ACERCA DO CONCEITO DE LOUCURA E SEUS REFLEXOS NA ASSISTÊNCIA DE SAÚDE MENTAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACERCA DO CONCEITO DE LOUCURA E SEUS REFLEXOS NA ASSISTÊNCIA DE SAÚDE MENTAL 1"

Transcrição

1 Artigo de Atualização 591 ACERCA DO CONCEITO DE LOUCURA E SEUS REFLEXOS NA ASSISTÊNCIA DE SAÚDE MENTAL 1 Lia Carneiro Silveira 2 Violante Augusta Batista Braga 3 Acerca do conceito de loucura e seus reflexos na assistência de saúde mental. Rev Latino-am Enfermagem 2005 julho-agosto; 13(4): Trata-se de reflexão teórica acerca de como se deram historicamente a percepção e a conceituação da loucura e, conseqüentemente, das formas de agir perante ela. Essa reflexão reconstrói a trajetória a partir da concepção da Grécia Antiga até os dias atuais, enfocando principalmente os períodos onde ocorreram mudanças na forma de se perceber e atuar perante essa experiência. Conclui-se que a importância em se conhecer as formas históricas do conceito de loucura reside na possibilidade de se poder desnaturalizar as concepções e refletir acerca da prática que são realizadas hoje na assistência às pessoas em sofrimento mental. DESCRITORES: transtornos mentais; psiquiatria/história; assistência ABOUT THE CONCEPT OF MADNESS AND ITS REFLEXES ON MENTAL HEALTH CARE This is a theoretical reflection on the historical perception and conceptualization of madness and, consequently, on ways of acting towards it. We start from ancient Greek conceptions and move up to the present days, focusing mainly on those periods when perceptions and actions towards madness changed. We conclude that getting to know the historical forms of the madness concept is important to be able to denaturalize our conceptions and reflect about our current practice in care for patients going through mental suffering. DESCRIPTORS: mental disorders; psychiatry/history; care ACERCA DEL CONCEPTO DE LOUCURA Y SUS REFLEJOS EN LA ATENCIÓN DE SALUD MENTAL Ésta es una reflexión teórica acerca de la percepción histórica y conceptualización de la locura y, por consiguiente, de las maneras de actuar ante ella. Abarcamos desde la concepción de Grecia Antigua hasta los días actuales, enfocando los periodos en donde ocurrieron los cambios en la forma de comprender y actuar ante esa experiencia. Concluimos que la importancia de conocer las formas históricas del concepto de locura reside en la posibilidad de desnaturalizar nuestras concepciones y reflejar sobre nuestra práctica actual en la atención a las personas con sufrimiento mental. DESCRIPTORES: trastornos mentales; psiquiatría/historia; atención 1 Trabalho extraído da tese de doutorado apresentada à Universidade Federal do Ceará; 2 Enfermeira, Doutor em Enfermagem, Professor da Universidade Estadual do Ceará, 3 Enfermeira, Doutor em Enfermagem, Professor da Universidade Federal do Ceará

2 Acerca do conceito... Rev Latino-am Enfermagem 2005 julho-agosto; 13(4): INTRODUÇÃO A sociedade ocidental contemporânea produz e naturaliza uma visão do sofrimento psíquico como objeto de intervenção da ciência, seja ela médica ou de outras práticas psi. Nesse paradigma, o sofrimento psíquico recebe o rótulo de doença mental, com quadros nosológicos claramente delimitados. O objetivo final, ou seja, a cura, pode até ser conceituado de maneiras diferentes, mas, raramente, escapa à noção de (re)adaptação a um mundo do qual ele não faz parte ou ao qual se mostra estranho. Sabe-se que essa visão de mundo arvora-se em ser A Verdadeira e que já foi assimilada a tal ponto que se corre até mesmo o risco do ridículo se tentar apresentar os fatos sob outra ótica. Entretanto, a história mostra que nem sempre foi assim: loucura, alienação, doença mental, transtorno mental, sofrimento psíquico não foram pensados de maneira uniforme nem ao longo da história, nem no mesmo espaço temporal. Vale destacar ainda que a forma como a experiência com a loucura vai sendo conceituada influencia diretamente os espaços e as práticas destinadas a ela. Sendo assim, essa reflexão visa reconstruir a trajetória da percepção da loucura desde a Grécia Antiga até os dias atuais, enfocando, principalmente, os períodos onde ocorreram mudanças significativas na forma de se perceber e atuar perante essa experiência. LOUCURA NA GRÉCIA ANTIGA: A DESRAZÃO VALORIZADA A desrazão é entendida como tudo aquilo que uma sociedade enxerga como sendo seu outro : a estranheza, a ameaça, a alteridade radical (1). Essa dimensão pode ser identificada em diversas épocas e, inclusive, pode ser percebida como essencial nas mais variadas formações histórico-sociais. Entretanto, apesar desse lugar de exclusão sempre ter existido, nem sempre coube ao louco a tarefa de representar a desrazão. Inicialmente, por mais que pareça estranho aos olhos de hoje, pode-se afirmar que a experiência com a loucura nem sempre foi considerada algo negativo, muito menos uma doença. Pelo contrário, na Grécia antiga ela já foi considerada até mesmo um privilégio. Filósofos como Sócrates e Platão ressaltaram a existência de uma forma de loucura tida como divina e, inclusive, utilizavam a mesma palavra (manikê) para designar tanto o divinatório como o delirante (1). Era através do delírio que alguns privilegiados podiam ter acesso a verdades divinas. Isso não quer dizer que essas pessoas fossem consideradas normais ou iguais, mas que eram portadoras de uma desrazão, a qual, apesar de habitar a vizinhança do homem e do seu discurso, precisava ser mantida numa distância, separando o sagrado das experiências terrenas: A loucura não é o Outro do homem (do qual ele possa se assenhorar), mas simplesmente o Outro (1). Este Outro ocupa o lugar de uma alteridade radical e exterior ao sujeito e alheia a qualquer tentativa de apropriação. Não pode ser considerado como uma outra faceta do mesmo, mas encarna uma diferença impossível de ser apreendida. Essa relação entre experiência mística e consciência crítica vai prevalecer por muito tempo e, somente no período conhecido como Antigüidade Clássica, vai se dissolver. ANTIGÜIDADE CLÁSSICA: O ROMPIMENTO ENTRE O MÍSTICO E O RACIONAL Paulatinamente, a loucura vai se afastando do seu papel de portadora da verdade e vai se encaminhando em uma direção completamente oposta. Na fascinante obra intitulada História da Loucura, pode-se perceber como esse corte entre misticismo e razão pode ser percebido em vários âmbitos da experiência humana. Um dos exemplos abordados na obra é a descrição de como se deu esse rompimento no espaço das artes, através da crescente dissociação entre imagem e escrita, observada nesse período. Com o fim do simbolismo gótico, a imagem é liberada da sabedoria e da lição que a ordenavam e começa a gravitar ao redor de sua própria loucura, através de abundância de significações, de multiplicação do sentido por ele mesmo: o sentido não é mais lido numa percepção imediata, a figura deixa de falar por si mesma. Entre o saber que a anima e a forma para qual se transpõe, estabelece-se um vazio. Ele está livre para o onirismo (2). Na pintura, pode-se destacar obras como a Nau dos Loucos, a Tentação de Lisboa e o Jardim das Delícias, as quais mostram animais, caras grotescas, pássaros de pescoço alongado. Esses elementos

3 Acerca do conceito fascinam o espectador, encarnando a loucura em forma de tentação, expondo o mundo com tudo que nele existe de impossível, de fantástico, de inumano. As imagens, ainda que carregadas de fantasmas, exercem sobre o homem do século XV mais poderes de atração do que a realidade (2). Por outro lado, na produção escrita do mesmo período, a loucura atrai, mas não fascina: enquanto Bosh, Brughel e Dürer eram espectadores terrivelmente terrestres, e implicados nessa loucura que viam brotar à sua volta, Erasmo observa-a a uma distância suficiente para estar fora de perigo; observa-a do alto do seu Olimpo, e se canta seus louvores é porque pode rir dela com o riso inextingüível dos deuses (2). Assim, essa brecha entre experiência mística e consciência crítica foi aberta durante a Renascença e nunca mais deixou de se abrir, acentuando um vazio entre o trágico e o crítico que nunca mais será preenchido. A loucura já não é mais porta-voz da verdade divina e em pouco tempo passará a ocupar o lugar de representante simbólico do mal. IDADE MÉDIA: SAI O LEPROSO, ENTRE O LOUCO Até o final da Idade Média, aquele espaço da alteridade radical, referido anteriormente no início do texto, era representada pelo leproso. Encarnando o mal e representando o castigo divino, a lepra se espalha rapidamente causando pavor e sentenciando seus portadores à exclusão. Entretanto, com o fim das Cruzadas e a ruptura com os focos orientais de infecção, a lepra retira-se, deixando aberto um espaço que vai reivindicar um novo representante. Alguns séculos depois, essas estruturas de exclusão social passam a ser ocupadas pela figura do louco. Apesar de se perceber que desde a Idade Média já existiam mecanismos de exclusão do louco, ainda não é aí que a loucura vai ser percebida como um fenômeno que requeira um saber específico, pois os primeiros estabelecimentos criados para circunscrever a loucura destinavam-se simplesmente a retirar do convívio social as pessoas que não se adaptavam a ele. Somente no próximo período histórico é que se transformará essa relação. SÉCULO XVIII: A LOUCURA COMO OBJETO DO SABER MÉDICO É o século XVIII que vem, definitivamente, marcar a apreensão do fenômeno da loucura como objeto do saber médico, caracterizando-o como doença mental e, portanto, passível de cura (3). É o Século das Luzes, onde a razão ocupa um lugar de destaque, pois é através dela que o homem pode conquistar a liberdade e a felicidade. Ocorre valorização do pensamento científico e é em meio a esse contexto que ocorre o surgimento do hospital como espaço terapêutico. Entretanto, deve-se ter cuidado ao imprimir a esse acontecimento uma ótica humanitária e altruísta, pois essa medicalização do hospital não se deu visando uma ação positiva sobre o doente ou a doença, mas simplesmente uma anulação dos efeitos negativos do hospital (3). Para garantir seu funcionamento, o modelo hospitalar necessitava da instauração de medidas disciplinares que viessem garantir a nova ordem. Assim, surge uma arte de delimitação desse espaço físico, onde são fundamentais os princípios de vigilância constante e registro contínuo, de forma a garantir que nenhum detalhe escape a esse saber (3). Dentro desse espaço esquadrinhado, percebe-se uma institucionalização das relações lá exercidas, tornando-se um mundo à parte, afastando cada vez mais o indivíduo de suas relações exteriores. O discurso que alimenta esse sistema percebe os loucos como seres perigosos e inconvenientes que, em função de sua doença, não conseguem conviver de acordo com as normas sociais. Retira-se, então, desse sujeito todo o saber acerca de si próprio e daquilo que seria sua doença, ao mesmo tempo em que se delega esse saber ao especialista. PÓS-GUERRA: MOMENTO PROPÍCIO PARA REFORMAS Somente no período pós-guerra desponta um cenário propício para o surgimento dos movimentos reformistas da psiquiatria na contemporaneidade. Começam a surgir, em vários países, questionamentos quanto ao modelo hospitalocêntrico, apontando para a necessidade de reformulação. Alguns desses movimentos colocavam em questão o próprio dispositivo médico psiquiátrico e as instituições a ele relacionadas, como exemplo, a experiência de Franco Basaglia nas cidades italianas de Gorizia e Trieste, as quais tinham como principal referência a defesa da desinstitucionalização (4). Uma importante questão nessa concepção de

4 Acerca do conceito... Rev Latino-am Enfermagem 2005 julho-agosto; 13(4): reforma diz respeito ao conceito de doença mental, o qual passa a ser desconstruído para dar lugar a nova forma de perceber a loucura enquanto existência-sofrimento do sujeito em relação com o corpo social (5). A reforma psiquiátrica brasileira encontra seus principais fundamentos teóricos nessa concepção, propondo-se a seguir a visão teórica adotada na reforma italiana. Entretanto, vale ressaltar que o processo histórico do lidar com a loucura no Brasil teve peculiaridades que o distinguem bastante daquele observado na Europa. A atenção específica ao doente mental no Brasil teve início com a chegada da Família Real. Em virtude das várias mudanças sociais e econômicas ocorridas e para que se pudesse ordenar o crescimento das cidades e das populações, fez-se necessário o uso de medidas de controle, entre essas, a criação de um espaço que recolhesse das ruas aqueles que ameaçavam a paz e a ordem sociais (4). Posteriormente, em 1852, é criado o primeiro hospício brasileiro. Tendo o hospital psiquiátrico como cenário e o isolamento como principal técnica, o psiquiatra passou a necessitar de um profissional que servisse de vigilante e, ao mesmo tempo, seguisse suas instruções quanto ao tratamento: o enfermeiro é um agente situado entre o guarda e o médico do hospício, devendo estabelecer entre aquele e o doente a corrente do olhar vigilante (6). Assim, no ano de 1890, foi criada a Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras visando sistematizar a formação de enfermeiros para atuarem no espaço asilar. Num país subdesenvolvido, com um modelo de assistência à saúde centrado na prática curativa e assistencialista, foi fácil transformar a doença mental em mercadoria rentável. Ao se associar a lógica do capital (lucro) à lógica do modelo manicomial (poder disciplinar), não fica difícil perceber que a assistência limitava-se ao mínimo que fosse preciso para manter os loucos sob dominação, sem precisar gastar muito. Na década de 70, não suportando a busca desenfreada pelo lucro dos empresários da saúde, a previdência social entra em crise, mostrando a ineficiência desse modelo e apontando para a necessidade de reformulação. Vale ressaltar que esses questionamentos vieram à tona em meio a um quadro político e econômico específico, caracterizado pelo fim do milagre econômico. Ocorre abertura gradual após anos de ditadura, permitindo a entrada em cena de novos atores, dando vez à manifestação das críticas e denúncias dos trabalhadores de saúde mental e outros setores da sociedade civil contra a precária assistência prestada aos doentes mentais (7). Em continuidade a esse processo, foram realizadas em 1987, 1992 e 2001, as Conferências Nacionais de Saúde Mental, que possibilitaram a delimitação dos objetivos da reforma psiquiátrica brasileira atual e a proposição de serviços substitutivos ao modelo hospitalar. Dentre os marcos conceituais desse processo destacam-se o respeito à cidadania e a ênfase na atenção integral, onde o processo saúde/ doença mental é entendido dentro de uma relação com a qualidade de vida (8). Atualmente, observa-se significativo avanço na implantação das propostas da reforma psiquiátrica brasileira. Entretanto, essas conquistas não têm se dado de forma homogênea por todo país. Em vários espaços ainda se enfrentam fortes obstáculos como, por exemplo, a falta de decisão política de alguns gestores públicos e as resistências por parte dos donos de hospitais que não querem perder um negócio lucrativo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este texto realizou uma reflexão teórica como se deu historicamente a percepção e conceituação da experiência com a loucura e, conseqüentemente, das formas de agir perante ela. Como se pode perceber, a construção histórica desse objeto é permeada por transformações profundas, dependendo da época em que é analisado. Atualmente, vivencia-se mais um momento fértil em possibilidades de mudanças devido a alguns avanços já conquistados. Entretanto, entende-se que esse processo não pode ser pensado como simples modificações de estruturas físicas. É preciso, antes de tudo, que se execute uma reelaboração de concepções, de dispositivos e das formas encontradas para que se possa relacionar com a loucura. Caso contrário estar-se-á apenas repetindo as relações manicomiais em outros espaços. Nessa perspectiva, é importante conhecer o processo de construção histórica da loucura para que se possa desnaturalizar conceitos e ser, então, e ter a capacidade de reconstruí-los sob uma ótica mais comprometida com os interesses daqueles a quem se presta assistência.

5 Acerca do conceito REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Pelbart PP. Da clausura do fora ao fora da clausura. São Paulo (SP): Brasiliense; Foucault M. A história da loucura. 5. ed. São Paulo (SP): Perspectiva; Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro (RJ): Edições Gerais; Amarante P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): SNE/ENDP; Rotelli F, Amarante P. Reformas Psiquiátricas na Itália e no Brasil: Aspectos Históricos e Metodológicos. In: Bezerra B Junior, Amarante P, organizadores. Psiquiatria sem hospício: contribuições ao estudo da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro (RJ): Relume-Dumará; p Miranda CL. O Parentesco imaginário: história e representação social da loucura nas relações do campo asilar. Rio de Janeiro (RJ): Editora da UFRJ; Aguiar MGG. A Reinvenção do ser enfermeira no cotidiano da Casa de Saúde Anchieta e núcleos de atenção psicossocial. [dissertação]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem/USP; Ministério da Saúde (BR). Relatório final da 2ª Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília (DF): Ministério da Saúde; Recebido em: Aprovado em:

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE A LOUCURA E A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL

ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE A LOUCURA E A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE A LOUCURA E A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL Joselice Moreira de Souza Carvalho 1, Líscia Moreira Carvalho 2, Luciana Alves Oliveira Weber 3 Universidade Estadual do Sudoeste da

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 A REFORMA PSIQUIATRICA E A (DES) ATENÇÃO A FAMÍLIA CUIDADORA Diuslene Rodrigues Fabris 1 RESUMO: O artigo visa proporcionar uma aproximação acerca da realidade socialmente construída no que diz respeito

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO. PROF: Karin Scheffel

PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO. PROF: Karin Scheffel PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO PROF: Karin Scheffel PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO O que é loucura? O que é Psiquiatria? O que é Saúde Mental? Loucura Alienação Doença Mental

Leia mais

REFORMA PSIQUIATRICA: UM PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO

REFORMA PSIQUIATRICA: UM PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO REFORMA PSIQUIATRICA: UM PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO MARTINES, Ricardo Luiz de Paula Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: martines15@itelefonica.com.br

Leia mais

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA.

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. Josiane F. Lozigia Carrapato 1 Sueli Cavicchioli Azevedo 2 INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA A Saúde Mental vem

Leia mais

A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil

A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil GIANESINI, Huilla Mariana Salviano * RESUMO Este artigo científico pretende analisar a situação do doente mental, considerado incapaz

Leia mais

LUTA ANTIMANICOMIAL. Tiago Luiz Pereira - Esp. Saúde Mental Coletiva

LUTA ANTIMANICOMIAL. Tiago Luiz Pereira - Esp. Saúde Mental Coletiva LUTA ANTIMANICOMIAL Tiago Luiz Pereira - Esp. Saúde Mental Coletiva Durante o Século XVIII, a partir das postulações de Descartes, a percepção sobre o funcionamento do corpo humano como o de uma máquina

Leia mais

A CONSTRUÇÃO E A DESCONSTRUÇÃO DA PSIQUIATRIA; PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL

A CONSTRUÇÃO E A DESCONSTRUÇÃO DA PSIQUIATRIA; PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL 1 A CONSTRUÇÃO E A DESCONSTRUÇÃO DA PSIQUIATRIA; PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Giceli Carvalho Batista * Esse trabalho aborda a questão do processo de desinstitucionalização

Leia mais

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 SOUTO, Valquíria Toledo 2 ; TERRA, Marlene Gomes 3 ;SILVA, Adão Ademir da 4 ; SOCCOL, Keity Laís Siepmann 5 ; SILVA, Cristiane Trivisiol

Leia mais

A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: PSIQUIATRIA REFORMADA OU MUDANÇA PARADIGMÁTICA?

A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: PSIQUIATRIA REFORMADA OU MUDANÇA PARADIGMÁTICA? 1 A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: PSIQUIATRIA REFORMADA OU MUDANÇA PARADIGMÁTICA? DEVERA, Disete; COSTA-ROSA, Abílio (Unesp/Assis; UNIP/ Limeira) RESUMO: A história da construção

Leia mais

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS Partindo do ponto de que a saúde mental está vivendo, há alguns anos,

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA

A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA A relação entre loucura e trabalho esteve e continua presente,

Leia mais

História da Psiquiatria

História da Psiquiatria Saúde Mental História da Psiquiatria Na Europa, até o século XVIII,os hospitais não possuíam finalidade médica. Eram instituições filantrópicas destinadas a abrigar os indivíduos considerados indesejáveis

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Deyse Paula de Almeida Silva Juliana de Fátima Faria Patrícia Vilse Luzetti Vânia Oliveira Burocco Ana

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 4 CIDADANIA, CONTROLE SOCIAL E MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS REFORMA PSIQUIÁTRICA: CONSTRUÇÃO DE OUTRO LUGAR SOCIAL PARA A LOUCURA?

GRUPO DE TRABALHO 4 CIDADANIA, CONTROLE SOCIAL E MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS REFORMA PSIQUIÁTRICA: CONSTRUÇÃO DE OUTRO LUGAR SOCIAL PARA A LOUCURA? 1 GRUPO DE TRABALHO 4 CIDADANIA, CONTROLE SOCIAL E MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS REFORMA PSIQUIÁTRICA: CONSTRUÇÃO DE OUTRO LUGAR SOCIAL PARA A LOUCURA? Yanne Acioly REFORMA PSIQUIÁTRICA: CONSTRUÇÃO DE OUTRO

Leia mais

OFICINAS DE TRABALHO: HISTÓRIA E CONCEITOS

OFICINAS DE TRABALHO: HISTÓRIA E CONCEITOS OFICINAS DE TRABALHO: HISTÓRIA E CONCEITOS Aline Bonetti 1, Fábio Bruno de Carvalho n 1 Pontifícia Universidade Católica de Campinas/Centro de Ciências da Vida/Faculdade de Terapia Ocupacional, Av. John

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Autores: Juliana Barbosa - UFPE, Pedro de Oliveira Filho UFPE Endereço Eletrônico: jucatarine@gmail.com, deoliveirafilhopedro@gmail.

Autores: Juliana Barbosa - UFPE, Pedro de Oliveira Filho UFPE Endereço Eletrônico: jucatarine@gmail.com, deoliveirafilhopedro@gmail. Título: REFORMA PSIQUIÁTRICA E INTERDISCIPLINARIDADE: CONSTRUINDO UM OLHAR SOBRE O TRABALHO EM EQUIPE NOS SERVIÇOS SUBSTITUTIVOS EM SAÚDE MENTAL DA CIDADE DO RECIFE. Autores: Juliana Barbosa - UFPE, Pedro

Leia mais

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB Flávio Pereira de Oliveira¹; Leiana Isis Soares de Oliveira²; Paloma Irys da Conceição¹; Hilana Maria Braga Fernandes¹

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

O CAPS no processo do matriciamento da Saúde Mental na Atenção Básica

O CAPS no processo do matriciamento da Saúde Mental na Atenção Básica O CAPS no processo do matriciamento da Saúde Mental na Atenção Básica Edilane Bezerra Psicóloga, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFRN. Bolsista CAPES. edilane.bezerra@ig.com.br

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

Chris Stefanny Silva 1 Jakeline Bezerra Juventino 2 Cristiana Carla da Silva

Chris Stefanny Silva 1 Jakeline Bezerra Juventino 2 Cristiana Carla da Silva A REFORMA PSIQUIÁTRICA E O ATENDIMENTO PREVALECENTE A CRISE NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE- PB Chris Stefanny Silva 1 Jakeline Bezerra Juventino 2 Cristiana Carla da Silva RESUMO Este trabalho ora apresentado

Leia mais

2. Do manicômio à desinstitucionalização

2. Do manicômio à desinstitucionalização 2. Do manicômio à desinstitucionalização Para refletir sobre a atuação dos agentes comunitários de saúde junto aos portadores de transtorno mental a partir do paradigma preconizado pela Reforma Psiquiátrica

Leia mais

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz 28/11/2007 - Quart ética Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz Agradeço o convite para participar deste encontro. Considero muito importante a iniciativa

Leia mais

CONCEITO DE INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO DA REFORMA PSIQUIÁTRICA

CONCEITO DE INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO DA REFORMA PSIQUIÁTRICA Reflexivo CONCEITO DE INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO DA REFORMA PSIQUIÁTRICA THE CONCEPT OF INTEGRALITY IN MENTAL HEALTH CARE IN THE CONTEXT OF PSYCHIATRIC REFORM CONCEPTO DE INTEGRALIDAD

Leia mais

INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL

INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL INSTITUCIÓN: Prefeitura Municipal de Angra dos Reis Estado do Rio de Janeiro Brasil ÁREA TEÓRICO/PRÁCTICO:

Leia mais

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO CARVALHO, Lucas Emmanuel 1 COSTEIRA, Aldenildo A. M. F. 2 DIAS, Gustavo Vieira 3 NASCIMENTO, Janine

Leia mais

SAÚDE MENTAL E SERVIÇO SOCIAL: REFLETINDO A PRÁTICA NO CONTEXTO NEOLIBERAL

SAÚDE MENTAL E SERVIÇO SOCIAL: REFLETINDO A PRÁTICA NO CONTEXTO NEOLIBERAL SAÚDE MENTAL E SERVIÇO SOCIAL: REFLETINDO A PRÁTICA NO CONTEXTO NEOLIBERAL Lucilene Alves Pereira¹, Juliana Alexandre da Silva¹, Kênia Raisse Borges Lima¹, Francisca Alves Pereira² 1 Universidade Estadual

Leia mais

Saúde Mental e Reforma Psiquiátrica Brasileira: Reflexões Acerca da Cidadania dos Portadores de Transtornos Mentais

Saúde Mental e Reforma Psiquiátrica Brasileira: Reflexões Acerca da Cidadania dos Portadores de Transtornos Mentais Saúde Mental e Reforma Psiquiátrica Brasileira: Reflexões Acerca da Cidadania dos Portadores de Transtornos Mentais 71 Mental Health And Brazilian Psychiatric Reform: Reflections On The Citizenship Of

Leia mais

Arte e Saúde Mental: mapeamento e análise de trabalhos na Região Sudeste

Arte e Saúde Mental: mapeamento e análise de trabalhos na Região Sudeste Arte e Saúde Mental: mapeamento e análise de trabalhos na Região Sudeste Patrícia Fonseca de Oliveira (PIBIC/FAPEMIG) Walter Melo Júnior (Orientador/DPSIC) pattypsiche@hotmail.com wmelojr@gmail.com Resumo:

Leia mais

Conhecimento do enfermeiro e seu papel em psiquiatria

Conhecimento do enfermeiro e seu papel em psiquiatria Conhecimento do enfermeiro e seu papel em psiquiatria Thaís Helena Mendes Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Rosiani de Cássia B. Ribeiro de Castro Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE FACES CURSO: PSICOLOGIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE FACES CURSO: PSICOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE FACES CURSO: PSICOLOGIA A CONVIVÊNCIA NO COTIDIANO DE UM CAPS Patrícia de Melo Cortes BRASÍLIA JULHO DE 2013. PATRÍCIA DE MELO CORTES A CONVIVÊNCIA NO ESPAÇO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM GESTÃO SOCIAL, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO LOCAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM GESTÃO SOCIAL, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO LOCAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM GESTÃO SOCIAL, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO LOCAL MÍRIAM CÂNDIDA DE SOUZA BRAMANTE A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM CENTRO

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA Érica Fernanda Nascimento de Souza 1 Renilda Rosa Dias 2 RESUMO O estudo objetivou evidenciar a importância da Educação Popular

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014)

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014) Núcleo 3.2 Saúde mental: política e clinica ampliada DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Social COORDENADOR: Maria Claudia Tedeschi Vieira PROFESSORES: Deborah Sereno Elisa

Leia mais

MODOS DE GOVERNO E AS REFORMAS PSIQUIÁTRICAS BRASILEIRA E ITALIANA

MODOS DE GOVERNO E AS REFORMAS PSIQUIÁTRICAS BRASILEIRA E ITALIANA MODOS DE GOVERNO E AS REFORMAS PSIQUIÁTRICAS BRASILEIRA E ITALIANA Arthur Arruda Leal Ferreira Instituto de Psicologia UFRJ arleal@superig.com.br SABERES PSI E GOVERNAMENTALIDADE LIBERAL O conceito foucaultiano

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL Sofia Laurentino Barbosa Pereira 1 Simone de Jesus Guimarães 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo fazer uma revisão teórico-crítica acerca do Serviço Social no campo

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE ENSINO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade Federal do Pampa 2. Campus: Uruguaiana 3. Curso: Enfermagem 4. Docente Responsável: Messa Torres 5. Disciplina: Saúde Mental

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Saúde Mental e produção de subjetividade: o discurso de profissionais do SUS sobre a loucura

Saúde Mental e produção de subjetividade: o discurso de profissionais do SUS sobre a loucura Saúde Mental e produção de subjetividade: o discurso de profissionais do SUS sobre a loucura Roberta Scaramussa Msc. Em Psicologia e docente do Curso de Psicologia-Faculdade Pitágoras Jussara Fae Graduanda

Leia mais

CENTRO DE VIVÊNCIAS DESPERTAR PARA A VIDA CAPACITAÇÃO EM SAUDE MENTAL

CENTRO DE VIVÊNCIAS DESPERTAR PARA A VIDA CAPACITAÇÃO EM SAUDE MENTAL CENTRO DE VIVÊNCIAS DESPERTAR PARA A VIDA CAPACITAÇÃO EM SAUDE MENTAL Relatório apresentado como pré-requisito parcial para obtenção do certificado do Curso de Capacitação em Saúde Mental junto ao Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI AVAÇOS E DESAFIOS DO

Leia mais

1. PROJETO Fortalecimento da organização do movimento social das pessoas portadoras de deficiência no Brasil e divulgação de suas conquistas.

1. PROJETO Fortalecimento da organização do movimento social das pessoas portadoras de deficiência no Brasil e divulgação de suas conquistas. Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/12/2013-16:28:25 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2823 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

REFORMA PSIQUIÁTRICA: O QUE PENSA A FAMÍLIA?

REFORMA PSIQUIÁTRICA: O QUE PENSA A FAMÍLIA? REFORMA PSIQUIÁTRICA: O QUE PENSA A FAMÍLIA? Solânia Durman Pollyanna Cristini Gris Amaral Resumo: Este estudo foi realizado no período de novembro a dezembro de 2000, no bairro São Cristovão/Cascavel,

Leia mais

Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação de Surdos e Ensino Superior (UFPR)

Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação de Surdos e Ensino Superior (UFPR) Fundamentos para as Necessidades Educativas Especiais Teleaula 1 Profa. Dra. Sueli Fernandes tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação

Leia mais

Ministério da Saúde. (Versão Preliminar em Discussão)

Ministério da Saúde. (Versão Preliminar em Discussão) Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde Grupo Hospitalar Conceição Escola GHC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Rede Colaborativa

Leia mais

Saúde Mental e Arte em Jataí: construindo diálogos, edificando práticas.

Saúde Mental e Arte em Jataí: construindo diálogos, edificando práticas. Saúde Mental e Arte em Jataí: construindo diálogos, edificando práticas. COSTA, Jônatas Leal 1 ; Cardoso, Fernando Freitas 2 ; MARTINS, Eduarda Jacomini 3 ;GONÇALVES, Lorrany de Oliveira 4 ; FARIA, Jaqueline

Leia mais

O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL

O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL Aline Godoy Terapeuta Ocupacional. Mestranda em Cuidados em Saúde (USP) Heitor Martins Pasquim Professor de Educação Física. Doutorando em Cuidados

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 28 QUESTÃO 26 São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: a) Ênfase nas campanhas sanitárias. b) Fortalecimento do setor de saúde

Leia mais

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte por uma sociedade sem manicômios UMA PÁTRIA SEM FRONTEIRAS, UMA CIDADE SEM PORTAS, DE CASAS SEM ARMADILHAS. UM JEITO SÓ DE VIVER, MAS NESSE JEITO, A VARIEDADE,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

A PRÁXIS DO ENFERMEIRO DO SERVIÇO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS HUMANOS PARA TRANSPLANTE.

A PRÁXIS DO ENFERMEIRO DO SERVIÇO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS HUMANOS PARA TRANSPLANTE. A PRÁXIS DO ENFERMEIRO DO SERVIÇO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS HUMANOS PARA TRANSPLANTE. ISENSEE, M.P.B AVELAR, M.C.Q Introdução: As atividades dos enfermeiros do Serviço de Captação de Órgãos Humanos da Organização

Leia mais

GRUPOS OPERATIVOS: UMA EXPERIÊNCIA PSICOTERAPÊUTICA EM CAPS

GRUPOS OPERATIVOS: UMA EXPERIÊNCIA PSICOTERAPÊUTICA EM CAPS GRUPOS OPERATIVOS: UMA EXPERIÊNCIA PSICOTERAPÊUTICA EM CAPS Gislaine Aparecida Marutti¹ 1 ; Juliana de Oliveira Coelho Silva¹; Maurício Mendonça Junior¹; Tatiani Solis Peres¹; Thalita de Oliveira Soares¹;

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Coordenador: Prof. Doutor Ademir Pacelli Ferreira - Instituto de Psicologia - UERJ 2) A Clínica Psicanalítica no Campo da Saúde Mental:

Leia mais

UMA NOVA (RE) FORMA DE TRATAR: ANÁLISE SOBRE A LEI DA RESUMO

UMA NOVA (RE) FORMA DE TRATAR: ANÁLISE SOBRE A LEI DA RESUMO UMA NOVA (RE) FORMA DE TRATAR: ANÁLISE SOBRE A LEI DA REFORMA PSIQUIÁTRICA NO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Clarissa Meroni de Souza 1 Juliana Carmona Predebon 2 Esse estudo aborda o movimento da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites 1 GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites O presente artigo retrata, antes de tudo, um aprendizado de amor, o qual estou tendo a

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

A TERAPIA OCUPACIONAL E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA SAÚDE MENTAL COLETIVA

A TERAPIA OCUPACIONAL E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA SAÚDE MENTAL COLETIVA A TERAPIA OCUPACIONAL E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA SAÚDE MENTAL COLETIVA CARLA ROBERTA SALDANHA TRINDADE ALVAREZ * MARCELO BASTOS DA SILVA MARTINS ** RESUMO Baseado numa perspectiva histórica, este

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

MAPEAMENTO DO TRABALHO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA NA REDE SUS TERESINA - PI.

MAPEAMENTO DO TRABALHO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA NA REDE SUS TERESINA - PI. MAPEAMENTO DO TRABALHO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA NA REDE SUS TERESINA - PI. Danilo Camuri Teixeira Lopes - Universidade Federal do Rio Grande do Norte (danilocamuri@hotmail.com) Magda Dimenstein

Leia mais

TEMA: Internação Compulsória de Dependentes Químicos

TEMA: Internação Compulsória de Dependentes Químicos NOTA TÉCNICA 86/2014 Dra Vanessa Verdolim Hudsom Andrade Desembargadora da 1ªCâmara Cível TJMG Data: 08/05/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X N processo 1.0338.14.003238-8/001 TEMA: Internação

Leia mais

COTIDIANO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS

COTIDIANO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM PSICOLOGIA SOCIAL COTIDIANO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS DAYSE ANDRDADE BISPO SILVA Pré-projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

OS DESAFIOS DA DESINSTITUCIONALIZAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL NO DISTRITO FEDERAL

OS DESAFIOS DA DESINSTITUCIONALIZAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL NO DISTRITO FEDERAL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UNICEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES CURSO: PSICOLOGIA OS DESAFIOS DA DESINSTITUCIONALIZAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL NO DISTRITO FEDERAL Leilane Silva

Leia mais

TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL

TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL Maria Ferreira de Oliveira Filha 1 Renata Cavalcanti Cordeiro 2 Camilla de Sena Guerra 3 Marina Nascimento de Moraes 4 Mayra Helen Menezes Araruna

Leia mais

A inclusão das ações de saúde mental na Atenção Básica: ampliando possibilidades no campo da saúde mental

A inclusão das ações de saúde mental na Atenção Básica: ampliando possibilidades no campo da saúde mental A inclusão das ações de saúde mental na Atenção Básica: ampliando possibilidades no campo da saúde mental The inclusion of actions in mental health care in the primary health care: enhancing possibilities

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS Título: O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS Monografia de graduação apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Psicólogo Autor:

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL Patrícia de Bitencourt Toscani 1 Durante a década de 70, o processo da Reforma Psiquiátrica possibilitou construir uma nova política de saúde

Leia mais

DESAFIOS PARA A EFETIVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE E SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO NEOLIBERAL

DESAFIOS PARA A EFETIVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE E SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO NEOLIBERAL 1 DESAFIOS PARA A EFETIVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE E SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO NEOLIBERAL Vanessa Castro Alves * Maibí de Araújo Velasque ** Resumo: No campo da Saúde evidencia-se um conflito entre diferentes

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais