Logística Reversa: uma ferramenta competitiva para as empresas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logística Reversa: uma ferramenta competitiva para as empresas"

Transcrição

1 Logística Reversa: uma ferramenta competitiva para as empresas Rozilene Lima RESUMO Este trabalho discute a importância da logística reversa e suas influências na tomada de decisões estratégicas das empresas. A logística passou por muitas mudanças nas últimas décadas, ganhando agora uma visão mais aprofundada e tornando-se uma ferramenta de competitividade entre as empresas ao incluir a preservação do meio ambiente. Essa visão tem impactos em diversos planos: da cadeia de fornecedores aos processos internos. Envolve a documentação de todas as atividades, o estudo dos diversos impactos e como preveni-los desde o projeto, protótipo, produção, consumo e disposição final. Inclui também o monitoramento de todo o ciclo anterior para a correção. O uso de informações de toda a cadeia de negócios também está inserido nas demandas a serem atendidas, desde o planejamento, coleta de resíduos, e informações para que os clientes contribuam nas medidas mitigadoras. Os negócios também devem considerar as diversas exigências da legislação ambiental considerando a Política nacional de resíduos sólidos (PNRS), (lei nº , em anexo), que foi sancionada em 2 de agosto de 2010, que demorou 21 anos para ser aprovada o que prova as dificuldades das leis em nosso país. Neste trabalho foi feito uma entrevista com o assessor técnico da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, para verificar como a secretaria apóia as empresas para que implantem efetivamente a logística reversa em seus processos produtivos. Palavras-Chave: Logística Empresarial. Logística Reversa. Competitividade. Canais de Distribuição Reversos. ABSTRACT This paper discusses the importance of reverse logistics and its influence on strategic decisions of companies. Logistics has undergone many changes in recent decades, now gaining further insight and become a tool of competitiveness among companies to include the preservation of the environment. This view has impacts on many levels: the supply chain processes. The article involves the documentation of all activities, the study of the various impacts and how to prevent them from design, prototype, production, consumption and disposal. It also includes the monitoring of all the previous cycle for the correction. The use of information from across the business chain is also inserted in the demands to be met, from planning, waste collection, and information for customers to contribute in the mitigation measures. Businesses should also consider the different requirements of environmental legislation considering the National Policy on Solid Waste (PNRS), (Law n º. 12,305, attached), which was signed into law on August 2, 2010, it took 21 years to be adopted as proof that the difficulties of the laws in our country. 136

2 This work was done an interview with the technical advisor to the Department of the Environment of the State of São Paulo, to see how the department supports companies to deploy effectively reverse logistics in their production processes. Keywords: Business Logistics. Reverse Logistics. Competitiveness. Distribution Channels reverse. INTRODUÇÃO No cenário atual meio ambiente e sustentabilidade ganham destaque. A sociedade e as empresas parecem estar se conscientizando da demanda intelectual sobre a gestão empresarial que esse momento gera. A logística reversa exige um acervo de conhecimento amplo desde o domínio em detalhe dos processos de produção das formas de disposição de resíduos, do consumo de energia e da distribuição para em conjunto reduzir os impactos do consumo. Ao mesmo tempo, as organizações não podem perder de vista a sua vocação comercial, o atendimento dos desejos e necessidades dos clientes. Mais do que um desafio, o que o momento exige é a melhor disposição do conhecimento para combinar retorno para as empresas com a preservação ambiental. Para preservar o meio ambiente as organizações devem se preocupar com os produtos desde a sua elaboração, pois o que mais afeta o meio ambiente nos dias atuais é produto de decisões tomadas no passado, como por exemplo: são as embalagens dos produtos que consumimos, e as empresas devem cada vez mais se empenhar na criação de novas embalagens por meio de novas tecnologias, reduzindo o volume, o tamanho, e os componentes mais agressivos dos bens consumidos. Inclui-se também a ajuda da logística reversa, que considera os efeitos antes de lançar qualquer produto, antecipa os seus efeitos no ambiente. Portanto, essas demandas geram uma gestão mais competente que contribui para a competitividade das empresas. Como conseqüência, a logística reversa ainda permite o reaproveitamento das embalagens dos resíduos, contribuindo para a indústria da reciclagem. 137

3 Esse trabalho inclui a logística reversa como o instrumento estratégico das empresas para se reorganizarem para incluir afetivamente a gestão ambiental como instrumento de competitividade. 1 METODOLOGIA DE PESQUISA A preocupação com a metodologia de pesquisa é fundamental para orientar a elaboração do pesquisador e apresentar os limites de aplicação. O pesquisador deve de início entender a natureza do tipo de pesquisa para melhor organizar o seu esforço, recursos e tempo. Permite também o entendimento dos limites das suas conclusões. Neste trabalho, foram utilizadas as pesquisas: bibliográficas, explicativas, descritivas, exploratórias, e o estudo de caso da empresa (Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo) Métodos de Pesquisa Os métodos de pesquisa têm como objetivo proporcionar ou não respostas aos problemas propostos. A pesquisa pode ser realizada quando o pesquisador procura informações que não estão a sua disposição, ou quando as informações estão em desordem que não possam ser adequadamente relacionadas ao problema Pesquisa Bibliográfica A pesquisa bibliográfica tem como ferramenta principal o enriquecimento de nosso conhecimento com obras, pesquisas e trabalhos elaborados anteriormente sobre o tema. É feita a partir de materiais elaborados anteriormente: livros, revistas, folhetos, teses e outros. Sendo assim, o pesquisador terá sua base de informações, com idéias de vários autores que já estudaram o caso, organizando, resumindo e adquirindo assim, conhecimento. 138

4 Pesquisa Descritiva A pesquisa descritiva tem como objetivo coletar dados e fatos ocorridos no ambiente estudado, utilizando-se de entrevistas, questionários, formulários e observação. Seu objetivo é classificar, explicar e interpretar o que ocorre no ambiente ou tema estudado. Coletar dados é uma das funções desse tipo de pesquisa, que usa a observação, a entrevista, o questionário e o formulário Pesquisa Exploratória A pesquisa exploratória tem como objetivo explorar determinados assuntos em volta do tema escolhido, buscando todas as informações pertinentes ao caso estudado. É o passo inicial de uma pesquisa e serve para estudar casos especiais ou pouco explorados, tornando-se difícil formular dados precisos e operacionalizáveis, devido ao fato de que não foi comentado tanto anteriormente. Este trabalho, por se tratar de um tema pouco explorado por outros autores, é um caso especial em que a coleta de informações é escassa, restringindo um pouco os dados a serem coletados Pesquisa Explicativa A pesquisa explicativa além de buscar explicar as razões das coisas, registra e analisa o tema estudado, buscando as causas dos fatos ocorridos em volta do assunto em estudo. É aquela que analisa os fatos com muita precisão, em busca de explicar na prática, o dia-a-dia, trazendo informações precisas sobre o assunto Estudo de Caso O estudo de caso é um método que permite ao pesquisador explorar o tema com mais precisão e detalhamento, tem como objetivo avaliar profundamente os tópicos envolvendo análises e idéias sobre o tema 139

5 escolhido, de maneira a adquirir conhecimento pormenorizado sobre o tema que esta sendo estudado. Neste trabalho foi utilizada a pesquisa exploratória, que tem por objetivo explorar determinados assuntos em volta do tema, e foi escolhida porque o tema se trata de um assunto novo, e não tem tantos materiais falando sobre ele. 2. CONCEITOS DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL E REVERSA O primeiro passo é conceituar a logística empresarial e a reversa para a melhor compreensão da última Definição de Logística Empresarial A logística empresarial envolve todas as áreas da empresa, ajuda a organizar as operações rotineiras e faz com que se desenvolva e atinja objetivos para que se possa atender o mercado consumidor, no tempo e local certo com boa qualidade na prestação de serviço. Dessa forma, agrega valor com eficiência e infra-estrutura, para atender o cliente e satisfazer plenamente suas necessidades. Com isto a empresa pode praticar a gestão moderna e atual, utilizando para isto novas tecnologias. Para Leite (2009, p.2) A logística pode ser entendida como uma das mais antigas e inerentes atividades humanas na medida em que sua principal missão é disponibilizar bens e serviços que são gerados pela sociedade, em locais, tempos, e nas quantidades e qualidade necessária para quem for utilizálas. De acordo com Ballou (2006, p.26) A logística empresarial é um campo relativamente do estudo da gestão integrada, das áreas tradicionais das finanças, marketing e produção. É do conceito que a logística procura agregar valor a produtos e serviços essenciais para satisfazer o cliente e aumentar as vendas. A figura a seguir identifica as quatro áreas onde a logística empresarial atua. 140

6 Mercado Fornecedor Organização Mercado Consumidor Logística de Logística de Logística de Suprimentos apoio á Distribuição Manufatura Reintegração ao Ciclo de Negócios ou Produtivo Logística Reversa Pós-Venda Pós-Consumo FIGURA1 - Áreas de atuação da logística empresarial Fonte, Leite (2009, p.4) Podemos entender que a logística é uma das atividades mais antigas. Ela se desenvolveu ao passar dos tempos e se tornou fundamental para as empresas. Nos dias de hoje, ela trabalha de diversas formas: prestando apoio à área de marketing em suas decisões logísticas. Dessa maneira, as empresas podem utilizá-la como ferramenta para dar continuidade ao negócio, utilizando equipamentos modernos e atendendo as expectativas de seus clientes com qualidade e no tempo certo Definição Logística Reversa A logística reversa diz respeito ao retorno dos materiais ao ciclo produtivo quando estes já não têm mais uso, ou por algum motivo teve de retornar, seja por defeito ou por fim de vida útil. Pode ser definida por logística reversa de pós-consumo, que é quando os produtos encerram seu fim de vida útil e precisam ser descartados, e de pós-venda quando os produtos com pouco ou nenhum uso precisam voltar a área de suprimentos, maiores detalhes no próximo capítulo. Dentro das empresas os canais reversos são necessários devido ao aumento da descartabilidade dos produtos em geral, e com a crescente preocupação ecológica e as criações de legislações ambientais, colaboram para as empresas se tornarem mais competitivas, e ambientalmente 141

7 corretas. Como resultado, ela atende esse novo cliente, seja para cumprir com as leis ambientais ou visão de negócios. Para Mansor, a logística reversa é definida como: Um instrumento de desenvolvimento socioeconômico e de gerenciamento ambiental, caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios, destinados a facilitar a coleta e restituição dos resíduos sólidos aos seus produtores, para que sejam tratados ou reaproveitados em novos produtos, na forma de novos insumos, em seu ciclo ou em outros produtivos, visando a não geração de rejeitos. (MANSOR et. al. 2010, p. 25). A figura abaixo ilustra como funciona a logística reversa. Comércio Indústria Bens de Pós-venda Resíduos Industriais Bens de Pós-Consumo Garantia/ Qualidade Comerciais Substituição de Componentes Fim de Vida Útil Em Condições de Uso Reuso Conserto Reforma Estoques Validade de produtos Desmanche Componentes Mercado de Segunda mão Retorno ao ciclo de Negócios Disposição Final Reciclagem Remanufatura Mercado Secundário De Bens Mercado Secundário de Matérias- primas Retorno ao Ciclo Produtivo Mercado Secundário de Componentes FIGURA 2- Foco da Atuação da Logística Reversa Fonte: Leite (2002b) 142

8 De forma mais simples, é possível explicar que a logística reversa na medida se preocupa com o desenvolvimento integral das empresas, ao incorporar ao seu gerenciamento o descarte dos seus resíduos sólidos de forma consciente, através da reciclagem, reutilização, preocupação no desenvolvimento de novas embalagens retornáveis. Inclui também os canais reversos de pós-venda e pós-consumo, se antecipa as leis ambientais e reduz custos. Outro benefício desta prática é a melhoria de sua imagem. Sendo assim, a conscientização e envolvimento de todos na cadeia produtiva, traz resultados compensadores Da Logística Empresarial à Reversa A logística empresarial é muito importante para as empresas e se desenvolveu com o passar dos tempos. Atualmente a logística faz parte do processo estratégico das organizações, e a logística reversa vem integrar a mais nova área da logística, cuidando dos produtos para que retorne a seu ciclo produtivo quando cessar seu ciclo de vida útil. Para Leite (2009, p.3) A logística empresarial assume relevante no planejamento e controle do fluxo de materiais e produtos desde a entrada na empresa até sua saída como produto finalizado. O processamento de pedidos e serviços oferecidos aos clientes são diferenciais estratégicos que as empresas utilizam e dessa forma podem decidir as quantidades que serão produzidas, os modelos a serem fabricados, a seqüência da fabricação, os estoques de insumos e de produtos intermediários e acabados, quantidades e datas de entrega das matérias primas, e os componentes diretos da fabricação, dentre outros, esses elementos tornam-se fundamentais para o cumprimento das estratégias empresariais. Ainda de acordo com Leite (2009) é possível identificar as quatro áreas operacionais na logística empresarial atual são elas: Logística de suprimentos: a área responsável por suprir as necessidades dos insumos das empresas. Logística de apoio à manufatura: a área responsável por planejar, armazenar e controlar os fluxos internos. 143

9 Logística de distribuição: área que se ocupa da distribuição dos pedidos recebidos. Logística Reversa: é a mais nova área da logística, responsável pelo retorno dos produtos de pós-venda e pós-consumo e de seu endereçamento a diversos destinos. A logística reversa é a mais nova área da logística empresarial. Sendo assim, a empresa que quiser se manter competitiva e dar continuidade ao seu negócio, precisa se atualizar e começar a utilizar essa ferramenta tão importante nos dias de hoje, onde a questão ambiental ganha cada vez mais importância e preocupação, e com as exigências das leis ambientais, cito aqui a lei de 2 de agosto de 2010 que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. 3. OS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO NA LOGISTICA REVERSA Os canais de distribuição da logística reversa são também ações de responsabilidade compartilhada, que envolve tanto quem produz quem compra quem vende e quem consome, e ainda os governantes Canais de Distribuição Diretos e Reversos Os canais de distribuição diretos e reversos são caracterizados pela trajetória que o produto faz até chegar ao consumidor final. Depois desse processo, se houver a necessidade de que este produto volte ao seu ciclo produtivo, seja por defeito ou por estar danificado, a empresa faz a coleta e a destinação final correta, seja para fazer o conserto, seja para revenda, ou desmontagem para confeccionar um novo produto. É exatamente onde atua a logística reversa de pós-consumo e de pós-venda, para fazer a destinação correta destes bens. Para Leite (2009, p.6) os canais de distribuição diretos, ou simplesmente canais de distribuição como são conhecidos, são constituídos de diversas etapas pelas quais bens e serviços são produzidos e comercializados, até chegar nos consumidores finais, seja uma empresa ou pessoa física. Para 144

10 Kotler (apud LEITE 2009, p.6) há explicação que a distribuição física dos bens é a atividade que realiza a movimentação e disponibiliza esses produtos ao consumidor final. Para Guarnieri (2011, p.72) o canal de fluxo direto dos produtos é diferente dos canais reversos, pois o fluxo direto apenas disponibiliza o produto para que chegue ao consumidor final, o fluxo reverso trata de cuidar destes produtos na pós-venda, e no pós-consumo. As alternativas de retorno ao ciclo produtivo são o foco de estudo da logística reversa e dos canais reversos que buscam a revalorização dos resíduos de pós-venda e de pós-consumo. Sendo assim as empresas precisam encontrar formas por meio da logística reversa para fazer a coleta, triagem, distribuindo estes itens de maneira que não venham a prejudicar a empresa maneira econômica viável. Os canais de distribuição reversos são explicados na figura 3. Fluxos Mercado Secundário R e v e r s o s D i r e t o s R e v e r s o s o Mercado Secundário Reciclagem Mercado Primário Desmanche Reuso Pós-Venda Pós-Consumo Disposição Final FIGURA 3- Canais de Distribuição diretos e reversos Fonte: Leite (2009, p.7) 145

11 Como síntese para o leitor: os canais de distribuição reversos são formados por produtos de pós-consumo e de pós-venda. A logística reversa vem para atuar nesta área e dar o destino certo para os produtos cujo ciclo de vida acabou. Desta forma, a logística reversa mostra como fazer para que esses produtos retornem para o ciclo produtivo, seja pelo mercado secundário, pela reciclagem, desmanche, reuso ou mesmo uma disposição final adequada, como mostra a figura Canais de Distribuição Reversos de Bens Pós-Consumo Nos canais reversos de bens de pós-consumo, os bens são adquiridos pelos consumidores nas lojas e são utilizados. O consumidor quando não quer mais o bem ou encontra um defeito, ou simplesmente quer se desfazer do mesmo, a empresa precisa coletar esse bem e resolver o que fazer com ele, podendo encaminhá-lo para o mercado secundário para ser revendido sem alteração de sua forma, ou então o aproveitamento de algumas peças para utilização em novos produtos, ou ainda, se não existirem possibilidades de reutilização, os resíduos serão encaminhados para reciclagem e dessa forma, não prejudicando o meio ambiente. Leite (2009, p.8) ainda explica que os bens de pós-consumo são constituídos nas mais diversas etapas de sua comercialização, dessa forma, observa que: Os canais de distribuição reversos de bens de pós-consumo constituem-se nas diversas etapas de comercialização e industrialização pelas quais fluem os resíduos industriais e os diferentes tipos de bens de utilidade os seus materiais constituintes, até sua reintegração ao processo produtivo, por dos subsistemas de reuso, remanufatura ou reciclagem. (LEITE 2009, p.49) Canais reversos de reuso: (...) são definidos como aqueles bens em que se tem a extensão do uso de um produto de pós-consumo ou de seu componente. Possui a mesma função de quando foi adquirido pelo antigo dono e não tem remanufatura. Canais reversos de remanufatura: é o canal reverso no qual os produtos podem ser reaproveitados em suas partes essenciais, mediante a substituição de alguns componentes, reconstituindo-se em 146

12 um produto com a mesma finalidade do original. A remanufatura é o desmanche do produto, os componentes em condições de uso são retirados para serem usados novamente, os que não têm revalorização são enviados para a reciclagem industrial. Canais reversos de reciclagem: é o canal reverso de revalorização em que os materiais constituintes dos produtos descartados são extraídos industrialmente, transformando-se em matérias-primas secundarias ou recicladas, estas matérias-primas voltam ao ciclo produtivo, para se transformarem em novos produtos. A figura 4 apresenta como funcionam os canais reversos de pósconsumo. Fabricante de matérias-primas novas Resíduos Industriais Fabricante de produtos (duráveis /descartáveis) Materiais reciclados Consumidor Final (empresa/pessoa física) Mercados secundários Bens de pós-consumo Descartáveis/semiduráveis Duráveis/semiduráveis Coleta informal Coleta seletiva Coleta do lixo Desmanche Reuso Intermediários (sucateiros) Sobras Componentes Indústria de Reciclagem Incineração Remanufatura FIGURA 4- Canais de Distribuição de Pós-Consumo Diretos e Reversos Fonte: Leite (2009, p. 50). 147

13 Por fim o canal reverso de pós-consumo se caracteriza por tratar dos bens quando o consumidor não se interessa mais por ele, e quando estes não podem ser revalorizados devem seguir uma destinação final adequada Canais de Distribuição Reversos de Pós-Venda Os canais reversos de pós-venda são formados pelos produtos, que praticamente depois da venda, voltam ao ciclo produtivo por vários motivos. A seguir vamos conhecer melhor como funciona este canal. Desta forma, as empresas precisam esta bem preparada fisicamente para dar a destinação final adequada para seus produtos de pós-venda que por algum motivo foram devolvidos pelo consumidor. Para Guarnieri (2011, p.56) O resíduo de pós-venda pode ser entendido como aquele que teve pouco ou nenhum uso e retorna á cadeia de suprimentos por diversos motivos, tais como erros de fabricação, expiração de prazo de validade, devolução por falta de qualidade do produto, garantias, excesso de estoques, produtos com avarias no transporte, etc. A caracterização da logística reversa de pós venda se dá quando ocorre à reutilização, a revenda como subproduto ou produto de segunda linha e, a reciclagem de bens que são devolvidos pelo cliente em qualquer cadeia de distribuição sendo no varejista, atacadista ou diretamente no fabricante. Uma síntese dessa proposta é apresentada na figura a seguir. 148

14 Logística Reversa de Pós-consumo Reciclagem Industrial Desmanche Industrial Reuso Consolidação Coleta Cadeia de Distribuição direta Consumidor Bens de Pós- Venda Bens de Pós- Consumo Logística Reversa de Pós-Venda Seleção/ destino Consolidação Coleta FIGURA 5- Logística reversa área de atuação e etapas reversas Fonte: Leite (2009, p. 19) No canal de distribuição de pós-venda, os bens que por algum motivo, seja por problemas de fabricação, fim de vida útil, recall, excesso de estoque, entre outros, voltam ao ciclo produtivo, poderão ser reaproveitados de alguma forma. 4. OBJETIVO AMBIENTAL NA LOGISTICA REVERSA O objetivo com base na logística reversa é fazer as empresas se preocupem com o impacto ambiental do ciclo produtivo, sem prejudicar o meio ambiente e atender seu cliente que exige cada vez mais produtos sustentáveis. Sendo assim, este capítulo explicará de forma detalhada, qual a influência da variável ambiental nos processos logísticos das empresas Sensibilidade ecológica A sensibilidade ecológica nada mais é do que a consciência de todos os envolvidos na cadeia produtiva e de consumo. É ter a responsabilidade 149

15 compartilhada em todas as fases do processo de um produto, para que não venha a prejudicar o meio ambiente. Para Leite (2009, p.116) A percepção e crescente sensibilidade com relação ao meio ambiente tornaram-se obrigatória em declarações de missões empresariais. As estratégias de gestão de meio ambiente passaram a constituir parte integrante da reflexão empresarial, pelo menos pro parte de empresas lideres de mercado e consideradas excelentes em seus setores. O consumidor esta mais consciente e precisa de informações sobre o impacto dos produtos industriais, e seus processos no meio ambiente. Para Filho e Berté (2009, p. 30) [...] ainda nesse período de consolidação da globalização, surgiram às preocupações com as questões ecológicas, exatamente pela percepção da integração existente entre todas as partes do mundo. Pois o problema que ocorre em um lugar do mundo pode afetar outros lugares, sendo assim hoje esta maior a consciência ambiental das pessoas em toda parte do mundo. O surgimento de legislações começou a exigir uma postura diferente e proativa das empresas em toda parte do mundo, em relação às questões ambientais. A sensibilidade ecológica deve estar presente em toda cadeia produtiva, o que envolve o comprometimento dos fabricantes, empresas, consumidores, e governantes. Destaque-se a importância da responsabilidade pós-consumo, que não envolve somente a logística reversa, vai além deste fato e envolve a preservação ambiental como um todo. A logística reversa nestes termos assume papel de ferramenta que ajudará as empresas em seus processos logísticos, com a preocupação de que esses produtos irão voltar a seu ciclo produtivo no final de sua vida, sem prejudicar o meio ambiente. Os consumidores por sua vez, devem exigir produtos ecológicos e ambientalmente corretos, para incentivar às empresas a repensarem na fabricação de seus produtos. Não só isso, ter a preocupação de não descartar seu lixo de qualquer maneira, sem pensar, no meio ambiente. Devem devolver o produto para os fabricantes, que por sua vez irão dar a destinação adequada, e os governantes devem apoiar às empresas e mostrar medidas de apoio para que elas possam implantar a logística reversa em seus processos produtivos. 150

16 4.2. Críticas Ambientais a Cultura do Consumo Até recentemente prevalecia a cultura de jogar fora sem nenhuma preocupação. Atualmente, o cenário está mudando para o conceito de pósconsumo: a sustentabilidade do projeto até a disposição final. Nota-se o esforço para reverter a cultura do consumo imediato no qual o descarte de produtos é mais rápido devido à oferta de novos produtos mais modernos. Esta descartabilidade gera mais resíduos e o desafio de dar uma destinação adequada demanda mais planejamento. Logo, a logística reversa se aplica para o retorno correto do consumo ao ambiente. Conforme a figura a seguir, esse novo cliente consumidor é mais exigente e cobra: responsabilidades empresariais. As legislações ambientais estão mais detalhadas e rigorosas cobrando das empresas a previsão do descarte de resíduos dos produtos e serviçios.. Cultura do Consumo Cultura Ambientalista Cultura de Serviços Comprar Usar Reduzir Reusar Atendimento Dispor Reciclar Relacionamento Novo Cliente e Consumidor Legislações Ambientais Responsabilidade Empresarial Flexibilidade Operacional Governo/ Sociedade Logística Reversa na Estratégica Empresarial Empresas Competitividade Imagem Corporativa FIGURA 6- Mudanças na cultura de consumo e suas conseqüências Fonte: Leite (2009, p. 118) 151

17 Diante do exposto, pode-se concluir que anteriormente as pessoas compravam, usavam e disponham fato que foi degradando o meio ambiente. Na cultura ambientalista o enfoque é que as pessoas reduzam, reusem, e reciclem ao máximo, para não gerar tanto resíduo, deixando assim de prejudicar o meio ambiente. E a cultura de serviços por sua vez, deverá se preocupar em atendimento e relacionamento diferenciado para esse cliente, cada vez mais consciente das questões ambientais. As empresas juntamente com os governantes e a sociedade devem compartilhar a responsabilidade pós-consumo, sendo que as empresas devem ter flexibilidade em seus processos, incluindo a logística reversa como ferramenta estratégica, para ser mais competitiva e ao mesmo tempo ter uma boa imagem corporativa perante seus clientes, cumprindo com as legislações ambientais Responsabilidade das Empresas com o Meio Ambiente Nos dias de hoje as empresas devem estar atentas as leis ambientais para que seus produtos não prejudiquem o meio ambiente e mantendo assim uma imagem corporativa sustentável perante seus clientes que cada vez mais estão conscientes e exigem produtos sustentáveis. Elas devem repensar a forma de fabricarem seus produtos, diminuindo o impacto dos danos causados ao meio ambiente. Para Leite (2009, p.123) [...] as empresas estão se defrontando com um ambiente externo em grande transformação, que ocorre a cada dia com maior velocidade. Esse fato se dar por conta da consciência dos consumidores com relação aos impactos dos produtos no meio ambiente, seja pelo fato de que as pessoas estão mais informadas ou porque estão realmente vendo as agressões ao meio ambiente. Acionistas de empresas estão investindo em empresas éticas e que tenham relações com a sociedade e o meio ambiente. Ainda de acordo com Leite: A variável ambiental, tanto a social, é introduzida na reflexão estratégica de empresa líderes como um diferencial competitivo, por meio da percepção para reforçar a imagem corporativa da empresa, reforçando seus negócios, este é um ambiente em que se diferenciar é extremamente difícil de ser obtido por meio de outras variáveis mercadológicas (LEITE 2009, p.123) 152

18 A seguir, é possível verificar os benefícios que as empresas podem obter se operarem os canais reversos em seus processos produtivos. TABELA 1 Motivos estratégicos de as empresas operarem os canais reversos Motivo Estratégico Porcentagem de empresas respondentes Aumento da competitividade 65, 2% Limpeza do canal - estoques 33, 4% Respeito às legislações 28, 9% Revalorização econômica 27, 5% Recuperação de ativos 26, 5% Fonte: Rogers e Tibben-Lembke(1999), (apud Leite, 2009 p. 25) Diante do exposto, observa-se que a logística reversa é responsável pela maior porcentagem no aumento de competitividade das empresas, e que pode ser considerada ferramenta estratégica empresarial perante as outras empresas que ainda não a utilizam Logística Reversa e Analise do Ciclo de Vida A análise do ciclo de vida é uma ferramenta muito importante para que os fabricantes saibam qual o impacto que seu produto irá causar no meio ambiente, desde o momento da seleção da matéria prima, até a destinação final. De acordo com Leite (2009, p.122) A análise do ciclo de vida útil dos produtos estuda o impacto ambiental gerado pelos produtos desde o momento da extração das matérias-primas e outros insumos utilizados em sua fabricação de maneira contabilizada com recursos naturais utilizados. Os impactos causados pelo transporte para internalizar os insumos e para distribuição direta e reversa dos produtos de pós-consumo, até a disposição final. Também conhecido como analise do berço ao tumulo. Conforme Guarnieri (2011, p.65) [...] a avaliação do ciclo de vida é conhecida pela expressão do berço á cova (cradleto grave), berço indicando o nascedouro dos insumos primários mediante a extração de recursos naturais e cova, que é o destino final dos resíduos que não tem mais proveito não será reciclado nem reusado, será descartado de forma ambientalmente correta 153

19 podendo ser em aterros ou por meio de incineração. Este tipo de ciclo não é igual ao ciclo mercadológico onde o produto nasce vai para o mercado até sua morte, porém passa pelo crescimento, maturidade e declínio. Podemos observar como funciona esse ciclo na figura a seguir. Pesquisa e Desenvolvimento (P& D) Extração de Matérias- Primas Fabricação Definição de Novos Produtos pelo Marketing (berço) Destinação final (túmulo) Reciclagem ou Recuperação Consumo ou Utilização Embalagem Transporte FIGURA 7 - O ciclo de vida dos produtos do berço ao túmulo Fonte: Filho e Berté (2009. p.79). Em síntese conclui-se que a análise do ciclo de vida envolve todo o processo da fabricação de um produto, desde o momento de sua criação até o término de sua vida útil, quando precisará voltar ao ciclo produtivo por meio da logística reversa. Para isso, a empresa precisa estar bem estruturada para implantar a logística reversa nos processos de fabricação e ter pessoas bem capacitadas nesta área. Como conseqüência, a organização será estrategicamente competitiva, atenderá as legislações ambientais, e o mais importante: seu cliente Condições para uma Empresa Implantar a Logística reversa Para que uma empresa implante a logística reversa em seus processos produtivos deverá ter às condições necessárias e se preocupar com alguns 154

20 fatores de influência que giram em torno da organização, a seguir iremos conhecê-los. Segundo Leite (2009, p.88-91) O modelo destaca em primeiro plano as condições essenciais para que o fluxo reverso se estabeleça conforme é descrito a seguir : Novo Produto Condições Essenciais Remuneração em todas as etapas reversas Qualidade dos produtos remanufaturados Escala econômica de atividade Mercado para os produtos com conteúdo de reciclados Reintegração ao ciclo produtivo Pós-consumo Fatores necessários -Fatores Econômicos -Fatores tecnológicos -Fatores logísticos Fatores modificadores -Fatores logísticos -Fatores legislativos FIGURA 9- Modelo Relacional Fonte: Leite (2009, p.89) Na figura 10 podemos visualizar os fatores de influencia nos canais reversos de pós-consumo. 155

21 Retorno ao ciclo produtivo Canais Diretos FD Fluxo direto Canais Reversos FR Fluxo Reverso econômicos Ecológicos legislativos Logísticos Tecnológicos Produtos de Pós-consumo FD FR EQUILIBRIO FIGURA 10 Fatores de influencia na organização dos canais reversos de pósconsumo Fonte: Leite (2009, p.88) No contexto descrito é possível observar que, para que a logística reversa seja implantada na empresa há vários fatores que irão influenciar. A empresa precisará ter as condições essenciais, os fatores necessários e os fatores modificadores para que a logística consiga funcionar em seus processos produtivos. No próximo capitulo iremos entender porque a logística reversa tornou-se, nos dias de hoje, uma ferramenta competitiva. 5. A LOGISTICA REVERSA COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL A logística reversa é uma ferramenta de competitividade para as empresas na medida em que está presente de forma adequada nos detalhes dos diversos processos produtivos. 156

22 5.1. Logística Reversa como um diferencial competitivo A logística reversa pode ser considerada uma ferramenta de competividade na medida em que aprimora processos, calendários de operação, documentação e qualificação de mão de obra. As experiências recentes demonstram que não é tão simples de se implantá-la. Porém, não é difícil que a empresa estruture sua gestão e os seus processos produtivos. Como resultado adicional, a diferenciação dos produtos perante os seus concorrentes será mais marcante. De acordo com Guarnieri (2011, p.58) Um dos aspectos mais relevantes para as empresas que adotam a logística reversa é a diferenciação por serviço, uma vez que atualmente, os varejistas acreditam que os clientes valorizam as empresas que possuem políticas de retorno de produtos. Esta é uma vantagem competitiva onde os varejistas e fornecedores assumem os riscos no caso de o produto está quebrado ou danificado. A PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), aborda estes aspectos quando trata da responsabilidade compartilhada entre fabricantes/produtores, distribuidores, varejistas e importadores e exportadores. Um processo de logística reversa de pós-venda bem gerenciado nas empresas possui uma grande fonte de vantagem competitiva através da diferenciação no atendimento, agregando valor ao cliente, e em longo prazo fidelizando-o. Para Filho e Berté (2009, p. 72) As organizações, até mesmo sob ponto de vista estritamente econômico (visão de lucratividade), devem pensar em como tirar proveito dessa situação e agir de forma a garantir vantagens competitivas. Conforme apresentado, é possível entender porque a logística reversa torna-se um diferencial competitivo para empresas de hoje em dia, pois com às exigências das leis ambientais, e a consciência dos consumidores, as empresas que conseguirem montar um processo reverso de seus produtos, além de estarem de acordo com as leis, terão diferenciação competitiva em seus serviços. Para destacar a importância desses custos, o quadro 1 a seguir explicará os riscos mercadológicos que podem impactar na imagem de uma empresa, se não tiverem prevenidos pela logística reversa. 157

23 QUADRO 1 Logística reversa na prática Custos dos riscos Mercadológicos A recuperação de uma falha ou uma experiência negativa em relação a um produto ou serviço adquirido revela que em 85% dos casos o cliente abandona a marca ou a empresa. Conquistar clientes custa cinco vezes mais do que mantê-los. A lucratividade de um cliente cresce com a sua permanência. Recuperar uma imagem é muito mais caro que mantê-la. Fonte: Leite (2009, p.28) Diante do exposto podemos concluir que a logística reversa está conquistando as empresas, não somente pelo retorno de seus produtos ao ciclo produtivo, mais também porque é economicamente viável em aspectos de diminuição de custos nos processos logísticos, melhorando a imagem daquelas empresas que implantaram sistemas reversos de qualidade Competitividade nos tempos atuais A competitividade pode ser uma ferramenta que estimula as empresas a produzirem com criatividade. Quando se fala em preservação de meio ambiente, essa competitividade deve ser saudável para todos ganharem. Uma das principais tendências nas empresas é a consciência de que a gestão ambiental deve estar diluída em cada processo, e que cada um deve fazer sua parte. A responsabilidade pós-consumo está ganhando forças de forma compartilhada. De acordo com Filho e Berté (2009, p.41) em um passado não tão distante a competitividade das empresas era baseada essencialmente em produtividade, ou seja, produzir mais com menor custo sem a preocupação com o descarte correto. O fenômeno da globalização de mercados e dos recursos produtivos gerou um volume crescente de inovações tecnológicas influenciaram mudanças nos ciclos de vida dos produtos e nos padrões comportamentais dos consumidores. Estas mudanças aceleraram ás pressões ambientais sobre as áreas de disposição final. Porém existem soluções disponíveis que mediante pressões de consumidores (via redes sociais) e 158

24 legislação geram mudanças no modelo de lucratividade das organizações, Os cuidados ambientais traduzem padrões de prestação de serviços mais elevados. Todos esses aspectos combinados conduzem as empresas à atuação empresarial extremamente competitiva, exigindo suporte profissional e planejamento dos seus sistemas de informações logísticas. Podemos concluir que com a velocidade das tecnologias, os produtos cada vez mais têm seu ciclo de vida reduzido. Sendo assim, é preciso que as empresas pensem antes de fabricarem seus produtos. Atualmente, o consumo é muito rápido e isso gera resíduos que tem a destinação não adequada. É preciso que os fabricantes recolham seus produtos com fim de vida útil e dêem à destinação final correta, e agora podem contar com a logística reversa. 6. Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo A logística reversa demanda ações de colaboração e integração do setor público como a secretaria do meio ambiente que organiza ações de adensamento de soluções nas cadeias de negócio das empresas. Essas ações tem início na coleta de sugestões para melhorias, ações de conscientização para as vantagens da logística reversa e a visão estratégica de obter adesão não por meios legais, como por exemplo: multas e restrições. Para tal finalidade a secretaria organiza o acompanhamento dessas cadeias junto com outros órgãos públicos e a construção de indicadores setoriais para orientar as ações de políticas públicas. A Secretaria desenvolveu uma estratégia inovadora, solicitando às empresas que enviassem propostas para implantação dos sistemas mudando radicalmente a lógica da regulação. Isto em si já configura uma grande vantagem às empresas, que puderam à época propor soluções dentro do escopo de sua viabilidade. Além disso, para aqueles que firmarem Termos de Compromisso, a Secretaria tem oferecido contrapartidas, tais como apoio na divulgação, revisão de procedimentos administrativos necessários à consecução dos sistemas, interlocução com a Secretaria da Fazenda para revisão de questões tributárias, 159

25 intensificação da fiscalização de contrabandos, entre outras medidas que estão sendo discutidas caso a caso. CONSIDERAÇÕES FINAIS A importância da logística reversa para as empresas, pelo fato que ela é a ferramenta que ajudará a resolver os problemas dos resíduos descartados de forma incorreta no meio ambiente. Desta forma a logística reversa é a nova área da logística empresarial que veio para cuidar do retorno dos produtos de pós-venda e de pós-consumo, cuidando do ciclo reverso dos resíduos quando estes produtos são entregues ao consumidor final. Além do mais a logística reversa é responsável por uma considerável parcela de redução dos custos produtivos nas empresas que a utilizam, sendo bom também para imagem dela perante seus consumidores, o que a torna ambientalmente sustentável e responsável. As empresas que já iniciaram as atividades relacionadas à logística reversa de pós-consumo e de pós-venda notaram que as iniciativas trazem retornos e compensação de custos, minimizam as penalidades das leis ambientais, e aumentam sua lucratividade, e as tornam mais competitivas estrategicamente perante seus concorrentes, na medida em que conseguem reintegrar os resíduos de seus produtos ao ciclo produtivo. Sendo que a logística de pós-consumo é mais desenvolvida porque trata da destinação por meio de reciclagem, além do que geram empregos diretos e indiretos, a logística de pós-venda ainda é tratada pelas empresas como um problema a ser solucionado, o que não é impossível de ser resolvido, mais justifica a carência de dados. Apesar de se tratar de um interesse crescente algumas empresas ainda não estão preparadas, ou não tem gestores qualificados para atuarem nesta área, ou ainda não possuem sistemas operacionais bem estruturados para implantá-la. A logística reversa precisa de uma contribuição reguladora como a da Secretaria do meio ambiente para articular esforços em uma dimensão mais ampla com vantagens para as empresas que a adotarem. 160

26 Bibliografia: BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. Tradução Raul Rubenick, 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 4ª ed. São Paulo: Makron Books, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN Pedro Alcino e SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 5ª ed. [rev.]. São Paulo: Saraiva, GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social: 6ª ed. São Paulo: Atlas, Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas, LEITE, Paulo Roberto. Logística reversa: Meio ambiente e competitividade. 2ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, FILHO, Edelvino. Razzolini; BERTÉ, Rodrigo. O reverso da logística e as questõesambientais no Brasil. Cutiriba: Ibpex, SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. [rev e at.]. São Paulo: Cortez, Periódicos: RIBEIRO, Flávio de Miranda: Responsabilidade pós-consumo na política de resíduos sólidos: uma visão, estratégia e resultados até o momento no Estado de São Paulo. ano I, vol. 2, São Paulo. In: Revista científica sobre resíduos sólidos. Conexão academia jul MANSOR, Maria Teresa C. et. al. Resíduos Sólidos. In: Educação Ambiental. Coordenadoria de Planejamento Ambiental. v.6. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. São Paulo, Eletrônicas: 161

27 LEI Nº , DE 2 DE AGOSTO DE Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2010/lei/l12305.htm>. Acesso em 18 de ago às 16h10. Nota de Esclarecimento nº. 2 Resolução SMA 38/2011, São Paulo. Disponível em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/wp/residuossolidos/>. Acesso em: 23 de abr às 14h39. Reflexões sobre a política nacional dos resíduos sólidos, São Paulo. Disponível em: <http://habitanteverde.com.br>. Acesso em: 21 jun. 2012, às 16h50. Política Nacional dos Resíduos Sólidos, São Paulo, Disponível em: <http://www.cempre.org.br/download/pnrs_002.pdf>. Acesso em: 9 de ago 2012 ás 18h06m. GUARNIERI, Patrícia. Logística Reversa: em busca do equilíbrio econômico e ambiental.1ª ed. Recife: Clube de autores, Disponível em: <http://books.google.com.br/books/about/log%c3%adstica_reversa_em_bus ca_do_equil%c3%adbr.html?id=i-worbqsmtcc&redir_esc=y>. Acesso em: 9 set às 15h34. ANEXO 1 Entrevista sobre Logística Reversa: RIBEIRO, Flavio de Miranda, Assessor Técnico da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo; Doutorando do Programa de Ciências Ambientais da Universidade de São Paulo (PROCAM-USP). Logística Reversa. (Entrevista pessoal), para Rozilene Lima, Faculdade das Américas, em 15 de Outubro de 2012, ás 14h30m. Antes de qualquer coisa, é essencial entender que a responsabilidade das empresas em assegurar o gerenciamento do resíduo pós-consumo de seus produtos é uma exigência legal - seja em nível Estadual ou Federal. Em segundo lugar, mais do que isso, esta determinação vem dar cumprimento a princípios fundamentais do direito ambiental, como o do poluidor-pagador, internalizando externalidades que até então significavam prejuízo à população - seja pelos danos ambientais da disposição inadequada, seja pela sobrecarga 162

28 dos sistemas de coleta e destinação públicos dos RSU, além é claro dos baixíssimos índices de eficiência no uso dos recursos que eram (e ainda são) praticados em nossa sociedade. Por último, cabe também lembrar que na Política Estadual de Resíduos Sólidos de São Paulo não tratamos especificamente de logística reversa, mas de responsabilidade pós-consumo dentro do que se encontra a logística reversa. É neste contexto que respondo a seguir suas perguntas. Para maiores detalhes da estratégia geral, sugiro a leitura daquele artigo que te passei. 1) Como as empresas podem ter na logística reversa uma ferramenta de competitividade? As oportunidades de ganho de competitividade para as empresas dependem da capacidade destas em inovar não apenas em relação aos produtos, que podem e devem ser reformulados dentro dos preceitos do ecodesign (que é um dos objetivos da responsabilidade pós-consumo para além da logística reversa), mas principalmente dentro de novos modelos de negócio é a posta em prática do conceito de economia verde. Apenas alguns exemplos de possíveis vantagens são a garantia de fornecimento de matérias-primas; a possibilidade de fidelização de clientes; e a eventual reestruturação dos mercados pois as empresas menos aptas acabarão sendo eliminadas por conta destas exigências. 2) Como a Secretaria do meio ambiente de São Paulo apóia as empresas para que possam implantar a logística reversa em seus processos logísticos e cumprir com a lei nº /2010 política nacional de resíduos sólidos? A Secretaria desenvolveu uma estratégia inovadora, solicitando às empresas que enviassem propostas para implementação dos sistemas mudando radicalmente a lógica da regulação. Isto em si já configura uma grande vantagem às empresas, que puderam à época propor soluções dentro do escopo de sua viabilidade. 163

29 Além disso, para aqueles que firmarem Termos de Compromisso, a Secretaria tem oferecido contrapartidas, tais como apoio na divulgação, revisão de procedimentos administrativos necessários à consecução dos sistemas, interlocução com a Secretaria da Fazenda para revisão de questões tributárias, intensificação da fiscalização de contrabandos, entre outras medidas que estão sendo discutidas caso a caso. Vale destacar mais uma vez que o cumprimento da lei é não só obrigatório como corrige uma histórica transferência de responsabilidade pela gestão de resíduos (na Europa a responsabilidade pós-consumo é parte da lei desde 1975, e estes sistemas já estão implantados desde a década de 1980). 3) A logística reversa pode ser uma ferramenta que ajudará as empresas a pensarem melhor ao fabricarem seus produtos? A logística reversa apenas cria pressão, econômica e administrativa, para que ocorram mudanças nos produtos. Estas mudanças fazem parte, isto sim, da responsabilidade pós-consumo conceito que inclui, por exemplo, o ecodesign onde se insere a preocupação ambiental nos projetos de produtos. No entanto, até o momento, pouquíssimas empresas se deram conta destas enormes oportunidades. Nossa expectativa é que, com o gradual aumento dos requisitos regulatórios neste sentido, haja maior incentivo à estas práticas de ecodesign. Existem já linhas de financiamento para isso, como por exemplo na FAPESP. O que falta é cultura das indústrias se associarem às universidades na busca conjunta de soluções. Mas para isso, as próprias universidades precisam estar preparadas para atender as empresas no oferecimento de conhecimento de forma adequada, seja em relação à velocidade, viabilidade e praticidade das soluções. Vale destacar que muitas empresas e setores já têm inovado na área, e a cada dia surgem novidades fruto deste tipo de articulação das empresas. 4). É possível pensar além da multa para levar as empresas a investir em logística reversa? 164

30 Até o momento não se pensou em multa alguma, mesmo porque a Secretaria não acredita que esta seja uma forma eficaz de convencimento das empresas. Até o momento estamos tratando o tema apenas com o diálogo, motivado pela perspectiva de que este é um tema que será desenvolvido, e que as empresas que demorarem em investir terá que se adequar aos sistemas que já estão sendo adotados. No entanto, caso seja necessário uma maior pressão outros mecanismos parecem ser mais interessantes que a multa em si, usando as próprias forças de mercado, tais como: a divulgação de relações de empresas inadimplentes em jornais e sites, a proibição dos inadimplentes em vender ao governo do Estado e dos Municípios, o impedimento de renovar a licença de operação, e em último caso a proibição de venda no Estado de São Paulo dos produtos quem não possuírem sistemas de responsabilidade pós-consumo associados. 5) Até pouco tempo dizia-se que as empresas investiam em meio ambiente somente por temor de dispositivos legais. Como a sua experiência avalia essa informação? Pessoalmente acredito que a regulação direta ainda seja o principal motivador da ação ambiental das empresas, mas hoje isso não se restringe ao aspecto meramente coercitivo. Ações de antecipação regulatória e a participação das empresas na discussão das políticas são exemplos disso. Não obstante, cada vez mais outras formas de pressão irão apoiar a regulação direta principalmente da própria sociedade, tais como exigências de clientes e dos próprios consumidores, cada vez mais cientes da influência de seu poder de compra nas decisões corporativas. O próprio governo tem tomado partido desta tendência, como por exemplo nas políticas de compras públicas sustentáveis. De forma geral, em minha opinião as empresas que hesitarem em assumir uma postura socioambiental mais moderna estão fadadas ao fracasso, ou ao menos a enfrentar dificuldades em um futuro muito próximo. 165

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental PATRICIA GUARNIERI LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental EDITORA CLUBE DE AUTORES RECIFE, 2011 2011 Patricia Guarnieri TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO AUTOR. Proibida a reprodução

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Marketing Ambiental. Abril, 2011

Marketing Ambiental. Abril, 2011 Baseado em: Marketing Ambiental, de Joaquim Caetano, Marta Soares, Rosa Dias, Rui Joaquim e Tiago Robalo Gouveia, Plátano Editores, 2008 Abril, 2011 O ambiente de hoje Ao longo das últimas décadas têm

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS)

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) A Logística Reversa tem sido motivo de muitas manifestações seja na mídia em geral, seja nas empresas, academias e do publico em geral

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria.

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. O envolvimento da sociedade Consórcios A mobilização da indústria de equipamentos

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais