Diagnóstico Referente ao uso de Drogas nas Escolas Públicas Estaduais de Sergipe: Situação Preliminar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico Referente ao uso de Drogas nas Escolas Públicas Estaduais de Sergipe: Situação Preliminar"

Transcrição

1 Diagnóstico Referente ao uso de Drogas nas Escolas Públicas Estaduais de Sergipe: Situação Preliminar

2 MARCELO DÉDA CHAGAS GOVERNADOR JACKSON BARRETO DE LIMA VICE-GOVERNADOR BELIVALDO CHAGAS SILVA SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HORTÊNCIA MARIA PEREIRA ARAUJO SECRETÁRIA ADJUNTA DE EDUCAÇÃO MARIA IZABEL LADEIRA SILVA DIRETORA DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO MARIA ZELITA BATISTA BRITO DIRETORA DO DEPARTAMENTO DE APOIO DO SISTEMA EDUCACIONAL JOSÉ EVERTON SIQUEIRA SANTOS COORDENADORIA DE INFORMÁTICA HORTÊNCIA DE OLIVEIRA COORDENADORA DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A FAVOR DA VIDA ROOSEVELT COSTA COORDENADOR DO PROGRAMA SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS 2

3 DIAGNÓSTICO REFERENTE AO USO DE DROGAS NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DO ESTADO DE SERGIPE: SITUAÇÃO PRELIMINAR I. APRESENTAÇÃO A sociedade atual tem convivido, de forma agravada, com a problemática do consumo e tráfico de drogas que atinge diretamente crianças e jovens em idade escolar, demandando ações por parte dos setores responsáveis, no sentido de enfrentar o problema. A Secretaria de Estado da Educação, ciente da necessidade de debater com a comunidade escolar a questão das drogas, e em alinhamento com as políticas dos governos Federal e Estadual, estabeleceu a criação do Núcleo de Educação a Favor da Vida, através da Portaria 4.772/2010, assinada em 16 de junho do referido ano, e fortaleceu o programa Saúde e Prevenção na Escola (SPE) como estratégias de enfrentamento do problema. Os eixos norteadores das ações da Secretaria de Educação são: Diagnóstico, Formação, Mobilização e Currículo cujos focos respectivamente são: realizar levantamento situacional do uso de drogas nas escolas estaduais de Sergipe, promover a capacitação de Professores, mobilizar a comunidade para a realização de ações de prevenção e inserção, no currículo escolar, de temas transversais referentes ao uso indevido de drogas. No presente documento, apresentamos os resultados obtidos a partir de uma pesquisa, cujo objetivo é oferecer um diagnóstico preliminar, referente ao uso de drogas nas escolas públicas do estado de Sergipe. A referida pesquisa foi realizada com aplicação de questionários entre os meses de março e maio de 2010, a fim de efetuar o mapeamento de situação tomando como amostra algumas unidades escolares, tendo em vista a produção de conhecimento sobre o problema, podendo inclusive servir de subsídio para a tomada de decisões e a formulação de políticas. 3

4 II. FUNDAMENTOS TEÓRICOS Segundo o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) droga é qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas e de comportamento. As drogas podem ser classificadas de diversas maneiras, dentre elas podemos citar: Do ponto de vista legal: lícitas ou ilícitas; Do ponto de vista das ações aparentes sobre o Sistema Nervoso Central: depressoras, estimulantes ou perturbadoras. A consideração em torno do ponto de vista legal está apoiada no que a legislação brasileira estabelece como sendo drogas lícitas, ou seja, aquelas que podem ser comercializadas, embora algumas sejam submetidas a certas restrições. Já no caso das drogas ilícitas, a comercialização é proibida por lei. Tal classificação está embasada na Lei Federal nº 9.610/98. As drogas psicotrópicas modificam a atividade do Sistema Nervoso Central (SNC), ou seja, afetam a capacidade de funcionamento normal do cérebro e conseqüentemente o comportamento do indivíduo. Podem apresentar risco em caso de uso abusivo e quadro de dependência, sendo classificadas em estimulantes depressoras e perturbadoras. Do ponto de vista social, as implicações quanto ao uso de drogas licitas e ilícitas constituem-se em um fenômeno global com conseqüências devastadoras na sociedade contemporânea, pois os danos causados tanto pelas drogas lícitas quanto pelas ilícitas tem representado um problema de saúde pública cuja solução demanda estudos explicativos, a aplicação de políticas publicas de enfrentamento, e altos investimentos. A Secretaria Nacional Anti Drogas (SENAD) é o órgão encarregado de coordenar e integrar as ações do Governo Federal, relativos à redução da demanda por drogas. A política da SENAD visa desenvolver um amplo processo democrático com participação governamental e popular para realinhamento das ações vigentes, encaminhadas tanto pelos governos estaduais quanto pela sociedade civil. Trata-se de um processo composto por múltiplas estratégias voltadas para a redução dos fatores de vulnerabilidade e risco específicos, e fortalecimento dos fatores de proteção. Implica necessariamente a interação entre governo e sociedade, com a colaboração de 4

5 todos os setores buscando atuar, dentro de suas competências, para facilitar práticas que levem à redução da iniciação, à redução do aumento do consumo, em freqüência e intensidade, como também à redução das conseqüências negativas do uso de drogas. Com base nas experiências apresentadas nos diversos fóruns de discussão, foi aprovada pelo CONAD (Conselho Nacional Anti Drogas) a Política Nacional sobre Drogas (PNAD), em 27 de outubro de 2005 (Resolução Nº 03/GSIPR/CH/CONAD). Entre os inúmeros objetivos da PNAD, vale destacar aqueles que estão relacionados ao setor educacional, não de maneira exclusiva, mas como contribuição necessária para se atingir o ideal de uma sociedade protegida do uso de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. Cabe à Escola, conscientizar, informar, capacitar e formar pessoas para a ação efetiva e eficaz de redução da demanda, da oferta e dos danos, fundamentadas em conhecimentos científicos validados e experiências bem sucedidas adequadas à nossa realidade. Como desdobramento da PNAD, o Governo Federal lançou em 2010 o Plano de Enfrentamento ao Crack, por ser esta uma das drogas mais letais e devastadoras em ampla circulação nos dias de hoje. Não obstante o Relatório Brasileiro sobre Drogas informar que o consumo de crack tem se mantido discreto e estável entre 2001 e 2005, há fortes evidências de que a partir de 2005, o consumo dessa substância esta associado ao aumento da criminalidade, da violência, e dos agravos à saúde da população. Daí a resposta do Governo Federal, através da implementação de políticas destinadas ao enfrentamento do uso de crack, principalmente entre os jovens. Parte integrante do realinhamento da política brasileira sobre drogas, em julho de 2010, o Governo de Sergipe lançou o Plano Estadual de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas : Sergipe Contra o Crack e a Favor da Vida que consiste, em linhas gerias nas ações de atenção e cuidado ao usuário e sua família, prevenção e mobilização, reinserção social dos usuários, e por fim, repressão ao tráfico. Este Plano responde ao crescente apelo da sociedade por uma intervenção governamental, diante dos dados estatísticos que apontaram em 2009 um aumento no consumo de drogas, especialmente do crack. Uma das principais estratégias para o enfrentamento ao uso de drogas lícitas e ilícitas é a pratica da Redução de Danos ou RD. O Ministério da Saúde define a RD como: 5

6 uma estratégia de saúde pública que procura controlar possíveis conseqüências ao consumo de psicoativos lícitos ou ilícitos - sem necessariamente, interromper esse uso, e buscando inclusão social e cidadania para usuários de drogas. Por outro lado, o PNAD reconhece a redução de danos como um dos principais pressupostos da política de enfrentamento. É regra do PNAD, priorizar a prevenção e não confundir as estratégias de redução de danos com o incentivo ao uso indevido de drogas, pois se trata de uma estratégia de prevenção. Do mesmo modo, o Programa Saúde e Prevenção na Escola também utiliza a Redução de Danos em suas ações. Portanto, a Redução de Danos é uma das políticas públicas oficializadas pelo governo brasileiro conhecida em diversos outros países, para lidar de forma adequada com problemas que podem ser gerados pelo uso de álcool e outras drogas. É, também, parte integrante da Política de Atenção Integral a Usuários de Álcool e Outras Drogas. Redução de Danos não pode ser confundido com incentivo ao uso de drogas, embora fundamente-se no princípio da tolerância ou respeito às escolhas individuais. A RD contribui, entre outras coisas, para propiciar informações adequadas sobre riscos, danos, práticas seguras, saúde, cidadania e direitos, para que as pessoas que usam álcool e outras drogas possam tomar suas decisões, buscar atendimento de saúde (se necessário) e estarem inseridas socialmente em um contexto de garantias de direitos e cidadania. CRUZ (2006) menciona que, no campo da prevenção,... as estratégias de Redução de Danos significam a utilização de medidas que diminuam os danos provocados pelo uso de drogas, mesmo quando os indivíduos não pretendem ou não conseguem interromper o uso. No contexto da PNAD, a problemática do uso indevido das drogas é também uma questão do setor educacional, e requer daqueles que fazem a Educação, o desenvolvimento de ações voltadas para o espaço escolar, que promovam a discussão sobre o tema, com o envolvimento de gestores, professores, funcionários, alunos, e pais vinculados às instituições educacionais. O papel da escola, como espaço privilegiado de formação dos sujeitos, é fundamental para uma abordagem pertinente da questão; é o campo privilegiado para a efetivação de ações preventivas. A realidade do consumo de drogas entre os jovens não pode ser ignorada pela Escola. Em muitos casos, gestores e professores preferem fingir que o problema não existe, ou que não cabe a eles abordar a questão. Dada a complexidade do problema, a 6

7 comunidade escolar resiste em discutir abertamente o consumo de drogas entre os alunos bem como entre os professores e funcionários. É difícil falar sobre drogas por que há muito preconceito e pouco rigor cientifico sobre o tema. Para que a Escola se constitua em um fator de proteção e campo privilegiado para a prevenção, é necessário entender o que são drogas, como elas afetam o dia a dia das pessoas, e como a Escola pode agir para evitar que os jovens entrem para o mundo das drogas. III. METODOLOGIA DA PESQUISA A presente pesquisa insere-se como uma contribuição à necessidade de produzir conhecimento sobre a realidade do uso abusivo de drogas entre a comunidade escolar. O método consiste em efetuar levantamento de dados através da realização de uma pesquisa quali/quantitativa por meio de aplicação questionários Foram selecionadas aleatoriamente 48 escolas da rede estadual, entre os meses de março e maio de 2010 nas quais foram aplicados questionários (modelo anexo) com abrangência das Diretorias Regionais de Aracaju, Estância e Itabaiana. Os sujeitos da amostra foram representados pelos diretores, professores, coordenadores escolares, e 30 alunos, de cada unidade, do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e alunos do Ensino Médio. Entre o montante total de questionários enviados às escolas, 474 foram descartados e considerados inválidos, por não apresentarem dados consistentes com as orientações da pesquisa. O procedimento de aplicação dos questionários foi devidamente explanado aos representantes das Diretorias Regionais, antes do início da atividade, através das Orientações para a Aplicação dos Questionários (anexo) ocasião em que foi garantido o direito à privacidade bem como uso para fins exclusivamente científicos dos dados informados no instrumento. Segue-se a análise dos dados obtidos IV. ANÁLISE DOS DADOS Por considerarmos importante introduzirmos a temática da droga de forma gradativa, relacionando-a com outros temas que favorecem o seu uso, iniciamos a análise a partir de 7

8 questões que tratam de assuntos transversais em relação ao foco da nossa pesquisa. Desse modo, da 1ª à 4ª questão, foi abordado o impacto da violência, física ou simbólica, no relacionamento interpessoal entre os membros da comunidade escolar. Afirmaram a existência de problemas de relacionamento interno nas unidades escolares 66% dos respondentes. Entre estes últimos, 35% mencionaram que o tipo mais freqüente de problema de relacionamento interpessoal é a agressão verbal, seguida agressão física (21%), intolerância (19%) agressão psicológica (11%). Os dados informam que a convivência social, na escola, tem se caracterizado pela manifestação de condutas impulsivas norteadas pela tendência a violência. Tudo indica que agressão física, a forma mais explicita de violência, faz parte do cotidiano escolar. Como causas prováveis dessa tendência, foram apontadas pelos respondentes: ausência de diálogo (28%), limites mal estabelecidos (25%), a ausência de autoridade (16%), autoritarismo dos dirigentes (13%) e o uso indevido de drogas (7%). Os dados informam que a droga interfere pouco nas relações interpessoais, e que o maior fator de conflito é a ausência de dialogo. Todavia, quando perguntado sobre a opinião pessoal de cada um, 73% dos respondentes acreditam que o uso de drogas é o principal fator, e só somente 7% não consideram que as drogas exercem algum impacto nas relações interpessoais. Quando indagados sobre a oferta de drogas lícitas nas proximidades da Unidade de Ensino, 66% confirmaram a existência dessa prática, e 32% negaram. Dentre aqueles que confirmaram a existência da oferta de drogas nas proximidades da escola, 38% citaram as bebidas alcoólicas como sendo a droga mais ofertada, 36% citaram o cigarro, 10% medicamentos, 7% cola e 4% solventes. No que se refere à oferta de drogas ilícitas, 58% responderam que nas imediações da escola não existe essa oferta, mas 38% confirmaram a distribuição ou venda de drogas ilícitas no entorno da escola. Neste caso, 45% citaram a oferta de maconha, 29% de crack e 18% de cocaína. Os dados informam que a presença, no entorno da escola, das drogas mais perigosas como o crack e a cocaína é percebida pela comunidade escolar. Não se trata, pois, de uma atividade feita em segredo ou longe dos olhos das pessoas. Quando questionados sobre as drogas (lícitas ou ilícitas) mais consumidas no interior da unidade de ensino, o cigarro aparece com o índice mais elevado de 25%, seguido da bebida alcoólica com 18%. A maconha foi identificada por 9% dos respondentes. Somente 4% identificaram o crack, os anabolizantes ou a cola e 3% o uso da cocaína. Esse dado é muito 8

9 significativo, pois fica constatado o uso de drogas licitas e ilícitas no interior da escola. O ideal é que não houvesse o consumo de qualquer tipo de droga, inclusive as drogas lícitas. Nos últimos anos os governos federal e estadual vem desenvolvendo uma série de ações de prevenção e controle do tabagismo, que tem resultado na diminuição do consumo. Dados do Ministério da Saúde (2009) informam que entre 1989 e 2003 houve uma diminuição no consumo de cigarros em torno de 12,4% na população acima de 18 anos. Todavia, a população abaixo dos 18 anos, parece estar, ainda, muito vulnerável a esse tipo de droga. Por fim, quando 4% percebem o uso de crack no interior da escola, esta situação representa um problema gravíssimo, tanto do ponto de vista biológico (efeitos no Sistema Nervoso Central) quanto do ponto de vista social. A escola é um espaço publico em que as atividades desenvolvidas não podem ser mediadas pelo uso de qualquer tipo de droga, muito menos drogas ilícitas. Os alunos da Educação de Jovens e Adultos foram identificados por 22% dos respondentes, como consumidores de drogas lícitas. Os alunos do ensino médio regular foram identificados por 20% dos respondentes e os do ensino fundamental por 16%. Por outro lado, 18% apontaram a equipe de apoio (servidores), 12% apontaram os professores e 5% os gestores, como consumidores de drogas licitas. Desse modo, aqueles que deveriam dar o exemplo, parecem não ser capazes de criar na escola um ambiente livre do uso de drogas. Os alunos de ensino médio foram apontados por 21% dos respondentes como os maiores usuários de drogas ilícitas no interior da escola, seguidos pelos alunos do ensino fundamental, identificados por 16% dos respondentes. O que chama atenção, é que também, funcionários, dirigentes e professores foram, de alguma forma, identificados por 5% dos respondentes, como consumidores de drogas ilícitas. O maior percentual identificado para o consumidor de droga ilícita citado acima corrobora com o resultado apresentado pelo CEBRID (2005), quando da realização do V Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre os Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras, no qual foi constatado que 16,5% dos estudantes das redes municipal e estadual de ensino de Aracaju já fizeram uso na vida de drogas psicotrópicas. Os prédios escolares são, em sua maioria, compostos de diversos ambientes que, em muitos casos, servem de esconderijo para o consumo de entorpecentes. 21% dos respondentes 9

10 identificaram os banheiros como sendo o local preferido para o consumo, 17% indicaram as quadras de esportes e 14% o próprio pátio da escola. O restante ficou diluído entre bibliotecas, refeitórios, corredores, etc. Quando indagados sobre a ocasião em que as drogas são consumidas no ambiente escolar, 25% responderam na saída das aulas, 19% nos eventos, 18% no intervalo das aulas, 7% durante as aulas e 6% na entrada da escola. Diante dessa realidade, cabe à Escola desenvolver ações preventivas no tocante ao uso indevido de drogas. Isso posto, 49% informaram que a unidade de ensino desenvolve as referidas ações. Todavia, 47% alegaram que estas ações não são promovidas. Quase metade dos estabelecimentos de ensino é indiferente ao problema e resistem em aceitar que seus alunos consomem drogas. Este dado corrobora com o que expõe a Revista Nova Escola, edição de setembro de 2007, em um artigo sobre essa questão intitulado Drogas, Só a Escola Não Quer Ver. De acordo com este artigo, a Escola tem dificuldade em aceitar essa realidade, por que não sabe como lidar com ela. No nosso levantamento qualitativo a respeito do tipo de ação proposta pelas escolas no tocante à prevenção de drogas, a Palestra foi a atividade mais citada pela grande maioria dos respondentes. Todavia, de acordo com Denise Gimenez Ramos, da Faculdade de Psicologia da PUC São Paulo, as palestras promovidas pelas escolas para dizer que as drogas fazem mal, não têm nenhum efeito; os estudantes já sabem disso, o que eles precisam é de alternativas (Nova Escola setembro de 2007). Tudo indica que a Escola, quando não ignora o problema, não consegue dar sentido às atividades de prevenção, nem consegue auxiliar aos estudantes a construírem um projeto de vida. V. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em nosso estado, muito se fala sobre o uso de drogas na Escola, mas poucos se dão ao trabalho de efetuar um levantamento preciso de dados sobre essa questão. Parte-se do pressuposto de que os jovens da Escola Publica estão predestinados ao uso de entorpecentes, por conta de sua condição social menos favorável e por uma maior exposição aos fatores de risco. Essa pequena pesquisa, com uma amostra de 48 escolas estaduais, é uma contribuição ao necessário debate sobre o uso de drogas licitas e ilícitas, trazendo a percepção daqueles que vivenciam o problema no dia a dia da Escola. A partir dos dados obtidos, é possível traçar algumas ações de prevenção considerando a Escola como espaço privilegiado para este tipo de trabalho. 10

11 Os jovens estudantes da Escola Publica não estão predestinados ao consumo de Drogas, todavia a pesquisa demonstra que os fatores de risco estão presentes no ambiente escolar. A presença da Droga ilícita é perceptível entre a comunidade. Mesmo que o número de consumidores seja pequeno, é suficientemente preocupante e exige ações imediatas e contínuas. No que se refere à Droga lícita, esta faz parte do cotidiano escolar sendo largamente consumida pela maioria. Este dado não deixa de ser, também, relevante, pois expõe os jovens a uma naturalização do consumo. Isso dificulta o processo de tornar a Escola um ambiente livre e protegido do consumo de drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas. Essa pesquisa não esgota todo assunto, sendo necessário expandir o debate e realizar novos levantamentos. Alguns dados apenas confirmam aquilo que já era previsto pelo senso comum, outros revelam um quadro que exige intervenção governamental no sentido de promover a convivência pacífica e minimizar a entrada do jovem no mundo da droga. VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BASÍLIO, Mirian Cátia Vieira & GARCIA, Maria Lúcia Teixeira. O Processo de Formulação de Políticas Públicas sobre Drogas: a experiência do legislativo municipal de Vitória. IN: Prevenção ao Uso Indevido de Drogas. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação, CRUZ, Marcelo Santos. Considerações sobre Possíveis Razões para a Resistência às Estratégias de Redução de Danos. IN: CIRINO, Oscar & MEDEIROS, R. (Orgs). Álcool e Outras Drogas: escolhas, impasses e saídas possíveis. Belo Horizonte: Autêntica, CEBRID. V Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras. São Paulo: CEBRID/SENAD, HUMANUS. Manual de Prevenção do Uso de Drogas para Mediadores. Rio de Janeiro: Humanus. Disponível em <www.humanus.pt/download.php?id=13> Acesso em: fevereiro

12 LEMOS, Tadeu. Ações e Efeitos das Drogas de Abuso. IN: Prevenção ao Uso Indevido de Drogas. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação, PINHEIRO, Raquel Martins. Redução de Danos e Psicanálise Aplicadas à Taxicomania. IN: CIRINO, Oscar & MEDEIROS, R.; (Orgs.). Álcool e Outras Drogas: escolhas, impasses e saídas possíveis. Belo Horizonte: Autêntica, BRASIL. PRESIDENCIA DA REPUBLICA. Política Nacional sobre Drogas. Brasília: SENAD, Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas. Brasília: SENAD, Relatório Brasileiro sobre Drogas. Brasília: SENAD, DIDONÊ, Débora & MUTTINI, Rúbia. Drogas, só a Escola não quer ver. IN REVISTA NOVA ESCOLA. São Paulo: Abril, 2007 Sites consultados: http//www.apps.einstein.br/alcooledrogas/novodite/orientacoes_escola.htm. Acessado em maio de http//www.humanus.pt/download.php?id=13> Acessado em fevereiro

13 ANEXO 13

14 Identificação professor 8 1% aluno % diretor 63 5% coordenador 28 2% não declarado 40 3% Total % 28 2% 63 5% 40 4% 8 1% professor aluno diretor coordenador não declarado % 1. Você considera que existem problemas de relacionamento interpessoal nesta Unidade de Ensino? a não respoderam 11 1% b sim % c não % Total % % 11 1% % não respoderam sim 14

15 2. Em caso afirmativo, qual/quais? a não responderam 81 11% b agressão verbal 51 35% c agressão física % d agressão psicológica 78 11% e intolerância 04 19% f outros 51 3% Total % outros 51 intolerância 304 agressão psicológica 178 agressão física 328 agressão verbal 551 não responderam O que você atribui como causa(s) das dificuldades de relacionamento vivenciadas nesta Unidade de Ensino? a não responderam 15 8% b ausência de diálogo % c autoritarismo % d ausência de autoridade 36 16% e limites mal estabelecidos % f uso indevido/abusivo de drogas 98 7% g outros 46 3% Total % 15

16 outros 46 uso indevido/abusivo de drogas 98 limites mal estabelecidos 368 ausência de autoridade 236 autoritarismo 183 ausência de diálogo 416 não responderam Em sua opinião, o uso indevido/abusivo de drogas: a não responderam 75 7% b não interfere nas relações interpessoais 86 7% c interfere pouco nas relações interpessoais % d interfere muito nas relações interpessoais 45 73% Total % interfere muito nas relações interpessoais interfere pouco nas relações interpessoais não interfere nas relações interpessoais não responderam

17 5. Em sua opinião, existe a oferta de drogas lícitas nas proximidades desta Unidade de Ensino? a não responderam 18 2% b sim % c não % Total % % 18 2% % não responderam sim não 5.1. Em caso afirmativo, qual(is) tipo(s)? a álcool 72 38% b cigarro % c solventes 73 4% d cola 30 7% e medicamentos % f outros 72 4% Total % outros medicamentos cola solventes cigarro álcool

18 6. Em sua opinião, existe a oferta de drogas ilícitas nas proximidades desta Unidade de Ensino? a não respondeream 38 3% b sim % c não % Total % % 38 3% % não respondeream sim não 6.1. Em caso afirmativo, qual(is) tipo(s)? a maconha % b cocaína % c crack % d outras 65 8% Total % outras crack cocaína maconha

19 7. Qual(is) é(são) a(s) droga(s) mais consumida(s) nesta Unidade de Ensino? a nenhuma % b bebida alcoólica % c cigarro % d maconha 148 9% e cola 60 4% f acetona 26 2% g cocaína 56 3% h crack 76 4% i anabolizante 65 4% j outras 8 0% Total %

20 8. Quando e onde ocorre o uso, com mais frequência, de drogas nesta unidade de ensino? Onde a não respondeream % b banheiros % c pátio % d saladeaula 44 4% e refeitório 13 1% f biblioteca 8 1% g quadra de esportes % h corredores 96 8% i portaria 82 7% j outros 49 4% Total %

21 Quando a não responderam % b durante as aulas 85 7% c entrada 74 6% d saída % e intervalo das aulas e/ou recreio % f eventos % g outros 36 3% Total %

22 9. Quem você identifica como usuários de drogas lícitas nesta unidade de ensino? não respondeream 103 7% a b Gestores (diretor, coordenador, secretário) 78 5% c Professores % d Equipe de apoio % e Alunos do Ensino Fundamental % f Alunos do Ensino Médio % g Alunos da EJA % Total % % 103 7% 78 5% % não respondeream Gestores (diretor, coordenador, secretário) Professores Equipe de apoio % % % Alunos do Ensino Fundamental Alunos do Ensino Médio 22

23 10. Quem você identifica como usuários de drogas ilícitas nesta unidade de ensino? a não respondeream % b Gestores (diretor, coordenador, secretário) 20 2% c Professores 33 3% d Equipe de apoio 47 5% e Alunos do Ensino Fundamental % f Alunos do Ensino Médio % g Alunos da EJA % Total % não respondeream % % Gestores (diretor, coordenador, secretário) % % % 5% 20 2% Professores Equipe de apoio 11. Há alguma ação de prevenção ao uso indevido/abusivo de drogas nesta Unidade de Ensino? não respondeream 48 4% sim % não % Total % 48 4% % % não respondeream sim não 23

24 GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Diagnóstico sobre o uso indevido de drogas lícitas e ilícitas nas Unidades de Ensino da Rede Pública Estadual Este questionário tem o objetivo de auxiliar a SEED na elaboração de um diagnóstico sobre o uso de drogas lícitas e ilícitas nas Unidades de Ensino da Rede Pública Estadual. Sua colaboração é muito importante para o desenvolvimento deste trabalho. Ressaltamos que será assegurado o anonimato dos respondentes e as informações fornecidas serão utilizadas exclusivamente para fins de estudos e pesquisa. Identificação: ( ) aluno ( ) professor ( ) diretor ( ) coordenador ( ) secretário ( ) vigilante ( ) merendeira ( ) ex.de serv. básicos ( ) of.administrativo 1. Você considera que existem problemas freqüentes de relacionamento interpessoal nesta Unidade de Ensino? ( ) sim ( ) não 2. Em caso afirmativo, qual/quais? ( ) agressão verbal ( ) agressão física ( ) agressão psicológica ( ) intolerância ( ) outros 3. O que você atribui como causa(s) das dificuldades de relacionamento vivenciadas nesta Unidade de Ensino? ( ) ausência de diálogo ( ) autoritarismo ( ) ausência de autoridade 24

25 ( ) limites mal estabelecidos ( ) uso indevido/abusivo de drogas ( ) outros 4. Em sua opinião, o uso indevido/abusivo de drogas: ( ) não interfere nas relações interpessoais; ( ) interfere pouco nas relações interpessoais; ( ) interfere muito nas relações interpessoais; 5. Em sua opinião, existe a oferta de drogas lícitas nas proximidades desta Unidade de Ensino? ( ) não ( )sim Em caso afirmativo, quais tipos? ( ) álcool ( ) cigarro ( ) solventes ( ) cola ( ) medicamentos ( ) outros 6. Em sua opinião, existe a oferta de drogas ilícitas nas proximidades desta Unidade de Ensino? ( ) não ( )sim Em caso afirmativo, quais tipos? ( ) maconha ( ) cocaína ( ) crack ( ) outras 7. Quais são as drogas mais consumidas nesta Unidade de Ensino? ( ) nenhuma ( ) bebida alcoólica ( ) cigarro ( ) maconha ( ) cola ( ) acetona ( ) cocaína ( ) crack ( )anabolizante ( ) outras 25

26 8. Quando e onde ocorre o uso, com mais frequência, de drogas nesta unidade de ensino? Onde Quando ( ) banheiros ( ) pátio ( ) sala de aula ( ) refeitório ( ) biblioteca ( ) quadra de esportes ( ) durante as aulas ( ) entrada ( ) saída ( ) intervalo das aulas e/ou recreio ( ) eventos ( ) outros ( ) corredores ( ) portaria ( ) outros 9. Quem você identifica como usuários de drogas lícitas nesta unidade de ensino? ( ) Gestores (diretor, coordenador, secretário) ( ) Professores ( ) Equipe de apoio (vigilantes, merendeiras, executores de serviços básicos, oficial administrativo) ( ) Alunos do Ensino Fundamental ( ) Alunos do Ensino Médio ( ) Alunos da EJA 10. Quem você identifica como usuários de drogas ilícitas nesta unidade de ensino? ( ) Gestores (diretor, coordenador, secretário) ( ) Professores ( ) Equipe de apoio (vigilantes, merendeiras, executores de serviços básicos, oficial administrativo) ( ) Alunos do Ensino Fundamental 26

27 ( ) Alunos do Ensino Médio ( ) Alunos da EJA 11. Há alguma ação de prevenção ao uso indevido/abusivo de drogas nesta Unidade de Ensino? ( ) não ( ) sim Em caso afirmativo, qual/quais? 12. Como você entende que deve ser o trabalho da Escola na prevenção ao uso indevido/abusivo de drogas? 27

28 Governo de Sergipe Secretaria Estadual de Educação Departamento de Educação Orientações para a aplicação e tabulação dos questionários 1. Cada unidade escolar deverá aplicar 30 questionários com os alunos. 2. Deverão participar da pesquisa apenas os alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e alunos do Ensino Médio. 3. A escolha dos alunos deve ocorrer através de sorteio, de modo que todas as séries possam participar do diagnóstico. 4. Recomendamos a participação de 15 alunos do sexo feminino e 15 alunos do sexo masculino. 5. Além dos alunos, deverão responder ao questionário: o diretor, 01 coordenador e 01 professor. OBS: Em caso da inexistência do diretor, somente os dois últimos responderão ao questionário. 6. Os dados levantados no questionário deverão ser tabulados pela escola, seguindo as orientações da equipe da SEED. 7. Os resultados do questionário servirão como diagnóstico para subsidiar o trabalho da unidade de ensino, na elaboração dos planos de prevenção. 8. Os questionários devem ser enviados à Diretoria Regional, através de ofício. 9. Os planos de prevenção deverão ser enviados ao Departamento de Educação através de oficio até o dia / /.

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

A EDUCAÇÃO A FAVOR DA VIDA E CONTRA O CRACK

A EDUCAÇÃO A FAVOR DA VIDA E CONTRA O CRACK GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO A FAVOR DA VIDA E CONTRA O CRACK MOBILIZAÇÃO DA ARTE, CULTURA E CIDADANIA CONTRA O CRACK. 1 I- INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado da Educação

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Violência, escola e segurança

Violência, escola e segurança Violência, escola e segurança diagnóstico para diretores(as) Prezado(a) diretor(a), A 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (CONSEG), realizada pelo Ministério da Justiça (MJ), representa um marco

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 E como está a juventude HOJE aos olhos da sociedade? - 22% perderam a virgindade antes dos 15 anos - 18%

Leia mais

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação PROJETO DE PESQUISA: Condições de Acesso das Pessoas com Deficiência às Universidades do RS Responsável: Profa Dra Idília Fernandes Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação:

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus.

Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus. Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus. 1. Resumo Descritivo Data: 31 de outubro de 2013. Local: Assembleia Legislativa

Leia mais

ANEXO Indicadores ENP! Tabela

ANEXO Indicadores ENP! Tabela ANEXO Indicadores ENP! Tabela Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br Diminuir o número de trabalhadores

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go.

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. Marlene Fátima Stach Alves* Roberto Alves Pereira ** RESUMO: O presente artigo faz uma breve

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

Elaboração de Projetos FECOP 2014. Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br

Elaboração de Projetos FECOP 2014. Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br Elaboração de Projetos FECOP 2014 Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br O que vamos fazer? Pensar em Projetos Organizar o pensamento Conectar com a realidade e a legislação Estruturar projeto

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Secretaria de Estado de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos

Secretaria de Estado de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos Projeto Papo Legal de Prevenção às Drogas- Mães contra o Crack Curitiba, Novembro de 2011 Entidade Proponente: Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO...

Leia mais

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal SMES Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011 Audiência Pública no Senado Federal CASDEP Comissão de Assuntos Sociais Premissas Se aplica

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Objetivos. Incentivar a constituição do Fórum Escolar de Ética e Cidadania em cada escola como instrumento de ação.

Objetivos. Incentivar a constituição do Fórum Escolar de Ética e Cidadania em cada escola como instrumento de ação. Programa Ética e Cidadania: Construindo valores na escola e na sociedade Objetivos Iniciar, retomar e/ou aprofundar ações educativas que levem à formação ética e moral de todos os membros que atuam e participam

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS SIM PARA A VIDA, NÃO ÀS DROGAS AUTORES: Nadyeshka Sales Araújo (nadyeshka.saq@bol.com.br), Edgar Vieira do Nascimento (edgarvn@bol.com.br), Hérika Dantas Modesto (herikamodesto@bol.com.br),

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Moreira, Izadora Cristina; Aquino, Valdirene Silva Rocha; RAMALHO, Letícia Carneiro; CUNHA, Marielton Passos; PINHEIRO,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção

DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS. Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS Vulnerabilidades, riscos e formas de prevenção DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS DROGAS qualquer substância capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas

Leia mais

O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, 1 O Dep. Pastor Frankembergem pronuncia o seguinte discurso: Drogas Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, A atual posição do Brasil no que se refere ao consumo de drogas ilícitas é assustadora.

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas SERVIÇO SOCIAL NA BSP SERVIÇO SOCIAL NA BSP BSP COMO ESPAÇO CULTURAL COM AÇÃO CENTRADA NA LEITURA A LEITURA é vista pela BSP como fundamento

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A.

CISOTTO, Laurindo ROSSETO, Marisa, Ester, A. ... Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais um momento de atenção, de zelo e desvelo. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilidade, de envolvimento afetivo

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta Educação Especial - Medidas Jurídicas 2 - Proposta ao Prefeito Municipal - Inclusão de dotação orçamentária específica - Equipe Multidisciplinar - Inclusão de alunos com TDAH Promotoria de Justiça de Proteção

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com atuação nacional, sem fins lucrativos ou econômicos,

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Internação compulsória para dependentes de crack: solução ou engano?

Internação compulsória para dependentes de crack: solução ou engano? CRR Centro Regional de Referência sobre o Crack CEBRID Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas Departamento de Medicina Preventiva - UNIFESP/EPM Internação compulsória para dependentes

Leia mais

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação Grupo de pesquisa JOVEDUC Jovens, violência e educação Projetos de Pesquisa Financiamento FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Linha de pesquisa : Programas Especiais - Ensino Público

Leia mais

(Minuta) Decreto N..., de 2010.

(Minuta) Decreto N..., de 2010. (Minuta) Decreto N..., de 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas. O PREFEITO DE...(município)... segue o texto de aprovação do presente Decreto, conforme o trâmite

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

Diagnóstico sobre valores, conhecimento e cultura de acesso à informação pública no Poder Executivo Federal Brasileiro

Diagnóstico sobre valores, conhecimento e cultura de acesso à informação pública no Poder Executivo Federal Brasileiro Diagnóstico sobre valores, conhecimento e cultura de acesso à informação pública no Poder Executivo Federal Brasileiro Vânia Vieira Diretora de Prevenção da Corrupção Controladoria-Geral da União DADOS

Leia mais