Searle: Intencionalidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Searle: Intencionalidade"

Transcrição

1 Searle: Intencionalidade Referências: Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp Searle, John, Intentionality, Cambridge, Cambridge University Press, Característica dos estados mentais de serem sobre algo, ou direccionados a algo (aboutness). Conceito com origem na Idade Média, retomado por Franz Brentano no final do século XIX: Intencionalidade como a marca do mental. Ser consciente é ser consciente de algo. Crer (acreditar) é crer em algo, ou que algo é o caso. Desejar é desejar algo ou que algo seja o caso. Recear é recear algo ou que algo seja o caso. Ter uma intenção é ter a intenção de fazer algo ou de que algo seja o caso. Etc. Para Brentano, os estados intencionais são direccionados a objectos que lhes são imanentes. 1

2 Estes objectos podem ser fictícios (p.ex., no caso da imaginação e da fantasia), o que coloca problemas ontológicos. IMPORTANTE: Intencionalidade não é o mesmo que intenção. Uma intenção é um tipo de estado intencional, assim como crenças, desejos, etc. Proposta de Searle: Intencionalidade com I maiúsculo para caracterizar todos os estados intencionais. A palavra intenção, com i minúsculo, como um tipo de estado intencional. Searle e a Intencionalidade Representações em geral são dotadas de Intencionalidade, isto é, são sobre algo. Representações linguísticas e outras (pictóricas, por exemplo) têm uma Intencionalidade derivada. Estados mentais têm uma Intencionalidade intrínseca (a Intencionalidade das representações externas deriva da Intencionalidade dos estados mentais). 2

3 Segundo Searle, a Intencionalidade dos estados mentais não pressupõe uma Intencionalidade que lhe seja anterior (risco de regresso infinito). Ela é causada pela e realizada na estrutura do cérebro. Para Searle, nem todos os estados mentais são dotados de Intencionalidade. Por exemplo, certos estados de ansiedade sem objecto não são estados intencionais. Análise dos estados intencionais: semelhante à desenvolvida para os actos de fala. Actos de fala: F(p) F: força ilocutória p: conteúdo proposicional Estados intencionais: S(r) S: modo psicológico r: conteúdo proposicional / representacional Direcção de adequação (direction of fit): outro conceito retomado da teoria dos actos de fala. 3

4 Direcção mente-mundo (mind-to-world): Crenças. Direcção mundo-mente (world-to-mind): Desejos, intenções. Sem direcção de adequação : Vergonha, prazer, etc. Condições de satisfação: conceito também retomado da teoria dos actos de fala. Estados intencionais com conteúdos proposicionais (isto é, cujos conteúdos consistem em proposições) e direcção de adequação, têm condições de satisfação. Essas condições de satisfação são determinadas pelos seus conteúdos. Assim, a crença de que está a chover tem como condição de adequação o facto de estar realmente a chover (a mente conforma-se ao mundo ). O desejo de comer gelado de peixe com chocolate tem como condição de satisfação o facto de se comer gelado de peixe com chocolate (o mundo conforma-se à mente ). 4

5 Há estados intencionais, como amar, que não têm um conteúdo proposicional, no sentido de que o seu conteúdo não consiste numa proposição. No entanto, têm algum conteúdo representacional, e estão ligados a outros estados intencionais (como crenças e desejos) que têm conteúdo proposicional. Quanto aos estados intencionais sem direcção de adequação, estão ligados a estados intencionais que têm direcções de adequação, como crenças e desejos. Assim, a estrutura de um estado intencional consiste num modo psicológico relacionado a um conteúdo proposicional/representacional. Não se trata, porém, de uma relação entre uma pessoa e uma proposição (isto seria confundir o objecto de um estado intencional com o conteúdo de um estado intencional). Exemplo: João acredita que Cavaco Silva é o presidente de Portugal. 5

6 O conteúdo da crença de João é a proposição de que Cavaco Silva é o presidente de Portugal. Mas o objecto da crença é o próprio Cavaco Silva, na sua condição de presidente. Esta distinção feita por Searle tem como objectivo solucionar certos puzzles filosóficos relacionados com estados intencionais que teriam como objectos entidades ou situações fictícias, imaginadas, contrafactuais, etc. Exemplo (1): Maria Albertina quer que Harry Potter se case com Hermione Granger. O conteúdo do desejo de Maria Albertina é a proposição de que Harry Potter casa-se com Hermione. Mas neste caso, embora o estado intencional tenha um conteúdo, ele não tem objecto. Exemplo (2): Arlindo Orlando imagina uma situação que o Sporting foi o campeão português na época

7 O conteúdo do acto de imaginação de Arlindo Orlando é a proposição de que o Sporting foi o campeão português na época , mas também neste caso, o estado intencional não tem objecto. Tanto nas obras de ficção (actos de fala) quanto na imaginação, fantasia, etc. (estados intencionais), há conteúdos, mas o compromisso com uma relação de adequação (mente-mundo) não é mantido. Nesses casos, é como se houvesse condições de satisfação, mas não há nada que satisfaça essas condições. Estados intencionais: conteúdo depende da sua posição numa rede de outros estados intencionais (uma rede de extensão indeterminada). Por exemplo, a crença de que Cavaco Silva é o Presidente da República pressupõe um número indeterminado de outras crenças e estados intencionais. Isto deve-se não apenas ao facto de que é impossível, num dado momento, contar quantas crenças uma pessoa tem, mas também ao facto de que, a partir de uma certa altura, chegaremos a proposições que, num certo sentido, não podemos qualificar como crenças. Por exemplo, as proposições de que as pessoas só votam quando estão 7

8 acordadas, de que o acto eleitoral se realiza na superfície da Terra, de que o boletim de voto é um objecto sólido, etc. Assim, a rede de estados intencionais, por sua vez, pressupõe um Background de capacidades mentais baseadas em práticas, know-how, etc., que não são representacionais. São formas básicas, pré-intencionais, de lidar com o mundo O Background normalmente só se torna explícito quando ocorre uma falha (breakdown). Consequências da teoria de Searle sobre a Intencionalidade e o Background para a Filosofia da Linguagem e da Comunicação. A significação mesmo a significação literal pressupõe sempre um Background. As condições de verdade de um enunciado literal variam de acordo com o Background. Donde, uma visão radicalmente contextualista da significação: mesmo o significado literal é dependente do contexto. As suas condições de verdade serão fixadas de acordo com o contexto ou as circunstâncias da enunciação. 8

9 Dito de outro modo: há um hiato intransponível entre o significado da frase e o significado do falante. O significado (mesmo o literal) subdetermina o que é dito. Exemplo: O verbo cortar tem o mesmo significado em frases como (1) O João cortou o bolo. (2) A Maria cortou o tecido. (3) O António cortou a relva. No entanto, em cada um desses casos o verbo cortar pressupõe um Background diferente, relacionado com as práticas correspondentes. Assim, se eu peço ao João para cortar o bolo, não espero que ele o faça com um cortador de relva. Da mesma forma, se eu peço ao António para cortar a relva, não espero que ele o faça com uma faca. Casos como estes, em que ocorre uma falha (breakdown), expõem o Background que é tomado como adquirido (taken for granted). 9

10 O fenómeno da subdeterminação do que é dito pelo significado literal das frases é um caso particular de um fenómeno mais geral: as condições de satisfação do conteúdo de um estado intencional variam de acordo com o Background. E pode haver casos em que, de acordo com o Background, o conteúdo intencional não determina nenhuma condição de satisfação. Conclusão: a nossa capacidade de representação intrínseca no caso dos estados mentais pressupõe sempre um fundo não-representacional. E o processo de explicitação dos elementos deste fundo não tem um termo aparente. 10

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

Contextualismo e anti-contextualismo

Contextualismo e anti-contextualismo Contextualismo e anti-contextualismo Referências: Cappelen, Herman, and Lepore, Ernie, Insensitive Semantics, Oxford, Blackwell, 2005. Kaplan, David, Demonstratives, in Almog, J., Perry, J., and Wettstein,

Leia mais

Metáfora. Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1998, pp

Metáfora. Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1998, pp Metáfora Referências: Aristóteles, Retórica, Lisboa, INCM, 2005. Black, Max, More about metaphor, in Ortony, Andrew (ed.), Metaphor and Thought (2 nd ed.), Cambridge, Cambridge University Press, 1993,

Leia mais

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

Estudos sobre linguagem e Filosofia da Mente segundo John Searle

Estudos sobre linguagem e Filosofia da Mente segundo John Searle Estudos sobre linguagem e Filosofia da Mente segundo John Searle Studies on language and Philosophy of Mind according to John Searle Bruna M. Lemes Duarte 1 Resumo: Neste artigo apresentaremos os pressupostos

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo NOÇÕES DE PRAGMÁTICA Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo 17.08.2015 Situando a Pragmática no seio das disciplinas da Linguística O aspecto pragmático

Leia mais

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se:

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se: Convenções Referências Burge, Tyler, On knowledge and convention, The Philosophical Review, 84 (2), 1975, pp 249-255. Chomsky, Noam, Rules and Representations, Oxford, Blackwell, 1980. Davidson, Donald,

Leia mais

COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO

COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO Marcos Campos Botelho 1 RESUMO As palavras pelo som ou por sinais funcionam efetivamente possuindo sentido nas frases ou nos enunciados. Como as palavras tem significado?

Leia mais

PRAGMÁTICA ILOCUCIONÁRIA E SIGNIFICAÇÃO Lucrécio Araújo de Sá Júnior 1

PRAGMÁTICA ILOCUCIONÁRIA E SIGNIFICAÇÃO Lucrécio Araújo de Sá Júnior 1 PRAGMÁTICA ILOCUCIONÁRIA E SIGNIFICAÇÃO Lucrécio Araújo de Sá Júnior 1 Resumo: Durante o período clássico, filósofos e gramáticos desenvolveram uma teoria ideacional do significado de acordo com as sentenças

Leia mais

Intenção e Comunicação Mafalda Eiró-Gomes 1

Intenção e Comunicação Mafalda Eiró-Gomes 1 95 Intenção e Comunicação Mafalda Eiró-Gomes 1 «Só no fluxo do pensamento e da vida as palavras têm significado.» (Ludwig Wittgenstein, Fichas, 173) 1. Introdução Se o conceito de significado é um conceito

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

TEMA DA SESSÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO CRER/ACREDITAR 2.

TEMA DA SESSÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO CRER/ACREDITAR 2. TEMA DA SESSÃO 1. CRER/ACREDITAR 2. CRER NOS OUTROS 3. O ACREDITAR COMO ATITUDE HUMANA 4. ANTROPOLOGIA DO CRER 5. TPC www.teologiafundamental.weebly.com JUAN AMBROSIO PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO

Leia mais

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO O que é texto? TEXTO - escrito ou oral; O que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos; TEXTO - dotada de unidade

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

COMENTÁRIO SOBRE O CONCEITO DE SENTIMENTO NO MONISMO DE TRIPLO ASPECTO DE ALFREDO PEREIRA JR.

COMENTÁRIO SOBRE O CONCEITO DE SENTIMENTO NO MONISMO DE TRIPLO ASPECTO DE ALFREDO PEREIRA JR. COMENTÁRIO SOBRE O CONCEITO DE SENTIMENTO NO MONISMO DE TRIPLO ASPECTO DE ALFREDO PEREIRA JR. Cláudia Passos-Ferreira 1 Embora muito esforço já tenha sido dispendido na tentativa de resolver o problema

Leia mais

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido.

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2011.12 Cap1 Lógica pg 1 I- Lógica Informal Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Afirmação

Leia mais

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press,

Leia mais

MENTE E INTENCIONALIDADE EM JOHN SEARLE¹ MIND AND INTENTIONALITY IN JOHN SEARLE RESUMO

MENTE E INTENCIONALIDADE EM JOHN SEARLE¹ MIND AND INTENTIONALITY IN JOHN SEARLE RESUMO MENTE E INTENCIONALIDADE EM JOHN SEARLE¹ MIND AND INTENTIONALITY IN JOHN SEARLE Paulo Uzai Junior; ² Jonas Gonçalves Coelho ³ RESUMO Procuramos investigar o uso da noção de intencionalidade como marca

Leia mais

Organização textual. M.H.M.Mateus et.al. Gramática da Língua Portuguesa pp

Organização textual. M.H.M.Mateus et.al. Gramática da Língua Portuguesa pp Organização textual M.H.M.Mateus et.al. Gramática da Língua Portuguesa pp. 87-123 ÍNDICE PROPRIEDADES TEXTUAIS: TEXTUALIDADE, ACEITABILIDADE, SITUACIONALIDADE, INTERTEXTUALIDADE, INFORMATIVIDADE, CONECTIVICADE

Leia mais

Aula DISCURSO E PRAGMÁTICA II INTENÇÃO RECONHECÍVEL E MANOBRAS ESTILÍSTICAS ESTAÇÃO GRICE / OSWALD DUCROT

Aula DISCURSO E PRAGMÁTICA II INTENÇÃO RECONHECÍVEL E MANOBRAS ESTILÍSTICAS ESTAÇÃO GRICE / OSWALD DUCROT Aula DISCURSO E PRAGMÁTICA II INTENÇÃO RECONHECÍVEL E MANOBRAS ESTILÍSTICAS ESTAÇÃO GRICE / OSWALD DUCROT META Apresentar um modo pragmático de compreender os sentidos da linguagem considerando relações

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

Da não conformação da crença a uma teoria das atitudes proposicionais

Da não conformação da crença a uma teoria das atitudes proposicionais CRENÇA PRÉ-ATITUDINAL Da não conformação da crença a uma teoria das atitudes proposicionais André Barata UBI/IFP Cunhada por Bertrand Russell, a expressão atitude proposicional designa qualquer estado

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2016-2017 1ºSemestre John Eccles Singularidade Uma resposta frequente e superficialmente plausível para este enigma [da singularidade pessoal] é a asserção de

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Quine e Davidson. Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo

Quine e Davidson. Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo Quine e Davidson Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo Historiografia e Filosofia das Ciências e Matemática ENS003 Prof. Valter A. Bezerra PEHFCM UFABC

Leia mais

O que é a Consciência?

O que é a Consciência? MetaconsciênciA VOLUME III N9 30 DE JANEIRO 2012 O que é a Consciência? Por: Cesar S. Machado A natureza da consciência, sua constituição, origem e destino são questões cujas resposta a humanidade busca

Leia mais

A Acção e os Valores

A Acção e os Valores Módulo II A Acção Humana e os Valores Vimos no módulo anterior que a Filosofia se apresenta como reflexão crítica sobre o homem enquanto inserido num complexo tecido de relações com o mundo (natural e

Leia mais

A NOÇÃO DE BACKGROUND COMO FUNDAMENTO DA EPISTEMOLOGIA DE JOHN R. SEARLE

A NOÇÃO DE BACKGROUND COMO FUNDAMENTO DA EPISTEMOLOGIA DE JOHN R. SEARLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CLÁUDIO DE ABREU JÚNIOR A NOÇÃO DE BACKGROUND COMO FUNDAMENTO DA EPISTEMOLOGIA DE JOHN R. SEARLE CURITIBA 2006 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

Aprendizagem comparticipada no MEM

Aprendizagem comparticipada no MEM Aprendizagem comparticipada no MEM Sérgio Niza ISPA 22/5/2010 «Poderíamos dizer que nos desenvolvemos através dos outros [ ]. O indivíduo desenvolve-se como tal por meio do que produz para os outros. É

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2013-2014 1ºSemestre O mundo é a minha representação. - Esta proposição é uma verdade para todo o ser vivo e cognoscente, embora só no homem chegue a transformar-se

Leia mais

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Metodologia de Dissertação II Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Definição Análise de Conteúdo Análise de Conteúdo se define como um "conjunto de técnicas de análise das comunicações e aposta no rigor do método

Leia mais

Neo-institucionalismo: Organização da informação e do Conhecimento Regulatório

Neo-institucionalismo: Organização da informação e do Conhecimento Regulatório Neo-institucionalismo: Organização da informação e do Conhecimento Regulatório João Alberto Lima joaolima@acm.org Faculdade de Direito Universidade de Brasília 12/08/2016 6º Ciclo de Palestras sobre Direito

Leia mais

Organização da Teleaula. A Significação. Contextualização. Processos Sintáticos e Semânticos em Língua Portuguesa. Teleaula 5. Licenciatura em Letras

Organização da Teleaula. A Significação. Contextualização. Processos Sintáticos e Semânticos em Língua Portuguesa. Teleaula 5. Licenciatura em Letras Processos Sintáticos e Semânticos em Língua Portuguesa Teleaula 5 Prof. Me. Jeferson Ferro tutorialetras@grupouninter.com.br Organização da Teleaula A contribuição das palavras para o significado das sentenças

Leia mais

O que é o conhecimento?

O que é o conhecimento? Disciplina: Filosofia Ano: 11º Ano letivo: 2012/2013 O que é o conhecimento? Texto de Apoio 1. Tipos de Conhecimento No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por

Leia mais

André Filipe dos Santos Coelho

André Filipe dos Santos Coelho 1 Em que consistem os processos conativos? A conação, os processos conativos, ligam-se, por sua vez, à dimensão do fazer, das maneiras como regulamos os nossos comportamentos e acções. Esta procura compreender

Leia mais

SIGNIFICADO E VERDADE (*)

SIGNIFICADO E VERDADE (*) Sfntese N9 32 - Pág. 33-47 SIGNIFICADO E VERDADE (*) Raul Ferreira Landim Filho I - A QUESTÃO DO SIGNIFICADO Sob a aparência de uma questão meramente lingüística o tema Significado e Verdade deixa transparecer

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático O Funcionalismo As Funções da Linguagem de Roman Jakobson A Linguística Sistêmica de Michael Halliday

Leia mais

Conhecimento explícito da língua LEITURA

Conhecimento explícito da língua LEITURA Compreensão do oral/expressão oral Leitura Conhecimento explícito da língua Escrita LEITURA 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Conhecimento explícito da língua 3. Ano de escolaridade:

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre 1. Homo habilis; 2. Homo sapiens; 3. Homo floresiensis; 4. Homo erectus; 5. Paranthropus

Leia mais

Indiscernibilidade de Idênticos. Atitudes Proposicionais e indiscernibilidade de idênticos

Indiscernibilidade de Idênticos. Atitudes Proposicionais e indiscernibilidade de idênticos Indiscernibilidade de Idênticos Atitudes Proposicionais e indiscernibilidade de Consideremos agora o caso das atitudes proposicionais, das construções epistémicas e psicológicas, e perguntemo-nos se é

Leia mais

CORREÇÃO DE ATIVIDADES DO CADERNO FOLHA DE PERGUNTAS SOBRE OS TIPOS DE SUJEITOS

CORREÇÃO DE ATIVIDADES DO CADERNO FOLHA DE PERGUNTAS SOBRE OS TIPOS DE SUJEITOS OLÉGIO IMACULADA CONCEIÇÃO 7º ano CORREÇÃO DE ATIVIDADES DO CADERNO FOLHA DE PERGUNTAS SOBRE OS TIPOS DE SUJEITOS 1) Quem é o sujeito de uma oração? Nas orações, o sujeito é um substantivo ou pronome com

Leia mais

OS ATOS ILOCUTÓRIOS DO BAH

OS ATOS ILOCUTÓRIOS DO BAH OS ATOS ILOCUTÓRIOS DO BAH Gabrielle Perotto de Souza da Rosa Patricia de Andrade Neves Patrícia Martins Valente RESUMO: O presente trabalho pretende analisar as diferentes entonações e interpretações

Leia mais

Linguagem, Teoria do Discurso e Regras

Linguagem, Teoria do Discurso e Regras Linguagem, Teoria do Discurso e Regras FMP FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO LINGUAGEM, TEORIA DO DISCURSO E REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA OS JOGOS DE LINGUAGEM (SPRACHSPIELEN)

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Ana Carolina Sperança-Criscuolo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SPERANÇA-CRISCUOLO, AC. Considerações finais. In: Funcionalismo e cognitismo na sintaxe do português: uma

Leia mais

Disciplinas e Competências na escola: a organização do Ensino Médio

Disciplinas e Competências na escola: a organização do Ensino Médio Disciplinas e Competências na escola: a organização do Ensino Médio Nílson José Machado Universidade de São Paulo Faculdade de Educação njmachad@usp.br www.nilsonjosemachado.net Disciplinas e Competências

Leia mais

Pronome relativo A língua portuguesa apresenta 7 formas de pronomes e advérbios relativos consensuais: Que O que Quem O qual Onde Quanto Cujo

Pronome relativo A língua portuguesa apresenta 7 formas de pronomes e advérbios relativos consensuais: Que O que Quem O qual Onde Quanto Cujo Orações Subordinadas Relativas / Adjectivas (Bibliografia: Peres, J. e Móia, T., (1995), Áreas Críticas da Língua Portuguesa, Editorial Caminho, Lisboa) Não são argumentos de um predicador (ou seja, não

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre Dopamina Serotonina Acetilcolina Glutamato Opiáceos (ex: endorfinas) Noradrelanina... a presença

Leia mais

Do que as crianças sabem ao que. João Costa (FCSH-UNL)* Jornadas sobre o ensino do português FCSH, Maio de 2008

Do que as crianças sabem ao que. João Costa (FCSH-UNL)* Jornadas sobre o ensino do português FCSH, Maio de 2008 Do que as crianças sabem ao que temos de lhes ensinar João Costa (FCSH-UNL)* Jornadas sobre o ensino do português FCSH, Maio de 2008 *POCI/LIN/57377/2004 Objectivo Apresentar contributo da sintaxe teórica

Leia mais

INDUÇÃO ULTRAFORTE: EPISTEMOLOGIA DO SUBJETIVO

INDUÇÃO ULTRAFORTE: EPISTEMOLOGIA DO SUBJETIVO INDUÇÃO ULTRAFORTE: EPISTEMOLOGIA DO SUBJETIVO Felipe Sobreira Abrahão Doutorando, HCTE UFRJ E-mail: felipesabrahao@gmail.com 1. INTRODUÇÃO A problemática do raciocínio indutivo é abordada pelos pensadores

Leia mais

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA Mariluze Ferreira de Andrade e Silva Laboratório de Lógica e Epistemologia DFIME - UFSJ Resumo: Propomos investigar

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre As inúmeras culturas no mundo não são tentativas falhadas de serem modernas, de serem como

Leia mais

Lógica Proposicional Sintaxe

Lógica Proposicional Sintaxe Lógica Proposicional Sintaxe José Gustavo de Souza Paiva Lógica Proposicional Forma mais simples da lógica Fatos do mundo real representados por sentenças sem argumento proposições Proposição Sentença

Leia mais

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO 2009.3 Aquiles Burlamaqui Apresentação da Disciplina Planejamento Conteúdo Programático Metodologia Bibliografia Definição Motivação Planejamento Semestre 2009.3 Local 3B5

Leia mais

Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR

Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR 151841 ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR 346184 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE FILOSOFIA PLANIFICAÇÃO ANUAL

Leia mais

O SIGNIFICADO COMO USO: UM ESTUDO COMPARATIVO DAS NOÇÕES DE JOGOS DE LINGUAGEM E DE ATOS DE FALA EM WITTGENSTEIN E SEARLE

O SIGNIFICADO COMO USO: UM ESTUDO COMPARATIVO DAS NOÇÕES DE JOGOS DE LINGUAGEM E DE ATOS DE FALA EM WITTGENSTEIN E SEARLE Departamento de Filosofia O SIGNIFICADO COMO USO: UM ESTUDO COMPARATIVO DAS NOÇÕES DE JOGOS DE LINGUAGEM E DE ATOS DE FALA EM WITTGENSTEIN E SEARLE Aluno: Renato Luiz Atanazio Ferreira Professor: Ludovic

Leia mais

Classificação: Professor: E.Educação:

Classificação: Professor: E.Educação: Direcção Regional de Educação do Alentejo E. B. Integrada C/ J. I. Frei Manuel Cardoso Curso Profissional Técnico de Energias Renováveis Ciclo de Formação 2010/2013 Ano lectivo 2010/2011 Disciplina de

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Representação do Conhecimento, Memória e o Uso de Normas na Investigação Científica

Representação do Conhecimento, Memória e o Uso de Normas na Investigação Científica Seminários em Ciências do Comportamento Representação do Conhecimento, Memória e o Uso de Normas na Investigação Científica Andressa Bonafé Charlise Albrecht Roteiro: 1) Breve introdução à Psicologia Cognitiva

Leia mais

2º Momento Campo Argumentativo Argumento 1 -> Argumento 2 -> Argumento n Refutação de possíveis contra-argumentos

2º Momento Campo Argumentativo Argumento 1 -> Argumento 2 -> Argumento n Refutação de possíveis contra-argumentos Francisco Cubal Um discurso argumentativo é composto por: 1º Momento Introdução Tema (subtemas) Tese do Autor sobre esse tema 2º Momento Campo Argumentativo Argumento 1 -> Argumento 2 -> Argumento n Refutação

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Licenciatura em Psicologia Componente Específica de Psicologia

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

UNIDADE 1: Linguística, Linguagem e Língua

UNIDADE 1: Linguística, Linguagem e Língua 7 Dedicatória 9 Nota da Autora UNIDADE 1: Linguística, Linguagem e Língua 11 Objectivos da Unidade 11 1. O que é a Linguística? 11 1.1. O que é um linguista? 12 1.2. Qual é a diferença entre a Linguística

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

Exemplos de frases e expressões que não são proposições:

Exemplos de frases e expressões que não são proposições: Matemática Discreta ESTiG\IPB Lógica: Argumentos pg 1 Lógica: ramo da Filosofia que nos permite distinguir bons de maus argumentos, com o objectivo de produzirmos conclusões verdadeiras a partir de crenças

Leia mais

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Aula 1 Português 1 Faculdade Pitágoras Vale do Aço Jaider Fernandes Reis, Marcélia Marise Vieira dos Santos Martha

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CEGO DO MAIO PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: Português Ano2 Ano letivo 2016/2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CEGO DO MAIO PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: Português Ano2 Ano letivo 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CEGO DO MAIO PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: Português Ano2 Ano letivo 2016/2017 Unidade Didáctica Calendarização Conteúdos Programáticos Português 1º Período Compreensão do Oral

Leia mais

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE NOÇÃO DE TEXTO Texto ou discurso é uma ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão. Para ser considerada um texto, uma ocorrência linguística precisa ser percebida

Leia mais

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa.

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. 1. Hipnose é causada pelo poder do hipnotizador Naturalmente o hipnotizador deve ter o devido conhecimento e a força mental

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GEOMETRIA PROJECTIVA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GEOMETRIA PROJECTIVA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular GEOMETRIA PROJECTIVA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular GEOMETRIA

Leia mais

AS CATEGORIAS DA NARRATIVA

AS CATEGORIAS DA NARRATIVA AS CATEGORIAS DA NARRATIVA ACÇÃO ESPAÇO TEMPO PERSONAGENS NARRADOR MODALIDADES DE DISCURSO ACÇÃO É constituída por sequências narrativas provocadas pelas personagens e situa-se num espaço e num tempo mais

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 5-A/2008 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO

RECOMENDAÇÃO N.º 5-A/2008 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO Número: 5/A/2008 Data: 03.07.2008 Entidade visada: Director Regional do Orçamento e Tesouro Assunto: Recursos Humanos. Compensação por caducidade de contrato de trabalho a termo resolutivo incerto. Processo:

Leia mais

O PAPEL DOS MODELOS NA MATEMÁTICA

O PAPEL DOS MODELOS NA MATEMÁTICA O PAPEL DOS NA MATEMÁTICA Irinéa de Lourdes Batista 1 Gabriela H. G. Issa Mendes 2 João Henrique Lorin 3 Kátia Socorro Bertolazi 4 Resumo: Este minicurso tem por objetivo apresentar noções a respeito dos

Leia mais

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA Italiano I: Língua e Cultura - Introdução às situações prático-discursivas da língua italiana mediante o uso

Leia mais

COMUNIDADE K20 A comunidade K20 surge no gigante oceano que ocupa 40% do planeta. Estes procariotides, bactérias unicelulares com ADN, são as primeira

COMUNIDADE K20 A comunidade K20 surge no gigante oceano que ocupa 40% do planeta. Estes procariotides, bactérias unicelulares com ADN, são as primeira COMUNIDADE K20 A comunidade K20 surge no gigante oceano que ocupa 40% do planeta. Estes procariotides, bactérias unicelulares com ADN, são as primeiras formas de vida do planeta K-150BREAK. Devido às melhorias

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA PRAGMÁTICA NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM

A TRAJETÓRIA DA PRAGMÁTICA NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM A TRAJETÓRIA DA PRAGMÁTICA NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM Evandro Santana 1 Maria de Fátima Mendes Dutra 2 RESUMO Procura traçar os caminhos que levaram ao desenvolvimento da pragmática dentro dos estudos lingüísticos.

Leia mais

A Teoria dos Atos de Fala como concepção pragmática de linguagem 1 Speech Act Theory as a pragmatic view on language

A Teoria dos Atos de Fala como concepção pragmática de linguagem 1 Speech Act Theory as a pragmatic view on language Filosofia Unisinos 7(3):217-230, set/dez 2006 2006 by Unisinos A Teoria dos Atos de Fala como concepção pragmática de linguagem 1 Speech Act Theory as a pragmatic view on language Danilo Marcondes de Souza

Leia mais

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES LUDWIG WITTGENSTEIN Texto 2 LUDWIG WITTGENSTEIN 1889-1951 Estudou o significado conceitos filosóficos através da análise lógica da natureza das proposições da linguagem.

Leia mais

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se INTRODUÇÃO Cem anos após o nascimento da Psicologia Social, é a partir de agora possível fazer o balanço da evolução desta disciplina. Nessa perspectiva, Elementos de Psicologia Social responde a um duplo

Leia mais

BUSINESS. Practitioner. Curso de formação. Estratégias fundamentais para desenvolver habilidades essenciais nas relações organizacionais.

BUSINESS. Practitioner. Curso de formação. Estratégias fundamentais para desenvolver habilidades essenciais nas relações organizacionais. 1 Curso de formação BUSINESS Practitioner Estratégias fundamentais para desenvolver habilidades essenciais nas relações organizacionais. 2 03 Onde Nasceu a PNL 04 O que é Programação Neurolingistica 05

Leia mais

Ciências da Linguagem e da Cognição

Ciências da Linguagem e da Cognição Ciências da Linguagem e da Cognição Representação da informação verbal. Representação linear e ancoramento. Representação do conhecimento baseada no significado. Retenção dos significados verbal e visual.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO Carolina Vivian da Cunha-UNISC GE: Memórias, Trajetórias e Experiência na Educação. Resumo A formação dos trabalhadores é um assunto a ser

Leia mais

COMPETÊNCIAS INSTRUMENTOS / PROCESSOS PESOS / % DOMÍNIO COGNITIVO. Compreensão/Expressão oral

COMPETÊNCIAS INSTRUMENTOS / PROCESSOS PESOS / % DOMÍNIO COGNITIVO. Compreensão/Expressão oral Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo Escola Secundária Poeta António Aleixo CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2016 / 2017 Departamento de Línguas - Grupo 300 Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre 2000 1999 sentimento de si nuclear - consciência de si aqui e agora imagem corporal condição necessária sentimento de si sim não reconhecimento

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM

Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM LANGACKER, Ronald W. A linguagem e sua estrutura: alguns conceitos fundamentais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1972. cap. 1 (p. 11-19). MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais