Efetos

Leia mais

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECONOMETRIA (04-II) PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS Exercícos do Gujarat Exercíco 5 Capítulo Capítulo Exercíco 3 4 5 7 0 5 Capítulo 3 As duas prmeras demonstrações

Leia mais

Dependência Espacial de espécies nativas em fragmentos. florestais

Dependência Espacial de espécies nativas em fragmentos. florestais Dependênca Espacal de espéces natvas em fragmentos 1 Introdução florestas 1 Mestranda em Engenhara Florestal LEMAF/DCF UFLA. e-mal: cunhadase@yahoo.com.br 2 Mestrando em Engenhara Florestal LEMAF/DCF UFLA.

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Análse de Regressão método estatístco que utlza relação entre duas ou mas varáves de modo que uma varável pode ser estmada (ou predta) a partr da outra ou das outras Neter, J. et al. Appled Lnear Statstcal

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Análise de influência

Análise de influência Análse de nfluênca Dzemos que uma observação é nfluente caso ela altere, de forma substancal, alguma propredade do modelo ajustado (como as estmatvas dos parâmetros, seus erros padrões, valores ajustados...).

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA Pedro Luz Rocha Evandro Parente Junor pedroluzrr04@gmal.com evandroparentejr@gmal.com Laboratóro de Mecânca Computaconal e Vsualzação, Unversdade

Leia mais

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO W. R. G. SANTOS 1, H. G. ALVES 2, S. R. FARIAS NETO 3 e A. G. B. LIMA 4

Leia mais

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados Identdade dos parâmetros de modelos segmentados Dana Campos de Olvera Antono Polcarpo Souza Carnero Joel Augusto Munz Fabyano Fonseca e Slva 4 Introdução No Brasl, dentre os anmas de médo porte, os ovnos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Área Centfca Curso Matemátca Engenhara Electrotécnca º Semestre º 00/0 Fcha nº 9. Um artgo da revsta Wear (99) apresenta dados relatvos à vscosdade do óleo e ao desgaste do aço maco. A relação entre estas

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Representação e Descrição de Regiões

Representação e Descrição de Regiões Depos de uma magem ter sdo segmentada em regões é necessáro representar e descrever cada regão para posteror processamento A escolha da representação de uma regão envolve a escolha dos elementos que são

Leia mais

MODELOS DE AFILAMENTO PARA Pinus taeda L. AJUSTADOS SEGUNDO A FORMA DO TRONCO E MÉTODOS DE ESTRATIFICAÇÃO

MODELOS DE AFILAMENTO PARA Pinus taeda L. AJUSTADOS SEGUNDO A FORMA DO TRONCO E MÉTODOS DE ESTRATIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL MODELOS DE AFILAMENTO PARA Pnus taeda L AJUSTADOS SEGUNDO A FORMA DO TRONCO E MÉTODOS DE

Leia mais

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO I Congresso Baano de Engenhara Santára e Ambental - I COBESA NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO Marcos Vnícus Almeda Narcso (1)

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

Modelagem Matemática do Desenvolvimento da Soja

Modelagem Matemática do Desenvolvimento da Soja Modelagem Matemátca do Desenvolvmento da Soja Artur Gustavo Muller Embrapa Cerrados 73310-970, Planaltna, DF E-mal: agmuller@cpac.embrapa.br Jorge Luz Berto Unversdade Regonal do Noroeste do Estado do

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011 Instruções: PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 00/0 Cada uestão respondda corretamente vale (um) ponto. Cada uestão respondda ncorretamente vale - (menos um) ponto. Cada uestão

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Revsta Matz Onlne ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Valera Ap. Martns Ferrera Vvane Carla Fortulan Valéra Aparecda Martns. Mestre em Cêncas pela Unversdade de São Paulo- USP.

Leia mais

Adriana da Costa F. Chaves

Adriana da Costa F. Chaves Máquna de Vetor Suporte (SVM) para Regressão Adrana da Costa F. Chaves Conteúdo da apresentação Introdução Regressão Regressão Lnear Regressão não Lnear Conclusão 2 1 Introdução Sejam {(x,y )}, =1,...,,

Leia mais

Avaliação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estimar a área plantada com café na região sul de Minas Gerais

Avaliação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estimar a área plantada com café na região sul de Minas Gerais Avalação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estmar a área plantada com café na regão sul de Mnas Geras Marcos Adam Maurco Alves Morera Bernardo Fredrch Theodor Rudorff Insttuto Naconal de

Leia mais

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores.

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores. Estatístca Aplcada à Engenhara AULA 4 UNAMA - Unversdade da Amazôna.8 MEDIDA EPARATRIZE ão valores que separam o rol (os dados ordenados) em quatro (quarts), dez (decs) ou em cem (percents) partes guas.

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

IDENTIDADE DE MODELOS EM FUNÇÕES DE AFILAMENTO PARA Mimosa scabrella Bentham EM POVOAMENTOS NATIVOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR

IDENTIDADE DE MODELOS EM FUNÇÕES DE AFILAMENTO PARA Mimosa scabrella Bentham EM POVOAMENTOS NATIVOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR IDENTIDADE DE MODELOS EM FUNÇÕES DE AFILAMENTO PARA Mmosa scabrella Bentam EM POVOAMENTOS NATIVOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR Danel Queroz*, Sebastão do Amaral Macado**, Afonso Fgueredo Flo***,

Leia mais

Neotropical Entomology

Neotropical Entomology Neotropcal Entomology ISSN: 59-566X journal homepage: www.scelo.br/ne PEST MANAGEMENT Nível de Dano Econômco para Formgas-Cortaderas em Função do Índce de Produ vdade Florestal de Eucalptas em uma Regão

Leia mais

Eletroquímica 2017/3. Professores: Renato Camargo Matos Hélio Ferreira dos Santos.

Eletroquímica 2017/3. Professores: Renato Camargo Matos Hélio Ferreira dos Santos. Eletroquímca 2017/3 Professores: Renato Camargo Matos Hélo Ferrera dos Santos http://www.ufjf.br/nups/ Data Conteúdo 07/08 Estatístca aplcada à Químca Analítca Parte 2 14/08 Introdução à eletroquímca 21/08

Leia mais

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples Contalometra Aula 8 Regressão Lnear Smples Orgem hstórca do termo Regressão Le da Regressão Unversal de Galton 1885 Galton verfcou que, apesar da tendênca de que pas altos tvessem flhos altos e pas axos

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Aplicação de um modelo simulado na formação de fábricas

Aplicação de um modelo simulado na formação de fábricas Aplcação de um modelo smulado na formação de fábrcas Márca Gonçalves Pzaa (UFOP) pzaa@ldapalm.com.br Rubson Rocha (UFSC) rubsonrocha@eps.ufsc.br Resumo O objetvo deste estudo é determnar a necessdade de

Leia mais

Procedimento Recursivo do Método dos Elementos de Contorno Aplicado em Problemas de Poisson

Procedimento Recursivo do Método dos Elementos de Contorno Aplicado em Problemas de Poisson Trabalho apresentado no III CMAC - SE, Vtóra-ES, 015. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled Mathematcs Procedmento Recursvo do Método dos Elementos de Contorno Aplcado em Problemas

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Unversdade Federal de Lavras Brasl Rbero, Andressa; Ferraz Flho, Antono Carlos; Mello, José Márco de; Zéla Ferrera, Mara; Martns Lsboa, Prscla Mara; Soares Scolforo,

Leia mais

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens O problema da superdspersão na análse de dados de contagens 1 Uma das restrções mpostas pelas dstrbuções bnomal e Posson, aplcadas usualmente na análse de dados dscretos, é que o parâmetro de dspersão

Leia mais

Regressão Logística Aplicada aos Casos de Sífilis Congênita no Estado do Pará

Regressão Logística Aplicada aos Casos de Sífilis Congênita no Estado do Pará Regressão Logístca Aplcada aos Casos de Sífls Congênta no Estado do Pará Crstane Nazaré Pamplona de Souza 1 Vanessa Ferrera Montero 1 Adrlayne dos Res Araújo 2 Edson Marcos Leal Soares Ramos 2 1 Introdução

Leia mais

POR MEIO DO PROCESSO DE DIFUSÃO. Rozane de Loyola Eisfeld 1, Carlos Roberto Sanquetta 2, Julio Eduardo Arce 3, Anabel Aparecida Mello 4

POR MEIO DO PROCESSO DE DIFUSÃO. Rozane de Loyola Eisfeld 1, Carlos Roberto Sanquetta 2, Julio Eduardo Arce 3, Anabel Aparecida Mello 4 Modelagem MODELAGEM do crescmento e da DO produção CRESCIMENTO de Pnus taeda L... E DA PRODUÇÃO DE Pnus taeda L. 67 POR MEIO DO PROCESSO DE DIFUSÃO Rozane de Loyola Esfeld, Carlos Roberto Sanquetta, Julo

Leia mais

TENDENCIAS CLIMÁTICAS DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO ESTADO DO MARANHÃO

TENDENCIAS CLIMÁTICAS DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO ESTADO DO MARANHÃO TENDENCIAS CLIMÁTICAS DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO ESTADO DO MARANHÃO Danelson Jorge Delgado Neves 13, Jeane Rafaele Araúo Lma 1, Lncoln Elo de Araúo 2, Pedro Vera de Azevedo 1 1 UFCG DCA, Campna Grande

Leia mais

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial 5 Métodos de cálculo do lmte de retenção em função da ruína e do captal ncal Nesta dssertação serão utlzados dos métodos comparatvos de cálculo de lmte de retenção, onde ambos consderam a necessdade de

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Appled and Computatonal Mathematcs, Vol. 4, N., 06. Trabalho apresentado no DINCON, Natal - RN, 05. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Unversdade Federal de Lavras Brasl Fabo Camoles, José; Soares Scolforo, José Roberto; Olvera, Antono Donzette de; Acerb Júnor, Fausto Wemar; Rufn, Ana Luza; Mello,

Leia mais

ESTIMATIVAS DA OFERTA AGRÍCOLA AGREGADA PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

ESTIMATIVAS DA OFERTA AGRÍCOLA AGREGADA PARA O ESTADO DE SÃO PAULO ESTIMATIVAS DA OFERTA AGRÍCOLA AGREGADA PARA O ESTADO DE SÃO PAULO Cleyzer Adran Cunha Economsta, Msc e Doutorando em Economa Aplcada UFV Professor da PUC-MG, Famnas- BH, Faculdade Estáco de Sá-BH End:

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

ESTUDO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

ESTUDO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO ESTUDO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches (Bolssta UEMS), Adrana Betâna de Paula Molgora Unversdade Estadual de Mato Grosso do Sul Cdade Unverstára de Dourados, Caxa

Leia mais

Estudo comparativo entre redes neurais artificiais e análise de regressão múltipla na avaliação de bens, para pequenas amostragens

Estudo comparativo entre redes neurais artificiais e análise de regressão múltipla na avaliação de bens, para pequenas amostragens Estudo comparatvo entre redes neuras artfcas e análse de regressão múltpla na avalação de bens, para pequenas amostragens Elane Hasselmann Camardella Schavo (CEFET/RJ) elane@consultora-cca.com.br Márco

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

TEMPERATURA DO AR, RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA ASSOCIADA À SOMA CALÓRICA 1

TEMPERATURA DO AR, RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA ASSOCIADA À SOMA CALÓRICA 1 Caracterzação fenológca de mlho 377 TEMPERATURA DO AR, RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA ASSOCIADA À SOMA CALÓRICA 1 João Luz Gadol 2,4,5 ; Durval Dourado-Neto 3,6 *; Axel García

Leia mais

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO A. M. M. BESSA 1 ; F. M. R. MESQUITA 1 ; F. R. DO CARMO 1 ; H.B.DE SANT ANA 1 E R.S.DE SANTIAGO-AGUIAR 1 1 Unversdade Federal do

Leia mais

São Paulo - SP - Brasil

São Paulo - SP - Brasil XIX Semnáro Naconal de Dstrbução de Energa Elétrca SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasl Metodologa de Localzação de Defetos Utlzando Cálculo de Curto-Crcuto Consderando as Incertezas dos

Leia mais

Gabarito da Lista de Exercícios de Econometria I

Gabarito da Lista de Exercícios de Econometria I Gabarto da sta de Exercícos de Econometra I Professor: Rogéro lva Mattos Montor: eonardo enrque A. lva Questão Y X y x xy x ŷ ˆ ˆ y ŷ (Y - Y ) (X - X ) (Ŷ - Y ) 360 00-76 -00 35.00 40.000 36-4 30.976 3076

Leia mais

madeira serrada, que implicaria em um manejo para a produção de árvores com características desejáveis. No sul do país, principalmente na Região

madeira serrada, que implicaria em um manejo para a produção de árvores com características desejáveis. No sul do país, principalmente na Região INTRODUÇÃO A bracatnga Mmosa scabrella (Bentam) é uma árvore da Famíla Legumnosae e da subfamíla Mmosodeae, e sua área de ocorrênca natural stua-se nos locas de clmas mas fros do Brasl, sendo encontrada

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS Dnz, L.S. Santos, C.A.C. Lma, J.A. Unversdade Federal da Paraíba Laboratóro de Energa Solar LES/DTM/CT/UFPB 5859-9 - João Pessoa - PB, Brasl e-mal: cabral@les.ufpb.br

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO 1 Um modelo lnear generalzado é defndo pelos seguntes três componentes: Componente aleatóro; Componente sstemátco; Função de lgação; Componente aleatóro: Um conjunto

Leia mais

DESEMPENHO DOS MODELOS DE ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO POR SATÉLITE NO INVERNO/VERÃO NA AMÉRICA DO SUL

DESEMPENHO DOS MODELOS DE ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO POR SATÉLITE NO INVERNO/VERÃO NA AMÉRICA DO SUL DESEMPENHO DOS MODELOS DE ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO POR SATÉLITE NO INVERNO/VERÃO NA AMÉRICA DO SUL Wagner F. A. Lma 1, Eder P. Vendrasco 1 ; Danel Vla 1 1 Dvsão de Satéltes e Sstemas Ambentas (CPTEC/INPE)

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Prof. Cláudio Serra, Esp. 1. Produção de Leite x índice Pluviométrico y = 0.8x R 2 =

Prof. Cláudio Serra, Esp. 1. Produção de Leite x índice Pluviométrico y = 0.8x R 2 = Análse de Regressão Cap.. Introdução Análse de regressão é uma técnca de modelagem utlzada para analsar a relação entre uma varável dependente () e uma ou mas varáves ndependentes,, 3,..., n. O ojetvo

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Análise de Regressão Linear Múltipla VII

Análise de Regressão Linear Múltipla VII Análse de Regressão Lnear Múltpla VII Aula 1 Hej et al., 4 Seções 3. e 3.4 Hpótese Lnear Geral Seja y = + 1 x 1 + x +... + k x k +, = 1,,..., n. um modelo de regressão lnear múltpla, que pode ser escrto

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches 1 ; Adrana Betâna de Paula Molgora 1 Estudante do Curso de Cênca da Computação da UEMS, Undade Unverstára de Dourados;

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO PARA O PROCESSO DE REDISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO SOLO (1)

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO PARA O PROCESSO DE REDISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO SOLO (1) AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO PARA O PROCESSO... 203 AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO PARA O PROCESSO DE REDISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO SOLO () P. C. POLISELI (2) & C. L. PREVEDELLO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Resumo: Qualdade é hoje uma palavra chave para as organzações. Sob o símbolo da Qualdade abrgam-se flosofas, sstemas

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO SALDO RADIÔMETRO REBS Q-7.1 Antono Rbero da Cunha Depto de Recursos Naturas Setor de Cêncas Ambentas FCA/UNESP Botucatu, SP, Brasl. E-mal: arcunha@fca.unesp.br João Francsco

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

ANÁLISE DA CAPACIDADE COMBINATÓRIA EM BERINJELA (1)

ANÁLISE DA CAPACIDADE COMBINATÓRIA EM BERINJELA (1) ANÁLISE DA CAPACIDADE COMBINATÓRIA EM BERINJELA 7 ANÁLISE DA CAPACIDADE COMBINATÓRIA EM BERINJELA DERLY JOSÉ HENRIQUES DA SILVA (2), CYRO PAULINO DA COSTA (3), VICENTE WAGNER DIAS CASALI (2), LUÍZ ANTÔNIO

Leia mais

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES 4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES Para o Curso de Físca da Polução do Ar FAP346, º Semestre/006 Prof. Amérco Sansgolo Kerr Montora: Mara Emíla Rehder aver 4. INTRODUÇÃO No modelamento

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO AGRICOLA REGIONAL: UMA ABORDAGEM DA PROGRAMAÇÃO DE METAS 1

ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO AGRICOLA REGIONAL: UMA ABORDAGEM DA PROGRAMAÇÃO DE METAS 1 Antono José Medna dos Santos Baptsta, Wllam Romell Benevídes ISSN de Ávla, 1679-1614 João Eustáquo de Lma & Adrano Provezano Gomes ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO AGRICOLA REGIONAL: UMA ABORDAGEM DA

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

Análise de Variância. Comparação de duas ou mais médias

Análise de Variância. Comparação de duas ou mais médias Análse de Varânca Comparação de duas ou mas médas Análse de varânca com um fator Exemplo Um expermento fo realzado para se estudar dabetes gestaconal. Desejava-se avalar o comportamento da hemoglobna (HbA)

Leia mais

Escala do Algodão. Celso Jamil Marur & Onaur Ruano

Escala do Algodão. Celso Jamil Marur & Onaur Ruano Escala do Alodão Celso Jaml Marur & Onaur Ruano As espéces mas cultvadas, como mlo, soja e tro, possuem escalas de crescmento e desenvolvmento, conecdas como Escala de Hanway, de Fer e de Zadocks, respectvamente.

Leia mais

Desenvolvimento de software dedicado à gestão de estoques em indústrias de polpa de fruta

Desenvolvimento de software dedicado à gestão de estoques em indústrias de polpa de fruta SCIENTIA PLENA VOL. 9, NUM. 5 2013 www.scentaplena.org.br Desenvolvmento de software dedcado à gestão de estoques em ndústras de polpa de fruta Software development dedcated to nventory management n frut

Leia mais

Plano amostral em parcelas de milho para avaliação de atributos de espigas

Plano amostral em parcelas de milho para avaliação de atributos de espigas Cênca Rural, Santa Mara, Plano v.35, amostral n.6, p.157-16, em parcelas nov-dez, mlo 005 para avalação de atrbutos de espgas. ISSN 0103-8478 157 Plano amostral em parcelas de mlo para avalação de atrbutos

Leia mais

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas Gestão Avançada ada de Sstemas de Abastecmento de Água Avalação de Económca de Projectos e Cálculo de Tarfas Antóno Jorge Montero 26 de Mao de 2008 Aula 5-1 COCEITO DE PROJECTO Processo específco utlzado

Leia mais

Carlos Sérgio Araújo dos Santos José Antonio Aleixo da Silva Gauss Moutinho Cordeiro Joseilme Fernandes Gouveia Alisson de Oliveira Silva

Carlos Sérgio Araújo dos Santos José Antonio Aleixo da Silva Gauss Moutinho Cordeiro Joseilme Fernandes Gouveia Alisson de Oliveira Silva Modelos Smétrcos Transformados não lneares com aplcação na estmatva volumétrca em Híbrdo de Eucalyptus teretcorns no Pólo Gessero do Ararpe - PE Carlos Sérgo Araújo dos Santos José Antono Alexo da Slva

Leia mais