Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Reviso sobre Normas e Parões e Seg u ran ç a a I n f ormaç o p ara o Reg ist ro E l et rô n ic o em Saú e H e i t o r G o t t b e r g 1, T h i a g o M a r t i n i a C o s t a 2, Be a t r i z e F a r i a L e o 3, I v a n T o r r e s P i s a 4 1 Programa e Pó s-grauaç o em Saúe C oletiv a, Univ ersiae F eeral e S o Paulo (UN IF ESP) 2 Programa e Pó s-grauaç o em Informática em Saúe, UN IF ESP 3 Z ilics Sistemas e Informaç o em Saúe, Brasil 4 Departamento e Informática em Saúe, UN IF ESP Resumo. A migraç o para um amb iente totalmente sem-papel no processo assistencial torna-se hoj e possí v el graç as aos av anç os a tecnologia a informaç o (TI) aplicaa à saúe. Instituiç õ es internacionais, como a International Organiz ation for Stanariz ation (ISO) e Health L ev el 7 (HL 7 ), e nacionais, como C onselho F eeral e Meicina (C F M), Socieae Brasileira e Informática em Saúe (SBIS) e Agê ncia N acional e Saúe Suplementar (AN S) esenv olv eram normas e parõ es que v isam garantir que esta migraç o n o traga prej uí z os ao paciente nem à instituiç o. A certificaç o e processos as organiz aç õ es em saúe e os sistemas e R egistro Eletrô nico em Saúe (R ES). Este artigo apresenta rev is o sob re as normas e seguranç a a informaç o quanto o uso os R ES e propõ e as aç õ es necessárias para garantir a seguranç a a informaç o em saúe. Palav ras-chav e. Informática em Saúe, G erenciamento e Informaç o, Seguranç a (computaç o); Armaz e- namento e R ecuperaç o a Informaç o. A b st r a c t. The migration to a patient-care paper-less env ironment is toay possib le ue to the latest av ance in information technology (IT) applie to healthcare. International institutions, such as the International Organiz ation for Stanariz ation (ISO) an Health L ev el 7 (HL 7 ), an Braz ilian organiz ations, e.g. the N ational C ouncil of Meicine (C F M), Braz ilian Society for Healthcare Informatics (SBIS) an the N ational Agency of Supplementary Healthcare (AN S) hav e ev elope regulations an stanars to assure that this migration is harmless to patients an health care prov iers. certifications of the healthcare organiz ations processes an Electronic Health R ecors (EHR ) sy stems. So, it is possib le to foresee that w e w ill b e ab le to mak e use of av antages on igital healthcare. A concern rises ab out the information security of those igitaliz e ata. This article focuses on highlighting the eb ates aroun information security w hen using EHR s, concluing w ith actions that the C hief Information Officer (C IO) of a healthcare organiz ation shall pay attention w hen ex pose to the challenge of igitaliz ing the healthcare processes. K ey w ors: Health Informatics, Information Management, R ules Health Information Security, Information Storage an R etriev al. I n t r o uç o O tema o Prontuário Eletrô nico o Paciente (PEP), ou R egistro Eletrô nico em Saúe (R ES) é amplo e circunao atualmente por v ários eb a- tes na área a Informática em Saúe. Em N o- v emb ro e , o Brasil eu mais um importante passo na v iab iliz aç o o uso o R ES pelas Organiz aç õ es em Saúe (OS) com a pub licaç o no Diário Oficial a R esoluç o 18 21/ 0 7 que aprov a as normas técnicas concernentes à igitaliz aç o e uso os sistemas informatiz aos para a guara e manuseio os ocumentos os prontuários os pacientes, autoriz ano a eliminaç o o papel e a troca e informaç o ientificaa em saúe [1]. C om esta resoluç o estab elece-se o amparo legal para o uso o registro e saúe em meio ex clusiv amente igital. Ao mesmo tempo, a quest o a seguranç a a informaç o ganha uma nov a imens o quano os aos confienciais e pacientes passam a estar armaz enaos em computaores e iscos rí gios. Um relató rio [2] sob re um estuo iscos rí gios escartaos e práticas e limpez a os aos mostrou que, em Agosto e , o C entro Méico e Aministraç o os V eteranos os EUA, em Inianó polis, v eneu ou oou 139 computaores sem remov er aos confienciais, incluino nomes e pacientes e AIDS e oenç as mentais. Em Maio e um artigo e j ornal [2] enunciou que uma falha nos computaores poe ter lev ao ao roub o e aos referentes a pacientes que v isitaram o C entro Méico a Univ ersiae e Ohio. Estes ex emplos serv iram e motiv aç o para que pesquisássemos o que v em seno eb atio em relaç o a parõ es e regulamentaç õ es e seguranç a a informaç o igital em saúe e quano o uso o R ES. Este artigo apresenta os resultaos e um lev antamento as normas e iretriz es nacionais e internacionais sob re a e seguranç a a informaç o na área e saúe.. 1

2 M é t o os Para compor o foco este artigo, consieramos 2 imensõ es a preparaç o a organiz a- ç o para o uso o R ES: a aequaç o e processos organiz acionais e a utiliz aç o e Sistemas e R ES (S-R ES) aequaos, b uscano os trab alhos que ex põ em os requisitos que garantam o chamao tripé a seguranç a a informaç o, isto é, confiencialiae, integriae e isponib iliae a informaç o. A F igura 1 representa graficamente este escopo. C oe of Practice for Information Security Management [5]. N o Brasil, as normas a ISO s o rev isaas e eitaas pela Associaç o Brasileira e N ormas Técnicas (ABN T), tornano-se, uma v ez aprov a- as, normas ABN T N BR ISO. A N orma ABN T N BR ISO [3] escrev e um ciclo e ativ iaes o qual, uma v ez seguio, lev a à implementaç o e um Sistema e G est o a Seguranç a a Informaç o (SG SI) rob usto e com reconhecimento internacional no que se refere à garantia, pela organiz aç o, a seguranç a a informaç o entro e uma instituiç o [4]. A F igura 2 mostra os passos sugerios pela ISO com um estaque na seleç o os controles e seguranç a a informaç o. Figura 1: Representaç o o f oc o este artigo. Para atingir o mapeamento esej ao foram estuaas as normas e regulamentaç õ es em instituiç õ es inicaas por especialistas no tema. As instituiç õ es inicaas foram: C onselho F eeral e Meicina (C F M), Socieae Brasileira e Informática em Saúe (SBIS), Unite States Department of Health an Human Serv ices (US- HHS), International Organiz ation for Stanariz a- tion (ISO), Associaç o Brasileira e N ormas Técnicas (ABN T) e Instituto Health L ev el 7 (HL 7 ). Artigos sob re o tema que complementassem as informaç õ es ob tias tamb ém foram estuaos. Resul t a os Ab aix o mostramos o resultao a rev is o os materiais encontraos sob re o tema em caa uma as instituiç õ es, separano em parõ es internacionais e seguranç a a informaç o em saúe (one estuamos a ISO/ ABN T e o HL 7 ) e as legislaç õ es e regulamentaç õ es os EUA e o Brasil referentes ao tema. ISO e ABN T A ISO tem como ob j etiv o o esenv olv imento e parõ es internacionais nas mais iv ersas áreas. N o que se refere à seguranç a a informaç o, pub licou, por ex emplo, a ISO/ IEC ; Information Technology - Security Techniques - Figura 2: Passos e im pl em entaç o e um sistem a e gest o a seguranç a a inf orm aç o. A apta o e [ 4]. Para suportar a efiniç o os controles e seguranç a em TI, a ISO esenv olv eu a norma ISO/ IEC [5] hoj e j á com sua v ers o b rasileira a N BR ISO/ IEC : [6] que é um par o reconhecio internacionalmente e que prov ê controles e seguranç a a informaç o em ez áreas, como, por ex emplo, gerenciamento e ativ os; gerenciamento as operaç õ es e a comunicaç o, e gerenciamento a continuiae os negó cios. Os 127 controles listaos nesta norma s o irecionaos a toos os segmentos e Mercao. C aa organiz aç o ev e escolher um sub - conj unto estes controles que se aeque à sua realiae e metas quano o estab elecimento e um SG SI [5]. A ISO (antigamente conhecia com ISO ) j á v em seno usaa pelas áreas e informática para a gest o a seguranç a a informaç o. Além isso, a ISO formou um comitê técnico chamao e TC 215 Health Informatics para eb ater as especificiaes as emanas o segmento e saúe, propono parõ es especí ficos que atenam às caracterí sticas a prestaç o e serv iç os em saúe. Este comitê está atualmente finaliz ano o esenv olv imento o par o ISO-DIS Health informatics - Information security management in health using ISO/ IEC 2

3 e que b usca prov er alguns controles aicionais e uma ex plicaç o mais aprofunaa os controles escritos na ISO , para proteger a confiencialiae, integriae e isponib iliae a informaç o quano se trata o segmento e saúe [4]. A ISO/ DIS recomena, por ex emplo, que a infra-estrutura e TI sej a capaz e prov er uma sincroniz aç o e tempo os ev entos e forma certificaa e v ália legalmente uma v ez que, em saúe, a linha cronoló gica os fatos e os registros e atenimento poe ser necessária e inv estigaç õ es. A norma ressalta aina ameaç as aicionais para as quais as organiz aç õ es e saúe ev em atentar, como a ameaç a e repuiaç o, ou sej a, e um usuário negar ter env iao ou receb io uma mensagem, fato que poe ser muito relev ante com a transmiss o e aos e pacientes entre instituiç õ es e tamb ém em auitorias ou inv estigaç õ es [7 ]. N o Brasil, as iniciativ as a ISO v ê m seno replicaas pela ABN T, que formou a C EE C omiss o e Estuo Especial e Informática em Saúe, que está trab alhano em conj unto com a ISO na av aliaç o aequaç o as normas internacionais para a realiae b rasileira e possí v eis construç õ es e normas especí ficas ao contex to b rasileiro. Dentro esta C EE, um os grupos e trab alho é focao nas questõ es relativ as à seguranç a. Health L ev el 7 (HL 7 ) O HL 7 é uma as organiz aç õ es esenv olv eoras e parõ es certificaas pelo AN SI (sigla para Institutos N acionais Americanos e Paroniz a- ç o) operano na área e saúe com foco especí fico em normas para aos clí nicos e aministrativ os. N o Brasil, em fev ereiro e , foi criao o Instituto HL 7 Brasil com o fim e representar as ativ iaes o Instituto HL 7 no paí s [8 ]. Em F ev ereiro e o Instituto HL 7 eitou o Moelo F uncional para S-R ES (em inglê s: EHR Sy stem F unctional Moel) que fornece uma lista com mais e 160 funç õ es que ev em estar presentes em um S-R ES. C omo v emos na representaç o a F igura 3, este moelo funcional é iv iio em 3 seç õ es: atenimento ireto; suporte e infra-estrutura e informaç o, seno que uma sub seç o esta última se refere à seguranç a [9 ]. Figura 3: Representaç o o m o el o f unc ional o H L 7 para sistem as e RES. Os requisitos a sub seç o e seguranç a v isam garantir que o S-R ES ex ecute suas funç õ es nas áreas e atenimento ireto e suporte, em um amb iente seguro. N a Tab ela 1 s o apresentaos quais os tó picos s o ab oraos pelo moelo funcional sugerio pelo HL 7 no que se refere à seguranç a e quantiae e critérios e conformiae que os S-R ES ev er o cumprir para estarem em conformiae com o moelo. m G â m b V T m H L Sub item a Sub seç o Nú ero e Seguranç a Crité rios Autentic aç o e Enti a e 4 Autoriz aç o e Enti a e 7 Control e e Ac esso e Enti a e 4 est o o Ac esso o Pac iente 1 N o-repu iaç o 4 Interc io Seguro e Da os 5 Roteam ento Seguro e Da os 3 al i aç o a Inf orm aç o 7 Priv ac i a e e Conf i enc ial i a e o 10 Pac iente ab el a 1: Req uisitos e seguranç a para S-RES segun- o o o el o ref erenc ial o 7. O etalhamento os critérios poe ser encontrao no ocumento o moelo referencial o HL 7. Por ex emplo, o item n o-repuiaç o eclara que o S-R ES ev e limitar a possib iliae e um usuário e negar (repuiar) a origem, o receb imento ou a autoriz aç o e uma troca e aos na qual o usuário participou. Em saúe, esta informaç o é e v ital importâ ncia para o acompanhamento os profissionais que ateneram eterminao paciente, b em como em comprov aç õ es j urí icas e legais. Para cumprir tal requisito, o moelo o HL 7 coloca como critérios ob rigató rios, que o S-R ES tenha um registro temporal (t i m s t a m p ) as aç õ es nele ex ecutaas além e funç õ es especificas e n o-repuiaç o epeneno a prática méica, as polí ticas a instituiç o e a legislaç o [9 ]. Estas normas e parõ es esenv olv ios por organiz aç õ es internacionais, como ISO e HL 7, acab am serv ino e b ase para as legislaç õ es e 3

4 caa paí s para o uso o R ES, somaas às especificiaes e caa naç o. R egulamentaç õ es e L egislaç õ es e Uso o R ES A seguranç a a informaç o na atenç o à saúe n o é só um tema as organiz aç õ es em saúe. Em muitos paí ses há um env olv imento gov ernamental no estab elecimento e uma regulamentaç o que garantas a confiencialiae, isponib iliae e integriae os aos o paciente e as informaç õ es e saúe uma v ez que se tornam igitais. Estuamos as regulamentaç õ es os EUA e o Brasil. N os EUA, esta regulamentaç o é b aseaa na lei e chamaa e HIPAA, sigla para Health Insurance Portab ility an Accountab ility Act, a qual etermina a paroniz aç o nas transaç õ es e aos entre prov eores e pagaores os serv iç os e saúe. Determina aina a ex istê ncia e polí ticas formais para proteger e manter o acesso aos aos e pacientes e que tamb ém forneç a aos clientes o ireito e ter acesso à informaç o e como e por quem seus aos pessoais ser o usaos, permitino aos mesmos inspecionar e possiv elmente aicionar informaç õ es [10 ]. A HIPAA cob re os planos e saúe e prov eores e serv iç o que transacionem informaç õ es e saúe e moo eletrô nico. Esta lei foi promulgaa b uscano aumentar a eficiê ncia e eficácia o sistema e saúe com meias e simplificaç o aministrativ a. Estas meias forç a- v am a aoç o e parõ es nacionais para a troca e informaç õ es e saúe em meio igital. Para garantir que a informatiz aç o os aos e pacientes n o prej uicasse a confiencialiae e a priv aciae, a legislaç o incluiu proteç õ es feerais à priv aciae a informaç o iniv iual ientificaa em saúe [11]. A parte a HIPAA referente à priv aciae e seguranç a (parte no. 164) estab elece os requisitos que a organiz aç o em saúe ev e implementar. Estes requisitos env olv em proteç õ es nos â mb itos aministrativ o, fí sico e técnico. N a parte e seguranç a, uma atenç o especial é aa à priv aciae a informaç o ientificaa em saúe [12]. O número e requisitos e caa um os 3 b locos e proteç õ es a HIPAA s o mostraos na Tab ela 2. Proteç õ es Dem an a as pel a H IPAA No. e Req uisitos a Serem Im pl em enta- os õ m õ f í õ c Proteç es a inistrativ as 23 Proteç es sic as 10 Proteç es té nic as 9 T ab el a 2: Nú m ero e req uisitos a serem im pl em enta os nas proteç õ es em an a as pel a H IPAA. Se compararmos a HIPAA à ISO v e- remos que a iferenç a funamental é que esta regulamentaç o americana é focaa na proteç o a informaç o em saúe enquanto a norma ISO v isa a proteç o e qualquer tipo e informaç o [13]. N o Brasil, o C onselho F eeral e Meicina (C F M) pub licou recentemente a R esoluç o 18 21/ 20 7 que regula o uso e métoos e igitaliz aç o e aos e pacientes e ou uso e S-R ES com registro e informaç õ es e saúe e moo informatiz ao. Esta resoluç o aprov ou o Manual e C ertificaç o para Sistemas e R egistro Eletrô - nico em Saúe, elab orao em conv ê nio com a Socieae Brasileira e Informática em Saúe (SBIS) [1]. O manual eitao pela SBIS/ C F M etalha os requisitos que os S-R ES ev em atener separaos em (1) requisitos e seguranç a, (2) conteúo e funcionaliaes e (3) requisitos o par o Troca e Informaç õ es em Saúe Suplementar (TISS), a Agê ncia N acional e Saúe Suplementar (AN S), como poemos v er na representaç o a F igura 4 [14]. Figura 4: Req uisitos para o S-RES segun o SB IS/ CFM. A certificaç o os S-R ES é passo funamental para a igitaliz aç o total o prov imento e serv iç os e saúe e o ab anono os registros em papel. N o que se refere a esta meta, o manual estab elece ois ní v eis e garantia e seguranç a chamaos e N G S1 e N G S2 (conforme F igura 4). A F igura 5 mostra qual o uso e caa um estes ní v eis pelas organiz aç õ es em saúe [14]. Figura 5: Ní v eis e garantia e seguranç a para S-RES. O N G S1 é um grupo e requisitos que o S- R ES ev e atener e forma a poer ser utiliz ao em hospitais e outras instituiç õ es prestaoras e serv iç os em saúe. Estes requisitos usam como b ase o moelo funcional o HL 7, normas ISO e seguranç a a Informaç o (i.e, ISO N BR ) e e certificaç o e softw are (p.ex, ISO ), além e normas efinias pela SBIS/ C F M. Estes requisitos est o iv iios em 11 categorias, caa uma com uma quantiae e itens a serem atenios, como mostrao na Tab ela 3 [14]. 4

5 V Categoria No. e Req uisitos Control e a ers o o Sof tw are 4 I entif ic aç o e Autentic aç o e Usuário 5 Control e e Sess o e Usuário 2 Autoriz aç o e Control e e Ac es- 9 T O c so Disponib il i a e o RES 2 Com unic aç o Rem ota 6 Seguranç a e Da os 8 Au itoria 4 Doc um entaç o 8 em po 2 Notif ic aç o e orrê nc ias 1 T ab el a 3: Req uisitos q ue os S-RES ev em aten er para NG S1 O N G S2 introuz a utiliz aç o e certificaos igitais permitino à organiz aç o eliminar o uso o registro em papel os aos e saúe e atenç o aos pacientes. Para isso, estab elece requisitos aicionais ao N G S1 que o S-R ES ev e atener, b aseaos na IC P-Brasil além e normas b aseaas em resoluç õ es o C F M, SBIS e a Electronic Signatures Infrastructure (ETSI). A Tab ela 4 mostra as categorias e a quantiae e requisitos [14]. z ( c G T q Categoria No. e Req uisitos Certif ic aç o Digital 4 Assinatura Digital 8 Autentic aç o e Usuário Util i- an o Certif ic a o Digital 4 Digital iz aç o e Doc um entos apenas para S-RES a ategoria ED-G est o El etrô nic a e 9 Doc um entos) ab el a 4: Req uisitos a ic ionais ue os S-RES ev em aten er para NG S2. C omo mostramos no iní cio o artigo, um S- R ES que garanta a seguranç a a informaç o e saúe precisa estar aliao a um SG SI a organiz aç o como um too. N o que se refere a esta emana, o C F M/ SBIS recomena a utiliz aç o as práticas e gest o a seguranç a a informaç o escritas na N BR ISO/ IEC e a certificaç o e aerê ncia à N orma ABN N BR ISO/ IEC : [14]. Além a regulamentaç o para o uso o R ES no fornecimento e saúe, no Brasil, a AN S estab eleceu a R N 153/ como par o ob rigató rio para a troca e informaç õ es entre operaoras e planos priv aos e assistê ncia à saúe e prestaores e serv iç os e saúe sob re os ev entos e saúe, realiz aos em b eneficiários e plano priv ao e assistê ncia à saúe, o TISS. A F igura 6 mostra as 4 partes componentes este par o [15]. Figura 6: Partes c om ponentes o T ISS. N o que se refere à seguranç a o par o estab elece os requisitos mí nimos as proteç õ es aministrativ as, técnicas e fí sicas necessárias à garantia a confiencialiae as informaç õ es em saúe. Para isso, ex ige iferentes ní v eis e seguranç a para iferentes serv iç os. Para as empresas que optem pela transmiss o v ia internet, sej a por conex o pró pria ou e terceiras, ex ige-se o N G S1 o manual eitao pelo SBIS/ C F M citao acima, além a ob serv â n- cia os controles citaos na N BR ISO/ IEC (hoj e, ISO ). J á para empresas que optem pelo uso e serv iç os w eb (SOAP/ X ML ), recomena-se a aequaç o ao N G S2. Q uanto à transmiss o remota e aos i- entificaos, o TISS ex ige que os sistemas possuam um certificao igital emitio pela IC P Brasil [15]. A v ers o final o primeiro manual que etalha o processo e certificaç o está atualmente (J ulho e ) em consulta púb lica e, uma v ez aprov ao, será possí v el que fab ricantes e S- R ES iniciem os trab alhos e testes e certificaç o j unto à SBIS/ C F M. C on c l usõ es C oncluí mos com este estuo que há material e conhecimento esenv olv io para suportar a migraç o para a saúe igital no que iz respeito à seguranç a a informaç o. As principais normas b rasileiras e internacionais, como ISO, HL 7, SBIS/ C F M e AN S, eicam um foco especial ao tema. Ientificamos que a preparaç o para a eliminaç o o papel na atenç o à saúe passa pela escolha e S-R ESs que sej am certificaos, mas tamb ém por uma preparaç o organiz acional com o estab elecimento e um SG SI que faç a com que os processos a organiz aç o sej am tamb ém seguros o suficiente para a prestaç o e serv iç os em saúe. N este momento em que temos a efetiv aç o e passos importantes para que a saúe igital se estab eleç a no Brasil, como a pub licaç o a resoluç o 18 21/ 0 7 o C F M, a pergunta que nos fica é: qu o preparaas est o nossas instituiç õ es e saúe para garantir a seguranç a a informaç o igital?. É sob re esta pergunta que a pesquisa seguirá em seus pró x imos passos, b uscano formas e irecionar uma metoologia para responer tal quest o. 5

6 Ref er ê n c i a s [1] C onselho F eeral e Meicina (C F M), R esoluç o C F M N º , Diário Oficial a Uni o; Poer Ex ecutiv o, Brasí lia, DF, 23 nov Seç o I, p (cerca e 6 páginas) isponí v el em: / w w w.portalmeico.org.b r/ resolucoes/ cfm/ / 18 21_ htm [2] Hoffman S, Pogursk i A, " In Sick ness, Health, an C y b erspace: Protecting the Security of Electronic Priv ate Health Information" ; isponí v el em: / ssrn.com/ ab stract= [3] ABN T N BR ISO/ IEC ; Sistemas e G est o e Seguranç a a Informaç o R equisitos. Disponí v el em: / w w w.ab ntnet.com.b r/ ecommerce/ efault.asp [4] ISO TC 215, ; ISO/ Draft of international stanar : health informatics security management in health using ISO/ IEC , IC S ; International Stanar Organiz ation Technical C ommittee 215 Health Informatics [5] ISO/ IEC ; Information technology - Security techniques -- C oe of practice for information security management. Disponí v el em: / w w w.iso.org/ iso/ iso_ catalogue/ catalogue_ tc/ catalogue_ etail.htm? csnumb er= [6] ABN T N BR ISO/ IEC ; C ó igo e Prática para a G est o a Seguranç a a Informaç o. Disponí v el em: / w w w.ab ntnet.com.b r/ ecommerce/ efault.asp [7 ] G ottb erg H, Pisa I, L e o B ; Dealing w ith the complex ities w hen implementing information security practices in healthcare organiz ations; HealthIN F , Portugal [8 ] Instituto Health L ev el 7 Brasil; (cerca e 1 página) isponí v el em: / w w w.hl7 b raz il.org/ [9 ] HL 7 Institute; ; HL 7 - EHR -S F unctional Moel; isponí v el em: / w w w.hl7.org/ ehr/ ow nloas/ inex _ asp [10 ] Shortliffe E, C imino J ; Biomeical Informatics: C omputer Applications in Health C are an Biomeicine, 3r E.; Springer Science+ Business Meia, L L C [11] US-HHS,; G eneral ov erv iew of stan-ars for priv acy of iniv iually ientifiab le health information; Unite States Dept. of Health an Human Serv ices; isponí v el em: / w w w.hhs.gov / ocr/ hipaa/ guielines/ ov erv iew. pf [12] US-HHS,HIPAA Aministrativ e Simplification R egulation Tex t; Unite States Dept. of Health an Human Serv ices isponí v el em: / w w w.hhs.gov / ocr/ AminSimpR egtex t.pf; [13] Bork in S; HIPAA F inal Security Stanars an ISO/ IEC ; SAN S Institute [14] L e o B, C osta C, F orman J, Silv a M, G alv ao D (e); Manual e C ertificaç o para Sistemas e R egistro Eletrô nico em Saúe Manual v ers o 3.1; isponí v el em: / w w w.sb is.org.b r/ certificacao/ Manual_ C ertific cao_ SBIS_ C F M_ F ase2_ v 3.1_ C onsulta_ Pub lica.p f.; [15] Agê ncia N acional e Saúe Suplementar (AN S); ; R esoluç o N ormativ a 153 e 28 / Maio/ C on t a t o O autor principal poe ser encontrao atrav és o e mail cisco.com e e sua página no L ink ein: / w w w.link ein.com/ in/ heitor. Os e- mails os emais autores s o: is.epm.b r; b terra.com.b r e iv unifesp.b r. 6

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS 1 Contato Claudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. claudio.giulliano@gmail.com

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Aspectos do Prontuário Eletrônico Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Sumário Complexidade da Informação em Saúde Declaração de Convicção Aspectos Éticos

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Institui as Diretrizes para implantação da Política Pública de Valorização da Família no âmbito do Distrito Federal. A CÂMARA LEGISLATIVA

Leia mais

Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas

Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas Aulas 08 e 09 Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Sistemas Levantamento de Necessidades Coleta de dados sobre as necessidades e oportunidades

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

Assistência Empresarial Gratuita ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) USUÁRIO:

Assistência Empresarial Gratuita ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) USUÁRIO: Assistência Empresarial Gratuita ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) USUÁRIO: B ) P ESSOA USUÁRIA: Entende-se por Pessoa Usuá ria, alé m do proprietá rio, os funcioná rios da Empresa, desde q ue, devidamente registrados

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016 Identificação Área de Avaliação: Medicina Veterinária Coordenador de Área: Maria Angelica Miglino Coordenador-Adjunto de Área: Eduardo Paulino da Costa Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional: Francisca

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

Eliminação do Papel em Saúde

Eliminação do Papel em Saúde Eliminação do Papel em Saúde Luis Gustavo Kiatake kiatake@evaltec.com.br Coordenador GT Segurança do Comitê Informática em Saúde ABNT Representante ABNT TC-215 Health Informatics ISO Membro titular da

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Interação Escola-Família. Brasília, 2012

Interação Escola-Família. Brasília, 2012 educação Interação Escola-Família Brasília, 2012 A UNESCO e o Governo Federal Declarac a o Mundial sobre Educac a o para Todos (JOMNTIEN,1990), reafirmada pela Confere ncia de Dacar (2000), que estabeleceu

Leia mais

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Profa Carla Alessandra Lima Reis Prof Rodrigo Quites Reis http://www.processode Roteiro Introdução Elementos Motivadores

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e Ciclo de Palestras UDia do Farmacêutico OBJETIVO Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e a tua liza r os p rofissiona is c om

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

PADRÃO TISS. segurança & privacidade

PADRÃO TISS. segurança & privacidade PADRÃO TISS segurança & privacidade novembro 2013 O componente de segurança e privacidade do Padrão TISS, contou com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde SBIS como entidade de referência e estabelece

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

Certificação SBIS/CFM. Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010

Certificação SBIS/CFM. Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010 Certificação SBIS/CFM Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010 Agenda Histórico Requisitos Categorias Processo Certificação Comparativo para Discussão Histórico Ano 2002 2003 2004 2005 Eventos/Documentos

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

PADRÃO TISS. segurança & privacidade

PADRÃO TISS. segurança & privacidade PADRÃO TISS segurança & privacidade outubro 2012 O componente de segurança e privacidade do Padrão TISS, contou com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde SBIS como entidade de referência e estabelece

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

IHC-001. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IHC-001. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IHC-001 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Introdução 2 Introdução à IHC Introdução Conceitos Básicos Exercícios Introdução 3 Human-Computer

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

CONCURSO PARA BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (01/BGCT/DREI)

CONCURSO PARA BOLSA DE GESTÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (01/BGCT/DREI) 1 de 5 14-07-2014 17:49 Home page Gabinete de Projetos, Empreendedorismo e Transferência de Conhecimento da Universidade de Lisboa Last access on:14-07-2014 17:44:00 View all research opportunities Post

Leia mais

Versa o 005 18-nov-14

Versa o 005 18-nov-14 Versa o 005 18-nov-14 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU SUSTENTABILIDADE E PERI CIA AMBIENTAL A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente

Leia mais

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX Ribeirão Preto

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX Ribeirão Preto MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX Ribeirão Preto FINANC IAMENTOS À EXPOR TAÇ ÃO Adiantamento s obre C ontrato de C âmbio AC C Adiantamento

Leia mais

Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares. TI TULO II Do Processo Seletivo. TI TULO III Da Matri cula

Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares. TI TULO II Do Processo Seletivo. TI TULO III Da Matri cula REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAC A O BACHARELADO E LICENCIATURA E GRADUAC A O TECNOLO GICA DA FACULDADE PAULUS DE COMUNICAÇÃO. Ti tulo I Das Disposic o es Preliminares

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Ferramenta de Descrição da Família e dos Seus Padrões de Relacionamento Genograma Uso em Saúde da Família

Ferramenta de Descrição da Família e dos Seus Padrões de Relacionamento Genograma Uso em Saúde da Família Ferramenta e Descrição a Família e os Seus Parões e Relacionamento Genograma Uso em Saúe a Família Hamilton Lima Wagner, Yves Talbot, Angela Beatriz Papaleo Wagner, Eleuza Oliveira Resumo Contexto: A comunicação

Leia mais

POLЭTICA DE ASSU N T O S ESTUDANTI S DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA Ч У O, CIЪNCI A E TECNOLO G IA FARROUPILHA CA P Э T U L O II DO S PRI N C Э P I O S

POLЭTICA DE ASSU N T O S ESTUDANTI S DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA Ч У O, CIЪNCI A E TECNOLO G IA FARROUPILHA CA P Э T U L O II DO S PRI N C Э P I O S POLЭTICA DE ASSU N T O S ESTUDANTI S DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA Ч У O, CIЪNCI A E TECNOLO G IA FARROUPILHA CA P Э T U L O I DO S PRI N C Э P I O S Art. 1К A Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis

Leia mais

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA P RO G RAM A DE P Ó S-G RADUAÇ Ã O EM CIÊ NCIA DA CO M P UTAÇ Ã O D a g m a r A p a r e c i d a T r a u t m a n n EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s

Leia mais

PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas)

PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas) PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas) DEPOIMENTO Temos o prazer de anunciar nossa primeira parceria internacional de treinamento e estamos muito satisfeitos em associar-nos à Antebellum, uma

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Boas práticas em gestão da saúde Eficiência Qualidade Segurança Ética Humanização Sustentabilidade

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

Melhores P rát i c as p ara S eg u ran ça d e R ed es Andrey Lee E ng enh ei ro de S i s t em S erv i c e Pro v i ders a s G T S - 0 9 3 0 / M a i o / 2 0 0 7 2 0 0 7 C i s c o S y s t e m s, I n c. A

Leia mais

AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS

AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS Claudia Carmem Baggio (UFSM) - ccbaggio@gmail.com Daniel Flores (UFSM) - dfloresbr@gmail.com José da Rosa (UFSC) - eddierosa777@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO A Pró-Reitoria d e Pesquisa e Pós-Graduação d o Centro Universitário UnirG torna públic o o presente Edita l p ara a abertura d e insc

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RAMIRO SEVERINO RODRIGUES

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RAMIRO SEVERINO RODRIGUES CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RAMIRO SEVERINO RODRIGUES ESTUDO DE UM PROCESSO ESTRUTURADO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO SETOR DE SAÚDE COM BASE NA NORMA

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching imulação para Ensino a Teoria as Restrições imulation for Theory of Constraints Teaching Júlio César Bastos e Figueireo, Dr. Escola uperior e Propagana e Marketing - EPM jfigueireo@espm.br --Recibio para

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais Laboratório e Sitema e Sinai Equaçõe Diferenciai Luí Cala e Oliveira Abril 2009 O objectivo ete trabalho e laboratório é o e realizar experiência com moelo e itema em tempo contínuo ecrito por equaçõe

Leia mais

Linguagem Oral, Poesia e Trissomia 21 Rui Fernando Costa Campos Escola Superior de Educação de Lisboa rucafields@gmail.com Resumo A poesia, enq uanto Arte, é um conceito lig ado à cog nição e emoção (

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Versa o 006 18-nov-14

Versa o 006 18-nov-14 Versa o 006 18-nov-14 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU MARKETING E COMUNICAC A O ESTRATE GICA A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

Geopolı tica Exercı cios Objetivos

Geopolı tica Exercı cios Objetivos Exercı cios Objetivos 1. (2001) No segundo semestre de 2000, o Brasil sediou a Reunia o de Presidentes da Ame rica do Sul. Nesse encontro, buscou-se (a) regulamentar a organizac a o da ALCA. (b) atenuar

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Gap Analysis ITIL ISO 20.000 Gerenciamento de Serviços de TI Integrado com Negócio Avalie seus processos de TI ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Gap Analysis ITIL ISO 20.000: Benefícios;

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

Versa o 006 13-jan-16

Versa o 006 13-jan-16 Versa o 006 13-jan-16 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU GESTA O TRIBUTA RIA A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente conhecimentos

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O.

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. C o n s e lh o N a c io n a l d e D e s e n v o lv im e n

Leia mais

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE Lucia Beatriz de Arêa Leão Alves 1, Pedro Emerson Moreira 1, André Monteiro de Mello 2, James N. Alcantarilla 2, Ernesto Guiães Notargiacomo

Leia mais

Organismos de Padronização no Brasil e no Mundo e seus Processos

Organismos de Padronização no Brasil e no Mundo e seus Processos Organismos de Padronização no Brasil e no Mundo e seus Processos Sistemas de Informação em Saúde: Uma Visão Estratégica & os Padrões para Construí-la Beatriz de Faria Leão 7 de março de 2012 Quem Constrói

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP CEPARA - Centro de Pesquisa para o Aproveitamento de Resíduos Agroindustriais/ESALQ 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

MOTIVA-TE ÍNDICE 04 - MOTIVA-TE CONCEITO 06 - QUEM SOMOS EQUIPA 08 - O QUE FAZEMOS SERVIÇOS 10 - O QUE FIZEMOS CLIENTES

MOTIVA-TE ÍNDICE 04 - MOTIVA-TE CONCEITO 06 - QUEM SOMOS EQUIPA 08 - O QUE FAZEMOS SERVIÇOS 10 - O QUE FIZEMOS CLIENTES MOTIVA-TE ÍNDICE 04 - MOTIVA-TE CONCEITO 06 - QUEM SOMOS EQUIPA 08 - O QUE FAZEMOS SERVIÇOS 10 - O QUE FIZEMOS CLIENTES 11 - TESTEMUNHOS CLIENTES SATISFEITOS 03 MOTIVA-TE CONCEITO 04 ENERGIA, LIDERANÇA,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 1 Índice CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2003 a 2012 6 Fluxos Turísticos Internacionais 7 O Turismo na Economia Nacional 16 O Alojamento Turístico

Leia mais

Versa o 006 18-nov-14

Versa o 006 18-nov-14 Versa o 006 18-nov-14 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU ESTRATE GIAS DIGITAIS, REDES E MI DIAS SOCIAIS A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR Flávio Osete Gonçalves da Silva, Camila Ramos de Moura Diretoria de Operações e Tecnologia da Informação Instituto do Câncer

Leia mais

MANUAL DE MÍDIAS SOCIAIS FACEBOOK PERFIL E FANPAGE

MANUAL DE MÍDIAS SOCIAIS FACEBOOK PERFIL E FANPAGE MANUAL DE MÍDIAS SOCIAIS FACEBOOK PERFIL E FANPAGE MANUAL DE MÍDIAS SOCIAIS 1 Sumário Conceitos Básicos O que sa o redes sociais? Quanti icando a nova era social Quais sa o as principais redes? Twitter

Leia mais

Heaven or Hell. Health Security

Heaven or Hell. Health Security Heaven or Hell. Health Security Agenda 1. Whoami 2. Motivações e Objetivo da pesquisa 3. Normas e padrões 4. Principais problemas encontrados 5. Métodos de mitigação possíveis 6. Encerramento 1. Whoami

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital

O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital O que é necessário 1. CONHECIMENTO 2. TECNOLOGIA 3. TEMPO INVESTIDO (PESSOAS) 4. PACIÊNCIA CONHECIMENTO Quando falamos de conhecimento, podemos

Leia mais