Análise de circuitos elétricos Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de circuitos elétricos Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2008"

Transcrição

1 Análse de crcutos elétrcos Pro. Eng uz Antono argas Pnto 008 Geração de orrente alternada... 3 Fluxo magnétco... 3 Freqüênca de um snal senodal... 5 e de Ohm para crcutos de corrente alternada... 7 rcuto sére... 8 rcuto sére real... 9 rcuto Paralelo... 0 rcuto sére... rcuto paralelo... Potênca em orrente Alternada... 3 Fator de potênca... 4 Freqüênca de ressonânca em crcuto sére... 5 Freqüênca de ressonânca em crcuto paralelo... 7 Fator de qualdade e banda passante... 9 Geração de Trásco... 9 Deasagem... 0 gação estrela... gação estrela em trásco equlbrado... Dagrama de asores... gação Trângulo... 3 onversão estrela - trângulo... 3 Pro. Eng uz Antono argas Pnto

2 Pro. Eng uz Antono argas Pnto

3 Geração de orrente alternada F EM B e I F E M / Fluxo magnétco Para medrmos a ntensdade de luxo magnétca azemos: φ BA os α onde [φ] Wb/m α ângulo entre n e B Pro. Eng uz Antono argas Pnto 3

4 Fazendo varar o luxo de corrente elétrca na prmera espra varamos o luxo de campo magnétco o que orçosamente altera a corrente nduzda na segunda espra. E temos a le de enz: onsdere a espra com as seguntes dmensões: Sabendo que: φ BA os α dφ -BA Sen α dα dt que é o campo de uma espra. Mas como temos n espras então: ξ n B A ω Sen α Pro. Eng uz Antono argas Pnto 4

5 cujo máxmo ocorre quando α 90º e que como podemos ver claramente ocorre justamente quando a bobna esta paralela ao campo magnétco. E como o campo B é unorme, então: ξ k Sen α e assm: e como é constante podemos denr α π ω t Freqüênca de um snal senodal ejamos o segunte esquema onde temos um condutor perpendcular ao campo magnétco grando no sentdo ant-horáro. Se o condutor segur grando por t segundos, ao nal desse tempo terá realzado n revoluções por t segundos, ou anda, m cclos por segundo, que é uma notação muto mas comum. E como o movmento é crcular, então a velocdade será angular e medda em Pro. Eng uz Antono argas Pnto 5

6 radanos/segundo ou smplesmente ad/s, expresso por ω.π.. amos tomar um exemplo prátco de um gerador com 4 pólos conorme a gura abaxo: onsderando que este condutor percorra o espaço entre um norte e um sul, sto sgnca que este percorreu 360º elétrcos (ndo de a 5, por exemplo). ompleta-se um cclo desta natureza cada vez que o condutor percorre um par de pólos. Isto sgnca que a reqüênca em cclos/segundo eqüvale portanto ao número de pares de pólos atravessados por segundo, ou: PN 0 Onde P número de pólos N revoluções/mnuto reqüênca em Hz Exemplo : Um alternador de corrente, aconado por uma máquna a uma reqüênca de 60 cclos/segundo tem velocdade de 0 rpm. Quantos pólos tem este alternador? P (0 x 60) / 0 0 pólos Exemplo : Um alternador, a 600 rpm com 0 pólos, gra com qual reqüênca? (600 x 0) / 0 50 Hz Exemplo 3: Um alternador tem 6 pólos e gra a uma reqüênca de 5 Hz. Qual o número de revoluções/mnuto? (0 x 5) / rpm I MED I MA I I MA Sen ωt π I EF I MA Pro. Eng uz Antono argas Pnto 6

7 e de Ohm para crcutos de corrente alternada onsdere o caso de um ndutor cuja resstênca própra r e cuja ndutânca, conorme o esquema segunte: A passagem de uma corrente elétrca através dessa bobna, gera um campo magnétco dado pela equação B. Agora, se a corrente é varável então o luxo também o é. Por essa razão ormase no crcuto uma EM nduzda dada pela equação ao lado. d dt No caso de um crcuto com resstênca muto elevada e ndutânca desprezível a representação segundo a norma da ABNT, sera: O crcuto nessa condção é dto puramente resstvo. Na prátca quase todos os condutores percorrdos por uma corrente produzem campo magnétco e por essa razão, um crcuto puramente resstvo é apenas um caso teórco. No caso de um crcuto cuja ndutânca é muto superor a resstênca ôhmca, podemos consderar como puramente ndutvo, sendo representado por: Temos como prncpal exemplo deste caso, o enrolamento de transormador e das máqunas elétrcas em geral, que pelo ato de serem enroladas sobre erro, possuem eetos ndutvos muto ntensos e resstênca elétrca desprezível. Uma vez dada a expressão I(t) I max Sen ( ω t ) que colocada na expressão da em nduzda da bobna, resulta: di( t) d[ I maxsen( ω. t) ] ω. I max. os( ω. t) ω.. I max. Sen( ω. t 90º ) dt dt sto é, a queda de tensão exstente nos extremos do crcuto é alternada e senodal, com valor máxmo gual a E MA ω I MA deasada em relação a corrente de 90º (adantada). Para valores ecazes, podemos consderar que E EF ω I e ndcando o produto ω pode-se escrever E EF I o qual representa o comportamento do ndutor na le de Ohm para crcutos de corrente alternada. Denomnamos anda como eatânca Indutva, expressa em Ω, tal que: π Pro. Eng uz Antono argas Pnto 7

8 rcuto sére onsdere o crcuto de corrente alternada com um ndutor de resstênca desprezível em sére com um resstor : Pela le de Ohm, a tensão consumda pelo resstor pode ser denda com I e da mesma orma I pos o crcuto é sére e a corrente é a mesma para ambos. Gracamente representamos: De onde vemos claramente que (vetoralmente), o que corresponde dzer que: mas No tocante ao trângulo das mpedâncas podemos provar que: e anda: Tgα osα Senα Pro. Eng uz Antono argas Pnto 8

9 rcuto sére real No caso real, o ndutor é tratado com um ndutor assocado em sére com um resstor que representa a resstênca nterna da bobna. Pela le de Ohm, a tensão consumda pela resstênca própra da bobna pode ser denda como. e da mesma orma. I pos o crcuto é sére e a corrente é a mesma para ambos. Gracamente podemos representar: De onde vemos claramente que: r v r r ) ( ) ( r r ) ( ) ( r r ( r ) ) ( r 9 Pro. Eng uz Antono argas Pnto

10 rcuto Paralelo Dado segunte crcuto: Gracamente podemos representar: De onde podemos ver que: E portanto: ( ) π Mantendo-se as devdas proporções, teremos: 0 Pro. Eng uz Antono argas Pnto

11 E que resulta em: De onde: os ϕ Senϕ e Tanϕ rcuto sére O capactor é um elemento representado por duas placas separadas por uma dstânca d sendo que entre as placas exste um delétrco. A norma ABNT normalmente o representa: E a medda de capactânca é dada em Farad (F) ou seus submúltplos. Matematcamente, podemos denr a relação entre a tensão e a corrente aplcados a um capactor pela órmula: d dt e MA Senϖ t de onde: ( Sen( ϖ t )) d MA ϖmaos MA t dt ( ϖ t ) ϖ Sen( ϖ 90º ) e podemos observar que a corrente está 90º adantada em relação a tensão ou podemos dzer que a tensão esta 90º atrasada em relação a corrente. De qualquer orma, é aclmente vsível que Imax o- corre com Sen(ωt90º), o que sgnca que: MA MAx MA ω MA ω ω MA MA π Tratando-se de um crcuto real, exste a presença do resstor e o crcuto mas elementar sera o crcuto sére: Pro. Eng uz Antono argas Pnto

12 cujo trângulo de tensões é representado por: mas como o trângulo é retângulo, então: mas, e que substtundo resulta em: e mas anda: Tgϕ rcuto paralelo cujo trângulo de correntes é representado por: Pro. Eng uz Antono argas Pnto

13 De onde: anda ou ou e π E portanto: ( ) π Mantendo-se as devdas proporções, teremos: Tan Sen os ϕ ϕ ϕ e Potênca em orrente Alternada amos tomar como exemplo para estudo o crcuto paralelo, mas o que remos demonstrar serve para qualquer um dos crcutos apresentados anterormente: 3 Pro. Eng uz Antono argas Pnto

14 Daí vem que: De onde concluímos que: E daí a desgnação ator de potênca. Isto é, a relação entre as potêncas. Fator de potênca A energa elétrca é destnada a város ns, porém, a classcação de seu aprovetamento é eta em 3 grupos undamentas: a) uz; b)aquecmento; c)força. U: A lumnação doméstca é eta em geral por lâmpadas ncandescentes, as quas consttuem carga ôhmca e trabalham com ator de potênca. Hoje porém, o uso de lâmpadas luorescentes, muto dunddo em meos comercas, consttuem uma sstema de energa que opera com ator de potênca neror a, o que requer cudados maores para evtar um ator de potênca muto baxo. AQUEIMENTO: O aquecmento, excluídos alguns poucos casos de exceção, baseam-se em prncípo da ndução eletromagnétca e em geral também são consttuídos de cargas ôhmcas. FOÇA: omo já é de nosso conhecmento, todos os motores elétrcos de uso ndustral baseam-se em prncípos eletromagnétcos, assm é peretamente acetável que estes gerem ntensos campos magnétcos, consttundo-se em ndutores e portanto com ator de potênca neror a. Por esta mesma razão é compreensível que estes absorvam da lnhas aos quas estão conectados, elevadas potêncas reatvas, as quas não produzem trabalho útl e nclusve são danosas, pos sobrecarregam nutlmente as redes elétrcas, Pro. Eng uz Antono argas Pnto 4

15 reduzndo a capacdade destas e dmnundo seu tempo de vda útl. É claro que quanto menor or o ator de potênca, tanto mas ntenso é o eeto ndesejável comentado acma. As concessonáras de energa, que vendem exclusvamente energa EA, que é aquela mostrada no meddor de energa seram prejudcadas se os consumdores possuíssem equpamentos com característcas ndutvas, típcas de motores e que normalmente possuem baxo ator de potênca. Assm eles obrgam os consumdores melhorarem suas nstalações. Normalmente para esta naldade são utlzados bancos de capactores que possuem a propredade de e- levar o ator de potênca, comum em nstalações de motores. Estes são colocados em paralelo com as cargas. Freqüênca de ressonânca em crcuto sére Quando é estabelecda a gualdade entre a reatânca capactva e a reatânca ndutva, o que determna a gualdade entre as tensões e dzemos que o crcuto está em ressonânca. Esta condção, desejável em város crcutos eletrôncos, pode trazer conseqüêncas desastrosas, com danos para os componentes do crcuto quando não é prevsta, caso típco de redes elétrcas e lnhas de transmssão. É bastante nteressante o estudo da reqüênca de ressonânca pelo ato desta depender do comportamento da mpedânca em unção da varação da reqüênca. Para podermos azer um estudo completo deste enômeno, ncaremos com uma análse do comportamento de e de em unção da varação da reqüênca. A análse deste crcuto resulta em: Sabendo que : π e π Pro. Eng uz Antono argas Pnto 5

16 Podemos denr a mpedânca deste crcuto pela equação: ( ) π π que azendo varar a reqüênca a partr de um valor pequeno, próxmo de zero (0), (note que não é possível o valor zero para o estudo do comportamento de, pos este é ndetermnado) e conclundo quando este tende a nnto, vamos estudar o comportamento da mpedânca. O gráco segunte representa o comportamento de e com a varação de reqüênca. onsderando anda que () e (), pos: O que de ato ocorre com a reqüênca é representado pela composção das duas curvas: E, neste caso, a chamada "reqüênca de ressonânca" ocorre quando, ou: 4 4 π π π π 6 Pro. Eng uz Antono argas Pnto

17 De onde: π e é sucentemente claro que, como a mpedânca é elevada, em ambos os extremos, tanto a esquerda como a dreta da reqüênca de ressonânca, nessa stuação o gerador que almentar essa carga não será muto exgdo, mas o mesmo não podemos armar quando a reqüênca estver próxma de 0 porquê essa proxmdade causa a dmnução da mpedânca e conseqüente aumento da corrente elétrca, ou: Freqüênca de ressonânca em crcuto paralelo De manera análoga ao crcuto sére, temos da mesma orma que quando é estabelecda a gualdade entre a reatânca capactva e a reatânca ndutva, o que determna a gualdade entre as tensões e dzemos que o crcuto está em ressonânca. Este caso merece maor destaque devdo ao ato de que as nstalações em geral são etas com cargas em paralelo e não em sére. onorme o dto anterormente é nteressante o estudo da reqüênca de ressonânca pelo ato da mpedânca depender da varação da reqüênca. Para podermos azer um estudo completo deste enômeno, ncaremos com uma análse do comportamento de e de em unção da varação da reqüênca. eja o crcuto ao lado. Sabendo que e anda são váldos podemos denr a mpedânca deste crcuto partndo do trângulo das correntes (a tensão é a mesma em todas as cargas pos estas estão em paralelo): π π Pro. Eng uz Antono argas Pnto 7

18 e azendo varar a reqüênca a partr de um valor pequeno, próxmo de zero,(note que não é possível o valor zero para o estudo de, porquê este é ndetermnado) concluímos que este tende a nnto. Assm vamos estudar o comportamento da mpedânca de uma orma geral. E também neste caso a reqüênca de ressonânca ocorre quando, ou: π π 4 π 4 π E então: π Que, como podemos ver, é a mesma para o crcuto sére. E é sucentemente claro que, como a mpedânca é mínma em ambos os extremos, tanto a esquerda como a dreta da reqüênca de ressonânca, e nessa stuação o gerador que almentar essa carga é muto exgdo. Já não podemos armar o mesmo quando nos aproxmamos de 0 pos nesse caso teremos um aumento da mpedânca e conseqüente redução da corrente elétrca, ou: Pro. Eng uz Antono argas Pnto 8

19 Fator de qualdade e banda passante Em um crcuto real, é mpossível obtermos um valor exato de reqüênca de ressonânca devdo a varação própra dos elementos de crcuto (expresso em %). Assm tomamos como resultado prátco e útl, uma axa em torno da 0 lmtada por e que correspondem na curva á / que é consderado um valor ótmo para aplcações de crcutos sntonzadores de ádo, T e ltros. Na realdade, este valor corresponde a condção de Potênca méda. E podemos demonstrar que: 0 e que para o crcuto sére: Q π 0 e para o paralelo: 0 π Geração de Trásco Onde os snas gerados estão assm dstrbuídos: Pro. Eng uz Antono argas Pnto 9

20 Em unção da geração de trásco obedecer uma construção ísca das bobnas de 0º, devemos estabelecer uma reerênca para a geração das ases. laro que a tensão gerada tem mesma ntensdade mas é prncpalmente devdo ao ato da construção ísca a derença das deasagens. A denção de seqüênca de ase é a ordem na qual as tensões tem máxma ampltude. É evdente que alternadamente, cada uma das ases atnge o máxmo e somente uma de cada vez, assm, no gráco acma podemos tranqülamente dzer que a seqüênca de ase é AB, sendo A, BY e respectvamente as tensões que vão ao máxmo. Deasagem A deasagem de 0º é causada pela construção dos geradores que tem suas bobnas enroladas separadas por 0º elétrcos que são dependentes da geometra do aparelho. Pro. Eng uz Antono argas Pnto 0

21 gação estrela Observe que neste caso a corrente de lnha gual a corrente de ase. Na lgação estrela, podemos analsar o gerador trásco como sendo três monoáscos com o centro comum (N). gação estrela em trásco equlbrado Onde: A, B B e são chamadas de tensão de ase AB, B e A são chamadas de tensão de lnha E anda: AB A - BB B B B - A - A Genercamente: Pro. Eng uz Antono argas Pnto

22 que aplcando a le dos senos: INHA Sen FASE o o ( 0 ) Sen( 30 ) o o Sen( ) o Sen( 30 ) INHA FASE FASE Sen o o o o ( 60 ) os( 60 ) Sen( 60 ) os( 60 ) o Sen( 30 ) e portanto: INHA 3 FASE INHA o o ( 60 ) os( 60 ) o ( 30 ) 3 Sen FASE FASE FASE Sen 3 Dagrama de asores Pro. Eng uz Antono argas Pnto

23 gação Trângulo E aqu: Tensão de lnha Tensão de ase e: I A I -I 3 I B I -I I I 3 -I e da mesma orma que no caso de lgação estrela, INHA 3 FASE onversão estrela - trângulo Exemplo: Dado um sstema trásco em estrela equlbrado com 0 0ºΩ e um trângulo equlbrado com 4 30ºΩ em 3 os do secundáro de um transormador onde º. alcule as correntes de lnha. Exercíco: Dado um sstema trásco em trângulo equlbrado com 39-40ºΩ em 3 os com 4Ω de mpedânca cada um. Dada a tensão de lnha 480, calcule as correntes de lnha. Pro. Eng uz Antono argas Pnto 3

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES Prof(a) Stela Mara de arvalho Fernandes SSOIÇÃO DE ESISTOES ssocação de esstores em Sére Dos ou mas resstores estão assocados em sére quando são percorrdos pela mesma corrente elétrca. omo U D Somando

Leia mais

Princípios De Eletrônica Analógica Prof. Luiz Antonio Vargas Pinto Revisada em 22-03-2010 2007-2010

Princípios De Eletrônica Analógica Prof. Luiz Antonio Vargas Pinto Revisada em 22-03-2010 2007-2010 Prncípos e letrônca Analógca Prof. Luz Antono argas Pnto evsada em -3-7- Índce Introdução... 3 Fonte retfcadora ½ onda e fltro a capactor... 4 Fonte retfcadora de onda completa e fltro a capactor... 4

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Estudo de Curto-Circuito

Estudo de Curto-Circuito Estudo de Curto-Crcuto Rotero. Objetvo / aplcações. Natureza da corrente de defeto 3. Resposta em regme (4 tpos de defeto) 4. Resposta transtóra 5. Conclusões Objetvo Determnação de correntes e tensões

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Le dos transformadores e seu prncípo de funconamento Os transformadores operam segundo a le de Faraday ou prmera le do eletromagnetsmo. Prmera le do eletromagnetsmo Uma corrente elétrca é nduzda em um

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca Undade C Capítulo Campos magnétcos esoluções dos exercícos propostos. Incalmente determnamos, pela regra da mão dreta n o, a dreção e o sentdo dos vetores ndução magnétca e que e orgnam no centro

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br ro Jean URSO-E URSO REARATÓRIO ARA ONURSOS EM ELETROTÉNIA E ELETRIIDADE AULA 6 ro.: Jean E: curso.cpce@yahoo.com.br. WWW.escoladoeletrotecnco.com.br 04 de mao de 007 1 ro Jean URSO-E 6 orreção de ator

Leia mais

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 0 LEIS EXPEIMENTAIS E CICUITOS SIMPLES Prof SILVIO LOBO ODIGUES INTODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL Destnase o segundo capítulo ao estudo das les de Krchnoff e suas aplcações

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Vamos apresentar um breve resumo dos conceitos mais importantes relativos ao funcionamento de circuitos em corrente alternada.

Vamos apresentar um breve resumo dos conceitos mais importantes relativos ao funcionamento de circuitos em corrente alternada. Corrente Alternada amos apresentar um breve resumo dos concetos mas mportantes relatvos ao funconamento de crcutos em corrente alternada. Uma tensão alternada é uma dferença de potencal que vara no tempo.

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez apactores Prof. Ernesto F. F. Sumáro 1. Introdução 2. apactores 3. lassfcações de capactores 4. Especfcação de capactores 5. Assocação de capactores 6. Exercícos propostos Slde 2 1. Introdução apactor

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

Realimentação negativa em ampliadores

Realimentação negativa em ampliadores Realmentação negatva em ampladores 1 Introdução necessdade de amplfcadores com ganho estável em undades repetdoras em lnhas telefôncas levou o Eng. Harold Black à cração da técnca denomnada realmentação

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B 6 capítulo Resstores seções: 61 Consderações ncas 62 Resstênca elétrca Le de Ohm 63 Le de Joule 64 Resstvdade antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas prncpas do capítulo

Leia mais

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs Magnetsmo e eletromagnetsmo Este tópco apresenta o aspecto hstórco e os conhecmentos atuas dos ímãs e do campo gravtaconal terrestre. Introdução ao magnetsmo é mas pronuncado: são os polos do ímã (convenconalmente

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2012 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Sentdo de rotaçãoo do corpo y orça 30 º x orça solo Um corpo de 4 kg está preso a um o e descreve

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS Núcleo das Cêncas Bológcas e da Saúde Cursos de Bomedcna, Ed. Físca, Enermagem, Farmáca, Fsoterapa, Fonoaudologa, Medcna Veternára, Muscoterapa, Odontologa, Pscologa DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 5 5. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetsmo e Óptca aboratóro - rcutos OBJETIOS Obter as curvas de resposta de crcutos do tpo sére Medr a capacdade de condensadores e o coefcente de auto-ndução de bobnas por métodos ndrectos Estudar

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBUAR a Fase RESOUÇÃO: Proa Mara Antôna Gouvea Questão Um quadrado mágco é uma matr quadrada de ordem maor ou gual a cujas somas dos termos de cada lnha de cada coluna da

Leia mais

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA CAPÍTULO 5 A COMPONENTE IMÉTICA INTANTÂNEA E A MÁQUINA IMÉTICA 5. INTODUÇÃO O emprego das componentes smétrcas nstantâneas permte a obtenção de modelos mas smples que aqueles obtdos com a transformação

Leia mais

Eletromagnetismo Aplicado

Eletromagnetismo Aplicado letromagnetsmo Aplcado Undade 5 Propagação de Ondas letromagnétcas em Meos Ilmtados e Polaração Prof. Marcos V. T. Heckler Propagação de Ondas letromagnétcas e Polaração 1 Conteúdo Defnções e parâmetros

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

PADRÕES DE RESPOSTA. , e afirmou: "as medidas são incoerentes, portanto devem estar erradas." Analise essa afirmativa.

PADRÕES DE RESPOSTA. , e afirmou: as medidas são incoerentes, portanto devem estar erradas. Analise essa afirmativa. PADRÕES DE RESPOSTA Questão (valor:, pontos) Em um laboratóro o montado o crcuto da gura abaxo para medr a ndutânca L de uma bobna e a resstênca r do seu enrolamento. Meddas obtdas com um voltímetro: V

Leia mais

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores Esta aula: Concetos fundamentas: bpolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Conenções Transferênca de energa Resstores TEORA DE CRCUTOS Crcuto elétrco: Coleção de dspostos elétrcos conectados

Leia mais

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa 238 PTE III ELETOMGETIMO Tópco 4 1 E.. Uma espra retangular de 1 cm de largura por 3 cm de comprmento é colocada, totalmente mersa, em um campo de ndução magnétca unforme e constante, de módulo gual a

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

Indutores ou bobinas: criam campos magnéticos numa dada região do circuito.

Indutores ou bobinas: criam campos magnéticos numa dada região do circuito. Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III - Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 33-2, 33-3, 33-4, 33-5, 33-6 S. 31-3, 31-4, 31-5 T. 26-7, 26-8,

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 ndade apítulo 7 ssocação de resstores esoluções dos testes propostos T.6 esposta: b 0 V 5 V 5 V... 5 V 0 n 5 n n T.7 esposta: b = Igualando: Ω = ( + ) ( ) 3 Ω T.8 esposta: c Stuação ncal: I

Leia mais

Cabos para telecomunicações Determinação da impedância característica

Cabos para telecomunicações Determinação da impedância característica ABT/CB-03 2 PROJETO ABT BR 932 ABRIL:200 Cabos para telecomuncações Determnação da mpedânca característca APRESETAÇÃO ) Este 2º Projeto de Revsão o elaborado pela CE-03:046.02 - Comssão de Estudo de Métodos

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

F r. PASES 2 a ETAPA TRIÊNIO o DIA GAB. 1 5 FÍSICA QUESTÕES DE 11 A 20

F r. PASES 2 a ETAPA TRIÊNIO o DIA GAB. 1 5 FÍSICA QUESTÕES DE 11 A 20 PSES 2 a ETP TRIÊNIO 2004-2006 1 o DI G. 1 5 FÍSI QUESTÕES DE 11 20 11. onsdere um sstema consttuído por duas partículas. Uma das partículas está ncalmente se movendo e colde nelastcamente com a outra

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

TIPOS DE GERADORES DE CC

TIPOS DE GERADORES DE CC ANOTAÇÕS D MÁQUINAS LÉTRICAS 17 TIPOS D GRADORS D CC S dfnm m função dos tpos d bobnas dos pólos. ssas bobnas, atravssadas pla corrnt d xctação, produzm a força magntomotrz qu produz o fluxo magnétco ndutor.

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS I) TIPOS DE LENTES III) COMPORTAMENTO ÓPTICO. Lentes de bordos delgados: Lentes de bordos espessos:

LENTES ESFÉRICAS I) TIPOS DE LENTES III) COMPORTAMENTO ÓPTICO. Lentes de bordos delgados: Lentes de bordos espessos: LENTES ESFÉRICAS I) TIPOS DE LENTES III) COMPORTAMENTO ÓPTICO Lentes de bordos delgados: Lentes de bordos esessos: Sendo n = índce de reração do meo e n = índce de reração da lente Lentes Convergentes:

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Circuitos Eletrônicos Analógicos:

Circuitos Eletrônicos Analógicos: Crcutos Eletrôncos Analógcos: Crcutos com Amplfcadores Operaconas Prof. Pedro S. Almeda Pedro de Asss Sobrera Jr. 2 Conteúdo da aula Introdução ao amplfcador operaconal Conceto dealzado Análse com crcutos

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ug 01)O ntrogêno líqudo é requentemente utlzado em sstemas crogêncos, para trabalhar a baxas temperaturas. A gura a segur lustra um reservatóro de 100

Leia mais

ELETROTÉCNICA (ENE078)

ELETROTÉCNICA (ENE078) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenhara Cvl ELETROTÉCNICA (ENE078) PROF. RICARDO MOTA HENRIQUES E-mal: rcardo.henrques@ufjf.edu.br Aula Número: 19 Importante... Crcutos com a corrente

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

A VELOCIDADE ESCALAR. Prof. Alberto Ricardo Präss

A VELOCIDADE ESCALAR. Prof. Alberto Ricardo Präss Pro. Alberto Rcardo Präss A VELOCIDADE ESCALAR O conceto de velocdade. Imagnemos que um jornal tenha envado um correspondente especal à selva amazônca a m de azer uma reportagem sobre o Pco da Neblna,

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Curso de Circuitos Elétricos 2 a. Edição, L.Q. Orsini D. Consonni, Editora Edgard Blücher Ltda. Volume I Errata

Curso de Circuitos Elétricos 2 a. Edição, L.Q. Orsini D. Consonni, Editora Edgard Blücher Ltda. Volume I Errata Curso de Crcutos Elétrcos a Edção, Q rsn D Consonn, Edtora Edgard Blücher tda Pág5 Equação (5): dw( t) v( t) = dq( t) Pág5 no parágrafo após equação (36): Volume I Errata, caso em que não há energa ncal

Leia mais

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo. Eletrização. Força elétrica

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo. Eletrização. Força elétrica Os fundamentos da Físca Volume 3 1 Capítulo 1 letrzação. Força elétrca CORPO LTRIZADO É o corpo que possu excesso de elétrons (carga negatva) ou falta de elétrons (carga postva). PRINCÍPIOS DA LTROSTÁTICA

Leia mais

Introdução. Configuração Inversora. Amplificadores Operacionais. Configuração Não-Inversora. Amplificadores de Diferença

Introdução. Configuração Inversora. Amplificadores Operacionais. Configuração Não-Inversora. Amplificadores de Diferença ntrodução Confguração nersora mplfcadores peraconas Confguração Não-nersora mplfcadores de Dferença TE4 Fundamentos da Eletrônca Engenhara Elétrca Efeto do Ganho Fnto em Malha erta e da Faxa de Passagem

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA PARA MITIGAÇÃO DE CAMPO MAGNÉTICO NAS PROXIMIDADES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA PARA MITIGAÇÃO DE CAMPO MAGNÉTICO NAS PROXIMIDADES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA AA MITIGAÇÃO DE CAMO MAGNÉTICO NAS OXIMIDADES DE LINHAS DE TANSMISSÃO Weberton Luz Gonçalves Eller (weberton@es.cefetmg.br) 1 Marco Aurélo O. Schroeder (schroeder@des.cefetmg.br)

Leia mais

Estudo e Modelagem de Transformadores

Estudo e Modelagem de Transformadores Estudo e Modelagem de Transformadores Rubens J. Nascmento, Nelson J. Batstela, Patrck Kuo-Peng, Walter P. Carpes Jr., Marcon Januáro, Mauríco Rgon, Rcardo Spreedeman, Túlo L. dos Santos, André K. Soares,

Leia mais

TEORIA ELETROMAGNÉTICA E DA ESTRUTURA DOS MOTORES DE PASSO. Mecanismo da produção do torque estático em um motor de passo de relutância variável

TEORIA ELETROMAGNÉTICA E DA ESTRUTURA DOS MOTORES DE PASSO. Mecanismo da produção do torque estático em um motor de passo de relutância variável TEOR ELETROMGNÉTC E D ESTRUTUR DOS MOTORES DE PSSO Em aulas anterores fo empregada uma abordagem qualtatva para explcar o mecansmo da produção do torque em um motor de passo; a explanação fo baseada em

Leia mais

Q C U. r C K. A C d QU E Q E CU E C Q U. capacitância [farad (F)] quantidade de carga elétrica [coulomb (C)] diferença de potencial [volt (V)]

Q C U. r C K. A C d QU E Q E CU E C Q U. capacitância [farad (F)] quantidade de carga elétrica [coulomb (C)] diferença de potencial [volt (V)] capactânca [arad (F)] quantdade de carga elétrca [coulomb ()] derença de potencal [volt (V)] Q U Q U r K A d 0 R 0 R p QU E p U E p Q E QSére Q1 Q Q3 U U U U S 1 3 1 1 1 1 S P 1 3 Q Q Q Q P 1 3 U U U U

Leia mais