- nº 01 Ano I dezembro de Páginas 44 a 54. A NECESSIDADE DO ESTADO ABSOLUTO EM THOMAS HOBBES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- nº 01 Ano I dezembro de Páginas 44 a 54. A NECESSIDADE DO ESTADO ABSOLUTO EM THOMAS HOBBES"

Transcrição

1 A NECESSIDADE DO ESTADO ABSOLUTO EM THOMAS HOBBES Eleandro Moi 1 O presente trabalho busca mostrar, segundo a teoria política de Thomas Hobbes, como o pensador procura demonstrar a necessidade da instituição do Estado civil. Em toda a sua teoria buscou legitimar o Estado absolutista. Hobbes apresenta o estado natural com o objetivo de fundamentar o Estado civil. Segundo Hobbes, o estado natural é um estado no qual todos os homens encontram-se numa condição de igualdade, tanto de capacidades como de esperanças e de direitos. Dessas igualdades e de que o homem, em tal estado, é regido pelas paixões e pelos instintos, resulta que eles se encontram, na ausência de um poder soberano, numa condição de guerra de todos contra todos, em que o homem é lobo do próprio homem. O objetivo de Hobbes ao apresentar tal estado era admoestar aqueles que não viviam em Estados soberanos, para que aceitassem uma total submissão ao detentor do poder, tendo assim segurança e uma vida mais sossegada, saindo daquela condição de intranqüilidade e constante medo da morte violenta, presentes no estado de natureza. A melhor maneira de garantir a paz é conceder o poder a um só homem. É melhor ter a liberdade limitada por um soberano que voltar ao estado natural de guerra. A divisão do trabalho se dará da seguinte forma: no primeiro capítulo será apresentado o estado natural, condição em que o homem se apresenta antes da instituição do Estado e o desejo de sair de tal condição. A segunda parte trata do Estado civil, da sua finalidade, como foi instituído, qual o papel do soberano e dos súditos dentro de tal Estado e qual é a relação entre o detentor do poder e seus súditos. 1. O ESTADO NATURAL A primeira condição que Hobbes atribui ao homem no estado natural é a igualdade de capacidades, tanto no que se refere às potencialidades corporais quanto às faculdades do espírito. Dessa igualdade de capacidades deriva a igualdade de esperança que cada homem tem de atingir seus objetivos. No estado natural, quando separados, somente indivíduos, todos os homens são iguais e livres e têm um direto igual a todas as coisas. (Wollmann, 1993, p. 43). E dessas igualdades surge a discórdia (luta) entre os homens que vivem no estado natural, pois todos possuem necessidades a satisfazer, e da busca dessa satisfação, para a qual não há um poder que dite 1 Monitor do Laboratório de Informática do CE Dr. Dorvalino Luciano de Souza. Administrador da Home Page

2 regras que delimitem o que é e o que não é permitido fazer e, portanto, cada um pode buscar essa satisfação da forma que melhor lhe aprouver, surge a luta entre os indivíduos. Portanto se dois homens desejam a mesma coisa, ao mesmo tempo que é impossível ela ser gozada por ambos, eles tornam-se inimigos. (Hobbes, 1983, p. 74). Assim sendo, os homens, quando não há um poder central, absoluto, que dite as leis e os mantenha em respeito, não sentem prazer da companhia uns dos outros. Há uma constante discórdia entre os indivíduos, à qual Hobbes atribui as seguintes causas principais: a competição, com vista ao lucro, ou seja, o desejo de dominar e possuir o maior número de coisas leva os homens, no estado natural, a atacarem os outros; a desconfiança, buscando segurança, isto é, o desejo de defesa própria, e mais, de viver bem, leva os homens a desconfiarem uns dos outros; e a glória, visando a reputação. Essa discórdia é conseqüência de que o homem, no estado natural, é regido pelas paixões e busca a preservação da vida e, além disso, da vida boa, e para isso tem o direito de fazer o que quiser. Esse direito é o direito de natureza, que... é a liberdade que cada homem possui de usar seu próprio poder, da forma mais variada que desejar, para preservar-se a si mesmo, ou seja, sua vida, e, conseqüentemente, de fazer tudo aquilo que seu julgamento e razão lhe indicarem necessário para esse fim. (Wollmann, 1993, p ). Portanto, dentro de um estado em que se apresenta a igualdade de capacidades, de esperanças, de direitos, onde a liberdade dos indivíduos não encontra nenhuma barreira e os homens podem utilizá-la da maneira que desejarem para preservar suas vidas, e os homens, por natureza são regidos pelas paixões, buscando lucro, segurança e reputação, se encontra uma constante disposição para a luta real de todos contra todos. Essa condição em que os indivíduos no estado natural se apresentam, Hobbes define como condição de guerra. Neste estado de insatisfação, onde o homem não se contenta só com a sua conservação, vivendo constantemente desconfiado do outro, pois há uma tendência de todos aspirando ao poder, obrigandose a dominar os demais, apoderando-se dos seus bens, vive-se a condição natural da humanidade descrita por Hobbes. (Wollmann, 1993, p. 39). Dentro dessa condição de guerra, há um eterno medo e perigo da morte violenta. Não há lugar para a indústria, cultivo da terra..., pois o indivíduo que plantou uma terra, por exemplo, pode, a qualquer momento, ser atacado, desapropriado de sua plantação e até morto, sem um poder que lhe garanta direitos estabelecidos por um pacto ou que puna os invasores ou homicidas. Por isso, a vida do homem, em tais condições, é solitária, pobre, ruim, bestial e curta. Predomina, no estado natural, um egoísmo individualista. O homem, por natureza, não tende para o outro, é um ser anti-social, desconfiado, que busca constantemente destruir o outro, tentando elevar-se. O

3 homem não se contenta com a própria conservação, mas aspira também apoderar-se dos bens materiais e dominar os demais. Por isso, nesse estado, todos vivem numa total insegurança. Portanto, tudo aquilo que é válido em um tempo de guerra em que todos são inimigos de todos, o mesmo é válido, também, para o tempo em que os homens vivem nesta iminente situação de guerra, período em que os homens vivem sem outra segurança, senão a que lhes pode ser oferecida pela sua própria força e invenção. (Wollmann, 1993, p. 34). Não há, também, dentro de tal estado, uma noção de justiça e injustiça, de bem ou de mal, pois não há um poder comum, com leis estabelecidas, e onde não há leis não há critérios que definam o que é justo ou injusto, bem ou mal. A noção de bem e de mal, dentro do estado de natureza, é relativa, pois cada um tem a liberdade de fazer o que quiser, buscando o seu próprio bem. Nesta condição de guerra, a força e a fraude são duas virtudes cardeais. Disto decorre que a justiça e a injustiça não fazem parte das faculdades do corpo ou do espírito (Hobbes, 1983, p. 77) do homem individualmente, mas são virtudes dos homens em sociedade. No estado de natureza também não há propriedade privada, não há distinção entre o meu e o teu, pois, nesse estado todo homem tem um direito que a natureza deu a cada um que vive fora da sociedade sobre todas as coisas. Direito a todas as coisas, significa que quando as leis civis ainda não introduziram um critério de distinções entre o meu e o teu, que só é possível no Estado civil, todo homem tem direito de se apropriar de tudo o que cai em seu poder. (Wollmann, 1993, p. 39). Assim, pertence a um homem tudo aquilo que, por sua força ou astúcia, ele for capaz de conseguir e enquanto puder conservá-lo em sua posse. A situação até agora descrita, referente ao estado de natureza, mostra que o homem, em tais condições, encontra-se em um estado de guerra, de conflitos, de insegurança. E assim, como são as paixões que levam o homem ao estado de guerra, são elas que o impulsionam a sair dessa condição miserável e desagradável. É por medo da morte violenta e pelo desejo de segurança, necessária para uma vida mais cômoda, que o homem vai em busca da paz. As paixões que fazem os homens tender para a paz são o medo da morte, o desejo daquelas coisas que são necessárias para uma vida confortável, e a esperança de consegui-las através do trabalho. E a razão sugere adequadas normas de paz, em torno das quais os homens podem chegar a acordo. (Hobbes, 1983, p. 77). Ninguém se sente tranqüilo tendo que viver no confronto, na insegurança, na anarquia. O fim último de todo homem é a autoconservação e a segurança, para ter uma vida mais satisfatória e, para isso, é necessário sair daquela condição de guerra, de conflitos, presentes no estado de natureza. Por isso é

4 necessário instituir o Estado civil, com um poder capaz de obrigar os homens a cumprirem os pactos e garantir segurança aos indivíduos que dele fazem parte. 2. O ESTADO CIVIL Todos os homens, para ter paz e segurança, desejam sair da condição de guerra presente no estado de natureza. A razão oferece as leis da natureza (justiça, eqüidade, modéstia..., enfim, que se faça aos outros o que se quer para si), mas os homens facilmente as substituem pelas paixões naturais. Para que seja possível e garantida essa paz e segurança, portanto, é necessário que se institua um Estado artificial com poder comum, dotado de espada, com autoridade para obrigar cada um a cumprir seus pactos. Esse estado é o Estado civil. Vemos, dessa maneira, que o Estado é fruto da razão humana. Os homens, no estado natural, apresentam um desejo de sair da condição de medo e insegurança. Para isso, a razão vem ao encontro dos desejos de paz e segurança e oferece aos homens as leis naturais. No entanto, as leis sugeridas pela razão são, não raramente, substituídas pelas paixões naturais. Os indivíduos concordam, então, que é necessário instituir um Estado com poder comum capaz de obrigar os homens a cumprirem seus pactos, e assim, as leis naturais, com legitimação jurídica e poder do Estado, tornam-se leis civis e a vida passa a ser regida por leis sugeridas pela razão. Para Hobbes, o estado natural do homem era um estado de guerra de todos contra todos(...). Os homens vêem-se, então, obrigados a firmar um pacto social pelo qual abdicam da liberdade em favor da própria sobrevivência, e delegam, irrevogavelmente, ao Estado o direito de governá-los ou de serlhes o patrão absoluto. O Estado é, assim, a fonte da moral, do direito e da religião. Estabelece-se, em conseqüência, a paz; (Lara, 1988, p. 48). O Estado, segundo Hobbes, é instaurado pela livre vontade dos homens. Por medo da morte violenta e para ter segurança, os homens, voluntariamente, celebram entre si um pacto de cada um para com todos os outros, escolhendo um homem (soberano), que não participa do pacto, mas está acima dele, e transferem a este o direito de governar-se a si mesmos, assim como consideram como suas todas as atitudes por ele tomadas. Pelo pacto, os indivíduos concordam em escolher um soberano ou um corpo soberano com plena autoridade sobre os súditos e, segundo Hobbes, é a única maneira de instituir um poder capaz de defendê-los das invasões dos estrangeiros e das injúrias uns dos outros, garantindo aos súditos tal segurança que possam viver satisfeitos mediante seu próprio trabalho. Segundo Hobbes, o pacto se dá entre cada homem para com todos os outros, transferindo seus direitos a um representante (soberano), e é como se cada um dissesse aos outros:

5 Cedo e transfiro meu direito de governar-me a mim mesmo a este homem, ou a esta assembléia de homens, com a condição de transferires a ele teu direito, autorizando de maneira semelhante todas as suas ações. (Hobbes, 1983, p. 105). Nota-se assim, que o soberano não participa do pacto, mas está acima dele. O pacto é celebrado entre os súditos, que transferem o seu direito de governar-se a esse homem ou assembléia de homens. E somente nesse estado artificial, gerado por um pacto entre os homens, que os indivíduos saem daquela condição de guerra, de constante discórdia. Segundo a teoria hobbesiana, ao contrário das formigas e abelhas, cujo acordo é natural, conforme nos descreve Russel, os homens devem fazer um pacto, criando o Estado. Hobbes examina a questão segundo a qual os homens não podem cooperar como as formigas e as abelhas. As abelhas, que vivem na mesma colméia, diz ele, não competem, não têm desejo de honrarias, não usam a razão para criticar o governo. Seu acordo é natural, mas o dos homens só pode ser artificial, mediante convênio. O convênio deve conferir poder a um homem ou a uma assembléia, já que, de outro modo não poderia ser cumprido. Os convênios sem a espada não passam de palavras. (...) é um convênio feito pelos cidadãos entre si para obedecer o poder governante escolhido pela maioria. Depois que elegeram termina o poder político dos cidadãos. (Russel, 1977, p. 73). Portanto, conforme Hobbes, o Estado civil pode ser definido como a grande multidão unida numa só pessoa (soberano), formando o grande Leviatã. É assim que os indivíduos, no Estado, conferem ao soberano extrema autoridade sobre eles, podendo este usar de qualquer poder ou força para garantir a paz dentro do Estado e defesa contra os inimigos estrangeiros O soberano no Estado Hobbesiano O soberano, segundo Hobbes, surge com o contrato feito entre os súditos, que aceitam restringir sua liberdade e transferi-la a uma pessoa ou assembléia, em troca de paz e segurança. Hobbes assim define o soberano: Uma pessoa de cujos atos uma grande multidão, mediante pactos recíprocos uns com os outros, foi instituída por cada um como autora, de modo a ela poder usar a força e os recursos de todos, da maneira que considerar conveniente, para assegurar a paz e a defesa comum. (Hobbes, 1983, p. 106). E essa pessoa, representante de todo o povo, tem poderes ilimitados para buscar assegurar a paz e a defesa comum. Todos os restantes, aos quais são impostas restrições pelo Estado, são súditos. E são estes súditos, povo reunido, que conferem todo o poder a este homem, representante de suas vontades. Entre a monarquia absoluta e o governo por meio de uma assembléia, Hobbes prefere o primeiro, apresentando, para tal preferência, várias razões, das quais a principal é a que, se a assembléia, em determinada ocasião se achar dividida, o resultado pode ser a guerra civil. A monarquia absoluta é, pois, a

6 única forma de governo que, apesar de seus inconvenientes, pode assegurar a paz social e impedir a volta à pior das condições da vida: o estado de guerra permanente." (Franca, 1978, p. 165). Conforme Hobbes, para que o Estado soberano, constantemente ameaçado pelos instintos egoístas, presentes na natureza humana, consiga se manter, necessita de um poder forte, capaz de reprimir esses instintos e conservar o Estado civil. Esse poder só pode ser encontrado em um tirano único, despótico, dotado de espada, que, por pior que seja, é melhor que a anarquia. Quanto ao direito de sucessão, a decisão cabe somente ao soberano, pois o direito político dos súditos acaba com a escolha do soberano, sendo a este transferido tal direito. Se assim não fosse, após a morte do soberano, os homens poderiam readquirir seus direitos naturais e voltar à condição de guerra. Portanto, para a conservação da paz entre os homens, devem-se tomar medidas, assim como foram tomadas para criar o Estado, para que haja uma eternidade artificial. Não existe qualquer forma perfeita de governo em que a decisão da sucessão não se encontre nas mãos do próprio soberano. (Hobbes, 1983, p. 119). Aos atos do soberano, também, não podem ser aplicadas as noções de justos ou injustos, pois quando os súditos transferiram a ele o poder de fazer qualquer coisa para buscar paz e segurança, aceitando como seus todos os atos do soberano, qualquer atitude tomada por esse homem é como se fosse tomada pelos súditos. Por exemplo, se um súdito for castigado ou morto pelo soberano, mesmo que não seja um infrator, será o autor de seu próprio castigo, dado que por instituição é o autor de tudo quanto seu soberano fizer. Portanto, ninguém pode acusar o soberano de ser injusto. As noções de justiça e injustiça só são aplicáveis aos súditos, os quais participam do pacto. Estes cometem injustiça quando descumprem um pacto, agindo contra a finalidade do Estado. O soberano é o princípio de justiça e injustiça. A ele não cabe ser julgado se uma ação sua foi justa ou injusta, mas julgar os súditos para defender a conservação do Estado e a finalidade para a qual foi criado (paz e segurança). Compete ao poder soberano o direito de recompensar ou punir qualquer súdito, de acordo com a lei preestabelecida. Legitimamente, o soberano também não pode ser deposto e nem morto, pois foram os próprios súditos que, pelo pacto, transferiram a ele seus direitos, assumindo assim como seus todos os atos do soberano. Se alguns súditos tomassem qualquer atitude de punição ao soberano, estariam castigando a outros por seus atos Da propriedade Compete ao detentor do poder delimitar a propriedade de cada um. Onde não há Estado, é de cada um o que for capaz de conseguir pela própria força e astúcia e enquanto for capaz de manter. No Estado civil, o direito de distribuição da propriedade pertence ao soberano.

7 ...pertence à soberania todo o poder de prescrever as regras através das quais todo homem pode saber quais os bens de que pode gozar, e quais as ações que pode praticar, sem ser molestado por qualquer de seus concidadãos: é a isto que os homens chamam propriedade. (Hobbes, 1983, p. 110). A propriedade é criada pelo governo e as leis da propriedade tem de sujeitar-se inteiramente ao soberano. Compete ao Estado determinar de que maneira devem fazer-se entre os súditos todas as espécies de contrato (de compra, troca, empréstimo, arrendamento). Para que os contratos existam é necessário um poder capaz de forçar os homens a cumprirem sua palavra. Onde não há Estado não é possível falar propriamente em justiça ou injustiça, propriedade, etc Das leis civis Com o surgimento do Estado surgem também leis civis, estabelecidas pelo soberano, que são regras que definem o que é justo ou injusto, e obrigam, pela força da lei (espada), o cumprimento de tais regras. O soberano, único legislador, dita a lei a todos os súditos, obrigando-os, pela espada, a cumpriremnas, com a finalidade de manter a paz e segurança no Estado. O soberano, quando julgar necessário para o fim pelo qual foi criado o Estado, punir algum súdito, pode fazê-lo sem ser submetido a nenhum critério de justiça ou injustiça, pois ele está acima do pacto e a ele cabe determinar o critério pelo qual alguma atitude é justa ou injusta. O direto de punir lhe advém não de qualquer conceito de justiça, mas porque conserva a liberdade que todos os homens tinham no estado de natureza, quando nenhum homem podia ser censurado por infligir uma injúria a outro. (Russel, 1977, p.76-77). A espada é uma necessidade, ou seja, é o poder de impor respeito a todos. Vemos também nesse ponto que a vontade social não satisfaz, ou seja, não basta instituir a sociedade, se não se oferece uma vontade estatal para por ordem e assegurar os compromissos sociais. (Wollmann, 1993, p. 73). A finalidade das leis civis é a de manter a paz através de restrições, impedindo os indivíduos de viverem conforme a sua liberdade natural, ilimitada, a qual permite que, a qualquer momento, uns causem danos a outros. O soberano, que está acima das leis, deve, com autoridade, ordenar as leis para que sejam cumpridas pelos súditos. Também cabe ao Estado decidir a doutrina que seu povo deve seguir. Determinar impostos e comandar as milícias, com vista à paz e a segurança. E para a garantia do cumprimento dessas leis é necessário o Estado com poder comum, pois Os contratos como tais não são mais que palavras, podendo ser violados. Esta violação acontece de fato enquanto o Estado não os garantir criando a singularidade do direito, em virtude de ameaças penais. Porque, segundo Hobbes, as paixões dos homens são geralmente mais fortes que a razão. (Wollmann, 1993, p. 73). O Estado obriga, por seu poder soberano, o cumprimento das leis civis, que servem para dirigir as ações dos homens, com a finalidade de garantir a paz e a segurança. Assim, para evitar que os homens voltem ao estado natural, é necessário um Estado civil com poder soberano capaz de obrigar os homens a cumprirem seus pactos.

8 2.2. Os súditos no Estado Hobbesiano Segundo Hobbes, os súditos são aquelas pessoas que celebram, por um ato voluntário, um pacto a partir do desejo de sair daquela condição que se encontram no estado de natureza, com a finalidade de poder cuidar, com segurança, de sua própria conservação e de ter uma vida pacífica e mais satisfatória. É impossível, antes da instituição do Estado civil, a vida com tais condições de paz e segurança. As condições encontradas no estado natural não trazem tranqüilidade a ninguém, por isso, os homens, por uma necessidade gerada pelo desejo de paz e segurança e por medo da morte violenta, instituíram o Estado, com poder comum. Este poder comum, soberano, serve para obrigar os homens a cumprirem aquelas leis sugeridas pela razão, que, na condição natural, são facilmente substituídas pelos instintos egoístas presentes na natureza humana, e dentro do Estado civil, tornam-se leis civis, sendo os súditos, pela força da espada, obrigados a respeitá-las. Só assim é possível a paz e segurança aos homens. A única maneira de instituir um tal poder comum, capaz de defendê-los das invasões dos estrangeiros e das injúrias dos outros, garantindo-lhes assim uma segurança suficiente para que, mediante seu próprio labor e graças aos frutos da terra, possam alimentar-se e viver satisfeitos, é conferir toda sua força e poder a um homem, ou a uma assembléia de homens, que possa reduzir suas diversas vontades, por pluralidade de votos, a uma só vontade. (...) Isto é mais do que consentimento, ou concórdia, é uma verdadeira unidade de todos eles, numa só e mesma pessoa, realizada num pacto de cada homem com todos os homens, de modo que é como se cada homem dissesse a cada homem: Cedo e transfiro meu direito de governar-me a mim mesmo a este homem, ou a esta assembléia de homens, com a condição de transferires a ele teu direito, autorizando de maneira semelhante todas as suas ações. (Hobbes, 1983, p.105) A partir desse momento (formação do Estado), há uma restrição na liberdade dos indivíduos, que se põem abaixo de um soberano e transferem a ele seus direitos. Aos súditos cabe acatar todas as decisões do soberano, pois a ele, no momento do pacto foi transferida uma liberdade ilimitada, quando os súditos aceitam como suas todas as ações do soberano. Por instituição, todo súdito é autor de tudo quanto seu soberano fizer. Portanto, se o que tenta depor seu soberano for morto ou castigado por ele, será autor de seu próprio castigo. Nenhum súdito pode acusar seu soberano de estar fazendo injustiça, de praticar injúria. (Wollmann, 1993, p. 74). Não é direito dos súditos julgar se algum ato do soberano é justo ou injusto, pois só pode ser justo ou injusto aquilo que está sob um pacto ou uma lei, e, como vimos anteriormente, o soberano não participa do pacto, está acima dele e não está submetido a nenhuma lei, mas ele é a própria lei. As noções de justiça e

9 injustiça são somente aplicáveis aos súditos. Justiça consiste na observação da lei, cumprimento do pacto, e injustiça equivale a um ato contrário ao que a lei manda. Aos súditos resta cumprir a lei, sob pena de punição para os que não a cumprirem, para que se realize o fim para o qual foi criado o Estado: a paz e a segurança. O soberano é o poder comum ao qual os súditos podem apelar para terem garantidos seus direitos através do cumprimento dos pactos. Os súditos não têm a liberdade de depor seu soberano e escolher outro ou voltar ao estado natural, uma vez instaurado o Estado civil. Assim sendo, se alguém dentro do Estado recusar-se a se submeter sob o poder do soberano, pode ser, legitimamente, morto por qualquer um Da liberdade dos súditos No Estado Hobbesiano, em que os súditos estão totalmente submissos a um soberano, sua liberdade é muito restrita. Liberdade, em sentido pleno, é a ausência de impedimentos, de oposições. Conforme esse significado,...homem livre é aquele que, naquelas coisas que graças a sua força e engenho é capaz de fazer, não é impedido de fazer o que tem vontade de fazer. (Hobbes, 1983, p. 129). Esta liberdade, no entanto, só é possível no estado natural. Mas para defesa da própria vida e para ter paz, o homem abre mão da liberdade incondicional, criando livremente o Estado e submetendo-se a um poder soberano. Junto com o Estado criam-se também as leis civis. Esses contratos são possíveis pela conciliação da liberdade com a necessidade. O Estado limita a liberdade natural, e é dentro desse Estado que se encontra a liberdade dos súditos. Com o surgimento do Estado, os homens só podem fazer o que a razão de cada um sugerir nas espécies de ações não previstas pelas leis. isto diante da certeza de que nenhum Estado consegue estabelecer regras suficientes para regular todas as ações e palavras dos homens. O primeiro indício do uso da liberdade acontece nas próprias leis. Em todos os atos, não previstos na lei, o homem tem a liberdade de fazer o que a razão de cada um sugerir, como o mais favorável para o seu interesse. (Wollmann, 1993,p ) Há, no entanto, segundo Hobbes, alguns casos em que os súditos podem, sem cometer injustiça, desobedecer ao soberano. Para isso, é preciso examinar quais os direitos que os súditos transferem no momento da criação do Estado. Há algumas liberdades que os súditos não transferem pelo pacto. Um caso é o direito de auto-defesa....os pactos no sentido de cada um abster-se de defender seu próprio corpo são nulos. (...) Ninguém fica obrigado pelas próprias palavras a matar-se a si mesmo ou a outrem. Por conseqüência, que a obrigação que às vezes se pode ter por ordem do soberano, de executar missão perigosa ou desonrosa (...) quando nossa recusa de obedecer prejudica o fim em vista do qual foi criada a

10 soberania, não há liberdade de recusas; mas, caso contrário, há essa liberdade. (Hobbes, 1983, p. 133). Também, quando mais de um indivíduo (culpados ou não) estiverem com suas vidas ameaçadas, é legítimo que se unam a fim de defender suas vidas, podendo se utilizar, para isso, de tudo aquilo que for necessário. Entende-se que a obrigação dos súditos para com o soberano dura enquanto, e apenas enquanto, dura também o poder mediante o qual ele é capaz de protegê-los. Porque o direito que por natureza os homens têm de defender-se a si mesmos não pode ser abandonado através de pacto algum. (Hobbes, 1983, p. 135). Quanto às outras liberdades dos súditos elas estão naquelas coisas que, ao regular suas ações, o soberano permitiu, tal como a liberdade de comprar e vender, da forma de vida, da profissão e da educação dos filhos. Ao Estado (poder soberano) compete delimitar aos súditos o que é ou não permitido fazer. É através do Estado que o homem pode viver sua liberdade e sua segurança. A monstruosidade do Estado é uma necessidade para que os homens vivam socialmente. (Wollmann, 1993, p.66). Portanto, pertence somente ao soberano o direto de limitar aos súditos a sua liberdade. E é necessário esse poder comum com autoridade de ditar o que é e não permitido aos súditos para que esses não voltem a possuir liberdade sem restrições, retornando ao estado natural e, por conseguinte, à condição de guerra. Tendo posse desses poderes de limitar a liberdade dos súditos, o soberano encarrega-se de buscar a paz e a segurança, garantindo a conservação do Estado e a finalidade para a qual foi criado. CONCLUSÃO A condição de natureza apresentada por Thomas Hobbes mostra um homem totalmente regido pelas paixões. No estado natural, os homens apresentam-se numa condição de igualdade de capacidades, de esperança de atingir seus fins e de direito de agir do modo que lhe convier para seu próprio bem. Nessas condições de igualdade, os homens vivem numa constante discórdia, causadas pela ambição do lucro e pelos desejos de segurança e de glória. Disso decorre que os homens, em tal estado, vivem numa condição de guerra de todos contra todos, não luta real, mas disposição para tal. Dentro do estado natural não são aplicáveis as noções de justiça e injustiça, pois não há critérios que definam o que é e o que não é justo. Também não há propriedade, só é de alguém aquilo do qual, por sua própria força e astúcia, conseguir se apoderar e enquanto puder manter sob seu poder. Em tais condições, em que se apresenta uma liberdade ilimitada dos indivíduos, não há, no entanto, nem paz nem segurança e o homem deseja sair dessa condição, submetendo-se, para isso, a um poder soberano que limita suas liberdades e dá regras do que pode ou não fazer. Tal poder é o Estado.

11 O Estado civil, com poder comum, soberano, dotado de espada e de leis civis, capaz de obrigar os súditos a cumprirem tais leis, sob pena de punição para aqueles que as descumprirem, é necessário para que os homens vivam socialmente. Dentro de tal Estado, o qual foi formado por um ato voluntário dos indivíduos, a partir de uma necessidade causada pelos desejos de paz e segurança, há um soberano, ao qual foram transferidas as liberdades dos súditos. Este soberano é dotado de liberdade ilimitada, ditador das leis, organizador da propriedade e detentor do poder de julgar tudo o que é ou não justo dentro do Estado, com a finalidade de estabelecer a paz e manter a segurança dentro da nação. Os súditos devem total obediência ao soberano e têm sua liberdade restrita, no entanto, é preferível viver no Estado civil do que voltar à condição natural, em que não há paz nem segurança e paira uma constante desconfiança e medo da morte violenta. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FRANCA, Leonel. Noções de História da Filosofia. 22ª ed. Rio de Janeiro : Agir, 1978, p HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil. Col. Os Pensadores. Trad.: João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. 3ª ed. São Paulo : Abril Cultural, 1983, p LARA, Tiago Adão. Caminhos da Razão no Ocidente: A Filosofia Ocidental do Renascimento aos nossos dias. 5ª ed. Petrópolis : Vozes, 1993, vol. 3, p RUSSEL, Bertrand. História da Filosofia Ocidental. 3ª ed. São Paulo : Companhia Editora Nacional, 1977, vol.3, p WOLLMANN, Sérgio. O conceito de liberdade no Leviatã de Hobbes. Porto Alegre : Edipucrs, 1993.

O Contratualismo - Thomas Hobbes

O Contratualismo - Thomas Hobbes O Contratualismo - Thomas Hobbes 1. Sem leis e sem Estado, você poderia fazer o que quisesse. Os outros também poderiam fazer com você o que quisessem. Esse é o estado de natureza descrito por Thomas Hobbes,

Leia mais

Thomas Hobbes ( ) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31)

Thomas Hobbes ( ) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31) Thomas Hobbes (1588 1679) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 O maior dos poderes humanos é aquele que é composto pelos poderes de vários homens, unidos por consentimento numa

Leia mais

ANÁLISE E COMENTÁRIO DA OBRA LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES

ANÁLISE E COMENTÁRIO DA OBRA LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES ANÁLISE E COMENTÁRIO DA OBRA LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves INTRODUÇÃO A obra intitulada Leviatã ou o Estado de Thomas Hobbes é antes de qualquer coisa um aceno para a possibilidade

Leia mais

Estado e Relações de Poder. Prof. Marcos Vinicius Pó

Estado e Relações de Poder. Prof. Marcos Vinicius Pó Estado e Relações de Poder Prof. Marcos Vinicius Pó marcos.po@ufabc.edu.br Contratualismo Lógica de dominação do Estado moderno Formação de instituições A noção de liberdade Foi considerado um autor maldito,

Leia mais

TEORIAS CONTRATUALISTAS: THOMAS HOBBES THOMAS HOBBES ( ): LEVIATÃ

TEORIAS CONTRATUALISTAS: THOMAS HOBBES THOMAS HOBBES ( ): LEVIATÃ TEORIAS CONTRATUALISTAS: THOMAS HOBBES THOMAS HOBBES (1588-1679): LEVIATÃ A CONCEPÇÃO POLÍTICA HOBBESIANA: A EXALTAÇÃO DAS LEIS O que aconteceria se não estivéssemos de algum modo obrigados a respeitar

Leia mais

Estado e Relações de Poder THOMAS HOBBES O LEVIATÃ

Estado e Relações de Poder THOMAS HOBBES O LEVIATÃ Estado e Relações de Poder THOMAS HOBBES O LEVIATÃ Principais tópicos de hoje Contratualismo Lógica de dominação do Estado moderno Formação de instituições A noção de liberdade O Leviatã Thomas Hobbes

Leia mais

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 05 O JUSNATURALISMO DE LOCKE

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 05 O JUSNATURALISMO DE LOCKE FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 05 O JUSNATURALISMO DE LOCKE Como pode cair no enem (WATTERSON, B. Calvin e Haroldo: O progresso científico deu tilt. São Paulo: Best News, 1991.) De acordo com algumas teorias

Leia mais

TEORIAS POLÍTICAS MODERNAS: MAQUIAVEL, HOBBES E LOCKE (2ª SÉRIE).

TEORIAS POLÍTICAS MODERNAS: MAQUIAVEL, HOBBES E LOCKE (2ª SÉRIE). TEORIAS POLÍTICAS MODERNAS: MAQUIAVEL, HOBBES E LOCKE (2ª SÉRIE). NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) E A FUNDAÇÃO DA POLÍTICA MODERNA. Fundador da Ciência Política Moderna Distancia-se das teorias políticas

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES SARTRE (UFU) Liberdade, para Jean-Paul Sartre (1905-1980), seria assim definida: A) o estar sob o jugo do todo para agir em conformidade consigo mesmo, instaurando

Leia mais

Professor: Décius Caldeira HISTÓRIA 3ª série Ensino Médio HISTÓRIA E PENSAMENTO POLÍTICO

Professor: Décius Caldeira HISTÓRIA 3ª série Ensino Médio HISTÓRIA E PENSAMENTO POLÍTICO Professor: Décius Caldeira HISTÓRIA 3ª série Ensino Médio HISTÓRIA E PENSAMENTO POLÍTICO I- OS HOMENS DEVEM AMOR AO REI: SÃO SÚDITOS. Jacques Bossuet II- AS VIRTUDES DO HOMEM PÚBLICO SE CONFUNDEM COM AS

Leia mais

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1) Hobbes assim define a essência da república ou cidade: Uma cidade (...) é uma pessoa cuja vontade, pelo pacto de muitos homens, há de ser recebida como sendo

Leia mais

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza?

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? O princípio básico da soberania popular, segundo Rousseau, é: a) o poder absoluto b) o poder do suserano c) a vontade de todos

Leia mais

Os contratualistas. Thomas Hobbes ( ) John Locke ( ) Jean-Jacques Rousseau ( )

Os contratualistas. Thomas Hobbes ( ) John Locke ( ) Jean-Jacques Rousseau ( ) Os contratualistas Thomas Hobbes (1588-1679) John Locke (1632-1704) Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) 1 Contratualismo Vertente filosófica derivada do jusnaturalismo ou direito natural moderno. Direito

Leia mais

Filosofia Política: Thomas Hobbes ( )

Filosofia Política: Thomas Hobbes ( ) Filosofia Política: Thomas Hobbes (1588-1679) Thomas Hobbes parte da concepção do homem em seu estado de natureza para caracterizar a necessidade da fundação do Estado. Suas obras mais significativas foram

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau Jean-Jacques Rousseau 1712-1778 Da servidão à liberdade Temas centrais da filosofia política rousseauniana O contrato social. O surgimento da propriedade privada. A passagem do estado de natureza para

Leia mais

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri Locke e Bacon Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri John Locke Locke divide o poder do governo em três poderes, cada um dos quais origina um ramo de governo: o poder legislativo (que é o fundamental),

Leia mais

DESCARTES ( )

DESCARTES ( ) DESCARTES (1596 1650) RACIONALISMO - A solução para seus problemas estavam na matemática, no qual acreditava que poderia obter todas as suas respostas. - Somente é possível conhecer todo o saber se este

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO Profª Viviane Jordão INTRODUÇÃO As características básicas do sistema econômico e político dominante na Europa ocidental nos séculos XVI e XVII foram: o capitalismo comercial

Leia mais

A formação dos Estados Modernos

A formação dos Estados Modernos A formação dos Estados Modernos Onde: Europa Período: fim da Idade Média e início da Idade Moderna Dividido em dois momentos: Estados Monárquicos (centralização do poder econômico e político) e Estados

Leia mais

ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA

ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA O ILUMINISMO ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA DAS LUZES Começou na Inglaterra e se estendeu para França, principal produtor e irradiador das ideias iluministas. Expandiu-se pela Europa, especialmente

Leia mais

A Possibilidade de Reivindicar Direitos em Rousseau

A Possibilidade de Reivindicar Direitos em Rousseau A Possibilidade de Reivindicar Direitos em Rousseau Ivonil Parraz 1 Resumo: Nossa intenção é mostrar o modo como Rousseau concebe o Estado Civil e, com isso, a possibilidade dos cidadãos reivindicar seus

Leia mais

THOMAS MORUS A UTOPIA

THOMAS MORUS A UTOPIA THOMAS MORUS A UTOPIA A primeira parte da Utopia apresenta, em tom de conversa, uma reflexão sobre a situação política e social da Inglaterra do início do século XVI. Nessa época o absolutismo se consolidava

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico 1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico Profa. Nina Ranieri 15/09/2017 1 Plano de aula I - Introdução As matrizes clássicas do Estado de Direito

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 06 CIÊNCIA POLÍTICA: A TEORIA DO ESTADO

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 06 CIÊNCIA POLÍTICA: A TEORIA DO ESTADO SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 06 CIÊNCIA POLÍTICA: A TEORIA DO ESTADO Como pode cair no enem Leia o texto: Estado de violência Sinto no meu corpo A dor que angustia A lei ao meu redor A lei que eu não queria

Leia mais

Thomas Hobbes: natureza humana, Estado absoluto e (falta de) cidadania

Thomas Hobbes: natureza humana, Estado absoluto e (falta de) cidadania Thomas Hobbes: natureza humana, Estado absoluto e (falta de) cidadania Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da aula 1) Hobbes e a natureza humana 2) Estado absoluto: em defesa

Leia mais

Resenha crítica do livro O Leviatã, Thomas Hobbes

Resenha crítica do livro O Leviatã, Thomas Hobbes Resenha crítica do livro O Leviatã, Thomas Hobbes Marianna Fernandes Batista Silva O Leviatã Thomas Hobbes Leviatã foi a obra-prima do autor inglês Thomas Hobbes, escrita em 1651, em meio a um contexto

Leia mais

Pedro Bandeira Simões Professor

Pedro Bandeira Simões Professor Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 10 Os fins e os meios: que ética para a vida humana? Pedro

Leia mais

FILOSOFIA Questões de 1 a 10

FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1 O ANO 2012 FILOSOFIA FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1) (UNICENTRO-PR) O filósofo que se relaciona ao pensamento político moderno é a) Aristóteles. b) Descartes. c) Maquiavel. d) Sócrates. e) Hume. 2) (UEL)

Leia mais

Filosofia Política Clássica

Filosofia Política Clássica Filosofia Política Clássica Antiguidade Clássica - Platão Platão - seres humanos são divididos em três almas ou princípios de atividades: alma desejante que busca a satisfação dos apetites do corpo; alma

Leia mais

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO Capítulo 6 Poder, política e Estado 1 O poder e a política Poder se refere à capacidade de agir ou de determinar o comportamento dos outros. As relações de poder perpassam todas as relações sociais. As

Leia mais

2. Para John Locke, filósofo político inglês, os direitos naturais do homem eram:

2. Para John Locke, filósofo político inglês, os direitos naturais do homem eram: Nome Nº Série / Ano Ensino Turma 2º Médio Disciplina Professor Natureza Código / Tipo Trimestre / Ano Data Filosofia Guilherme Atividade 2 o / 2016 24/06/2016 Tema: Roteiro de estudos e lista de exercícios

Leia mais

Idade Moderna Parte I

Idade Moderna Parte I Idade Moderna Parte I A expansão marítima europeia Período: séculos XV e XVI. Domínio das rotas mediterrânicas para o Oriente pelas cidades italianas. Busca de rotas alternativas Oceano Atlântico. Reinos

Leia mais

Prof. Hallen Filosofia

Prof. Hallen Filosofia THOMAS HOBBES Nasceu em 5 de abril de 1588 em Westport, na Inglaterra, e faleceu em Hardwick, em 1679 Veio a ser um dos maiores pensadores políticos da modernidade De origem humilde, teve seus estudos

Leia mais

Sociedade. O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles.

Sociedade. O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles. Sociedade O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles. É impossível saber, historicamente, qual foi a primeira sociedade. O Homem vive em sociedade desde sua existência. A sociedade é uma necessidade

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 24 de agosto de 2017 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

Breve notícia histórica da propriedade 12/09/2016. a) Período Romano

Breve notícia histórica da propriedade 12/09/2016. a) Período Romano Síntese histórica da propriedade; Fundamento jurídico do domínio; Conceito, Elementos, Caracteres, Objeto e espécies de propriedade; Responsabilidade civil do proprietário Breve notícia histórica da propriedade

Leia mais

2.3 Jean-Jacques Rousseau

2.3 Jean-Jacques Rousseau 2.3 Jean-Jacques Rousseau Jean-Jacques Rousseau escreveu em 1762 sua obra O Contrato Social 1, na qual discorre sobre o Estado e a soberania popular. Suas idéias exerceram grande influência sobre os ideais

Leia mais

Teoria das Formas de Governo

Teoria das Formas de Governo Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas Disciplina: Governo Eletrônico Teoria das Formas de Governo Equipe 2 Biancca Nardelli Schenatz Nair

Leia mais

Filosofia e Política

Filosofia e Política Filosofia e Política Aristóteles e Platão Aristóteles Política deve evitar a injustiça e permitir aos cidadãos serem virtuosos e felizes. Não há cidadania quando o povo não pode acessar as instituições

Leia mais

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega.

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. Colégio Cenecista Dr. José ferreira Professor Uilson Fernandes Fevereiro de 2016 A forma como os filósofos clássicos definem

Leia mais

Hobbes e as objeções acerca da criação do estado por cooperação

Hobbes e as objeções acerca da criação do estado por cooperação Hobbes e as objeções acerca da criação do estado por cooperação Fernanda Zelinski 1 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar os argumentos hobbesianos acerca da impossibilidade da instituição de

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Hélio Alexandre da Silva SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SILVA, HA. As paixões humanas em Thomas Hobbes: entre a ciência e a moral, o medo e a esperança [online]. São

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Análise da perspectiva de Justiça na conjuntura do Liberalismo e do Comunitarismo Carolina Cunha dos Reis A possibilidade de fundamentação da ação política sobre os princípios éticos

Leia mais

THOMAS HOBBES E O ABSOLUTISMO. Prof. Elson Junior

THOMAS HOBBES E O ABSOLUTISMO. Prof. Elson Junior THOMAS HOBBES E O ABSOLUTISMO Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Abril de 2017 DADOS PESSOAIS NOME Thomas Hobbes NASCIMENTO 05 de abril de 1588, uma sexta-feira santa. LOCAL DE NASCIMENTO Westport

Leia mais

REALISMO RAISSA CASTELO BRANCO VIANA INTRODUÇÃO ÀS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REALISMO RAISSA CASTELO BRANCO VIANA INTRODUÇÃO ÀS RELAÇÕES INTERNACIONAIS REALISMO RAISSA CASTELO BRANCO VIANA INTRODUÇÃO ÀS RELAÇÕES INTERNACIONAIS REALISMO Introdução: elementos do Realismo Realismo clássico Tucídides Maquiavel Hobbes Realismo neoclássico de Morgenthau Realismo

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito:

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA. PRINCÍPIO DA AUTONOMIA DO PACIENTE: transfusão de sangue

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA. PRINCÍPIO DA AUTONOMIA DO PACIENTE: transfusão de sangue PRINCÍPIO DA AUTONOMIA DO PACIENTE: transfusão de sangue Artigo 5º, inciso VI, da Constituição Federal Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros

Leia mais

Ressurgência: fenômeno oceanográfico É responsável por 40% de todo o oxigênio consumido na Terra

Ressurgência: fenômeno oceanográfico É responsável por 40% de todo o oxigênio consumido na Terra Ressurgência: fenômeno oceanográfico É responsável por 40% de todo o oxigênio consumido na Terra Oxigênio Vida O que pode produzir vida? O que tem poder para fazer perdurar a vida? Ressurgência: Este renovar

Leia mais

Questão 2 Mostre a importância dos partidos políticos no processo de participação democrática brasileira.

Questão 2 Mostre a importância dos partidos políticos no processo de participação democrática brasileira. Disciplina: Sociologia Data: / /2012 Professor(a): Celso Luís Welter Turma: 3º ano Tipo de Atividade: trabalho de recuperação Segmento: EM Valor: 6 pontos Etapa: segunda Nome do(a) aluno(a): Caro(a) Aluno(a),

Leia mais

Notas sobre a Liberdade de Consciência em John Rawls

Notas sobre a Liberdade de Consciência em John Rawls Notas sobre a Liberdade de Consciência em John Rawls Jaderson Borges Lessa 1 Resumo: A liberdade de consciência é uma das liberdades fundamentais garantidas pelo primeiro princípio de justiça de John Rawls.

Leia mais

2.2 Thomas Hobbes. descobrir quais os meios para alcançar os fins desejáveis, como a sobrevivência e a paz.

2.2 Thomas Hobbes. descobrir quais os meios para alcançar os fins desejáveis, como a sobrevivência e a paz. 2.2 Thomas Hobbes Thomas Hobbes, em Leviatã (publicado em 1651), quase um século depois de Bodin, não reconhece quaisquer limites para o poder soberano. Seu Estado não distingue entre esfera pública e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hobbes. Locke. Legitimidade. Resistência.

PALAVRAS-CHAVE Hobbes. Locke. Legitimidade. Resistência. Recebido em mai. 2013 Aprovado em ago. 2013 LEGITIMIDADE DO PODER E RESITÊNCIA EM THOMAS HOBBES E JOHN LOCKE JULIANO CORDEIRO DA COSTA OLIVEIRA * RESUMO Debateremos a legitimidade do poder e a possibilidade

Leia mais

1) (UNICENTRO-PR) O filósofo que se relaciona ao pensamento político moderno é. 2) (UEL) Leia o seguinte texto de Maquiavel e responda à questão.

1) (UNICENTRO-PR) O filósofo que se relaciona ao pensamento político moderno é. 2) (UEL) Leia o seguinte texto de Maquiavel e responda à questão. Revisional FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1) (UNICENTRO-PR) O filósofo que se relaciona ao pensamento político moderno é a) Aristóteles. b) Descartes. c) Maquiavel. d) Sócrates. e) Hume. 2) (UEL) Leia o

Leia mais

A filosofia Política. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba Abril de 2016

A filosofia Política. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba Abril de 2016 A filosofia Política Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba Abril de 2016 Os contratualistas Grupo de filósofos que tomaram a política como uma categoria autônoma, ou seja,

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES DAVID HUME - COMPAIXÃO Nascimento: 7 de maio de 1711 Edimburgo, Reino Unido. Morte: 25 de agosto de 1776 (65 anos) Edimburgo, Reino Unido. Hume nega

Leia mais

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade.

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade. O homem é um animal político por natureza; Política visa (ou deveria visar) um fim útil e bom para sociedade; Característica do ser humano é a vida em comunidade. Origem na palavra Politéia, que se refere

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Leia o texto a seguir. Kant, mesmo que restrito à cidade de Königsberg, acompanhou os desdobramentos das Revoluções Americana e Francesa e foi levado a

Leia mais

A liberdade e a legislação republicana

A liberdade e a legislação republicana A liberdade e a legislação republicana Renato Fagundes de Oliveira 1 Nos diz o filósofo de Genebra na oitava das Cartas escritas da montanha: É inútil querer confundir a independência e a liberdade. Essas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

Dos Direitos Individuais (I) Profª Me. Érica Rios

Dos Direitos Individuais (I) Profª Me. Érica Rios Dos Direitos Individuais (I) Profª Me. Érica Rios erica.carvalho@ucsal.br O QUE SÃO DIREITOS INDIVIDUAIS? Direitos fundamentais do indivíduo (pessoa física ou jurídica), garantindo-lhe iniciativa autônoma

Leia mais

John Locke e Montesquieu

John Locke e Montesquieu John Locke e Montesquieu Empirismo John Locke (1632-1704) Médico entusiasmado com a experimentação. Acreditava que o futuro estava na tecnologia Traz uma filosofia de senso comum Entende que poderes e

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL

DIREITO INTERNACIONAL Prof. Thaysa Prado DIREITO INTERNACIONAL - Introdução e fontes Características da Sociedade Internacional - Universal: abrange todos os entes/sujeitos do direito internacional - Paritária: igualdade jurídica

Leia mais

PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese

PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese PRINCÍPIOS INFORMADORES DO DIREITO PROCESSUAL PENAL PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese os princípios da política processual de uma nação não são outra coisa senão os segmentos de sua política (ética) estatal

Leia mais

A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania. Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela

A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania. Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania Simone Carneiro Carvalho I- Introdução Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela Constituição da República de 1988, batizada

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Objeto da Sociologia. Factos Sociais

Objeto da Sociologia. Factos Sociais Objeto da Sociologia Factos Sociais Os factos sociais são factos decorrentes da vida em sociedade, formas de agir, pensar e sentir impostos pela sociedade pelas sociedades aos seus membros.... o resultado

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau Aula 18 Rousseau Jean-Jacques Rousseau 1712-1778 Da servidão à liberdade Temas centrais da filosofia política rousseauniana O contrato social. O surgimento da propriedade privada. A passagem do estado

Leia mais

A teologia da política. Dr. Rousas John Rushdoony

A teologia da política. Dr. Rousas John Rushdoony INTRODUÇÃO A teologia da política Dr. Rousas John Rushdoony Introdução Uma área de estudo muito negligenciada nos dois séculos passados ou mais é a teologia da política. O pensamento político tem se tornado

Leia mais

DEMOcRACIA. É PoLÍCIA

DEMOcRACIA. É PoLÍCIA É PoLÍCIA Democracia não é apenas participação popular na tomada de decisões. É partir do princípio de que todo poder e toda legitimidade só podem vir de uma única estrutura de tomada de decisões. E isso

Leia mais

O contrato social em Hobbes e a permuta da liberdade natural pela segurança do estado civil

O contrato social em Hobbes e a permuta da liberdade natural pela segurança do estado civil pela segurança do estado civil The social contract in Hobbes and the exchange of natural freedom by Civil State security Felipe Henry Lucate 1 Resumo: Em algum momento de nossas vidas podemos nos deparar

Leia mais

À PAZ PERPÉTUA (1795)

À PAZ PERPÉTUA (1795) À PAZ PERPÉTUA (1795) Immauel Kant - 22/04/1724 (Prússia); - Konigsberg - Antecedentes A Paix Perpétuelle, Abade de Saint Pierre (1712) propõe a confederação dos príncipes europeus baseada na interdependência

Leia mais

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ).

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ). Filosofia 3ª série E C O M O D A N T E D I Z QUE N Ã O SE FA Z C I Ê N C I A S E M R E G I S T R A R O QUE SE A P R E N D E, EU T E N H O A N O TA D O T U D O N A S C O N V E R S A S QUE ME P A R E

Leia mais

FAMÍLIA AS SOCIEDADES. Sociedade primeira e fundamental

FAMÍLIA AS SOCIEDADES. Sociedade primeira e fundamental AS SOCIEDADES Sociedade primeira e fundamental FAMÍLIA A família é a sociedade da natureza humana, é a primeira e principal escola, onde o ser humano recebe formação e educação EMPRESA Atividade que várias

Leia mais

Filosofia. Conceitos centrais. O pensamento político de Hobbes, Locke e Rousseau. Reflexões iniciais. Profa. Suze Piza

Filosofia. Conceitos centrais. O pensamento político de Hobbes, Locke e Rousseau. Reflexões iniciais. Profa. Suze Piza Filosofia Profa. Suze Piza O pensamento político de Hobbes, Locke e Rousseau Conceitos centrais Reflexões iniciais I - Absolutismo e liberalismo: posições políticas II - Contexto teórico e histórico em

Leia mais

O conceito de Estado em Immanuel Wallerstein e Hans Morgenthau: alguns apontamentos teóricos

O conceito de Estado em Immanuel Wallerstein e Hans Morgenthau: alguns apontamentos teóricos O conceito de Estado em Immanuel Wallerstein e Hans Morgenthau: alguns apontamentos teóricos Tiago Alexandre Leme Barbosa 1 RESUMO O presente texto busca apresentar alguns apontamentos a respeito do conceito

Leia mais

TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS

TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS NA SUA OBRA DENOMINADA SUMA TEOLÓGICA, TOMÁS DE AQUINO CONSIDERA CINCO VIAS QUE, POR MEIO DE ARGUMENTOS, CONDUZEM À DEUS, TODAS COM CARACTERÍSTICAS

Leia mais

MONTESQUIEU. Separação de poderes. Origens da teoria e sua aplicação na atualidade. Prof. Elson Junior

MONTESQUIEU. Separação de poderes. Origens da teoria e sua aplicação na atualidade. Prof. Elson Junior MONTESQUIEU Separação de poderes Origens da teoria e sua aplicação na atualidade Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Maio de 2017 1. Primeiras ideias 1.1. Esclarecimentos iniciais Pela definição

Leia mais

O CONCEITO DE JUSTIÇA NO LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES

O CONCEITO DE JUSTIÇA NO LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES RevistaAproximação Segundosemestrede2014 Nº8 O CONCEITO DE JUSTIÇA NO LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES Julio Tomé Granduando em Filosofia pela UFSC Resumo: Este trabalho tem como objetivo trazer à tona algumas

Leia mais

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANTIGO REGIME Escreva no seu caderno o que você entende por Antigo Regime. Para auxiliá-lo, abaixo está a definição do dicionário Michaelis para a palavra

Leia mais

NODARI, Paulo César. Ética, direito e política: a paz em Hobbes, Locke, Rousseau e Kant.

NODARI, Paulo César. Ética, direito e política: a paz em Hobbes, Locke, Rousseau e Kant. NODARI, Paulo César. Ética, direito e política: a paz em Hobbes, Locke, Rousseau e Kant. Paulus, 2014. 301 p. 11 RESENHA Moisés João Rech * A tarefa que Paulo César Nodari se coloca é, em grande medida,

Leia mais

ARTIGOS 1º AO 4º. A vigente Constituição Federal (de 5 de outubro de 1988) contém a

ARTIGOS 1º AO 4º. A vigente Constituição Federal (de 5 de outubro de 1988) contém a ARTIGOS 1º AO 4º A vigente Constituição Federal (de 5 de outubro de 1988) contém a definição jurídica da Organização do Estado brasileiro, no seu artigo 1º: A República Federativa do Brasil, formada pela

Leia mais

CONCEITO SOCIOLÓGICO DO DIREITO

CONCEITO SOCIOLÓGICO DO DIREITO CONCEITO SOCIOLÓGICO DO DIREITO NORMAS DE CONDUTA Partindo do conhecimento que já temos de que se o Direito, está ligado à idéia de organização e conduta, então ele deve ser entendido como um conjunto

Leia mais

Ética Profissional. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira

Ética Profissional. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Ética Profissional Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Ética Conceitos e Classificações 1: Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em

Leia mais

Aprendendo a controlar Sentimentos! Uma busca pelo autoconhecimento na intenção de melhorar seu dia a dia.

Aprendendo a controlar Sentimentos! Uma busca pelo autoconhecimento na intenção de melhorar seu dia a dia. Aprendendo a controlar Sentimentos! Uma busca pelo autoconhecimento na intenção de melhorar seu dia a dia. Desde o inicio dos tempos somos movidos por sentimentos, alguns bons e outros nem tanto, porém

Leia mais

A POLÍTICA COMO. MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919)

A POLÍTICA COMO. MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919) A POLÍTICA COMO VOCAÇÃO MAX WEBER (1864-1920) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919) QUESTÕES FUNDAMENTAIS DO TEXTO: - O QUE ÉPOLÍTICA? - O QUE ÉO

Leia mais

Introdução à Ética, Moral e Virtude

Introdução à Ética, Moral e Virtude Introdução à Ética, Moral e Virtude 1 Ano do Ensino Médio -3 Trimestre Professor: Me. Phil. Fabio Goulart fabiogt@filosofiahoje.com http://www.filosofiahoje.com/- http:// youtube.com/filosofiahoje https://www.facebook.com/filosofiahoje

Leia mais

Artigo 1º (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREIROS DO HOMEM)

Artigo 1º (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREIROS DO HOMEM) ( de quem verificou que o infrator pagou a sua multa) Artigo 1º (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREIROS DO HOMEM) Todos os seres humanos nascem livres em dignidade e em direitos Sabia que: tem o direito e o

Leia mais

THOMAS HOBBES ENTRE A NATUREZA E O CONTRATO

THOMAS HOBBES ENTRE A NATUREZA E O CONTRATO THOMAS HOBBES ENTRE A NATUREZA E O CONTRATO GT10 Práticas Investigativas na Educação Superior Edson Peixoto Andrade 1 Anderson Souza Santos 2 Edilamara Peixoto de Andrade 3 RESUMO O presente artigo objetiva

Leia mais

Declaração dos Direitos da Mulher (1792) Olympe Gouges Preâmbulo

Declaração dos Direitos da Mulher (1792) Olympe Gouges Preâmbulo Declaração dos Direitos da Mulher (1792) Olympe Gouges Preâmbulo As mães, as filhas, as irmãs, representantes da nação, reivindicam constituir-se em Assembléia Nacional. Considerando que a ignorância,

Leia mais

A LEI E O DIREITO EM THOMAS HOBBES

A LEI E O DIREITO EM THOMAS HOBBES A LEI E O DIREITO EM THOMAS HOBBES Renata Marques Ferreira 1 Ms. Márcio Secco 2 RESUMO A teoria política de Thomas Hobbes pode ser considerada como uma tentativa de fundar um instrumento que demonstrasse

Leia mais

DIREITO DA NACIONALIDADE. TORRES, Hélio Darlan Martins¹ MELO, Ariane Marques de²

DIREITO DA NACIONALIDADE. TORRES, Hélio Darlan Martins¹ MELO, Ariane Marques de² DIREITO DA NACIONALIDADE TORRES, Hélio Darlan Martins¹ MELO, Ariane Marques de² RESUMO Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a determinado Estado; é a qualidade de nacional,

Leia mais

A EVOLUÇÃO E A REENCARNAÇÃO.

A EVOLUÇÃO E A REENCARNAÇÃO. A EVOLUÇÃO E A REENCARNAÇÃO. Queremos compartilhar com aqueles que vem aqui às quintas-feiras algumas informações que conseguimos reunir ao longo da vida através da busca de respostas sobre o TEMA: -O

Leia mais

Prof. Associado Wagner Menezes. Salas 21 a 24 DIP II

Prof. Associado Wagner Menezes. Salas 21 a 24 DIP II ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS TEORIA GERAL O ESTADO TORNOU-SE DEMASIADO PEQUENO PARA AS COISAS GRANDES (FERRAJOLI, LUIGI. A SOBERANIA NO MUNDO MODERNO. 2ª ED. SÃO PAULO: MARTINS FONTES, 2007, P. 50.) 1.

Leia mais

A VIOLÊNCIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE FILÓSOFICA DAS RAÍZES DESSE PROBLEMA Sara Fialho 1, Luciene Dias 2. Introdução

A VIOLÊNCIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE FILÓSOFICA DAS RAÍZES DESSE PROBLEMA Sara Fialho 1, Luciene Dias 2. Introdução A VIOLÊNCIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE FILÓSOFICA DAS RAÍZES DESSE PROBLEMA Sara Fialho 1, Luciene Dias 2 Resumo: Este estudo propôs-se a discutir a violência na sociedade contemporânea por

Leia mais

Índice. Educação, política e cidadania Política e democracia A Política segundo maquiavel Relação: meios e fins...

Índice. Educação, política e cidadania Política e democracia A Política segundo maquiavel Relação: meios e fins... GRUPO 7.1 MÓDULO 8 Índice Educação, política e cidadania...3 1. Política e democracia...3 2. A Política segundo maquiavel...4 2.1 Relação: meios e fins... 4 2 EDUCAÇÃO, POLÍTICA E CIDADANIA 1. POLÍTICA

Leia mais