Bioética e espiritualidade na sociedade pós-moderna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bioética e espiritualidade na sociedade pós-moderna"

Transcrição

1 ARTIGO de revisão/ Review article/ discussión crítica Bioética e espiritualidade na sociedade pós-moderna desafios éticos para uma medicina mais humana Bioethics and spirituality in the post-modern society ethical challenges for a more human medicine Bioética y espiritualidad en la sociedad postmoderna desafíos éticos para una medicina más humana Virgínio Cândido Tosta de Souza* Resumo: As ciências biomédicas, aliadas à tecnologia na sociedade pós-moderna, permitem manipular o ser humano em todas as fronteiras da vida, surgindo, em consequência, questões éticas que vão ao encontro dos valores espirituais. Esse fato é motivado pela força econômica que a ciência e a tecnologia adquiriram na cultura do mundo globalizado. A proposta desse ensaio é discutir as alternativas éticas, por meio da bioética, nos cursos de medicina e no exercício da profissão médica, voltadas para a formação de cidadãos comprometidos com a construção de uma sociedade solidária, justa e, portanto, mais humana. Palavras-chave: Ética médica. Espiritualidade. Ciências biomédicas. Abstract: Biomedical sciences, together with technology in the post-modern society allow one to manipulate human beings in all life s frontiers, causing ethical questions to appear that link with spiritual values. This fact is motivated by the economic force that science and technology acquired in the culture in the globalized world. The proposal of this essay is to argue for ethical alternatives, by means of bioethics, in medical courses and the medical profession, aiming at educating citizens committed to the construction of a solidary, just and, therefore, more human society. Keywords: Medical ethics. Spirituality. Biomedical sciences. Resumen: Las ciencias biomédicas, junto con la tecnología en la sociedad postmoderna permiten que uno manipule a seres humanos en todas las fronteras de la vida, evocando cuestiones éticas que se acoplan con valores espirituales. Este hecho es motivado por la fuerza económica que adquieren la ciencia y la tecnología en la cultura en el mundo globalizado. La propuesta de este estudio es la defensa de alternativas éticas, por medio de la bioética, en los cursos médicos y la profesión médica, teniendo como objetivo educar a ciudadanos comprometidos con la construcción de una sociedad solidaria, justa y, por lo tanto, más humana. Palabras llave: Ética médica. Espiritualidad. Ciencias biomédicas. Introdução Este início de milênio, chamado por alguns de pós- -modernidade, é um período em que a razão atingiu seu ápice. Na Idade Média, toda cultura girava em torno da figura divina. Nos dias atuais, deparamo-nos com um movimento de ideias e comportamentos que defende um humanismo sem Deus, totalmente voltado para a produção e lucro, centrado no consumo e na busca do prazer. Essa cultura voltada para o visível, em que o ter aniquila o ser, gera um individualismo que gera um vazio interior difícil de suportar. Vazio, que, na área médica conceituamos como depressão. A busca da dimensão interior do ser humano, em sua essência, é a espiritualidade que, quando visa ao bem-estar do outro em sua alteridade, exerce a ética. Sem a ética, os valores morais, como compaixão, solidariedade, compreensão, justiça, desaparecem e perdemse os limites de distinguir o que é certo e o que é errado. * Doutor em Medicina pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP São Paulo, SP. Doutorando em Bioética pelo Centro Universitário São Camilo São Paulo, SP. Professor Titular do Departamento de Clínica Cirúrgica Disciplina de Proctologia da Faculdade de Ciências da Saúde Univás Pouso Alegre, MG. Professor de Ética e Bioética da Universidade José do Rosário Vellano Unifenas Alfenas, MG. Reitor da Universidade do Vale do Sapucaí Univás Pouso Alegre, MG. 86

2 São esses valores que inspiram nosso modo de ser e de agir, tornando nossa conduta profícua e sábia, portanto ética 1. Na sociedade capitalista globalizada, científica e tecnológica, o paradigma não é o compromisso de servir, mas o de competir, mesmo que para isso se ignorem as necessidades e os direitos do outro, desaparecendo, portanto, o conteúdo humano de nossas condutas. A instantaneidade dos meios de comunicação fragiliza a riqueza da reflexão, levando-nos à simultaneidade de relacionamento e opções que geram um individualismo carente de partilha e compromisso com o outro. Ao exercermos a ética baseada em valores internos (espirituais), articulamos, como esperança, uma necessária reflexão crítica acerca do nosso padrão de civilização que se perde na exterioridade, no individualismo, no consumismo e no imediatismo. Dentro desse contexto contemporâneo, um campo que merece um estudo sistemático da conduta moral com repercussões diretas na vida social é a medicina. A medicina, alicerçada na ciência com seus avanços tecnológicos, representa, para os dias atuais, o que a religião e a salvação foram em épocas medievais. Em um rápido panorama histórico da medicina, a partir da metade do século XX e início deste século, deparamo-nos com uma época que poderíamos denominar de paradoxal. Faz pouco mais de meio século que os antibióticos começaram a ser usados. Há 40 anos, teve início a era dos transplantes. Os primeiros bebês de proveta têm pouco mais de trinta anos e agora são milhares. As cirurgias cardíacas são feitas hoje rotineiramente, proporcionando aos sobreviventes de ataques cardíacos uma vida mais longa. As unidades de tratamento intensivo proporcionam padrões de excelência para pós-operatório de cirurgias de grande porte, permitindo aos cirurgiões realizarem o que era no passado impossível. Um número crescente de idosos começa a chegar próximo dos 90 e 100 anos. Por um lado, a medicina progride e salva mais vidas, mas está cada vez mais difícil para as pessoas, empresas e governos pagarem esse processo. Por outro lado, é crescente o número de insatisfações contra os médicos, principalmente na relação médico-paciente, que é o fundamento mais importante da prática médica. Essa relação torna-se impessoal, diante da parafernália tecnológica, das máquinas, da burocracia das empresas ligadas à saúde. Normas éticas legais questionáveis, interesses e patentes de laboratórios entre outros vêm cada vez mais abalando a saudosa relação médico-paciente. No campo da pesquisa, cada vez mais se tornam indispensáveis os comitês de ética para modernizarem e normatizarem condutas que eventualmente venham ferir a dignidade do ser humano. A clonagem, a inseminação artificial e o uso das células-tronco vêm imobilizando opiniões diversas entre a religião e a ciência, levando para o direito (bio-direito) decisões que despertam euforia, mas também incertezas para o futuro da humanidade. Sintetizando, podemos dizer que, desde os estudos anatômicos de Vesálio até a aurora da descoberta do DNA, por Francis Crick e James Watson, em 1953, a ciên cia trouxe progresso e contribuições importantíssimas para a medicina, mas é exatamente por esse paradigma que não se deve perder de vista o ser humano na sua dignidade com seus direitos de benefício, equidade e autonomia quando acometido por uma enfermidade. E esse foi uma das dúvidas levantadas por Potter da Universidade de Winconsin Madison (EUA), ao publicar o livro Bioética: ponte para o futuro. Ponte que apontava para um caminho de sobrevivência da espécie humana de forma decente e sustentável, baseado fundamentalmente em um sistema ético global 2. O objetivo do trabalho em tela é o de beneficiar-se de uma definição clara e homogênea dos propósitos éticos dos cursos de ciências da saúde, em que a medicina, por meio de seus professores, comprometa-se não somente em instruir e transmitir conhecimentos aos seus alunos, mas, fundamentalmente, colaborar na formação de profissionais comprometidos na construção de uma sociedade justa, solidária e mais humana. Ética e Moral A ética e a moral são termos de uso corrente no nosso cotidiano, entretanto não são sinônimos 3. A moral refere-se a uma conduta de acordo com valores consolidados em uma determinada cultura social, não sendo necessária a justificativa desses valores, que vão além dos interesses imediatos desta sociedade. Refere-se à rotina de comportamentos que se denominam bons ou maus, certos ou errados, lícitos ou ilícitos. São valores que vêm de fora para dentro. 87

3 A ética refere-se à conduta que os indivíduos de uma determinada sociedade estabelecem entre si; vem sempre precedida de uma reflexão elucidativa de fundamentos, justificativas ou valores, independentemente da aprovação ou não de seus pares. São valores que vêm de dentro para fora, oriundos de fundamentos elaborados de forma reflexiva e elucidativa. A ética justifica nossos sentimentos morais por meio da busca de seus fundamentos. Ética e Bioética A bioética é um neologismo com características transdisciplinares e combina conhecimentos biológicos com o conhecimento dos sistemas de valores humanos. O termo bioética é um legado deixado por Van Renselaer Potter, na década de 70 por meio da obra Bioethics: bridge to the future, em que bio representaria os conhecimentos biológicos e a ética os conhecimentos dos valores humanos perante as descobertas da biologia molecular, dentro da sociedade científica e tecnológica. O compromisso com a preservação da vida dos seres humanos entre si e com o ecossistema antevia os grandes dilemas dos dias atuais no campo da biologia molecular e da sustentabilidade do meio ambiente. A década de 1970 foi o período em que os avanços científicos e tecnológicos, principalmente no meio médico, se intensificaram e ao mesmo tempo passaram a ser questionados (UTIS, transplantes, diagnóstico de morte, procriação, diagnóstico pré-natal). O compromisso hipocrático e a experiência de Nuremberg propiciaram a criação de Comitês de Ética, que, em sua essência, fundamentam-se no principialismo da bioética, composto por: beneficência, não-maleficência, justiça, autonomia e possuem composição multidisciplinar (médicos, enfermeiros, teólogos, juristas, usuários, entre outros). A bioética é um desdobramento da ética voltado para os questionamentos morais, suscitados pelos avanços científicos e tecnológicos, no contexto da sociedade em sua globalidade (pessoa, meio ambiente, cidadania, aspectos terapêuticos e suas aplicações legais). Assim podemos dizer que a bioética difere da ética, da moral e da deontologia devido a sua característica problematizadora e evolutiva. O que na ética é estudado, na moral praticado, na deontologia obrigado, na bioética é problematizado 4. Espiritualidade e Religiosidade Assim como ocorre com ética e moral, espiritualidade e religiosidade não são sinônimos. A espiritualidade é uma forma implícita de tratar dimensões profundas da subjetividade sem incluir necessariamente a religiosidade. O grande vazio existencial, na sociedade de grandes complexos urbanos da sociedade atual, vem propiciando fóruns para discutir a importância da busca de valores e virtudes, como compaixão, que são de natureza espiritual. Nos Estados Unidos, recentemente, 47 faculdades de medicina, incluindo a de Harvard, propuseram a inclusão de espiritualidade como disciplina no currículo 6. A psicologia fenomenológica existencial, oncologia, profissionais da área da saúde vêm se interessando pelo estudo e sua importância no exercício profissional. Dalai-Lama considera a espiritualidade como aquilo que produz uma mudança interior no ser humano 5. Boff 7 acredita que a nossa estrutura de base fundamental, que regula as nossas ações, é de natureza interior e não exterior. Tais mudanças são fomentadas pela religião, mas nem sempre... Segundo Frei Betto et al 8, a espiritualidade não é uma questão simplesmente religiosa, é uma questão de educação, de subjetividade, de interioridade. É uma forma de reeducarmos para a comunhão conosco mesmos, para a comunhão com a natureza, para a comunhão com o próximo e com Deus. A religião é um conceito oriundo do latim religiane, sendo definida como a crença na existência de forças sobrenaturais, criadoras do universo. Tal crença estabelece dogmas que devem ser adotados e obedecidos. É simbolizada por meio de doutrina e ritual próprios, envolvendo preceitos morais e éticos. É uma filiação a um sistema específico de pensamentos os quais envolvem filosofia, ética e metafísica, voltados e vinculados ao ser supremo: Deus. O termo religare é a volta a Deus, do qual o homem nunca esteve separado, no dizer de Santo Agostinho 9. A religião existe onde existir uma comunidade, porque ela oferece ao indivíduo um significado da vida além da rea lidade terrena, proporcionando explicações para ocorrências misteriosas da vida, como por exemplo, a morte. Ela contribui para a organização social, orientação moral, segurança e, embora institucionalizada, ela fomenta e enriquece a espiritualidade

4 Na sociedade racionalizada contemporânea, ela vem sendo concentrada na vida pessoal, particularizada, o que torna, às vezes, difícil distinguir da espiritualidade. Bioética e Educação Médica A importância da Bioética, na formação acadêmica do estudante de medicina e em outras áreas da saúde, passa, inevitavelmente, pela cultura humanística. Para isso, é fundamental que o modelo cartesiano, que privilegia o modelo fragmentado por especialidades, abra espaço para um ensino voltado para a busca de conhecimento integrado, considerando a óbvia inseparabilidade entre as partes que constituem o ser humano integral. Esse modelo flexeriano privilegia a tecnologia e divide a pessoa humana em partes cada vez menores. É voltado para as especialidades que forma territórios onde os especialistas se comportam, segundo Morin, como lobos que urinam para marcar seus territórios e mordem os que nele penetram. Com isso, a formação acadêmica é atravessada por uma metodologia desconexa de disciplinas, prejudicando a visão holística e integral do ser humano na sua complexidade profissional 11. Desnecessário repetir que a própria universidade, intencionada ou alheia à cultura técnico-científica da pós- -modernidade, foi ficando cativa de um modelo educacional que tem como parâmetros a eficácia e a rentabilidade econômica, formando profissionais voltados para a competitividade e prestígio pessoal, alheios aos valores éticos que é o selo da um ambiente acadêmico. A bioética, por sua característica interdisciplinar e transdisciplinar, problematiza essa cultura dominante enfatizando posições éticas que devem ser estabelecidas visando a transmitir valores, assim como fez Sócrates na Grécia junto aos jovens de Atenas. É crescente o consenso que a Bioética deve figurar no curso médico, em todos os anos da formação acadêmica, com intuito de que, no exercício profissional, o futuro médico tenha uma formação humanística comprometida com o exercício pleno da cidadania. Bioética e Cidadania D Assumpção 12 denomina a cultura dos dias atuais como a Ética da Manipulação. Ética essa regida por grupos dominantes que seguem os ditames: por que assim é que deve ser, ou então os outros que se danem. Essa ética se caracteriza por cidadãos submissos e manipuláveis, que têm a reflexão e autonomia reduzidas; o Homo Sapiens é substituído pelo Homo Faber. Nesse contexto, os meios de comunicação, principalmente a televisão, representam o paradigma ideal para a conscientização desses valores. Os anúncios criam necessidades de consumo, os cidadãos passam a usar remédios sem que realmente necessitem. Atualmente, nos Estados Unidos, cerca de 17 medicamentos de grande lucro laboratorial, entre eles os antidepressivos e outros voltados para o desempenho sexual ou culto à expressão corporal, são desnecessários, embora mais de 90% da população acreditem na sua beneficência. Outro fator ainda referido por D Assumpção é o imediatismo, que descartabiliza as coisas em detrimento da qualidade a ponto de descartar o ser humano. No sistema de saúde, o econômico voltado para o lucro fragiliza a relação médico-paciente em seus princípios fundamentais. A própria pesquisa científica torna-se manipulada e os fins justificam os meios, criando-se um ambiente de competitividade e busca de status, ferindo, assim, os princípios da ética acadêmica. É nesse contexto que a Resolução 196/96, do Ministério da Saúde, por meio dos Comitês de Ética, dentro do principialismo da Bioética, confronta a ética de manipulação do ser humano em respeito a sua dignidade e autonomia. Bioética e Tecnologia Médica A insatisfação com a medicina na sociedade pós-moderna não decorre dos avanços tecnológicos conquistados pela pesquisa científica, que são incontestáveis, mas pelos aspectos éticos que envolvem os usuários quando recorrem a um atendimento hospitalar ou ambulatorial. No que concerne ao atendimento ambulatorial, a relação médico-paciente é fragmentada. Diferentes especialistas examinam o paciente, estabelecendo, muitas vezes, problemas de comunicação, o que leva a desconsiderar o principal motivo que originou a consulta ambulatorial. No sistema público, o paciente, dentro do principialismo da bioética, em diversas ocasiões usufrui somente da não-maleficência e da justiça, essa na dependência do compromisso ético do médico. Exemplificando: em determinadas situações, o exame de padrão-ouro seria a tomografia, mas pela condição hospitalar somente 89

5 se consegue uma ultrassonografia. A justiça depende do profissional que realiza o atendimento naquela determinada circunstância. A não possibilidade da livre escolha do profissional, bem como a impossibilidade do exame mais indicado, fere os princípios da autonomia e da beneficência. O paradoxo é que a alta tecnologia, que aumentou a eficácia dos diagnósticos e tratamentos estabeleceu uma lacuna no relacionamento pessoal entre o médico e o paciente 13. Aquele relacionamento fraternal entre o médico e o paciente, caracterizado pela satisfação recíproca, foi substituído por um relacionamento burocrático e impessoal, em que o paciente se comporta como consumidor em busca de resultados. Considerações Finais A modernidade é um período que nasceu com o Renascimento e dura, aproximadamente, quatro séculos, e a pós-modernidade é imprecisamente definida por alguns como o período do final do século passado e início deste século. Vivemos uma hegemonia do sistema capitalista que se concretizou com a queda do muro de Berlim, representando o fim do socialismo no leste europeu. O racionalismo, preconizado por Freud para resolver os dilemas humanos e por Marx para restabelecer uma justiça social, não responde à globalização do mercado alicerçado no lucro, no consumo e na busca do prazer imediato. A lógica é a acumulação da riqueza para uma minoria e a exclusão da maioria com grande sacrifício de pessoas que têm direito a uma melhor qualidade de vida. Os meios de comunicação, com raras exceções, estimulam o consumo e o prazer imediato, caracterizando uma lógica religiosa na qual os shopping centers simbolizam as catedrais da sociedade pós-moderna. A virtualidade substitui o real, a ponto de se poder fazer sexo pela internet sem risco de pegar AIDS ou promover a procriação. Essa abstração de sentimentos nos torna eticamente e moralmente virtuais. O avanço científico e tecnológico, principalmente na área da saúde, salva mais vidas, revolucionando a qualidade de vida e longevidade das pessoas, mas fica cada vez menos acessível para pessoas e mesmo para o sistema de saúde governamental. Eu existo na medida em que tenho e posso consumir e não na medida em que sou e prezo a minha dignidade. Essa metafísica vem gerando um vazio de valores espirituais, caracterizado por um esoterismo crescente, alimentado por radicalismo de seitas religiosas. É exatamente essa crise de sentido, proporcionada pela busca desenfreada de prazer e posses, que nos obriga a recorrer à interioridade de valores que nos alimenta e recompõe e que chamamos de espiritualidade 14. Na medida em que a nossa espiritualidade se traduz em compaixão e solidariedade, exercemos a ética em sua plenitude, pois nos reeducamos para a comunhão conosco mesmo e para a comunhão com o próximo. A religiosidade, na medida em que nos orienta na busca de princípios e virtudes, subsidia a nossa espiritualidade, como nos ensinou Jesus Cristo e nos ensina Dalai-Lama. A espiritualidade nos indica que a vida é substancialmente o que não se vê, e, como a literatura, sobrevive a seus atores quando feita de interiores. A bioética, como um neologismo da ética, é uma área de conhecimento interdisciplinar de base filosófica e antropológica voltada para os dilemas recorrentes do avanço científico e tecnológico no que concerne à pesquisa envolvendo os seres humanos e o meio ambiente 15. É urgente conscientizarmo-nos que vivemos em uma Aldeia Global, que tornou pequenos os estados nações e exige soluções globais para seus problemas. E, para isso, cabe uma atitude ética universalista, ainda que seja preciso construí-la a partir do regional 16. A bioética representa uma proposta de tolerância e esperança para a pluralidade moral da humanidade nas suas diferenças de crenças e valores em todos campos relacionados às ciências da vida 17. Pelo seu caráter transdisciplinar, ela se apresenta como um instrumento valioso e indispensável para o diálogo que envolve questões éticas levantadas pelas decisões clínicas, pelos avanços científicos e tecnológicos. E o maior exemplo se manifesta na composição pluralista e interdisciplinar das comissões bioéticas dos hospitais e universidades. Diante do avanço científico e tecnológico que permeia todos os setores envolvidos com a saúde, é importante que o estudante de medicina e o médico se conscientizem que a missão mais importante é a de promover a saúde e não de ser um manipulador de tecnologia; infelizmente, muitas vezes comprometidos com dilemas éticos. A medicina mais humana se distingue da medicina tecnológica pelas características que envolvem o desempenho do profissional como forma de avaliação e competência. 90

6 O médico humanista carrega consigo o compromisso de buscar a cura para aquele que sofre, mas quando a cura não é possível, cuidar sempre é. Nos dias de hoje, a competência é avaliada mais pela competência técnica objetiva do que com o cuidado pessoal com o paciente. E essa lacuna vem dificultando a relação médico-paciente, que é o fundamento ético e humano da medicina hipocrática. Esse paradigma será mudado na medida em que conscientizarmo-nos de que a competência profissional no exercício da assistência médica traduz uma definição ética da própria pessoa que a executa, determinando, assim, sua espiritualidade profunda que se plenifica na compaixão e na solidariedade que nada mais são do que atos humanos morais. Esse é o legado deixado por Potter por meio da obra Bioethics: bridge to the future, em que bio representa os conhecimentos biológicos, e ética, os conhecimentos dos valores humanos (espirituais) 2. Referências 1. Cortella MS. Qual é a tua obra?: inquietações propositivas sobre gestão, liderança e ética. São Paulo: Vozes; p Potter VR. Bioethics: bridge to the future. USA: Prentice Hall; Severino AJ. Educação e ética no processo de construção da cidadania. In: Claudinei JL, Guergen P, organizadores. Ética e educação. Campinas: Autores Associados; p Soares AMM, Pinheiro WE. Bioética e biodireito: uma introdução. São Paulo: Loyola; p Lama D. Uma ética para o novo milênio. Rio de Janeiro: Sextante; Souza VCT. Universidade, ética e espiritualidade. In: Pessini L, Barchifontaine CP, organizadores. Buscar o sentido e plenitude de vida. São Paulo: Paulinas; p Boff L. Espiritualidade. Rio de Janeiro: Sextante; p Betto F, Barba E, Costa JF. Ética. Brasília: Codeplan; p Gregório SB. Religião e vivência religiosa. Rev Filos São Paulo. 1995;1(1): Carvalho JJ. Características do fenômeno religioso na sociedade contemporânea. In: Bingenar MC, organizador. O impacto da modernidade sobre a religião. São Paulo: Loyola; p Siqueira JC. Educação médica em bioética. Rev Bras Bioét. 2008;(3)3: D assumpção EA. Bioética & cidadania. Belo Horizonte: Fumarc; p Drane J, Pessini L. Bioética, medicina e tecnologia: desafios éticos na fronteira do conhecimento humano. São Paulo: Centro Universitário São Camilo; p Berger P. Rumor dos anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. 2. ed. Petrópolis: Vozes; Stepke FL, Drumond JFF. Fundamentos de uma antropologia bioética: o apropriado, o bom e o justo. São Paulo: Loyola; Cortina A. Cidadãos do mundo para uma teoria da cidadania. São Paulo: Loyola; Diniz D, Guilhem D. O que é bioética. São Paulo: Brasilense; Recebido em: 23 de junho de Versão atualizada em: 4 de agosto de Aprovado em: 29 de setembro de

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 1 2 USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas dilemas morais aspectos culturais influenciado

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

I. Espiritualidade: um tema emergente

I. Espiritualidade: um tema emergente I. Espiritualidade: um tema emergente O Homem entra no século XX com grande otimismo nas suas capacidades! Em meados do século XX anunciava-se o fim da religião. Deus está morto! Deus continua morto! E

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Ética na prática profissional. Dra. Jussara Loch - PUCRS

Ética na prática profissional. Dra. Jussara Loch - PUCRS Ética na prática profissional Dra. Jussara Loch - PUCRS Conceitualização do termo ética Uma aproximação à ética do nutricionista: As bases éticas da relação clínica Mínimos e Máximos éticos O bom profissional

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE INTRODUÇÃO José Izael Fernandes da Paz UEPB joseizaelpb@hotmail.com Esse trabalho tem um propósito particular pertinente de abrir

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTA ESCOLA É O BICHO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTA ESCOLA É O BICHO FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTA ESCOLA É O BICHO JUSTIFICATIVA Nós humanos temos a habilidade de criar, transformar e modificar de forma criativa a nós e a tudo que nos rodeia. Possuímos em nós todas as ferramentas

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil.

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. 2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. Sumário Pauta...2 Justificativa...2 Objetivos...3 Metodologia...3 Potencial de

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Aspectos Legais e Bioéticos

Aspectos Legais e Bioéticos Aspectos Legais e Bioéticos da Sistematização da Assistência de Enfermagem Relações entre o tema da ética na pesquisa em seres humanos e Assistência de Enfermagem Importância da Resolução 196/96 no planejamento

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo, mostrar o papel do assistente social dentro de uma equipe

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A Ciência, o Poder e e os os Riscos

A Ciência, o Poder e e os os Riscos A Ciência, o Poder e e os os Riscos Diana Sofia Nº 12 11ºC - 2006/07 Prof. Idália Carrasqueiras Sabemos muita coisa (Vídeo com informação científica) Chegámos muito longe (Vídeo com os momentos da chegada

Leia mais

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA PARECER Nº 2442/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 157/2010 PROTOCOLO N. º 20097/2010 ASSUNTO: AUDITORIA HOSPITALAR RELAÇÃO CONTRATUAL ENTRE HOSPITAIS E OPERADORAS DE SAÚDE PARECERISTA: CONS.º DONIZETTI

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem.

O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem. O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem. Os profissionais enfermeiros nas instituições públicas de saúde têm importante papel sobre as decisões relacionadas à assistência aos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz

Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz Num passado não muito distante, os líderes nas empresas tinham uma postura profundamente autoritária, reflexo do funcionamento da

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 3º - O Projeto Pedagógico, ora aprovado, será implantado a partir do início do ano letivo de 1999 para a 1ª série.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 3º - O Projeto Pedagógico, ora aprovado, será implantado a partir do início do ano letivo de 1999 para a 1ª série. RESOLUÇÃO CONSEPE /98 APROVA O PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA DA FCM. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 15, XIV do

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO

AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO ROSEMAR ROSA (rosemar.rosa@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br) MÁRCIA MARIA PALHARES (marcia.palhares@uniube.br)

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NO ENSINO DA ENFERMAGEM ¹ [The importance of Ethics in nursing teaching]

A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NO ENSINO DA ENFERMAGEM ¹ [The importance of Ethics in nursing teaching] A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NO ENSINO DA ENFERMAGEM ¹ [The importance of Ethics in nursing teaching] Amarílis Schiavon Paschoal* Maria de Fátima Mantovani** Ymiracy N. S. Polak*** Resumo: A ética se refere

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 5. CURSO DE TEOLOGIA Área de atuação O egresso do Curso de Teologia

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais