MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES APLICADOS NA ANÁLISE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES APLICADOS NA ANÁLISE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA"

Transcrição

1 MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES APLICADOS NA ANÁLISE DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Robet Schiaveto de Souza e Fazal Hussai Chaudhy Resumo - Este tabalho ealiza uma compaação ete os métodos de esolução de sistemas lieaes aplicados a aálise de edes de distibuição de água e aalisa a eficiêcia destes métodos o compotameto da covegêcia. A fomulação poposta aalisa métodos dietos ou exatos (método da elimiação de Gauss e método de Cholesy e idietos ou iteativos (método dos gadietes cojugados. Os esultados obtidos das simulações ealizadas mostam a eficiêcia dos métodos de esolução de sistemas lieaes e demostam a ifluêcia sigificativa da escolha do método o pocesso iteativo paa a obteção da solução fial da hidáulica de uma ede. Abstact - This wo compaes methods of esolutio of liea systems applied i the aalysis of wate distibutio etwos ad aalyzes the efficiecy of these methods i the behavio of the covegece. The poposed fomulatio cosides diect o exact methods (method of the elimiatio of Gauss ad Cholesy s method ad idiect o iteative methods (cojugated gadiets method. The esults obtaied of the simulatios caied out demostate the efficiecy of the methods of esolutio of liea systems, ad show the sigificat ifluece of the choice of the method i the iteative pocess fo obtaiig the fial solutio of the hydaulics of a etwo. Egeheio Civil pela Uivesidade Fedeal de Mato Gosso do Sul e Douto em Hidáulica e Saeameto pela Escola de Egehaia de São Calos / USP. Pofesso Adjuto do Depatameto de Hidáulica e Taspotes do Ceto de Ciêcias Exatas e Tecologia da Uivesidade Fedeal de Mato Gosso do Sul. Edeeço: Rua José Atoio Peeia, 609, Apt. 0-Baio Mote Castelo-CEP Campo Gade-MS. Foe: 0xx Fax: 0xx Ramal 5. Egeheio Civil pela Uivesidade Fedeal de Pujab - Paquistão, Meste em Egehaia Hidáulica pela Asia Istitute of Techology - Thaylad e PHD em Egehaia Civil pela Coloado State Uivesity - EUA. Pofesso Titula do Depatameto de Hidáilica e Saeameto da Escola de Egehaia de São Calos / USP. Edeeço: Av. Facisco Peeia Lopes, 00, Apt. A -Vila Pueza-CEP São Calos-SP. Foe: 0xx Fax: 0xx

2 Palavas-chave - Redes Hidáulicas, Sistemas Lieaes, Elimiação de Gauss, Cholesy, Gadietes Cojugados. INTRODUÇÃO A aálise em egime pemaete de sistemas de distibuição de água é um poblema de gade impotâcia a egehaia hidáulica (Shami e Howad 977. A solução paa poblemas de edes é obtida quado as vazões satisfazem as equações da cotiuidade em cada ó e a equação da eegia em cada caalização. Estas equações são ãolieaes toado ecessáio a utilização de métodos uméicos iteativos, iiciado com uma solução apoximada que é apefeiçoada espeaçosamete a cada iteação atavés da esolução de um sistema de equações liea. A cofiabilidade dos algoitmos aplicados paa a esolução do sistema liea esultate a aálise de edes é de gade impotâcia. Uma solução leta ou mesmo um facasso a sua obteção é um icoveiete picipalmete os estudos de otimização ode a ede é avaliada iúmeas vezes. Váios métodos matemáticos tem sido desevolvidos paa a esolução de sistemas lieaes (Fosythe 967. Os métodos se baseiam em técicas uméicas dietas ou exatas que icluem desde o método da elimiação gaussiaa até o método de Cholesy, e técicas idietas ou iteativas, que icluem o método dos gadietes cojugados dete outos. O estado da ate tem avaçado eomemete. Muitos algoitmos tem sido popostos paa esolve as equações esultates da aálise de edes hidáulicas, e técicas uméicas são lagamete usadas a atualidade. No etato, dificuldades tem sido obsevadas picipalmete quato ao tempo e a memóia computacioal ecessáia paa o cálculo de edes (Souza 994. Po isso, os métodos paa esolve sistemas de equações lieaes tem sofido costates evisões e apefeiçoametos. Atualmete, com a cescete dispoibilidade de micocomputadoes com gade capacidade de memóia e velocidade de pocessameto e o desevolvimeto de iúmeas técicas uméicas, faz-se ecessáio um eexame dos métodos teóicos utilizados paa a esolução de sistemas lieaes esultates da aálise e pojetos de gades edes. Neste tabalho é ealizado um estudo da eficiêcia dos picipais métodos dispoíveis paa a esolução de sistemas lieaes aplicados a aálise de edes de distibuição de água e compaações são feitas ete os divesos métodos. Estas se efeem gealmete à facilidade e flexibilidade de uso, úmeo de iteações, e tempo e memóia computacioal equeidos. Petede-se desta foma

3 apefeiçoa a aálise de edes visado a edução do tempo computacioal e dos poblemas de covegêcia a obteção da solução fial. MODELO HIDRÁULICO Nielse (989 popôs uma fomulação paa esolve poblemas de edes pelos métodos lieaes e ão-lieaes baseados a teoia dos gafos. O método po ele poposto é uma geealização e um apefeiçoameto dos métodos apesetados po Lam e Wolla (97 e Chadashea e Stewat (975. O auto agumeta que a escolha do modelo paa esolve as equações ão lieaes esultates da aálise de edes é essecial paa o compotameto do pocesso iteativo e sugee um modelo ode os métodos da teoia liea e Newto-Raphso são combiados. Obseva-se que tal hibidização está implícita a opeacioalização poposta po Righetto (977. A fomulação poposta po Nielse (989 pode se usada tato paa o método da teoia liea (LTM como paa o método de Newto-Raphso (NR e é dada pela equação (, ode D = diag d [ (H,...,d (H ] m m com d = K H ; β β ` H ou q K H com β = / α ; α β β = K q = sedo γ = paa LTM e γ = α paa NR; h é o veto de eegias os ós iteioes; A é a matiz de icidêcia (m x dos ós de esevatóio; A é a matiz de icidêcia (m x dos ós iteioes; h é o veto ( x de eegia os ós de esevatóios; Q são as vazões de pojeto (cosumos os ós iteioes. Esse sistema é ão liea de equações com icógita h. + = h γ t t [ A D A] [ Q + A D ( Ah A h ] h + ( As caacteísticas impotates de covegêcia já cohecidas do método liea (LTM e do método de Newto-Raphso (NR foam exploadas a aálise de edes hidáulicas. O método de NR covege apidamete (quadaticamete paa estimativas iiciais azoáveis, e tem covegêcia leta (liea ou poblemas de ão covegêcia paa estimativas gosseias, ão póximas da solução. No método da teoia liea há uma oscilação as poximidades da solução, mas gealmete é covegete paa a solução coeta. Quado o método de NR covege, pode-se afima que o faz mais apidamete, ou seja, em um úmeo meo de iteações do que o método LTM. Po outo lado, o método de NR apeseta mais poblemas de covegêcia do que o método LTM picipalmete devido aos eos elativamete gades que ocoem as pimeias iteações. As caacteísticas de covegêcia dos métodos liea (LTM e ão liea (NR povavelmete levaam a Nielse (989 a popo um modelo ode os métodos LTM e NR são

4 combiados, sugeido o método LTM paa a pimeia iteação e NR paa as demais iteações (LTM-NR. Neste tabalho, foam ealizadas divesas simulações cosideado uma ede exemplo. Tês métodos de esolução de sistemas lieaes foam utilizados. Dois métodos dietos ou exatos (elimiação gaussiaa e Cholesy e um método idieto ou iteativo (método dos gadietes cojugados. Os esultados dos tês métodos foam compaados ete si, em elação ao tempo computacioal, mostado a eficiêcia dos mesmos. MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES Os métodos paa esolução de sistemas de equações lieaes são divididos picipalmete em dois gupos: métodos dietos ou exatos (aqueles que foeceiam a solução exata, ão fossem os eos de aedodameto, com um úmeo fiito de opeações e métodos idietos ou iteativos (aqueles que pemitem obte a solução de um sistema com uma dada pecisão atavés de um pocesso fiito covegete. Com a fialidade de estuda a eficiêcia destes métodos em fução picipalmete do tempo computacioal ecessáio a esolução de sistemas lieaes, selecioou-se dois métodos dietos (elimiação gaussiaa e Cholesi, e um método iteativo (gadietes cojugados. Emboa ão seja possível afima paa um caso geal qual dos métodos dietos e/ou iteativos é o mais eficiete, pode-se o etato, em algus casos especiais, estabelece citéios de compaação ete os métodos. Métodos Dietos ou Exatos São métodos que cosistem a aulação de cetos coeficietes po meio de adições das equações dos sistemas, modificado seu aspecto pimitivo, mas tasfomado-o em um sistema de solução imediata. Seja o sistema liea de odem : ax + ax a x a x + a x a x... a x + a x a x = b = b = b (

5 Também deotado po Ax=b, ode A = [a ij ], i, j, e a matiz dos coeficietes x = (x é o veto icógita e t, x,..., x b = (b é o veto dos temos idepedetes. t, b,..., b - Método da Elimiação de Gauss O método de Gauss cosiste em tasfoma a matiz do sistema em uma matiz tiagula supeio. O método de elimiação de Gauss com pivoteameto a diagoal cosiste em tasfoma o sistema dado um sistema tiagula equivalete pela aplicação epetida da opeação de subtai de uma equação outa equação multiplicada po uma costate difeete de zeo. O elemeto ( a é chamado pivô do -ésimo passo. Se, em algum passo, ecotamos a = 0, o método pode se cotiuado simplesmete pemutado a -ésima equação com qualque outa abaixo cujo coeficiete da -ésima icógita seja difeete de zeo, o que sempe é possível pois det A 0. ( Seja Ax = b, A R(, ão sigula. a Costução do sistema Paa =,3,..., tiagula equivalete a. Faça i =, +,..., e calcule m i, = a ( i, / a (, a. Faça j =, +,..., +e calcule a ( ij = a ( ij m i, a (, j b Solução do sistema tiagula supeio. b. x = b / a b. Paa i = -, -,..., x i = (b i a ij j= i+ x j / a ii

6 - Método de Cholesy t t Se A R(, é simética e defiida positiva, etão A = R R e Ax = R Rx = b. Tomado Rx = y, temos que esolve dois sistemas: R t y b Rx == y Como R t e R sistemas tiagulaes. Seja o sistema Ax = b. a Decomposição de A em R Paa i =,,..., Calcule: são matizes tiagulaes, tasfoma-se a solução de Ax = b a solução de dois t R ii = (a ii i = i Faça j = i +,i +,..., e calcule: ij = (a ij i i = j / ii b Solução dos sistemas tiagulaes R t y = b e Rx = y Métodos Idietos ou Iteativos Um método é dito iteativo quado foece uma sequêcia de apoximates, cada um dos quais obtido das ateioes pela epetição do mesmo pocesso. Os métodos iteativos tem sido fequetemete pefeidos em elação aos métodos dietos paa esolve sistemas de equações espasos poque eles utilizam somete os coeficietes difeetes de zeo e potato equeem uma quatidade míima de memóia. - Método dos Gadietes Cojugados O método dos gadietes cojugados é um método iteativo que tem váias caacteísticas iteessates e desejáveis picipalmete paa a solução de gades sistemas espasos. Segudo

7 Schwaz (973, este método foi pimeiamete desevolvido po M. R. Hestees com a coopeação de J. B. Rose, G. Fosythe e L. Paige em 95. Cosidee um sistema de equações simético paa se esolvido paa o veto x: Ax + b = 0, a x + b = 0 i =,..., (3 = i i Substituido qualque veto teste iicial v paa x, obtemos um veto esidual = Av + b com os compoetes. O póposito de qualque método de elaxação é altea este veto teste v,..., sistematicamete de tal foma que os esíduos desapaeçam. O pocesso iteativo do método dos gadietes cojugados pode se esumido segudo Schwaz (973 a seguite sequêcia apopiada: Iício: Escolhe-se (0 (0 = Av (0 v + b ; p ( = (0 Relaxação: Paa =,,... e p - ( ( = ( = ( ( ( (, (, + e ( ( (, q = ( ( (Ap,p ( ( v = v + q p p ( ( ; paa paa ( = ( + q (Ap ( No método dos gadietes cojugados, as dieções de elaxação sistema de dieções cojugadas, e os vetoes esiduais ( p ( =,,... fomam um ( ( = 0,,,... fomam um sistema otogoal. Além disso o método dos gadietes cojugados poduz a solução em geal em passos. O método dos gadietes cojugados exibe a extaodiáia popiedade que ehum auto valo pecisa se calculado paa assegua a covegêcia (em cotaste dos outos métodos de elaxação. O método é desejável paa soluções de sistemas de equações siméticos e é especialmete vatajoso se a matiz A é espasa. RESULTADOS E DISCUSSÕES Paa estuda a eficiêcia dos métodos de esolução de sistemas lieaes, selecioou-se uma ede exemplo costituída de 7 techos, ós e esevatóio, cofome a figua, e cujas

8 caacteísticas são apesetadas as tabelas e. A eegia o esevatóio (ó é igual a 00m, e as cotas dos ós foam assumidas como sedo iguais a zeo Figua : Rede exemplo. Tabela - Caacteísticas dos tubos da ede apesetada a figua. Techo Nós Diâmeto Compimeto (mm (m C HW

9 Tabela - Caacteísticas dos ós da ede apesetada a figua. Nó Cosumo (m 3 /s Eegia Iicial (m 0,03 94,456 0,09 94,63 3 0,03 93, ,006 95,8 5 0,03 94, ,09 95, ,03 95,05 8 0,03 95, ,03 96, ,03 96,485

10 0,006 96,45 0,09 97,5 3 0,006 96, ,03 96, ,03 97, ,006 96, ,03 98,04 8 0,09 98,6 9 0,03 98,95 0 0,03 98,965 0,006 99,59-00,000 Desevolveu-se um pogama paa o cálculo de sistemas de distibuição de água ode os métodos de esolução de sistemas lieaes foam icopoados como subotias, com o objetivo de veifica a eficiêcia de cada método o pocesso iteativo de covegêcia. O citéio de covegêcia ou de paada implemetado foi quado a maio difeeça das vaiáveis icógitas ete duas iteações cosecutivas esultou meo do que uma toleâcia especificada. A pogamação dos algoitmos foi implemetada a liguagem Tubo Pascal vesão 6.0 e o equipameto utilizado foi um mico-computado tipo PC/386 sem co-pocessado aitmético 33 Mhz. Os esultados obtidos sobe o úmeo de iteações, tempo total e tempo po iteação equeidos paa a aálise da ede exemplo paa os divesos métodos de esolução de sistemas lieaes, estão apesetados a tabela 3. Tabela 3 - Númeo de iteações, tempo total e tempo po iteação equeidos paa a aálise da ede exemplo paa divesos métodos de esolução de sistemas lieaes. Método Sistema Númeo de Tempo Total (s Tempo/Iteação (s Iteações LTM

11 NR LTM-NR Legeda: ( elimiação gaussiaa; ( gadietes cojugados; (3 Cholesi. Neste estudo, o método de Cholesi apesetou melho eficiêcia, seguidos pelos métodos da elimiação gaussiaa e gadietes cojugados espectivamete. No etato é cohecido que paa gades sistemas, os métodos iteativos podem foece soluções sem eos de aedodametos, o que ão acotece com os dois métodos dietos utilizados. Quado a aálise de edes esulta em sistemas de odem muito baixa, a tedêcia é a vedade, uma equivalêcia a eficiêcia de todos os métodos, que sejam dietos ou iteativos. Os métodos dietos apesetam a vatagem de podeem se sempe aplicados, equato que os métodos iteativos depedem da covegêcia. Os métodos de elimiação assialam a sigulaidade de sistemas. Quado se utiliza o método iteativo poém, um sistema sigula pode apaeta ão covegêcia. Os eos de aedodameto causam meo efeito os métodos iteativos do que os de elimiação, poque os pimeios os coeficietes do sistema pemaecem ialteados. Nos sistemas espasos, isto é, aqueles em que é gade a pocetagem de coeficietes ulos, dimiui o úmeo de cálculos em métodos iteativos po iteação. Etetato, os métodos de elimiação são ealizados cálculos desecessáios. CONCLUSÕES Em elação ao métodos paa solução de equações lieaes, emboa ão seja possível afima paa um caso geal qual dos métodos dietos e/ou iteativos é o mais eficiete, pode-se em algus casos especiais estabelece citéios de compaação ete os métodos. Potato paece se mais coeete escolhe um método de esolução de sistemas lieaes que seja ecohecidamete mais eficiete paa cada caso ou situação paticula, uma vez que ão há esultado teóico paa o cohecimeto do melho método paa um caso geal.

12 A evisão e o eexame dos métodos de esolução de sistemas lieaes aplicados a aálise de edes de distibuição de água ealizados este tabalho possibilitaá a aálise de edes de com maio eficiêcia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHANDRASHEKAR, M., STEWART, K. H. Spasity Oieted Aalysis of Lage Pipe Netwos. Joual of the Hidaulic Divisio, v. 0,. HY4, p , 975. FORSYTHE, G. E. Compute Solutio of Liea Algebaic Systems. New Yo, Petice-Hall, p. LAM, C. F., WOLLA, M. L. - Compute Aalysis of Wate Distibutio Systems: Pat I - Fomulatio of Equatios. Joual of the Hydaulics Divisio, v. 98,. HY, p , 97. LAM, C. F., WOLLA, M. L. - Compute Aalysis of Wate Distibutio Systems: Pat II - Numeical Soluctio. Joual of the Hydaulics Divisio, v. 98,. HY3, p , 97. NIELSEN, H. B. Methods fo Aalyzig Pipe Netwos. Joual of Hidaulic Egieeig, ASCE, 5 (, 39-57, 989. RIGHETTO, A. M. Desevolvimeto de Modelos de Simulação paa o Desevolvimeto de Redes de Distibuição de Água. São Calos Tese de Doutoado. Escola de Egehaia de São Calos-Uivesidade de São Paulo, 977. SCHWARZ, H. R. Numeical Aalysis of Symmetic Matices. Eglewood Cliffs, Petice-Hall, p. SHAMIR, U., HOWARD, C. D. D. Egieeig Aalysis of Wate Distibutio Systems. Joual Ameica Wate Wos Associatio, 50-54, 977. SOUZA, R. S. Aspectos Computacioais da Aálise de Redes de Distibuição de Água com Compoetes Hidáulicos em Regime Pemaete. São Calos Dissetação de Mestado. Escola de Egehaia de São Calos-Uivesidade de São Paulo, 994.

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS Luiz Facisco da Cuz Depatameto de Matática Uesp/Bauu CAPÍTULO ESPAÇOS VETORIAIS 1 Históico Sabe-se que, até pelo meos o fial do século XIX, ão havia ehuma teoia ou cojuto de egas b defiidas a que se pudesse

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A. Tarefa nº 7 do plano de trabalho nº 1

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A. Tarefa nº 7 do plano de trabalho nº 1 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A Taefa º 7 do plao de tabalho º. Comece po esolve o execício 3 da págia 0.. Muitas das geealizações feitas as divesas ciêcias,

Leia mais

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy 1 - CORRELAÇÃO LINEAR IMPLE Em pesquisas, feqüetemete, pocua-se veifica se existe elação ete duas ou mais vaiáveis, isto é, sabe se as alteações sofidas po uma das vaiáveis são acompahadas po alteações

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 ESPAÇOS VETORIAIS Luiz Facisco da Cuz Depatameto de Matemática Uesp/Bauu CAPÍTULO ESPAÇOS VETORIAIS 1 Históico Sabe-se que, até pelo meos o fial do século XIX, ão havia ehuma teoia ou cojuto de egas bem defiidas a que se

Leia mais

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Capítulo 4 Vaiáveis Aleatóias Discetas Pof. Fabício Maciel Gomes Picipais Distibuições de Pobabilidade Discetas Equipovável Beoulli Biomial Poisso Geomética Pascal Hipegeomética Distibuição Equipovável

Leia mais

Números Complexos (Parte II) 1 Plano de Argand-Gauss. 2 Módulo de um número complexo. Prof. Gustavo Adolfo Soares

Números Complexos (Parte II) 1 Plano de Argand-Gauss. 2 Módulo de um número complexo. Prof. Gustavo Adolfo Soares Númeos Complexos (Pate II) 1 Plao de Agad-Gauss Das defiições de que um úmeo complexo é um pa odeado de úmeos eais x e y e que C = R R, temos que: A cada úmeo complexo coespode um úico poto do plao catesiao,

Leia mais

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO CURSO: Física DISCIPLINA: Ifomática paa o Esio de Física CONTEUDISTA: Calos Eduado Aguia AULA 4 TÍTULO:

Leia mais

AULA 23 FATORES DE FORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA

AULA 23 FATORES DE FORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA Notas de aula de PME 336 Pocessos de Tasfeêcia de Calo e Massa 98 AULA 3 ATORES DE ORMA DE RADIAÇÃO TÉRMICA Cosidee o caso de duas supefícies egas quaisque que tocam calo po adiação témica ete si. Supoha

Leia mais

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.)

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.) EOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Egehaia Témica e Fluidos Foma Itegal das Equações Básicas paa Volume de Cotole (cot.) Teoema do Taspote de Reyolds: elação geal ete a taxa de vaiação de qq. popiedade

Leia mais

Veremos neste capítulo as distribuições na variável discreta: Distribuição Binomial e Distribuição de Poisson.

Veremos neste capítulo as distribuições na variável discreta: Distribuição Binomial e Distribuição de Poisson. CAPÍTULO 5 DISTRIBUIÇÃO BINOMIAL E DISTRIBUIÇÃO DE POISSON Veemos este capítulo as distibuições a vaiável disceta: Distibuição Biomial e Distibuição de Poisso. 1. Pobabilidade de Beoulli Seja um expeimeto

Leia mais

Esquemas simétricos de cifra

Esquemas simétricos de cifra Esquemas siméticos de cifa Notas paa a UC de Seguaça Ifomática Iveo de 12/13 Pedo Félix (pedofelix em cc.isel.ipl.pt) Istituto Supeio de Egehaia de Lisboa Sumáio Pimitivas de cifa em bloco Pimitivas iteadas

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados Demostações Geométicas, Algébicas e Solução de Equações Discetas utilizado as Sequêcias de Númeos Figuados José Atoio Salvado Depatameto de Matemática - CCET - Uivesidade Fedeal de São Calos 3565-905,

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra 5. Campo Gavítico ómalo elação ete o potecial gavítico e o potecial omal é dada po: W ( x, y, z = U( x, y,z + ( x, y,z O campo gavítico aómalo ou petubado é etão defiido pela difeeça do campo gavítico

Leia mais

4 Análise de refletores circularmente simétricos alimentados por diagramas com dependência azimutal n=0 4.1 Introdução

4 Análise de refletores circularmente simétricos alimentados por diagramas com dependência azimutal n=0 4.1 Introdução 59 4 Aálise de efletoes ciculamete siméticos alimetados po diagamas com depedêcia aimutal = 4.1 Itodução Diagamas omidiecioais veticalmete polaiados podem se geados po ateas efletoas ciculamete siméticas

Leia mais

Estudo de um modelo do núcleo do deuterão

Estudo de um modelo do núcleo do deuterão Estudo de um modelo do úcleo do deuteão Goçalo Oliveia º 5789 Pedo Ricate º 578 Física Quâtica da Matéia Istituto Sueio Técico Maio, 8 Resumo Cosidea-se um modelo simles aa o úcleo do deuteão, ode a iteacção

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

TUKEY Para obtenção da d.m.s. pelo Teste de TUKEY, basta calcular:

TUKEY Para obtenção da d.m.s. pelo Teste de TUKEY, basta calcular: Compaação de Médias Quando a análise de vaiância de um expeimento nos mosta que as médias dos tatamentos avaliados não são estatisticamente iguais, passamos a ejeita a hipótese da nulidade h=0, e aceitamos

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte 5 Capítulo Capítulo Execícios e outas páticas sobe as aplicações da emodinâmica Química 1 a pate Só queo sabe do que pode da ceto Não tenho tempo a pede. (leta da música Go Back, cantada pelo gupo itãs.

Leia mais

ANÁLISE DE VARIÂNCIA MULTIVARIADA Carlos Alberto Alves Varella 1

ANÁLISE DE VARIÂNCIA MULTIVARIADA Carlos Alberto Alves Varella 1 ANÁLISE MULTIVARIADA APLICADA AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CIÊNCIA DO SOLO: CPGA-CS ANÁLISE DE VARIÂNCIA MULTIVARIADA Calos Albeto Alves Vaella ÍNDICE INTRODUÇÃO... MODELO ESTATÍSTICO...

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II Depatameto de ísica - ICE/UJ Laboatóio de ísica II - Itodução Pática : Medida da Aceeação Gavitacioa A iteação avitacioa é uma das quato iteações fudametais que se ecotam a atueza e é a úica que afeta

Leia mais

Descontos desconto racional e desconto comercial

Descontos desconto racional e desconto comercial Descontos desconto acional e desconto comecial Uma opeação financeia ente dois agentes econômicos é nomalmente documentada po um título de cédito comecial, devendo esse título conte todos os elementos

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 Décimo Segudo Ecoto Regioal Ibeo-ameicao do CIGRÉ Foz do Iguaçu-P, Basil - 0 a 4 de maio de 007 MODEAGEM DA PRIMEIRA RESSONÂNCIA DE TRANSFORMADORES M. Jauáio* P. Kuo-Peg* N. J. Bastitela* W. P. Capes J.

Leia mais

Análise de Tensões em Placas Circulares Utilizando Elementos Finitos Axissimétricos

Análise de Tensões em Placas Circulares Utilizando Elementos Finitos Axissimétricos UIVERSIDADE FEDERA DE ITAJUBÁ ISTITUTO DE EGEHARIA MECÂICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA MECÂICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Aálise de Tesões em Placas Ciculaes Utiliado Elemetos Fiitos Aissiméticos

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física. Física Moderna II. Profa. Márcia de Almeida Rizzutto 2 o Semestre de Física Moderna 2 Aula 20

Universidade de São Paulo Instituto de Física. Física Moderna II. Profa. Márcia de Almeida Rizzutto 2 o Semestre de Física Moderna 2 Aula 20 Uivesidade de São Paulo Istituto de Física Física Modea II Pofa. Mácia de Almeida Rizzutto o Semeste de 14 Física Modea 1 Todos os tipos de ligação molecula se devem ao fato de a eegia total da molécula

Leia mais

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES CÓDIGOFO 7.5./0 REVISÃO 0 PÁGINA de CONCURSO DOCENTES EFETIVOS DO COLÉGIO PEDRO II DATA//0 CARGO/ARÉA MATEMÁTICÁ CONTEÚDO PROGRAMÁTICOSISTEMAS LINEARES/ VETORES NO R /GEOMETRIA ANALÍTICA EMR. NÍVEL DE

Leia mais

NÚMEROS IRRACIONAIS E TRANSCENDENTES

NÚMEROS IRRACIONAIS E TRANSCENDENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE VIRTUAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MATEMÁTICA NÚMEROS IRRACIONAIS E TRANSCENDENTES IMPERATRIZ 009 JULIMAR

Leia mais

Análise do Efeito do Solo em Canal de Propagação Outdoor 3-D Usando o Método B-FDTD

Análise do Efeito do Solo em Canal de Propagação Outdoor 3-D Usando o Método B-FDTD IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 5, NO. 3, JUNE 7 65 Aálise do Efeito do Solo em Caal de Popagação Outdoo 3-D Usado o Método B-FDTD Rodigo M. S. de Oliveia, Waldi H. B. J e Calos L. S. S. Sobiho (Membo

Leia mais

TRABAJO. Empresa o Entidad Daimon Engenharia e Sistemas Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA

TRABAJO. Empresa o Entidad Daimon Engenharia e Sistemas Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Título Análise de Patida de Motoes de Indução em Redes de Distibuição Utilizando Cicuito Elético Equivalente Obtido po Algoitmo Evolutivo Nº de Registo (Resumen 134 Empesa o Entidad Daimon Engenhaia e

Leia mais

Critérios para a tomada de decisão em obras rodoviárias sustentáveis

Critérios para a tomada de decisão em obras rodoviárias sustentáveis Citéios paa a tomada de decisão em obas odoviáias sustetáveis Citeia fo decisio makig i sustaiable oad woks Feado Silva Albuqueque Washito Pees Núñez Feado Silva Albuqueque Ceto de Ciêcias Exatas e Tecologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PROFMAT MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PROFMAT MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PROFMAT MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CRIANDO MENSAGENS SECRETAS NA ESCOLA BÁSICA UTILIZANDO A CRIPTOGRAFIA RSA

Leia mais

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Somas de elementos em Linhas, Colunas e Diagonais do Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M.

Módulo: Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Somas de elementos em Linhas, Colunas e Diagonais do Triângulo de Pascal. 2 ano do E.M. Módulo: Bômo de Newto e o Tâgulo de Pascal Somas de elemetos em Lhas, Coluas e Dagoas do Tâgulo de Pascal ao do EM Módulo: Bômo de Newto e o Tâgulo de Pascal Somas de elemetos em Lhas, Coluas e Dagoas

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CICUITOS ELÉTICOS - CONSIDEE A SEGUINTE ELAÇÃO: 3. LEI DE OHM - QUALQUE POCESSO DE CONVESÃO DE ENEGIA PODE SE ELACIONADO A ESTA EQUAÇÃO. - EM CICUITOS ELÉTICOS : - POTANTO,

Leia mais

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária.

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária. 1.4 Determiates A teoria dos determiates surgiu quase simultaeamete a Alemaha e o Japão. Ela foi desevolvida por dois matemáticos, Gottfried Wilhelm Leibiz (1642-1716) e Seki Shisuke Kowa (1642-1708),

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais

REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA Correlação múltipla

REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA Correlação múltipla REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA Coelação múltipla Coeficiente de coelação múltipla: indicado de quanto da vaiação total da vaiável dependente é explicado pelo conjunto das vaiáveis independentes (explicativas)

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E 7. Potencial Eléctico Tópicos do Capítulo 7.1. Difeença de Potencial e Potencial Eléctico 7.2. Difeenças de Potencial num Campo Eléctico Unifome 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas

Leia mais

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1 DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1 Eika Cistina Peeia Guimaães; Univesidade Fedeal do Tocantins-email:eikacistina0694@hotmail.com

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico O Paadoxo de etand paa um Expeimento Pobabilístico Geomético maildo de Vicente 1 1 Colegiado do Cuso de Matemática Cento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Univesidade Estadual do Oeste do Paaná Caixa

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK

Análise de Estratégias de Controle de Erros para Redes de Sensores com Modulação OQPSK e GFSK XXV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES SBT 7, 3-6 DE SETEMBRO DE 7, RECIFE, PE Aálise de Estatégias de Cotole de Eos paa Redes de Sesoes com Modulação OQPSK e GFSK João. Kleischmidt e Walte C. Boelli

Leia mais

Modelagem e Simulação Numérica da Radiação Sonora de um Cilindro Infinito Pulsante

Modelagem e Simulação Numérica da Radiação Sonora de um Cilindro Infinito Pulsante CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Dietoia de Pesquisa e Pós-Gaduação Pogama de Pós-Gaduação em Modelagem Matemática e Computacioal Modelagem e Simulação Numéica da Radiação Sooa de

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL

QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL QUAIS OS FATORES SÃO DETERMINANTES PARA REDUZIR A DESIGUALDADE EM UM AMBIENTE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E MENOS POBREZA? ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA SOCIAL Vito Hugo Mio Doutoado em Ecoomia (CAEN/UFC. Aalista

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE IMAGENS AÉREAS USANDO LINHAS RETAS

ORIENTAÇÃO DE IMAGENS AÉREAS USANDO LINHAS RETAS Aais do Simpósio Basileio de Geomática, Pesidete Pudete - SP, 9- de julho de. p.34-. ORIENTAÇÃO DE IMAGENS AÉREAS USANDO LINHAS RETAS CHRISTIANE NOGUEIRA DE CARALHO KOKUBUM ANTONIO MARIA GARCIA TOMMASELLI

Leia mais

Funções analíticas complexas

Funções analíticas complexas Capítulo 5 Fuções aalíticas complexas 5 Itodução As fuções aalíticas são as fuções epesetáveis po séies de potêcias Até meados do séc XVII a oção de fução cofudia-se com a de fómula algébica com vaiáveis,

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Pova Escita de Matemática A 12.º Ano de Escolaidade Deceto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Pova 65/1.ª Fase Citéios de Classificação 11 Páginas 2016 Pova 65/1.ª

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 014.2

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 014.2 CÁLCULO IFERENCIAL E INTEGRAL II Obsevações: ) Todos os eecícios popostos devem se esolvidos e entegue no dia de feveeio de 5 Integais uplas Integais uplas Seja z f( uma função definida em uma egião do

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

Algumas observações com relação ao conjunto de apostilas do curso de Fundamentos de Física Clássica ministrado pelo professor Ricardo (DF/CCT/UFCG).

Algumas observações com relação ao conjunto de apostilas do curso de Fundamentos de Física Clássica ministrado pelo professor Ricardo (DF/CCT/UFCG). undamentos de isica Classica Pof Ricado OBS: ESTAS APOSTILAS ORAM ESCRITAS, INICIALMENTE, NUM PC CUJO TECLADO NÃO POSSUIA ACENTUAÇÃO GRÁICA (TECLADO INGLES) PORTANTO, MUITAS PALAVRAS PODEM ESTAR SEM ACENTOS

Leia mais

Figura 6.6. Superfícies fechadas de várias formas englobando uma carga q. O fluxo eléctrico resultante através de cada superfície é o mesmo.

Figura 6.6. Superfícies fechadas de várias formas englobando uma carga q. O fluxo eléctrico resultante através de cada superfície é o mesmo. foma dessa supefície. (Pode-se pova ue este é o caso poue E 1/ 2 ) De fato, o fluxo esultante atavés de ualue supefície fechada ue envolve uma caga pontual é dado po. Figua 6.6. Supefícies fechadas de

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Pova Escita de Matemática A 12.º Ano de Escolaidade Deceto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Pova 635/2.ª Fase Citéios de Classificação 11 Páginas 2015 Pova 635/2.ª

Leia mais

Exame Final Nacional de Matemática A Prova 635 Época Especial Ensino Secundário º Ano de Escolaridade. Critérios de Classificação.

Exame Final Nacional de Matemática A Prova 635 Época Especial Ensino Secundário º Ano de Escolaridade. Critérios de Classificação. Exame Final Nacional de Matemática A Pova 635 Época Especial Ensino Secundáio 07.º Ano de Escolaidade Deceto-Lei n.º 39/0, de 5 de julho Citéios de Classificação 0 Páginas Pova 635/E. Especial CC Página

Leia mais

3 Torção Introdução Análise Elástica de Elementos Submetidos à Torção Elementos de Seções Circulares

3 Torção Introdução Análise Elástica de Elementos Submetidos à Torção Elementos de Seções Circulares 3 oção 3.1. Intodução pimeia tentativa de se soluciona poblemas de toção em peças homogêneas de seção cicula data do século XVIII, mais pecisamente em 1784 com Coulomb. Este cientista ciou um dispositivo

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

ESTUDO DE MÉTODOS ITERATIVOS NÃO-ESTACIONÁRIOS DE RESOLUÇÃO DE GRANDES SISTEMAS LINEARES ESPARSOS

ESTUDO DE MÉTODOS ITERATIVOS NÃO-ESTACIONÁRIOS DE RESOLUÇÃO DE GRANDES SISTEMAS LINEARES ESPARSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ESTUDO DE MÉTODOS ITERATIVOS NÃO-ESTACIONÁRIOS DE RESOLUÇÃO DE GRANDES SISTEMAS LINEARES ESPARSOS AUTOR: LUIZ FERNANDO SPILLERE DE SOUZA 00- Estudo de Métodos Iteativos

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

2 Conceitos Básicos. 2.1 Atenuação por Chuvas em Enlaces Rádio

2 Conceitos Básicos. 2.1 Atenuação por Chuvas em Enlaces Rádio Conceitos Básicos. Atenuação po Chuvas em nlaces Rádio A pecipitação de patículas atmosféicas (chuva, ganizo e neve úmida) povoca absoção e espalhamento da enegia eletomagnética em popagação, quando o

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Aplicação do Torque Residual para Satélites Artificiais Estabilizados por Rotação em Órbita Elíptica

Aplicação do Torque Residual para Satélites Artificiais Estabilizados por Rotação em Órbita Elíptica Aplicação do oque Residual paa Satélites Atificiais Estabilizados po Rotação e Óbita Elíptica Maia Cecília Zaadi, Robeta Veloso Gacia GRUPO DE DIÂMICA ORIAL E PLAEOLOGIA FEG Faculdade de Egehaia de Guaatiguetá

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM CÉLULAS COOPERATIVAS: UM MOVIMENTO SOCIAL PARA INSERÇÃO DE ESTUDANTES DE ORIGEM POPULAR NA UNIVERSIDADE 1

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM CÉLULAS COOPERATIVAS: UM MOVIMENTO SOCIAL PARA INSERÇÃO DE ESTUDANTES DE ORIGEM POPULAR NA UNIVERSIDADE 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM CÉLULAS COOPERATIVAS: UM MOVIMENTO SOCIAL PARA INSERÇÃO DE ESTUDANTES DE ORIGEM POPULAR NA UNIVERSIDADE 1 Jaqueline da Silva Viana Gaduanda em Administação Pública Univesidade da

Leia mais

SISTEMA DE COORDENADAS

SISTEMA DE COORDENADAS ELETROMAGNETISMO I 1 0 ANÁLISE VETORIAL Este capítulo ofeece uma ecapitulação aos conhecimentos de álgeba vetoial, já vistos em outos cusos. Estando po isto numeado com o eo, não fa pate de fato dos nossos

Leia mais

Dois resultados em combinatória contemporânea. Guilherme Oliveira Mota

Dois resultados em combinatória contemporânea. Guilherme Oliveira Mota Dois esultados em combiatóia cotempoâea Guilheme Oliveia Mota Tese apesetada ao Istituto de Matemática e Estatística da Uivesidade de São Paulo paa obteção do título de Douto em Ciêcias Pogama: Ciêcia

Leia mais

Carga Elétrica e Campo Elétrico

Carga Elétrica e Campo Elétrico Aula 1_ Caga lética e Campo lético Física Geal e peimental III Pof. Cláudio Gaça Capítulo 1 Pincípios fundamentais da letostática 1. Consevação da caga elética. Quantização da caga elética 3. Lei de Coulomb

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

MATEMÁTICA SUAS TECNOLOGIAS. 05. A função logarítmica RC = log é logarítmica crescente C8, 4 =

MATEMÁTICA SUAS TECNOLOGIAS. 05. A função logarítmica RC = log é logarítmica crescente C8, 4 = RESOLUÇÃO E Resolva Eem I TEÁTI SUS TENOLOGIS III) No tiâgulo equiláteo JI: ai 60 ssim, sedo JÎH, devemos te: + 60 + 0 + 08 60 7 0. O obô pecoeá o peímeto de um polígoo egula de lados, cujo âgulo eteo

Leia mais

Aula-10 Indução e Indutância

Aula-10 Indução e Indutância Aula-1 Idução e Idutâcia Idução Apedeos que: Ua espia codutoa pecoida po ua coete i a peseça de u capo agético sofe ação de u toque: espia de coete + capo agético toque as... Se ua espia, co a coete desligada,

Leia mais

IF Eletricidade e Magnetismo I

IF Eletricidade e Magnetismo I IF 437 Eleticidade e Magnetismo I Enegia potencial elética Já tatamos de enegia em divesos aspectos: enegia cinética, gavitacional, enegia potencial elástica e enegia témica. segui vamos adiciona a enegia

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O DIMENSIONAMENTO DA FROTA DE EMBARCAÇÕES ESPECIAIS TIPO AHTS

UMA PROPOSTA PARA O DIMENSIONAMENTO DA FROTA DE EMBARCAÇÕES ESPECIAIS TIPO AHTS UMA PROPOSTA PARA O DIMENSIONAMENTO DA FROTA DE EMBARCAÇÕES ESPECIAIS TIPO AHTS Mácia Tomie Takahashi Petóleo Basileio S.A. Rua Nilo Peçanha, 151, Rio de Janeio, RJ mtomie@petobas.com.b Ricado Vito Jacomino

Leia mais

Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea

Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea Tabalho apesentado no DINCON, Natal - RN, 015. 1 Poceeding Seies of the Bazilian Society of Computational and Applied Mathematics Swing-By Populsado aplicado ao sistema de Haumea Alessanda Feaz da Silva

Leia mais

DERIVADAS DE FUNÇÕES11

DERIVADAS DE FUNÇÕES11 DERIVADAS DE FUNÇÕES11 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 11.1 O cálculo diferecial 11. Difereças 11.3 Taxa de variação média 11.4 Taxa de variação istatâea e potual 11.5 Primeiros exemplos

Leia mais

Métodos iterativos. Métodos Iterativos para Sistemas Lineares

Métodos iterativos. Métodos Iterativos para Sistemas Lineares Métodos iterativos Métodos Iterativos para Sistemas Lieares Muitos sistemas lieares Ax = b são demasiado grades para serem resolvidos por métodos directos (por exemplo, se A é da ordem de 10000) á que

Leia mais

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados ap03 - Estudo da foça de inteação ente copos eletizados 3.1 INTRODUÇÃO S.J.Toise omo foi dito na intodução, a Física utiliza como método de tabalho a medida das qandezas envolvidas em cada fenômeno que

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Egehaia de Loea EEL LOB101 - FÍSICA IV Pof. D. Duval Rodigues Juio Depatameto de Egehaia de Mateiais (DEMAR) Escola de Egehaia de Loea (EEL) Uivesidade de São Paulo

Leia mais

Soluções Composição qualitativa

Soluções Composição qualitativa Soluções oposição qualitativa As soluções são istuas de difeetes substâcias. Ua solução te dois tipos de copoetes: o solvete a substâcia ode se dissolve o soluto e os solutos as substâcias que se dissolve.

Leia mais

1 Busca em Amplitude

1 Busca em Amplitude Algoitmos de Busca A modelagem mostada até aqui detemina a configuação do espaço de estados do poblema, mas não mosta como chega à solução, isto é, como enconta um estado final em um tempo azoável. Paa

Leia mais

CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE

CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE LCE000 Física do Ambiente Agícola CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE inteface líquido-gás M M 4 esfea de ação molecula M 3 Ao colocamos uma das extemidades de um tubo capila de vido dento de um ecipiente com água,

Leia mais

ESTIMATIVA DA ORIENTAÇÃO DO PLANO INCLINADO DA FRATURA NO ENSAIO DE FRATURAMENTO HIDRÁULICO

ESTIMATIVA DA ORIENTAÇÃO DO PLANO INCLINADO DA FRATURA NO ENSAIO DE FRATURAMENTO HIDRÁULICO ESTIMATIVA DA ORIETAÇÃO DO PLAO ICLIADO DA FRATURA O ESAIO DE FRATURAMETO HIDRÁULICO Elysio R. F. Ruggei João Luiz Amelin RESUMO. O ensaio denominado fatuamento hidáulico é bastante conhecido em Mecânica

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibula AFA 010 Pova de Matemática COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO A pova de Matemática da AFA em 010 apesentou-se excessivamente algébica. Paa o equílibio que se espea nesta seleção,

Leia mais

HGP Prática 9 11/12/ HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 9

HGP Prática 9 11/12/ HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 9 Tubulento Lamina HGP Pátia 9 11/12/2013 52 TEMA: Medida de azão. HIDÁULICA GEAL PÁTICA N 9 OBJETIOS: Estabeleimento de itéios paa medida de vazões em função do onheimento do pefil de veloidades. FUNDAMENTOS:

Leia mais

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico O potencial elético Imagine dois objetos eletizados, com cagas de mesmo sinal, inicialmente afastados. Paa apoximá-los, é necessáia a ação de uma foça extena, capaz de vence a epulsão elética ente eles.

Leia mais

Métodos da descida mais rápida para otimizar a atividade catalítica de um polímero

Métodos da descida mais rápida para otimizar a atividade catalítica de um polímero Métodos da descida mais ápida paa otimiza a atividade catalítica de um polímeo Camila Bece Univesidade de Santa Cuz do Sul - UNISC 96815-9, Campus Sede, Santa Cuz do Sul, RS E-mail: camilabece@ibest.com.b

Leia mais

Análise da eficiência de energia de esquemas de retransmissão em redes de sensores IEEE

Análise da eficiência de energia de esquemas de retransmissão em redes de sensores IEEE Aálise da eiciêcia de eegia de esquemas de etasmissão em edes de sesoes IEEE 82.5.4 João. Kleischmidt e Walte C. Boelli Depatameto de Telemática - DT Faculdade de Egehaia Elética e de Computação - FEEC

Leia mais

Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Difereciais Ordiárias 0. Itrodução Muitos feómeos as áreas das ciêcias egearias ecoomia etc. são modelados por equações difereciais. Supoa-se que se quer determiar

Leia mais

RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES

RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES 87 RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES Uma equação que coteha uma epressão do tipo, -,,, se(), e +z, z etc, é chamada ão-liear em,, z,, porque ela ão pode ser escrita o que é uma equação liear em,, z, a

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 4 Adição e Subtação de Vetoes Catesianos Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos Abodados Nesta Aula Opeações com Vetoes Catesianos. Veto Unitáio.

Leia mais

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS.

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS. Expeimentos Fatoiais 89. EXPERIMENTOS FTORIIS. Nos expeimentos mais simples compaamos tatamentos ou níveis de um único fato, consideando que todos os demais fatoes que possam intefei nos esultados obtidos

Leia mais

Sobre a Dedução da Equação da Onda e da Solução segundo a Fórmula de Kirchhoff

Sobre a Dedução da Equação da Onda e da Solução segundo a Fórmula de Kirchhoff ais do CNMC v ISSN 984-8X Sobe a Dedução da Equação da Oda e da Solução segudo a Fómula de Kichhoff Robeto Toscao Couto Uivesidade Fedeal Flumiese Dep Matemática plicada 4-4, Campus do Valoguiho, Ceto,

Leia mais

II MATRIZES DE RIGIDEZ E FLEXIBILIDADE

II MATRIZES DE RIGIDEZ E FLEXIBILIDADE Cuso de nálise Maticial de stutuas II MTIZS D IGIDZ FXIBIIDD II.- elação ente ações e deslocamentos II.. quação da oça em temos do deslocamento F u Onde a igidez da mola () é a oça po unidade de deslocamento,

Leia mais

1- Resolução de Sistemas Lineares.

1- Resolução de Sistemas Lineares. MÉTODOS NUMÉRICOS PR EQUÇÕES DIFERENCIIS PRCIIS 1- Resolução de Sistemas Lieares. 1.1- Matrizes e Vetores. 1.2- Resolução de Sistemas Lieares de Equações lgébricas por Métodos Exatos (Diretos). 1.3- Resolução

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais