Matemática Básica Relações / Funções

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Básica Relações / Funções"

Transcrição

1 Matemática Básica Relações / Funções Relações (a) Produto cartesiano Dados dois conjuntos A e B, não vazios, denomina-se produto cartesiano de A por B ao conjunto A B cujos elementos são todos os pares ordenados (x, y) onde o primeiro elemento pertence ao conjunto A e o segundo elemento pertence ao conjunto B. A B = { ( x, y) x A e y B} o símbolo A B lê-se como: A cartesiano B ou produto cartesiano de A por B. Exemplos: 1) Sejam os conjuntos A = { 1, 2, 3 } e B = { 1, 2 }, teremos, então: A B = { (1,1),(1, 2),(2,1),(2, 2),(3,1),(3, 2) } e B A = { (1, 1),(1,2),(1, 3),(2, 1),(2, 2),(2,3) } e as representações em planos cartesianos serão as seguintes: Matemática Básica - 04 pg. 1/11 Revisão: 05

2 2) Seja o conjunto A definido por A = { x R 1 x < 3 } e o conjunto B = { 2 }. O produto cartesiano entre esses dois conjuntos é dado por: A B = { ( x, 2) x A} e a representação gráfica deste produto é: Observações: 1. Se A B, então A B B A, ou seja, o produto cartesiano entre dois conjuntos não possui a propriedade comutativa. 2. Se A e B são conjuntos finitos com m e n elementos respectivamente, então A B será um conjunto finito com (m n) elementos. 3. Se A ou B for infinito e nenhum dos dois for um conjunto vazio, então A B será um conjunto infinito. (b) Relação binária (ou simplesmente Relação) Dados dois conjuntos A e B, chama-se relação binária de A em B a todo subconjunto R de A B : R é relação binária de A em B R A B Exemplo: 1) Dados os conjuntos A = { 2, 3, 4 } e B = { 2, 3, 4, 5, 6 }. O produto cartesiano de A por B será: A B {(x, y) x A e y B }. O conjunto A B possui exatamente (3 5) = 15 elementos (representados na figura). Matemática Básica - 04 pg. 2/11 Revisão: 05

3 Se considerarmos o conjunto de pares ordenados tais que x seja divisor de y (representado por x y), teremos: R = { (x, y) A B x y } que é composto pelos seguintes pares ordenados: R = { (2, 2),(2,4),(2,6),(3,3),(3,6),(4,4) }, que é chamado relação entre os elementos de A e de B, ou relação binária de A em B. Note que o conjunto R está contido em A B e é composto por pares ordenados (x, y) nos quais o elemento x do conjunto A está associado ao elemento y de B através de um dado critério (ou regra) de relacionamento. Representando a relação binária através de diagrama de Venn: Matemática Básica - 04 pg. 3/11 Revisão: 05

4 2. Funções Dados dois conjuntos D e Y, uma função f de D em Y é uma relação na qual para todo elemento de D existe um e somente um elemento correspondente em Y: f : D Y lê-se: f é uma função de D em Y O conjunto D de todos os possíveis valores de entrada para a função chama-se domínio da função. O conjunto de todos os valores f(x) enquanto se varia x ao longo de D denomina-se imagem da função. A imagem não inclui necessariamente todos os elementos do conjunto Y. x Entrada (domínio) f(x) y Saída (imagem) Exemplos: D Y x 1 x 2 y 1 y 2 Esta relação é uma função de A em B, porque para todo x em A está associado um único valor y em B. x 3 y 3 D Y x 1 y 1 x 2 x 3 y 2 y 3 Esta relação NÃO é uma função de A em B, porque o elemento x 4 não está associado a nenhum elemento y em B. x 4 y 4 D Y x 1 y 1 x 2 x 3 y 2 y 3 Esta relação NÃO é função de A em B, porque o elemento x 3 de A está associado a mais de um elemento em B. y 4 Matemática Básica - 04 pg. 4/11 Revisão: 05

5 D Y x 1 y 1 x 2 x 3 y 2 y 3 Esta relação É uma função de A em B, pois para todo x de A está associado um único y em B. x 4 y 4 Podem ser identificadas quatro maneiras usuais de representar funções: Numericamente com tabelas. Geometricamente com gráficos Algebricamente com fórmulas Verbalmente Exemplos: A tabela ao lado mostra a velocidade de qualificação S para a poleposition na corrida de 500 milhas de Indianápolis como uma função do ano t. Há exatamente um valor de S para cada valor de t. A figura abaixo é um registro gráfico de um teste realizado num automóvel da marca Porsche modelo Cayenne, no qual vemos a representação do torque (e potência) gerado pelo motor do veículo em função da rotação do motor. Pode ser visto o comportamento das duas grandezas (torque em Nm e potência em kw) gerados pelo motor do veículo em função do número de rotações. Há exatamente um valor de torque para rada rotação do motor. Matemática Básica - 04 pg. 5/11 Revisão: 05

6 Algumas das mais conhecidas funções surgem de fórmulas; por exemplo, a fórmula C = 2 πr expressa o comprimento da circunferência C de um círculo como uma função do raio r do círculo. Há exatamente um valor de C para cada valor de r. Neste caso podemos dizer: C = f (r) = 2π r Algumas vezes, as funções são descritas em palavras. Por exemplo, a Lei da Gravitação Universal de Isaac Newton é, frequentemente, enunciada da seguinte forma: A força gravitacional de atração entre dois corpos no Universo é diretamente proporcional ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre eles. Esta é a descrição verbal da fórmula: F = G m 1 m 2 r 2 na qual F é a força de atração, m 1 e m 2 são as massas, r é a distância entre os corpos e G é uma constante. Se as massas são constantes, então a descrição verbal define F como uma função de r. Há exatamente um valor de F para cada valor de r. (a) A notação de função Ao se utilizar uma equação para expressar uma função é conveniente dar um nome a esta função para poder se referir a ela. Por exemplo, sabemos que a equação y=1 x 2 descreve y como sendo função de x. Suponhamos que se dê o nome de f a esta função. Poderemos, então, usar a seguinte notação de função: entrada saída equação x f(x) f (x)=1 x 2 O símbolo f(x) é lido: o valor de f em x ou, simplesmente f de x. O símbolo f(x) equivale ao valor de y para o x dado, logo, podemos escrever: y = f(x). Lembre-se: f é o nome da função f(x) é o valor da função no ponto x. Matemática Básica - 04 pg. 6/11 Revisão: 05

7 Apesar de ser comum o uso da letra f para nomear funções e x para a variável independente, podem ser usadas quaisquer outras letras, por exemplo: f (x)=x 2 +1 f (t )=t 2 +1 g (s)=s 2 +1 definem a mesma função. De fato, o papel da variável independente na representação é de marcar o lugar para os valores, assim, as função poderia ser descrita por: f ( ) = ( ) (b) O teste da linha vertical Nem toda curva no plano xy é o gráfico de uma função. Por exemplo, considere a curva na figura ao lado, que é cortada em dois pontos distintos (a, b) e (a, c) por uma reta vertical. Essa curva não pode ser o gráfico de y = ƒ(x), qualquer que seja a função ƒ; pois senão teríamos: f(a) = b e f(a) = c o que não é possível, uma vez que ƒ não pode atribuir dois valores diferentes para a. Assim, não existe uma função ƒ cujo gráfico seja a curva dada. Uma curva no plano xy é o gráfico de alguma função ƒ se e somente se nenhuma reta vertical intersecta a curva mais de uma vez. Matemática Básica - 04 pg. 7/11 Revisão: 05

8 (c) Domínio, imagem e contradomínio Sejam os conjuntos A = {0, 1, 2} e B={0, 1, 2, 3, 4, 5}, da figura abaixo, consideramos a função F:A B definida por f(x) x + 1: A B a) O conjunto de partida A é o domínio da função f e é indicado por D(f), assim D(f)=A. No exemplo acima, D={0, 1, 2} (o domínio da função também é chamado de campo de definição da função ou campo de existência da função). b) O conjunto de chegada B é o contradomínio da função f e é indicado por CD(f), assim, CD(f)=B. c) O conjunto de todos os elementos y de B, para os quais existe pelo menos um elemento x de A, tal que f(x) = y é denominado imagem da função f e é indicado por Im(f). d) No exemplo acima: 1. 1 é a imagem de 0 pela função, indicado por f(0) = 1; 2. O conjunto B, tal que Im ( f ) B (a imagem de f(x) está contida no contradomínio de f(x) (B)); 3. Assim: Im ( f ) = { y B / x A y= f (x)} Exemplos: 1) Dados os conjuntos A = {-3, -1, 0, 2} e B = {-1, 0, 1, 2, 3, 4}, determinar o conjunto imagem da função f(x) = x + 2. f (x)=x+2 f ( 3)=( 3)+2 = 1 f (x)=x+2 f ( 1)=( 1)+2 = 1 f (x)=x+2 f (0)=(0)+2 = 2 f (x)=x+2 f (2)=(2)+2 = 4 Resposta: A imagem de f(x) é Im = { 1, 1, 2, 4}. A solução também pode ser apresentada em forma de tabela: x f(x)=x Matemática Básica - 04 pg. 8/11 Revisão: 05

9 2) Seja a função f :R R definida por f (x ) = x 2 10 x +8. Calcular os valores reais de x para que se tenha f (x) = 1 : { f ( x) = x 2 10 x+8} f ( x) = ( 1) Resposta: x = 9 ou x = 1 x 2 10 x+8= 1 x 2 10 x+9=0 Δ = b 2 4ac = = 64 x = 10 ± 8 { x = x 2 = 1} 3) Dada a função f :R R definida por f (x) = a x+b com a, b R, determinar os valores de a e de b, sabendo que f(1) = 4 e f(-1) = -2. f (x) = ax +b f (1) = a (1)+b = 4 = a+b=4 f (x) = ax +b f ( 1) = a ( 1)+b = 2 = a+b= 2 resolvendo o sistema com as duas equações, 1 e 2 obtemos os valores de a e b: { a+b= 2} 4 2b=2 assim: b = 1 e, substituindo o valor de b em qualquer das duas equações, obtemos a = 3. Resposta: a = 3; b = 1 Matemática Básica - 04 pg. 9/11 Revisão: 05

10 (d) O estudo do domínio de uma função O domínio de uma função pode ser dado de forma implícita ou explícita. Por exemplo: Numa função f :R R definida por f (x) = 3 x+4 sem que seja explicitado o domínio D, está implícito que o domínio pode ser qualquer real, ou seja, D = R. Para a mesma função, f :R R definida por f (x) = 3 x+4 com 1 x 10, o domínio está informado de maneira explicita e consiste nos reais entre 1 e 10 (incluindo-os), ou seja, D = { x R 1 x 10 }. Para f (x) = 3 x +4, quando não há qualquer informação sobre o domínio, está implícito x 5 que x pode ser qualquer número real, com exceção de 2, pois se, x = 2 teremos uma divisão por zero (indeterminado!), assim, D = { x R x 2}. Sendo dado apenas f (x) = x 2 sem qualquer informação do domínio, fica implícito que (x 2)não pode assumir valores negativos, ou seja, (x 2) 0, ou ainda, x 2, pois se (x < 2)teremos a raiz quadrada de um número negativo, o que não pode ser satisfeito por um número real. Assim: D = { x R x 2}. Assim, quando o domínio de uma função não é dado de forma explícita, devemos considerar para esse domínio todos os valores reais de x que tronam possíveis em R as operações que definem a função f(x). Exemplos: (5 x+3) 1) Determinar o domínio da função f (x) = x 2 16 : a função (5 x+3) x 2 16 só é possível se (x 2 16) 0 x ( 4) e x (4), então: Resposta: D={ x R x 4, x ( 4)} 2) Determinar o domínio da função f (x) = 5 3 x : a função f (x) = 5 3 x só é possível em R se (5 = 3 x) 0 : 5 3 x x 5 x 5 3 Resposta: D={ x R x 3 5 } Matemática Básica - 04 pg. 10/11 Revisão: 05

11 3) Determinar o domínio da função f (x) = x ( x 2) : Para que a função forneça resultados no conjunto dos reais, duas condições devem ser satisfeitas: 1 x 4 x 4 0 x 4 e x 2 > 0 x > 2, assim, x 2 1 para determinarmos o domínio da função f (x) = x 4 + ( x 2) faremos (veja a figura): Resposta: D={ x R x 4} Matemática Básica - 04 pg. 11/11 Revisão: 05

Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 03 Licenciatura em Matemática Osasco -2010

Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 03 Licenciatura em Matemática Osasco -2010 1. Funções : Definição Considere dois sub-conjuntos A e B do conjunto dos números reais. Uma função f: A B é uma regra que define uma relação entre os elementos de A e B, de tal forma que a cada elemento

Leia mais

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante PLANO CARTESIANO eixo das ordenadas y 2º quadrante 1º quadrante eixo das abscissas O (0, 0) x Origem 3º quadrante 4º quadrante y ordenado do ponto P 4 P P(3, 4) O 3 x abscissa do ponto P No caso, 3 e 4

Leia mais

Capítulo 1. Conjuntos e Relações. 1.1 Noção intuitiva de conjuntos. Notação dos conjuntos

Capítulo 1. Conjuntos e Relações. 1.1 Noção intuitiva de conjuntos. Notação dos conjuntos Conjuntos e Relações Capítulo Neste capítulo você deverá: Identificar e escrever os tipos de conjuntos, tais como, conjunto vazio, unitário, finito, infinito, os conjuntos numéricos, a reta numérica e

Leia mais

Em Matemática existem situações em que há necessidade de distinguir dois pares pela ordem dos elementos. Por exemplo, no sistema de equações

Em Matemática existem situações em que há necessidade de distinguir dois pares pela ordem dos elementos. Por exemplo, no sistema de equações UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Relações Prof.: Rogério Dias

Leia mais

ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI

ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FUNÇÕES NOME: N O : blog.portalpositivo.com.br/capitcar 1 FUNÇÃO IDÉIA INTUITIVA DE FUNÇÃO O conceito de função é um

Leia mais

Plano Cartesiano. Relação Binária

Plano Cartesiano. Relação Binária Plano Cartesiano O plano cartesiano ortogonal é constituído por dois eixos x e y perpendiculares entre si que se cruzam na origem. O eixo horizontal é o eixo das abscissas (eixo OX) e o eixo vertical é

Leia mais

Gênesis S. Araújo Pré-Cálculo

Gênesis S. Araújo Pré-Cálculo Gênesis Soares Jaboatão, de de 2016. Estudante: PAR ORDENADO: Um par ordenado de números reais é o conjunto formado por dois números reais em determinada ordem. Os parênteses, em substituição às chaves,

Leia mais

Conjuntos. Notações e Símbolos

Conjuntos. Notações e Símbolos Conjuntos A linguagem de conjuntos é interessante para designar uma coleção de objetos. Quando os estatísticos selecionam indivíduos de uma população eles usam a palavra amostra, frequentemente. Todas

Leia mais

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }.

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. ASSUNTO DE MATEMATICA=CONJUNTOS REAIS E ETC. 2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma

Leia mais

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento.

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento. 1. CONJUNTOS 1.1. TEORIA DE CONJUNTOS 1.1.1. DEFINIÇÃO DE CONJUNTO Definição: Conjunto é toda coleção de objetos. Uma coleção de números é um conjunto. Uma coleção de letras é um conjunto. Uma coleção

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Ana Carolina Bueno

Unidade I MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Ana Carolina Bueno Unidade I MATEMÁTICA APLICADA Profa. Ana Carolina Bueno Números reais Fonte: http://infomaticando.blogspot.com.br/2012/12/numeros-irracionais.html Expressões algébricas São expressões matemáticas que apresentam

Leia mais

A idéia de função. O conceito de função é um dos mais importantes em toda a Matemática. https://ueedgartito.wordpress.com.

A idéia de função. O conceito de função é um dos mais importantes em toda a Matemática. https://ueedgartito.wordpress.com. Matemática Básica Unidade 5 Estudo de Funções RANILDO LOPES Slides disponíveis no nosso SITE: O conceito de função é um dos mais importantes em toda a Matemática. https://ueedgartito.wordpress.com A idéia

Leia mais

Matemática E Intensivo V. 1

Matemática E Intensivo V. 1 GABARITO Matemática E Intensivo V. Exercícios 0) 5 0) 5 Seja o termo geral = 3n, então: Par =, temos: a = 3. = 3 = Par =, temos: a = 3. = 6 = 5 Par = 3, temos: a 3 = 3. 3 = 9 = 8 Então a + a + a 3 = +

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse: 02/05/2012

ALUNO(A): Prof.: André Luiz Acesse:  02/05/2012 1. FUNÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO Uma função é um conjunto de pares ordenados de números (x,y) no qual duas duplas ordenadas distintas não podem ter o mesmo primeiro número, ou seja, garante que y seja único para

Leia mais

O ESTUDO DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO

O ESTUDO DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO O ESTUDO DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO As funções explicitam relações matemáticas especiais entre duas grandezas. As grandezas envolvidas nessas relações são conhecidas como variável dependente

Leia mais

Sumário. 1 CAPÍTULO 1 Revisão de álgebra

Sumário. 1 CAPÍTULO 1 Revisão de álgebra Sumário 1 CAPÍTULO 1 Revisão de álgebra 2 Conjuntos numéricos 2 Conjuntos 3 Igualdade de conjuntos 4 Subconjunto de um conjunto 4 Complemento de um conjunto 4 Conjunto vazio 4 Conjunto universo 5 Interseção

Leia mais

Matemática Básica Função polinomial do primeiro grau

Matemática Básica Função polinomial do primeiro grau Matemática Básica Função polinomial do primeiro grau 05 1. Função polinomial do primeiro grau (a) Função constante Toda função f :R R definida como f ()=c, com c R é denominada função constante. Por eemplo:

Leia mais

Introdução: Um pouco de História

Introdução: Um pouco de História Números Complexos Introdução: Um pouco de História Houve um momento na História da Matemática em que a necessidade de expressar a raiz de um número negativo se tornou fundamental. Em equações quadráticas

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

AXB = {(x, y) x A e y B}

AXB = {(x, y) x A e y B} CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA LÓGICA E MATEMÁTICA DISCRETA 2010 1 Produto Cartesiano Par ordenado: são dois elementos em uma ordem fixa, (x,y) Produto Cartesiano: Dados dois conjuntos A e B, não

Leia mais

MATEMÁTICA Prof.: Alexsandro de Sousa

MATEMÁTICA Prof.: Alexsandro de Sousa E. E. DONA ANTÔNIA VALADARES MATEMÁTICA Prof.: Alexsandro de Sousa Introdução ao conceito de funções FERNANDO FAVORETTO/CID A ideia de função no cotidiano Relação entre duas grandezas Quantidade de pães

Leia mais

Capítulo 2. Retas no plano. 1. Retas verticais e não-verticais. Definição 1

Capítulo 2. Retas no plano. 1. Retas verticais e não-verticais. Definição 1 Capítulo 2 Retas no plano O objetivo desta aula é determinar a equação algébrica que representa uma reta no plano. Para isso, vamos analisar separadamente dois tipos de reta: reta vertical e reta não-vertical.

Leia mais

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido Módulo 2 Geometria Analítica Números Reais Conjuntos Numéricos Números naturais O conjunto 1,2,3,... é denominado conjunto dos números naturais. Números inteiros O conjunto...,3,2,1,0,1, 2,3,... é denominado

Leia mais

Coordenadas e distância na reta e no plano

Coordenadas e distância na reta e no plano Capítulo 1 Coordenadas e distância na reta e no plano 1. Introdução A Geometria Analítica nos permite representar pontos da reta por números reais, pontos do plano por pares ordenados de números reais

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1.

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. CONCEITO DE FUNÇÃO... 2 IMAGEM DE UMA FUNÇÃO... 8 IMAGEM A PARTIR DE UM GRÁFICO... 12 DOMÍNIO DE UMA FUNÇÃO... 15 DETERMIAÇÃO DO DOMÍNIO... 15 DOMÍNIO A PARTIR DE UM GRÁFICO... 17 GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO...

Leia mais

Funções Reais a uma Variável Real

Funções Reais a uma Variável Real Funções Reais a uma Variável Real 1 Introdução As funções são utilizadas para descrever o mundo real em termos matemáticos, é o que se chama de modelagem matemática para as diversas situações. Podem, por

Leia mais

CÁLCULO I. Aula n o 02: Funções. Denir função e conhecer os seus elementos; Listar as principais funções e seus grácos.

CÁLCULO I. Aula n o 02: Funções. Denir função e conhecer os seus elementos; Listar as principais funções e seus grácos. CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula n o 02: Funções. Objetivos da Aula Denir função e conhecer os seus elementos; Reconhecer o gráco de uma função; Listar as

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Relações. Relações. {1, 2} = {2, 1}, {3, -1} = {-1, 3}, {a, b} = {b, a}.

Relações. Relações. {1, 2} = {2, 1}, {3, -1} = {-1, 3}, {a, b} = {b, a}. UNIVERSIDDE DO ESTDO DE MTO GROSSO CMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FCULDDE DE CIÊNCIS EXTS E TECNOLÓGICS CURSO DE ENGENHRI CIVIL DISCIPLIN: FUNDMENTOS DE MTEMÁTIC Relações. Par ordenado Em Matemática eistem

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA APLICADA Prof. Luiz Felix Equações do 1º grau Resolver uma equação do 1º grau significa achar valores que estejam em seus domínios e que satisfaçam à sentença do problema, ou seja,

Leia mais

1.1. Conhecer e aplicar propriedades dos números primos Representar e comparar números positivos e negativos.

1.1. Conhecer e aplicar propriedades dos números primos Representar e comparar números positivos e negativos. Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 3º Ciclo - 7º Ano Planificação Anual 2012-2013 Matemática METAS CURRICULARES

Leia mais

MATEMÁTICA AULA 4 ÁLGEBRA CONJUNTOS. Conjunto é um conceito primitivo, e portanto, não tem definição.

MATEMÁTICA AULA 4 ÁLGEBRA CONJUNTOS. Conjunto é um conceito primitivo, e portanto, não tem definição. 1 - Conceito de Conjunto MATEMÁTICA AULA 4 ÁLGEBRA CONJUNTOS Conjunto é um conceito primitivo, e portanto, não tem definição. Representação O conjunto pode ser representado de três maneiras diferentes:

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Propostas de resolução MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Propostas de resolução Exercícios de exames e testes intermédios 1. Simplificando as expressões de z 1 e z, temos que: Como i 19 i + i i, vem

Leia mais

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros 1. Conjuntos Objetivo: revisar as principais noções de teoria de conjuntos afim de utilizar tais noções para apresentar os principais conjuntos de números. 1.1 Conjunto, elemento e pertinência Conjunto

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 RELAÇÕES e FUNÇÕES

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 RELAÇÕES e FUNÇÕES PAR ORDENADO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA... 4 RELAÇÃO... 8 DOMÍNIO E IMAGEM... 12 CONTRA-DOMÍNIO... 13 RELAÇÃO INVERSA... 17 PROPRIEDADES DA RELAÇÃO INVERSA... 18 FUNÇÕES... 22 IMAGEM

Leia mais

Revisão de Função. Inversa e Composta. Professor Gaspar. f : 1,,3, f(x) x 2x 2 e. g(x) x 2x 4. Para qual valor de x tem f(g(x)) g(f(x))? g(x) 2x.

Revisão de Função. Inversa e Composta. Professor Gaspar. f : 1,,3, f(x) x 2x 2 e. g(x) x 2x 4. Para qual valor de x tem f(g(x)) g(f(x))? g(x) 2x. Revisão de Função. (Espcex (Aman) 05) Considere a função bijetora f :,,, definida por f(x) x x e seja (a,b) o ponto de intersecção de f com sua inversa. O valor numérico da expressão a b é a). b) 4. c)

Leia mais

Para mais exemplos veja o vídeo:

Para mais exemplos veja o vídeo: Resumo de matemática: Frente 1: Critério 01: Função: Função é uma relação do conjunto A para o conjunto B, em que os elementos do conjunto A sempre serão x e os elementos do conjunto B sempre serão y (ou

Leia mais

1 Conjunto dos números naturais N

1 Conjunto dos números naturais N Conjuntos numéricos Os primeiros números concebidos pela humanidade surgiram da necessidade de contar objetos. Porém, outras necessidades, práticas ou teóricas, provocaram a criação de outros tipos de

Leia mais

Gabarito. Sistemas numéricos. 1. Números naturais. 2. N. 3. Infinito. 4. Infinito. 5. Não. Contra-exemplo: número 7.

Gabarito. Sistemas numéricos. 1. Números naturais. 2. N. 3. Infinito. 4. Infinito. 5. Não. Contra-exemplo: número 7. Gabarito Sistemas numéricos. Números naturais.. N. Infinito.. Infinito. 5. Não. Contra-eemplo: número 7. 6. Não, pois sempre é possível encontrar um número maior, bastando somar mais uma unidade. 7. 0

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições Propostas de resolução MATEMÁTICA A - o Ano N o s Complexos - Conjuntos e condições Propostas de resolução Exercícios de exames e testes intermédios. Escrevendo i na f.t. temos i i = ρ cis α, onde: ρ = i i = + ) = tg α = = ;

Leia mais

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5.

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5. Relações X Funções Considere a equação + =. Embora esta equação tenha duas variáveis, ela possui um número finito de soluções naturais. O conjunto solução desta equação, no universo dos números naturais,

Leia mais

PC Polícia Civil do Estado de São Paulo PAPILOSCOPISTA

PC Polícia Civil do Estado de São Paulo PAPILOSCOPISTA PC Polícia Civil do Estado de São Paulo PAPILOSCOPISTA Concurso Público 2016 Conteúdo Teoria dos conjuntos. Razão e proporção. Grandezas proporcionais. Porcentagem. Regras de três simples. Conjuntos numéricos

Leia mais

Área e Teorema Fundamental do Cálculo

Área e Teorema Fundamental do Cálculo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Área e Teorema Fundamental

Leia mais

Equação de 1º Grau. ax = -b

Equação de 1º Grau. ax = -b Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime uma relação de igualdade. A palavra equação tem o prefixo equa, que em latim quer dizer "igual". Exemplos: 2x + 8 = 0 5x - 4 = 6x + 8 3a

Leia mais

Matemática Básica. Capítulo Conjuntos

Matemática Básica. Capítulo Conjuntos Capítulo 1 Matemática Básica Neste capítulo, faremos uma breve revisão de alguns tópicos de Matemática Básica necessários nas disciplinas de cálculo diferencial e integral. Os tópicos revisados neste capítulo

Leia mais

2. Pré-requisitos do 3. Ciclo. 7. ano PR 7.1. Resolução

2. Pré-requisitos do 3. Ciclo. 7. ano PR 7.1. Resolução 7. ano PR 7.1. Dados dois conjuntos A e B fica definida uma função 1ou aplicação2 f de A em B, quando a cada elemento de A se associa um elemento único de B representado por f 1x2. Dada uma função numérica

Leia mais

TESTE DE DIAGNÓSTICO

TESTE DE DIAGNÓSTICO TESTE DE DIAGNÓSTICO 9.º 10.º ANO NOME: N.º: TURMA: ANO LETIVO: / DURAÇÃO DO TESTE: 90 MINUTOS DATA: / / O teste é constituído por dois grupos. No Grupo I, são indicadas quatro opções de resposta para

Leia mais

Um par ordenado é indica por x e y dentro de parêntese e separado por vírgula.

Um par ordenado é indica por x e y dentro de parêntese e separado por vírgula. PRODUTO CARTESIANO PAR ORDENADO Um par ordenado é indica por x e y dentro de parêntese e separado por vírgula. ( x, y ) pode ser indicado para representar uma determinada posição e que esta ordem de primeiro

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte A

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte A Universidade Federal do Rio Grande FURG Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 5 CAPES FUNÇÕES Parte A Prof. Antônio Maurício Medeiros Alves Profª Denise Maria Varella Martinez UNIDADE

Leia mais

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 REVISÃO

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

Cálculo com Geometria Analítica.

Cálculo com Geometria Analítica. Cálculo com Geometria Analítica Os valores de uma variável freqüentemente dependem dos valores de outra variável. A temperatura de ebulição da água depende da altitude (o ponto de ebulição diminui quando

Leia mais

H1 - Expressar a proporcionalidade direta ou inversa, como função. Q1 - A tabela a seguir informa a vazão de uma torneira aberta em relação ao tempo:

H1 - Expressar a proporcionalidade direta ou inversa, como função. Q1 - A tabela a seguir informa a vazão de uma torneira aberta em relação ao tempo: H1 - Expressar a proporcionalidade direta ou inversa, como função Q1 - A tabela a seguir informa a vazão de uma torneira aberta em relação ao tempo: A expressão que representa a vazão em função do tempo

Leia mais

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo - 01. Aula 1 Professor: Carlos Sérgio Revisão de Funções Sistema cartesiano ortogonal O Sistema de Coordenadas Cartesianas,

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 3º Ciclo - 7º Ano Planificação Anual 2015-2016 Matemática METAS CURRICULARES

Leia mais

FUNÇÃO. 4.1 Relação Binária. Definição 4.1

FUNÇÃO. 4.1 Relação Binária. Definição 4.1 FUNÇÃO Apesar da formalização de função ter se efetivado com as reformas curriculares do século IX, seu uso já era freqüente desde a antiguidade, pelos babilônios. O conceito de função está presente em

Leia mais

Funções. Aula 9. Ricardo Ferreira Paraizo. e-tec Brasil Matemática Instrumental. Vince Petaccio. Fonte:

Funções. Aula 9. Ricardo Ferreira Paraizo. e-tec Brasil Matemática Instrumental. Vince Petaccio. Fonte: Funções Aula 9 Ricardo Ferreira Paraizo Vince Petaccio e-tec Brasil Matemática Instrumental Fonte: www.sxc.hu Meta Apresentar as funções dos 1º e 2º graus. Objetivos Após o estudo desta aula, você deverá

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Curso de Engenharia Civil Período 2014.1 Prof. da Disciplina Luiz Gonzaga Damasceno, M. Sc E-mails: damasceno12@hotmail.com damasceno12@uol.com.br damasceno1204@yahoo.com.br Site: www.damasceno.info damasceno.info

Leia mais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais É indicado por Subconjuntos de : N N e representado desta forma: N N 0,1,2,3,4,5,6,... - conjunto dos números naturais não nulos. P 0,2,4,6,8,... - conjunto

Leia mais

A velocidade instantânea (Texto para acompanhamento da vídeo-aula)

A velocidade instantânea (Texto para acompanhamento da vídeo-aula) A velocidade instantânea (Texto para acompanamento da vídeo-aula) Prof. Méricles Tadeu Moretti Dpto. de Matemática - UFSC O procedimento que será utilizado neste vídeo remete a um tempo em que pesquisadores

Leia mais

Matemática Conjuntos - Teoria

Matemática Conjuntos - Teoria Matemática Conjuntos - Teoria 1 - Conjunto: Conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma de representar

Leia mais

Teoremas e Propriedades Operatórias

Teoremas e Propriedades Operatórias Capítulo 10 Teoremas e Propriedades Operatórias Como vimos no capítulo anterior, mesmo que nossa habilidade no cálculo de ites seja bastante boa, utilizar diretamente a definição para calcular derivadas

Leia mais

MATEMÁTICA I. Ana Paula Figueiredo

MATEMÁTICA I. Ana Paula Figueiredo I Ana Paula Figueiredo Números Reais IR O conjunto dos números Irracionais reunido com o conjunto dos números Racionais (Q), formam o conjunto dos números Reais (IR ). Assim, os principais conjuntos numéricos

Leia mais

Concluimos dai que o centro da circunferência é C = (6, 4) e o raio é

Concluimos dai que o centro da circunferência é C = (6, 4) e o raio é QUESTÕES-AULA 17 1. A equação x 2 + y 2 12x + 8y + 0 = 0 representa uma circunferência de centro C = (a, b) e de raio R. Determinar o valor de a + b + R. Solução Completamos quadrados na expressão dada.

Leia mais

ÁLGEBRA. Aula 4 _ Classificação das Funções Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. Aula 4 _ Classificação das Funções Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA Aula 4 _ Classificação das Funções Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 FUNÇÃO INJETORA É quando quaisquer dois elementos diferentes do conjunto A têm imagens diferentes no conjunto

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula 4 82

Geometria Analítica II - Aula 4 82 Geometria Analítica II - Aula 4 8 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 5 Esferas Iniciaremos o nosso estudo sobre superfícies com a esfera, que já nos é familiar. A esfera S de centro no ponto A e raio

Leia mais

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS Gil da Costa Marques 1.1 Introdução 1.2 Conceitos básicos 1.3 Subconjuntos e intervalos 1.4 O conjunto dos números reais 1.4.1 A relação de ordem em 1.5 Intervalos 1.5.1

Leia mais

Professor conteudista: Renato Zanini

Professor conteudista: Renato Zanini Matemática Professor conteudista: Renato Zanini Sumário Matemática Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES... EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES...6 3 RESOLVENDO EQUAÇÕES...7 4 RESOLVENDO

Leia mais

Campos dos Goytacazes/RJ Maio 2015

Campos dos Goytacazes/RJ Maio 2015 Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Apostila organizada por: Vanderlane Andrade Florindo Silvia Cristina Freitas Batista Carmem Lúcia Vieira

Leia mais

Curvas Planas em Coordenadas Polares

Curvas Planas em Coordenadas Polares Curvas Planas em Coordenadas Polares Sumário. Coordenadas Polares.................... Relações entre coordenadas polares e coordenadas cartesianas...................... 6. Exercícios........................

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Conjuntos. Isabelle Araujo 5º período de Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Conjuntos. Isabelle Araujo 5º período de Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.1 Conjuntos Isabelle Araujo 5º período de Engenharia de Produção Definição Noção intuitiva: São coleções de elementos da mesma espécie. - O conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

exemplos O conjunto das letras do nosso alfabeto; L= {a, b, c, d,..., z}. O conjunto dos dias da semana: S= {segunda, terça,... domingo}.

exemplos O conjunto das letras do nosso alfabeto; L= {a, b, c, d,..., z}. O conjunto dos dias da semana: S= {segunda, terça,... domingo}. CONJUNTOS Conjunto: Representa uma coleção de objetos, geralmente representado por letras MAIÚSCULAS; não interessando a ordem e quantas vezes os elementos estão listados na coleção, e sempre são representados

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

2. Generalidade Sobre Funções 2.1. O Plano Cartesiano

2. Generalidade Sobre Funções 2.1. O Plano Cartesiano 2. Generalidade Sobre Funções 2.1. O Plano Cartesiano Assim como podemos representar números reais por pontos numa recta de números reais, podemos também representar pares ordenados de números reais por

Leia mais

dividendo e reconhecer que.

dividendo e reconhecer que. Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 3º Ciclo - 7º Ano Planificação Anual 2016-2017 - Matemática METAS CURRICULARES

Leia mais

Observe na imagem a seguir, a trajetória realizada por uma bola no momento em que um jogador a chutou em direção ao gol.

Observe na imagem a seguir, a trajetória realizada por uma bola no momento em que um jogador a chutou em direção ao gol. FUNÇÃO QUADRÁTICA CONTEÚDOS Função quadrática Raízes da função quadrática Gráfico de função Ponto de máximo e de mínimo de uma função AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Observe na imagem a seguir, a trajetória

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

1.1. Conhecer e aplicar propriedades dos números primos.

1.1. Conhecer e aplicar propriedades dos números primos. Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 3º Ciclo - 7º Ano Planificação Anual 2014-2015 Matemática METAS CURRICULARES

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta 1 Métodos Matemáticos Aulas: De 03/11 a 08/11-8:30 as 11:00h Ementa: 1. Funções 2. Eq. Diferenciais Ordinárias de 1 a ordem 3. Sistemas de Equações

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 ESTUDO DA CIRCUNFERÊNCIA

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 ESTUDO DA CIRCUNFERÊNCIA DEFINIÇÃO... EQUAÇÃO REDUZIDA... EQUAÇÃO GERAL DA CIRCUNFERÊNCIA... 3 RECONHECIMENTO... 3 POSIÇÃO RELATIVA ENTRE PONTO E CIRCUNFERÊNCIA... 1 POSIÇÃO RELATIVA ENTRE RETA E CIRCUNFERÊNCIA... 17 PROBLEMAS

Leia mais

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA MATEMÁTICA Professor: LUIZ ANTÔNIO 1 >>>>>>>>>> PROGRESSÃO ARITMÉTICA P. A.

Leia mais

CÁLCULO I. Aula n o 02: Funções. Determinar o domínio, imagem e o gráco de uma função; Reconhecer funções pares, ímpares, crescentes e decrescentes;

CÁLCULO I. Aula n o 02: Funções. Determinar o domínio, imagem e o gráco de uma função; Reconhecer funções pares, ímpares, crescentes e decrescentes; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 02: Funções Objetivos da Aula Denir e reconhecer funções; Determinar o domínio, imagem e o gráco de uma função; Reconhecer funções pares,

Leia mais

1. Conceito de função. 1, existe um só elemento y B tal que (x, y) S. 1. Conceito de função. 1. Conceito de função

1. Conceito de função. 1, existe um só elemento y B tal que (x, y) S. 1. Conceito de função. 1. Conceito de função UNIVERSIDDE DO ESTDO DE MTO GROSSO CMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FCULDDE DE CIÊNCIS EXTS E TECNOLÓGICS CURSO DE ENGENHRI CIVIL DISCIPLIN: FUNDMENTOS DE MTEMÁTIC Introdução às Funções. Conceito de função

Leia mais

RLM - PROFESSOR CARLOS EDUARDO AULA 3

RLM - PROFESSOR CARLOS EDUARDO AULA 3 AULA 3 Sucessões = sequências(numéricas) São conjuntos de números reais dispostos numa certa ordem. Uma sequência pode ser FINITA ou INFINITA. Ex: a) (3, 6, 9, 12) sequência finita P.A de razão 3 b) (5,

Leia mais

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência.

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Trigonometria II Prof.: Rogério

Leia mais

Produto Cartesiano. Exemplo: Dados os conjuntos A = {5,6} e B = {2,3,4}, vamos determinar o produto cartesiano AXB;

Produto Cartesiano. Exemplo: Dados os conjuntos A = {5,6} e B = {2,3,4}, vamos determinar o produto cartesiano AXB; Produto Cartesiano Par ordenado: são dois elementos em uma ordem fixa, (x,y) Produto Cartesiano: Dados dois conjuntos A e B, não vazios, chamamos de produto cartesiano de A por B o conjunto indicado por

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Matemática 11) São

Leia mais

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias 4 Posição relativa entre retas e círculos e distâncias Sumário 4.1 Distância de um ponto a uma reta.......... 2 4.2 Posição relativa de uma reta e um círculo no plano 4 4.3 Distância entre duas retas no

Leia mais

FUNÇÕES Disciplina: Lógica Aplicada Prof. Rafael Dias Ribeiro. Autoria: Prof. Denise Candal

FUNÇÕES Disciplina: Lógica Aplicada Prof. Rafael Dias Ribeiro. Autoria: Prof. Denise Candal FUNÇÕES Disciplina: Lógica Aplicada Prof. Rafael Dias Ribeiro Autoria: Prof. Denise Candal Plano Cartesiano Fixando em um plano dois eixos reais Ox e Oy, perpendiculares entre si no ponto O, podemos determinar

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há 1 Produto Cartesiano Par Ordenado A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há casos entretanto em que a ordem é importante. Daí a necessidade de se introduzir

Leia mais

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas.

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Teoria dos Conjuntos Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Porém, não é nosso objetivo ver uma teoria axiomática dos conjuntos.

Leia mais

Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau. Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes. Nono Ano do Ensino Funcamental

Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau. Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes. Nono Ano do Ensino Funcamental Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes Nono Ano do Ensino Funcamental Autor: Prof. Fabrício Siqueira Benevides Revisor: Prof. Antonio

Leia mais

Matemática Licenciatura - Semestre Curso: Cálculo Diferencial e Integral I Professor: Robson Sousa. Diferenciabilidade

Matemática Licenciatura - Semestre Curso: Cálculo Diferencial e Integral I Professor: Robson Sousa. Diferenciabilidade Matemática Licenciatura - Semestre 200. Curso: Cálculo Diferencial e Integral I Professor: Robson Sousa Diferenciabilidade Usando o estudo de ites apresentaremos o conceito de derivada de uma função real

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 8 26 de abril de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 8 26 de abril de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 8 26 de abril de 200 Aula 8 Pré-Cálculo O que é uma função? Funções reais Uma função real f

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo Universidade do Vale do Paraíba Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Rodrigo Sávio Pessoa São José dos Campos 0 Sumário Tópico Tópico Tópico Tópico Tópico

Leia mais