ILUMINAÇÃO LATERAL. Arquitetura é o jogo correto e magnífico das formas sob a luz »AAR. Le Corbusier (1940)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILUMINAÇÃO LATERAL. Arquitetura é o jogo correto e magnífico das formas sob a luz »AAR. Le Corbusier (1940)"

Transcrição

1 ILUMINAÇÃO LATERAL»AAR Arquitetura é o jogo correto e magnífico das formas sob a luz Le Corbusier (1940)

2 BENEFÍCIOS DA LUZ NATURAL - Satisfação e bem estar dos usuários - Aumento da produtividade; - Redução de consumo de energia; - Contribuição para construção sustentável.

3 BENEFÍCIOS DA LUZ NATURAL A Iluminação Natural tem sido associada a: - maior produtividade - menor índice de faltas ao trabalho - diminuição de erros e defeitos em produtos - atitudes positivas - redução do cansaço - redução de fadiga visual;

4 USO DA LUZ CARTA SOLAR Verão Inverno Dupla condição de radiação no inverno e no verão Carta Solar para cidade de São Paulo Latitude 24º Sul. Fonte: Manual de Conforto Térmico Frota, Anésia Barros Schiffer, Sueli Ramos

5 ILUMINAÇÃO LATERAL

6 1 CARACTERÍSTICAS DA ILUMINAÇÃO LATERAL -Desuniformidade de distriduição pelo ambiente -Diminui rapidamente com a distância da janela. Zona de Eficiência -Eficiente até 1,5d da altura de piso a verga Fonte: Iluminação e Arquitetura Vianna, Nelson Solano Gonçalves, Joana Carla S. Fonte: Tips for Daylighting O Connor Jennifer at all Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David

7 2 CARACTERÍSTICAS DA ILUMINAÇÃO LATERAL Janela Alta INFLUÊNCIA DA ALTURA DA JANELA -Penetração mais profunda no ambiente; -boa captação de luz sem estar na linha de visão - boa iluminação do forro (boa distribuição); - boa para atividades sensíveis ao ofuscamento (ex:sala de computação) - perda da vista externa - pode-se utilizar de materiais de alta reflexão para melhor desempenho. Fonte: Iluminação e Arquitetura Vianna, Nelson Solano Gonçalves, Joana Carla S. Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David

8 3 CARACTERÍSTICAS DA ILUMINAÇÃO LATERAL Janela baixa INFLUÊNCIA DA ALTURA DA JANELA - Propiciam uma iluminação mais próxima da área da janela -Propiciam vista exterior - Provocam ofuscamento em tela de computador - Facilidade de manutenção e operação Fonte: Iluminação e Arquitetura Vianna, Nelson Solano Gonçalves, Joana Carla S. Fonte: Concepts in Architectural Lighting

9 4 PRATELEIRAS DE LUZ -melhoram distribuição de iluminação e reduzem ofuscamento; - podem ser utilizadas também como quebra-sol; -pode-se utilizar vidro claro na janela alta e vidro com controle de luz na janela baixa; -a utilização externa e interna das prateleiras Proporciona melhor desempenho durante o ano; -a parte superior da prateleira deve ser branca fosca ou difusa e não visível em nenhum ponto da sala; - forro deve ser liso e claro; -pode-se considerar diferentes formas e materiais para redirecionar raios solares ou bloqueá-los. Fonte: Tips for Daylighting O Connor Jennifer at all Fonte: Tips for Daylighting

10 5 Fonte: Sunlighting as Formgiver for Architecture LAM, William M.c.

11 6 LUZ REFLETIDA Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David

12 7 LUZ REFLETIDA DO SOL Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David

13 8 LUZ REFLETIDA Fonte: Concepts in Architectural Lighting EGAN, M. David

14 9 REFLETOR CÔCAVO Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David

15 10 REFLETOR INCLINADO Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David

16 11 LUZ REFLETIDA PELO PISO A medida que os edifícios tornam-se mais altos Estes devem ver uma maior quantidade de luz no chão para obter o reflexo da luz no interior A luz refletida no piso não é disponível sempre Fonte: Sunlighting as Formgiver for Architecture Lam, William M.C.

17 12 LUZ REFLETIDA PELA FACHADA A luz que não entra no edifício pode ser refletida para edifícios adjacentes A fachada de um edifício necessita Apenas uma pequena quantidade de área de reflexão para ter o mesmo benefício de uma área de reflexão no piso Fonte: Sunlighting as Formgiver for Architecture LAM, William M.C.

18 Fonte: Concepts in Architectural Lighting Egan, M. David 13

ILUMINAÇÃO ZENITAL. Guggenheim Museum

ILUMINAÇÃO ZENITAL. Guggenheim Museum ILUMINAÇÃO ZENITAL Guggenheim Museum 1 ILUMINAÇÃO ZENITAL Iluminação zenital: São aberturas localizadas na cobertura de uma edificação. TIPOLOGIAS DAS ABERTURAS ZENITAIS 1. Sheds 2. Lanternins 3. Teto

Leia mais

A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO

A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO Creio ser natural a aspiração do homem à luz Le Corbusier 01 QUESTIONAMENTO PRELIMINAR ILUMINAÇÃO NATURAL NA ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA POR QUÊ? BENEFÍCIOS

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO

ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO 1. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA COM A UTILIZAÇÃO DA LUZ NATURAL RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA COM

Leia mais

Iluminação natural e artificial no setor comercial

Iluminação natural e artificial no setor comercial Iluminação natural e artificial no setor comercial Profa. Roberta Vieira G. de Souza Arquiteta, Dra. em Engenharia Civil O QUE É ILUMINAR COM LUZ NATURAL? O QUE É ILUMINAR COM LUZ NATURAL? http://www.travellious.com/a

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: CONFORTO AMBIENTAL Código: ARQ056 Pré-requisito: ------

Leia mais

SISTEMA PARA A ILUMINAÇÃO NATURAL: PAINÉIS PRISMÁTICOS

SISTEMA PARA A ILUMINAÇÃO NATURAL: PAINÉIS PRISMÁTICOS SISTEMA PARA A ILUMINAÇÃO NATURAL: PAINÉIS PRISMÁTICOS Thais Cavalcanti Ferrari 1 Mara Telles Sales 2 Resumo: Desenvolve um estudo sobre sistemas prismáticos para a iluminação natural, proposto no sentido

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

Inclua em seu projeto, o fator de proteção solar LLumar Arquitetura PELÍCULAS ARQUITETÔNICAS DE ALTA PERFORMANCE

Inclua em seu projeto, o fator de proteção solar LLumar Arquitetura PELÍCULAS ARQUITETÔNICAS DE ALTA PERFORMANCE Inclua em seu projeto, o fator de proteção solar LLumar Arquitetura PELÍCULAS ARQUITETÔNICAS Mais estilo e conforto para qualquer ambiente A linha LLumar Arquitetura foi desenvolvida pela maior fabricante

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

novas SOLUÇÕES DE FACHADAS

novas SOLUÇÕES DE FACHADAS novas SOLUÇÕES DE FACHADAS nova sede infoglobo 2 FÓRUM DE DEBATES DO ALUMÍNIO E DO VIDRO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL MAIO 2015 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação 1999 Alinhamento

Leia mais

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA CARTA SOLAR

CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA CARTA SOLAR Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA CARTA SOLAR Azimute solar Altura solar Trajetória solar nos equinócios e solstícios

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Atividade: Trabalho final de graduação II Atividade 4 - Experimentação Professor(es): Erika Gil, Francisco Spadoni,

Leia mais

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas Carga Térmica Definições Métodos de Cálculo Ferramentas de simulação Normas Condições externas e internas PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados -

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Clima MÁSCARAS OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Clima MÁSCARAS OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Clima MÁSCARAS OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 1º semestre de 2014 A CARTA DE TRAJETÓRIA SOLAR

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

06/05/2015 AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & BIOCLIMATISMO EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

06/05/2015 AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & BIOCLIMATISMO EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & 015 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20 BIOCLIMATISMO Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 1 ATENÇÃO: AJUSTE NA PROGRAMAÇÃO (CONTEÚDO) Data ANTES DEPOIS 06/05 Bioclimatismo

Leia mais

O espaço atual. E por conta de existirem 2 andares no LAME, no piso superior deveria ter um sistema de proteção contra quedas adequado.

O espaço atual. E por conta de existirem 2 andares no LAME, no piso superior deveria ter um sistema de proteção contra quedas adequado. O espaço atual Em relação à distribuição das máquinas, segundo a NR12 a distância mínima entre máquinas deve ser de 0,6m a 0,8m, portanto, as distâncias entre as máquinas presentes no LAME é adequada para

Leia mais

AUT º SEMESTRE / 2009

AUT º SEMESTRE / 2009 AUT02 13 2º SEMESTRE / 2009 O PROJETO DA ILUMINAÇÃO NO EXERCÍCIO DA ARQUITETURA Docentes Paulo Sergio Scarazzato (Turma 01) - Terças-feiras, das 8 às 12h Antonio Carlos Mingrone (Turam02) - Quintas-Feiras,

Leia mais

COMPONENTES DE CONTROLE DE LUZ NATURAL EM SALAS DE AULA E SEU DESEMPENHO CONFORME A ORIENTAÇÃO SOLAR DO EDIFÍCIO

COMPONENTES DE CONTROLE DE LUZ NATURAL EM SALAS DE AULA E SEU DESEMPENHO CONFORME A ORIENTAÇÃO SOLAR DO EDIFÍCIO X ENCONTRO NACIONAL e VI ENCONTRO LATINO AMERICANO de C O N F O R T O N O A M B I E N T E C O N S T R U Í D O Natal, 16 a 18 de setembro de 2009 COMPONENTES DE CONTROLE DE LUZ NATURAL EM SALAS DE AULA

Leia mais

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004).

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004). ARQUITETURA SUSTENTÁVEL Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004). É uma forma de promover a busca pela igualdade social, valorização

Leia mais

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

A ILUMINAÇÃO NATURAL ATRAVÉS DE ABERTURAS LATERAIS

A ILUMINAÇÃO NATURAL ATRAVÉS DE ABERTURAS LATERAIS A ILUMINAÇÃO NATURAL ATRAVÉS DE ABERTURAS LATERAIS CECCHETTO; Carise Taciane 1 ; CHRISTMANN, Samara Simon 2 ; ANDRADE, Márcia Susana Stürmer de 3. Resumo: O uso da iluminação natural é uma importante estratégia

Leia mais

SOMBRA: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOMBRA: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO SOMBRA: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Aplicação da Geometria Descritiva e da Carta Solar para determinação do Sombreamento

Leia mais

UNIDADE III DIMENSIONAMENTO BRISES

UNIDADE III DIMENSIONAMENTO BRISES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA DR.PROF. EDUARDO GRALA DA CUNHA DR. PROF. ANTÔNIO CÉSAR BAPTISTA DA SILVA MESTRANDA: JAQUELINE PEGLOW

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Iluminação em ambientes de trabalho

Iluminação em ambientes de trabalho a r t i g o Iluminação em ambientes de trabalho Por Carolina Rocha Mota A relação entre o projeto luminotécnico e a produtividade dos funcionários Divulgação Philips Tem-se observado nos últimos anos,

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO DUPLO VENEZIANAS LUXVENT SISTEMA DE VENTILAÇÃO NATURAL EXHAUST SISTEMA SKYLUX ESTRUTURADO SISTEMA INTRALUX A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE ENGENHARIA

Leia mais

PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS

PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS 1 www.energyplus.gov 2 3 4 Faixa de conforto = de 19,5 à 28 C, máximo 300 h/ano fora da faixa

Leia mais

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo a u l a r á p i d a Iluminação Natural Por Guillermo E. Gonzalo Estudo realizado para salas de aula em Tucumán ESTUDOS REALIZADOS SOBRE RENDIMENTO ESCOLAR, NOS QUAIS foram analisados os resultados de 21

Leia mais

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG NEVES, Tamiris dos Santos 1 ; GOMES, Adriano P. 2 1. Bolsista PIBIC-JR, Aluna do Curso de Edificações/IFMG-OP, tamiris_sn@yahoo.com.br

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 11.05.2016 CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro Roteiro básico da arquitetura

Leia mais

O PROJETO DE ILUMINAÇÃO NA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO

O PROJETO DE ILUMINAÇÃO NA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO O PROJETO DE ILUMINAÇÃO NA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Maria Maia Porto Universidade Federal do Rio de Janeiro - COPPE - Eng. de Produção - APIT Rua Nina Rodrigues, 93 / apto 202 - Jardim Botânico -

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

DESENVOLVIDOS NO BRASIL, PERFEITOS PARA O NOSSO CLIMA.

DESENVOLVIDOS NO BRASIL, PERFEITOS PARA O NOSSO CLIMA. V I D R O S D E C O N T R O L E S O L A R SunGuard Neutral, Blue e Chrome. DESENVOLVIDOS NO BRASIL, PERFEITOS PARA O NOSSO CLIMA. Especialmente criados para responder às necessidades do mercado brasileiro,

Leia mais

Balanço Térmico da Edificação

Balanço Térmico da Edificação Balanço Térmico da Edificação Profa. Dra. Denise Duarte, Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar) Uso: Ocup/

Leia mais

Contribuição das janelas para a iluminação natural

Contribuição das janelas para a iluminação natural Urban Rehabilitation Week Lisbon, LNEC, 5-7 April 2016 Workshop 4 Seleção da Caixilharia em Função da Exposição. A Nova Norma NP 4517 (Workshop 4 - Selection of Fenestration in Function of Exposure. The

Leia mais

Pré e Pós questionário para o Workshop. Workshop: Environmental Principles & Architectural Design

Pré e Pós questionário para o Workshop. Workshop: Environmental Principles & Architectural Design Pré e Pós questionário para o Workshop OBJETIVO DO QUIZ: Pré-Workshop: Avaliar o conhecimento de conforto ambiental de cada participante, para melhor direcionamento dos temas a serem tratados no Workshop.

Leia mais

NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM MODELO FÍSICO REDUZIDO E AMBIENTE REAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL COMPARATIVO

NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM MODELO FÍSICO REDUZIDO E AMBIENTE REAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL COMPARATIVO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM MODELO FÍSICO REDUZIDO E AMBIENTE REAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL COMPARATIVO BERGER, Jaqueline 1 ; HILLER, Raquel 2 ; SIGNORINI,Vanessa 3 e CORREA, Celina Maria Britto 4 ¹ Mestranda

Leia mais

SIMULAÇÃO DE ILUMINAÇÃO NATURAL: UMA ANÁLISE DO DESEMPENHO FRENTE A DIFERENTES CARACTERÍSTICAS DE CÉU E ESPECULARIDADE DE SUPERFÍCIES.

SIMULAÇÃO DE ILUMINAÇÃO NATURAL: UMA ANÁLISE DO DESEMPENHO FRENTE A DIFERENTES CARACTERÍSTICAS DE CÉU E ESPECULARIDADE DE SUPERFÍCIES. SIMULAÇÃO DE ILUMINAÇÃO NATURAL: UMA ANÁLISE DO DESEMPENHO FRENTE A DIFERENTES CARACTERÍSTICAS DE CÉU E ESPECULARIDADE DE SUPERFÍCIES. Roberta Vieira Gonçalves de Souza, Doutoranda (1, 2); Adriano Kremer,

Leia mais

Escritório Bom de Ficar

Escritório Bom de Ficar c a s e Fotos: Pedro Rubens Escritório Bom de Ficar Da Redação Um Projeto Premiado O ESPAÇO DE TRABALHO SOFREU mudanças em diferentes aspectos ao longo da história, mas conforme o computador foi se tornando

Leia mais

EXPERIENCE FROM NEW BUILDINGS AND RETROFITTING IN BRAZIL

EXPERIENCE FROM NEW BUILDINGS AND RETROFITTING IN BRAZIL IEA-SHC TASK 50 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE ILUMINAÇÃO PARA RETROFIT DE EDIFÍCIOS EXPERIENCE FROM NEW BUILDINGS AND RETROFITTING IN BRAZIL ROBERTA V G SOUZA NEW BUILDINGS NBR ISO CIE 8995/2013 Cost of implementation

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

SIMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL PARA ECONOMIA DE ENERGIA E CONFORTO LUMÍNICO EM EDIFICAÇÕES

SIMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL PARA ECONOMIA DE ENERGIA E CONFORTO LUMÍNICO EM EDIFICAÇÕES SIMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL PARA ECONOMIA DE ENERGIA E CONFORTO LUMÍNICO EM EDIFICAÇÕES Léa T.A. de Carvalho FAU/ UFRJ. Ed. Reitoria - sala 438 Cidade Universitária. RJ Leopoldo E. G. Bastos COPPE/UFRJ

Leia mais

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Prof. Dr. Fernando Cremonesi, Profa. Dra. Roberta Kronka, Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro, Prof.

Leia mais

Ventilação natural. Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro AUT DESEMPENHO TÉRMICO, ARQUITETURA E URBANISMO

Ventilação natural. Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro AUT DESEMPENHO TÉRMICO, ARQUITETURA E URBANISMO Ventilação natural Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro 1. Introdução 2. Ventilação Natural 3. Procedimentos de Cálculo 4. Exemplos Projetuais e Aplicações 5. Considerações

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO ENGENHARIAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO ZAFRA, Jennifer Carolina G. Estudante do Curso de Engenharia Civil de Infraestrutura ILATIT UNILA; E-mail: jennifer.zafra@aluno.unila.edu.br;

Leia mais

XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 PROPOSTA DE UM DISPOSITIVO PARA AUMENTAR O

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1.

Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1. Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1. 1.Sobre os conceitos fundamentais da Óptica, é correto afirmar que a) quanto mais afastado está um objeto de uma câmara escura menor é a sua imagem dentro da mesma. b)

Leia mais

MALHAS DE ALTA PERFORMANCE ALUMINIZADA VOCÊ NO CONTROLE!

MALHAS DE ALTA PERFORMANCE ALUMINIZADA VOCÊ NO CONTROLE! MALHAS DE ALTA PERFORMANCE ALUMINIZADA VOCÊ NO CONTROLE! Aluminet é uma malha de sombra aluminizada termorrefletora de alta qualidade desenvolvida pela empresa Ginegar Polysack. No verão, diminui a entrada

Leia mais

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE Sumário PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE 25 A O clima como um contexto 27 Sol 1 O QUADRANTE SOLAR usado com uma maquete simula a posição variável do sol e de sua sombra durante o dia e ao longo do ano. 28 2

Leia mais

Ajuste da Radiação Solar Incidente

Ajuste da Radiação Solar Incidente Ajuste da Radiação Solar Incidente Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar)

Leia mais

CASA DO PADRÃO - LEIRIA (2002) Principios bioclimáticos na arquitectura corrente

CASA DO PADRÃO - LEIRIA (2002) Principios bioclimáticos na arquitectura corrente CASA DO PADRÃO - LEIRIA (2002) Principios bioclimáticos na arquitectura corrente A localização em questão: as primeiras impressões são contrariadas pela análise geo- climática do terreno: uma encosta muito

Leia mais

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA CLIMA E ARQUIETURA >>> Como a arquitetura pode contribuir na redução do consumo energético de uma edificação mantendo suas condições de conforto? Estratégias de projeto arquitetônico

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética Complexos Escolares Exemplos de Eficiência Energética Empresa de consultoria em Construção Sustentável, especializada no acompanhamento ao Gabinete de Arquitectura ou Promotor. Desde o inicio em assessoria

Leia mais

2 pétalas 4 pétalas 1 pétala + 2 luminárias 1 luminária 1 luminária 1luminária para passeio para passeio para passeio de passeio.

2 pétalas 4 pétalas 1 pétala + 2 luminárias 1 luminária 1 luminária 1luminária para passeio para passeio para passeio de passeio. 1. SIMBOLOGIA Formatos mais empregados em projetos de iluminação artificial para luminárias e/ou projetores nos projetos de paisagismo (praças, jardins, passeios, etc). As medidas dessas luminárias e/ou

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

FINALIZAÇÃO DO SIMULADOR SOLAR HELIODON RESUMO

FINALIZAÇÃO DO SIMULADOR SOLAR HELIODON RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 40 L U M E A R Q U I T E T U R A c a s e Na sala de reuniões, LEDs destacam a textura do revestimento das paredes. Mesma tecnologia é utilizada nas circulações. Fotos: Guinter Parschalk Edifício corporativo

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

PROJETO DE BRISE-SOLEIL

PROJETO DE BRISE-SOLEIL BRISES PROJETO DE BRISE-SOLEIL Dispositivo arquitetônico, formado por uma ou mais lâminas externas à edificação, que têm a função principal de controlar a incidência de radiação solar na edificação. Geralmente

Leia mais

Matt ou Especular. Faz diferença? t e n d ê n c i a s. Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR. Principais diferenças

Matt ou Especular. Faz diferença? t e n d ê n c i a s. Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR. Principais diferenças t e n d ê n c i a s Foto: Andrés Otero / Proj. Luminotécnico: Franco & Fortes Lighting Design Matt ou Especular Faz diferença? Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR um número enorme de opções

Leia mais

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1 G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Introdução A partir da análise do Edifício E1, entende-se que é papel do

Leia mais

AULA 06: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

AULA 06: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO AULA 06: Prof. Thiago Gomes ASPECTOS INICIAIS Cuidados Domésticos no dia-a-dia Motivos dos cuidados especiais no trabalho. Motivo A: Motivo B: 1 ASPECTOS INICIAIS Morte Doenças ocupacionais LER DORT ASPECTOS

Leia mais

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Aplicação da Carta Solar para Sombreamento Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre

Leia mais

Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios

Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios SEMINÁRIO Eficiência energética e arquitectura solar passiva: exemplos de aplicação JOÃO SANTA RITA Universidade do Minho, Guimarães

Leia mais

Window Film Neutral 35

Window Film Neutral 35 Window Film Neutral 35 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

Plano de Ensino. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º Semestre. CARGA HORÁRIA: 40 h TURNO: Noturno TURMA: EDS 01/T5

Plano de Ensino. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º Semestre. CARGA HORÁRIA: 40 h TURNO: Noturno TURMA: EDS 01/T5 Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU: ( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Aula 4 CONTROLE DA TEMPERATURA INTERIOR Paredes Coberturas - Aberturas

Aula 4 CONTROLE DA TEMPERATURA INTERIOR Paredes Coberturas - Aberturas Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 18.03.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 4 CONTROLE DA TEMPERATURA INTERIOR Paredes Coberturas - Aberturas Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas ANEXO 3 DADOS RELATIVOS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas 1. Considerações gerais As edificações comerciais apresentam

Leia mais

Programa EcoCommercial Building Brasil. Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis

Programa EcoCommercial Building Brasil. Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Programa EcoCommercial Building Brasil Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Programa EcoCommercial Building Serviços Engenharia Energias renováveis Arquitetura Plano Energético Iluminação

Leia mais

Green Building 02/27/2013. Sustentabilidade. Green Building GREEN BUILDING ESTUDO DA CARGA TÉRMICA DE UM EDIFÍCIO ECO-SUSTENTÁVEL

Green Building 02/27/2013. Sustentabilidade. Green Building GREEN BUILDING ESTUDO DA CARGA TÉRMICA DE UM EDIFÍCIO ECO-SUSTENTÁVEL Universidade Santa Cecília FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA JONATAS LURA FERREIRA LUAN MARCO CANUTO DE OLIVEIRA MIRANDA RAFAEL CINTRA MATHIAS RAFAEL FERNANDES BLEY GREEN BUILDING ESTUDO DA CARGA TÉRMICA

Leia mais

ELEMENTOS DE FACHADA E O DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM SALAS DE AULA: O CASO DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - CAMPUS COLATINA 1

ELEMENTOS DE FACHADA E O DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM SALAS DE AULA: O CASO DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - CAMPUS COLATINA 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 ELEMENTOS DE FACHADA E O DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE IMAGENS HDR

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE IMAGENS HDR ENGENHARIAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE IMAGENS HDR IBAÑEZ, Cristian Andres. Estudante do Curso de Engenaria Civil de Infraestrutura - ILATIT UNILA; E-mail: cristian.ibanez@aluno.unila.edu.br;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS Weslley Oliveira de Araújo¹; Maria Joselma de Moraes²; Israel Candido da Silva 2 1 Colaborador, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SOMBRAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SOMBRAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SOMBRAS Aplicação da Geometria Descritiva e da Carta Solar para determinação do Sombreamento

Leia mais

Melhoria das condições de iluminação natural

Melhoria das condições de iluminação natural Urban Rehabilitation Week Lisbon, LNEC, 5-7 April 2016 Workshop 5 Reabilitação integrada de edifícios antigos (Workshop 5 - Integrated Rehabilitation of old buildings) Melhoria das condições de iluminação

Leia mais

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos António J.C. Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios - Núcleo de Acústica e Iluminação Workshop Eficiência Energética

Leia mais

ESTUDO DO DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL E A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO: estudo de caso. Arquimedes Rotta Neto 1. Paula Silva Sardeiro Vanderlei 2

ESTUDO DO DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL E A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO: estudo de caso. Arquimedes Rotta Neto 1. Paula Silva Sardeiro Vanderlei 2 7 e 8 Novembro 2012 ESTUDO DO DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL E A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO: estudo de caso Arquimedes Rotta Neto 1 Paula Silva Sardeiro Vanderlei 2 RESUMO A arquitetura de uma edificação é

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Valor: 10 Nota: 1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. I. Se uma vela é

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA condicionantes do projeto arquitetônico

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA condicionantes do projeto arquitetônico FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA condicionantes do projeto arquitetônico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA Curso: Engenharia Civil Profª. Raquel Portes condicionantes do projeto arquitetônico

Leia mais

Iluminação Artificial Luminotécnica Aplicada

Iluminação Artificial Luminotécnica Aplicada Iluminação Artificial Luminotécnica Aplicada Introdução Entender os conceitos de iluminação, as novas tecnologias, e aprender a fazer cálculos é fundamental em projetos de luminotecnia são as propostas

Leia mais

perkinswill.com OUTUBRO 2017

perkinswill.com OUTUBRO 2017 perkinswill.com OUTUBRO 2017 SUMÁRIO ESTUDOS DE CASO TENDÊNCIA E INOVAÇÃO perkinswill.com perkinswill.com perkinswill.com FLEURY ITAIM perkinswill.com Ambiente de Saúde Laboratório Clínico; Edifício Novo;

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO Catharina Macedo catharina.macedo@gmail.com PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO 1. BREVE HISTÓRICO 2. VANTAGENS

Leia mais

APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO. Eusébio Conceição

APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO. Eusébio Conceição APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO Eusébio Conceição FCT - Universidade do Algarve - Faro OBJECTIVOS Desenvolvimento de um novo sistema de controlo de sistemas AVAC baseados

Leia mais

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Orientação dos Módulos Fotovoltaicos Sistemas de Energia Solar e Eólica 2 Introdução Algum conhecimento sobre a incidência dos

Leia mais

FOTOGRAFIAS. FOTO N o 1 FOTO N o 2. FOTO N o 3 FOTO N o 4. ENGENHARIA DE PERÍCIAS E AVALIAÇÕES Eng. Ricardo Henrique de Araujo Imamura

FOTOGRAFIAS. FOTO N o 1 FOTO N o 2. FOTO N o 3 FOTO N o 4. ENGENHARIA DE PERÍCIAS E AVALIAÇÕES Eng. Ricardo Henrique de Araujo Imamura FOTOGRAFIAS FOTO N o 1 FOTO N o 2 Vista do Edifício Araqua, situado à Rua Aurora N o 544 Saúde, Capital, sem Garagem, na Diligência de 02/02/2012. Vista do Edifício Araqua na Rua Aurora. FOTO N o 3 FOTO

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

MSc. Keliane Castro. Cinema

MSc. Keliane Castro. Cinema MSc. Keliane Castro Cinema Embora saibamos que a tecnologia já nos proporciona formas diferenciadas de contato com a linguagem audiovisual, assistir a um filme no sofá da sala, na tela do computador ou

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ILUMINAÇÃO ZENITAL NO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE RESIDENCIAL

A INFLUÊNCIA DA ILUMINAÇÃO ZENITAL NO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE RESIDENCIAL Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade A INFLUÊNCIA DA ILUMINAÇÃO ZENITAL NO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM AMBIENTE RESIDENCIAL THE INFLUENCE OF ZENITAL ILLUMINATION IN THE THERMAL BEHAVIOR OF A RESIDENTIAL

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

MELHORIA NO DESEMPENHO LUMÍNICO DE EDIFÍCIO COM SISTEMA NÃO CONVENCIONAL DE ILUMINAÇÃO NATURAL

MELHORIA NO DESEMPENHO LUMÍNICO DE EDIFÍCIO COM SISTEMA NÃO CONVENCIONAL DE ILUMINAÇÃO NATURAL XIII Encontro acional e IX Encontro Latino-americano de Conforto no Ambiente Construído MELHORIA O DESEMPEHO LUMÍICO DE EDIFÍCIO COM SISTEMA ÃO COVECIOAL DE ILUMIAÇÃO ATURAL Ary Rodrigues Alves etto (1);

Leia mais

Tipo 1: espaços internos livres e área de estar na varanda. Tipo 2: mesa de jantar para 8, escritório e área de estar na varanda.

Tipo 1: espaços internos livres e área de estar na varanda. Tipo 2: mesa de jantar para 8, escritório e área de estar na varanda. IKAROS A idéia proposta pelo grupo alemão é de que este seja um espaço de vivência flexível, tornando possível que o usuário o configure conforme sua necessidade. O espaço foi pensado para ser amplo e

Leia mais

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 06.05.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 5 Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

Incorporadora e Construtora. 38 anos no mercado. 121 empreendimentos lançados

Incorporadora e Construtora. 38 anos no mercado. 121 empreendimentos lançados Incorporadora e Construtora 38 anos no mercado 121 empreendimentos lançados 3,5 milhões de metros quadrados de área construída e em construção (24.475 unidades) EZ TOWERS certificação e diferenciais ambientais

Leia mais

A LUZ CERTA NO LUGAR CERTO

A LUZ CERTA NO LUGAR CERTO A LUZ CERTA NO LUGAR CERTO Desde sua fundação, a Ever Light busca constantemente soluções inovadoras em iluminação. Com base nesta premissa, novos produtos foram desenvolvidos com base nos conceitos de

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA ALGUNS TÓPICOS SOBRE CLIMA E EQUILÍBRIO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS

CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA ALGUNS TÓPICOS SOBRE CLIMA E EQUILÍBRIO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 20.05.2014 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA ALGUNS TÓPICOS SOBRE CLIMA E EQUILÍBRIO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS Profª Claudete Gebara J. Callegaro - Mestranda

Leia mais