Sistema de Proteção, Controle e Automação de Linhas de Alta Velocidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Proteção, Controle e Automação de Linhas de Alta Velocidade"

Transcrição

1 Sistema de Proteção e Automação SEL-421 Sistema de Proteção, Controle e Automação de Linhas de Alta Velocidade Características e Benefícios Principais O Sistema de Proteção, Controle e Automação SEL-421 combina a proteção direcional e a proteção de distância de alta velocidade com funções de controle abrangentes para um bay de linha com dois disjuntores. Proteção. Proteja qualquer linha de transmissão usando uma combinação de cinco zonas de elementos de distância de fase e terra e elementos de sobrecorrente direcionais. Selecione as características Mho ou Quadrilateral para qualquer elemento de distância de fase ou terra. Use os elementos opcionais de alta velocidade e a lógica de compensação série para otimizar a proteção de linhas críticas ou linhas com compensação série. Use o Software ACSELERATOR QuickSet SEL-5030 (interface gráfica com o usuário) para agilizar e simplificar a execução dos ajustes do relé. A lógica patenteada para evitar sobrealcance devido a transitórios do Transformador de Tensão Capacitivo ( Coupling Capacitor Voltage Transformer CCVT) aumenta a segurança dos elementos de distância da Zona 1. A lógica para escolha do melhor elemento direcional de terra ( Best Choice Ground Directional Element ) otimiza a performance do elemento direcional e elimina a necessidade de vários ajustes direcionais. Automação. Obtenha vantagens dos recursos avançados de automação que incluem 32 elementos programáveis para controle local, controle remoto, selo da proteção e selo da automação. A medição local no amplo Display de Cristal Líquido ( Liquid Cristal Display LCD) do painel frontal elimina a necessidade de medidores separados no painel. Use links Ethernet e seriais para transmitir com precisão informações essenciais tais como: dados de medição, estados dos contatos de entrada e saída ( In/Out I/O) de controle e dos elementos de proteção, Sincrofasores em conformidade com o protocolo IEEE C37.118, mensagens GOOSE via protocolo IEC 61850, relatórios do Registrador Sequencial de Eventos ( Sequential Events Recorder SER), monitor do disjuntor, sumários dos relatórios de eventos do relé e sincronização de tempo. Use as equações de controle SELOGIC expandidas com funções matemáticas e de comparação nas aplicações de controle. Os circuitos das entradas de controle com alta isolação possuem níveis de ativação ajustáveis para facilitar as combinações de elementos de outros sistemas. Incorpore até linhas de lógicas de automação (dependendo do modelo) para agilizar e melhorar as ações de controle. Sincrofasores. Use as informações das medições fasoriais efetuadas em tempo real pelos relés SEL-421 instalados ao longo de seu sistema de potência para tomar decisões de despacho de carga. Utilize os registros das sequências de Data Sheet SEL-421

2 dados dos sincrofasores dos relés SEL-421 para analisar perturbações no sistema de potência. Efetue o controle do sistema de potência usando dados de sincrofasores locais e remotos. Comunicação Digital Entre Relés. Utilize a tecnologia de comunicação MIRRORED BITS para monitorar as condições dos elementos internos entre relés de uma subestação, ou entre subestações, através dos Transceptores de Fibra Óptica da SEL. Envie dados digitais, analógicos e virtuais dos terminais através do mesmo canal MIRRORED BITS. Receba dados dos sincrofasores de até dois outros dispositivos transmitindo medições fasoriais sincronizadas em formato compatível com a Norma IEEE C , com taxas de até 60 mensagens por segundo. O SEL-421 correlaciona os tempos dos dados para utilização nas equações de controle SELOGIC. Redundância das Tensões Primárias. As entradas múltiplas de tensão do SEL-421 propiciam redundância das entradas primárias. Na detecção de perda de potencial (Loss-Of-Potential LOP), o relé pode utilizar as entradas de uma fonte eletricamente equivalente que esteja a ele conectada. A proteção permanece em serviço sem comprometer a segurança. Acesso via Ethernet. Acesse todas as funções do relé através do cartão Ethernet opcional. Interconecte com sistemas de automação usando diretamente o protocolo DNP3 ou IEC Opcionalmente, efetue a conexão com redes DNP3 através de um processador de comunicação. Use o Protocolo de Transferência de Arquivos ( File Transfer Protocol FTP) para coleta de dados em alta velocidade. Efetue a conexão com Redes Locais ( Local Area Networks LANs) da subestação ou corporativas para transmitir dados dos sincrofasores no formato IEEE C usando os protocolos da Internet UDP ou TCP. Entrada Dual de TCs. Efetue a combinação, no relé, das correntes de dois grupos de TCs para funções de proteção, porém mantenha-os disponíveis separadamente para aplicações de monitoramento e integração da subestação. Monitoramento. Planeje a manutenção do disjuntor quando as operações acumuladas do mesmo (monitoramento independente para cada pólo de dois disjuntores) indicarem um possível desgaste excessivo dos contatos. Os tempos das operações elétricas e mecânicas são registrados para a última operação e para a média das operações desde o instante em que foi efetuado o reset da função. Contatos de alarme fornecem notificações de problemas na tensão das baterias da subestação (dois monitores independentes para as baterias), mesmo se a tensão estiver baixa somente durante as operações de abertura ou fechamento. Controle do Religamento. Incorpore o trip e religamento mono ou tripolar, programáveis, de um ou dois disjuntores, num sistema de controle integrado da subestação. As verificações de sincronismo e tensão de múltiplas fontes possibilitam o controle completo do bay. Falha de Disjuntor. Use a lógica de detecção de pólo aberto de alta velocidade (5/8 de ciclo) para reduzir os tempos de coordenação nas aplicações críticas de falha de disjuntor. Aplique o SEL-421 para fornecer proteção contra falha de disjuntor mono e/ou tripolar para um ou dois disjuntores. Estão incluídas lógicas necessárias para retrip e início da transferência de trip para esquemas contra falha de disjuntor mono e tripolar. Estão também incluídas lógicas que permitem usar ajustes temporizados diferentes para esquemas monofásicos e polifásicos. Trip e Bloqueio por Perda de Sincronismo. Selecione o bloqueio dos elementos de distância por perda de sincronismo ou o trip para oscilações de potência instáveis. A detecção da condição de perda de sincronismo não requer ajustes ou estudos do sistema. Chaveamento Sobre Falta e Proteção Stub Bus. Utilize as entradas referentes ao estado das chaves seccionadoras e os elementos de tensão para ativar a proteção de alta velocidade. Localizador de Faltas. Envie de forma eficaz as equipes de linhas para agilizar a isolação do trecho da linha com problemas e o restabelecimento do serviço. Oscilografia. Registre tensões, correntes e pontos das lógicas internas com taxa de amostragem de até 8 khz. Os recursos para análise fasorial e de harmônicos propiciam a verificação do desempenho do relé e do sistema. Editor de Ajustes Baseado em Regras. Além de ser possível usar um terminal ASCII para se comunicar com o relé e executar os ajustes do mesmo, é possível usar o Software ACSELERATOR QuickSet baseado em PC para configurar o SEL-421 e analisar os registros das faltas através das respostas dos elementos do relé. Visualize os níveis dos harmônicos e fasores em tempo real. Registrador Sequencial de Eventos (SER). Armazene as últimas entradas, incluindo alterações de ajustes, energizações do relé e elementos das lógicas selecionáveis. 2

3 Modelagem de Sobrecarga Térmica. Utilize o SEL-421 com o Módulo de RTDs Série SEL-2600 para fornecer proteção de sobrecarga dinâmica através das equações de controle SELOGIC. Medição Abrangente. Melhore o carregamento dos alimentadores usando as funções incorporadas de medição de alta precisão. Use as medições de watt e VAR para otimizar a operação dos alimentadores. Minimize as necessidades de equipamentos com os recursos abrangentes de medição, que incluem: valores rms, máximo/mínimo, demanda/pico, energia e instantâneos. Botões de Pressão Auxiliares para Abertura/Fechamento (Trip/Close). Esses botões de pressão opcionais são isolados eletricamente das demais partes do relé. Eles funcionam independentemente do relé e não necessitam da alimentação do relé. Diagrama Funcional Simplificado 3 Figura 1: Diagrama Funcional Funções de Proteção O SEL-421 contém todos os elementos de proteção e lógicas de controle necessárias para proteger linhas de transmissão aéreas e cabos subterrâneos (ver Figura 1). O relé mede simultaneamente cinco zonas de proteção de distância mho de fase e terra e cinco zonas de proteção de distância quadrilateral de fase e terra. Esses elementos de distância, em conjunto com os elementos opcionais de seleção de fases em falta e direcional de alta velocidade, e distância alta velocidade, são aplicados em esquemas de proteção de distância com zonas temporizadas e esquemas

4 de teleproteção ( Communications-assisted protection schemes ). Além disso, você pode adaptar o relé de acordo com sua aplicação particular, usando as equações de controle SELOGIC expandidas. Os tempos de atuação dos elementos de distância padrão e de alta velocidade para um conjunto de faltas, localizações e relações da impedância da fonte ( Source Impedance Ratios SIR) estão mostrados na Figura 2, Figura 3 e Figura 4. Uma vez que os sistemas de transmissão são submetidos aos limites operacionais em função das pressões competitivas e regulatórias, a proteção de linhas tem que ser capaz de se adaptar às variações das condições do sistema. O SEL-421 é fácil de ser ajustado e usado em linhas típicas, ao mesmo tempo em que os ajustes das lógicas e elementos de alta velocidade propiciam sua aplicação em linhas críticas e difíceis de serem protegidas. Tempos de Abertura Menores do que Um Ciclo ( Subciclos ) Usando os Elementos Opcionais de Alta Velocidade 4 Figura 2: Faltas Fase-Terra Figura 3: Faltas Fase-Fase Figura 4: Faltas Trifásicas Elementos de Distância Mho O SEL-421 utiliza as características mho na proteção de distância de fase e terra. Duas zonas são fixas na direção à frente ; as três zonas remanescentes podem ser ajustadas tanto na direção à frente quanto na reversa. Todos os elementos mho usam memória com polarização por sequência-positiva que amplia a característica de operação em proporção com a impedância da fonte (Figura 5). Isso propicia uma operação segura e confiável para faltas próximas. O círculo da característica mho

5 5 estende-se até a impedância da fonte, Z S, porém essa expansão nunca excede o alcance ajustado no relé, Z R. Figura 5: Característica Mho Como complemento opcional para os elementos de distância padrão, existem três zonas (três para frente, ou duas para frente e uma reversa) com elementos de distância de alta velocidade. Esses elementos de alta velocidade usam fasores de tensão e corrente derivados de um filtro rápido de meio ciclo para propiciar tempos de abertura da ordem de subciclos. Os ajustes estão automaticamente associados ao alcance da zona dos elementos padrão; não são necessários ajustes adicionais. Opcionalmente, o SEL-421 inclui polarização e lógica para linhas com compensação série, cuja função é evitar o sobrealcance do elemento de distância da Zona 1 resultante da resposta aos transitórios devidos ao capacitor série. Lógica Load-Encroachment A lógica de controle de transgressão do limite de carga ( Load-encroachment logic - Figura 6) evita a operação dos elementos de distância de fase para condições de carga elevada. Essa função exclusiva da SEL permite que a carga entre numa área predefinida da característica de distância de fase sem que isso provoque o trip. Figura 6: Lógica Load-Encroachment Lógica de Detecção de Transitórios CCVT A detecção de transitórios devidos ao CCVT, se habilitada, evita automaticamente a operação incorreta dos elementos de distância (Zona 1) de trip direto. O relé determina a Relação da Impedância da Fonte (SIR) e um sistema de detecção equalizada atua para inibir a Zona 1 somente nas condições que indicarem a presença de transitórios CCVT. O usuário não precisa efetuar nenhum ajuste. Elementos de Distância Quadrilateral de Fase e Terra O SEL-421 possui cinco zonas com características de distância quadrilateral de fase e terra para uma melhor cobertura da resistência de arco e falta, e limitação do alcance em linhas curtas. A linha superior da característica quadrilateral se move automaticamente com o fluxo de carga para evitar subalcance e sobrealcance. Ajustes disponíveis evitam o sobrealcance da característica quadrilateral em função do infeed não-homogêneo. Os elementos de distância mho e quadrilateral podem ser usados separadamente, simultaneamente, ou não utilizados. Cada um dos elementos de distância de terra tem um ajuste de alcance específico. Os elementos de distância de terra incluem três ajustes dos fatores de compensação de sequência-zero (k01, k0r e k0f) para calcular com precisão a impedância de faltas à terra. O ajuste k01 adapta a impedância de sequência-zero da linha de transmissão de forma a propiciar uma medição precisa usando grandezas de sequência-positiva. Os ajustes k0f e k0r consideram o acoplamento mútuo de sequência zero na direção à frente e reversa entre linhas de transmissão paralelas. Elementos Direcionais Aumentam a Sensibilidade e a Segurança O SEL-421 inclui elementos direcionais múltiplos para otimizar a segurança e a sensibilidade. Os elementos de sobrecorrente direcionais propiciam uma melhor sensibilidade, complementando os elementos de distância que, por sua vez, possibilitam um controle adequado do alcance. Use elementos de sobrecorrente direcionais de terra e sequência-negativa para detectar faltas com alta resistência quando estiver utilizando esquemas de abertura por teleproteção. O SEL-421 incorpora diversos elementos direcionais para supervisão dos elementos de sobrecorrente e elementos de distância. O elemento direcional de sequência-negativa usa o mesmo princípio patenteado que foi usado e comprovado em nosso Relé SEL-321. Este elemento

6 6 direcional pode ser usado virtualmente em qualquer aplicação, independentemente dos valores de tensão de sequência-negativa disponíveis no ponto de localização do relé. Os elementos de sobrecorrente de terra são controlados direcionalmente por três elementos direcionais trabalhando em conjunto: Elemento direcional polarizado por tensão de sequência-negativa Elemento direcional polarizado por tensão de sequência-zero Elemento direcional polarizado por corrente de sequência-zero Nossa lógica patenteada Best Choice Ground Directional Element seleciona o melhor elemento direcional de terra para as condições do sistema e simplifica os ajustes dos elementos direcionais. (Você pode desconsiderar esta função de ajuste automático em caso de aplicações especiais.) Elemento Opcional Direcional de Alta Velocidade e Seleção de Fases em Falta (HSDPS) Além dos elementos direcionais padrão, o SEL-421 inclui, opcionalmente, a função do Elemento Direcional de Alta Velocidade e Seleção de Fases em Falta ( High-Speed Directional and Faulted Phase Selection HSDPS), que utiliza fasores de corrente e tensão incrementais. As grandezas incrementais são derivadas da comparação do sinal medido com o mesmo sinal registrado no instante anterior. O elemento HSDPS fornece saídas direcionais e de seleção das fases faltosas mais rapidamente do que através de algoritmos convencionais, resultando numa operação mais rápida (menor do que um ciclo) do relé. Esquemas de Abertura por Teleproteção ( Communications-Assisted Tripping Schemes ) O SEL-421 é o relé ideal para utilização em esquemas de abertura baseados nos sistemas de comunicação ( esquemas piloto ). Use a tecnologia de comunicação MIRRORED BITS com transceptores de fibra óptica SEL para obter tempos de transmissão entre relés da ordem de 3 a 6 milissegundos. Os esquemas suportados incluem: Esquema de Transferência de Trip por Sobrealcance Permissivo ( Permissive Overreaching Transfer Tripping POTT) para linhas de dois ou três terminais Esquema com Comparação Direcional Unblocking ( Directional Comparison Unblocking DCUB) para linhas de dois ou três terminais Esquema com Comparação Direcional Blocking ( Directional Comparison Blocking DCB) Use a equação de controle SELOGIC TRCOMM na programação de elementos específicos, combinações de elementos, entradas, etc., para executar a abertura nos esquemas de teleproteção e funções de outros esquemas. A lógica adapta-se rápida e facilmente às seguintes condições: Inversões de corrente Disjuntor aberto em um terminal Condições de weak-infeed em um terminal Condições de chaveamento sobre falta ( Switch-ontofault SOTF) As proteções de sobrecorrente temporizadas e de distância com zonas temporizadas asseguram uma operação de retaguarda confiável se houver perda do canal de comunicação. Elementos de Sobrecorrente O SEL-421 inclui quatro elementos de sobrecorrente instantâneos de fase, quatro de terra e quatro de sequêncianegativa. O SEL-421 também incorpora três elementos de sobrecorrente de tempo-inverso com grandezas de operação selecionáveis. Você pode selecionar as grandezas de operação a partir de: IA, IB, IC, MAX( IA, IB, IC ), I1, 3I2, IG As curvas dos elementos de sobrecorrente temporizados (relacionadas na Tabela 1) têm duas opções de características de reset para cada elemento de sobrecorrente temporizado. Uma delas reseta os elementos se a corrente cair abaixo do valor de pickup e assim permanecer durante um ciclo. A outra emula a característica de reset de um relé com disco de indução eletromecânico. Tabela 1: US Moderadamente Inversa Inversa Muito Inversa Extremamente Inversa Tempo-Curto Inversa Curvas de Sobrecorrente Temporizadas IEC Normal Inversa Muito Inversa Extremamente Inversa Tempo-Longo Inversa Tempo-Curto Inversa

7 7 Figura 7: A Combinação dos Recursos de Abertura de Alta Velocidade, Comunicação MIRRORED BITS e Detecção de Pólo Aberto em Alta Velocidade no Relé SEL-421 Propicia um Tempo Total Menor de Eliminação da Falta Proteção de Falha de Disjuntor Proteção de Sobrecarga Térmica O SEL-421 incorpora um sistema de proteção contra falha de disjuntor com funções abrangentes. As correntes podem ser monitoradas individualmente em dois disjuntores. Lógicas mono e tripolares permitem uma operação flexível. A lógica de detecção de pólo aberto de alta velocidade possibilita o ajuste da corrente de pickup abaixo do valor da corrente mínima de carga, propiciando sensibilidade sem sacrificar a rapidez do tempo de dropout. Mesmo nos casos em que há um atraso para a corrente no secundário do TC cair a zero, devido ao fluxo magnético, a detecção da abertura do disjuntor é efetuada em alta velocidade. Esta função se torna essencial se o esquema de falha do disjuntor for iniciado em todos os circuitos de trip de todos os disjuntores. Com um tempo de reset da ordem de 5/8 de ciclo, os tempos de coordenação são reduzidos, melhorando a estabilidade O SEL-421 suporta a recepção de Fast Messages do Módulo SEL As informações das magnitudes provenientes do SEL-2600 são inseridas nas grandezas analógicas predefinidas e as informações dos estados são armazenadas nos Relay Word bits predefinidos. Para obter mais informações, consulte o Guia de Aplicação SEL AG , Implementação da Proteção Térmica de Linhas, Relé SEL-49, nos Relés SEL-421, Usando as Equações SELOGIC ( Implementation of the SEL-49 Relay Line Thermal Protection Using the SEL-421 Relay SELOGIC Equations ) cujo download pode ser feito no website da SEL. A Lógica de Perda de Potencial (LOP) Supervisiona os Elementos Direcionais O SEL-421 possui uma lógica para detecção de perda de potencial ( Loss-of-Potential LOP) causada por falhas como queima de fusíveis, as quais podem provocar uma

8 8 operação incorreta dos elementos de distância e direcional. Ajustes simples configuram a lógica LOP para bloquear ou impor a direção à frente para os elementos direcionais de fase e terra quando da ocorrência dessas condições. A lógica verifica se há uma alteração brusca na tensão de sequência-positiva sem a correspondente mudança na corrente de sequência-zero ou positiva. Os testes e a experiência de campo mostram que este princípio é muito seguro e mais rápido do que os elementos de trip. Detecção de Perda de Sincronismo O SEL-421 fornece dois algoritmos diferentes para detecção de perda de sincronismo. Um entre os dois esquemas pode ser selecionado pelo usuário. O novo método com zero ajustes não requer estudos do sistema ou quaisquer ajustes (exceto o de ativação) para as funções de perda de sincronismo. A utilização de medições da tensão local (ver Figura 8) para uma maior aproximação da tensão do centro da oscilação ( swing center voltage SCV) permite que o relé use a taxa de variação de SCV para determinar a condição de oscilação de potência. Figura 8: A aplicação de VS para aproximar a tensão do centro da oscilação fornece uma grandeza local precisa para detecção de oscilações de potência. O desempenho do sistema foi verificado para condições de falta dentro da zona e fora da zona e para todas as oscilações de potência normais. A detecção convencional de perda de sincronismo fornece temporizadores e blinders que são ajustados fora de qualquer um dos elementos de distância. Uma oscilação de potência é declarada quando o lugar geométrico da impedância trafegar através dos blinders mais lentamente do que um tempo préajustado. Seis Grupos de Ajustes Independentes Aumentam a Flexibilidade de Operação O relé armazena seis grupos de ajustes. Selecione o grupo ativo através de uma entrada de controle, comando ou outras condições programáveis. Use esses grupos de ajustes para cobrir uma ampla faixa de contingências de proteção e controle. Os grupos de ajustes selecionáveis tornam o SEL-421 ideal para aplicações que necessitem alterações frequentes de ajustes e para adaptação da proteção às alterações das condições do sistema. Ao selecionar um grupo, também são selecionados os ajustes das lógicas. Programe as lógicas do grupo para adaptar os ajustes a diferentes condições de operação, tais

9 9 como manutenção da subestação, operações sazonais, contingências de emergência, carregamento, alterações da fonte e dos ajustes de relés adjacentes. Corrente Combinada para Flexibilidade da Proteção Nas aplicações de relés tradicionais para proteção de uma linha alimentada por dois disjuntores, tal como num sistema de disjuntor e meio ou barra dupla com dois disjuntores, era necessário combinar as entradas dos TCs antes de conectá-las ao relé. O SEL-421 pode aceitar entradas separadas de dois TCs independentes (os TCs têm de ter a mesma relação) e combinar matematicamente as correntes. Isso permite coletar informações separadas, para cada disjuntor, da medição das correntes e do monitoramento do disjuntor. As funções de monitoramento do disjuntor, para dois disjuntores, são efetuadas dentro de um relé. As correntes individuais dos disjuntores propiciam que as funções de falha de disjuntor sejam efetuadas no SEL-421, numa base por-disjuntor. Os diagnósticos dos disjuntores são reportados numa base comparativa, propiciando que a solução dos problemas seja efetuada de forma antecipada e pró-ativa. Entradas e Saídas de Controle O modelo básico do SEL-421 inclui cinco entradas independentes e duas comuns, duas saídas para interrupção padrão Tipo A e três saídas para interrupção padrão Tipo C, e três saídas Tipo A para interrupção de correntes elevadas. As placas adicionais de entradas/saídas (I/O) indicadas a seguir são normalmente disponibilizadas: Oito entradas independentes, 13 contatos de saída padrão Tipo A e dois padrão Tipo C. Oito entradas independentes, oito contatos de saída Tipo A de alta velocidade para interrupção de correntes elevadas. Oito entradas independentes, 13 saídas Tipo A para interrupção de correntes elevadas e dois contatos de saída padrão Tipo C. Vinte e quatro entradas, seis contatos de saída de alta velocidade e dois contatos de saída padrão Tipo A. Especifique as entradas de controle para funções de controle, lógicas de monitoramento e indicações em geral. Cada saída de controle é programável através das equações de controle SELOGIC. Nenhuma placa adicional de I/Os pode ser acrescentada ao chassis 3U; entretanto, uma placa pode ser adicionada ao chassis 4U e duas placas adicionais de I/Os podem ser acrescentadas ao chassis 5U. Adquira I/Os padronizadas e adicionais do tipo universal (valor de pickup ajustável de Vdc) ou isoladas opticamente. Religador Multifunção com Aplicações Flexíveis O SEL-421 inclui ambas as funções de trip e religamento mono e tripolar, para um ou dois disjuntores (Figura 9). A função de check de sincronismo é incluída para controle do disjuntor. As entradas de tensão de sincronização e polarização são totalmente programáveis através da lógica de fechamento Linha Morta/Barra Morta, assim como da lógica de fechamento com ângulo zero, para minimizar o esforço imposto ao sistema quando do religamento. Programe até duas tentativas de religamento monopolar e quatro tentativas de religamento tripolar, assim como sequências de religamentos mono/tripolar combinados. Selecione diretamente os disjuntores definidos como Líder ( Leader ) e Seguidor ( Follower ), ou use uma equação de controle SELOGIC para determinar a sequência de religamento com base nas condições do sistema. Quando associado a disjuntores com operação dos pólos independente, esse sistema de religamento proporciona flexibilidade máxima para as condições atuais do sistema e para requisitos futuros, visando atender às demandas de mudanças no sistema de potência. Tensão Remota para uma Segunda Contingência de Operação Uma condição de LOP detectada pelo relé pode iniciar a transferência das informações de tensão a partir de outra fonte de tensão conectada ao relé. A lógica mantém a operação normal das funções de proteção de todos os elementos direcionais do relé sob a condição de LOP. Você pode programar um contato de alarme de LOP para avisar o operador sobre a ocorrência de um erro no sistema, possibilitando que ele tome as devidas providências para descobrir e reparar o elemento defeituoso. Controle de Dois Disjuntores O SEL-421 contém entradas de tensão analógicas para múltiplas fontes e entradas de controle para indicação da posição dos disjuntores e seccionadoras; ele inclui também lógicas necessárias para efetuar o controle total de dois disjuntores. Isso inclui funções de monitoramento independentes, assim como elementos separados para abertura e fechamento de dois disjuntores, possibilitando a operação do esquema líder/seguidor ou outros esquemas de controle desejados. Todos os valores analógicos são monitorados para cada disjuntor, permitindo o acesso aos controles da subestação para obtenção de informações completas dos componentes individuais do sistema.

10 Tabela 2: de Tensão a Grandeza Analógica VA, VB, VC VNMAX, VNMIN VAB, VBC, VCA Grandezas de Operação dos Elementos VA VN a, VB VN a, VC VN a VPMAX, VPMIN V1 a, 3V2 a, 3V0 a Grandezas fundamentais somente. Elementos de Frequência Descrição Tensão Fase-Neutro Tensão de Neutro Mín/Máx Tensão Fase-Fase Tensão de Fase com Tensão de Neutro Subtraída Tensão de Fase Mín/Máx Sequência-Positiva, Negativa e Zero 10 Figura 9: Religamento de Dois Disjuntores com Check de Sincronismo Elementos de Tensão O SEL-421 fornece seis elementos independentes de sobretensão e subtensão com dois níveis de pickup. O primeiro nível de pickup é fornecido com uma temporização de tempo-definido. Escolha entre uma ampla faixa de grandezas de operação rms e fundamental para as entradas de tensão dos terminais Y e Z. A Tabela 2 mostra as entradas de tensão disponíveis para serem usadas como grandezas de operação. O SEL-421 fornece seis elementos de frequência, alimentados pelos transformadores de potencial Y ou Z. Qualquer um dos seis elementos pode ser configurado para sobrefrequência ou subfrequência. Cada elemento de frequência possui um ajuste de pickup temporizado. Os elementos de frequência são supervisionados por um elemento de subtensão programável. O elemento de subtensão pode ser ajustado para monitorar as entradas de tensão de Y ou Z, e vai bloquear a ativação do elemento 81 se a entrada de tensão selecionada cair abaixo de um valor limite de supervisão de subtensão programável.

11 11 Diagrama Funcional Simplificado: Sistema O SEL-421 é um dispositivo stand-alone completo para proteção, automação e controle. Ele pode também ser parte integrante de um sistema completo de proteção, controle e monitoramento de uma subestação. Cada relé pode ser conectado a um processador de comunicação que integra as proteções das unidades individuais para uma integração total da proteção (Figura 10). A proteção de retaguarda, tal como o Relé SEL-321 ou o Relé SEL-311, pode também ser conectada a um processador de comunicação SEL (Figura 10). O SEL-421 possui quatro portas seriais que podem ser usadas para conexão a um processador de comunicação, terminal ASCII, transceptor de fibra óptica ou PC. Figura 10: Diagrama Funcional Simplificado do Sistema Integração e Conexão em Rede Conecte o SEL-421 às Redes Locais ( Local Area Networks LANs) usando o cartão Ethernet opcional. O cartão Ethernet também permite a conexão de um processador de comunicação SEL a uma LAN simples ou dual (ver Figura 11). O cartão Ethernet integrado suporta ambas as conexões de cobre e/ou fibra óptica com proteção fail-over. Figura 11: Integração e Conexão em Rede

12 12 Cartão Ethernet O cartão Ethernet opcional é instalado diretamente no SEL-421. Use as aplicações populares Telnet para facilitar as comunicações dos terminais com relés SEL e outros dispositivos. Efetue a transferência de dados em alta velocidade (10 Mbps ou 100 Mbps) para rápida atualização da Interface Homem-Máquina (IHM) e carregamento dos arquivos. O cartão Ethernet efetua comunicações usando aplicações do Protocolo de Transferência de Arquivos (FTP) para facilitar e agilizar a transferência de arquivos. Os Operadores podem tomar conhecimento das condições operacionais do sistema de potência usando a Norma para Sincronização de Fasores do Sistema de Potência ( IEEE C Standard for Synchrophasors for Power Systems ). Efetue comunicações com o SCADA e outros IEDs da subestação através das mensagens GOOSE e Nós Lógicos ( Logical Nodes ) via IEC ou DNP3. Escolha as opções dos meios de conexão Ethernet para as conexões primária e standby: Rede tipo 10/100BASE-T (Par trançado) Rede tipo 100BASE FX (Fibra óptica) Telnet e FTP Adquira o SEL-421 com recursos de comunicação Ethernet e use os protocolos incorporados Telnet e FTP que são fornecidos de forma padronizada com Ethernet para melhorar os sessões de comunicação do relé. Use o Telnet para acessar remotamente os ajustes, relatórios de evento e medição do relé através da interface ASCII. Transfira os arquivos dos ajustes para o relé, e do relé, via porta Ethernet de alta velocidade, usando o FTP. Protocolo para Sincrofasores IEEE C O mais recente protocolo para sincrofasores do IEEE fornece um método padrão para comunicação de dados de medição fasorial sincronizada via Ethernet ou meio de comunicação serial. O cartão Ethernet integrado ao SEL- 421 fornece duas conexões independentes usando TCP/IP, UDP/IP, ou uma combinação dos mesmos. Cada conexão suporta dados unicast para envio de dados para um único cliente. As conexões também recebem dados para aplicações de controle. Cada sequência de dados pode suportar até 60 frames por segundo. LAN/WAN DNP3 A opção de redes LAN/WAN DNP3 provê o SEL-421 com funcionalidade DNP3 Nível 2 escravo ( DNP3 Level 2 slave ) sobre Ethernet. Mapas de dados DNP3 personalizados podem ser configurados para serem usados com DNP3 masters específicos. Comunicação IEC via Ethernet O protocolo de comunicação IEC baseado na Ethernet propicia interoperabilidade entre os dispositivos inteligentes de uma subestação. Usando o IEC 61850, os Nós Lógicos possibilitam uma padronização das interconexões dos dispositivos inteligentes de diferentes fabricantes para monitoramento e controle da subestação. Reduza a fiação entre dispositivos de diferentes fabricantes e simplifique as lógicas de operação usando o IEC Elimine as Unidades Terminais Remotas (UTRs) do sistema efetuando a transferência dos dados das informações de monitoramento e controle provenientes dos dispositivos inteligentes diretamente para os dispositivos clientes do sistema SCADA remoto. O SEL-421-2, -3 pode ser adquirido com o protocolo IEC incorporado, operando na rede Ethernet 100 Mbps. Use o protocolo IEC via Ethernet para funções de monitoramento e controle do relé, incluindo: Até 24 mensagens GOOSE de entrada. As mensagens GOOSE de entrada podem ser usadas para controlar até 128 bits de controle do relé com latência <3 ms entre os dispositivos. Essas mensagens fornecem entradas de controle binárias para o relé para monitoramento e funções de controle de alta velocidade. Até 8 mensagens GOOSE de saída. As mensagens GOOSE de saída podem ser configuradas para dados analógicos ou da lógica Booleana. Os dados da lógica Booleana são fornecidos com latência <3 ms entre os dispositivos. Use as mensagens GOOSE de saída para monitoramento e controle em alta velocidade de disjuntores, chaves e outros dispositivos externos. Servidor de Dados IEC O SEL-421-2, -3, equipado com o protocolo IEC incorporado, baseado na Ethernet, fornece os dados de acordo com os objetos dos nós lógicos predefinidos. Até seis associações de clientes simultâneos são suportadas por cada relé. Relay Word bits relevantes são disponibilizados nos dados dos nós lógicos, de forma que os estados dos elementos, entradas e saídas do relé, ou equações SELOGIC, podem ser monitorados através do servidor de dados IEC fornecido com o relé.

13 13 Use o software ACSELERATOR QuickSet Architect SEL para gerenciar os dados dos nós lógicos de todos os dispositivos IEC conectados à rede. Este software baseado no Microsoft Windows propicia telas de fácil utilização para identificação e associação dos dados entre os nós lógicos da rede IEC 61850, usando arquivos CID ( Configured IED Description ) em conformidade com IEC Os arquivos CID são usados pelo software ACSELERATOR QuickSet Architect para descrever os dados que serão fornecidos pelos nós lógicos do IEC de cada relé. Medição e Monitoramento Ampla Capacidade de Medição O SEL-421 possui ampla capacidade de medição, conforme relacionado na Tabela 3. Tabela 3: Capacidades da Medição Capacidades Descrição Grandezas Instantâneas Tensões Correntes V A, B, C (Y) V A, B, C (Z) Vφφ 3V0, V1, 3V2 I A, B, C (W) I A, B, C (X) I A L, I B L, I C L (correntes combinadas) I G L, I1L, 3I2L (correntes combinadas) V com grandezas de fase para cada uma das seis fontes de tensão disponibilizadas como uma grandeza independente. Grandezas de fase para cada uma das duas fontes de corrente disponibilizadas como uma grandeza independente ou combinadas como grandezas da linha. Grandezas de Medição de Potência/Energia MW, MWh, MVAR, MVARh, MVA, FP, monofásicos e trifásicos. Disponível para cada grupo de entradas e como grandezas combinadas para a linha. Medição de Demanda/Demanda de Pico I A, B, C, 3I 2, 3I 0 MW, MVAR, MVA, monofásico MW, MVAR, MVA, trifásico Intervalo de demanda e demanda de pico: térmica e rolling. Intervalo de demanda e demanda de pico: térmica e rolling. Intervalo de demanda e demanda de pico: térmica e rolling. Relatórios de Evento e Registrador Sequencial de Eventos (SER) Os recursos para emissão dos Relatórios de Evento (oscilografia) e do Registrador Sequencial de Eventos (SER) simplificam a análise pós-falta e melhoram a compreensão das operações de esquemas de proteção simples e complexos. Eles também ajudam nos testes e na solução de problemas associados aos ajustes do relé e esquemas de proteção. Os oscilogramas são disponibilizados nos formatos COMTRADE binário e ASCII COMTRADE. Oscilografia e Relatórios de Evento Em resposta aos ajustes de disparo ( triggers ) internos ou externos selecionados pelo usuário, as informações de tensão, corrente e estados dos elementos contidas em cada relatório de evento confirmam o desempenho do relé, esquema e do sistema para cada falta. É possível escolher o nível de detalhamento necessário no disparo de um relatório de evento: dados analógicos com resolução de 8 khz, 4 khz, 2 khz ou 1 khz. O relé armazena desde 5 segundos de dados por falta com resolução de 1 khz até 2 segundos por falta com resolução de 8 khz. Os relatórios são armazenados em memória não volátil. Os ajustes operacionais do relé no instante do evento são anexados em cada relatório de evento.

14 14 Sumário do Evento Cada vez que o SEL-421 gera um relatório de evento padrão, ele também gera um Sumário do Evento correspondente, que é uma descrição concisa do evento, incluindo as seguintes informações: Identificação do relé/terminal Data e hora do evento Tipo do evento Localização da falta Posição do contador de tentativas de religamento no instante do disparo ( trigger ) do registro Frequência do sistema no instante do trigger Tensões de fase Tipo da falta no instante do trip Níveis das correntes de: pré-falta, fase em falta e polarização Correntes de sequência-zero e sequência-negativa calculadas na pré-falta e na falta Sinalizações do grupo ativo Estado de todos os canais MIRRORED BITS Horários das aberturas e fechamentos do dia Estado do disjuntor (aberto/fechado) Com um ajuste apropriado, o relé envia automaticamente um Sumário do Evento em texto ASCII, para uma ou mais portas seriais, cada vez que houver o disparo de um relatório de evento. Registrador Sequencial de Eventos (SER) Use este recurso para obter uma ampla perspectiva da operação dos elementos do relé. Os itens que disparam uma entrada do SER são selecionáveis e podem incluir: mudança de estado das entradas/saídas, atuação e reset (pickup/dropout) dos elementos, alterações no estado do religador, etc. O SER do relé armazena as últimas entradas. Manutenção de Alta Precisão das Estampas de Tempo Usando o código de tempo IRIG-B de alta precisão de um relógio sincronizado por satélite de posicionamento global, o SEL-421 pode obter registros oscilográficos com precisão das estampas de tempo dentro da faixa de 10 µs. Essa alta precisão pode ser combinada com a elevada taxa de amostragem do relé para sincronizar os dados do sistema com uma precisão melhor do que 1/4 de um grau elétrico. Isso possibilita a análise do estado do sistema de potência em tempos determinados, incluindo ângulos de carga, oscilações do sistema e outros eventos ao longo do sistema. O disparo pode ser através de um sinal externo (contato ou porta de comunicação), tempo ajustado ou um evento no sistema. Uma melhor calibração dessa função requer o conhecimento do defasamento e erro dos componentes de entrada primários (TP e TC). A entrada do código de tempo IRIG-B com precisão padrão sincroniza o horário do SEL-421 com uma variação de ±500 µs em relação à entrada da fonte de tempo. Uma fonte adequada para esse código de tempo é um processador de comunicação da SEL (via Porta Serial 1 no SEL-421). Monitoramento das Baterias da Subestação para Garantia da Qualidade da Alimentação DC O SEL-421 mede e reporta a tensão das baterias da subestação para dois sistemas de baterias. Dois conjuntos de comparadores de limites programáveis e uma lógica associada fornecem alarme e controle de duas baterias e carregadores separados. O relé também possui detecção de terra dual. Monitore esses limites com um processador de comunicação SEL para gerar mensagens, efetuar chamadas telefônicas ou outras ações. A tensão DC medida é reportada no display METER via porta serial de comunicação, no LCD e no Relatório de Evento. Use os dados do relatório de evento para obter uma tela com a oscilografia da tensão das baterias. Monitore a queda da tensão das baterias da subestação durante o trip, fechamento e outras operações de controle.

15 15 Figura 12: Dados Reais do Teste Back-to-Back Usando Duas Fontes de Sincronização de Tempo de Fabricantes Diferentes. Neste Exemplo, o Pico de Tensão é Medido com Precisão de 1 Microssegundo. A Função de Monitoramento do Disjuntor Permite a Programação da Manutenção do Disjuntor Baseada no Desgaste de Seus Contatos Disjuntores sofrem desgaste mecânico e elétrico cada vez que operam. Uma programação adequada da manutenção do disjuntor leva em consideração os dados publicados pelo fabricante referentes ao desgaste dos contatos versus níveis de interrupção e número de operações. A função de monitoramento dual do disjuntor do SEL-421 compara os dados fornecidos pelo fabricante do disjuntor com a corrente real interrompida e integrada, e com o número de operações. Cada vez que ocorre trip do disjuntor, o relé integra a corrente interrompida. Quando o resultado dessa integração exceder o valor limite ajustado através da curva de desgaste do disjuntor (Figura 13), o relé pode dar alarme via contato de saída ou display opcional do painel frontal. Com essas informações, você pode programar a manutenção do disjuntor de forma oportuna e econômica. O relé monitora os tempos das interrupções (última e média) elétricas e mecânicas por pólo. Você pode facilmente identificar se o tempo de operação está aumentando além dos valores de tolerância aceitáveis e então programar uma manutenção pró-ativa do disjuntor. Um ponto de alarme pode ser ativado se o tempo de operação estiver além de um valor préajustado. O tempo de carregamento do motor do disjuntor, a discordância dos pólos, discrepância de pólos e a inatividade do disjuntor também são grandezas monitoradas. Figura 13: Ajustes e Curva de Desgaste dos Contatos do Disjuntor

16 16 Automação Recursos de Integração e Lógicas de Controle Flexíveis Use as lógicas de controle do SEL-421 para: Substituir as tradicionais chaves de controle do painel Eliminar a fiação entre o relé e a Unidade Terminal Remota (UTR) Substituir os tradicionais relés de selo biestáveis ( latching relays ) Substituir as tradicionais lâmpadas de sinalização do painel Elimine as tradicionais chaves de controle do painel, substituindo-as por 32 pontos de controle local. Ative, desative ou pulse os pontos de controle local através do display e botões de pressão do painel frontal. Programe os pontos de controle local para implementar seu esquema de controle através das equações de controle SELOGIC. Use os pontos de controle local para funções tais como testes de trip, habilitar/desabilitar o religamento, abrir e fechar o disjuntor. Elimine a fiação entre o relé e a UTR usando 32 pontos de controle remoto. Ative, desative ou pulse os pontos de controle remoto via comandos da porta serial. Incorpore os pontos de controle remoto no seu esquema de controle através das equações de controle SELOGIC. Use os pontos de controle remoto para operações de controle do tipo SCADA (ex.: abertura, fechamento, seleção do grupo de ajustes). Substitua os tradicionais relés biestáveis, usados em funções como habilitar o controle remoto, por 32 pontos de controle biestáveis. Programe as condições de atuação e reset dos biestáveis usando as equações de controle SELOGIC. Ative ou desative os pontos de controle biestáveis através das entradas de controle, pontos de controle remoto, pontos de controle local, ou qualquer condição lógica programável. Os pontos de controle biestáveis mantêm o seu estado mesmo quando o relé perde a alimentação. Substitua as tradicionais chaves e lâmpadas de sinalização do painel por até 24 LEDs indicadores que requerem reset e até 12 botões de pressão programáveis com LEDs. Defina mensagens personalizadas (ex.: DISJUNTOR ABERTO, DISJUNTOR FECHADO, RELIGADOR HABILITADO) para reportar as condições do relé ou do sistema de potência no amplo LCD. Controle as mensagens a serem exibidas via equações de controle SELOGIC, conduzindo a tela do LCD através de qualquer ponto lógico do relé. Protocolos Abertos de Comunicação O SEL-421 não requer software especial de comunicação. Necessita-se apenas de terminais ASCII, terminais de impressão ou um computador com emulação para terminal e uma porta de comunicação serial. A Tabela 4 na página 17 relaciona uma sinopse dos protocolos dos terminais. Editor de Ajustes Baseado em Regras Use o Software ACSELERATOR QuickSet para desenvolver ajustes off-line. O sistema verifica automaticamente os ajustes inter-relacionados e ilumina os ajustes que estiverem fora da faixa. Os ajustes criados off-line podem ser transferidos usando um link de comunicação do PC com o SEL-421. O relé converte os relatórios do evento em oscilogramas, com coordenação dos tempos de ativação dos elementos bem como dos diagramas dos elementos fasoriais e de sequência. A interface do ACSELERATOR QuickSet é compatível com os sistemas operacionais Windows 95, 98, 2000 e NT. Abra os arquivos COMTRADE tanto dos produtos SEL quanto de outros fabricantes. Converta os arquivos COMTRADE binários em formato ASCII para portabilidade e facilidade de uso. Visualize os valores dos harmônicos e fasores em tempo real. Software ACSELERATOR QuickSet Designer SEL-5031 Use o ACSELERATOR QuickSet Designer para criar telas de ajuste personalizadas, denominadas Application Designs, visando reduzir a complexidade, diminuir a chance de erros e aumentar a produtividade: Bloqueie e oculte os ajustes não usados. Salve os ajustes para atender a sua padronização de proteção, especificação de I/Os, comunicação e equações de controle SELOGIC. Implemente limites de ajustes mais reduzidos do que os ajustes do equipamento. Defina as variáveis das entradas baseando-se nos dados de placa do equipamento, nas graduações ou terminologia do fabricante, e calcule os ajustes a partir dessas entradas mais amigáveis. Use comentários sobre os ajustes para orientar os usuários e explicar a filosofia do projeto.

17 17 Tabela 4: Tipo Protocolos Abertos de Comunicação Descrição ASCII ASCII Comprimido ( Compressed ASCII ) Extended Fast Meter, Fast Operate e Fast SER YModem DNP3 Nível 2 Escravo Opcional ( DNP3 Level 2 Slave ) IEEE C IEC Comandos em linguagem simples para comunicação homem-máquina. Use para medição, ajustes, estado da autodiagnose, relatórios de evento e outras funções. Relatórios de dados em caracteres ASCII delimitados por vírgula. Permite a um dispositivo externo obter dados do relé em um formato apropriado que importa diretamente para um programa de base de dados e planilha eletrônica. Os dados são protegidos por verificação de soma ( checksum ). Protocolo binário para comunicação máquina-máquina. Atualiza rapidamente os Processadores de Comunicação SEL-2032, UTRs e outros dispositivos da subestação com informações de medição, estados dos elementos, entradas e saídas do relé, estampas de tempo ( time-tags ), comandos de abrir e fechar, e sumários dos relatórios de evento. Os dados são protegidos por verificação de soma. Os protocolos ASCII e binário operam simultaneamente através das mesmas linhas de comunicação, evitando que as informações de medição de controle do operador sejam perdidas quando um técnico estiver transferindo um relatório de evento. Suporte para leitura dos arquivos de eventos, ajustes e oscilografia. Protocolo de Rede Distribuída com remapeamento de pontos. Inclui acesso aos dados de medição, elementos de proteção, contatos das I/Os, sinalizações, SER, sumários dos relatórios de evento do relé e grupos de ajuste. Protocolo de medição fasorial. Norma internacional, baseada na Ethernet, para interoperabilidade entre dispositivos inteligentes de uma subestação. Equações de Controle SELOGIC com Recursos Expandidos e Apelidos ( Aliases ) As equações de controle SELOGIC expandidas colocam as lógicas do relé nas mãos do engenheiro de proteção. Especifique as entradas do relé para atenderem a sua aplicação, combine logicamente elementos selecionados do relé para várias funções de controle e designe saídas para suas funções lógicas. Programar as equações de controle SELOGIC consiste na combinação dos elementos, entradas e saídas do relé através dos operadores das equações de controle SELOGIC (ver Tabela 5 na página 18). Qualquer elemento dos Relay Word bits pode ser usado nessas equações. O SEL- 421 é configurado de fábrica para ser usado sem lógicas adicionais na maioria das situações. Para aplicações complexas ou exclusivas, essas funções SELOGIC expandidas propiciam maior flexibilidade. Use o novo recurso de designação de apelidos ( aliases ) para determinar nomes mais significativos para as variáveis do relé. Isso facilita a leitura e compreensão da programação personalizada. Use até 200 apelidos para renomear qualquer grandeza digital ou analógica. A seguir, um exemplo de possíveis aplicações das equações de controle SELOGIC usando apelidos:

18 18 Tabela 5: Operadores das Equações de Controle SELOGIC Tipo de Operador Operadores Comentários Booleana AND, OR, NOT Permite a combinação das unidades de medição. Detecção de Mudança de Estado F_TRIG, R_TRIG Comparação >, >=, =, <=,<, < > Opera com a mudança do estado de uma função interna. Aritmética +, -,*, / Utiliza funções matemáticas tradicionais para grandezas analógicas numa equação facilmente programável. Numérico ABS, SIN, COS, LN, EXP, SQRT Controle de Precedência ( ) Possibilita arranjos múltiplos de parênteses. Comentário # Fornece fácil documentação das lógicas de proteção e controle. Acrescente funções de controle programáveis aos seus sistemas de proteção e automação. Novas funções e recursos possibilitam o uso dos valores analógicos no estabelecimento de lógicas condicionais. A seguir, exemplos de possíveis aplicações das equações de controle SELOGIC com recursos expandidos: Emular um temporizador de religador tipo motorelétrico ( motor-driven ), incluindo tempo morto, reset e condições de bloqueio (ver Figura 14). Definir valores analógicos para restituição via SCADA. Iniciar uma sequência de ações corretivas com base nas condições de fluxo de carga anteriores à falta. Intertravar disjuntores e chaves seccionadoras. Restringir as aberturas do disjuntor em condições extremas de operação sem relés adicionais. Criar um elemento de sobretensão compensado para proteção de sobretensão em linhas abertas. Sustentar momentaneamente as condições de mudança de estado para varredura do SCADA. Prover uma combinação das funções de frequência ou taxa de variação da frequência. Figura 14: Temporizador de um Religador tipo Motor-Driven Comunicação Digital entre Relés (MIRRORED BITS) A tecnologia de comunicação MIRRORED BITS, patenteada pela SEL, possibilita a comunicação digital bidirecional entre relés (Figura 15). No SEL-421, os MIRRORED BITS podem operar simultaneamente em quaisquer duas portas seriais para possibilitar a operação em sistemas de potência de três terminais. Esta tecnologia de comunicação digital bidirecional cria saídas adicionais (MIRRORED BITS transmitidos) e entradas adicionais (MIRRORED BITS recebidos) para cada porta serial operando no modo de comunicação MIRRORED BITS. As informações transmitidas podem incluir dados digitais, analógicos e virtuais dos terminais. O terminal virtual possibilita o acesso do operador aos relés remotos através do relé local. Esses MIRRORED BITS podem ser usados para transmitir informações entre os terminais da linha, melhorando a coordenação e agilizando a abertura. Eles também reduzem o tempo total de operação dos esquemas de proteção piloto, eliminando a necessidade de fechamento

19 19 de contatos de saída, bem como o repique ( debounce ) das entradas digitais. Use os recursos da comunicação MIRRORED BITS através de duas portas para esquemas de teleproteção de alta velocidade aplicados a linhas de transmissão de três terminais. Figura 15: A Comunicação Integrada Propicia Segurança na Proteção, Monitoramento e Controle, Assim Como o Acesso a Ambos os Relés em um Terminal Através de uma Conexão Comunicação O SEL-421 oferece os seguintes recursos de comunicação serial: Quatro portas seriais EIA-232 independentes. Acesso total às informações do histórico de eventos, estados do relé e medição. A alteração dos ajustes e o chaveamento do grupo de ajustes são rigorosamente protegidos por password. DNP3 Nível 2 Escravo O protocolo patenteado SEL Fast Message permite intercalar dados binários e ASCII para comunicação do SCADA, incluindo acesso ao SER, sinalizações dos elementos do relé, dados do evento e outros. Transmissão dos dados da medição fasorial sincronizada usando a troca de mensagens via protocolo SEL Fast Message para Sincrofasores ou a Norma IEEE C para Sincrofasores do Sistema de Potência.

20 Operação Avançada do Painel Frontal Display do Painel Frontal O display de cristal líquido (LCD) exibe as informações dos eventos, medição, ajustes e estado da autodiagnose do relé. Os LEDs de sinalização indicam as informações das sinalizações do relé conforme descrito na Figura 16 e Figura 17 e explicado na Tabela 6 da página (1 15 segundos) antes que o display continue a girar. Qualquer mensagem gerada pelo relé devido a uma condição de alarme tem precedência sobre o Display Rotativo. Alguns exemplos de visualização do painel frontal do SEL-421 estão mostrados na Figura 16, Figura 17 e Figura 18. O painel frontal contém uma tela de LCD de 3" x 3", 128 x 128 pixels; LEDs de sinalização; e botões de pressão com LEDs indicadores para as funções de controle local. As cores correspondentes ao estado ativado e desativado dos LEDs são programáveis. Configure qualquer um dos botões de pressão de ação direta para navegar diretamente em qualquer item do menu da IHM. Visualize rapidamente os eventos, pontos de alarme, pontos do display, ou o SER. Figura 16: LEDs de Sinalização de Trip e Estado Default de Fábrica (Opção com 8 Botões de Pressão, 16 LEDs de Sinalização) Figura 18: Botões de Pressão e Display do Painel Frontal Default de Fábrica Controle do Bay Figura 17: LEDs de Sinalização de Trip e Estado Default de Fábrica (Opção com 12 Botões de Pressão, 24 LEDs de Sinalização) O LCD é controlado pelos botões de pressão de navegação (Figura 18), mensagens automáticas geradas pelo relé e pontos do display digitais e analógicos programados pelo usuário. O Display Rotativo gira, exibindo os pontos de alarme, pontos do display e telas de medição. Se não houver nenhum ponto ativo, o relé exibe os displays das telas de medição de rms e da fundamental. Cada tela de exibição permanece pelo tempo programado pelo usuário O SEL-421 inclui diagramas unifilares dinâmicos do bay na tela do painel frontal com recursos de controle de disjuntores e chaves seccionadoras para 25 tipos de bays predefinidos, selecionáveis pelo usuário. Tipos adicionais de bays selecionáveis pelo usuário são disponibilizados via interface do ACSELERATOR QuickSet, cujo download pode ser efetuado em O controle do bay é equipado para controlar até 10 chaves seccionadoras e dois disjuntores, dependendo do diagrama unifilar selecionado. Alguns diagramas unifilares fornecem o estado de até três disjuntores e cinco chaves seccionadoras. Efetue a operação das seccionadoras e disjuntores através de comandos ASCII, equações de controle SELOGIC, Mensagens via SEL Fast Operate, e a partir do diagrama unifilar. O diagrama unifilar inclui etiquetas para os dispositivos configuráveis pelo usuário e até seis Grandezas Analógicas definíveis pelo usuário.

21 21 Diagramas Unifilares do Bay O controle do bay do SEL-421 oferece diversos diagramas unifilares pré-configurados para configurações de barras comuns. Uma vez que um diagrama unifilar tenha sido selecionado, o usuário tem capacidade para personalizar os nomes de todos os disjuntores, chaves seccionadoras e barramentos. A maioria dos diagramas unifilares contém pontos do display analógicos. Esses pontos do display podem ser ajustados para qualquer uma das grandezas analógicas disponíveis com etiquetas, unidades e escalas. Esses valores são atualizados em tempo real juntamente com a posição das seccionadoras e disjuntores de forma a fornecer o estado instantâneo e propiciar o controle completo de um bay. Os diagramas abaixo demonstram alguns dos arranjos de bays pré-configurados disponíveis no SEL-421. O operador pode visualizar todas as informações valiosas sobre um bay antes de tomar uma decisão crítica de controle. Intertravamentos programáveis ajudam a evitar que os operadores efetuem a abertura ou fechamento incorreto de disjuntores ou chaves seccionadoras. O SEL- 421 não apenas evita que o operador tome uma decisão de controle incorreta, mas também notifica e/ou gera um alarme se uma operação incorreta for iniciada. Figura 19: Disjuntor e Meio Figura 21: Barra Dupla com Dois Disjuntores Figura 20: Barra em Anel com Chave de Aterramento Figura 22: Barra de Transferência da Fonte

22 22 Operações do Disjuntor no Painel Frontal A Figura 19, Figura 20, Figura 21 e Figura 22 (ver página 21) exibem exemplos de alguns dos diagramas unifilares selecionáveis do SEL-421. O diagrama unifilar é selecionável a partir dos ajustes do Bay. Ajustes adicionais para definição das etiquetas e grandezas analógicas também são encontrados nos ajustes do Bay. Os diagramas unifilares são compostos do seguinte: Nomes do Bay e Etiquetas do Bay Barramento e Etiquetas do Barramento Disjuntor e Etiquetas do Disjuntor Chaves Seccionadoras e Etiquetas das Chaves Secionadoras Pontos do Display Analógicos A Figura 23 mostra as Telas de Controle do Disjuntor disponíveis quando o botão de pressão {ENT} é pressionado com o disjuntor selecionado ( iluminado ), conforme mostrado na Figura 23 (a). Figura 23: Telas para Seleção do Disjuntor LEDs de Sinalização de Estado e Trip O SEL-421 possui LEDs programáveis para indicação de estado e trip, assim como botões de pressão programáveis para controle de ações diretas no painel frontal. Essas sinalizações são mostradas na Figura 16 e Figura 17 e detalhadas na Tabela 6 da página 23. O SEL-421 tem um painel frontal versátil que pode ser personalizado para atender às necessidades do usuário. Use as equações de controle SELOGIC e as etiquetas configuráveis tipo slide-in do painel frontal para alterar a função e a identificação dos LEDs de sinalização e dos LEDs e botões de pressão de controle do operador. O conjunto de etiquetas em branco tipo slide-in é fornecido com o SEL-421. As funções são facilmente configuráveis através do software ACSELERATOR QuickSet. As etiquetas podem ser impressas numa impressora a laser usando os modelos fornecidos com o relé ou escritas à mão nas etiquetas fornecidas em branco.

23 23 Tabela 6: Descrição dos LEDs de Sinalização Default de Fábrica LED ENABLED Função Relé alimentado corretamente e autodiagnoses OK das entradas, comunicação, SEL-2600, ou de condições estabelecidas via equações de controle SELOGIC avançadas. O asterisco próximo ao ponto de alarme indica um alarme ativo. Os alarmes inativos podem ser desativados através dos botões de pressão de navegação do painel frontal. TRIP INST TIME COMM SOTF Indicação de que houve trip Trip de alta velocidade Trip temporizado Trip por teleproteção Trip por chaveamento sobre falta ZONE 1-4 Trip dos elementos de distância (Zonas 1-4) PHASE A, B, C Fases envolvidas na falta GROUND Terra envolvido na falta 50 Trip do elemento de sobrecorrente instantâneo 51 Trip do elemento de sobrecorrente temporizado RECLOSER 79 RESET Pronto para o ciclo de religamento 79 LOCKOUT Controle no estado bloqueado 79 CYCLE a Controle no estado do ciclo de religamento 25 SYNCH a Tensões dentro do ângulo de sincronismo BKR CLOSE a BKR FAIL a OSB a Comando de fechamento do disjuntor detectado Trip da função de falha de disjuntor Condição de perda de sincronismo Figura 24: Amostra da Tela com Pontos de Alarme Pontos Avançados do Display Crie telas personalizadas para exibição dos valores de medição, mensagens de texto especiais ou um mix de informações analógicas e dos estados. A Figura 25 mostra um exemplo de como os pontos do display podem ser usados para exibir as informações do disjuntor e medição de corrente. Podem ser criados até 96 pontos do display. Todos os pontos do display ocupam sempre uma, e somente uma, linha na tela. A altura da linha é programável como simples ou dupla, conforme mostrado na Figura 25. Essas telas tornam-se parte do display autorotativo após a temporização de time-out do painel frontal. LOP PMCU OK a IRIG LOCKED a Condição de perda de potencial Medição dos Sincrofasores ativada Sincronização via IRIG detectada a Somente disponível nos modelos com 24 LEDs. Pontos de Alarme Você pode exibir mensagens no LCD do painel frontal do SEL-421 para indicar condições de alarme do sistema de potência. O relé usa os pontos de alarme para inserir essas mensagens no LCD. A Figura 24 apresenta uma amostra da tela com os pontos de alarme. O relé é capaz de exibir até 66 pontos de alarme. O relé exibe automaticamente novos pontos de alarme enquanto seu display está girando no modo manual e no modo automático. A mensagem dos pontos de alarme é configurável pelo usuário e pode ser disparada através Figura 25: Amostra da Tela com os Pontos do Display Botões de Pressão Auxiliares para Abertura e Fechamento (Trip/Close) e LEDs Indicadores Botões de pressão auxiliares opcionais para abertura e fechamento (Trip/Close Abrir/Fechar, ver Figura 26 na página 24) e LEDs indicadores permitem que o controle do disjuntor seja independente do relé. Os botões de

24 24 pressão auxiliares Abrir/Fechar são eletricamente separados do relé, operando mesmo se o relé perder a alimentação. Execute as conexões extras nos terminais 201 a 208. A Figura 30 na página 30 mostra uma visualização do painel traseiro. A Figura 27 apresenta um conjunto de conexões possíveis. Os botões de pressão auxiliares Abrir/Fechar incorporam um circuito de supressão de arco para interrupção de corrente DC de abertura ou fechamento. Para usar esses botões de pressão com circuitos AC de abertura ou fechamento, desabilite a supressão de arco para cada botão de pressão por meio da mudança de jumpers internos ao Relé SEL-421. As faixas da tensão de operação dos LEDs indicadores de disjuntor ABERTO e disjuntor FECHADO (breaker OPEN/breaker CLOSED) são também selecionáveis por jumper. Figura 26: Controles do Operador (Modelo com Botões Auxiliares para Abrir/Fechar Trip/Close) Figura 27: Chaves de Controle Opcionais para Abrir/Fechar (Trip/Close) o Disjuntor e Lâmpadas de Sinalização

25 25 Guia para Especificação O relé microprocessado deverá fornecer funções de proteção, monitoramento, controle, localização de faltas e automação. Deverão também ser incluídas as funções de autodiagnose do relé. Os requisitos específicos são os seguintes: Proteção de Distância de Fase. O relé deverá incluir cinco zonas de proteção de distância tipo mho para detecção de faltas entre fases. Três zonas deverão ser ajustáveis tanto para direção à frente quanto para direção reversa. Deverá ser usada memória com polarização por sequência-positiva para propiciar estabilidade no alcance e operação confiável diante de faltas com tensão zero. Cinco zonas de proteção de distância quadrilateral de fase deverão também ser incluídas. Opcional. Elementos de alta velocidade deverão ser incluídos para propiciar a saída do trip em menos de um ciclo. O relé deverá evitar o sobrealcance dos elementos da Zona 1 ou a perda da direcionalidade quando de faltas em linhas com compensação série. Proteção de Distância de Terra. O relé deverá incluir cinco zonas de proteção de distância tipos mho e quadrilateral para detecção de faltas envolvendo a terra. Três zonas deverão ser ajustáveis tanto para direção à frente quanto para direção reversa. Os elementos de terra não deverão sobrealcançar na condição de faltas polifásicas e não deverão ser afetados pelo fluxo de carga. Opcional. Elementos de alta velocidade deverão ser incluídos para propiciar a saída do trip em menos de um ciclo. Bloqueio para Transitórios CCVT. O relé deverá detectar os transitórios devidos ao CCVT e bloquear a operação dos elementos de distância da Zona 1 durante o período do transitório. Características de Perda de Sincronismo. O relé deverá detectar as condições de oscilação de potência estáveis e instáveis. Os ajustes definidos pelo usuário deverão determinar se o relé deve dar trip ou bloquear o trip. Alta Precisão das Estampas de Tempo. O relé deverá indicar as estampas de tempo ( time-tags ) dos relatórios de evento no formato COMTRADE com precisão absoluta de ±10 µs. Relés de diferentes localidades do sistema deverão ter a mesma precisão absoluta nas estampas de tempo. Proteção de Sobrecorrente. O relé deverá incluir elementos de sobrecorrente com entradas selecionáveis. A função de controle de torque (interno e externo) deverá ser fornecida. Controle do Bay. O controle do bay deverá ter capacidade para exibir diagramas unifilares do bay no display do painel frontal. A tela de exibição do bay deverá ser interativa para permitir a visualização do estado e controle dos disjuntores e chaves seccionadoras. Elementos de Proteção de Tensão. O relé deverá fornecer seis elementos de sobretensão e seis de subtensão com dois níveis de ajuste por elemento. Os ajustes do nível 1 deverão ter capacidade para temporização de tempo-definido. As tensões de entrada para os elementos deverão ser selecionáveis a partir das grandezas de fase, sequência-zero, sequênciapositiva, sequência-negativa, e valores máximos. As tensões rms e fundamental deverão ser suportadas. Elementos de Proteção de Frequência. O relé deverá incluir seis elementos de frequência independentes com temporizações de tempo-definido. Os elementos de frequência deverão ter entradas de supervisão por subtensão. Correntes Combinadas dos TCs. O relé deverá monitorar separadamente a corrente proveniente de dois TCs, ao mesmo tempo em que usa a corrente combinada para as funções de proteção de linhas. Capacidade de Transferência da Tensão. O relé deverá trocar a fonte de tensão da proteção quando de detecção de perda de potencial (LOP). Deverá ser possível efetuar o chaveamento da tensão para uma segunda fonte conectada ao relé. Lógica de Falha do Disjuntor. O relé deverá incorporar uma lógica de falha de disjuntor para abertura e religamento mono e tripolar. Contatos para retrip e início da transferência de trip deverão ser fornecidos. Uma lógica de discordância de pólos deverá ser incluída. O tempo de dropout do circuito de detecção de corrente deverá ser menor do que 5/8 de ciclo, mesmo nos casos em que houver corrente residual DC no secundário do TC. Controle do Religamento Automático. O relé deverá incorporar a função de religamento mono e tripolar com intervalos de tempo de pólo aberto ajustáveis separadamente, sendo quatro intervalos para o religamento tripolar e dois para o religamento

26 26 monopolar. Tempos de reset do ciclo de religamento e do bloqueio do religamento, ajustáveis separadamente, deverão ser disponibilizados. O religador deverá ser selecionável para um ou dois disjuntores. Check de Sincronismo. O relé deverá incluir dois elementos para verificação de sincronismo com ajustes independentes do ângulo máximo. A função de check de sincronismo deverá incorporar ajustes da frequência de escorregamento e do ângulo de fechamento e permitir fontes diferentes da tensão de sincronização (VA, VB, VC, VAB, VBC, VCA). Relatórios de Evento e Registrador Sequencial de Eventos. O relé deverá registrar automaticamente eventos de perturbações de até 2 segundos de duração com uma taxa de amostragem de 8 khz e 5 segundos de duração com uma taxa de amostragem de 1 khz. Os eventos deverão ser armazenados em memória não volátil. O relé também deverá incluir um Registrador Sequencial de Eventos (SER) que armazene as últimas entradas. Controles do Operador. O relé deverá incluir botões de pressão para controle do operador no painel frontal do relé. Cada botão de pressão deverá ser programável e acessível nas lógicas de controle do relé. Botões de Pressão Independentes para Abrir/Fechar (Trip/Close). O relé deverá incluir chaves com operação independente para abertura e fechamento (Trip/Close) do disjuntor e lâmpadas indicadoras. As chaves e as lâmpadas de estado do disjuntor deverão permanecer funcionais independentemente do estado do relé. Etiquetas Configuráveis. O relé deverá incluir etiquetas configuráveis para personalizar as sinalizações e os botões de pressão para controle do operador. Proteção Através de Password. O relé deverá possuir passwords para vários níveis, visando a segurança dos ajustes de proteção e automação. Monitoramento Dual do Disjuntor. O relé deverá incluir uma função de monitoramento do desgaste do disjuntor, para dois disjuntores, através de uma curva programável de monitoramento do disjuntor. Os tempos das operações elétricas e mecânicas, com comparação entre os tempos das operações (última e média), deverão ser monitorados e reportados. Monitoramento Dual das Baterias da Subestação. O relé deverá medir e reportar as tensões das baterias da subestação tanto sob condições de regime quanto durante operações de abertura. Deverá possuir dois conjuntos selecionáveis de parâmetros limite para funções de alarme e controle da tensão de cada bateria. Deverá ser incluída a detecção de terra DC para dois sistemas. Localizador de Faltas. O relé deverá incluir um algoritmo de localização de faltas que forneça uma estimativa precisa da localização do defeito sem necessidade de canais de comunicação ou de transformadores de instrumento especiais. Comunicação Digital Entre Relés. O relé deverá possuir elementos lógicos de transmissão e recepção, e elementos analógicos e virtuais dos terminais, em cada uma das duas portas de comunicação para comunicação dedicada entre relés. Automação. O relé deverá incluir 32 chaves de controle local, 32 chaves de controle remoto, 32 chaves biestáveis (de selo) e mensagens de exibição programáveis em conjunto com o painel/display local do relé. O relé deverá ser capaz de exibir mensagens personalizadas. Os sinais de entrada para o relé deverão possuir níveis de ativação ajustáveis. Lógicas do Relé. O relé deverá incluir funções lógicas programáveis para uma ampla variedade de esquemas de proteção, monitoramento e controle configuráveis pelo usuário. As lógicas deverão ter capacidade de usar os elementos do relé, funções matemáticas, funções de comparação e funções da lógica Booleana. Comunicação IEC via Ethernet. O relé deverá incluir recursos de comunicação em conformidade com o protocolo IEC A capacidade do IEC deverá incluir a transmissão de mensagens GOOSE e pontos dos dados de nós lógicos definidos. Protocolo de Rede Distribuída (DNP). O relé deverá incorporar recursos de comunicação DNP3 LAN/WAN via Ethernet e protocolo DNP3 Nível 2 Escravo certificado. Conectores dos Terminais. O relé deverá permitir a remoção dos conectores do bloco de terminais com parafusos de sua parte traseira para desconexão das I/Os, do monitor das baterias DC e da alimentação sem remover cada conexão da fiação. Comunicação. O relé deverá incluir quatro portas seriais EIA-232 independentes para comunicações externas. Interface com PC. O relé deverá ser capaz de ser ajustado via interface gráfica baseada em Windows e interface para terminal ASCII.

27 27 Entrada do Sinal de Sincronização de Tempo IRIG-B. O relé deverá incluir uma porta para interface da entrada do sinal demodulado de sincronização de tempo IRIG-B padrão ou de alta precisão. Display para IHM. O relé deverá incluir informações no display, configuráveis pelo usuário, para exibição das informações dos estados, grandezas analógicas, textos e alarmes. Sincrofasores. O relé deverá ter a capacidade de operar como uma unidade de medição fasorial ( phasor measurement unit PMU), em conformidade com a Norma para Sincrofasores do Sistema de Potência ( IEEE C Standard for Synchrophasors for Power Systems ). O relé deverá também receber dados dos sincrofasores em conformidade com IEEE C , efetuando o alinhamento dos tempos e a concentração dos dados. Meio Ambiente. O relé deverá ser apropriado para operar continuamente na faixa de temperatura de 40ºC até +85ºC. Garantia. O relé deverá ter uma garantia mínima de 10 anos em todo o mundo.

28 28 Diagramas dos Painéis Frontal e Traseiro Painel Frontal 3U, Opção para Montagem em Rack Painel Frontal 4U, Opção para Montagem em Painel Painel Frontal 5U, Opção para Montagem em Painel Figura 28: Diagramas Típicos do Painel Frontal do SEL-421

29 29 Painel Traseiro 3U, Placa Principal Painel Traseiro 4U, Placa Principal, Opção Connectorized, Placa de I/Os INT5 Painel Traseiro 5U, com Espaço Para Placas de I/Os Adicionais Figura 29: Diagramas Típicos do Painel Traseiro do SEL-421

30 30 Painel Traseiro 5U, Placa Principal, Placa de Interface de I/Os INT1 e INT3 Painel Traseiro 5U, Placa Principal, Placa de Interface de I/Os INT2 e INT7 Figura 30: Diagramas Típicos Adicionais do Painel Traseiro

31 31 Dimensões do Relé (Montagem Horizontal Mostrada; as Dimensões Também se Aplicam na Montagem Vertical) Figura 31: Dimensões do SEL-421 Modelos para Montagem em Painel e Rack

32 32 Especificações Especificações Gerais Entradas de Corrente AC (Circuitos Secundários) Nota: Os Transformadores de Corrente são Categoria de Medição II. 5 A Nominal: 15 A contínuos, linear até 100 A simétricos 500 A por 1 segundo A por 1 ciclo Burden: 0,27 5 A 2,51 15 A 1 A Nominal: 3 A contínuos, linear até 20 A simétricos 100 A por 1 segundo 250 A por 1 ciclo Burden: Entradas de Tensão AC 0,13 1 A 1,31 3 A 300 V L-N contínuos (conecte qualquer tensão até 300 Vac) 600 Vac por 10 segundos Burden: Fonte de Alimentação 125/250 Vdc ou 120/230 Vac Faixa: Frequência Nominal: Faixa: Burden: 48/125 Vdc ou 120 Vac Faixa: Frequência Nominal: Faixa: Burden: 24/48 Vdc Faixa: Burden: Saídas de Controle Padrão Fechamento: 0,03 67 V 0, V 0,8 300 V Vdc < 35 W ou Vac 50/60 Hz Hz <120 VA Vdc < 35 W ou Vac 50/60 Hz Hz <120 VA Vdc <35 W 30 A Carregamento: 6 A 70ºC 4 A 85ºC Nominal p/ 1 segundo: Proteção MOV (tensão máxima): Tempo de Pickup/Dropout: Taxa de Atualização: 50 A 250 Vac/330 Vdc 6 ms, carga resistiva 1/8 de ciclo Capacidade de Interrupção ( operações): 48 Vdc 0,50 A L/R = 40 ms 125 Vdc 0,30 A L/R = 40 ms 250 Vdc 0,20 A L/R = 40 ms Capacidade Cíclica (2,5 ciclos/segundo): 48 Vdc 0,50 A L/R = 40 ms 125 Vdc 0,30 A L/R = 40 ms 250 Vdc 0,20 A L/R = 40 ms Nota: Os relés com certificado EA não têm contatos de saída padrão protegidos por MOV. Hybrid (interrupção de correntes elevadas): Fechamento: 30 A Carregamento: 6 A 70ºC 4 A 85ºC Nominal p/ 1 segundo: Proteção MOV (tensão máxima): Tempo de Pickup/Dropout: Taxa de Atualização: 50 A 330 Vdc 6 ms, carga resistiva 1/8 de ciclo Capacidade de Interrupção ( operações): 48 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 125 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 250 Vdc 10,0 A L/R = 20 ms Capacidade Cíclica (4 ciclos em 1 segundo, seguidos por 2 minutos de inatividade para dissipação térmica): 48 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 125 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 250 Vdc 10,0 A L/R = 20 ms Nota: Não use as saídas de controle híbridas para chavear sinais de controle AC. Essas saídas são dependentes da polaridade. Fast Hybrid (interrupção de correntes elevadas em alta velocidade): Fechamento: 30 A Carregamento: 6 A 70ºC 4 A 85ºC Nominal p/ 1 segundo: Proteção MOV (tensão máxima): Tempo de Pickup: Tempo de Dropout: Taxa de Atualização: 50 A 250 Vac/330 Vdc 10 µs, carga resistiva 8 ms, carga resistiva 1/8 de ciclo Capacidade de Interrupção ( operações): 48 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 125 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 250 Vdc 10,0 A L/R = 20 ms Capacidade Cíclica (4 ciclos em 1 segundo, seguidos por 2 minutos de inatividade para dissipação térmica): 48 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 125 Vdc 10,0 A L/R = 40 ms 250 Vdc 10,0 A L/R = 20 ms Nota: Conforme IEC :1994, usando o método de avaliação simplificado. Nota: Características nominais de fechamento conforme IEEE C

33 33 Botões de Pressão Auxiliares Trip/Close (Abrir/Fechar) (Somente Modelos Selecionados) Saídas AC ou DC Resistivas com Supressão de Arco Desativada: Fechamento: Carregamento: Nominal p/ 1 segundo: Proteção MOV: 30 A 6 A contínuos 50 A 250 Vac/330 Vdc/130 J Capacidade de Interrupção ( operações): 48 V 0,50 A L/R = 40 ms 125 V 0,30 A L/R = 40 ms 250 V 0,20 A L/R = 40 ms Nota: Caract. nominais de fechamento cf. IEEE C Saídas DC com Alta Capacidade de Interrupção com Supressão de Arco Ativada: Fechamento: Carregamento: Nominal p/ 1 segundo: Proteção MOV: 30 A 6 A contínuos 50 A 330 Vdc/130 J Capacidade de Interrupção ( operações): 48 V 10 A L/R = 40 ms 125 V 10 A L/R = 40 ms 250 V 10 A L/R = 20 ms Nota: Caract. nominais de fechamento cf. IEEE C LEDs do Disjuntor Aberto/Fechado: 250 Vdc: opera p/ Vdc; Vac 125 Vdc: opera p/ Vdc; Vac 48 Vdc: opera p/ Vdc; 24 Vdc: opera p/ Vdc Nota: Com tensão de controle nominal aplicada, cada LED consome 8 ma (máx.). Os jumpers podem ser ajustados em 125 Vdc para entrada de 110 Vdc e ajustados em 250 Vdc para entrada de 220 Vdc. Entradas de Controle Acopladas Diretamente (para uso com sinais DC) Placas de interface INT1, INT5 e INT6: Faixa: Precisão: Tensão Máxima: Taxa de Amostragem: Burden Típico: 8 entradas sem terminais compartilhados Vdc, ajustes independentes ±5% mais ±3 Vdc 300 Vdc 1/16 de ciclo 0, Vdc Isoladas Opticamente (para uso com sinais AC ou DC) Placa Principal: Placas de interface INT2, INT7 e INT8: Placas de interface INT3 e INT4: 5 entradas sem terminais compartilhados 2 entradas com terminais compartilhados 8 entradas sem terminais compartilhados 6 entradas sem terminais compartilhados 18 entradas com terminais compartilhados (2 grupos de 9 entradas, com cada grupo compartilhando um terminal) Opções de Tensão: 24 V padrão 48, 110, 125, 220, 250 V com sensibilidade p/ detecção de nível Valores Limites DC (Limites de dropout indicam opção com sensibilidade p/ detecção de nível) 24 Vdc: Pickup 15,0 30,0 Vdc rms 48 Vdc: Pickup 38,4 60,0 Vdc; Dropout < 28,8 Vdc 110 Vdc: Pickup 88,0 132,0 Vdc; Dropout < 66,0 Vdc 125 Vdc: Pickup Vdc; Dropout < 75 Vdc 220 Vdc: Pickup Vdc; Dropout < 132 Vdc 250 Vdc: Pickup Vdc; Dropout < 150 Vdc Valores Limites AC (Valores nominais atendem somente quando forem usados os ajustes recomendados das entradas de controle ver Tabela 2.2 na página U.2.6 do Manual de Instrução.) 24 Vac: Pickup 12,8 30,0 Vac rms 48 Vac: Pickup 32,8 60,0 Vac rms; Dropout < 20,3 Vac rms 110 Vac: Pickup 75,1 132,0 Vac rms; Dropout < 46,6 Vac rms 125 Vac: Pickup 89,6 150,0 Vac rms; Dropout < 53,0 Vac rms 220 Vac: Pickup Vac rms; Dropout < 93,2 Vac rms 250 Vac: Pickup 170,6 300 Vac rms; Dropout < 106 Vac rms Consumo de Corrente: Taxa de Amostragem: Frequência e Rotação Frequência do Sistema: Rotação de Fases: Faixa de Rastreamento da Frequência: Portas de Comunicação EIA-232: Velocidade dos Dados Seriais: 5 ma p/ tensão nominal 8 ma p/ opção 110 V 1/16 de ciclo 50/60 Hz ABC ou ACB Hz 1 Frontal e 3 Traseiras bps Slot do Cartão de Comunicação para o Cartão Ethernet opcional

34 34 Fibra Óptica (opcional) Opções de Compra: Modo: Multi Mono Comprimento de Onda (nm): Fonte: LED LED Tipo de Conector: ST ST Pot. Mín. TX (dbm): -15,8-19 Pot. Máx. TX (dbm): Sens. RX (dbm): -34,4-32 Ganho Sistema (db): 5 13 Entradas de Tempo Entrada IRIG-B Porta Serial 1 Entrada: IRIG-B Demodulado Tensão Nominal: 5 Vdc + 10% Tensão Máxima: Impedância da Entrada: Isolação: 8 Vdc 333 ohms 500 Vdc Entrada IRIG-B Conector BNC Entrada: IRIG-B Demodulado Tensão Nominal: 5 Vdc + 10% Tensão Máxima: Impedância da Entrada: 8 Vdc Temperatura de Operação SEL-421: -40 a +85 C (-40 a +185 F) ohms SEL-421 com cartão Ethernet: -40 a +75 C (-40 a +167 F) Nota: O contraste do LCD fica prejudicado para temperaturas abaixo de -20 C e acima de +70ºC. Umidade 5% a 95% sem condensação Peso (Máximo) Unidade Rack 3U: Unidade Rack 4U: Unidade Rack 5U: Conexões dos Terminais 8,0 kg (17,5 lbs) 9,8 kg (21,5 lbs) 11,6 kg (25,5 lbs) Torque de Fixação dos Terminais com Parafusos Traseiros, Terminal Circular #8 Mínimo: Máximo: 1,0 Nm (9-in-lb) 2,0 Nm (18-in-lb) Os cabos de cobre trançados e terminais do usuário devem operar com temperatura nominal mínima de 105ºC. Recomendam-se terminais circulares. Isolação e Dimensões dos Cabos As dimensões dos cabos para conexões do neutro (aterramento), corrente, tensão e contatos são especificadas de acordo com os blocos de terminais e correntes de carga esperadas. A tabela a seguir pode ser usada como um guia de seleção das dimensões dos cabos: Tipo de Conexão Conexão do Neutro (Aterramento) Conexão de Corrente Conexão de Potencial (Tensão) Contatos I/O Outra Conexão Dimensão Mín. do Cabo 18 AWG (0,8 mm 2 ) 16 AWG (1,5 mm 2 ) 18 AWG (0,8 mm 2 ) 18 AWG (0,8 mm 2 ) 18 AWG (0,8 mm 2 ) Dimensão Máx. do Cabo 14 AWG (2,5 mm 2 ) 12 AWG (4 mm 2 ) 14 AWG (2,5 mm 2 ) 14 AWG (2,5 mm 2 ) 14 AWG (2,5 mm 2 ) Testes de Suportabilidade Dielétrica de Rotina (Executados em cada relé fabricado) Entradas de Corrente AC, entradas isoladas opticamente e contatos de saída: Fonte de Alimentação: Testes de Tipo Vac por 10 s Vdc por 10 s Esses testes não se aplicam aos contatos especificados p/ 24 Vdc. Compatibilidade Eletromagnética (EMC) Emissões Eletromagnéticas: EN 50263:1999 Emissões: IEC :2000, Classe A Imunidade/Compatibilidade Eletromagnética Imunidade à RF Conduzida: Interferência de RF na Telefonia Digital: ENV 50141:2006, 10 Vrms IEC :2001, 10 Vrms ENV 50204:1995, 10 V/m a 900 MHz e 1,89 GHz Imunidade à Descarga Eletrostática: IEC :2008, IEC :2008, IEEE C , Graus 2, 4, 6 e 8 kv: contatos; Graus 2, 4, 8 e 15 kv: ar Imunidade ao Distúrbio Elétrico/Transitório Rápido: IEC :2004, IEC :2008, 4 kv a 5 khz e 2 khz a 5 khz (Portas de Comunicação) Imunidade ao Campo Magnético na Frequência Nominal: IEC : A/m p/ 3 s, 100 A/m por 60 s IEC :1993, 850 A/m Imunidade da Fonte de Alimentação: IEC :2004, 5 ciclos IEC :2008 IEC :2000

35 35 Imunidade ao Campo Eletromagnético Irradiado: ENV 50140:1993, IEC :2007 IEC :2008, 10 V/m IEEE C , 35 V/m Exceções: Monitor do Sistema de Baterias DC, 10 V/m (±10% ±3 V) Cartão Ethernet instalado, 10 V/m Imunidade a Surtos / Resistência da Isolação: IEC :2000, 500 V > 1 minuto, Resistência 10 MΩ 100 MΩ 0,5, 1,0, 2,0 kv Fase-Terra, 0,5, 1,0 kv Fase-Fase Suportabilidade a Surtos: IEC :2007, 2,5 kv modo comum/pico, 1,0 kv modo diferencial/pico IEEE C , 2,5 kv oscilante, 4,0 kv transitório rápido Ambientais Frio: IEC :2007 [EN :2007], Test Ad; ºC Calor Seco: IEC :2007 [EN :2007], Test Bd: Calor seco, ºC Calor Úmido, Cíclico: IEC :2005, Test Db: 25º a 55ºC, 6 ciclos (ciclo de horas), 95% de umidade Penetração de Objetos: IEC 60529:2001, IP30 Resistência à Vibração: IEC :1988, Classe 1 IEC :1988, Classe 1 IEC :1993, Classe 2 Resistência a Choques: IEC :1988, Classe 1 IEC :1988, Classe 1 IEC :1993, Classe 2 Sísmico (Resposta à Trepidação): IEC :1988, Classe 1 IEC ;1988, Classe 1 IEC :1993, Classe 2 Segurança Suportabilidade Dielétrica: IEC :2000, IEEE C , Vac nas entradas e saídas de controle, e entradas analógicas por 1 minuto; Vdc na fonte de alimentação por 1 minuto Impulso: IEC :2000, 0,5 J, 5 kv Imunidade a Surtos / Resistência da Isolação: IEC :2000, 500 V > 1 minuto, Resistência 10 MΩ 100 MΩ 0,5, 1,0, 2,0 kv Fase-Terra, 0,5, 1,0 kv Fase-Fase Segurança dos Produtos LED Classe 1 (Cartão Ethernet opcional): IEC :2007, ANSI Z , Classe 1 Certificações Emissões: EN 50263:1999 ISO: O relé é projetado e fabricado de acordo com o programa de certificado de qualidade ISO-9001:2000. Segurança do Produto: IEC :1988 [EN :1994] Funções para Emissão de Relatórios Dados de Alta Resolução Taxa: Formato de Saída: amostras por segundo amostras por segundo amostras por segundo amostras por segundo COMTRADE Binário Nota: Conforme IEEE Standard Common Format for Transient Data Exchange (COMTRADE) for Power Systems, IEEE C Relatórios de Evento Armazenamento: Duração Máxima: Resolução: Sumário do Evento Armazenamento: Histórico do Disjuntor Armazenamento: 35 eventos de 1/4 de segundo ou 24 eventos de 1/2 segundo Cinco registros de 24 segundos cada com amostras por segundo 8 ou 4 amostras por ciclo 100 sumários 128 históricos Registrador Sequencial de Eventos Armazenamento: Elementos de Disparo ( Triggers ): entradas 250 elementos do relé Especificações de Processamento Entradas de Corrente e Tensão AC amostras por segundo, filtro analógico passa-baixas de 3 db com frequência de corte de Hz. Filtragem Digital Filtros coseno de um ciclo e Fourier de meio ciclo após filtragem digital e analógica passa-baixas. Processamento de Proteção e Controle 8 vezes por ciclo do sistema de potência Sincrofasores Taxa máxima de dados em mensagens por segundo Protocolo IEEE C37.118: Protocolo SEL Fast Message: 60 (sistema nominal 60 Hz) 50 (sistema nominal 50 Hz) 20 (sistema nominal 60 Hz) 10 (sistema nominal 50 Hz)

36 36 Pontos de Controle 32 bits remotos 32 bits de controle local 32 bits de selo ( latch bits ) nas lógicas de proteção 32 bits de selo ( latch bits ) nas lógicas de automação Precisões e Faixas de Pickup dos Elementos do Relé Elementos de Distância de Fase Tipo Mho Alcance das Impedâncias das Zonas 1-5 Faixa de Ajuste Sensibilidade Precisão (Regime): OFF, 0,05 a 64 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,25 a 320 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω 0,5 A f-f secundário 0,1 A f-f secundário (A sensibilidade mínima é controlada, para cada zona, pelo pickup dos elementos de supervisão de sobrecorrente fase-fase.) ±3% do ajuste no ângulo da linha para SIR (relação da impedância da fonte pela da linha) < 30 ±5% do ajuste no ângulo da linha para 30 SIR 60 Sobrealcance Transitório / Zona 1: < 5% do ajuste mais precisão em regime Tempo Máximo de Operação do SEL-421-5: Tempo Máximo de Operação do SEL-421-4: 0,8 ciclo a 70% do alcance e SIR=1 1,5 ciclo a 70% do alcance e SIR=1 Elementos de Distância de Fase Quadrilateral Alcance das Impedâncias das Zonas 1-5 Alcance da Reatância Quadrilateral Alcance da Resistência Quadrilateral Sensibilidade Precisão (Regime): Sobrealcance Transitório: OFF, 0,05 a 64 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,25 a 320 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,05 a 50 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,25 a 250 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω 0,5 A secundário 0,1 A secundário ±3% do ajuste no ângulo da linha para SIR < 30 ±5% do ajuste no ângulo da linha para 30 SIR 60 < 5% do ajuste mais precisão em regime Elementos de Distância de Terra Tipo Mho Alcance das Impedâncias das Zonas 1-5 Alcance do Elemento Mho Sensibilidade Precisão (Regime): OFF, 0,05 a 64 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,25 a 320 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω 0,5 A secundário 0,1 A secundário (A sensibilidade mínima é controlada, para cada zona, pelo pickup dos elementos de supervisão de sobrecorrente de fase e residual.) ±3% do ajuste no ângulo da linha para SIR < 30 ±5% do ajuste no ângulo da linha para 30 SIR 60 Sobrealcance Transitório / Zona 1: < 5% do ajuste mais precisão em regime Tempo Máximo de Operação do SEL-421-5: Tempo Máximo de Operação do SEL-421-4: 0,8 ciclo a 70% do alcance e SIR=1 1,5 ciclo a 70% do alcance e SIR=1 Elementos de Distância de Terra Quadrilateral Alcance das Impedâncias das Zonas 1-5 Alcance da Reatância Quadrilateral Alcance da Resistência Quadrilateral Sensibilidade Precisão (Regime): Sobrealcance Transitório: OFF, 0,05 a 64 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,25 a 320 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,05 a 50 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω OFF, 0,25 a 250 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω 0,5 A secundário 0,1 A secundário (A sensibilidade mínima é controlada, para cada zona, pelo pickup dos elementos de supervisão de sobrecorrente de fase e residual.) ±3% do ajuste no ângulo da linha para SIR < 30 ±5% do ajuste no ângulo da linha para 30 SIR 60 < 5% do ajuste mais precisão em regime

37 37 Elementos de Sobrecorrente Instantâneo/Tempo-Definido Fase, Terra Residual e Sequência-Negativa Faixa de Pickup Precisão (Regime) Sobrealcance Transitório: Temporizações: Precisão dos Temporizadores: Tempo Máximo de Operação: OFF, 0,25 100,0 A secundários, degraus de 0,01 A OFF, 0,05 20,0 A secundários, degraus de 0,01 A ±0,05 A mais ±3% do ajuste ±0,01 A mais ±3% do ajuste < 5% do pickup 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo ±0,125 ciclo mais ±0,1% do ajuste 1,5 ciclo Elementos de Sobrecorrente Temporizados Faixa de Pickup Precisão (Regime) Faixa do Dial de Tempo US: IEC: Precisão das Curvas de Temporização: Reset: 0,25 16,0 A secundários, degraus de 0,01 A 0,05 3,2 A secundários, degraus de 0,01 A Elementos Direcionais de Terra ±0,05 A mais ±3% do ajuste ±0,01 A mais ±3% do ajuste 0,50 15,00, degraus de 0,01 0,05 1,00, degraus de 0,01 ±1,50 ciclo mais ±4% do tempo da curva (para correntes entre 2 e 30 múltiplos do pickup) 1 ciclo de potência ou tempo de Emulação de Reset Eletromecânico Valor Limite da Impedância Direcional de Sequência- Negativa (Z2F, Z2R) 64 a 64 Ω 320 a 320 Ω Valor Limite da Impedância Direcional de Sequência-Zero (Z0F, Z0R) 64 a 64 Ω 320 a 320 Ω Pickup do Sobrecorrente de Supervisão 50FP, 50RP 0,25 a 5,00 A 3I0 secundários 0,25 a 5,00 A 3I2 secundários 0,05 a 1,00 A 3I0 secundários 0,05 a 1,00 A 3I2 secundários Elementos de Subtensão e Sobretensão Faixas de Pickup Elementos de Fase: V sec., degraus de 1 V Elementos Fase-Fase: V sec., degraus de 0,1 V Precisão (Regime): Sobrealcance Transitório: ±1 V mais ±5% do ajuste < 5% do pickup Elementos de Subfrequência e Sobrefrequência Faixas de Pickup: Precisão (Regime + Transitório): Tempo Máximo de Pickup/Dropout: 40,01 69,99 Hz, degraus de 0,01 Hz 0,005 Hz para frequências entre 40,00 e 70,00 Hz 3,0 ciclos Faixa da Temporização: 0,04 400,00 s, incrementos de 0,01 s Precisão da Temporização: Faixa de Pickup, Bloqueio por Subtensão: Precisão do Pickup, Bloqueio por Subtensão: ±0,1% ± 0,0042 s 25,00 300,00 V LN (Estrela) ±2% ± 2 V Elementos de RTDs Opcionais (Modelos Compatíveis com o Módulo de RTDs SEL-2600A) 12 Entradas de RTD via Módulo de RTD SEL-2600 e Transceptor de Fibra Óptica SEL-2800 Monitor da Temperatura Ambiente ou Outras Temperaturas Compatível com os RTDs do Tipo PT 100, NI 100, NI 120 e CU 10, Selecionáveis no Campo Até 500 m de Cabo de Fibra Óptica para o Módulo de RTDs SEL-2600 Sobrecorrente Instantâneo da Função de Falha do Disjuntor Faixa de Ajuste Precisão Sobrealcance Transitório: Tempo Máx. de Pickup: Tempo Máx. de Reset: 0,5 50,0 A, degraus de 0,01 A 0,1 10,0 A, degraus de 0,01 A ±0,05 A mais ±3% do ajuste ±0,01 A mais ±3% do ajuste < 5% do ajuste 1,5 ciclo 1 ciclo Faixa de Ajuste dos Temporizadores: ciclos, degraus de 0,125 ciclo (Todos exceto BFIDOn, BFISPn) Precisão da Temporização: ciclos, degraus de 0,125 ciclo (BFIDOn, BFISPn) 0,125 ciclo mais ±0,1% do ajuste

38 38 Elementos de Check de Sincronismo Faixa de Pickup da Frequência de Escorregamento: Precisão do Pickup da Frequência de Escorregamento: 0,005 0,500 Hz, degraus de 0,001 Hz ±0,0025 Hz mais ±2% do ajuste Faixa do Ângulo de Fechamento: 3º 80, degraus de 1 Precisão do Ângulo de Fechamento: ±3 Detecção de Load-Encroachment Faixa de Ajuste Ângulo de Carga à frente : -90º a +90º 0,05 64 Ω secundários, degraus de 0,01 Ω 0, Ω secundários, degraus de 0,01 Ω Ângulo de Carga dir. reversa : +90º a +270º Precisão Medição de Impedância: ±3% Medição do Ângulo: ±2º Elementos de Perda de Sincronismo Blinders (R1) Paralelos ao Ângulo da Linha 0,05 a 70 Ω secundários -0,05 a -70 Ω secundários 0,25 a 350 Ω secundários -0,25 a -350 Ω secundários Blinders (X1) Perpendiculares ao Ângulo da Linha Precisão (Regime) Sobrealcance Transitório: 0,05 a 96 Ω secundários -0,05 a -96 Ω secundários 0,25 a 480 Ω secundários -0,25 a -480 Ω secundários ±5% do ajuste mais ±0,01 A para SIR (relação da impedância da fonte pela da linha) < 30 ±10% do ajuste mais ±0,01 A para 30 SIR 60 ±5% do ajuste mais ±0,05 A para SIR (relação da impedância da fonte pela da linha) < 30 ±10% do ajuste mais ±0,05 A para 30 SIR 60 < 5% do ajuste mais precisão em regime Supervisão de Sobrecorrente de Sequência-Positiva Faixa de Ajuste 1,0 100,0 A, degraus de 0,01 A 0,2 20,0 A, degraus de 0,01 A Precisão Sobrealcance Transitório: Controle do Bay ±3% do ajuste mais ±0,05 A ±3% do ajuste mais ±0,01 A < 5% do ajuste Disjuntores: 2 (controle), indicação de um 3º Chaves Seccionadoras (Isoladoras): Faixa de Ajuste dos Temporizadores: Precisão dos Temporizadores: 10 (máximo) ciclos, degraus de 1 ciclo ±0,1% do ajuste, ±0,125 ciclo Especificações dos Temporizadores Faixas de Ajuste Falha do Disjuntor: Esquemas de Abertura por Teleproteção: ciclos, degraus de 0,125 ciclo (Todos exceto BFIDOn, BFISPn) ciclos, degraus de 0,125 ciclo (BFIDOn, BFISPn) 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo Temporizadores da Função de Perda de Sincronismo OSBD, OSTD: UBD: Temporizador de Pólo Aberto: Religador: Chaveamento Sobre Falta CLOEND, 52AEND: SOTFD: 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo 0,00 60 ciclos, degraus de 0,125 ciclo ciclos, degraus de 1 ciclo OFF, 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo Temporizadores de Check de Sincronismo TCLSBK1, TCLSBK2: Temporização das Zonas: 1,00 30,00 ciclos, degraus de 0,25 ciclo 0, ciclos, degraus de 0,125 ciclo

39 39 Especificações do Monitor do Sistema de Baterias DC da Subestação Faixa de Operação: Taxa de Amostragem das Entradas: Vdc 2 khz DC1: 2 khz DC2: 1 khz Taxa de Processamento: 1/8 de ciclo Tempo Máximo de Operação: Faixa de Ajuste Ajustes DC: Ajuste de Ripple (Ondulação) AC: Precisão Precisão do Pickup: Precisão da Medição 1,5 ciclo Vdc, degraus de 1 Vdc Vac, degraus de 1 Vac ±3% mais ± 2 Vdc (Todos os elementos exceto DC1RP e DC2RP) ±10% mais ± 2 Vac (DC1RP e DC2RP) Todas as precisões das medições são para 20ºC e frequência nominal, a menos que haja observações diferentes. Correntes Magnitude das Correntes de Fase Ângulo das Correntes de Fase Todos os Modelos: ±0,2% mais ± 4 ma (2,5 15 A sec.) ±0,2% mais ± 0,8 ma (0,5 3 A sec.) ±0,2 na faixa de corrente 0,5 I NOM a 3,0 I NOM Magnitude das Correntes de Sequência ±0,3% mais ± 4 ma (2,5 15 A sec.) ±0,3% mais ± 0,8 ma (0,5 3 A sec.) Ângulo das Correntes de Sequência Todos os Modelos: Tensões ±0,3 na faixa de corrente 0,5 I NOM a 3,0 I NOM Potência e Energia Potência Ativa, P (MW), Trifásica Para 0,1 I NOM Fator de potência unitário: ±0,4% Fator de potência 0,5 atrasado, 0,5 adiantado: ±0,7% Para 1,0 I NOM Fator de potência unitário: ±0,4% Fator de potência 0,5 atrasado, 0,5 adiantado: ±0,4% Potência Reativa, Q (MVAR), Trifásica Para 0,1 I NOM Fator de potência 0,5 atrasado, 0,5 adiantado: ±0,5% Para 1,0 I NOM Fator de potência 0,5 atrasado, 0,5 adiantado: ±0,4% Energia (MWh), Trifásica Para 0,1 I NOM Fator de potência unitário: ±0,5% Fator de potência 0,5 atrasado, 0,5 adiantado: ±0,7% Para 1,0 I NOM Fator de potência unitário: ±0,4% Fator de potência 0,5 atrasado, 0,5 adiantado: ±0,4% Sincrofasores Ver Accuracy na página R.7.5 do Manual de Instrução para detalhes e exclusões dos testes. TVE ( Total Vector Error Erro Total do Vetor): 1 % Faixa de Frequência: Faixa de Tensão: Faixa de Corrente: ±5 Hz da nominal (50 ou 60 Hz) 30 V 150 V (0,1 2) I NOM (I NOM = 1 A ou 5 A) Faixa do Ângulo de Fase: -179,99º a 180 Protocolo: IEEE C ou SEL Fast Message Magnitude das Tensões de Fase e Fase-Fase: Ângulo das Tensões de Fase e Fase-Fase: Magnitude das Tensões de Sequência: Ângulo das Tensões de Sequência: Frequência (Entrada Hz) ±0,1% (33,5 200 V L-N) ±0,05 (33,5 200 V L-N) ±0,15% (33,5 200 V L-N) ±0,1 (33,5 200 V L-N) Precisão: ±0,01 Hz

40 40 Notas

41 41 Notas por Todos os direitos reservados. Todos os nomes das marcas ou produtos que aparecem neste documento são marcas comerciais ou marcas comerciais registradas de seus respectivos proprietários. Nenhuma marca comercial da SEL pode ser usada sem permissão por escrito. Os produtos SEL que aparecem neste documento podem estar protegidos por patentes dos EUA e de outros países. A reserva todos os direitos e benefícios fornecidos pelas leis federais e internacionais de patentes e direitos autorais em relação aos seus produtos, incluindo sem limitações o software, firmware e documentação. As informações deste catálogo são fornecidas somente para uso informativo e estão sujeitas a serem alteradas sem prévia notificação. O catálogo em língua inglesa é o único aprovado pela Este produto está protegido pela garantia padrão de dez anos dos produtos SEL. Para detalhes da garantia, visite ou contate o seu representante de atendimento ao cliente. Código de Data _POR SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA Rodovia Campinas-Mogi Mirim, Km 118,5 - Prédio 11 Campinas SP CEP: Tel: (19) Fax: (19) Internet: SUPORTE TÉCNICO SEL HOT LINE Tel: (19)

Sistema de Proteção e Automação SEL-421 Sistema de Proteção, Controle e Automação de Linhas de Alta Velocidade

Sistema de Proteção e Automação SEL-421 Sistema de Proteção, Controle e Automação de Linhas de Alta Velocidade Sistema de Proteção e Automação SEL-421 Sistema de Proteção, Controle e Automação de Linhas de Alta Velocidade Características e Benefícios Principais O Sistema de Proteção, Controle e Automação SEL-421

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Sistema de Proteção Diferencial de Corrente e Automação de Linhas SEL- 311L

Sistema de Proteção Diferencial de Corrente e Automação de Linhas SEL- 311L Sistema de Proteção Diferencial de Corrente e Automação de Linhas SEL- 311L Relés Diferenciais com Restrição no Plano Alfa Propiciam Maior Sensibilidade, Segurança e Velocidade Características e Benefícios

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Relé SEL-487B Sistema de Automação, Controle e Proteção de Barramentos e Falha de Disjuntor

Relé SEL-487B Sistema de Automação, Controle e Proteção de Barramentos e Falha de Disjuntor Relé SEL-487B Sistema de Automação, Controle e Proteção de Barramentos e Falha de Disjuntor O Relé SEL-487B fornece proteção diferencial de barras por corrente, proteção de falha de disjuntor e proteção

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Relé de Proteção de Alimentadores SEL-751A

Relé de Proteção de Alimentadores SEL-751A Relé de Proteção de Alimentadores SEL-751A Características e Benefícios Principais O Relé de Proteção de Alimentadores SEL-751A fornece uma excelente combinação de funções de proteção, monitoramento, controle

Leia mais

Relé de Proteção de Tensão e Diferencial de Corrente SEL-387E

Relé de Proteção de Tensão e Diferencial de Corrente SEL-387E Relé de Proteção de Tensão e Diferencial de Corrente SEL-387E Solução Versátil para Proteção de Equipamentos de Potência Características e Benefícios Principais O possui três entradas de tensão de fase

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Guia de Especificação do SEL POWERMAX

Guia de Especificação do SEL POWERMAX Guia de Especificação do SEL POWERMAX O Sistema de Controle e Gerenciamento de Energia da SEL, SEL POWERMAX, é projetado especificamente para consumidores industriais com geração local e/ou montante significativo

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema.

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema. Kyle Distribution Switchgear...a proteção que faltava para seu sistema. Confiabilidade do Sistema Além das Expectativas Complete o quebra-cabeças do seu sistema de proteção com o Relé para Religador Form

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Karl Zimmerman Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Belleville, IL USA RESUMO Avanços na tecnologia usando microprocessadores têm resultado em

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Monitoramento do banco de baterias utilizando LEDs tricolores e mensagens no display Rafael Cardoso 1. INTRODUÇÃO: Os atuais relés de proteção incorporam diversas funções de controle, medição e monitoramento,

Leia mais

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Will Allen e Tony Lee, Schweitzer Engineering Laboratories Resumo Os sistemas de rejeição de cargas industriais devem

Leia mais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Rafael Cardoso 1. OBJETIVO: Este guia de aplicação tem o objetivo de apresentar uma importante ferramenta disponível

Leia mais

Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040

Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 MD4040 MD4040/TC Análise de metas e rateio de custos de energia; Leituras instantâneas em amplo display digital; Indicação de tensão de fase e tensão de linha;

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

RL131. Relé Multifunção para Proteção e Controle de Alimentador. Características Técnicas

RL131. Relé Multifunção para Proteção e Controle de Alimentador. Características Técnicas RL131 Relé Multifunção para Proteção e Controle de Alimentador Características Técnicas APLICAÇÃO Proteção completa para alimentadores e proteção retaguarda para motores, geradores e transformadores. O

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA.

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA. SISTEMAS DE DETECÇÃO PERIMETRAL MAIS INTELIGENTES MicroPoint II Sistema de Detecção em Cercas MicroTrack II Sistema de Detecção de Cabo Enterrado MicroWave 330 Barreira de Microondas Digital PROTEÇÃO PERIMETRAL

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Controlador de Automação Programável Discreta SEL-2440

Controlador de Automação Programável Discreta SEL-2440 Controlador de Automação Programável Discreta SEL-2440 Sistema Completo para Controle e Monitoramento Características e Benefícios Principais I/Os Rápidas e Avançadas Utilize uma combinação compacta e

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP PROCESSO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS TERMO DE REFERÊNCIA 005/2011 - DOP AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES; RELÉS MULTIFUNCIONAIS

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

Controle e proteção de alimentadores REF615 Guia do Produto

Controle e proteção de alimentadores REF615 Guia do Produto Guia do Produto Conteúdo 1. Descrição...3 2. Configurações padrão...3 3. Funções de proteção...7 4. Aplicações...9 5. Controle...12 6. Medição...12 7. Registrador de perturbações...13 8. Registro de eventos...13

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: Schneider Modelo: SEPAM T87 Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Ferramenta Utilizada: CE-6006

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S.

Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S. Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança S e e V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S w h a t ' s p o s s i b l e n o w... Simplicidade e Elegância Configuração

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

MD4040. Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 MD4040/TC

MD4040. Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 MD4040/TC Multimedidor de Grandezas Elétricas / Análise de metas e rateio de custos de energia Leituras instantâneas em amplo display digital Indicação de tensão de fase e tensão de linha Comunicação via porta RS485

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, BRASIL LTDA

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, BRASIL LTDA UMA NOVA ABORDAGEM DA PROTEÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO por Edmund O. Schweitzer III Gary W. Scheer Mark W. Feltis SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, INC. Apresentado perante o Segundo Simpósio Internacional

Leia mais

Micro Controladores Programáveis

Micro Controladores Programáveis Micro Controladores Programáveis Transformando energia em soluções Os Micro Controladores Programáveis linha Clic WEG, caracterizam-se pelo seu tamanho compacto, fácil programação e excelente custo-benefício.

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK

SINUS DOUBLE II BLACK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e registro de eventos Intertravamentos de segurança Série

Leia mais

Relé de Geradores SEL-300G

Relé de Geradores SEL-300G Relé de Geradores SEL-300G O Relé de Proteção de Geradores SEL-300G é um relé multifunção, completo, projetado para proteção primária e/ou de retaguarda de máquinas síncronas de pequeno, médio ou grande

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

Parametrização do relé SEL-849 Usando Lógica de Ajuste de Fábrica e Dados de Placa do Motor

Parametrização do relé SEL-849 Usando Lógica de Ajuste de Fábrica e Dados de Placa do Motor Parametrização do relé SEL-849 Usando Lógica de Ajuste de Fábrica e Dados de Placa do Motor Alan Saldivar INTRODUÇÃO O Relé Inteligente SEL-849 oferece proteção de sobrecarga para motores de baixa tensão

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento SEL-734

Sistema de Medição de Faturamento SEL-734 Sistema de Medição de Faturamento SEL-734 O Medidor SEL-734 combina funções abrangentes de medição de faturamento com recursos avançados de análise e monitoração da qualidade de energia. Características,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Características operacionais Equipamento padrão Confiabilidade Elevada disponibilidade Facilidades da tecnologia digital

Leia mais

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 Importantes informações de segurança estão contidas na seção de manutenção. Familiarize se com estas informações antes de instalar ou outros procedimentos.

Leia mais

LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO

LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO AUTOR Henrique Florido Filho Redes 2012 1 Visão da empresa Empresa Brasileira Fundada em 1968 (45 anos), dedica-se ao projeto, fabricação

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para compra

Descrição do Produto. Dados para compra Descrição do Produto A funcionalidade e versatilidade da linha de Inversores de Freqüência NXL da Altus fazem dela a solução ideal para as mais diversas aplicações. Visa atingir motores com menores potências

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

RL123. Relé Multifunção para Proteção e Controle de Gerador. Características Técnicas

RL123. Relé Multifunção para Proteção e Controle de Gerador. Características Técnicas RL123 Relé Multifunção para Proteção e Controle de Gerador Características Técnicas APLICAÇÃO Proteção primária ou retaguarda para geradores síncronos e assíncronos. O RL123 é a solução avançada em interoperabilidade

Leia mais

Uso de Mensagens Analógicas GOOSE para Controle de Tapes em Transformadores Operando em Paralelo. Brasil, Suécia

Uso de Mensagens Analógicas GOOSE para Controle de Tapes em Transformadores Operando em Paralelo. Brasil, Suécia Uso de Mensagens Analógicas GOOSE para Controle de Tapes em Transformadores Operando em Paralelo Luis Fabiano dos Santos* ABB Zoran Gajic ABB Brasil, Suécia RESUMO A introdução da Norma IEC61850 para automação

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais