Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde"

Transcrição

1 Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde Valéria Farinazzo Martins Salvador Mozart Britto Lincoln de Assis Moura Jr. Jorge Rady de Almeida Junior

2 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

3 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

4 Introdução A gestão do conhecimento tem sido um dos temas mais abordados nos últimos tempos. A informação passa a ser o recurso estratégico mais valioso dentro de uma organização

5 Introdução A qualidade de dados começa a ganhar visibilidade nas organizações Questões de qualidade de dados são grandes causadoras de perda de dinheiro, tempo e oportunidades. Pesquisa recente de 599 empresas pela PricewaterhouseCoopers : Prejuízo de mais de U$ 1.4 bilhões por ano devido à gestão de dados pobres

6 Introdução Porém, a maioria das pessoas não consegue perceber a magnitude do impacto deste problema nas organizações. Atividades de correção, re-trabalho e reprocessamento de pedidos são tidos como parte da vida da empresa

7 Introdução A tecnologia tem evoluído constantemente: SGBDs DataWarehouse, DataMining Suporte à Decisão Replicação de dados Segurança Porém muito pouca coisa tem sido feita com relação aos dados propriamente dito.

8 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

9 Qualidade de Dados Adequação ao uso implica que o conceito de qualidade dos dados é relativo. O controle da qualidade em bases de dados envolve todas as etapas do tratamento da informação, desde a sua criação até o uso final. Nenhum sistema de informação tem qualidade de dados 100%

10 Qualidade de Dados - Dimensões A qualidade de dados pode ser medida através de um número de dimensões Preciso Em tempo Relevante Completo Simples/Compreensível Confiável

11 Qualidade de Dados Impacto da Baixa Qualidade Custo de Re-processamento de Transação Custo incorrido na Implementação de novos Sistemas Demora na entrega de dados para tomadores de decisão Perda de Clientes por serviços ruins Produção perdida pela falta do dado certo na hora certa ( To Err is Human )

12 Qualidade de Dados Fontes de Problemas de Qualidade Entrada de Dados Inicial com Problema: Digitação errada, seleção errada de um item num formulário, valores corretos em campos errados, campos no formulário que confundem o usuário; Erros intencionais. Deterioração Dados que inicialmente estavam corretos, mas com o passar do tempo tornaram-se inadequados Perda de Integridade Crash de Sistema

13 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento

14 Programa de Qualidade de Dados Objetivo: Minimizar problemas de qualidade de dados aplicando metodologia de Gerenciamento de Qualidade Total nos Dados (GQTD) Analogia: Programa de Qualidade em: Fábrica produtos manufaturados Fábrica de Produtos de Informação (PI)

15 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

16 Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados IQMM Modelo de Maturidade de Gerenciamento de Qualidade de Informação Aderente ao modelo CMMI Proposto por Larry English em 2002 Composto de 5 estágios em nível crescente de qualidade de informação

17 Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Estágio 1 Incerteza: Não sabemos porque nós temos problemas com qualidade de informação

18 Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Estágio 2 Despertar: É absolutamente necessário sempre conviver com problemas de qualidade de informação?

19 Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Estágio 3 Iluminação: Através do comprometimento da gerência e melhorias de qualidade de dados, estamos identificando e resolvendo os problemas

20 Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Estágio 4 Sabedoria: A prevenção de problemas de qualidade de informação já faz parte no nosso dia a dia

21 Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Estágio 5 Certeza: Nós sabemos porque não temos problemas com qualidade de informação

22 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

23 Gestão do Conhecimento Gestão de Conhecimento é o processo que consiste na coleta e armazenamento, de modo sistemático, do conhecimento adquirido, além do compartilhamento deste conhecimento através de uma memória organizacional e a promoção do surgimento de novo conhecimento essencial para a organização atingir seus objetivos

24 Gestão do Conhecimento Coleta de dados Armazenamento Utilização

25 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento

26 Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento O sucesso de um gerente pode ser medido pela qualidade e quantidade de suas decisões, que vão depender de sua eficiência na utilização de informações. A chave para o sucesso é obter informações úteis e exatas disponíveis no momento certo (BORGES, 1995).

27 Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento A tomada de decisão depende de informações com conteúdo adequado e confiável; Bancos de dados não apropriados ou repletos de dados não relevantes e imprecisos.

28 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

29 Fonte: Leão e Costa, 2004

30 Fonte: Leão e Costa, 2004

31 Fonte: Leão e Costa, 2004

32 Fonte: Leão e Costa, 2004

33 Descrição de uma doença por Hipocrátes Fonte: Leão e Costa, 2004

34 Prontuário em Papel Fonte: Leão e Costa, 2004

35 Prontuário do Paciente

36 Estudo de Caso: Dados médicos Gestão de conhecimento para o PEP: protocolos clínicos gerados a partir de dados comprovadamente positivos de diagnósticos, exames, tratamentos e prescrições; alertas sobre combinação de medicamentos errados; experiências de médicos relatadas no PEP; casos clínicos dentro e fora do hospital; casos semelhantes; etc.

37 Problemas de Qualidade de dados médicos Dados extremamente variados Muito pouco estruturados Advém de empresas muito complexas (serviço de saúde) Volumosos

38 Problemas de Qualidade de dados médicos A precisão dos dados é comprometida por: preenchimento oportuno de campos, preenchimentos incorretos Digitação incorreta Reentrada de dados em diferentes sistemas causando inconsistências ou duplicidades Design ruim das interfaces dos sistemas, com campos que confundem os usuários

39 Problemas de Qualidade de dados médicos Falta de comprometimento e entendimento por parte dos usuários do sistema sobre a necessidade de se registrar as informações no momento em que o fato ocorre. Difícil identificação da relevância dos dados. Falta de completeza

40 Problemas de Qualidade de dados médicos A grande maioria dos sistemas em saúde não possui um bom design de interface, necessitando um grande esforço cognitivo de pessoas, muitas vezes, leigas na utilização de sistemas computadorizados.

41 Roteiro Introdução Qualidade de Dados Programa de Qualidade de Dados Modelo de Avaliação de Qualidade de Dados Gestão do Conhecimento Qualidade de Dados e Gestão do Conhecimento Estudo de Caso: Qualidade de dados médicos para Gestão do Conhecimento Conclusões

42 Conclusões A qualidade de dados começa a ganhar ênfase nas organizações É preciso aplicar programas de qualidade de dados Os dados em saúde estão longe de terem uma qualidade assegurada Sem qualidade, a gestão do conhecimento está comprometida.

43 Referências ENGLISH, Larry Information Quality Management Maturity: Toward The Intelligent Learning Organization, White Paper, Web Site, 2002 LOSHIN, David Enterprise Knowledge Management The Data Quality Approach Academic Press 2001 MASSAD, E., MARIN, H.F., AZEVEDO, R. S. O Prontuário do Paciente na Assistência, Informação e Conhecimento Médico. São Paulo. USP, O LEARY, D. E.. Enterprise Knowledge Management. IEEE Computer. N. York, v. 31, n. 3, p.54-61, mar OLSON, Jack E. Data Quality The accuracy dimension. San Francisco, CA: Morgan Kaufmann Publishers, 2003, ISBN: , 2003.

44 Referências ORR, Ken. Data Quality and Systems Theory. Communications of the ACM, V 41 no 2 february 98 REDMAN, Thomas C. The Impact of Poor Data Quality on the Typical Enterprises. Communications of the ACM, V. 41, no 2., february, 1998 TAYI, Giri, T., BALLOU, Donald P. Examining Data Quality. Communications of the ACM, V. 41, no 2., february, WANG, Richard Y. A Product Perspective on Total Data Quality Management. Communications of the ACM, V. 41, no 2., february, 1998.

Qualidade de Dados em Data Warehouse

Qualidade de Dados em Data Warehouse Qualidade de Dados em Data Warehouse Prof. Dr. Jorge Rady de Almeida Jr. Escola Politécnica da USP C/1 Relevância do Tema Principal motivação p/ manter alta QD: impactos nos lucros DW: tomada de decisões

Leia mais

Pós-Graduanda do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço- UNIFESP Especialista em Informática em Saúde- Universidade

Pós-Graduanda do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço- UNIFESP Especialista em Informática em Saúde- Universidade Pós-Graduanda do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço- UNIFESP Especialista em Informática em Saúde- Universidade Aberta do Brasil UAB - UNIFESP Introdução Estuda a prevenção,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Cláudia Batista Melo 1, 2, Ulrich Schiel 3, Lourdes Mattos Brasil 4, Edilson

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

COPPE/UFRJ. Ana Regina Rocha. Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

COPPE/UFRJ. Ana Regina Rocha. Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Gerência do Conhecimento Porque é importante para empresas de software Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Três Níveis de Conhecimento Dados Informação Dados organizados para

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz Indicadores de Desempenho da Fase Analítica Fernando de Almeida Berlitz Ishikawa Estratégia e Medição PARA QUEM NÃO SABE PARA ONDE VAI, QUALQUER CAMINHO OS SERVE... Processos PROCESSOS Não existe um produto

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Enfermagem

Programa de Pós Graduação em Enfermagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós Graduação em Enfermagem GIATE - Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem Mestranda: Camila Rosalia Antunes

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Programa Integrado de Melhoria de Processos de Desenvolvimento de Software Carol Passos

Programa Integrado de Melhoria de Processos de Desenvolvimento de Software Carol Passos Setembro/ 2006 Programa Integrado de Melhoria de Processos de Desenvolvimento de Software Carol Passos PBQP Software - EQPS Fortaleza Agenda Contexto do Programa de Melhoria de Processos da Unitech Objetivos

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

Capítulo 1. Introdução a Cochrane. Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane

Capítulo 1. Introdução a Cochrane. Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane Capítulo 1 Introdução a Cochrane Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane Objetivo Ajudar na tomada de decisão sobre à saúde preparando, mantendo e promovendo revisões sistemáticas. Ciência

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO

RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO RECURSOS E ATIVIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO COMPONENTES DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A figura abaixo ilustra os componentes de um Sistema de Informação. 2 Conceitos de Sistema de Informação (SI) vistos

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 02 SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL Valorização das características humanas; Querer Fazer (atitude, determinação, interesse); Saber como fazer (habilidade, técnica); Saber o que e porque

Leia mais

Charles Sales Bicalho. Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo

Charles Sales Bicalho. Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo PROCESSOS DA ITIL: APLICAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE Charles Sales Bicalho Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Trabalhos

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Capítulo 5. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gerenciamento da Informação e de Bancos de Dados 5.1 Laudon, Cap. 5 OBJETIVOS DE ESTUDO Descrever como um banco de dados relacional organiza os dados

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A2 DATA 02/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

Qualidade de Dados e Segurança da Informação QUALIDADE DE DADOS

Qualidade de Dados e Segurança da Informação QUALIDADE DE DADOS Qualidade de Dados e Segurança da Informação QUALIDADE DE DADOS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Qualidade de dados... 5 3. Métricas para avaliar a qualidade da informação...

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009

Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009 Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009 Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Diferença entre projetos e operação O que uma organização procura em uma metodologia

Leia mais

Sistema de Informação dos Pontos de Cultura SIPCult

Sistema de Informação dos Pontos de Cultura SIPCult Sistema de Informação dos Pontos de Cultura SIPCult Information System of Pontos de Cultura - SIPCult Brasil 2010 Instituto Lidas Pontão Nós Digitais 2 "A cultura é uma necessidade imprescindível de toda

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas Resolução de Problemas É preciso que o tempo médio entre as falhas sejam o menor possível. É preciso que o tempo médio de resolução de um problema seja o menor possível Qualquer manutenção na rede tem

Leia mais

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING?

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? AUTOMAÇÃO DE MARKETING AJUDA A Fechar mais negócios Atrair mais potenciais clientes Entregue mais clientes já qualificados para a equipe de vendas e feche mais negócios

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Iniciando a Gestão de Dados de Produtos

Iniciando a Gestão de Dados de Produtos Siemens PLM Software Iniciando a Gestão de Dados de Produtos White Paper Principais recursos e benefícios de um sistema PDM As empresas implementam sistemas de gestão de dados de produtos (product data

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES Tiago Volpato 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1, Jaime William Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com, ricardo@unipar.br,

Leia mais

Checklist de Projeto de Data Warehouse

Checklist de Projeto de Data Warehouse Checklist de Projeto de Data Warehouse Prof. Dr. Jorge Rady de Almeida Jr. Escola Politécnica da USP F/1 Revisão de Projeto Design Review Após uma área de interesse tenha sido projetada e posta em operação

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso de problemas não-rotineiros e

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

Implementando o Nível G do MR-MPS-SV com base no conceito de Central de Serviços

Implementando o Nível G do MR-MPS-SV com base no conceito de Central de Serviços IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Implementando o Nível G do MR-MPS-SV com base no conceito de Central de Serviços Adriana Silveira de Souza Juliano Lopes de Oliveira Ramon Gouveia Rodrigues Contexto

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

A apresentação através de fluxos lógicos consegue mostrar mal entendidos e pontos que são controversos.

A apresentação através de fluxos lógicos consegue mostrar mal entendidos e pontos que são controversos. Módulo 5 Análise Estruturada As dificuldades que são causadas por problemas de comunicação, mudanças de requisitos e técnicas inadequadas de avaliação, tornam a análise estruturada uma fase critica no

Leia mais

1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO?

1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO? Brasília, 11 de abril de 2012 I. ANTECEDENTES 1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO? 2002 Início dos estudos sobre Gestão do Conhecimento 2003 2007. Estudos e pesquisas realizados no Ipea: 2004. Governo que aprende:

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

ECM/BPM: Tecnologias Aplicadas para Comunidades Sustentáveis na Área de Saúde

ECM/BPM: Tecnologias Aplicadas para Comunidades Sustentáveis na Área de Saúde ECM/BPM: Tecnologias Aplicadas para Comunidades Sustentáveis na Área de Saúde 6º Congresso Brasileiro de Gestão em Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde Jurandyr Silva Filho Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos 1 Engenharia de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Prof Ms Vinícius Costa de Souza www.inf.unisinos.br/~vinicius 2 Agenda Introdução Requisitos voláteis x estáveis Identificação Armazenamento Gerenciamento

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

SISTEMA DE APOIO GERENCIAL COM FOCO NA PRÁTICA DE TREINAMENTO ORGANIZACIONAL BASEADO NO MODELO CMMI. Werinton Ferrari Orientador: Wilson Pedro Carli

SISTEMA DE APOIO GERENCIAL COM FOCO NA PRÁTICA DE TREINAMENTO ORGANIZACIONAL BASEADO NO MODELO CMMI. Werinton Ferrari Orientador: Wilson Pedro Carli SISTEMA DE APOIO GERENCIAL COM FOCO NA PRÁTICA DE TREINAMENTO ORGANIZACIONAL BASEADO NO MODELO CMMI Werinton Ferrari Orientador: Wilson Pedro Carli 1 Roteiro da Apresentação 1. Introdução e Objetivos 2.

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

(im)paciente: Sistema de avaliação da qualidade da assistência dos prestadores de serviços de saúde pela perspectiva do usuário

(im)paciente: Sistema de avaliação da qualidade da assistência dos prestadores de serviços de saúde pela perspectiva do usuário (im)paciente: Sistema de avaliação da qualidade da assistência dos prestadores de serviços de saúde pela perspectiva do usuário Relatório de execução do teste da ferramenta Introdução Uma breve contextualização...

Leia mais

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Integração do Sistema de Informações Hospitalares(HIS) com o Sistema de Transmissão, Distribuição e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Instituto tuto do Coração de São

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade III GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais