Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar"

Transcrição

1 SESSÃO PARALELA VI Contextos e Tipos de Intervenção II CONGRESSO DO SICAD 6 de abril de 2016

2 Finalidades do Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO O PAPES visa incentivar as Escolas de modo a: promover a literacia em saúde; promover atitudes e valores que suportem comportamentos saudáveis; valorizar comportamentos que conduzam a estilos de vida saudáveis; criar condições ambientais para uma Escola Promotora de Saúde.

3 Finalidades do Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO O PAPES visa incentivar as Escolas de modo a: promover a literacia em saúde; promover atitudes e valores que suportem comportamentos saudáveis; valorizar comportamentos que conduzam a estilos de vida saudáveis; evoluir para uma Escola Saudável.

4 Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO

5 , ,4 A PRÁTICA % , Saúde Mental e Prevenção da Violência Educação Alimentar e Atividade Física Prevenção de comportamentos aditivos e dependências Afetos e Educação para a sexualidade Áread temáticas PAPES 2014/15

6 Evolução, ao longo dos anos, do trabalho desenvolvido no âmbito dos CAD A PRÁTICA % % de estabelecimentos de educação e ensino, que desenvolvem trabalho no âmbito dos CAD / / / / / /15 Ano letivo PAPES 2014/15

7 n.º de estabelecimentos de educação e ensino com projetos PES no âmbito da prevenção dos CAD Crianças até aos 9 anos A PRÁTICA JI EB1 PAPES 2014/15

8 n.º de estabelecimentos de ensino com projetos PES no âmbito da prevenção dos CAD EB2 Jovens dos 10 aos 14 anos A PRÁTICA EB3 PAPES 2014/15

9 n.º de estabelecimentos de ensino com projetos PES no âmbito da prevenção dos CAD Jovens dos 15 aos 19 anos ES A PRÁTICA 284 PAPES 2014/15

10 n.º de crianças e jovens envolvidos em projetos PES na área da prevenção dos CAD A PRÁTICA n.º < 9 anos 10 aos 14 anos 15 aos 19 anos idade PAPES 2014/15

11 n.º de estabelecimentos de educação e ensino que desenvolvem projetos no âmbito dos CAD, por subtema A PRÁTICA n.º Ed. Pré Esc 1.º CEB 2.º CEB 3.º CEB Sec Subtemas PAPES 2014/15

12 Tabela 8 - Distribuição dos temas abordados no âmbito da prevenção de comportamentos aditivos e dependências por níveis de educação/ensino Pré escolar 1.º CEB 2.º CEB 3.º CEB Sec. (n=416) (n=418) (n=433) (n=475) (n=320) A PRÁTICA Tabaco Álcool Uso inadequado de medicamentos Substâncias psicoativas ilícitas Jogo Internet Relação entre publicidade e consumo nocivo Outras 58 (13,9%) 43 (10,3%) 44 (10,6%) 3 (0,7%) 15 (3,6%) 29 (7%) 21 (5%) 3 (0,7%) 166 (39,7%) 150 (35,9%) (73,2%) 299 (69,1%) 196 (45,3%) (27,5%) (9,6%) (48,3%) (12,9%) (27,9%) (43,8%) (70%) (23,7%) (47,3%) 6 14 (1,4%) (3,2%) 461 (97,1%) 450 (94,7%) 309 (65,1%) 443 (93,3%) 208 (43,8%) 386 (81,3%) 316 (66,5%) 26 (35,5%) 260 (81,3%) 269 (84,1%) 185 (57,8%) 272 (85%) 129 (40,3%) 212 (66,3%) 170 (53,1%) 23 (7,2%) PAPES 2014/15

13 EM CURSO Referencial de Educação para a Saúde

14 Referencial de Educação para a Saúde EM CURSO Saúde mental e prevenção da violência Educação alimentar e atividade física Comportamentos aditivos e dependências Afetos e educação para a sexualidade

15 Referencial de Educação para a Saúde EM CURSO Identidade Pertença Saúde mental e prevenção da violência Comunicação Emoções Educação alimentar e atividade física Autonomia Interação Comportamentos aditivos e dependências Risco Proteção Afetos e educação para a sexualidade Violência Escolhas, Desafios, Perdas Valores Resiliência

16 EM CURSO Referencial de Educação para a Saúde Comportamentos aditivos e dependências Saúde mental e prevenção da violência Tabaco Educação alimentar e atividade física Álcool Comportamentos aditivos e dependências Outras substâncias Afetos e educação para a sexualidade Psicoativas Outras adições sem substância

17 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 1: Comportamentos aditivos e dependências (CAD) EM CURSO Entendidos como «processos de adição», são comportamentos com características impulsivas compulsivas em relação a diferentes atividades ou condutas. Os mais frequentes entre os jovens são o consumo de Substâncias Psicoativas (SPA), nomeadamente o álcool, o tabaco e a canábis, o jogo e a internet. O fenómeno dos comportamentos aditivos e as dependências é complexo e multidimensional, incluindo fatores genéticos, neurobiológicos, psicológicos e ambientais, sendo transversal à sociedade. Objetivo 1:Identificar e conhecer conceitos fundamentais no âmbito do fenómeno dos comportamentos aditivos e dependências. Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Identificar fatores que influenciam os comportamentos aditivos e as dependências Analisar e categorizar dimensões e fatores que influenciam os comportamentos aditivos e as dependências: Psicológico Físico Individual Familiar Social e económico Cultural Avaliar dimensões e fatores que influenciam os comportamentos aditivos e as dependências: Psicológico Físico Individual Familiar Social e económico Cultural

18 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 3: Álcool EM CURSO O álcool, consumido em bebidas alcoólicas ou alcoolizadas, é a substância psicoativa mais consumida em Portugal pelos jovens. Isoladamente ou associado ao consumo de outras substâncias psicoativas (tabaco, canábis, cocaína ou outras) está muitas vezes presente em espaços de lazer e contextos recreativos frequentados por jovens e adolescentes. Objetivo 1:Identificar os problemas ligados ao álcool no que diz respeito à doença e morte prematura. Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Conhecer as consequências do consumo nocivo de bebidas alcoólicas Conhecer as consequências do consumo nocivo de bebidas alcoólicas Identificar a proporção de doentes e de mortes associadas ao consumo de bebidas alcoólicas em Portugal e no resto da Europa e do Mundo Identificar a proporção de doentes e de mortes associadas ao consumo de bebidas alcoólicas em Portugal e no resto da Europa e do Mundo Identificar a proporção de doentes e de mortes associadas ao consumo de bebidas alcoólicas em Portugal no resto da Europa e do Mundo Identificar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas Analisar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas Analisar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas Avaliar a redução na expetativa de vida das pessoas causada pelo consumo nocivo e/ou abusivo de bebidas alcoólicas

19 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 4: Outras Substâncias Psicoativas S PA EM CURSO Substância psicoativa (SPA) é toda a substância, natural ou sintética que, quando consumida, altera o funcionamento do Sistema Nervoso Central, podendo os seus efeitos categorizar se em três tipos: depressoras, estimulantes e psicadélicas. O seu consumo, cultivo ou fabrico pode ser legal ou ilegal, estando essa regulamentação ao abrigo de um conjunto de convenções internacionais e legislação nacional Objetivo 3:Identificar fatores que influenciam a perceção do risco em relação ao consumo de SPA. Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a normalização do comportamento de consumo em função das referências envolventes pais, mediatismo Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a banalização do consumo, as crenças e expectativas, os contextos Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a banalização do consumo, as crenças e expectativas, os contextos Identificar os fatores culturais e sociais que induzem ou inibem o consumo de SPA (media, marketing, redes sociais) Identificar os fatores culturais e sociais que induzem ou inibem o consumo de SPA (media, marketing, redes sociais) Identificar fatores individuais facilitadores do consumo de SPA, nomeadamente a banalização do consumo, as crenças e expectativas, os contextos Analisar os fatores culturais e sociais que induzem ou inibem o consumo de SPA (media, marketing, redes sociais)

20 Referencial de Educação para a Saúde Subtema 5: Outras adições sem Substância EM CURSO Uma adição sem substância é toda a conduta repetitiva que produz prazer e alívio tensional, sobretudo nas suas primeiras etapas, e que leva a uma perda de controlo da mesma, perturbando severamente a vida quotidiana, a nível familiar, laboral ou social, que pode acentuar se no tempo e conduzir a uma dependência Objetivo 1: Conhecer os tipos e características das adições e dependências sem substância Identificar os tipos de adições e dependências sem substância mais frequentes (videojogos) Pré escolar 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário Identificar os tipos de Reconhecer os tipos de Reconhecer os tipos de adições e dependências sem adições e dependências sem adições e dependências sem substância mais frequentes substância mais frequentes substância mais frequentes (videojogos, internet, (videojogos, internet, (jogo, internet, telemóvel) telemóvel) telemóvel) Analisar os tipos de adições e dependências sem substância mais frequentes (jogo, internet, telemóvel) Descrever e analisar as implicações das adições e dependências sem substância mais frequentes (jogo, internet, telemóvel) Descrever e analisar as implicações das adições e dependências sem substância mais frequentes (jogo, internet, telemóvel)

21 FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE EM CURSO Prémio Boas Práticas

22 AVALIAÇÃO Em 2015 foi alcançada a meta formulada para a Droga e ultrapassadas as definidas para o Álcool e Tabaco

23 AVALIAÇÃO

24 Prevenção de comportamentos aditivos e dependências

25 Prevenção de comportamentos aditivos e dependências

26 RUI MATIAS LIMA Direção de Serviços de Educação Especial e Apoios Socioeducativos DIREÇÃO GERAL DA EDUCAÇÂO

PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE RELATÓRIO 2012/2013

PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE RELATÓRIO 2012/2013 PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE RELATÓRIO 2012/2013 setembro de 2013 Ficha Técnica Título: Relatório 2012/13 Promoção e Educação para a Saúde Autores: Elisabete Abrantes Laurinda Ladeiras Marta Manso

Leia mais

Comportamentos Aditivos Prevenção e Intervenção em Contexto Laboral. Mário Castro

Comportamentos Aditivos Prevenção e Intervenção em Contexto Laboral. Mário Castro Comportamentos Aditivos Prevenção e Intervenção em Contexto Laboral Mário Castro 1 SUMÁRIO Contextualização Alguns dados Princípios Gerais de Intervenção Vantagens da Intervenção 2 COMPORTAMENTOS ADITIVOS

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Monção. Plano de Ação da Educação para a Saúde PROJETO

Agrupamento de Escolas de Monção. Plano de Ação da Educação para a Saúde PROJETO Agrupamento de Escolas de Monção Pl de Ação da Educação para a Saúde PROJETO Ano letivo 2015-2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 5 3. Parcerias... 6 4. Diagnóstico da situação... 7 5. Prioridades

Leia mais

PRÁTICAS NA INTERVENÇÃO EM PROJETO EU E OS OUTROS

PRÁTICAS NA INTERVENÇÃO EM PROJETO EU E OS OUTROS PRÁTICAS NA INTERVENÇÃO EM C A D PROJETO EU E OS OUTROS ISABEL NUNES CONCEITO É um programa de prevenção universal dos problemas ligados aos comportamentos aditivos e dependências, dirigido a jovens entre

Leia mais

MÓDULO 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS

MÓDULO 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS Agrupamento de Escolas de Mértola Ano Letivo 2012-2013 Curso profissional de Técnico de Apoio Psicossocial 11º B Disciplina: Psicopatologia Geral MÓDULO 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS O consumo de drogas remonta

Leia mais

Investigação como suporte ao desenho das intervenções

Investigação como suporte ao desenho das intervenções Investigação como suporte ao desenho das intervenções Investigação e desenho das intervenções - ciclo de vida e contexto - Ludmila Carapinha 1 O desenho da intervenção O que mudar Quem De que forma Intervenção:

Leia mais

Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro. Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde

Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro. Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde 2015/2018 I Diagnóstico da situação De modo a proceder a uma avaliação da Promoção e Educação para a Saúde no Agrupamento, o grupo de trabalho avaliou

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade

GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade GABINETE de ATendimento Para a Saúde -Sexualidade SOLIDARIEDADE SAÚDE PESS AMBIENTE SEXUALIDADE Com este programa pretendemos que a nossa escola continue a ser UMA ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE O que é UMA

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

Projeto Aprender a Nadar

Projeto Aprender a Nadar DIVISÃO DE DESPORTO E JUVENTUDE PÕE-TE A MEXER Projeto Aprender a Nadar - Fomentar o gosto pela prática desportiva e de atividade física, aquisição de hábitos e comportamentos de estilos de vida saudáveis

Leia mais

Promover e atuar para criar hábitos promotores de saúde e adoção de estilos de vida saudável.

Promover e atuar para criar hábitos promotores de saúde e adoção de estilos de vida saudável. Promover e atuar para criar hábitos promotores de saúde e adoção de estilos de vida saudável. Selecionar conteúdos, momentos e métodos para proporcionar aos alunos experiências diferentes e adaptadas aos

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE SAÚDE ESCOLAR 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES DE SAÚDE ESCOLAR 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES DE SAÚDE ESCOLAR Centro de Saúde de Freixo de Espada à Cinta Agrupamento de Escolas de Freixo de Espada à Cinta Setembro 2016 1 Equipa de Saúde Escolar: Matilde Chiote (Professora/Coordenadora)

Leia mais

Referencial de Educação para a Saúde

Referencial de Educação para a Saúde www.nutrimento.pt Referencial de Educação para a Saúde Para que serve? É uma ferramenta educativa que pode ser adaptada, desde a educação pré-escolar ao ensino secundário, por todas as instituições que

Leia mais

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015 A Saúde dos Portugueses. Perspetiva 2015 7 DE JULHO DE 2015 ÍNDICE DE VIDA MELHOR (Better Life Index) OCDE 1º SATISFAÇÃO PESSOAL 2º SAÚDE 3º SEGURANÇA PESSOAL 2 QUANTOS SOMOS: 10,3 MILHÕES Índice sintético

Leia mais

MÓDULO 6 - USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS - ÁLCOOL

MÓDULO 6 - USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS - ÁLCOOL MÓDULO 6 - USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS - ÁLCOOL GABARITO DAS QUESTÕES NORTEADORAS (Aspectos que devem ser contemplados na resposta das questões norteadoras) PERGUNTA NORTEADORA 1: Neste caso temos cinco

Leia mais

BRIGADA MILITAR PARCEIRA NA PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS

BRIGADA MILITAR PARCEIRA NA PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS COORDENAÇÃO ESTADUAL DO PROERD Palestrante Maj SILVIA VISSOTT BITENCOURT Máster PROERD BRIGADA MILITAR PARCEIRA NA PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS I CONGRESSO INTERNACIONAL CRACK E OUTRAS DROGAS UM

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

CONSUMO E REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ÁLCOOL

CONSUMO E REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ÁLCOOL CONSUMO E REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO ÁLCOOL Inquérito ao público jovem presente no Rock in Rio Lisboa 2010/2014 SUMÁRIO EXECUTIVO Vasco Calado & Elsa Lavado Divisão de Estatística e Investigação Direção

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho Edição n.º 25 Riscos e Consequências do Consumo de Substâncias Psicoativas no Trabalho Os problemas ligados ao consumo de substâncias psicoativas no local

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade Agrupamento de Escolas de Grândola Pl de Atividades Projeto de Educação para a e a Sexualidade 2015/2016 1 ESCOLA BÁSICA D. JORGE DE LENCASTRE: OFÉLIA ROSA SIMÃO VALÉRIO (COORDENADORA) P D O PLANO Obj.

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS ANO LETIVO 2012 / 2013 ÍNDICE ÍNDICE... 1 EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO... 2 1. Legislação:... 2 2. Finalidades da educação

Leia mais

RELATÓRIO DE FORMAÇÃO Prevenção. Como?

RELATÓRIO DE FORMAÇÃO Prevenção. Como? RELATÓRIO DE FORMAÇÃO Prevenção. Como? ENQUADRAMENTO De acordo com os dados do recente estudo Comportamentos aditivos aos 8 anos, realizado pelo SICAD (Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos

Leia mais

PROJETOS PROJETOS ANUAIS. Autoavaliação do Agrupamento. Dulce David 2016/2017

PROJETOS PROJETOS ANUAIS. Autoavaliação do Agrupamento. Dulce David 2016/2017 PROJETOS 2016/2017 TÍTULO Assembleia Jovem PROJETOS ANUAIS Luís Sousa RESPONSÁVEL Autoavaliação do Agrupamento Empreendedorismo ERASMUS+ Desporto Escolar Incluirte Lean PES Plano de Ação Estratégica PTE

Leia mais

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro / Fevereiro 2017 Enf. Ângela Neves Enf. Graça Santos Elementos UCF s Saúde Materna e Neonatal OBJECTIVO Uniformizar

Leia mais

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA Escola Secundária/3 de Barcelinhos ANO LETIVO 2012-2013 FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA 3.º Ciclo Ensino Básico A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS B) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÍNDICE A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA. Cidadania ao alcance de todos

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA. Cidadania ao alcance de todos SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA Cidadania ao alcance de todos SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA E DA CIDADANIA Cidadania ao alcance de todos Sonia Alice Felde Maia Psicóloga CRP: 08/0275 Coordenadora

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. Por uma escola com valores. Equipa Promotora da disciplina

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. Por uma escola com valores. Equipa Promotora da disciplina CÓDIGO DE CONDUTA Por uma escola com valores Equipa Promotora da disciplina 2012-2013 1 Índice Introdução Pág.3 Código de conduta dos alunos... Pág.4 Código de conduta de docentes e não docentes Pág.6

Leia mais

Novas Substâncias Psicoativas

Novas Substâncias Psicoativas Novas Substâncias Psicoativas O caso da Salvia Divinorum Sumário Executivo Vasco Calado DEI / DMI 2013 Novas Substâncias Psicoativas. O caso da salvia divinorum. 2 Esta investigação reúne o essencial da

Leia mais

Utentes em Primeiras Consultas, segundo o ano, na Delegação Regional do Norte

Utentes em Primeiras Consultas, segundo o ano, na Delegação Regional do Norte 8.8. Drogas Ilícitas De acordo com o relatório anual de 2003 do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) podemos verificar que o número de utentes em primeiras consultas, na região Norte entre 1996

Leia mais

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 Consumo de substâncias psicoativas na população laboral Casimiro Balsa Clara Vital Cláudia Urbano CESNOVA

Leia mais

PREVALÊNCIA DO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM JOVENS SEGUIDOS EM CONSULTA DE PEDOPSIQUIATRIA

PREVALÊNCIA DO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM JOVENS SEGUIDOS EM CONSULTA DE PEDOPSIQUIATRIA PREVALÊNCIA DO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM JOVENS SEGUIDOS EM CONSULTA DE PEDOPSIQUIATRIA N. Urbano, F. Pedro, A. Moscoso, P. Vilariça, A. Prata, C. Milheiro, C. Silva, A. Matos Clínica da Juventude,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: DEPARTAMENTO: ENA

PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: DEPARTAMENTO: ENA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Dependências Químicas na Adolescência CÓDIGO: ENA012 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA 30 0 02 VERSÃO CURRICULAR: 2014/2

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DEPENDÊNCIA DE DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DEPENDÊNCIA DE DROGAS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TEORIA E PRÁTICA DOS CONSELHOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SER CONSELHEIRO Elenice Alexandre Alves Jaqueline

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde e Educação Sexual

Projeto de Educação para a Saúde e Educação Sexual Projeto de Educação para a Saúde e Educação Sexual Alunos Professores Técnicos Especialistas Encarregados de Educação Assistentes Operacionais Direção Centro de Saúde 1 Nota introdutória A saúde de todos

Leia mais

O USUÁRIO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E A RECAÍDA. Eixo Temático Temas Transversais

O USUÁRIO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E A RECAÍDA. Eixo Temático Temas Transversais O USUÁRIO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E A RECAÍDA ISSN 2359-1277 Denise Ellen Tarifa Lima, ellen_tarifa@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com; Universidade Estadual do

Leia mais

E.S.S.A ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ BARREIRO QUINTA DA LOMBA

E.S.S.A ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ BARREIRO QUINTA DA LOMBA E.S.S.A ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ QUINTA DA LOMBA BARREIRO A ACTIVIDADE FÍSICA e AQUISIÇÃO DE UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL PROJECTO DE ESCOLA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE HÁBITOS DE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL. Carga horária mínima por ano de escolaridade:

CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL. Carga horária mínima por ano de escolaridade: CONTEÚDOS CURRICULARES MÍNIMOS DE EDUCAÇÂO SEXUAL Com base na Portaria nº 196-A/2010 Carga horária mínima por ano de escolaridade: Ciclo Lei nº60/2009, de 6 de agosto Carga Horária (mínima) Nº de horas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO Escola Ano letivo 2013-2014 Turma: Docente Responsável pelo projeto: SEXUALIDADE (...) É um aspeto central do ser humano, que acompanha toda a vida e que envolve o sexo,

Leia mais

Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências

Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências 2013-2020 Plano de Ação para a redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências 2013-2016 Metodologia PNRPCAD 2013-2020 e PA 2013-2016

Leia mais

MITOS E VERDADES SOBRE DROGAS

MITOS E VERDADES SOBRE DROGAS FURG FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Centro Regional de Estudos, Prevenção e Recuperação de Dependentes Químicos - CENPRE MITOS E VERDADES SOBRE DROGAS Organização: Fernando Amarante Silva

Leia mais

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Juliana Joni Parada Psiquiatra clínica e forense pela ABP Especialista em Dependência Química pela UNIFESP Coordenadora do Ambulatório

Leia mais

Centro de Saúde da Lousã

Centro de Saúde da Lousã Centro de Saúde da Lousã 2011 Avaliação das Sessões de Educação para a Saúde no âmbito da Saúde Escolar Equipa de Saúde Escolar Unidade de Cuidados na Comunidade Arouce Centro de Saúde da Lousã 2011 Avaliação

Leia mais

ANAMNESE (ENTREVISTA)

ANAMNESE (ENTREVISTA) 1 ANAMNESE (ENTREVISTA) Anamnese (Ana = trazer de volta; mnesis = memória) significa trazer de volta à mente todos os fatos relacionados com o doente e a pessoa doente. Se bem feita, acompanha-se de decisões

Leia mais

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO No Município de Oeiras é entendida como: Um agente facilitador do desenvolvimento socioprofissional dos colaboradores Um Instrumento de Criação de Valor

Leia mais

Diretrizes da Política Escolar para os pais de novos alunos

Diretrizes da Política Escolar para os pais de novos alunos Diretrizes da Política Escolar para os pais de novos alunos Este folheto irá dar-lhe uma ideia do conteúdo das políticas escolares. Pode pedir uma cópia do folheto no seu idioma. Este folheto encontra-se

Leia mais

PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano Letivo 2014/2015 EQUIPA DO PES Orquídea Lopes Graça Moreira Dulce Vicente 1- Introdução O Projeto Promoção e Educação para a Saúde encontra-se regulamentado

Leia mais

A droga na União Europeia Situação e tendências 2014

A droga na União Europeia Situação e tendências 2014 A droga na União Europeia Situação e tendências 2014 Comissão de Saúde da Assembleia da República Lisboa, 7 de janeiro de 2015 A panorâmica geral na Europa em 2014 Estabilização e diminuição nos indicadores

Leia mais

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS Margarida Gaspar de Matos* Marlene Silva e Equipa Aventura Social & Saúde *Psicologa, Prof Ass F M H / UTL Coordenadora Nacional do HBSC/OMS

Leia mais

Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social. Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos

Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social. Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos A saúde mental nos CSP Moderadoras Dra Marina e Dra Raquel Estrela Dr José Teixeira

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. Determina a obrigatoriedade de inserção de mensagens educativas sobre o uso de drogas ilícitas nos ingressos de eventos esportivos e shows culturais ou esportivos voltados

Leia mais

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES)

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Sociedade Portuguesa de Educação Física Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física O documento

Leia mais

Pós-Graduação em Comportamentos Aditivos e Dependências

Pós-Graduação em Comportamentos Aditivos e Dependências Pós-Graduação em Comportamentos Aditivos e Dependências Estrutura curricular O programa é constituído por 7 módulos que se dividem da seguinte forma: Código Unidade Curricular Horas contacto ECTS Âmbito

Leia mais

Informação sob embargo até às 14h.30 do dia 19 de Abril de 2013

Informação sob embargo até às 14h.30 do dia 19 de Abril de 2013 Informação sob embargo até às 14h.30 do dia 19 de Abril de 2013 III Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoativas na População Geral Portugal 2012 Casimiro Balsa, Clara Vital, Cláudia Urbano

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA Índice Código de conduta dos alunos Pág.3 digo de conduta de docentes

Leia mais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

EXMO. SR. DR. PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO EXMO. SR. DR. PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO AMOR EXIGENTE - FEAE, associação privada sem fins lucrativos, com sede na Cidade de Campinas, Estado de São Paulo, inscrita no

Leia mais

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENQUADRAMENTO A relação entre o indivíduo e o mundo que o rodeia, construída numa dinâmica constante com os espaços físico, social, histórico

Leia mais

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE (JUN 2015) PORTO Está preparado para lidar com indivíduos com perturbações mentais? A resposta da maioria dos profissionais de saúde em Portugal será certamente

Leia mais

Escola Secundária de Felgueiras. Estrutura programática para Educação Cívica / DT- Aluno 3º Ciclo e Ensino Secundário

Escola Secundária de Felgueiras. Estrutura programática para Educação Cívica / DT- Aluno 3º Ciclo e Ensino Secundário Estrutura programática para Educação Cívica / DT- Aluno 3º Ciclo e Ensino Secundário As coordenadoras de diretores de turma Lúcia Lopes Ofélia Ribeiro 2014/2015 INTRODUÇÃO Consciente da importância da

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação INTERVENÇÃO E QUALIDADE EM COMPORTAMENTOS ADITIVOS E DEPENDÊNCIAS Relatório de Avaliação O SICAD tem como missão, promover a redução do consumo de substâncias psicoativas, a prevenção dos comportamentos

Leia mais

V CONGRESSO COLOMBIANO DE LOGOTERAPIA

V CONGRESSO COLOMBIANO DE LOGOTERAPIA V CONGRESSO COLOMBIANO DE LOGOTERAPIA - 2017 USO ABUSIVO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E O VAZIO EXISTENCIAL: APORTES DA LOGOTERAPIA FRANCISCA CRUZ ZUBICUETA (BRASIL) PSICÓLOGA E PROFESSORA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

POLITICA FAMÍLIA: SAÚDE. 9.dezembro.2014

POLITICA FAMÍLIA: SAÚDE. 9.dezembro.2014 POLITICA FAMÍLIA: SAÚDE 9.dezembro.2014 Associação Portuguesa de Famílias Numerosas A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN) foi fundada em 1999. É uma associação de família, sem fins lucrativos,

Leia mais

1º Congresso SICAD Na coesão, o futuro. Plano de Ação para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências

1º Congresso SICAD Na coesão, o futuro. Plano de Ação para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências 1º Congresso SICAD Na coesão, o futuro Plano de Ação para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências 2013-2016 Metodologia PNRPCAD 2013-2020 e PA 2013-2016 Conceptualização 1º semestre de 2013

Leia mais

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Conteúdos programáticos e aulas previstas 1º 2º 3º TOTAIS Nº de aulas previstas 13 12 9 34 Nº de aulas para apresentação e autoavaliação 2 1 1 4 Nº de aulas para

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 AÇÃO ATIVIDADES INTERVENIENTES Calendarização das Atividades J F M A M J J A S O N D 1) Realizar quatro reuniões plenárias durante o ano de 2014 1.1) Realização de uma

Leia mais

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO TRABALHO

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO TRABALHO CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO TRABALHO Negociação Coletiva Clausulado sobre Álcool e Drogas em meio laboral A defesa da saúde dos trabalhadores é, desde sempre, um dos objetivos prioritários

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Plataforma Contra a Obesidade

Plataforma Contra a Obesidade Plataforma Contra a Obesidade 02 Enquadramento Finalidade Diminuir a incidência e a prevalência da pré-obesidade e da obesidade através da adopção de medidas integradas de prevenção primária, prevenção

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Dependência Química Transtorno por Uso de Substâncias Por Silvia Tavares Cabral

Dependência Química Transtorno por Uso de Substâncias Por Silvia Tavares Cabral Dependência Química Transtorno por Uso de Substâncias Por Silvia Tavares Cabral A característica essencial por uso de substâncias consiste na presença de um agrupamento de sintomas cognitivos, comportamentais

Leia mais

Guidelines para uma Intervenção de Qualidade em Dissuasão. DESCRIMiNALIZAÇÃO 15 ANOS DEPOIS

Guidelines para uma Intervenção de Qualidade em Dissuasão. DESCRIMiNALIZAÇÃO 15 ANOS DEPOIS Guidelines para uma Intervenção de Qualidade em Dissuasão DESCRIMiNALIZAÇÃO 15 ANOS DEPOIS Qualidade em Saúde prestação de cuidados acessíveis e equitativos, com um nível profissional ótimo, que tem em

Leia mais

SINOPSE ESTATíSTICA 2015

SINOPSE ESTATíSTICA 2015 SINOPSE ESTATíSTICA Ficha Técnica Título: SINOPSE ESTATíSTICA - Autoria: Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) / Direção de Serviços de Monitorização e Informação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Boletim informativo semanal do CRP-09 N 17/2008

Boletim informativo semanal do CRP-09 N 17/2008 Boletim informativo semanal do CRP-09 N 17/2008 I Congresso Regional Psicologia e Políticas Públicas: O Diálogo em Construção será realizado no Centro de Convenções de Goiânia, entre os dias 25 e 27 de

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

ATIVIDADES NAS PRAIAS ÉPOCA BALNEAR 2014 PRAIA DA TORRE JULHO SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM

ATIVIDADES NAS PRAIAS ÉPOCA BALNEAR 2014 PRAIA DA TORRE JULHO SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM PRAIA DA TORRE JULHO 01 02 03 04 05 06 07 UM RESÍDUO 14 21 JOGO DAS ATÉ 28 08 09 SER 15 16 VAMOS BRINCAR E APRENDER 22 23 29 30 UM RESÍDUO 10 11 12 13 17 18 19 20 24 25 26 27 31 UM RESÍDUO SER conhecer

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência 1. INTRODUÇÃO O presente documento publicita a informação relativa à prova de equivalência à frequência do Ensino Secundário da disciplina de Psicologia B, a realizar em 2016, a nível de escola, de acordo

Leia mais

ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS

ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS EDUCADOR SOCIAL ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL SAÚDE EDUCAÇÃO MAIORES DIFICULDADES FALTA DE PROFISSIONAIS CAPACITADOS NOVA PROFISSÃO REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro II Encontro de Boas Práticas Educativas Bragança, 8 de setembro de 2016 Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela (2014-2016) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

Vinho Moderação Wine Moderation Wine Moderation Wine Moderation

Vinho Moderação Wine Moderation Wine Moderation Wine Moderation Vinho com Moderação Vinho com moderação Vinho: a cultura da moderação A produção e consumo de vinho são parte da cultura europeia desde há milénios. A UE é a maior produtora de vinhos do mundo, bem como

Leia mais

Intervenção das CDT e alterações nos comportamentos na perspetiva dos indiciados

Intervenção das CDT e alterações nos comportamentos na perspetiva dos indiciados Intervenção das CDT e alterações nos comportamentos na perspetiva dos indiciados Descriminalização: 15 anos depois 09/11/2016: A QUALIDADE DA INTERVENÇÃO EM DISSUASÃO Ludmila Carapinha, Catarina Guerreiro

Leia mais

II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas. Paula Marilia Cordeiro Caiana Silva 2016

II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas. Paula Marilia Cordeiro Caiana Silva 2016 II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas 2016 Parece improvável que a Humanidade em geral seja algum dia capaz de dispensar os paraísos artificiais, isto é, a busca pela

Leia mais

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT)

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Departamento de Saúde Pública JOVENS E TABACO - COMO INTERVIR? ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Rosa Branca Mansilha DSP da ARS Norte 29 Novembro 2013 PELT 2006-2009 PROGRAMA Escolas

Leia mais

Pense 2020 Roteiro para a Segurança Rodoviária Portugal

Pense 2020 Roteiro para a Segurança Rodoviária Portugal Pense 2020 Roteiro para a Segurança Rodoviária 2020 Portugal No decurso da consulta pública do Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária, o Automóvel Club de Portugal (ACP) detalha seguidamente

Leia mais

CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS NA POPULAÇÃO ESCOLAR DA EPADRV

CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS NA POPULAÇÃO ESCOLAR DA EPADRV CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS NA POPULAÇÃO ESCOLAR DA EPADRV Enfermeiros Hugo Santos, Cecília Silva, Rosa Mendes. Com a colaboração da Secção de Saúde e Ambiente através da Professora Graça Eckhardt e Professor

Leia mais

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos Política Nacional sobre drogas Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos A arma mais importante que nós temos- os que temos uma perspectiva democrática para a vida social para tratar do tema das drogas

Leia mais

Depressão. Em nossa sociedade, ser feliz tornou-se uma obrigação. Quem não consegue é visto como um fracassado.

Depressão. Em nossa sociedade, ser feliz tornou-se uma obrigação. Quem não consegue é visto como um fracassado. O QUE É SAÚDE? É o nosso estado natural. Segundo a O.M.S. saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade: É o estado de perfeito bem-estar físico, mental e social. Depressão Em nossa sociedade,

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

RELATÓRIO: - e toxicômanos Encaminhamento de crianças/adolescentes para tratamento à

RELATÓRIO: - e toxicômanos Encaminhamento de crianças/adolescentes para tratamento à RELATÓRIO: RELAÇÃO DOS CASOS ATENDIDOS E AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO CONSELHO TUTELAR DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE CAMPO ALEGRE, NO PERÍODO DE 01 À 31 DE JANEIRO DE 2014. Atendimentos/ ocorrências

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O CONCEITO DE DROGAS

AS CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O CONCEITO DE DROGAS AS CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O CONCEITO DE DROGAS Luiz Gonzaga de Souza Neto; Dáfine Lemos da Costa Borba; Gerlayne Teixeira de Souza; Severina Cássia de Andrade Silva; Ricardo

Leia mais

COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO

COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO GESTÃO DO STRESSE E MOTIVAÇÃO STI Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos Carlos Jorge Pereira Porto 30-09-2016 ACT ACT https://www.youtube.com/watch?v=wuypuh9ojce TÍTULO DA

Leia mais