PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS"

Transcrição

1 Início da implantação embrioblasto trofoblasto Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Disciplina de Embriologia -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto Sinciciotrofoblasto sinciciotrofoblasto citotrofoblasto O sincício produz enzimas proteolíticas, as quais possibilitam a implantação. 1

2 Embrião/feto: precisa do corpo da mãe para - obter O 2 e nutrientes - eliminar produtos da excreção Interface feto-materna: - PLACENTA trofoblasto - CÓRION - ÂMNIO ectoderma - SACO VITELINO endoderma placenta e membranas fetais - ALANTÓIDE endoderma Desenvolvem-se a partir do zigoto, mas não fazem parte do embrião. MEMBRANAS FETAIS Definição Definição Quando a termo: de 15-20cm; espessura de 2-3cm; pesa de g Placenta e cordão umbilical - sistema de transporte: - nutrientes e O 2 do sangue materno para o fetal, local básico das trocas de nutrientes e gases entre a mãe e o filho Órgão materno-fetal - excretas e CO 2 do sangue fetal para o materno Forma discóide (do gr. plakuos =bolo chato) 2

3 Definição Constituição Cresce em tamanho e espessura até 18ª sem Totalmente desenvolvida cobre de 15 a 30% do endométrio Pesa 1/6 do feto PORÇÃO FETAL SACO CORIÔNICO (mesoderma extraembrionário somático; citotrofoblasto e sincíciotrofoblasto CÓRION PORÇÃO MATERNA ENDOMÉTRIO (decídua basal) Constituição Estrutura - Decídua córion -Mesoderme somático -Citotrofoblasto -Sinciciotrofoblasto Após implantação do embrião céls. endométrio modificam-se pela reação decidual DECÍDUA (do lat. Deciduus, que se desprende) = endométrio gravídico. Termo referente a camada funcional do endométrio 11 3

4 Estrutura - Decídua Desenvolvimento do Córion - Decídua Basal forma o componente materno da placenta - Decídua Capsular situada entre o embrião/feto e a luz do útero; cobre o feto - Decídua Parietal todo o restante da mucosa uterina Durante as 2ª e 3ª semanas: - rápida proliferação do sincíciotrofoblasto - desenvolvimento do saco coriônico - desenvolvimento das VILOSIDADES CORIÔNICAS Final da 3ª semana: - arranjo anatômico necessário para as trocas fisiológicas entre mãe e embrião/feto Componente fetal da placenta = córion na região da decídua basal este aparece com grandes projeções = VILOSIDADES CORIÔNICAS. - sendo chamado de córion viloso ou córion frondoso Vilosidade primária Placa coriônica 4

5 Capilares das vilosidades fundem-se final 3ª sem: o sangue do embrião começa a fluir lentamente por estes capilares coriônicos = TROCAS MATERNO-FETAIS 5

6 final da 4ª sem: rede vascular completa já se estabeleceu na placenta, facilitando as trocas gasosas, nutricionais e de produtos de excreção células do citotrofoblasto proliferam e se estendem pelo sincício isso forma uma capa de citotrofoblasto que envolverá todo o saco coriônico vilosidades-tronco ou de ancoragem: se prendem no endométrio através da capa citotrofoblástica vilosidades ramificadas ou terminais: crescem do lado das vilosidades-tronco. É o local da maior parte da troca de material entre mãe e feto. São banhadas pelo sangue materno nos espaços intervilosos 6

7 Vilosidades associadas à decídua basal córion liso córion liso córion viloso aumentam rapidamente em número, ramificam-se e crescem formando o CÓRION VILOSO córion viloso Composição Composição parte materna parte fetal DECÍDUA BASAL + CÓRION VILOSO = PLACENTA endométrio Vilosidades (sincício e citotrofoblasto) 7

8 Nos espaços entre a placa coriônica e espaços intervilosos o sangue materno penetra pelas artérias endometriais é drenado pelas veias espiraladas, as vilosidades tronco e ramificadas são banhadas continuamente pelo sangue materno Vil. coriônicas ramificadas criam uma superfície de troca de substâncias que cruzam a MEMBRANA PLACENTÁRIA = entre a circulação do feto e da mãe MEMBRANA PLACENTÁRIA: - formada por: sincício, cito, mesênquima das vilosidades e endotélio dos capilares fetais - com o avanço da gravidez, torna-se mais delgada e muitos capilares ficam mais próximos do sincício Avanço da gravidez 8

9 Membrana placentária - São conjuntos de tecidos extrafetais que separam o sangue materno do sangue fetal Constituição: Até a 20ª semana Produtos de excreção e CO 2 do feto (sangue pobre em O 2 ) são levado pelas 2 ARTÉRIAS UMBILICAIS para a placenta e transferidos para o sangue materno Da placenta, o sangue rico em oxigênio vai para o feto pela VEIA UMBILICAL - Placenta humana é do tipo hemocorial 33 Cordão umbilical Uma veia No interior da placenta sangue materno e fetal não se misturam normalmente Duas artérias 35 9

10 Forma da Placenta Espaço interviloso cerca de 150ml de sangue, substituídos de 3 a 4 vezes/minuto Membrana placentária age como barreira Parte fetal Parte materna Funções Funções Atividades essenciais para a manutenção da gravidez e desenvolvimento do feto METABOLISMO síntese de glicogênio, colesterol e ácidos graxos ( fonte de nutriente e energia) ELIMINAÇÃO DE PRODUTOS DE EXCREÇÃO TRANSPORTE DE GASES E NUTRIENTES através da membrana placentária e em ambas as direções - gases, nutrientes, hormônios, anticorpos maternos, excreções drogas, agentes infecciosos - por difusão simples, difusão facilitada, transporte ativo e pinocitose 10

11 Funções SÍNTESE E SECREÇÃO ENDÓCRINA pelo sincício, com produção de hormônios protéicos (gonadotrofina coriônica, somatomamotrofina coriônica, lactogênio placentário) e esteróides (progesterona e estrógeno) Âmnio Saco vitelino Alantóide Córion dobramento envolve todo o embrião, como um balão cheio de líquido - líquido amniótico 11

12 acompanhando o crescimento fetal cavidade amniótica se expande até o conteúdo líquido máximo de 1L. (33-34 semanas) Inicialmente secretado pelas células amnióticas Porém, a maior parte vem do líquido tecidual (intersticial) materno, por difusão através da decídua parietal Mais tarde provém do sangue do espaço interviloso da placenta composição 99% água com material em suspensão (céls. epiteliais fetais mortas, sais orgânicos e inorgânicos, além das fezes e urina fetal) 12

13 Meio de flutuação para o feto, capacitando-o mover-se livremente Durante 3º trimestre: água do fluido amniótico é trocada a cada 3hrs Grandes volumes movimentam-se entre a circulação materno-fetal pela membrana placentária É deglutido pelo feto (cerca de 400ml/dia no final da gravidez) Permite crescimento simétrico do feto barreira contra infecções impede aderência entre o âmnio e o embrião/feto permite o desenvolvimento normal do pulmões protege contra choques, absorvendo impactos ajuda a manter constante a temperatura fetal amniocentese amniocentese Estudo de sistemas enzimáticos, aminoácidos, hormônios e outras substâncias fetais Pode-se prever doenças hemolíticas, genéticas, defeitos metabólicos e cromossômicos Pode-se retirar de 20 a 30ml (antes da 14ª sem. há pouco fluido) níveis de -fetoproteína: indica defeito grave no tubo neural e indica aberrações cromossômicas 13

14 Apesar de não ser ter função diretamente ligada a nutrição, é essencial: transfere nutrientes quando a circulação útero placentária estiver sendo formada (2ª- 3ª sem) Saco vitelino Saco vitelino Primeiro local de formação do sangue no mesoderma extra-embrionário da parede do saco vitelino (3ª-6ªsem) endoderma incorporado para formar o intestino primitivo local de aparecimento das células germinativas primordiais Saco vitelino Alantóide Importância: Perde todo contato com o intestino primitivo na 6ªsem. Com o avanço da gravidez, ele atrofia Em 2 a 4% dos adultos a parte proximal intra-abdominal persiste - em sua parede ocorre formação de sangue - seus vasos tornam-se os vasos umbilicais (2 artérias e 1 veia) - se diferenciará em úraco e ligamento umbilical médio (liga a bexiga à região umbilical) como divertículo ileal (mais comum em homens) 14

15 "A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida." (Vinicius de Moraes) 15

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS

PLACENTA E ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIONÁRIOS Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Prof. Adjunto da Disciplina de Embriologia Início da implantação embrioblasto trofoblasto 1 -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto

Leia mais

Anexos Embrionários. Placenta. Placenta 05/10/2017. Anexos Embrionários. Placenta Cordão umbilical Âmnio Córion Saco vitelino Alantóide

Anexos Embrionários. Placenta. Placenta 05/10/2017. Anexos Embrionários. Placenta Cordão umbilical Âmnio Córion Saco vitelino Alantóide Anexos Embrionários Anexos Embrionários Cordão umbilical Âmnio Córion Saco vitelino Alantóide Prof. a Dr. a Sara Tatiana Moreira Embriologia Humana e Comparada CB54B COBIO - UTFPR Campus Santa Helena Função:

Leia mais

PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS

PLACENTA E MEMBRANAS FETAIS Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Disciplina de Embriologia Início da implantação embrioblasto trofoblasto Implantação 1 -Após a adesão, o trofoblasto se diferencia em: Citotrofoblasto Sinciciotrofoblasto

Leia mais

MEMBRANAS FETAIS. MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio

MEMBRANAS FETAIS. MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio MEMBRANAS FETAIS MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio FUNÇÃO: Proteção,respiração, nutrição, excreção, produção de hormônios Local de trocas

Leia mais

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara Placenta e Membranas Fetais Prof. Daniela B. Hara 2009/2 Anexos embrionários no desenvolvimento humano Placenta e o cordão umbilical O córion O âmnio O saco vitelínico O alantóide Membranas fetais A parte

Leia mais

FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA. Valeska Silva Lucena

FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA. Valeska Silva Lucena FIM DA NIDAÇÃO (IMPLANTAÇÃO) E FORMAÇÃO DOS ANEXOS EMBRIONÁRIOS 2ª SEMANA Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com EMBRIOGÊNESE Zigoto Mórula Blástula Gástrula Nêurula NIDAÇÃO A implantação do blastocisto

Leia mais

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Desenvolvimento Embrionário e Anexos Embrionários Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto 1 a Semana de Desenvolvimento embrionário Massa Celular Interna Blastocisto Blastocele Trofoblasto 2 a Semana de Desenvolvimento:início

Leia mais

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Ciclo Menstrual Menstruação - fluxo de sangue e restos de mucosa uterina periodicamente eliminados pela vagina. Ciclo Menstrual Menstruação

Leia mais

10/06/2013 PLACENTA E PLACENTAÇÃO. placenta. placentação. Placenta. Componentes fetais

10/06/2013 PLACENTA E PLACENTAÇÃO. placenta. placentação. Placenta. Componentes fetais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Curitibanos Medicina Veterinária ANATOMIA II Órgão de troca entre a mãe e o feto PLACENTA E PLACENTAÇÃO placenta Organização das membranas com locais para

Leia mais

14/03/2017 DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIA PRÉ-IMPLANTACIONAL, NIDAÇÃO E EMBRIOGÊNESE PROFª MSC. TATIANE DA SILVA POLÓ 1ª E 2ª SEMANAS DE DESENVOLVIMENTO

14/03/2017 DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIA PRÉ-IMPLANTACIONAL, NIDAÇÃO E EMBRIOGÊNESE PROFª MSC. TATIANE DA SILVA POLÓ 1ª E 2ª SEMANAS DE DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIA PRÉ-IMPLANTACIONAL, NIDAÇÃO E EMBRIOGÊNESE PROFª MSC. TATIANE DA SILVA POLÓ 1ª E 2ª SEMANAS DE DESENVOLVIMENTO 1 FECUNDAÇÃO Fusão dos pronúcleos = ZIGOTO ATIVAÇÃO DA MITOSE

Leia mais

Implantação e placentação

Implantação e placentação Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 8: Implantação e placentação Síntese: Classificação, formação e função dos diferentes tipos de placentas 1 Sumário Informações gerais

Leia mais

Segunda semana: morfologia. Professor: Arturo Arnáez Vaella

Segunda semana: morfologia. Professor: Arturo Arnáez Vaella Segunda semana: morfologia Professor: Arturo Arnáez Vaella Introdução Diferenciação do trofoblasto Formação do âmnio e a cavidade amniótica Formação do disco embrionário bilaminar Formação do saco vitelino

Leia mais

http://www.boggiostudios.com/galleries/gallery/pregnancy 1 1- Espermatozoide atravessa a corona radiata. 2- Cabeça do espermatozoide adere à zona pelúcida 3- Reação acrossômica: o conteúdo do acrossomo

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 46 ANEXOS EMBRIONÁRIOS Como pode cair no enem? (PUC) O desenvolvimento embrionário nos vertebrados leva à formação, em determinado estágio, de certas estruturas que não

Leia mais

Porque EMBRIOLOGIA? 02-Sep Malformações craniofaciais tem origem embriológica. 2. Vão achar que você saberá responder:

Porque EMBRIOLOGIA? 02-Sep Malformações craniofaciais tem origem embriológica. 2. Vão achar que você saberá responder: 1. A interação do EPITÉLIO com o MESÊNQUIMA é necessária para odontogênese Porque EMBRIOLOGIA? 2. Malformações craniofaciais tem origem embriológica 2. Vão achar que você saberá responder: O que é placenta?

Leia mais

Embriologia Geral BMH-120. Clivagem e Implantação

Embriologia Geral BMH-120. Clivagem e Implantação Embriologia Geral BMH-120 Clivagem e Implantação Rodrigo A. P. Martins ICB -UFRJ A fertilização é só o começo Fertilização Clivagem Gastrulação Organogênese Determinação/Formação de eixos AP antero-posterior

Leia mais

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Professor Heverton Alencar Sistema reprodutor masculino Testículo - produção de espermatozoides e também a produção de testosterona (hormônio sexual masculino);

Leia mais

Noções de Embriologia Geral

Noções de Embriologia Geral Noções de Embriologia Geral EMBRIOLOGIA É o estudo do desenvolvimento de um ser pluricelular desde o estágio de uma célula (zigoto) até a diferenciação e especialização das células, tecidos e órgãos que

Leia mais

Blastocisto. Embrião Membranas fetais. Embrioblasto. Trofoblasto parte fetal da placenta. Cavidade blastocística

Blastocisto. Embrião Membranas fetais. Embrioblasto. Trofoblasto parte fetal da placenta. Cavidade blastocística 2 Implantação Blastocisto Embrioblasto Embrião Membranas fetais Trofoblasto parte fetal da placenta Cavidade blastocística 3 Após a adesão: Trofoblasto diferencia-se: Embrioblasto sofre delaminação: Citotrofoblasto

Leia mais

Tio Ton Ciências. Cap Gravidez e Parto

Tio Ton Ciências. Cap Gravidez e Parto Tio Ton Ciências Cap. 17 - Gravidez e Parto Reprodução É a capacidade de gerar descendentes, uma propriedade da vida que pode ser realizada de diferentes formas. Reprodução Assexuada Reprodução sexuada

Leia mais

VIVER É NASCER A CADA INSTANTE (Erich Fromm)

VIVER É NASCER A CADA INSTANTE (Erich Fromm) VIVER É NASCER A CADA INSTANTE (Erich Fromm) Período Fetal Placenta e Membranas Fetais Gêmeos PERÍODO FETAL PERÍODO FETAL: introdução -O desenvolvimento durante o PF está de início relacionado com o crescimento

Leia mais

20/10/2009 DOBRAMENTO DO EMBRIÃO DOBRAMENTO DO EMBRIÃO DOBRAMENTO DO EMBRIÃO. dá FORMA CILÍNDRICA ao embrião

20/10/2009 DOBRAMENTO DO EMBRIÃO DOBRAMENTO DO EMBRIÃO DOBRAMENTO DO EMBRIÃO. dá FORMA CILÍNDRICA ao embrião DOBRAMENTO DO EMBRIÃO 4 sem. PERÍODO EMBRIONÁRIO (Dobramento do Embrião) dá FORMA CILÍNDRICA ao embrião acontece nos planos mediano: ÂNTERO POSTERIOR e horizontal: LÁTERO-LATERALLATERAL decorre do rápido

Leia mais

Embriogênese. Natália A. Paludetto

Embriogênese. Natália A. Paludetto Embriogênese Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese Após fusão dos núcleos durante a fecundação, formase uma célula ovo ou zigoto. Zigoto primeira célula de um novo ser vivo (2n).

Leia mais

ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA

ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA ANEXOS EMBRIONÁRIOS EMBRIOLOGIA Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 42 EMBRIOLOGIA: ANEXOS EMBRIONÁRIOS

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 42 EMBRIOLOGIA: ANEXOS EMBRIONÁRIOS BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 42 EMBRIOLOGIA: ANEXOS EMBRIONÁRIOS Mesoderme alantoidiano Vilosidades coriônicas Vesícula vitelínica - não contém vitelo e sim solução fisiológica Celoma extraembrionário Cório

Leia mais

UNIDADE FETO-PLACENTÁRIA MORFOLOGIA

UNIDADE FETO-PLACENTÁRIA MORFOLOGIA UNIDADE FETO-PLACENTÁRIA MORFOLOGIA Licenciatura em Medicina FML - 2007 Placenta - 1 Generalidades Das componentes da placenta, o TROFOBLASTO é o mais variável quanto à estrutura, função e desenvolvimento,

Leia mais

Anexos embrionários. Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 7:

Anexos embrionários. Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 7: Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 7: Anexos embrionários síntese: Origem, função e destino das vesículas vitelina, amniótica e alantoidiana/alantoide 1 Sumário Informações

Leia mais

01/06/2014. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO).

01/06/2014. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO). Trabalho a ser entregue no dia da prova (escrita a mão): Este trabalho terá valor de 3,0 na prova prática. Deve ser: - Escrita a mão. - Incluir bibliografia (preferencialmente LIVRO). Escolha uma malformação

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

Fisiologia: Digestão, Respiração, Circulação, Excreção, Coordenação e Reprodução

Fisiologia: Digestão, Respiração, Circulação, Excreção, Coordenação e Reprodução Fisiologia: Digestão, Respiração, Circulação, Excreção, Coordenação e Reprodução Fisiologia: Digestão, Respiração, Circulação, Excreção, Coordenação e Reprodução 1. A figura representa os sistemas digestivos

Leia mais

Atividades de Embriologia

Atividades de Embriologia DISCIPLINA: Biologia I DATA: 13/09/2017 Atividades de Embriologia 01 - (Cefet MG 2015) Analise a representação da sequência de eventos que ocorrem no aparelho reprodutor feminino humano. 03 - (Mackenzie

Leia mais

Unidade I - Embriologia Geral

Unidade I - Embriologia Geral Unidade I - Embriologia Geral 1.1 - Noções de aparelho reprodutivo e ciclo estral; 1.2 - Fertilização, formação do disco embrionário; 1.3 - Tipos de implantação; 1.4 - Desenvolvimento embrionário; 1.5

Leia mais

BIOLOGIA ANEXOS EMBRIONÁRIOS

BIOLOGIA ANEXOS EMBRIONÁRIOS BIOLOGIA Prof. Fred/Vitor ANEXOS EMBRIONÁRIOS 1. A eficácia do uso de células-tronco retiradas do cordão umbilical para o tratamento de leucemia e outras doenças do sangue já foi comprovada. A grande questão

Leia mais

A PLACENTA E O CORDÃO UMBILICAL

A PLACENTA E O CORDÃO UMBILICAL A PLACENTA E O CORDÃO UMBILICAL Placenta A placenta é constituída de dois componentes: uma porção fetal formada pelo saco coriônico e outra materna formada pelo endométrio. Essa característica faz com

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS EMBRIOLOGIA

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS EMBRIOLOGIA UFRGS EMBRIOLOGIA 1. (Ufrgs 2012) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Em mamíferos, o... e as células trofoblásticas interagem com

Leia mais

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA EMBRIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR: Teoria e Plano de Estudo Prático Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA CARDIOVASCULAR CRONOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO ESTABELECIMENTO

Leia mais

13-Nov-14. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo. Desenvolvimento Gastrointestinal

13-Nov-14. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo. Desenvolvimento Gastrointestinal 13-Nov-14 Desenvolvimento Gastrointestinal Folhetos embrionários Ectoderma Pele Sistema Nervoso Crista Neural (ecto=externa) Mesoderma Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes:

Leia mais

EMBRIOLOGIA. Profa. Dra. Milena Flória-Santos ERM 0104 e O111 BCHE - DMISP

EMBRIOLOGIA. Profa. Dra. Milena Flória-Santos ERM 0104 e O111 BCHE - DMISP EMBRIOLOGIA Profa. Dra. Milena Flória-Santos ERM 0104 e O111 BCHE - DMISP 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE Fascination 1998 Sandra Bierman, Do not duplicate 27/06/17 Flória-Santos, M. - BCHE 2 1 ü Ocorre

Leia mais

Histologia. Professora Deborah

Histologia. Professora Deborah Histologia Professora Deborah Histologia Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos É um conjunto de células que

Leia mais

Disco embrionário bilaminar

Disco embrionário bilaminar Origem do embrião 1 Disco embrionário bilaminar 2 3 GASTRULAÇÃO - 3 a semana Aparecimento da linha primitiva Desenvolvimento da notocorda Diferenciação das três camadas germinativas (disco bilaminar trilaminar)

Leia mais

Gametogênese e Embriologia

Gametogênese e Embriologia Material de apoio para Aula ao Vivo 1. (Fuvest) Um pesquisador fez o seguinte desenho de uma célula observada ao microscópio óptico. Pode tratar-se de uma célula de a) ovário. b) sangue. c) linfa. d) medula

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12 Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação Formação de um novo ser encontro do oócito II com espermatozóides Fecundação formação de um ovo desenvolvimento contínuo e dinâmico, com a duração em

Leia mais

Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação

Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação Faculdade Maurício de Nassau Curso: Odontologia Disciplina: Formação e concepção do ser Biologia do desenvolvimento: Gastrulação, indução e neurulação Prof. MSc.: Luiz Eduardo Lacerda Setembro/2016 Desenvolvimento

Leia mais

ATIVIDADE: PLANTÃO DATA: 03/05/2011

ATIVIDADE: PLANTÃO DATA: 03/05/2011 ATIVIDADE: PLANTÃO DATA: 03/05/2011 Professor(a): Nanni Turma: 3º/EXT Disciplina: Biologia 01º Material deste professor para esta atividade 35º Material para esta turma 01) Tomando como referência o embrião

Leia mais

ANATOMIA DE UM ESPERMATOZÓIDE

ANATOMIA DE UM ESPERMATOZÓIDE EMBRIOLOGIA ANATOMIA DE UM ESPERMATOZÓIDE Acrossomo: vesícula formada por lisossomos, com função de romper as barreiras do óvulo. Gameta masculino Responsável pela determinação do sexo do bebê. Região

Leia mais

A TERCEIRA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A TERCEIRA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO 35 A TERCEIRA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO INDICAÇÃO DE LEITURA 1) MOORE, K.L.; PERSAUD, T.V.N. Embriologia Básica. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. Capítulo 05, páginas 37-49. 2) SADLER, T.W.

Leia mais

a) multiplicação de células, através de mitoses sucessivas.

a) multiplicação de células, através de mitoses sucessivas. Embbr ri iiool llooggi iiaa Huumaannaa... 1 Introdução... 1 Gastrulação... 1 Tipos de óvulos (ovos): classificação e ocorrência.... 2 Tipos de clivagem:... 2 Fases do Desenvolvimento... 3 Destino dos Folhetos

Leia mais

Bio. Semana 17. Rubens Oda Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) (Rebeca Khouri)

Bio. Semana 17. Rubens Oda Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) (Rebeca Khouri) Semana 17 Rubens Oda Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) (Rebeca Khouri) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos

Leia mais

9/1/2016. O evento mais importante da sua vida não é o seu nascimento, seu casamento, sequer a sua morte. É a Gastrulação

9/1/2016. O evento mais importante da sua vida não é o seu nascimento, seu casamento, sequer a sua morte. É a Gastrulação A MASSA CELULAR INTERNA se diferencia em duas camadas: EPIBLASTO E HIPOBLASTO O Epiblasto é banhado na CAVIDADE AMNÓTICA E o Hipoblasto é contínuo com o SACO VITELÍNICO It is not birth, marriage or death,

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento animal Indirecto - Metamorfoses Directo Forma definitiva - ovo - fase embrionária - fase juvenil - fase adulta ou de maturidade Transformações no desenvolvimento

Leia mais

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino Esplancnologia Estudo das vísceras: órgãos internos ( splanchnon) Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino + Sentido lato Vascular endócrino Arquitetura funcional

Leia mais

02- Analise a imagem abaixo: Nomeie os órgãos numerados de 1 a 5.

02- Analise a imagem abaixo: Nomeie os órgãos numerados de 1 a 5. PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Associe as colunas.

Leia mais

VÍDEO 1 VÍDEO 2. Fecundação. Fecundação 9/11/2010. Condições de fecundação: O movimento de um espermatozóide

VÍDEO 1 VÍDEO 2. Fecundação. Fecundação 9/11/2010. Condições de fecundação: O movimento de um espermatozóide OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO: INTRODUÇÃO À EMBRIOLOGIA HUMANA Prof. MSc. Weverson Pires wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com GAMETOGÊNESE FERTILIZAÇÃO CLIVAGEM VÍDEO 1 VÍDEO 2 Fecundação Fecundação

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Professora Melissa Kayser

TECIDO EPITELIAL. Professora Melissa Kayser TECIDO EPITELIAL Professora Melissa Kayser Tecido Epitelial Introdução Tecido que reveste a superfície externa do corpo e as cavidades internas. Desempenha várias funções: Proteção do corpo (pele) Percepção

Leia mais

Placenta e Anexos Fetais

Placenta e Anexos Fetais Placenta e Anexos Fetais 1.1 Slide 1 Em sentido lato e num contexto filogenético, podemos considerar como placenta a associação de qualquer estrutura fetal com o organismo materno, capaz de permitir a

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Radiologia

Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Curso Superior de Tecnologia em Radiologia https://www.youtube.com/watch?v=inag1qzj-pk SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO Ossos - Sistema Circulatório e Linfático transporte de gases: os pulmões, responsáveis

Leia mais

Embriologia. Prof. César Lima

Embriologia. Prof. César Lima Embriologia A embriologia é a parte da Biologia que estuda o desenvolvimento dos embriões animais. Há grandes variações, visto que os animais invertebrados e vertebrados apresentam muitos diferentes aspectos

Leia mais

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os Embriologia Embriologia é a parte da Biologia que estuda as transformações que se processa no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia

Leia mais

ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA. M.S. Cássio Cassal Brauner FAEM-UFPel

ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA. M.S. Cássio Cassal Brauner FAEM-UFPel ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA M.S. Cássio Cassal Brauner Prof. DZ-FAEM FAEM-UFPel ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA Endocrinologia é parte das ciências médicas que trata da secreção das glândulas internas (hormônios)

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA CIRCULATÓRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Rede de tubos pelos quais circulam o sangue e a linfa (vasos sanguíneos e linfáticos, respectivamente).

Leia mais

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswenedhell@gmail.com Fertilização Normalmente o local

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CBI212 Histologia e Embriologia

Programa Analítico de Disciplina CBI212 Histologia e Embriologia Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina CBI1 Histologia e Embriologia Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento.

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Embriologia Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Fecundação Mitoses sucessivas; Crescimento celular: Zigoto:

Leia mais

Segmentação ou clivagem; Gastrulação; Organogênese.

Segmentação ou clivagem; Gastrulação; Organogênese. A embriologia é o estudo do crescimento e da diferenciação sofridos por um organismo no curso de seu desenvolvimento, desde o estágio de ovo até o de um ser altamente complexo, de vida independente e semelhante

Leia mais

Profª LETICIA PEDROSO

Profª LETICIA PEDROSO Profª LETICIA PEDROSO É composto por : Dois ovários Sistema reprodutor Duas tubas uterinas Útero Vagina Vulva (órgão genital externo). Tem como função secretar o óvulo (célula sexual) e abrigar e fornecer

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculdades FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 BIOLOGIA 01. O sangue transporta o gás oxigênio (O 2 ) para os tecidos e remove deles o dióxido de carbono (CO 2 ), produto residual

Leia mais

Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 11: Dobramentos do embrião

Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 11: Dobramentos do embrião Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Embriologia Animal Aula 11: Síntese: Dobramentos longitudinal e transversal: transformação do embrião da forma plana para cilíndrica 1

Leia mais

Colégio XIX de Março Educação do jeito que deve ser

Colégio XIX de Março Educação do jeito que deve ser Colégio XIX de Março Educação do jeito que deve ser 2017 2ª PROVA PARCIAL DE BIOLOGIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 24/06/2017 Nota: Professor(a): Regina Volpato Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Profª Tatiani UNISALESIANO Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades

Leia mais

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor.

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor. Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor Componentes: Vasos sanguíneos, Coração, Sangue http://www.afh.bio.br/cardio/cardio3.asp

Leia mais

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior.

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. CICLO OVARIANO Formado por várias alterações em um ovário, os quais se repetem a intervalos mensais Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. Principais fases

Leia mais

Tópicos. Reação acrossômica. Implantação embrionária. Desenvolvimento embrionário. Fisiologia da gestação. Parto

Tópicos. Reação acrossômica. Implantação embrionária. Desenvolvimento embrionário. Fisiologia da gestação. Parto Tópicos Reação acrossômica Implantação embrionária Desenvolvimento embrionário Fisiologia da gestação Parto Reação acrossômica Fusão da membrana plasmática do espermatozóide com a membrana externa do acrossomo

Leia mais

Tipos de Ovos ou. óvulos ou. ovócitos ou. gametas femininos. Onde Ficam?

Tipos de Ovos ou. óvulos ou. ovócitos ou. gametas femininos. Onde Ficam? Tipos de Ovos ou óvulos ou ovócitos ou gametas femininos Onde Ficam? Nos ovários ou gônadas (glândulas) das fêmeas. artropodes Total blastômeros Holoblástica ocorre em todo o ovo; Meroblástica ocorre em

Leia mais

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue.

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Sistema Urinário Excreção Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Como eliminar os produtos tóxicos que se formam nas células? Vias

Leia mais

Utilize-se das informações acima e de seus conhecimentos sobre esse assunto e assinale a melhor resposta a ser fornecida pelo ginecologista:

Utilize-se das informações acima e de seus conhecimentos sobre esse assunto e assinale a melhor resposta a ser fornecida pelo ginecologista: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 A questão da fertilização é muito discutida hoje na mídia, principalmente em programas que visam a informação para leigos interessados

Leia mais

Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA

Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA PRINCÍPIOS BÁSICOS DE INCUBAÇÃO Prof. MSc MARCOS FABIO DE LIMA marcosfabiovet@uol.com.br 01.INTRODUÇÃO: O desenvolvimento do embrião no interior do ovo se dá em duas etapas, a saber: Desenvolvimento antes

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema Cardiovascular Objetivos da aula os estudantes deverão ser capazes de... Descrever as funções gerais do sistema cardiovascular Relacionar os componentes vascular sanguíneo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO CARDIOVASCULAR PROFª ME. TATIANE DA SLVA POLÓ

DESENVOLVIMENTO CARDIOVASCULAR PROFª ME. TATIANE DA SLVA POLÓ DESENVOLVIMENTO CARDIOVASCULAR PROFª ME. TATIANE DA SLVA POLÓ Primeiro sistema a funcionar o embrião Início = difusão Complexidade = SISTEMA CIRCULATÓRIO Distribuir oxigênio e nutrientes Remover dióxido

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 1 EMBRIOLOGIA 1 Atualmente já existem protocolos de pesquisa utilizando células-tronco embrionárias na busca de tratamento para várias doenças humanas,

Leia mais

Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana

Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana Período Embrionário 3ª a 8ª semana Terceira Semana É a primeira semana após a não ocorrência da última menstruação normal ou cinco semanas após a data da última menstruação (UM) Vera Andrade Testes de

Leia mais

19/11/2009. Sistema Reprodutor Masculino Adulto. Formação do sistema genital. Sistema reprodutor feminino adulto. 1ª Etapa: Determinação sexual

19/11/2009. Sistema Reprodutor Masculino Adulto. Formação do sistema genital. Sistema reprodutor feminino adulto. 1ª Etapa: Determinação sexual Desenvolvimento do Sistema Sistema Reprodutor Masculino Adulto Reprodutor Masculino e Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Sistema reprodutor feminino adulto Formação do sistema genital 1ª Etapa:

Leia mais

PLANO DE ENSINO (2017/1)

PLANO DE ENSINO (2017/1) PLANO DE ENSINO (2017/1) 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CITOLOGIA, HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA CURSO: Farmácia A. NOMENCLATURA CÓDIGO CH CRÉDITOS PRÉ-REQUISITO TEÓRICOS PRÁTICOS IBM029 120 4 2 Não há B.

Leia mais

EXERCÌCIOS GLOBAIS. - as células 3 são duas vezes mais numerosas do que as 2; - as células 4 são duas vezes mais numerosas do que as 3;

EXERCÌCIOS GLOBAIS. - as células 3 são duas vezes mais numerosas do que as 2; - as células 4 são duas vezes mais numerosas do que as 3; EXERCÌCIOS GLOBAIS 1. Atente às figuras 1 e 2 e responda às questões que se seguem: A fig.1 mostra um corte esquemático de uma estrutura estudada e a sua análise mostra que: - as células 3 são duas vezes

Leia mais

A análise do gráfico permite concluir que

A análise do gráfico permite concluir que 37 e BIOLOGIA A análise do gráfico permite concluir que a) na época do nascimento a criança não está protegida, pois produz poucos anticorpos. b) antes do nascimento o feto nunca produz anticorpos. c)

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes A) Coração B) Vasos Sanguíneos Coração É um órgão muscular tetracavitário (4 cavidades); Situado no centro do tórax, entre os pulmões; Tamanho de um mão fechada e pesa cerca de 300 gramas;

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS

Sistema Circulatório. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS Sistema Circulatório Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS SISTEMA VASCULAR SANGUÍNEO SISTEMA VASCULAR LINFÁTICO SISTEMA VASCULAR SANGUÍNEO Esse sistema transporta

Leia mais

Intestino Delgado: Funções e porções: Mucosa aumento de superfície: Pregas: Vilosidades: Microvilosidades: Glândulas ou Criptas de Liberkuhn: Células absortivas: Célula caliciforme: Célula de Paneth: Células

Leia mais

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica.

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica. Aula n ọ 05 01. A meiose é um processo de divisão celular que ocorre na natureza e que visa à produção de esporos ou gametas. Esta divisão celular produz células-filhas com a metade dos cromossomos da

Leia mais