PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS LITERÁRIOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS LITERÁRIOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS,"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS LITERÁRIOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS, ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ESTUDOS LITERÁRIOS TÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º Este regulamento se aplica ao Programa de Pós-Graduação em Letras, Área de Concentração Estudos Literários, da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP câmpus de Araraquara e se destina a regulamentar, no que lhe compete, o Regimento Geral da Pós- Graduação da UNESP (RGPG). Art. 2º O Programa de Pós-Graduação em Letras, Área de Concentração Estudos Literários, compreende os cursos de Mestrado e Doutorado. TÍTULO II DO REGIME DIDÁTICO CAPÍTULO I DA SELEÇÃO E DA MATRÍCULA Art. 3º Serão admitidos como candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Letras, Área de Concentração Estudos Literários, nos termos dos arts. 14 e 15 do RGPG: I Os portadores de diploma de curso superior nas Áreas específicas de Letras, Lingüística, Estudos da Linguagem, Artes e nas Áreas afins de Ciências Sociais e Ciências Humanas.

2 Art. 4º Os candidatos deverão inscrever-se para seleção na época fixada pelo Calendário Escolar, apresentando a documentação prevista nos incisos e do art. 16 do RGPG. Art. 5º A seleção no curso de mestrado constará de prova escrita de avaliação de conhecimentos e de entrevista. 1 - As normas relativas à prova de avaliação de conhecimentos serão divulgadas com antecedência mínima de noventa dias. Art. 6º A seleção no curso de Doutorado constará de uma primeira entrevista com o orientador escolhido pelo candidato e, posteriormente, com banca designada pelo Conselho do Programa para efetivar-se a classificação dos candidatos. Parágrafo Único. O prazo para indicação do orientador e divulgação da classificação dos candidatos será fixado pelo Calendário Escolar. Art. 7º Por ocasião da entrevista, o candidato ao Mestrado e ao Doutorado deverá apresentar projeto de pesquisa vinculado à linha de pesquisa do orientador indicado. Art. 8º A matrícula no Programa e respectivas renovações de matrícula obedecerão aos prazos fixados no Calendário Escolar. 1 - A renovação da matrícula é semestral e obrigatória durante todo o tempo em que o aluno permanecer ligado ao Programa, mesmo após integralização dos créditos em disciplinas e em outras atividades, requerendo-se, para sua efetivação, o aval do orientador. 2 - A matrícula inicial será aceita e efetivada de acordo com o limite de vagas, respeitada a classificação e com anuência de um orientador, após a entrevista. 3º - O candidato aprovado em mais de um Programa ou Curso terá sua matrícula deferida num só Programa e em apenas um Curso, devendo optar por escrito.

3 Art. 9º Efetuada a matrícula inicial, admite-se mudança de orientador a qualquer momento, a pedido do orientador, e ou do orientando, ouvidos o novo orientador e o respectivo Conselho do Programa. Art. 10. A colaboração de um co-orientador poderá ser solicitada de acordo com as normas expostas no art. 13 do RGPG. CAPÍTULO II DO EXAME DE PROFICIÊNCIA Art. 11. Para o exame de proficiência a que se refere o inciso III do art. 10. do RGPG, em nível de mestrado, admitem-se os seguintes idiomas: inglês e francês e, em nível de doutorado, também o italiano e o alemão. Art. 12. A proficiência demonstrada para o Mestrado será válida para o Doutorado. A época e a modalidade dos exames serão estabelecidas anualmente pelo Conselho de Programa. Art. 13. O exame de proficiência será realizado antes da seleção e será eliminatório. 1 - O exame de proficiência em língua portuguesa, para alunos estrangeiros, deverá ser efetuado nas quatro habilidades - ouvir, falar, ler e escrever e ser realizado por uma comissão de dois especialistas indicados pelo Conselho do Programa. A época do exame será estabelecida anualmente pelo Conselho do Programa. 2 - Os alunos estrangeiros deverão submeter-se a exame de uma língua estrangeira para o mestrado e duas línguas estrangeiras para o doutorado, diferentes de sua língua materna e constantes no elenco de línguas do programa.

4 3 - Os exames de Proficiência em Língua Estrangeira realizados por Instituições credenciadas junto ao MEC poderão ser aceitos pelo Programa, desde que dentro do Prazo de validade destes exames e a critério do Conselho do Programa. CAPÍTULO III DA INSCRIÇÃO DE ALUNO ESPECIAL EM DISCIPLINAS Art. 14. Desde que se atenda às condições previstas no art. 15 do RGPG, poderá ser aceita a inscrição de aluno especial, no máximo em duas disciplinas, após aprovação do Conselho de Programa, ouvidos os docentes responsáveis pelas disciplinas. 1 - o número de vagas para alunos especiais nas disciplinas do Programa não poderá exceder a vinte por cento do número de matrículas para alunos regulares matriculados nas disciplinas. 2 - para ser admitido como aluno regular, o aluno que cursou disciplinas como especial deverá ser aprovado no processo de seleção, conforme disposto nos art. 3, 4 e 5. CAPÍTULO IV DOS CRÉDITOS Art. 15. Do total de noventa e seis créditos exigidos para o Mestrado nos termos do art. 6 do RGPG, vinte e oito créditos se referem a atividades programadas e sessenta e oito à elaboração, conclusão e defesa da dissertação de Mestrado. I - Os créditos obtidos em atividades programadas serão assim distribuídos: a vinte e quatro unidades de crédito, obtidas em disciplinas, sendo dezesseis, no mínimo, da área de concentração;

5 b quatro créditos obtidos em outras atividades como colóquios, simpósios e ciclos de conferências organizados oficialmente pelo Conselho do Programa respectivo, publicações em revistas especializada e participações em eventos científicos, com comunicações, respeitado o disposto no art. 5 do RGPG, sendo que cinqüenta por cento desses créditos podem ser obtidos em atividades realizadas fora da Unidade. Art. 16. O prazo máximo para a conclusão do Mestrado, compreendendo a apresentação da Dissertação, é de dois anos, contado a partir do ingresso do aluno no Programa. Art. 17. O prazo máximo para integralização dos créditos em atividades programadas exigidos para o Mestrado é de dois semestres, contado a partir do ingresso do aluno no Programa. Art. 18. Do total de cento e noventa e dois créditos exigidos para o Doutorado, nos termos do art. 6 do RGPG, sessenta e dois se referem a atividades programadas e cento e trinta à elaboração, conclusão e defesa de tese. I - Os créditos obtidos em atividades programadas serão assim distribuídos: a cinqüenta e duas unidades de créditos obtidas em disciplinas, sendo trinta e seis, no mínimo, da área de concentração; b dez unidades de créditos obtidas em outras atividades, como colóquios, simpósios e ciclos de conferências organizados oficialmente pelo Conselho de Programa, respeitado o disposto no Artigo 5 do RGPG, sendo que cinqüenta por cento desses créditos podem ser obtidos em atividades realizadas fora da unidade. Parágrafo Único. Os alunos que se beneficiarem dos art. 7º e 8º do RGPG deverão completar os créditos necessários à conclusão do curso de doutorado conforme descriminados no caput do art. 18 e seu inciso. Art. 19. Os portadores de títulos de Mestre obtidos na UNESP, USP e UNICAMP, em curso de mesma nomenclatura ou área afim, terão aproveitado automaticamente o número de

6 créditos em disciplina igual ao exigido para o Curso de Mestrado deste Programa, ou seja vinte e quatro créditos. Parágrafo Único. A diferença de créditos necessários à conclusão do doutorado deverá ser completada em disciplinas vinculadas ao Programa de Pós-Graduação em Letras, Área de Concentração Estudos Literários. Art. 20. Dos créditos relativos a disciplinas obtidos pelos portadores de títulos de Mestre em Programa da mesma natureza do Curso, reconhecido pelo MEC, poderão ser aproveitados até cinqüenta por cento dos créditos exigidos para o Curso de Mestrado do Programa, ou seja vinte e quatro créditos. Art. 21. O prazo máximo para a conclusão do Doutorado, compreendendo a apresentação da tese, é de quatro anos, contado a partir da data de ingresso do aluno no Programa. Parágrafo Único. Para os alunos que tiverem obtido aproveitamento de, no mínimo, cinqüenta por cento a que se refere os arts. 19 e 20 dos créditos do Mestrado, o prazo máximo de conclusão do curso para o Doutorado, incluindo apresentação da tese, é de três anos, contado a partir da data de ingresso do aluno no Programa. Art. 22. O prazo máximo para integralização dos créditos em atividades programadas exigidos para o Doutorado é de quatro semestres, contado a partir da data de ingresso do aluno no Programa. Parágrafo Único. Para os alunos do Doutorado que tiverem obtido aproveitamento de, no mínimo, cinqüenta por cento a que se refere os arts. 19 e 20 dos créditos do Mestrado, o prazo máximo será reduzido para dois semestres, contado a partir da data de ingresso do aluno no Programa. Art. 23. Fica estabelecido o limite de cinqüenta por cento do total exigido para Mestrado e para Doutorado, para o aproveitamento de créditos obtidos como aluno regular em disciplinas e outras atividades cursadas e desenvolvidas, no mesmo nível, em outros programas de Pós-Graduação da UNESP e de outras Instituições.

7 Parágrafo Único. A diferença de créditos necessários à conclusão do Mestrado e do Doutorado deverá ser completada em atividades programadas vinculadas ao Programa de Pós-Graduação em Letras, Área de Concentração Estudos Literários. Art. 24. Os créditos obtidos na condição de aluno especial no mesmo programa ou em Programa da mesma natureza poderão ser computados até o máximo de um terço do total exigido para créditos em disciplinas, por solicitação do interessado, ouvidos o Orientador e o Conselho do Programa. CAPÍTULO V DO CANCELAMENTO DA MATRÍCULA EM DISCIPLINAS Art. 25. O aluno poderá pedir cancelamento da matrícula em disciplina até ser cumprido um terço da duração da disciplina. CAPÍTULO VI DO DESLIGAMENTO DO PROGRAMA Art. 26. Será desligado do Programa o aluno que não cumprir os prazos máximos estipulados pelo Regulamento para integralização de créditos, exame de proficiência, exame geral de qualificação e conclusão de dissertação de Mestrado e tese de Doutorado. CAPÍTULO VII DO EXAME GERAL DE QUALIFICAÇÃO Art. 27. A solicitação do Exame Geral de Qualificação feita pelo orientador, nos termos do inciso IV do art. 12 do RGPG deverá ser acompanhada de quadro das disciplinas cursadas, das atividades realizadas e dos resultados da pesquisa em desenvolvimento.

8 Parágrafo Único. O prazo para solicitação será de, no máximo, seis meses para o Mestrado e um ano para o Doutorado após a integralização dos créditos. Art. 28. O exame a que se refere o artigo anterior constará de argüição oral perante Banca de três membros com título mínimo de Doutor, da qual o orientador é membro nato. Parágrafo Único. Na argüição, o candidato será avaliado sobre as atividades desenvolvidas no Curso e sobre os resultados da pesquisa em desenvolvimento, apresentados juntamente com o quadro das disciplinas cursadas. CAPÍTULO IX DA OBTENÇÃO DE TÍTULOS Art. 29. O título de Mestre será obtido por defesa de Dissertação de Mestrado, resultado do trabalho de pesquisa, empreendido pelo aluno, baseado em investigação original, capaz de representar contribuição significativa para o conhecimento do tema tratado. Art. 30. O título de Doutor será obtido por defesa de Tese de Doutorado. Art. 31. Respeitando os prazos estipulados no caput do art. 16 e 21 deste Regulamento, o aluno deverá depositar, respectivamente, sete exemplares da Dissertação de Mestrado e dez exemplares da Tese de Doutorado, junto à Seção de Comunicações da Unidade Universitária. Art. 32. Se a Banca de Especialistas que avaliar a Dissertação ou Tese determinar alterações significativas no trabalho, o aluno terá o prazo máximo de trinta dias para depositar na Seção de Comunicações da Unidade Universitária a versão definitiva da pesquisa. TÍTULO III

9 DO CORPO DOCENTE CAPÍTULO I DO CREDENCIAMENTO Art. 30. Para credenciamento de disciplina, deve haver integração da mesma a pelo menos uma das linhas de pesquisa do Programa. 1 - os objetivos da disciplina devem estar coerentes com a linha(s) de pesquisa(s) do(s) responsável(eis); 2 - deve haver coerência entre o conteúdo e os objetivos da disciplina; e 3 - deve haver atualidade e pertinência na bibliografia indicada. Art. 31. Para credenciamento no Curso de Mestrado, os docentes e orientadores devem comprovar experiência em orientação em pesquisa iniciação científica, estágio, monografia ou similar e terem publicado, nos últimos dois anos, pelo menos um artigo em periódico ou livro especializado. Art. 32. Para credenciamento no Curso de Doutorado, os docentes e orientadores devem ter pelo menos uma dissertação de Mestrado concluída sob sua orientação. CAPÍTULO II DO DESCREDENCIAMENTO

10 Art. 33. O descredenciamento ocorrerá quando não forem cumpridas as exigências expressas no 4 do art. 11 do RGPG. CAPÍTULO III DA ORIENTAÇÃO Art. 34. Nos termos do 6º do art. 11 do RGPG, o número de orientandos por orientador não poderá exceder a seis. TÍTULO IV do Conselho do programa A rt. 35. A escolha dos componentes do Conselho do Programa realizar-se-á de acordo com o art. 30 do RGPG. Art. 36. O Coordenador e o Vice-Coordenador serão eleitos por todos os docentes do Conselho do Programa em regime de votação secreta e por maioria simples, nos termos do art. 28 do RGPG. Parágrafo Único. Os candidatos deverão inscrever-se até sete dias antes da realização da eleição. TÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

11 Art. 1º. As normas estabelecidas neste Regulamento aplicam-se aos alunos ingressantes no Programa de Pós-Graduação em Letras, Área de Concentração Estudos Literários, a partir de janeiro de 2001.

Artigo 2º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

Artigo 2º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. RESOLUÇÃO UNESP Nº 45, DE 23 DE MARÇO DE 2012. Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Educação, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, do Instituto de Biociências do Câmpus de Rio Claro.

Leia mais

Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012

Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012 Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Ciências Odontológicas- Áreas de Odontopediatria, Ortodontia e Dentística Restauradora, Cursos de Mestrado Acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP Seção de Pós-Graduação 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU REGULAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FCA/UNESP

REGULAMENTO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FCA/UNESP REGULAMENTO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FCA/UNESP Estabelecido pela Resolução UNESP n. 21, de 15-4-2013 (Publicado no DOE de 16/04/2013, Seção I, Pág. 39 e 40) Alterada pela Resolução UNESP

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA. Resolução UNESP-17, de

REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA. Resolução UNESP-17, de REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA Resolução UNESP-17, de 10-2-2012 (Publicado no DOE de 24/03/2012, Seção I, Página 39) Botucatu SP 2012 Resolução UNESP-17, de 10-2-2012 Aprova

Leia mais

MARILZA VIEIRA CUNHA RUDGE Vice-Reitora no exercício da Reitoria

MARILZA VIEIRA CUNHA RUDGE Vice-Reitora no exercício da Reitoria RESOLUÇÃO UNESP Nº 35, DE 11 DE ABRIL DE 2014 Publicada no D.O.E. de 12.04.14, Seção I, pág. 70 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo, Curso de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

Regulamento. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral

Regulamento. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Regulamento Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica (Geronbio), vinculado ao Instituto

Leia mais

Pneumologia - Normas Específicas

Pneumologia - Normas Específicas Pneumologia - Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em Pneumologia será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente,

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) deverá ser composta por quatro membros

Leia mais

TITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

TITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E DO DESENVOLVIMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MESTRADO E DOUTORADO TITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO

PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO Resolução UNESP nº 32 de 24/05/2013 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Instituto de Psicologia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Instituto de Psicologia UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Psicologia NORMAS DO PROGRAMA PSICOLOGIA SOCIAL I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) de Psicologia Social

Leia mais

Normas do Programa Interunidades Nutrição Humana Aplicada PRONUT/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA

Normas do Programa Interunidades Nutrição Humana Aplicada PRONUT/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA Normas do Programa Interunidades Nutrição Humana Aplicada PRONUT/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA Por se tratar de programa único, a Comissão Coordenadora de Programa (CCP) do será

Leia mais

Dermatologia Normas Específicas

Dermatologia Normas Específicas Dermatologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em DERMATOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu suplente,

Leia mais

Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Seção de Pós-Graduação

Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Seção de Pós-Graduação NORMAS DO PROGRAMA ENGENHARIA DE ALIMENTOS I- COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) 1. A CCP do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia de Alimentos terá seis (6) membros, assim

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROJETOS EDUCACIONAIS DE CIÊNCIAS - PPGPE I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP- PPGPE) A Comissão Coordenadora

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1 o O Curso de pós graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de História. Parágrafo único As Atividades Complementares

Leia mais

I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Alunos Matriculados até dezembro de 2013 I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

CIÊNCIAS EM GASTROENTEROLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS

CIÊNCIAS EM GASTROENTEROLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS CIÊNCIAS EM GASTROENTEROLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-Graduação em Ciências em Gastroenterologia será constituída pelo Coordenador

Leia mais

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu.

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Av. Ville Roy, 5315 Bairro São Pedro 69.301-001 - Boa Vista/RR Fone (095)621-3108 Fax (095)621-3101 Resolução

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC.

NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC. NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC. O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física MNPEF, é um mestrado profissional em rede, coordenado

Leia mais

NORMAS E REGULAMENTOS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC-USP

NORMAS E REGULAMENTOS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC-USP NORMAS E REGULAMENTOS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC-USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP-Prod) A Comissão Coordenadora

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO CEPE 23/10/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Curso de Mestrado

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO I - Composição da CCP Por se tratar de programa único a CCP é a

Leia mais

ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS

ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA será constituída pelo Coordenador do

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema-Departamento de Ciências Biológicas

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema-Departamento de Ciências Biológicas Regulamento das Atividades Acadêmico-Científico e Culturais Normatização Regulamenta as atividades acadêmico-científicoculturais do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas, UNIFESP, Diadema. Art. 1º.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TGI TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO SÃO PAULO JUNHO DE 2007 CAPÍTULO 1 DA CONCEITUAÇÃO Art. 1º - O Trabalho de Graduação Interdisciplinar (TGI), atividade obrigatória

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ N O 02/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFRJ

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ N O 02/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ N O 02/2016 PROCESSO

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL CAMPUS V

NORMAS COMPLEMENTARES AO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL CAMPUS V Universidade do Estado da Bahia UNEB Reconhecida pela portaria ministerial n º 909 de 31 07 95 Departamento de Ciências Humanas/Campus V Santo Antonio de Jesus Programa de Pós-Graduação em História Regional

Leia mais

Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná. Título I Objetivos

Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná. Título I Objetivos Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná Título I Objetivos Art 1º. O Programa de Pós-Graduação em Psicologia, em nível de Mestrado, visa

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES) do INPE, com áreas de concentração em (i) Ciência do

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS EM INGLÊS

NORMAS DO PROGRAMA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS EM INGLÊS 1 NORMAS DO PROGRAMA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS EM INGLÊS I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa de Pós-Graduação em Estudos Lingüísticos e Literários em Inglês conta

Leia mais

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Artigo 1º - O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento das horas destinadas

Leia mais

ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR)

ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR) ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR) REGIMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - SEMESTRAL DA FACULDADE DE APUCARANA-FAP

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

Programa de Mestrado em Direito EDITAL Nº 07/2015-MDIR

Programa de Mestrado em Direito EDITAL Nº 07/2015-MDIR Programa de Mestrado em Direito EDITAL Nº 07/2015-MDIR Estabelece o número de vagas e os procedimentos para admissão de Alunos Especiais (não regulares) no Programa de Mestrado em Direito Área de Concentração:

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS Aprovado pela Congregação em 01/03/2011 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento normatiza o cumprimento

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL Portaria Famerp 002, de 05-01-2015 O Diretor Geral em Exercício da Faculdade de

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURRÍCULO DO CURSO DE DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURRÍCULO DO CURSO DE DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURRÍCULO DO CURSO DE DOUTORADO Área de Concentração: DIREITO POLÍTICA E SOCIEDADE DISCIPLINAS ELETIVAS DISCIPLINAS ELETIVAS EM NÍVEL DE MESTRADO Código Disciplina

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós Graduação. Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós Graduação. Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (PPGEE) A CCP é constituída por 6 (seis) membros docentes e seus respectivos suplentes,

Leia mais

I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES (CCP-ET)

I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES (CCP-ET) PROPOSTAS DE NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Normas e Critérios para Concessão de Bolsas por quota - CAPES e CNPq 2014/2015 (* Alterações aprovadas em reunião do Conselho do Programa realizada no dia 22 de agosto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 2016 Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR (AAC) para os cursos de Letras da UNESPAR / APUCARANA

REGULAMENTO DE ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR (AAC) para os cursos de Letras da UNESPAR / APUCARANA REGULAMENTO DE ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR (AAC) para os cursos de Letras da UNESPAR / APUCARANA Do Objetivo das Atividades Acadêmicas Complementares Art. 1º O objetivo das Atividades Acadêmicas Complementares

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO IA/UNESP

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO IA/UNESP Ao Conselho do Programa de Pós-graduação: O aluno: Devidamente matrículado no programa de Pós-Graduação: ÁREA: CURSO: Artes Mestrado Música Doutorado Linha de Pesquisa: Completou os créditos em disciplinas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO Campus I Joinville 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 3 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA...

Leia mais

Regimento Interno do. Programa de Pós-Graduação em Lingüística

Regimento Interno do. Programa de Pós-Graduação em Lingüística 1 Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Lingüística TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 o. O Programa de Pós-Graduação em Lingüística (PPGL) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) abrange

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química EDITAL 2016/03: PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES DE MESTRADO E DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA ABRIL A JUNHO 2016 A Comissão Coordenadora do da Escola Politécnica

Leia mais

Manual do Estágio Supervisionado

Manual do Estágio Supervisionado IBB Ano 2015 1. APRESENTAÇÃO: A partir do 1º Semestre Letivo de 2016, os alunos em fase de conclusão do Curso de (Currículo 2013) deverão realizar o Estágio Curricular Supervisionado. O presente manual

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA O Doutorado em Engenharia Química exige, além do atendimento das condições dispostas na Regulamentação dos Cursos

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Engenharia de Transportes da Escola Politécnica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016 Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística

Leia mais

O edital obedecerá aos critérios do Regimento Interno da FACPP: CAPÍTULO II (Art Art. 90). Ver documento a seguir:

O edital obedecerá aos critérios do Regimento Interno da FACPP: CAPÍTULO II (Art Art. 90). Ver documento a seguir: O edital obedecerá aos critérios do Regimento Interno da FACPP: CAPÍTULO II (Art. 79 - Art. 90). Ver documento a seguir: 1 FORMAS DE ACESSO AOS CURSOS - DO PROCESSO SELETIVO A MATRÍCULA DE ACORDO COM O

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO OBJETIVO Art. 1.º Os cursos de pós-graduação lato sensu do SENAI de São Paulo, obedecem o que dispõe a Resolução CNE/CES

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEPB N O 01/2016

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEPB N O 01/2016 Universidade Estadual da Paraíba Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - Polo Campina Grande EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEPB N O 01/2016 PROCESSO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oncologia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oncologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oncologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

REGIMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGIMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU REGIMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU Bom Jesus do Itabapoana - RJ 2017 Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização) da FAMESC

Leia mais

IV REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA FDV.

IV REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA FDV. IV REGULAMENTO DAS DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA FDV. Estabelece normas para o funcionamento das Atividades Complementares do sistema seriado do curso de Direito. Alterado pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 04/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 04/2015 ANO XLV N. 078 26/05/2015 SEÇÃO II PÁG. 028 RESOLUÇÃO TGT Nº 04/2015 Niterói, 06 de maio de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 06/05/2015,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº. 025/08

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº. 025/08 DELIBERAÇÃO Nº. 025/08 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em Endodontia. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o parágrafo único do artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA EDITAL DE SELEÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA EDITAL DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA EDITAL DE SELEÇÃO A Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco torna público

Leia mais

ANEXO III - REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ACADÊMICAS AAC. Título I Das Condições Gerais

ANEXO III - REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ACADÊMICAS AAC. Título I Das Condições Gerais ANEXO III - REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ACADÊMICAS AAC Título I Das Condições Gerais Capítulo I Do Objetivo das Atividades Complementares Art. 1 As atividades complementares têm por objetivo

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFGD N O 01/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFGD

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFGD N O 01/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFGD EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFGD N O 01/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UFGD 1. PREÂMBULO 1.1. A Comissão Coordenadora do Polo UFGD

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar os alunos referente aos objetivos, critérios, procedimentos e mecanismos de

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 36 UFAL

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 36 UFAL Universidade Federal de Alagoas Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 36 UFAL EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFAL N O 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 316/2015

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 316/2015 Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF) EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 316/2015 PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - UFLA

Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - UFLA Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - UFLA EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFLA N O 01/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEM Nº 2/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UEM

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEM Nº 2/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO UEM Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação do Mestrado Nacional em Ensino de Física-Polo UEM EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEM Nº 2/2016 PROCESSO

Leia mais

O processo seletivo será conduzido por uma Comissão Avaliadora constituída por membros docentes do mestrado em Engenharia Ambiental.

O processo seletivo será conduzido por uma Comissão Avaliadora constituída por membros docentes do mestrado em Engenharia Ambiental. EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES NO MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO SEGUNDO SEMESTRE DE 2008 I - FINALIDADE O presente edital tem por

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-URCA N O2/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 31

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-URCA N O2/2016 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 31 Universidade Regional do Cariri URCA Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Física - DF Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 31 EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-URCA N O2/2016 PROCESSO

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO. Título I Do Núcleo de Monografia

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO. Título I Do Núcleo de Monografia REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO Este regulamento destina-se a normatizar as atividades relacionadas com o Projeto de Monografia e a Monografia de Conclusão do Curso de Graduação em

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF)

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF) Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus UFRJ-Macaé professor Aloísio Teixeira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEF) EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFRJ_MACAÉ N O 342/2016 PROCESSO SELETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO P ROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO REGULAMENTO Aprovado pelo Colegiado do curso em 08/03/2012 Homologado pelo Conselho de Pós-Graduação

Leia mais

PROFESSOR TITULAR ESTATUTO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DE

PROFESSOR TITULAR ESTATUTO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DE PROFESSOR TITULAR ESTATUTO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DE 07.10.1988 ARTIGO 80 O provimento do cargo de Professor Titular será feito mediante concurso público ou mediante transferência de Professor Titular

Leia mais

Resolução 028/99 - CONSEPE

Resolução 028/99 - CONSEPE Resolução 028/99 - CONSEPE Aprova Regulamentação para a admissão de Professores Colaboradores para atuação no Programa Magister. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE da Fundação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 023 /97 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em Ciência da Computação e Informática, que passa a denominar-se Curso de Especialização

Leia mais

Resolução Nº /2010, DE DE DE 2010.

Resolução Nº /2010, DE DE DE 2010. Resolução Nº /2010, DE DE DE 2010. Regulamenta os processos de efetivação, renovação, trancamento, cancelamento da matrícula e reingresso, para alunos dos cursos técnicos de nível médio e cursos superiores,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO EDITAL 2012

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO EDITAL 2012 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO EDITAL 2012 O da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura das inscrições para a seleção ao Programa de

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS PPGCTA RESOLUÇÃO Nº 01/2016 PPGCTA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS PPGCTA RESOLUÇÃO Nº 01/2016 PPGCTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS PPGCTA RESOLUÇÃO Nº 01/2016 PPGCTA Estabelece o regime didático para o Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEPG N O 01/2016

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UEPG N O 01/2016 Universidade Estadual de Ponta Grossa Setor de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física POLO 35 do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA DE BIOMAS TROPICAIS

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA DE BIOMAS TROPICAIS REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA DE BIOMAS TROPICAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS, UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ensino de Física

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ensino de Física Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ensino de Física PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 10 (dez) orientadores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 02/2014, DO COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS LINGUÍSTICOS CURSOS DE MESTRADO E DE DOUTORADO EM ESTUDOS LINGUÍSTICOS Regulamenta o processo de credenciamento, recredenciamento

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-URCA N O 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 31

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-URCA N O 01/2015 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA POLO 31 Universidade Regional do Cariri - URCA Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física - Polo 31 EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-URCA N O 01/2015 PROCESSO

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior.

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior. i.e PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DA MONITORIA Art. 1º. O presente regulamento estabelece as regras para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu UNIG, por meio de programas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 032/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 032/07 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO QUE NORMATIZA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI

Leia mais

Resolução nº 002/2015

Resolução nº 002/2015 Resolução nº 002/2015 Dispõe sobre o processo de composição das bancas de qualificação e defesa final da dissertação de Mestrado e dá outras providências. Considerando a necessidade de aprimorar o Programa

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS ESPECÍFICAS DA CPG DA EPUSP Aprovada pela Câmara de Normas e Recurso em Sessão de 09.08.2006 ÍNDICE I TAXAS II CRITÉRIOS DE SELEÇÃO III PRAZOS IV CRÉDITOS MÍNIMOS EXIGIDOS V LÍNGUA ESTRANGEIRA VI

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Aprovado em CEPE e CAS Processo 007/2016 Parecer 007/2016 de 10/03/2016. REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES O presente Regulamento dispõe

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 Abertura do Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade das Américas Artigo 1 o A Diretoria

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

REGULAMENTO DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A melhor Escola de Negócios do Centro-Oeste Informações: 0800 62 1080 www.alfa.br/posgraduacao 2016 REGULAMENTO DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Artigo 1º - O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento das horas

Leia mais