REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS Artigo Primeiro (Objecto) O presente regulamento tem por objecto fixar os princípios de actuação do Conselho de Administração da Taguspark Sociedade de Promoção e Desenvolvimento do Parque de Ciência e Tecnologia da Área de Lisboa, S.A., as regras básicas da sua organização e funcionamento e as normas de conduta dos seus membros. Artigo Segundo (Interpretação) A interpretação dos preceitos vertidos no presente regulamento deverá conformar-se com as normas legais e estatutárias em vigor. Artigo Terceiro (Alterações) 1. O presente regulamento só poderá ser alterado, quer por modificação ou supressão de alguma das suas cláusulas, quer por introdução de uma nova cláusula, por maioria dos votos dos membros presentes ou representados no Conselho de Administração. 2. As alterações ao regulamento têm obrigatoriamente de ser ratificadas em Assembleia Geral e só entram em vigor após essa ratificação. CAPÍTULO II VALORES E PRINCÍPIOS GERAIS Artigo Quarto (Critérios e Interesses) Os critérios e interesses que devem presidir à actuação do Conselho de Administração são a prossecução do objecto da Taguspark e a maximização do seu valor. 1

2 Artigo Quinto (Deveres fundamentais) 1. Os membros do Conselho de Administração devem observar deveres de cuidado, revelando a disponibilidade, a competência técnica e o conhecimento da actividade da Taguspark adequados às suas funções e empregando nesse âmbito o zelo de um gestor criterioso e ordenado. 2. Os membros do Conselho de Administração devem igualmente cumprir as principais obrigações resultantes dos deveres de diligência, lealdade e confidencialidade, zelando pela aplicação dos mesmos princípios. CAPÍTULO III ESTRUTURA Artigo Sexto (Composição e eleição) O Conselho de Administração é composto por cinco a sete Administradores (ou outro número que venha a ser fixado nos Estatutos) eleitos por três anos, sendo um deles Presidente e os restantes vogais. Artigo Sétimo (Composição qualitativa) O Conselho de Administração deve incluir um número de membros não executivos superior ao número de membros executivos, de forma a garantir uma efectiva capacidade de supervisão, fiscalização e avaliação da actividade dos membros executivos. Artigo Oitavo (Presidente do Conselho de Administração) 1. O Conselho de Administração é presidido e representado pelo respectivo Presidente, eleito pela Assembleia Geral. 2. Sem prejuízo das demais competências legalmente estabelecidas, compete especialmente ao Presidente do Conselho de Administração: a) Coordenar a actividade do Conselho de Administração; b) Convocar o Conselho, fixar a ordem do dia das reuniões e dirigir os debates. O Presidente convocará também o Conselho de Administração, sempre que tal seja solicitado por dois ou mais 2

3 Administradores vogais e incluirá os pontos na ordem do dia que por estes venham a ser solicitados; c) Promover a comunicação entre a Sociedade e os seus accionistas; d) Acompanhar e consultar a Comissão Executiva sobre o desempenho das competências nesta delegadas; e) Contribuir para o efectivo desempenho das suas funções e competências por parte dos Administradores não executivos e das Comissões Internas do Conselho de Administração. 3. Salvo em situações excepcionais e mediante deliberação expressa do Conselho de Administração, o Presidente do Conselho não deve exercer funções executivas. 4. Para efeitos do desempenho das suas funções de coordenação e acompanhamento e sem prejuízo dos casos em que seja membro das comissões em causa, o Presidente do Conselho de Administração pode assistir e participar, sempre que julgue conveniente, nas reuniões da Comissão Executiva e das Comissões Internas do Conselho de Administração. 5. Nas ausências e impedimentos temporários do Presidente, as suas funções serão desempenhadas pelo Administrador vogal a quem o Presidente tenha delegado a representação ou, não sendo esse o caso, pelo Administrador vogal que venha a ser designado pela maioria dos restantes membros do Conselho. Em qualquer dos casos, a este Administrador vogal competirá exercer todas as funções inerentes ao cargo de Presidente do Conselho, na reunião em apreço, incluindo o voto de qualidade. Artigo Nono (Competência) 1. O Conselho de Administração tem exclusivos e plenos poderes de representação da Sociedade, competindo-lhe gerir as actividades desta, devendo subordinar-se às deliberações dos accionistas ou às intervenções do Conselho Fiscal, nos casos em que a lei ou os Estatutos o determinarem. 2. O Conselho de Administração adoptará as medidas necessárias para assegurar: a) A defesa equilibrada dos interesses dos accionistas, dos colaboradores, dos clientes, da organização, do ambiente, da inovação, num processo de contínua melhoria, procurando atingir níveis de excelência no seu desenvolvimento técnico, económico, financeiro e social; b) O cumprimento das principais obrigações resultantes dos deveres de diligência, lealdade e confidencialidade, zelando pela aplicação desses princípios; c) A elaboração de planos estratégicos plurianuais de acordo com os grandes objectivos da sociedade; 3

4 d) A criação dos sistemas de controlo interno, gestão de riscos e auditoria interna, no âmbito das quais se cumprem, designadamente, as orientações estratégicas, os planos de negócio, os investimentos e os objectivos; e) O cumprimento dos princípios da autonomia, gestão e organização societária por área de negócio; f) O impedimento da utilização indevida de bens societários e do desleixo de oportunidades de negócio. 3. No exercício das suas funções, é dever de cada um dos membros do Conselho de Administração: a) Praticar os actos e mandatos que lhe tenham sido conferidos pelo Conselho de forma atempada e diligente; b) Participar nas reuniões do Conselho e das Comissões Internas que venha a integrar; c) Cumprir e fazer cumprir pelos seus subordinados todas as normas internamente instituídas; d) Guardar segredo das deliberações do Conselho de Administração, não revelando, em circunstância alguma, as informações a que tenha tido acesso no exercício do seu cargo, salvo as que, de boa fé, tenham de ser reveladas por força da lei, por ordem de qualquer autoridade competente ou por o Conselho de Administração deliberar que é do interesse da sociedade, e ainda assim, na estrita medida do necessário. 4. O Conselho de Administração poderá ainda, nos termos e com os limites fixados nas disposições legais e estatutárias aplicáveis, encarregar especialmente algum ou alguns dos seus administradores não executivos do acompanhamento de áreas especialmente relevantes para o funcionamento da Sociedade, nomeadamente no investimento estratégico, modelo de governação, auditoria, sustentabilidade e relacionamento com os accionistas. 5. Sem prejuízo do previsto neste Regulamento, os administradores não executivos referidos no número anterior deverão, em cada reunião do Conselho de Administração ou sempre que se mostre necessário, informar os restantes administradores dos factos mais relevantes relacionados com a execução dos poderes que lhes foram delegados, assim como lhes deverão prestar as informações adicionais que lhes sejam solicitadas. 6. No âmbito dos poderes de deliberação sobre qualquer assunto de administração de Sociedade, ao Conselho de Administração compete, designadamente: a) Proceder à cooptação de Administradores para o preenchimento das vagas que venham a ocorrer; b) Apresentar pedidos de convocação das Assembleias Gerais; c) Aprovar os relatórios e contas anuais e os planos de actividades e financeiros anuais a apresentar à Assembleia Geral para aprovação; 4

5 d) Deliberar sobre a prestação de cauções e de garantias pessoais ou reais pela Sociedade; e) Adquirir, alienar e onerar direitos ou bens imóveis; f) Deliberar sobre extensões ou reduções importantes da actividade da Sociedade; g) Deliberar sobre modificações importantes na organização da empresa; h) Constituir mandatários para a prática de determinados actos, ou categoria de actos, definindo a extensão dos respectivos mandatos; i) Deliberar sobre qualquer outro assunto relativamente ao qual algum Administrador requeira deliberação do Conselho; j) Exercer as demais competências que lhe sejam atribuídas por lei ou pela Assembleia Geral. Artigo Décimo (Reuniões) 1. As reuniões do Conselho de Administração terão lugar na sede social, se outro lugar não for escolhido por conveniência do Conselho, conferência telefónica, quando a urgência ou a necessidade o justifiquem e o Presidente do Conselho de Administração o autorize. 2. O Conselho de Administração fixará a periodicidade das suas reuniões ordinárias, sendo, no entanto, obrigatória a realização de uma reunião mensal. 3. As reuniões ordinárias serão convocadas pelo Presidente por escrito (correio electrónico) dirigido aos restantes membros com a antecedência mínima de 24 horas em relação à data marcada. 4. A convocatória incluirá sempre a ordem do dia da reunião e, bem assim, os documentos que o Presidente entenda conveniente remeter previamente aos restantes membros do Conselho. 5. Sempre que se mostre necessário, poderá o Conselho de Administração reunir extraordinariamente, sem cumprimento dos requisitos prévios previstos nos dois números anteriores. 6. Sempre que possível, o Conselho elaborará um plano anual das sessões ordinárias, que será acompanhado de uma indicação formal das matérias que serão objecto de tratamento. 7. Podem ser chamados a intervir nas reuniões quadros da Sociedade sempre que tal convenha ao bom andamento dos trabalhos. 8. Em caso de três faltas seguidas ou de cinco faltas interpoladas a reuniões, no decurso do mandato, por qualquer Administrador, sem justificação aceite pelo Conselho, verificar-se-á uma falta definitiva do Administrador, a qual deverá ser declarada por este órgão. 5

6 Artigo Décimo Primeiro (Deliberação) 1. O Conselho não poderá deliberar sem que esteja presente ou representada a maioria dos seus membros. 2. Os Administradores podem fazer-se representar nas reuniões por outro Administrador mediante carta dirigida ao Presidente do Conselho para cada reunião, mas cada Administrador apenas poderá representar um membro do Conselho de Administração. 3. O Presidente organizará o debate procurando promover a participação dos membros nas deliberações do órgão. 4. As deliberações são tomadas por maioria dos votos dos Administradores presentes ou representados, tendo o Presidente voto de qualidade e, de cada reunião, será lavrada uma acta, assinada por todos os que nela tenham participado. Artigo Décimo Segundo (Conflito de interesses) 1. Os Administradores não podem votar em deliberações do Conselho sobre assuntos em que tenham, por conta própria ou de terceiro, um interesse em conflito com os interesses da Sociedade. Em caso de conflito, o Administrador em causa deve informar o Presidente. 2. No caso de ser o Presidente do Conselho a fazer-se representar na reunião por outro Administrador ou no caso de ter um interesse em conflito com o da Sociedade, a comunicação deverá ser dirigida ao Conselho de Administração. 3. É proibido à Sociedade conceder empréstimos ou crédito a Administradores, efectuar pagamentos por conta deles, prestar garantias a obrigações por eles contraídas e facultar-lhes adiantamentos de remunerações superiores a um mês. 4. São nulos os contratos celebrados entre a Sociedade e os seus Administradores se não tiverem sido previamente autorizados por deliberação do Conselho de Administração, no qual o interessado não pode votar, e com o parecer favorável do Conselho Fiscal, nos termos previstos pelas normas legais aplicáveis. A Assembleia Geral terá de ser obrigatoriamente informada de todos estes contratos. 5. Durante o período para o qual foram designados, os Administradores não podem exercer na Sociedade quaisquer funções ao abrigo de contrato de trabalho, nem podem celebrar quaisquer desses contratos que visem uma prestação de serviços quando cessarem as funções de Administrador. 6

7 Artigo Décimo Terceiro (Substituição de Administradores) 1. Faltando definitivamente algum Administrador, procede-se à sua substituição, nos termos seguintes: a) Por cooptação, salvo se os Administradores em exercício não forem em número suficiente para o Conselho poder funcionar; b) Por eleição de novo Administrador. 2. A cooptação deve ser submetida a ratificação na primeira Assembleia Geral seguinte. 3. As substituições efectuadas duram até ao fim do período para o qual os Administradores substituídos foram eleitos. 4. Só haverá substituições temporárias no caso de suspensão de Administradores. 5. Em caso de impedimento definitivo do Presidente, o Conselho de Administração prosseguirá nos seus plenos poderes de representação e de gestão da Sociedade, designando, de entre os seus membros, um Administrador vogal que assumirá aquelas funções até que, na próxima reunião da Assembleia Geral, seja designado o novo Presidente do Conselho de Administração. Artigo Décimo Quarto (Impedimento superveniente) Caso ocorra posteriormente à designação do Administrador alguma incapacidade ou incompatibilidade que constitua impedimento a essa designação e o Administrador não deixe de exercer o cargo ou não remova a incompatibilidade superveniente no prazo de trinta dias, deve o Conselho Fiscal declarar o termo das suas funções. Artigo Décimo Quinto (Suspensão de Administradores) 1. O Conselho Fiscal pode suspender Administradores quando: a) As suas condições de saúde os impossibilitem temporariamente de exercer as funções; b) Outras circunstâncias pessoais obstem a que exerçam as suas funções por tempo presumivelmente superior a sessenta dias e solicitem ao Conselho Fiscal a suspensão temporária ou este entenda que o interesse da Sociedade a exige. 2. Durante o tempo da suspensão, ficam igualmente suspensos os direitos, poderes e deveres dos Administradores, excepto os deveres que não pressuponham o exercício efectivo de funções. 7

8 Artigo Décimo Sexto (Renúncia) 1. O Administrador pode renunciar ao seu cargo, mediante carta dirigida ao Presidente do Conselho de Administração, ou sendo este o renunciante, ao Conselho Fiscal. 2. A renúncia só produz efeito no final do mês seguinte àquele em que tiver sido comunicada, salvo se entretanto tiver sido designado ou eleito o substituto. Artigo Décimo Sétimo (Cauções) A caução pode ser substituída por um contrato de seguro, nos termos previstos na lei. CAPÍTULO IV COMISSÃO EXECUTIVA Artigo Décimo Oitavo (Delegação de poderes) 1. O Conselho de Administração pode delegar num Administrador Delegado ou numa Comissão Executiva formada por membros do Conselho a gestão corrente da Sociedade, com excepção das matérias não delegáveis previstas na lei, no presente regulamento e na deliberação de delegação de competências aprovada pelo Conselho de Administração. 2. O Administrador Delegado ou a Comissão Executiva são eleitos em Assembleia Geral. 3. No caso de eleger uma Comissão Executiva, a Assembleia Geral fixará a sua composição e elegerá o seu Presidente. 4. O Conselho de Administração pode, em casos excepcionais, retirar a sua confiança na Comissão Executiva e suspendê-la de funções até à Assembleia Geral que terá lugar obrigatoriamente nos quinze dias úteis subsequentes a esta deliberação. 5. O Conselho de Administração deve fixar os limites da delegação, na qual não podem ser incluídas as seguintes matérias: a) Definição das estratégias e práticas gerais da Sociedade, nomeadamente a aprovação ou alteração do plano estratégico, de investimentos estratégicos e respectivos financiamentos, a alienação de património e desinvestimentos estratégicos; b) Participação em actividades não incluídas nas actividades principais da Taguspark, descritas no artigo 3.º dos Estatutos da Sociedade, nomeadamente por aquisição de participações em sociedades cujo objecto não inclua essas actividades; 8

9 c) Aprovação dos orçamentos anuais e planos de actividade bem como de alterações aos mesmos ou tomada de decisões que resultem de um excesso de 20% num item específico ou de 10% no do orçamento anual; d) Transacções com quaisquer entidades que excedam o valor de ,00 euros; e) Definição da estrutura empresarial da Sociedade, incluindo a definição de pelouros da Comissão Executiva, a nomeação dos directores e quadros superiores equiparados da Sociedade; f) Definição dos limites de autonomia de gestão das sociedades controladas pela Taguspark; g) Cisão, fusão ou dissolução de quaisquer sociedades controladas pela Taguspark; h) Todas as decisões que devam ser consideradas estratégicas devido ao seu montante, risco ou às suas características especiais; 6. À Comissão Executiva incumbe o exercício colegial das funções que lhe são delegadas, mas a cada um dos seus membros pode ser especialmente cometida a responsabilidade pelo acompanhamento de determinadas áreas funcionais. 7. A Comissão Executiva deverá submeter à aprovação do Conselho de Administração, assuntos que versem sobre quaisquer negócios, compromissos e contratos, sempre que pela sua natureza ou montantes envolvidos, os mesmos não sejam considerados assuntos correntes. 8. A delegação prevista nesta disposição não exclui a competência do Conselho para tomar resoluções sobre os mesmos assuntos. 9. Os demais Administradores são responsáveis, nos termos da lei, pela vigilância geral da actuação de determinado Administrador ou da Comissão Executiva e, bem assim, pelos prejuízos causados por actos ou omissões destes, quando, tendo conhecimento de tais actos ou omissões ou do propósito de os praticar, não provoquem a intervenção do Conselho para tomar as medidas adequadas. Artigo Décimo Nono (Composição / reuniões) 1. A Comissão Executiva é composta pelo número de membros definido em Assembleia Geral. 2. A Comissão Executiva é dirigida por um presidente escolhido em Assembleia Geral, que representará a Sociedade e o Conselho de Administração para todos os actos de gestão corrente, com as excepções expressas ou implícitas no presente regulamento. 3. A Comissão Executiva fixará a periodicidade das suas reuniões, as quais serão convocadas pelo respectivo Presidente, sendo, no entanto, obrigatória a realização de uma reunião quinzenal, em data e local a fixar pelo mesmo. 9

10 4. É admitido o recurso a conferência telefónica ou a outro processo de teleconferência nas reuniões da Comissão Executiva, quando a urgência ou a necessidade o justifiquem e o respectivo Presidente o autorize. 5. A Comissão Executiva não poderá deliberar sem que esteja presente ou representada a maioria dos seus membros, não sendo permitida a representação de mais de um Administrador em cada reunião. 6. As deliberações da Comissão Executiva são tomadas por maioria dos presentes ou representados e o seu Presidente tem voto de qualidade. 7. De cada reunião será lavrada acta, assinada por todos os que nela tenham participado. Artigo Vigésimo (Articulação da Comissão Executiva com os diversos órgãos sociais) De forma a assegurar que todos os membros do Conselho de Administração e dos demais órgãos sociais conheçam as decisões tomadas pela Comissão Executiva, existem os seguintes procedimentos: a) As actas da Comissão Executiva e as convocatórias das respectivas reuniões, quando existam, são distribuídas aos membros do Conselho de Administração até 15 dias após a realização da reunião; b) Nas reuniões do Conselho de Administração, a Comissão Executiva apresenta regularmente um sumário dos aspectos considerados relevantes da actividade desenvolvida desde a última reunião, facultando aos membros do Conselho os esclarecimentos e informações adicionais ou complementares que forem solicitados; c) Os membros da Comissão Executiva prestam aos membros dos diversos órgãos sociais da Sociedade, em tempo útil e de forma adequada, as informações por estes solicitadas. CAPÍTULO V COMISSÕES INTERNAS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Artigo Vigésimo Primeiro (Comissões internas) 1. O Conselho de Administração pode constituir Comissões Internas encarregues, de forma permanente, do acompanhamento de matérias específicas. 2. O mandato dos membros das Comissões Internas coincide com o mandato do Conselho de Administração. 10

11 DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo Vigésimo Segundo (Aprovação) O presente regulamento do Conselho de Administração foi aprovado por unanimidade dos seus membros na reunião do Conselho de Administração de 8 de Setembro de 2010 e ratificado na Assembleia Geral, de 29 de Novembro de 2010, e entra em vigor a partir desta data. Artigo Vigésimo Oitavo (Vinculação) Qualquer membro eleito ou cooptado para o Conselho de Administração obriga-se a cumprir na íntegra o presente regulamento durante todo o seu mandato. 11

PROFILE SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

PROFILE SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PROFILE SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Artigo 1.º - Objecto O presente regulamento fixa os princípios de actuação do Conselho de Administração

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS Artigo

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA NOVABASE, SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

ANEXO I REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA NOVABASE, SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ANEXO I REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA NOVABASE, SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. O presente regulamento foi aprovado na reunião do Conselho de Administração da Novabase Sociedade

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento do Conselho de Administração CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS Artigo

Leia mais

BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Artigo 1.º - Objecto O presente regulamento visa fixar os princípios de actuação do Conselho de Administração do Banif Banco de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL Este regulamento aplica-se à SUMOL+COMPAL considerando as empresas por si controladas como sendo unidades organizacionais da mesma. Pág. 1 de 5

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA MARTIFER SGPS, S.A., SOCIEDADE ABERTA. Artigo 1º (Objecto)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA MARTIFER SGPS, S.A., SOCIEDADE ABERTA. Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento foi aprovado na reunião do Conselho de Administração da MARTIFER SGPS, S.A., Sociedade Aberta ( MARTIFER ) de 24 de Maio de 2018. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA MARTIFER

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração Banco BIC Português, S.A.

Regulamento do Conselho de Administração Banco BIC Português, S.A. Regulamento do Conselho de Administração Banco BIC Português, S.A. ARTIGO 1.º - OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras de organização e de funcionamento do Conselho de Administração do Banco

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria PREÂMBULO A Comissão de Auditoria da CIMPOR Cimentos

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração do Banco BIC Português, S.A.

Regulamento do Conselho de Administração do Banco BIC Português, S.A. Regulamento do Conselho de Administração do Banco BIC Português, S.A. Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 23/04/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO Página 1 de 14 ÍNDICE Artigo 1.º Objeto... 3

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SONAECOM, SGPS, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SONAECOM, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SONAECOM, SGPS, S.A. Artigo 1.º Composição A sociedade é gerida por um Conselho de Administração composto por um número par ou impar de membros, no mínimo de três

Leia mais

Autoria JMGA. Estatutos aprovados em Assembleia de Fundadores, 12 de Dezembro de 2001: CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins)

Autoria JMGA. Estatutos aprovados em Assembleia de Fundadores, 12 de Dezembro de 2001: CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) L N 1 de 9 Estatutos aprovados em Assembleia de Fundadores, 12 de Dezembro de 2001: CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

CAIXA-GESTÃO DE ACTIVOS, SGPS, SA

CAIXA-GESTÃO DE ACTIVOS, SGPS, SA ESTATUTOS DE CAIXA-GESTÃO DE ACTIVOS, SGPS, SA (actualizados) CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO SOCIAL E DURAÇÃO ARTIGO PRIMEIRO Natureza e Denominação A Sociedade é constituída sob a forma de Sociedade

Leia mais

1 A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de ANA Aeroportos de Portugal,S. A.

1 A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de ANA Aeroportos de Portugal,S. A. ESTATUTOS DA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, S. A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Tipo, denominação e regime 1 A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA NOS, SGPS, S.A.

COMISSÃO EXECUTIVA NOS, SGPS, S.A. COMISSÃO EXECUTIVA NOS, SGPS, S.A. COMPOSIÇÃO, FUNCIONAMENTO E DELEGAÇÃO DE PODERES DE GESTÃO (Versão atualizada em conformidade com a deliberação do Conselho de Administração, de 24 de março de 2014)

Leia mais

ZON OPTIMUS, SGPS, S.A.

ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. 1/8 Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Administração tem a composição que for deliberada em Assembleia Geral com os limites estabelecidos

Leia mais

Estatutos Arco Ribeirinho Sul, S. A.

Estatutos Arco Ribeirinho Sul, S. A. Estatutos Arco Ribeirinho Sul, S. A. DIPLOMA / ACTO : Decreto-Lei n.º 219/2009, de 8 de Setembro NÚMERO : 174 SÉRIE I EMISSOR: Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE. AQUASIS Sistemas de Informação, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma

CONTRATO DE SOCIEDADE. AQUASIS Sistemas de Informação, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma CONTRATO DE SOCIEDADE de AQUASIS Sistemas de Informação, S.A. ARTIGO PRIMEIRO Tipo e Firma A sociedade é constituída segundo o tipo de sociedade anónima e adopta a firma AQUASIS Sistemas de Informação,

Leia mais

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 22 de Junho de 2016 Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece as regras aplicáveis ao funcionamento do Conselho de Administração

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL Incluindo: (I) (II) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO EXECUTIVA Este regulamento aplica-se à SUMOL+COMPAL considerando as empresas por si controladas

Leia mais

Artigo Primeiro Princípios de Actuação do Conselho de Administração

Artigo Primeiro Princípios de Actuação do Conselho de Administração REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, S.A. Considerando que: a) Na sequência da revisão ao Código das Sociedades Comerciais ( CSC ), em matéria de governo societário e reforço

Leia mais

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15)

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) ANEXO 1.1 Regulamento Interno Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE 1 - Definição...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) A Comissão Executiva é designada pelo Conselho de Administração e tem como objectivo deliberar sobre as matérias

Leia mais

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma)

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma) Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo Primeiro (Firma) O Agrupamento Complementar de Empresas adoptará a denominação AFOCELCA Agrupamento Complementar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT Correios de Portugal, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

Associação Miacis Protecção e Integração Animal. Estatutos. CAPÍTULO I (Denominação, duração, natureza, sede e fins)

Associação Miacis Protecção e Integração Animal. Estatutos. CAPÍTULO I (Denominação, duração, natureza, sede e fins) CAPÍTULO I (Denominação, duração, natureza, sede e fins) Artigo primeiro (Denominação e natureza da Associação) 1. A é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito nacional e duração

Leia mais

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL OBJECTO O presente Regulamento da Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento da Comissão do Governo Societário (adiante

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objeto Artigo 1º Denominação e duração 1. A sociedade adota a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho de Gestão da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito)

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis à composição, funcionamento e competências da Comissão de Governo Societário

Leia mais

LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE

LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE ESTATUTOS, 1 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO ARTIGO PRIMEIRO A Fundação adopta a denominação LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE. ARTIGO SEGUNDO

Leia mais

Escola Básica e Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego. Escola Básica e. Secundária da Sé - Lamego

Escola Básica e Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego. Escola Básica e. Secundária da Sé - Lamego Escola Básica e Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas da Sé 2010-2014 REGIMENTO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO

Leia mais

ESTATUTOS DA TRANSTEJO TRANSPORTES TEJO, S.A.

ESTATUTOS DA TRANSTEJO TRANSPORTES TEJO, S.A. ESTATUTOS DA TRANSTEJO TRANSPORTES TEJO, S.A. 1 2 ESTATUTOS DA TRANSTEJO Transportes Tejo, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objeto Artigo 1.º Denominação e duração 1 A sociedade adota a forma

Leia mais

Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A.

Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A. Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A. Artigo 1.º Forma e denominação A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

ESTATUTOS SPPB. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos.

ESTATUTOS SPPB. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos. ESTATUTOS SPPB CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos. ARTIGO PRIMEIRO Denominação SOCIEDADE PORTUGUESA DE PSICOTERAPIAS BREVES, adiante designada por Sociedade, associação sem fins

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES OBJECTO O presente Regulamento

Leia mais

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro O Fundo de Resolução, que tem por objeto principal a prestação de apoio financeiro à aplicação de medidas de resolução adotadas pelo Banco de Portugal, foi criado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS. Artigo 1.º.

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS. Artigo 1.º. REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento tem por objeto disciplinar a composição,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/5/CSE 1ª DELIBERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO Nos termos da alínea g) do nº1 do artigo 10º da Lei nº6/89, de 15 de Abril, é aprovado o Regulamento Interno do Conselho Superior de Estatística. ARTIGO

Leia mais

MARÉ - Mercado Abastecedor da Região de Évora, S.A. ESTATUTOS

MARÉ - Mercado Abastecedor da Região de Évora, S.A. ESTATUTOS MARÉ - Mercado Abastecedor da Região de Évora, S.A. ESTATUTOS CAPÍTULO I Tipo, denominação, sede e objecto ARTIGO 1º UM - A sociedade é constituída por tempo indeterminado, a partir da presente data, sob

Leia mais

ESTATUTOS DA ALUMNI FDUNL ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTOS DA ALUMNI FDUNL ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS DA ALUMNI FDUNL ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Definição, denominação, natureza jurídica e sede

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL [Com a redacção resultante da reunião do Conselho Fiscal de 11 de Março de 2016] REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º

Leia mais

ESTATUTOS DA ALUMNI FDUNL ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTOS DA ALUMNI FDUNL ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS DA ALUMNI FDUNL ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Definição, denominação, natureza jurídica e sede

Leia mais

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE 1. É constituído o Clube de Campo da Aroeira, que se rege pelas disposições

Leia mais

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BANCO BPI, S.A. REGULAMENTO

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BANCO BPI, S.A. REGULAMENTO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BANCO BPI, S.A. REGULAMENTO (Aprovado na reunião do Conselho de Administração de 24 de Abril de 2003 com as alterações introduzidas nas reuniões do Conselho de Administração

Leia mais

Estatutos da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Raça Merina. Capítulo Primeiro. (Designação, sede e afins)

Estatutos da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Raça Merina. Capítulo Primeiro. (Designação, sede e afins) Estatutos da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Raça Merina Capítulo Primeiro (Designação, sede e afins) Artigo Primeiro - É constituída por tempo indeterminado a partir de trinta de Maio de

Leia mais

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A.

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. ÍNDICE Artigo 1º.- Objetivo do Regulamento... 3 Artigo 2º. - Missão... 3 Artigo 3º.- Composição...

Leia mais

Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP

Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP Artigo 1.º (Designação e sede) A Secção de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

CAPÍTULO SEGUNDO CAPITAL SOCIAL E ACÇÕES CAPÍTULO TERCEIRO ÓRGÃOS SOCIAIS ARTIGO QUARTO (ELENCO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS)

CAPÍTULO SEGUNDO CAPITAL SOCIAL E ACÇÕES CAPÍTULO TERCEIRO ÓRGÃOS SOCIAIS ARTIGO QUARTO (ELENCO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS) ESTATUTOS DA ISA INTELLIGENT SENSING ANYWHERE, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO PRIMEIRO (DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE) A sociedade, constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL O Conselho Geral, regulamentado pelo Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, deverá orientar a sua ação através das regras

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

ESTATUTOS DA PREVISÃO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES, S.A.

ESTATUTOS DA PREVISÃO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES, S.A. ESTATUTOS DA PREVISÃO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração É constituída, nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO. Artigo 1.º Âmbito dos poderes do Conselho Fiscal

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO. Artigo 1.º Âmbito dos poderes do Conselho Fiscal Justificação: O Conselho Fiscal da FPO vem apresentar o seu Regimento Interno à Assembleia Geral da FPO para homologação, com vista dar cumprimento às disposições estatutárias, possibilitar o regular e

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE CONTROLO E RISCOS. 1.º (Âmbito)

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE CONTROLO E RISCOS. 1.º (Âmbito) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE CONTROLO E RISCOS 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento da Comissão de Controlo e Riscos (doravante, CCR ) criada no seio do Conselho de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA MISERICÓRDIA DE CINFÃES

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA MISERICÓRDIA DE CINFÃES REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA S.C.M.CINFÃES (n.º 2, do artigo 33 dos Estatutos da S.C.M.CINFÃES) Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento das normas relativas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A.

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Artigo 1.º (Objeto e Âmbito) O presente regulamento estabelece as regras relativas à composição, competências

Leia mais

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E AVALIAÇÃO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito)

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E AVALIAÇÃO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E AVALIAÇÃO ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis à composição, funcionamento e competências da Comissão de Nomeações

Leia mais

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. PROPOSTA DE ALTERAÇÕES AO CONTRATO DE SOCIEDADE - ASSEMBLEIA GERAL DE 31 DE MAIO DE

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. PROPOSTA DE ALTERAÇÕES AO CONTRATO DE SOCIEDADE - ASSEMBLEIA GERAL DE 31 DE MAIO DE IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 3.º andar, Escritório n.º 7 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

ESTATUTOS ACTUALIZADOS PARVALOREM, S.A.

ESTATUTOS ACTUALIZADOS PARVALOREM, S.A. ESTATUTOS ACTUALIZADOS DA PARVALOREM, S.A. CAPÍTULO I Natureza, denominação, duração, sede e objecto social Artigo 1º Natureza, denominação e duração 1. A sociedade tem a natureza de sociedade anónima

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BANCO ECONÓMICO, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BANCO ECONÓMICO, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BANCO ECONÓMICO, S.A. Aprovado em reunião ordinária do Conselho de do Banco Económico, S.A., composto pelos seguintes membros: António Paulo Kassoma, Presidente;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Com vista ao desenvolvimento do Projecto Educativo de Escola, são fixadas no Regulamento Interno as estruturas que colaboram com o Conselho Pedagógico e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE OBJECTO... 4 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 4 CARÁCTER VINCULATIVO... 4 OBJECTIVOS... 4 COMPETÊNCIAS DO... 5 DELEGAÇÃO DE PODERES DE GESTÃO... 6

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A.

CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Capítulo Primeiro Denominação, Sede e Objecto Artigo Primeiro A sociedade adopta a denominação SEMAPA - Sociedade

Leia mais

Regulamento do Conselho Fiscal

Regulamento do Conselho Fiscal Regulamento do Conselho Fiscal 1 Regulamento do Conselho Fiscal da Oitante, S.A. ARTIGO 1º - OBJETO O presente instrumento regulamenta o exercício de competências, poderes e deveres, e o funcionamento,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. Aprovado em 26 de Abril de 2018 ÍNDICE OBJECTO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 NOMEAÇÃO E COMPOSIÇÃO... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 4 COMPETÊNCIAS... 4 DIREITOS E DEVERES... 6 REUNIÕES...

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO 10 DE SETEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO Maio 2010 INDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3.º Composição do Conselho Consultivo...

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE - 2 - REGULAMENTO DA OBJECTO O presente Regulamento da Comissão de Governo da Caixa Geral de Depósitos, S.A. ( CGD ) estabelece as suas regras

Leia mais

Escola de Ciências. Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências

Escola de Ciências. Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências Abril 2010 Índice Artigo 1º: Objecto 3 Artigo 2º: Competências 3 Artigo 3º: Composição do Conselho Pedagógico 3 Artigo 4º: Eleições

Leia mais

SUPERA Sociedade Portuguesa de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade

SUPERA Sociedade Portuguesa de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade ESTATUTOS DA SUPERA (Aprovados em Assembleia Geral em 30 de Novembro de 2006) CAPÍTULO I... 2 Artigo 1º.... 2 Artigo 2º.... 2 Artigo 3º.... 2 Artigo 4º.... 2 CAPÍTULO II... 2 Artigo 5º.... 3 Artigo 6º....

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE OBJETO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 3 COMPETÊNCIA DO... 3 COMPOSIÇÃO... 5 FUNCIONAMENTO... 5 PRESENÇAS E AUSÊNCIAS...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1.

ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1. ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1.º (Denominação e natureza jurídica) A Associação de Reguladores de Energia

Leia mais

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. 6 de Maio de 2009

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. 6 de Maio de 2009 SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 6 de Maio de 2009 Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece as regras aplicáveis ao funcionamento do Conselho de Administração

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE CULTURA MUSICAL DE LOUSADA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE CULTURA MUSICAL DE LOUSADA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE CULTURA MUSICAL DE LOUSADA (Aprovados em Assembleia Geral de 21 de Setembro de 2012) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Natureza Jurídica e Sede 1- A Associação

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO PRIMEIRO:- A Federação Portuguesa dos Antigos Alunos D. Bosco é uma associação sem fins lucrativos, constituída por tempo indeterminado e tem

Leia mais

Estatutos da ENATUR Empresa Nacional de Turismo, S.A. CAPÍTULO I. Denominação, duração, sede e objecto. Artigo 1º Denominação e duração

Estatutos da ENATUR Empresa Nacional de Turismo, S.A. CAPÍTULO I. Denominação, duração, sede e objecto. Artigo 1º Denominação e duração Estatutos da ENATUR Empresa Nacional de Turismo, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1. A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

Estatutos da Fundação Casa Carvalho Cerqueira

Estatutos da Fundação Casa Carvalho Cerqueira Estatutos da Fundação Casa Carvalho Cerqueira Capítulo I Natureza, fim, actividades, duração, sede e lugares de exercício Artigo 1.º (Natureza) A Fundação da Casa Carvalho Cerqueira é uma pessoa colectiva

Leia mais

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Definição e atribuições 1 O Departamento de Química da Universidade do Minho, adiante designado por departamento, é uma subunidade

Leia mais

Artigo 1 Competência

Artigo 1 Competência Regulamento da Comissão Nacional de Acompanhamento de Diálise No âmbito da gestão integrada da doença renal crônica é criada, nos termos do despacho n. o 3789/2008 de Sua Excelência o Senhor Secretário

Leia mais

ESTATUTOS DA SPG. Capítulo I - Constituição e Fins

ESTATUTOS DA SPG. Capítulo I - Constituição e Fins ESTATUTOS DA SPG Capítulo I - Constituição e Fins Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Geotecnia é uma associação científica de pessoas individuais e coletivas, designada seguidamente por Sociedade, com

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CIDADE DE LISBOA I NATUREZA, OBJECTO, SEDE, DURAÇÃO E PATRIMÓNIO Artigo Primeiro É instituída uma fundação denominada Fundação Cidade de Lisboa (adiante designada abreviadamente Fundação),

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico do Instituto Superior Técnico. Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 9 de Julho de 2009

Regimento do Conselho Pedagógico do Instituto Superior Técnico. Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 9 de Julho de 2009 Regimento do Conselho Pedagógico do Instituto Superior Técnico Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 9 de Julho de 2009 Artigo 1º (Composição, missão e competências) 1. Para assegurar a composição fixada

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

Um A Sociedade tem a sua sede na Estrada da Malveira da Serra, 1237, Aldeia de Juso, freguesia e concelho de Cascais.

Um A Sociedade tem a sua sede na Estrada da Malveira da Serra, 1237, Aldeia de Juso, freguesia e concelho de Cascais. CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Sede e Objecto da Sociedade ARTIGO PRIMEIRO A Sociedade adopta a denominação de AdC - Águas de Cascais, S.A. ARTIGO SEGUNDO Um A Sociedade tem a sua sede na Estrada da Malveira

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Gerais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Gerais REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Gerais Artigo 1º - O Comitê de Remuneração (o Comitê ) de Lojas Renner S.A. (a Companhia ), órgão estatutário, de

Leia mais

IT4LEGAL ASSOCIAÇÃO PARA AS TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO DIREITO

IT4LEGAL ASSOCIAÇÃO PARA AS TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO DIREITO ESTATUTOS CAPÍTULO I (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A ASSOCIAÇÃO IT4LEGAL ASSOCIAÇÃO PARA AS TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO DIREITO adiante designada simplesmente por Associação,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ELVAS REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ELVAS REGIMENTO DO CONSELHO GERAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ELVAS REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Julho de 2013 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Conselho Geral (CG) é o órgão de participação e representação

Leia mais