ANÁLISE CINÉTICA ISOTÉRMICA E NÃO ISOTÉRMICA DE CURA DE RESINA EPÓXI-AMINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE CINÉTICA ISOTÉRMICA E NÃO ISOTÉRMICA DE CURA DE RESINA EPÓXI-AMINA"

Transcrição

1 ANÁLISE CINÉTICA ISOTÉRMICA E NÃO ISOTÉRMICA DE CURA DE RESINA EPÓXI-AMINA Mariane M. S. P. de Abreu 1, Carlos Y. Shigue 1 *, Carlos A. Baldan 1-2, Ernesto.Ruppert Filho 3 1 * Departamento de Engenharia de Materiais da EEL-USP, Caixa Postal 116, , Lorena-SP 2 Faculdade de Engenharia, UNESP, Guaratinguetá SP - 3 Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação, UNICAMP, Campinas SP - Use of isothermal and non-isothermal analysis for monitoring epoxy-amine resin curing The factors of cure processing of thermosetting polymers (structure, curing conditions, time and temperature of cure) influence their final properties, which is important for high performance epoxy resins. To analyze the cure kinetics of a commercial epoxy-amine system with a reactive diluent, a conventional analytical technique - the Differential Scanning Calorimetry (DSC) - is used in this work. The DSC data was analyzed by the kinetic model of Sourour-Kamal for the isothermal analysis and by the Isoconversional model for the non-isothermal analysis. The activation energy calculated by these analytical models showed equivalence between them allowing the use of non-isothermal technique as a screening test for evaluating the cure kinetics of epoxy resin systems under development. Introdução Tem sido objeto de intenso estudo o sistema composto de resina epóxi e endurecedor a base de amina, por ser amplamente utilizado na fabricação de compósitos e de dispositivos elétricos de potência, e por apresentar resistência mecânica, elevada rigidez elétrica e facilidade de manuseio. Além disso, a resina epóxi-amina tem uma cinética de reação rápida podendo ser curada à temperatura ambiente. O mecanismo da reação de polimerização deste sistema polimérico está apresentado na figura 1, onde as etapas de cura são bem definidas: primeiramente ocorre a reação de poliadição da amina primária, seguida pela reação de adição da amina secundária e por fim, a eterificação [1, 2]. Figura 1 Reações de polimerização de epóxi usando amina como agente de cura, nas quais: k 1, k 2 constantes de reação catalítica; k 1, k 2 constantes de reação não-catalítica. Razão de reatividade: r = k 2/k 1 ~ 0,5.

2 Em termos estruturais, a cinética de polimerização apresenta três etapas bem distintas [3], ilustradas na Figura 2. o Inicialmente, com a mistura dos reagentes, ocorre apenas a difusão no estado líquido das moléculas de resina e endurecedor, caracterizando-se como uma etapa de Indução (a). o Após um tempo t, inicia-se o crescimento e ramificação das cadeias poliméricas (b), em que ligações covalentes começam a cruzar-se em uma rede reticulada (c). Esta segunda etapa é a Gelificação, e é governada pela cinética química de Arrhenius. O material passa de um estado líquido para um estado de borracha, adquirindo propriedades elásticas não presentes em moléculas de baixo peso molecular, e pré-polímeros lineares ou ramificados. A viscosidade, então constante, cresce exponencialmente. Esta transição é denominada ponto de gel ou de gelificação t g. o Quando a reticulação das cadeias torna-se total, forma-se uma estrutura rígida, e as reações químicas cessam, permitindo apenas fenômenos de difusão no estado sólido. Ocorre então a Vitrificação (d), marcada por uma transição (ponto de vitrificação t v ) de um estado líquido ou estado de borracha para um estado vítreo, como uma conseqüência do incremento no peso molecular antes da gelificação, ou incremento na densidade de emaranhamento depois da gelificação. Figura 2 Estágios de cura em polímeros termofixos [2]. Para modelar a reação de um polímero termofixo em um projeto ou controle de processos, e também para caracterizar sua cura ou degradação, é importante a adoção de análises cinéticas. Estas análises abrangem estudos como a determinação do mecanismo ou do modelo cinético apropriado para o sistema a ser analisado, e a medição da ordem de reação ou energia de ativação. É útil também para comparar a influência de diferentes resinas e catalisadores ou o efeito da adição de

3 aditivos e das condições externas, tais como temperatura e atmosfera. Uma das técnicas mais recomendadas para estudar a cinética de reação de um sistema epóxi-amina é a Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC), em que a entalpia de reação envolvida na cura é proporcional à conversão do pré-polímero [4]. Por esta técnica podem ser realizados ensaios sob temperatura constante (análise isotérmica), e sob taxa de aquecimento constante (análise não isotérmica). Modelo cinético para análise isotérmica A partir de um termograma de DSC isotérmico, em que fluxo de calor é medido em função do tempo, para uma temperatura de cura T (figura 3), foram desenvolvidas as equações 1 e 2, onde H i é o calor liberado pela reação até o tempo t, q i é o fluxo de calor no tempo t i e H T é o calor total da reação, é a conversão e d dt é a taxa de conversão [4]: H H i = (1) T d = dt dh / dt H T = q i H T (2) Figura 3 Curva típica de análise isotérmica por DSC, na qual q i é o fluxo de calor no instante t i e H i a entalpia de reação no intervalo de tempo entre 0 e t i. (Exotérmico ) Com base no mecanismo de cura mostrado na figura 1, um modelo cinético foi desenvolvido por Sourour e Kamal [5], sob a condição de que grupos hidroxila (OH) formados na reação e impurezas (HX) presentes atuam como catalisadores e não são consumidos nas reações. Nesse modelo cinético (equação 3), k 1 é a constante cinética relacionada à adição de amina catalisada por grupos hidroxila, k 2 é a constante cinética relativa à adição de amina por moléculas HX e B é a razão inicial de equivalente amina por equivalente epóxi.

4 d dt = ( k1 + k2 )( 1 )( B ) (3) Uma modificação do modelo de Sourour-Kamal, baseado em ajustes a dados experimentais, conduz à equação (4), chamada de modelo de Sourour-Kamal modificado. Esta equação sintetiza as observações experimentais de que a máxima velocidade de cura correspondente ao ponto de máximo no pico exotérmico de DSC isotérmico ocorre a t > 0 e que a taxa de cura a t = 0 é finita: d dt = ) (4) m n ( k1 + k2 )(1 Modelo cinético para análise não isotérmica Caracterizada por um método dinâmico, esta análise mede o grau de conversão em função da temperatura T, que aumenta de acordo com um programa de aquecimento linear (onde Ф = dt/dt). Nesta técnica, a conversão também é medida em termos de variação de entalpia, como descrito na equação (1). Como o mecanismo do processo de cura de polímeros termofixos tende a ocorrer em múltiplas etapas, que tem diferentes taxas de cura, para descrever esta cinética freqüentemente é utilizado um método que aproxima o processo a uma única etapa. Este método é denominado Método Isoconversional, que se baseia na premissa de que a taxa do processo é função de temperatura e conversão [6]: d = k( T ) g( ) (5) dt A função g() caracteriza o mecanismo do processo em função da conversão. Já a função k(t) é considerada a constante da reação, e usualmente expressa pela equação de Arrhenius, onde A é o fator pré-exponencial, E a é a energia de ativação, T é a temperatura absoluta e R é a constante dos gases: Ea k = Aexp RT (6) Pela combinação das equações 5 e 6, temos:

5 d Ea = kg( ) = Aexp g( ) dt RT (7) d dt d = β dt = Ea B [ ] = Ag ) exp A exp ( (8) RT T O índice indica uma conversão fixa. A equação (8) geralmente é usada depois de uma transformação logarítmica: d B ln = ln A (9) dt T onde o gráfico de ln (d/dt) versus 1/T determina os parâmetros cinéticos. A inclinação da reta é dada por - E /R e o coeficiente angular é o valor de ln A. O valor dos parâmetros isotérmicos permite modelar o processo reacional sem um estudo profundo de seu mecanismo. Este é o principal mérito do modelo isoconversional. Pela combinação das equações (5) e (6) temos: B A exp dt (10) T = t 0 Para integrar a equação (10), ambos os parâmetros A e B são necessários. A temperatura T pode ser uma função do tempo. Esta equação pode ser usada para avaliar a conversão alcançada a um dado tempo t, ou o tempo alcançado a uma dada conversão. Usando a equação (8), a taxa de reação d/dt pode ser avaliada. Objetivo Este trabalho tem como objetivo, através de análises isotérmicas e não-isotérmicas por DSC, encontrar um modelo que descreva a cinética de reação de um sistema epóxi-amina, e predizer o comportamento isotérmico de um sistema reacional a partir de dados não-isotérmicos. Os modelos de Sourour-Kamal e Isoconversional foram escolhidos cada um para um tipo de análise, e dados cinéticos, como grau de conversão, taxa de conversão e energia de ativação, calculados para cada modelo.

6 Experimental Material O material utilizado para análise é composto de: 1) resina epóxi a base de éter diglicidílico de bisfenol A (DGEBA); 2) endurecedor a base de amina alifática (poliglicol diamina). Esse sistema epoxídico é fornecido pela empresa norte-americana Emerson & Cuming com a designação comercial Stycast Os componentes são utilizados sem purificação prévia e misturados na proporção estequiométrica de 100 partes em peso de resina para 28 partes em peso de endurecedor. A resina epóxi ainda contém um diluente reativo (éter o-cresil glicidílico) que confere aumento da molhabilidade, maior uniformidade de impregnação e otimização da cinética de reação [7]. Técnica DSC O equipamento utilizado para análise térmica foi o Calorímetro Exploratório Diferencial (DSC) modelo Q10, TA Instruments. As amostras foram colocadas em cadinhos herméticos de alumínio, sob atmosfera de N 2 (vazão de 50 ml/min). A análise isotérmica foi feita nas temperaturas de 20, 30, 40, 50 e 60 C, e a análise dinâmica nas taxas de aquecimento de 10, 20, 30, 40 e 50 C/min, na faixa de temperatura de -90 C a 250 C. Para obtenção das constantes cinéticas do modelo isotérmico de Sourour-Kamal, empregou-se um pacote de otimização suplementar Solver, do Microsoft Excel [8], que realiza um processo de iteração, a partir de valores experimentais de coeficientes, para depois incrementá-los apropriadamente, mudando o valor da função, e calculando valores melhorados de coeficientes, até que o resultado final seja encontrado. Resultados e Discussão Análise isotérmica O modelo de Sourour-Kamal apresentou uma excelente correlação entre os dados experimentais de DSC e os calculados pelo modelo cinético. A figura 5 mostra a taxa de conversão para a temperatura de cura de 40 C, cujos parâmetros cinéticos estão apresentados na tabela 1.

7 Stycast C d/dt dados experimentais modelo de Sourour-Kamal Tempo (min) Figura 4 Comparação entre os dados experimentais e ajustados para a taxa de conversão. Tabela 1 Parâmetros cinéticos calculados pelo modelo de Sourour-Kamal modificado para as 5 temperaturas de reação: T ( C) k 1 k 2 m n r , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,99990 As energias de ativação encontradas para cada constante cinética são: k 1 constante cinética de ordem n (vitrificação) E a = 48,85 kj/mol k 2 constante autocatalítica (gelificação) E a = 58,41 kj/mol Por terem as energias de ativação a mesma ordem de grandeza, observa-se o efeito da adição do diluente reativo no sentido de acelerar a reação de vitrificação, permitindo que a resina epoxídica comercial possa curar completamente na temperatura ambiente. Análise Não-Isotérmica A Figura 5 apresenta as curvas típicas de corridas dinâmicas da resina Stycast 1266 no DSC: à medida que a velocidade de aquecimento aumenta, o pico de reação desloca-se para temperaturas mais altas, e sua base torna-se mais estreita. Já a Figura 6 mostra a energia de ativação calculada em função da conversão.

8 q (mw) T ( C) φ ( C/min) Figura 5 Ensaios dinâmicos da resina epóxi no DSC Ф indica as taxas de aquecimento a que a amostra foi submetida Ea (kj/mol) Conversão Figura 6 Energia de ativação versus conversão para a Stycast Para 0,25 < < 0,97, este parâmetro cinético apresenta um decréscimo, de 45,15 kj/mol a 21,34 kj/mol. Este é um comportamento típico de resinas a base de epóxi, à medida que a reação se processa, ou seja, o grau de cura e a reticulação são maiores. Para conversões fora deste limite, a energia de ativação aumenta. Uma razão pode estar no fenômeno de indução (onde os monômeros presentes no sistema se rearranjam) presente no início da cura, e também no fato de que no final da cura, só está presente o regime de difusão durante a qual a reação química é cessada. A figura 7 mostra a previsão do comportamento cinético da resina Stycast 1266 a uma única temperatura feita a partir de dados não isotérmicos (equação 10). As melhores equivalências entre os dados experimentais e calculados foram detectadas para as temperaturas de 40, 50 e 60 C. De acordo com Simon [6], os parâmetros cinéticos calculados pelo método isoconversional só se aplicam à faixa de temperatura utilizada para realizar o ensaio não-isotérmico.

9 1,0 0,8 Conversão 0,6 0,4 0,2 0,0 isoterma a 40 C no DSC método isoconversional Tempo (min) Figura 7 Previsão do tempo de cura da resina epóxi a 40 C. Conclusão Os modelos cinéticos propostos são satisfatórios para descrever a cinética de cura de um sistema epóxi-amina. O modelo de Sourour-Kamal obteve excelente concordância com os dados experimentais. A análise não-isotérmica mostra-se mais adequada para uma análise de cura preliminar, pois é uma técnica rápida e que com seus dados experimentais ainda pode predizer o tempo de reação de uma amostra com mecanismo de reação desconhecida. Agradecimentos Os autores agradecem à Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) pelo financiamento parcial deste trabalho através do projeto Limitador de Corrente Resistivo Supercondutor. Mariane M. S. P. de Abreu agradece pela bolsa CNPq concedida. Referências Bibliográficas 1. C. V. Uglea, Oligomer Technology and Applications. Marcel Dekker, New York, Y. Tanaka, R. Sauer in: Epoxy Resins Chemistry and Technology, C. A. May, Ed.; Marcel Dekker, New York, 1988, D. K. HADAD in: Epoxy Resins Chemistry and Technology, C. A. MAY, Ed.; Marcel Dekker, New York, 1988, R. B. Prime in Thermal Characterization of Polymeric Materials, E. A. Turi, Ed.; Academic Press, San Diego, 1977, Vol. 2, S. Sourour, M. R. Kamal. Thermochim. Acta. 1976, 14, P. Simon. J. Therm. Anal. Cal. 2005, 82, M. Ali., A. Hammami. Polym. Comp. 2005, 26, E. J. Billo. Excel for Chemists: A Comprehensive Guide. John Wiley & Sons, 2001.

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo:

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo: Laboratório de Medidas de Viscosidade Nome: n turma: Da definição de fluido sabe-se que quando se aplica um esforço tangencial em um elemento de fluido ocorre uma deformação. Considere a situação em que

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE

CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE JOSANA DE MELLO DANTAS RELATÓRIO DE AULA SOBRE VISCOSIDADE Relatório apresentado a disciplina Química como um dos pré-requisitos para obtenção parcial da nota da 2ª unidade.

Leia mais

O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA??

O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA?? TERMOMETRIA O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA?? Termometria: Área específica da Termodinâmica que estuda a temperatura e suas diferentes escalas usadas pelo mundo Temperatura: Parâmetro termométrico que

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C.

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. H (g) + 1/2 O (g) ë H O(Ø) (ÐH) H (g) + 1/2 O (g) ë H O(s) (ÐH) A diferença entre os efeitos térmicos, (ÐH) - (ÐH), é igual a) a

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski.

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski. QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas Prof. Kleber Bergamaski Equações químicas 1789, lei da conservação da massa A massa total de uma

Leia mais

Propriedades Mecânicas: O Ensaio de Tração Uniaxial

Propriedades Mecânicas: O Ensaio de Tração Uniaxial Propriedades Mecânicas: O Ensaio de Tração Uniaxial Tensão e deformação Ensaios: Tração Compressão Cisalhamento Torção Tensão e deformação Cálculo da tensão (Para tração e compressão): Onde: σ= Tensão

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 03 TENSÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Tensão Tensão é ao resultado da ação de cargas externas sobre uma unidade de área da seção analisada na peça, componente mecânico ou estrutural submetido à solicitações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE)

SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE) SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE) Glauber Rocha 1 Adilson Luiz da Silva 2 Fausto Neves Silva 3 RESUMO Para gerar vapor necessário aos processos de uma usina existe na caldeira

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados:

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Modelos Atômicos Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Os elétrons giram, ao redor do núcleo, somente em determinadas órbitas permitidas e com energia quantizada. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Os

Leia mais

Exercício Termodinâmica (com solução comentada)

Exercício Termodinâmica (com solução comentada) Exercício ermodinâmica (com solução comentada ara o cálculo do trabalho realizado pelo gás em uma transformação em que a pressão varia devemos calcular a área do gráfico, porém deve-se dividir a área do

Leia mais

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br TRATAMENTOS EMPREGADOS EM 1 INTRODUÇÃO: Existem

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ 1º Exame de Qualificação 011 Vestibular 011 Utilize as informações a seguir para responder às questões de números e 3. Um

Leia mais

REMOÇÃO DE CHUMBO DE MONITORES DE TUBO DE RAIOS CATÓDICOS. Erich Lopes Braitback de Oliveira Agosto, 2014

REMOÇÃO DE CHUMBO DE MONITORES DE TUBO DE RAIOS CATÓDICOS. Erich Lopes Braitback de Oliveira Agosto, 2014 REMOÇÃO DE CHUMBO DE MONITORES DE TUBO DE RAIOS CATÓDICOS Erich Lopes Braitback de Oliveira Agosto, 2014 Política Nacional de Resíduos Sólidos: Podem ser definidos como os equipamentos elétricos e/ou eletrônicos

Leia mais

UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 1

UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 1 ANÁLISE GRÁFICA UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 0.. Introdução Neste capítulo abordaremos princípios de gráficos lineares e logarítmicos e seu uso em análise de dados. Esta análise possibilitará

Leia mais

ESCALAS TERMOMÉTRICAS E DILATAÇÃO

ESCALAS TERMOMÉTRICAS E DILATAÇÃO REVISÃO ENEM ESCALAS TERMOMÉTRICAS E DILATAÇÃO Temperatura é a grandeza física escalar que nos permite avaliar o grau de agitação das moléculas de um corpo. Quanto maior for o grau de agitação molecular,

Leia mais

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante.

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante. Setor 2306 Aula 06 Transformações Gasosas em sistemas fechados Complemento. Como vimos em aula, as transformações realizadas em sistemas fechados tem sua quantidade de gás constante. Nessa situação, a

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 3 Continuação de Diodos III - CIRCUITOS COM DIODOS 1 - Sinal senoídal Um dos sinais elétricos alternados mais comuns é o senoídal. O sinal senoídal pode ser representado

Leia mais

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases Apostila de Química 01 Estudo dos Gases 1.0 Conceitos Pressão: Número de choques de suas moléculas contra as paredes do recipiente. 1atm = 760mHg = 760torr 105Pa (pascal) = 1bar. Volume 1m³ = 1000L. Temperatura:

Leia mais

Colisões Elásticas e Inelásticas

Colisões Elásticas e Inelásticas Colisões Elásticas e Inelásticas 1. Introdução Colisão é a interação entre dois ou mais corpos, com mútua troca de quantidade de movimento e energia. O choque entre bolas de bilhar é um exemplo, o movimento

Leia mais

Melhoria na qualidade cosmética e durabilidade de acabamento de compósitos reforçados com fibra de vidro. ArmorGuard ARMORCOTE

Melhoria na qualidade cosmética e durabilidade de acabamento de compósitos reforçados com fibra de vidro. ArmorGuard ARMORCOTE Melhoria na qualidade cosmética e durabilidade de acabamento de compósitos reforçados com fibra de vidro ArmorGuard ARMORCOTE Qualidade Comética Os produtos com os melhores acabamentos cosméticos são vistos

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação CINÉTICA QUÍMICA 1 1. Conceito de velocidade de reação Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições e quais os mecanismos de desenvolvimento

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC) /2012.1

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC) /2012.1 Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Programa de Pós-Graduação em Química Caixa Postal 12.200 -- Tel. (085) 3366. 9981 FAX 3366.9978 CEP - 60.450-970 - Fortaleza - Ceará - Brasil EXAME DE SELEÇÃO

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

PERMUTADOR DE PLACAS TP3

PERMUTADOR DE PLACAS TP3 PERMUTADOR DE PLACAS TP3 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I (2009/2010 1. Objectivos Determinação de coeficientes globais de transferência de calor num permutador de calor de placas. Cálculo da eficiência

Leia mais

CAPITULO 2 A Primeira lei da termodinâmica

CAPITULO 2 A Primeira lei da termodinâmica Neste capítulo são introduzidos alguns dos conceitos fundamentais da termodinâmica. O foco da exposição é a conservação de energia a observação experimental de que a energia não pode ser destruída nem

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 315 Física Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias- 12ºano Duração da prova escrita: 90 min Duração da prova prática:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO. Resp. D

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO. Resp. D 10) Antes de medir a temperatura de um paciente, uma enfermeira verifica que o termômetro clínico indica 35 C. Em seguida, usando esse termômetro, ela mede a temperatura do paciente, encontrando o valor

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO L.A. NASCIMENTO 1 ; A. E. de MOURA 1 ; L.A. SARUBBO 2 ; V. A. dos SANTOS 2. 1 CGTI - Centro de Gestão

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples

Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples Tópico 8. Aula Prática: Pêndulo Simples 1. INTRODUÇÃO Um pêndulo é um sistema composto por uma massa acoplada a um pivô que permite sua movimentação livremente. A massa fica sujeita à força restauradora

Leia mais

Árvore Binária de Busca Ótima

Árvore Binária de Busca Ótima MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvore binária de busca ótima do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms

Leia mais

Física e Química A 715 (versão 1)

Física e Química A 715 (versão 1) Exame (Resolução proposta por colaboradores da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física) Física e Química A 715 (versão 1) 0 de Junho de 008 1. 1.1. Átomos de ferro A espécie redutora é o

Leia mais

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I (ENGF99) PROFESSOR: EDUARDO SIMAS (EDUARDO.SIMAS@UFBA.BR)

Leia mais

MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO

MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T4 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 007/08 MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO 1. Objectivo Estudo do movimento de rotação de um corpo

Leia mais

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano PROCESSO SELETIVO FÍSICA 1. EIXO TEMÁTICO: PRINCÍPIOS E LEIS QUE REGEM A FÍSICA Objetivo Geral: Compreensão dos Conceitos, Princípios e Leis da Física no estudo do movimento dos corpos materiais, calor,

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive)

Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive) Determinação de Parâmetros Cinéticos na Caracterização do Envelhecimento Acelerado do PBX (Plastic-Bonded Explosive) Edemar Kirchhof 1, Nanci Miyeko Nakamura², Camila Maria Lapa², Glaci Ferreira Martins

Leia mais

Dificuldades no Ensino e Aprendizagem em Química

Dificuldades no Ensino e Aprendizagem em Química Dificuldades no Ensino e Aprendizagem em Química Metodologia do Ensino II Profª Tathiane Milaré 1 2 3 Exemplo: Química da última série do Ensino Fundamental 4 Junho Agosto Setembro Outubro Novembro Fev.

Leia mais

OS ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR NA TRANSIÇÃO PARA O REAL

OS ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR NA TRANSIÇÃO PARA O REAL FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Diretoria de Pesquisas Departamento de índices de Preços OS ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR NA TRANSIÇÃO PARA O REAL 1. O que será medido através

Leia mais

Estrutura e Propriedades dos Materiais

Estrutura e Propriedades dos Materiais Estrutura e Propriedades dos Materiais Prof. Rubens Caram Sala EE-211 rcaram@fem.unicamp.br 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MATERIAIS MATERIAIS: SUBSTÂNCIAS USADAS PARA COMPOR TUDO O QUE ESTÁ A NOSSA VOLTA

Leia mais

CINÉTICA DE CRESCIMENTO DO INTERMETÁLICO Ni 3 Sn 4 NA SOLDA NÍQUEL-ESTANHO

CINÉTICA DE CRESCIMENTO DO INTERMETÁLICO Ni 3 Sn 4 NA SOLDA NÍQUEL-ESTANHO CINÉTICA DE CRESCIMENTO DO INTERMETÁLICO Ni 3 Sn 4 NA SOLDA NÍQUEL-ESTANHO R. R. de Avillez e F. O. Pinto Filho Pontifícia Universidade Católica, Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia Av.

Leia mais

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados

Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Exemplo Regressão Binomial Dados Emparelhados Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Desenvolvimento de Diabetes 2 o Semestre

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 385 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E DO MÓDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO QUANDO SUBMETIDO A CARREGAMENTO PERMANENTE DE LONGA DURAÇÃO (Dt = 9 dias) Wilson Ferreira Cândido 1,5 ;Reynaldo Machado

Leia mais

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida,

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, NOÇÃO DE MEDIDA O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, Medir uma dada grandeza consiste em comparar o seu valor com a respetiva

Leia mais

LINEARIZAÇÃO DE GRÁFICOS

LINEARIZAÇÃO DE GRÁFICOS LINEARIZAÇÃO DE GRÁFICOS Física Básica Experimental I Departamento de Física / UFPR Processo de Linearização de Gráficos O que é linearização? procedimento para tornar uma curva que não é uma reta em uma

Leia mais

Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas

Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas 1. Introdução Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas O ponto de ebulição normal de uma mistura binária líquida é a temperatura na qual a pressão de vapor total da mistura é igual a 1 atm. Ou seja,

Leia mais

O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS

O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS Alunos: Pedro Oliveira Bogossian Roque e Douglas Souza Alves Júnior Orientador: Tácio Mauro Pereira

Leia mais

Recursos Eólicos De onde vem a energia eólica? A energia eólica é a energia cinética dos deslocamentos de massas de ar, gerados pelas diferenças de temperatura na superfície do planeta. Resultado da associação

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

Conceitos de Engenharia de Reservatório

Conceitos de Engenharia de Reservatório Conceitos de Engenharia de Reservatório Rodrigo Iglesias Café com Ciência e Sapiência CEPAC - 04/09/2009 22/9/2009 Rodrigo Iglesias 1 Engenharia de reservatório: ramificação da engenharia de petróleo aplicada

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NOS PARÂMETROS DE MODELOS BI- PARAMÉTRICOS QUE PREDIZEM ISOTERMAS DE ADSORÇÃO DE UMIDADE DO GUARANÁ

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NOS PARÂMETROS DE MODELOS BI- PARAMÉTRICOS QUE PREDIZEM ISOTERMAS DE ADSORÇÃO DE UMIDADE DO GUARANÁ INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NOS PARÂMETROS DE MODELOS BI- PARAMÉTRICOS QUE PREDIZEM ISOTERMAS DE ADSORÇÃO DE UMIDADE DO GUARANÁ (Paullinia cupana) EM PÓ 1 PENA 2, Rosinelson S.; RIBEIRO 2, Claudio C. & GRANDI

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30//3 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 Constantes e equações: F = 96500 C mol - 273,5 K

Leia mais

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos?

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custeio significa apropriação de custos. Custeio por absorção Custeio Variável Custeio ABC Custeio por absorção: é derivado de

Leia mais

Física IV. Prática 1 Sandro Fonseca de Souza. quarta-feira, 1 de abril de 15

Física IV. Prática 1 Sandro Fonseca de Souza. quarta-feira, 1 de abril de 15 Física IV Prática 1 Sandro Fonseca de Souza 1 1 Normas e Datas Atendimento ao estudante: Terça-Feira de 10:00-11:00 na sala 3006 A (ou na 3050F). Presença é obrigatória as aulas de lab. e os alunos somente

Leia mais

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola?

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola? Física e Química A 11ºAno - Química AL.2.3. Neutralização: uma reacção de ácido-base Ano lectivo: 2010/2011 Nomes: N.º s : T.ª: PARTE I - Introdução Questão problema Como identificar se os resíduos são

Leia mais

INSCRIÇÕES MESTRADO/DOUTORADO 1º SEMESTRE DE 2016

INSCRIÇÕES MESTRADO/DOUTORADO 1º SEMESTRE DE 2016 EDITAL DE SELEÇÃO INSCRIÇÕES MESTRADO/DOUTORADO 1º SEMESTRE DE 2016 As inscrições para o ingresso no Mestrado e Doutorado do 1o. Semestre de 2016 estarão abertas a partir de 15 de setembro a 30 de outubro/2015.

Leia mais

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Medidas de Dispersão Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Introdução Estudo de medidas que mostram a dispersão dos dados em torno da tendência central Analisaremos as seguintes

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

Apostila de Química 04 Compostos Orgânicos

Apostila de Química 04 Compostos Orgânicos 1.0 Introdução Apostila de Química 04 Compostos Orgânicos Composto orgânico Todo elemento que possui carbono na sua composição. Existem exceções grafite, monóxido de carbono, carboidratos... Química orgânica

Leia mais

Física Experimental - Termodinâmica - Conjunto para termodinâmica - EQ054

Física Experimental - Termodinâmica - Conjunto para termodinâmica - EQ054 Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

4.1. Propriedades físicas e propriedades químicas dos materiais

4.1. Propriedades físicas e propriedades químicas dos materiais Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 4 O MUNDO MATERIAL 4.1. Propriedades físicas e propriedades químicas dos materiais - Propriedades físicas e químicas dos materiais - Densidade

Leia mais

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A.

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. 1 Conceito É uma operação realizada após a perfuração, a cabo ou com coluna (toolpusher), ou durante a perfuração

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio. Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98

Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio. Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98 Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98 Objectivos: O objectivo deste trabalho prático é determinação da entalpia de

Leia mais

DILATAÇÃO TÉRMICA FONTE DA IMAGEM: CESGRANRIO. Esfriando-se o conjunto e supondo-se que o álcool não evapore, o volume da gota:

DILATAÇÃO TÉRMICA FONTE DA IMAGEM: CESGRANRIO. Esfriando-se o conjunto e supondo-se que o álcool não evapore, o volume da gota: DILATAÇÃO TÉRMICA 1. Fausto é dono de uma empresa que fabrica recipientes termicamente isolados. Ele herdou a empresa do pai e seguiu seus passos. Um dos recipientes termicamente isolados de Fausto contém

Leia mais

ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA.

ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA. ESTUDO DA CURA DE PREPREG DE RESINA EPOXÍDICA/FIBRA DE CARBONO POR MEIO DAS TÉCNICAS DSC E DMTA. Vanesa C. G. M. Ferrari 1, Vera L. Lourenço 2, M. F. P. Azevedo 2, L. H. David 2 1 - Departamento de Engenharia

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

Nesta actividade laboratorial não existe nenhum factor que leve a alguma

Nesta actividade laboratorial não existe nenhum factor que leve a alguma REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Avaliar a velocidade da reacção química entre o carbonato de cálcio do giz e o ácido acético do vinagre medindo o tempo de formação de um determinado volume de gás dióxido

Leia mais

Unidade 2 Dilatação Térmica. Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica

Unidade 2 Dilatação Térmica. Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica Unidade 2 Dilatação Térmica Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica Comportamento dos sólidos De um modo geral, quando aumentamos a temperatura de um corpo

Leia mais

O que são custos de transformação?

O que são custos de transformação? O que são custos de transformação? A forma encontrada pelo método UEP para analisar os custos da empresa é através da simplificação do modelo de cálculo da produção do período determinando uma unidade

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA CNPJ Nº /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA CNPJ Nº / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Nº 10.561.127/0001-33 Informações referentes à Setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o GRADUAL FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistência elétrica de um resistor a partir da curva V x I.

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistência elétrica de um resistor a partir da curva V x I. Determinação da resistência elétrica de um resistor Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 EXPERIÊNCIA 1 CIRCUITO RLC EM CORRENTE ALTERNADA 1. OBJETIOS 1.1. Objetivo Geral Apresentar aos acadêmicos um circuito elétrico ressonante, o qual apresenta um máximo de corrente

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROF. DR. JOSÉ LEOMAR FERNANDES JÚNIOR Departamento de Transportes - STT Escola de Engenharia de São Carlos - USP 1 Resíduos

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Função do 1 Grau. Rafael Carvalho - Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 06. Função do Grau Rafael Carvalho - Engenharia Civil Equações do primeiro grau Equação é toda sentença matemática aberta que exprime uma relação de igualdade.

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Funções exponenciais e logarítmicas António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura, Maria Clementina Timóteo Podem seguir-se diversos caminhos para

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA DA FUSELAGEM E DO ESQUI DO ALPHA ONE

ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA DA FUSELAGEM E DO ESQUI DO ALPHA ONE Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA

Leia mais

Capítulo 4 - Equações Não-Lineares

Capítulo 4 - Equações Não-Lineares Capítulo 4 - Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança 2 o Ano - Eng. Civil, Química e Gestão Industrial Carlos Balsa Métodos Numéricos 1/

Leia mais

EXAME SUPLETIVO 2013 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO ENSINO MÉDIO FÍSICA

EXAME SUPLETIVO 2013 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO ENSINO MÉDIO FÍSICA SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS CENTRO EXECUTIVO DE EXAMES SUPLETIVOS GOVERNADOR SÉRGIO LORETO EXAME SUPLETIVO 2013

Leia mais

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS)

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) João Carlos Chaves 1 Paulo Cesar Lima Segantine 2 1 Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Fabrício Bueno Borges dos Santos fabriciob@cefetsc.edu.br Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Trabalho ilustrativo da disciplina Informática Aplicada Araranguá, 2008 Sumário 1Introdução...1

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

Programa de Educação Tutorial PET Departamento de Estatística-UFSCar

Programa de Educação Tutorial PET Departamento de Estatística-UFSCar UMA AVALIAÇÃO DA TAXA DE CONSUMO DE ENERGIA NO ESTADO DE SÃO PAULO Flavia Da Silva Costa Julia Pettan Victor de Andrade Corder Victor José Sanches de Souza Pedro Ferreira Filho Programa de Educação Tutorial

Leia mais