COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS*"

Transcrição

1 COMPARAÇÃO DOS VALORES DO SORO CONTROLE ESTABELECIDOS PELO FABRICANTE E OS VALORES CALCULADOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO PUC GOIÁS* CARLA FABIANA SOARES, SÉRGIO HENRIQUE NASCENTE COSTA,IASMIM RIBEIRO DA COSTA Resumo: o controle de qualidade tem grande importância no monitoramento de técnicas e atividades operacionais no laboratório clínico, sendo o controle PRO-IN uma das ferramentas utilizadas. Comparando médias e desvios padrão fornecidos pelo fabricante e calculados, verificou-se diferença significativa nos valores da amilase, CK, DHL, Ferro, Gama-GT, HDL, TGO/AST, TGP/ALT e Ureia, com DP até oito vezes menores nos valores calculados. Palavras-chave: Soro controle. Precisão. Exatidão. Média. Desvio Padrão. A busca da qualidade tem crescido cada vez mais no mundo, desde o século passado vem mostrando sua evolução diante das exigências dos clientes. Nos laboratórios clínicos a melhoria dos resultados de exames são consequências desse processo (CHAVES, 2010). No início do século XX a gestão da qualidade acontecia de maneira informal nas grandes fábricas, sendo responsabilidade dos gerentes e supervisores. Passando a ser desempenhada por inspetores, posteriormente, em tempo integral. Nas pequenas fábricas o proprietário produzia, treinava e inspecionava seus funcionários. O século XXI é considerado o século da qualidade, com a consolidação de duas grandes superpotências da qualidade (EUA e Japão) (MOREIRA, 2008; JURAN, 1997). Esse processo iniciou durante a segunda guerra mundial, onde grandes empresas dos EUA criaram um novo setor, o controle de qualidade, que teve como efeito a criação da Sociedade Americana de Controle de Qualidade (ASQC). No período pós-guerra para cumprir prazos de entrega, os EUA 551

2 552 começaram a produzir itens de baixa qualidade, dando espaço para o crescimento ao mercado japonês, que se tornou uma superpotência no mercado mundial (MOREIRA, 2008; JURAN, 1997; DAMASCENO, 2010). O termo qualidade é geralmente empregado significando excelência de um produto ou serviço. O termo adequação ao uso é utilizado por outros autores através da correção das deficiências e melhoria dos produtos. Controle de qualidade é uma medida adotada por organizações de diferentes segmentos em todo mundo para definir padrões em procedimentos, políticas e ações, de maneira uniforme, visando atingir a eficiência e a confiabilidade, sendo o sistema que avalia o desempenho ou o resultado das ações tomadas através da implementação dos procedimentos da qualidade assegurada (BASQUES, 2009; MATOS, 2009; MOREIRA, 2008). As propriedades de produtos, serviços, atendimentos ou ações são testadas, para a certificação de um padrão de qualidade de tal corporação. No laboratório clínico os requisitos mínimos são a adoção do controle interno e externo de qualidade (RDC, 2005, p. 302). Existem vários órgãos em todo o mundo que regulamentam tais padrões e especificações técnicas, cuja legislação varia de acordo com o país. No Brasil várias empresas fornecem esse serviço, como o Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ), patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC) e o Programa de Excelência para Laboratórios Médicos (PELM), patrocinado pela Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (BERLITZ, 2010; LIMA-OLIVEIRA, 2009; BASQUES, 2009; RDC, 2005, p. 302). Uma forma de avaliação da qualidade é o Controle Externo da Qualidade ou Ensaio de Proficiência (PRO-EX), que é composto por várias amostras-controle que o PNCQ envia mensalmente aos laboratórios participantes. Esses controles devem ser processados como se fossem amostras dos clientes e não de um modo especial. O laboratório participante tem um prazo mínimo de cerca de 15 dias para realização dos exames e enviar os resultados de forma virtual. Assim que recebem os resultados dos laboratórios participantes, o PNCQ realiza a avaliação, agrupando por métodos ou equipamentos e calculando média, desvio padrão e coeficiente de variação, disponibilizando os resultados após 48 horas do inicio da avaliação (MANUAL DO PNCQ, 2011). O Programa Nacional de Controle de Qualidade, com intuito de auxiliar o laboratório participante na implantação e execução do Controle Interno da Qualidade (CIQ), fornece mensalmente sorosliofilizados (PRO-IN) com médias e desvios padrões conhecidos. No entanto, o laboratório participante deve estabelecer suas próprias médias, desvios padrões e elaborar seus gráficos dosando-o no mínimo 20 vezes cada analito em dias diferentes. A partir daí, o gráfico de Levey-Jennings deve ser analisado por meio das regras de Westgard, antes da liberaçãodos resultados. O PNCQ fornece gratuitamente para os associados uma ferramenta para esses cálculos, o PRO-INem tempo real (Manual do DICQ, 2013; Manual do PNCQ, 2011). Dessa forma, considerando a importância da implementação dos mecanismos de controle interno de qualidade, o objetivo deste trabalho foi comparar se ocorreu diferença significativa entre as médias e desvios padrão do PRO-IN fornecidos na bula e os calculados no próprio laboratório.

3 METODOLOGIA Um estudo comparativo foi realizado entre as médias e desvios padrão do controle PRO-IN, fornecido na bula e os calculados pelo laboratório. Os cálculos das médias e desvios padrão foram realizados por meio do software PRO-IN em Tempo Real do Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ) e para a determinação do nível de significância foi utilizado o Teste G para amostras independentes, pelo software BioEstat 5.0, sendo considerados significativo p<0,05. Os resultados do controle PRO-IN (Lote: BQIN031212) foram coletados no período de Outubro a Dezembro de 2013, na seção de Bioquímica do Laboratório Clínico PUC Goiás. Os analitos avaliados, com as respectivas marcas estão apresentados na tabela 1: Tabela 1: Analitos avaliados do PRO-IN Analitos Ácido Úrico, Creatina-Kinase (CK), Colesterol Total, Desidrogenase Lática (DHL), Ferro, Fósforo, Glicose, Colesterol HDL, TGO/AST, TGP/ALT Albumina, Amilase, Bilirrubina Total, Bilirrubina Direta, Proteínas Totais Creatinina, Fosfatase Alcalina, Gama-GT, Triglicérides, Ureia Magnésio Marca Elitech BioSystems Laborclin Katal Este estudo, apesar de não envolver dados de pacientes, faz parte do projeto aprovado pelo comitê de ética e pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Goiás pelo parecer n de 20 de março de RESULTADOS E DISCUSSÃO O controle de qualidade é composto por um conjunto de atividades que visam eliminar causas de desempenho insatisfatório e tem como objetivo atingir a eficiência e a confiabilidade, assegurando assim a garantia da qualidade (BASQUES, 2009). Para diminuir erros analíticos, devem-se criar limites aceitáveis de variação do processo. A definição de limites muito amplos resulta na aceitação de resultados com maior grau de imprecisão, uma vez que os desvios serão maiores. Esta situação pode acarretar prejuízo no diagnóstico correto, uma vez que a variabilidade analítica pode estar ampliada. Por outro lado se definirmos limites com intervalos muito pequenos, alguns resultados poderão ser falsamente rejeitados (BASQUES, 2009). Apesar dos soros controles apresentarem intervalos definidos pelo fabricante, deve-se calcular os próprios valores, sendo aceitáveis até dois desvios padrões acima e 553

4 abaixo da média. Como os valores definidos pelo fabricante são calculados após várias medições em condições diferentes da padronização de cada serviço, desvios padrões apresentam-se mais amplos. Com a determinação dos próprios valores, o desvio padrão tende diminuir, pela utilização de um equipamento específico, assim como uma metodologia padronizada. Esta redução nos valores calculados foi observada no presente estudo em um percentual considerável de analitos (SBPC, 2013; PNCQ, 2011; BASQUES, 2009). Dessa forma, no presente estudo ao comparar os valores de médias e desvios padrão do fabricante e calculada pelo laboratório não foram observadas diferenças significativas (p>0,05) nos analitos: Ácido Úrico, Albumina, Bilirrubina Total, Bilirrubina Direta, Colesterol Total, Creatinina, Fosfatase Alcalina, Fósforo, Glicose, Magnésio, Proteína Total e Triglicérides. Entretanto para os analitos: Amilase, CK, DHL, Ferro, Gama-GT, HDL, TGO/AST, TGP/ALT e Ureia foram observadas diferenças significativas entre os resultados (p<0,05), reforçando a importância desses cálculos (Tabela 2). Tabela 2: Valores de PRO-INdefinidos pelo PNCQ e calculados no próprio Laboratório Analito Valor PNCQ Valor Calculado Média DP Média DP Ácido Úrico (mg/dl) 6,08 0,58 6,32 0,17 0,20 Albumina (g/dl) 2,93 0,25 2,60 0,07 0,67 Amilase (UI/L) 645,11 90,5 534,62 43,19 0,01 Bilirrubina Total (mg/dl) 1,93 0,40 2,24 0,09 0,29 Bilirrubina Direta (mg/dl) 0,60 0,20 0,60 0,03 0,60 CK (UI/L) 374,17 41,55 384,97 15,65 0,0006 Colesterol Total (mg/dl) 214,43 12,52 217,79 10,26 0,81 Creatinina (mg/dl) 2,25 0,22 2,18 0,09 0,73 DHL (UI/L) 570,81 153,87 323,58 20,98 <0,0001 Ferro (mg/dl) 83,00 20,64 97,43 3,01 <0,0001 FosfataseAlcalina (UI/L) 91,30 16,33 81,14 15,55 0,88 Fósforo (mg/dl) 5,22 0,51 5,54 0,23 0,53 Gama-GT (UI/L) 66,48 7,68 68,81 2,29 0,02 Glicose (mg/dl) 206,29 13,35 207,63 11,28 0,90 HDL (mg/dl) 85,89 13,98 93,89 3,73 0,0012 Magnésio (mg/dl) 3,02 0,46 2, 95 0,28 0,88 Proteína Total(g/L) 5,12 0,40 4, 88 0,16 0,66 TGO /AST (UI/L) 217,32 25,29 210,83 10,55 0,02 TGP/ALT (UI/L) 27,00 7,98 32,81 2,12 0,0005 Triglicérides (mg/dl) 176,32 14,18 186,17 7,61 0,17 Ureia (mg/dl) 73,00 8,00 72,30 0,67 0,0016 p* 554 Legenda: p*teste G-amostras independentes.

5 A média do controle PRO-IN sugerido pelo PNCQ para a amilase foi de 645,11UI/L (DP±90,50), sendo o valor calculado pelo laboratório foi de 534,62UI/L(DP±43,19) (p=0,01). A CK teve como média do PNCQ um valor de 374,17UI/L(DP±41,55), enquanto que para o valor calculado a média foi de 384,97UI/L(DP±15,65) (p=0,0006). O valor do PNCQ para a média DHL foi 570,81UI/L(DP±153,87), sendo o calculado com média de 323,58UI/L(DP±20,98) (p<0,0001). O Ferro apresentou como média do PNCQ um valor de 83,00mg/dL (DP±20,64) e com o valor calculado a média de 97,43mg/dL (DP±3,01)(p<0,0001). A Gama-GT tem uma média de 66,48UI/L (DP±7,68) para o PNCQ e uma média para o calculado de 68,81UI/L (DP±2,29) (p=0,02). A média do PNCQ para o colesterol HDL foi de 85,89mg/dL (DP±13,98), sendo o valor calculado de 93,89 mg/dl para média(dp±3,73) (p=0,0012). O TGO/ AST teve uma média do PNCQ de 217,32UI/L (DP±25,29), enquanto o calculado teve uma média de 210,83UI/L (DP±10,55) (p=0,02). O valor da média do PNCQ do TGP/ALT foi de 27,00UI/L (DP±7,98) e o valor calculado teve como media o valor de 32,81UI/L (DP±2,12) (p=0,0005). A Ureia teve uma média do PNCQ de 73,00mg/dL(DP±8,00), sendo o valor calculado de 72,30mg/dL para média (DP±0,67) (p=0,0016). Estes resultados estão apresentados na tabela 2 e na figura 1. Figura 1: Comparação dos valores de referência do PRO-IN (PNCQ) com os valores calculados pelo laboratório, pelo Teste G. para amostras Independentes Nos testes CK, Ferro, Gama-GT, Colesterol HDL, TGO/AST, TGP/ALT e Ureia observaram-se médias fornecidas e calculadas muito próximas, porém os desvios padrões apresentaram valores bem menores que os fornecidos na bula, corroborando com o estudo realizado por Basques (2009). Ao adotar valores próprios, diminui-se a possibilidade de liberação de resultados inaceitáveis. Na Amilase e na DHL os valores das médias foram consideravelmente menores nos resultados calculados. Esse fato pode ser devido às diferenças de metodologias 555

6 utilizadas ou à presença de efeito matriz, muito comum em amostras de controles comerciais. Esse efeito ocorre quando um sistema analítico apresenta um resultado diferente do esperado seguindo todas as orientações estabelecidas pelo fabricante do soro controle, kits e equipamentos. Os desvios padrões calculados também apresentaram valores consideravelmente menores, confirmando trabalhos anteriores. Esses valores limites de aceitação, assim como o valor médio para um controle são de difíceis definições, devido às diferenças operacionais entre os fabricantes de equipamentos e reagentes (PNCQ, 2011; BASQUES, 2009). CONCLUSÃO O presente estudo encontrou uma diferença significativa entre os valores calculados e os presentes na bula do controle PRO-IN nos analitos: Amilase, CK, DHL, Ferro, Gama-GT, Colesterol HDL, TGO/AST, TGP/ALT e Ureia. Tais achados demonstraram que os valores calculados foram até oito vezes menores que os valores fornecidos pelo fabricante e, principalmente, evidenciam a necessidade de cada laboratório estabelecer seus próprios intervalos de soro controle. COMPARISON OF THE SERUM CONTROL ESTABLISHED BY THE MANUFACTURER AND CALCULATED VALUES IN THE CLINICAL LABORATORY PUC GOIÁS Abstract: quality control is of great importance in the monitoring of technical and operational activities in the clinical laboratory, and the PRO-IN tool used control. Comparing means and standard provided by the manufacturer and calculated deviations, we found significant differences in amylase, CK, LDH, Iron, Gamma-GT, HDL, SGOT / AST, SGPT / ALT and urea, with DP up to eight times lower in calculated values. Keywords: Serum Control. Precision. Accuracy. Average. Standard Deviation. 556 Referências BASQUES, C. J. Usando controles no laboratório clinico. Labtest BERLITZ, A. F. Controle da Qualidade no Laboratório Clínico: alinhando melhoria de processos, confiabilidade e segurança do paciente. BrasPatolMedLab., CHAVES, D. C. Controle de qualidade no laboratório de análises clínicas. BrasPatol- Med Lab., DAMASCENO, M. E. H.; DAMASCENO, G. R. A.; BARROS, M. G. J. Indicadores de qualidade e produtividade na área da saúde. XII Encontro Latino Americano de Iniciação Cientifica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação Universidade do Vale do Paraíba JURAN, M. J. Qualidade no século XXI. HSM Management LIMA-OLIVEIRA, G. S. et al. Controle de qualidade na coleta do espécime diagnóstico sanguíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos. BrasPatolMedLab

7 MATOS, F. F. Planejamento e Gestão da Qualidade. Administração e Negócios MOREIRA, V. L. A qualidade do atendimento e os serviços prestados: um estudo sobre a relação de satisfação dos alunos do curso de administração publica na escola superior de ciências sociais unidade da universidade do estado do amazonas-uea. Dissertação (Mestrado em Administração Publica) - Universidade do Estado do Amazonas, PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE (PNCQ). Manual do Laboratório Participante. Rio de Janeiro RESOLUÇÃO-RDC. ANVISA n 302. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratório Clinico SBPC. Diretriz para a Gestão e Garantia da Qualidade de testes laboratoriais remotos (TLR) da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML). Editora Manole. 1 ed SISTEMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO (DICQ). Manual para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos- 6 ed. Rio de Janeiro *Recebido em: Aprovado em: CARLA FABIANA SOARES Acadêmica de Biomedicina da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. SÉRGIO HENRIQUE NASCENTE COSTA, IASMIM RIBEIRO DA COSTA Professores de Biomedicina da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. 557

Implantação do Controle de Qualidade Interno Laboratorial DR. JUNO DAMASCENO

Implantação do Controle de Qualidade Interno Laboratorial DR. JUNO DAMASCENO Implantação do Controle de Qualidade Interno Laboratorial DR. JUNO DAMASCENO LABORATÓRIO CLÍNICO: FASES Sistema de Garantia da Qualidade Clientee Pré-Analítica Analítica Pós-Analítica Laudo Controle de

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação Estatística do Controle da Qualidade das Análises Quantitativas Derliane Oliveira Set/07 Controle Interno da Qualidade Processo de avaliação

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO 1 ml de soro refrigerado Jejum de 4 horas Refrigerada(2-8 ºC): 3 dias;

ÁCIDO ÚRICO 1 ml de soro refrigerado Jejum de 4 horas Refrigerada(2-8 ºC): 3 dias; EXAME BIOQUÍMICOS MATERIAL CONDIÇÕES DE COLETA ESTABILIDADE DA AMOSTR ÁCIDO ÚRICO 1 ml de soro refrigerado Jejum de 4 horas Refrigerada(2-8 ºC): 3 dias; Congelada(-20 ºC): 6 meses. ALBUMINA 1 ml de soro

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150 Indice ÁCIDO ÚRICO - MONO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 ALT / TGP 6 AST / TGO 7 BILIRRUBINA DIRETA 8 BILIRRUNINA TOTAL 9 CÁLCIO ASX 10 CÁLCIO 11 CK NAC 12 CK MB 13 CLORO 14 COLESTEROL 15 CREATININA 16 DESIDROGENASE

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Àcido Lático Ácido Úrico Albumina Alfa 1 Glicoproteína Lactato Oxidase mg/dl 20,2 3,7 TODOS OS PARTICIPANTES mg/dl 18,6 5,2 mg/dl 18,7 5,2 DE mg/dl 13,4 9,1 Fosfotungstato mg/dl 3,2 0,6 Uricase colorimétrico

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Íon Seletivo mg/dl 6,9 2,0 Lactato Oxidase mg/dl 7,3 1,0 Roche mg/dl 7,6 0,4 Siemens Advia mg/dl 6,6 0,5 Ácido Lático Siemens Dimension mg/dl 6,1 1,0 U.V. mg/dl 7,4 1,4 TODOS OS PARTICIPANTES mg/dl 7,2

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS - SBAC Íon Seletivo mg/dl 7,1 0,4 Lactato Oxidase mg/dl 7,1 0,8 Bioclin U.V. mg/dl 7,4 0,8 Johnson & Johnson mg/dl 6,3 1,5 Roche mg/dl 7,1 0,5 Ácido Lático Siemens Advia mg/dl 6,2 0,7 Siemens Dimension mg/dl

Leia mais

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso.

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. LEITURA MONOCROMÁTICA FILTRO 546 nm Estabilidade do Reagente de Uso: TEMPERATURA

Leia mais

Atuação em Análises Clínicas. Professor Doutor Eduardo Arruda

Atuação em Análises Clínicas. Professor Doutor Eduardo Arruda Atuação em Análises Clínicas Professor Doutor Eduardo Arruda Histórico Papiros 1000 a.c.: Parasitoses intestinais; Médicos hindus (urianálise): Urinas adocicadas / atraiam formigas; Microscópio (Século

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso.

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. ÁCIDO ÚRICO Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. # Usar os calibrador protéico da Katal. Verificar os parâmetros da aplicação

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

APLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS E EXTERNOS DE QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DE URUAÇU, GOIÁS

APLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS E EXTERNOS DE QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DE URUAÇU, GOIÁS UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS FERNANDA RODRIGUES TEODORO APLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas Profa. Dra. Ângela Líbia M. P. Cardoso www.ufam.edu.br angelalibia@gmail.com Fone: 9254 6673 02 QUALIDADE NO LAC

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,38 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO Laboratório Clínico Professor Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Padronização no Laboratório Clínico Etapa pré analítica Etapa analítica Etapa pós-analítica

Leia mais

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru Roney Caetano Gerente de Produtos QSD 17 de Outubro de 2012 Qualidade - Definições Totalidade das características que um produto ou serviço

Leia mais

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000 ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO CÓDIGO VOLUME (ml) Nº. TESTES 100/100-100 100 333 100/100-200 200 666 AUR Pt. Final Único Filtros (A/B) 510 mg/dl Trinder Number of Needle Washes 1 Incub. Reagentes (Sec) 300 Tempo

Leia mais

Não dá para confiar mais em nenhum outro exame pq todos foram feitos no mesmo aparelho.

Não dá para confiar mais em nenhum outro exame pq todos foram feitos no mesmo aparelho. Sobre uma uréia errada Não dá para confiar mais em nenhum outro exame pq todos foram feitos no mesmo aparelho. Sobre o PSA Não há mais diferença entre os laboratórios pq todos fazem os exames automatizados.

Leia mais

Soluções de sistema flexíveis com nível de desempenho sem comprometimento

Soluções de sistema flexíveis com nível de desempenho sem comprometimento Soluções de sistema flexíveis com nível de desempenho sem comprometimento Indiko e Indiko Plus analisadores de química clínica e especializada Excelência operacional Série Thermo Scientific Indiko, Indiko

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000 ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430M ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430 100 Determinações - Volume: 100 ml 200 Determinações - Volume: 200 ml 3-Para a Calibração, usar o Padrão do kit ou Calibrador Gold Analisa Cat. 410. 4-É importante

Leia mais

Definição. RDC 17: 16 de abril de Validação de metodologia analítica

Definição. RDC 17: 16 de abril de Validação de metodologia analítica Validação de metodologia analítica Definição RDC 17/2010: Ato documentado que atesta que qualquer procedimento, processo, equipamento, operação, material ou sistema realmente conduza ao resultado esperado.

Leia mais

Resultados Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados.

Resultados Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados. s Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados. HEMOGLOBINA GLICADA HEMOGRAMA COM PLAQUETAS RESULTADO UNIDADE VALORES DE REFERENCIA ------------------------- ------------------------------

Leia mais

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P Manual de Automação A15 REVISÃO: 14 (11/2013) M A F R C SLOTEST C P P H T OLESTEROL OLESTEROL T U URBIDIMÉTRICO T HDLD LDL D T IRETO IRETO ERRITINA TURBIDIMÉTRICA EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA CRTEST CRTEST

Leia mais

O que é o QualiChart? Sumário. Se você já se cadastrou

O que é o QualiChart? Sumário. Se você já se cadastrou O que é o QualiChart? Guia Rápido de Uso do QualiChart: Tela de corridas, alertas e gráficos - O Painel de Controle O QualiChart é uma ferramenta que fará para você todo o trabalho de cálculos para o Controle

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS Mônica Barreto de Lima 1 ; Thaise Maria Tobal 2 UFGD/FCS Dourados MS, E-mail: monika.barreto@hotmail.com 1 Bolsista

Leia mais

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária 30/01/2017 0818 DN 25/10/1946 / 70a 3m Página 1 de 7 Protocolo 1701.001.083-6 Documento ACIDO URICO 7,5 mg/dl Enzimático. EXAME REVISTO E CONFIRMADO. 2,5 6,5 mg/dl

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Bioquímica II Código: FAR 309 Pré-requisito: BIOQUÍMICA I Período Letivo: 2016.1 Professor: Nádia

Leia mais

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Bioquímicos Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Ácidos biliares totais (2 dosagens- jejum e pós prandial) 250,00 4 dias Soro sanguíneo Ácido úrico 47,00 48 horas

Leia mais

Seis sigma no laboratório clínico: impacto na gestão de performance analítica dos processos técnicos

Seis sigma no laboratório clínico: impacto na gestão de performance analítica dos processos técnicos J Bras Patol Med Lab v. 41 n. 5 p. 301-12 outubro 2005 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Seis sigma no laboratório clínico: impacto na gestão de performance analítica dos processos técnicos Primeira submissão

Leia mais

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência

Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Submódulo 21.8 Estudos do controle cargafreqüência Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Divisão de Laboratório Central - HC FMUSP

Divisão de Laboratório Central - HC FMUSP Divisão de Laboratório Central - HC FMUSP V SIMPÓSIO DE GARANTIA DE QUALIDADE 09 DE DEZEMBRO DE 2010 LOCAL: CENTRO DE CONVENÇÕES REBOUÇAS - Auditório Amarelo Rua Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 23 Cerqueira

Leia mais

Lista de Exercícios 2 - Estatística II

Lista de Exercícios 2 - Estatística II Lista de Exercícios 2 - Estatística II Parte 1 - Teoria Básica de Testes de Hipóteses: Exercício 1. (2007/1 - P2 - ex.15) Um equipamento médico não está funcionando adequadamente; entretanto, no procedimento

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE PERFORMANCE - MIP

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE PERFORMANCE - MIP XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Marcelo Costa de Moraes marcelo.costa@energisa.com.br Davir Castro dos Santos davir.santos@energisa.com.br

Leia mais

5. Resultados e Discussão

5. Resultados e Discussão 47 5. Resultados e Discussão 5.1.1. Faixa de trabalho e Faixa linear de trabalho As curvas analíticas obtidas são apresentadas na Figura 14 e Figura 16. Baseado no coeficiente de determinação (R 2 ) encontrado,

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

Avaliação de não conformidades no Controle Externo. Dra. Andrea Piazza Assessora Científica do PNCQ em Sistema de Gestão da Qualidade

Avaliação de não conformidades no Controle Externo. Dra. Andrea Piazza Assessora Científica do PNCQ em Sistema de Gestão da Qualidade Avaliação de não conformidades no Controle Externo Dra. Andrea Piazza Assessora Científica do PNCQ em Sistema de Gestão da Qualidade Andrea Piazza Bióloga PUC/PR Pós-graduada em Ciências do Laboratório

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II [Qualidade] Adriano J. Holanda 7/8/2017 Qualidade Definição: Do latim qualitas, qualidade é um atributo ou propriedade. Em negócios, engenharia e manufatura, qualidade tem o significado

Leia mais

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA HEMOGRAMA COMPLETO Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA ERITOGRAMA: Referências Hemácias...: 4,45 milhões/mm³ 3,9 a 5,3 milhões/mm³ Hemoglobina...: 12,2 g/dl 12,0 a 16,0 g/dl Hematócrito...:

Leia mais

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso.

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso. Úrico Ácido Úrico Padrão 4 20 Reduzir 10 Pto final Onda primária 505 Reag. Nulo 16 20 Tempo reação 38 42 Decimal 0.1 mg/dl Int linear 0 20 Serum inferior/superior 3,6---8,2 Water + topkal ALB Albumina

Leia mais

Data de liberação: 20/01/ :31

Data de liberação: 20/01/ :31 SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVIRUS Anticorpos de Classe IgG: Superior a 250.0 UA/mL Anticorpos de Classe IgM: Não Reagente Método: Imunoensaio por Quimioluminescência Valores de Referência IgG: Não reagente:

Leia mais

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO α-amilase 027 120 ml 120 MODO: CIN IMPRESSÃO: EXTENSA WL1: 405 INTERVALO CINÉTICO: 60 WL2: - Nº INTERVALOS: 2 BLANK: NÃO DA/min: 0.220 BLANK- AMOSTRA / PAD: NAO % LIM. LIN: 20 CUB. FLUXO: SIM DIR: INCR

Leia mais

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA Manual de Automação MEGA LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol * ÍNDICE KIT PÁGINA ALBUMINA...01-02 ALT/TGP CINÉTICA...03-04 AMILASE CNPG...05-06 AST/TGO CINÉTICA...07-08 CÁLCIO ARSENAZO (LANÇAMENTO)...09-10

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade Versão: 1 Pág: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 Dr. Renato

Leia mais

Layout de Importação de Resultados de Exames

Layout de Importação de Resultados de Exames Layout de Importação de Resultados de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal, foi implementada uma rotina no Nefrodata-ACD que

Leia mais

Padronização da qualidade: alinhando melhorias contínuas nos laboratórios de análises clínicas

Padronização da qualidade: alinhando melhorias contínuas nos laboratórios de análises clínicas Artigo Original/Original Article Padronização da qualidade: alinhando melhorias contínuas nos laboratórios de análises clínicas Quality standardization: aligning continuous improvements in the clinical

Leia mais

Guia Rápido de Uso do QualiChart. Tela de corridas, alertas e gráficos - O Painel de Controle - V2

Guia Rápido de Uso do QualiChart. Tela de corridas, alertas e gráficos - O Painel de Controle - V2 Guia Rápido de Uso do QualiChart Tela de corridas, alertas e gráficos - O Painel de Controle - V2 O que é o QualiChart? É um software de Controle Estatístico de Processos analíticos no Laboratório Clínico.

Leia mais

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 BILIRRUBINA DIRETA 6 BILIRRUBINA TOTAL 7 CÁLCIO 8 CÁLCIO AZUL DE METILTIMOL 9 CLORETO 10 COLESTEROL 11 COLESTEROL HDL 12 CREATININA 13 CREATINO KINASE MB (CK-MB)

Leia mais

Submódulo Certificação de padrões de trabalho

Submódulo Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 2.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015. Data e

Leia mais

Valores para o cálculo dos Intervalos. < 1mg/dL: faixa 1 mg/dl: ± 20% Potássio ± 10% T4 Total ± 20%

Valores para o cálculo dos Intervalos. < 1mg/dL: faixa 1 mg/dl: ± 20% Potássio ± 10% T4 Total ± 20% BIOQUÍMICA I Lote Validade Apresentação QGH-3N Março/2012 5 x 3,0 ml TGH-3P Outubro/2012 5 x 3,0 ml ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua Ana Neri, 416 Benfica Rio de Janeiro/RJ CEP 20911-442

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Bioquímica I

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Bioquímica I CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Bioquímica I Código: FAR 305 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2016.1 Professor: Nádia Chiachio

Leia mais

IMUNOQUÍMICA. Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano

IMUNOQUÍMICA. Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano IMUNOQUÍMICA Programas Disponíveis Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano Nº de amostras por distribuição Fluído Amniótico Alfa- Fetoproteína (AFP) β2 Microglobulina Malformações

Leia mais

Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015];

Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015]; Pag.: 1 de 7 GLICOSE (GLICEMIA JEJUM) 84.0 mg/dl MÉTODO:CINÉTICO ENZIMÁTICO - ADVIA 1800 - SIEMENS VALORES DE REFERÊNCIA: 60-99 mg/dl Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015];

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

Controle de Qualidade: Interpretação das Regras Múltiplas

Controle de Qualidade: Interpretação das Regras Múltiplas Controle de Qualidade: Interpretação das Regras Múltiplas QC The Multirule Interpretation James O. Westgard Este artigo foi traduzido pela ControlLab, com a permissão da AACC e James O. Westgard, a fim

Leia mais

SORO CONTROLE CONTROLE INTERNO. NF 3P Novembro / 2006 Volume ANVISA/REBLAS ANALI-036

SORO CONTROLE CONTROLE INTERNO. NF 3P Novembro / 2006 Volume ANVISA/REBLAS ANALI-036 CONTROLE INTERNO SORO CONTROLE Lote Validade NF 3P Novembro / 2006 Volume 3.0 ml ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua Ana Neri, 416 Benfica Rio de Janeiro/RJ CEP 20911-442 Tel (21) 3891-9900

Leia mais

BIOQUÍMICA CONTROLE INTERNO. AHH-3N Mar/2014 5 x 3,0 ml. BHH-3P Jun/2014 5 x 3,0 ml. Apresentação Soro humano liofilizado.

BIOQUÍMICA CONTROLE INTERNO. AHH-3N Mar/2014 5 x 3,0 ml. BHH-3P Jun/2014 5 x 3,0 ml. Apresentação Soro humano liofilizado. CONTROLE INTERNO Lote Validade Apresentação AHH-3N Mar/2014 5 x 3,0 ml BHH-3P Jun/2014 5 x 3,0 ml CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua Ana Neri, 416 Benfica Rio de Janeiro/RJ CEP 20911-442 Tel (21) 3891-9900 Fax

Leia mais

Docente: Disciplina: Curso: Ano: Regime: Categoria: ECTS Horário Semanal: Enquadramento e Objectivos da Disciplina: Sistema de avaliação:

Docente: Disciplina: Curso: Ano: Regime: Categoria: ECTS Horário Semanal: Enquadramento e Objectivos da Disciplina: Sistema de avaliação: Docente: Cristina Almeida (aulas teóricas)/mary Duro (aulas práticas) Disciplina: Bioquímica Clínica I Curso: Licenciatura em Análises Clínicas e Saúde Pública Ano: 2º Regime: Semestral (S1) Categoria:

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DE UNIÃO DA VITÓRIA

PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DE UNIÃO DA VITÓRIA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DE UNIÃO DA VITÓRIA UNIÃO DA VITÓRIA FEVEREIRO DE 2017 PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DE UNIÃO DA

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE LIMPEZA

CRITÉRIOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE LIMPEZA CRITÉRIOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE LIMPEZA ALGUNS DADOS IMPORTANTES 6.714 prédios ocupados, sendo 96% Agências de Correios Área física a ser limpa 5.029.157,93m 2 Administração Central dos Correios,

Leia mais

Eritrograma. Leucograma

Eritrograma. Leucograma Pág.: 1 / 9 HEMOGRAMA Material: SANGUE TOTAL Coletado em: 10/07/2013 07:32 Método: Automação Cell-Dyn Eritrograma Eritrócitos...: 4,96 milhões/mm Hemoglobina...: 14,40 g% Volume globular...: 42,2 % Volume

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Página 1 Página 2 Indice ÁCIDO ÚRICO 03 ALBUMINA 04 -AMILASE 05 ALT/TGP 06 AST/TGO 07 BILIRRUBINA DIRETA (MONO) 08 BILIRRUBINA DIRETA (BI) 09 BILIRRUBINA TOTAL (MONO) 10 BILIRRUBINA TOTAL (BI) 11 CÁLCIO

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 O número de determinações (brancos, calibradores e amostras) corresponde

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta ÁCIDO ÚRICO Resultado: 6,1 mg/dl Homens : 3,4 a 7,0 mg/dl Mulheres: 2,4 a 5,7 mg/dl GLICOSE Resultado: 89 mg/dl 70 a 99 mg/dl Resultado(s) Anterior(es) Em 12/08/11: 89 Em 24/01/11: 82 Em 01/10/10: 78 HEMOGLOBINA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Núcleo Temático: Disciplina: Bioquímica Clínica Código da Disciplina: 061.1901-8 Professor(es): Fernanda Barrinha Fernandes

Leia mais

6 Validação Metrológica

6 Validação Metrológica 6 Validação Metrológica Com o propósito de facilitar o entendimento do trabalho, o capítulo apresenta conceitos básicos de metrologia e definições relacionadas ao tem objeto da investigação. 6.1. Conceitos

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS.

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. 67 DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. Juliana Salomão Doretto 1 ; Maria Adriana Machado Lobo e Silva 1 ; Marina Santo Lagos 2 RESUMO A determinação sérica

Leia mais

Garantia e Controlo da Qualidade em testes de DTA

Garantia e Controlo da Qualidade em testes de DTA Garantia e Controlo da Qualidade em testes de DTA Dean Leverett Senior Scientist UK Environment Agency Science Biological Effects Measures Plano Qual a importância da Qualidade dos dados? Garantia da Qualidade

Leia mais

Layout de Exportação de Solicitações de Exames

Layout de Exportação de Solicitações de Exames Layout de Exportação de Solicitações de Exames Este manual descreve de forma detalhada o arquivo em formato texto, contendo informações sobre as solicitações dos exames dos pacientes, que deverá ser enviado

Leia mais

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto Pedro Henrique Gobbo Prof. Dra. Sheyla Mara Baptista Serra Prof. Dr. Marcelo de Araújo Ferreira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução sobre

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado As atividades a serem conduzidas para a Certificação do Sistema de Gestão de sua Empresa serão realizadas de acordo com os requisitos, princípios, critérios e práticas de auditoria, com o objetivo de se

Leia mais

TQM Total Quality Management

TQM Total Quality Management TQM Total Quality Management Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é TQM? Administração da Qualidade Total total quality management (TQM) Pode ser visto como uma extensão lógica da maneira como a

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l (11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o POTÁSSIO 3,6 meq/l Valores de ref erência: 3,5 a 5,4 meq/l Método: Eletrodo Seletiv o URÉIA 37 mg/dl

Leia mais

ENSAIOS EXPERIMENTAIS PARA ANÁLISE DE REPETITIVIDADE E REPRODUTIBILIDADE (R&R) NO LABORATÓRIO DE METROLOGIA

ENSAIOS EXPERIMENTAIS PARA ANÁLISE DE REPETITIVIDADE E REPRODUTIBILIDADE (R&R) NO LABORATÓRIO DE METROLOGIA ENSAIOS EXPERIMENTAIS PARA ANÁLISE DE REPETITIVIDADE E REPRODUTIBILIDADE (R&R) NO LABORATÓRIO DE METROLOGIA Hérica Guedes de Toledo (FEPI) hericagtoledo@hotmail.com Paulo Henrique Paulista (FEPI) paulohpaulista@gmail.com

Leia mais

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos HEMOGRAMA, sangue total VALOR REFERÊNCIA Fem: Acima 16 anos ------------------------------------------------------------------------ ERITRÓCITOS : 4,46 milhões/mm3 3,90 a 5,00 HEMOGLOBINA : 12,3 g/dl 12,0

Leia mais

MESA REDONDA. RDC Teoria e Prática

MESA REDONDA. RDC Teoria e Prática 41 Congresso Brasileiro ili de Ptl Patologia Clíi Clínica e Medicina Mdii Lb Laboratorial il MESA REDONDA Estratégia de Implantação da RDC 302 - Teoria e Prática Flávia Freitas de Paula Lopes Gerente-Geral

Leia mais

Valores para o cálculo dos Intervalos. < 1mg/dL: faixa 1 mg/dl: ± 20% Potássio ± 10% T4 Total ± 20%

Valores para o cálculo dos Intervalos. < 1mg/dL: faixa 1 mg/dl: ± 20% Potássio ± 10% T4 Total ± 20% CONTROLE INTERNO BIOQUÍMICA I Lote Validade Apresentação SGH-3N Setembro/2012 5 x 3,0 ml TGH-3P Outubro/2012 5 x 3,0 ml ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua Ana Neri, 416 Benfica Rio de

Leia mais

QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Estatística (parte 1)

QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Estatística (parte 1) Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 1 Estatística (parte 1) Prof. Julio C. J. Silva Juiz

Leia mais

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria;

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria; Página 1 de 9 AUDITORIAS DA QUALIDADE ETAPA 1. Objetivo geral: Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Desempenho esperado: Estabelecer programa anual de auditorias; Elaborar agenda

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Instrumento de convênio que entre si fazem, de um lado a CNPJ nº, com sede social na CEP Nº -inscrita no CREMEB-BA sob o Nº, Telefone ( ), Endereço eletrônico, doravante

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Aula 09 Prof. Ewerton Monti Objetivo principal das empresas: Satisfação das necessidades das pessoas. Incluindo consumidores, empregados, acionistas, sociedade, fornecedores

Leia mais

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de 19 V- RESULTADOS A idade no grupo de pacientes virchovianos, apresenta uma média de 54,5 anos, desvio padrão de 16,35 anos e coeficiente de variação de 29,96%. Quanto à distribuição dessas idades, 35,4%

Leia mais

A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS

A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS OBJETIVO O objetivo deste trabalho será dar bases sólidas para estudos de viabilidade técnica para

Leia mais

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO Enfª Katia Moreira Enfª Maria Cavalcanti Enfª Fabiana Verdan INCA 74 ANOS DE HISTÓRIA INCA DE HOJE O INCA DE AMANHÃ MISSÃO Ações nacionais integradas para

Leia mais

Núcleos de Apoio a Gestão Hospitalar NAGEH

Núcleos de Apoio a Gestão Hospitalar NAGEH Núcleos de Apoio a Gestão Hospitalar 2014 Núcleos de Apoio a Gestão Hospitalar Os Grupos de Estudos do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar () do CQH são formados por profissionais de diferentes hospitais

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 7 FUNÇÃO PERDA QUADRÁTICA

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 7 FUNÇÃO PERDA QUADRÁTICA ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG 09008 AULA 7 FUNÇÃO PERDA QUADRÁTICA PROFESSORES: CARLA SCHWENGBER TEN CATEN Tópicos desta aula Função de Perda de Taguchi (ou Função Perda Quadrática) Abordagem Tradicional

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

DIRETRIZ EM PATOLOGIA CLÍNICA/MEDICINA LABORATORIAL DA CARDIOLOGIA

DIRETRIZ EM PATOLOGIA CLÍNICA/MEDICINA LABORATORIAL DA CARDIOLOGIA DIRETRIZ EM PATOLOGIA CLÍNICA/MEDICINA LABORATORIAL DA CARDIOLOGIA 1 - Coordenador Jorge Ilha Guimarães Editor José Carlos Carneiro Lima Editores associados: Agnaluce Moreira Silva, Ana Paula Lima, Carlor

Leia mais

UREIA CREATININA...: Nome...: CESAR AUGUSTO CAVALARI Prontuário.: Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA)

UREIA CREATININA...: Nome...: CESAR AUGUSTO CAVALARI Prontuário.: Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA) Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA) Pág.: 1 /8 UREIA Material: Soro Coletado em: 11/01/2017 13:16 Método: Enzimático Automatizado URÉIA...: 15 mg/dl 10 a 52 mg/dl CREATININA CREATININA...: 0,73 mg/dl TGO

Leia mais