Instituto de Matemática - UFRJ ESPAÇOS DE SOBOLEV. por. L. A. Medeiros M. Milla Miranda. Professor Emérito UFRJ Professor Titular UFRJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Matemática - UFRJ ESPAÇOS DE SOBOLEV. por. L. A. Medeiros M. Milla Miranda. Professor Emérito UFRJ Professor Titular UFRJ"

Transcrição

1 Instituto de Matemática - UFRJ ESPAÇOS DE SOBOLEV (Iniciação aos Problemas Elíticos não Homogêneos ) por L. A. Medeiros M. Milla Miranda Professor Emérito UFRJ Professor Titular UFRJ Rio de Janeiro, RJ 2000

2 M488e Medeiros, Luis Adauto da Justa, Espaços de Sobolev : iniciação aos problemas elíticos não homogêneos/ Luis Adauto da Justa Medeiros, Manuel Antolino Milla Miranda - Rio de Janeiro: UFRJ. IM, p. Inclui bibliografia. 1. Espaços de Sobolev. 2. Equações Diferenciais Parciais Elípticas. I. Milla Miranda, Manuel Antolino. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Matemática. III. Título. ISBN: X CDD-20 a

3 Que Stendhal confessasse haver escrito um de seus livros para cem leitores, cousa é que admira e consterna. O que não admira, nem provavelmente consternará é se este outro livro não tiver os cem leitores de Stendhal, nem cinqüenta, nem vinte e, quando muito, dez. Dez? Talvez cinco. Brás Cubas

4 i Dedicado à memória de nosso saudoso Pedro Humberto Rivera Rodriguez por seu talento matemático e caráter exemplar.

5 ii

6 Prefácio O presente livro teve sua origem no início dos anos setenta, cujo prefácio, reproduzido a seguir traz informações históricas sobre sua origem. Nesta edição, o Capítulo III versa sobre os problemas de Dirichlet e Neumann, para o Laplaciano, no caso não homogêneo com escolhas gerais das condições de fronteira. Este capítulo segue as idéias de Lions [8] e Lions-Magenes [11], enriquecidos com as referências da Bibliografia Complementar, particularmente Aubin [18], Brezis [19], Chavent [21], Dautray- Lions [22], Kesavan [23]. O conteúdo deste livro inclui parte dos programas de disciplinas básicas sobre equações diferenciais parciais do Instituto de Matemática da UFRJ. Os autores agradecem aos colegas e aos seus alunos pelo estímulo para aperfeiçoar as edições anteriores que convergiram para a atual. Em particular, gostaríamos de deixar nossos agradecimentos ao Marcos Araújo, pela cuidadosa revisão do texto acrescentado modificações que o tornaram mais inteligível. Ao Wilson Góes, agradecemos pelo perfeito trabalho de digitação. Rio de Janeiro, maio de 1997 L.A. Medeiros M. Milla Miranda iii

7 iv

8 Prefácio (1 a edição) A idéia de escrever este texto surgiu-nos quando em 1970 iniciamos um seminário sobre espaços de Sobolev e equações diferenciais parciais, realizado no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, na esperança de despertar a atenção de algum estudante para o aspecto das equações diferenciais parciais formulado em termos destes espaços. Aquele seminário continuou no Instituto de Matemática da UFRJ, estimulado e fortalecido pela inclusão de novos participantes. O plano de trabalho teve como base os textos [7] e [8] do Professor J.L. Lions, complementado com alguns trabalhos mencionados na bibliografia dos mesmos. Posteriormente, foram incluídas no Curso de Pós-Graduação do IM-UFRJ, certas disciplinas fundamentadas nos espaços de Sobolev, para as quais este texto se adapta consideravelmente. Deste modo, preparamos esta monografia, baseada nas exposições feitas no seminário de equações diferenciais parciais e em nossas aulas nas disciplinas de pós-graduação do IM, tendo por objetivo introduzir estudantes interessados em linhas de pesquisa ligadas às equações diferenciais parciais não lineares, controle ótimo de sistemas governados por equações diferenciais parciais, inequações variacionais ou análise numérica de elementos finitos. A exposição divide-se em três capítulos. O Capítulo I é um pequeno fascículo de resultados sobre distribuições a ser usado nos capítulos seguintes. O Capítulo II contém os teoremas elementares sobre os espaços de Sobolev e, com base neste, é possível entender vários aspectos do estudo de soluções fracas de equações diferenciais parciais, o que é feito no Capítulo III e nos Apêndices. v

9 vi No início deste prefácio referimo-nos ao fortalecimento do Seminário de Equações Diferenciais Parciais do IM-UFRJ e retornamos a ele, deixando aqui fixada a nossa gratidão à Beatriz, Eliana, Milla e Perla, pelo entusiasmo que sempre nos transmitiram quando mencionávamos a idéia de escrever este texto, bem como por suas valiosas críticas e sugestões. Resta-nos, portanto, a esperança de que possamos de fato atrair a atenção daqueles interessados em matemática aplicada, para este aspecto das equações diferenciais parciais, lembrando, todavia que, como diz Erich From, ter esperança, significa estar pronto a todo momento para aquilo que ainda não nasceu e, todavia, não desesperar se não ocorrer nascimento algum durante nossa existência. Ao redigirmos este texto, recebemos apoio financeiro do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico (FNDCT) e do CEPG-UFRJ. Finalizando, lembramos uma vez mais que a boa impressão dos textos de Métodos Matemáticos, deve-se à dedicação do Sr. Arlindo Coutinho de Azevedo, chefe da Seção de Reprografia do IM, bem como de seus auxiliares, enquanto a datilografia perfeita é trabalho de arte do Sr. Wilson Góes. Rio de Janeiro, agosto de 1975 L.A. Medeiros P.H. Rivera

10 Prefácio (2 a edição) Esta introdução aos Espaços de Sobolev que aqui apresentamos, é uma revisão dos Capítulos I e II de nossa monografia Espaços de Sobolev e Equações Diferenciais Parciais (Bibliografia número 11). A presente edição além das correções decorrente da revisão acima mencionada, vem aumentada do estudo do traço de ordem m e do traço da derivada normal. Deste modo, a exposição fica completa, servindo de base ao estudo de uma ampla variedade de problemas relacionados aos sistemas governados por equações diferenciais parciais. Para uma exposição completa consulte Lions-Magenes número 11 da Bibliografia. Rio de Janeiro, janeiro de 1977 L.A. Medeiros P.H. Rivera vii

11 viii

12 Sumário 1 Resultados Básicos Sobre Distribuições Introdução Espaço de Funções Testes Os Espaços L p (Ω) e Convolução de Funções Exemplos de Funções Testes Regularização de Funções Convergência em D(Ω) Distribuições sobre um aberto Ω do R n Produto de Funções por Distribuições Restrição de Distribuições Distribuições Temperadas Transformada de Fourier Espaços de Sobolev Introdução Propriedades Elementares dos Espaços de Sobolev Geometria dos Espaços de Sobolev O Espaço W m,p 0 (Ω) O Espaço W m,q (Ω) ix

13 x SUMÁRIO Reflexividade dos Espaços de Sobolev Os Espaços H m (Ω) e H m (Ω) Imersões de Espaços de Sobolev Caso mp < n Caso mp = n Caso mp > n Caso n = Caso p = Prolongamento Caso Ω = R n Caso Ω Aberto Limitado Imersões dos Espaços W m,p (Ω) Imersões Contínuas Imersões Compactas Espaços H s (Ω) Teoremas de Traço Traço da Derivada Normal Fórmula de Green Problemas Elíticos não Homogêneos Introdução Problema de Dirichlet Problema de Neumann Teorema do Traço. Fórmula de Green

14 Capítulo 1 Resultados Básicos Sobre Distribuições 1.1 Introdução No presente capítulo serão fixadas terminologia, a notação e certos resultados sobre integração e teoria das distribuições, resultados estes a serem usados no desenvolver deste texto. Com a letra K representa-se, simultaneamente, o corpo dos números reais R ou o dos números complexos C. Por N representa-se o monóide dos números naturais e por Z o anel dos inteiros. Dados α = (α 1, α 2,...,α n ) N n e z = (z 1, z 2,...,z n ) K n define-se α = α 1 + α α n, z α = z α 1 1 z α z αn n, α! = α 1!α 2!...α n!. Por D α denota-se o operador de derivação de ordem α definido por α / x α 1 1 x α x αn n e para α = (0, 0,..., 0) define D 0 u = u para toda função u. Por D i, para i = 1, 2,..., n, representa-se a derivação parcial / x i. 1

15 2 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES Se α, β N n, escreve-se β α quando β i α i para todo i = 1, 2,..., n. Quando u e v forem funções numéricas suficientemente deriváveis, tem-se a regra de Leibniz dada por D α (uv) = β α α! β!(α β)! (Dβ u)(d α β v). Sejam E e F dois espaços topológicos com E F. Para indicar que a imersão de E em F é contínua será usada a notação E F. Por Ω representa-se um subconjunto aberto do R n e por Γ sua fronteira. Será fixada em Ω a medida de Lebesgue dx. 1.2 Espaço de Funções Testes Inicia-se introduzindo alguns resultados e noções prévias Os Espaços L p (Ω) e Convolução de Funções Seja u uma função numérica definida em Ω, u mensurável, e seja (O i ) i I a família de todos os subconjuntos abertos O i de Ω tais que u = 0 quase sempre em O i. Considera-se o subconjunto aberto O = O i. Então u = 0 quase sempre em O. Como conseqüência deste i I fato, o suporte de u, o qual é denotado por supp u, é definido como sendo o subconjunto fechado de Ω, suppu = Ω\O. Observe que se u é contínua em Ω então supp u é igual ao fecho em Ω do conjunto {x Ω; u(x) 0}. Sejam u e v funções numéricas, mensuráveis em Ω e λ K, λ 0. Mostra-se que supp (u + v) (supp u) (supp v) supp (uv) (supp u) (supp v) supp (λu) = λsupp u

16 1.2. ESPAÇO DE FUNÇÕES TESTES 3 Seja u uma função numérica, mensurável no R n. A função τ y u definida por (τ y u)(x) = u(x y) denomina-se a translação de u por y. Mostra-se que supp(τ y u) = y + supp u. Representa-se por L p (Ω), 1 p <, o espaço de Banach das funções numéricas u definidas em Ω, mensuráveis cuja potência p, u p, é integrável em Ω, equipado com a norma ( 1/p. u L p (Ω) = u(x) dx) p No caso p = 2, L 2 (Ω) é um espaço de Hilbert com o produto escalar (u, v) L 2 (Ω) = u(x) v(x) dx, v complexo conjugado de v. Ω Ω Por L (Ω) denota-se o espaço de Banach das funções numéricas u, mensuráveis em Ω e que são essencialmente limitadas em Ω, equipado com a norma u L (Ω) = sup ess u(x). x Ω Denota-se por L p loc (Ω), 1 p <, o espaço localmente convexo das funções numéricas u, mensuráveis em Ω, equipado com a família de semi-normas {p O ; O subconjunto aberto limitado de Ω} onde ( p O (u) = O u(x) p dx) 1/p. Diz-se que a sucessão (u ν ) de funções de L p loc (Ω) converge para zero em Lp loc (Ω) se lim p O(u ν ) = 0 para todo O aberto limitado de Ω. ν Seja u L p loc (Ω) e (u ν) uma sucessão de funções de L p loc (Ω). Diz-se que (u ν) converge para u em L p loc (Ω) se (u ν u) converge para zero em L p loc (Ω).

17 4 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES Proposição (Desigualdade de Interpolação) Se u L p (Ω) L q (Ω) com 1 p q então u L r (Ω) para todo p r q e se tem a desigualdade onde 0 θ 1 verifica 1 r = θ p + 1 θ q u L r (Ω) u θ L p (Ω) u 1 θ L q (Ω) (1.2.1) Demonstração: Se p = q então θ = 1/2; se r = p, θ = 1 e se r = q, θ = 0. Nestes três casos tem-se uma igualdade em (1.2.1). Considere-se o caso 1 p < r < q <. Observe que neste caso 0 < θ < 1. Tem-se, pela desigualdade de Hölder: ( u r dx = u rθ+r(1 θ) dx Ω Ω Ω ) 1/α ( u rθα dx u r(1 θ)α ) 1/α (1.2.2) Ω com α = p/rθ, α = q/r(1 θ). Observe que = 1. De (1.2.2) resulta α α u r dx u p/α L p (Ω) u q/α L. q Ω Daí, notando que 1 r = θα p e 1 r = (1 θ)α q, obtém-se a desigualdade (1.2.1). No caso 1 p < r <, segue-se que p = rθ e 0 < θ < 1. Portanto u r dx = u rθ+r(1 θ) dx u r(1 θ) L (Ω) u p L p (Ω) implicando na desigualdade (1.2.1). Ω Ω Sejam u e v funções numéricas definidas no R n. Considera-se a convolução u v das funções u e v, isto é, (u v)(x) = u(x y)v(y) dy = R n v(y)v(x y) dy. R n Tem-se o seguinte resultado: Desigualdade de Young. Sejam u L p (R n ) e v L q (R n ) com 1 p, 1 q, e r o número real verificando 1 r = 1 p + 1 q 1 0. Então u v Lr (R n ) e u v L r (R n ) u L p (R n ) v L q (R n ). (1.2.3)

18 1.2. ESPAÇO DE FUNÇÕES TESTES 5 Além disso, supp(u v) supp u + supp v. (1.2.4) Exemplos de Funções Testes Representa-se por C0 (Ω) o espaço vetorial das funções numéricas definidas em Ω, com suporte compacto, possuindo em Ω derivadas parciais contínuas de todas as ordens. Os elementos de C0 (Ω) são denominados funções testes em Ω. Exemplo 1. Seja ρ: R n R definida por: exp ( 1/(1 x ρ(x) = 2 )) se x < 1 0 se x 1 sendo x 2 = x x x2 n. Mostra-se que ρ pertence a C 0 (Rn ) e que supp ρ = {x R n ; x 1}. Exemplo 2. Seja k ρ(x) dx sendo ρ a função do Exemplo 1. Para cada ν = 1, 2,...,n,... R n considere a função ρ ν : R n R definido por ρ ν (x) = (ν n /k)ρ(νx) para todo x R n. Mostra-se que ρ ν é, para cada ν, uma função teste no R n possuindo as seguintes propriedades: a) 0 ρ ν (x) ν n /ke b) ρ R n ν (x) dx = ρ x 1/ν ν(x) dx = 1 c) supp ρ ν = {x R n ; x 1/ν} Uma sucessão (ρ ν ) de funções testes no R n com as propriedades a), b), c) é denominada uma sucessão regularizante. Exemplo 3. Sejam u C0 (Rn ) e v L p (R n ), 1 p <. Então u v pertence a C (R n ) L p (R n ) e D α (u v) = (D α u) v para todo α N n. Quando v possui suporte compacto, então, por (4), u v é uma função teste no R n.

19 6 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES Exemplo 4. Considere-se dois subconjuntos K e F do R n, disjuntos, sendo K compacto e F fechado. Então existe uma função teste ϕ no R n tal que ϕ(x) = 1 em K, ϕ(x) = 0 em F e 0 ϕ(x) 1. Para construir tal ϕ considere ε > 0 definido por ε = dist(k, F)/4 e construa os conjuntos F 0 = {x R n ; dist(x, K) 2ε}, K 0 = {x R n ; dist(x, K) ε}. Considere ν N tal que εν 1. Então se v: R n R é definida por v(x) = dist(x, F 0 )/(dist(x, F 0 )+dist(x, K 0 )) para todo x R n, segue-se que ϕ = ρ ν v satisfaz todas as condições requeridas Regularização de Funções O objetivo nesta seção é mostrar que C0 (Ω) é denso em Lp (Ω), 1 p <. Inicia-se, para isto, com um resultado de continuidade. Proposição Seja u L p (R n ), 1 p <. Então a aplicação translação R n L p (R n ) y τ y u, é contínua. Demonstração: Note-se que é suficiente demonstrar que a aplicação é contínua em y = 0. Com efeito, seja y R n e (y ν ) uma sucessão de vetores de R n com y ν y. Tem-se: τ yν u τ y u p L p (R n ) R = u(x y ν ) u(x y) p dx = u(x z ν ) u(x) p dx n R n onde z ν = y ν y 0. Provar-se-á, portanto, que a translação é contínua em y = 0. Seja (y ν ) uma sucessão de vetores do R n com y ν 0. Primeiro mostra-se a continuidade para u = χ O onde χ O é a função característica de um subconjunto aberto limitado O de R n. Tem-se: τ yν u u p L p (R n ) R = χ O (x y ν ) χ O (x) p dx. (1.2.5) n

20 1.2. ESPAÇO DE FUNÇÕES TESTES 7 Observe que χ O (x y ν ) χ O (x) para todo x R n \ O ( O fronteira de O), logo Por outro lado χ O (x y ν ) χ O (x) quase sempre em R n. (1.2.6) χ O (x y ν ) χ U (x) p χ U (x), x R n (1.2.7) ( onde U é o conjunto U = O + y ν ) O, U aberto limitado do R n. Aplicando o Teorema ν=1 da Convergência Dominada de Lebesgue à integral da direita de (1.2.5), decorre de (1.2.6) e (1.2.7) que τ yν u u em L p (R n ) quando ν. Resulta da primeira parte que a translação é contínua em y = 0 para u função escada de R n, isto é, para u igual a uma combinação linear finita de funções características de subconjuntos abertos limitados de R n. Note-se que o conjunto das funções escadas do R n é denso em L p (R n ). Seja u L p (R n ) e ε > 0. Então existe uma função escada ψ de R n tal que u ψ L p (R n ) < ε. Tem-se: τ yν u u L p τ yν u τ yν ψ L p + τ yν ψ ψ L p + ψ u L p = que prova, finalmente, o resultado desejado. = 2 ψ u L p + τ yν ψ ψ L p < 3ε para ν ν 0 Teorema Seja (ρ ν ) a sucessão regularizante dada no Exemplo 2. Se u L p (R n ), 1 p <, então a sucessão (ρ ν u) converge para u em L p (R n ). Demonstração: Tem-se: (ρ ν u)(x) u(x) = pois y 1/ν y 1/ν ρ ν (y) dy = 1. Se p = 1, do Teorema de Fubini, resulta ρ ν u u L 1 (R n ) y 1/ν ρ ν (y){u(x y) u(x)} dy (1.2.8) ρ ν (y) τ y u u L 1 (R n ) dy,

21 8 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES e o Teorema é uma conseqüência da continuidade da translação τ y u demonstrada na Proposição No caso 1 < p <, considere q tal que 1 p + 1 q Hölder, obtém-se: Note que { (ρ ν u)(x) u(x) p y 1/ν y 1/ν ρ ν (y) q } p/q ρ ν (y) q dy νnq k q e q y 1/ν y 1/ν onde w n é o volume da esfera unitária do R n. Portanto, ( y 1/ν = 1. De (1.2.8) e da desigualdade de u(x y) u(x) p dx. (1.2.9) dy = νnq k q e w 1 q n ν n ) p/q ρ ν (y) q wn p/q dy k p e p ν(nq n)p/q = C ν np(1 1 q ) = C ν n (1.2.10) onde C = wn p/q /k p e p. Considerando (1.2.10) em (1.2.9) e aplicando o Teorema de Fubini, resulta ρ ν u u p L p (R n ) C νn y 1/ν τ y u u p L p (R n ) dy C w n sup τ y u u p L p (R n ). y 1/ν Esta expressão e a continuidade da translação acarretam o Teorema Observação 1 Para o conjunto aberto Ω do R n, pode-se construir uma sucessão de conjuntos compactos {K ν } tal que K ν K ν+1, ν, ; e Ω = K ν. ν=1 Com efeito, é suficiente considerar K ν como sendo K ν = {x Ω; dist(x, Γ) 1 ν } {x Rn ; x ν} onde Γ é a fronteira de Ω.

22 1.2. ESPAÇO DE FUNÇÕES TESTES 9 Corolário 1 C 0 (Ω) é denso em Lp (Ω) para 1 p <. Demonstração: Seja {K ν } a sucessão de subconjuntos compactos de Ω dada na Observação 1. Se u L p (Ω), para cada ν = 1, 2,... seja χ K ν a função característica de K ν e considere a função u ν = u χ K ν. Segue-se que u ν L p (Ω) para cada ν e a sucessão (u ν ) é convergente para u na norma L p (Ω), convergência que decorre do Teorema da Convergência Dominada de Lebesgue. Desde que as funções u ν possuem suporte compacto, para provar o corolário é suficiente aproximar as funções u ν por funções de C0 (Ω). De fato, seja u L p (Ω), u com suporte compacto, e considere r = dist(suppu, Γ), que é um número positivo. Defina ũ: R n K por u(x) se x Ω ũ(x) = 0 se x CΩ Diz-se que ũ é a extensão de u por zero fora de Ω. Tem-se ũ L p (R n ) e supp ũ = supp u é um compacto de R n. Portanto, (ρ ν ũ) é uma sucessão de funções testes no R n que converge para ũ em L p (R n ). Represente por v ν a restrição a Ω da função ρ ν ũ. Resulta que v ν é uma função teste em Ω para cada ν 2/r e a sucessão (v ν ) converge para u em L p (Ω) Convergência em D(Ω) Diz-se que uma sucessão (ϕ ν ) de funções de C 0 as seguintes condições forem satisfeitas: (Ω) é convergente para zero, quando a) Os suportes de todas as funções testes ϕ ν, da sucessão dada, estão contidos num compacto fixo K. b) Para cada α N n, a sucessão (D α ϕ ν ) converge para zero uniformemente em K. Se ϕ C 0 (Ω), diz-se que a sucessão (ϕ ν ) de elementos de C 0 (Ω) converge para ϕ em C 0 (Ω), quando a sucessão (ϕ ν ϕ) converge para zero no sentido dado acima.

23 10 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES O espaço vetorial C 0 denominado espaço das funções testes em Ω. (Ω) com esta noção de convergência é representado por D(Ω) e 1.3 Distribuições sobre um aberto Ω do R n Define-se como distribuição sobre Ω a toda forma linear T sobre D(Ω) que é contínua no sentido da convergência definida sobre D(Ω). Isto significa que para toda sucessão (ϕ ν ) de D(Ω), convergente para zero no sentido definido em 1.2.4, então a sucessão ( T, ϕ ν ) converge para zero em K. (Note que K = R ou C e T, ϕ ν é o valor de T em ϕ ν ). O conjunto de todas as distribuições sobre Ω é um espaço vetorial o qual representa-se por D (Ω). Neste espaço vetorial diz-se que uma sucessão (T ν ) de vetores de D (Ω) converge para zero em D (Ω), quando para toda função teste ϕ D(Ω), a sucessão ( T, ϕ ν ) converge para zero em K. Neste caso escreve-se lim ν T ν = 0 em D (Ω). Diz-se que lim T ν = T em D (Ω), ν quando lim (T ν T) = 0 em D (Ω). ν Exemplo 1. Seja u L 1 loc (Ω). Considere a forma linear T u definida em D(Ω) por: T u, ϕ = u(x)ϕ(x) dx para toda ϕ D(Ω). Mostra-se sem dificuldades que T u é uma distribuição sobre Ω. Ω Proposição (Lema de Du Bois Raymond) Seja u L 1 loc (Ω). Então T u = 0 se e somente se u = 0 quase sempre em Ω. Demonstração: Claramente se u = 0 quase sempre em Ω então T u = 0. Mostra-se, então, que a condição T u = 0 implica u = 0 quase sempre em Ω. Com efeito, considere-se um subconjunto aberto limitado O de Ω. Sabe-se pelo Corolário 1 que D(O) é denso em L 1 (O). Conseqüentemente, como u L 1 (O), vem que para cada ε > 0 existe v D(O) tal que u v dx < ε. O

24 1.3. DISTRIBUIÇÕES SOBRE UM ABERTO Ω DO RN 11 Da hipótese e desta última desigualdade, resulta: vϕ dx = (vϕ uϕ) dx ε max ϕ (1.3.11) para toda ϕ D(O). Considere-se os conjuntos O O K 1 = {x O; v(x) ε} e K 2 = {x O; v(x) ε}, que são subconjuntos compactos disjuntos de O. Do Exemplo 4 da Seção 1.2.2, vem que existem ϕ 1, ϕ 2 em D(O) tais que: ϕ 1 = 1 em K 1 Dϕ 1 = 0 em K 2 0 ϕ 1 1 ϕ 2 = 0 em K 1 ϕ 2 = 1 em K 2 0 ϕ 2 1 Tomando-se ψ = ϕ 1 ϕ 2, obtém-se: ψ = 1 em K 1, ψ = 1 em K 2, 1 ψ 1. Resulta, portanto, vψ dx = vψ dx + vψ dx, O O\K K onde K = K 1 K 2. Observando-se que v ε em O\K e levando em consideração (1.3.11) obtém-se: K vψ dx O vψ dx + O\K vψ dx ε + ε med(o). Da definição de ψ e desta última desigualdade, encontra-se: v dx = vψ dx ε + med(o)ε. K K Portanto, u dx u v dx + v dx + v dx 2ε + 2ε med(o). O O K O\K

25 12 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES Fazendo-se ε tender para zero obtém-se que u = 0 quase sempre em O. Sendo O arbitrário, resulta que u = 0 quase sempre em Ω. A demonstração acima é válida para u tomando valores reais. Se u toma valores complexos, observa-se que a condição uϕ dx = 0 para toda ϕ em D(O), implica Ω (Re u)ϕ dx = 0, (Im u)ϕ = 0, ϕ D(Ω), ϕ uma função real. Ω Ω A proposição segue aplicando a demonstração feita acima a cada uma destas integrais. Observação 2 Do Lema de Du Bois Raymond segue-se que para cada u L 1 loc (Ω), tem-se T u univocamente determinada por u sobre Ω, quase sempre, no seguinte sentido: se u, v L 1 loc (Ω) então T u = T v se e somente se u = v quase sempre em Ω. Por esta razão, identificase u com a distribuição T u por ela definida e diz-se a distribuição u ao invés de dizer a distribuição T u. É oportuno observar que existem distribuições não definidas por funções de L 1 loc (Ω), como pode ser visto no exemplo que se segue. Exemplo 2. Seja x 0 um ponto de Ω e δ x0 a forma linear definida em D(Ω) do seguinte modo: δ x0, ϕ = ϕ(x 0 ) para toda ϕ D(Ω). Fácil é verificar que δ x0 é uma distribuição sobre Ω, denominada distribuição de Dirac ou medida de Dirac concentrada em x 0. Quando x 0 = 0 escreve-se δ 0. Mostra-se que a distribuição δ x0 não é definida por uma função u de L 1 loc (Ω), isto é, não existe u L 1 loc (Ω) tal que u(x)ϕ(x) dx = ϕ(x 0 ) para toda ϕ D(Ω). Ω De fato, se existisse uma tal função u, então u(x) x x 0 2 ϕ(x) dx = x x 0 2 ϕ(x) x=x0 = 0 Ω

26 1.3. DISTRIBUIÇÕES SOBRE UM ABERTO Ω DO RN 13 para toda ϕ D(Ω). Pelo Lema de Du Bois Raymond tem-se x x 0 2 u(x) = 0 quase sempre em Ω, mostrando que u(x) = 0 quase sempre em Ω, isto é, δ x0 = 0 o que é uma contradição. Observação 3 Existem sucessões (u ν ) de funções de L 1 loc (Ω) que convergem para distribuições T em D (Ω), mas o limite T não pode ser definido por uma função de L 1 loc (Ω). De fato, seja x 0 Ω e B r (x 0 ) = {x R n ; x x 0 r} uma bola contida em Ω. Para cada 0 < ε < r, seja θ ε a função teste θ ε (x) = 1 ( x kε ρ x0 ) n ε para todo x Ω, sendo ρ a função teste definida no Exemplo 1 da Seção 1.2 e k = R n ρ(y) dy. Tem-se, para ϕ D(Ω), θ ε, ϕ = 1 kε n Assim Ω ( x x0 ) ρ ϕ(x)dx = 1 ρ(y)ϕ(εy + x 0 )dy ϕ(x 0 ) quando ε 0 +. ε k Ω lim θ ε 0 + ε = δ x0 em D (Ω). Exemplo 3. Seja (u ν ) uma sucessão de funções de L p loc (Ω), 1 p < ; tal que lim u ν = u em ν L p loc (Ω). Então resulta que lim u ν = u em ν D (Ω). De fato, seja ϕ D(Ω) e O um subconjunto aberto limitado de Ω tal que suppϕ O. Se p = 1, tem-se: u ν u, ϕ = Ω (u ν (x) u(x))ϕ(x)dx max ϕ(x) ϕ(x) u ν (x) u(x) dx, x O O e se 1 < p <, considera-se o seu conjugado q, isto é, 1 p + 1 q u ν u, ϕ u ν u L p (O) ϕ L q (O). As desigualdades acima implicam nossa afirmação. = 1, obtendo-se:

27 14 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES Observação 4 Tem-se a seguinte cadeia, para 1 p <, sendo cada inclusão densa na seguinte. D(Ω) L p loc (Ω) D (Ω), Com efeito, a continuidade da imersão de D(Ω) em L p loc (Ω) é fácil de verificar e a continuidade da imersão de L p loc (Ω) em D (Ω) foi mostrada no Exemplo 3. A densidade de D(Ω) em D (Ω) será provada posteriormente. Para mostrar que D(Ω) é denso em L p loc (Ω), procede-se como se segue. Seja u L p loc (Ω) e (K ν) a sucessão de subconjuntos compactos de Ω dada na Observação 1. Para cada aberto O ν = int K ν determina-se ϕ ν D(O ν ) tal que u ϕ ν L p (O ν) < 1 ν A sucessão (ϕ ν ) de funções testes em Ω converge para u em L p loc (Ω) quando ν. Considere uma distribuição T sobre Ω e α N n. A derivada de ordem α de T é, por definição, a forma linear D α T definida em D(Ω) por: D α T, ϕ = ( 1) α T, D α ϕ para todo ϕ D(Ω). Não é difícil mostrar que D α T é uma distribuição sobre Ω. Segue-se da definição acima que cada distribuição T sobre Ω possui derivadas de todas as ordens. Assim, as funções de L 1 loc (Ω) possuem derivadas de todas as ordens no sentido das distribuições. Observe que a aplicação D α : D (Ω) D (Ω), T D α T é linear e contínua no sentido da convergência definida em D (Ω). Isto significa que se lim T ν = T em D (Ω) então lim D α T ν = D α T em D (Ω). ν ν Outro resultado que vale a pena mencionar é que a derivada de uma função de L 1 loc (Ω), não é, em geral, uma função de L 1 loc (Ω), como mostra o exemplo que vem a seguir. Tal fato,

28 1.3. DISTRIBUIÇÕES SOBRE UM ABERTO Ω DO RN 15 motivará a definição de uma classe significativa de espaços de Banach de funções, conhecidos sob a denominação de Espaços de Sobolev, tendo este texto como um dos objetivos fazer um estudo introdutório destes espaços. Exemplo 4. Seja u a função de Heaviside, isto é, u é definida em R e tem a seguinte forma: u(x) = 1 se x > 0 e u(x) = 0 se x < 0. Ela pertence a L 1 loc (R) mas sua derivada u = δ 0 não pertence a L 1 loc (R). De fato, tem-se: para todo ϕ D(R). u, ϕ = u, ϕ = 0 ϕ (x) dx = ϕ(0) = δ 0, ϕ Exemplo 5. Se u C k (R n ), para cada α k, a derivada D α u no sentido das distribuições é igual à derivada no sentido clássico, isto é, D α T u = T D α u para todo α k. Isto é uma conseqüência simples da fórmula de integração de Gauss. Exemplo 6. Seja u L 1 loc (Rn ) e k N. Suponha que para cada α k, D α u pertença a L 1 loc (Rn ). Então, para toda ϕ em D(R n ) e α k, tem-se: D α (ϕ u) = ϕ D α u. Note que D α u é a derivada no sentido das distribuições. A igualdade acima é uma conseqüência da definição de derivada e do Teorema de Fubini. A seguir serão fixados certos resultados sobre multiplicação de uma distribuição por uma função, restrição de uma distribuição, distribuição temperada e transformada de Fourier Produto de Funções por Distribuições Se ρ C (Ω) para cada ϕ D(Ω) tem-se ρϕ D(Ω) e se lim ϕ ν = 0 em D(Ω) isto ν implica lim ρϕ ν = 0 em D(Ω) (segue-se da Fórmula de Leibniz para funções). Quando T é ν uma distribuição sobre Ω, define-se o produto ρt como a forma linear definida em D(Ω) do seguinte modo: ρt, ϕ = T, ρϕ para toda ϕ em D(Ω).

29 16 CAPÍTULO 1. RESULTADOS BÁSICOS SOBRE DISTRIBUIÇÕES Segue-se que ρt é uma distribuição sobre Ω. Se α N n, tem-se a fórmula de Leibniz: D α (ρt) = β α α! β!(α β)! Dβ ρ D α β T. Verificar-se-á esta fórmula no caso α = e i = (0,...,1,..., 0). Para todo ϕ em D(Ω) tem-se: D i (ρt), ϕ = ρt, D i ϕ = T, ρ(d i ϕ) = T, D i (ρϕ) + (D i ρ)ϕ = = T, D i (ρϕ) + T, (D i ρ)ϕ = D i T, ρϕ + (D i ρ)t, ϕ = = ρd i T + (D i ρ)t, ϕ Restrição de Distribuições Suponha-se Ω e U subconjuntos abertos do R n tais que Ω U. Para cada função ϕ em D(Ω) considere-se ϕ(x) = ϕ(x) se x Ω e ϕ(x) = 0 se x U\Ω. Tem-se ϕ D(U) e mais: a) D α ϕ = D α ϕ para todo α N n b) Se lim ν ϕ ν = 0 em D(Ω), segue-se que lim ν ϕ ν = 0 em D(U). Como uma conseqüência daqueles resultados, se T D (U), a forma linear T Ω definida em D(Ω) por T Ω, ϕ = T, ϕ para todo ϕ em D(Ω), é uma distribuição sobre Ω denominada a restrição de T a Ω. De a) prova-se que D α (T Ω ) = (D α T) Ω para todo α N n e T D (U) Distribuições Temperadas Uma função ϕ C (R n ) diz-se rapidamente decrescente no infinito, quando para cada k N tem-se que é equivalente a dizer que p k (ϕ) = max α k sup x R n (1 + x 2 ) k D α ϕ(x) <, (1.3.12) lim x p(x)dα ϕ(x) = 0 (1.3.13)

30 1.3. DISTRIBUIÇÕES SOBRE UM ABERTO Ω DO RN 17 para todo polinômio p de n variáveis reais e α N n. Considere o espaço vetorial S(R n ) das funções rapidamente decrescentes no infinito, no qual definiremos a seguinte noção de convergência: uma sucessão (ϕ ν ) de funções de S(R n ) converge para zero, quando para todo k N a sucessão (p k (ϕ ν )) converge para zero em K. A sucessão (ϕ ν ) converge para ϕ em S(R n ) se (p k (ϕ ν ϕ)) converge para zero em K para todo k N. As formas lineares definidas em S(R n ), contínuas no sentido da convergência definida em S(R n ) são denominadas distribuições temperadas. O espaço vetorial de todas as distribuições temperadas com a convergência pontual de sucessões será representado por S (R n ). Assim tal que lim T ν = T em S (R n ) se lim T ν, ϕ = T, ϕ, ϕ S(R n ). ν ν Tem-se D(R n ) S(R n ). O espaço D(R n ) é denso em S(R n ). De fato, seja θ D(R n ) θ(x) = 1 se x 1 e θ(x) = 0 se x 2. (1.3.14) Para cada ν N, define-se θ ν (x) = θ(x/ν) para todo x R n. Seja u S(R n ) então a sucessão (θ ν u) de funções de D(R n ) converge para u em S(R n ). Para mostrar a convergência observe que pela Fórmula de Leibniz para funções, resulta Portanto α k x R n D α (θ ν (x)u(x)) D α u(x) = (θ ν (x)d α u(x) D α u(x))+ + α! 1 θ(x/ν)d α u(x). β!(α β)! ν β Dβ β α β>0 p k (θ ν u u) max sup (1 + x 2 ) k θ ν (x)d α u(x) D α u(x) + [ α k x R n ] + max sup (1 + x 2 ) k α! 1 β!(α β)! ν β Dβ θ(x/ν)d α β u(x) β α, β>0 (1.3.15) A segunda parcela do segundo membro de (1.3.15) converge para zero quando ν como pode ser visto facilmente. A primeira parcela converge para zero como conseqüência da expressão (1.3.13) e do fato que θ ν (x)d α u(x) = D α u(x) para x ν.

Equação do Calor com Potencial Singular

Equação do Calor com Potencial Singular Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Pós-Graduação em Matemática e Computação Científica Equação do Calor com Potencial Singular Eleomar Cardoso Júnior Orientador: Prof. Dr. Gustavo Adolfo Torres

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV

UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV Alex Jenaro Becker, Mestrando, alexjenaro@gmail.com Bolsista CAPES/FAPERGS

Leia mais

uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado

uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado Seminário Brasileiro de Análise - SBA Instituto de Matemática e Estatatística - USP Edição N 0 68 Novembro 2008 uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE

TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE EMANUEL CARNEIRO 1. O operador de convolução Sejam f e g funções mensuráveis em. A convolução de f e g é a função f g definida por f g(x) = f(y) g(x y) dy. De modo geral,

Leia mais

Análise Funcional. José Ferreira Alves. Março de 2002. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura

Análise Funcional. José Ferreira Alves. Março de 2002. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura Análise Funcional José Ferreira Alves Março de 2002 Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura ii Introdução Estas notas foram elaboradas para a disciplina de Complementos

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1 Introdução à Topologia Resoluções de exercícios Exercício nº5 (alíneas 3. e 4.) Capítulo 1 É imediato, directamente a partir da definição, que, dados r, s Q, d p (r, s) e que d p (r, s) = se e só se r

Leia mais

SOLVABILIDADE E DECAIMENTO EXPONENCIAL PARA UM SISTEMA DE EDP NÃO LINEAR COM ACOPLAMENTO NA FONTE

SOLVABILIDADE E DECAIMENTO EXPONENCIAL PARA UM SISTEMA DE EDP NÃO LINEAR COM ACOPLAMENTO NA FONTE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA - PPGME SOLVABILIDADE E DECAIMENTO EXPONENCIAL PARA UM

Leia mais

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}.

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}. ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA 1. Relações de equivalência Seja uma relação de equivalência sobre um conjunto X, isto é, uma rel ção binária que satisfaz as seguintes propriedades i. (Prop. Reflexiva.)

Leia mais

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA CAPÍULO 6 ANSFOMAÇÃO LINEA Introdução Muitos problemas de Matemática Aplicada envolvem o estudo de transformações, ou seja, a maneira como certos dados de entrada são

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO - Câmara de Pós-Graduação Nº 27/2012 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, Mestrado. CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA E GESTÃO ANÁLISE MATEMÁTICA I ELEMENTOS DE ANÁLISE REAL Volume 1 Por : Gregório Luís I PREFÁCIO O presente texto destina-se

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop Universidade Federal do Rio de Janeiro Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Rio de Janeiro 2008 Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Dissertação de Mestrado

Leia mais

Guia de Estudo de Análise Real

Guia de Estudo de Análise Real Guia de Estudo de Análise Real Marco Cabral Baseado na V2.4 Dezembro de 2011 Introdução O objetivo deste texto é orientar o estudo da aluna(o) em análise real. Ele é baseado no livro Curso de Análise Real

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC,

Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC, ESPAÇO VETORIAL Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC, + é a operação (função) soma + : V V V, que a cada par (u, v) V V, associa um único elemento de V, denotado

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo Prof. Susie C. Keller Núcleo de uma Definição: Chama-se núcleo de uma transformação linear T: V W ao conjunto

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 . ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 ROBERTO DE MARIA NUNES MENDES Professor do Departamento de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da PUCMINAS Belo Horizonte

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1,

Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1, ESPAÇOSDEFUNÇÕES INTEGRÁVEIS-L p 1. Funções convexas e desigualdades Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1, φ((1 γ)x + γy)

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Aplicação do Método de Galerkin para Equações e Sistemas Elípticos

Aplicação do Método de Galerkin para Equações e Sistemas Elípticos Resumo Neste trabalho estudamos a eficiência do Método de Galerkin na resolução de problemas e sistemas Elípticos lineares, não-lineares, variacionias e não-variacionais. Abstract In this work we study

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

Observações sobre Controle Hierárquico em Domínio não Cilíndrico

Observações sobre Controle Hierárquico em Domínio não Cilíndrico Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Matemática Curso de Mestrado em Matemática Observações sobre Controle Hierárquico em Domínio não Cilíndrico

Leia mais

Espaços não reversíveis

Espaços não reversíveis {Nome da seção} Notas de aula Espaços não reversíveis Fernando Lucatelli Nunes UnB-UC/UP 1 Se X e Y são espaços topológicos quaisquer, o gráfico de uma função f : X Y é o conjunto G( f )={(x, f (x)) :

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Um Exemplo de Topologia Não Metrizável

Um Exemplo de Topologia Não Metrizável Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Um Exemplo de Topologia Não Metrizável Autor: Tamyris Marconi Orientadora: Profa. Dra. Cláudia Buttarello

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000 - Fax: (35) 3299-1063 ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

Leia mais

Existência de Soluções Simétricas e Não-Simétricas para uma Classe de Equações de Schrödinger Semilineares

Existência de Soluções Simétricas e Não-Simétricas para uma Classe de Equações de Schrödinger Semilineares Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Programa de Pós-Graduação em Matemática Curso de Mestrado em Matemática Existência de Soluções Simétricas e Não-Simétricas para uma

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

José Álvaro Tadeu Ferreira

José Álvaro Tadeu Ferreira UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação José Álvaro Tadeu Ferreira Cálculo Numérico Notas de aulas Resolução de Equações Não Lineares Ouro

Leia mais

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N.

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N. 2.4. PROJECÇÕES 2. dim(l)=dim(m)+dim(n) Demonstração. Se L=M N, qualquer vector x L se pode escrever de forma única como a soma de um vector x M M e outro vector x N N. 1. Dada uma base de M, x M pode

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica:

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica: Critérios Norteadores para o Processo Seletivo ao Programa de Pós-Graduação em Matemática da UFCG, no Curso de Mestrado, Modalidade Acadêmico - Área de Matemática - A Seleção para a área de matemática

Leia mais

Teorema de Green no Plano

Teorema de Green no Plano Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires Teorema de Green no Plano O teorema de Green permite relacionar o integral de linha ao longo de uma

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 203 Mário Jorge Dias Carneiro Introdução O que é um número real? A resposta formal e

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Princípio das casas de pombo

Princípio das casas de pombo Princípio das casas de pombo Márcia R. Cerioli IM e COPPE, UFRJ Renata de Freitas IME, UFF Petrucio Viana IME, UFF Maio de 2014 1 Introdução Neste texto, apresentamos e exemplificamos o Princípio das Casas

Leia mais

Propriedade Dunford-Pettis Alternativa. Veronica Leão Neves

Propriedade Dunford-Pettis Alternativa. Veronica Leão Neves Propriedade Dunford-Pettis Alternativa Veronica Leão Neves Dissertação apresentada ao Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Matemática

Leia mais

1 Base de um Espaço Vetorial

1 Base de um Espaço Vetorial Disciplina: Anéis e Corpos Professor: Fernando Torres Membros do grupo: Blas Melendez Caraballo (ra143857), Leonardo Soriani Alves (ra115465), Osmar Rogério Reis Severiano (ra134333) Ramon Códamo Braga

Leia mais

Miguel Abreu. Encontro Nacional do Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-8.Setembro.

Miguel Abreu. Encontro Nacional do Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-8.Setembro. Centro de Análise Matemática, Geometria e Sistemas Dinâmicos Instituto Superior Técnico Encontro Nacional do Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-8.Setembro.27

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO Angelo Fernando Fiori 1 Bruna Larissa Cecco 2 Grazielli Vassoler 3 Resumo: O presente trabalho apresenta um estudo sobre os espaços vetoriais munidos de produto interno.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing)

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) ISCTE, Escola de Gestão Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) Diana Aldea Mendes 29 de Outubro de 2008 Espaços Vectoriais Definição (vector): Chama-se vector edesigna-sepor v um objecto matemático caracterizado

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk Notas Para um Curso de Cálculo Avançado Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Diferenciação... 1 1.1. Notação em Cálculo Diferencial... 1 1.2. Funções Diferenciáveis... 8 Exercícios para o Capítulo 1...

Leia mais

O Princípio da Indução diz o seguinte:

O Princípio da Indução diz o seguinte: (*) +-,/. 01+$243/5246/798 : ;"=@?9A@BDC@E@? "!$#%& ' O Princípio da Indução é um eficiente instrumento para a demonstração de fatos referentes aos números naturais. Por isso deve-se adquirir prática

Leia mais

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS 6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS Quando uma função f (z) não é diferenciável num complexo z 0 ; diremos que z 0 é uma singularidade de f (z) ; z 0 dir-se-á uma singularidade isolada de f (z) se, contudo, f

Leia mais

Capítulo 5. séries de potências

Capítulo 5. séries de potências Capítulo 5 Séries numéricas e séries de potências Inicia-se o capítulo com a definição de série numérica e com oção de convergência de séries numéricas, indicando-se exemplos, em particular o exemplo da

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

Expansão linear e geradores

Expansão linear e geradores Espaços Vectoriais - ALGA - 004/05 4 Expansão linear e geradores Se u ; u ; :::; u n são vectores de um espaço vectorial V; como foi visto atrás, alguns vectores de V são combinação linear de u ; u ; :::;

Leia mais

Leis de Conservação e Aplicações ao Tráfego nas Cidades

Leis de Conservação e Aplicações ao Tráfego nas Cidades Leis de Conservação e Aplicações ao Tráfego nas Cidades Cesar S. Eschenazi Universidade Federal de Minas Gerais 1 o Colóquio da Região Sudeste Abril de 2011 Prefácio Estas notas apresentam um estudo introdutório

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Códigos Lineares CAPÍTULO 4

Códigos Lineares CAPÍTULO 4 CAPÍTULO 4 Códigos Lineares 1. Definição, pârametros e peso mínimo Seja F q o corpo de ordem q. Portanto, pelo Teorema 3.24, q = p m para algum primo p e inteiro positivo m. Definição 4.1. Um código linear

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

6 O Formalismo Matemático da Mecânica Quântica I

6 O Formalismo Matemático da Mecânica Quântica I 6-1 6 O Formalismo Matemático da Mecânica Quântica I 6.1 Espaços Vetoriais Nesta seção expomos as noções básicas dos espaços vetoriais, pois o formalismo da mecânica quântica se baseia nestes conceitos.

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

Mestrados Integrados em Engenharia Mecânica e em Eng Industrial e Gestão ANÁLISE MATEMÁTICA III DEMec 010-11-0 1ºTESTE A duração do exame é horas + 30minutos. Cotação: As perguntas 1 e 6 valem valores,

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Departamento de Engenharia Mecânica COPPE UFRJ STIC-AMSUD, Novembro de 2009 Conteúdo Preliminares

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Equações Diferenciais Parciais Não Lineares Sobre a Fronteira de um Domínio Limitado do R n

Equações Diferenciais Parciais Não Lineares Sobre a Fronteira de um Domínio Limitado do R n Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Programa de Pós-Graduação em Matemática Curso de Mestrado em Matemática Equações Diferenciais Parciais Não Lineares Sobre a Fronteira

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4 Lei de Gauss Considere uma distribuição arbitrária de cargas ou um corpo carregado no espaço. Imagine agora uma superfície fechada qualquer envolvendo essa distribuição ou corpo. A superfície é imaginária,

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho. Métodos Numéricos A. Ismael F. Vaz Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.pt Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano lectivo 2007/2008 A.

Leia mais