Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo"

Transcrição

1 Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Maria Amélia da Silva Castro A função controle exercida pelo parlamento: o papel do SIAFI Brasília 1

2 Tema: fiscalização e controle da Administração Pública A função controle exercida pelo parlamento: o papel do SIAFI 1 - Introdução O Plano de trabalho ora apresentado traça em linhas gerais uma proposta de elaboração de monografia para conclusão do curso de especialização em instituições e processos políticos do legislativo, realizado pelo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR. O projeto terá como o tema geral: fiscalização e controle da administração pública e versará especificamente sobre a o papel do Sistema Integrado de Administração Financeira/SIAFI no controle e fiscalização das contas públicas pelo congresso nacional. SIAFI é um sistema informatizado concebido para registrar, acompanhar e controlar a execução orçamentária, financeira e patrimonial do Governo Federal. O sistema foi implantado em Desde então o SIAFI tornou-se importante instrumento de gestão dos gastos públicos. Inicialmente o acesso ao sistema estava restrito a alguns técnicos especializados em orçamento público, hoje, mais de 20 anos depois de sua implantação, o acesso foi consideravelmente ampliado. Essa ampliação somada a sua capacidade de disponibilização de informações, praticamente em tempo real, transformou o SIAFI em uma importante ferramenta na busca da transparência das contas públicas. 2

3 2 - Definição do problema As recentes descobertas de esquemas de desvio de dinheiro do erário por agentes públicos e privados, por meio da manipulação indevida do orçamento, têm levantado questões quanto à eficiência e efetividade dos sistemas de controle e fiscalização colocados à disposição da sociedade. Teoricamente, o Brasil possui uma boa estrutura para atuar no controle das contas públicas, ou seja, cada poder possui seu próprio sistema de controle interno, e o controle externo é exercido pelo Congresso Nacional com o auxílio do Tribunal de Contas da União. Além do auxílio do TCU, o congresso conta com outras formas de exercer seu papel fiscalizador. A Constituição de 1988 em seu artigo 166 determina que a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização seja permanente. Tal comissão é composta por deputados e senadores e tem o objetivo de fiscalizar e acompanhar a execução financeira e orçamentária dos orçamentos da União. Vale ressaltar, também, a importância das comissões parlamentares de inquérito que são criadas com o intuito de investigar determinadas denúncias. A comissão parlamentar de inquérito/cpi pode ser constituída pelo congresso nacional ou somente por uma das duas casas. A CPI tem poderes de investigação próprios das autoridades judiciais (art. 58, 3º), o que a torna poderoso instrumento de fiscalização e controle em casos específicos. Para que o congresso possa realizar de forma eficiente e eficaz a função fiscalizadora, necessário se faz a utilização de instrumentos que possam trazer informações sobre as contas públicas. É neste contexto que se insere o Sistema Integrado de Administração Financeira/SIAFI, uma vez que todas as informações financeiras e orçamentárias se encontram inseridas neste sistema, e nos últimos anos, apesar de não ter sido criado especificamente para este fim, o SIAFI tornou-se importante instrumento de fiscalização e tem sido utilizado cada vez mais pelo poder legislativo. 3

4 Porém, até que ponto o Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) serve de suporte para atender à necessidade de fiscalização e controle das contas públicas, pelo Congresso Nacional? Até que ponto as informações constantes do SIAFI são colocadas à disposição da sociedade? O SIAFI tem sido utilizado em todo o seu potencial? Quais as dificuldades operacionais encontradas pelo usuário ao acessarem o SIAFI? É possível tornar esta ferramenta mais acessível ao cidadão comum? Como a informática pode ajudar na fiscalização? Qual o papel do SIAFI na fiscalização pelo poder legislativo? Quais são os usuários do SIAFI? 3 - Objetivo O principal objetivo da monografia é analisar o papel do SIAFI na realização da função fiscalizadora do congresso nacional. Mais especificamente verificar como o SIAFI tem sido utilizado pelos técnicos para auxiliar o Tribunal de Contas da União e as Comissões Parlamentares de Inquérito em suas investigações. 4 - Justificativa O estudo ora proposto é de suma importância, uma vez que versará sobre a fiscalização e o controle das contas públicas, tema de relevante importância social e que vem sendo objeto de constantes preocupações por parte dos três poderes constituídos e da sociedade. Em 1988 os legisladores constituintes deixaram clara esta preocupação ao fazerem constar na nova constituição artigos que demonstram a intenção de prestigiarem a função fiscalizadora do congresso nacional. Como exemplos, podemos citar: o artigo 71 da carta magna de 1988 que ampliou de forma significativa as atribuições do Tribunal de contas da União/TCU; no artigo 166 trata da criação da comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização com a função de fiscalizar e acompanhar a execução financeira e orçamentária; no artigo 58 trata das Comissões Parlamentares de Inquérito que têm o objetivo de auxiliar o parlamento na fiscalização e controle de agentes públicos. 4

5 Seguindo no mesmo caminho, no ano 2000 entrou em vigor a Lei 101, também chamada Lei de Responsabilidade Fiscal, que ao fixar limites de gastos para as contas públicas tornou-se importante instrumento no controle e fiscalização dos atos dos agentes públicos. No campo do controle social destacam-se o portal da transparência, onde constam informações sobre a utilização de recursos públicos e pode ser acessado por qualquer cidadão; o site contas abertas que é uma entidade privada e traz informações sobre o orçamento. Atualmente, tramita no congresso o projeto de Lei 130/2003 que acrescenta dispositivo a lei de responsabilidade fiscal com o intuito de dar maior transparência à gestão das contas públicas. Em caso de aprovação, todos os gestores de orçamentos públicos estarão obrigados a prestarem informações de forma compreensível aos cidadãos, via internet. Como podemos observar a preocupação com o controle e fiscalização das contas públicas tem se traduzido pela aprovação e melhoria de leis específicas sobre o assunto e pelo uso cada vez maior da tecnologia da informática. Portanto, torna-se fundamental um maior conhecimento do Sistema Integrado de Administração financeira/siafi, tendo em vista que é o local onde estão armazenadas todas as informações financeiras e orçamentárias do governo, e que podem ser repassadas a sociedade, trazendo assim, uma maior transparência ao setor público. 5 - REFERENCIAL TEÓRICO Controle Conceitos Considerando que o trabalho ora proposto refere-se ao controle e fiscalização da administração pública, torna-se necessário a apresentação de alguns conceitos básicos relacionados ao tema. Etimologicamente a palavra controle origina-se do latim Contra rotulum, em Francês Contro-rôle (direção, fiscalização, averiguação, supervisão). De acordo com o dicionário AURÉLIO, Controle significa: 1) Ato ou poder de controlar; domínio, governo. (2) Fiscalização exercida sobre as atividades de pessoas, 5

6 órgãos, departamentos ou sobre produtos, para que tais atividades ou produtos não se desviem das normas pré-estabelecidas. Controle como função administrativa significa verificar se as atividades realizadas estão de acordo como o que foi planejado. Como se pode observar a palavra controle assume diversas conotações e seu significado depende da função ou área em que é aplicada, no direito administrativo Hely Lopes conceitua controle como: controle, a faculdade de vigilância, orientação e correção que um Poder, órgão ou autoridade exerce sobre a conduta funcional de outro. Para Maria Sylvia Zanella Di Pietro: pode-se definir o controle da Administração Pública como o poder de fiscalização e correção que sobre ela exercem os órgãos dos Poderes Judiciário, Legislativo e Executivo, com o objetivo de garantir a conformidade de sua atuação com os princípios que lhe são impostos pelo ordenamento jurídico. Já para Gasparini controle significa: vigilância, orientação e correção de certo órgão ou agente público sobre a atuação de outro ou de sua própria atuação. Para efeito do presente trabalho, será considerada a definição de Maria Sylvia Di Pietro por se aproximar mais do objetivo por ora pretendido. 6 - Tribunal de Contas da União Breve histórico O Tribunal de Contas da União/TCU foi criado em 7 de novembro de 1890, e institucionalizado através do artigo 89 da primeira constituição republicana em 1891 por influência do então Ministro da Fazenda Rui Barbosa. A princípio sua atuação era restrita, pois lhe cabia apenas proceder ao controle de legalidade ficando assim preso aos aspectos formais dos atos administrativos. A partir daí fez parte de todas as constituições tendo seu ponto alto na Constituição de 1946, onde alcançara grande prestígio. (Silva, 2006) A Constituição de 1967, ratificada pela Emenda Constitucional nº 1, de 1969, retirou do TCU várias de suas prerrogativas. Mas na Constituição de 1988 o Tribunal teve a sua jurisdição e competência ampliadas de forma substancial. 6

7 No artigo 71 encontram-se elencadas as competências do TCU na atuação como órgão auxiliar do Congresso Nacional na fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, à legitimidade e à economicidade e a fiscalização da aplicação das subvenções e da renúncia de receitas. 7 - CONCEITO DE SERVIÇO PÚBLICO O conceito de serviço público não é ponto pacífico entre os doutrinadores, historicamente considera-se que o conceito surgiu a partir da Revolução Francesa, no século XIX, quando a população começa a reivindicar melhor prestação de serviços. Léon Duguit, jurista francês, assim conceitua serviço público toda atividade cujo desempenho deva ser assegurado, regido e controlado pelos governantes como indispensável à realização ao desenvolvimento da interdependência social, não podendo, por sua natureza, ser integralmente cumprida senão com a intervenção da força governante. No Brasil, diversos estudiosos formularam conceitos, dentre os quais se podem destacar: 1 - Hely Lopes Meireles: Serviço Público é todo aquele que é prestado pela Administração ou seus delegados sob normas e controles estatais, para satisfazer necessidades essenciais ou secundárias da coletividade ou simples conveniência do estado ; 2 - de Celso Antônio Bandeira de Mello: Serviço Público é toda a atividade de oferecimento de utilidade ou de comodidade material fruível diretamente pelos administrados, prestado pelo Estado ou por quem lhe faça às vezes, sob um regime de Direito público portanto consagrador de prerrogativas de supremacia e de restrições especiais Instituído pelo Estado em favor dos interesses que houver definido como próprios no sistema normativo. 3 - de Di Pietro: Toda atividade material que a Lei atribui ao Estado para que exerça diretamente ou por meio de seus delegados, com o objetivo de satisfazer 7

8 concretamente às necessidades coletivas, sob regime jurídico total ou parcialmente público. 8 SIAFI O Sistema Integrado de Administração Financeira/SIAFI foi Implantado pela Secretaria do Tesouro Nacional em 1987, e é responsável pela organização contábil do Governo federal. No início, as dificuldades foram muitas para a implantação do Sistema principalmente no que diz respeito às tecnologias, mas vencidos os problemas o SIAFI se tornou o principal instrumento para registro, acompanhamento e controle da execução orçamentária, financeira e patrimonial do Governo Federal. A eficiência do SIAFI como instrumento para controle da execução orçamentária gerou interesse dos Estados e Municípios por um instrumento semelhante, assim foi criado o SIAFEM Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios. Um grande defensor do uso do SIAFI como ferramenta na busca da transparência nas contas públicas é o deputado distrital de Brasília Augusto Carvalho que disse sobre o sistema: O Brasil pode se orgulhar de dispor de uma das ferramentas mais modernas e eficientes de administração pública, que existe em poucos lugares do mundo. É um excelente banco de dados desenvolvido pelo Serpro e cumpre com sua função social de tornar o governo acessível ao cidadão. Além disso, contribui para que os parlamentares exerçam o papel, que lhes é conferido pelo voto representativo, de fiscalizar as políticas do governo Objetivos: 1 a) prover mecanismos adequados ao controle diário da execução orçamentária, financeira e patrimonial aos órgãos da Administração Pública; b) fornecer meios para agilizar a programação financeira, otimizando a utilização dos recursos do Tesouro Nacional, através da unificação dos recursos de caixa do Governo Federal; 1 Dados retirados do portal do Serpro 8

9 c) permitir que a contabilidade pública seja fonte segura e tempestiva de informações gerenciais destinadas a todos os níveis da Administração Pública Federal; d) padronizar métodos e rotinas de trabalho relativas à gestão dos recursos públicos, sem implicar rigidez ou restrição a essa atividade, uma vez que ele permanece sob total controle do ordenador de despesa de cada unidade gestora; e) permitir o registro contábil dos balancetes dos estados e municípios e de suas supervisionadas; f) permitir o controle da dívida interna e externa, bem como o das transferências negociadas; g) integrar e compatibilizar as informações no âmbito do Governo Federal; h) permitir o acompanhamento e a avaliação do uso dos recursos públicos; e i) proporcionar a transparência dos gastos do Governo Federal. 9 Comissão Parlamentar de Inquérito/CPI A fiscalização político-administrativa é uma das principais atribuições do Poder Legislativo, pois permite que os atos do Poder Executivo sejam questionados e para realização desta tarefa as Comissões Parlamentares de Inquérito se revelam um importante instrumento. De acordo com José Afonso da Silva, as Comissões Parlamentares de Inquérito são organismos que desempenharam e desempenham papel de grande relevância na fiscalização e controle da Administração. 2 As Comissões Parlamentares de Inquérito encontram-se institucionalizadas pelo artigo 58, 3º da Constituição Federal e tem poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos nos regimentos das respectivas casas. Para que se possa instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito é necessário o cumprimento de certas exigências constitucionais, tais como: a existência de um fato determinado; quorum qualificado (1/3 dos membros da Câmara ou Senado); prazo de duração; etc.. Nas palavras de Nelson de Souza Sampaio são três os objetivos de uma CPI: ajudar a tarefa legiferante; servir de instrumento de controle sobre o governo e a administração; informar a opinião pública. (3) 2 Curso de Direito Constitucional Positivo P

10 O relatório escrito com o resultado dos trabalhos da CPI é enviado para a mesa, ao Ministério Público ou à Advogacia-Geral da União, ao poder executivo, a comissão permanente e a Comissão de Orçamento, para que sejam tomadas as medidas cabíveis METODOLOGIA Tipos de Pesquisa A metodologia utilizada irá permitir o levantamento dos dados necessários para tentar analisar o papel do Sistema Integrado de Fiscalização/SIAFI no auxílio à função fiscalizadora do Parlamento. Será considerado o critério de classificação de pesquisa proposto por vergara (1998), que se divide em: quanto aos meios e quanto aos fins Quanto aos fins Explicativa: A pesquisa pretende descrever quais os dados constam no Sistema SIAFI e como esses dados são utilizados para auxiliar o parlamento no cumprimento da função de fiscalização e controle Quanto aos meios Bibliográfica: O trabalho terá como fundamentação teórica investigações em livros, jornais, revistas e Internet. Serão verificados textos na mídia onde constam citações a respeito do uso SIAFI. Documental: porque se baseará em documentos, relatórios e legislação, que dizem respeito ao objeto de estudo. Serão analisados relatórios de Comissões parlamentares de Inquérito e Tribunal de Contas da União Hipóteses 10

11 O SIAFI tornou-se a principal ferramenta na fiscalização das contas públicas pelos órgãos de controle interno e externo. Há uma grande dificuldade dos usuários para entenderem os dados constantes do SIAFI Cronograma Período Atividade ABRIL MAIO JUN AGO SET OUT NOV DEZ FEV MAR Revisão X X x X x bibliográfica e referencial teórico Preparação de x x instrumentos de coleta de dados Coleta de dados x x Analise de dados x X Redação final e defesa da monografia x 12 Bibliografia 11

12 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: ª edição - Brasília, Câmara dos Deputados. BRASIL. Lei Complementar n.º 101, de (Lei de Responsabilidade Fiscal). Brasília, Senado Federal, Centro Gráfico, BRASIL. Regimento interno da Câmara dos Deputados. 7ª edição Câmara dos Deputados Ciclo especial de palestras sobre controle e fiscalização (1999: Brasília). Fiscalização de gastos públicos no Brasil Tribunal de Contas da União, Instituto Serzedelo Corrêa Di Pietro, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas Gasparini, Diógenes. Direito Administrativo. Saraiva 11ª, 2006 Meirelles, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 25 ed. São Paulo: Malheiros Moraes, Alexandre de. Direito Constitucional. 12ª Ed. São Paulo: Atlas Nelson de Souza Sampaio, Do Inquérito Parlamentar, Fundação Getúlio Vargas, p. 287 Silva José Afonso. Curso de Direito constitucional Positivo. 29ª Ed. São Paulo: Malheiros 12

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

Controle da Administração Pública

Controle da Administração Pública Noções introdutórias Gustavo Justino de Oliveira* Segundo denominação dada por José dos Santos Carvalho Filho, tem-se por controle da Administração Pública o conjunto de mecanismos jurídicos e administrativos

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC REQUERIMENTO Nº, DE 2011 (do Srs. Fernando Francischini e Duarte Nogueira) Requer que seja convocada a Sra. IDELI SALVATTI, Ministra de Estado das Relações Institucionais para expor acerca das relações

Leia mais

CONTROLE INTERNO NAS ENTIDADES PÚBLICAS

CONTROLE INTERNO NAS ENTIDADES PÚBLICAS CONTROLE INTERNO NAS ENTIDADES PÚBLICAS Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno nas entidades públicas no Brasil, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS AYRES DE ALMEIDA SILVA FILHO EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) PARECER Nº, DE 2015

Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) PARECER Nº, DE 2015 PARECER Nº, DE 2015 Da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle, sobre a Proposta de Fiscalização e Controle nº 1, de 2015, que propõe investigação sobre o processo de

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 EMENTA: ALTERA A LEI Nº 5981/2011, QUE DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS ONG S, OSCIP S E DEMAIS ENTIDADES QUE RECEBAM RECURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO RIO

Leia mais

IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 DIVANI ALVES DOS SANTOS IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA "O sol nasce para todos, mas sombra e água fresca é só para alguns". (frase proferida pelo Professor Osíris em 1999, no Rio de Janeiro) 1. Introdução Neste fim de semana que passou, foram aplicadas pela

Leia mais

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima CONCEITO: O SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal) é um sistema informatizado que processa e controla, por meio de terminais instalados em todo o território nacional,

Leia mais

Ementas e Bibliografias das Disciplinas

Ementas e Bibliografias das Disciplinas Ementas e Bibliografias das Disciplinas 2.3.1 Metodologia do Ensino Superior Carga Horária: 30h/a Ementa: Metodologia do ensino e as principais técnicas didático pedagógicas. Reflexões sobre o papel do

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - f POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO ADMINISTRATIVO SÚMARIO UNIDADE 1. Direito Administrativo: conceito, fontes, princípios. Conceito de Estado,

Leia mais

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO WANDER MENDONÇA DE OLIVEIRA TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO Projeto de pesquisa apresentado ao programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

CONTROLE INTERNO E EXTERNO

CONTROLE INTERNO E EXTERNO CONTROLE INTERNO E EXTERNO Base legal controle interno A lei n.º 4.320/64 preconiza em seu artigo 75: O controle da execução orçamentária compreenderá: I a legalidade dos atos de que resultem a arrecadação

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 104, DE 2009

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 104, DE 2009 COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 104, DE 2009 Propõe que a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010

EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010 EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010 Processo Seletivo para Participação no II Seminário Internacional de Contabilidade Pública e 3º Fórum Nacional de Gestão e Contabilidade Públicas 1. Considerações

Leia mais

Acórdão 2066/2006 - Plenário

Acórdão 2066/2006 - Plenário Acórdão 2066/2006 - Plenário Acórdão VISTOS, relatados e discutidos estes autos que cuidam de Relatório Consolidado das auditorias realizadas em ajustes celebrados entre Organizações Não-Governamentais

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA PEÇANHA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA PEÇANHA "Quando sopram os ventos da mudança, alguns constroem abrigos e se colocam a salvo; outros constroem moinhos e ficam ricos". (Claus Möller) Boa tarde, pessoal! Enfim, chegamos a este último ponto sobre

Leia mais

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010.

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO COMUNICADO A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/1 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL II PROFESSOR: SERGIO ROBERTO LEAL DOS SANTOS TURMA: 4º

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

Auditorias Internas. Auditorias Internas

Auditorias Internas. Auditorias Internas Auditorias Internas Área Cod Sigla Oficina CH Planejamento 10 PPA 20 LDO 21 Previsão da Receita Orçamento 22 23 Orçamento - Elaboração Orçamento Alterações Orçamentárias 24 Orçamento Classificações Orçamentárias

Leia mais

4.4.3 Competências das Ciset 117 4.4.4 Competências dos AECI 118 4.4.5 Outras considerações importantes 118 Capítulo V Auditoria no setor público

4.4.3 Competências das Ciset 117 4.4.4 Competências dos AECI 118 4.4.5 Outras considerações importantes 118 Capítulo V Auditoria no setor público Sumário Capítulo I Noções iniciais de controle interno e controle externo 1 1 Considerações iniciais sobre controle no Brasil 3 1.1 Controle interno no Brasil 4 1.1.1 Evolução do controle interno no Brasil

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 129/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 129/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 129/2015 Referência : Processo MPDFT nº 08191.011638/2014-91. Assunto : Administrativo. Proposta

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II Código: DIR-369-b Pré-requisito: Direito Administrativo I Período

Leia mais

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT.

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT. Programa 0773 Gestão da Política de Administração Financeira e Contábil da União Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1O600000 Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável Produto: Projeto

Leia mais

COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE

COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 94, DE 2012 Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, com auxílio do Tribunal de Contas da União,

Leia mais

Estrutura Administrativa A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos de assessoramento

Estrutura Administrativa A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos de assessoramento Estrutura Administrativa A estrutura administrativa do está dividida em três áreas que compreendem os órgãos de assessoramento superior, órgão central de controle e execução e órgão supervisionado. Conheça

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno Notificação N 006/2006 ORIGEM: Memorando nº 86/2006 Departamento de Contabilidade

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

CPI das ONGs PLANO DE TRABALHO

CPI das ONGs PLANO DE TRABALHO CPI das ONGs PLANO DE TRABALHO Presidente: Senador Raimundo Colombo (DEM-SC) Vice-Presidente: Senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) Relator: Senador Inácio Arruda (PC do B CE) Outubro de 2007 1 PLANO DE TRABALHO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pela Promotoria de Justiça da Comarca de Ortigueira, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inc. IV, da Lei 8.625/93;

Leia mais

Dispositivos da Constituição

Dispositivos da Constituição Dispositivos da Constituição DISPOSITIVOS DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL PERTINENTES AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO Art. 19... 1º o controle externo da Câmara Municipal será exercido com o auxílio do Tribunal

Leia mais

AS CARREIRAS DE ESTADO

AS CARREIRAS DE ESTADO AS CARREIRAS DE ESTADO Ultimamente, muito se tem falado sobre as Carreiras Típicas de Estado. Mas o que vem a ser exatamente uma Carreira Típica de Estado? Imaginemos um modelo mínimo de administração

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Apresentação para o CRC/DF Dia do Contabilista Laércio Mendes Vieira Auditor Federal do TCU*, Membro do Grupo de CP do CFC, Contador,

Leia mais

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo analisar os principais aspectos do procedimento licitatório. Iniciaremos com a abordagem do conceito de licitação,

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

SICAP Sistema Integrado de Controle e Auditoria Pública. Najla Mansur Braga

SICAP Sistema Integrado de Controle e Auditoria Pública. Najla Mansur Braga SICAP Sistema Integrado de Controle Najla Mansur Braga É uma ferramenta de auditoria e comunicação desenvolvida pelo Tribunal de Contas do Estado do Tocantins e tem como missão o recebimento de dados que

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS 14 AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Auditoria no SUS Adelina Maria Melo Feijão Águas

Leia mais

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência.

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Ofício PG N.º /2014 Maceió, 22 de julho de 2014. Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Senhor Gestor, 1. O Ministério Público de Contas, o Ministério Público Estadual e o

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná O CONTROLE INTERNO NO BRASIL - SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.09/2009 CONSIDERAÇÕES SOBRE ATUALIZAÇÃO E APRECIAÇÃO DO PLP 135 DE 1996, que Estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração,

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 80 h.a. N.º DE CRÉDITOS: 04 PRÉ-REQUISITO: DIREITO

Leia mais

PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA TELEFONIA CELULAR CONTRATAÇÃO PELO PODER LEGISLATIVO DE OPERADORA PARA ATENDER AOS VEREADORES, SERVIDORES E SEUS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

JULIANA BALDONI FIGUEIREDO

JULIANA BALDONI FIGUEIREDO JULIANA BALDONI FIGUEIREDO CÂMARA DOS DEPUTADOS OU CÂMARA DOS LÍDERES? O FUNCIONAMENTO DO COLÉGIO DE LÍDERES E OS EFEITOS DE SUA ATUAÇÃO SOBRE A REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

D OBJETIVOS E IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA A FORMAÇÃO DO EGRESSO

D OBJETIVOS E IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA A FORMAÇÃO DO EGRESSO 27/07/2015 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL Disciplina DIREITO ADMINISTRATIVO III Curso Graduação Período 8º período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Turmas A, B e D Código

Leia mais

ENTIDADES PARAESTATAIS

ENTIDADES PARAESTATAIS ENTIDADES PARAESTATAIS I) CONCEITO Embora não empregada na atual Constituição Federal, entidade paraestatal é expressão que se encontra não só na doutrina e na jurisprudência, como também em leis ordinárias

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo?

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? 008 Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? Luciano de Souza Gomes SENADO FEDERAL Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Diretor Luiz Fernando de Mello Perezino Editores

Leia mais