Nitrogenados recuam no final semestre de Preço da soja não para de subir! Do algodão, de ceder!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nitrogenados recuam no final semestre de Preço da soja não para de subir! Do algodão, de ceder!"

Transcrição

1 R$/sc e b Nitrogenados recuam no final semestre de 2012 As incertezas quanto aos rumos da economia mundial fizeram com que poucos negócios de fertilizantes fossem efetivados em junho. Quanto aos preços desses produtos, tiveram variações mistas. A crise na zona do euro continua preocupando e, em junho, dados apontaram também desaceleração na produção industrial da China e desempenho econômico dos EUA abaixo das expectativas dos agentes. Com isso, no mês de junho, a cotação média do primeiro vencimento do barril de petróleo na Bolsa de Nova York (Nymex) foi de US$ 82,41, o que significa 13% a menos que a média de maio o menor valor desde outubro de Já o contrato futuro do primeiro vencimento do gás natural na mesma bolsa teve média de US$ 2,50 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), com leve valorização de 0,19% sobre maio, mas 44,7% mais barato que no mesmo período do ano passado. No mercado de fertilizantes, após sucessivas altas ao longo do semestre, em junho, os nitrogenados recuaram. Tanto a ureia, quanto o sulfato de amônio e o nitrato de amônio, recuaram em junho. O preço médio da ureia foi de US$ 444,00/t no porto de Yuzhnyy (Ucrânia), com desvalorização de 10,6% sobre maio/12. Neste mesmo porto, o nitrato de amônio teve média de US$ 310,60/t, com recuo de 14,5% sobre o mês anterior. O preço médio do sulfato de amônio baixou 22,3%, indo para US$ 205,10/t, também no porto de Yuzhnyy. No caso do fertilizante líquido UAN (ureia e nitrato de amônia), a média de junho foi de US$ 264,80/t no Golfo do México, baixa de 27,3% sobre maio. Entre os fertilizantes potássicos, o KCl registrou queda depois de 12 meses de estabilidade, sendo negociado a US$ 476,00/t no porto Vancouver, leve recuo de 1,2% em relação ao mês de maio. No grupo dos fosfatos, os preços tiveram comportamentos mistos. Em junho, o preço médio do TSP (Super triplo) foi de US$ 507,60/t em Casa Blanca (Marrocos), sem variação em relação ao mês de maio. Por outro lado, o preço médio do DAP foi de US$ 566,9/t em Tampa (EUA), alta de 3% no mesmo período. O preço médio do MAP teve reajuste de 1,7% no Báltico, indo para US$ 590,30/t. Com as negociações avançadas, preços perdem força no Brasil As vendas de fertilizantes para a safra 2012/13 estão bem adiantadas tanto no Sul quanto no Cerrado. Com isso, os preços médios dos principais fertilizantes perderam forças em junho. Conforme levantamentos do Cepea, até o final do primeiro semestre, estima-se que, nas regiões de Sorriso e Campo Novo do Parecis, 95% do adubo para a safra verão na qual a soja se destaca já havia sido negociado. Em Campo Verde/Primavera do Leste, projeta-se 87% e, em Rondonópolis, 83%. Em Rio Verde (GO) e em Luiz Eduardo Magalhães (BA), a venda do fertilizante era estimada por volta de 85%. Entre as regiões paranaenses, em Cascavel, a venda de fertilizantes teria chegado a 91%, enquanto em Londrina, a 79%. Na região de Passo Fundo (RS), as negociações de fertilizantes chegavam a 73% da necessidade dos produtores para a produção para a safra verão 2012/13. Em Mato Grosso, a ureia teve média de R$ 1.439,68/t na região de Sorriso, queda de 6,4% sobre maio/12, e, em Rondonópolis, a tonelada foi negociada a R$ 1.373,10, baixa de 11,3%. O MAP também desvalorizou. Na região de Sorriso, o preço da tonelada desse fosfatado cedeu 2,63% frente a maio, indo para R$ 1.655,66, sendo ainda o segundo maior valor do semestre. Em Rondonópolis, o mesmo produto teve média de R$ 1.597,31/t (-0,65%). No caso do KCl, em Sorriso, o valor médio foi de R$ 1.508,22/t, com queda de 1,35% sobre maio/12. Já em Rondonópolis a cotação média foi de R$ 1.424,63/t, estável no período. 140,00 130,00 120,00 110,00 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 - Soja Milho Alg.Int. Alg.Int.Ext. Preço da soja não para de subir! Do algodão, de ceder! As cotações da soja não param de subir, batendo mais um recorde em termos nominais (sem descontar a inflação) no Brasil. As fortes demanda interna e externa dão sustentação aos preços, em um ano em que a oferta brasileira diminuiu. Calor e seca nos Estados Unidos também levam a incertezas sobre a produção local, resultando em preços próximos aos recordes nas bolsas americanas. Em Mato Grosso, a cotação média da soja em junho foi de R$ 53,85/sc, 47,8% maior que a de dez/2011, período em que os preços começaram a subir. Porém, vale destacar que grande parte dos produtores havia feito contratos antecipados de venda da safra 2011/12 a preços fixos, conseguindo absorver apenas pequena parte das valorizações recentes. Pelo algodão, produtores de Mato Grosso receberam em média R$ 1,397 por librapeso, o que representa baixa de 6,3% em relação a maio e de 12% no acumulado do ano. Cotonicultores acompanham com atenção o resultado da colheita das primeiras áreas, as quais foram afetadas por chuvas em junho. Muitos dos lotes dessa produção estão comprometidos com negócios de exportação. Quanto ao milho, a colheita da 2ª safra se iniciou nas regiões mato-grossenses e a média de junho foi menor que a do mês anterior, na marca de R$ 15,54/sc, acumulando queda de 28% desde março/12, período que começou a retração. Os dados apontam para produtividade recorde nesta temporada, elevando os excedentes domésticos. Crescem, então, as expectativas de produtores quanto à possibilidade de exportação, que pode ser estimulada também pela valorização do dólar e das cotações externas. Custos de algodão e milho cedem, mas da soja são recordes Depois de atingir o maior custo de produção da série Cepea em maio/12, o desembolso (custo operacional) com o algodão diminuiu 1,0% em junho considerando-se a compra de todos os insumos a preços de um único mês. Na média das regiões de Campo Novo do Parecis, Sorriso e Campo Verde, o custo foi de R$ 5.252,22/ha. Os fertilizantes, que de fevereiro a maio registraram alta, foram os grandes responsáveis pela quebra da sequência de altas em junho a retração média dos principais adubos utilizados nas três regiões foi de 3,0% no mês. Para a cultura do milho, em maio, o custo chegou a níveis preocupantes, mas, em junho, recuou 4,1%, com desembolso calculado em R$ 1.309,93/ha na média das três regiões mato-grossenses. O alívio aos produtores também veio do recuo nas cotações dos fertilizantes, principalmente da ureia que, na média de junho, cedeu 4,8% considerando-se as regiões analisadas. O custo das sementes também diminuiu, 6,2%. Já a soja manteve a tendência dos meses anteriores e registrou novo recorde de custo. Para se cultivar um hectare da oleaginosa, foram necessários R$ 1.498,00 em junho, 2,1% a mais que em maio e 21,4% superior ao valor calculado em junho/2011. Os grandes vilões foram as sementes e herbicidas, que aumentaram 6,8% e 2,1% na média das regiões, respectivamente, de um mês para outro. Os fertilizantes também tiveram aumento, mas de apenas 0,8% na média mensal das regiões. Receita é insuficiente para cobrir custos do algodão A receita bruta do algodão safra em junho foi inferior aos custos totais: na média das regiões mato-grossenses, o retorno por real investido (rrct) foi de -3,9%, ante 0,8% em maio. Novamente, os preços cederam mais que os custos, com a receita sendo a menor desde março de Na região de Sorriso, que já registrava rrct negativo, em junho, a rentabilidade esteve negativa em 11,65%. Campo Novo do Parecis que, em maio ainda operava no positivo, fechou com o primeiro rrct negativo (0,8%) desde outubro/2009. A região de Campo Verde foi única que ainda apresentou receita em equilíbrio com o custo total, sem margem. O cenário do sistema soja mais algodão segunda safra adensado se tornou ainda mais preocupante que no mês anterior. Em junho, o rrct calculado foi de 0,99% em Campo Novo do Parecis, enquanto em Sorriso a rentabilidade foi nula. Mesmo assim, o sistema soja mais algodão segunda safra 0,76 m continua sendo a melhor opção entre as analisadas. Em todas as regiões, o rrct foi positivo, com média de 11,9%, podendo ainda ser apontado como a única alternativa viável ao cotonicultor de Mato Grosso, já que salda o custo total em todas as regiões pesquisadas considerando-se a compra de insumos e a venda da produção a preços de um mesmo mês, no caso, de junho. Claramente, a rentabilidade da soja é que puxou este resultado para cima. No sistema soja sucedida por milho, os índices de rentabilidade cresceram de 3,6% em maio para 5,1% em junho, retomando a série ascendente do início deste ano. Neste caso, a diminuição nos custos de produção do milho atrelada aos maiores preços da soja foram os fatores de avanço da rentabilidade. Figura 1 - Preços médios de comercialização de algodão, soja e milho em Mato Grosso

2 Receita Líquida Total () Retorno sobre custo total Receita Líquida Total () Retorno sobre custo total Receita Líquida Total () Retorno sobre custo total R$ 2.100,00 R$ 1.800,00,00,00 R$ 900,00,00,00 -,00 -,00 -R$ 900,00 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 Algodão () Soja + Algodão 0,76 () Soja + Algodão Adensado () Soja + Milho () Algodão (% CT) Soja + Algodão 0,76 (% CT) Soja + Algodão adensado (% CT) Soja + Milho (% CT) 42 % 36 % 30 % 24 % 18 % 12 % 6 % 0 % -6 % -12 % -18 % Figura 2 - Rentabilidade sobre o Custo Total em Sorriso/MT - as barras relacionam o retorno em e as linhas, em percentagem,00 R$ 2.700,00 R$ 2.400,00 R$ 2.100,00 R$ 1.800,00,00,00 R$ 900,00,00,00 -,00 -,00 -R$ 900,00 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 Algodão () Soja + Algodão 0,76 () Soja + Algodão Adensado () Soja + Milho () Algodão (% CT) Soja + Algodão 0,76 (% CT) Soja + Algodão adensado (% CT) Soja + Milho (% CT) 60 % 54 % 48 % 42 % 36 % 30 % 24 % 18 % 12 % 6 % 0 % -6 % -12 % -18 % Figura 3 - Rentabilidade sobre o Custo Total em Campo Novo do Parecis/MT - as barras relacionam o retorno em e as linhas, a percentagem R$ 3.500,00 R$ 3.150,00 R$ 2.800,00 R$ 2.450,00 R$ 2.100,00 R$ 1.750,00 R$ 1.400,00 R$ 1.050,00 R$ 700,00 R$ 350,00 -R$ 350,00 -R$ 700,00 -R$ 1.050,00 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 Algodão () Soja + Algodão 0,76 () Soja + Milho () Algodão (% CT) Soja + Algodão 0,76 (% CT) Soja + Milho (% CT) Figura 4 - Rentabilidade sobre o Custo Total em Campo Verde/MT - as barras relacionam o retorno em e as linhas, em percentagem 60% 54% 48% 42% 36% 30% 24% 18% 12% 6% 0% -6% -12% -18%

3 R$/lp R$ R$ int RB int + ext Figura 5 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão em Sorriso/MT R$ 4,50 R$ 4,00 R$ 3,50 R$ 3,00 R$ 2,50 R$ 2,00 R$ 1,50 R$ 1,00 R$ 0,50 R$ 0,00 CO LRV CARP LRV Merc Int. (LRV) Merc Int. + Ext. (LRV) Figura 6 - Custos e receitas unitários (pluma + caroço) - CO, CARP e RB para a produção de algodão em Sorriso/MT int RB int + ext Figura 7 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Sorriso/MT R$ R$ R$ R$ R$ int RB int + ext Figura 8 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão segunda safra adensado (OGM) em Sorriso/MT

4 R$ R$ R$ R$ R$ Figura 9 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja (OGM) em Sorriso/MT R$ R$ R$ Figura 10 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de milho segunda safra em Sorriso/MT R$ int Figura 11 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja e algodão segunda safra 0,76 em Sorriso/MT R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ int Figura 12 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja e algodão seg. safra adensado em Sorriso/MT

5 R$ R$ R$ Figura 13 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja e milho segunda safra em Sorriso/MT R$ R$ R$ R$ 800 R$ 400 R$ 200 Figura 14 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão em Sorriso/MT R$ R$ R$ 900 R$ 450 Figura 15 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Sorriso/MT R$ R$ 900 R$ 450 Figura 16 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra adensado (OGM) em Sorriso/MT

6 R$/lp R$ 350 R$ 200 R$ 100 R$ 50 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos e inoculantes Figura 17 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de soja (OGM) em Sorriso/MT R$ 210 R$ 180 R$ 120 R$ 90 R$ 60 R$ 30 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos Figura 18 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de milho segunda safra (OGM) em Sorriso/MT R$ R$ int RB int + ext Figura R$ 19 4,50 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão em Campo Novo do Parecis/MT R$ 4,00 R$ 3,50 R$ 3,00 R$ 2,50 R$ 2,00 R$ 1,50 R$ 1,00 R$ 0,50 R$ 0,00 CO CNP CARP CNP Merc Int. (CNP) Merc Int. + Ext. (CNP) Figura 20 - Custos e receitas unitários (pluma + caroço) - CO, CARP e RB para a produção de algodão em Campo Novo do Parecis/MT

7 int RB int + ext Figura 21 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) do algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ R$ R$ int RB int + ext Figura 22 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) do algodão segunda safra adensado (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ R$ Figura 23 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ Figura 24 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de milho segunda safra (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT

8 R$ int Figura 25 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) da soja e algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ int Figura 26 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) da soja e algodao segunda safra adensado em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ Figura 27 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja e milho segunda safra em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ 800 R$ 400 R$ 200 Figura 28 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão em Campo Novo do Parecis/MT

9 R$ R$ R$ 900 R$ 450 Figura 29 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ 900 R$ 450 Figura 30 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra adensado (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ 350 R$ 200 R$ 100 R$ 50 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos e inoculantes Figura 31 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de soja (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ 210 R$ 180 R$ 120 R$ 90 R$ 60 R$ 30 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos Figura 32 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de milho segunda safra (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT

10 R$/lp R$ R$ int RB int + ext Figura 33 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão em Campo Verde/MT R$ 4,50 R$ 4,00 R$ 3,50 R$ 3,00 R$ 2,50 R$ 2,00 R$ 1,50 R$ 1,00 R$ 0,50 R$ 0,00 CO CVD CARP CVD Merc Int. (CVD) Merc Int. + Ext. (CVD) Figura 34 - Custos e receitas unitários (pluma + caroço) - CO, CARP e RB para a produção de algodão em Campo Verde/MT int RB int + ext Figura 35 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão segunda safra 0,76 (OGM) em Campo Verde/MT R$ R$ R$ R$ R$ R$ Figura 36 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja (OGM) em Campo Verde/MT

11 R$ R$ R$ Figura 37 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de milho segunda safra (OGM) em Campo Verde/MT R$ int Figura 38 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja e algodão segunda safra 0,76 em Campo Verde/MT R$ R$ R$ R$ Figura 39 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soja e milho segunda safra (OGM) em Campo Verde/MT R$ R$ R$ R$ 800 R$ 400 R$ 200 Figura 40 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão em Campo Verde/MT

12 R$ R$ R$ 900 R$ 450 Figura 41 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra 0,76 (OGM) em Campo Verde/MT R$ 350 R$ 200 R$ 100 R$ 50 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos e inoculantes Figura 42 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de soja (OGM) em Campo Verde/MT R$ 210 R$ 180 R$ 120 R$ 90 R$ 60 R$ 30 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos Figura 43 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de milho segunda safra em Campo Verde/MT

13 Custo Operacional e Total das culturas em Sorriso/MT () Itens Algodão (a) Algodão seg. safra 0,76 (b) Algodão seg. safra adensado (c) Soja (d) Fertilizantes 1.092, , ,22 864, , ,54 551,91 752,30 731,21 311,91 398,19 399,85 Herbicidas 368,72 405,35 400,44 357,25 387,36 382,79 188,19 234,41 225,29 43,10 59,42 57,83 Inseticidas 708,68 739,12 754,68 620,24 654,20 670,16 496,35 566,97 585,35 78,42 80,01 77,47 Fungicidas 121,73 140,98 141,35 70,36 83,75 84,28 91,12 99,01 98,19 78,00 79,79 77,50 DMR (Desf./Mat./Regulador) 138,17 134,23 134,87 128,99 125,13 121,81 141,22 134,23 134,87 Outros químicos 3,58 5,02 5,52 3,58 5,02 5,52 3,88 5,02 5,52 6,36 8,25 8,93 Semente 39,69 49,64 51,27 47,63 59,57 61,52 110,99 138,99 143,54 182,25 191,25 209,25 Serviço terceirizado 140,00 140,00 140,00 140,00 140,00 140,00 Diesel 262,10 259,38 259,38 225,72 223,39 223,39 243,11 241,01 241,01 42,49 42,12 42,12 Manut. Maq e Equip. 261,99 261,99 261,99 242,68 242,68 242,68 283,00 283,00 283,00 48,63 48,63 48,63 Frete 29,00 41,99 44,34 M. de Obra 242,69 276,98 276,98 209,01 238,54 238,54 225,50 257,36 257,36 39,41 44,98 44,98 Armaz/Benef 687,10 807,14 798,37 604,65 710,28 702,56 803,97 627,70 621,92 107,61 148,37 153,73 Tributos de comercialização 202,71 175,19 167,12 178,38 154,16 147,06 206,55 115,62 110,30 65,25 91,66 95,04 Seguro 17,02 17,02 17,02 15,74 15,74 15,74 19,10 19,10 19,10 3,90 3,90 3,90 Assit. Técnica 25,54 28,87 28,79 21,92 24,79 24,74 17,61 20,44 20,39 16,61 19,05 19,33 Financ. de capital de giro 439,41 496,61 495,19 377,13 426,39 Custo operacional 4.752, , , , , , , ,73 Custo Total 5.355, , , , , , , ,45 Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Sorriso/MT () Itens Milho (e) Sistema (d)+(b) Sistema (d)+(c) Sistema (d)+(e) Fertilizantes 289,00 388,86 352, , , ,39 863, , ,06 574,45 787,05 752,39 Herbicidas 39,67 61,50 63,56 401,69 446,78 440,62 231,29 293,83 283,12 81,61 120,92 121,39 Inseticidas 45,71 55,67 61,84 694,15 734,20 747,64 574,77 646,97 662,82 137,13 135,67 139,31 Fungicidas 16,19 15,35 14,93 154,49 163,53 161,78 169,12 178,80 175,69 92,25 95,14 92,43 DMR (Desf./Mat./Regulador) 128,99 125,13 121,81 141,22 134,23 134,87 Outros químicos 9,57 13,27 14,45 10,24 13,27 14,45 6,36 8,25 8,93 Semente 274,00 373,52 280,00 208,88 250,82 270,77 293,24 330,24 352,79 456,25 564,77 489,25 Serviço terceirizado 17,00 17,00 17,00 140,00 140,00 140,00 17,00 17,00 17,00 Diesel 50,18 49,66 49,66 268,29 265,51 265,51 285,60 283,13 283,13 92,58 91,78 91,78 Manut. Maq e Equip. 67,43 67,43 67,43 291,31 291,31 291,31 331,63 331,63 331,63 116,06 116,06 116,06 Frete 85,22 78,36 68,15 29,84 41,99 44,34 29,00 41,99 44,34 115,16 120,35 112,49 M. de Obra 46,46 53,03 53,03 248,42 283,52 283,52 264,91 302,34 302,34 85,87 98,00 98,00 Armaz/Benef 0,00 0,00 0,00 714,03 858,65 856,29 911,58 776,07 775,64 107,61 148,37 153,73 Tributos de comercialização 30,49 28,04 24,38 244,84 245,83 Seguro 5,06 5,06 5,06 19,64 19,64 19,64 22,99 22,99 22,99 8,95 8,95 8,95 Assit. Técnica 16,57 21,30 18,86 38,48 43,84 44,07 34,22 39,49 39,72 32,85 40,35 38,19 Financ. de capital de giro 117,90 147,51 130,45 487,77 554,70 555,90 413,82 479,89 481,09 226,76 275,82 260,86 Custo operacional 1.100, , , , , , , , , , , ,19 Custo Total 1.648, , , , , , , , , , , ,81 Fonte: Cepea 425,48 302,93 351,57 350,67 110,89 128,32 242, , , , , , , , ,62 271,80 207,29 205,33 96,08 130,42 119,70 119,42 Custo Operacional e Total das culturas em Campo Novo do Parecis/MT () Algodão (a) Algodão seg. safra 0,76 (b) Algodão seg. safra adensado (c) Itens Fertilizantes 934, ,97 Herbicidas 366,61 424, ,43 743,90 955,33 772,15 586,24 801,70 770,56 Soja (d) 332,08 440,83 444,89 414,43 253,84 286,51 279,32 221,84 307,77 329,36 36,67 46,25 48,48 Inseticidas 684,03 854,02 839,18 543,53 701,85 625,77 472,83 619,09 619,69 59,06 77,66 79,21 Fungicidas 92,80 117,39 118,90 57,60 71,84 60,60 60,90 58,69 59,45 89,60 112,19 115,38 DMR (Desf./Mat./Regulador) 140,60 147,52 155,66 87,29 89,29 87,79 63,26 60,58 62,21 Outros químicos 5,51 8,72 8,72 5,51 8,72 7,38 5,76 8,72 8,72 11,24 16,52 16,47 Semente 113,36 134,24 137,66 83,36 104,24 93,67 276,49 346,24 357,57 154,05 171,60 183,95 Serviço terceirizado 50,00 50,00 50,00 50,00 50,00 50,00 370,00 370,00 370,00 0,00 0,00 0,00 Diesel 212,29 213,03 213,03 192,88 193,55 192,79 105,10 105,37 105,37 33,87 33,96 33,96 Manut. Maq e Equip. 222,43 222,43 222,43 197,13 197,13 197,13 82,70 82,70 82,70 44,25 44,25 44,25 Frete 33,50 46,19 47,86 M. de Obra 372,10 424,67 424,67 338,07 385,83 385,83 184,05 210,05 210,05 59,32 67,70 67,70 Armaz/Benef 813,41 891,18 882,74 695,52 762,31 650,44 848,45 681,57 676,64 121,96 168,15 174,22 Tributos de comercialização 225,04 193,13 185,37 192,89 165,54 172,46 223,66 126,78 121,68 67,79 92,26 94,44 Seguro 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 4,11 4,11 4,11 Assit. Técnica 23,96 28,41 27,95 19,15 22,83 20,64 18,22 22,28 22,32 16,40 20,22 20,69 Financ. de capital de giro 398,37 472,36 464,85 318,42 379,69 343,28 302,97 370,53 371,13 106,47 131,85 134,96 Custo operacional 4.672, , , , , , , , , , , ,55 Custo Total 5.215, , , , , , , , , , , ,39 Fonte: Cepea

14 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 Itens Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Fungicidas DMR (Desf./Mat./Regulador) Outros químicos Semente Serviço terceirizado Diesel Manut. Maq e Equip. Frete M. de Obra Armaz/Benef Tributos de comercialização Seguro Assit. Técnica Financ. de capital de giro Custo operacional Custo Total Fonte: Cepea 280,27 87,83 25,54 38,88 250,00 37,45 58,70 79,56 65,65 34,56 4,50 16,89 115, , ,31 Custo Operacional e Total das culturas em Campo Novo do Parecis/MT () Milho (e) Sistema (d)+(b) Sistema (d)+(c) 365,64 96,18 96,19 290,83 28,71 51,38 260,00 37,59 58,70 70,51 29,51 63,43 74,92 74,92 30,63 4, , , ,40 918, , ,45 574,45 787,05 752,39 779,51 89,29 775,00 531,89 696,75 54,68 144,97 184,03 187,98 150,50 170,88 174,83 267,00 58,70 27,56 4,50 87,29 332,75 25,24 325,60 25,19 245,21 275,84 291,61 430,54 517,84 541,52 50,00 241,38 34,05 397,39 819,49 261,40 21,40 50,00 227,51 241,38 46,19 453,53 930,45 257,80 21,40 50,00 227,51 241,38 47,86 354,02 60,58 370,00 139,33 126,95 126,95 126,95 46,19 453,53 243,37 277,75 277,75 930,09 253,32 21,40 19,46 19,49 36,08 43,05 43,19 130,16 355,84 37,59 129,44 603,87 16,33 226,72 428,25 511, ,87 93,35 509,16 258,51 63,26 17,00 370,00 138,97 33,50 970,41 291,45 21,40 34, ,20 25,24 849,72 219,03 21,40 377,83 698,90 370,00 139,33 850,86 216,12 81,61 137,13 92,25 6,36 456,25 17,00 92,58 116,06 47,86 115, , , , , , , , , , , , , ,13 409,43 42,50 502,38 62,21 25,19 21,40 43,00 506, , ,38 85,87 107,61 96,08 8,95 32, ,60 Sistema (d)+(e) 120,92 135,67 95,14 8,25 17,00 91,78 120,35 121,39 139,31 92,43 8,93 564,77 489,25 98,00 148,37 8,95 40,35 17,00 91,78 116,06 116,06 112,49 98,00 153,73 119,70 119,42 8,95 38,19 226,76 275,82 260, , , , ,81 Itens Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Fungicidas DMR (Desf./Mat./Regulador) Outros químicos Semente Serviço terceirizado Diesel Manut. Maq e Equip. Frete M. de Obra Armaz/Benef Tributos de comercialização Seguro Assit. Técnica Financ. de capital de giro Custo operacional Custo Total Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Campo Verde/MT () Algodão (a) Algodão seg. safra 0,76 (b) Soja (d) Milho (e) 1.032, , ,06 817,34 982,20 951,59 438,82 519,01 525,15 441,89 538,37 524,96 315,31 382,36 365,34 215,65 234,30 274,23 42,80 49,82 51,85 54,30 68,65 68,53 627,81 715,48 724,22 571,58 645,92 163,22 185,10 185,33 163,22 185,10 132,27 19,64 64,50 45,00 152,89 165,70 17,50 17,50 141,18 163,53 19,64 17,50 17,50 9,84 9,23 9,27 8,42 7,50 7,50 78,66 80,98 120,01 150,09 155,00 124,00 118,00 122,50 266,75 360,00 373,19 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 291,78 333,00 333,00 95,11 108,55 108,55 63,25 653,81 80,98 91,85 91,56 33,00 36,86 38,07 185,33 108,76 121,54 122,89 46,82 54,19 54,19 176,50 232,32 239,20 239,20 189,32 194,93 194,93 50,36 51,85 51,85 46,68 48,06 247,15 247,15 247,15 206,65 206,65 206,65 68,63 68,63 68,63 66,29 66,29 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 31,32 42,36 45,28 774,01 911,71 224,07 190,25 15,99 15,99 63,43 72,76 903,99 688,01 810,41 803,54 116,68 183,15 199,17 169,11 162,80 73,69 15,99 15,99 15,99 15,99 5,53 72,19 158,26 99,08 5,53 72,09 51,69 58,68 59,38 19,75 22,04 310,13 355,74 352,48 252,76 286,89 290,35 99,63 111,92 72,19 163,97 103,62 5,53 22,32 113,55 84,22 68,97 58,63 66, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,13 48,06 66,29 67,06 66,91 38,74 31,72 30,85 4,90 4,90 4,90 20,46 24,94 24,95 108,25 128,67 128,57 Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Fungicidas DMR (Desf./Mat./Regulador) Outros químicos Semente Serviço terceirizado Diesel Manut. Maq e Equip. Frete M. de Obra Armaz/Benef Tributos de comercialização Seguro Assit. Técnica Financ. de capital de giro 352,38 398,81 403,90 218,90 256,99 258,99 Custo operacional Custo Total Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Campo Verde/MT () Sistema (d)+(b) Sistema (d)+(e) Itens 1.256, ,21 258,46 284,12 652,56 737,76 271,99 141,18 29,47 244,01 45,00 239,68 268,09 45,00 42,36 180,73 968,66 268,19 266,41 80,72 277,50 275,28 275,28 275,28 114,92 31,32 158,36 804,69 272,86 21,52 71, ,81 306,64 326,07 163,53 176,50 26,73 246,78 21, ,74 745,37 308,22 26,77 45,00 246,78 45,28 114,06 180,73 21, , , ,29 769,39 98,73 106,92 130,94 14,41 428,00 89,24 98,04 967,52 109,38 105,20 8,80 81,70 37, , , , ,33 936,56 128,07 116,87 133,98 15,75 551,25 90,19 114,92 110,96 111,89 148,37 123,39 8,80 43, , ,35 924,81 126,36 115,54 131,69 111,40 111,89 153,73 8,80 44, ,75 16,43 582,44 90,19 114,92 125, , % 150 % 135 % 120 % 105 % 90 % 75 % 60 % 45 % 30 % 15 % 0 % -15 % -30 % -45 % -60 % Rentabilidade sobre Custo Total em Campo Verde (% CT) Algodão Soja + Algodão 0,76 Soja + Milho

15 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 mar-12 abr-12 mai-12 jun-12 Rentabilidade sobre Custo Total em Sorriso (% CT) Rentabilidade sobre Custo Total em Campo N. Parecis (% CT) 165 % 150 % 135 % 120 % 105 % 90 % 75 % 60 % 45 % 30 % 15 % 0 % -15 % -30 % -45 % -60 % 165 % 150 % 135 % 120 % 105 % 90 % 75 % 60 % 45 % 30 % 15 % 0 % -15 % -30 % -45 % -60 % Algodão Soja + Algodão 0,76 Soja + Algodão adensado Soja + Milho Algodão Soja + Algodão 0,76 Soja + Algodão adensado Soja + Milho Itens Fertilizante MAP Fertlizante KCl Fertilizante uréia Fertilizante sulfato de amônio Fertilizante Herbicida glifosato genérico (480) Herbicida 2,4 D (800) Herbicida cletodim (240) Inseticida metomil (215) Inseticida lambda-cialotrina (250) Inseticida acefato (750) Inseticida lambda-cialotrina (106) + tiametoxam (141) Inseticida cipermetrina genérico (250) Inseticida carbosulfano (400) Fungicida azoxistrobina (200) + ciproconazol (80) Fungicida epoxiconazol (50) + piraclostrobina (133) Fonte: Cepea s/c - sem cotação Relação de troca de algodão por insumos de pluma Sorriso Campo Novo do Parecis 10,68 8,56 7,99 6,51 0,06 26,71 20,98 18,52 0,12 0,19 11,32 26,27 27,92 8,07 20,45 22,95 8,23 6,78 21,69 7,53 18,96 0,13 0,05 0,10 0,25 0,27 0,11 0,29 0,33 0,10 2,26 2,33 1,71 0,10 0,33 0,41 0,22 24,48 1,63 25,57 23,52 20,00 0,40 1,38 0,63 8,59 6,72 7,78 22,21 22,71 7,56 0,04 0,14 0,04 0,06 23,33 17,32 20,51 0,22 0,24 3,00 Campo Verde 0,49 1,32 1,38 0,45 1,27 1,43 0,78 1,88 2,01 1,06 0,13 0,60 0,75 0,38 27,27 0,22 1,80 2,06 s/c 0,40 s/c s/c 0,43 2,00 1,11 25,63 19,49 0,66 0,63 2,01 8,83 0,06 23,91 25,32 20,92 23,10 21,58 0,84 1,87 2,00 0,78 0,42 26,41 27,84 17,23 17,74 0,13 0,21 0,24 0,23 0,25 0,14 0,37 0,41 0,13 0,35 0,39 0,56 1,36 1,58 s/c 1,41 0,22 0,12 0,63 1,75 0,11 1,56 0,12 0,39 s/c 0,10 0,37 0,41 1,29 11,54 0,22 0,68 1,88 1,11 0,74 2,01 1,29 METODOLOGIA: Para o cálculo do custo de produção neste informativo, foram utilizados os coeficientes técnicos da safra 2010/11. Esses coeficientes técnicos foram coletados a campo pela equipe Cepea-Esalq/USP, com a técnica de coleta de dados chamada de painel, em agosto de Neste sistema, o levantamento das informações do custo é realizado através de reuniões entre pesquisadores, técnicos e produtores na região de referência. No painel, conjuntamente os agentes discutem e procuram desenhar um sistema típico de produção de determinada localidade. Todos os passos do custo são detalhados: desde equipamentos, coeficientes técnicos, quantidade e preços pagos. O critério de custo de produção utilizado no estudo foi o do Custo Total. Por este critério estão computados como itens de custo os custos variáveis (insumos, mãode-obra, combustíveis e manutenção de equipamentos), o custo do financiamento do capital de giro, mais a depreciação de máquinas e equipamentos e o custo de estocagem. Também é acrescentada a remuneração de fatores fixos diversos. Os custos analisados são segregados em dois grupos. O primeiro trata-se do Custo Operacional (CO), que inclui os gastos principalmente com insumos variáveis. Posteriormente, adicionamse os valores de depreciação de máquinas e equipamentos, a remuneração do capital investido e custo da terra, obtendo-se o Custo Total (CT) da atividade. Para computar a depreciação e o custo de oportunidade do capital fixo, foi avaliado o Custo Anual de Reposição do Patrimônio (CARP). Observe que nos gráficos onde constam os custos operacionais e totais, também há a representação da Receita Bruta (RB) por hectare, sinalizando

Figura 1 - Preços médios de comercialização de algodão, soja e milho em Mato Grosso

Figura 1 - Preços médios de comercialização de algodão, soja e milho em Mato Grosso R$/sc e R$/@ b JANEIRO DE 2013 ANO 05 EDIÇÃO 44 Incertezas macroeconômicas pressionam cotações em 2012 Em 2012, incertezas macroeconomias motivaram uma postura mais cautelosa por parte de agentes internacionais,

Leia mais

fev/13 mar/13 nov/12 abr/13 dez/12 jan/13

fev/13 mar/13 nov/12 abr/13 dez/12 jan/13 R$/sc e R$/@ b ANO 05 EDIÇÃO 48 Nitrogenados caem até 8% no mercado internacional As cotações de importantes fertilizantes continuam apresentando comportamentos distintos. Em abril, enquanto os preços

Leia mais

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 10. adubo e pelo baixo preço da soja. Em SRS, a relação de troca do grão por 10

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 10. adubo e pelo baixo preço da soja. Em SRS, a relação de troca do grão por 10 ABRIL DE 2010 Rentabilidade do algodão ainda mais favorável INFORMATIVO CEPEA - INSUMOS AGRÍCOLAS Com preços da fibra em alta e custos sinalizando queda, a cultura do algodoeiro se firma por mais um mês

Leia mais

Uréia e KCl ficam mais caros em abril. Grãos: Custos e receitas menores. Rentabilidade aumenta ou diminui?

Uréia e KCl ficam mais caros em abril. Grãos: Custos e receitas menores. Rentabilidade aumenta ou diminui? INFORMATIVO CEPEA INSUMOS AGRÍCOLAS Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP ANO 03 Rentabilidade do algodão cai após nove meses de alta Em abril/11, ocorreram inversões nas séries de

Leia mais

abr/12 mai/12 mar/12 jun/12 jul/12

abr/12 mai/12 mar/12 jun/12 jul/12 R$/sc e R$/@ b ANO 04 Segundo semestre começa com fertilizantes em queda O mercado internacional de fertilizantes esteve em baixa em julho. As incertezas econômicas ainda abalam o interesse de agentes

Leia mais

REPLANTIO E ALTA DO DÓLAR AUMENTAM CUSTO DA SOJA 14/15

REPLANTIO E ALTA DO DÓLAR AUMENTAM CUSTO DA SOJA 14/15 NOVEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO REPLANTIO E ALTA DO DÓLAR AUMENTAM CUSTO 66 DA SOJA 14/15 A safra 2014/15 de soja mal começou em Mato Grosso, mas já dá sinais de que custará mais que o previsto até recentemente.

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR Foi realizado no dia 09 de julho de 2012 em Castro (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação da

Leia mais

PREÇO DO ALGODÃO EM MT SUPERA DESEMBOLSO DA SAFRA 15/16

PREÇO DO ALGODÃO EM MT SUPERA DESEMBOLSO DA SAFRA 15/16 PREÇO DO ALGODÃO EM MT SUPERA DESEMBOLSO DA SAFRA 15/16 O preço do algodão em pluma em janeiro operou acima dos custos para a safra 2015/16 em Mato Grosso, segundo cálculos realizados pelo Cepea. Já na

Leia mais

Custos menores não resolvem a rentabilidade do trigo

Custos menores não resolvem a rentabilidade do trigo Custos menores não resolvem a rentabilidade do trigo Assim como para o milho safrinha, pelo segundo ano consecutivo, a tomada de decisão de quanto e com que tecnologia plantar o trigo acontece em um momento

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR Foi realizado no dia 11 de julho de 2012 em Cascavel (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

CUSTOS TRIMESTRAIS GRÃOS MARÇO/17 - ANO 10 - EDIÇÃO 21

CUSTOS TRIMESTRAIS GRÃOS MARÇO/17 - ANO 10 - EDIÇÃO 21 CUSTOS TRIMESTRAIS MARÇO/17 - ANO 10 - EDIÇÃO 21 CUSTOS TRIMESTRAIS MARÇO - 2017 Safra 2016/17 indica margem positiva com soja O preço de nivelamento (valor mínimo para cobrir o custo operacional efetivo

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Os dados e análises deste relatório são de autoria de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, e fazem parte do projeto Ativos

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Os dados e análises deste relatório são de autoria de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, e fazem parte do projeto Ativos

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

FERTILIZANTES E GLIFOSATO SOBEM MAIS DE 30% NA SAFRA 2007/08

FERTILIZANTES E GLIFOSATO SOBEM MAIS DE 30% NA SAFRA 2007/08 Custos Soja FERTILIZANTES E GLIFOSATO SOBEM MAIS DE 30% NA SAFRA 2007/08 Os reajustes de fertilizantes e glifosato da safra 2006/07 para a 2007/08 de soja no Centro-Oeste são históricos, ultrapassando

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Os produtores de Castro se reuniram no dia 27/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo Milho - Análise É mesmo MILHO COMPROMETIDO EM PLENO PLANTIO: O Imea realizou na semana o primeiro levantamento de comercialização de milho da corrente safra e o volume comprometido alcança 28,8% no mês

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 ANO 2 Nº14 A colheita avança e começa a derrubar os preços da soja em Mato Grosso. De acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ O conteúdo deste arquivo foi elaborado pela equipe Cepea no início de março/2008. Neste arquivo: Produtores de Mato Grosso deixam de ganhar até 38% Vendas antecipadas diminuem lucro do produtor Colheita

Leia mais

COM MARGEM APERTADA, SAFRA 2017/2018 DE SOJA PODE NÃO PAGAR CUSTOS TOTAIS

COM MARGEM APERTADA, SAFRA 2017/2018 DE SOJA PODE NÃO PAGAR CUSTOS TOTAIS twitter.com/sistemacna facebook.com/sistemacna instagram.com/sistemacna www.cnabrasil.org.br www.canaldoprodutor.tv.br Ano 10-23ª Edição - Setembro de 2017 COM MARGEM APERTADA, SAFRA 2017/2018 DE SOJA

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA

ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA Trabalho Elaborado pela Gerência Técnica e Econômica da Ocepar Curitiba, julho de 2008 ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO I - INTRODUÇÃO: A agricultura brasileira

Leia mais

Evolução do Custo de Produção SOJA

Evolução do Custo de Produção SOJA Evolução do Custo de Produção SOJA XXXV Reunião de Pesquisa da Soja Fábio Francisco de Lima Pesquisador do CEPEA/ESALQ-USP -51% -32% -12% -29% -16% -26% 5% 11% -27% -11% -15% -6% -4% -13% -13% % % % 21%

Leia mais

MOSCA BRANCA ELEVA EM ATÉ 35% O GASTO COM INSETICIDA NA SOJA

MOSCA BRANCA ELEVA EM ATÉ 35% O GASTO COM INSETICIDA NA SOJA MOSCA BRANCA ELEVA EM ATÉ 35% O GASTO COM INSETICIDA NA SOJA Na safra 2015/16, além das preocupações com controle de lagartas e percevejos, os produtores de soja de Mato Grosso e de Goiás enfrentaram também

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mês de referência: NOVEMBRO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas de

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA. Preço do trigo em alta pode garantir boa rentabilidade

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA. Preço do trigo em alta pode garantir boa rentabilidade CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Os dados e análises deste relatório são de autoria de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, e fazem parte do projeto Ativos

Leia mais

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL RELATÓRIO DA SAFRA DE SOJA E MILHO REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL Relatório do USDA traz levantamento das regiões de produção de soja no Brasil, com a concentração da produção

Leia mais

Fonte: IMEA

Fonte: IMEA Milhares de toneladas Milho-Análise PREFERÊNCIA SOJA/MILHO: Todo inicio de safra o produtor mato- grossense tem três grandes opções de uso das suas áreas: algodão safra, soja e algodão 2 safra, e o mais

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016 ANO 2 Nº17 A colheita praticamente finalizada em Mato Grosso e o recuo do dólar têm contribuído para o movimento de baixa dos preços, mesmo com a

Leia mais

Viabilidade econômica do milho segunda safra depende dos preços de cada região

Viabilidade econômica do milho segunda safra depende dos preços de cada região Viabilidade econômica do milho segunda safra depende dos preços de cada região Os atuais patamares de preços do milho, apesar da recuperação verificada em outubro, têm levado muitos produtores a questionar

Leia mais

No mês de janeiro houve queda no preço médio em quase todos os estados, com exceção de Goiás.

No mês de janeiro houve queda no preço médio em quase todos os estados, com exceção de Goiás. BOLETIM DO COMPLEXO SOJA 1. Grão: No mês de janeiro houve queda no preço médio em quase todos os estados, com exceção de Goiás. Mesmo com a queda no preço Santa Catarina obteve a maior média de preços

Leia mais

É mesmo 22,58. dez/10. abr/11. jun/11. fev/11. Fonte: Secex

É mesmo 22,58. dez/10. abr/11. jun/11. fev/11. Fonte: Secex ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 Milho - Análise BOLETIM SEMANAL É mesmo SEMENTE SALGADA: O preço da semente

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 ANO 1 Nº9 O ritmo intenso de plantio da soja em Mato Grosso ao longo de todo o mês de novembro contribuiu para que a marca de 95,6% fosse atingida

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ CLASSE DE MAIOR RENDA CONSOME 15 VEZES MAIS QUEIJO QUE A DE MENOR Avanço da renda, portanto, é forte propulsor do consumo de lácteos O impulso da economia brasileira e o conseqüente crescimento da renda

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise Milho - Análise BOLETIM SEMANAL É mesmo COMERCIALIZAÇÃO AUMENTADA: Como se não bastasse a grande comercialização de quase metade do estimado a produzir, logo no mês de setembro de 2011, algo que nunca

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO TRIGO. Análise para 2016

ANÁLISE DO MERCADO TRIGO. Análise para 2016 ANÁLISE DO MERCADO TRIGO Análise para 2016 SOJA MUNDO ANÁLISE DO MERCADO DE TRIGO MUNDO LONGO PRAZO Consumo e Projeção do Consumo Mundial de Trigo (em milhões de toneladas) 900 800 700 600 616 713 741

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, ARROBA SOBE MAIS QUE CUSTO NO 1º SEMESTRE

PELA PRIMEIRA VEZ, ARROBA SOBE MAIS QUE CUSTO NO 1º SEMESTRE Resumo da evolução dos custos em Junho/08 PELA PRIMEIRA VEZ, ARROBA SOBE MAIS QUE CUSTO NO 1º SEMESTRE Pela primeira vez, a arroba do boi gordo no primeiro semestre do ano teve alta superior ao do Custo

Leia mais

R$ 18,11 R$ 17,

R$ 18,11 R$ 17, Jan/10 Fev/10 Mar/10 Abr/10 Mai/10 Jun/10 Jul/10 Ago/10 Set/10 Jan/11 Fev/11 Mar/11 Abr/11 Mai/11 Jun/11 Jul/11 Ago/11 Set/11 BOLETIM SEMANAL É mesmo MOMENTO ZEN: A ausência de negócios em Mato Grosso,

Leia mais

1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2

1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 CLIMA DE EXPECTATIVA: O aumento da expectativa de produtividade do milho safrinha se deve principalmente às condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da cultura ocorridas até então. Os ganhos

Leia mais

CUSTOS DO ALGODÃO BRASILEIRO

CUSTOS DO ALGODÃO BRASILEIRO Uberlândia 13 a 16 de agosto de 2007 CUSTOS MR2: COMPETITIVIDADE : MERCADOS ANÁLISE DE CUSTO Lucilio Rogerio Aparecido Alves Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Cepea/Esalq/Usp Email: lualves@esalq.usp.br

Leia mais

FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO. por Fernando Pimentel

FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO. por Fernando Pimentel FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO por Fernando Pimentel IMPORTÂNCIA DO MOMENTO DE COMPRA Preços dos fertilizantes em Rondonópolis US$/ton 800,00 700,00 KCL 0-18-18 600,00 500,00 400,00 300,00

Leia mais

ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES

ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES 1 ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES Lucilio Rogerio Aparecido Alves 1 A informação sobre o custo de produção de uma cultura é uma das mais importantes para qualquer

Leia mais

Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL

Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL 25-jan 26-jan 27-jan 30-jan 31-jan 1-fev 2-fev 3-fev 6-fev 7-fev 8-fev 9-fev 10-fev 13-fev 14-fev 15-fev 16-fev 1-fev 2-fev 3-fev 4-fev 5-fev 6-fev 7-fev 8-fev 9-fev 10-fev 11-fev 12-fev 13-fev 14-fev

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 27 de abril de 2012 Número: 200

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 27 de abril de 2012 Número: 200 Milhões t Milho - Análise GRANDE OFERTA: Os preços do milho continuam em queda constante, desde quando os principais países produtores do mundo (exceto Argentina) anunciaram aumentar a produção e, em contrapartida,

Leia mais

É mesmo R$ 24,00 R$ 22,00 R$ 20,00 R$ 18,00 R$ 16,00 R$ 14,00 R$ 12,00. Fonte: Imea. Milhões

É mesmo R$ 24,00 R$ 22,00 R$ 20,00 R$ 18,00 R$ 16,00 R$ 14,00 R$ 12,00. Fonte: Imea. Milhões Toneladas Milhões BOLETIM SEMANAL Milho - Análise É mesmo POTENTE E PRECOCE: A poucas semanas do encerramento da colheita do milho e praticamente com 5% de estoque da safra 2010/11, as movimentações para

Leia mais

PROIBIÇÃO DO METAMIDOFÓS DEVE ELEVAR CUSTOS NO CONTROLE DE PERCEVEJOS

PROIBIÇÃO DO METAMIDOFÓS DEVE ELEVAR CUSTOS NO CONTROLE DE PERCEVEJOS PROIBIÇÃO DO METAMIDOFÓS DEVE ELEVAR CUSTOS NO CONTROLE DE PERCEVEJOS Em janeiro deste ano, foi publicada no Diário Oficial da União resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que determina

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 17 de agosto de 2012 Número: 216

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 17 de agosto de 2012 Número: 216 Milho - Análise PESO DA TECNOLOGIA: O valor dos insumos no mês de julho para o plantio do milho 2ª safra 2012/13 tomou rumo contrário ao esperado e reduziu. Adquirindo os insumos para o plantio de milho

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: FEVEREIRO/2012 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Ano IV - Edição 29 Julho 2013

Ano IV - Edição 29 Julho 2013 da pecuária de leite Ano IV - Edição 29 Julho ALTA DO PREÇO DO LEITE MELHORA RELAÇÃO DE TROCA POR INSUMOS A sucessiva alta no preço do leite pago ao produtor no primeiro semestre de melhorou a relação

Leia mais

É mesmo R$ 21,00 R$ 20,90 R$ 20,80 R$ 20,70 R$ 20,60 R$ 20,50 R$ 20,40 R$ 20,30 R$ 20,20 R$ 20,10

É mesmo R$ 21,00 R$ 20,90 R$ 20,80 R$ 20,70 R$ 20,60 R$ 20,50 R$ 20,40 R$ 20,30 R$ 20,20 R$ 20,10 Milhões de toneladas Milho - Análise BOLETIM SEMANAL É mesmo COLHENDO E COMPARANDO: O start na colheita ocorreu na semana passada, mas, sem muito alvoroço, pois os produtores estavam apenas calibrando

Leia mais

Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante. Fabio Silveira André Melo

Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante. Fabio Silveira André Melo Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante Fabio Silveira André Melo Março 2017 Relação de Troca Produto Agrícola x Fertilizante Relação de troca em { Jan / 17 } Soja Milho Arroz Café Algodão

Leia mais

Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL

Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL PRODUTIVIDADE COMPROMETIDA: A falta de chuvas regulares em todo o estado de Mato Grosso deverá comprometer a produtividade da safra 09/10 de algodão. Em algumas

Leia mais

R$ 24,20 R$ 22,20 R$ 21,

R$ 24,20 R$ 22,20 R$ 21, Milho - Análise CHEGANDO AO FIM: Com 80,1% da área de milho 2ª safra colhida torna-se mais evidente que a safra 11/12 será a maior da história, elevando o Brasil como salvador do mercado internacional,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas 2017

Balanço 2016 Perspectivas 2017 2203 Valor Bruto da Produção (VBP) 23 24 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 AGRICULTURA PUXA CRESCIMENTO DO VBP EM 2017 O cenário econômico internacional será o responsável pelo comportamento

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 As exportações do Estado do Paraná, em abril de 2016, foram de US$ 1,499 bilhão. As principais contribuições foram de produtos alimentares (complexo

Leia mais

Estrutura dos custos de produção do milho no Brasil comparada à de outros países

Estrutura dos custos de produção do milho no Brasil comparada à de outros países Estudo Estrutura dos custos de produção do milho no Brasil comparada à de outros países Mauro Osaki, Lucilio Rogerio Aparecido Alves e Geraldo Sant Ana de Camargo Barros * freeimages / andrew peden Custos

Leia mais

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas Soja Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas apresentaram queda no primeiro mês de 2014, como mostra a Tabela 1. O estado de Minas Gerais foi o único que apresentou variação

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL MAIO

CONJUNTURA MENSAL MAIO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL MAIO ANO 1 Nº1 O mercado de soja tem observado movimentação de queda em seus preços, decorrente principalmente das evoluções no lado da oferta, tanto em âmbito nacional

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE FERTILIZANTES Outubro/2015

RELATÓRIO MENSAL DE FERTILIZANTES Outubro/2015 RELATÓRIO MENSAL DE FERTILIZANTES Outubro/2015 UREIA 2 Mercado Internacional - Os Estados Unidos e o Brasil atrasaram as aquisições de nitrogenados para as aplicações de outono e da segunda safra de milho,

Leia mais

NOVOS CAMINHOS NA ANÁLISE DE RENTABILIDADE DA PECUÁRIA

NOVOS CAMINHOS NA ANÁLISE DE RENTABILIDADE DA PECUÁRIA Resumo da evolução dos custos em Abril/08 NOVOS CAMINHOS NA ANÁLISE DE RENTABILIDADE DA PECUÁRIA Quando o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Cepea/Esalq-USP) e a CNA (Confederação

Leia mais

17,00 17,00 17,20 17,80 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5

17,00 17,00 17,20 17,80 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 Milhões de Toneladas Milho-Análise DE OLHO NOS ESTADOS UNIDOS: Na primeira semana de outubro, os principais contratos futuros do milho sofreram queda na Bolsa de Chicago. O contrato para dezembro/13 apresentou

Leia mais

Mamona Período: março de 2014

Mamona Período: março de 2014 Mamona Período: março de 2014 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 128,18 130,38 126,73

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise 3-jan-12 4-jan-12 5-jan-12 6-jan-12 7-jan-12 8-jan-12 9-jan-12 10-jan-12 11-jan-12 12-jan-12 13-jan-12 14-jan-12 15-jan-12 16-jan-12 17-jan-12 18-jan-12 19-jan-12 É mesmo CADÊ A SEMENTE?: O principal insumo

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 26 de abril de 2013 Número: 250

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 26 de abril de 2013 Número: 250 Soja - Análise BOLETIM SEMANAL CUSTANDO CARO: Outro fator impulsiona a expectativa do produtor quanto à alta nos preços da soja para esta safra, o custo de produção, que foi pressionado principalmente

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. 23-nov. 25-out

BOLETIM SEMANAL. 23-nov. 25-out 25-out 27-out 31-out 2-nov 4-nov 8-nov 10-nov 14-nov 16-nov 18-nov 22-nov 25-nov 1-nov 3-nov 5-nov 7-nov 9-nov 11-nov 13-nov 15-nov 17-nov 19-nov 21-nov 23-nov 28-out 30-out 1-nov 3-nov 5-nov 7-nov 9-nov

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja 1. PREVISÃO DE SAFRA E DESTINAÇÃO De acordo com o 7 Levantamento de safra 2015/16, publicado em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área

Leia mais

SAFRAS PERSPECTIVAS PARA A SOJA EM 2009

SAFRAS PERSPECTIVAS PARA A SOJA EM 2009 SAFRAS & Mercado PERSPECTIVAS PARA A SOJA EM 2009 1700 1600 1500 1400 SOJA - CBOT X PETRÓLEO - NYMEX 1658,00 Soja 145,45 Petróleo 150 140 130 120 US$ cents/bushel 2008 16-jan 31-jan 14-fev 29-fev 14-mar

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE Mercado Interno

BOVINOCULTURA DE CORTE Mercado Interno BOVINOCULTURA DE CORTE Mercado Interno No Mato Grosso do Sul, na semana de 10 a 14/ago, os preços da arroba do boi e da vaca registraram relativa estabilidade. Os preços registrados em agosto se acomodaram

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Os dados e análises deste relatório são de autoria de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, e fazem parte do projeto Ativos

Leia mais

14,25 14,00 13,75 13,50 13,25 13,00 12,75 12, fev

14,25 14,00 13,75 13,50 13,25 13,00 12,75 12, fev 25-fev 27-fev 1-mar 3-mar 5-mar 7-mar 9-mar 11-mar 13-mar 15-mar 17-mar 19-mar 21-mar 23-mar 25-mar Soja - Análise BOLETIM SEMANAL NO COMPASSO DA COMERCIALIZAÇÃO: Mato Grosso comercializou até o dia 24

Leia mais

17 de abril de 2015/ nº 278

17 de abril de 2015/ nº 278 Volume exportado (mil t) 17 de abril de 2015/ nº 278 Produção cara: Produzir algodão em Mato Grosso nunca foi tão caro. De acordo com o último relatório de custo de produção para a safra 2015/16, um hectare

Leia mais

esta semana, porém as chuvas ininterruptas dificultaram os trabalhos. O descompasso de colheita já chega a 16 pontos

esta semana, porém as chuvas ininterruptas dificultaram os trabalhos. O descompasso de colheita já chega a 16 pontos Soja - Análise CHOVE CHUVA: Meados de fevereiro é um período importante para a colheita de soja, pois espera-se que todos os municípios estejam colhendo de maneira intensa, momento este conhecido por boca

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$100,0 milhões no 6M16. Lucro Líquido de R$45,8 milhões no 6M16. EBITDA Ajustado de R$18,3 milhões no 6M16. Fornecimento de 1,0 milhão

Leia mais

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 989,25 981,50 7,75 992,00 981,75 JAN 998,50 990,75 7,75 1.001,75 990,00 MAR 1005,50 997,25 8,25 1.007,75 996,25 MAI 1012,25 1004,00 8,25 1.014,25

Leia mais

mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda

mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda Soja Os preços médios da soja apresentaram pequena queda em fevereiro, como mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda e apresentou variação positiva para fevereiro,

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 72,12 R$ 67,20

BOLETIM SEMANAL R$ 72,12 R$ 67,20 11/9 13/9 15/9 17/9 19/9 21/9 23/9 25/9 27/9 29/9 1/10 3/10 5/10 7/10 9/10 11/10 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu 4-jul 11-jul 18-jul 25-jul 1-ago 8-ago 15-ago 22-ago 29-ago 5-set 12-set 19-set

Leia mais

É mesmo R$ 17,00 R$ 16,50 R$ 15,50 R$ 15,00 R$ 14,50 R$ 14,00

É mesmo R$ 17,00 R$ 16,50 R$ 15,50 R$ 15,00 R$ 14,50 R$ 14,00 Milhões de toneladas BOLETIM SEMANAL Milho - Análise É mesmo A PACIÊNCIA PODE SER UMA VIRTUDE: Os números do último levantamento de comprometimento do milho matogrossense, realizado pelo Imea, apresentaram

Leia mais

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%):

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%): SIM SEBRAE Inteligência de Mercados Edição n - Fev/6 Índice de atividade econômica - IBC-Br (%) A produção industrial brasileira apresentou leve recuperação no período de novembro a dezembro de 25. pg

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho-Análise. 20 de dezembro de 2012 Número: 234

BOLETIM SEMANAL. Milho-Análise. 20 de dezembro de 2012 Número: 234 Milho-Análise RETROSPECTIVA 2012: O ano de 2012 foi dourado para o milho 2ª safra. Em Mato Grosso quem arriscou plantar não se arrependeu. O clima nunca foi tão bom para a cultura no Estado, cujas disponibilidade

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T16

Teleconferência de Resultados 3T16 Teleconferência de Resultados 3T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$95,0 milhões no 9M16. Lucro Líquido de R$27,8 milhões no 9M16. EBITDA Ajustado de R$17,2 milhões no 9M16. Obtenção de licenças para

Leia mais

(41) (41) Engenheiro-agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas

(41) (41) Engenheiro-agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OS MERCADOS DE SOJA e MILHO EM 13/14 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro-agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas SINDIADUBOS Curitiba (PR), 31/out/13 www.agrural.com.br fmuraro@agrural.com.br

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Pecuária de Leite

Balanço 2016 Perspectivas Pecuária de Leite Pecuária de Leite 121 122 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 TENDÊNCIA MUNDIAL É DE QUEDA NA PRODUÇÃO, MAS BRASIL PODE SER EXCEÇÃO NESTE CENÁRIO A baixa demanda de importantes países importadores

Leia mais

CONJUNTURA DO MERCADO DE MANDIOCA E DERIVADOS NO BRASIL

CONJUNTURA DO MERCADO DE MANDIOCA E DERIVADOS NO BRASIL CONJUNTURA DO MERCADO DE MANDIOCA E DERIVADOS NO BRASIL 1 SEMESTRE/2011 Fábio Isaías Felipe Pesquisador do Cepea/ESALQ/USP E-mail: fifelipe@esalq.usp.br Fone: 55 19 3429-8847 Fax: 55 19 3429-8829 http://www.cepea.esalq.usp.br

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DESAFIOS DO PRODUTOR:

DESAFIOS DO PRODUTOR: Milho-Análise DESAFIOS DO PRODUTOR: Durante o período de plantio, colheita e comercialização de uma cultura, a tarefa de garantir boa produção e bom preço são de grande relevância para o produtor. Sendo

Leia mais

Abril de USDA PREVÊ AUMENTO DE 2,3% DA PRODUÇÃO DE LEITE BRASILEIRA EM 2012

Abril de USDA PREVÊ AUMENTO DE 2,3% DA PRODUÇÃO DE LEITE BRASILEIRA EM 2012 USDA PREVÊ AUMENTO DE 2,3% DA PRODUÇÃO DE LEITE BRASILEIRA EM 2012 De acordo com o relatório semestral do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção de leite no Brasil em 2012 deve

Leia mais

Volatilidade cambial e commodities. Cenários para 2016

Volatilidade cambial e commodities. Cenários para 2016 Volatilidade cambial e commodities Cenários para 2016 jan-13 mar-13 mai-13 jul-13 set-13 nov-13 jan-14 mar-14 mai-14 jul-14 set-14 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 Trajetória

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 03 de fevereiro de 2012 Número: 188. É mesmo

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 03 de fevereiro de 2012 Número: 188. É mesmo 1000 t Milho - Análise BOLETIM SEMANAL É mesmo QUEDA BENÉFICA: Após uma semana de grandes oscilações da cotação internacional do milho, a cultura conseguiu mais uma semana de aumento substancial e começa

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2015

Mamona Período: janeiro de 2015 Mamona Período: janeiro de 2015 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 96,02 79,16 76,18

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO A PREÇO BAIXO:

COMERCIALIZAÇÃO A PREÇO BAIXO: R$/sc Soja - Análise BOLETIM SEMANAL COMERCIALIZAÇÃO A PREÇO BAIXO: Independentemente da fase de desenvolvimento em que se encontre a lavoura, a comercialização da safra acompanha todos os estágios. Nesse

Leia mais