UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS"

Transcrição

1 Boletim de Conjuntura Econômica de Nº 49, Maio de 2014 Segue abaixo uma breve explicação sobre os indicadores analisados neste Boletim. Para a realização deste boletim, faz-se uso de principalmente quatro indicadores econômicos divulgados pelo IBGE. São eles: a Pesquisa Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF); a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC); a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) e o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A Pesquisa Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF), é realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE em quatorze regiões brasileiras, dentre as quais o Estado de, permite que seja retratada a produção industrial realizada por empresas que atuam na própria região pesquisada, sendo um importante indicador da geração de emprego e renda. Através da Pesquisa Mensal de Comércio PMC pode-se ter informações sobre as vendas do comércio varejista em todo o País. Com base nesta análise, pode ser levantado o comportamento dos consumidores em determinada região, verificando se há algo que indique que a economia local está ou não aquecida num determinado momento. São divulgados dados de volume de venda e volume de receita nominal. O boletim analisa o volume de receita nominal, porém dados de volume de venda podem ser encontrados nos anexos. A Pesquisa Mensal de Serviços PMS tem por objetivo produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução conjuntural do setor de serviços empresariais não-financeiros e de seus principais segmentos, abrangendo o conjunto de atividades como serviços prestados às famílias; serviços de informação e comunicação; serviços profissionais, administrativos e complementares; transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, dentre outros. Os dados compilados são referentes à receita nominal. Sobre o IPCA, este é adotado pois mede a variação no poder de compra de grande parte da população brasileira, haja vista que este é o índice utilizado para medir a variação no poder de compra das famílias que auferem de 1 a 40 salários mínimos. No final, encontram-se os anexos com dados detalhados de cada pesquisa.

2 Indústria, Comércio e Serviços Março/2014 na comparação com Março/2013 Com base nos dados disponibilizados pelo IBGE nas pesquisas analisadas referentes ao mês de março de 2014, comparando-os com mesmo mês do ano anterior, verificaramse elevações nas receitas nominais dos setores de comércio e de serviços em e no Brasil. A receita nominal do comércio varejista goiano (sem ajuste sazonal) avançou acima da média nacional, apresentando um crescimento de 5,5%, sendo o crescimento nacional 0,8 ponto percentual menor (4,7%). A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) também aponta um resultado para acima da média do país: 8,4% frente a 6,8%. Em se tratando da produção física industrial sem ajuste sazonal, a conjuntura é de retração. O resultado para a indústria nacional mostrou uma diminuição de 0,9%, enquanto a indústria goiana apresentou uma queda maior: 4,4% frente ao mesmo período do ano anterior. Tabela 1 - Indicadores Econômicos: e Brasil (Março de 2014/Março de 2013) últimos 12 mar/14 Indicador 2014 meses Brasil Brasil Brasil PIM-PF* -4,4-0,9-1,8 0,4 3,2 2,1 PMC** 5,5 4,7 10,8 10,3 11,2 11,6 PMS** 8,4 6,8 15,2 8,7 11,5 8,7 * Produção física sem ajuste sazonal ** Receita nominal sem ajuste sazonal Fonte: IBGE Quanto aos índices acumulados no ano, das pesquisas aqui analisadas, a única retração verificada foi da produção industrial goiana, -1.8%. Para a mesma pesquisa, o índice nacional aponta uma leve alta: 0,4%. As outras duas pesquisas, PMC e PMS, indicam elevações para ambas as regiões. A primeira aponta uma pequena diferença entre as regiões: elevação de 10,8% para e 10,3% para o Brasil. Por outro lado, para a receita nominal dos serviços, a diferença entre as duas regiões é bastante elevada: 15,2% para e 8,7% para o país.

3 Em relação ao índice acumulado nos últimos doze meses, a Tabela 1 nos indica que todas as variações foram positivas. Contrastando com o acumulado no ano, o resultado da PIMP-PF aponta um crescimento maior para do que para o índice nacional: 3,2% e 2,1%, respectivamente. No comércio, a variação acumulada é de 11,2% e 11,6%, para e Brasil, respectivamente. Por último, a PMS aponta uma elevação de 11,5% para o índice acumulado goiano e de 8,7% para o nacional, este último coincidindo com o resultado apresentado pelo índice acumulado no ano. Na Tabela 2 encontram-se os índices referentes à produção industrial e ao volume de vendas do comércio varejista em relação ao mês imediatamente anterior com ajuste sazonal. A PMC indica uma pequena elevação para e uma retração para o resultado nacional: 0,3% e -0,5%, respectivamente. Tratando-se da produção física industrial, a diferença entre as duas regiões é maior: o país repete a variação negativa observada na PMC (-0,5%), enquanto o estado de apresenta uma elevação de 1,0%. Tabela 2 - Indicadores Econômicos: e Brasil (Março de 2014/Fevereiro de 2014) últimos 12 mar/14 Indicador 2014 meses Brasil Brasil Brasil PIM-PF 1,0-0,5 0,0 0,0 3,2 2,1 PMC 0,3-0,5 2,1-0,1 7,4 5,2 *: Produção física com ajuste sazonal ** Volume de vendas com ajuste sazonal Fonte: IBGE Ainda na Tabela 2, o índice acumulado nos últimos doze meses indica que, para ambas as pesquisas, está à frente dos resultados nacionais. A produção física industrial goiana se elevou em 3,2%, enquanto a indústria nacional avançou 2,1% no mesmo período. O comércio varejista aponta elevações maiores, mantendo-se a vantagem goiana: 7,4 frente a 5,2%. No tocante ao acumulado no ano, os dados compilados informam variações nulas para as duas regiões no que se refere à produção industrial. O mesmo não se repete com o volume de vendas com ajuste sazonal, uma vez que apresentou uma elevação (2,1%) e o comércio nacional obteve uma leve retração (-0,1%).

4 Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - (IPCA): Abril de 2014 Tabela 3 - IPCA - Percentual no mês e acumulado no ano - Brasil e em Goiânia: Abril/2014 Indicador abr/ Goiânia Brasil Goiânia Brasil IPCA 0,84 0,67 2,75 2,86 Fonte: IBGE No mês de Abril, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,84% em Goiânia e 0,67% no Brasil, valores que estão abaixo das elevações do mês anterior. O mesmo cenário não se repete quando se compara o índice acumulado no ano com o resultado observado no mesmo mês do ano anterior: ambas as regiões apresentavam menor inflação acumulada: 2,15% para Goiânia e 2,5% para o Brasil. Em Goiânia, a batata-inglesa continua sendo o item com a elevação mais alta, 20,04%, seguida pela passagem aérea (10,89%) e, em terceiro, pelo ovo de galinha, 7,72%. Não fugindo do que se tem verificado já há alguns meses, os alimentos são responsáveis por grande parte da inflação, não apenas pelas altas elevações em seus preços, mas também pelo agravante de sua alta participação relativa na cesta de bens. Isto pode ser verificado na inflação acumulada no ano, já que os setes itens com maior elevação são todos alimentos, como aponta a Tabela 15 disponibilizada nos anexos. Por outro lado, alguns itens sofreram queda em seu preço, são os casos do fogão (- 8,35%), reforma de estofado (-3,91%) e móvel para copa e cozinha (-3,83%), para exemplificar as maiores quedas. No acumulado no ano, a maior queda é apresentada pela passagem aérea (-17,69%), mesmo com a alta verificada no mês de abril.

5 Anexos: Tabela 4 - Indicadores Conjunturais da Indústria: Resultados Regionais Março de 2014 Locais Variação (%) Mar.2014/Fev.2014* Mar.2014/Mar.2013 Acum Acum. Últimos 12 Meses Brasil -0,5-0,9 0,4 2,1 1,0-4,4-1,8 3,2 Mato Grosso - -9,6-0,8 2,6 Amazonas 1,6 1,4 8,1 8,0 Pará 1,5 13,6 6,2-0,2 Região Nordeste 0,3 8,4 3,6 4,2 Ceará -0,5-0,4 1,2 9,6 Pernambuco 2,8 12,5 9,9 5,2 Bahia -2,0 1,5-2,5 4,0 Minas Gerais -0,2 3,0 4,1 1,1 Espírito Santo 1,3-2,1-4,0-3,5 Rio de Janeiro -1,0-2,4-1,9-1,3 São Paulo -0,9-4,0-2,9 1,8 Paraná -2,1-3,3 3,3 4,6 Santa Catarina 1,1 6,1 4,0 7,4 Rio Grande do Sul -3,0 0,9 3,1 7,7 *ajustado sazonalmente Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Tabela 5 - : Indicadores da Produção Industrial por Seções e Atividades de Indústria mar.2014/mar.2013 Sem Ajuste Sazonal Seções e atividades industriais mar /14 Acumu lado no Ano Acumu lado 12 meses Brasil Indústria geral -0,9 0,4 2,1 Indústria geral -4,4-1,8 3,2 Indústrias extrativas 13,3 3,9-3,4 Indústrias de transformação -5,6-2,3 3,7 Produtos alimentícios -3,1-2,9 2 Coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis ,1 10,7 Outros produtos químicos* 13,3 32,7 7,3 Produtos farmoquímicos e farmacêuticos - 11,8 0,7 23,5 Produtos de minerais não-metálicos -3,8 0,6-1,8 Metalurgia -2,5 4 2,3 *Exclui sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e higiene pessoal Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria.

6 Tabela 6 - : Indicadores da Produção Industrial por Seções e Atividades de Indústria mar.2014/fev.2014 Sem Ajuste Sazonal Brasil Seções e atividades industriais Indústria geral Indústria mar.2014/fev Acumula do no Ano Acumula do 12 meses 5,54 7,41 7,49 geral 6,68-9,41-4,40 Indústrias extrativas 19,87-0,11 13,22 Indústrias de transformaç ão 5,77-10,13-5,60 Produtos alimentícios 10,01 0,70-3,02 Coque, produtos derivados do petróleo e biocombustív eis 52,43-23,64-13,03 Outros produtos químicos* -28,20-10,33 13,32 Produtos farmoquímic os e farmacêutic os -17,43-10,51-11,84 Produtos de minerais nãometálicos 5,57 1,51-3,86 Metalurgia 2,82-10,23-2,48 *Exclui sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de perfumaria e higiene pessoal Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Tabela 7 - Variação do volume de vendas do comércio varejista: Fev.2014/Mar.2014 Com Ajuste Sazonal Região fev-14 mar meses Brasil 0,00-0,52-0,09 5,17 1,11 0,25 2,14 7,39 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio

7 Tabela 8 - Índice de volume de vendas do comércio varejista: variação percentual Mar.2014/Mar.2013 sem ajuste sazonal por atividades Atividades fev-14 mar meses Brasil Brasil Brasil Brasil Comércio Varejista 10,3 8,7 1,2-1,1 6,1 4,4 5,1 4,5 Combustíveis e lubrificantes 7,2 13,9-7,2 4-0,3 8,1 4,7 7,3 Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo 5,9 5,5-1,1-2,8 3,4 2,6-1,2 2,1 Hipermercados e supermercados 6,2 5,3-1,2-3 3,5 2,4-1,1 2 Tecidos, vestuário e calçados 20,7 7,2 9,8-7,3 14,1 0,5 13,9 2,7 Móveis e eletrodomésticos 11,5 10,6 5,2 3,8 7,5 6,5 9,4 6,1 Móveis 14,8 14,7 7 7,4 8,5 8,3 4,6 1,4 Eletrodomésticos 9,4 9,6 3,1 3,2 5,9 6,6 10,1 9,2 Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos 20,3 14,9 27,2 9,6 24,3 12,7 20,2 11,4 Livros, jornais, revistas e papelaria 15,1-4,8 3,5-8,2 4,2-3,5 5,9-0,2 Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação 12,4 7,2-12,7-4,9 2,2-0,7 18,9 5,8 Outros artigos de uso pessoal e doméstico 25,9 17-9,5-3,8 8,4 7,4 9,7 9,2 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Tabela 9 - Índice de receita nominal do comércio varejista: variação percentual mar.2014/mar.2013 sem ajuste sazonal por atividades Atividades fev-14 mar meses Brasil Brasil Brasil Brasil Comércio Varejista 4,6 14,2 5,5 4,7 10,8 10,3 11,2 11,6 Combustíveis e lubrificantes 15,7 17,6 1,6 8 10,2 13,2 13,1 12,2 Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo 8,2 11,1 1,7 3,4 6,4 8,6 5,7 10,8 Hipermercados e supermercados 8,6 10,8 1,6 3 6,5 8,3 5,6 10,6 Tecidos, vestuário e calçados 26,9 12,5 15,2-2,3 20,3 5,8 20,8 8,1 Móveis e eletrodomésticos 18, ,9 11,7 13,4 14,3 14,1 12,3 Móveis 23,9 24, ,7 16,1 17,3 11,5 9,6 Eletrodomésticos 16,5 16,2 9,8 9,3 12,4 12,8 15,1 13,8 Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos 23,4 20,9 31,5 15,3 27,4 18,5 23,7 17,2 Livros, jornais, revistas e papelaria 22,6 1,7 11,8-1,8 11,3 3 12,6 5,8 Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação 12,5 6,6-10,4-6,8 3,2-2,5 21 3,3 Outros artigos de uso pessoal e 31,4 23,2-5,1 1,6 13,4 13,2 15,2 15,3

8 doméstico Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Tabela 10 - Índice de receita nominal do comércio varejista: variação percentual Mar.2014/Mar.2013 (sem ajuste sazonal) Localidade mar/14 Localidade mar/14 Amapá 9,6 Rio Grande do Norte -0,7 Acre 6,6 Pernambuco -1 Maranhão 6 Brasil -1,1 Ceará 5 Minas Gerais -1,1 Bahia 4,2 Paraná -1,5 Alagoas 4,1 Sergipe -2,4 Mato Grosso 4,1 Distrito Federal -2,7 Tocantins 4,1 Rio Grande do Sul -2,9 Mato Grosso do Sul 1,7 Amazonas -3 Rondônia 1,5 Paraíba -3,5 1,2 Santa Catarina -3,6 Pará 0,9 Espírito Santo -4,3 Piauí -0,4 Rio de Janeiro -5,7 São Paulo -0,6 Roraima -7,3 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Tabela 11 - Índice de volume de vendas do comércio varejista ampliado: variação percentual mar.2014/mar.2013 sem ajuste sazonal Atividades mar meses Brasil Brasil Brasil Comércio Varejista Ampliado -6,7-5,7-0,7 2,1 3 3,2 Combustíveis e lubrificantes -7,2 4-0,3 8,1 4,7 7,3 Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo -1,1-2,8 3,4 2,6-1,2 2,1 Hipermercados e supermercados -1,2-3 3,5 2,4-1,1 2 Tecidos, vestuário e calçados 9,8-7,3 14,1 0,5 13,9 2,7 Móveis e eletrodomésticos 5,2 3,8 7,5 6,5 9,4 6,1 Móveis 7 7,4 8,5 8,3 4,6 1,4 Eletrodomésticos 3,1 3,2 5,9 6,6 10,1 9,2 Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos 27,2 9,6 24,3 12,7 20,2 11,4 Livros, jornais, revistas e papelaria 3,5-8,2 4,2-3,5 5,9-0,2

9 Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação -12,7-4,9 2,2-0,7 18,9 5,8 Outros artigos de uso pessoal e doméstico -9,5-3,8 8,4 7,4 9,7 9,2 Veículos, motocicletas, partes e peças -15, ,7-3,7 0,4-0,3 Material de construção -4,6 1,4 1,9 7,2 3,5 7,4 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Tabela 12 - Índice de receita nominal de serviços: variação percentual Mar.2014/Mar.2013 sem ajuste sazonal por atividades Atividades fev-14 mar meses Brasil Brasil Brasil Brasil Geral 20,2 10,1 8,4 6,8 15,2 8,7 11,5 8,7 Serviços prestados às famílias 3,9 13,3 16, , ,2 11,1 Serviços de informação e comunicação 33,2 6,7 18,8 4,4 26,4 6,6 15,1 7 Serviços profissionais, administrativos e complementares 5,7 9,3-11,1 8,8 1, ,5 Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio 16,4 14,7 6,2 8 10,4 10,7 9 10,8 Outros serviços 11,9 6,5 1,8 3,3 8 5,5 20 6,3 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Tabela 13 - Índice de receita nominal de serviços: variação percentual Mar.2014/Mar.2013 (sem ajuste sazonal) Localidade fev/14 Localidade fev/14 Distrito Federal 20,3 Rio de Janeiro 6,3 Santa Catarina 9,9 Bahia 5,2 8,4 Rio Grande do Sul 4,7 Ceará 7,4 Pernambuco 3,6 Paraná 7,1 Espírito Santo 3 São Paulo 6,8 Minas Gerais 2,4 Brasil 6,8 - - Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Serviços Tabela 14 - IPCA - Percentual no mês, acumulado no ano e pesos no mês por geral, grupo Brasil e em Goiânia: Mar.2014 e Abr.2014 Local Geral e grupo Variação (%) mar-14 abr-14 Ano Peso

10 Brasil Índice geral 0,92 0,67 2, Goiânia - GO Índice geral 0,89 0,84 2, Goiânia - GO Alimentação e bebidas 1,84 1,38 3,97 23,47 Goiânia - GO Habitação 0,53 0,37 2,16 15,30 Goiânia - GO Artigos de residência 0,58-0,63 2,29 4,33 Goiânia - GO Vestuário 0,75 1,48 0,57 6,05 Goiânia - GO Transportes 0,79 0,89 1,69 20,84 Goiânia - GO Saúde e cuidados pessoais 0,58 0,74 3,1 10,29 Goiânia - GO Despesas pessoais 0,35 1,14 3,43 10,96 Goiânia - GO Educação 2,06 0,09 8,61 4,37 Goiânia - GO 9.Comunicação -1,04 0,17-0,92 4,39 Fonte: IBGE - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Maiores Inflações Tabela 15 - Itens com maiores inflações e deflações - (Goiânia-GO) - Abr/14 Variação Percentual 2014 Item % Item % 1º Batata-inglesa 20,04 Batata-inglesa 44,31 2º Passagem aérea 10,89 Ovo de galinha 39,07 3º Ovo de galinha 7,72 Tomate 32,12 4º Conserto de refrigerador 7,64 Tubérculos, raízes e legumes 30,73 5º Ônibus intermunicipal 7,21 Cebola 25,35 6º Sorvete 7,06 Feijão - carioca (rajado) 18,3 7º Clube 6,8 Laranja - pera 18,14

11 Maiores Deflações Variação Percentual 2014 Item % Item % 1º Fogão -8,35 Passagem aérea -17,69 2º Reforma de estofado -3,91 Frango inteiro -8,14 3º Móvel para copa e cozinha -3,83 Saia -7,31 4º Locação de DVD -3,53 Fogão -6,81 5º Abóbora -3,44 Boate e danceteria -6,07 6º Utensílios de vidro e louça -3,26 Cortina -5,7 7º Móvel para sala -2,7 Pera -5,23 Fonte: IBGE - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 Produção Industrial Mensal Produção Física: Março de 2012 Os indicadores da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física PIM-PF, referentes ao mês de março

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.39/Jul.2013

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.39/Jul.2013 Segue abaixo uma breve explicação sobre os indicadores analisados neste Boletim. Produção Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF) A dinâmica da atividade econômica de uma região pode ser aferida de

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.1/mar. 2010

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.1/mar. 2010 Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.1/mar. 2010 1 Na primeira edição do Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás serão apresentadas análises de quatro índices que retratam a dinâmica da economia

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2015 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Novembro de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL CONTINUA EM QUEDA A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Comércio Varejista Resultados de Junho de 2012

Comércio Varejista Resultados de Junho de 2012 Comércio Varejista Resultados de Junho de 2012 1. No mês de Junho, o comércio varejista cresceu 1,5% no volume de vendas e 1,9% no faturamento (receita nominal), em relação a Maio. No comparativo com Junho

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

Uma Avaliação das Vendas ao Comércio Varejista de Livros, Jornais, Revistas e Papelaria no Brasil, no Primeiro Quadrimestre de 2007

Uma Avaliação das Vendas ao Comércio Varejista de Livros, Jornais, Revistas e Papelaria no Brasil, no Primeiro Quadrimestre de 2007 Uma Avaliação das Vendas ao Comércio Varejista de Livros, Jornais, Revistas e Papelaria no Brasil, no Primeiro Quadrimestre de 2007 ANÁLISE NACIONAL De acordo com a PMC- Pesquisa mensal do comércio, do

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Pesquisa mensal de comércio Junho de 2012 IBGE

Pesquisa mensal de comércio Junho de 2012 IBGE Pesquisa mensal de comércio Junho de 212 IBGE PMC Varejo restrito e ampliado Sumário Varejo Restrito - Receita nominal - Volume de vendas (Deflação da receita bruta com o IPCA e SINAPI) Varejo Ampliado

Leia mais

COMENTÁRIOS comércio varejista comércio varejista ampliado

COMENTÁRIOS comércio varejista comércio varejista ampliado COMENTÁRIOS Em junho de 2015, o comércio varejista nacional registrou variação de -0,4% no volume de vendas frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, quinta taxa negativa

Leia mais

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014 Vendas no varejo variam 0,5% em setembro Período Volume de vendas Varejo Receita nominal Varejo Ampliado Volume de vendas Receita nominal Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA JUNHO DE 2017

COMÉRCIO VAREJISTA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Vendas do varejo caem 0,5% entre julho e agosto 11/10/2017

Vendas do varejo caem 0,5% entre julho e agosto 11/10/2017 Vendas do varejo caem 0,5% entre julho e agosto 11/10/2017 Editoria: Estatísticas Econômicas Produto: Em agosto de 2017, o volume de vendas do comércio varejista nacional recuou 0,5%, enquanto a receita

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * De acordo com dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo IBGE, o volume de vendas do comércio varejista comum cearense

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Pesquisa Mensal de Comércio - PMC

Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Resultado de julho de 2017 12/09/2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Mensal do Comércio Objetivo Produzir indicadores que permitam

Leia mais

VAREJO. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

VAREJO. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos VAREJO Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DO VAREJO O comércio varejista já está apresentando retomada neste ano. Acomodação do mercado de trabalho aliada à

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - PMC

ANÁLISE MENSAL - PMC ANÁLISE MENSAL - PMC Janeiro/ 2016 Varejo inicia o ano com recuo de -1,5% O Varejo brasileiro inicia o ano de 2016 dando continuidade à tendência de queda no volume de vendas com o primeiro mês do ano

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

Resultados de Maio 2017

Resultados de Maio 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Resultados de o 2017 Data 12/07/2017 Objetivo Pesquisa Mensal do Comércio Produzir indicadores que permitam

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Comércio

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Pesquisa Mensal de Comércio - PMC

Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC Pesquisa Mensal de Comércio - PMC Resultados de eiro 2017 Data 30/03/2017 Objetivo PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO Produzir indicadores que

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

Resultados- Junho OUTUBRO 2011

Resultados- Junho OUTUBRO 2011 Resultados- Junho 2011 - OUTUBRO 2011 Crescimento do volume e receita nominal das vendas; evolução da massa de rendimentos dos ocupados; volume de crédito e inadimplência; dados sobre emprego formal, como

Leia mais

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%)

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) 7.5 7.0 5.0 3.0 1.0 4.4 1.4 3.1 1.1 5.8 3.2 4.0 6.1 5.1 3.9 1.9 3.0

Leia mais

PIB BRASILEIRO (variação anual, %)

PIB BRASILEIRO (variação anual, %) PIB PIB BRASILEIRO (variação anual, %) 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 7.5 7.0 5.0 3.0 1.0 4.4 1.4 3.1 1.1 5.8 3.2 4.0 6.1 5.1 4.0 1.9 3.0

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - PMC

ANÁLISE MENSAL - PMC ANÁLISE MENSAL - PMC Outubro/ 2015 Comércio tem crescimento após 8 meses de quedas consecutivas O comércio varejista nacional registrou crescimento nas vendas de 0,6% em outubro frente ao mês imediatamente

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - PMC

ANÁLISE MENSAL - PMC ANÁLISE MENSAL - PMC Novembro / 2016 Varejo cresce 2,0% em novembro Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE, o volume das vendas do Varejo brasileiro voltou a ficar positivo em novembro de

Leia mais

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Julho de 2017 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Julho de 2017 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Julho de 2017 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou queda de 7,5% no acumulado de 12 meses até maio de 2017, permanecendo na

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 Emprego industrial 02 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O SEGUNDO MELHOR

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

Boletim de Inflação da Região Metropolitana de Curitiba nº 07, ano 01, julho 2013

Boletim de Inflação da Região Metropolitana de Curitiba nº 07, ano 01, julho 2013 A INFLAÇÃO MEDIDA PELO IPCA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM JULHO É PRESSIONADA POR QUATRO GRUPOS: HABITAÇÃO; DESPESAS PESSOAIS; SAÚDE E CUIDADOS PESSOAIS E VESTUÁRIO. Tabela 1: Variações percentuais

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - OUTUBRO

ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - OUTUBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - OUTUBRO 2016 - SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA... 2

Leia mais

ECONOMIA A informação que fala direto ao seu bolso 31 de maio de 2017

ECONOMIA  A informação que fala direto ao seu bolso 31 de maio de 2017 Associação Brasileira de Supermercados Nº76 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 31 de maio de 2017 Índice de Vendas acumula alta de 0,50% no ano Em abril, as vendas reais

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

ECONOMIA A informação que fala direto ao seu bolso 30 de setembro de 2016

ECONOMIA  A informação que fala direto ao seu bolso 30 de setembro de 2016 Associação Brasileira de Supermercados Nº68 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de setembro de 2016 Autosserviço completa três meses com vendas estáveis Supermercadistas

Leia mais

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%)

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) 9.0 8.0 7.6 7.0 6.0 5.0 4.0 3.0 2.0 1.0-1.0 4.4 1.3 3.1 1.2 5.7 3.1 4.0 6.0

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua 2012-2017 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2017 Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2017 Força de Trabalho no Brasil Pesquisa

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2015

Emprego Industrial Julho de 2015 Emprego Industrial Julho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de julho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de junho (-14.770 postos e variação de -0,7%). A indústria

Leia mais

Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO

Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - JULHO 2017 - SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA...2 Ilustração

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O volume de vendas no varejo registrou queda de 0,4%, quando comparado ao mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, marcando a quinta queda consecutiva. Sete das dez

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2014

Emprego Industrial Julho de 2014 Emprego Industrial Julho de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No acumulado do ano (jan-jul), a indústria de transformação foi a atividade econômica que mais gerou empregos em Santa Catarina (25.147), de um total

Leia mais

Coordenação de Serviços e Comércio COSEC 07/2017

Coordenação de Serviços e Comércio COSEC 07/2017 Coordenação de Serviços e Comércio COSEC 07/2017 Pesquisa Anual de Comércio PAC 2015 Sumário Objetivos da PAC Segmentos e classes de atividade Aspectos metodológicos Principais resultados Objetivos da

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Análise Mensal - PMC

Análise Mensal - PMC Análise Mensal - PMC Julho / 2016 Varejo tem pior julho da série histórica Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE, o volume das vendas do Varejo brasileiro voltou a ficar no negativo no mês

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do mês de setembro de 2010, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

A Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, apresenta dois blocos de atividades relacionadas ao comércio.

A Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, apresenta dois blocos de atividades relacionadas ao comércio. Comércio Varejista Características A Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo IBGE, apresenta dois blocos de atividades relacionadas ao comércio. O primeiro bloco é chamado, simplesmente, de Comércio

Leia mais

Emprego Industrial Fevereiro de 2015

Emprego Industrial Fevereiro de 2015 Emprego Industrial Fevereiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de fevereiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de janeiro (12.108 postos e variação de 0,6%). A

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro em 2013 FEVEREIRO DE 2014 RESUMO O país criou 730.687 novos postos de trabalho em 2013, desempenho este 16% menor do que o apresentado em 2012. No

Leia mais

ECONOMIA A informação que fala direto ao seu bolso 27 Abril de 2017

ECONOMIA  A informação que fala direto ao seu bolso 27 Abril de 2017 Associação Brasileira de Supermercados Nº75 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 Abril de 2017 Índice de Vendas acumula queda de -1,40% no ano Em março, as vendas reais

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO O mercado de trabalho catarinense não cresceu em maio. A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social 2º Semestre/2011 1 Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Informações Trabalhistas e Previdenciárias de acordo

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - DEZEMBRO

ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - DEZEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO COMÉRCIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - DEZEMBRO 2016 - SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA...

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - PMC

ANÁLISE MENSAL - PMC ANÁLISE MENSAL - PMC Setembro/ 2015 Comércio apresenta em setembro 8º recuo mensal consecutivo O comércio varejista brasileiro registrou queda de 0,5% no mês de setembro de 2015 em relação ao mês anterior,

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 21 de Agosto de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2015

Emprego Industrial Dezembro de 2015 Emprego Industrial Dezembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de embro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de novembro (-34.971 postos e variação de -1,7%). A indústria

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE fechou 1.344 postos de trabalho em junho,

Leia mais

EM % Média : 3,8% Média : 2,7% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

EM % Média : 3,8% Média : 2,7% FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO PIB 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015* Fonte: IBGE e IPEA CRESCIMENTO Elaboração

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

ECONOMIA A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Maio de 2015

ECONOMIA  A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Maio de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº52 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Maio de 2015 Vendas recuam em abril, mas ficam positivas em 2015 Setor sente as consêquencias

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2014

Emprego Industrial Outubro de 2014 Emprego Industrial Outubro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de outubro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina voltou a crescer (4.973 postos e variação de 0,2% em relação ao estoque de setembro).

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO

CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO PIB 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015* Fonte: IBGE e IPEA CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores CAGED Apresentação A partir deste mês, os Observatórios do Trabalho do DIEESE passam a divulgar a Síntese de Indicadores, com resultados

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015

ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015 ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015 Pedro Jucá Maciel 1 INTRODUÇÃO O ICMS, imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr...

G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr... G1 -Preço da cesta básica em São Paulo cai 4,22% em agosto, diz Pr... Página 1 de 7 MENU G1 Economia MENU G1 Economia g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE Seu Dinheiro Notícias da sua região Centro Oeste distrito

Leia mais

A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016

A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016 ABR/2016 A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016 A indústria catarinense volta a registrar queda em sua produção industrial, -2,2% em relação ao mês de março de 2016. No ano, registra uma retração

Leia mais

Resultado Agregado. ASSESSORIA ECONÔMICA DO SISTEMA FECOMÉRCIO-RS - Fone: (51) de Junho de 2015

Resultado Agregado. ASSESSORIA ECONÔMICA DO SISTEMA FECOMÉRCIO-RS - Fone: (51) de Junho de 2015 01 de Junho de 2015 Resultado Agregado Índice de Vendas do Comércio Abril 2015 IVC IVA IVV Real Nominal Real Nominal Real Nominal Mensal -7,2-3,0-7,4-5,0-7,0-0,8 Acumulado no Ano -5,8-0,8-5,3-1,7-6,3 0,1

Leia mais

ICV DIEESE: taxa é menor, mas serviços continuam a pressionar a inflação

ICV DIEESE: taxa é menor, mas serviços continuam a pressionar a inflação NOTA À IMPRENSA SÃO PAULO, 07 DE MARÇO DE 2005. ICV DIEESE: taxa é menor, mas serviços continuam a pressionar a inflação O custo de vida no município de São Paulo apresentou, em fevereiro, variação de

Leia mais

Análise Mensal - IPCA

Análise Mensal - IPCA Análise Mensal - IPCA Junho / 2016 Inflação acelera em maio e fica em 0,78% A inflação brasileira, medida através do IPCA, apresentou desaceleração em junho de 2016 e avançou 0,35%, valor considerado baixo

Leia mais

EMPREGO DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - DEZEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico

EMPREGO DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - DEZEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico EMPREGO DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - DEZEMBRO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA... 3 Ilustração

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2015

Emprego Industrial Setembro de 2015 Emprego Industrial Setembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de agosto (-4.425 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Energia elétrica e combustível elevam o custo de vida em São Paulo

Energia elétrica e combustível elevam o custo de vida em São Paulo 1 São Paulo, 09 de março de 2015. NOTA À IMPRENSA Energia elétrica e combustível elevam o custo de vida em São Paulo Em fevereiro, o custo de vida no município de São Paulo aumentou 1,40% em relação a

Leia mais

Vendas no varejo continuaram em queda em abril

Vendas no varejo continuaram em queda em abril Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 16 de junho de 2015 Vendas no varejo continuaram em queda em abril As vendas do restrito recuaram na passagem de março para abril, refletindo o desempenho

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Outubro/2015 2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA GEAC MARÇO DE 2016

CONJUNTURA ECONÔMICA GEAC MARÇO DE 2016 CONJUNTURA ECONÔMICA GEAC MARÇO DE 2016 Geovana Pires Diretora da DIEPSAC/FAPESPA Belém, 25 de abril de 2016. Informe Comércio Exterior Mar/2016 Saldo Comercial Mar/2016 - Ranking Nacional - Milhões (US$)

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 28 de março de 2016 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2016 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011 Ano III - número 04 BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE Mês de referência: Abril de 2011 Tel.: 2334 7320. Junho de 2011 Apresentação Este Boletim de Conjuntura Econômica Fluminense, elaborado pelo

Leia mais

Diretoria/Responsáveis: Superintendente ABRAS Tiaraju Pires Presidente ABRAS Sussumu Honda Nº 18

Diretoria/Responsáveis: Superintendente ABRAS Tiaraju Pires Presidente ABRAS Sussumu Honda Nº 18 Diretoria/Responsáveis: Superintendente ABRAS Tiaraju Pires Presidente ABRAS Sussumu Honda Nº 18 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 31 de Julho de 2012 Vendas crescem 6,68%

Leia mais

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Agosto de 2016 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou queda de 5,3%, na comparação dos últimos 12 meses, terminados em agosto,

Leia mais