Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são"

Transcrição

1

2 Resumo executivo Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são bem imprecisos em instalações no mundo real. As estimativas de perdas elétricas são feitas normalmente somando as ineficiências de diversos dispositivos elétricos, como os equipamentos de energia elétrica e de resfriamento. Este relatório mostra que os valores utilizados normalmente para estimar a ineficiência dos equipamentos são bastante imprecisos. É descrito um modelo simples, de eficiência mais precisa que fornece uma base racional para identificar e quantificar o desperdício em equipamentos de energia elétrica e de resfriamento.

3 Introdução O custo total de propriedade (TCO) da infra-estrutura física de redes críticas (NCPI) em um data center típico pode variar entre $80.000,00 a $ ,00 por rack, em 10 anos. Desse TCO, o custo do consumo de energia elétrica é um fator significativo, da ordem de 20% do custo total. Isso interessa porque grande parte do consumo de energia elétrica é desperdiçada (na forma de energia térmica) e uma quantidade significativa desse desperdício é evitável. É estimado que, os data centers consumam mundialmente cerca de de kwh de eletricidade por ano e a redução do desperdício associado a esse consumo é uma questão significativa de política pública e também uma preocupação financeira importante para operadores de data centers. 2 Figura 1 - A eletricidade é uma parte significativa do TCO Modelos simplificados típicos de eficiência em data centers subestimam grosseiramente o desperdício elétrico em data centers. A possibilidade para melhorar a eficiência é, conseqüentemente muito maior do que normalmente se acredita. Este relatório apresenta um modelo otimizado que proporciona maior exatidão para as perdas em data center e sugere onde estão disponíveis as oportunidades de melhoria na área de energia. O que é a Eficiência de um data center? A eficiência de qualquer dispositivo ou sistema é a parte de sua entrada de energia (eletricidade, combustível, tudo que faz o sistema andar ) que é convertida no resultado desejado útil o restante, diferente do resultado útil, é considerado como desperdício. Esta fração da energia útil que é aproveitada em relação ao total da entrada de energia é normalmente apresentada na forma de porcentagem. Energia útil é tudo aquilo que é considerado resultado desejado para o sistema específico, que pode depender não somente da natureza do sistema, mas também do contexto de sua utilização. Por exemplo, uma lâmpada incandescente cuja saída é composta de 5% de luz e 95% de calor pode ser vista como uma lâmpada com 5% de eficiência ou um aquecedor com 95% de eficiência, dependendo do uso: se está sendo utilizada para iluminar uma sala ou para aquecer um ambiente. Saída útil é tudo aquilo que faz sentido para o sistema analisado. Para a infra-estrutura física do data center, a entrada é a eletricidade e a saída útil é a energia elétrica para os equipamentos de computação. 1 Detalhes dos fatores que contribuem com o TCO estão descritos no Relatório Oficial da APC No. 6, Determinação do Custo Total de Propriedade da infra-estrutura para data centers e salas de redes. 2 (acessado em 14 de junho de 2006).

4 Neste relatório um data center é modelado como um sistema elétrico cuja entrada total é a energia elétrica consumida da concessionária de energia e cuja saída útil é a quantidade de energia elétrica para o processamento que ele fornece, que pode ser representado pela quantidade de energia elétrica fornecida aos equipamentos de TI. A Figura 2 ilustra esse modelo geral de eficiência em data center. Figura 2 A eficiência em data center é definida como a fração da entrada de energia elétrica fornecida para a carga de TI A energia elétrica fornecida para a carga de TI é uma medida da saída útil do data center Se o data center fosse 100% eficiente, toda a energia elétrica fornecida para o data center chegaria até as cargas de TI. No mundo real há várias maneiras da energia elétrica ser consumida por dispositivos diferentes das cargas de TI, devido aos requisitos práticos para manter os equipamentos de TI alojados, alimentados, resfriados e protegidos corretamente, de modo que possam fornecer sua capacidade útil de processamento. (Essas tarefas são de responsabilidade da infra-estrutura física de redes críticas dos data centers, indicados aqui pela sigla NCPI.) Outros dispositivos, que não são os equipamentos de TI e que consomem energia elétrica do data center são, entre outros: os transformadores, no-breaks (UPS), fiação de energia elétrica, ventiladores, aparelhos de ar condicionado, bombas, umidificadores e iluminação. Alguns desses dispositivos, como os no-breaks (UPS) e os transformadores estão em série com as cargas de IT (porque fornecem o caminho da energia elétrica para alimentá-los) enquanto outros, como a iluminação e os ventiladores estão em paralelo com as cargas de IT porque realizam outras funções de suporte no data center. A Figura 3 ilustra esses componentes internos do consumo de energia no modelo de eficiência de data centers. 3 A relação exata entre a energia elétrica e os bits movidos está fora do escopo deste relatório, porém a energia elétrica consumida pelos equipamentos de TI é uma medida justa do processamento fornecido, para fins dessa análise. As melhorias na eficiência pela redução do consumo de energia dos próprios equipamentos de TI são importantes, porém não são tratadas neste relatório.

5 Figura 3 Detalhe do consumo de energia no modelo de eficiência de data centers Conceitos de energia útil e energia desperdiçada no modelo de eficiência para data centers Em um modelo de eficiência, energia desperdiçada é tudo aquilo que não foi definido como saída útil do sistema. Os equipamentos que fazem parte da NCPI fazem outras coisas úteis além de fornecer energia elétrica para as cargas de TI esses equipamentos são chamados de suporte secundário na figura 3. Poderia ser argumentado que a saída útil desses subsistemas NCPI (resfriamento ou iluminação, por exemplo) também deve ser considerada como parte da Saída útil dos data centers. Esta é uma questão que se refere à estrutura. O objeto desta análise é a eficiência geral do data center para produzir sua saída útil, que é o processamento. Data centers são não construídos para produzir resfriamento ou proteção contra incêndio ou qualquer uma das outras coisas boas que os equipamentos NCPI fazem. Embora as saídas desses equipamentos NCPI sejam extremamente úteis para os trabalhos internos do data center, para ajudar e proteger sua saída útil (processamento) elas propriamente dito não fazem parte da saída útil do data center, nem há nenhuma razão para acreditar que elas devem consumir eletricidade. Atividades NCPI que não fazem parte do caminho da energia elétrica devem ser consideradas um mal necessário no suporte ao processamento do data center portanto, no modelo de eficiência do data center elas são consideradas como desperdício, que deve ser minimizado o máximo possível. Tudo deve ser considerado como válido em projetos alternativos e novas tecnologias para reduzir o consumo de energia geral em data center. Por exemplo, há data centers que utilizam métodos de "resfriamento natural, que aproveita o ar externo fresco usando técnicas como "rodas calor" e resfriamento de placas e estruturas. Isto pode reduzir a quantidade de energia elétrica gasta em resfriamento, o que aumenta a eficiência do data center.

6 A "saída útil" dos próprios componentes NCPI será uma preocupação crítica mais adiante nesse relatório, na análise da eficiência individual de componente a componente um pequeno quadro de referência da eficiência em data centers para reduzir as ineficiências internas (desperdícios) no modelo de data center geral maior. Para onde vai a energia elétrica do data center? Praticamente toda a energia elétrica fornecida ao data center se transforma ao final em calor. Um diagrama mostrando para onde vai o fluxo de energia elétrica e térmica em um data center típico é apresentado na Figura 4. Esta é a análise da energia elétrica de um data center típico, com alta disponibilidade, com dois caminhos de energia elétrica com ar condicionado de sala de computadores (CRAC) com redundância de N+1, operando com uma carga típica de 30% da capacidade de projeto. (A carga de 30% e a eficiência de 30% são coincidentemente iguais nesse data center, porém não são a mesma coisa embora carga baixa e eficiência baixa estejam relacionadas, como será analisado posteriormente neste relatório.) Observe que menos da metade da alimentação de energia elétrica em um data center é fornecida realmente para as cargas de TI. O data center nesse exemplo é considerado como 30% eficiente. Figura 4 Fluxo de energia elétrica em um data center típico Oportunidades para aumentar a eficiência em data centers A eficiência em data centers pode ser aumentada de três formas: 1. Melhorar o projeto interno dos dispositivos NCPI, de modo que consumam menos energia elétrica ao executar suas funções 2. Casar o dimensionamento dos componentes NCPI mais próximo da carga de TI real ("dimensionamento correto") para que os componentes operem com uma eficiência mais elevada 3. Desenvolver novas tecnologias que reduzam a necessidade de energia elétrica para

7 alimentar funções de suporte de NCPI (como as técnicas de "resfriamento natural" mencionadas anteriormente) (Como será mostrado, a alternativa 2 proporciona a maior oportunidade imediata para aumentar a eficiência em data centers.) A Figura 5 ilustra que, o fato de reduzir o consumo de energia interna, aumenta a eficiência em data centers. Figura 5 Para aumentar a eficiência em data center Aumentar a eficiência de componentes Corresponder o tamanho do componente à carga de TI Usar novas tecnologias Correção de conceitos incorretos acerca da eficiência de data centers Embora a eficiência de data centers possa ser determinada empiricamente somando o consumo de energia de todos os equipamentos de TI e dividindo pela entrada total de energia elétrica do data center, a técnica usual é baseada na eficiência informada pelos fabricantes dos principais componentes como UPS e CRAC (Sistemas de ar condicionado para salas de computadores). Isto pode ser mais fácil, mas produz normalmente uma eficiência muito superestimada que obscurece qualquer informação potencialmente útil para identificar oportunidades de economia nos custos elétricos.

8 A eficiência de data centers é mais do que a eficiência mencionada na "plaqueta" do componente Os fabricantes fornecem dados de eficiência para equipamentos elétricos e de resfriamento. No caso de equipamentos elétricos, a eficiência é normalmente expressa como a porcentagem da potência de saída em relação à potência de entrada; para equipamentos de resfriamento, a eficiência é normalmente expressa como um parâmetro relacionado chamado de "coeficiente de desempenho" a razão entre o calor removido e a potência elétrica de entrada. Os valores de eficiência publicados para dispositivos similares por fabricantes diferentes não variam muito, levando a uma visão simplificada de que as perdas de eficiência de um data center podem ser determinadas simplesmente somando-se as ineficiências dos diversos componentes. Infelizmente esta abordagem não permite resultados precisos no caso de data centers reais. O uso das eficiências nominais dos fabricantes faz com que os usuários ou projetistas superestimem dramaticamente a eficiência e, conseqüentemente, subestimem as perdas em data centers reais. Figura 6 - Os fabricantes fornecem um valor único para a eficiência de cada componente Premissas incorretas A tabela 1 relaciona três conceitos incorretos comuns que causam erros significativos nos modelos de eficiência de data centers. Tabela 1 - Conceitos incorretos comuns sobre eficiência em data center Premissa incorreta A eficiência dos componentes elétricos e de resfriamento é constante e independente da carga de TI Os componentes elétricos e de resfriamento operam com a carga de projeto ou próximo dela O calor produzido por componentes elétricos e de resfriamento é insignificante Realidade A eficiência dos componentes especialmente das unidades de ar condicionado de salas de computadores e dos No-breaks (UPS) cai significativamente com cargas de TI menores As cargas típicas de TI são significativamente menores que a capacidade de projeto dos componentes NCPI utilizados A dissipação térmica de componentes elétricos e de resfriamento é uma carga significativa para o resfriamento e deve ser incluída ao analisar a ineficiência do sistema de resfriamento Esses erros principais se complementam entre si, particularmente com cargas de TI mais baixas, típicas na maioria dos data centers. Em função disto, as perdas elétricas em data center são subestimadas com freqüência por um fator de dois ou um fator maior ainda.

9 Felizmente, pode ser montado um modelo simples que incorpora as questões acima e fornece estimativas de eficiência mais confiáveis. Modelos aperfeiçoados para a eficiência de componentes Um modelo aperfeiçoado para a eficiência geral de um data center depende da precisão de modelamento dos componentes individuais, como um no-break (UPS), por exemplo. A caracterização de componentes elétricos e de resfriamento Premissa incorreta No. 1 usando um único valor de eficiência é o método comum, porém isso é inadequado para instalações reais de data center. A A eficiência dos com eficiência real de um componente como um no-break (UPS) p onentes elétricos e de resfriamento é constante e não é constante; a eficiência é função da carga de TI. independente da carga de TI A Figura 7 apresenta uma curva típica de eficiência de um no-break (UPS). Observe que próximo de cargas muito pequenas, a eficiência deste dispositivo cai para zero. Isto ocorre porque há algumas perdas, como as perdas do circuito de controle, que são independentes da carga. Essa perda constante, independente da carga, é conhecida por diversos nomes: perda sem carga, fixa, perda de shunt, tara, ou perda paralela. Este relatório usará o termo perda sem carga. A Figura 8 é uma outra visualização dos mesmos dados da Figura 7. Observe que à medida que a carga cai, o consumo interno de energia do no-break (UPS) (a "perda," mostrada como a fração vermelha de cada barra) se torna uma fração cada vez maior do total de energia elétrica, reduzindo assim o valor percentual da eficiência. Isto é devido à fração da perda sem carga, que permanece a mesma, independente da carga.

10 Figura 8 Efeito da perda interna do no-break (UPS) na eficiência O no-break (UPS) com os dados das Figuras 7 e 8 poderia ser descrito como tendo uma eficiência de 91%. No entanto, esta é a eficiência com carga total, ou o cenário do melhor caso. Em cargas baixas, onde a maioria dos data centers opera, dizer que este dispositivo tem uma eficiência de 91% é claramente um erro por exemplo, com 10% de carga o mesmo no-break (UPS) apresenta uma eficiência de apenas 60%. Fica demonstrado claramente que um modelo com um único parâmetro para a eficiência é inadequado nesse caso. Três tipos de perdas internas de dispositivos Uma análise cuidadosa da Figura 8 revela que a perda do dispositivo (a parte vermelha das barras) aumenta à medida que a carga aumenta. Isso se deve a uma perda extra sobrepondo-se à perda sem carga que é proporcional à carga. Pode ainda haver um componente de perda acima disso (não evidente nesse gráfico) que é proporcional ao quadrado da carga, normalmente não significativa, porém pode fazer a eficiência geral cair em cargas mais elevadas. A Tabela 2 apresenta valores típicos desses três tipos de perdas, para diversos tipos de equipamentos utilizados em um data center. As perdas são somadas na última coluna como perda total do componente.

11 Tabela 2 Perdas elétricas típicas de componentes NCPI expressas como uma fração da capacidade de carga total do componente Componente NCPI Perda sem carga + Perda proporcional + perda quadrática da carga = Perda total (parâmetro único) UPS 4% 5% - 9% PDU 1,5% 1,5% - 3% Iluminação 1% - - 1% Fiação - - 1% 1% Painel de distribuição - - 0,5% 0,5% Gerador 0,3% - - 0,3% Ar cond. sala comp. 9% 0-9% Umidificador 1% 1% - 2% Unidade de resfriamento 6% 26% - 32% Conforme a Tabela 2, pode ser observado que, ao caracterizar cada tipo de dispositivo usando não mais que dois parâmetros, é possível criar modelos mais completos para os componentes utilizados em data centers. Observe que as perdas nessa tabela são expressas como porcentagem da capacidade de carga total do equipamento e, em cargas reais abaixo da carga total, a perda percentual variará da seguinte forma: Perda sem carga: o percentual de perda aumenta com a redução da carga Perda proporcional: o percentual de perda é constante (independente da carga) Perda quadrática da carga: o percentual de perda diminui com a redução da carga A eficiência de um no-break (UPS) típico ilustrado nas Figuras 7 e 8 não poderia ser modelada com precisão com um único parâmetro de eficiência, porém foi modelado apropriadamente pelos parâmetros de perda sem carga (4%) e de perda proporcional (5%) da Tabela 2.

12 Efeito do sub-carregamento na eficiência do componente A seção anterior explica que a eficiência dos sistemas elétricos e de resfriamento cai significativamente quando os Premissa incorreta No. 2 equipamentos são utilizados abaixo do valor de projeto do equipamento. Isto significa que qualquer análise da eficiência do data center deve representar corretamente a carga como uma fração da capacidade de projeto. Os componentes elétricos e de resfriamento operam com a carga de projeto ou próximo dela Os modelos que utilizam um único valor de eficiência para modelar os equipamentos não são sensíveis à carga (a eficiência não muda com a carga nesses modelos). Ainda assim é um fato que nos data centers médios, os equipamentos elétricos e de resfriamento operam rotineiramente bem abaixo da capacidade nominal. O resultado é que tais modelos superestimam significativamente a eficiência real dos data centers. Para cada tipo de componente elétrico ou de resfriamento há quatro razões por que um componente poderia ser operado abaixo de sua capacidade nominal: A carga de TI do data center é simplesmente menor que a capacidade de projeto do sistema O componente foi superdimensionado intencionalmente para proporcionar uma margem de segurança O componente está operando com outros componentes similares em uma configuração N+1 ou 2N O componente está superdimensionado para atender a diversidade das cargas A carga de TI é menor que a capacidade de projeto do data center. A pesquisa é clara: a média dos data centers opera a 65%, abaixo do valor de projeto. Esta situação é descrita mais detalhadamente no Relatório Oficial da APC No. 37, Como evitar custos devido ao superdimencionamento do data center e da infra-estrutura da sala de rede. As próximas seções deste relatório mostrarão que a sub-utilização é um fator que contribui muito para a ineficiência de data centers. Componente superdimensionado para proporcionar uma margem de segurança. É comum superestimar os componentes em uma rotina chamada na prática de "derating" (uma redução na especificação operacional para melhorar a confiabilidade) ou reclassificação. A idéia é evitar que os componentes operem próximo do limite de suas capacidades. É possível operar instalações sem essa reclassificação, porém valores entre 10 e 20% são prática de projeto recomendada para instalações de alta disponibilidade.

13 Componente operando em uma configuração com redundância de N+1 ou 2N. É uma prática comum utilizar dispositivos em uma configuração N+1 ou mesmo 2N para melhorar a confiabilidade e/ou para permitir manutenção de componentes sem desligar o sistema. Operar o data center nesse tipo de configuração significa que a carga de TI é distribuída entre mais componentes NCPI, reduzindo efetivamente a carga do componente. Para um sistema 2N, o carregamento em qualquer componente simples é menor que a metade de seu valor de projeto. Portanto, a eficiência de um data center é afetada fortemente pela operação de dispositivos nas configurações N+1 ou 2N. O componente é superdimensionado para administrar a "diversidade de carga." Este efeito é sutil e melhor ilustrado por um exemplo. Considere um data center com uma carga de 1 MW alimentado por um no-break (UPS) de 1,1 MW. Entre o no-break (UPS) e as cargas de TI há 10 unidades de distribuição de energia elétrica (PDUs), cada uma alimentando uma parte das cargas de TI. A pergunta é: qual é a potência nominal de cada um desses PDUs e, portanto, com que potência estão operando para uma carga média? À primeira vista poderia parecer que se cada um tivesse uma capacidade nominal de 100 kw, o projeto do sistema poderia ser satisfatório. Além disso, se cada PDU operar à plena carga, o data center poderia operar com a carga total. No entanto, em data centers reais é praticamente impossível assegurar um equilíbrio de cargas entre as PDU. A carga em uma PDU específica é ditada pela natureza do equipamento de TI na região do data center onde a PDU está localizada. De fato, as cargas em diversas PDUs em data centers reais geralmente variam com um fator de 2. Se uma PDU alimenta uma seção do data center que é utilizada fisicamente para capacidade futura, porém ainda não está usando a capacidade total de potência desta PDU, então a capacidade restante dessa PDU não pode ser utilizada se as outras 9 PDUs estiverem totalmente carregadas. Nessa configuração, a única maneira de garantir a plena capacidade do data center é superdimensionar substancialmente a capacidade total da PDU. O superdimensionamento típico da capacidade de uma PDU é da ordem de 30% a 100%. Como nos exemplos anteriores, esse superdimensionamento degrada a eficiência do sistema. A Figura 9 ilustra a necessidade de superdimensionamento da PDU para atender a diversidade da carga. Deve ser notado que o mesmo problema que provoca o superdimensionamento da PDU também determina o superdimensionamento dos condicionadores de ar.

14 Figura 9 Efeito da diversidade de cargas no dimensionamento da PDU Efeito do calor proveniente dos equipamentos elétricos e de resfriamento Outro erro fundamental no modelamento da eficiência de data centers é a premissa de que a dissipação de calor dos equipamentos elétricos e de resfriamento (ineficiência) é uma fração insignificante da carga de TI e, portanto, pode ser ignorada. De fato, o calor gerado pelos equipamentos elétricos e de resfriamento dentro de um data center não é diferente do calor gerado pelos próprios equipamentos de TI, e também devem ser removidos pelo sistema de resfriamento. Isto cria uma carga extra para o sistema de resfriamento e cria a necessidade de superdimensionamento do sistema de resfriamento, que por sua vez cria mais perdas de eficiência no sistema de resfriamento. Para contabilizar corretamente essas perdas, a carga de resfriamento deve incluir tanto o os equipamentos de TI como as perdas dos dispositivos elétricos e de resfriamento localizados dentro do espaço com ar condicionado. Premissa incorreta No. 3 O calor proveniente dos componentes elétricos e de resfriamento é insignificante

15 Resumindo: Um modelo aperfeiçoado para a eficiência do data center Com base na análise acima, é possível montar um modelo aperfeiçoado para a eficiência de data centers. Este modelo aperfeiçoado tem os seguintes atributos: os componentes são modelados com uma perda sem carga, mais uma perda proporcional à carga, mais uma perda proporcional ao quadrado da carga O superdimensionamento devido ao derating/reclassificação do componente está incorporado A sub-utilização devido a projetos com redundância N+1 ou 2N está incorporado A carga de resfriamento inclui a carga dos equipamentos de TI e a carga térmica devido à ineficiência dos componentes internos elétricos e de resfriamento Para uma determinada instalação de data center, o modelo fornece uma saída gráfica da eficiência em função da carga, entendendo que data centers típicos operam bem abaixo da capacidade de projeto A implementação do modelo é direta e obedece ao seguinte fluxo geral: Determine o grau médio de superdimensionamento para cada tipo de componente elétrico e de resfriamento, forneça o derating/reclassificação, a diversidade e os fatores de redundância Determine as perdas operacionais de cada tipo de componente usando a carga de entrada, fração da carga nominal para o tipo de componente com base no superdimensionamento, a perda sem carga e a perda proporcional Determine a perda proporcional adicional devido a necessidade do sistema de resfriamento esfriar os equipamentos elétricos e de resfriamento dentro do data center Some todas as perdas Compute e tabule as perdas em função da carga de TI no data center Um modelo para computador baseado nesses princípios foi implementado para calcular o consumo de energia na metodologia de análise de TCO de data center, descrito no Relatório Oficial APC No. 6, Determinação do custo total de propriedade (TCO) de data centers e da infra-estrutura de sala de redes. Dispositivos com vários modos de operação Alguns subsistemas NCPI aparelhos de ar condicionado, por exemplo podem ter diversos modos de operação, com eficiências diferentes associadas a cada um deles. Por exemplo, alguns sistemas de ar-condicionado têm um modo "economizador" para períodos de temperatura externa baixa, quando a eficiência do sistema é significativamente maior. Esses dispositivos não podem ser modelados usando uma única curva de eficiência com base no modelo simples de 3 parâmetros (perda sem carga, perda proporcional e perda quadrática da carga) descrito neste relatório. Para estabelecer um modelo de eficiência para um dispositivo que opera em diversos modos é utilizada uma técnica diferente. Felizmente, essa técnica é bem conhecida e amplamente utilizada na área de engenharia.

16 Dispositivos que alternam entre modos diferentes de operação podem ser modelados em um período longo usando uma técnica direta chamada de "ponderação média de estado/espaço." Isto é feito determinando os períodos relativos do tempo gasto nos diversos modos e, em seguida, gerando uma média ponderada da saída do sistema. Esta técnica é aplicada facilmente em cálculos de eficiência e de perdas. Para utilizar o modelo de eficiência descrito nesse relatório em dispositivos NCPI com vários modos de operação, deve ser determinado primeiro as perdas fixas, proporcionais e quadráticas, para cada modo de operação. Em seguida, a contribuição da perda geral durante um período prolongado é calculada multiplicando-se a perda em cada modo pela fração prevista do tempo gasto em cada modo. Por exemplo, uma descrição completa de um sistema com dois modos de operação poderia exigir três curvas de eficiência: Curva de eficiência no modo 1 Curva de eficiência no modo 2 Curva da eficiência geral esperada, em função do período de tempo informado que será gasto em cada modo Eficiência de data centers no mundo real Equipado com um modelo aperfeiçoado para determinar o consumo de energia em data center, é possível fazer estimativas melhores da eficiência de data centers. Usando valores típicos para perdas de equipamentos, derating/reclassificação, diversidade de carga, superdimensionamento e fator de redundância, pode ser desenvolvida uma curva de eficiência como a da Figura 10. Figura 10 - Eficiência de um data center típico, usando o modelo aperfeiçoado 2006 American Power Conversion. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser utilizada, reproduzida, fotocopiada, transmitida ou armazenada em qualquer sistema de recuperação de qualquer natureza, sem a permissão escrita do detentor dos direitos autorais. Rev Página 16 / 20

17 Observe que esta curva de eficiência x carga é consideravelmente diferente das estimativas baseadas em cálculos convencionais que utilizam os dados de eficiência do componente publicados pelos fabricantes. Uma estimativa convencional da eficiência de data centers descrita pela Figura 10 poderia ser um valor entre 60 a 70%, independentemente da carga. Observe a redução drástica na eficiência prevista para o data center pelo modelo aperfeiçoado, particularmente em cargas mais baixas onde muitos data centers realmente operam. O modelo mostra que, em data centers com pouca carga, a ineficiência pode ser dramática. Por exemplo, em um determinado data center carregado com apenas 10% de sua capacidade nominal, para cada dez watts fornecidos ao data center apenas um watt aproximadamente chega nos equipamentos de TI. Os nove watts restantes são perdidos em ineficiências na infra-estrutura física da rede crítica. Outra maneira de olhar para essas perdas é em termos do custo financeiro. A Figura 11 mostra o custo anual de eletricidade de um data center de 1 MW em função da carga de TI. Isto é baseado em um projeto típico de alta disponibilidade, com caminho duplo de energia elétrica e unidades de ar condicionado para sala de computadores (CRAC) com redundância de N+1. Foi presumido um custo de eletricidade de $0,10 por kwh para esta análise. Figura 11 - Custo elétrico anual para um data center típico de 1 MW em função da fração da capacidade de projeto utilizada 2006 American Power Conversion. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser utilizada, reproduzida, fotocopiada, transmitida ou armazenada em qualquer sistema de recuperação de qualquer natureza, sem a permissão escrita do detentor dos direitos autorais. Rev Página 17 / 20

18 A Figura 11 mostra que o custo total de eletricidade em um data center de 1MW varia entre $ ,00 a $ ,00 por ano, em função do tamanho da carga de TI. Observe que, mesmo se não houver carga de TI o custo é maior que $ ,00 por ano, determinado pelas ineficiências dos sistemas elétricos e de resfriamento. Em um nível de utilização de 30% da capacidade de um data center típico, acima de 70% dos custos da eletricidade são causados por ineficiências dos equipamentos elétricos e de resfriamento. Potencial de maior eficiência no data center O modelo mostra claramente que os fatores primários dos custos elétricos dos data centers são as perdas sem carga dos componentes da infra-estrutura, que ultrapassam o consumo de energia da carga de TI em situações típicas. É notável que as perdas sem carga são ignoradas na análise convencional; de fato, um exame nas especificações de produtos mostra que informações importantes sobre a perda sem carga de dispositivos elétricos e de resfriamento não são fornecidas rotineiramente pelos fabricantes dos equipamentos. Uma análise dos dados pode identificar e classificar rapidamente oportunidades para reduzir perdas e melhorar a eficiência operacional de data centers: Disparadamente, a maior oportunidade para economizar é reduzir o superdimensionamento dos data centers usando uma arquitetura modular adaptável que permita que a infra-estrutura elétrica e de resfriamento cresça com a carga. Redução potencial das perdas: 50%. Melhorar a eficiência dos sistemas de resfriamento. Redução potencial das perdas: 30% Redução das perdas sem carga dos componentes elétricos e de resfriamento no data center. Redução potencial das perdas: 10% A Figura 12 ilustra as possibilidades relativas de ganho de eficiência, a partir da eficiência melhorada de um componente e da redução do superdimensionamento. Uma análise mais detalhada dos potenciais de ganho de eficiência e das oportunidades de melhoria na eficiência é apresentada no Relatório Oficial APC No. 114, "Implementação de data center eficientes em termos energéticos" American Power Conversion. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser utilizada, reproduzida, fotocopiada, transmitida ou armazenada em qualquer sistema de recuperação de qualquer natureza, sem a permissão escrita do detentor dos direitos autorais. Rev Página 18 / 20

19 Figura 12 Potencial de melhoria na eficiência de data center Conclusão Modelos convencionais de eficiência em data centers normalmente superestimam a eficiência porque não tem a percepção correta do grau de superdimensionamento dos equipamentos, nem levam em conta a redução da eficiência em cargas reduzidas na qual a maioria dos data centers opera. Um modelo aperfeiçoado fornece valores numéricos mais precisos para a eficiência de data centers, e também uma compreensão sobre onde vão parar as perdas e como elas podem ser reduzidas. Data centers típicos consomem mais de duas vezes a potência que as cargas de TI exigem. O custo associado a esse consumo de energia é uma fração considerável do custo total de propriedade do sistema. Toda a energia elétrica consumida além da energia necessária para os equipamentos de TI é indesejável e grande parte dela pode ser evitada American Power Conversion. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser utilizada, reproduzida, fotocopiada, transmitida ou armazenada em qualquer sistema de recuperação de qualquer natureza, sem a permissão escrita do detentor dos direitos autorais. Rev Página 19 / 20

20 O superdimensionamento de data centers é o maior contribuinte individual para a ineficiência do data center, sugerindo que soluções escaláveis, que podem crescer com a carga de TI, oferecem uma oportunidade importante para reduzir os desperdícios e os custos elétricos. As economias potenciais com o custo de eletricidade de um data center típico de 1 MW são da ordem de $ ,00 a ,00 ao longo de uma vida útil típica de 10 anos das instalações. Devido à grande quantidade de energia elétrica e do custo consumido pela ineficiência dos data centers, a redução dessas perdas deveria ser um tema de importância fundamental para todos os proprietários de data centers e também uma questão significativa de política pública. Sobre o autor: Neil Rasmussen é o Principal Executivo Técnico da APC-MGE. Neil define as instruções de tecnologia para o maior orçamento de P&D do mundo dedicado à energia elétrica, resfriamento e infra-estrutura de racks para redes críticas. Neil dirige atualmente as pesquisas na APC-MGE para desenvolver soluções modulares e escaláveis de alta eficiência para infra-estrutura de data centers e é o principal arquiteto do sistema InfraStruXure da APC-MGE. Antes de fundar a APC em 1981, Neil recebeu seus diplomas de graduação e de mestrado em engenharia elétrica do MIT onde apresentou sua tese sobre a análise de uma fonte de alimentação de 200 MW para o reator de fusão Tokamak. De 1979 a 1981 trabalhou nos laboratórios Lincoln do MIT em sistemas de armazenamento de energia em volantes de inércia e em sistemas de energia elétrica solar American Power Conversion. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser utilizada, reproduzida, fotocopiada, transmitida ou armazenada em qualquer sistema de recuperação de qualquer natureza, sem a permissão escrita do detentor dos direitos autorais. Rev Página 20 / 20

Implementação de data centers eficientes em termos de energia

Implementação de data centers eficientes em termos de energia Implementação de data centers eficientes em termos de energia Traduzido por Schneider Electric, Critical Power and Cooling Services Division - Brazil Relatório APC No. 114 Resumo executivo Os custos da

Leia mais

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética Implantação de Data Centers com Eficiência Energética White Paper 114 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os custos de utilização da energia elétrica passaram a ser uma fração crescente do

Leia mais

Para superar esses problemas, a metodologia de três partes a seguir está detalhada neste artigo: igualmente à DCiE

Para superar esses problemas, a metodologia de três partes a seguir está detalhada neste artigo: igualmente à DCiE Os benefícios de se determinar a eficiência da infraestrutura do data center como parte de um plano efetivo de gerenciamento de energia são amplamente reconhecidos. A métrica padrão PUE (Eficácia do Uso

Leia mais

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação White Paper 175 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo A consolidação de um ou mais data centers em um data

Leia mais

Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers

Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers Medição de Eficiência Elétrica de Data Centers White Paper 154 Revisão 2 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Introdução A eficiência elétrica do data center raramente é planejada ou gerenciada. O resultado

Leia mais

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA White Paper 28 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Sumário Executivo As alternativas para fornecer energia elétrica para

Leia mais

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Por Neil Rasmussen Relatório interno N 125 Resumo Executivo Os servidores blade funcionam às densidades de potência mais altas que as capacidades

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Por Victor Avelar Relatório APC N 3 Revisão 1 Resumo executivo Parte do projeto e planejamento de um Data Center consiste em alinhar as necessidades

Leia mais

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Relatório APC Nº 161, revisão 1 Neil Rasmussen > Índice Introdução 2 Qual é a meta? 2 > Resumo executivo Medição

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks

Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks Modo econômico: Benefícios e riscos dos modos de economia de energia da Operação com No-Breaks White Paper 157 Revisão 0 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Muitos novos sistemas de UPS (no-break) têm

Leia mais

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio PLAYBOOK P A R A M U D A N Ç A Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio Durante décadas, os data centers foram sobre provisionados de duas à três vezes em uma tentativa de planejar

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center

Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center White Paper 120 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os métodos convencionais para especificar a densidade do data center

Leia mais

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima 6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima qualidade. Introdução Se você tem planos para comprar

Leia mais

Diferentes tipos de sistemas No-Break

Diferentes tipos de sistemas No-Break Diferentes tipos de sistemas No-Break Relatório interno N 1 Revisão 6 por Neil Rasmussen > Resumo executivo Há muita confusão no mercado acerca dos diferentes tipos de sistemas NO-BREAK e suas características.

Leia mais

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers White Paper 177 Revisão 1 Por Wendy Torell e Patrick Donovan > Sumário Executivo Ao planejar a consolidação de vários

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers

Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers Relatório 150 Revisão 1 Neil Rasmussen > Resumo executivo Equipamentos de TI de alta densidade exigem maior capacidade de densidade

Leia mais

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Discrete Automation and Motion Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Tempo de inatividade igual a zero conheça o Conceptpower DPA 500 O Conceptpower DPA 500 da ABB é um sistema

Leia mais

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers White Paper 159 Revisão 0 Por Victor Avelar > Sumário Executivo O posicionamento de cabos de energia e de dados do data center em suportes para

Leia mais

Esta aula apresentará os elementos chave para a criação de um sistema elétrico, confiável, para um Data Center. Em seguira serão apresentadas

Esta aula apresentará os elementos chave para a criação de um sistema elétrico, confiável, para um Data Center. Em seguira serão apresentadas Esta aula apresentará os elementos chave para a criação de um sistema elétrico, confiável, para um Data Center. Em seguira serão apresentadas características de controle de um ambiente de DC, envolvendo

Leia mais

Uma arquitetura de distribuição de energia elétrica escalável, reconfigurável e eficiente para Data Centers

Uma arquitetura de distribuição de energia elétrica escalável, reconfigurável e eficiente para Data Centers Uma arquitetura de distribuição de energia elétrica escalável, reconfigurável e eficiente para Data Centers White Paper 129 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Melhorias significativas na

Leia mais

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Aplicação Técnica 15 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo Executivo Esta nota ajuda a explicar as diferenças entre Watts e VA e explica de que forma os termos

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI White Paper 161 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo São necessários softwares e instrumentos complicados para medir

Leia mais

Potência elétrica e consumo de energia

Potência elétrica e consumo de energia Potência elétrica e consumo de energia Um aparelho, submetido a uma diferença de potencial, tensão, percorrido por uma corrente elétrica desenvolve uma potência elétrica dada pelo produto entre a tensão

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Parte I Resistores e Associação de Resistores 1. (Ufmg 2012) Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: c) 8. d) 12. e) 15. 4. (Ufu 2011)

Leia mais

Comparação quantitatativa de sistemas de distribuição de energia CA vs CC de alta eficiência para data centers

Comparação quantitatativa de sistemas de distribuição de energia CA vs CC de alta eficiência para data centers Comparação quantitatativa de sistemas de distribuição de energia CA vs CC de alta eficiência para data centers Relatório 127 Revisão2 Neil Rasmussen and James Spitaels > Resumo executivo Este relatório

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Infra-estrutura para Data Centres

Infra-estrutura para Data Centres Infra-estrutura para Data Centres Planejando Data Centres de Alto Desempenho. Eng. Eletricista José Luiz De Martini Consultor especializado no planejamento e desenvolvimento de soluções de infra-estrutura

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS

UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS Introdução Onde quer que seja necessária alimentação contínua de energia elétrica, há uma necessidade de Fontes de Alimentação

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

Trabalho sobre No-breaks

Trabalho sobre No-breaks Trabalho sobre No-breaks Grupo: Leandro Porto Cristiano Porto Diego Martins Diogo Rubin Os nobreaks protegem os equipamentos contra quatro problemas principais causados pela variação da energia elétrica.

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização

Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização Logo da Empresa Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização Eng. Eduardo Grecco Evolução das Salas de Processamento CPD s Mainframes 500 W/m2 ambiente a 22 o C Data Center Corredores quentes

Leia mais

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Aplicação técnica nº 64 Revisão 1 Sumário Executivo As células de e as micro-turbinas são novas tecnologias alternativas

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

Symmetra PX. Symmetra PX 48kW Escalável de 16kW a 48kW. Proteção elétrica modular, escalável e de alta eficiência para Data Centers

Symmetra PX. Symmetra PX 48kW Escalável de 16kW a 48kW. Proteção elétrica modular, escalável e de alta eficiência para Data Centers Symmetra PX Proteção elétrica modular, escalável e de alta eficiência para Data Centers Symmetra PX 48kW Escalável de 16kW a 48kW > Proteção elétrica trifásica compacta, de alto desempenho e eficiência.

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

O básico sobre overclock

O básico sobre overclock O básico sobre overclock Se você chegou até aqui, já deve ter percebido que a frequência de operação dos processadores (e também das memórias e outros circuitos) não é fixa, mas sim definida pela combinação

Leia mais

Gerenciamento inteligente de dados

Gerenciamento inteligente de dados Gerenciamento inteligente de dados Sanjeet Singh Grupo de produtos de armazenamento de dados da Dell ÍNDICE Índice RESUMO EXECUTIVO... 3 O GERENCIAMENTO DE DADOS DE HOJE... 3 VISÃO DA DELL: IDM... 4 OBJETIVOS

Leia mais

Congresso TIC Verde 2ª. Edição 12 e 13 de Agosto de 2009

Congresso TIC Verde 2ª. Edição 12 e 13 de Agosto de 2009 Congresso TIC Verde 2ª. Edição 12 e 13 de Agosto de 2009 SUSTENTABILIDADE E SOCIEDADE Painel de debates: Quais os atores e papéis no cenário da TIC Verde? Instituto de Engenharia Fundado em 1916, o Instituto

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira Data Center : Conceitos Básicos Alex Martins de Oliveira Conceitos e Projetos Disponibilidade, Confiabilidade e Redundância Planejamento de Espaços Distribuição Elétrica e UPS (Uniterruptable Power Supply)

Leia mais

Contêiner como alternativa para redução de custos com energia. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng

Contêiner como alternativa para redução de custos com energia. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng Contêiner como alternativa para redução de custos com energia Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng TEMAS Mercado de DC e de Contêiner Eficiência Energética DC em contêiner Vantagens / Desvantagens Data Center

Leia mais

Como escolher entre refrigeração perimetral, por corredor e por rack para data center

Como escolher entre refrigeração perimetral, por corredor e por rack para data center Como escolher entre refrigeração perimetral, por corredor e por rack para data center White Paper 130 Revisão 2 Por Kevin Dunlap e Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os equipamentos de TI mais modernos

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment Num Centro de Dados típico, apenas 30% da energia consumida se deve aos equipamentos de TI. 35 Sistema de Refrigeração

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT006 Comportamento eletromagnético de transformadores UV RESUMO

Boletim Te cnico. Tema: BT006 Comportamento eletromagnético de transformadores UV RESUMO Boletim Te cnico Tema: BT006 Comportamento eletromagnético de transformadores UV Márcio Moraes dos Santos RESUMO O presente artigo discutirá importantes aspectos relacionados ao comportamento dos campos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Especificações...02 2.1. Gerais...02

Leia mais

Exercícios Estudo da eletricidade (PARTE 1)

Exercícios Estudo da eletricidade (PARTE 1) CIÊNCIAS º Ano do Ensino Fundamental Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: ) Observe a conta da CEMIG abaixo. Exercícios Estudo da eletricidade (PARTE ) A partir das informações dessa figura,

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Energia Elétrica e Conta de Luz

Energia Elétrica e Conta de Luz Energia Elétrica e Conta de Luz 1. (Unifesp 2013) Observe a charge. Em uma única tomada de tensão nominal de 110V, estão ligados, por meio de um adaptador, dois abajures (com lâmpadas incandescentes com

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

Visão Geral das Estratégias de Energia Ecologicamente Corretas e Técnicas para Modernos Data Centers

Visão Geral das Estratégias de Energia Ecologicamente Corretas e Técnicas para Modernos Data Centers Visão Geral das Estratégias de Energia Ecologicamente Corretas e Técnicas para Modernos Data Centers Introdução Data centers garantem a operação de equipamentos críticos da área de TI incluindo servidores,

Leia mais

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software Objetivos desta Aula Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1 Introduzir a engenharia de e explicar a sua importância Responder uma série de perguntas sobre engenharia de Introduzir questões éticas

Leia mais

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão CPAS Climatizador Self Contained de Precisão O Climatizador Self Contained de Precisão é uma unidade evaporadora que incorpora compressor, evaporador, ventilador e instrumentação de proteção e controle.

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Infra-estrutura Física de Rede Crítica para Redes Wireless LAN de Empresas

Infra-estrutura Física de Rede Crítica para Redes Wireless LAN de Empresas Infra-estrutura Física de Rede Crítica para Redes Wireless LAN de Empresas Por Viswas Purani Relatório Interno No. 84 Resumo Executivo Durante as implantações de redes LAN sem Fio (WLAN) podem surgir requisitos

Leia mais

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS 24 Capítulo VIII Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por or Luis Tossi e José tarosta o capítulo anterior, foram apresentadas as premissas relativas aos indicadores

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

MANUAL DE ENERGIA NO-BREAKS

MANUAL DE ENERGIA NO-BREAKS MANUAL DE ENERGIA E NO-BREAKS Há muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de eventos de energia e sistemas de no-break, incluindo suas características. Temos então uma descrição de cada

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

LISTA FISICA 2 ROGERIO

LISTA FISICA 2 ROGERIO LISTA FISICA 2 ROGERIO 1 FUVEST - SP Um circuito elétrico residencial tem os aparelhos elétricos da tabela a seguir, onde aparecem suas potências médias. A ddp na rede é de 110 V. Calcule a intensidade

Leia mais

Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers

Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers White Paper 174 Revisão 0 por Victor Avelar > Sumário executivo Pequenos data centers são geralmente desorganizados, inseguros,

Leia mais

Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia

Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia Como Utilizar Power over Ethernet para Reduzir o Consumo de Energia Documento Técnico Setembro de 2011 Visão Geral A tecnologia 'Power over Ethernet' (PoE) tornou-se uma ferramenta cada vez mais importante

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto TEMA: Distribuição eléctrica na FEUP PROBLEMA: Como é feita a distribuição de energia eléctrica na FEUP ALUNOS: Ana Barros, João Carvalho, Maria Ribeiro,

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

SMART-UPS VT & GALAXY 3500. Data Center Solutions. Marcio Iamamoto Product Marketing Engineer Schneider Electric IT Business.

SMART-UPS VT & GALAXY 3500. Data Center Solutions. Marcio Iamamoto Product Marketing Engineer Schneider Electric IT Business. SMART-UPS VT & GALAXY 3500 Data Center Solutions Marcio Iamamoto Product Marketing Engineer Schneider Electric IT Business Setembro/2013 Smart-UPS VT & Galaxy 3500 Mais de 11 milhões de unidades vendidas

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais