Plano Estratégico da OISC/CPLP Plano Anual de Trabalho 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Estratégico da OISC/CPLP Plano Anual de Trabalho 2014"

Transcrição

1 Plano Estratégico da OISC/CPLP Plano Anual de Trabalho 2014 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação, comunicação e avaliação institucional Ação a.1.) Executar programas de estágio e visitas de estudo nas áreas de interesse dos Tribunais 1. Participação de auditores de outros tribunais em auditorias (fases do planejamento e do relato) e/ou em verificações internas de contas a realizar no TC Portugal, de acordo com solicitação dos interessados. - TCP auditoria e/ou VIC 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir 3. Realizar outras ações de capacitação técnica nos Tribunais da OISC/CPLP. -Tribunais 1

2 Março de 2014 Envio de proposta-base para coleta de sugestões dos TCs (TCP) 2ª quinzena de maio de 2014 a.2.) Realizar concurso bianual de trabalhos técnicos da OISC/CPLP 1.Elaborar e aprovar regulamento e CD Consolidação das sugestões ( e TCU- Brasil) Junho de 2014 Discussão e aprovação da proposta (EqT) a.3.) Organizar seminários bianuais da OISC/CPLP (2011, 2013 e 2015) a.4.) Realizar cursos de capacitação anuais 4- Realizar seminário em Realizar cursos em matéria de controle externo e apoio administrativo Setembro de 2014 Deliberação sobre a proposta (CD e VIII AG) - A definir na VIII AG 2014/aprovar na VIII AG - Tribunais TCU/Brasil: - 2 cursos em 2014/um em cada semestre. TCP: - de acordo com os programas anuais de formação 2

3 a.5.) Promover transferência de conhecimentos entre as Instituições, com identificação e divulgação das melhores práticas. a.6.) Possibilitar que servidores das ISC prestem consultoria técnica b.1.) Reformulação do sítio da OISC/CPLP na internet b.2.) Incentivar a atualização de sistemas de vídeo conferências 1. Compartilhar ou desenvolver conjuntamente soluções de tecnologias de informação aplicáveis às ISC 2. Apoiar o desenvolvimento de metodologias e manuais de procedimentos em matérias relacionadas com as áreas de atuação das ISC 3. Remeter, preferencialmente em meio eletrônico, às ISC da CPLP todas as publicações consideradas relevantes 1. Prestar consultoria técnica em áreas específicas, por solicitação das demais ISC 1. Implementar as melhorias e atualizar o sítio da OISC/CPLP na internet 1. Incentivar a atualização de sistemas de vídeo conferências Tribunais Tribunais Tribunais Tribunais e TCU/Brasil Agosto de 2014 primeira versão da página Setembro de 2014 versão final Março de 2014 preparação e remessa de circular informativa da às ISC 3

4 b.3.) Incentivar o uso de meio eletrônico entre os membros da Organização b.4.) Divulgar eletronicamente os relatórios de atividades do Centro de Estudos e Formação e da Secretaria-Geral e outras publicações da OISC/CPLP 1.Incentivar o uso de meio eletrônico entre os membros da Organização 2. Produzir e divulgar documentos preferencialmente em meio eletrônico 3. Incentivar a distribuição do material de apoio das reuniões estatutárias da OISC/CPLP (Conselho Diretivo e Assembleia Geral) em meio eletrônico 1. Publicar eletronicamente os relatórios de atividades do Centro de Estudo e Formação e da Secretaria-Geral e outras publicações da OISC/CPLP 2. Elaborar e distribuir publicações relativas à OISC/CPLP e Tribunais e CD Centro de Estudos e Formação e Secretaria Geral Centro de Estudos e Formação e Secretaria Geral Março de 2014 preparação e remessa de circular informativa da às ISC Setembro de 2014 (VIII AG) Setembro de 2014 (VIII AG) 4

5 1. Elaborar a estrutura da Centro de Estudos e Março de 2014 publicação em meio eletrônico Formação e TCP b.5.) Criar publicação da Organização para divulgação de legislação, artigos e atos das instituições membros 2 Circular a proposta de estrutura para a publicação entre os TCs da CPLP Abril de 2014 Maio de 2014 consolidação das sugestões ( e TCU-Brasil) b.6.) Selecionar documentos relevantes da INTOSAI e outros internacionalmente reconhecidos e traduzi-los para a língua portuguesa e divulgálos 3- Aprovar a estrutura da publicação 1 - Selecionar documentos relevantes da INTOSAI e outros internacionalmente reconhecidos e traduzi-los para a língua portuguesa 2 - Traduzir documentos relevantes da INTOSAI e outros internacionalmente reconhecidos para a língua portuguesa 3 Divulgar os documentos trazidos para a língua portuguesa CD TCs membros e TCU/Brasil e TCP Junho de 2014 (EqT) Setembro de 2014 (CD e VIII AG) Maio de 2014 Sugestões dos Tribunais com foco nas ISSAIS Junho de 2014 Elaboração de lista dos documentos considerados prioritários (TCU-Brasil e TCP) Buscar apoio da comunidade de doadores para obter recursos a fim de viabilizar a tradução desses documentos. Foco nas ISSAIS (TCU-Brasil e TCP) 5

6 c.1.) Apoiar a elaboração/atualização de planos estratégicos das ISC da CPLP, numa base de cooperação bilateral c.2.) Definir metodologia para avaliação de desempenho das ISC, incluindo o estabelecimento de indicadores comuns 1 -Solicitar apoio Tribunais membros 1 Apresentar proposta de metodologia para avaliação de desempenho das ISC, incluindo indicadores 2 Desenvolver projeto piloto de aplicação e avaliação da metodologia SAI-PMF em Apoiar a aplicação da metodologia SAI-PMF nos Tribunais que o solicitem. EqT-PET , sob a supervisão da Outubro de Acompanhar o desenvolvimento da implementação do Supreme Audit Institutions Performance Measurement Framework (SAI-PMF) no âmbito da INTOSAI (TCA, TCU-Brasil, TCP) TAM Dezembro de 2014 EqT-PET , sob a supervisão da

7 Plano Estratégico da OISC/CPLP Plano Anual de Trabalho 2014 Objetivo Estratégico 2: Fortalecer e desenvolver a OISC/CPLP Estratégias a,b e c: Acompanhamento estratégico, orçamento de Organização e parcerias estratégicas Ação a.1.) Acompanhar a execução do PET da OISC/CPLP b.1.) Criar sistema de cobrança das quotas anuais dos Tribunais 1. Recolher anualmente a informação e execução do PET 2. Consolidar num relatório a informação decorrente da execução do PET 3. Realizar reunião anual para acompanhar a execução do PET 2011/2016 e elaborar Plano de Ação Criar sistema de cobrança das quotas anuais dos Tribunais EqT-PET , sob a supervisão da CD TCCV Julho de 2014 Agosto de 2014 Setembro de 2014 (VIII AG) Março de 2014 Cobrança da quota anual. 7

8 b.2.) Estabelecer critérios para utilização do orçamento da Organização, respeitando o disposto no capítulo X do Estatuto 1. Estabelecer critérios para utilização do orçamento da Organização, respeitando o disposto no capítulo X do Estatuto EqT-PET , sob a supervisão da 1ª quinzena de maio de 2014 Envio de proposta base para coleta de sugestões dos TCs (TCP). 2ª quinzena de maio de 2014 Consolidação das sugestões (TCU-Brasil) Junho de 2014 Discussão e aprovação da proposta (EqT) b.4.) Realizar anualmente auditoria às contas da OISC/CPLP b.5.) Efetuar pagamento da cota anual da OISC/CPLP como membro associado da INTOSAI c.2.) Desenvolver parcerias com outras organizações internationaisl (INTOSAI, OLACEFS, EUROSAI, AFROSAI, EFSUL, IDI, GIZ, ABC, Bird, EU, entre outras). 2. Obter aprovação dos critérios pelo CD 1 - Realizar anualmente auditoria às contas da OISC/CPLP 1 - Efetuar pagamento da cota anual da OISC/CPLP como membro associado da INTOSAI 1 Consular entidades e promover parcerias relevantes, informando-se à respeito dos requisitos para efeito CD TCSTP TCP TCCV CD e Setembro de 2014 (CD e VIII AG) Março/Abril de Ação contínua 2014 Ação contínua 8

9 c.3.) Desenvolver esforços para que os documentos dos próximos congressos da INTOSAI ( ) sejam traduzidos para a língua portuguesa e que as suas sessões tenham interpretação simultânea para o português 1 - Desenvolver esforços para que os documentos dos próximos congressos da INTOSAI ( ) sejam traduzidos para a língua portuguesa e que as suas sessões tenham interpretação simultânea e Tribunais Junho de 2014 (Comunicação da referente ao INCOSAI 2016) 9

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir Plano Estratégico da OISC/CPLP 2011-2016 Plano Anual de Trabalho 2015 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação,

Leia mais

OISC/CPLP Plano Estratégico

OISC/CPLP Plano Estratégico Organização das Instituições Superiores de Controle da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (OISC/CPLP) Introdução A Organização das Instituições Superiores de Controlo da Comunidade dos Países de

Leia mais

- TCP 2014 1 auditoria e/ou VIC. 2014 1 estágio em área a definir. 2014 ação contínua

- TCP 2014 1 auditoria e/ou VIC. 2014 1 estágio em área a definir. 2014 ação contínua Plano Estratégico da OISC/CPLP 2011-2016 Execução 2012-2014 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação, comunicação

Leia mais

(Período: outubro de 2010 a setembro de 2011) Ministro Luciano Brandão Alves de Souza Secretário-Geral da OISC/CPLP

(Período: outubro de 2010 a setembro de 2011) Ministro Luciano Brandão Alves de Souza Secretário-Geral da OISC/CPLP RELATÓRIO DAS ATIVIDADES COORDENADAS PELA SECRETARIA-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE CONTROLE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (Período: outubro de 2010 a setembro de 2011)

Leia mais

A ESTRUTURA NORMATIVA E OS PADRÕES DE AUDITORIA DA INTOSAI

A ESTRUTURA NORMATIVA E OS PADRÕES DE AUDITORIA DA INTOSAI A ESTRUTURA NORMATIVA E OS PADRÕES DE AUDITORIA DA INTOSAI Ministro Weder de Oliveira Ministro do Tribunal de Contas da União - Brasil Cartagena/Colômbia, julho/2013 INTOSAI INTOSAI Exemplo - Brasil 3

Leia mais

Projeto qualidade e agilidade dos TCs

Projeto qualidade e agilidade dos TCs Projeto qualidade e agilidade dos TCs 1 Antecedentes e histórico 2 SAI-PMF 3 MMD-TC 4 Principais características 5 Abordagens 6 Escopo e abrangência 7 Aplicação do MMD-TC (Resolução Atricon 01/15) 8 Cronograma

Leia mais

Relatório de atividades de cooperação 2012/2014

Relatório de atividades de cooperação 2012/2014 Proc. n.º -RI/14 Relatório de atividades de cooperação 2012/2014 Guilherme d Oliveira Martins Presidente do Tribunal de Contas Tribunal de Contas de Portugal LISBOA 2014 NOTA INTRODUTÓRIA I - ANO DE 2012

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2017

PLANO DE ATIVIDADES 2017 PLANO DE ATIVIDADES 2017 PE1 Reforçar a participação ativa na discussão, implementação e avaliação de planos, políticas e legislação ambientais, promovendo a partilha de informação e conhecimento com os

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017

DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017 DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 333ª Reunião Ordinária, realizada em 31 de janeiro de 2017, e considerando

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Resolução Atricon nº XX/2015

Resolução Atricon nº XX/2015 Resolução Atricon nº XX/2015 Aprova as Diretrizes de Controle Externo Atricon XXXX/2015 relacionadas à temática Controle de Obras e Serviços de Engenharia do Setor Público, integrante do Anexo Único disponível

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Anexo 4 Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Não-obrigatório do Curso de

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

Guia de Orientações sobre as Atividades dos Técnicos em Assuntos Educacionais (TAEs) da UNIRIO

Guia de Orientações sobre as Atividades dos Técnicos em Assuntos Educacionais (TAEs) da UNIRIO Guia de Orientações sobre as Atividades dos Técnicos em Assuntos Educacionais (TAEs) da UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO São José do Rio Preto 2015 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000;

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE VIH/SIDA (ONUSIDA) E A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) RELATIVO A APOIO PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N. 14/2014 O Pleno do TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Grupo PET Engenharias (Conexões de Saberes) Planejamento Estratégico Metas para 2015 Estratégias p/ atingir a meta Observações

Grupo PET Engenharias (Conexões de Saberes) Planejamento Estratégico Metas para 2015 Estratégias p/ atingir a meta Observações Quadro 1 Política de Ingresso e Permanência dos Petianos Seleção de Novos Estudantes Bolsistas (Petianos) para o Grupo PET Engenharias Seleção de novos estudantes. Cadastramento de novos Divulgar o Grupo

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores. Plano de trabalho

Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores. Plano de trabalho Programa de Cooperação Científica e Tecnológica Subprograma de Empresas Juniores Plano de trabalho 2016-2017 1. JUSTIFICATIVA O Subprograma de Empresas Juniores, vinculado ao PDI PROGRAMA 10 PROGRAMA UNESP

Leia mais

SHELL BRASIL PETRÓLEO LTDA. PEA SHELL FASE 2

SHELL BRASIL PETRÓLEO LTDA. PEA SHELL FASE 2 SHELL BRASIL PETRÓLEO LTDA. PEA SHELL FASE 2 BIJUPIRÁ & SALEMA E PARQUE DAS CONCHAS Plano de Trabalho ANEXO B CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO NOVEMBRO DE 2013 CRONOGRAMA MENSAL DE 2012 Abr Mai Jun Jul Ago

Leia mais

PDI IFCE/PRPI

PDI IFCE/PRPI PDI 2014-2019 IFCE/PRPI Perspectiva dos Clientes da PRPI Expansão e consolidação da pesquisa científica e tecnológica Captação de recursos externos para Pesquisa e Inovação Cronograma de Metas 01 R$ 34.000.000,00

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE INDICE CAPITULO I Objectivos do Departamento CAPITULO II Estrutura do Departamento de Montanhismo - SECÇÃO I Assembleia de Montanheiros - SECÇÃO II Direcção do Departamento - SECÇÃO III Conselho Técnico

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação A ÇÕES DO FNDE MEC PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação A ÇÕES DO FNDE MEC PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação A ÇÕES DO FNDE MEC PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS PAR PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS NO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020

Leia mais

Plano de Ação Técnicas em Assuntos Educacionais Campus de Vilhena

Plano de Ação Técnicas em Assuntos Educacionais Campus de Vilhena Plano de Ação Técnicas em Assuntos Educacionais Campus de Vilhena Objetivo Foco Ações ( O que fazer? Objetivo Específico (Por quê) Metodologia (Como pode ser feito) Setor (Onde) Período de Execução (Quando)

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017 Resumo Descreve os componentes do SCI Sistema de Controles Internos da Riviera Investimentos e estabelece as responsabilidades e procedimentos para a sua gestão. Sumário 1. Objetivo...2 2. Público-alvo...2

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. Aprova a criação e o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino (Nufope), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP PREÂMBULO Este documento tem por objetivo regulamentar o modo de avaliação das unidades curriculares dos primeiros ciclos, dos ciclos de estudos

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Departamento de Alto Rendimento e Representação Desportiva 1. O Departamento de Alto Rendimento e Representação Desportiva coordena e supervisiona os Programas de Preparação

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

Resolução Atricon 01/2014 AGILIDADE NO JULGAMENTO DE PROCESSOS E GERENCIAMENTO DOS PRAZOS

Resolução Atricon 01/2014 AGILIDADE NO JULGAMENTO DE PROCESSOS E GERENCIAMENTO DOS PRAZOS Resolução Atricon 01/2014 AGILIDADE NO JULGAMENTO DE PROCESSOS E GERENCIAMENTO DOS PRAZOS Objetivo Disponibilizar referencial para que os Tribunais de Contas, de modo uniforme, aprimorem seus regulamentos,

Leia mais

Gestão de Eventos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04

Gestão de Eventos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04 Gestão de Eventos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04 Sumário GESTÃO DE EVENTOS 1 Apresentação.3 GESTÃO DE EVENTOS.4 Elementos do processo

Leia mais

Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas. Consulta pública n.º 3/2016

Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas. Consulta pública n.º 3/2016 Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas Consulta pública n.º 3/2016 Enquadramento legal e estatutário Lei Quadro das Entidades Reguladoras Por forma a prosseguirem

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL. Portaria Interministerial nº 413, de 31 de dezembro de 2002

EDUCAÇÃO FISCAL. Portaria Interministerial nº 413, de 31 de dezembro de 2002 EDUCAÇÃO FISCAL Portaria Interministerial nº 413, de 31 de dezembro de 2002 DOU de 2.1.2003 Define competências dos órgãos responsáveis pela implementação do Programa Nacional de Educação Fiscal - PNEF.

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

REDE METROLÓGICA DE ALAGOAS

REDE METROLÓGICA DE ALAGOAS ASSEMBLÉIA DE CONSTITUIÇÃO 22 de Março de 2005 LANÇAMENTO DA RMAL 29 de Março de 2005 MISSÃO Promover a cultura e a credibilidade dos serviços metrológicos, de forma a estimular a competitividade dos setores

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Para além dos órgãos sociais definidos nos estatutos e das respetivas competências, ou seja, Assembleia

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil 2016-1 Coordenação: Profa. Tatiana Jucá 2/54 Pauta de hoje Apresentação da equipe de coordenação de TCC Datas importantes e documentação válida para

Leia mais

Bacharelado em Sistemas de Informação

Bacharelado em Sistemas de Informação Bacharelado em Sistemas de Informação Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES E OBJETIVOS Art 1 o O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é uma atividade prevista do curso

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

ESTATUTO DA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES DOS ESTADOS PARTE DO MERCOSUL, BOLIVIA E CHILE

ESTATUTO DA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES DOS ESTADOS PARTE DO MERCOSUL, BOLIVIA E CHILE ESTATUTO DA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES DOS ESTADOS PARTE DO MERCOSUL, BOLIVIA E CHILE A Auditoria Geral da República- Argentina O Tribunal de Contas da União Brasil A Controladoria

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Baseando-se no Regulamento dos Cursos de Graduação da UFF e na Instrução de Serviço PROAC n.º 02, o Colegiado do Curso de Ciências

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

Cooperação INTOSAI-Doadores Trabalhando em conjunto para fortalecer as Entidades de Fiscalização Superior em países em desenvolvimento.

Cooperação INTOSAI-Doadores Trabalhando em conjunto para fortalecer as Entidades de Fiscalização Superior em países em desenvolvimento. 0. Resumo da Nota Conceitual Formação e capacitação para as Entidades Fiscalizadoras Superiores da OISC/CPLP 0.1 Proponente 0.2 Proponente Legal 0.3 Detalhes do Contato 0.4 Título e Duração 0.5 Finalidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50%

META 2017 Tolerância Valor crítico PESO Mês RESULTADO TAXA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 80% 80% 80% 10% 100% 20% 90% 90% 90% 0% 100% 50% ANO: 2017 Ministério da Justiça Direção-Geral da Política de Justiça MISSÃO: A DGPJ tem por missão prestar apoio técnico, acompanhar e monitorizar políticas, organizar e fomentar o recurso aos tribunais

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo em Saúde da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ANUAL

PLANO DE AÇÃO ANUAL TRIBUNAL DE RECURSO Câmara de Contas PLANO DE AÇÃO ANUAL - 2016 TRIBUNAL DE RECURSO Câmara de Contas 2 TRIBUNAL DE RECURSO FICHA TÉCNICA Direcção Maria Natércia Gusmão Pereira (Presidente do Tribunal de

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

POLÍTICA DE ESTRUTURA NORMATIVA

POLÍTICA DE ESTRUTURA NORMATIVA POLÍTICA DE ESTRUTURA NORMATIVA Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS...

Leia mais

Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Resolução CFC nº 1.018/05 Aprova a NBC P 5 Norma sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Eixo de Ações Relativas à Política Nacional de Fiscalização Ações Atividades Responsabilidade Prazo Fiscalização

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR MANUAL DO COORDENADOR COLABORADORES Prof.ª Rogéria Aparecida de Souza Oliveira Prof. Allan Lima Ferreira Prof. Roque Hudson da Silveira Resolução Direção/FACE nº 12, de 01 de Janeiro de 2010. Regula o

Leia mais

Observatório Português dos Cuidados Paliativos

Observatório Português dos Cuidados Paliativos Observatório Português dos Cuidados Paliativos Regulamento 01-12-2015 Artigo 1º Natureza O Observatório Português dos Cuidados Paliativos (OPCP) está integrado no Instituto de Ciências da Saúde (ICS),

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Plano de Metas CRESS 20ª. Região MT 2014

Plano de Metas CRESS 20ª. Região MT 2014 Plano de Metas CRESS 20ª. Região MT 2014 Este plano registra objetivo, metas e as atividades a serem desenvolvidas pelo CRESS-20ª região, por meio de suas comissões Orientação e Fiscalização Profissional;

Leia mais

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL PLANEJAMTO ESTRATÉGICO - 2006/2010 APRESTAÇÃO Na conceituação de Drucker, o planejamento estratégico é o processo contínuo de, sistematicamente e com o maior conhecimento

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo 1 - A Seção de Internos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas, Escritório de País - Brasil

Fundo de População das Nações Unidas, Escritório de País - Brasil TERMOS DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor/a Técnico/a - Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente (Objetivo 5 Educação Ambiental para a Justiça Ambiental) Data limite para apresentação de candidaturas:

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017.

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Informática em Ciências da Saúde, bem como aprova seu Regimento Interno. O CONSELHO DO INSTITUTO LATINO-AMERICANO

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus.

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Iniciação Científica PIC da Faculdade Processus, constitui-se em um conjunto de ações destinadas a propiciar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1.

ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1. ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1.º (Denominação e natureza jurídica) A Associação de Reguladores de Energia

Leia mais

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Plano de Ação 2013 Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Áreas estratégicas Ensino Pesquisa Desenvolvimento Ins.tucional Administração Extensão Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional DIRETRIZES

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR METROPOLITANA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR METROPOLITANA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR METROPOLITANA Art. 1º O presente Regulamento integra o Projeto Pedagógico dos Cursos de Graduação da FACULDADE REDENTOR

Leia mais

EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENAÇÃO DO FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS

EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENAÇÃO DO FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS ANEXO EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENAÇÃO DO FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS O Fórum Permanente Municipal de Educação de São Luís FME/SL com sede nesta cidade, através de sua Coordenação, devidamente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Desempenhar atividades técnicas e de gestão para o desenvolvimento da cooperação técnica descentralizada, com vistas

Leia mais

DEPARTAMENTO LEGISLATIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE fortaleza, em iç" de ckr~uj. de 2011.

DEPARTAMENTO LEGISLATIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE fortaleza, em iç de ckr~uj. de 2011. INDICAÇÃO No02 5/_1_2_~ 11~ "Dispõe sobre a criação do Cargo de Coordenador de Creches no Município de Fortaleza e dá outras providências." o Vereador abaixo signatário, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I)

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Rede de Cooperação Técnica em Saúde da União de Nações

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS Sumário Capítulo I - Da Finalidade... 3 Capítulo II - Das Competências da Auditoria da Eletrobras... 3 Capítulo III - Da Organização da Auditoria da Eletrobras...

Leia mais

Oferta de emprego. Responsável de Comunicação e Capitalização Ficha do posto - versão portuguesa

Oferta de emprego. Responsável de Comunicação e Capitalização Ficha do posto - versão portuguesa Oferta de emprego Responsável de Comunicação e Capitalização Ficha do posto - versão portuguesa Índice Descrição do posto de Responsável de Comunicação e Capitalização... 3 Processo de seleção dos candidatos...

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

PETS - SEMINÁRIO DE TREINAMENTO DE PRESIDENTES ELEITOS

PETS - SEMINÁRIO DE TREINAMENTO DE PRESIDENTES ELEITOS ROTARY INTERNATIONAL Distrito 4600 ANO ROTÁRIO 2015/2016. Gov. ANTONIO CUSTODIO FILHO PETS - SEMINÁRIO DE TREINAMENTO DE PRESIDENTES ELEITOS São José dos Campos, 14 de Março de 2015. VOCE COMO PRESIDENTE.

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO,. I. DA CARACTERIZAÇÃO, DA DURAÇÃO E DA SEDE Art. 1º. A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo, constituída

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda

Consultoria e Assessoria Pública Ltda Consultoria e Assessoria Pública Ltda Ofício n.º xxxxxxxx Araçatuba, xx de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Nome do destinatário Cargo do destinatário Assunto: Cronograma de das NBCASP (Portaria

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais