orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Cem anos após o nascimento da Psicologia Social, é a partir de agora possível fazer o balanço da evolução desta disciplina. Nessa perspectiva, Elementos de Psicologia Social responde a um duplo objectivo: circunscrever o campo da Psicologia Social abordando os principais conceitos e métodos que o estruturam; tornar acessível e inteligível esta disciplina apresentando de modo lógico e ordenado os seus diferentes elementos. O desenvolvimento da psicologia social está estreitamente ligado à evolução dos contextos socioeconómicos das nossas sociedades industrializadas. Com efeito, a emergência e o estudo dos temas e conceitos que ela aborda correspondem a interrogações que têm origem em preocupações e acontecimentos que marcaram o século XX: revolução industrial, progresso do taylorismo, crises económicas e sociais, guerras mundiais, desenvolvimento de novos ritmos de trabalho Se a psicologia clínica se centra no sujeito individual e a psicologia do desenvolvimento na ontogénese do indivíduo, a psicologia social, essa, interessa-se pelo Homem enquanto ser social e submetido às mutações contextuais. Nesta perspectiva, esta subdisciplina da psicologia procurou compreender de que modo os homens inseridos nesses sistemas socioeconómicos se constroem e evoluem, tanto num plano individual como por intermédio das suas relações com os outros. Para fazer isso, os investigadores e os práticos recorreram a uma tal variedade de conceitos, de técnicas, de métodos e de teorias que um aprendiz na matéria poderia perder-se nos meandros da disciplina. Assim, um estudante que comece um DEUG de psicologia pode ter falta de referências para aí se

2 8 orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se uma abordagem sintética, abordagem essa que nos permite abarcar um máximo de referentes teóricos e conceptuais, evocar numerosos autores que trabalham na disciplina, tudo isso através de dezasseis capítulos agrupados em quatro partes. Uma primeira parte, intitulada «O olhar psicossocial», delimita a especificidade do olhar psicossocial relativamente à sociologia e a visões mais clássicas da psicologia [1]. A explicitação desse olhar permite, assim, apreender melhor os objectivos que a disciplina se atribui. A riqueza dos temas e objectos de investigação e as suas evoluções são evocadas através de um balanço cronológico da psicologia social, desde os começos até aos nossos dias [2]. Para tratar esses objectos, investigadores e práticos têm a possibilidade de recorrer a diversos métodos e démarches que convém definir e diferenciar, do mesmo modo que parece importante precisar os diversos campos de aplicação que estruturam a disciplina [3] e [4]. A segunda parte define os conceitos-chave sobre os quais se debruçaram numerosos psicossociólogos. Embora muitas vezes sejam abordados separadamente, estes diferentes conceitos estão imbricados estreitamente uns nos outros. Os valores orientam os comportamentos dos indivíduos membros de um mesmo grupo, traduzem-se concretamente através das normas fixadas por esses membros [5] e [6]. As normas ditam a conduta a ter na sociedade de acordo com o estatuto e a posição social que nela se ocupa [6]. O estatuto está associado ao papel. Além disso, o estatuto de uma pessoa pode relacionar-se com as atitudes que ela exprime em relação a objectos (que podem ser pessoas, valores, situações ) [7] e [8]. A terceira parte interessa-se mais por campos de investigação que se dedicam ao estudo de processos psicológicos complexos. O que é uma representação social e o que é que o acto de representação implica [9]? Porque é que categorizamos os elementos do nosso meio [10] e [11]? Como é que processos como a atribuição e

3 Introdução 9 o controlo podem dar ao indivíduo o sentimento de dominar a realidade [12] e [13]? Por fim, a quarta parte evoca os temas de grupos e comunicação, centrais em psicologia social. Depois de ter mencionado diferentes modelos de comunicação, mostra-se de que modo o modelo psicossocial considera o acto de comunicar e permite então explicar certas distorções tais como o rumor [14]. Finalmente, processo de influência e dinâmica de grupo mostram de que modo a pertença grupal contribui para estruturar, e até reestruturar, a pessoa [15] e [16].

4

5 [Parte 1] O OLHAR PSICOSSOCIAL

6

7 [1] EM DIRECÇÃO A UMA VISÃO TERNÁRIA DOS FACTOS 1.1. Emergência e especificidade da disciplina A. UMA DISCIPLINA RECENTE A Psicologia Social tem praticamente um século de existência. Os primeiros trabalhos na matéria podem ser historicamente datados do fim do século XIX. A emergência desta disciplina corresponde ao nascimento de uma nova era económica e social (Revolução Industrial) com, como corolário, a necessidade, segundo alguns investigadores, de estabelecer um saber sobre as relações do Homem com a sociedade, de um género ainda inédito. Alguns precursores em psicologia social Datas Autores Temas de estudo 1803 Tarde Definição do conceito de imitação que prefigura os trabalhos futuros sobre influência social 1895 Le Bon Descrição do fenómeno de contágio mental numa abordagem psicológica dos homens em multidão 1897 Triplett Análise dos efeitos da competição sobre uma performance individual 1908 McDougall Estudo da vida social através das noções de instinto e de pulsão

8 14 B. DEFINIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL a. Especificidades da disciplina A psicologia social centra-se no estudo do Homem enquanto ser social. De um modo mais preciso, ela tenta não só apreender os fenómenos de influências recíprocas que unem um indivíduo ou um grupo à sociedade mas estuda também as relações interpessoais que se tecem entre o indivíduo e os grupos ou no seio dos grupos entre eles, num contexto social determinado. b. Definições Em 1924, Allport definiu a psicologia social como «o estudo das relações, reais ou imaginadas, de pessoa com pessoa num contexto social dado, na medida em que afectam as pessoas implicadas nessa situação». Worchel e Cooper (1976) baseiam-se mais na situação social do que no aspecto relacional e vêem na psicologia social «o estudo das condições em que os indivíduos são afectados por situações sociais». Mais recentemente, Moscovici (1984) considera a psicologia social como «a ciência do conflito entre o indivíduo e a sociedade, a ciência dos fenómenos da ideologia e dos fenómenos de comunicação». Fischer (1987) descreve-a como «o estudo dos fenómenos sociais definidos pela natureza sempre problemática das relações que se desenrolam entre indivíduo e sociedade» Um olhar específico A. AS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS E PSICOLÓGICAS Para explicar os factos, tanto o sociólogo como o psicólogo apoiam-se numa grelha de leitura binária da realidade. Assim, o sociólogo orienta-se num esquema do tipo: sujeito colectivo/objecto (político, económico, ético ). Estuda, por exemplo, o comportamento das mulheres francesas perante a interrupção voluntária da gravidez (mulheres/ivg).

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

A História da Psicologia Social

A História da Psicologia Social Então estamos falando de duas Psicologias Sociais? A História da Psicologia PSICOLOGIA SOCIAL I PROFA. DRA. ROSANA CARNEIRO TAVARES Psicologia Tradicional: descreve, nomeia e conceitua os fenômenos psicossociais,

Leia mais

Professora: Susana Rolim S. Silva

Professora: Susana Rolim S. Silva Professora: Susana Rolim S. Silva Sociólogo, filósofo e antropólogo francês. Conferiu a Sociologia o reconhecimento acadêmico. Considerado por muitos o pai da Sociologia. Sua grande preocupação: estabelecer

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Ano letivo de 2014/2015 Disciplina: PSICOLOGIA B 12º ANO Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Ano letivo de 2014/2015 Disciplina: PSICOLOGIA B 12º ANO Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo Problemas da Psicologia Conteúdos Conceitos fundamentais Objectivos Capacidades Tempos 1. Como interagem os planos do biológico e do cultural para a constituição do ser humano? Unidade 1 A ENTRADA NA VIDA

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR

Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR 151841 ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR 346184 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE FILOSOFIA PLANIFICAÇÃO ANUAL

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 5ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: 1.1: Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica. 1.2: Distinguir contextos

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO FIL02457 - FILOSOFIA POLÍTICA I (60 h, OBR) O homem e sua ação política. A noção de polis no pensamento grego antigo e seus desdobramentos

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

Aspectos introdutórios. rios

Aspectos introdutórios. rios Aspectos introdutórios rios Aspectos teóricos Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Os psicólogos sociais constroem e testam teorias acerca do comportamento social; Teoria psicossociológica o É

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes PESSOA E AMBIENTE; O ESPAÇO VITAL Todo e qualquer evento psicológico depende do estado da pessoa e ao mesmo tempo

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 4º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno Técnica T5 Dominios Aptidões /Capacidades/Conhecimentos 1.1: Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica Reconhecer o papel da tecnologia. Discriminar a relevância do objeto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI N.º 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI N.º 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI N.º 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração da Prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância) GEOGRAFIA A -10º+11º anos (Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia Organizacional A relacão da

Leia mais

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso 1 Sumário O que é a fenomenologia? Fenomenologia Busca da verdade Os três tipos de fenómenos Etimologia do termo fenomenologia Mas como lá chegar? Jaspers: Compreender e Explicar Evolução da fenomenologia

Leia mais

Ensino básico-3ºciclo

Ensino básico-3ºciclo Ensino básico-3ºciclo Objectivos pedagógicos Compreensão de que a dinâmica dos ecossistemas resulta de uma interdependência entre seres vivos, materiais e processos. Compreensão de que o funcionamento

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Morfofisiológica e Comportamento Humano Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. Comunicação e

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ANDRADE, Josemberg Moura de, Universidade Federal da Paraíba, Professor orientador, josemberg.andrade@gmail.com;

Leia mais

1º Anos IFRO. Aula: Conceitos e Objetos de Estudos

1º Anos IFRO. Aula: Conceitos e Objetos de Estudos 1º Anos IFRO Aula: Conceitos e Objetos de Estudos Contextualização Os clássicos da sociologia: 1. Émile Durkhiem 2. Max Weber 3. Karl Marx Objeto de estudo de cada teórico Principais conceitos de cada

Leia mais

Psicologia Cognitiva I

Psicologia Cognitiva I 1 Psicologia Cognitiva I 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese descritiva

Leia mais

Critérios de avaliação de Educação Tecnológica 5º ano /2017

Critérios de avaliação de Educação Tecnológica 5º ano /2017 Utiliza as TIC em diferentes contextos Utiliza corretamente a língua portuguesa Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5º ano 206/207 Conhecimentos/capacidades Aprendizagens Indicadores Peso Reconhecer

Leia mais

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOSÉ AFONSO Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova 340 2014 12º Ano de Escolaridade Objeto de avaliação A prova a que esta informação se refere incide nos conhecimentos e nas competências

Leia mais

Disciplina: Política e Meio Ambiente

Disciplina: Política e Meio Ambiente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Amapá Mestrado em Políticas Públicas e Meio Ambiente Disciplina: Política e Meio Ambiente Ricardo Ângelo PEREIRA DE LIMA I A QUESTÃO AMBIENTAL E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

GRADE II ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PSICOLOGIA

GRADE II ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PSICOLOGIA PRÉ-REQUISITOS PARA OS ESTÁGIOS EM PSICOLOGIA Aprovado para inserção no regulamento de estágios em reunião do Departamento de Psicologia em 07/06/06 para entrar em vigor a partir do primeiro semestre letivo

Leia mais

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20 MÓDULO I Bases Elementares para o Estudo e Compreensão do Comportamento: Aspectos Históricos INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE LONDRINA - INESUL CARGA HORÁRIATOTAL DO CURSO 4250 horas relógio CARGA HORÁRIA

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde CCS Serviço de Psicologia Instrução Normativa n 01/2016 Estabelece as diretrizes para desenvolvimento de atividades e atendimento

Leia mais

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano)

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano) ANO : 12º PSICOLOGIA B Curso Científico-Humanístico p.1/4 COMPETÊNCIAS A UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a humano) TEMA 1: ANTES DE MIM A genética, o cérebro e a cultura (12 aulas de 90`) ADN, genes e cromossomas.

Leia mais

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Ecologia do Desenvolvimento Humano O Microsistema O Mesosistema O Exosistema O Macrosistema Copyright, 2008 José Farinha, Prof.

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S MÓDULO 1 Área I A Pessoa Unidade Temática 1 O SUJEITO LÓGICO-PSICOLÓGICO Tema-problema: 1.2 PESSOA E CULTURA DURAÇÃO DE REFERÊNCIA (AULAS): 15 APRESENTAÇÃO: Com este Tema-problema reconhecer-se-á que partilhamos

Leia mais

2 In: Queloz (2004) [T= 273] Que ideia tem actualmente da Criminologia?

2 In: Queloz (2004) [T= 273] Que ideia tem actualmente da Criminologia? 1 INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA 22 e 28 de Setembro de 2009 2 In: Queloz (2004) [T= 273] Que ideia tem actualmente da Criminologia? 3 In: Queloz (2004) [T= 153] Que expectativas de desenvolvimento futuro em

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Aula ao vivo 21/03/2014 Pensamento Sociológico

Aula ao vivo 21/03/2014 Pensamento Sociológico Aula ao vivo 21/03/2014 Pensamento Sociológico 1) Através dos tempos o homem pensou sobre si mesmo e sobre o universo. Contudo, foi apenas no século XVIII que uma confluência de eventos na Europa levou

Leia mais

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

[T] A identidade em psicologia social: dos processos identitários às representações sociais

[T] A identidade em psicologia social: dos processos identitários às representações sociais ISSN 1518-3483 Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] A identidade em psicologia social: dos processos identitários às representações sociais DESCHAMPS, Jean Claude; MOLINER, Pascal. A identidade

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular INTERVENÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano

DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Promover o pensamento de uma forma criativa e crítica, relacionando evidências e explicações, confrontando diferentes

Leia mais

Sociologia e esperança

Sociologia e esperança Sociologia e esperança estudos avançados 26 (75), 2012 185 186 estudos avançados 26 (75), 2012 A crise da esperança na crise da sociologia José de Souza Martins Neste dossiê estão reunidos os trabalhos

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESPORTO. Subunidade 3. Emoções no Futebol 11/25/2016 AS EMOÇÕES E A PRÁTICA DESPORTIVA CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL GRAU II UEFA B

PSICOLOGIA DO DESPORTO. Subunidade 3. Emoções no Futebol 11/25/2016 AS EMOÇÕES E A PRÁTICA DESPORTIVA CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL GRAU II UEFA B PSICOLOGIA DO DESPORTO CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL NÍVEL II UEFA B Joana Cerqueira jcerqueira.psidesp@gmail.com Subunidade 3. AS EMOÇÕES E A PRÁTICA DESPORTIVA Emoções no Futebol 1 Emoções interações

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

Pré-codificados. Objetivo: Conhecer e aplicar os Pré-codificados na Indexação. Conteúdo desta aula

Pré-codificados. Objetivo: Conhecer e aplicar os Pré-codificados na Indexação. Conteúdo desta aula Pré-codificados Objetivo: Conhecer e aplicar os Pré-codificados na Indexação Conteúdo desta aula O que são Pré-codificados? Pré-codificados na LILACS Regras Gerais O que são Pré-codificados? São descritores

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

Ergonomia e Organização do Trabalho CNROSSI ERGONOMIA E FISIOTERAPIA PREVENTIVA

Ergonomia e Organização do Trabalho CNROSSI ERGONOMIA E FISIOTERAPIA PREVENTIVA Ergonomia e Organização do Trabalho Ergonomia Modern Times Charles Chaplin EUA/1936 Conceito Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento, ambiente e, particularmente,

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA. 19, 20 e 26 de Outubro

INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA. 19, 20 e 26 de Outubro INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA 19, 20 e 26 de Outubro Emergência do conceito de 2 personalidade criminal 1ª metade do séc. XIX Monomania homicida A justiça convoca a psiquiatria A difusão das ideias de Lombroso

Leia mais

VISÃO CONTEXTUAL DA ATUAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA DIÁLOGO ENTRE BRASIL E PORTUGAL P A U L A R A U P P /

VISÃO CONTEXTUAL DA ATUAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA DIÁLOGO ENTRE BRASIL E PORTUGAL P A U L A R A U P P / VISÃO CONTEXTUAL DA ATUAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA DIÁLOGO ENTRE BRASIL E PORTUGAL P A U L A R A U P P / 2 0 1 6 PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES E IDEOLOGIAS. CADA SOCIEDADE DEFINE SUAS FUNÇÕES EPISTEMOLÓGICAS COM

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DOS GRUPOS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DOS GRUPOS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DOS GRUPOS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular PSICOLOGIA

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência 1. INTRODUÇÃO O presente documento publicita a informação relativa à prova de equivalência à frequência do Ensino Secundário da disciplina de Psicologia B, a realizar em 2016, a nível de escola, de acordo

Leia mais

Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013. Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades

Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013. Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013 9º Ano Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO Capacidade de seleccionar informação

Leia mais

Artefatos culturais e educação...

Artefatos culturais e educação... Artefatos culturais e educação... USO DAS TDIC NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROFª. JOICE ARAÚJO ESPERANÇA Vídeos: artefatos culturais? Vídeos Filmes Desenhos animados documentários Propagandas Telenovelas

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA CONCILIADORES E MEDIADORES

CAPACITAÇÃO PARA CONCILIADORES E MEDIADORES CAPACITAÇÃO PARA CONCILIADORES E MEDIADORES 1 COMPORTAMENTO HUMANO E COMUNICAÇÃO 2 A experiência mostra que os homens são governados por aquilo que costumam ver e fazer, a ponto de, mesmo as melhorias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

CURSO DE PERICIA JUDICIAL NO ÂMBITO DA PSICOLOGIA EM SÃO PAULO - DIAS E 30 DE ABRIL 2017 AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS

CURSO DE PERICIA JUDICIAL NO ÂMBITO DA PSICOLOGIA EM SÃO PAULO - DIAS E 30 DE ABRIL 2017 AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS CURSO DE PERICIA JUDICIAL NO ÂMBITO DA PSICOLOGIA EM SÃO PAULO - DIAS 28-29 E 30 DE ABRIL 2017 AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS Objetivo Capacitar profissionais de Psicologia para o entendimento e atuação nas

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES CONSELHO PEDAGÓGICO ANO LETIVO 2013/2014 COIMBRA, 2013 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES CONSELHO PEDAGÓGICO ANO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS ANO LETIVO 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCILINA DE HISTÓRIA 1. OBJETO

Leia mais

Classificação: Professor: E.Educação:

Classificação: Professor: E.Educação: Direcção Regional de Educação do Alentejo E. B. Integrada C/ J. I. Frei Manuel Cardoso Curso Profissional Técnico de Energias Renováveis Ciclo de Formação 2010/2013 Ano lectivo 2010/2011 Disciplina de

Leia mais

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma Escola Secundária Dr. José Afonso Informação-Prova de Equivalência à Frequência História Prova 19 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal

Liderança a e desempenho grupal Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS RELACIONAIS

PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS RELACIONAIS PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS RELACIONAIS DIRECÇÃO DO CURSO Ernesto SPINELLI Londres, Reino Unido Daniel SOUSA DURAÇÃO E ESTRUTURA DO CURSO O curso tem a duração de um ano lectivo dividido

Leia mais

BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO

BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO CONSTRUTIVISMO Jean Piaget (1896-1980) Psicologia do desenvolvimento EPISTEMOLOGIA GENÉTICA embriologia mental Jean Piaget (1896-1980) Psicologia do desenvolvimento EPISTEMOLOGIA

Leia mais

3 Metodologia da Pesquisa

3 Metodologia da Pesquisa 50 3 Metodologia da Pesquisa 3.1 Tipo da Pesquisa O Tipo de pesquisa utilizada foi a pesquisa qualitativa. Segundo Wolcott (2001 apud CRESWELL, 2007) a pesquisa qualitativa é interpretativa, ou seja, o

Leia mais

FLUXOGRAMA DO CURSO DE PSICOLOGIA 1º SEMESTRE

FLUXOGRAMA DO CURSO DE PSICOLOGIA 1º SEMESTRE 6 FLUXOGRAMA DO CURSO DE PSICOLOGIA 1º SEMESTRE Introdução às Ciências Sociais Introdução à Filosofia Psicologia como Ciência e Profissão Introdução ao Pensamento Científico Português Instrumental e Produção

Leia mais

to be used for Slides T A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Fernando Cabral

to be used for Slides T A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Fernando Cabral to be used for Slides T A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Fernando Cabral J. Smith, B. Stein Affiliation ICSLM Congress Date, City, Country 1. O caminho da dignificação

Leia mais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais Índice 1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais 3. Prova Teórica de Avaliação de Língua Portuguesa 4. Prova Teórica de Avaliação

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Morfofisiologia e Comportamento Humano 136 Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. Comunicação

Leia mais

PROTAGONISMOS E PRÁTICAS DE SAÚDE: A ONCOLOGIA COMO PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO DE NOVAS IDENTIDADES

PROTAGONISMOS E PRÁTICAS DE SAÚDE: A ONCOLOGIA COMO PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO DE NOVAS IDENTIDADES Paula Silva Doutoramento em Sociologia PROTAGONISMOS E PRÁTICAS DE SAÚDE: Orientadora: Prof. Graça Carapinheiro Co-orientador: Prof. Rui Mota Cardoso DOENTES Experiência da doença/ Conhecimento leigo PROFISSIONAIS

Leia mais

PSICOLOGIA HOSPITALAR

PSICOLOGIA HOSPITALAR PSICOLOGIA HOSPITALAR 2012 Diogo Batista Pereira da Silva Psicólogo formado pela UNISUL em 2012. Atualmente atuando como palestrante e desenvolvedor estratégico (Brasil) Email: diogobatista.p@gmail.com

Leia mais

As implicações do conceito de representação em Roger Chartier com as noções de habitus e campo em Pierre Bourdieu

As implicações do conceito de representação em Roger Chartier com as noções de habitus e campo em Pierre Bourdieu As implicações do conceito de representação em Roger Chartier com as noções de habitus e campo em Pierre Bourdieu Alexandre Pacheco 1 - PPG- UNESP/Araraquara Quando começamos a elaborar nosso projeto de

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

Sociologia O que é? O que estuda?

Sociologia O que é? O que estuda? Alice Mendonça / Universidade da Madeira Sociologia O que é? O que estuda? A Sociologia estuda a realidade social, ou seja, as relações e comportamentos que os indivíduos estabelecem entre si. É uma ciência

Leia mais

VALOR E VALORAÇÃO CRITÉRIOS VALORATIVOS

VALOR E VALORAÇÃO CRITÉRIOS VALORATIVOS Valor VALOR E VALORAÇÃO CRITÉRIOS VALORATIVOS Critério de orientação. Guia para a ação humana, atribuído pelo homem às coisas, seres e acontecimentos, em função da relação que com eles estabelece. Diz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI A Direção do Instituto de Psicologia e a Coordenação do Curso de Psicologia, baseadas no

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA RAMOS DE ESPECIALIZAÇÃO:

MANUAL DE ESTÁGIOS MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA RAMOS DE ESPECIALIZAÇÃO: MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA RAMOS DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOTERAPIA E PSICOLOGIA CLÍNICA FAMÍLIA E INTERVENÇÃO SISTÉMICA TOXICODEPENDÊNCIA E OUTRAS PERTURBAÇÕES ADICTÍCIAS MANUAL DE ESTÁGIOS COORDENAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ÉTICA

Leia mais

Composição Escrita. Maria Teresa S. N. G. Fragoso de Almeida

Composição Escrita. Maria Teresa S. N. G. Fragoso de Almeida Maria Teresa S. N. G. Fragoso de Almeida A evolução do enfoque sobre a composição escrita Modelos explicativos da composição escrita Modelos orientados para o produto Modelos orientados para o processo

Leia mais

Classificação das Pesquisas

Classificação das Pesquisas Classificação das Pesquisas Levando em conta o DELINEAMENTO da Pesquisa: 1. Abordagem Teórica 2. Técnicas de Coleta e Análise de Dados (Metodologia) 3. Ambiente de Pesquisa 1. Exploratória 2. Bibliográfica

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

Prova Escrita de Psicologia B

Prova Escrita de Psicologia B Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita de Psicologia B Prova 340 2015 12.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho O presente documento

Leia mais

O psicoterapeuta frente ao paciente agressor de sua companheira: uma reflexão bioética

O psicoterapeuta frente ao paciente agressor de sua companheira: uma reflexão bioética O psicoterapeuta frente ao paciente agressor de sua companheira: uma reflexão bioética Schlindwein Zanini, Rachel. Neuropsicóloga, Doutora em Ciências da Saúde, Área de Concentração: Neurociências, pela

Leia mais

SOCIOLOGIA: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS ANTHONY GIDDENS

SOCIOLOGIA: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS ANTHONY GIDDENS SOCIOLOGIA: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS ANTHONY GIDDENS ANTHONY GIDDENS - Nasceu em 1938, em Londres. - Foi o primeiro membro da familia a entrar na faculdade (Universidade de Hull). - Foi professor de sociologia

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa Critérios de Avaliação do Ensino Básico - º Ciclo Língua Portuguesa DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO NA CLASSIFICAÇÃO TIPOLOGIA DOS INSTRUMENTOS DE FINAL AVALIAÇÃO POR PERÍODO Teste(s) de compreensão oral

Leia mais

PREPARA-TE PARA OS EXAMES: descobre os verbos mais importantes. Biblioteca da ESMA Coordenadora: Catarina Azevedo

PREPARA-TE PARA OS EXAMES: descobre os verbos mais importantes. Biblioteca da ESMA Coordenadora: Catarina Azevedo PREPARA-TE PARA OS EXAMES: descobre os verbos mais importantes 2012-2013 Coordenadora: Catarina Azevedo Um exame prepara-se com antecedência e depende muita da tua capacidade de interpretares corretamente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Informação - Prova de Equivalência à Frequência de HISTÓRIA (19) 3º Ciclo 9º Ano de Escolaridade

Leia mais

Enfermagem de Família :

Enfermagem de Família : V ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ENCONTRO DO DIA INTERNACIONAL DA FAMILIA Unidade Científico-Pedagógica de Enfermagem de Saúde Pública, Familiar e Comunitária Enfermagem de Família : Percursos

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais