PEA 2401 LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEA 2401 LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I"

Transcrição

1 PEA 2401 LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA A disciplina tem por objetivo apresentar as bases teóricas e as aplicações dos principais dispositivos, materiais e equipamentos utilizados em instalações elétricas. No final do curso, será desenvolvido um projeto de uma instalação predial de uso residencial. 2 PROFESSORES E SALAS Turma Horário Sala Professor 01 e 02 3as-feiras 7:30 às 11:00 A1-22 Renato Machado Monaro 03 Milana Lima dos Santos 5as-feiras 7:30 às 11:00 A Giovanni Manassero Jr 3 CONTATO Questões e comentários sobre as disciplinas de Eletrotécnica Geral do PEA poderão ser endereçadas à Coordenação da EG: Prof. Hernan Prieto Schmidt Tel.:

2 4 PROGRAMAÇÃO DO CURSO LAB 1 LAB 2 LAB 3 LAB 4 LAB 5 Visão e Iluminação - Fontes Luminosas (LUMLAM): Conceitos básicos: a natureza da luz, o olho humano e as características da visão; análise das principais grandezas fotométricas e suas relações: fluxo luminoso, intensidade luminosa, iluminância; utilização de equipamento para a medição de grandezas fotométricas e verificação de suas relações, levantamento de curvas fotométricas de lâmpadas com análise da influência das luminárias. Apresentação das aplicações, características construtivas e princípio de funcionamento dos principais tipos de lâmpadas: incandescentes, fluorescentes, vapor de mercúrio, mistas, vapor de sódio; características operativas, dispositivos auxiliares de partida e estabilização: starters, reatores; comparação entre os vários tipos de lâmpadas: consumo, eficiência, vida útil, custos. Condutores e Dispositivos de Proteção (CDP_EA): Apresentação das principais características elétricas, térmicas e construtivas dos fios e cabos de baixa tensão (até 1000 V) utilizados nas instalações elétricas prediais; determinação da corrente admissível em função do modo de instalação, temperatura ambiente, agrupamento de condutores; cálculo de queda de tensão. Características construtivas e de operação de dispositivos de proteção de baixa tensão: disjuntores e fusíveis; curvas de atuação tempo-corrente; proteção da carga e dos condutores; noções de seletividade. Dispositivos de Comando (COM_EA): Apresentação das funções e lógicas de atuação dos dispositivos de comando e dispositivos auxiliares em baixa tensão: contatores, relés térmicos, temporizadores, botoeiras, etc; simbologia, representação dos circuitos de comando e de força por diagramas unifilares; montagem de circuitos de comando e de força para acionamento de cargas: carga resistiva, chave estrela-triângulo para partida de motores. Circuitos Trifásicos e Medição de Potência (3F_EA): Sistemas trifásicos sem desequilíbrios: os modos de fornecimento e de ligação de cargas trifásicas equilibradas, ligações em estrela ou em triângulo. Resolução de circuitos trifásicos simétricos com cargas desequilibradas. Conceitos de potência ativa, reativa e aparente; medição de potência ativa; determinação e correção do fator de potência das instalações. Projeto I: Introdução ao Projeto de Instalações Prediais (PRJ1): Conceitos Básicos: elementos constituintes das instalações: entrada, dispositivos de seccionamento e proteção, quadro de distribuição, circuitos parciais; tipos de instalações e materiais utilizados: eletrodutos, caixas, condutores, interruptores, tomadas, etc; simbologia, instalação 2

3 física, diagrama unifilar; comandos de pontos de luz: comando simples, de vários pontos, paralelo. Metodologia de Cálculo: composição de um projeto, etapas do projeto: locação dos pontos de carga, traçado e diagrama unifilar, dimensionamento dos circuitos parciais e dos alimentadores por critérios de corrente admissível e queda de tensão, dimensionamento de eletrodutos; seleção dos dispositivos de proteção. LAB 6 Projeto II: Desenvolvimento de Projeto (PRJ2): Confecção de um projeto de uma instalação predial (apartamento típico de um prédio residencial), com a utilização de um software de instalações elétricas. 3

4 PEA º Semestre 2015 CONTEÚDO 3ª feira 7:30 às 11:00 5ª feira 7:30 às 11:00 T01 T02 T03 T04 Lab 01 - LUMLAM - Visão, iluminação e fontes luminosas Lab 02 - CDP_EA - Condutores e Dispositivos de Proteção Lab 03 - COM_EA - Automação / Dispositivos de Comando 24/02 03/03 26/02 05/03 10/03 17/03 12/03 19/03 24/03 07/04 26/03 09/04 PROVA P1-8:00 às 10:00 14/04 16/04 Lab 04-3F_EA - Circuitos Trifásicos 28/04 05/05 23/04 30/04 Lab 05 - PRJ1 - Introdução ao Projeto de Instalações Prediais 12/05 19/05 07/05 14/05 Lab 06 - PRJ2 - Desenvolvimento de Projeto 26/05 02/06 21/05 28/05 PROVA P2-8:00 às 10:00 09/06 11/06 4

5 5 CRITÉRIO DE APROVAÇÃO A média final será calculada pela expressão: M P P ,9 0,1 MR, em que: P 1 e P 2 : primeira e segunda provas; M R : média das 5 melhores notas dos relatórios. As provas serão realizadas sem consulta. A prova substitutiva só poderá ser feita após aprovação, pela CoC / PEA, de requerimento específico para este fim (o formulário de requerimento deverá ser obtido na Secretaria do PEA). 6 BIBLIOGRAFIA - Apostilas de Eletrotécnica Geral EPUSP - NB5410 Instalações Elétricas de baixa Tensão; Procedimento. Norma ABNT - Manuais e Catálogos de Fabricantes 7 MOODLE DA DISCIPLINA 5

ENE082: Intalações Elétricas

ENE082: Intalações Elétricas UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE082: Intalações Elétricas (Turma A) Aula 01: Informações Gerais P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil.

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Eletricidade Professor(es) Teoria: Paulo Guerra Junior Laboratório: José Gomes e Francisco Sukys Carga horária 4 Código da

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: HIGIENÓPOLIS SÃO PAULO Curso: ENGENHARIA ELETRÔNICA E ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Eletricidade I Núcleo Temático: Professor(es): Paulo Guerra Junior DRT: Etapa: 3ª Carga horária:

Leia mais

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada Capítulo 1 - Conceitos Básicos de Eletricidade para Aplicação em Instalações Elétricas 1.1. Tipos e Formas de Distribuição de Energia 1.1.1. Energia 1.2. Geração de Energia Elétrica 1.2.1. Barragem 1.2.2.

Leia mais

DLB IERP ELETRICA

DLB IERP ELETRICA ELETRICA ELETROMECÂNICA DDLB IERRP SISTEMA DIDÁTICO PARA TREINAMENTO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDÊNCIAIS, PREDIAIS E INDUSTRIAIS Sistema didático para estudos e práticas em instalações elétricas residenciais,

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de proteção que alimentam os circuitos terminais, pode-se dizer

Leia mais

Apostila de Instalações Elétricas

Apostila de Instalações Elétricas 6.10.9 - Mista: combina uma incandescente e um tubo de descarga com alta pressão. Funciona em tensão de 220 V, sem reator. Emite cerca de 30 lumen/w. Possui vida útil de cerca de 6.000h. É uma alternativa

Leia mais

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 -

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos 1 COMANDOS INDUSTRIAIS Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Simulado 1 (S1) QUESTÕES DE CONCURSOS / ENADE * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01 REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA LUMINOTÉCNICO ANEXO 01 Responsabilidade e compromisso com o meio Ambiente SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E OBJETIVO... 4 2. NORMALIZAÇÃO... 4 3. COMENTÁRIOS LUMINOTÉCNICOS:...

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

Contatores e combinações de contatores

Contatores e combinações de contatores Dispositivo /06/0 :8 Page 86 es e combinações de contatores es para manobra de motores es 3RT Schütze und Schützkombinationen s a S2 Circuito auxiliar Dados nominais dos contatos auxiliares conforme IEC

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Eletromecânica FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Sumário Roteiro de Projeto de Iluminação do Prédio de Engenharia Elétrica... 2 Experimentos no Laboratório de Acionamento PK12...

Sumário Roteiro de Projeto de Iluminação do Prédio de Engenharia Elétrica... 2 Experimentos no Laboratório de Acionamento PK12... 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: Laboratório de Engenharia Elétrica V Código: TE067 1º SEMESTRE DE 2013 PROFESSOR: JAMES ALEXANDRE BARANIUK Versão de 20/05/2013

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana)

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) OBJETIVOS Compreender os princípios básicos de funcionamento

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA. Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial

ETEC TAKASHI MORITA. Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2015 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES

Leia mais

ND CÁLCULO DE DEMANDA

ND CÁLCULO DE DEMANDA ND-5-2 5-1 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS CÁLCULO DE DEMANDA O dimensionamento dos componentes de entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 1 Apresentação Porto Alegre 2012/2 Tópicos Apresentação Súmula Objetivos Conteúdo Metodologia Avaliação Recuperação Bibliografia

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

A empresa Atria Energia, sediada em Porto Alegre / RS, executa projetos, start-up e acompanhamento da instalação em:

A empresa Atria Energia, sediada em Porto Alegre / RS, executa projetos, start-up e acompanhamento da instalação em: A empresa Atria Energia, sediada em Porto Alegre / RS, executa projetos, start-up e acompanhamento da instalação em: Sistemas de Gestão de Energia Sistemas de Controle de Demanda Sistemas de Controle de

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 Fernando Moreno Suarte Júnior Engenheiro Civil, Arquiteto e Urbanista Pós Graduação - MBA em Gestão Eficaz de Obras e Projetos Palmas

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212 ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212 Laboratório de Eletrotécnica TÓPICOS PRÁTICAS DE ACIONAMENTOS ELÉTRICOS DE MOTORES COM O USO DE CLP (Controlador Lógico Programável) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) Projeto Elétrico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

Partida de Motor e Alimentadores elétricos trifásicos

Partida de Motor e Alimentadores elétricos trifásicos Partida de Motor e Alimentadores elétricos trifásicos A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Partida de motor e/ou alimentadores elétricos trifásicos de baixa tensão, montada

Leia mais

MANUAL. Qualidade DO REATOR. DEMAPE Reatores para Iluminação Tel.: 55 (11) Fax.: 55 (11)

MANUAL. Qualidade DO REATOR.  DEMAPE Reatores para Iluminação Tel.: 55 (11) Fax.: 55 (11) Qualidade A DEMAPE oferece produtos e serviços com excelente qualidade, contínuo processo de melhoria e certificações de acordo com o INMETRO. MANUAL DO REATOR Segredo da qualidade Equipamentos, pesquisas,

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas QUAL O SIGNIFICADO DO TERMO UNIFILAR? AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas UNIFILAR SIGNIFICA DIZER QUE, EMBORA O SISTEMA ELÉTRICO POSSA INCORPORAR CIRCUITOS A DOIS OU

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

UnB/FGA Eletricidade Aplicada

UnB/FGA Eletricidade Aplicada UnB/FGA 201634 Eletricidade Aplicada Laboratório # 1 Bancada Principal / Análise de circuitos elétricos 1 1º semestre de 2015 Objetivos Explicação sobre a bancada didática. Medidas elétricas: voltímetro

Leia mais

ESTUDO DE ACIONAMENTOS DAS CHAVES DE PARTIDAS ELÉTRICAS E ELETRÔNICAS PARA MOTORES ELÉTRICOS

ESTUDO DE ACIONAMENTOS DAS CHAVES DE PARTIDAS ELÉTRICAS E ELETRÔNICAS PARA MOTORES ELÉTRICOS ESTUDO DE ACIONAMENTOS DAS CHAVES DE PARTIDAS ELÉTRICAS E ELETRÔNICAS PARA MOTORES ELÉTRICOS Breno Pereira Dela Bruna¹, Gustavo Contessi¹, Matheus Rossetti¹, Pedro Henrique Di Francia Rosso¹, Reginaldo

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art. 1 o Os equipamentos objeto desta regulamentação

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA

INVERSOR DE EMERGÊNCIA INVERSOR DE EMERGÊNCIA O Inversor de Emergência trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação normal e emergência.

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM O Inversor de Emergência SLIM trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

NOÇÕES ELÉTRICAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

NOÇÕES ELÉTRICAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES ELÉTRICAS Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho Ramal de Ligação É o conjunto de condutores e acessórios instalados pela CEMIG entre o ponto de derivação da rede secundária e o ponto de entrega.

Leia mais

Motors Automation Energy Coatings. Bancada Didática - BDMW

Motors Automation Energy Coatings. Bancada Didática - BDMW Motors Automation Enery Coatins Bancada Didática - BDMW Bancada Didática WEG A linha de bancada didática WEG, além de moderna, está mais completa, modular e flexível. Foi criada com o objetivo de auxiliar

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

[Manual do Usuário] é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja!

[Manual do Usuário] é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja! >> destaques ECONOTIMER: é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja! [Manual do Usuário] I NDEX. Introdução... 01. Aplicações...

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções

Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções 1. INTRODUÇÃO Quando vamos executar uma instalação elétrica qualquer, necessitamos de vários dados como: localização dos elementos, percursos

Leia mais

Caro aluno, segue uma lista de exercícios para a V2, no entanto estude toda a matéria dada: 1) Qual a diferença de um gerador para um motor elétrico?

Caro aluno, segue uma lista de exercícios para a V2, no entanto estude toda a matéria dada: 1) Qual a diferença de um gerador para um motor elétrico? Lista de Exercício para a V2 Instalações Elétricas II 1 Caro aluno, segue uma lista de exercícios para a V2, no entanto estude toda a matéria dada: 1) Qual a diferença de um gerador para um motor elétrico?

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

Comandos Elétricos (Elétrica Industrial)

Comandos Elétricos (Elétrica Industrial) - Serviço de Ensino de Refrigeração, Automação e Elétrica Ltda ME Rua Padre Telêmaco, 111 - Cascadura - Rio de Janeiro - RJ Site: Comandos Elétricos Sumário Grandezas Elétricas...2 Lei de Ohm...3 Circuito

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA N ODMN-VIT-ET SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA N ODMN-VIT-ET SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015 SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015 1/6 1 Descrição Soft-starter de baixa tensão trifásico para controle de partida e parada suaves de motor

Leia mais

Edital de divulgação do Curso de Extensão de curta duração, COMANDO DE MOTORES ELÉTRICOS

Edital de divulgação do Curso de Extensão de curta duração, COMANDO DE MOTORES ELÉTRICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA, Câmpus Santa Rosa EDITAL Nº 12 de 10 de abril de 2015. Edital de divulgação do Curso de Extensão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Qualificação: Assistente de Técnico em Mecânica Módulo: 04

Plano de Trabalho Docente Qualificação: Assistente de Técnico em Mecânica Módulo: 04 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio Técnico em Mecânica

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

Easy9 A melhor escolha

Easy9 A melhor escolha Easy9 A melhor escolha Segurança Conforto Praticidade > PROTEÇÃO DA INSTALAÇÃO Disjuntores modulares Easy9 A oferta de disjuntores modulares Easy9 é destinada ao comando e à proteção da instalação elétrica

Leia mais

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Recomendações Técnicas para instalação de CLP s HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.0021 Versão 1.01 novembro-2013 HI Tecnologia Recomendações Técnicas para instalação de CLP

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Relés de Sobrecarga Térmico

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Relés de Sobrecarga Térmico Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Relés de Sobrecarga Térmico Relés de Sobrecarga Térmico RW17...407 - Panorama Geral 9 1 3 8 4 1 11 6 10 5 13 7 1 - RW17-1D (montagem

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Divisão das Instalações em Circuitos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Divisão das Instalações em Circuitos Divisão das Instalações em Roteiro - Calcular a previsão de carga - Locar os pontos de iluminação, TUG, TUE e QDLF. - Dividir os terminais - Balancear as fases NBR 5444 - Símbolos Gráficos para Instalações

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9.1 RAMAIS ALIMENTADORES 9.1.1 Barramento de cobre Ø5,16mm (0,187kg/m) m 10,00 25,20 252,00 1,69 9.1.2 Chave seccionadora de média tensão, com fusível incorporado, sem carga, uso

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 522309 - Técnico/a de Redes Elétricas Nível de qualificação do QNQ: 4 Nível de qualificação do QEQ: 4 Unidades de Competencia (UC) Designação

Leia mais

Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria.

Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria. DESCRIÇÃO Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria. APLICAÇÕES Indicada para todas as áreas prediais,

Leia mais

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE MELHORIA DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Coordenação do Curso de Engenharia Elétrica Câmpus Medianeira PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROJETO DE APOIO A AÇÕES DE

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

C A T Á L O G O. e l e t r i c a p i o n e r. c o m. b r

C A T Á L O G O. e l e t r i c a p i o n e r. c o m. b r C A T Á L O G O 2 0 1 5 e l e t r i c a p i o n e r. c o m. b r SUMÁRIO PROTEÇÃO INDUSTRIAL... 04 CONECTORES... 08 FIOS E CABOS... 09 televendas: (51) 597.0101 (51) 597.910 (51) 598.4514 0 PROTEÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

TEMA ESCOLHIDO - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

TEMA ESCOLHIDO - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO AUTOR : José Aquiles Baesso Grimoni - POLI TEMA ESCOLHIDO - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO ÍNDICE DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. PROJETO E PLANEJAMENTO 2. DEMANDA 3. TARIFAS 4. DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

Leia mais

Elaborado em 09 de Junho de 2016 EMPRESA: FORÇA ELETRICA COMERCIAL LTDA

Elaborado em 09 de Junho de 2016 EMPRESA: FORÇA ELETRICA COMERCIAL LTDA EMPRESA: FORÇA ELETRICA COMERCIAL LTDA (X) TOMADA DE S Nº 017/2016 04 300 U UNIÃO PARALELA DE ALUMÍNIO, BIMETÁLICA PARA CABO 1/0AWG. À TÍTULO DE INCESA 4,20 1.260,00 INFORMAÇÃO A INCESA FABRICA O MODELO

Leia mais

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas Código: ENGP 579 Pré-requisito: Período Letivo: 2016.2

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Projeto de Sensores para Eficiência e Sustentabilidade

Projeto de Sensores para Eficiência e Sustentabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: Laboratório de Engenharia Elétrica V Código: TE067 1º SEMESTRE DE 2012 PROFESSOR: JAMES ALEXANDRE BARANIUK Projeto de Sensores para

Leia mais

Módulo Iluminação Artificial

Módulo Iluminação Artificial FAU / USP AUT 262 / 2 Sem. 2008 Módulo Iluminação Artificial (Parte 2) Prof. A. C. Mingrone Lâmpadas, Luminárias e Sistemas de Ilmuminação O resto de minha vida vou passar pensando sobre o que é a luz

Leia mais

RELAÇÃO DE COMPONENTES QUADRO DE COMANDO LINHA WEG

RELAÇÃO DE COMPONENTES QUADRO DE COMANDO LINHA WEG RELAÇÃO DE COMPONENTES QUADRO DE COMANDO LINHA WEG PARTIDA DIRETA MONOFÁSICO Modelo Simples Caia termoplástica Chave liga/desliga Telemecanique Protetor térmico Modelo Standard Caia metálica Contator auiliar

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Dispositivos de Acionamentos Elétricos

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Dispositivos de Acionamentos Elétricos ELETRICIDADE INDUSTRIAL Dispositivos de Acionamentos Elétricos Contatos Em acionamentos, as chaves podem assumir duas posições: NA (normalmente aberto) inglês NO Os pinos recebem dígitos 3 e 4 NF (normalmente

Leia mais

A doce melodia da economia

A doce melodia da economia A doce melodia da economia CONJUNTOS MONTADOS 4 x2 Produto ecoeficiente Interruptor simples ~ Interruptor paralelo ~ S3B62010 S3B62030 Com, a tecnologia está aplicada em benefício da economia de energia

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

2016 Formação CERTIEL

2016 Formação CERTIEL 2016 Formação CERTIEL Formação CERTIEL Em 2016, a CERTIEL continua a aposta na sua oferta formativa, a qual continuará a incidir na atualização e reforço das competências dos técnicos responsáveis pela

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: ELETROTÉCNICO DATA: 20/03/2016 HORÁRIO: 9h às 11h

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: ELETROTÉCNICO DATA: 20/03/2016 HORÁRIO: 9h às 11h PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SEDUC FOLHA DE ANOTAÇÃO DO GABARITO - ATENÇÃO: Esta parte somente deverá ser destacada pelo fiscal da sala, após o término da prova. RASCUNHO PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO:

Leia mais

PRÁTICA 1 - DISPOSITIVOS DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO

PRÁTICA 1 - DISPOSITIVOS DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA ENE045 - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA PRÁTICA - DISPOSITIVOS DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO Grupo: ) Matrícula ) Matrícula ) Matrícula Turma: ( )

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4018 09/10/13 Rev. 01 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 324 de 21/11/2006, Decreto 4.945 Publicado D.O 18.018 de 04/12/2006.

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica 1. (Espcex (Aman) 2013) A pilha de uma lanterna possui

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais