Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido"

Transcrição

1 Produtos de Média Tensão Is-limiter Limitador de corrente extra rápido

2 Is-limiter O limitador de corrente extra rápido reduz os custos das instalações resolve problemas de curto-circuito em instalações novas e em instalações ampliadas a melhor solução para a ligação entre quadros e sistemas eléctricos na maioria dos casos é a única solução técnica testado e comprovado em milhares de instalações utilizado em todo o mundo a corrente máxima assimétrica de curto-circuito nunca é atingida a corrente de curto-circuito é limitada durante o primeiro quarto de ciclo. 2 Is-limiter

3 Correntes de curto-circuito muito elevadas? Esquema unifilar geral de uma instalação com I K = 31.5 ka e com um limitador I S Corrente i = i 1 + i 2 no local do curto-cicuito O Is-limiter é um equipamento de interrupção com tempo de funcionamento extremamente rápido que resolve o problema. Assumindo que há um curto-circuito a jusante do disjuntor, o gráfico acima indica o comportamento das correntes de curto-circuito na primeira meia-onda. Uma corrente de 31,5 ka poderia fluir através de cada transformador para o ponto de falta. Isto resultaria em um total de 63 ka que seria o dobro da capacidade suportável pela instalação. O comportamento da corrente (i 2 ) que circula pelo limitador I S e que foi demonstrado em inúmeros testes de curto-circuito é aquele apresentado acima. É visível que a corrente i 2 que circula pelo Is-limiteré limitada de forma tão rápida que não contribui para o valor máximo da corrente de curto-circuito i 1 + i 2 no local do curto-circuito. Assim, a instalação não é submetida a uma corrente superior à corrente permitida. Is-limiter 3

4 Is-limiter Perguntas e respostas sobre o Is-limiter Devido à corrente máxima assimétrica de curto-circuito, a instalação elétrica é sujeita a esforços mecânicos gerados por forças magnéticas I k I k I k I k Devido a duração da corrente de curto-circuito a instalação é submetida a esforços térmicos 1. O que é valor de crista da corrente de curto-circuito? É o valor de pico do primeiro ciclo da corrente assimétrica de curto-circuito. 3. Como é que instalações dimensionadas apenas para 2 x I k podem ser operadas com quatro transformadores sem risco de sobrecarga e sem perdas? Instalando um limitador I S entre as secções 1-2 e 3-4 do barramento. Esta é apenas uma das muitas possibilidades para a utilização de um limitador I S. Mais exemplos na página Porque é necessário limitar a corrente máxima assimétrica de curto-circuito? Porque, caso contrário, as instalações, os interruptores, os transformadores de corrente, os cabos, etc. dimensionados de forma insuficiente seriam destruídos pelo efeito dinâmico da corrente. 4. Como funciona o Is-limiter? O Is-limiter é constituído por dois condutores paralelos. O condutor principal conduz a corrente de serviço elevada (até A). Após a atuação das unidades limitadoras, o fusível em paralelo limita a corrente de curto-circuito durante o crescimento da corrente (em menos de 1 ms) x k I 2 x k I 3 x k I 4 x k I I k Transformadores: Trafos: 1 t Is-limiter

5 Transformador de corrente (detecta a corrente de curto-circuito) 2. Dispositivo de medição e disparo (mede a corrente e fornece a energia de disparo) 3. Transformador de impulsos (converte o impulso de disparo para o atuador) 4. Unidade limitadora (conduz a corrente de serviço e limita a corrente de curto-circuito) 5. Como é que o condutor principal é interrompido em menos de um milésimo de segundo? Os equipamentos de interrupção com mecanismos baseados em energia mecânica acumulada não operam em tempos tão reduzidos. Para isto, o Is-limiter utiliza um atuador químico eletronicamente disparado. 7. As unidades de disparo do Is-limiter podem ser recondicionadas após interrupção de um curto-circuito? Sim! Podem ser recondicionadas na fábrica. Os custos são baixos. O condutor principal aberto, o fusível paralelo e o atuador são substituídos. Todas as peças restantes podem ser reutilizadas. 6. Que sobretensões ocorrem em consequência da interrupção brusca da corrente? O condutor principal é bruscamente interrompido mas não todo o trajeto da corrente. Após o corte do condutor principal, a corrente circula pelo fusível, que interrompe a corrente. A sobretensão que ocorre quando da interrupção pelo fusível é consideravelmente inferior aos valores permitidos, estabelecidos de acordo com a norma IEC /VDE 0670 Parte O Is-limiter atua sempre que há um curto-circuito? Não! O Is-limiter só atua quando os valores de corrente podem danificar a instalação. As correntes de curtocircuito que não provocam danos são interrompidas pelos disjuntores. Corrente de curto-circuito limitada pelo elemento fusível. t Is-limiter 5

6 A taxa de subida da corrente ( ) di dt - é elevada quando a corrente de curto-circuito é elevada - é reduzida quando a corrente de curto-circuito é baixa 9. Como é que o Is-limiter distingue os defeitos com pequenos e grandes valores de corrente de curto-circuito? O dispositivo de medição e disparo do Is-limiter detecta o valor instantâneo da corrente e a taxa de subida da corrente. O Is-limiter só atua quando se ultrapassam os valores nominais definidos. 11. Com que frequência é que um Is-limiter atua? A experiência mostra que um Is-limiter atua, em média, uma vez a cada quatro anos, considerando Is-limiter em serviço. 10. Que experiência existe de operação de Is-limiter? Desde que a ABB Calor Emag inventou o Is-limiter, em 1955, vários milhares de dispositivos foram utilizados com êxito em sistemas de corrente contínua, sistemas de corrente alternada e, nomeadamente, em sistemas trifásicos. Contamos com 45 anos de boa experiência de operação a nível mundial. Cada vez mais clientes escolhem o Is-limiter quando precisam limitar com segurança, correntes de curto-circuito elevadas e construir ou ampliar, de forma econômica, sistemas elétricos e redes de distribuição. 12. Que correntes o Is-limiter consegue interromper? Os testes efetuados pelo KEMA determinaram até o momento: 12 kv 210 ka RMS 17,5 kv 210 ka RMS 24 kv 140 ka RMS 36/40.5 kv 140 ka RMS O funcionamento e as aplicações do Is-limiter são explicadas nas páginas seguintes através de inúmeros exemplos. Discuta conosco os seus problemas de curto-circuito. Encontramos sempre uma solução comercialmente interessante e tecnicamente viável com o Is-limiter. 6 Is-limiter

7 Is-limiter A função do Is-limiter Is-limiter ligado em paralelo com uma reatância montagem fixa A crescente procura de energia a nível mundial requer transformadores e geradores mais potentes ou suplementares, e uma ligação mais forte entre as redes de distribuição individuais. Essa circunstância pode levar a correntes de curto-circuito com valores superiores aos permitidos para o equipamento, destruindo assim por efeito dinâmico ou térmico, partes do equipamento. Na maioria dos casos, a substituição dos painéis elétricos e cabos existentes, por equipamento novo que suporte os novos valores de corrente de curto-circuito é tecnicamente inviável. A utilização de Is-limiter reduz a corrente de curto-circuito em sistemas novos e ampliações de sistemas existentes, diminuindo os custos. Os disjuntores não proporcionam qualquer proteção contra correntes máximas assimétricas de curto-circuito excessivamente elevadas porque são muito lentos. Somente o Is-limiter é capaz de detectar e limitar uma corrente de curto-circuito na primeira elevação, ou seja, em menos de 1 ms. O valor instantâneo máximo de corrente que ocorre mantém-se muito abaixo do valor da corrente máxima assimétrica de curtocircuito. Comparativamente com as soluções convencionais complexas, o Is-limiter apresenta vantagens técnicas e econômicas quando utilizado na alimentação dos transformadores ou geradores, em ligações dos quadros elétricos e ligado em paralelo com reatâncias. O Is-limiter é, em todos os níveis, o equipamento de interrupção adequado para resolver os problemas de curto-circuito de painéis elétricos e instalações em centrais elétricas, na indústria e em empresas produtoras e distribuidoras de energia. Is-limiter 7

8 Is-limiter Estrutura Figura 1: Suporte de unidade limitadora do Is-limiter com unidade limitadora para 12 kv, 2000 A. 1 Placa de base 2 Isolador 3 Cabeça de polo com dispositivo de fixação 4 Fusível 5 Contato telescópico 6 Isolador com transformador de impulsos Figura 2: Unidade limitadora do Is-limiter 4 Fusível 7 Indicador de fusível 8 Tubo isolador 9 Ponte fulminante 10 Detonador 11 Indicador do condutor principal 12 Elemento fusível Os Is-limiter para sistemas trifásicos são basicamente constituídos por: três suportes da unidade limitadora do Is-limiter, três unidades limitadoras do Is-limiter, três transformadores de corrente de disparo, um dispositivo de medição e disparo. Suportes das unidades limitadoras do Is-limiter Os suportes das unidades limitadoras são constituídos por: placa de base 1, isolador 2, isolador com transformador de impulsos 6 e contato telescópico 5, cabeças de polo com dispositivo de fixação 3 para a recepção da unidade limitadora do Is-limiter. A operação do dispositivo de fixação é feita com duas alavancas. Só no suporte das unidades limitadoras para 12 kv/17.5 kv, I N 2500 A é que as unidades limitadoras são fixas com duas cavilhas roscadas. Transformador de impulsos A localização do transformador de impulsos depende da tensão nominal: para 17.5 kv, só no isolador inferior 6, para 24/36 kv, nos isoladores superiores e inferiores. O transformador de impulsos transmite o impulso de disparo do dispositivo de disparo (Figura 3) ao disparador 10 na unidade limitadora do Is-limiter e, ao mesmo tempo, garante o isolamento elétrico entre o dispositivo de disparo e o disparador. Unidade limitadora do Is-limiter A unidade limitadora do Is-limiter é o próprio elemento de interrupção. Num tubo isolador 8, a unidade limitadora contém o condutor principal, concebido como uma ponte condutora 9, que contém por sua vez, um disparador 10. Em caso de disparo, este é atuado e o condutor principal é seccionado. 8 Is-limiter

9 Largura (L) : 600 mm Altura (A) : 1450 mm Profundidade (L) : 300 mm Peso : 100 kg Figura 3: Dispositivo de medição e disparo. A corrente comuta para o fusível paralelo de alta capacidade de ruptura 4. O elemento fusível 12 de alta capacidade de interrupção, limitando assim o subsequente crescimento da corrente. A corrente é interrompida na passagem seguinte da tensão por zero. Transformador de corrente de disparo Os transformadores de corrente de disparo servem para medir a corrente que circula pelo Is-limiter. Encontram-se diretamente associados com o Is-limiter. O transformador de corrente do Is-limiter é exteriormente igual a um transformador de corrente convencional, existindo em dois modelos, de suporte ou de entrada. Possui as seguintes características: um fator de sobrecorrente elevado, um núcleo de ferro com entreferro para manter baixa a indução remanescente, uma blindagem de baixa impedância entre o enrolamento primário e o enrolamento secundário. Dispositivo de medição e disparo O dispositivo de medição e disparo está alojado num armário de controle de aço (Figura 3) ou no compartimento de baixa tensão do painel do Is-limiter. Os grupos funcionais dentro do armário de controle ou do compartimento de baixa tensão estão combinados de modo a formar unidades substituíveis e encontram-se parcialmente montados em estruturas articuladas. O dispositivo de medição e disparo contém: uma unidade de alimentação para fornecer as tensões de corrente contínua auxiliares necessárias, um interruptor principal que permite ligar e desligar o sistema de disparo em qualquer momento, e também um módulo de monitoramento, uma unidade de disparo para cada fase, que monitora a corrente que circula na fase em questão e que, ao atuar, fornece a energia para operação do disparador na unidade limitadora do Is-limiter correspondente, uma unidade de sinalização com cinco relés auxiliares: um relé por fase para sinalização do disparo, um relé para monitoramento, um relé para monitoramento das tensões de alimentação, uma unidade anti-interferências para proteger as unidades de medição e disparo de interferências eletromagnéticas externas, que poderiam eventualmente causar avarias. Os condutores de ligação do dispositivo de medição e disparo para os transformadores de corrente, para os suportes das unidades limitadoras do Is-limiter e para a alimentação de tensão auxiliar passam pela unidade anti-interferências. Is-limiter 9

10 Is-limiter Funcionamento do Is-limiter G1 A2 A3 A4 F116 Q6 T1 Unidade de alimentação Unidades de disparo Unidade anti-inteferências Unidade de sinalização Mini-disjuntor para tensão de alimentação Is-limiter (suporte das unidades limitadoras e respectivas unidades) Transformador de disparo do Is-limiter Figura 4: Esquema de conexões do equipamento do limitador I S. O Is-limiter é constituído em princípio por um interruptor extremamente rápido, capaz de conduzir uma corrente nominal elevada mas tendo uma capacidade de corte baixa, e um fusível de alta capacidade de corte disposto em paralelo. Para conseguir o tempo curto de abertura desejado, é utilizado um pequeno detonador como acumulador de energia para abertura do interruptor (condutor principal). Depois de aberto o condutor principal, a corrente continua a circular pelo fusível paralelo, onde é limitada até 0.5 ms e finalmente interrompida na passagem seguinte da tensão por zero. A corrente que circula pelo Is-limiter é monitorada por um dispositivo eletronico de medição e disparo. Durante o crescimento do primeiro ciclo da corrente de curto-circuito, este dispositivo verifica se é necessário o disparo do Is-limiter. Para tomar esta decisão, a corrente instantânea e a taxa de crescimento da corrente no Is-limiter são constantemente medidas e avaliadas. Quando os respectivos valores nominais são atingidos ou ultrapassados simultâneamente, o Is-limiter dispara. As três fases trabalham de forma independente umas das outras. A condução sem perdas de uma corrente de serviço elevada por um lado e a limitação da corrente de curto-circuito no primeiro ciclo da corrente por outro são possíveis devido à distribuição destas duas funções do Is-limiter por dois condutores. Comparativamente aos reatores, o Is-limiter evita quedas de tensão limita corrente máxima assimétrica de curto-circuito. Unidade de alimentação Uma tensão contínua de 150 V gerada na unidade de alimentação é utilizada como a tensão de carga dos condensadores de disparo e como a tensão de alimentação dos componentes eletrônicos. Caso seja necessário, a tensão de alimentação é dividida e estabilizada dentro das unidades individuais. Um módulo de controle na unidade de alimentação monitora constantemente as funções mais importantes das três unidades de disparo. 10 Is-limiter

11 T1 T2 T3 L1 R1... R6 C1 Rs Rz Transformador de disparo do Is-limiter Transformador intermediário Transformador de impulsos Indutância de medição Resistências de ajuste Condensador de disparo Resistência de descarga Detonador Figura 5: Esquema de ligações de uma unidade de medição e disparo Unidade de disparo A corrente fornecida pelos transformadores de disparo para as fases correspondentes é monitorada nas unidades de disparo. As três unidades de disparo trabalham de forma independente umas das outras. A velocidade de subida da corrente e o valor instantâneo da corrente são utilizados como critérios para o disparo. Ambas as variáveis são convertidas em tensões proporcionais e transmitidas a um elemento eletrônico de medição através de portas lógicas. Esse elemento eletrônico emite um sinal de saída quando a velocidade de subida da corrente e o valor instantâneo da corrente tiverem ambos atingido simultâneamente o valor de resposta do elemento de medição. O sinal de saída proveniente do elemento de medição ativa então um tiristor, que descarrega um condensador através do transformador de impulsos instalado no suporte das unidades limitadoras para o detonador. Simultâneamente, esta descarga ativa o respectivo relé de sinalização, informando que o Is-limiter atuou. Is-limiter 11

12 Is-limiter Ensaio do Is-limiter Largura (L) : 600 mm Altura (A) : 1450 mm Profundidade (L) : 300 mm Peso : 100 kg Figura 6: 1 Suporte da unidade limitadora de ensaio do Is-limiter com unidade limitadora de ensaio 2 Unidade de teste 3 Equipamento de ensaio Tal como acontece com todos os outros dispositivos de proteção, os Is-limiter também devem ser verificados em intervalos regulares. Há kits especiais de ensaio disponíveis que podem ser executados pelo operador ou pela ABB AG. Estes kits de ensaio são constituídos por um equipamento de ensaio e por uma unidade limitadora de ensaio ou por uma unidade de teste e uma unidade limitadora de ensaio. A unidade de teste é utilizada para verificar as tensões e as funções do sistema de disparo. O equipamento de ensaio user friendly possibilita outros ensaios como a determinação das tensões de resposta dos elementos de medição, e o ensaio e ajuste dos módulos dos circuitos de medição. Durante o ensaio, a unidade limitadora do Is-limiter é substituída pela unidade limitadora de ensaio. A unidade limitadora de ensaio contém uma lâmpada de néon como indicador, que acende quando recebe um impulso de disparo. 12 Is-limiter

13 Is-limiter A linha de produtos Largura (L) : 600 mm Altura (A) : 1450 mm Profundidade (L) : 300 mm Peso : 100 kg A. Is-limiter fornecimento em partes e peças Neste caso, os suportes de unidades limitadoras, as unidades limitadoras e os transformadores de corrente de disparo são instalados num painel já existente O escopo de fornecimento geralmente inclui: - três suportes das unidades limitadoras - três unidades limitadoras - três transformadores de corrente de disparo - um dispositivo de medição e disparo (Figura 3) Características técnicas Tensão nominal V / Corrente nominal A ) ) ) ) ) ) Tensão máxima suportável á frequência industrial kv Tensão máxima de impulso atmosférico kv Corrente de curto-circuito nominal ka RMS até 140 até 210 até 210 até 210 até 210 até 140 até 140 Suporte de unidades Is-limiter kg / / / 31.5 / Unidade Is-limiter kg / / / 19.5 / Suporte de unidade Largura L mm limitadora com Altura A mm / / / 754 / unidade limitadora Profundidade P mm / / / 560 / ) Com ventilador de refrigeração. Frequência: 50/60 Hz. Para correntes nominais mais elevadas, os suportes das unidades limitadoras com as unidades limitadoras são conectados em paralelo. Is-limiter 13

14 Is-limiter B. Is-limiter montado em painel com unidade de limitação extraível Os Is-limiter também podem ser instalados em painel metálico. O conjunto móvel de extração com os três suportes das unidades limitadoras e as unidades limitadoras tem a função de um seccionador. Os três transformadores de corrente de disparo estão montados no conjunto móvel de extração e o dispositivo de medição e disparo está montado no compartimento de baixa tensão. C. Is-limiter montado de forma fixa num painel Os Is-limiter para baixa tensão, 12 kv, 17.5 kv e 24 kv também estão disponíveis como equipamento de montagem fixa num painel metálico. Os três suportes das unidades limitadoras com as respectivas unidades e os três transformadores de corrente de disparo estão montados de forma fixa no painel. Is-limiter em painel montado em conjunto móvel de extração. O dispositivo de medição e disparo está montado no compartimento de baixa tensão. O Is-limiter (montagem fixa) para 36 kv/40.5 kv é fornecido num painel metálico. O dispositivo de medição e disparo está instalado num armário separado construído em chapa de aço (Figura 3). As características elétricas de todos os Is-limiter montados de forma fixa são as mesmas dos outros Is-limiter. Dimensões e pesos sob consulta. Tensão nominal (kv) Corrente nominal (A) Tensão máxima suportável à frequência industrial (kv) Tensão máxima de impulso atmosférico (kv) Altura (mm) Dimensões Largura (mm) Profundidade (mm) Peso incluindo Is-limiter com armário de distribução montado sobre elementos móveis (kg) ) ) ) ) ) ) Com ventilador de refrigeração Para correntes nominais mais elevadas, os suportes das unidades limitadoras com as unidades limitadoras são conectados em paralelo. 14 Is-limiter

15 Is-limiter Aplicações Figura 9: Is-limiter numa secção do sistema Is-limiter em sistemas interligados Os Is-limiter são frequentemente utilizados em ligações entre quadros elétricos ou em secções de quadros elétricos que não suportariam as correntes de curto-circuito se fossem protegidos apenas por um disjuntor. Cada secção do quadro elétrico deverá ter pelo menos uma entrada de alimentação, de modo a poder manter a alimentação de cada secção do sistema após o disparo do Is-limiter (Figura 9). Há um grande número de vantagens para a operação em condições normais de secções do quadro elétrico ligadas, por Is-limiter: redução da impedância de rede em série. A queda de tensão resultante de elevações bruscas de carga (por exemplo, arranque de motores) pode ser significativamente reduzida. melhoria da distribuição da carga nos transformadores de alimentação. as perdas dependentes da carga dos transformadores de alimentação são reduzidas. aumento da segurança da alimentação. Em caso de avaria de um dos transformadores de alimentação, a carga é assumida pelos outros transformadores de alimentação sem interrupção da corrente. Economiza-se na aquisição de uma nova instalação com maior capacidade de curtoscircuitos. Se ocorrer um curto-circuito dentro de um quadro elétrico ou numa saída, o Is-limiter dispara assim que a corrente de curto-circuito crescer e dividir o quadro elétrico (barramento) em duas secções, antes de a corrente instantânea atingir um valor inadmissível. Após o disparo do Is-limiter, o curto-circuito só é alimentado pelo transformador na parte do quadro elétrico atingida pelo curto-circuito. A corrente de curto-circuito é então interrompida seletivamente pelo disjuntor. Uma vantagem importante da utilização de um Is-limiter é que a tensão na parte do quadro elétrico, não atingida pelo curto- -circuito, só cai durante uma fração de segundo, e mesmo os consumidores sensíveis (por exemplo, computadores) permanecem protegidos de queda na tensão do sistema. Por esta razão, o Is-limiter também pode ser utilizado como um equipamento de interrupção seguro em instalções. Is-limiter 15

16 Limitador I S I" = 15 ka kt 10 kv 3 ~ 50 Hz I" = 25 ka k perm. I" = 16 ka k perm. I" = 3 ka kg I S ~ Figura 10: Limitador I S no ponto de ligação a uma rede de distribução pública Figura 11: Limitador I S ligado em paralelo a um reator no alimentador do gerador Limitadores I S utilizados na ligação entre redes de distribuição públicas e redes de distribuição privadas A descentralização do abastecimento de energia faz com que os sistemas com instalações próprias de produção de energia sejam ligados a redes de distribuição públicas. A corrente de curto-circuito adicional de geradores leva a valores da corrente de curto-circuito superiores aos máximos permitidos na rede pública. A solução técnica mais adequada e na maioria das vezes a única é a instalação de um limitador I S na ligação com a rede pública (Figura 10). Se necessário, o limitador I S pode ser provido de um critério de disparo direcional, o que requer três transformadores de corrente suplementares nas ligações de neutro dos geradores. Nesse caso, o limitador I S só dispara quando há curtoscircuitos na rede pública se houver um gerador em funcionamento. Limitador I S ligado em paralelo com reator O limitador I S também pode ser ligado em paralelo a um reator (Figura 11). Se ocorrer um curto-circuito a jusante do reator, o limitador I S dispara e a corrente comuta para reator em paralelo quando a corrente cresce pela primeira vez, o que vai limitar a corrente de curto-circuito ao valor permitido. Em operação normal, o limitador I S é um condutor em paralelo, o que evita: perdas no cobre dependentes da corrente e os subsequentes custos de operação do reator queda de tensão dependente da corrente no reator, o que frequentemente causa maiores dificuldades quando do arranque de motores de alta potência problemas de controle do gerador 16 Is-limiter

17 soma soma soma Figura 12: Esquema de conexões do Is-limiter com soma de correntes Utilização de vários Is-limiter com seletividade Para conseguir seletividade numa instalação com mais de um Is-limiter instalado, são necessários critérios de disparo adicionais como soma das correntes ou diferenças das correntes ou comparação das direções das correntes. Se, no caso de dois Is-limiter instalados num quadro elétrico, for necessário disparo seletivo, isso requer a medição da corrente total. Os Is-limiter atuam da seguinte maneira: curto-circuito na secção A: só o Is-limiter n. 1 é que dispara. curto-circuito na secção B: os Is-limiter n. 1 e n. 2 disparam. curto-circuito na secção C: só o Is-limiter n. 2 é que dispara. Para a medição da corrente total, os alimentadores dos transformadores tem de estar igualmente equipados com um conjunto de transformadores de corrente cada um. A corrente total I soma1 é igual à corrente (I T1 ) do transformador T 1 mais a corrente (I IS-1 ) que circula pelo lis-limiter S 1. A corrente total I soma2 é igual à corrente do transformador T 2 mais as correntes que fluem através dos Is-limiter 1 e 2. A corrente total I soma3 é igual à corrente do transformador T 3 mais a corrente que circula pelo Is-limiter 2. Os critérios de disparo dos Is-limiter correspondem a uma função E lógica. O Is-limiter S 1 dispara em caso de curtos-circuitos na secção A, se a corrente do Is-limiter 1 e a corrente total I soma1 atingirem ou ultrapassarem os respectivos valores de resposta ao mesmo tempo. O mesmo se aplica à secção C. No caso de um curto-circuito na secção B, os Is-limiter 1 e 2 disparam. A soma das correntes corresponde ao princípio da adição de correntes num sistema de proteção do barramento. A única diferença é não ser necessário ter transformadores de corrente. Com este princípio, foram até agora ligados em paralelo até 5 transformadores, utilizando apenas 4 Is-limiter. O princípio garante que só disparam os Is-limiter que estão mais próximo do local do curto-circuito. Is-limiter 17

18 Is-limiter Questionário sobre a utilização de Is-limiter em sistemas trifásicos de média a baixa tensão. Precisamos dos seguintes dados para apresentação de uma proposta e de um projeto de Is-limiter: 5. Que partes do sistema deverão ser protegidas? Considere que se pode instalar mais do que um Is-limiter numa rede e que nós podemos proceder à seletividade entre os Is-limiter. 1. Tensão de serviço: 2. Corrente de serviço: 3. Frequência: 4. Para calcular os valores de disparo e de ajuste precisamos: - Esquema unifilar da instalação com os seguintes dados: corrente inicial simétrica de curto-circuito I K dos geradores, dos transformadores, da rede superior, a contribução do motor e a corrente de curto-circuito permitida da instalação. - Precisamos igualmente dos seguintes dados apenas sobre o nível de tensão onde o Is-limiter será instalado: potência nominal de motores acima de 2 MW potência reativa nominal de condensadores e as indutâncias conectadas em série aos mesmos potência nominal do transformador maior, no mesmo nível de tensão onde o Is-limiter se encontra. - Esquema unifilar 6. Requisitos da instalação: - existir uma opcão de isolamento do Is-limiter, de modo a que as unidades limitadoras possam ser substituídas após o disparo. - haver um disjuntor ligado em série ao Is-limiter (exceto no caso do Is-limiter estar ligado em paralelo com uma reactância). 18 Is-limiter

19 7. Podemos fornecer o Is-limiter em vários modelos. Qual modelo necessita? 9. Observações: Is-limiter como componentes para instalação num painel concebido pelo cliente Is-limiter num painel modelo ZS1, montagem num armário de distribução montado sobre elementos móveis (até 24 kv) Is-limiter num painel modelo ZS1, montagem fixa (até 24 kv) Is-limiter num painel modelo ZS, montagem fixa (25 a 40.5 kv) 8. O dispositivo de disparo do Is-limiter necessita de três tensões auxiliares: duas tensões alternadas independentes (50 ou 60 Hz, consumo máximo de energia, 40 VA). A tensão de alimentação principal pode ser tirada do sistema a proteger (através de um transformador de tensão). A tensão de alimentação de reserva pode vir, por exemplo, da rede de iluminação quando for independente de primeira. uma tensão contínua ou alternada para alarmes (consumo máximo de energia, 20 VA). Que tensões alternadas estão disponíveis? como tensão de alimentação principal: V Hz como tensão de alimentação de reserva: V Hz Que tensão está disponível para alarme? V c.c.; c.a.; Is-limiter 19

20 Contato ABB Ltda Produtos de Média Tensão Avenida Papa João Paulo I, 687 Jardim Cumbica - Guarulhos - SP Telefone e fax: +55 (11) ABB Atende Telefone: Nota: Reservamos o direito de realizar modificações tecnicas ou modificar o conteúdo deste documento sem prévio aviso. A ABB não aceita qualquer responsabilidade por erros ou possiveis falhas de informação deste documento. Copyright 2011 ABB All rights reserved DEABB BR Impresso na Alemanha ( AMC)

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra SUNNY CENTRAL Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra 1 Introdução Alguns fabricantes de módulos recomendam ou exigem a ligação à terra negativa ou positiva do gerador fotovoltaico

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

Proteção Diferencial

Proteção Diferencial GE Consumer & Industrial GE Energy Management Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV Boletim Te cnico Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV As fontes para lâmpadas ultravioleta são os circuitos de potência responsáveis pela alimentação das lâmpadas de média pressão. São também conhecidas

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

COMPONENTES. Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW

COMPONENTES. Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW COMPONENTES Chave sem carga para o tipo de Título Instalação fixa SW Informações gerais A chave SW sem carga é uma gama completa projetada para cobrir todas as aplicações a serem cumpridas em subestações

Leia mais

Produtos de Automação. Disjuntor em caixa moldada Baixa tensão Linha Formula

Produtos de Automação. Disjuntor em caixa moldada Baixa tensão Linha Formula Produtos de Automação Disjuntor em caixa moldada Baixa tensão Linha Formula Simplicidade e qualidade A linha de disjuntores em caixa moldada FORMULA é o resultado da longa experiência da ABB ao longo de

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2400mm., Largura: 600/700/800mm., Profundidade: 600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 2,65mm. (12MSG),

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Série 22 - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE 22 Características 22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos argura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work GE Consumer & Industrial GE Energy Services Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE

Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Índice. Título Aqui. Seção 1 Disjuntores a Vácuo SION Descrição. Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Disjuntores a Vácuo Descrição Disjuntores a Vácuo Título Aqui Índice Seção 1 Disjuntores a Vácuo Descrição Seção 2 Disjuntor Padrão 3AE Seção 3 Módulo Deslizante 3AE Anexo Siemens AG 2005 Disjuntores a

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Manobra de Capacitores Manobras de Capacitores para Correção do Fator de Potência A linha de contatores especiais CWMC

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores SIRIUS 3RM1 Multifuncionais e com apenas 22,5 mm de largura siemens.com/motorstarter/3rm1 Answers for industry. Acionamento de motores

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Série - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE Características.32.0.xxx.1xx0.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

17,5kV P/V-17 Painel de Distribuição CA em Caixa Metálica. MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda.

17,5kV P/V-17 Painel de Distribuição CA em Caixa Metálica. MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda. GE Energy Management Industrial Solutions MSA CONTROL - (11) 3961-1171 - comercial@msacontrol.com.br Gear 17,5kV P/V-17 Painel de Distribuição CA em Caixa Metálica MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda.

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras haves 3 KU Seccionadoras e omutadoras haves Seccionadoras e omutadoras Seccionadoras s chaves Seccionadoras E tipo 3KU1, para cargas de 12 a 1000 em 00 Vca 0- Hz, são apropriadas para uso como chaves gerais

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

Protetores de Surto de Alta Performance. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Protetores de Surto de Alta Performance. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Protetores de Surto de Alta Performance otores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Protetores de Surto de Alta Performance Os Protetores de Surto WEG, são componentes de alto desempenho

Leia mais

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE Especificações... 3 INSTALAÇÃO... 3 Operação...

Leia mais

SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda

SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda Rua João Eloy do Amaral, 116 2900-414 Setúbal Tel.: 265 229 180 Fax: 265 237 371 www.silectris.pt SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO, CONTROLO, MEDIDA E AUTOMAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais