Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos"

Transcrição

1 Modelação e Impacto dos PAYT na Produção de Resíduos

2 Critérios de Análise INFA / ECOGESTUS Impacto nos Custos Caracterização e Quantificação dos Resíduos Aspectos Legais Sustentabilidade do Sistema / Riscos Equidade do Tarifário Aceitação Social Transparência Implementação e exequibilidade Impacto na Limpeza Urbana Aspectos Demográficos

3 INFA Prof. Gellenbeck

4 Análise aos PAYT, Alemanha Descrição Genérica Sistemas com Base no Volume/ Frequência de Recolha Sistemas Tarifários com Base na Identificação e Pesagem Casos de Estudo Comparação de Custos

5 Condições Base dos PAYT Custos cobrem as despesas do sistema Existe uma taxa fixa (Grundgebuhr/ Flat Rate) Transparência Planeamento a médio-prazo (5-10 anos) Forte vontade política, pressão económico ambiental)

6 Condições Base dos PAYT Ligação entre Produtor Contentor - Sistema Parque de contentores com vários tipos de contentores ( litros) Recolha dos Resíduos Valorizáveis/ Recicláveis é gratuita Recolha selectiva de restos de comida/ biodegradáveis acompanha a implementação do sistema (há excepções) Rede de Ecocentros / Recolha de Verdes/ REEEs / etc.

7 Munster, NRW Cidade de Munster: habitantes; fogos; 1,9 hab. / fogo em 2005 Empresa Municipal de Gestão dos RSU AWM Recolha dos Recicláveis (DSD/ SPV) a cargo da empresa privada REMONDIS

8 Infra-estruturas associadas à Gestão dos RSU

9 Caso de Estudo, Munster 2002/2003 Entrada em funcionamento do do TMB Diminuição significativa da quantidade depositada em Aterro, de ton para ton Aumento da fracção valorizada recolhida (84% em 2008) indiferenciados+rec. selectiva

10 Recolha de Papel/Cartão, Munster Recolha de Papel aumentou quase 5x, entre 1990 e 2008 Recolha porta-a-porta com contentores ( ) Eliminação dos Ecopontos em 2005

11 Recolha de Vidro/ Embalagens, Munster Recolha de Vidro através de Ecopontos (Bringsystem) Recolha porta-a-porta c/ contentores para Embalagens (linha amarela, SPV/ DSD) Redução do vidro devido ao Decreto que obriga à reutilização das embalagens de plástico (garrafas de PET)

12 Relação dos Custos do Sistema - Resumo das análises em diferentes tipos de estruturas - Custos: recolha+transporte de res.indiferenciados: 20% Tratamento dos indiferenciados: 27% Ecocentros (5%)

13 Gestão de Resíduos Status Quo - Influência da Estrutura Urbana Ex.: Münster ( hab.) - Custos adicionais para a recolha de embalagens/ SPV: cerca de 20 /(hab.ano)

14 Frequência de Recolha Resíduos Restos de Comida Bio 1 x semana Resíduos Indiferenciados 2 x mês (semana sim / semana não) 1 x mês (opção) Resíduos Valorizáveis Papel/Cartão: 2 x mês Embalagens: 2 x mês Ecocentros Rec. de Monos Rec. de Resíduos Domésticos Perigosos Rec. de Texteis (roupas/sapatos) Frequência de recolha baixa comparativamente aos padrões nacionais

15 Escolha dos Contentores

16 Tarifário de RSU em Munster Clientes Residenciais

17 Tarifário Actual em Munster Resíduos Indiferenciados / Munster 2009 Recolha 2 x mês Contentor Recolha Tarifário em litros frequência litros/ centimos Custo / litro (x/ ano) ano /litro ,92 0,058 5, ,84 0,058 5, ,32 0,058 5, ,80 0,058 5, ,60 0,058 5, ,84 0,058 5, ,44 0,058 5,8 Recolha 4 x mês ,80 0,058 5, ,00 0,058 5,8 Sistema linear Relação directa entre o volume utilizado (indiferenciados) e o preço pago pelo serviço prestado

18 Tarifário de RSU em Munster Clientes Empresarias/Indústria Serviços prestados pela Empresa Municipal com carácter comercial

19 Tarifário Actual em Munster

20 Custos Específicos - Resumo das análises em diferentes tipos de estruturas - Tipo de Estrutura Residências Familiares Residências Colectivas Médias (3-4 / Fechadas) Residências Colectivas fgrandes (>6 / Abertas) Combinação de Contentores Indiferenciados 1 MGB 90 (Recolha 2x / mês) 2 MGB 240 (Recolha 2 x /mês) 1 MGB u. 1 MGB 770 (Recolha 1 x semana Biodegradáveis 1 MGB 60 (Recolha 1x semana) 1 MGB 120 (Recolha 1 x semana MGB 90 (Recolha 1 x semana) Papel / Cartão 1 MGB 120 (Recolha 2 x / mês) 2 MGB 240 (Recolha 2 x /mês) 1 MGB (Recolha 2 x /mês) Quantidades de Resíduos Indiferenciados 94 kg/(e*a) 142 kg/(e*a) 190 kg/(e*a) Biodegradáveis 106 kg/(e*a) 68 kg/(e*a) 10 kg/(e*a) Papel/ Cartão 81 kg/(e*a) 77 kg/(e*a) 30 kg/(e*a) Monos 27 kg/(e*a) 25 kg/(e*a) 32 kg/(e*a) Resíduos Verdes 42 kg/(e*a) 13 kg/(e*a) 0 kg/(e*a) REEEs 3 kg/(e*a) 1 kg/(e*a) 2 kg/(e*a) Ecocentros 110 kg/(e*a) 67 kg/(e*a) 57 kg/(e*a) Total 465 kg/(e*a) 394 kg/(e*a) 322 kg/(e*a) Custos 102,35 /(E*a) 90,59 /(E*a) 80,41 /(E*a) Tarifários 77,31 /(E*a) 93,68 /(E*a) 118,88 /(E*a) Diferença de Custos -25,04 /(E*a) 3,09 /(E*a) 38,47 /(E*a) (Tarifas - Custos) -32 % 3 % 32 %

21 Sensibilização Ambiental - Preço pago pelos RSU versus Outros Serviços

22 Impacto dos Sistemas c/ Identificação (fase inicial) Os munícipes têm a possibilidade de pagar menos através de um comportamento adequado, com menor produção de indiferenciados Não há contentores anónimos nem fantasma Todos os baldeamentos são contabilizados O sistema de identificação será sempre mais difícil de implementar, e satisfazendo todos os moradores, nas residências colectivas (> 4 andares).

23 Descrição dos Sistemas PAYT Linear / Id. / Volume Ano: 1995 Lunen LK Oldenburg Indiferenciados Taxa Base Taxa linear Tarifa depende da propriedade/residência Taxa fixa 0.59 EUR /(l x a) 48 EUR /(Beh. x a) Extra Preço dependente do volume Taxa adicional EUR /(l x a) Taxa linear Taxa depende do tamanho do contentor Biodegradáveis EUR /(l x a) 80 litros 36 EUR (restos de comida) 120 litros 54 EUR 240 litros 108 EUR Monos a pedido: 10 EUR Gratuito Ecocentro 10 EUR (5m 3 ) Monos a pedido Papel/Cartão: Ecopontos Papel/Cartão: Contentor (porta-a-porta) Outros Res. Perigosos Serviço de recolha móvel Res. Perigosos Serviço de recolha móvel Linha Branca 15 EUR / Aparelho Linha Branca a pedido Compostagem Monos a pedido Resíduos jardim descentralizada

24 PAYT: Id./ Sistema PAYT Convencional PAYT Sistema Convencional - Comparação antes e após PAYT- Lunen LK Oldenburg Hab Hab Antes PAYT Depois Antes PAYT Depois kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) Indiferenciados 337,9 205,9 232,8 159 Monos 9,8 25,4 41,2 47,8 Sub-Total 347,7 231,3 274,0 206,8 Biodegradáveis 0,0 53,8 20,1 70,8 Res. Verdes 0,3 5,2 0 0,0 Papel/Cartão 40,0 59,9 59,8 62,1 Vidro 20,0 29,9 26,3 30,6 Embalagens 0,0 22,4 0 21,6 Sub-Total 60,3 171,2 106,2 185,1 Total 408,0 402,5 380,2 391,9 Variação

25 Sistemas PAYT por Id./ Pesagem Comparação Antes/ Após o PAYT PAYT: Id./ Sistema de Pesagem Esslingen Hamminkeln Steinfurt Hab Hab Hab Antes PAYT Depois Antes PAYT Depois Antes PAYT Depois kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) kg/ (hab.a) Indiferenciados 260,0 208,0 235,3 123,1 187,5 93,8 Monos 14,0 17,0 25,3 21,0 10,9 10,9 Sub-Total 274,0 225,0 260,6 144,1 198,4 104,7 Biodegradáveis 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 31,3 Res. Verdes 0,0 0,0 12,3 19,0 15,6 21,9 Papel/Cartão 28,0 39,0 55,9 58,7 61,3 75,0 Vidro 20,0 27,0 27,7 25,9 21,0 28,0 Embalagens 5,0 9,0 20,1 25,1 25,0 33,0 Sub-Total 53,0 75,0 116,0 128,7 122,9 189,2 Total 327,0 300,0 376,6 272,8 321,3 293,9 Variação Situação Actual Sistema Id. /Volume Sistema Id./ Pesagem Sistema Id./Pesagem Quelle: INFA, 1995

26 Aspectos Tecnológicos - Leitura automática durante o baldeamento - Fonte: Geo PLan

27 Transparência - Acessibilidade aos dados (leitura online) dos resíduos recolhidos -

28 Transparência - Tarifários : comparação entre vários sistemas - Os tarifários na Alemanha variam muito de cidade para cidade, e de norte a sul Os próprios sistemas de gestão justificam as variações com a necessidade de reflectir custos inerentes a cada.comunidade (tipologia urbana, aterros com necessidade de remediação ambiental,...etc.)

29 Obrigado pela Vossa atenção!

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB SMAH Recolha, transporte de resíduos urbanos e limpeza pública Resiaçores

Leia mais

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções?

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Concelho de Valongo Câmara Municipal de Valongo Departamento de Ambiente e Qualidade de Vida Divisão de Qualidade Ambiental Sector de Higiene Urbana Caracterização

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira. Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente

2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira. Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente Reciclagem Multimaterial no Município de Gondomar 2009. Julho.14 Iva Rodrigues Ferreira Câmara Municipal de Gondomar Departamento de Ambiente O Município de Gondomar 164.090 habitantes (segundo os censos

Leia mais

Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais. Luís s Fernandes

Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais. Luís s Fernandes Aplicação de um modelo PAYT no município da Maia: clientes empresariais Luís s Fernandes - A Maiambiente EEM; - Princípios do PAYT - Poluidor-pagador; - Recolha em empresas; -A recolha na Maia; -Considerações

Leia mais

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente

Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Governo Regional dos Açores Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Direção Regional do Ambiente Data de elaboração: Maio de 2016 Relatório Resíduos Urbanos Ilha de Santa Maria 2015 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos

Plano de Gestão de. Resíduos Sólidos Urbanos Plano de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos I. INTRODUÇÃO Até meados do século passado, o lixo doméstico, praticamente, não constituía problema. A maioria dos materiais utilizados continha componentes

Leia mais

Ecoparque da Ilha de São Miguel

Ecoparque da Ilha de São Miguel Ecoparque da Ilha de São Miguel Distância ao Continente = 1.500 Km Ligações marítimas = frequência semanal com duração de dois dias + 2 dias de operações portuárias Dispersão por 600 Km (mais do que

Leia mais

I SEMINÁRIO DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE PROJECTO ECOPONTO EM CASA

I SEMINÁRIO DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE PROJECTO ECOPONTO EM CASA I SEMINÁRIO DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS NO ÂMBITO DA SUSTENTABILIDADE PROJECTO ECOPONTO EM CASA CARLOS MENDES 07.06.2016 çã ±136.000 FUNDAÇÃO: 2001 INÍCIO ACTIVIDADE: 2003/2005 SER RECONHECIDA COMO

Leia mais

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem Filomena Rodrigues Lobo 6-Mar-14 1 Estrutura da Apresentação 1. A ERSAR e a sua Missão 2. O Modelo Regulatório 3. Contributo específico para o fluxo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 1. Introdução O hábito do consumo exponencial, os avanços tecnológicos, entre outros, são indutores da produção de grandes quantidades de resíduos sólidos

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2016 Versão 1.2 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas

A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas Esposende o concelho Distrito Braga N.º de freguesias - 15 Área - Cerca de 96 Km 2 População - Cerca de 34.000 hab. Orla

Leia mais

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim RECOLHA SELECTIVA MULTIMATERIAL

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim RECOLHA SELECTIVA MULTIMATERIAL RECOLHA SELECTIVA MULTIMATERIAL 14 de Julho de 2009 Recolha Multimaterial 1994 1997 1999 Inicio da recolha selectiva de vidro Inicio da recolha selectiva de metal, plástico e papel e cartão Adesão ao Serviço

Leia mais

A aplicação de tarifários progressivos

A aplicação de tarifários progressivos Workshop: PAYT Pay-As-You-Throw 26.11.2009 Fórum da Maia A aplicação de tarifários progressivos Pedro Santos presidente@apea.pt Tarifários municipais de resíduos Caso de Estudo da Área Metropolitana do

Leia mais

Workshop Estratégias ZERO Resíduos em Portugal um impulso para a economia circular Lisboa, 5 dezembro Célia Ferreira Politécnico de Coimbra

Workshop Estratégias ZERO Resíduos em Portugal um impulso para a economia circular Lisboa, 5 dezembro Célia Ferreira Politécnico de Coimbra Workshop Estratégias ZERO Resíduos em Portugal um impulso para a economia circular Lisboa, 5 dezembro 2016 Célia Ferreira Politécnico de Coimbra 1. PORQUE é necessário o projeto LIFE PAYT? Foto: Flickr

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures

A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures A recolha selectiva porta a porta na área geográfica de intervenção dos Serviços Municipalizados de Loures Localização 1 Localização 142 hab/km 2 População 332.907 hab. Loures 1185 hab/km 2 Loures Odivelas

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos

TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL. Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Workshop Valorização Energética de Resíduos Verdes Herbáceos Lisboa (LNEG) TRATOLIXO BREVE SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS EM PORTUGAL IEE/12/046/SI2,645700 2013-2016 2 Gestão de resíduos Na

Leia mais

Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede. Maria João Aires Dias de Mariz

Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede. Maria João Aires Dias de Mariz Boas Práticas Ambientais na Gestão de Resíduos Município de Cantanhede Maria João Aires Dias de Mariz 19 de setembro de 2014 A Inova Empresa de Desenvolvimento Económico e Social de Cantanhede, E.M.-S.A.,

Leia mais

SAIBA O QUE FAZER AOS SEUS RESÍDUOS

SAIBA O QUE FAZER AOS SEUS RESÍDUOS SAIBA O QUE FAZER AOS SEUS RESÍDUOS manual INFOMAIL A Câmara Municipal, no âmbito do projecto ECOALJUSTREL, apela aos munícipes que tenham em atenção algumas regras na deposição e acondicionamento dos

Leia mais

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos

04/02/16 INDICE ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS. Histórico da RS no grupo EGF. Histórico da RS no grupo EGF - Ecopontos 04/02/16 ESTRATÉGIAS DE RECOLHA SELETIVA RUMO AO CUMPRIMENTO DAS METAS Celes=na Barros EGF, SA INDICE Histórico da Recolha Sele=va no Grupo Metas de retomas Recolha Sele=va Valorização Orgânica Digestão

Leia mais

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS TECNOSISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS O que é um resíduo (DL 178/2006)? Qualquer substância ou objecto que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer, nomeadamente os identificados

Leia mais

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Evolução da gestão de resíduos na Europa Evolução da capitação de RSU vs. PIB em Portugal e na UE-, 1995-2000

Leia mais

O consumidor e as embalagens

O consumidor e as embalagens O consumidor e as embalagens Luísa Schmidt e Susana Valente Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa 12-Mar-14 1 O Papel do Consumidor 1. Separar: motivações e desmotivações 2. Diferentes

Leia mais

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento A GESTÃO DE RESÍDUOS EM ZONAS INSULARES: UM DESAFIO PARA OS AÇORES OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento Paulo Santos Monteiro (Prof. Auxiliar da FEUP) 1.700 km 270

Leia mais

Procedimento NSHS 07/2011

Procedimento NSHS 07/2011 1. OBJECTIVO O presente procedimento tem como objectivo estabelecer regras para os aspectos de gestão dos resíduos produzidos nos campus do IST. 2. DESTINATÁRIOS Todos os trabalhadores e colaboradores

Leia mais

Paulo Rodrigues I

Paulo Rodrigues I Paulo Rodrigues I paulo.rodrigues@lipor.pt ProduçãoResíduosLipor População: 969.036 habitantes 10.3% da população de Portugal em 650 km 2 (0.8% do território nacional) Produção anual de RSU (ano 2008)

Leia mais

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2006 Outubro 2006 Relatório da Reciclagem 4º Trimestre 2006 2 Total Outubro - 554,22 ton 16,44 1,18 18,74 2,62 11,20 251,82 252,22 Vidro Papel/Cartão

Leia mais

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM

Introdução. Outros TBM. Orgânicos Rejeitados. Reciclagem. Emprego. Produtos. Conclusão. Introdução. Porta-a-porta Outros TBM : solução de reciclagem e tratamento para RSU pedrocarteiro@quercus.pt 144 836 (população máxima) http://residuos.quercus.pt A SPV simplificou a informação para o consumidor. 1 2 Fonte: SPV Dados reciclagem

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 2015 PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de Castelo de Vide Gabinete Técnico Florestal Setembro de 2015 INDICE 1. Introdução... 2 1.1. Enquadramento geográfico e populacional... 3 1.2.

Leia mais

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a

Novas Licenças do SIGRE e Valores de Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Contrapartida Implicações para o Sector Cátia Borges, Vice-Presidente da Direção da ESGRA Associação para a Gestão de Resíduos e Diretora-Geral da Gesamb A ESGRA tem como missão a promoção dos interesses

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem Relatório Anual da Reciclagem 213 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, Lousada www.ambisousa.pt

Leia mais

A aplicação de tarifários progressivos

A aplicação de tarifários progressivos Workshop: A gestão de resíduos em regiões insulares: o desafio para os Açores A aplicação de tarifários progressivos Pedro Santos pedro.santos@edvenergia.pt Síntese Instrumentos económicos Tarifários municipais

Leia mais

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA

Geramos valor para a Natureza. MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Geramos valor para a Natureza MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA A MUSAMI Gerar Valor para a Natureza é a nossa missão. Como? Promovendo a valorização crescente dos resíduos, desenvolvendo

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra Seminário Eco-EscolasEscolas 2017 Boas práticas para o Desenvolvimento O contributo do Município de Mafra Câmara Municipal de Mafra Ílhavo - 20, 21 e 22 de janeiro de 2017 Seminário Eco-EscolasEscolas

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS ECOCENTROS E PROCEDIMENTOS A RESPEITAR

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS ECOCENTROS E PROCEDIMENTOS A RESPEITAR NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS EOENTROS E PROEDIMENTOS A RESPEITAR 1. OBJETIVOS As presentes normas têm por objectivo a utilização dos Ecocentros da Amarsul, concebidos para a deposição dos resíduos indicados.

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

ABASTECIMENTO DE ÁGUA ABASTECIMENTO DE ÁGUA Utilizadores Domésticos Tarifa fixa 3,85 Tarifa variável - por m³ 1.º Escalão [0 a 5 m³] - por metro cúbico 0,68 2.º Escalão [6 a 15 m³] por metro cúbico 1,08 3.º Escalão [16 a 25

Leia mais

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo 1. APA: FACTOS E NÚMEROS A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos.

Leia mais

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia Resíduos do Nordeste, EIM 17.03.2010 Resíduos do Nordeste, EIM A actividade da empresa engloba a recolha e deposição de resíduos indiferenciados

Leia mais

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares

Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares Metodologia utilizada para determinação das metas intercalares 1. Introdução O Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos, PERSU 2020, define três metas vinculativas e específicas por Sistema de Gestão

Leia mais

Autores-Equipa. Conteúdo 04/02/16. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal. 1. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal

Autores-Equipa. Conteúdo 04/02/16. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal. 1. Breve caracterização da recolha selegva em Portugal 04/02/16 Autores-Equipa MODELO DE PREVISÃO DE ENCHIMENTO DE CONTENTORES DA RECOLHA SELECTIVA Prof. Alexandre Magrinho; PhD Instituto Politécnico de Setúbal alexandre.magrinho@estsetubal.ips.pt Magrinho,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PERSU MUNICÍPIO DA AMADORA. Câmara Municipal da Amadoraa

PLANO DE AÇÃO PERSU MUNICÍPIO DA AMADORA. Câmara Municipal da Amadoraa PLANO DE AÇÃO PERSU 20200 MUNICÍPIO DA AMADORA Câmara Municipal da Amadoraa 2015 1 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui a estratégia do município da Amadora para a gestão dos resíduos urbanos tendo

Leia mais

PAPERSU TORRES VEDRAS. Abril 2015_CMTV DGAU

PAPERSU TORRES VEDRAS. Abril 2015_CMTV DGAU Abril 2015_CMTV DGAU Índice 1.Introdução 4 1.1. Enquadramento territorial 4 2.O Sistema 6 2.1. Caracterização geral 6 Gabinete de Valorização de Resíduos 9 Sensibilização Ambiental 9 2.2. Produção de Resíduos

Leia mais

João Pedro Abreu Rodrigues. Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra

João Pedro Abreu Rodrigues. Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Caracterização de resíduos urbanos provenientes da restauração na união de freguesias da Glória e Vera Cruz, Aveiro - perspectiva de

Leia mais

Procedimento NSHS 07/2011

Procedimento NSHS 07/2011 1. OBJECTIVO O presente procedimento tem como objectivo estabelecer regras para os aspectos de gestão dos resíduos produzidos nos campus do IST. 2. DESTINATÁRIOS Todos os trabalhadores e colaboradores

Leia mais

Plano de Sensibilização Ambiental

Plano de Sensibilização Ambiental Plano de Sensibilização Ambiental Divisão de Resíduos e Logística Angra do Heroísmo 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...5 2. OBJETIVOS...6 2.1. Objetivos Gerais...6 2.2. Objetivos Específicos...6 4. PÚBLICO-ALVO...7

Leia mais

Paulo Rodrigues I

Paulo Rodrigues I Paulo Rodrigues I paulo.rodrigues@lipor.pt UNIVERSOLIPOR População 969.036 habitantes 10.3% da população de Portugal em 650 km 2 (0.8% do território nacional) Produção Anual de RSU (ano 2009) 505.665 toneladas

Leia mais

Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020

Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020 f Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020 março de 2017 www.apesb.org/pt 1 Enquadramento O PERSU 2020, no

Leia mais

CANDIDATURA CONJUNTA AO ÂMBITO DA APLICAÇÃO DO PRODUTO DA TAXA DE GESTÃO DE RESÍDUOS

CANDIDATURA CONJUNTA AO ÂMBITO DA APLICAÇÃO DO PRODUTO DA TAXA DE GESTÃO DE RESÍDUOS CANDIDATURA CONJUNTA AO ÂMBITO DA APLICAÇÃO DO PRODUTO DA TAXA DE GESTÃO DE RESÍDUOS RECOLHA DE RESÍDUOS PERIGOSOS NOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EMPRESAS ENVOLVIDAS Abril 2011 Índice 1. PONTOS CHAVE 2.

Leia mais

Relatório de Desempenho

Relatório de Desempenho 1º QUADRIMESTRE Relatório de Desempenho 2013 O presente relatório visa analisar a implementação do Sistema da Gestão da Qualidade na Divisão do Ambiente e Transportes, no período que decorre desde 1 de

Leia mais

Mapa de Registo de Resíduos de Entidades Gestoras de Resíduos Urbanos na RAA

Mapa de Registo de Resíduos de Entidades Gestoras de Resíduos Urbanos na RAA Governo dos Açores Secretaria Regional dos Recursos Naturais Mapa de Registo de Resíduos de Entidades Gestoras de Resíduos Urbanos na RAA Identificação da Entidade Gestora de Resíduos Urbanos Ano: 2013

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS

RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS RECOLHA SELECTIVA ECOPONTOS O QUE É UM ECOPONTO? Ecoponto é uma bateria de contentores individuais destinados a receber separadamente os diversos materiais para reciclagem. Os ecopontos de Oliveira de

Leia mais

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE MATOSINHOS PAPERSU DO MUNICÍPIO DE MATOSINHOS abril 2015 INDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 3 2. CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 3 2.1. Características do município... 3 2.2. Recolha de resíduos...

Leia mais

Implementação de Taxa de Resíduos Individual em Portugal - Caso de Óbidos

Implementação de Taxa de Resíduos Individual em Portugal - Caso de Óbidos Artigos Implementação de Taxa de Resíduos Individual em Portugal - Caso de Óbidos Filipa Santos RELEVÂNCIA DO TEMA Hoje em dia é claramente conhecido que os resíduos representam um problema ambiental da

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

Da Recolha Selectiva de RUBs ao Nutrimais a Experiência da LIPOR

Da Recolha Selectiva de RUBs ao Nutrimais a Experiência da LIPOR Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Centro de Congressos do Estoril 22 Setembro 2009 Da Recolha Selectiva de RUBs ao Nutrimais a Experiência da LIPOR Susana Lopes Departamento Novos Projectos

Leia mais

mandamentos mandamentos do produtor de lixo

mandamentos mandamentos do produtor de lixo 10 mandamentos mandamentos do produtor de lixo 1 Reduzo o lixo que produzo Quando vou às compras, levo sacos reutilizáveis. Prefiro produtos concentrados, com pouca embalagem. Entrego os bens que já não

Leia mais

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos

Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais. GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES Enquadramento na política de resíduos APA A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos. É um

Leia mais

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Município de São Brás de Alportel Em vigor a partir de 1 de Novembro de 2011 (Com as alterações

Leia mais

Tarifário Praia Ambiente

Tarifário Praia Ambiente Tarifário Praia Ambiente Município da Praia da Vitória Ano de 1- Águas de Abastecimento 2 - Drenagem de Águas Residuais 3 - Resíduos Sólidos Águas de Abastecimento Município da Praia da Vitória Ano de

Leia mais

Apresentação. Julho Resíduos?

Apresentação. Julho Resíduos? Apresentação Julho 2012 Resíduos? 1 Reflexão Os problemas Causados pelos resíduos são tão velhos quanto a humanidade Nos nossos dias 2 Resíduos Resíduos Assiste-se a uma verdadeira explosão na produção

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PERSU Município de Mafra

PLANO DE ACÇÃO PERSU Município de Mafra PLANO DE ACÇÃO PERSU 2020 Município de Mafra Abril 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 3 2. O MUNICÍPIO - CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 4 2.1. Enquadramento geográfico...

Leia mais

Propostas da campanha nacional da Reforma Fiscal Ambiental

Propostas da campanha nacional da Reforma Fiscal Ambiental A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Resíduos Propostas da campanha nacional da Reforma Fiscal Ambiental Índice da apresentação - RFA Europeia - Objectivos, Paradigmas, Exemplos e comparação com

Leia mais

Relatório. Produção de Resíduos - Ano 2015

Relatório. Produção de Resíduos - Ano 2015 Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho Relatório Produção de Resíduos - Ano 2015 1. Introdução O presente relatório tem como objectivo avaliar a evolução da produção de resíduos no CHL durante o ano

Leia mais

SEMANA EUROPEIA DA PREVENÇÃO DE RESÍDUOS

SEMANA EUROPEIA DA PREVENÇÃO DE RESÍDUOS SEMANA EUROPEIA DA PREVENÇÃO DE RESÍDUOS A Semana Europeia da Prevenção de Resíduos tem como objectivos: Promover acções sustentáveis de redução de resíduos por toda a Europa Realçar o trabalho realizado

Leia mais

Regulamento do projeto piloto "Poluidor Pagador"

Regulamento do projeto piloto Poluidor Pagador Regulamento do projeto piloto "Poluidor Pagador" Preâmbulo O projeto Poluidor Pagador é um projeto piloto desenvolvido pela Divisão de Ambiente e Serviços Urbanos da Câmara Municipal de Ponta Delgada.

Leia mais

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 15 de Novembro de 2003

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 15 de Novembro de 2003 Edição Especial 15 de Novembro de 2003 Regulamento Municipal de Utilização do Ecocentro de Carenque (Deliberação da CMA de 15 de Outubro de 2003) (Deliberação da AMA de 30 de Outubro de 2003) CÂMARA DA

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO (PAPERSU) Abril Plano de Acção

PLANO DE ACÇÃO (PAPERSU) Abril Plano de Acção PLANO DE ACÇÃO 2015 2020 (PAPERSU) Abril 2015 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO O da ECOLEZÍRIA, EIM, que agora se apresenta, tem como objectivos principais alinhar a estratégia de gestão da empresa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG NA OPTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DA RECOLHA SELECTIVA

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG NA OPTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DA RECOLHA SELECTIVA SEMINÁRIO OPTIMIZAÇÃO DA LOGÍSTICA DE RECOLHA SELECTIVA DE RESÍDUOS (RESÍDUOS DE EMBALAGEM E RESÍDUOS ORGÂNICOS) 25 DE MAIO DE 2006 AUDITÓRIO DA CENTRAL DE VALORIZAÇÃO ORGÂNICA DA LIPOR BAGUIM DO MONTE

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS Enquadramento Legal

GESTÃO DE RESÍDUOS Enquadramento Legal GESTÃO DE RESÍDUOS Enquadramento Legal 2.º CONGRESSO NACIONAL DA PREFABRICAÇÃO EM BETÃO - ANIPB Anabela Borges Lisboa, 06 e 07 de Março de 2008 1 ENQUADRAMENTO LEGAL - Nacional Legislação Geral Lei n.º

Leia mais

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE PAREDES

PAPERSU DO MUNICÍPIO DE PAREDES PAPERSU DO MUNICÍPIO DE PAREDES ABRIL 2015 INDICE 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO HISTÓRICO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO E MODELO TÉCNICO ATUAL... 2 2.1. CARACTERÍSTICAS DO MUNICÍPIO... 2 2.2. PRODUÇÃO DE RESÍDUOS...

Leia mais

Fornecemos mobilidade. Apresentação da empresa e do produto Combitour

Fornecemos mobilidade. Apresentação da empresa e do produto Combitour Fornecemos mobilidade Apresentação da empresa e do produto Combitour Agenda 1. Perfil da empresa 2. Visão e estratégia da IVU na gestão de resíduos sólidos 3. Pay as you throw IVU Benelux BV. Berlin, Datum

Leia mais

Conteúdo. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos

Conteúdo. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos. Evolução da política de gestão de resíduos Conteúdo NOVOS DESAFIOS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS Avaliação do Ciclo de Vida Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) Utilização da ACV na gestão de 10 aplicações 1. Abril. 2008 Hotel Tivoli Tejo, Lisboa Susana

Leia mais

Estudo do Desenvolvimento do Ecocentro Municipal de Ílhavo

Estudo do Desenvolvimento do Ecocentro Municipal de Ílhavo Estudo do Desenvolvimento do Ecocentro Municipal de Ílhavo ALMEIDA, Elsa Raquel 1 ; RÉ, Marcos 2 ; VIEIRA, Ana 3 ; SANTOS, Luís 4 1 Engenharia do Ambiente e do Território 2 Câmara Municipal de Ílhavo 3

Leia mais

Município da Golegã Câmara Municipal

Município da Golegã Câmara Municipal PLANO DE AÇÃO 2015-2020 -PAPERSU 0 FICHA TÉCNICA EDIÇÃO E PROPRIEDADE Serviço de Ambiente Divisão de Obras Urbanismo e Ambiente da Golegã REDAÇÃO Sónia Casemiro Técnica Superior, Serviço de Ambiente sambiente@cm-golega.pt

Leia mais

PROJECTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PROJECTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS OBRA: REDE VIÁRIA FAQUÊLO ARCOS (S. PAIO) PROJECTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta

Leia mais

PROJECTO DE TRATAMENTO, VALORIZAÇÃO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA

PROJECTO DE TRATAMENTO, VALORIZAÇÃO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA PROJECTO DE TRATAMENTO, VALORIZAÇÃO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA Empresa Geral do Fomento, SA 24-04-2006 Equipa Técnica O presente estudo foi elaborado pela seguinte equipa técnica:

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho Gestão de Resíduos nos Açores Carlos de Andrade Botelho Distância ao Continente = 1.500 Km Dispersão por 600 Km (mais do que a altura de Portugal Continental ou a largura da Alemanha) Ligações marítimas

Leia mais

Gestão de Resíduos Solidos na Alemanha Estudo de caso estado Baden- Württemberg

Gestão de Resíduos Solidos na Alemanha Estudo de caso estado Baden- Württemberg Gestão de Resíduos Solidos na Alemanha Estudo de caso estado Baden- Württemberg Dr. Klaus Fischer, M.Sc. Luisa Ferolla Spyer Prates Institute for Sanitary Engineering, Water Quality and Solid Waste Management,

Leia mais

REVISÃO DO SISTEMA AQS SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

REVISÃO DO SISTEMA AQS SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS REVISÃO DO SISTEMA AQS SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO RU01a - Acessibilidade física ao serviço(%) RU04a Lavagem de contentores de recolha seletiva RU04b Lavagem de contentores

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos O GPA NASCEU EM 1948. É A MAIOR EMPRESA VAREJISTA DO BRASIL E PERTENCE AO GRUPO CASINO, UM DOS LÍDERES MUNDIAIS NO VAREJO DE ALIMENTOS. Com 2.113 pontos de venda,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Direcção da Organização, ao seu mais alto nível, deve traçar o seu caminho ambiental, explicitando-o num documento escrito, através do qual demonstrará

Leia mais

04/02/16. Panorama Nacional - Municípios (total 289.: fonte CESUR, 2007) OBJETIVOS APRESENTAÇÃO RESÍDUOS O QUE SABEMOS RESÍDUOS O QUE SABEMOS

04/02/16. Panorama Nacional - Municípios (total 289.: fonte CESUR, 2007) OBJETIVOS APRESENTAÇÃO RESÍDUOS O QUE SABEMOS RESÍDUOS O QUE SABEMOS OBJETIVOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO DO PROJETO PAYT LIPOR-MAIAMBIENTE RESULTADOS FUTURO RESÍDUOS O QUE SABEMOS Em Portugal a recolha seleova de resíduos centra-se nos contentores de proximidade havendo,

Leia mais

RELATÓRIO TRINDADE 1/7. VERSÃO FINAL. Julho de 2013

RELATÓRIO TRINDADE 1/7. VERSÃO FINAL. Julho de 2013 1/7 Relatório População Na freguesia da Trindade, para além da sede de freguesia, existe outro aglomerado urbano que é o Cantinho da Ribeira. Esta freguesia teve o seu máximo populacional em 1940 com 2710

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

Produção de Resíduos na FEUP

Produção de Resíduos na FEUP Produção de Resíduos na FEUP Tipologia e Características Outubro 2010 Monitor: Gustavo Pizarro Supervisor: Joana Dias AMB 105 Francisco Pinheiro João Costa Maria Cristina França Nuno Pereira Ricardo Faria

Leia mais

PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos Relatório de Acompanhamento 2009

PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos Relatório de Acompanhamento 2009 Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos 2007-2016 JANEIRO de 2011 FICHA TÉCNICA Título: PERSU II:. Relatório de Acompanhamento 2009 Coordenação: Eng.º Jaime Melo Baptista (Presidente do Conselho

Leia mais

Câmara Municipal do Barreiro

Câmara Municipal do Barreiro TARIFÁRIO 2017 1/7 TARIFÁRIO 2017 1. TARIFAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 TARIFA VARIÁVEL 1º ESCALÃO 5 m 3 0,3400 / m³ 2º ESCALÃO > 5 m 3 e 15 m 3 0,6902 / m³ 3º ESCALÃO > 15 m 3 e 25 m 3 1,3940 / m³ 4º

Leia mais

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU)

Município de Alcoutim. Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Município de Alcoutim Plano de Ação de Resíduos Sólidos Urbanos (PAPERSU) Abril de 2015 1 1. Introdução e enquadramento histórico O concelho de Alcoutim, predominantemente rural, apresenta um rico património

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

DEPOSIÇÃO INTERNA DE RESÍDUOS

DEPOSIÇÃO INTERNA DE RESÍDUOS 1 de 7 1. Para a execução de uma correta gestão de resíduos deve-se assegurar que após a utilização de um bem se devem seguir, sempre que possível, novas utilizações do mesmo. 2. Não sendo viável a sua

Leia mais