Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP (2009 a 2013)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP (2009 a 2013)"

Transcrição

1 Temas Económicos Número 27 Agosto de 2014 Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP Walter Anatole Marques Rua da Prata, nº Lisboa Tel.: (351) Fax: (351) Web Site: ISSN

2 SUMÁRIO 1 - Nota introdutória Balança Comercial da Guiné-Equatorial com o mundo Principais mercados de origem das importações na Guiné-Equatorial Principais mercados de destino das exportações da Guiné-Equatorial Importações e exportações da Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Quotas da CPLP nas importações e nas exportações da Guiné-Equatorial Balança Comercial dos países da CPLP com a Guiné-Equatorial Importações e exportações da CPLP com a Guiné- -Equatorial por agrupamentos de produtos 9 ANEXOS Anexo-1Importações na Guiné-Equatorial por agrupamentos de Anexo-2 Anexo-3 Anexo-4 Anexo-5 produtos (NC) 12 Exportações da Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos (NC) 14 Importações nos países da CPLP (8) com origem na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos 16 Exportações dos países da CPLP (8) com destino à Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos 18 Definição do conteúdo dos agrupamentos de produtos da Nomenclatura Combinada 21 2

3 Comércio Internacional de mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP Walter Anatole Marques NOTA INTRODUTÓRIA No passado dia 23 de Julho, durante a X Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu em Timor-Leste, a Guiné-Equatorial foi aceite, por consenso, como membro de pleno direito desta Organização 2. Pretende-se aqui analisar as trocas comerciais efectuadas pelo novo Estado-membro com o mundo e no contexto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ao longo dos últimos cinco anos. Para a execução deste trabalho utilizaram-se estatísticas do International Trade Centre (ITC), por sua vez assentes em dados COMTRADE, da ONU, que no caso dos referentes às importações e exportações da Guiné- Equatorial correspondem a versões dos seus parceiros comerciais (Mirror Statistics). 2 - BALANÇA COMERCIAL DA GUINÉ-EQUATORIAL COM O MUNDO A Balança Comercial de mercadorias da Guiné-Equatorial é superavitária, com saldos de 7,1, 10,4 e 8,6 milhões de Euros respectivamente em 2011, 2012 e 2013, anos em que os elevados graus de cobertura das importações pelas exportações atingiram 387,6%, 682,6% e 428,5%. (Figura 1). Figura 1 Balança Comercial da Guiné-Equatorial milhões de Euros e % Importação [1] t.v.h Exportação [2] t.v.h Saldo [2]-[1] t.v.h Cobertura [2]/[1] Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). Após quebras anuais sucessivas em 2011 e 2012, as importações aumentaram em 2013 (+24,0%). Por sua vez as exportações cresceram de 2010 a 2012, para acusarem uma quebra de em 2013 (-11,3%). 1 Assessor Principal da F. Pública (AP). As opiniões expressas não coincidem necessariamente com a posição do ME. 2 Localizada na África Ocidental e banhada pelo Oceano Atlântico, a parte continental da Guiné Equatorial faz fronteira com os Camarões a Norte, e com o Gabão a Leste e a Sul. A sua capital, Malabo, situa-se na ilha de Bioko (antiga Fernando Pó, a que o navegador português aportou em 1471), no Golfo de Biafra. Compreende ainda outras ilhas: Ano Bom, a Sul de S.Tomé e Príncipe, Corisco, Elobey Grande e Pequeno, e ilhotas adjacentes, ao largo do Gabão. Com uma população de cerca de 760 mil habitantes e uma superfície de apenas Km 2, tem por línguas oficiais o Espanhol, o Francês e recentemente também o Português. 3

4 3 - PRINCIPAIS MERCADOS DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES NA GUINÉ-EQUATORIAL Os principais mercados de origem das importações da Guiné-Equatorial em 2013 foram os EUA (25,6%), a Espanha (15,3%), a China (12,1%) e Singapura (11,3%) (Figura 2). Seguiu-se a França (5,3%), a Itália (4,7%) e Portugal (3,0%), este com fornecimentos a crescerem sustentadamente ao longo dos últimos quatro anos, embota de menor monta. As importações originárias da Nigéria, essencialmente petróleo bruto, que em 2009 e 2010 haviam representado respectivamente 63,4% e 52,3% do total, anularam-se nos dois últimos anos, na sequència do grande incremento verificado na exploração deste produto no país, cuja exportação em número de barris por habitante se aproximará já da do Kuwait. Figura 2 - Principais mercados de origem [1] das importações na Guiné-Equatorial Mercados milhões de Euros Estrutura (%) de origem Total Países com mais de 10 milhões de Euros em 2013: EUA Espanha China Singapura França Itália Portugal Reino Unido Bélgica Turquia Países Baixos Brasil Marrocos Alemanha Argentina Índia Senegal África do Sul Ucrânia % do Total: Outros países com mais de 10 milhões de Euros em algum dos anos: Coreia SL Malásia Japão Israel Congo Rep. Checa Honduras Camarões Costa Marfim Nigéria Gabão % do Total: [1] "Mirror statistics". Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 4

5 4 - PRINCIPAIS MERCADOS DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DA GUINÉ-EQUATORIAL Os principais mercados de destino das exportações da Guiné-Equatorial em 2013 foram a China (17,2%), o Japão (14,0%), o Reino Unido (12,8%) e a França (10,5%). Seguiu-se a Espanha (7,5%), o Brasil (6,8%) e os EUA (6,5%), tendo Portugal ocupado a 14ª posição, com apenas 1,8% (Figura 3). Figura 3 - Principais mercados de destino [1] das exportações da Guiné-Equatorial Mercados milhões de Euros Estrutura (%) de destino Total Países com mais de 10 milhões de Euros em 2013: China Japão Reino Unido França Espanha Brasil EUA Noruega P.Baixos Índia Singapura Taiwan África do Sul Portugal Congo Coreia SL Alemanha Tailândia Austrália Itália Suécia % do Total: Outros países com mais de 10 milhões de Euros em algum dos anos: Senegal Bélgica Grécia Marrocos Dinamarca Canadá México Chile Equador El Salvador Guatemala Uruguai Camarões Ghana Costa Marfim Burkina Faso % do Total: [1] "Mirror statistics". Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 5

6 5 - IMPORTAÇÕES E EXPORTAÇÕES DA GUINÉ-EQUATORIAL POR AGRUPAMENTOS DE PRODUTOS 3 Importações Em 2013, o agrupamento de produtos que chamou a si a maior percentagem das importações na Guiné- Equatorial foi o das Máquinas (39,0%), com destaque para as máquinas e aparelhos mecânicos (Figura 4). No Anexo-1 pode observar-se, agora com alguma desagregação, o tipo de produtos envolvidos em cada agrupamento. Seguiu-se o Material de transporte (16,0%), compreendendo tanto automóveis como outro material de transporte, os Minérios e metais (14,1%), com destaque para os metais, e os produtos Agro-alimentares (12,1%), em que o vinho e outras bebidas alcoólicas e tabém as carnes ocuparam lugar de relevo. No agrupamento Produtos acabados diversos (8,0%), incluem-se produtos muito diversificados, como cerâmica e vidro, entre outros. Uma referência ainda ao agrupamento Químicos (5,8%), com destaque para os plásticos e para a borracha e suas obras. Figura 4 Importações na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Agrupamentos de Produtos milhões de Euros TVH (%) Estrutura (%) /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Agro-alimentares Energéticos Químicos Madeira, cortiça e Papel Peles, couros e têxteis Vestuário e calçado Minérios e metais Máquinas Material de transporte Prod. acabados diversos Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). Exportações Nos últimos cinco anos as exportações dominantes incidiram no agrupamento Energéticos, essencialmente petróleo bruto, com quotas compreendidas enhtre 92% e 95% (Figura 5). Entre os restantes agrupamentos, uma referência ao dos Químicos (3,5% do total em 2013), quase que exclusivamente produtos químicos orgânicos, como benzeno ou xileno, Material de transporte (1,6%), principalmente partes de aeronaves e da Madeira, cortiça e papel (1,2%), praticamente apenas madeira. No Anexo-2 pode observar-se, com alguma desagregação, o tipo de produtos envolvidos em cada agrupamento. 3 Do Anexo-5 consta a definição do conteúdo dos Agrupamentos de Produtos construídos com base na Nomenclatura Combinada (NC-2). 6

7 Figura 5 Exportações na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Agrupamentos de Produtos milhões de Euros TVH (%) Estrutura (%) /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Agro-alimentares Energéticos Químicos Madeira, cortiça e Papel Peles, couros e têxteis Vestuário e calçado Minérios e metais Máquinas Material de transporte Prod. acabados diversos Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 6 QUOTAS DA CPLP NAS IMPORTAÇÕES E NAS EXPORTAÇÕES DA GUINÉ-EQUATORIAL São ainda pouco significativas, embora tendencialmente crescentes, as quotas globais da CPLP nas importações e nas exportações da Guiné-Equatorial (Figura 6). Ao nível dos Estados-membros, como se verá adiante, são mesmo nulas em alguns casos. Figura 6 Quotas da CPLP nas importações e nas exportações da Guiné-Equatorial Importação CPLP Resto do mundo Exportação CPLP Resto do mundo IMPORTAÇÃO CPLP CPLP EXPORTAÇÃO 2009 CPLP CPLP 8.5 Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 7

8 7 - BALANÇA COMERCIAL DOS PAÍSES DA CPLP COM A GUINÉ-EQUATORIAL A CPLP, no conjunto dos seus anteriores oito Estados-membros, registou um valor das importações superior ao das exportações nas trocas com a Guiné-Equatorial ao longo dos últimos cinco anos (Figura 7). Figura 7 Balança Comercial dos países da CPLP com a Guiné-Equatorial /09 11/10 12/11 13/ IMPORTAÇÃO [1] CPLP Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal S. Tomé e Pr Timor-Leste EXPORTAÇÃO [2] CPLP Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal S. Tomé e Pr Timor-Leste SALDO [2]-[1] CPLP Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal S. Tomé e Pr Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). Os principais intervenientes em ambos os fluxos foram o Brasil e Portugal, que conjuntamente averbaram a quase totalidade das trocas. Nos cinco anos em análise não se efectuaram importações, com origem na Guiné-Equatorial, em Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste. As importações em Moçambique ocorreram apenas em Por sua vez, no mesmo período, não houve lugar a exportações para a Guiné-Equatorial a partir de Angola, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste. Cabo Verde apenas efectuou escassos fornecimentos em 2012 e S.Tomé e Príncipe em 2011 e

9 8 IMPORTAÇÕES E EXPORTAÇÕES DA CPLP COM A GUINÉ-EQUATORIAL POR AGRUPAMENTOS DE PRODUTOS As importações globais na CPLP centraram-se na sua quase totalidade, ao longo dos cinco anos em análise, no agrupamento Energéticos, à excepção do ano de 2012, em que se registou uma importação da ordem dos 150 milhões de Euros no agrupamento Material de transporte. Tratou-se neste caso da importação pontual, em Portugal, de uma aeronave com peso superior a 15 toneladas, sem carga. Em 2013 as importações de Energéticos pelo conjunto dos países da CPLP, principalmente petróleo bruto mas também gás de petróleo, ultrapassaram os 920 milhões de Euros (Figura 8). No Anexo-3 pode analisar-se a importação por agrupamentos de produtos, com alguma desagregação, de cada um dos Estados-membros em que houve movimento entre 2009 e Figura 8 Importações na CPLP com origem na Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos As exportações da CPLP para a Guiné-Equatorial, bem mais diversificadas, dirigiram-se em 2013 principalmente para os agrupamentos Minérios e metais (34,3%), Agro-alimentares (18,2%) e Máquinas (18,1%). Figura 9 Exportações da CPLP com destino à Guiné-Equatorial por agrupamentos de produtos Agrupamentos de Produtos /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Agro-alimentares Energéticos Químicos Madeira, cortiça e Papel Peles, couros e têxteis Vestuário e calçado Minérios e metais Máquinas Material de transporte Prod. acabados diversos Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 9

10 Seguiram-se os agrupamentos Energéticos (9,5%), Químicos (8,1%), Material de transporte (5,4%) e Produtos acabados diversos (4,5%). Com pesos inferiores a 1%, o Vestuário e calçado (0,9%), a Madeira, cortiça e papel e as Peles, couros e têxteis (com apenas 0,5% cada). Os exportadores de produtos Energéticos em 2013 para este país exportador de petróleo bruto e de gás, foram o Brasil (betume de petróleo e refinados) e Portugal (betume de petróleo principalmente, asfaltos e óleos lubrificantes). No Anexo-4 pode analisar-se a exportação por agrupamentos de produtos, com alguma desagregação, de cada um dos Estados-membros em que houve movimento entre 2009 e Agosto de

11 ANEXOS 11

12 Anexo-1 Importações na Guiné Equatorial por Agrupamentos de Produtos (NC) Agrupamentos de Produtos 1000 Euros TVH (%) Estrutura (%) /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m m 24.0 k Agro-alimentares k 39.8 k 5.0 k 3.6 k Carnes k 51.6 k 1.9 k -0.9 m Peixe, crustác. e moluscos m 60.4 k 37.7 k 33.8 k Leite, lacticín., ovos e mel k 60.6 k m 8.2 k Frutas m 56.4 k 20.5 k 14.4 k Cereais k 47.1 k 33.0 k 49.7 k Vinhos, bebidas alcoólicas k 13.8 k 10.0 k 12.2 k Tabaco manufacturado k 29.6 k -0.3 m -6.1 m Outros agro-alimentares m 56.4 k 0.9 k -9.0 m Energéticos m m m m Químicos k 4.2 k 23.8 k m Orgân. (benzeno, xileno, etc.) k m k m Farmacêuticos m 54.5 k 10.5 k m Plásticos e suas obras k -2.1 m 30.3 k -8.7 m Borracha e suas obras k 24.7 k 18.3 k m Outros químicos k -2.9 m 21.3 k m Madeira, cortiça e Papel k 6.2 k 9.2 k 5.3 k Madeira e suas obras k -5.6 m 46.7 k m Cortiça e suas obras m k m Pasta de papel m k 96.7 k m Papel e cartão m 10.7 k m -2.8 m Outros produtos k 31.4 k m k Peles, couros e têxteis m 39.1 k 18.8 k m Peles e couros k 16.6 k 2.7 k m Têxteis m 42.4 k 20.7 k m (continua) 12

13 Importações Agrupamentos de Produtos (continuação) /09 11/10 12/11 13/ Vestuário e calçado k 23.0 k 23.6 k m Vestuário k 35.3 k 30.2 k m Calçado e acess. vestuário k 2.6 k 9.2 k 7.3 k Minérios e metais k 14.0 k 0.2 k 0.1 k Minérios k 0.5 k 13.1 k -1.6 m Metais k 16.0 k -1.4 m 0.4 k Máquinas k m 2.3 k 69.3 k Máq. e aparelh. mecânicos k m 1.5 k 96.8 k Máq. e aparelh. eléc tricos k m 4.2 k 9.9 k Material de transporte k m -8.5 m k Veíc. automóveis e ciclos k m 19.1 k 6.7 k Outro material de transporte k m m k Prod. acabados diversos k 19.0 k m 15.6 k Cerâmica e vidro k 19.7 k 41.5 k -5.3 m Outros k 18.8 k m 25.6 k Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 13

14 Anexo-2 Exportações da Guiné Equatorial por Agrupamentos de Produtos (NC) Agrupamentos de Produtos /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k 33.6 k 27.9 k m Agro-alimentares m 31.2 k -3.1 m m Carnes m Peixe, crustác. e moluscos k m Leite, lacticín., ovos e mel Frutas m k 6.0 k m Vinhos, bebidas alcoólicas m m Outros agro-alimentares m 24.3 k m m Energéticos k 32.0 k 31.2 k m Químicos m k 10.8 k 31.9 k Orgân. (benzeno, xileno, etc.) m k 11.6 k 32.2 k Farmacêuticos m Plásticos e suas obras m k m 94.0 k Borracha e suas obras k k m k Outros químicos k k m m Madeira, cortiça e Papel k 35.1 k 12.2 k 6.3 k Madeira e suas obras k 35.2 k 12.2 k 6.3 k Papel e cartão m Outros produtos k m 8.4 k m Peles, couros e têxteis k -2.0 m m m Peles e couros m k m m Têxteis k -6.6 m m m Vestuário e calçado m m m k Vestuário m k m 92.9 k Calçado e acess. vestuário k m m k (continua) 14

15 Exportações Agrupamentos de Produtos (continuação) /09 11/10 12/11 13/ Minérios e metais k m m 67.0 k Minérios k 11.8 k m 15.0 k Metais k m m 67.3 k Máquinas k m 13.2 k m Máq. e aparelh. mecânicos k m 15.4 k m Máq. e aparelh. eléc tricos k m m 47.3 k Material de transporte m 55.7 k m m Veíc. automóveis e ciclos m m m k Outro material de transporte m 55.9 k m m Prod. acabados diversos m 46.8 k -5.4 m 18.8 k Cerâmica e vidro k k m m Outros m 46.3 k -5.0 m 19.3 k Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 15

16 Anexo-3 Importações nos países da CPLP (8) com origem na Guiné Equatoriasl, por agrupamentos de produtos a 2013 (Sem movimento nos últimos cinco anos: Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste) BRASIL /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k 9.9 k m k Energéticos k 9.9 k m k Químicos m Outros químicos m 0.1 CABO VERDE /09 11/10 12/11 13/ TOTAL m m m Energéticos m m m MOÇAMBIQUE /09 11/10 12/11 13/ TOTAL Máquinas Máq. e aparelh. Mecân PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m k m Energéticos k m k m (continua) 16

17 (continuação) PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ Químicos m m Plásticos e suas obras m m Borracha e suas obras Outros químicos m 0.0 Madeira, cortiça e papel m -7.5 m m Madeira e suas obras m -7.5 m m Minérios e metais m m k m Metais m m k m Máquinas k -6.7 m m k Máq. e aparelh. Mecân k -6.2 m m k Máq. e aparelh. eléc tr m m k Material de transporte k m m Veíc. automóveis e ciclos k m m Outro material Transp m m Prod. acabados diversos k k m Outros k k m S.TOMÉ e PR /09 11/10 12/11 13/ TOTAL m 33.4 k 8.2 k k Madeira, cortiça e Papel m Papel e cartão m Peles, couros e têxteis m Têxteis m 57.1 Vestuário e calçado Calçado e acess. vestuário Minérios e metais Minérios Máquinas m m m Máq. e aparelh. Mecân m m Máq. e aparelh. eléc tr m 14.3 Material de transporte m m Veíc. automóveis e ciclos m m Outro material Transp m 57.2 Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 17

18 Anexo-4 Exportações dos países CPLP (8) com destino à Guiné Equatoriasl, por agrupamentos de produtos a 2013 (Sem movimento nos últimos cinco anos: Angola, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste) BRASIL /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k 36.0 k 46.0 k m Agro-alimentares m 55.7 k -8.6 m m Carnes m 41.8 k 2.3 k m Peixe, crustác. e moluscos k m m 95.2 k Leite, lacticín., ovos e mel m 58.0 k m m Frutas m k Cereais k 93.3 k -9.6 m 72.7 k Vinhos, bebidas alcoólicas k k m k Tabaco manufacturado m Outros agro-alimentares k k m m Energéticos k k k 51.8 k Químicos m k 19.7 k m Orgân. (benzeno, xileno, etc.) k m m k Farmacêuticos k k -0.3 m 3.5 k Plásticos e suas obras m k m m Borracha e suas obras k k -6.9 m m Outros químicos m 91.6 k k m Madeira, cortiça e Papel k 25.2 k k m Madeira e suas obras k -6.9 m k m Pasta de papel m k 40.1 k m Papel e cartão k 58.9 k 31.8 k m Outros produtos k k m Peles, couros e têxteis k m k m Peles e couros k k k 31.4 k Têxteis k m k m Vestuário e calçado k m 88.2 k 17.8 k Vestuário k m 83.0 k -1.8 m Calçado e acess. vestuário k m k 96.7 k Minérios e metais m 18.0 k 38.1 k m Minérios k 36.5 k m m Metais m 11.4 k 72.5 k m Máquinas k -5.6 m k m Máq. e aparelh. Mecân k m 87.8 k m Máq. e aparelh. eléc tr m 36.5 k k m (continua) 18

19 (continuação) PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ Madeira, cortiça e Papel k m 13.2 k 13.3 k Madeira e suas obras k m m 94.9 k Papel e cartão m m 38.9 k m Outros produtos k 58.8 k k 13.0 k Peles, couros e têxteis k 63.3 k m 82.0 k Peles e couros m k m k Têxteis k 52.0 k m 71.0 k Vestuário e calçado k k 10.0 k 98.2 k Vestuário k k 8.3 k k Calçado e acess. vestuário k 96.5 k 13.1 k 90.9 k Minérios e metais k 51.3 k -2.1 m 96.2 k Minérios k 19.6 k m 14.5 k Metais k k 43.7 k k Máquinas k 22.6 k 29.4 k 13.9 k Máq. e aparelh. Mecân k 88.3 k 6.8 k 34.0 k Máq. e aparelh. eléc tr k m k m Material de transporte k m 39.9 k k Veíc. automóveis e ciclos k m 31.8 k k Outro material Transp k 60.1 k k 5.3 k Prod. acabados diversos k 51.1 k 21.5 k k Cerâmica e vidro m k m 38.3 k Outros k 39.2 k 31.0 k k S. TOMÉ E PR /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m Máquinas m Máq. e aparelh. Mecân m Máq. e aparelh. eléc tr Material de transporte k m Veíc. automóveis e ciclos k m Outro material Transp Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 19

20 (continuação) PORTUGAL /09 11/10 12/11 13/ Madeira, cortiça e Papel k m 13.2 k 13.3 k Madeira e suas obras k m m 94.9 k Papel e cartão m m 38.9 k m Outros produtos k 58.8 k k 13.0 k Peles, couros e têxteis k 63.3 k m 82.0 k Peles e couros m k m k Têxteis k 52.0 k m 71.0 k Vestuário e calçado k k 10.0 k 98.2 k Vestuário k k 8.3 k k Calçado e acess. vestuário k 96.5 k 13.1 k 90.9 k Minérios e metais k 51.3 k -2.1 m 96.2 k Minérios k 19.6 k m 14.5 k Metais k k 43.7 k k Máquinas k 22.6 k 29.4 k 13.9 k Máq. e aparelh. Mecân k 88.3 k 6.8 k 34.0 k Máq. e aparelh. eléc tr k m k m Material de transporte k m 39.9 k k Veíc. automóveis e ciclos k m 31.8 k k Outro material Transp k 60.1 k k 5.3 k Prod. acabados diversos k 51.1 k 21.5 k k Cerâmica e vidro m k m 38.3 k Outros k 39.2 k 31.0 k k S. TOMÉ E PR /09 11/10 12/11 13/ TOTAL k m Máquinas m Máq. e aparelh. Mecân m Máq. e aparelh. eléc tr Material de transporte k m Veíc. automóveis e ciclos k m Outro material Transp Fonte: A partir de dados de base divulgados pelo International Trade Centre (ITC) - (http://www.intracen.org/bycountry.aspx.). 20

21 Anexo-5 Definição do conteúdo dos Agrupamentos de Produtos da Nomenclatura Combinada Agrupamentos Capítulos da NC 0 Agro- alimentares 01 a 24 1 Energéticos 27 2 Químicos 28 a 40 3 Madeira, cortiça e papel 44 a 49 4 Peles, couros e têxteis 41 a 43, 50 a 60, 63 5 Vestuário e calçado 61, 62, 64 a 67 6 Minérios e metais 25, 26, 71 a 83 7 Máquinas 84, 85 8 Material de transporte 86 a 89 9 Prod. acabados diversos 68 a 70, 90 a 99 21

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov )

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov ) Em Análise Walter Anatole Marques 1 Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov 2013-2014) 1 Nota Introdutória Ao longo dos últimos cinco anos e onze primeiros meses de 2014 as exportações

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Competitividade

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 1 Janeiro 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

GUINÉ-BISSAU Comércio Exterior

GUINÉ-BISSAU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GUINÉ-BISSAU Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR 09 de Maio de 2003 Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro a Fevereiro de 2003 DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR O défice da balança comercial registou, nos dois primeiros meses de

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da novação GPEAR Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações nternacionais

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

WORKSHOP. Compilation of International Merchandises Trade Statistics- Addis Abeba, Ethiopia, November 2007.

WORKSHOP. Compilation of International Merchandises Trade Statistics- Addis Abeba, Ethiopia, November 2007. WORKSHOP Compilation of International Merchandises Trade Statistics- Addis Abeba, Ethiopia, 12-16 November 2007 Statistic- Angola STATISTIQUES DU COMMERCE EXTÉRIEUR QUELS SONT LES STATISTIQUES DU COMMERCE

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO BALANÇA COMERCIAL Var % a 05/09 Var % b 09/10 Exportações 1.661 2.118 1.702 4.445 2.113 29,1 2.035 6.652 226,8 Importações 15.503 9.430 11.457 7.302 4.850-21,9 4.654 4.867 4,6 Saldo -13.842-7.312-9.755-2.857-2.737

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Paraguai - Síntese País

Paraguai - Síntese País Informação Geral sobre o Paraguai Área (km 2 ): 406 752 Risco de crédito: 5 (1 = risco menor; 7 = risco maior) População (milhões hab.): 6,8 ( 2016, estimativa FMI) Risco do país: BB (AAA = risco menor;

Leia mais

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor)

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor) OBSERVATÓRIO DO VINHO Análise de Mercados de Exportação EUA Canadá Brasil - Angola Mercados Internacionais de Vinho 1. Balança do Vinho Português 2. Exportações Terceiros de Vinho Português para Países

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Taxas de Variação Anual Homóloga em Valor, Volume e Preço das Importações e Exportações de Mercadorias em 2014 por Agrupamentos de Produtos

Taxas de Variação Anual Homóloga em Valor, Volume e Preço das Importações e Exportações de Mercadorias em 2014 por Agrupamentos de Produtos Em Análise Walter Anatole Marques 3 Taxas de Variação Anual Homóloga em Valor, Volume e Preço das Importações e Exportações de Mercadorias em 2014 por Agrupamentos de Produtos 1 Nota introdutória O Instituto

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Joseph R. Biden População (milhões hab.): 321,3 (2015) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

Taxas de variação das importações e exportações portuguesas de mercadorias

Taxas de variação das importações e exportações portuguesas de mercadorias Em Análise Taxas de variação das importações e exportações portuguesas de mercadorias - Janeiro a junho de 2015 - Walter Anatole Marques 1 1 - Nota introdutória O Instituto Nacional de Estatística de Portugal

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

- Leilão 26 Fevereiro 2013 v1.1 1

- Leilão 26 Fevereiro 2013 v1.1 1 132960000 Lote 1A - Quadro com nota de 500 euros 24k gold 132940001 Lote 1 - Lote de 3 notas do Banco de Angola, nota de Mil Escudos de 1973 Luiz de Camões, nota de Mil Escudos de 1972 Marechal Carmona

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS. EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO

DADOS ESTATÍSTICOS. EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO DADOS ESTATÍSTICOS EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO - 2010 Fonte: INE, IP Elaboração: IVV, IP - Departamento de Organização, Estudos de Mercado e Promoção (DOEMP) 1º semestre de

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Produtos Exportados por Santa Catarina: 2002 e 2009 e Análise de Mercados

Leia mais

Iraque - Síntese País

Iraque - Síntese País Informação Geral sobre o Iraque Área (km 2 ): 441 839 População (milhões hab.): 35,161 (estimativa ) Primeiro-Ministro: Haider al-abadi Risco de crédito: Fora de cobertura Risco do país: CCC (AAA = risco

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Estatísticas do Comércio Extracomunitário Janeiro a Março 2007 EXPORTAÇÕES AUMENTAM 17,9% E IMPORTAÇÕES DIMINUEM 1,5%

Estatísticas do Comércio Extracomunitário Janeiro a Março 2007 EXPORTAÇÕES AUMENTAM 17,9% E IMPORTAÇÕES DIMINUEM 1,5% 09 de Maio de 2007 Estatísticas do Comércio Extracomunitário Janeiro a Março 2007 EXPORTAÇÕES AUMENTAM 17,9% E IMPORTAÇÕES DIMINUEM 1,5% De Janeiro a Março de 2007, as exportações registaram um aumento

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1% 09 de agosto de 2013 Estatísticas do Comércio Internacional Junho 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3 e as importações 2,1 As exportações de bens aumentaram 6,3 e as importações

Leia mais

Risco do país: B (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos Tx. Câmbio: 1 EUR = 117,8535 AOA (janeiro 2015)

Risco do país: B (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos Tx. Câmbio: 1 EUR = 117,8535 AOA (janeiro 2015) Informação Geral sobre Angola Área (km 2 ): 1 246 700 Vice-Presidente: Manuel Vicente População (milhões hab.): 22,1 (estimativa ) Risco de crédito: 5 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Luanda

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Benfica Telecom Destino preço por minuto / sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,190 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,084 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Sistemas de Informação de Mercado Novembro 2014

Sistemas de Informação de Mercado Novembro 2014 A República da Singapura é uma cidade-estado localizada no sul da Ásia e constituída por 63 ilhas. Em tempos considerada a pérola do Império Britânico, Singapura apresenta uma população de 5,4 milhões

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Dezembro Janeiro a Dezembro 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var.

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO DE

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Polónia - Síntese País

Polónia - Síntese País Informação Geral sobre a Polónia Área (km 2 ): 311 889 Primeiro-Ministro: Beata Szydło População (milhões hab.): 38,4 (estimativa 2015) Risco de crédito: (*) Capital: Varsóvia Risco do país: BBB (AAA =

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão"

Exportações Subsecção da CAE. Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão "Exportações" Subsecção da CAE "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão" 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão" Quota de Portugal

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas.

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Recursos e Ofertas de Energia Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Base year 2004) Eng. Doutoranda Vanessa Meloni Massara

Leia mais

Turquia - Síntese País

Turquia - Síntese País Informação Geral sobre a Turquia Área (km 2 ): 783 562 Primeiro-Ministro: Binali Yildirim População (milhões hab.): 76,7 (estimativa 2015) Risco de crédito: 4 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e."

Exportações Subsecção da CAE. Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e. "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." Quota de Portugal

Leia mais

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa,

Leia mais

México - Síntese País e Relacionamento Bilateral

México - Síntese País e Relacionamento Bilateral México - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre o México Área (km 2 ): 1.964.375 Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) População (milhões hab.): 116,2 (estimativa

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Costa do Marfim - Síntese País

Costa do Marfim - Síntese País Informação Geral sobre a Costa do Marfim Área (km 2 ): 322 463 Primeiro-Ministro: Daniel Kablan Duncan População (milhões hab.): 20,8 (Banco Mundial 2014) Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de dezembro de 2014. COMPARAÇÃO DO MÊS DEZEMBRO COM O MÊS

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015)

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015) Informação Geral sobre o Laos Área (km 2 ): 236 800 Primeiro-Ministro: Thongloun Sisoulith População (milhões hab.): 7,0 (estimativa 2015) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

Novos Preços e Condições a partir de

Novos Preços e Condições a partir de Novos Preços e Condições a partir de 01.11.2016 Página 1 Tarifários MEO a partir de 1 de novembro de 2016 (pacotes em comercialização): PACOTES COM TELEMÓVEL FIBRA ADSL Página 2 2 SATÉLITE PREÇOS ADICIONAIS

Leia mais

São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral

São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre São Tomé e Príncipe Área (km 2 ): 1.001 Primeiro-Ministro: Gabriel Costa População (milhares hab.): 186,817 (estimativa

Leia mais

Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar. Rural e Licenciamento. Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas

Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar. Rural e Licenciamento. Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar Rural e Licenciamento Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas Relatório das Atividades de Inspeção Exportação / INFINET 202 INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NO SECTOR DO AZEITE ENTRE 2000 E 2009

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NO SECTOR DO AZEITE ENTRE 2000 E 2009 EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NO SECTOR DO AZEITE ENTRE 2 E 29 Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DO AZEITE

Leia mais

Israel - Síntese País

Israel - Síntese País Informação Geral sobre Israel Área (km 2 ): 20 325 Risco de crédito: (*) População (milhões hab.): 8,4 (estimativa ) Risco do país: A (AAA = risco menor; D = risco maior) Língua oficial: Hebraico e Árabe

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

Risco do país: BB (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Xi Jinping Tx. câmbio (média): 1 EUR = 7,4537 CNY (agosto 2016)

Risco do país: BB (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Xi Jinping Tx. câmbio (média): 1 EUR = 7,4537 CNY (agosto 2016) Informação Geral sobre a China Área (km 2 ): 9 561 000 Primeiro-Ministro: Li Keqiang População (milhões hab.): 1 361 (estimativa 2015) Risco de crédito: 2 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Beijing

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

COLÔMBIA. Comércio Exterior

COLÔMBIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COLÔMBIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL Estados Associados* 2010-2014 * Mercado Comum do Sul Estados Associados é composto por República do Chile, República da Colômbia, República do Equador, República Cooperativa da Guiana,

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2014 12 de março de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8% As exportações de bens aumentaram 5,8% e as

Leia mais

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões),

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), Janeiro / 2015 Resultados de Janeiro de 2015 - Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), redução de 10,4%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

Perspectivas para o Brasil no Cenário Internacional da Borracha Natural - Parte I

Perspectivas para o Brasil no Cenário Internacional da Borracha Natural - Parte I Perspectivas para o Brasil no Cenário Internacional da Borracha Natural - Parte I Augusto Hauber Gameiro e Mariana Bombo Perozzi Sistema de Informações Agroindustriais da Borracha Natural Brasileira Esta

Leia mais

POSICIONAMENTO COMPETITIVO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA DE MOLDES

POSICIONAMENTO COMPETITIVO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA DE MOLDES EDIÇÃO 2011 Posicionamento Competitivo da POSICIONAMENTO COMPETITIVO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA DE MOLDES Projecto: DiMarkets (SIAC) Promotor: Cefamol Autor: Acel ÍNDICE Página 1 CAPÍTULO I Actividade Comercial

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 julho 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP www.pwc.com/pt Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP Oportunidades maximizadas? Jaime Carvalho Esteves 19 de Março 2013 Agenda 1. Conceito de hub 2. Relevância da CPLP 3. Os mercados de

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais