01/08/16. Introdução. Hipotermoterapia. Conceito. Hipotermoterapia. Crioterapia X Inflamação. Efeitos sobre a Temperatura Corporal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "01/08/16. Introdução. Hipotermoterapia. Conceito. Hipotermoterapia. Crioterapia X Inflamação. Efeitos sobre a Temperatura Corporal"

Transcrição

1 Hipotermoterapia Prof. Coca Introdução Hipocrates indicava a Crioterapia, com a finalidade de analgesia pos-cirurgica ou tratamento convencional. Tredelemburguer observou que o gelo poderia ser lesivo. Kabat alavanca a utilização da Crioterapia com seu PNF. Knight lançou uma nova abordagem no tratamento envolvendo o gelo, propondo novas tecnicas e confrontando vasoconstrição e vasodilatação. Conceito É o resfriamento local de uma determinada região corporal a ser tratada com finalidade terapeutica. Meio resfriante pode ser solido / liquido / gasoso. Hipotermoterapia A crioterapia é um dos recursos mais baratos e amplamente recomendado no tratamento imediato de lesões musculares esqueléticas. O principal objetivo da utilização da crioterapia é o de minimizar seqüelas adversas que estão relacionadas ao processo de lesão (dor, edema, hemorragia, espasmo muscular) e principalmente, reduzir a área de lesão secundária Crioterapia X Inflamação A crioterapia reduz os riscos de lesão por hipoxia secundária se aplicado logo após as lesões traumáticas, pois diminui as necessidades de oxigênio das células localizadas na região traumática em virtude de diminuição da oferta de sangue. Guirro e col. (1999), relatam que em 37 C uma célula apresenta um consumo máximo de oxigênio (100%), sendo que a 15 C a sua necessidade reduz a 10 %. Efeitos sobre a Temperatura Corporal A temperatura cutanea cai abruptamente apos aplicação do gelo, com os efeitos diretos se mantendo apos 1 hora da retirada (Knight 1995) Segundo Rodrigues (1995), a recuperação total da temperatura superficial pode durar entre 1 e 2 horas, mas sua recuperação parcial apos 20 e 30 minutos de retirada já permitiria uma nova aplicação sem prejuizos. Quanto mais profundo for o tecido, mais lenta será nele a queda da temperatura Deve-se observar a camada de tecido adiposo da area a ser aplicado o gelo É indicada para maior resfriamento do tecido profundo a aplicacao de uma tecnica intermitente apos curto intervalo de recuperacao. 1

2 No metabolismo no tecido: A redução do metabolismo é um dos principais efeitos fisiológicos das aplicações do frio. À redução da temperatura e do metabolismo dá-se o nome de hipotermia. O objetivo principal da hipotermia é reduzir a atividade metabólica dos tecidos envolvidos, para que aqueles que estejam lesados, ou recebendo pouco oxigênio, tenha uma melhor condição de sobrevivência. Sobre os nervos: Através da diminuição da neurocondução. O uso da crioterapia faz com que haja uma aumento da duração do potencial de ação nos nervos sensoriais e, consequentemente, um aumento do período refratário. Sobre a dor: Ocorre diminuição da dor por 2 mecanismos: pela diminuição da neurocondução e pela eliminação da causa (edema ou espasmo muscular). Sobre o mecanismo neuromuscular / Espasmo muscular O resfriamento limita a velocidade de condução nervosa das fibras Ia e II e também inibe o neurônio motor gama, diminuindo assim o arco reflexo miotático. O efeito direto do gelo sobre o fuso muscular leva a uma diminuição da sensibilidade fusal e do reflexo tendinoso e explicam o uso do gelo para diminuição do tônus muscular Sobre o mecanismo neuromuscular / Espasticidade O frio reduz os impulsos excitatórios do fuso muscular, junção neuromuscular e nervos periféricos, promovendo o relaxamento muscular e reduzindo, assim, a espasticidade. Deve ser aplicado previamente a cinesioterapia e seu de relaxamento da espasticidade perdura de 30 minutos a 2 horas Sobre a inflamação A ação antiinflamatória da crioterapia ocorre devido à diminuição do metabolismo na área lesada, além de se opor à vasodilatação inflamatória. Atenua alguns sintomas da inflamação, como a dor, o calor, a formação do edema e diminui o espasmo muscular do paciente, promovendo, desta forma, um retorno mais precoce às atividades da vida diária. Seus efeitos terapêuticas parecem estar ligados principalmente à prevenção da lesão hipóxica secundária. 2

3 Sobre o edema A vasoconstrição arteriolar associado a um menor fluxo sanguíneo, contribuem para a redução da hemorragia e do edema. A crioterapia impede a acentuação do edema por tornar o sangue mais viscoso e diminuir a permeabilidade celular. A crioterapia diminui a liberação das substâncias que perpetuam a inflamação (histamina) Sobre a propriedade dos tecidos: A crioterapia diminui a extensibilidade dos tecidos moles reduzindo a flexibilidade. Aumento da viscosidade do líquido sinovial. Vasoconstricção Há uma vasoconstricção imediata dos vasos sanguíneos cutâneos, mostrada pela ocorrência de uma palidez. A viscosidade sanguínea aumenta devido ao resfriamento e isto também contribui para a redução da perfusão sanguínea Tecidos mais profundos tendem a resfriar e reaquecer mais lentamente que a pele e tecidos superficiais a 1 cm ou menos. Vasolidatação Induzida pelo Frio Este é um tema que gera muita controvérsia entre os autores. Inicialmente temos uma vasoconstricção e em torno de 5 minutos acontece uma vasodilatação. Essa é então interrompida por outro episódio de vasoconstrição e subseqüentes ondas de aumento e diminuição do fluxo sangüíneo local. Esse fenômeno é conhecido como vasodilatação induzida pelo frio (VDIF) Indicações Pos-trauma imediato Quadros algicos Dores difusas ou irradiadas Pos-amputação Espasmos musculares Patologias Reumatologicas em Geral 3

4 Contra-Indicações Reynold Hipersensiblidade / Reynaud Aversão ao Frio Alterações circulatorias Diabeticos Aplicacao sobre feridas abertas Reynold Protocolo Geral para aplicação gelo TEMPO 20 a 30 minutos TEMPO PARA REPETIR 30 minutos MINIMO DE VEZES 5 vezes / dia Proteção contra queimaduras Respeitar limiar doloroso Hydrocollator ou pacotes de gelo Hydrocollator ou pacotes de gelo 4

5 Hydrocollator ou pacotes de gelo Pacote quimico Bolsa de borracha Bolsa de borracha Panqueca de gelo Areas menores 1 C a 5 C por ate 30min. Areas maiores 10 C a 15 C a 20min. 5

6 Criomassagem Criospray Polar Care 6

7 Criosauna Aberta Criosauna Fechada Técnicas Banho contraste Se da pela imersão alternada em recipientes com H2O fria e quente Promovem atividades vasomotoras, caracterizando uma ginastica vascular Devemos levar alguns fatores em consideração ao aplicar a técnica: Profundidade da lesao Superficial 10 a 15min. / Profundo 30min. Estagio da Lesão Subaguda ou Crônica Objetivo Drenagem de edema residual Regras Básicas Para o Banho de Contraste: Iniciar e terminar imersões pelo mesmo recipiente Tempo de em Quente = 2x ou 3x tempo Frio Realizar ao menos 5 imersões totais 7

CRIOTERAPIA. Prof. Msc. Carolina Vicentini

CRIOTERAPIA. Prof. Msc. Carolina Vicentini CRIOTERAPIA Prof. Msc. Carolina Vicentini MODALIDADE VERSÁTIL e BAIXO CUSTO TERAPIA POR RESFRIAMENTO SUPERFICIAL (CRIOTERAPIA) TERMÓLISE e DIMINUIÇÃO DO MOVIMENTO MOLECULAR CRIOTERAPIA (os benefícios terapêuticos

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

LESÕES DESPORTIVAS: CALOR OU GELO? Caderno I

LESÕES DESPORTIVAS: CALOR OU GELO? Caderno I LESÕES DESPORTIVAS: CALOR OU GELO? Caderno I Tratamento de Lesões: Aplicação de Quente ou Frio? O gelo provoca uma vasoconstrição, diminuindo inchaço (edema), o metabolismo local e o impulso nervoso (que

Leia mais

UM POUCO DE HISTÓRIA. Medicina do Treino Desportivo UM POUCO DE HISTÓRIA UM POUCO DE HISTÓRIA. José Gomes Pereira Curso COP, 29 de Novembro de 2014

UM POUCO DE HISTÓRIA. Medicina do Treino Desportivo UM POUCO DE HISTÓRIA UM POUCO DE HISTÓRIA. José Gomes Pereira Curso COP, 29 de Novembro de 2014 Medicina do Treino Desportivo Tratamento de lesões da pele através do frio (A.W.Pusey,1908) Tratamento com redução da temperatura dos tecidos, sem causar a sua destruição. (Zagrobelny et al. 1999; Jezierski

Leia mais

Massagem com Pedras Quentes Associada à Cosméticos Terapêuticos.

Massagem com Pedras Quentes Associada à Cosméticos Terapêuticos. Massagem com Pedras Quentes Associada à Cosméticos Terapêuticos. www.lavertuan.com.br Massagem com Pedras Quentes Associada à Cosméticos Terapêuticos. Cada vez mais as pessoas buscam diferentes formas

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

REABILITAÇÃ O NA DOR

REABILITAÇÃ O NA DOR REABILITAÇÃ O NA DOR PAULO FERNANDO LÔBO CORRÊA ESPECIALISTA EM FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL (COFFITO E ABRAFIN) PÓS-GRADUADO EM FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA E NEONATAL (PUC-GO) MESTRANDO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

TT-EEFEUSP TT-EEFEUSP

TT-EEFEUSP TT-EEFEUSP emergências ambientais Exposição a condições extremas de temperatura Calor EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS Frio Prof ª. Dra. Taís Tinucci Socorros de Urgência queimadura solar Eritema e dor na pele que se inicia

Leia mais

Modalidades fisioterapêuticas. Profa. Dra. Daniela Cristina Carvalho de Abreu Alunas PAE: Jaqueline Mello Porto Paola Errera Magnani

Modalidades fisioterapêuticas. Profa. Dra. Daniela Cristina Carvalho de Abreu Alunas PAE: Jaqueline Mello Porto Paola Errera Magnani Modalidades fisioterapêuticas Profa. Dra. Daniela Cristina Carvalho de Abreu Alunas PAE: Jaqueline Mello Porto Paola Errera Magnani - Analgesia - Diminuir rigidez matinal Fisioterapia OBJETIVOS - Aumentar

Leia mais

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE FLEXIBILIDADE REVISÕES Formas de manifestação da flexibilidade: CONCEITO: Flexibilidade pode ser definida como a capacidade dos tecidos corporais em permitir, sem danos

Leia mais

DEGUSTAÇÃO CRIOTERAPIA: TEORIA E PRÁTICA BASEADAS EM EVIDÊNCIAS INTRODUÇÃO CHRISTIANE DE SOUZA GUERINO MACEDO RINALDO ROBERTO DE JESUS GUIRRO

DEGUSTAÇÃO CRIOTERAPIA: TEORIA E PRÁTICA BASEADAS EM EVIDÊNCIAS INTRODUÇÃO CHRISTIANE DE SOUZA GUERINO MACEDO RINALDO ROBERTO DE JESUS GUIRRO INTRODUÇÃO CRIOTERAPIA: TEORIA E PRÁTICA BASEADAS EM EVIDÊNCIAS CHRISTIANE DE SOUZA GUERINO MACEDO RINALDO ROBERTO DE JESUS GUIRRO A crioterapia, definida como aplicação de gelo com objetivos terapêuticos,

Leia mais

Equilíbrio térmico durante o exercício

Equilíbrio térmico durante o exercício Equilíbrio térmico durante o exercício Objetivo da termorregulação? - Manutenção da temperatura interna constante - Manter a proporção em produção e perda de calor Centro de controle da temperatura? -

Leia mais

SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS

SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS Características Sistema epicrítico Sistema protopático Submodalidades Tato fino, propriocepção consciente Tato grosseiro, termossensibilidade,

Leia mais

ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS) Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added

ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS) Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS) Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added 1 DOR & ANALGESIA! A d o r é u m a d a s p r i n c i p a i s q u e i x a s clínicas dos pacientes! A fisioterapia tem vários

Leia mais

Equilíbrio térmico durante o exercício

Equilíbrio térmico durante o exercício Equilíbrio térmico durante o exercício Objetivo da termorregulação? - Manutenção da temperatura interna constante - Manter a proporção em produção e perda de calor Centro de controle da temperatura? -

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A 1. Contributo Para a Definição da Capacidade - Flexibilidade 2. Factores Condicionantes do Desenvolvimento da Flexibilidade 3. Conclusões Metodológicas 1 1. Contributo

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório / Inespecífico Sistema Imune Antígeno Específico: Antecipatório Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório /

Leia mais

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento Estímulo sensitivo Medula Resposta Aula 4 1 ESTRUTURA FUNCIONAL DO SISTEMA

Leia mais

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Musculatura corporal Músculo Cardíaco Músculo atrial Contração = esquelética Músculo ventricular Maior duração

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia do Sistema Cardiovascular Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Introdução ao Sistema Cardiovascular Coração e sistema fechado de vasos. Sangue move-se continuamente por gradiente de pressão.

Leia mais

BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA. Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi

BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA. Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi A FOTOTERAPIA é considerada uma das maiores revoluções tecnológicas para as ciências

Leia mais

3/11/2010 LESÕES DO ESPORTE LESÕES DOS TECIDOS MUSCULOESQUELÉTICOS

3/11/2010 LESÕES DO ESPORTE LESÕES DOS TECIDOS MUSCULOESQUELÉTICOS LESÕES DO ESPORTE CLASSIFICAÇÃO GERAL AGUDA Lesão inicial, ocorre subtamente; Ex: fraturas, cortes, contusões. CRÔNICA Lesão que se desenvolve em um longo período ou perdura por muito tempo; Ex: cotovelo

Leia mais

Proprioceptores. Proprioceptores

Proprioceptores. Proprioceptores Proprioceptores São órgãos sensoriais encontrados nos músculos e articulações. Sua função é conduzir informações sensoriais para o SNC a partir dos músculos, tendões,articulações e ligamentos. Estão relacionados

Leia mais

Sistema Nervoso Parte V. e sensações térmicas. Prof. Jéssica V. S. M.

Sistema Nervoso Parte V. e sensações térmicas. Prof. Jéssica V. S. M. Sistema Nervoso Parte V Sensações somáticas: dor, cefaléia e sensações térmicas Prof. Jéssica V. S. M. Dor Mecanorreceptores Nociceptores(TNL) Não mielinizadas Lesão ou risco de lesão tecidual Dor = sensação

Leia mais

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda FISIOLOGIA DA DOR EXPERIÊNCIA SENSORIAL E EMOCIONAL DESAGRADÁVEL ASSOCIADA COM UM DANO TISSULAR REAL OU POTENCIAL Merskey, 1990 Resumo

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA INSTRUTOR E PROFESSOR DE TAEKWONDO GRÃO MESTRE ANTONIO JUSSERI DIRETOR TÉCNICO DA FEBRAT Alongamento é o exercício para preparar e melhorar a flexibilidade muscular, ou seja,

Leia mais

MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO. Tato- muito preciso Dor- pouco preciso

MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO. Tato- muito preciso Dor- pouco preciso MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO Tato- muito preciso Dor- pouco preciso MAPAS SOMATOTÓPICOS EM OUTROS ANIMAIS COELHO GATO MACACO Porém os mapas são dinâmicos!

Leia mais

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração.

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. ESQUELETO ARTICULAÇÃO LESÕES MUSCULARES, ESQUELÉTICAS E ARTICULARES Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas Ligamentos Ligar ossos

Leia mais

TERAPIA VIBRO-OSCILATÓRIA.

TERAPIA VIBRO-OSCILATÓRIA. TERAPIA VIBRO-OSCILATÓRIA www.ibramed.com.br/modellata Terapia vibro-oscilatória. Custo acessível. Máxima transferência de vibração para o paciente (motor no equipamento e não no aplicador). Aplicador

Leia mais

Microcorrentes - MENS (Microcurrent Electrical Neuromuscular S?mula?on)

Microcorrentes - MENS (Microcurrent Electrical Neuromuscular S?mula?on) Microcorrentes Prof. Vinicius Coca Microcorrentes - MENS (Microcurrent Electrical Neuromuscular S?mula?on) Trata-se de um?po de eletroes?mulação que u?liza correntes com parâmetros de intensidade na faixa

Leia mais

Professora Lígia Cazarin

Professora Lígia Cazarin Tecidos do corpo humano Professora Lígia Cazarin Tecido Função Tipos de células 1.Epitelial 1.2 Glandular Matriz extracelular Localização 2.Conjuntivo 2.1 Propriamente dito 2.2 Cartilaginoso 2.3 Ósseo

Leia mais

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA?

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA? O QUE É A FISIOLOGIA? A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... Biologia Molecular Bioquímica Psicologia Histologia Biologia Celular Anatomia Genética Medicina Biofísica MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... A

Leia mais

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol.

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Cicatrização Após uma lesão, o processo de cicatrização é iniciado. O tecido lesionado passa por 4 fases de reparo da ferida: hemostasia, inflamação, proliferação

Leia mais

Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico

Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico Jonas Alves de Araujo Junior Graduação: Universidade Estadual de Londrina- UEL Aprimoramento: Faculdade de Medicina de Botucatu-

Leia mais

Ventosaterapia. Guilherme Juvenal

Ventosaterapia. Guilherme Juvenal Ventosaterapia Guilherme Juvenal Benefícios Principais benefícios da ventosaterapia segundo a MTC: Promove o fluxo do Qi e do sangue, ajudando a eliminar os fatores patogénicos como o vento, o frio, a

Leia mais

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano.

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano. UNIDADE: 08 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 8. DISTÚRBIOS CAUSADOS PELA TEMPERATURA: 8.0 INTRODUÇÃO A temperatura,

Leia mais

Protocolo Corporal para Flacidez Através da Crioterapia.

Protocolo Corporal para Flacidez Através da Crioterapia. Protocolo Corporal para Flacidez Através da Crioterapia www.lavertuan.com.br Protocolo Corporal para Flacidez através da Crioterapia FLACIDEZ A flacidez se caracteriza pela perda de tonicidade da pele

Leia mais

Exercícios de Coordenação Nervosa

Exercícios de Coordenação Nervosa Exercícios de Coordenação Nervosa 1. Observe a estrutura do neurônio abaixo e marque a alternativa correta: Esquema simplificado de um neurônio a) A estrutura indicada pelo número 1 é o axônio. b) A estrutura

Leia mais

TECIDO NERVOSO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS?

TECIDO NERVOSO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? TECIDO NERVOSO TECIDO NERVOSO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Alto grau de comunicação: células nervosas são capazes de transmitir informações entre células distantes no corpo; Forma o sistema nervoso,

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Prof a Cristiane Oliveira

TECIDO NERVOSO. Prof a Cristiane Oliveira TECIDO NERVOSO Prof a Cristiane Oliveira TECIDO NERVOSO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Alto grau de comunicação: células nervosas são capazes de transmitir informações entre células distantes no

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor.

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor. Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor Componentes: Vasos sanguíneos, Coração, Sangue http://www.afh.bio.br/cardio/cardio3.asp

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Miostática (miogênica)- A unidade musculotendínea está adaptativamente encurtada com perda significativa de ADM, mas sem patologia muscular específica. Embora possa haver uma redução

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

PROGRAMA DOS CURSOS: Profissionalizante em 2 noites por semana e por 4 meses; Profissionalizante em 2 manhãs por semana e por 4 meses;

PROGRAMA DOS CURSOS: Profissionalizante em 2 noites por semana e por 4 meses; Profissionalizante em 2 manhãs por semana e por 4 meses; PROGRAMA DOS CURSOS: Profissionalizante em 2 noites por semana e por 4 meses; Profissionalizante em 2 manhãs por semana e por 4 meses; * MASSAGEM NEUROCIRCULATÓRIA Técnica de massagem da qual derivam,

Leia mais

Sumário. PARTE UM Bases das Modalidades Terapêuticas. 1. A Ciência Básica das Modalidades Terapêuticas 3 William E. Prentice e Bob Blake

Sumário. PARTE UM Bases das Modalidades Terapêuticas. 1. A Ciência Básica das Modalidades Terapêuticas 3 William E. Prentice e Bob Blake Sumário PARTE UM Bases das Modalidades Terapêuticas 1. A Ciência Básica das Modalidades Terapêuticas 3 William E. Prentice e Bob Blake Formas de energia 3 Energia eletromagnética 5 A relação entre comprimento

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR Aula 6 DÉBITO CARDÍACO

Leia mais

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor Movimento 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor 1 Movimento Componentes Celulares e Funcionamento do Sistema Nervoso 2 O Sistema nervoso desempenha importantes funções, como controlar funções orgânicas

Leia mais

FRAQUEZA MUSCULAR. Diagnóstico

FRAQUEZA MUSCULAR. Diagnóstico FRAQUEZA MUSCULAR Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A fraqueza muscular é um problema comum, mas, freqüentemente, tem significados diferentes

Leia mais

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR?

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? CUIDADOS COM O PACIENTE, SEUS ACESSÓRIOS E PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO TRATAMENTO ALEXANDRE DE S. BARROS Enfermeiro - Radioterapia

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Profª Tatiani UNISALESIANO Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades

Leia mais

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia Primeiros Socorros Objetivos: Conceito Acontecimentos não previstos e indesejáveis que, de forma mais ou menos violenta, atingem indivíduos neles envolvidos, produzindo-lhes alguma forma de lesão ou dano.

Leia mais

EFEITO DA CRIOTERAPIA NO MÚSCULO EXTENSOR DE JOELHO ESPÁSTICO EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL

EFEITO DA CRIOTERAPIA NO MÚSCULO EXTENSOR DE JOELHO ESPÁSTICO EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL EFEITO DA CRIOTERAPIA NO MÚSCULO EXTENSOR DE JOELHO ESPÁSTICO EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL Raquel Oliveira Moura Brasil 1, Vanessa Meira Frazilli 1, Mário Oliveira Lima 1,2,3, Sérgio T. T. de Freitas

Leia mais

LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO

LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO geral@btlportugal.pt www.btlportugal.pt Todos os direitos reservados. Apesar de todo o cuidado em fornecer informação precisa e

Leia mais

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de:

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: 3BOLETIM TÉCNICO TEGADERM TM PAD Curativo transparente com compressa absorvente IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: DORSO - Filme

Leia mais

DISTÚRBIOS DAS PÁLPEBRAS

DISTÚRBIOS DAS PÁLPEBRAS DISTÚRBIO DAS PÁLPEBRAS SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES DISTÚRBIOS DAS PÁLPEBRAS As pálpebras são particularmente vulneráveis a infecções por estarem constantemente expostas aos objetos no ambiente,

Leia mais

Metabolismo muscular. Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato. Músculo esquelético de camundongo

Metabolismo muscular. Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato. Músculo esquelético de camundongo Metabolismo muscular Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato Músculo esquelético de camundongo Tipos de fibras musculares: Músculo liso: este tipo contrai em resposta a impulsos

Leia mais

06/11/2017. Sistemas Humanos. Prof. Leonardo F. Stahnke

06/11/2017. Sistemas Humanos. Prof. Leonardo F. Stahnke Sistemas Humanos Prof. Leonardo F. Stahnke Sistema Epitelial Compreende a pele humana, que é constituída pela epiderme (mais externa) e pela derme (mais interna). Sua função é proteger a pele de agentes

Leia mais

Níveis de Organização do Corpo Humano

Níveis de Organização do Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano Ao estudar o corpo humano, podemos analisá-lo por meio de diferentes níveis de organização. Podemos estudá-lo analisando os sistemas do corpo ou então seus tecidos

Leia mais

Múltiplos tratamentos com apenas 1 kit

Múltiplos tratamentos com apenas 1 kit Kit Corporal Totalmente Demais Múltiplos tratamentos com apenas 1 kit Protocolo Medida Certa Protocolo Extravasa Protocolo Tombei no DMAE Protocolo Corpão Violão Protocolo Eu + Atleta PROTOCOLO 2 Medida

Leia mais

MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS CONCEITO DE MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS TIPOS DE MÚSCULOS GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR ESTRIADOS ESQUELÉTICOS

MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS CONCEITO DE MIOLOGIA TIPOS DE MÚSCULOS TIPOS DE MÚSCULOS GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR ESTRIADOS ESQUELÉTICOS Marcelo Marques Soares Prof. Didi GENERALIDADES DO SISTEMA MUSCULAR CONCEITO DE MIOLOGIA MIOLOGIA É parte da anatomia que estuda os músculos e seus anexos. TIPOS DE MÚSCULOS Células Musculares Cardíacas

Leia mais

ALONGAMENTO MUSCULAR

ALONGAMENTO MUSCULAR MOVIMENTOS PASSIVOS E ATIVOS ALONGAMENTO MUSCULAR Prof. Ma. Ana Júlia Brito Belém/PA Aula 03 AMPLITUDE DE MOVIMENTO E a medida de um movimento articular, que pode ser expressa em graus. Quanto maior a

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A principal meta da intervenção perioperatória é a prevenção de infecções na incisão. As ações tomadas pela equipe no perioperatório podem representar

Leia mais

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL Mestranda: Diane Oliveira Sumário 1) Inflamação 1.1- Visão geral 1.2- Inflamação Aguda Estímulos

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

CIRCULAÇÕES ESPECIAIS

CIRCULAÇÕES ESPECIAIS Disciplina de Fisiologia Veterinária CIRCULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli DÉBITO CARDíACO e sua distribuição durante o repouso e o exercício Obs: Foram desenvolvidos sistemas sofisticados

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO LIQUIBAND

INSTRUÇÕES DE USO LIQUIBAND INSTRUÇÕES DE USO LIQUIBAND Descrição: LIQUIBAND é um adesivo cutâneo tópico de cianoacrilato, apresentado num compartimento de polipropileno, de uma utilização, estéril, com extremidade de aplicação de

Leia mais

Sistema sensorial. Sistema motor

Sistema sensorial. Sistema motor Estímulos ambientais Sistema sensorial Sistema nervoso Resposta Sistema motor Divisão funcional do Sistema Nervoso Sensorial CATEGORIA ORIGEM ORGANIZAÇÃO SENSIBILIDADE Geral (SOMESTESIA) Calor e Frio Dor

Leia mais

Respostas cardiovasculares ao esforço físico

Respostas cardiovasculares ao esforço físico Respostas cardiovasculares ao esforço físico Prof. Gabriel Dias Rodrigues Doutorando em Fisiologia UFF Laboratório de Fisiologia do Exercício Experimental e Aplicada Objetivos da aula 1. Fornecer uma visão

Leia mais

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL -

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA HUMANA TURMA 11-2014 CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - PROFª DRª VILMA G. 1. NÍVEL DE CONTROLE LOCAL A MEDULA ESPINAL:

Leia mais

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma Estudado por um ramo da ciência MIOLOGIA Células altamente especializadas importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma maior quantidade

Leia mais

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO NR-10 CHOQUE ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br Definição CHOQUE ELÉTRICO É a perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no

Leia mais

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira Procedimentos de Emergência Obstrução das Vias Aéreas MANOBRA DE HEIMLICH Obstrução das Vias Aéreas Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo

Leia mais

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia Fisiologia Humana Sistema Nervoso 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia ! Função: processamento e integração das informações.! Faz a integração do animal ao meio ambiente! Juntamente com

Leia mais

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV - 2014 Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular CHLN Isquémia distal complicação conhecida da cirurgia dos acessos Incidência varia de 1 a 6% Sintomas variam desde

Leia mais

Neuroanatomia. UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro

Neuroanatomia. UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro Neuroanatomia UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro UBM 4 Anatomia Dentária ANATOMIA E FUNÇÃO DO SISTEMA NEUROMUSCULAR Músculos unidade motora Músculos unidade motora O componente

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

UNISALESIANO. Profª Tatiani

UNISALESIANO. Profª Tatiani UNISALESIANO Profª Tatiani CONTROLE DAS FUNÇÕES DO CORPO.BIOFEEDBACK As diversas funções do corpo humano são decorrentes de processos físico-químicos que continuamente ocorrem em aproximadamente 100 trilhões

Leia mais

Unidade: Atuação do enfermeiro em Terapias complementares. Revisor Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio

Unidade: Atuação do enfermeiro em Terapias complementares. Revisor Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio Unidade: Atuação do enfermeiro em Terapias complementares Revisor Textual: Profa. Dr. Patricia Silvestre Leite Di Iorio INTRODUÇÃO As terapias complementares são realidade no universo da saúde humana,

Leia mais

I N S T R U Ç Ã O D E T R A B A L H O IT ENF - 23

I N S T R U Ç Ã O D E T R A B A L H O IT ENF - 23 Controle Nome/Cargo Assinatura Daniela Alencar Moreira Farmacêutica Clínica Elaborado por: Dr. Cassio Régis Coordenação da Anestesia Dr. Jorge Lafeta Coordenador da UCO Cristiano Cardoso de Andrade Gerente

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais INFLAMAÇÃO Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais Para quê serve? A INFLAMAÇÃO é uma resposta do tecido à lesão, ela procura conter e isolar a lesão e preparar

Leia mais

Almofada Polar Estéril para Crioterapia

Almofada Polar Estéril para Crioterapia Instruções de Uso Almofada Polar Estéril para Crioterapia BREG Descrição A Almofada Polar Estéril é uma bolsa oca produzida em poliuretano para uso em conjunto com o equipamento Polar Care que faz circular

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal nos animais

Regulação nervosa e hormonal nos animais HOMEOSTASIA Todos os seres vivos são sistemas abertos As trocas que os organismos estabelecem com o meio conduzem a mudanças constantes nos deus componentes No entanto, os seres vivos possuem mecanismos

Leia mais

Papel das Sinapses no processamento de informações

Papel das Sinapses no processamento de informações Papel das Sinapses no processamento de informações Impulsos Nervosos Pequenas correntes elétricas passando ao longo dos neurônios Resultam do movimento de íons (partículas carregadas eletricamente) para

Leia mais

Cap. 8: A arquitetura corporal dos animais. Equipe de Biologia

Cap. 8: A arquitetura corporal dos animais. Equipe de Biologia Cap. 8: A arquitetura corporal dos animais Equipe de Biologia Histologia Estuda os tecidos orgânicos. Tecido: Agrupamento de células com as mesmas características e função. Além de suas próprias células,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO: EDFFIE DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO PRÉ - REQUISITO: FISIOLOGIA GERAL CARGA HORÁRIA: 80 CRÉDITOS: 04

Leia mais

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa SAÚDE DO TRABALHADOR - LER Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa Este trabalho tem por objetivo trazer mais conhecimento sobre uma patologia que aflige muitas pessoas atualmente

Leia mais

Sensações Somáticas e Nocicepção

Sensações Somáticas e Nocicepção Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Biológicas e da Saúde CCBS Departamento de Ciências Fisiológicas - DCF Sensações Somáticas e Nocicepção Discentes: Ana Beatriz Campos Carolina Falcão

Leia mais

PULPOPATIAS 30/08/2011

PULPOPATIAS 30/08/2011 Funções da polpa PULPOPATIAS Produtora Nutrição Sensorial Protetora Biologicamente, é a dentina que forma a maior parte do dente e mantém íntima relação com a polpa dental, da qual depende para sua formação

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV A Comissão Examinadora da Prova para cargo de Fisioterapeuta efetuou a análise do Conhecimentos Específicos - QUESTÃO 22 O requerente está se referindo ao item correto como sendo a letra E. A respiração

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO https://www.youtube.com/watch?v=nvd1xbnamou Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes)

Leia mais

Região FC especifica Ligação com os leucócitos

Região FC especifica Ligação com os leucócitos Anticorpos Porção FAB se liga ao antígeno (variável) Cadeia Leve Região FC especifica Ligação com os leucócitos Cadeia Pesada Anticorpos apresentam 3 modos de ação: 1- Opsonização: marcação do antigeno.

Leia mais