Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar"

Transcrição

1 SESSÃO PARALELA VI Contextos e Tipos de Intervenção II CONGRESSO DO SICAD 6 de abril de 2016

2 Finalidades do Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO O PAPES visa incentivar as Escolas de modo a: promover a literacia em saúde; promover atitudes e valores que suportem comportamentos saudáveis; valorizar comportamentos que conduzam a estilos de vida saudáveis; criar condições ambientais para uma Escola Promotora de Saúde.

3 Finalidades do Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO O PAPES visa incentivar as Escolas de modo a: promover a literacia em saúde; promover atitudes e valores que suportem comportamentos saudáveis; valorizar comportamentos que conduzam a estilos de vida saudáveis; evoluir para uma Escola Saudável.

4 Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO

5 , ,4 A PRÁTICA % , Saúde Mental e Prevenção da Violência Educação Alimentar e Atividade Física Prevenção de comportamentos aditivos e dependências Afetos e Educação para a sexualidade Áread temáticas PAPES 2014/15

6 Evolução, ao longo dos anos, do trabalho desenvolvido no âmbito dos CAD A PRÁTICA % % de estabelecimentos de educação e ensino, que desenvolvem trabalho no âmbito dos CAD / / / / / /15 Ano letivo PAPES 2014/15

7 n.º de estabelecimentos de educação e ensino com projetos PES no âmbito da prevenção dos CAD Crianças até aos 9 anos A PRÁTICA JI EB1 PAPES 2014/15

8 n.º de estabelecimentos de ensino com projetos PES no âmbito da prevenção dos CAD EB2 Jovens dos 10 aos 14 anos A PRÁTICA EB3 PAPES 2014/15

9 n.º de estabelecimentos de ensino com projetos PES no âmbito da prevenção dos CAD Jovens dos 15 aos 19 anos ES A PRÁTICA 284 PAPES 2014/15

10 n.º de crianças e jovens envolvidos em projetos PES na área da prevenção dos CAD A PRÁTICA n.º < 9 anos 10 aos 14 anos 15 aos 19 anos idade PAPES 2014/15

11 n.º de estabelecimentos de educação e ensino que desenvolvem projetos no âmbito dos CAD, por subtema A PRÁTICA n.º Ed. Pré Esc 1.º CEB 2.º CEB 3.º CEB Sec Subtemas PAPES 2014/15

12 Tabela 8 - Distribuição dos temas abordados no âmbito da prevenção de comportamentos aditivos e dependências por níveis de educação/ensino Pré escolar 1.º CEB 2.º CEB 3.º CEB Sec. (n=416) (n=418) (n=433) (n=475) (n=320) A PRÁTICA Tabaco Álcool Uso inadequado de medicamentos Substâncias psicoativas ilícitas Jogo Internet Relação entre publicidade e consumo nocivo Outras 58 (13,9%) 43 (10,3%) 44 (10,6%) 3 (0,7%) 15 (3,6%) 29 (7%) 21 (5%) 3 (0,7%) 166 (39,7%) 150 (35,9%) (73,2%) 299 (69,1%) 196 (45,3%) (27,5%) (9,6%) (48,3%) (12,9%) (27,9%) (43,8%) (70%) (23,7%) (47,3%) 6 14 (1,4%) (3,2%) 461 (97,1%) 450 (94,7%) 309 (65,1%) 443 (93,3%) 208 (43,8%) 386 (81,3%) 316 (66,5%) 26 (35,5%) 260 (81,3%) 269 (84,1%) 185 (57,8%) 272 (85%) 129 (40,3%) 212 (66,3%) 170 (53,1%) 23 (7,2%) PAPES 2014/15

13 EM CURSO Referencial de Educação para a Saúde

14 Referencial de Educação para a Saúde EM CURSO Saúde mental e prevenção da violência Educação alimentar e atividade física Comportamentos aditivos e dependências Afetos e educação para a sexualidade

15 Referencial de Educação para a Saúde EM CURSO Identidade Pertença Saúde mental e prevenção da violência Comunicação Emoções Educação alimentar e atividade física Autonomia Interação Comportamentos aditivos e dependências Risco Proteção Afetos e educação para a sexualidade Violência Escolhas, Desafios, Perdas Valores Resiliência

16 EM CURSO Referencial de Educação para a Saúde Comportamentos aditivos e dependências Saúde mental e prevenção da violência Tabaco Educação alimentar e atividade física Álcool Comportamentos aditivos e dependências Outras substâncias Afetos e educação para a sexualidade Psicoativas Outras adições sem substância

17 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 1: Comportamentos aditivos e dependências (CAD) EM CURSO Entendidos como «processos de adição», são comportamentos com características impulsivas compulsivas em relação a diferentes atividades ou condutas. Os mais frequentes entre os jovens são o consumo de Substâncias Psicoativas (SPA), nomeadamente o álcool, o tabaco e a canábis, o jogo e a internet. O fenómeno dos comportamentos aditivos e as dependências é complexo e multidimensional, incluindo fatores genéticos, neurobiológicos, psicológicos e ambientais, sendo transversal à sociedade. Objetivo 1:Identificar e conhecer conceitos fundamentais no âmbito do fenómeno dos comportamentos aditivos e dependências. Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Identificar fatores que influenciam os comportamentos aditivos e as dependências Analisar e categorizar dimensões e fatores que influenciam os comportamentos aditivos e as dependências: Psicológico Físico Individual Familiar Social e económico Cultural Avaliar dimensões e fatores que influenciam os comportamentos aditivos e as dependências: Psicológico Físico Individual Familiar Social e económico Cultural

18 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 3: Álcool EM CURSO O álcool, consumido em bebidas alcoólicas ou alcoolizadas, é a substância psicoativa mais consumida em Portugal pelos jovens. Isoladamente ou associado ao consumo de outras substâncias psicoativas (tabaco, canábis, cocaína ou outras) está muitas vezes presente em espaços de lazer e contextos recreativos frequentados por jovens e adolescentes. Objetivo 1:Identificar os problemas ligados ao álcool no que diz respeito à doença e morte prematura. Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Conhecer as consequências do consumo nocivo de bebidas alcoólicas Conhecer as consequências do consumo nocivo de bebidas alcoólicas Identificar a proporção de doentes e de mortes associadas ao consumo de bebidas alcoólicas em Portugal e no resto da Europa e do Mundo Identificar a proporção de doentes e de mortes associadas ao consumo de bebidas alcoólicas em Portugal e no resto da Europa e do Mundo Identificar a proporção de doentes e de mortes associadas ao consumo de bebidas alcoólicas em Portugal no resto da Europa e do Mundo Identificar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas Analisar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas Analisar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas Avaliar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas

19 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 4: Outras Substâncias Psicoativas S PA EM CURSO Substância psicoativa (SPA) é toda a substância, natural ou sintética que, quando consumida, altera o funcionamento do Sistema Nervoso Central, podendo os seus efeitos categorizar se em três tipos: depressoras, estimulantes e psicadélicas. O seu consumo, cultivo ou fabrico pode ser legal ou ilegal, estando essa regulamentação ao abrigo de um conjunto de convenções internacionais e legislação nacional Objetivo 3:Identificar fatores que influenciam a perceção do risco em relação ao consumo de SPA. Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a normalização do comportamento de consumo em função das referências envolventes pais, mediatismo Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a banalização do consumo, as crenças e expectativas, os contextos Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a banalização do consumo, as crenças e expectativas, os contextos Identificar os fatores culturais e sociais que induzem ou inibem o consumo de SPA (media, marketing, redes sociais) Identificar os fatores culturais e sociais que induzem ou inibem o consumo de SPA (media, marketing, redes sociais) Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a banalização do consumo, as crenças e expectativas, os contextos Analisar os fatores culturais e sociais que induzem ou inibem o consumo de SPA (media, marketing, redes sociais)

20 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 5: Outras adições sem Substância EM CURSO Uma adição sem substância é toda a conduta repetitiva que produz prazer e alívio tensional, sobretudo nas suas primeiras etapas, e que leva a uma perda de controlo da mesma, perturbando severamente a vida quotidiana, a nível familiar, laboral ou social, que pode acentuar se no tempo e conduzir a uma dependência Objetivo 1: Conhecer os tipos e características das adições e dependências sem substância Identificar os tipos de adições e dependências sem substância mais frequentes (videojogos) Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Identificar os tipos de Reconhecer os tipos de Reconhecer os tipos de adições e dependências sem adições e dependências sem adições e dependências sem substância mais frequentes substância mais frequentes substância mais frequentes (videojogos, internet, (videojogos, internet, (jogo, internet, telemóvel) telemóvel) telemóvel) Analisar os tipos de adições e dependências sem substância mais frequentes (jogo, internet, telemóvel) Descrever e analisar as implicações das adições e dependências sem substância mais frequentes (jogo, internet, telemóvel) Descrever e analisar as implicações das adições e dependências sem substância mais frequentes (jogo, internet, telemóvel)

21 FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE EM CURSO Prémio Boas Práticas

22 AVALIAÇÃO Em 2015 foi alcançada a meta formulada para a Droga e ultrapassadas as definidas para o Álcool e Tabaco

23 AVALIAÇÃO

24 Prevenção de comportamentos aditivos e dependências

25 Prevenção de comportamentos aditivos e dependências

26 RUI MATIAS LIMA Direção de Serviços de Educação Especial e Apoios Socioeducativos DIREÇÃO GERAL DA EDUCAÇÂO

Comportamentos Aditivos Prevenção e Intervenção em Contexto Laboral. Mário Castro

Comportamentos Aditivos Prevenção e Intervenção em Contexto Laboral. Mário Castro Comportamentos Aditivos Prevenção e Intervenção em Contexto Laboral Mário Castro 1 SUMÁRIO Contextualização Alguns dados Princípios Gerais de Intervenção Vantagens da Intervenção 2 COMPORTAMENTOS ADITIVOS

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Investigação como suporte ao desenho das intervenções

Investigação como suporte ao desenho das intervenções Investigação como suporte ao desenho das intervenções Investigação e desenho das intervenções - ciclo de vida e contexto - Ludmila Carapinha 1 O desenho da intervenção O que mudar Quem De que forma Intervenção:

Leia mais

MÓDULO 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS

MÓDULO 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS Agrupamento de Escolas de Mértola Ano Letivo 2012-2013 Curso profissional de Técnico de Apoio Psicossocial 11º B Disciplina: Psicopatologia Geral MÓDULO 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS O consumo de drogas remonta

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

Escola Secundária de Felgueiras. Estrutura programática para Educação Cívica / DT- Aluno 3º Ciclo e Ensino Secundário

Escola Secundária de Felgueiras. Estrutura programática para Educação Cívica / DT- Aluno 3º Ciclo e Ensino Secundário Estrutura programática para Educação Cívica / DT- Aluno 3º Ciclo e Ensino Secundário As coordenadoras de diretores de turma Lúcia Lopes Ofélia Ribeiro 2014/2015 INTRODUÇÃO Consciente da importância da

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: DEPARTAMENTO: ENA

PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: DEPARTAMENTO: ENA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Dependências Químicas na Adolescência CÓDIGO: ENA012 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA 30 0 02 VERSÃO CURRICULAR: 2014/2

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL. Carga horária mínima por ano de escolaridade:

CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL. Carga horária mínima por ano de escolaridade: CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL Com base na Portaria nº 196-A/2010 Carga horária mínima por ano de escolaridade: Ciclo Lei nº60/2009, de 6 de agosto Carga Horária (mínima) Nº de horas

Leia mais

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES)

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Sociedade Portuguesa de Educação Física Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física O documento

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade Agrupamento de Escolas de Grândola Pl de Atividades Projeto de Educação para a e a Sexualidade 2015/2016 1 ESCOLA BÁSICA D. JORGE DE LENCASTRE: OFÉLIA ROSA SIMÃO VALÉRIO (COORDENADORA) P D O PLANO Obj.

Leia mais

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 Consumo de substâncias psicoativas na população laboral Casimiro Balsa Clara Vital Cláudia Urbano CESNOVA

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência 1. INTRODUÇÃO O presente documento publicita a informação relativa à prova de equivalência à frequência do Ensino Secundário da disciplina de Psicologia B, a realizar em 2016, a nível de escola, de acordo

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS ANO LETIVO 2012 / 2013 ÍNDICE ÍNDICE... 1 EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO... 2 1. Legislação:... 2 2. Finalidades da educação

Leia mais

Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social. Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos

Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social. Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos A saúde mental nos CSP Moderadoras Dra Marina e Dra Raquel Estrela Dr José Teixeira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT)

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Departamento de Saúde Pública JOVENS E TABACO - COMO INTERVIR? ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Rosa Branca Mansilha DSP da ARS Norte 29 Novembro 2013 PELT 2006-2009 PROGRAMA Escolas

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro II Encontro de Boas Práticas Educativas Bragança, 8 de setembro de 2016 Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela (2014-2016) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Juliana Joni Parada Psiquiatra clínica e forense pela ABP Especialista em Dependência Química pela UNIFESP Coordenadora do Ambulatório

Leia mais

RELATÓRIO: - e toxicômanos Encaminhamento de crianças/adolescentes para tratamento à

RELATÓRIO: - e toxicômanos Encaminhamento de crianças/adolescentes para tratamento à RELATÓRIO: RELAÇÃO DOS CASOS ATENDIDOS E AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO CONSELHO TUTELAR DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE CAMPO ALEGRE, NO PERÍODO DE 01 À 31 DE JANEIRO DE 2014. Atendimentos/ ocorrências

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. Determina a obrigatoriedade de inserção de mensagens educativas sobre o uso de drogas ilícitas nos ingressos de eventos esportivos e shows culturais ou esportivos voltados

Leia mais

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS Margarida Gaspar de Matos* Marlene Silva e Equipa Aventura Social & Saúde *Psicologa, Prof Ass F M H / UTL Coordenadora Nacional do HBSC/OMS

Leia mais

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos Política Nacional sobre drogas Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos A arma mais importante que nós temos- os que temos uma perspectiva democrática para a vida social para tratar do tema das drogas

Leia mais

SAÚDE MENTAL PROJETO DO PROGRAMA DE ATENÇÃO À CRIANÇA E ADOLESCENTE DEPENDENTE QUÍMICO

SAÚDE MENTAL PROJETO DO PROGRAMA DE ATENÇÃO À CRIANÇA E ADOLESCENTE DEPENDENTE QUÍMICO SAÚDE MENTAL PROJETO DO PROGRAMA DE ATENÇÃO À CRIANÇA E ADOLESCENTE DEPENDENTE QUÍMICO 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: ACFFD - ASSOCIAÇÃO CULTURAL E FILANTROPICA FAMÍLIA DE DEUS ESCRITÓRIO: RUA CAJAZEIRAS,

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

educom Navegar é preciso; segurança também!

educom Navegar é preciso; segurança também! Navegar é preciso; segurança também! A rede Benefícios Riscos Évora - 02-12-2004 fcar@ualg.pt 2 Riscos da net Exposição a materiais suspeitos Assédio Danos físicos Danos económicos e/ou morais Álcool,

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 088 Mediação Escolar Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

INFÂNCIA. PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2015/2016

INFÂNCIA. PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2015/2016 INFÂNCIA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2015/2016 Plano aprovado em reunião de Direção de 24 de setembro de 2015 Plano elaborado e proposto pelo Corpo Docente em reunião de 14 de setembro de 2015

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano Letivo 2014/2015 EQUIPA DO PES Orquídea Lopes Graça Moreira Dulce Vicente 1- Introdução O Projeto Promoção e Educação para a Saúde encontra-se regulamentado

Leia mais

Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS

Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS 81 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICA SOBRE DROGAS Secretaria Nacional DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Horário de funcionamento: de segunda a sexta,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação INTERVENÇÃO E QUALIDADE EM COMPORTAMENTOS ADITIVOS E DEPENDÊNCIAS Relatório de Avaliação O SICAD tem como missão, promover a redução do consumo de substâncias psicoativas, a prevenção dos comportamentos

Leia mais

Da Caneta até ao Prato

Da Caneta até ao Prato Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Concelho Nome do projeto Identificação da instituição promotora Equipa de trabalho/ dinamizadora Parceiros Enquadramento/

Leia mais

Trabalhos de Doutoramento. 1. Estilos de vida na adolescência: de necessidades em saúde à intervenção em enfermagem

Trabalhos de Doutoramento. 1. Estilos de vida na adolescência: de necessidades em saúde à intervenção em enfermagem RESULTADOS: Foram submetidos 21 trabalhos científicos. Trabalhos de Doutoramento 1. Estilos de vida na adolescência: de necessidades em saúde à intervenção em enfermagem Enfª Maria Margarida Ferreira Instituto

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

Sessão 3 Tomar decisões informadas sobre fumar

Sessão 3 Tomar decisões informadas sobre fumar Sessão 3 Tomar decisões informadas sobre fumar Objectivos específicos: No final desta sessão, os alunos deverão ser capazes de: explicar os efeitos do consumo e abuso de tabaco, álcool e outras drogas;

Leia mais

Promoção da Saúde em meio Escolar: das aprendizagens à ação

Promoção da Saúde em meio Escolar: das aprendizagens à ação Promoção da Saúde em meio Escolar: das aprendizagens à ação Graça Simões de Carvalho CIEC Centro de Investigação em Estudos da Criança Instituto de Educação Universidade do Minho Promoção da Saúde em meio

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Prefeitura do Município de Taboão da Serra Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia Departamento de Educação PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE) O Programa Saúde na Escola Política intersetorial dos Ministérios

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

MITOS E VERDADES SOBRE DROGAS

MITOS E VERDADES SOBRE DROGAS FURG FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Centro Regional de Estudos, Prevenção e Recuperação de Dependentes Químicos - CENPRE MITOS E VERDADES SOBRE DROGAS Organização: Fernando Amarante Silva

Leia mais

Ficha Técnica. Título. Referencial de Educação para a Saúde. Autores. Álvaro Carvalho (DGS) Carla Matos (DGS) Cláudia Minderico (DGE)

Ficha Técnica. Título. Referencial de Educação para a Saúde. Autores. Álvaro Carvalho (DGS) Carla Matos (DGS) Cláudia Minderico (DGE) 1 Referencial de Educação para a Saúde Ficha Técnica Título Referencial de Educação para a Saúde Autores Álvaro Carvalho (DGS) Carla Matos (DGS) Cláudia Minderico (DGE) Conceição Tavares de Almeida (DGS)

Leia mais

Enfermagem de Família :

Enfermagem de Família : V ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ENCONTRO DO DIA INTERNACIONAL DA FAMILIA Unidade Científico-Pedagógica de Enfermagem de Saúde Pública, Familiar e Comunitária Enfermagem de Família : Percursos

Leia mais

O que é doença? Doença é: Como as doenças acontecem? Qual o padrão das doenças? Quais os tipos de doenças?

O que é doença? Doença é: Como as doenças acontecem? Qual o padrão das doenças? Quais os tipos de doenças? CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE - EACH/USP Disciplina de Fundamentos da Atividade Física Docente responsável: Alex Antonio Florindo (aflorind@usp.br) Roteiro da aula 1. Conceito de doença;

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR Planificação anual de Tecnologia Alimentar 10.ºano 01/013 Turma: 10.º N Professora: Madalena Tavares - Estrutura e Finalidades da

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ana Paula Scherer de Brum* Patrícia Wolf** Paula Masiero*** RESUMO Para termos um corpo e uma mente sadia, devemos ter uma alimentação saudável, com propriedades que ajudam no desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Ano letivo de 2014/2015 Disciplina: PSICOLOGIA B 12º ANO Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Ano letivo de 2014/2015 Disciplina: PSICOLOGIA B 12º ANO Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo Problemas da Psicologia Conteúdos Conceitos fundamentais Objectivos Capacidades Tempos 1. Como interagem os planos do biológico e do cultural para a constituição do ser humano? Unidade 1 A ENTRADA NA VIDA

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJETO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJETO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2013/2014 Índice 1.Introdução 3 2. Justificação do Projeto 4 3. Finalidades do Projeto 4 4. Objetivos 5 5. Áreas Prioritárias 6 6. Metodologias 6 6.1. População Alvo 6

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA. Cidadania ao alcance de todos

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA. Cidadania ao alcance de todos SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA Cidadania ao alcance de todos SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA Cidadania ao alcance de todos Sonia Alice Felde Maia Psicóloga CRP: 08/0275 Coordenadora

Leia mais

COMO MANTER O LAR LIVRE DA DROGA

COMO MANTER O LAR LIVRE DA DROGA COMO MANTER O LAR LIVRE DA DROGA A PREVENÇÃO AO USO DO CRACK COMEÇA DENTRO DE CASA: Estudos apontam que pais ausentes ou superprotetores podem favorecer a queda dos filhos na dependência química. A PREVENÇÃO

Leia mais

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO No Município de Oeiras é entendida como: Um agente facilitador do desenvolvimento socioprofissional dos colaboradores Um Instrumento de Criação de Valor

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

Onde andam os anjos da guarda? Levantando o véu sobre o que se passa por cá

Onde andam os anjos da guarda? Levantando o véu sobre o que se passa por cá Onde andam os anjos da guarda? Levantando o véu sobre o que se passa por cá Carta ao pai Não exis)rá qualidade humana, se não cuidarmos da infância. Armando Leandro Objetivo Geral Contribuir para a afirmação

Leia mais

Oferta alimentar em meio escolar.

Oferta alimentar em meio escolar. rui.lima@dge.mec.pt Promoção e Educação para a Saúde Coerência Curriculo Aluno Oferta alimentar Conhecimentos Atitudes Comportamentos Oferta alimentar em meio escolar REGULAMENTAÇÃO DA OFERTA ALIMENTAR

Leia mais

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Princípios e objetivos 3 Artigo 3.º Coordenação e constituição 4 Artigo 4.º Competências do coordenador 4 Artigo 5.º Atividades

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Estratégia de Fortificação da Alimentação Infantil com Micronutrientes em Pó (vitaminas e minerais) Ministério da Educação Ministério da Saúde OBJETIVOS DO PSE Promover a saúde

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

Curso Vocacional 2º ciclo Planificação Anual

Curso Vocacional 2º ciclo Planificação Anual Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional 2º ciclo Planificação Anual 2015-2016 CIÊNCIAS NATURAIS METAS

Leia mais

Dia Mundial da Alimentação. 16 de outubro de 2013

Dia Mundial da Alimentação. 16 de outubro de 2013 Dia Mundial da Alimentação 16 de outubro de 2013 Sistemas Alimentares Saudáveis Modelo de Intervenção da Associação Portuguesa de Dietistas Associação Portuguesa de Dietistas Dia Mundial da Alimentação

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

ICSLM Congress Covilhã, 24 de novembro de Margarida Barosa(a), Paulo Sacramento (b), Teresa Almeida (a) (a) ACT, b) Pombal, Portugal

ICSLM Congress Covilhã, 24 de novembro de Margarida Barosa(a), Paulo Sacramento (b), Teresa Almeida (a) (a) ACT, b) Pombal, Portugal Análise de conteúdos programáticos relacionados com produtos químicos ministrados em Escolas do 1º Ciclo do (ICSLM16_P20) Margarida Barosa(a), Paulo Sacramento (b), Teresa Almeida (a) (a) ACT, b) Pombal,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância da Juventude CAODIJ PACTO PELOS DIREITOS DAS CRIANÇAS, ADOLESCENTES E JOVENS DA CIDADE

Leia mais

1º Congresso SICAD Na coesão, o futuro. Plano de Ação para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências

1º Congresso SICAD Na coesão, o futuro. Plano de Ação para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências 1º Congresso SICAD Na coesão, o futuro Plano de Ação para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências 2013-2016 Metodologia PNRPCAD 2013-2020 e PA 2013-2016 Conceptualização 1º semestre de 2013

Leia mais

Novas Substâncias Psicoativas

Novas Substâncias Psicoativas Novas Substâncias Psicoativas O caso da Salvia Divinorum Sumário Executivo Vasco Calado DEI / DMI 2013 Novas Substâncias Psicoativas. O caso da salvia divinorum. 2 Esta investigação reúne o essencial da

Leia mais

2- Competências a Desenvolver

2- Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO 1º ANO - ANO LETIVO 2014/15 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: TURISMO-INFORMAÇÃO E ANIMAÇÃO TURÍSTICA Componente de Formação Técnica 1- Elenco

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÂO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA PONDERAÇÃO INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Plano Anual de Atividades Jardim de Infância. 1º período. Humana

Plano Anual de Atividades Jardim de Infância. 1º período. Humana Plano Anual Atividas Jardim Infância 1º período Ativida/ Ação Visita Estudo Abertura do ano letivo Dia Mundial da Alimentação Dia Internacional Eco-Escolas Objetivos Estratégicos Dimensão Académica Conduzir

Leia mais

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Patrícia Maria de Oliveira Machado Florianópolis, 2015 Histórico do processo e marcos legais ESTADUAL 2011

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA DESCRIMINALIZAÇÃO DO USO E POSSE DA MACONHA PARA CONSUMO PRÓPRIO

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA DESCRIMINALIZAÇÃO DO USO E POSSE DA MACONHA PARA CONSUMO PRÓPRIO CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA DESCRIMINALIZAÇÃO DO USO E POSSE DA MACONHA PARA CONSUMO PRÓPRIO Salomão Rodrigues Filho Médico psiquiatra Conselheiro por Goiás do CFM DIMENSÃO

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas S. Teotónio. Biblioteca Escolar

Agrupamento Vertical de Escolas S. Teotónio. Biblioteca Escolar Agrupamento Vertical de Escolas S. Teotónio Biblioteca Escolar O que caracteriza o actual momento histórico é o predomínio da tecnologia, do novo, das mudanças constantes, do desenvolvimento contínuo do

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DOS ACADEMICOS QUANTO AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOOLICAS DURANTE PROCESSO DE GRADUAÇÃO EM UMA FACULDADE

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DOS ACADEMICOS QUANTO AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOOLICAS DURANTE PROCESSO DE GRADUAÇÃO EM UMA FACULDADE II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DOS ACADEMICOS QUANTO AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOOLICAS DURANTE PROCESSO DE GRADUAÇÃO EM UMA FACULDADE 1 INTRODUÇÃO Jhon Kerrey Honorio Ribeiro 1 Marlene Guimarães

Leia mais

5º Painel Formação e a sua evolução: A formar há cinco décadas, para onde vai a formação em Portugal

5º Painel Formação e a sua evolução: A formar há cinco décadas, para onde vai a formação em Portugal Publicação apoiada pelo projeto PEst-OE/EGE/UI4056/2014 UDI/IPG, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, pelo qual agradecemos. 5º Painel Formação e a sua evolução: A formar há cinco décadas,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAIS REGO ENSINO FUNDAMENTAL,MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 8ºANO

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAIS REGO ENSINO FUNDAMENTAL,MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 8ºANO COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAIS REGO ENSINO FUNDAMENTAL,MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 8ºANO Professor ; Cesar Antônio Hubner Disciplina: Ciências Ano: 2014 Bimestre: 1º CONTEÚDOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Recolha e tratamento da informação;

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Recolha e tratamento da informação; ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA C 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REITORIA PLANO DE TRABALHO Identificação Aluno (a): Bruna Beatriz da Rocha Curso: Educação Física Coordenador (a) no IF:Flaviana Alves Toledo Instituição de Destino: Instituto Politécnico da Guarda Coordenador

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS O aumento da longevidade e o rápido crescimento do peso relativo da população idosa, aliados às deficiências no sistema público

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais