Doenças Transmissíveis, Modos de Transmissão e Conceitos Epidemiológicos. Arnaldo F B Andrade FCM/UERJ 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doenças Transmissíveis, Modos de Transmissão e Conceitos Epidemiológicos. Arnaldo F B Andrade FCM/UERJ 2012"

Transcrição

1 Doenças Transmissíveis, Modos de Transmissão e Conceitos Epidemiológicos Arnaldo F B Andrade FCM/UERJ 2012

2 Doença Definição: desajustamento ou uma falha nos mecanismos de adaptação do organismo ou uma ausência de reação aos estímulos a cuja ação está exposto. O processo conduz a uma perturbação da estrutura ou da função de um órgão. Duas categorias de doenças: Doença infecciosa manifestação resultante de uma infecção; Doença não infecciosa todas aquelas que não resultarem de infecção: doença coronariana, diabetes e outras chamadas também de doenças não transmissíveis

3 Interação: Ser Humano e Microrganismos Bactérias, fungos, vírus 1. Colonização transitória, 2. Colonização permanente 3. Doença (processo patológico Lesão)

4 Doença Infecciosa Hospedeiro Ambiente Microrganismo DI = NV R DI= infecção N= carga infectante V= virulência R= resistência

5 Conceitos Básicos Doença crônica: doença que desenrola a longo prazo Doença aguda: doença de curta duração Infecção: penetração e desenvolvimento ou multiplicação de um agente infeccioso no organismo Doença contagiosa: doença infecciosa cujo agente etiológico atinge os indivíduos sadios através do contato direto desses com os indivíduos infectados. Ex: contato sexual (gonorréia). Toda doença contagiosa é infecciosa O contrário não é verdadeiro Ex: tétano infecciosa (esporos dispersos no meio...)

6 Conceitos Básicos Doenças quarentenáveis: podem levar a restrição de atividades aos comunicantes, durante o período máximo de incubação, a fim de evitar a propagação da doença. Atualmente uma medida em desuso. Ex: Cólera. Doenças de isolamento: exigem a segregação dos indivíduos doentes durante o período de transmissibilidade da doença. Ex: Tuberculose isolamento respiratório uso de máscaras. Cólera isolamento entérico luva para lidar com as fezes.

7 Conceitos Básicos Doença transmissível: qualquer doença causada por um agente infeccioso, que se manifesta pela transmissão deste agente, de uma pessoa ou animal infectado ou de um reservatório a um hospedeiro suscetível. Maioria das doenças infecciosas pobreza (escola...) Ex: Leishmaniose, Cólera, Peste, Esquistossomose, Verminoses... Período de transmissibilidade: período durante o qual o agente infeccioso pode ser transferido de uma pessoa infectada a outra, animal ao homem.

8 Conceitos Básicos Agente etiológico: ou agente infeccioso ou bioagente patogênico Microrganismo que pode ser introduzido em outro ser vivo, onde é capaz de se desenvolver ou de se multiplicar, e, dependendo das predisposições intrínsecas do novo hospedeiro, pode ou não gerar um estado patológico, manifesto denominado doença infecciosa, que também é doença transmissível. Propriedades dos bioagentes: (relação Hosp/doença) - Infectividade. - Patogenicidade. - Virulência. - Dose infectante. - Poder invasivo. - Imunogenicidade.

9 Conceitos Básicos Infectividade: capacidade que tem certos organismos de penetrar e de se desenvolver ou multiplicar-se no hospedeiro, ocasionando infecção. Ex: alta - vírus da gripe; baixa fungos em geral. Patogenicidade: é a qualidade que tem o agente infeccioso de, uma vez instalado no organismo humano, produzir sintomas em maior ou menor proporção dentre os hospedeiros infectados. Ex: alta - sarampo; baixa polio (1%).

10 Conceitos Básicos Virulência: é a capacidade de um bioagente produzir casos graves ou fatais. Ex: raiva. Dose infectante: é a quantidade do agente etiológico necessária para iniciar uma infecção Poder invasivo: capacidade que tem o parasita de se difundir, através de tecidos, órgãos e sistemas do hospedeiro. Imunogenicidade: também chamado de poder imunogênico, é a capacidade que tem o bioagente para induzir imunidade no hospedeiro

11 Estudo das Doenças Transmissíveis Transmissão: transmitir significa levar ou fazer passar algo de um ponto a outro. Veículos de transmissão: veículos são objetos ou materiais contaminados que sirvam de meio mecânico, auxiliando um agente infeccioso a ser transportado e introduzido em um hospedeiro suscetível. São veículos: água, leite, outros alimentos e objetos contaminados. Dentre os objetos citam-se peças de vestuário, roupas de cama, utensílios de cozinha, instrumentos cirúrgicos e fômites (objetos de uso do doente), e mais...partículas de solo, poeira, ar, produtos biológicos, sangue para transfusão, soro e plasma.

12 Exemplos de principais veículos de Doenças Transmissíveis Alimentos: Teníase Taenia solium, Taenia saginata Fômites Infecções hospitalares. Ex. Cândida, Staphylococcus Água utilizada como bebida Cólera, Hepatite A, Poliomielite, Salmoneloses Ar atmosférico Caxumba, Tuberculose, Varicela, Sarampo, Gripe, Rubéola Sangue para transfusão AIDS, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatite B e C, HTLV I e II, CMV

13 Mecanismos de Eliminação Saída do bioagente patológico pode ser por um dos mecanismos 1. Por eliminação natural: processo pelo qual um organismo infectado expele para o exterior, por ação natural. Ex: saliva, sêmem, secreções vaginais, mãe para feto. 2. Por extração mecânica: processo pelo qual bioagentes patogênicos são retirados do seu hospedeiro. Ex: seringa, mosquitos. 3. Por morte de animais infectados: só pode ocorrer com a morte do hospedeiro infectado e com o uso, como alimento, de parte do seu corpo. Ex: Taenia saginata e solium veiculadas no músculo de porco e gado abatidos.

14 Entrada em um Novo Hospedeiro O bioagente terá acesso ao meio interno do indivíduo infectável vindo de uma das seguintes origens: a) Diretamente de outro indivíduo da mesma espécie interiormente infectado. Ex: contato sexual a) Diretamente da mãe para o feto por via placentária. Ex: doença de chagas, rubéola. b) Diretamente de indivíduos de outra espécie igualmente suscetível. Ex: o vírus rábico passado ao homem pela mordida de cão raivoso.

15 Entrada em um Novo Hospedeiro d) Introduzido por ação ou com a contribuição de um vetor biológico infectado. Ex: o agente da peste bubônica Yersinia pestis, é levado a circulação do novo hospedeiro por picada de pulgas. e) Veiculado por algum elemento não vivo (físico) ou biológico. Ex: mãos contaminadas, alimentos, instrumentos contaminados. Ex: infecções bacterianas (sondas uretrais mal higienizadas)

16 Mecanismos de Penetração a) Ingestão: água, alimentos em geral, mãos e objetos quando levados a boca. b) Inalação através das vias respiratórias. Ex: gripe, sarampo. c) Mãe para feto por via transplacentária. d) Penetração através das mucosas. Ex: olhos, boca.

17 Mecanismos de Penetração e) Penetração através da pele. Ex: feridas cirúrgicas, ferimentos acidentais, queimaduras podem servir de porta de entrada para agentes infecciosos. f) Deposição sobre a pele seguida de propagação localizada. Ex: fungos, dermatites, acesso ao couro cabeludo, unhas, pele, por contato direto com indivíduos infectados, ou indiretamente por contado com objetos, pisos úmidos, instrumentos de barbearia e manicure.

18 Mecanismos de Penetração g) Penetração ativa por alguma forma de sobrevivência do bioagente patogênico. Ex: indivíduos infectados com Sarcoptes scabiei, agente da sarna, entram em contato com o suscetível. h) Introdução no organismo com auxílio de objetos e instrumentos. Ex: acesso por orifícios naturais ou através de perfurações cirúrgicas ou acidentais. Transmissão por transfusão de sangue, pois a penetração do bioagente se da por intrusão, no corpo, com auxílio de objeto mecânico

19 Mecanismos de Penetração i) Introdução em tecido muscular ou na corrente sangüínea, por picadas de inseto ou por mordedura de animais. j) Ingestão com tecido animal utilizado como alimento. Ex: teníase

20 Transmissão Direta Imediata O bioagente patogênico, sem passagem pelo meio ambiente, irá até o meio interno do indivíduo, onde se desenvolve ou se multiplica, estabelecendo a infecção. Ex: DST, gonorréia, sífilis, herpes genital, AIDS, candidose, hepatite B.

21 Transmissão Direta Mediata Quando o substrato vital, eliminado por um indivíduo infectado, situado nas proximidades de um suscetível, com passagem reduzida pelo meio ambiente, até o meio interno do individuo suscetível, se desenvolve ou multiplica, estabelecendo a infecção.

22 Três possibilidades de veiculação do bioagente no contato mediato 1. Por meio das mãos 2. Por meio de fômites ex: chupeta, criança com gripe e coloca na boca de outra criança 3. Por secreções oronasais ex: falar, tossir, espirrar (sarampo, tuberculose, hanseníase)

23 Transmissão Indireta Bioagentes patogênicos são eliminados e necessitam de um veículo ou hospedeiro intermediário, para percorrer a distância entre o individuo infectado e o suscetível. Ex: Esquistossomose mansônica: Doente elimina ovos das fezes nas proximidades de água e que tenha caramujos das espécies B. glabrata, B. straminea ou B. tenagophila, para que neles penetrem para servir de intermediário do indivíduo suscetível.

24 Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.) O que é M.N.C.H.? Alguns microrganismos de interesse médico produzem doenças Sempre Raramente Freqüentemente M.N.C.H.

25 Microbiota Normal do Corpo Humano (M.N.C.H.) Pode ser responsável por uma série de Doenças: Chamadas de Infecções Endógenas 1. Quando deixam o seu sítio normal e migram para um novo local no Corpo humano. (Ex. Cirurgias, perfurações) 2. Uso de antibióticos ou imunossupressores, 3. Pacientes na U.T.I.

26 INFECÇÕES Exógenas: reservatório ou fonte externa Endógenas: causadas pela M.N.C.H.

27 INFECÇÕES EXÓGENAS: VIAS DE TRANSMISSÃO Transmissão horizontal é a transferência de um patógeno de um indivíduo infectado para um indivíduo sadio, independente do relacionamento de parentesco dos indivíduos. Transmissão vertical é a transferência de um patógeno de um dos pais, geralmente a mãe, para a prole através da reprodução.

28

29 INFECÇÕES EXÓGENAS: VIAS DE TRANSMISSÃO Contato Direto: Imediato (Ex. DST); mediato (Ex. TB) Vetores (Ex. Leptospirose) Solo (10 7 bactérias e 10 5 fungos/grama) Alimentos (vegetais, frutas, carne, ovos, leite, peixes) Água (potabilidade/saneamento básico cloro, recreacional) Ar atmosférico (poeira, sazonalidade, síndrome dos edifícios doentes) Soluções terapêuticas

30

31

32 INFECÇÕES EXÓGENAS: PORTAS DE ENTRADA Pele (rota: tegumentar) Mucosas Vias Aéreas (rota inalatória) Via Oral (rota fecal-oral) Congênita (transplacentária) Iatrogênica (instrumentos contaminados, agulhas, ou vacinas).

33 INFECÇÕES EXÓGENAS: INFECÇÕES E DOENÇAS Instalação com sucesso no hospedeiro Infecção T= período de incubação Não vence as defesas do organismo Não causa doença A bactéria vence as defesas do organismo Infecção acompanhada de manifestação clinica Causa doença

34 Problemas de saúde no mundo Doença Região N de casos Tuberculose cosmopolita 1/3 da população Diarréia bacteriana 3 mundo 1,5 bilhão/ano Malária Tropical milhões/ano Gonorréia cosmopolita 62 milhões novos/ano Sarampo 3 mundo 40 milhões/ano AIDS cosmopolita milhões/ano Tétano neonatal 3 mundo 400 mil/ano Algumas Doenças de Notificação Compulsória no Brasil

35 Epidemiologia das Doenças Infecciosas Epidemiologia é o estudo da - ocorrência, - distribuição e - controle das doenças na população O risco de infecção não é somente dependente da suscetibilidade individual mas também de: - distribuição da doença dentro da população, - grau de miscigenação da população, - imunidade herdada, - período de transmissão, - via de transmissão.

36 Índices Epidemiológicos PREVALÊNCIA: - Nº total de casos de uma doença num período de tempo ou numa população Ex: 50 casos de tuberculose/2009 em Cabo Frio INCIDÊNCIA - Nº de casos novos de uma doença num certo período de tempo Ex: 8 casos novos de tuberculose/dezembro de 2009 em Cabo Firo MORTALIDADE: - Nº óbitos/população Ex: Raiva = 1/ habitantes LETALIDADE: - Nº de óbitos/nº casos da doença Ex: 100% para raiva, 30% para tuberculose

37 Evolução das Doenças Infecciosas Exposição - Suscetibilidade ao microrganismo Período de incubação: intervalo entre a exposição à infecção e início dos sintomas específicos. Pródromos sinais ou sintomas gerais Período de estado: fase sintomática (cura ou morte) Período de convalescença: desaparecimento dos sintomas latência ou recorrência

38 Prevenção das Doenças Infecciosas Educação Nutrição adequada Higiene e condições de vida Saneamento básico esgoto e água potável Imunização Controle de surtos e epidemias diagnóstico rápido e correto controle de transmissão população de risco

39 Estratégias para controlar as Doenças Infecciosas Princípios gerais = purificação da água, tratamento do esgoto, melhorar as defesas do hospedeiro (nutrição e imunidade), condições de vida Alimentos = refrigeração, cozimento, inspeção rigorosa Zoonoses e vetores = controle do vetor e controle dos reservatórios imunização, enchentes Tratamento específico = quimioterápicos e vacinas Gerais = higiene pessoal, mudança de hábitos, droga-adidos, transfusão sanguínea, invasão.

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Graduação de Saúde Coletiva Disciplina: Fundamentos de Epidemiologia Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Antonio José

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA HISTÓRIA NATURAL E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA HISTÓRIA NATURAL E PREVENÇÃO DE DOENÇAS Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

Cadeia epidemiológica

Cadeia epidemiológica Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Cadeia epidemiológica Epidemiologia e ecologia Fábio Raphael Pascoti Bruhn MÁGICO-RELIGIOSAS Pré-história (até 3500 a.c) e idade média (500 a 1500

Leia mais

Epidemiologia das Doenças Infecciosas e Surto. HEP Cassia M Buchalla

Epidemiologia das Doenças Infecciosas e Surto. HEP Cassia M Buchalla Epidemiologia das Doenças Infecciosas e Surto HEP 0176 2017 Cassia M Buchalla Infecção é o processo pelo qual um agente biológico penetra, desenvolve-se ou multiplica-se no organismo de outro ser vivo

Leia mais

Fundamentos de Epidemiologia

Fundamentos de Epidemiologia Fundamentos de Epidemiologia 1 Definição do grego epi = sobre, demos = população. Do ponto de vista etimológico seria o estudo das epidemias. É estudo da freqüência, distribuição espacial e cronológica

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS D I S C I P L I N A : H I G I E N E E S A Ú D E H U M A N A P R O F E S S O R A : P A U L A A L V A R E Z C A B A N

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

Adendo A1-AF /6/2009 FHEMIG. Enfermagem (graduado) e Núcleo Comum dos Especialistas. Conhecimentos Específicos. Brasília

Adendo A1-AF /6/2009 FHEMIG. Enfermagem (graduado) e Núcleo Comum dos Especialistas. Conhecimentos Específicos. Brasília Adendo A1-AF12-2 25/6/2009 FHEMIG Enfermagem (graduado) e Núcleo Comum dos Especialistas Conhecimentos Específicos Brasília 2009 2009 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados

Leia mais

Vírus Piratas de células

Vírus Piratas de células Vírus Piratas de células Catapora, rubéola, hepatite, aids, sarampo, gripe, varíola, poliomielite, raiva, dengue, herpes, caxumba, mononucleose, febre amarela, HPV, H1N1... Histórico Descobertos por Ivanovsky

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

21/04/2014. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial

21/04/2014. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial Microrganismos causadores de infecções hospitalares 1. Bactérias Pode-se distinguir entre: a) Bactérias comensais que constituem a flora normal de indivíduos saudáveis. Algumas bactérias comensais podem

Leia mais

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B.

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B. QUESTIONÁRIO ROTEIRO DE ESTUDOS PROVA N2 A AVALIAÇÃO TERÁ 16 QUESTÕES OBJETIVAS, VALENDO 0,5 PONTOS CADA, MAIS UMA QUESTÃO EXTRA QUE, SE RESPONDIDA CORRETAMENTE, SUBSTITUIRÁ EM NOTA, UMA DAS QUESTÕES ERRADAS,

Leia mais

Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn

Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Epidemiologia Disciplina: Higiene e profilaxia animal Fábio Raphael Pascoti Bruhn Epidemiologia Conceito: epi (sobre) + demo (povo) Estudo da distribuição dos estados de saúde e eventos em populações,

Leia mais

Informação é a melhor proteção. AIDS

Informação é a melhor proteção. AIDS Informação é a melhor proteção. AIDS AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Caracterizando as infecções

Caracterizando as infecções Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Controle de Infecção Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Caracterizando as infecções Portaria MS 2.616 / 98, que regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar

Leia mais

MÓDULO 3. Por hospedeiro entende-se ser o homem ou animal vivo que oferece condições para o agente se alojar, por exemplo, aves, artrópodes...

MÓDULO 3. Por hospedeiro entende-se ser o homem ou animal vivo que oferece condições para o agente se alojar, por exemplo, aves, artrópodes... MÓDULO 3 1. DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS: CLASSIFICAÇÃO E CONCEITOS. 2. EPIDEMIOLOGIA E PREVENÇÃO DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS. 3. SISTEMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. 4. EPIDEMIOLOGIA HOSPITALAR. 1. DOENÇAS

Leia mais

VIROSES...as doenças causadas pelos vírus

VIROSES...as doenças causadas pelos vírus VIROSES..as doenças causadas pelos vírus VIROSES ASSOCIADAS À PELE ASSOCIADAS AO SISTEMA NERVOSO ASSOCIADAS AOS SISTEMAS CARDIOVASCULAR E LINFÁTICO ASSOCIADAS AOS SISTEMAS DIGESTÓRIO ASSOCIADAS AO SISTEMA

Leia mais

Cadeia epidemiológica

Cadeia epidemiológica Cadeia epidemiológica As doenças infeciosas transmitem-se através de uma cadeia Agente causal ou invasor Reservatório Saída do reservatório (ou porta de saída) Modo de contágio Entrada no hospedeiro (ou

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia. Epidemiologia das Doenças Infecciosas

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia. Epidemiologia das Doenças Infecciosas Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia Epidemiologia das Doenças Infecciosas 2016 Introdução Conteúdo Breve histórico e estimativas de doenças infecciosas no

Leia mais

Doenças Infecciosas / Transmissíveis

Doenças Infecciosas / Transmissíveis Doenças Infecciosas / Transmissíveis Uma doença causada por um agente infeccioso, ou pelos seus produtos tóxicos, que surge num hospedeiro susceptível, devido à transmissão desse agente ou dos seus produtos,

Leia mais

VÍRUS PROF.º MÁRIO CASTRO PROMARIOCASTRO.WORDPRESS.COM

VÍRUS PROF.º MÁRIO CASTRO PROMARIOCASTRO.WORDPRESS.COM VÍRUS PROF.º MÁRIO CASTRO PROMARIOCASTRO.WORDPRESS.COM Os vírus são seres muito simples e pequenos (medem menos de 0,2 µm), formados basicamente por uma cápsula proteica envolvendo o material genético,

Leia mais

Microbiologia ambiental Água necessidade para microrganismos uso na produção e processamento alimentos fonte de contaminações análise e tratamento de

Microbiologia ambiental Água necessidade para microrganismos uso na produção e processamento alimentos fonte de contaminações análise e tratamento de Microbiologia ambiental Água necessidade para microrganismos uso na produção e processamento alimentos fonte de contaminações análise e tratamento de água Microbiologia ambiental Água desuniformidade microrganismos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

A CADEIA DE TRANSMISSÃO DE DOENÇAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA Professor Esp. André Luís Souza Stella

A CADEIA DE TRANSMISSÃO DE DOENÇAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA Professor Esp. André Luís Souza Stella A CADEIA DE TRANSMISSÃO DE DOENÇAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA Professor Esp. André Luís Souza Stella A DINÂMICA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS O comportamento das doenças infecciosas, na comunidade, varia

Leia mais

Profilaxia da Raiva Humana

Profilaxia da Raiva Humana GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

PARASITOLOGIA MÉDICA. Diogo Parente

PARASITOLOGIA MÉDICA. Diogo Parente PARASITOLOGIA MÉDICA Diogo Parente INTRODUÇÃO À PARASITOLOGIA OBJETIVO: Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos. URBANIZAÇÃO DA SOCIEDADE O êxodo rural,

Leia mais

Histórico. Imunização. Tipos de Imunização. Imunização ativa 14/09/2009

Histórico. Imunização. Tipos de Imunização. Imunização ativa 14/09/2009 Histórico Variolação: 1796 Vacina anti-rábica: 1885 Vacina anti-pólio (Salk): 1954 Vacina anti-pólio (Sabin): 1956 Primeira vacina recombinante: 1986 Vacina contra rotavírus: 1998 1 2 Imunização Objetivos:

Leia mais

Imunização ativa e passiva

Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Jenner e a varíola (1798) Pasteur e o cólera (1798) IMUNIZAÇÕES

Leia mais

18/04/2017. a) Treponema pallidum. b) Chlamydia trachomatis. c) Trichomonas Donne. d) Neisseria gonorrheae.

18/04/2017. a) Treponema pallidum. b) Chlamydia trachomatis. c) Trichomonas Donne. d) Neisseria gonorrheae. 1 (2017 - CS-UFG UFG) No Brasil, a prevalência de sífilis em gestantes é de 1,6%. É uma doença de transmissão sexual ou materno-fetal com caráter sistêmico e de evolução crônica. Em mulheres grávidas,

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos O que é Virulência? Infecção: Estabelecimento da bactéria capaz de produzir doença

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO Rayana Cruz de Souza; Universidade Federal da Paraíba; rayana_souza@hotmail.com Maira Ludna Duarte; Universidade Federal

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor.

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Sistemas: Digestório Incompleto Respiratório Difusão Nervoso Ganglionar Circulatório

Leia mais

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Virologia Doenças Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Existem vírus que infectam animais, plantas, protozoários, fungos e bactérias. Exigência viral - ligação específica à célula

Leia mais

OS VÍRUS Um Caso à Parte

OS VÍRUS Um Caso à Parte OS VÍRUS Um Caso à Parte CARACTERÍSTICAS São extremamente pequenos (medem menos que 0,2 um) e acelulares São considerados como a nova descoberta de seres vivos, porém possuem muitas características de

Leia mais

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade Departamento de Epidemiologia e Bioestatística Epidemiologia

Leia mais

DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA 37 DESCRIÇÃO DA FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS GERADOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Aorganização preliminar de dados gerados por sistemas de informação de morbi-mortalidade, como,

Leia mais

Definição de saúde. Os animais não são máquinas, são seres sencientes

Definição de saúde. Os animais não são máquinas, são seres sencientes Definição de saúde Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não simplesmente a ausência de doenças (Organização Mundial da Saúde) Definição de saúde Os animais não são máquinas,

Leia mais

IFPB. PLANO DE ENSINO Ensino Superior

IFPB. PLANO DE ENSINO Ensino Superior PLANO DE ENSINO Ensino Superior DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: EPIDEMIOLOGIA VETERINÁRIA Curso: Medicina Veterinária Período: 2016.1 Turma 2013.1 (7º Período) Carga Horária:

Leia mais

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical)

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Toxoplasmose Parasito Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gênero: Toxoplasma Espécie: Toxoplasma gondii - É uma doença cosmopolita.

Leia mais

Conjunto de medidas voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino,

Conjunto de medidas voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, Eduardo Silva. Conjunto de medidas voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços,

Leia mais

CONCEITO DE ZOONOSES 04/08/ % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal.

CONCEITO DE ZOONOSES 04/08/ % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal. CONCEITO DE ZOONOSES 800 ESPÉCIES DE PATÓGENOS 60% DE TODAS AS SP CONHECIDAS 60 % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal. 80% dos patógenos que poderiam

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016)

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016) ENFERMAGEM 21. A desidratação pode ocorrer em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas, sendo sua incidência maior nas populações de baixo nível socioeconômico. A depressão da fontanela

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO FÍGADO

IMPORTÂNCIA DO FÍGADO HEPATITES VIRAIS PROGRAMA MUNICIPAL DE HEPATITES VIRAIS CENTRO DE CONTROLE DE DOENÇAS (CCD) COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (COVISA) SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE IMPORTÂNCIA DO FÍGADO O fígado é

Leia mais

Relações hospedeiro-parasita, Acção patogénica dos microrganismos. Thomas Hänscheid. Microrganismos indígenas do Homem

Relações hospedeiro-parasita, Acção patogénica dos microrganismos. Thomas Hänscheid. Microrganismos indígenas do Homem Relações hospedeiro-parasita, Acção patogénica dos microrganismos Thomas Hänscheid Microrganismos indígenas do Homem Nascimento estéril Colonização por biliões de microrganismos Pele, mucosas nasal, bucal,

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

Biologia. Rubens Oda (Julio Junior) Doenças

Biologia. Rubens Oda (Julio Junior) Doenças Doenças Doenças 1. Uma parceria internacional definiu como meta distribuir, entre 2008 e 2010, gratuitamente, cerca de 300 milhões de mosquiteiros tratados com inseticidas duráveis para proteger todos

Leia mais

Doenças veiculadas por água contaminada

Doenças veiculadas por água contaminada Doenças veiculadas por água contaminada FORMAS DE CONTAMINAÇÃO Contato da pele com água contaminada; Ingestão de água contaminada; Ausência de rede de esgoto, falta de água ou práticas precárias de higiene;

Leia mais

Qual é a estrutura típica de um vírus?

Qual é a estrutura típica de um vírus? Vírus Qual é a estrutura típica de um vírus? CICLOS REPRODUTIVOS Em relação a reprodução dos vírus, podemos dizer que eles podem realizar um ciclo lítico ou um ciclo lisogênico. Qual é a principal

Leia mais

PRECAUÇÕES PADRÃO Contato Respiratório (Gotículas, aerossóis)

PRECAUÇÕES PADRÃO Contato Respiratório (Gotículas, aerossóis) PRECAUÇÕES PADRÃO Contato Respiratório (Gotículas, aerossóis) 1- Precauções Padrão As Precauções Padrão (PP) representam um conjunto de medidas que devem ser aplicadas no atendimento de todos os pacientes

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA. Maria Cristina Fink

DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA. Maria Cristina Fink DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA Maria Cristina Fink O QUE É UM VÍRUS? A palavra vírus é originária do latim e significa toxina ou veneno É um microorganismo que pode infectar vários organismos

Leia mais

HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Valéria Ernestânia Chaves. Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo

HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Valéria Ernestânia Chaves. Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Ernestânia Chaves Semana no modulo 1a semana 2a semana 3a semana 4a semana Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 05/08/14

Leia mais

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa B

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa B Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais Módulo: Prevenção e controlo da infeção: princípios básicos na prestação de cuidados de saúde Ficha de Avaliação

Leia mais

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes Biologia 1ª série Profª Reisila Mendes Conceito e estrutura Os vírus são fragmentos não vivos de genoma, que evoluíram tanto a partir de bactérias como de eucariontes. Os vírus são os únicos organismos

Leia mais

Nota Informativa 06/10/2015

Nota Informativa 06/10/2015 Secretaria Municipal de Saúde - Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Prezados Colegas. Considerando a Portaria MS/GM nº 1.271, de 6 de junho de 2014, que define a Lista

Leia mais

Data: Nome: Ano/Série: 7 ano. Ficha 4 Vírus

Data: Nome: Ano/Série: 7 ano. Ficha 4 Vírus Matéria: Ciências Data: Nome: Professor: André Freddi Ano/Série: 7 ano Ficha 4 Vírus O vírus é o único organismo acelular que existe, ou seja, sua estrutura não é formada por uma célula. Devido a isso

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS

ASPECTOS CONCEITUAIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Bases da epidemiologia das doenças infecciosas Prof. Fredi Alexander Diaz Quijano Departamento Epidemiologia FSP E-mail: frediazq@msn.com ASPECTOS CONCEITUAIS A epidemiologia

Leia mais

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA)

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Medicina Veterinária Preventiva Disciplina de Saúde Pública DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Francielle Liz Monteiro

Leia mais

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa A

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa A Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais Módulo: Prevenção e controlo da infeção: princípios básicos na prestação de cuidados de saúde Ficha de Avaliação

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio. Agradecimentos. Instruções para Colorir. 1 Importância dos Microrganismos para os Homens. 2 Os Primeiros Microscópios

ÍNDICE. Prefácio. Agradecimentos. Instruções para Colorir. 1 Importância dos Microrganismos para os Homens. 2 Os Primeiros Microscópios ÍNDICE Prefácio Agradecimentos Instruções para Colorir 1 Importância dos Microrganismos para os Homens 2 Os Primeiros Microscópios 3 Geração Espontânea 4 A Teoria dos Germes como Agentes Causadores de

Leia mais

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos.

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos. Yara Bandeira, Msc A parasitologia é uma ciência, da área de saúde, auxiliar da medicina humana e veterinária que se baseia no estudo dos parasitas e suas relaçoes com o hospedeiro Conhecer o parasitismo

Leia mais

CLOSTRIDIOSES EM AVES

CLOSTRIDIOSES EM AVES CLOSTRIDIOSES EM AVES Instituto Biológico Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Avícola Greice Filomena Zanatta Stoppa CLOSTRIDIOSE Infecções provocadas por toxinas ou bactérias do gênero

Leia mais

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Faculdade Anhanguera de Dourados Parasitologia Veterinária Geral CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Prof. Me. Baltazar A Silva Jr 1 Aula 1: Conceitos Gerais e Métodos Parasitológicos 2 Introdução Parasitologia

Leia mais

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto Precauções em controlo de infecção Maria Teresa Neto Tipos de precauções Precauções universais Precauções baseadas na via de transmissão Precauções universais Indicação para serem aplicadas a todos os

Leia mais

DATA: 05 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE BIOLOGIA 2.º ANO/EM ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 05 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE BIOLOGIA 2.º ANO/EM ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 05 / 05 / 206 UNIDADE: I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE BIOLOGIA 2.º ANO/EM ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade DOCUMENTO: PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS Página: 1/29 Definição: As práticas de precauções e isolamento vêm sendo utilizadas há muito tempo como uma estratégia para prevenção e controle de doenças transmissíveis.

Leia mais

DTA. Profª. Natália Pessoa 24/03/2014

DTA. Profª. Natália Pessoa 24/03/2014 Colaboração: Profª. Fernanda de Alvarenga Martins DTA Profª. Natália Pessoa 1) Assinale a alternativa que corresponde ao microrganismo responsável por uma doença, veiculada por alimentos, causada por uma

Leia mais

Vacinas e Imunoterapia

Vacinas e Imunoterapia Como os organismos hospedeiros vertebrados podem adquirir Imunidade? Vacinas e Imunoterapia Prof. Helio José Montassier Imunidade Passiva É uma forma de imunidade temporária após transferência natural

Leia mais

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1 Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde 2009 1 O que é a gripe A (H1N1)? É uma doença respiratória causada pelo vírus

Leia mais

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical - 2015 2014 No Brasil: SÍFILIS, AIDS, DST, HEPATITES Toxoplasmose Rubéola, Citomegalovírus, Parvovírus, Herpes HTLV, Varicela Tuberculose Chagas,

Leia mais

Shigella. Topicos. Prof. Assoc. Mariza Landgraf. Introdução. Características da doença Tratamento Prevenção e Controle 03/04/2017

Shigella. Topicos. Prof. Assoc. Mariza Landgraf. Introdução. Características da doença Tratamento Prevenção e Controle 03/04/2017 Shigella Prof. Assoc. Mariza Landgraf Depto Alimentos e Nutrição Experimental Topicos Introdução Histórico Características do microorganismo Fatores Características da doença Tratamento Prevenção e Controle

Leia mais

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados Dourados VACINAS PARA CRIANÇAS O ato de vacinar é a forma mais fácil de proteger o organismo contra doenças infecciosas potencialmente graves e de prevenir que essas doenças sejam transmitidas a outras

Leia mais

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus 01-2017 1- Quais foram as observações feitas por Adolf Mayer que permitiram concluir que o agente etiológico da Doença do Mosaico do tabaco era um

Leia mais

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki)

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia A pneumonia é uma inflamação do pulmão. Comumente ocorre em todas as faixas etárias. É a principal causa de morte entre idosos e pessoas

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Ciências 7 o ano Unidade 4 5 Unidade 4 Nome: Data: 1. Em 1928, Alexander Fleming isolou a penicilina com base em culturas de fungos do gênero Penicilium. Primeiro antibiótico

Leia mais

Sucessos e fracassos no controle de doenças infecciosas no Brasil: o contexto social e ambiental, políticas, intervenções e necessidades de pesquisa

Sucessos e fracassos no controle de doenças infecciosas no Brasil: o contexto social e ambiental, políticas, intervenções e necessidades de pesquisa Saúde no Brasil 3 Sucessos e fracassos no controle de doenças infecciosas no Brasil: o contexto social e ambiental, políticas, intervenções e necessidades de pesquisa Mauricio L. Barreto ISC/UFBa M Gloria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA Ano/Semestre: 2006/1 CURSO: Medicina DEPARTAMENTO: Microbiologia e Parasitologia

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas.

É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas. ESGOTO É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas. Conforme o uso predominante: Comercial Industrial Doméstico No Brasil são produzidos

Leia mais

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR?

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? CUIDADOS COM O PACIENTE, SEUS ACESSÓRIOS E PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO TRATAMENTO ALEXANDRE DE S. BARROS Enfermeiro - Radioterapia

Leia mais

A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA

A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA COLÉGIO SENES Disciplina: Saúde Pública Profº: Daniel Pires Turma: Dia: Horário: Aluno: Avaliação: / /. Trabalho: / /. Índice: Epidemiologia... 23 Endemia, Epidemia e Pandemia...

Leia mais