PLANO DE CURSO DISCIPLINA: QUÍMICA ANO: 2016 PROFESSOR (A): CECÍLIA CASTRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CURSO DISCIPLINA: QUÍMICA ANO: 2016 PROFESSOR (A): CECÍLIA CASTRO"

Transcrição

1 Escola Estadual Virgínio Perillo venida José Bernardes Maciel, 471 Marília, Lagoa da Prata-MG Fone: (37) PLNO DE URSO DSPLN: QUÍM NO: 2016 PROFESSOR (): EÍL STRO ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

2 1º NO EM TÓPO HBLDDES NÍVEL 1. MTERS E SUS MUDNÇS História do desenvolvimento da química. Materiais mais abundantes no planeta e sua importância para a vida. Métodos de separação de misturas Mudanças de estado físico. 2. RTERZÇÃO DS SUBSTÂNS Propriedades físicas. Uso de linguagem química na identificação de substâncias 1.1. Reconhecer, através de seu histórico, que a química é uma ciência dinâmica e não estática Reconhecer a origem e ocorrência de materiais dentificar propriedades específicas e a diversidade dos materiais Entender como são constituídas as substâncias puras e as misturas aracterizar, a partir do uso de modelos, os estados físicos dos materiais ompreender e nomear as mudanças de fase onstruir e analisar gráficos relativos às mudanças de fase Relacionar o tipo de processo de separação com as características dos materiais dentificar métodos físicos de separação em situações problemas e os equipamentos mais utilizados para separação de misturas dentificar as propriedades físicas: temperaturas de fusão e ebulição, densidade e solubilidade Reconhecer que a constância das propriedades específicas dos materiais (TF, TE, densidade e solubilidade) serve como critério de pureza dos materiais e auxiliam na identificação dos materiais plicar o conceito de densidade em situações práticas plicar o conceito de solubilidade em situações práticas Prever a solubilidade de uma substância por meio de curvas de solubilidade Diferenciar misturas de substâncias puras a partir das propriedades específicas Reconhecer a ocorrência de uma transformação química, sabendo representá-la por meio de equações químicas. BMESTRE PREVSTO 1º BMESTRE (8 aulas) 1º BMESTRE (11 aulas) ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

3 3. MODELOS DE ONSTTUÇÃO E ORGNZÇÃO DS SUBSTÂNS Modelos atômicos Elementos químicos, isótopos e grandezas atômicas 4. PREVSBLDDE DE PROPREDDES FÍSS E QUÍMS PRTR DO ENTENDMENTO D TBEL PERÓD Organização dos elementos na Tabela periódica. Variação de suas propriedades nos períodos e colunas. 5. FORMÇÃO DE NOVS SUBSTÂNS POR REÇÕES QUÍMS Ligação metálica. Ligação iônica. Ligação covalente onhecer, de forma geral, a história do desenvolvimento das ideias e das tecnologias, empregadas em seu tempo, que levaram à elaboração de cada um dos modelos Empregar os modelos atômicos na explicação de alguns fenômenos Representar um elemento químico qualquer a partir de seu símbolo e número atômico Representar as partículas do átomo: prótons, elétrons e nêutrons ompreender a formação de íons 3.6. Reconhecer e diferenciar: isótopos, isótonos, isóbaros Usar a Tabela Periódica para reconhecer os elementos, seus símbolos e as características de substâncias elementares ompreender as propriedades periódicas Entender as ligações químicas 5.2. Relacionar as propriedades das substâncias com suas respectivas ligações químicas 1º BMESTRE (8 aulas) 2º BMESTRE (13 aulas) 3º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

4 6. FORMÇÃO DE SOLUÇÕES QUOSS E SUBSTÂNS ENVOLVDS Substâncias moleculares em solução. Evidências de uma reação química. Representação simbólica das reações. 7. OMPORTMENTO ÁDO OU BÁSO DE SUBSTÂNS Substâncias elementares que geram hidróxidos Hidrácidos e ácidos e uso de indicadores; Ácidos e bases de rrhenius Reações de neutralização Total: 80 aulas/ano NÍVEL: ( ) NTRODUZR ( ) PROFUNDR ( ) ONSOLDR Entender características apresentadas por compostos moleculares e iônicos em solução aquosa Prever a geometria das moléculas 6.3. Entender a polaridade das ligações e das moléculas 6.4. ompreender a conservação das massas em uma reação química, bem como a combinação entre os átomos em razões definidas 7.1. Entender ácidos e bases de rrhenius Reconhecer materiais de uso comum que apresentem comportamento ácido, básico e neutro ssociar o caráter ácido, básico e neutro ao valor de ph Reconhecer alguns indicadores mais comuns e seus comportamentos em meio ácido, básico e neutro Ser capaz de reconhecer e entender reações de neutralização 3º BMESTRE (13 aulas) 4º BMESTRE (23 aulas) ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

5 SÉRE/NO: 2º NO TÓPOS HBLDDES NÍVEL 8. Reconhecer substâncias metálicas por meio de suas propriedades e usos 9. Reconhecer os constituintes dos metais e sua representação por meio de fórmulas. 10. aracterizar as substâncias metálicas por meio de modelos. 11. Reconhecer substâncias iônicas por meio de suas propriedades e usos. 12. Reconhecer os constituintes das substâncias iônicas e sua representação por meio de fórmulas Relacionar as propriedades aos usos das substâncias e ligas metálicas Exemplificar as ligas metálicas mais importantes: bronze, amálgamas, latão, aço. Explicitar seus usos mais comuns Relacionar os constituintes das substâncias metálicas aos elementos e sua posição na Tabela Periódica e compreender a sua tendência a formar cátions ompreender o modelo de ligação metálica Exemplificar as substâncias iônicas mais importantes como, por exemplo, cloretos, carbonatos, nitratos e sulfatos e suas propriedades Relacionar as propriedades aos usos das substâncias iônicas Propor experimentos simples que envolvam propriedades das substâncias iônicas Reconhecer as espécies químicas (íons) que constituem as substâncias iônicas mais comuns Relacionar os constituintes das substâncias iônicas aos elementos e sua posição na Tabela Periódica dentificar, a partir de fórmulas, substâncias iônicas. BMESTRE PREVSTO 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE (3 aulas) ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

6 13. aracterizar as substâncias iônicas por meio de modelos. 14. Reconhecer sólidos covalentes por meio de suas propriedades e usos. 15. Reconhecer os constituintes dos sólidos covalentes e sua representação por meio de fórmulas. 16. aracterizar os sólidos covalentes por meio de modelos 17. Reconhecer substâncias moleculares por meio de suas propriedades e usos. 18. Reconhecer os constituintes das substâncias moleculares e sua representação por meio de fórmulas. 19. ompreender a polaridade de moléculas ompreender o modelo de ligação iônica Exemplificar os sólidos covalentes mais importantes e suas propriedades Relacionar as propriedades aos usos dos sólidos covalentes Relacionar os constituintes dos sólidos covalentes aos elementos e sua posição na Tabela Periódica dentificar, a partir de fórmulas, sólidos covalentes ompreender o modelo de ligação covalente Relacionar as propriedades aos usos das substâncias moleculares Propor experimentos simples que envolvam propriedades das substâncias moleculares Relacionar os constituintes das substâncias moleculares aos elementos e sua posição na Tabela Periódica Reconhecer que, na constituição de substâncias moleculares, pode ocorrer o fenômeno de polarização de cargas elétricas, em função da arquitetura molecular e do tipo de átomo constitutivo da substância 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

7 20. ompreender modelos de interações intermoleculares. 21. Explicar o fenômeno da solubilidade para substâncias moleculares. 22. Relacionar o modelo de interações intermoleculares com propriedades e transformações envolvendo substâncias moleculares. 23. Reconhecer o comportamento ácido, básico e neutro de materiais. 24. Saber como são constituídas as substâncias aracterizar as interações intermoleculares (dipolo permanente -dipolo instantâneo -dipolo induzido, ligação de hidrogênio) ompreender as características do modelo de interações intermoleculares dentificar a relatividade da intensidade das interações nas substâncias moleculares ompreender a relação entre o fenômeno da solubilidade e os modelos explicativos Sugerir explicações sobre a solubilidade das substâncias moleculares em água e em outros solventes familiares Explicar a solubilidade das substâncias moleculares em solventes polares e apolares Explicar os valores das temperaturas de fusão e ebulição dessas substâncias tendo em vista as suas estruturas Reconhecer materiais de uso comum que apresentem comportamento ácido, básico e neutro ssociar o caráter ácido, básico e neutro ao valor de ph Reconhecer alguns indicadores mais comuns e seus comportamentos em meio ácido, básico e neutro Reconhecer os principais ácidos, bases sais e óxidos dentificar as principais diferenças entre materiais de natureza orgânica e inorgânica. 2º BMESTRE (6 aulas) 2º BMESTRE 2º BMESTRE 2º BMESTRE (6 aulas) 2º BMESTRE 25. onceituar a grandeza ompreender e efetuar cálculos que envolvam as grandezas: quantidade de matéria, massa molar, volume molar e constante de vogadro. 3º BMESTRE (6 aulas) ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

8 26. Reconhecer relações entre quantidades de massa e volume envolvidas em uma solução. 27. ompreender informações contidas em rótulos relacionadas a soluções 28. ompreender os aspectos relacionados à quantidade de energia absorvida ou liberada no fenômeno da dissolução. 29. dentificar os fenômenos de volatilidade e pressão de vapor ompreender a relação entre as quantidades de massa envolvidas nas soluções: concentração em g/l alcular a concentração de soluções em g/l nterpretar dados sobre a concentração de soluções expressa nas unidades g/l ompreender a relação entre as quantidades de massa envolvidas nas soluções: concentração percentual alcular a concentração de soluções em percentual nterpretar dados sobre a concentração de soluções expressa em percentual ompreender unidades de concentrações expressas em rótulos nterpretar dados sobre a concentração de soluções expressas em rótulos e relacioná-las à concentração em g/l e percentual alcular a quantidade de calor absorvida ou liberada na dissolução aquosa de substâncias Explicar a dissolução aplicando o modelo cinético molecular e de interações intermoleculares dentificar as razões e os efeitos de variações de pressão sobre a volatilidade e pressão de vapor de líquidos voláteis. 3º BMESTRE (6 aulas) 3º BMESTRE 3º BMESTRE 4º BMESTRE 30. Reconhecer os processos que alteram os valores da temperatura de ebulição e congelamento de substâncias líquidas. 31. ompreender aspectos relacionados à energia envolvida na dissolução de substâncias dentificar as razões e os efeitos de variações da temperatura de ebulição e congelamento de líquidos ompreender que a dissolução de substâncias envolve variação de energia dentificar as variações de energia nas representações de processos de dissolução e nas mudanças de fase. 4º BMESTRE 4º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

9 32. ompreender que há calor envolvido nas transformações de estado físico e transformações químicas. 33. dentificar transformações endotérmicas e exotérmicas. 34. Saber que para cada TQ existe um valor de energia associado. 35. Reconhecer a variação na velocidade das TQ Saber que nas TQ a energia térmica do sistema inicial pode ser diferente da energia do sistema do final Reconhecer, por meio de experimentos simples, quando há produção ou consumo de calor em uma TQ Saber diferenciar processo endotérmico de exotérmico Reconhecer que toda TQ ocorre com consumo ou com produção de energia Reconhecer que em toda TQ ocorre absorção e produção de energia por causa do rearranjo dos átomos Distinguir TQ endotérmica e exotérmica pela quantidade de calor gerada ou absorvida ao final do processo Reconhecer que as TQ podem ocorrer em diferentes escalas de tempo. 4º BMESTRE 4º BMESTRE 4º BMESTRE (3 aulas) 4º BMESTRE 36. dentificar fatores que afetam a velocidade das TQ: temperatura. 37. dentificar fatores que afetam a velocidade das TQ: superfície de contato Reconhecer que a modificação na temperatura afeta a velocidade das TQ dentificar o efeito da variação da temperatura sobre a velocidade de TQ por meio de execução ou descrições de experimentos nalisar o efeito da temperatura na velocidade de TQ por meio de gráficos Reconhecer que a modificação na superfície de contato afeta a velocidade das TQ dentificar o efeito da modificação na superfície de contato sobre a velocidade de TQ por meio de execução ou descrições de experimentos nalisar o efeito da superfície de contato na velocidade de TQ por meio de gráficos 4º BMESTRE 4º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

10 38. dentificar fatores que afetam a velocidade das TQ: concentração. 39. aracterizar a variação da velocidade das TQ por meio de modelo explicativo. TOTL: 80 ULS/NO NÍVEL: ( ) NTRODUZR ( ) PROFUNDR ( ) ONSOLDR Reconhecer que a modificação na concentração afeta a velocidade das TQ dentificar o efeito da variação da concentração sobre a velocidade de TQ por meio de execução ou descrições de experimentos nalisar o efeito da concentração na velocidade de TQ por meio de gráficos Utilizar a teoria das colisões para explicar a ocorrência de transformações químicas em diferentes escalas de tempo Reconhecer o papel dos catalisadores nas reações químicas. 4º BMESTRE 4º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

11 SÉRE/NO: 3º NO TÓPOS HBLDDES NÍVEL 41. Reconhecer a variação na velocidade das TQ Reconhecer que as TQ podem ocorrer em diferentes escalas de tempo. BMESTRE PREVSTO 1º BMESTRE 42. dentificar fatores que afetam a velocidade das TQ: temperatura. 43. dentificar fatores que afetam a velocidade das TQ: superfície de contato. 44. dentificar fatores que afetam a velocidade das TQ: concentração Reconhecer que a modificação na temperatura afeta a velocidade das TQ dentificar o efeito da variação da temperatura sobre a velocidade de TQ por meio de execução ou descrições de experimentos nalisar o efeito da temperatura na velocidade de TQ por meio de gráficos Reconhecer que a modificação na superfície de contato afeta a velocidade das TQ dentificar o efeito da modificação na superfície de contato sobre a velocidade de TQ por meio de execução ou descrições de experimentos nalisar o efeito da superfície de contato na velocidade de TQ por meio de gráficos Reconhecer que a modificação na concentração afeta a velocidade das TQ dentificar o efeito da variação da concentração sobre a velocidade de TQ por meio de execução ou descrições de experimentos nalisar o efeito da concentração na velocidade de TQ por meio de gráficos. 1º BMESTRE 1º BMESTRE 1º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

12 45. aracterizar a variação da velocidade das TQ por meio de modelo explicativo. 46. dentificar fatores que afetam o equilíbrio e usar o Princípio de Le hatelier. 47. Reconhecer o equilíbrio iônico H+ e OH- (ph e poh). 48. ompreender que as soluções apresentam comportamento ácido, básico ou neutro Utilizar a teoria das colisões para explicar a ocorrência de transformações químicas em diferentes escalas de tempo Reconhecer o papel dos catalisadores nas reações químicas dentificar os fenômenos que concorrem para que uma reação química seja reversível ou não Reconhecer o equilíbrio químico nas reações químicas e fazer previsões sobre sua mudança Prever o sentido do deslocamento de um equilíbrio químico, aplicando o Princípio de Le hatelier dentificar os fatores que afetam o estado de equilíbrio, a partir de equações que representam sistemas em equilíbrio Utilizar tabelas de constantes de equilíbrio para identificar ou fazer previsões sobre o comportamento de substâncias nas reações químicas dentificar ácidos e bases fortes de ácidos e bases fracos, com base em constantes de equilíbrio Escrever a equação de dissociação de ácidos e bases e a correspondente expressão da constante de equilíbrio Propor e/ou executar procedimentos simples para a identificação do caráter ácido, básico ou neutro de soluções por meio de indicadores Representar ou identificar, por meio de equações ou fórmulas químicas, sistemas que apresentem caráter ácido, básico ou neutro. 1º BMESTRE (8 aulas) 2º BMESTRE (8 aulas) 2º BMESTRE 2º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

13 49. onceituar ph e poh. 50. Reconhecer as substâncias que apresentam as principais funções orgânicas e algumas de suas características. 51. Reconhecer sabões e detergentes mais comuns 52. Reconhecer polímeros mais comuns ompreender os procedimentos utilizados para calcular valores de ph e poh, partindo de concentrações de H+ (H3O+) e OH, e vice-versa dentificar o caráter ácido ou básico de uma solução a partir de valores de ph Utilizar fórmulas para determinação de ph e poh a partir da concentração de suas soluções dentificar e utilizar fórmulas para determinação de ph de ácidos e bases a partir dos valores da concentração de suas soluções dentificar o grupo funcional das substâncias orgânicas mais comuns (hidrocarbonetos, alcoóis, fenóis, cetonas, aldeídos, éter, ésteres, ácidos carboxílicos, amidas e aminas) Relacionar as propriedades físicas de diferentes substâncias orgânicas ao modelo de interações intermoleculares dentificar as fórmulas estruturais de sabões e detergentes mais comuns Relacionar a ação de sabões com as propriedades dos grupos funcionais presentes em suas estruturas, considerando as interações intermoleculares Reconhecer as fórmulas estruturais de alguns polímeros mais comuns dentificar o uso de alguns polímeros como: celulose, polietileno, poliestireno, PV, náilon e borrachas. 2º BMESTRE 3º BMESTRE (8 aulas) 3º BMESTRE 3º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

14 53. Reconhecer o petróleo como fonte de combustíveis fósseis. 54. Saber que reações de combustão e queima de combustíveis fósseis liberam energia. 55. ssociar aquecimento global com a queima de combustíveis fósseis Reconhecer o petróleo como combustível fóssil onhecer o uso do petróleo como fonte esgotável de energia onhecer os principais derivados do petróleo, como, por exemplo, os combustíveis e os plásticos Relacionar aspectos do uso industrial dos derivados de petróleo com os impactos ambientais Relacionar aspectos do uso social dos derivados de petróleo com os impactos ambientais Reconhecer reações de combustão Saber que reações de combustão liberam energia Entender que os produtos de uma reação de combustão são substâncias cuja energia associada é menor do que a das substâncias reagentes onhecer as fórmulas de alguns combustíveis mais comuns, como os hidrocarbonetos onhecer as fórmulas de alguns combustíveis mais comuns, como o álcool etílico ssociar efeito estufa com a queima de combustíveis fósseis onhecer os processos físico-químicos que provocam o efeito estufa Reconhecer nos produtos de combustão dos derivados de petróleo aquelas substâncias comuns que provocam o efeito estufa Relacionar os fenômenos de efeito estufa e de quecimento Global. 3º BMESTRE (3 aulas) 3º BMESTRE (3 aulas) 4º BMESTRE ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

15 56. Transformações que envolvem produção de energia. 57. Transformações que envolvem consumo de energia. TOTL: 80 ULS/NO NÍVEL: ( ) NTRODUZR ( ) PROFUNDR ( ) ONSOLDR ompreender o princípio básico de funcionamento de uma pilha eletroquímica Representar as TQ por meio de semi-reações onsultar tabelas de potencial eletroquímico para fazer previsões da ocorrência das transformações ompreender os procedimentos utilizados para efetuar cálculos de força eletromotriz de pilhas onhecer os constituintes e o funcionamento básico das pilhas e das baterias mais comuns onhecer o impacto ambiental gerado pelo descarte de pilhas e das baterias no ambiente ompreender o princípio básico de funcionamento de uma eletrólise Exemplificar o processo de eletrólise a partir de processos de obtenção de alumínio onhecer o impacto ambiental gerado pelo processo de obtenção do alumínio 4º BMESTRE (10 aulas) 4º BMESTRE (6 aulas) ESOL ESTDUL VRGÍNO PERLLO PLNO DE URSO

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA / DISCIPLINA:

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA / DISCIPLINA: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: Ciências da Natureza / Química Professora: Jânia Mara ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1º 2 80 COMPETÊNCIA GERAL: Reconhecer,

Leia mais

3. Misturas, Substâncias Simples e Compostas e Processos de Separação de Misturas.

3. Misturas, Substâncias Simples e Compostas e Processos de Separação de Misturas. Conteúdo 1. Elementos, modelos atômicos e representações: modelos atômicos de Dalton, Tomson, Rutherford-Bohr. Elemento químico. Número atômico e número de massa. Prótons, elétrons e nêutrons. Distribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ QUIMICA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ QUIMICA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ QUIMICA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA EIXO-TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDO Descrever as transformações químicas em linguagem

Leia mais

Cronograma de Aulas 1º SEMESTRE. Data Frente Aula Professor 05/03 e 12/03

Cronograma de Aulas 1º SEMESTRE. Data Frente Aula Professor 05/03 e 12/03 Faculdade de Odontologia de Araçatuba Cursinho Daca Cronograma de Aulas 1º SEMESTRE Área de Conhecimento: Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Curso: Extensivo Disciplina: Química Data Frente Aula Professor

Leia mais

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular)

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Os conteúdos conceituais de Química estão distribuídos em 5 frentes. Química Extensivo A)Meio ambiente; estrutura atômica; Classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO - QUÍMICA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO - QUÍMICA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO - QUÍMICA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA. VIDA E AMBIENTE CONTEÚDO COMPETÊNCIAS HABILIDADES - Aplicar conhecimentos sobre a evolução dos

Leia mais

Plano de Curso: 2009 Área: Curso Técnico: Química C. Horária: 60 Módulo/Disciplina: QUÍMICA GERAL Professor: Período: 1º Nº Aulas: 04

Plano de Curso: 2009 Área: Curso Técnico: Química C. Horária: 60 Módulo/Disciplina: QUÍMICA GERAL Professor: Período: 1º Nº Aulas: 04 Plano de Curso: 2009 Área: Curso Técnico: Química C. Horária: 0 Módulo/Disciplina: QUÍMICA GERAL Professor: Período: 1º Nº Aulas: 0 COMPETÊNCIAS HABILIDADES BASES TECNOLÓGICAS Nº aulas Introduzir uma visão

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA

DISCIPLINA DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo.

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo. Comparativos curriculares SM Química Ensino médio Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo Apresentação Professor, Devido à inexistência

Leia mais

Luis Eduardo C. Aleotti. Química. Aula 61 - Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos

Luis Eduardo C. Aleotti. Química. Aula 61 - Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos Luis Eduardo C. Aleotti Química Aula 61 - Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos PROPRIEDADES FÍSICAS O que é? - Características da matéria, determinadas de forma experimental. - Não são alteradas,

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS FONTE: Tabela Periódica da IUPAC/versão 2005(adaptada). Acesso: http://www.iupac.org/reports/periodic_table/ 25 QUESTÃO 3 Analise este quadro, em que se

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª Série

DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª Série DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª Série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

QUESTÃO 46 QUESTÃO 47 QUESTÃO 48 QUESTÃO 49 PROVA DE QUÍMICA I

QUESTÃO 46 QUESTÃO 47 QUESTÃO 48 QUESTÃO 49 PROVA DE QUÍMICA I 17 PROVA DE QUÍMICA I QUESTÃO 46 O alumínio metálico, obtido na indústria à alta temperatura na forma líquida, reage com vapor d`água da atmosfera, produzindo óxido de alumínio e gás hidrogênio, conforme

Leia mais

REVALIDAÇÃO DE ESTUDOS PLANO DE ESTUDOS. 1 Conteúdos Estruturantes e Específicos conforme Proposta Curricular:

REVALIDAÇÃO DE ESTUDOS PLANO DE ESTUDOS. 1 Conteúdos Estruturantes e Específicos conforme Proposta Curricular: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ESTADUAL DE MARINGÁ Ensino Fundamental, Médio, Normal e Profissional Resolução 3455/81 Rua Martim Afonso, n. 50 Fone: (044) 3226-4346 www.ieem.com.br REVALIDAÇÃO DE ESTUDOS PLANO

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 FÍSICO-QUÍMICA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 FÍSICO-QUÍMICA 7º ano Espaço Materiais Energia Atividades Práticas Compreender globalmente a constituição e a caracterização do Universo e do Sistema Solar e a posição que a Terra ocupa nesses sistemas. Saber associar

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Química

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Química 26. Alternativa (B) Somente os fenômenos químicos constituem uma Reação Química, portanto: I fenômeno físico. II fenômeno químico III fenômeno físico

Leia mais

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul Comparativos curriculares SM Química Ensino médio Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul Apresentação Professor, Devido à

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1999 QUESTÃO 46 Um limão foi espremido num copo contendo água e as sementes ficaram no fundo do recipiente. A seguir, foi adicionado ao sistema um pouco de açúcar, que se dissolveu

Leia mais

1ª Daniella / Marcelo

1ª Daniella / Marcelo Química 1ª Daniella / Marcelo 1ª Série E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade conhecimento químico, incluindo Reagentes, produtos e suas propriedades H1. Identificar uma substância, mistura,

Leia mais

METAIS E LIGAS METÁLICAS

METAIS E LIGAS METÁLICAS DEPARTAMENTO DE C. Físico-Químicas DISCIPLINA: Química COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 12º ano... Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização (blocos) METAIS E LIGAS METÁLICAS METAIS E LIGAS METÁLICAS

Leia mais

Sumário PREFÁCIO...13

Sumário PREFÁCIO...13 Sumário PREFÁCIO...13 CAPÍTULO 1 Operações com Grandezas e Unidades de Medida...17 Objetivos...17 1.1 Notação científica...18 1.2 Exponenciais e logaritmos...19 1.3 Grandezas físicas e unidades de medida:

Leia mais

Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos

Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos Os principais fatores que influenciam nas propriedades físicas dos compostos orgânicos são: O tamanho das moléculas; Os tipos de interação intermolecular. Temperatura de Ebulição e Fusão Quanto mais fortes

Leia mais

VIII EXAME Questões Objetivas. RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE.

VIII EXAME Questões Objetivas. RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE. Questões Objetivas RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE. Questão 01 (Peso 1) Use seus conhecimentos de estequiometria para dizer qual alternativa está

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Campus Universitário -Trindade - 88040-900 - Florianópolis - SC - Brasil Fone: (048) 3721-6852 Disciplina:

Leia mais

FUVEST 1978 Primeira fase e Segunda fase

FUVEST 1978 Primeira fase e Segunda fase FUVEST 1978 Primeira fase e Segunda fase CNECIMENTS GERAIS 61. Bolinhas de naftalina ao serem colocadas em armários, com o decorrer do tempo, diminuem de tamanho. A causa desse comportamento deve-se ao

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Uma mistura de hidrogênio, H 2 (g), e oxigênio, O 2 (g), reage, num recipiente hermeticamente fechado, em alta temperatura e em presença de um catalisador, produzindo

Leia mais

Química FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à química Módulo 6 A estrutura da matéria: o átomo de Bohr Módulo 2 Propriedades da matéria FASCÍCULO 2

Química FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à química Módulo 6 A estrutura da matéria: o átomo de Bohr Módulo 2 Propriedades da matéria FASCÍCULO 2 Química FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à química Um mundo químico A química e o corpo humano A química e o futuro O que é química A alquimia A química como ciência Método científico Módulo 2 Propriedades

Leia mais

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCAV/UNESP ASSUNTO: Forças Intermoleculares Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 2 FLUXOGRAMA PARA RECONHECER OS PRINCIPAIS TIPOS DE FORÇAS INTERMOLECULARES 3 ENERGIA TÍPICA REQUERIDA PARA O ROMPIMENTO

Leia mais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Química / Metas Curriculares ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO-QUÍMICA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO

Leia mais

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM MÓDULO 1 Atomística Tabela Periódica Cálculos Químicos: Grandezas Químicas Cálculos Químicos: Fórmulas Químicas Ligações Químicas Química Orgânica I Estudo da Matéria

Leia mais

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental Código: ENGP -170 Pré-requisito: --------------- Período

Leia mais

UFSC. Resposta: = 40. Comentário

UFSC. Resposta: = 40. Comentário Resposta: 08 + 32 = 40 01. Incorreta. O butano não possui isomeria óptica, pois não possui carbono assimétrico. 02. Incorreta. Ao serem liberados para a atmosfera os gases sofrem expansão de volume. 04.

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015 Componente Curricular: QUÍMICA GERAL E EXPERIMENTAL Código: Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2016.2 Professor:

Leia mais

OBJETIVOS GERAL. Específicos

OBJETIVOS GERAL. Específicos PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME DO COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA Curso:Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série: 1º Ano Carga Horária: 120h/a (100h/r) Docente Responsável:

Leia mais

UFSC. Resposta: 76. Comentário. 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico.

UFSC. Resposta: 76. Comentário. 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico. Resposta: 76 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico. H 2 CO 3 + KOH = K 2 CO 3 + H 2 0 02. Incorreta. O nox do carbono é +4. 04. Correta.

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário Resposta: 02 + 32 + 64 = 98 01. Incorreta. carbonato de magnésio é um sal insolúvel em H 2, logo não dissocia-se em Mg 2+ e (aq) C2. 3(aq) 02. Correta. 12 Mg 2+ = 1s 2 2s 2 2p 6 K L 04. Incorreta. É um

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar 17 PROVA DE QUÍMICA Q U E S T Ã O 2 6 Z e X são elementos químicos que apresentam respectivamente 2 e 6 elétrons no nível de valência. A fórmula química resultante da combinação entre átomos dos elementos

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS. Karla Gomes Diamantina-MG

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS. Karla Gomes Diamantina-MG PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS Karla Gomes Diamantina-MG Introdução As substâncias orgânicas, em sua maioria, são formadas por moléculas. Estas interagem entre si por interações intermoleculares.

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR QUÍMICA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR QUÍMICA 124 PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME DO COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA Curso:Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio Série: 1 º Ano Carga Horária: 120h/a (100/hr) Docente

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES

MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES DEFORMAÇÃO DA NUVEM ELETRÔNICA EFEITO COLISÃO = CHOQUE ///// EFEITO INDUÇÃO = VARIAÇÃO ELÉTRICA DIPOLO INDUZIDO FORÇAS DE LONDON ///// DIPOLO INSTANTÂNEO

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

Disciplina: QUÍMICA Trimestre: 1º Professor(a): WAGNER MOREIRA / GEORGIA MONIQUE Série: 2º Turmas: 201, 202, 203 e 204

Disciplina: QUÍMICA Trimestre: 1º Professor(a): WAGNER MOREIRA / GEORGIA MONIQUE Série: 2º Turmas: 201, 202, 203 e 204 COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: QUÍMICA Trimestre:

Leia mais

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização DEPARTAMENTO DE FÍSICA-QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO OBJETIVOS / CONTEÚDOS... 1º PERÍODO Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização 1. MECÂNICA (FÍSICA) 1.1. Tempo, posição

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina QUI102 Química Fundamental

Programa Analítico de Disciplina QUI102 Química Fundamental Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina QUI10 Química Fundamental Departamento de Química - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 7 Teóricas Práticas

Leia mais

QUÍMICA. UFBA 99 2ª etapa Quím. 12

QUÍMICA. UFBA 99 2ª etapa Quím. 12 QUÍMICA UFBA 99 2ª etapa Quím. 12 QUESTÕES DE 11 A 20 QUESTÕES DE 11 A 18 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. Questão

Leia mais

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência.

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência. 13 QUÍMICA A posição dos elementos na Tabela Periódica permite prever as fórmulas das substâncias que contêm esses elementos e os tipos de ligação apropriados a essas substâncias. Na Tabela Periódica atual,

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA SEGUNDA ETAPA DO VESTIBULAR 99 DA UFMG

PROVA DE QUÍMICA SEGUNDA ETAPA DO VESTIBULAR 99 DA UFMG PROVA DE QUÍMICA SEGUNDA ETAPA DO VESTIBULAR 99 DA UFMG QUESTÃO 01 A queima do enxofre produz um dos seus óxidos, SO 2 (g) ou SO 3 (g). A identificação de qual dos dois é, realmente, produzido pode ser

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS As propriedades físicas dos compostos orgânicos podem ser interpretadas, e muitas vezes até previstas, a partir do conhecimento das ligações químicas que unem

Leia mais

Gabarito das Questões

Gabarito das Questões II OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 19 DE MAIO DE 2007 Gabarito das Questões Para cada questão de 1 a 5, marque com um X a alternativa correta e justifique porque as outras duas estão erradas. QUESTÃO 1 a)

Leia mais

Propriedades Físicas e Químicas dos Compostos Orgânicos

Propriedades Físicas e Químicas dos Compostos Orgânicos Aumenta Propriedades das Moléculas Orgânicas Propriedades Físicas e Químicas dos Compostos Orgânicos A partir das ligações químicas que unem os átomos de suas moléculas, e das forças que agem entre elas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Química Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Sumário. Unidade II Propriedades dos materiais 40. Introdução ao estudo da Química 14. Unidade I. Capítulo 2 Unidades de medida...

Sumário. Unidade II Propriedades dos materiais 40. Introdução ao estudo da Química 14. Unidade I. Capítulo 2 Unidades de medida... Sumário Unidade I Capítulo 1 Introdução ao estudo da Química 14 Química: objeto de estudo e aplicações... 16 1. Química: a ciência que estuda a matéria... 17 Matéria... 17 Características da matéria...

Leia mais

FORÇAS INTERMOLECULARES

FORÇAS INTERMOLECULARES FORÇAS INTERMOLECULARES São as forças que mantêm os sólidos e líquidos unidos. A ligação covalente que mantém uma molécula unida é uma força intramolecular. A atração entre moléculas é uma força intermolecular.

Leia mais

UDESC 2017/2 QUÍMICA. Comentário

UDESC 2017/2 QUÍMICA. Comentário QUÍMICA Sólido: volume definido; forma definida. Líquido: volume definido; forma variável. Gasoso: volume variável; forma variável. 1 e resolução SiC 4 + 2 Mg Si + 2 MgC 2 170,1 g + 48,6 g 28,1 g Massa

Leia mais

XII Olimpíada Baiana de Química Exame 2017

XII Olimpíada Baiana de Química Exame 2017 Questão 01 (Peso 1) Questões objetivas (QUESTÕES DE 01 A 30) A fórmula estrutural condensada, CH 3 CH 2 CH 2 COOCH 3, representa: A) um éster B) uma amida C) um aldeído D) um anidrido E) um ácido carboxílico

Leia mais

Dificuldades no Ensino e Aprendizagem em Química

Dificuldades no Ensino e Aprendizagem em Química Dificuldades no Ensino e Aprendizagem em Química Metodologia do Ensino II Profª Tathiane Milaré 1 2 3 Exemplo: Química da última série do Ensino Fundamental 4 Junho Agosto Setembro Outubro Novembro Fev.

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo I 1 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

Química Geral I. Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks

Química Geral I. Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks Química Geral I Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks Conteúdo 19/05/2017 Contextualização Química Química Inorgânica Química Orgânica Físico Química Química Analítica Funções Químicas Funções

Leia mais

Gabarito Química Volume 1

Gabarito Química Volume 1 Gabarito Química Volume 1 Química 1 Capítulo 1 01. D 05. A 06. C 07. A 08. C 09. E 10. C 11. E 12. D 13. D 14. C 15. D 16. A 17. A 19. A 21. B 23. C 24. D 25. B 26. D 27. A 28. C 29. D 30. E 31. C 33.

Leia mais

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCAV/UNESP ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 FORÇAS INTERMOLECULARES Fonte: BARBOSA, 2004. 2 FORÇAS INTERMOLECULARES 1.

Leia mais

Daniella e Jéssica. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Daniella e Jéssica. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Química 3ª Daniella e Jéssica 1ª SÉRIE E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1. Dominar a leitura, interpretação e C6. Correlacionar conhecimentos sobre sistemas materiais, fenômenos, fatos

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Química

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Química Conteúdo de Química A LDB/96 propõe diretrizes curriculares nacionais que visam nortear as várias áreas de conhecimento abordadas no ensino médio (na realidade a última etapa da educação básica). Enfatiza

Leia mais

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos 2016 QUÍMICA Conteúdos Programáticos MATERIAIS - Origem - Constituição e composição dos materiais: - Constituição

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS As propriedades físicas dos compostos orgânicos podem ser interpretadas, e muitas vezes até previstas, a partir do conhecimento das ligações químicas que unem

Leia mais

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA Questão 1 Sim, a analogia está correta. Por se tratar de mudança de estado físico, a temperatura do sistema água permanece constante durante o processo de solidificação, assim como ocorre para o caso das

Leia mais

Lista de exercícios de 4 a U.L

Lista de exercícios de 4 a U.L Lista de exercícios de 4 a U.L 01-Dada a tabela a seguir, e levando-se em consideração que as substâncias se encontram à temperatura de 50 o C, responda o que se pede: SUBSTANCIA T.F ( o C) T.E ( o C)

Leia mais

XI OSEQUIM - Olimpíada Sergipana de Química 1ª Etapa - Modalidade A

XI OSEQUIM - Olimpíada Sergipana de Química 1ª Etapa - Modalidade A Bom dia aluno! Está é a prova da primeira etapa da OSEQUIM, Olimpíada Sergipana de Química 2017, modalidade A, para alunos que se encontram cursando o 1º. Ano do ensino médio em 2017. Confira se a sua

Leia mais

SIMULADO EXTENSIVO QUÍMICA

SIMULADO EXTENSIVO QUÍMICA P R É - V E S T I B U L A R 04.09 QUÍMICA QUESTÃ 49 jornal Folha de São Paulo publicou, em 19/06/07, matéria sobre empresas norte-americanas que estavam falsificando suco de laranja. produto, vendido como

Leia mais

Aula 10 26/mai Marcelo Ligação iônica versus ligação covalente Veja as ligações esquematizadas abaixo, cada qual acompanhada do respectivo valor de diferença (Δ, delta) entre as eletronegatividades de

Leia mais

8.1 Química Realidade e Contexto: Antônio Lembo (1999)

8.1 Química Realidade e Contexto: Antônio Lembo (1999) 8 ANEXOS Nesta seção são colocados os anexos que foram julgados pertinentes para complementar o entendimento de questões relativas à análise dos livros. A seguir apresentamos um espelho dos temas que compõem

Leia mais

DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente

DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente FOLHA DE QUESTÕES CURSO: ASS.: Engenharia de Produção DISCIPLINA: NOME: Química Geral DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente 5PRD31A 01) O grupo de átomos que é encontrado

Leia mais

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran FCAV/ UNESP Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran 1 1. Introdução Existem dois tipos de reações: a) aquelas em que, após determinado tempo, pelo menos

Leia mais

Planificação Anual GR 510 Disciplina Física e Química 9.º Ano

Planificação Anual GR 510 Disciplina Física e Química 9.º Ano Planificação Anual GR 510 Disciplina Física e Química 9.º Ano Estratégias / Processos de operacionalização Módulo M5: Reações Químicas. 1 1P Indicar que a matéria é constituída por corpúsculos submicroscópicos

Leia mais

B) Defina a que forma de apresentação do alumínio corresponde cada uma das curvas. Justifique sua resposta.

B) Defina a que forma de apresentação do alumínio corresponde cada uma das curvas. Justifique sua resposta. Questão 01 PROVA DISCURSIVA QUÍMICA O gráfico abaixo representa a variação, em função do tempo, da concentração, em quantidade de matéria, do hidrogênio gasoso formado em duas reações químicas de alumínio

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _9º TURMA: TURNO: DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR(A): EQUIPE DE QUÍMICA Queridos alunos; Senhores

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diagnose da turma. -Trabalho individual

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diagnose da turma. -Trabalho individual ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: FÌSICA e QUÌMICA TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA QUÍMICA Validade: A partir de /04. Departamento Acadêmico de Disciplinas Básicas Código S2QUIM Carga Horária total: 105h Teórica:45h Laboratório: 45h Exercício: 15h Créditos: 05 Pré-requisitos

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2011.1

Vestibular Comentado - UVA/2011.1 Vestibular omentado - UVA/2011.1 onhecimentos Gerais QUÍMIA omentários: Profs. Bibil e Tupinambá 45. A Figura 1 apresenta, de forma genérica, a reação química de formação de um triacilglicerol a partir

Leia mais

Química. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna

Química. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Química Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Terças (1º semestre) Quartas (2º semestre) Disciplina 1ª aula Química 2ª aula Química Intervalo \0/ 3ª aula Microbiologia Básica 4ª aula Microbiologia Básica Programa

Leia mais

UDESC 2016/2 QUÍMICA. Comentário. I. Verdadeira. 0,07 mg 1 kg x mg 14 kg. Na 2 PO 3. F 144 g 19 g 7,58 mg x mg. x = 0,98 (limite de ingestão diária)

UDESC 2016/2 QUÍMICA. Comentário. I. Verdadeira. 0,07 mg 1 kg x mg 14 kg. Na 2 PO 3. F 144 g 19 g 7,58 mg x mg. x = 0,98 (limite de ingestão diária) QUÍMICA I. Verdadeira. 0,07 mg 1 kg x mg 14 kg x = 0,98 (limite de ingestão diária) Na PO 3 F 144 g 19 g 7,58 mg x mg x = 1 mg (que já é maior que o limite de ingestão diária) 1 II. Verdadeira. 0,07 mg

Leia mais

LUAULA. Professor: Eduardo Ulisses

LUAULA. Professor: Eduardo Ulisses LUAULA Professor: Eduardo Ulisses Sobre as ligações químicas, analise as afirmativas. I. Nas estruturas de Lewis, a ligação covalente resulta do compartilhamento de um par de elétrons entre dois átomos.

Leia mais

1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e determine o número de valência de cada elemento: a) Fe (26):.

1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e determine o número de valência de cada elemento: a) Fe (26):. FOLHA DE EXERCÍCIOS CURSO: Otimizado ASS.: Exercícios de Conteúdo DISCIPLINA: Fundamentos de Química e Bioquímica NOME: TURMA: 1SAU 1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e

Leia mais

QUESTÃO 34 Podemos considerar que Dalton foi o primeiro cientista a formalizar, do ponto de vista quantitativo, a existência dos átomos Com base na ev

QUESTÃO 34 Podemos considerar que Dalton foi o primeiro cientista a formalizar, do ponto de vista quantitativo, a existência dos átomos Com base na ev QUÍMICA QUESTÃO 31 Polímeros são macromoléculas orgânicas construídas a partir de muitas unidades pequenas que se repetem, chamadas monômeros Assinale a alternativa que apresenta somente polímeros naturais

Leia mais

COVEST/UFPE ª ETAPA

COVEST/UFPE ª ETAPA COVEST/UFPE 2004 2ª ETAPA 81. Ao longo da história, diversos modelos atômicos foram propostos até chegarmos ao modelo atual. Com relação ao modelo atômico de Rutherford, podemos afirmar que: 0 0 foi baseado

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUÍMICA

INTRODUÇÃO À QUÍMICA INTRODUÇÃO À QUÍMICA O QUE É QUÍMICA? É a ciência que estuda a matéria, suas propriedades, transformações e interações, bem como a energia envolvida nestes processos. QUAL A IMPORTÂNCIA DA QUÍMICA? Entender

Leia mais

Matriz de Referencia do ENEM INEP/MEC Ciências da Natureza Química

Matriz de Referencia do ENEM INEP/MEC Ciências da Natureza Química Matriz de Referencia do ENEM INEP/MEC Ciências da Natureza Química Prof. Me Diego Rodrigues Mestre em Ressonância Magnética Nuclear pela UFG, membro da Equipe de Ciências da Natureza, da Coordenação de

Leia mais

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização DEPARTAMENTO DE FÍSICA-QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO OBJETIVOS / CONTEÚDOS... 1º PERÍODO Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização 1. MECÂNICA (FÍSICA) 1.1. Tempo, posição

Leia mais

O que veremos hoje? Voltados para a Orgânica! Revisão de: Polaridade Forças intermoleculares: Dipolo-dipolo Dipolo induzido-dipolo induzido

O que veremos hoje? Voltados para a Orgânica! Revisão de: Polaridade Forças intermoleculares: Dipolo-dipolo Dipolo induzido-dipolo induzido O que veremos hoje? Revisão de: Polaridade Forças intermoleculares: Dipolo-dipolo Dipolo induzido-dipolo induzido Dipolo-dipolo induzido Ligação de Hidrogênio Voltados para a Orgânica! Intensidade das

Leia mais

Reações Químicas. Profª Dra Cristiane de Abreu Dias

Reações Químicas. Profª Dra Cristiane de Abreu Dias Reações Químicas Profª Dra Cristiane de Abreu Dias O que são Reações Químicas? São as transformações de uma ou várias substâncias em relação a seu estado inicial (reagentes), dando origem a substâncias

Leia mais

Assunto: Propriedades Físico-Químicas dos compostos orgânicos Folha 12.2 Prof.: João Roberto Mazzei

Assunto: Propriedades Físico-Químicas dos compostos orgânicos Folha 12.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (UNIFESP-2003) Ácidos carboxílicos e fenóis originam soluções ácidas quando dissolvidos em água. Dadas as fórmulas moleculares de 5 substâncias I. C H O II. C H O III. CH O IV. C H O V. C H O as duas

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

ÁCIDO DE ARRHENIUS. Hidrácidos HCl + H 2 O H + + Cl - HCl, HBr, HI ---- Fortes. HF ---- Moderado Demais ---- Fracos. Prof.

ÁCIDO DE ARRHENIUS. Hidrácidos HCl + H 2 O H + + Cl - HCl, HBr, HI ---- Fortes. HF ---- Moderado Demais ---- Fracos. Prof. ÁCIDO DE ARRHENIUS Hidrácidos HCl + H 2 O H + + Cl - HCl, HBr, HI ---- Fortes HF ---- Moderado Demais ---- Fracos ÁCIDO DE ARRHENIUS Oxiácidos HNO 3 + H 2 O H + + NO 3 - ÁCIDOS DE ARRHENIUS Não Como Bolo

Leia mais

- TEMPERATURA DE EBULIÇÃO - SOLUBILIDADE

- TEMPERATURA DE EBULIÇÃO - SOLUBILIDADE PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS - TEMPERATURA DE EBULIÇÃO - SOLUBILIDADE TEMPERATURA DE EBULIÇÃO Depende do tipo de -LIGAÇÃO INTERMOLECULAR e do - TAMANHO DAS MOLÉCULAS LIGAÇÕES INTERMOLECULARES

Leia mais

2 NH 3 (g) + CO 2 (g)

2 NH 3 (g) + CO 2 (g) PROCESSO SELETIVO 2007 1 O DIA GABARITO 4 7 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. O equilíbrio de ionização da água pura é dado pela equação abaixo, cuja constante do produto iônico é 2,5x10-14, a 37 o C. H

Leia mais

2 KClO 3 2 KCl + 3 O 2

2 KClO 3 2 KCl + 3 O 2 PROCESSO SELETIVO 2007 1 O DIA GABARITO 1 7 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. O ânion cloreto (Cl - ), o argônio (Ar) e o cátion potássio (K + ) têm em comum o mesmo número: a) de prótons. b) de elétrons.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA DEPARTAMENTO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA DEPARTAMENTO DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA DEPARTAMENTO DE ENSINO PLANO DE ENSINO SEMESTRE LETIVO 2013/2 CURSO PERÍODO BACHARELADO

Leia mais