SUMÁRIO I. PRINCÍPIOS BÁSICOS... 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO I. PRINCÍPIOS BÁSICOS... 2"

Transcrição

1 SUMÁRIO I. PRINCÍPIOS BÁSICOS... 2 A MÁQUINA DE CORRENTE CONTÍNUA... 8 I ) INTRODUÇÃO:...8 II - PRINCÍPIO BÁSICO DE FUNCIONAMENTO... 8 II.1. ESPIRA GIRANTE EM UM CAMPO MAGNÉTICO UNIFORME...9 II.2 O PROCESSO DE COMUTAÇÃO II.2.1. ENROLAMENTO EM ANEL DE GRAMME...15 II.3. O PROCESSO DE COMUTAÇÃO EM MÁQUINAS C.C. SIMPLES DE QUATRO ESPIRAS...16 III - PROBLEMAS ASSOCIADOS À COMUTAÇÃO EM MÁQUINAS REAIS...18 III.1. REAÇÃO DE ARMADURA...19 TENSÕES L di dt...22 IV - SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DA COMUTAÇÃO...23 IV.1. DESLOCAMENTO DAS ESCOVAS...24 IV.2. INTERPOLOS OU PÓLOS DE COMUTAÇÃO...25 IV.3. ENROLAMENTO DE COMPENSAÇÃO

2 I. Princípios Básicos O campo magnético (e em casos especiais o campo elétrico ) é o elo principal através do qual do qual a energia é convertida da forma elétrica para a forma mecânica em motores e da forma mecânica para forma elétrica em geradores. É utilizado também em transformadores para mudança de níveis de tensão ( o transformador não é um dispositivo de conversão de energia ). Quadro princípios básicos descrevem como campos magnéticos são usados nestes dispositivos. I.1 - Um condutor sendo percorrido por uma corrente elétrica cria em torno de si um campo magnético (Lei de Ampère ). H. dl = J. da ( A integral do vetor intensidade do campo magnético escalar vetor deslocamento sobre um caminho fechado é igual ao somatório da corrente que atravessa a área circundada por este caminho ). Exemplos : s 2

3 2π.r.H H.l m =N.I I H = H N. = I 2π. r l med H ( ampère espira / metro ) H dá uma medida do esforço exercido pela corrente para estabelecer o campo magnético. Ni F _ Força magnetomatriz da bobina (em ampères espira ) B = µ H B densidade de fluxo magnético ( weber / m ) M permeabilidade magnética do meio. µ : representa a facilidade oferecida pelo material ao estabelecimento do fluxo magnético. µ o : permeabilidade magnética do vácuo (ar ) = 4π x 10-7 Henrys/m µ µ r = µ0 permeabilidade relativa Para aços e outros materiais usados na construção de máquinas. µr ± de 2000 a O fluxo magnético é dado por : φ = B. da s para B constante ( em módulo e direção )e perpendicular à e perpendicular á superfície : φ = BA φ medido em weber B = cte. 3

4 I.2. - Se um fluxo atravessa uma bobina com N espiras, nesta será induzida uma tensão proporcional á taxa de variação do fluxo no tempo ( ação de transformador ) - Lei de Faraday. e = N d φ( t ) ind dt sinal negativo resultado da lei Lei de Lenz I.3. - Um condutor ou bobina percorrida por uma corrente e colocada na presença de um campo magnético, fica sujeito a uma força ( princípio da ação de um motor elétrico ). i = corrente 4

5 F = i.( l B) l = vetor comprimento ( módulo = comprimento ) B = densidade de campo ( direção = de i ) I.4. - Uma tensão é induzida em um condutor ou bobina que se move na presença de um campo magnético. ( princípio da ação do gerador elétrico ) v = velocidade e = ind ( v B). l B = densidade de campo l = vetor comprimento ( mód. = comp. ) ( direção = da tensão + ) Estes 2 últimos princípios serão ilustrados analisando - se a máquina linear de corrente contínua. O que acontece neste circuito quando fechamos a chave? Partida da máquina c.c. linear. Inicialmente circula uma corrente I dada por : I = V B R Teremos então uma força atuante na barra dada por F = I( l B), que pela geometria e sentido da corrente tem módulo F = IBl e aponta para a direita. A barra então acelera ( lei de Newton ). A velocidade começando a crescer teremos na barra uma tensão induzida dada por e = ind ( v B). l que pela geometria é positiva no topo da barra e tem módulo. e ind = vbl Aparecendo esta tensão induzida a corrente no circuito diminui : I = V B e R ind 5

6 A força então diminuirá, visto que esta vale : F = I l Este processo continua até que, em condições finais de regime, tenhamos : a: 0 v :cte F : 0 I : 0 e ind : VB VB A velocidade de regime da barra é Vreg = Bl A máquina c.c. linear como motor. Vamos considerar que após a barra ter atingido o, regime, permanente, apliquemos uma força F carga contrária ao movimento. O que acontecerá? 1. Como agora F res =0, a velocidade varia, no caso diminuindo. VB eind 2. Como v, e ind = v Bl e, consequentemente, I = aumenta. R 3. Com esta corrente, aparece também uma força no condutor F = I Bl, no sentido do movimento, portanto contrária á carga. 4. Enquanto F carga > F, v diminui, e ind diminui, I aumenta, F aumenta até que F carga = F, quando então v estabiliza em um valor menor que o de regime v reg = VB Bl Este é precisamente o comportamento de um motor c.c. shunt. 6

7 A máquina c.c. como gerador. Voltemos novamente á condição de velocidade constante a vazio. Apliquemos uma Força F apl agora no sentido do movimento. O que acontecerá? 1. Como agora F res 0, v varia, no caso aumentado. 2. Com v, aumenta e, consequentemente teremos agora : e ind > V B e e ind VB I = R 3. Com esta corrente aparecerá no condutor uma força F = I l B, agora para esquerda. 4. Enquanto F < Fapl, v aumenta, e ind aumenta, I aumenta, e F aumenta até que F VB = F apl quando então v estabiliza em um valor maior que o valor Vreg = Bl Este é precisamente o comportamento de um gerador c.c. shunt. Exercício : a) Qual a corrente máxima de partida? Se esta corrente for demasiadamente alta para o circuito o que sugeriria fazer? b) Qual a velocidade de regime em vazio? c) Uma força de 30N é aplicada para a direita. Qual será a nova velocidade de regime? Que potência a barra estaria produzindo ou consumindo? A máquina é um motor ou um gerador? d) Considere agora que uma força de 30N tinha sido aplicada apontando para a esquerda. Qual a nova velocidade de regime? A máquina operará como motor ou gerador? e) Considere o sistema operando na condição (d) quando subitamente a barra entra em uma região onde o campo magnético é reduzido para 0,08 weber /m 2. Quais seriam? 1) Nova velocidade? 7

8 2) Nova força? 3) Nova corrente? 4) Nova e ind? 5) Nova potência gerada ou consumida? f) Curiosidade para os interessado. Admita que a barra tinha uma massa = 1 kg.. Pergunta - se : Como voê determina o tempo que seria gosto para a barra, partindo do repouso, atingir a velocidade de regime? Qual o espaço que seria percorrido? Pense. Agora calcule. A Máquina de Corrente Contínua I ) Introdução: Entende - se por máquina de corrente contínua aquela que trabalha com corrente e tensão continua em seus terminais. Em qualquer máquina elétrica ( exceto a máquina homopolar ), a conversão de energia da forma elétrica para forma mecânica ou vice - versa se processa por meio de grandezas alternadas, mas a máquina de corrente contínua possui um elemento chamado comutador, que retifica, através do movimento, as grandezas alternadas. Desta forma, este tipo de máquina quando observada de seus terminais de acesso apresenta características de corrente contínua. As máquinas c.c. foram as primeiras a serem construídas e, consequentemente, são as mais complexas. No entanto, estas máquinas são bastante versáteis, o que as torna ainda hoje bastante competitivas. A principal desvantagem é que invariavelmente possuem um custo inicial maior que as máquinas C. A. Outra desvantagem é a necessidade de uma manutenção mais freqüente devido à ação retificadora do comutador. A existência do comutador é fator característico das máquinas C.C. II - Princípio Básico de Funcionamento. 8

9 II.1. Espira girante em um campo magnético uniforme. Fig 1 Fig 2 As figuras (1) e (2) mostram uma bobina com N espiras girando entre duas faces polares planas, onde existe um campo magnético de densidade constante B. Pela lei de Faraday. e = N d φ b ind onde φ dt b é o fluxo que atravessa a bobina. φ b =B A efetiva = B A b cos θ = B 2rlcosθ onde: r- raio da bobina (m) l - comprimento da bobina (m) Ab - área da bobina (m 2 ) Aef.- área efetiva da bobina (m 2 ). ω - velocidade de giro (rad/s). Portanto: e = N d ( 2. Brl cos ω t ) ind dt e = 2 ind NBlr ω sen ω t, e E t ind = max sen ω onde:e máx =2NBlrω. inserir figura 3 9

10 Fig 4 10

11 Fig 5 A forma de onda é mostrada na figura (3). Na pratica, as máquinas C.C. reais possuem as faces polares curvadas como mostra a figura (4). Com esta construção, o lado da bobina desloca-se sob uma densidade de fluxo constante enquanto está sob as faces polares e não corta fluxo quando esta entre as faces polares. A tensão induzida em um condutor que se desloca em um campo magnético como foi apresentado no item I.4 é dada por: e ind = (VxB)l. Nesta espira teremos então: - lado ab e ind = vbl para dentro da pág. - sob a face polar 0 - entre os pólos. onde : v (m/s ) : velocidade mecânica B (wb / m 2 ) l (m ) - lado bc e ind = 0 - lado cd e ind = vbl para fora da pág. - sob a face polar. 0 entre os pólos. - lado da e ind = 0 portanto : e indres = 2 vbl - sob as faces polares. 0 entre os pólos. A fig. (6 ) mostra como fisicamente a tensão alternada gerada na bobina pode ser coletada:. Escovas fixas de carvão, grafite ou ligas metal-grafite deslizam sobre anéis de cobre presos ao eixo girante, nas quais estão ligadas eletricamente os terminais da bobina. 11

12 Fig 6 II.2 O Processo de Comutação. Fundamentos: Fig 6 a e 6 b Temos agora os dois terminais da bobina ligados a dois segmentos de anel de cobre isolados entre si, que são solidários ao eixo girante. Escovas de grafite fixas ficam apoiadas sobre estes segmentos. Se as escovas e os segmentos forem dispostos adequadamente, teremos, com a rotação do eixo, um processo de retificação da tensão alternada gerada. A comutação (inversão da ligação dos lados da bobina nas escovas) ocorre no instante em que a tensão na bobina se anula. Observe ainda que, neste instante, a bobina é curto-circuitada pelas escovas. Neste esquema de ligação devemos ter dois segmentos de comutador para cada bobina. 12

13 Fig 7 a Fig 7b Analisemos o caso de duas bobinas colocadas no rotor defasadas de 90º, como mostra a figura (8). 13

14 Neste caso se a tensão induzida na bobina aa` é : E aa`=e m senωt, a tensão induzida na bobina bb` será então E bb`=e m sen(ωt-90º) E bb`=e m cosωt. Ligando-se os quatro terminais destas duas bobinas a quatro segmentos de comutador como mostra a figura, teremos a comutação sendo realizada. Observe que no momento da comutação as bobinas aa` e bb` são ligadas em paralelo (em 45º.135º,225º e 315º). Neste caso, a tensão resultante nestes terminais das escovas é mais plana com menos oscilação.(fig.8) Se aumentarmos o número de bobinas, que deverão estar igualmente defasadas uma da outra, a tensão resultante tenderá para um valor constante, que no caso será Em. Podemos notar que este não é um processo eficiente de comutação, pois as bobinas estão isoladas entre si e cada uma só é utilizada durante uma fração de cada volta, fração esta igual a 360º/número de bobinas. Por exemplo, no caso de duas bobinas cada uma seria efetivamente utilizada durante 120º. Uma alternativa mais eficiente é a ligação das bobinas em série, obtendo-se nas escovas a soma das tensões e utilizando as bobinas durante todo tempo. Existem formas diferentes de ligação das bobinas entre si e ao comutador. As alternativas básicas para, ligação são : Enrolamentos em anel de Gramme # Não utilizada na pratica por também não ser muito eficiente. Enrolamento em tambor : - Enrolamento embricado (lap winding) - Enrolamento ondulado (wave winding) - Enrolamento perna de sapo (frog leg winding) ou auto equalizado. A análise dos tipos de enrolamento e suas características não são objetivo do curso, mas veremos alguns casos como exemplos. 14

15 II.2.1. Enrolamento em anel de Gramme A figura 9 mostra a estrutura da armadura (rotor) em anel de Gramme. As espiras são enroladas em torno de um núcleo, fechando o enrolamento sobre si mesmo. As espiras ou conjunto de espiras são ligadas ao segmento do comutador à distancias igualmente espaçadas (fig.10). Fig 9 Fig 10 Fig 10 a Fig 11 O caminho magnético para o fluxo é mostrado na figura onze. Pode-se então observar que os lados internos das espiras não são cortados pelo fluxo, e portanto neles é induzida nenhuma tesão. Somente os lados externos são ativos. Os lados internos apenas fazem a ligação em série das tensões induzidas nos lados externos. Todos os condutores sob o pólo norte possuem tensões induzidas de mesma polaridade e opostas ás tensões induzidas no condutores localizados sob o pólo sul. A figura 12 mostra um circuito equivalente para o circuito de armadura e a tensão resultante nas escovas. A armadura em anel de Gramme não é hoje em dia utilizado nas construções de máquinas C.C. porque mais da metade do cobre do enrolamento de armadura não é efetivamente ativo na geração de tensão, o que nos levaria a máquina volumosas e de baixo rendimento. Hoje em dia todas as máquinas C.C. possuem a armadura (rotor ) em tambor, como mostrado na figura 13. Neste tipo de estrutura os dois lados do bobina são ativos, e apenas as cabeças de bobina são ativas. 15

16 Como já foi dito anteriormente com armadura em tambor podemos ter rolamento do tipo embricado ou perna de sapo. Não entraremos em detalhes a respeito de características e estruturas construídas destes tipos de enrolamentos. Para os interessados, vide Eletric Machinery Fundamentals - Chapman - item 4-4 ou Máquinas Elétricas de Corrente Continua - Afonso Martignoni. II.3. O processo de comutação em máquinas C.C. simples de quatro espiras O processo de comutação é a parte mais crítica do projeto e operação de qualquer máquina C.C.. Analisaremos agora com mais detalhes o processo de comutação em máquinas reais ( armadura em tambor ) e os problemas a ele associados e como são na prática solucionados. Figs 14 a e b A figura 14 mostra uma armadura em tambor com quatro espiras colocadas em quatro ranhuras defasadas de 90º ( Enrolamento de dupla camada ), no sentido anti - horário e temos quatro segmentos de comutador ( a, b, c, d, ). A figura quatorze b mostra um diagrama esquemático da máquina com os valores e polaridades das tensões induzidas neste instante de tempo. Observamos que as bobinas 11`e 22`estão ligadas em série, da mesma forma que as bobinas 33`e 44`. Estes dois conjuntos estão ligados em paralelo. A tensão entre escovas neste instante é 2( 2 vbl ) = 4 vbl. 16

17 Figs 15 a e b A figura15 a mostra a mesma máquina em ωt = 45º, e a figura quinze b. o diagrama esquemático. Observe que tanto as bobinas quando os anéis de comutador giraram de 45º. Neste instante, as espiras 11`e 33`estão entre as faces polares e, portanto como vimos anteriormente v 11 + v 33 = 0. As tensões v 22 e v 44 são 2vBl e estas duas bobinas estão ligadas em paralelo. A tensão entre as escovas vale 2vBl. Observe que neste instante as escovas estão curto - circuitando as bobinas 11`e 33`, mas a tensão induzida nelas é nula, não trazendo problemas a isto associados. A figura 16 a. mostra a máquina em ωt = 90 o e a figura 16 b. o diagrama esquemático neste instante. Observe que agora as bobinas 22`e 33`estão ligadas em série, da mesma forma que as bobinas 11`e44`. Estes dois conjuntos estão ligados em paralelo. A tensão entre as escovas neste instante vale novamente 2(2vBl)=4vBl. Figs 16 a e b Observando-se a polaridade das tensões induzidas concluímos que sempre a escova da esquerda será positiva em relação à direita. A forma de onda resultante está na fig

18 Fig 17 Observamos que com este esquema de ligação estamos obtendo somatório de tensões geradas nas espiras e que todos os lados das bobinas estão a todo instante sendo utilizadas para a geração de tensões (exceto no momento que estas estão sob as faces polares.) Em máquinas reais, esta é uma das formas possíveis de ligação. Na prática, entretanto, utiliza-se um n.º muito maior de bobinas, preenchendo-se toda a periferia do rotor (armadura).isto evidentemente implica em um número também muito maior de segmentos de comutador. veja figuras 18 e 19. Fig 18 Fig 19 Como conseqüência teremos uma tensão resultante de saída praticamente constante. A tensão induzida em cada lado de bobina (condutor ) vale vbl. 4 bobinas c = 4. 1 espira por bobina Nc =1 8 condutores na armadura Z = 8 (Z=2cNc) 4 condutores (2 bobinas ) ligados em série z = 4 2 caminhos de corrente (ligados em paralelo) a = 2 Z Observe que z = a III - Problemas Associados à Comutação em Máquinas Reais 18

19 O processo de comutação não é tão simples na prática como foi descrito anteriormente na teoria. Dois efeitos principais ocorrem na realidade, que vêm modificar as condições definidas. Estes 2 efeitos são: 1. Reação de armadura 2. Tensões L di dt III.1. Reação de Armadura Se enrolamentos de campo da máquina c.c são ligados a uma fonte c.c, e o eixo do rotor (armadura) é posto a girar por ação de uma fonte mecânica (turbina, etc.), então teremos uma tensão alternada induzida nos enrolamentos da armadura (rotor). Esta tensão será retificada por ação do comutador, estando presente nos terminais da armadura (escovas) uma tensão contínua. Fig. 20 Fig 20 a Fig 20 a Considere agora que uma carga seja ligada ao terminais da armadura. Teremos então uma corrente circulante pelos enrolamentos de armadura, a qual produzirá um campo magnético próprio. Este campo magnético da armadura irá enfraquecer e distorcer o campo magnético original criado pelos pólos da máquina. Este enfraquecimento e distorção que ocorrem no fluxo da máquina quando se liga uma carga é chamado reação de armadura. A reação de armadura causa 2 sérios problemas em máquinas reais: a) Deslocamento do plano magnético neutro b) Enfraquecimento do fluxo a) Deslocamento do plano magnético neutro Observe as figs. 21 (a), 21 (b) e 21 (c). Fig 21 a Fig 21 b Fig 21 c 19

20 Fig 21 d Fig 21 e Fig. 21 (a) Mostra a distribuição do fluxo magnético com apenas o campo principal excitado. O plano magnético é definido como sendo o plano dentro da máquina no qual a velocidade dos condutores do rotor é paralela às linhas de fluxo, de forma que nestes condutores e ind = 0. Fig. 21 (b) Mostra a distribuição do fluxo produzido somente pela corrente de armadura quando a máquina está alimentando uma carga. Observamos que esta corrente cria um campo que está em quadratura (perpendicular) ao campo principal. Fig. 21 (c) Mostra a composição de 2 fluxos, ou seja, a distribuição do fluxo resultante na máquina. Pode ser observado que agora o plano neutro foi deslocado no sentido da rotação, saindo da posição vertical. Na verdade, o plano neutro desloca-se no sentido da rotação quando a máquina opera como gerador e em sentido contrário à rotação quando a máquina opera como motor. O deslocamento do plano neutro quando a máquina alimenta uma carga traz um problema para a comutação. Como foi visto anteriormente, deve-se efetuar a comutação (inversão de polaridade), quando a tensão na bobina é nula, ou seja, quando ele está no plano neutro. Isto porque no momento da comutação a bobina é curto-circuitada. Quando a máquina esta alimentando uma carga, existe um deslocamento do plano neutro devido à reação de armadura e se as escovas são mantidas na posição correspondente ao plano magnético neutro sem carga, elas estarão curto-circuitando bobinas nas quais a tensão não é nula. O resultado disto é que teremos então uma corrente circulando na bobina na hora da comutação e centelhamento nas bordas das escovas no comutador ocorrerá quando o caminho para esta corrente for interrompido vide fig. 21 (d) e 21 (e). Pode-se ainda atingir um caso extremo. O centelhamento geralmente ioniza o ar próximo às escovas no comutador. Lembrando que existe uma distribuição não uniforme de fluxo sob o sapato polar (fig. 21 c), as tensões induzidas nas bobinas, ao passarem pela região de maior densidade, pode ter valor suficiente para romper um arco entre as lâminas do comutador às quais está ligada, e sustentá-lo. Este fato pode facilmente estender-se para todo o comutador formando um anel de fogo (flashover). A máxima tensão entre segmentos adjacentes é da ordem de 30 a 40 V, o que limita o valor médio de tensão entre lâminas e, consequentemente, o número máximo de segmentos para um dado projeto. 20

21 O centelhamento nas escovas e no comutador causado pelo deslocamento do P.M.N traz sérios problemas: Diminuição drástica da vida útil da escova, estragos no comutador e consequentemente um grande aumento nos custos de manutenção. Observe ainda que para cada carga teremos uma posição diferente para o plano neutro. Um outro problema causado pela reação de armadura é o enfraquecimento do fluxo resultante do entreferro. Este fato pode ser observado nas figs. 22 (a), 22 (b), 22 (c) e 22 (d). b) Enfraquecimento do fluxo no entreferro Figs 22 a,22 b e 22 c A fig. 22 (a) mostra uma retificação da estrutura de uma máquina c.c, com os caminhos do fluxo do campo principal (φ p ) e do fluxo de reação de armadura ( ) φ a. Pode-se observar que o fluxo de reação de armadura percorre um caminho de relutância muito maior que a relutância oferecida pela máquina ao fluxo do campo (fig. 21 (a) e 21 (b) ). A fig. 22 (b) mostra graficamente a f.m.m do campo e da armadura (Lembre-se que F = Ni e que o número efetivo de espiras do enrolamento de armadura cresce quando nos aproximamos da linha interpolar). As figs. 22 (c) e 22 (d) mostram curvas da f.m.m resultante e da densidade de fluxo resultante no interferro. A maioria das máquinas c.c operam com densidades de fluxo próximas ao ponto de saturação. Portanto, nos locais sob as faces polares onde a f.m.m. da armadura é aditiva com a do campo, ocorre apenas um pequeno acréscimo da densidade de fluxo. Por outro lado, nos locais sob as faces polares onde as f.m.m. do campo e armadura se subtraem, existe um decréscimo proporcional na densidade de fluxo. Como resultado a densidade média de fluxo 21

22 sob as faces polares é reduzida. (o fluxo resultante é proporcional à área sob a curva da densidade de fluxo e é também enfraquecido). Como consequência natural deste fato temos os seguintes problemas: Em geradores o decréscimo da densidade média de fluxo resultante sob os pólos provoca uma diminuição da tensão gerada (e ind = v.b.l). Em motores C.C. vimos que uma diminuição da densidade de fluxo pode causar um aumento da velocidade (vide exercício do cap. I item d). Este aumento de velocidade pode corresponder a um aumento da carga no motor, o que causaria um maior enfraquecimento do fluxo, novo aumento da velocidade até uma situação na qual o motor seria desligado automaticamente pela proteção ou continuaria aumentando a velocidade até se auto-destruir. Tensões L di dt O segundo problema principal da comutação é a ocorrência de tensões L di que dt ocorrem nos segmentos do comutador que estão sendo desligados das escovas, algumas vezes chamado choque indutivo. Para entender este problema observe a fig. 23. Esta fig. representa uma retificação da armadura (rotor) da máquina c.c de 4 espiras utilizada na análise da comutação feita no item II.3. (vide fig. 14 b, 15 b e 16 b). Fig 23 Admitia que a corrente na escova seja 400 A. Então a corrente em cada caminho ( e portanto em cada bobina) será 200 A. Observe que a corrente na bobina considerada inverte-se em um intervalo de tempo necessário para um segmento do comutador passar sobre a escova. Considerando que a máquina esteja girando a 800 RPM e que possua 50 segmentos no comutador (números 22

23 razoáveis para motores e geradores típicos), então o tempo necessário para um segmento mover-se sobre uma escova será 0,0015 seg.. Cada volta corresponde a 50 segmentos do comutador. Então segmentos em 1 seg.. 60 Portanto neste caso a corrente na bobina variará de +200 A a -200 A, ou seja de 400 A em 0,0015 seg.. Isto nos dá um valor médio de di dt de: di dt 400A = = A 0, 0015seg seg Existindo então qualquer pequena indutância própria na bobina (e existe na prática) uma considerável tensão v = L di será induzida na bobina. Esta f.e.m. induzida que se opõe dt à inversão de corrente faz com que, durante o curto, uma componente adicional de corrente circule na bobina, componente esta que é interrompida quando da abertura do curtocircuito, resultando nos mesmos problemas de centelhamento causados pelo deslocamento do plano magnético neutro. Em Resumo: Problemas que ocorrem na comutação real: a) Causados pela reação de armadura deslocamento do plano magnético neutro. provoca centelhamento: - desgaste na escova, no comutador. - maior manutenção enfraquecimento do fluxo: - queda da tensão nos geradores. - variações de velocidade indesejáveis nos motores. b) Causados pelas tensões L di dt Centelhamento na hora da comutação: desgaste nas escovas e no comutador. pode provocar o anel de fogo (flashover). IV - Soluções para o Problema da Comutação Três alternativas básicas foram desenvolvidas para parcialmente ou completamente corrigir os problemas de comutação causados pela reação de armadura e pela tensão L di dt : a) Deslocamento das escovas b) Interpolos ou também chamados pólos de comutação 23

24 c) Enrolamento compensador IV.1. Deslocamento das escovas Esta apresentou-se inicialmente como a solução natural para resolver o problema de centelhamento na comutação, provocado pelo deslocamento do P.M.N.. Se a máquina sob carga tem o seu plano neutro deslocado poderíamos também deslocar as escovas para nova posição do plano neutro. Isto certamente reduziria drasticamente o problema do centelhamento, mas traria consigo outros inconvenientes: a) Como o fluxo de reação de armadura e, consequentemente, a posição do plano neutro é função de carga, teríamos que estar constantemente ajustando a posição das escovas em função das variações de carga, o que do ponto de vista operacional é um sério inconveniente. b) O deslocamento de escovas embora possa melhorar o problema do centelhamento, agrava o problema do enfraquecimento do fluxo do entreferro (efeito desmagnetizante de reação de armadura). Isto pode ser observado nas figs. 24 a e 24. b. Fig 24 a e b Pela Lei de Faraday, todos os condutores sob o pólo norte terão f.e.m. induzidas de mesma polaridade, e todos os de baixo do pólo sul terão f.e.m induzidas de polaridade oposta. Se as escovas estiverem deslocadas para uma nova posição, a lei de Faraday não se aplica mais para a corrente. Se as escovas estiverem no plano neutro a vazio, a lei de Faraday será válida para as correntes. No caso das escovas deslocadas, os circuitos em paralelo são ditados pela posição das escovas e o sentido da corrente é o mesmo para todos 24

25 os condutores de cada um dos circuitos em paralelo. Portanto todos os condutores localizados entre 2 escovas de polaridades opostas conduzem corrente num mesmo sentido. A fig.24 b mostra as f.m.m do pólo e da armadura, com as escovas deslocadas. Observa-se que, neste caso, a f.m.m da armadura possui uma componente que opõe diretamente a f.m.m do campo, o que vem agravar ainda mais o problema do enfraquecimento do fluxo causado pela saturação mencionado anteriormente. O deslocamento de escovas foi muito usado no passado (até 1910/1915). Hoje em dia é utilizado somente em motores muito pequenos, que giram sempre em um mesmo sentido (solução mais econômica para pequenos motores). IV.2. Interpolos ou pólos de comutação Face às 2 desvantagens acima apresentadas (agravamento do problema de enfraquecimento do fluxo no entreferro e necessidade constante de ajuste da posição das escovas) outra alternativa foi desenvolvida para minimizar o problema do centelhamento na comutação são os chamados interpolos ou pólos de comutação. São pequenos pólos localizados na linha mediana entre os pólos principais, exatamente sobre as bobinas que estão em processo de comutação. Vide figs. 25 e 26. Fig 25 Fig 26 A finalidade destes pólos é criar um fluxo que cancele o fluxo resultante do efeito da reação de armadura e L di sobre as bobinas que estão sob comutação. Desta forma a dt tensão resultante sobre estas bobinas é anulada, eliminando-se assim o problema de centelhamento nas escovas. Estes interpolos são de tamanho reduzido porque precisam anular apenas o fluxo sob poucos condutores que estão em processo de comutação. a polaridade é facilmente determinada visto que o fluxo criado deve se opor ao fluxo de reação de armadura. Outro fato que deve ser observado é que os interpolos devem cancelar o fluxo de reação de armadura e L di para todos os valores de carga. Portanto, como estes fluxos são dt essencialmente proporcionais à corrente de armadura nesta posição (alta relutância), as 25

26 bobinas dos interpolos devem também ser percorridas pela corrente de armadura, ou seja, as bobinas dos interpolos devem estar ligadas em série com os enrolamentos de armadura. O uso de interpolos é muito comum, porque corrigem os problemas de centelhamento a baixo custo. São encontrados em quase todas as máquinas de 1 HP ou mais. Entretanto é importante observar que a ação dos interpolos não chega a influenciar a distribuição do fluxo sob as faces polares e, portanto, o problema de enfraquecimento do fluxo ainda está presente. Muitas máquinas de médio porte para aplicações gerais possuem apenas os interpolos, e convivem com o problema de enfraquecimento de fluxo. Fig 27 IV.3. Enrolamento de Compensação Entretanto, para máquinas maiores, sujeitas a elevadas sobrecargas, cargas rapidamente variáveis (por exemplo motores de laminadores de aço), ou ainda máquinas que operam com campo principal reduzido, o enfraquecimento do fluxo principal pode ser um sério problema, já discutido anteriormente. Com cargas rapidamente variáveis podemos ter altas tensões induzidas nas bobinas de armadura e, consequentemente, entre lâminas do comutador, tensões estas associadas ao aumento e diminuição do fluxo de armadura. Ainda com elevadas sobrecargas, o fluxo de reação de armadura sendo também consideravelmente elevado sob as faces polares e tensões elevadas podem estar presente nas bobinas quando passarem sob a região de maior densidade de fluxo. Nos dois casos a tensão pode ser suficiente para romper um arco entre lâminas e facilmente formar o anel de fogo (flashover). Sob estes aspectos, o interpolo é totalmente inoperante, visto que atua apenas sob as bobinas em comutação. Para amenizar estes problemas, são utilizados os enrolamentos de compensação, que são encaixados em ranhuras localizadas nas faces polares, como mostra a fig. 28 a. Este enrolamento tem como objetivo neutralizar a f.m.m. da armadura sob as faces polares. 26

27 Podemos observar que este enrolamento compensador tem o mesmo eixo do enrolamento de armadura. Se ele possuir um número apropriado de espiras e polaridade conveniente quando for percorrido pela corrente de armadura irá neutralizar quase completamente a f.m.m da armadura sob as faces polares para qualquer carga. Portanto o enrolamento compensador é também ligado em série com o enrolamento de armadura. Fig 28 O restante da f.m.m de armadura (± 20 a 30%) e da f.e.m L di devem ser dt neutralizados pelos interpolos. Todos os motores que usam enrolamentos compensadores possuem também interpolos porque os enrolamentos compensadores não atuam sobre a f.e.m L di dt. A principal desvantagem dos enrolamentos compensadores é o seu alto custo, só devendo ser utilizado quando extremamente necessário. A fig. 29 mostra um diagrama esquemático de uma máquina com interpolos e enrolamentos compensadores. Fig 29 A fig. 30 mostra os aspecto construtivo do estrator de uma máquina c.c. de 6 pólos, com interpolos e enrolamentos compensadores. 27

28 Fig 30 Fig 31 Fig 32 Fig 33 28

29 Fig 35 Fig 36 29

Fundamentos das máquinas CC:

Fundamentos das máquinas CC: p. 1/38 Fundamentos das máquinas CC: Com excessão da máquina homopolar a conversão eletromecânica de energia elétrica em mecânica e vice-versa se processa através de grandezas alternadas; A retificação

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO de corrente contínua GERADOR ELEMENTAR GERADOR ELEMENTAR Regra da Mão Direita e = Blv F = Bli Bornes das de Corrente Contínua Nomenclatura a utilizar nos enrolamentos de máquinas

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique 2 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA 2.1 - COMPONENTES DA MÁQUINA CC Fig. 2-1 :

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

GERADORES DE CORRENTE CONTINUA SEM CARGA (em vazio) SURGIMENTO DE TENSÃO NOS GERADORES DE CORRENTE CONTINUA EM VAZIO.

GERADORES DE CORRENTE CONTINUA SEM CARGA (em vazio) SURGIMENTO DE TENSÃO NOS GERADORES DE CORRENTE CONTINUA EM VAZIO. OTA DE AULA DE COVERÃO I 33 GERADORE DE CORRETE COTIUA EM CARGA (em vazio) URGIMETO DE TEÃO O GERADORE DE CORRETE COTIUA EM VAZIO. 1. EXCITAÇÃO IDEPEDETE Diagrama elétrico Característica Magnética A E

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Geradores de corrente contínua

Geradores de corrente contínua Geradores de corrente contínua Introdução: Um motor é uma máquina que tem a função de converter energia elétrica em energia mecânica e um gerador tem a função tem função contrária, ou seja, converter a

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Apostila de Eletromagnetismo

Apostila de Eletromagnetismo Apostila de Eletromagnetismo Um campo magnético não exerce força em uma carga elétrica em repouso; mas é possível experimentalmente verificar que um campo magnético exerce uma força sobre uma da carga

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 111 PARTE 3 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 111 PARTE 3 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 111 PARTE 3 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA: CONSTRUÇÃO PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 112 ROTOR SUSTENTADO DENTRO DO ESTATOR POR MEIO DE MANCAIS

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Gerador CC- Excitação Independente

Gerador CC- Excitação Independente Gerador CC- Excitação Independente Necessidade de uma fonte externa: Outro gerador CC; Retificador (diodo ou controlado); Bateria; etc... Gerador CC- Excitação Independente Analisando o circuito: Rfw ->

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA Geradores e motores A máquina é um motor quando transforma energia elétrica em energia mecânica. Quando transforma energia mecânica em energia elétrica, ela é um gerador.

Leia mais

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (Ufmg 95) Esta figura mostra uma espira retangular, de lados a = 0,20 m e b = 0,50 m, sendo empurrada, com velocidade constante v = 0,50 m/s, para uma região onde existe um campo magnético uniforme

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Máquinas Elétricas e Acionamento

Máquinas Elétricas e Acionamento Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação Máquinas Elétricas e Acionamento uma introdução Edson Bim Sumário 4 Regime Permanente de Máquinas de Corrente Contínua 1 4.1 Estrutura geométrica e aspectos

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA Desde 1820 quando Oersted descobriu que quando uma corrente elétrica percorria um condutor gerando em torno deste um campo magnético, que uma pergunta surgiu, seria possível que

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * Vitória ES 2006 7. ENROLAMENTOS PARA MOTORES DE CORRENTE ALTERNADA A maneira mais conveniente de associar vários condutores de um enrolamento

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação 8 - Transdutores Um transdut or é um equipamento que converte variações de uma determinada grandeza física em outra. Por exemplo, um transdut or de posição converte variações de movimento em um sinal de

Leia mais

Motores de Corrente Contínua:

Motores de Corrente Contínua: p. 1/2 Motores de Corrente Contínua: I F R F I A R A I L V F N F E A ω mec T mec T ele CARGA Máquina CC operando como MOTOR: 1. Inicialmente a máquina se encontra em repouso (ω m = 0); 2. Alimenta-se o

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

GERADORES E MOTORES CC (MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA)

GERADORES E MOTORES CC (MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA) CEFETRN - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RN UNED - UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DE MOSSORÓ GERÊNCIA EDUCACIONAL DA GESTÃO TECNOLÓGICA Rua Raimundo Firmino de Oliveira, 400 Conjunto Ulrick

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua:

Geradores de Corrente Contínua: p. 1/23 Geradores de Corrente Contínua: N A tensão induzida em cada condutor da armadura é dada por:: e ind = vbl S ω S A tensão total da armadura é dada por: ( ) Z ( ) Z N E a = a vbl = a ωrbl Calculando

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Generalidades Luis Pestana Índice Generalidades Gerador de corrente contínua Principio de funcionamento Fem gerada Melhoria de forma de onda Reacção do induzido Comutação Formas de excitação Exc. Separada,

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Física: Eletromagnetismo

Física: Eletromagnetismo Física: Eletromagnetismo Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Está(ão) correta(s): Considere as afirmações a seguir a respeito de ímãs. I. Convencionou-se

Leia mais

Máquinas Eléctricas Instalações Eléctricas e Automação Industrial Instituto Politécnico de Tomar Carlos Ferreira Princípios básicos das máquinas eléctricas 1 Equações de Maxwell: As Equações de Maxwell

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2012/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2012/1 DISCIPLINA: Créditos: 6 Caráter: Obrigatório Professor regente: Ály Ferreira Flores Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2008

Aula de Véspera - Inv-2008 01. Um projétil foi lançado no vácuo formando um ângulo θ com a horizontal, conforme figura abaixo. Com base nesta figura, analise as afirmações abaixo: (001) Para ângulos complementares teremos o mesmo

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força 1. (Espcex (Aman) 015) Em uma espira condutora triangular equilátera, rígida e homogênea, com lado medindo 18 cm e massa igual a 4,0 g, circula uma corrente elétrica i de 6,0 A, no sentido anti-horário.

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Magnetismo

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Magnetismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Magnetismo 01 - (PUC SP) Na figura abaixo temos a representação de dois

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Semestre I - 005/006 1.Objectivos 1) Estudo do campo magnético de espiras percorridas por corrente eléctrica. ) Estudo da lei de indução de Faraday.. Introdução

Leia mais

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE III... 4 Capítulo 3: Eletromagnetismo... 4 3.1 Introdução... 4 3.2 Campo Magnético (B)... 6 3.3 Campo Magnético Gerado Por Corrente... 7 3.4 Campo

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

Geração de Corrente Alternada

Geração de Corrente Alternada Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Gerência Educacional de Eletrônica Fundamentos de Eletricidade Geração de Corrente Alternada Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, novembro

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas

Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas Introdução Será descrito neste tópico um tipo específico de motor que será denominado de motor de corrente contínua com escovas. Estes motores possuem dois

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Consistem de um condutor enrolado com N voltas (espiras) na forma de um solenóide, ou de um tiróide. Podem conter ou não um

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho thinkmotion Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho I. Introdução II. III. IV. Otimização de um motor CC sem escova para

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante.

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO META Aula 8 Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. Mostrar a lei da circulação de Ampère-Laplace e a lei de Biot-Savart. Estudar

Leia mais

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor.

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. Corrente alternada Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. A corrente elétrica pode ser contínua (quando movimento é em uma única direçaõ e sentido) ou

Leia mais