Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP (2009 a 2013)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP (2009 a 2013)"

Transcrição

1 Temas Económicos Número 27 Agosto de 2014 Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP Walter Anatole Marques Rua da Prata, nº Lisboa Tel.: (351) Fax: (351) Web Site: ISSN

2 SUMÁRIO 1 - Nota introdutória Balança Comercial da Guiné-Equatorial com o mundo Principais mercados de origem das importações na Guiné-Equatorial Principais mercados de destino das exportações da Guiné-Equatorial Importações e exportações da Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Quotas da CPLP nas importações e nas exportações da Guiné-Equatorial Balança Comercial dos países da CPLP com a Guiné-Equatorial Importações e exportações da CPLP com a Guiné- -Equatorial por agrupamentos de produtos 9 ANEXOS Anexo-1Importações na Guiné-Equatorial por agrupamentos de Anexo-2 Anexo-3 Anexo-4 Anexo-5 produtos (NC) 12 Exportações da Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos (NC) 14 Importações nos países da CPLP (8) com origem na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos 16 Exportações dos países da CPLP (8) com destino à Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos 18 Definição do conteúdo dos agrupamentos de produtos da Nomenclatura Combinada 21 2

3 Comércio Internacional de mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP Walter Anatole Marques NOTA INTRODUTÓRIA No passado dia 23 de Julho, durante a X Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu em Timor-Leste, a Guiné-Equatorial foi aceite, por consenso, como membro de pleno direito desta Organização 2. Pretende-se aqui analisar as trocas comerciais efectuadas pelo novo Estado-membro com o mundo e no contexto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ao longo dos últimos cinco anos. Para a execução deste trabalho utilizaram-se estatísticas do International Trade Centre (ITC), por sua vez assentes em dados COMTRADE, da ONU, que no caso dos referentes às importações e exportações da Guiné- Equatorial correspondem a versões dos seus parceiros comerciais (Mirror Statistics). 2 - BALANÇA COMERCIAL DA GUINÉ-EQUATORIAL COM O MUNDO A Balança Comercial de mercadorias da Guiné-Equatorial é superavitária, com saldos de 7,1, 10,4 e 8,6 milhões de Euros respectivamente em 2011, 2012 e 2013, anos em que os elevados graus de cobertura das importações pelas exportações atingiram 387,6%, 682,6% e 428,5%. (Figura 1). Figura 1 Balança Comercial da Guiné-Equatorial milhões de Euros e % Importação [1] t.v.h Exportação [2] t.v.h Saldo [2]-[1] t.v.h Cobertura [2]/[1] Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). Após quebras anuais sucessivas em 2011 e 2012, as importações aumentaram em 2013 (+24,0%). Por sua vez as exportações cresceram de 2010 a 2012, para acusarem uma quebra de em 2013 (-11,3%). 1 Assessor Principal da F. Pública (AP). As opiniões expressas não coincidem necessariamente com a posição do ME. 2 Localizada na África Ocidental e banhada pelo Oceano Atlântico, a parte continental da Guiné Equatorial faz fronteira com os Camarões a Norte, e com o Gabão a Leste e a Sul. A sua capital, Malabo, situa-se na ilha de Bioko (antiga Fernando Pó, a que o navegador português aportou em 1471), no Golfo de Biafra. Compreende ainda outras ilhas: Ano Bom, a Sul de S.Tomé e Príncipe, Corisco, Elobey Grande e Pequeno, e ilhotas adjacentes, ao largo do Gabão. Com uma população de cerca de 760 mil habitantes e uma superfície de apenas Km 2, tem por línguas oficiais o Espanhol, o Francês e recentemente também o Português. 3

4 3 - PRINCIPAIS MERCADOS DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES NA GUINÉ-EQUATORIAL Os principais mercados de origem das importações da Guiné-Equatorial em 2013 foram os EUA (25,6%), a Espanha (15,3%), a China (12,1%) e Singapura (11,3%) (Figura 2). Seguiu-se a França (5,3%), a Itália (4,7%) e Portugal (3,0%), este com fornecimentos a crescerem sustentadamente ao longo dos últimos quatro anos, embota de menor monta. As importações originárias da Nigéria, essencialmente petróleo bruto, que em 2009 e 2010 haviam representado respectivamente 63,4% e 52,3% do total, anularam-se nos dois últimos anos, na sequència do grande incremento verificado na exploração deste produto no país, cuja exportação em número de barris por habitante se aproximará já da do Kuwait. Figura 2 - Principais mercados de origem [1] das importações na Guiné-Equatorial Mercados milhões de Euros Estrutura (%) de origem Total Países com mais de 10 milhões de Euros em 2013: EUA Espanha China Singapura França Itália Portugal Reino Unido Bélgica Turquia Países Baixos Brasil Marrocos Alemanha Argentina Índia Senegal África do Sul Ucrânia % do Total: Outros países com mais de 10 milhões de Euros em algum dos anos: Coreia SL Malásia Japão Israel Congo Rep. Checa Honduras Camarões Costa Marfim Nigéria Gabão % do Total: [1] "Mirror statistics". Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 4

5 4 - PRINCIPAIS MERCADOS DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DA GUINÉ-EQUATORIAL Os principais mercados de destino das exportações da Guiné-Equatorial em 2013 foram a China (17,2%), o Japão (14,0%), o Reino Unido (12,8%) e a França (10,5%). Seguiu-se a Espanha (7,5%), o Brasil (6,8%) e os EUA (6,5%), tendo Portugal ocupado a 14ª posição, com apenas 1,8% (Figura 3). Figura 3 - Principais mercados de destino [1] das exportações da Guiné-Equatorial Mercados milhões de Euros Estrutura (%) de destino Total Países com mais de 10 milhões de Euros em 2013: China Japão Reino Unido França Espanha Brasil EUA Noruega P.Baixos Índia Singapura Taiwan África do Sul Portugal Congo Coreia SL Alemanha Tailândia Austrália Itália Suécia % do Total: Outros países com mais de 10 milhões de Euros em algum dos anos: Senegal Bélgica Grécia Marrocos Dinamarca Canadá México Chile Equador El Salvador Guatemala Uruguai Camarões Ghana Costa Marfim Burkina Faso % do Total: [1] "Mirror statistics". Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 5

6 5 - IMPORTAÇÕES E EXPORTAÇÕES DA GUINÉ-EQUATORIAL POR AGRUPAMENTOS DE PRODUTOS 3 Importações Em 2013, o agrupamento de produtos que chamou a si a maior percentagem das importações na Guiné- Equatorial foi o das Máquinas (39,0%), com destaque para as máquinas e aparelhos mecânicos (Figura 4). No Anexo-1 pode observar-se, agora com alguma desagregação, o tipo de produtos envolvidos em cada agrupamento. Seguiu-se o Material de transporte (16,0%), compreendendo tanto automóveis como outro material de transporte, os Minérios e metais (14,1%), com destaque para os metais, e os produtos Agro-alimentares (12,1%), em que o vinho e outras bebidas alcoólicas e tabém as carnes ocuparam lugar de relevo. No agrupamento Produtos acabados diversos (8,0%), incluem-se produtos muito diversificados, como cerâmica e vidro, entre outros. Uma referência ainda ao agrupamento Químicos (5,8%), com destaque para os plásticos e para a borracha e suas obras. Figura 4 Importações na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Agrupamentos de Produtos milhões de Euros TVH (%) Estrutura (%) /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Agro-alimentares Energéticos Químicos Madeira, cortiça e Papel Peles, couros e têxteis Vestuário e calçado Minérios e metais Máquinas Material de transporte Prod. acabados diversos Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). Exportações Nos últimos cinco anos as exportações dominantes incidiram no agrupamento Energéticos, essencialmente petróleo bruto, com quotas compreendidas enhtre 92% e 95% (Figura 5). Entre os restantes agrupamentos, uma referência ao dos Químicos (3,5% do total em 2013), quase que exclusivamente produtos químicos orgânicos, como benzeno ou xileno, Material de transporte (1,6%), principalmente partes de aeronaves e da Madeira, cortiça e papel (1,2%), praticamente apenas madeira. No Anexo-2 pode observar-se, com alguma desagregação, o tipo de produtos envolvidos em cada agrupamento. 3 Do Anexo-5 consta a definição do conteúdo dos Agrupamentos de Produtos construídos com base na Nomenclatura Combinada (NC-2). 6

7 Figura 5 Exportações na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Agrupamentos de Produtos milhões de Euros TVH (%) Estrutura (%) /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Agro-alimentares Energéticos Químicos Madeira, cortiça e Papel Peles, couros e têxteis Vestuário e calçado Minérios e metais Máquinas Material de transporte Prod. acabados diversos Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 6 QUOTAS DA CPLP NAS IMPORTAÇÕES E NAS EXPORTAÇÕES DA GUINÉ-EQUATORIAL São ainda pouco significativas, embora tendencialmente crescentes, as quotas globais da CPLP nas importações e nas exportações da Guiné-Equatorial (Figura 6). Ao nível dos Estados-membros, como se verá adiante, são mesmo nulas em alguns casos. Figura 6 Quotas da CPLP nas importações e nas exportações da Guiné-Equatorial Importação CPLP Resto do mundo Exportação CPLP Resto do mundo IMPORTAÇÃO CPLP CPLP EXPORTAÇÃO 2009 CPLP CPLP 8.5 Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 7

8 7 - BALANÇA COMERCIAL DOS PAÍSES DA CPLP COM A GUINÉ-EQUATORIAL A CPLP, no conjunto dos seus anteriores oito Estados-membros, registou um valor das importações superior ao das exportações nas trocas com a Guiné-Equatorial ao longo dos últimos cinco anos (Figura 7). Figura 7 Balança Comercial dos países da CPLP com a Guiné-Equatorial /09 11/10 12/11 13/ IMPORTAÇÃO [1] CPLP Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal S. Tomé e Pr Timor-Leste EXPORTAÇÃO [2] CPLP Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal S. Tomé e Pr Timor-Leste SALDO [2]-[1] CPLP Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal S. Tomé e Pr Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). Os principais intervenientes em ambos os fluxos foram o Brasil e Portugal, que conjuntamente averbaram a quase totalidade das trocas. Nos cinco anos em análise não se efectuaram importações, com origem na Guiné-Equatorial, em Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste. As importações em Moçambique ocorreram apenas em Por sua vez, no mesmo período, não houve lugar a exportações para a Guiné-Equatorial a partir de Angola, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste. Cabo Verde apenas efectuou escassos fornecimentos em 2012 e S.Tomé e Príncipe em 2011 e

9 8 IMPORTAÇÕES E EXPORTAÇÕES DA CPLP COM A GUINÉ-EQUATORIAL POR AGRUPAMENTOS DE PRODUTOS As importações globais na CPLP centraram-se na sua quase totalidade, ao longo dos cinco anos em análise, no agrupamento Energéticos, à excepção do ano de 2012, em que se registou uma importação da ordem dos 150 milhões de Euros no agrupamento Material de transporte. Tratou-se neste caso da importação pontual, em Portugal, de uma aeronave com peso superior a 15 toneladas, sem carga. Em 2013 as importações de Energéticos pelo conjunto dos países da CPLP, principalmente petróleo bruto mas também gás de petróleo, ultrapassaram os 920 milhões de Euros (Figura 8). No Anexo-3 pode analisar-se a importação por agrupamentos de produtos, com alguma desagregação, de cada um dos Estados-membros em que houve movimento entre 2009 e Figura 8 Importações na CPLP com origem na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos As exportações da CPLP para a Guiné-Equatorial, bem mais diversificadas, dirigiram-se em 2013 principalmente para os agrupamentos Minérios e metais (34,3%), Agro-alimentares (18,2%) e Máquinas (18,1%). Figura 9 Exportações da CPLP com destino à Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Agrupamentos de Produtos /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Agro-alimentares Energéticos Químicos Madeira, cortiça e Papel Peles, couros e têxteis Vestuário e calçado Minérios e metais Máquinas Material de transporte Prod. acabados diversos Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 9

10 Seguiram-se os agrupamentos Energéticos (9,5%), Químicos (8,1%), Material de transporte (5,4%) e Produtos acabados diversos (4,5%). Com pesos inferiores a 1%, o Vestuário e calçado (0,9%), a Madeira, cortiça e papel e as Peles, couros e têxteis (com apenas 0,5% cada). Os exportadores de produtos Energéticos em 2013 para este país exportador de petróleo bruto e de gás, foram o Brasil (betume de petróleo e refinados) e Portugal (betume de petróleo principalmente, asfaltos e óleos lubrificantes). No Anexo-4 pode analisar-se a exportação por agrupamentos de produtos, com alguma desagregação, de cada um dos Estados-membros em que houve movimento entre 2009 e Agosto de

11 ANEXOS 11

12 Anexo-1 Importações na Guiné Equatorial por Agrupamentos de Produtos (NC) Agrupamentos de Produtos 1000 Euros TVH (%) Estrutura (%) /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m m 24.0 k Agro-alimentares k 39.8 k 5.0 k 3.6 k Carnes k 51.6 k 1.9 k -0.9 m Peixe, crustác. e moluscos m 60.4 k 37.7 k 33.8 k Leite, lacticín., ovos e mel k 60.6 k m 8.2 k Frutas m 56.4 k 20.5 k 14.4 k Cereais k 47.1 k 33.0 k 49.7 k Vinhos, bebidas alcoólicas k 13.8 k 10.0 k 12.2 k Tabaco manufacturado k 29.6 k -0.3 m -6.1 m Outros agro-alimentares m 56.4 k 0.9 k -9.0 m Energéticos m m m m Químicos k 4.2 k 23.8 k m Orgân. (benzeno, xileno, etc.) k m k m Farmacêuticos m 54.5 k 10.5 k m Plásticos e suas obras k -2.1 m 30.3 k -8.7 m Borracha e suas obras k 24.7 k 18.3 k m Outros químicos k -2.9 m 21.3 k m Madeira, cortiça e Papel k 6.2 k 9.2 k 5.3 k Madeira e suas obras k -5.6 m 46.7 k m Cortiça e suas obras m k m Pasta de papel m k 96.7 k m Papel e cartão m 10.7 k m -2.8 m Outros produtos k 31.4 k m k Peles, couros e têxteis m 39.1 k 18.8 k m Peles e couros k 16.6 k 2.7 k m Têxteis m 42.4 k 20.7 k m (continua) 12

13 Importações Agrupamentos de Produtos (continuação) /09 11/10 12/11 13/ Vestuário e calçado k 23.0 k 23.6 k m Vestuário k 35.3 k 30.2 k m Calçado e acess. vestuário k 2.6 k 9.2 k 7.3 k Minérios e metais k 14.0 k 0.2 k 0.1 k Minérios k 0.5 k 13.1 k -1.6 m Metais k 16.0 k -1.4 m 0.4 k Máquinas k m 2.3 k 69.3 k Máq. e aparelh. mecânicos k m 1.5 k 96.8 k Máq. e aparelh. eléc tricos k m 4.2 k 9.9 k Material de transporte k m -8.5 m k Veíc. automóveis e ciclos k m 19.1 k 6.7 k Outro material de transporte k m m k Prod. acabados diversos k 19.0 k m 15.6 k Cerâmica e vidro k 19.7 k 41.5 k -5.3 m Outros k 18.8 k m 25.6 k Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 13

14 Anexo-2 Exportações da Guiné Equatorial por Agrupamentos de Produtos (NC) Agrupamentos de Produtos /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k 33.6 k 27.9 k m Agro-alimentares m 31.2 k -3.1 m m Carnes m Peixe, crustác. e moluscos k m Leite, lacticín., ovos e mel Frutas m k 6.0 k m Vinhos, bebidas alcoólicas m m Outros agro-alimentares m 24.3 k m m Energéticos k 32.0 k 31.2 k m Químicos m k 10.8 k 31.9 k Orgân. (benzeno, xileno, etc.) m k 11.6 k 32.2 k Farmacêuticos m Plásticos e suas obras m k m 94.0 k Borracha e suas obras k k m k Outros químicos k k m m Madeira, cortiça e Papel k 35.1 k 12.2 k 6.3 k Madeira e suas obras k 35.2 k 12.2 k 6.3 k Papel e cartão m Outros produtos k m 8.4 k m Peles, couros e têxteis k -2.0 m m m Peles e couros m k m m Têxteis k -6.6 m m m Vestuário e calçado m m m k Vestuário m k m 92.9 k Calçado e acess. vestuário k m m k (continua) 14

15 Exportações Agrupamentos de Produtos (continuação) /09 11/10 12/11 13/ Minérios e metais k m m 67.0 k Minérios k 11.8 k m 15.0 k Metais k m m 67.3 k Máquinas k m 13.2 k m Máq. e aparelh. mecânicos k m 15.4 k m Máq. e aparelh. eléc tricos k m m 47.3 k Material de transporte m 55.7 k m m Veíc. automóveis e ciclos m m m k Outro material de transporte m 55.9 k m m Prod. acabados diversos m 46.8 k -5.4 m 18.8 k Cerâmica e vidro k k m m Outros m 46.3 k -5.0 m 19.3 k Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 15

16 Anexo-3 Importações nos países da CPLP (8) com origem na Guiné Equatoriasl, por agrupamentos de produtos a 2013 (Sem movimento nos últimos cinco anos: Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste) BRASIL /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k 9.9 k m k Energéticos k 9.9 k m k Químicos m Outros químicos m 0.1 CABO VERDE /09 11/10 12/11 13/ TOTAL m m m Energéticos m m m MOÇAMBIQUE /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Máquinas Máq. e aparelh. Mecân PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m k m Energéticos k m k m (continua) 16

17 (continuação) PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ Químicos m m Plásticos e suas obras m m Borracha e suas obras Outros químicos m 0.0 Madeira, cortiça e papel m -7.5 m m Madeira e suas obras m -7.5 m m Minérios e metais m m k m Metais m m k m Máquinas k -6.7 m m k Máq. e aparelh. Mecân k -6.2 m m k Máq. e aparelh. eléc tr m m k Material de transporte k m m Veíc. automóveis e ciclos k m m Outro material Transp m m Prod. acabados diversos k k m Outros k k m S.TOMÉ e PR /09 11/10 12/11 13/ TOTAL m 33.4 k 8.2 k k Madeira, cortiça e Papel m Papel e cartão m Peles, couros e têxteis m Têxteis m 57.1 Vestuário e calçado Calçado e acess. vestuário Minérios e metais Minérios Máquinas m m m Máq. e aparelh. Mecân m m Máq. e aparelh. eléc tr m 14.3 Material de transporte m m Veíc. automóveis e ciclos m m Outro material Transp m 57.2 Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 17

18 Anexo-4 Exportações dos países CPLP (8) com destino à Guiné Equatoriasl, por agrupamentos de produtos a 2013 (Sem movimento nos últimos cinco anos: Angola, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste) BRASIL /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k 36.0 k 46.0 k m Agro-alimentares m 55.7 k -8.6 m m Carnes m 41.8 k 2.3 k m Peixe, crustác. e moluscos k m m 95.2 k Leite, lacticín., ovos e mel m 58.0 k m m Frutas m k Cereais k 93.3 k -9.6 m 72.7 k Vinhos, bebidas alcoólicas k k m k Tabaco manufacturado m Outros agro-alimentares k k m m Energéticos k k k 51.8 k Químicos m k 19.7 k m Orgân. (benzeno, xileno, etc.) k m m k Farmacêuticos k k -0.3 m 3.5 k Plásticos e suas obras m k m m Borracha e suas obras k k -6.9 m m Outros químicos m 91.6 k k m Madeira, cortiça e Papel k 25.2 k k m Madeira e suas obras k -6.9 m k m Pasta de papel m k 40.1 k m Papel e cartão k 58.9 k 31.8 k m Outros produtos k k m Peles, couros e têxteis k m k m Peles e couros k k k 31.4 k Têxteis k m k m Vestuário e calçado k m 88.2 k 17.8 k Vestuário k m 83.0 k -1.8 m Calçado e acess. vestuário k m k 96.7 k Minérios e metais m 18.0 k 38.1 k m Minérios k 36.5 k m m Metais m 11.4 k 72.5 k m Máquinas k -5.6 m k m Máq. e aparelh. Mecân k m 87.8 k m Máq. e aparelh. eléc tr m 36.5 k k m (continua) 18

19 (continuação) PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ Madeira, cortiça e Papel k m 13.2 k 13.3 k Madeira e suas obras k m m 94.9 k Papel e cartão m m 38.9 k m Outros produtos k 58.8 k k 13.0 k Peles, couros e têxteis k 63.3 k m 82.0 k Peles e couros m k m k Têxteis k 52.0 k m 71.0 k Vestuário e calçado k k 10.0 k 98.2 k Vestuário k k 8.3 k k Calçado e acess. vestuário k 96.5 k 13.1 k 90.9 k Minérios e metais k 51.3 k -2.1 m 96.2 k Minérios k 19.6 k m 14.5 k Metais k k 43.7 k k Máquinas k 22.6 k 29.4 k 13.9 k Máq. e aparelh. Mecân k 88.3 k 6.8 k 34.0 k Máq. e aparelh. eléc tr k m k m Material de transporte k m 39.9 k k Veíc. automóveis e ciclos k m 31.8 k k Outro material Transp k 60.1 k k 5.3 k Prod. acabados diversos k 51.1 k 21.5 k k Cerâmica e vidro m k m 38.3 k Outros k 39.2 k 31.0 k k S. TOMÉ E PR /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m Máquinas m Máq. e aparelh. Mecân m Máq. e aparelh. eléc tr Material de transporte k m Veíc. automóveis e ciclos k m Outro material Transp Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 19

20 (continuação) PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ Madeira, cortiça e Papel k m 13.2 k 13.3 k Madeira e suas obras k m m 94.9 k Papel e cartão m m 38.9 k m Outros produtos k 58.8 k k 13.0 k Peles, couros e têxteis k 63.3 k m 82.0 k Peles e couros m k m k Têxteis k 52.0 k m 71.0 k Vestuário e calçado k k 10.0 k 98.2 k Vestuário k k 8.3 k k Calçado e acess. vestuário k 96.5 k 13.1 k 90.9 k Minérios e metais k 51.3 k -2.1 m 96.2 k Minérios k 19.6 k m 14.5 k Metais k k 43.7 k k Máquinas k 22.6 k 29.4 k 13.9 k Máq. e aparelh. Mecân k 88.3 k 6.8 k 34.0 k Máq. e aparelh. eléc tr k m k m Material de transporte k m 39.9 k k Veíc. automóveis e ciclos k m 31.8 k k Outro material Transp k 60.1 k k 5.3 k Prod. acabados diversos k 51.1 k 21.5 k k Cerâmica e vidro m k m 38.3 k Outros k 39.2 k 31.0 k k S. TOMÉ E PR /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m Máquinas m Máq. e aparelh. Mecân m Máq. e aparelh. eléc tr Material de transporte k m Veíc. automóveis e ciclos k m Outro material Transp Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 20

21 Anexo-5 Definição do conteúdo dos Agrupamentos de Produtos da Nomenclatura Combinada Agrupamentos Capítulos da NC 0 Agro- alimentares 01 a 24 1 Energéticos 27 2 Químicos 28 a 40 3 Madeira, cortiça e papel 44 a 49 4 Peles, couros e têxteis 41 a 43, 50 a 60, 63 5 Vestuário e calçado 61, 62, 64 a 67 6 Minérios e metais 25, 26, 71 a 83 7 Máquinas 84, 85 8 Material de transporte 86 a 89 9 Prod. acabados diversos 68 a 70, 90 a 99 21

Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos

Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos Em Análise Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos Walter Anatole Marques 1 Introdução As exportações portuguesas, muito concentradas no espaço comunitário, têm sido objeto nos últimos anos de

Leia mais

Exportações portuguesas de produtos industriais transformados por nível de intensidade tecnológica Mercados de destino (2009 a 2013 e Jan-Out 2014)

Exportações portuguesas de produtos industriais transformados por nível de intensidade tecnológica Mercados de destino (2009 a 2013 e Jan-Out 2014) Temas Económicos Número 31 Janeiro de 2015 Exportações portuguesas de produtos industriais transformados Mercados de destino (2009 a e ) Walter Anatole Marques Rua da Prata, nº 8 1149-057 Lisboa Tel.:

Leia mais

Comércio Internacional de mercadorias da Índia face ao mundo e a Portugal

Comércio Internacional de mercadorias da Índia face ao mundo e a Portugal Temas Económicos Número 28 Agosto de 2014 Comércio Internacional de mercadorias da Índia face ao mundo e a Portugal Walter Anatole Marques Rua da Prata, nº 8 1149-057 Lisboa Tel.: (351) 217921372 Fax:

Leia mais

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov )

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov ) Em Análise Walter Anatole Marques 1 Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov 2013-2014) 1 Nota Introdutória Ao longo dos últimos cinco anos e onze primeiros meses de 2014 as exportações

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

Comércio Extracomunitário - Exportações aumentam 15,0% e Importações 23,6%

Comércio Extracomunitário - Exportações aumentam 15,0% e Importações 23,6% 08 de Agosto de 2008 Estatísticas do Comércio Extracomunitário Junho de 2008 Comércio Extracomunitário - Exportações aumentam 15,0% e Importações 23,6% No segundo trimestre de 2008, as exportações registaram

Leia mais

Figura 1. Exportações [1] de veículos automóveis, tractores, ciclos, suas partes e acessórios e evolução do seu peso nas exportações totais

Figura 1. Exportações [1] de veículos automóveis, tractores, ciclos, suas partes e acessórios e evolução do seu peso nas exportações totais Em Análise Evolução das exportações 1 portuguesas de veículos automóveis e suas partes e acessórios Walter Anatole Marques 2 O sector automóvel ocupa uma posição de destaque no comércio internacional português

Leia mais

Temas Económicos. Comércio Internacional de mercadorias no âmbito da CPLP. Número 17 Outubro de Walter Anatole Marques

Temas Económicos. Comércio Internacional de mercadorias no âmbito da CPLP. Número 17 Outubro de Walter Anatole Marques Temas Económicos Número 17 Outubro de 2012 Comércio Internacional de mercadorias no âmbito da CPLP Walter Anatole Marques ÍNDICE 1 Introdução 3 2 Alguns Indicadores 3 Balança Comercial de Mercadorias dos

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014 30 de outubro de 2015 COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014 De acordo com os dados provisórios de 2014 relativos ao Comércio Internacional de bens, aquele ano fica assinalado

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

Logística em Angola. Comércio Bilateral Liliana Louro 23 Março 2016

Logística em Angola. Comércio Bilateral Liliana Louro 23 Março 2016 Logística em Angola Comércio Bilateral Liliana Louro 23 Março 2016 Grupo Bureau Veritas A nossa identidade : Uma Empresa Global 66.500 Colaboradores 1.400 Escritórios e Laboratórios em 140 países Europa

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 6 Junho 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 julho 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Competitividade

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016 OBSERVATÓRIO Exportações e Investimento Externo Novembro O presente documento constitui uma análise do desempenho recente das relações económicas de Portugal com o estrangeiro, ao nível das exportações

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 1 Janeiro 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Competitividade

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Abril , , , ,2

Abril , , , ,2 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR 09 de Maio de 2003 Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro a Fevereiro de 2003 DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR O défice da balança comercial registou, nos dois primeiros meses de

Leia mais

GUINÉ-BISSAU Comércio Exterior

GUINÉ-BISSAU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GUINÉ-BISSAU Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 3 março 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de Vestuário

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de Vestuário SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de 4. Subsector do 4.1 Balança Comercial do A Balança Comercial do é tradicionalmente favorável a Portugal. Após um vigoroso

Leia mais

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA nº 2 Outubro 29 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA MERCADOS DE EXPORTAÇÃO: EUA Canadá Brasil - Angola COMÉRCIO EXTERNO INDICE Balança do Vinho Português.. 3 Exportações

Leia mais

Metalomecânica. I. Caracterização geral da Fileira

Metalomecânica. I. Caracterização geral da Fileira Metalomecânica I. Caracterização geral da Fileira O grupo dos Metais comuns e suas obras é responsável por cerca de 8% das exportações anuais portuguesas. Em 015, as vendas para o mercado externo ultrapassaram

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Espanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Espanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Espanha Dezembro de 2015 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM MARROCOS

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM MARROCOS 2006 2007 2008 Var % a 06/10 Exportações 164.020 199.408 273.331 215.357 304.932 19,8 41,6 Importações 72.367 85.842 70.911 58.469 109.690 17,8 87,6 Saldo 91.653 113.567 202.419 156.888 195.242 -- -- Coef.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A REPÚBLICA CHECA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A REPÚBLICA CHECA Expedições 131.553 150.360 197.480 207.546 242.886 16,9 17,0 Chegadas 283.375 314.940 313.947 276.716 356.263 6,9 28,7 Saldo -151.823-164.579-116.467-69.170-113.377 -- -- Coef. Cob. 46,4% 47,7% 62,9% 75,0%

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Presença da China na América do Sul

Presença da China na América do Sul Presença da China na América do Sul 1 1 Em 2008, 3% das exportações chinesas foram destinadas à América do Sul... Principais Destinos das Exportações Chinesas (2008) Estados Unidos 17,7% Japão 8,1% Coréia

Leia mais

ANGOLA Comércio Exterior

ANGOLA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ANGOLA Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da novação GPEAR Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações nternacionais

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ÍNDIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ÍNDIA Exportações 28.872 31.885 46.475 41.278 61.401 23,4 48,7 Importações 237.875 349.308 474.866 267.910 411.182 23,2 53,5 Saldo -209.004-317.423-428.391-226.631-349.781 -- -- Coef. Cob. 12,1% 9,1% 9,8% 15,4%

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia O Comércio Exterior do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia O BRASIL NO COMÉRCIO EXTERIOR O comércio exterior é a troca de bens e serviços realizada entre

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI Fixa a composição, distribuição e elenco dos Grupos Parlamentares de Amizade na XI Legislatura e procede à primeira alteração à Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003,

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A GUINÉ-BISSAU

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A GUINÉ-BISSAU BALANÇA COMERCIAL 2005 2006 2007 2008 Var % a 05/09 Var % b 09/10 Exportações 24.078 27.067 34.532 40.401 33.466 10,0 27.576 34.044 23,5 Importações 996 1.164 508 580 1.376 27,9 1.254 314-75,0 Saldo 23.081

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (2016) Risco de crédito: (**) Risco do país: AA (AAA = risco menor; D = risco maior)

Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (2016) Risco de crédito: (**) Risco do país: AA (AAA = risco menor; D = risco maior) Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (2016) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

Antígua e Barbuda - Síntese País

Antígua e Barbuda - Síntese País Informação Geral sobre Antígua e Barbuda Área (km 2 ): 442,6 População (mil hab.): 93,6 (estimativa 2016) Capital: Saint John s Língua oficial: Inglês Chefe de Estado: Rainha Isabel II Primeiro-Ministro:

Leia mais

CHILE. Comércio Exterior

CHILE. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Exportações aumentam 26,9% e importações 12,3%

Exportações aumentam 26,9% e importações 12,3% 8 de Agosto de 27 Estatísticas do Comércio Extracomunitário Janeiro a Dezembro 26 Exportações aumentam 26,9% e importações 12,3% De Janeiro a Dezembro de 26, as exportações e as importações registaram

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Índia. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Índia. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Índia Fevereiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

Camarões - Síntese País

Camarões - Síntese País Informação Geral sobre os Camarões Área (km 2 ): 475 442 População (milhões hab.): 22,8 (estimativa Banco Mundial, 2014) Capital: Yaoundé Língua oficial: Francês e Inglês Chefe de Estado: Paul Biya Primeiro-Ministro:

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A NORUEGA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A NORUEGA BALANÇA 2010 2011 COMERCIAL Janeiro Janeiro 10/11 Exportações 110.358 102.076 109.757 84.033 82.639-6,3 7.679 7.339-4,4 Importações 690.390 691.848 695.311 587.216 529.486-6,2 46.491 23.918-48,6 Saldo

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A TURQUIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A TURQUIA 2006 2007 2008 06/10 Exportações 232.428 224.671 219.928 202.363 267.608 4,7 32,2 Importações 476.689 444.725 366.501 283.751 321.445-8,4 13,3 Saldo -244.261-220.055-146.573-81.388-53.837 -- -- Coef. Cob.

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2017 - Newsletter ÍNDICE ÍNDICE... 1 EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global.......2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio

Leia mais

Risco do país: CC (AAA = risco menor; D = risco maior)

Risco do país: CC (AAA = risco menor; D = risco maior) Informação Geral sobre a Argentina Área (km 2 ): 2 737 000 Vice-presidente: Amado Boudou População (milhões hab.): 42,7 (estimativa 2014) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Taxas de Variação Anual Homóloga em Valor, Volume e Preço das Importações e Exportações de Mercadorias em 2014 por Agrupamentos de Produtos

Taxas de Variação Anual Homóloga em Valor, Volume e Preço das Importações e Exportações de Mercadorias em 2014 por Agrupamentos de Produtos Em Análise Walter Anatole Marques 3 Taxas de Variação Anual Homóloga em Valor, Volume e Preço das Importações e Exportações de Mercadorias em 2014 por Agrupamentos de Produtos 1 Nota introdutória O Instituto

Leia mais

Paraguai - Síntese País

Paraguai - Síntese País Informação Geral sobre o Paraguai Área (km 2 ): 406 752 Risco de crédito: 5 (1 = risco menor; 7 = risco maior) População (milhões hab.): 6,8 ( 2016, estimativa FMI) Risco do país: BB (AAA = risco menor;

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2017 - Newsletter ÍNDICE ÍNDICE... 1 EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global.......2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio

Leia mais

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2004 1. Panorama Mundial O sector do mobiliário tem registado uma evolução bastante positiva, designadamente ao nível do processo produtivo,

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A FRANÇA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A FRANÇA Expedições 4.464.744 4.822.900 4.579.743 3.940.828 4.332.395-0,3 9,9 Chegadas 4.790.959 5.207.365 5.198.573 4.288.227 4.101.087-3,3-4,4 Saldo -326.214-384.465-618.830-347.399 231.308 -- -- Coef. Cob. 93,2%

Leia mais

Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (2016) Risco de crédito: (**) Risco do país: AA (AAA = risco menor; D = risco maior)

Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (2016) Risco de crédito: (**) Risco do país: AA (AAA = risco menor; D = risco maior) Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (2016) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

Principais Produtos Exportados Principais Produtos Importados

Principais Produtos Exportados Principais Produtos Importados Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Mike Pence População (milhões hab.): 323,9 (estimativa ) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA =

Leia mais

Taxas de variação das importações e exportações portuguesas de mercadorias

Taxas de variação das importações e exportações portuguesas de mercadorias Em Análise Taxas de variação das importações e exportações portuguesas de mercadorias - Janeiro a junho de 2015 - Walter Anatole Marques 1 1 - Nota introdutória O Instituto Nacional de Estatística de Portugal

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

WORKSHOP. Compilation of International Merchandises Trade Statistics- Addis Abeba, Ethiopia, November 2007.

WORKSHOP. Compilation of International Merchandises Trade Statistics- Addis Abeba, Ethiopia, November 2007. WORKSHOP Compilation of International Merchandises Trade Statistics- Addis Abeba, Ethiopia, 12-16 November 2007 Statistic- Angola STATISTIQUES DU COMMERCE EXTÉRIEUR QUELS SONT LES STATISTIQUES DU COMMERCE

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O BRASIL

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O BRASIL Exportações 254.642 258.186 319.807 294.500 440.817 16,8 49,7 Importações 1.232.969 1.381.192 1.363.316 887.528 1.046.727-1,6 17,9 Saldo -978.327-1.123.006-1.043.509-593.028-605.910 -- -- Coeficiente de

Leia mais

Agosto , , , ,9

Agosto , , , ,9 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA AGOSTO 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

URUGUAI Comércio Exterior

URUGUAI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Marrocos - Síntese País

Marrocos - Síntese País Informação Geral sobre Marrocos Área (km 2 ): 710 850 Primeiro-Ministro: Saad Eddine El Othmani População: 35,3 milhões (estimativa 2016) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Nigéria - Caracterização Sócio Económico

Nigéria - Caracterização Sócio Económico Caracterização Sócio Económica Nigéria Maio 2009 Nigéria - Caracterização Sócio Económico A. Ficha Perfil Nigéria B. Contexto Social C. Enquadramento Económico D. Relações Comerciais Internacionais E.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA. Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA. Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro INFORMAÇÃO GERAL População: 8º na Europa, 29º no mundo (38.2 milhões) Área:

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Julho Janeiro a Julho 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var. % Celulose

Leia mais

Espanha - Síntese País

Espanha - Síntese País Informação Geral sobre Espanha Área (km 2 ): 504 880 Primeiro-Ministro: Mariano Rajoy População (milhões hab.): 46,4 (2016) Risco de crédito: (*) Capital: Madrid Risco do país: BBB (AAA=risco menor; D=risco

Leia mais

ÁFRICA DO SUL. Comércio Exterior

ÁFRICA DO SUL. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ÁFRICA DO SUL Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

MÉXICO. Comércio Exterior

MÉXICO. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC MÉXICO Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JUNHO Exportações A forte redução no mês foi causada pela contabilização como exportação da

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS JANEIRO DE 2015 COM

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO BALANÇA COMERCIAL Var % a 05/09 Var % b 09/10 Exportações 1.661 2.118 1.702 4.445 2.113 29,1 2.035 6.652 226,8 Importações 15.503 9.430 11.457 7.302 4.850-21,9 4.654 4.867 4,6 Saldo -13.842-7.312-9.755-2.857-2.737

Leia mais

Portugal: Estatísticas de Relacionamento Económico com a China

Portugal: Estatísticas de Relacionamento Económico com a China Balança Comercial de Bens de Portugal com a China 15/11 a 16/15 b Exportações 396,6 778,0 657,5 839,7 839,0 27,1 712,3 540,7-24,1 Importações 1.526,0 1.391,3 1.370,4 1.599,1 1.777,6 4,4 1.497,7 1.509,0

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

Unidade monetária: Franco CFA BEAC (XAF) Tx. câmbio: 1 EUR = 655,957 XAF (paridade fixa face ao euro)

Unidade monetária: Franco CFA BEAC (XAF) Tx. câmbio: 1 EUR = 655,957 XAF (paridade fixa face ao euro) Informação Geral sobre o Mali Área (km 2 ): 1 240 190 População (milhões hab.): 15,8 (2014) Capital: Bamako Língua oficial: Francês Chefe de Estado: Ibrahim Boubacar Keita Primeiro-Ministro: Modibo Keita

Leia mais

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Comércio Exterior

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice.

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais