ANÁLISE CINÉTICA ISOTÉRMICA E NÃO ISOTÉRMICA DE CURA DE RESINA EPÓXI-AMINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE CINÉTICA ISOTÉRMICA E NÃO ISOTÉRMICA DE CURA DE RESINA EPÓXI-AMINA"

Transcrição

1 ANÁLISE CINÉTICA ISOTÉRMICA E NÃO ISOTÉRMICA DE CURA DE RESINA EPÓXI-AMINA Mariane M. S. P. de Abreu 1, Carlos Y. Shigue 1 *, Carlos A. Baldan 1-2, Ernesto.Ruppert Filho 3 1 * Departamento de Engenharia de Materiais da EEL-USP, Caixa Postal 116, , Lorena-SP 2 Faculdade de Engenharia, UNESP, Guaratinguetá SP - 3 Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação, UNICAMP, Campinas SP - Use of isothermal and non-isothermal analysis for monitoring epoxy-amine resin curing The factors of cure processing of thermosetting polymers (structure, curing conditions, time and temperature of cure) influence their final properties, which is important for high performance epoxy resins. To analyze the cure kinetics of a commercial epoxy-amine system with a reactive diluent, a conventional analytical technique - the Differential Scanning Calorimetry (DSC) - is used in this work. The DSC data was analyzed by the kinetic model of Sourour-Kamal for the isothermal analysis and by the Isoconversional model for the non-isothermal analysis. The activation energy calculated by these analytical models showed equivalence between them allowing the use of non-isothermal technique as a screening test for evaluating the cure kinetics of epoxy resin systems under development. Introdução Tem sido objeto de intenso estudo o sistema composto de resina epóxi e endurecedor a base de amina, por ser amplamente utilizado na fabricação de compósitos e de dispositivos elétricos de potência, e por apresentar resistência mecânica, elevada rigidez elétrica e facilidade de manuseio. Além disso, a resina epóxi-amina tem uma cinética de reação rápida podendo ser curada à temperatura ambiente. O mecanismo da reação de polimerização deste sistema polimérico está apresentado na figura 1, onde as etapas de cura são bem definidas: primeiramente ocorre a reação de poliadição da amina primária, seguida pela reação de adição da amina secundária e por fim, a eterificação [1, 2]. Figura 1 Reações de polimerização de epóxi usando amina como agente de cura, nas quais: k 1, k 2 constantes de reação catalítica; k 1, k 2 constantes de reação não-catalítica. Razão de reatividade: r = k 2/k 1 ~ 0,5.

2 Em termos estruturais, a cinética de polimerização apresenta três etapas bem distintas [3], ilustradas na Figura 2. o Inicialmente, com a mistura dos reagentes, ocorre apenas a difusão no estado líquido das moléculas de resina e endurecedor, caracterizando-se como uma etapa de Indução (a). o Após um tempo t, inicia-se o crescimento e ramificação das cadeias poliméricas (b), em que ligações covalentes começam a cruzar-se em uma rede reticulada (c). Esta segunda etapa é a Gelificação, e é governada pela cinética química de Arrhenius. O material passa de um estado líquido para um estado de borracha, adquirindo propriedades elásticas não presentes em moléculas de baixo peso molecular, e pré-polímeros lineares ou ramificados. A viscosidade, então constante, cresce exponencialmente. Esta transição é denominada ponto de gel ou de gelificação t g. o Quando a reticulação das cadeias torna-se total, forma-se uma estrutura rígida, e as reações químicas cessam, permitindo apenas fenômenos de difusão no estado sólido. Ocorre então a Vitrificação (d), marcada por uma transição (ponto de vitrificação t v ) de um estado líquido ou estado de borracha para um estado vítreo, como uma conseqüência do incremento no peso molecular antes da gelificação, ou incremento na densidade de emaranhamento depois da gelificação. Figura 2 Estágios de cura em polímeros termofixos [2]. Para modelar a reação de um polímero termofixo em um projeto ou controle de processos, e também para caracterizar sua cura ou degradação, é importante a adoção de análises cinéticas. Estas análises abrangem estudos como a determinação do mecanismo ou do modelo cinético apropriado para o sistema a ser analisado, e a medição da ordem de reação ou energia de ativação. É útil também para comparar a influência de diferentes resinas e catalisadores ou o efeito da adição de

3 aditivos e das condições externas, tais como temperatura e atmosfera. Uma das técnicas mais recomendadas para estudar a cinética de reação de um sistema epóxi-amina é a Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC), em que a entalpia de reação envolvida na cura é proporcional à conversão do pré-polímero [4]. Por esta técnica podem ser realizados ensaios sob temperatura constante (análise isotérmica), e sob taxa de aquecimento constante (análise não isotérmica). Modelo cinético para análise isotérmica A partir de um termograma de DSC isotérmico, em que fluxo de calor é medido em função do tempo, para uma temperatura de cura T (figura 3), foram desenvolvidas as equações 1 e 2, onde H i é o calor liberado pela reação até o tempo t, q i é o fluxo de calor no tempo t i e H T é o calor total da reação, é a conversão e d dt é a taxa de conversão [4]: H H i = (1) T d = dt dh / dt H T = q i H T (2) Figura 3 Curva típica de análise isotérmica por DSC, na qual q i é o fluxo de calor no instante t i e H i a entalpia de reação no intervalo de tempo entre 0 e t i. (Exotérmico ) Com base no mecanismo de cura mostrado na figura 1, um modelo cinético foi desenvolvido por Sourour e Kamal [5], sob a condição de que grupos hidroxila (OH) formados na reação e impurezas (HX) presentes atuam como catalisadores e não são consumidos nas reações. Nesse modelo cinético (equação 3), k 1 é a constante cinética relacionada à adição de amina catalisada por grupos hidroxila, k 2 é a constante cinética relativa à adição de amina por moléculas HX e B é a razão inicial de equivalente amina por equivalente epóxi.

4 d dt = ( k1 + k2 )( 1 )( B ) (3) Uma modificação do modelo de Sourour-Kamal, baseado em ajustes a dados experimentais, conduz à equação (4), chamada de modelo de Sourour-Kamal modificado. Esta equação sintetiza as observações experimentais de que a máxima velocidade de cura correspondente ao ponto de máximo no pico exotérmico de DSC isotérmico ocorre a t > 0 e que a taxa de cura a t = 0 é finita: d dt = ) (4) m n ( k1 + k2 )(1 Modelo cinético para análise não isotérmica Caracterizada por um método dinâmico, esta análise mede o grau de conversão em função da temperatura T, que aumenta de acordo com um programa de aquecimento linear (onde Ф = dt/dt). Nesta técnica, a conversão também é medida em termos de variação de entalpia, como descrito na equação (1). Como o mecanismo do processo de cura de polímeros termofixos tende a ocorrer em múltiplas etapas, que tem diferentes taxas de cura, para descrever esta cinética freqüentemente é utilizado um método que aproxima o processo a uma única etapa. Este método é denominado Método Isoconversional, que se baseia na premissa de que a taxa do processo é função de temperatura e conversão [6]: d = k( T ) g( ) (5) dt A função g() caracteriza o mecanismo do processo em função da conversão. Já a função k(t) é considerada a constante da reação, e usualmente expressa pela equação de Arrhenius, onde A é o fator pré-exponencial, E a é a energia de ativação, T é a temperatura absoluta e R é a constante dos gases: Ea k = Aexp RT (6) Pela combinação das equações 5 e 6, temos:

5 d Ea = kg( ) = Aexp g( ) dt RT (7) d dt d = β dt = Ea B [ ] = Ag ) exp A exp ( (8) RT T O índice indica uma conversão fixa. A equação (8) geralmente é usada depois de uma transformação logarítmica: d B ln = ln A (9) dt T onde o gráfico de ln (d/dt) versus 1/T determina os parâmetros cinéticos. A inclinação da reta é dada por - E /R e o coeficiente angular é o valor de ln A. O valor dos parâmetros isotérmicos permite modelar o processo reacional sem um estudo profundo de seu mecanismo. Este é o principal mérito do modelo isoconversional. Pela combinação das equações (5) e (6) temos: B A exp dt (10) T = t 0 Para integrar a equação (10), ambos os parâmetros A e B são necessários. A temperatura T pode ser uma função do tempo. Esta equação pode ser usada para avaliar a conversão alcançada a um dado tempo t, ou o tempo alcançado a uma dada conversão. Usando a equação (8), a taxa de reação d/dt pode ser avaliada. Objetivo Este trabalho tem como objetivo, através de análises isotérmicas e não-isotérmicas por DSC, encontrar um modelo que descreva a cinética de reação de um sistema epóxi-amina, e predizer o comportamento isotérmico de um sistema reacional a partir de dados não-isotérmicos. Os modelos de Sourour-Kamal e Isoconversional foram escolhidos cada um para um tipo de análise, e dados cinéticos, como grau de conversão, taxa de conversão e energia de ativação, calculados para cada modelo.

6 Experimental Material O material utilizado para análise é composto de: 1) resina epóxi a base de éter diglicidílico de bisfenol A (DGEBA); 2) endurecedor a base de amina alifática (poliglicol diamina). Esse sistema epoxídico é fornecido pela empresa norte-americana Emerson & Cuming com a designação comercial Stycast Os componentes são utilizados sem purificação prévia e misturados na proporção estequiométrica de 100 partes em peso de resina para 28 partes em peso de endurecedor. A resina epóxi ainda contém um diluente reativo (éter o-cresil glicidílico) que confere aumento da molhabilidade, maior uniformidade de impregnação e otimização da cinética de reação [7]. Técnica DSC O equipamento utilizado para análise térmica foi o Calorímetro Exploratório Diferencial (DSC) modelo Q10, TA Instruments. As amostras foram colocadas em cadinhos herméticos de alumínio, sob atmosfera de N 2 (vazão de 50 ml/min). A análise isotérmica foi feita nas temperaturas de 20, 30, 40, 50 e 60 C, e a análise dinâmica nas taxas de aquecimento de 10, 20, 30, 40 e 50 C/min, na faixa de temperatura de -90 C a 250 C. Para obtenção das constantes cinéticas do modelo isotérmico de Sourour-Kamal, empregou-se um pacote de otimização suplementar Solver, do Microsoft Excel [8], que realiza um processo de iteração, a partir de valores experimentais de coeficientes, para depois incrementá-los apropriadamente, mudando o valor da função, e calculando valores melhorados de coeficientes, até que o resultado final seja encontrado. Resultados e Discussão Análise isotérmica O modelo de Sourour-Kamal apresentou uma excelente correlação entre os dados experimentais de DSC e os calculados pelo modelo cinético. A figura 5 mostra a taxa de conversão para a temperatura de cura de 40 C, cujos parâmetros cinéticos estão apresentados na tabela 1.

7 Stycast C d/dt dados experimentais modelo de Sourour-Kamal Tempo (min) Figura 4 Comparação entre os dados experimentais e ajustados para a taxa de conversão. Tabela 1 Parâmetros cinéticos calculados pelo modelo de Sourour-Kamal modificado para as 5 temperaturas de reação: T ( C) k 1 k 2 m n r , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,99990 As energias de ativação encontradas para cada constante cinética são: k 1 constante cinética de ordem n (vitrificação) E a = 48,85 kj/mol k 2 constante autocatalítica (gelificação) E a = 58,41 kj/mol Por terem as energias de ativação a mesma ordem de grandeza, observa-se o efeito da adição do diluente reativo no sentido de acelerar a reação de vitrificação, permitindo que a resina epoxídica comercial possa curar completamente na temperatura ambiente. Análise Não-Isotérmica A Figura 5 apresenta as curvas típicas de corridas dinâmicas da resina Stycast 1266 no DSC: à medida que a velocidade de aquecimento aumenta, o pico de reação desloca-se para temperaturas mais altas, e sua base torna-se mais estreita. Já a Figura 6 mostra a energia de ativação calculada em função da conversão.

8 q (mw) T ( C) φ ( C/min) Figura 5 Ensaios dinâmicos da resina epóxi no DSC Ф indica as taxas de aquecimento a que a amostra foi submetida Ea (kj/mol) Conversão Figura 6 Energia de ativação versus conversão para a Stycast Para 0,25 < < 0,97, este parâmetro cinético apresenta um decréscimo, de 45,15 kj/mol a 21,34 kj/mol. Este é um comportamento típico de resinas a base de epóxi, à medida que a reação se processa, ou seja, o grau de cura e a reticulação são maiores. Para conversões fora deste limite, a energia de ativação aumenta. Uma razão pode estar no fenômeno de indução (onde os monômeros presentes no sistema se rearranjam) presente no início da cura, e também no fato de que no final da cura, só está presente o regime de difusão durante a qual a reação química é cessada. A figura 7 mostra a previsão do comportamento cinético da resina Stycast 1266 a uma única temperatura feita a partir de dados não isotérmicos (equação 10). As melhores equivalências entre os dados experimentais e calculados foram detectadas para as temperaturas de 40, 50 e 60 C. De acordo com Simon [6], os parâmetros cinéticos calculados pelo método isoconversional só se aplicam à faixa de temperatura utilizada para realizar o ensaio não-isotérmico.

9 1,0 0,8 Conversão 0,6 0,4 0,2 0,0 isoterma a 40 C no DSC método isoconversional Tempo (min) Figura 7 Previsão do tempo de cura da resina epóxi a 40 C. Conclusão Os modelos cinéticos propostos são satisfatórios para descrever a cinética de cura de um sistema epóxi-amina. O modelo de Sourour-Kamal obteve excelente concordância com os dados experimentais. A análise não-isotérmica mostra-se mais adequada para uma análise de cura preliminar, pois é uma técnica rápida e que com seus dados experimentais ainda pode predizer o tempo de reação de uma amostra com mecanismo de reação desconhecida. Agradecimentos Os autores agradecem à Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) pelo financiamento parcial deste trabalho através do projeto Limitador de Corrente Resistivo Supercondutor. Mariane M. S. P. de Abreu agradece pela bolsa CNPq concedida. Referências Bibliográficas 1. C. V. Uglea, Oligomer Technology and Applications. Marcel Dekker, New York, Y. Tanaka, R. Sauer in: Epoxy Resins Chemistry and Technology, C. A. May, Ed.; Marcel Dekker, New York, 1988, D. K. HADAD in: Epoxy Resins Chemistry and Technology, C. A. MAY, Ed.; Marcel Dekker, New York, 1988, R. B. Prime in Thermal Characterization of Polymeric Materials, E. A. Turi, Ed.; Academic Press, San Diego, 1977, Vol. 2, S. Sourour, M. R. Kamal. Thermochim. Acta. 1976, 14, P. Simon. J. Therm. Anal. Cal. 2005, 82, M. Ali., A. Hammami. Polym. Comp. 2005, 26, E. J. Billo. Excel for Chemists: A Comprehensive Guide. John Wiley & Sons, 2001.

ANÁLISE CINÉTICA DE CURA DE RESINAS EPOXÍDICAS COM ENDURECEDOR A BASE DE ANIDRIDO POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL

ANÁLISE CINÉTICA DE CURA DE RESINAS EPOXÍDICAS COM ENDURECEDOR A BASE DE ANIDRIDO POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL ANÁLISE INÉTIA DE URA DE RESINAS EPXÍDIAS M ENDUREEDR A BASE DE ANIDRID PR ALRIMETRIA EXPLRATÓRIA DIFERENIAL Mariane M. S. P. de Abreu 1 *, arlos Y. Shigue 1, Rafaela G. S. Santos 1, arlos A. Baldan 1-2,

Leia mais

EFEITO CINÉTICO DE COMPENSAÇÃO OBSERVADO NA REAÇÃO DE CURA DE RESINA EPÓXI (DGEBA) COM DICIANODIAMIDA

EFEITO CINÉTICO DE COMPENSAÇÃO OBSERVADO NA REAÇÃO DE CURA DE RESINA EPÓXI (DGEBA) COM DICIANODIAMIDA EFEITO CINÉTICO DE COMPENSAÇÃO OBSERVADO NA REAÇÃO DE CURA DE RESINA EPÓXI (DGEBA) COM DICIANODIAMIDA P. E. FERREIRA 1, J. G. R. POÇO 2,3 1 Trabalho Final apresentado ao IPT para obtenção do Mestrado Profissional

Leia mais

Estudo da Cinética de Cura de um Pré-impregnado de Resina Epoxídica/Fibra de Carbono pelo Método Isoconversional

Estudo da Cinética de Cura de um Pré-impregnado de Resina Epoxídica/Fibra de Carbono pelo Método Isoconversional RTIGOTÉCNICOCIENTÍFICOhttp://dx.doi.org/10.4322/polimeros.2014.060 Estudo da Cinética de Cura de um Pré-impregnado de Resina Epoxídica/Fibra de Carbono pelo Método Isoconversional Vanesa C. G. M. Ferrari

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA MARIANE MARTIM SOBROSA PASSOS DE ABREU. análise

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA MARIANE MARTIM SOBROSA PASSOS DE ABREU. análise UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA MARIANE MARTIM SOBROSA PASSOS DE ABREU Estudo da reocinética de cura de resinas epoxídicas por meio de diferentes técnicas de análise Lorena 2008

Leia mais

Aula: 28 Temática: Efeito da Temperatura na Velocidade de Reação

Aula: 28 Temática: Efeito da Temperatura na Velocidade de Reação Aula: 28 Temática: Efeito da Temperatura na Velocidade de Reação Em grande parte das reações, as constantes de velocidade aumentam com o aumento da temperatura. Vamos analisar esta dependência. A teoria

Leia mais

Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC)

Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC) Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC) Técnicas de Análise Térmica Aplicadas a Materiais de Interesse Biotecnológico Prof a. Dr a. Izabel Riegel -Vidotti Departamento

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA Sumário

ANÁLISE TÉRMICA Sumário ANÁLISE TÉRMICA Sumário 1- Conceito 2- Tipos de métodos térmicos Princípios gerais de cada método Instrumentação Aplicações Conceito Análise Térmica é um termo que abrange um grupo de técnicas nas quais

Leia mais

Polimerização por condensação ou polimerização passo-a-passo

Polimerização por condensação ou polimerização passo-a-passo Polimerização por condensação ou polimerização passo-a-passo Ciência de Polímeros I 1º semestre 2007/2008 30-09-2007 Maria da Conceição Paiva 1 Reacção de monómeros homofuncionais: Reacção de monómeros

Leia mais

Polimerização Passo-a-Passo ou por Condensação

Polimerização Passo-a-Passo ou por Condensação Reacção entre grupos funcionais; duas moléculas com grupos funcionais que reagem entre si, formando como produto uma molécula mais longa. 05-11-2006 Maria da Conceição Paiva 1 05-11-2006 Maria da Conceição

Leia mais

POLIMEROS. Por que estudar Polimeros?

POLIMEROS. Por que estudar Polimeros? POLIMEROS Por que estudar Polimeros? A estrutura dos polimeros afeta suas propriedades e o comportamento dos materiais poliméricos. Exemplos: (1)O grau de cristalinidade influi na massa específica, rigidez,

Leia mais

Análises Térmicas. Sandra Maria da Luz

Análises Térmicas. Sandra Maria da Luz Análises Térmicas Sandra Maria da Luz Principais Técnicas Termoanalíticas 2 Áreas que utilizam a Análise Térmica polímeros alimentos catálise corrosão cerâmica metais engenharia civil farmacêutica inorgânica

Leia mais

Estudo da cinética de cura de sistemas epóxi comerciais utilizando a técnica de DSC

Estudo da cinética de cura de sistemas epóxi comerciais utilizando a técnica de DSC Estudo da cinética de cura de sistemas epóxi comerciais utilizando a técnica de DSC ANDRÉ FRANCISCO SARTORI 1 MARTHA FOGLIATO SANTOS LIMA 2 RESUMO Neste trabalho foi realizado o estudo da cinética de reação

Leia mais

Denardin, E.L.G. (1), Janissek, P.R (2)., Samios, D. (1)

Denardin, E.L.G. (1), Janissek, P.R (2)., Samios, D. (1) Estudo do envelhecimento termo-oxidativo do elastômero de policloropreno através da aplicação do príncípio da superposição transformação tempotemperatura (TTT) Denardin, E.L.G. (1), Janissek, P.R ().,

Leia mais

Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC)

Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) APLICAÇÃO DE MÉTODOS

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1.

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1. CINÉTICA QUÍMICA 1. Introdução O Conhecimento e o estudo da velocidade das reações, além de ser muito importante em termos industriais, também está relacionado ao nosso dia-adia, verificamos que há algumas

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODOS TERMOANALÍTICOS AOS MATERIAIS PMT 5872

APLICAÇÃO DE MÉTODOS TERMOANALÍTICOS AOS MATERIAIS PMT 5872 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) APLICAÇÃO DE MÉTODOS TERMOANALÍTICOS AOS MATERIAIS PMT

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA Sumário

ANÁLISE TÉRMICA Sumário ANÁLISE TÉRMICA Sumário 1- Conceito 2- Tipos de métodos térmicos Princípios gerais de cada método Instrumentação Aplicações 1 Conceito Análise Térmica é um termo que abrange um grupo de técnicas nas quais

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CINÉTICA DE CRISTALIZAÇÃO NÃO-ISOTÉRMICA DO POLI (ÉTER- ÉTER-CETONA) POR MEIO DE DSC.

DETERMINAÇÃO DA CINÉTICA DE CRISTALIZAÇÃO NÃO-ISOTÉRMICA DO POLI (ÉTER- ÉTER-CETONA) POR MEIO DE DSC. DETERMINAÇÃO DA CINÉTICA DE CRISTALIZAÇÃO NÃO-ISOTÉRMICA DO POLI (ÉTER- ÉTER-CETONA) POR MEIO DE DSC. Gibran C. Vasconcelos 1, Michelle L. Costa 2, Rogério L. Mazur 3, Edson C. Botelho 3 1 Universidade

Leia mais

ANÁLISE CINÉTICA DA CURA DE ADESIVOS DE TANINOS DAS CASCAS DE TRÊS ESPÉCIES DE Eucalyptus POR CALORIMETRIA DIFERENCIAL EXPLORATÓRIA (DSC) 1

ANÁLISE CINÉTICA DA CURA DE ADESIVOS DE TANINOS DAS CASCAS DE TRÊS ESPÉCIES DE Eucalyptus POR CALORIMETRIA DIFERENCIAL EXPLORATÓRIA (DSC) 1 493 ANÁLISE CINÉTICA DA CURA DE ADESIVOS DE TANINOS DAS CASCAS DE TRÊS ESPÉCIES DE Eucalyptus POR CALORIMETRIA DIFERENCIAL EXPLORATÓRIA (DSC) 1 Fábio Akira Mori 2, Benedito Rocha Vital 3, Alexandre Santos

Leia mais

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Cinética Química Cinética Química É a área da química que está preocupada com a velocidade das reações químicas.

Leia mais

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação.

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação. Capítulo 6 Cinética Química 1. (ITA) Considere o seguinte mecanismo de reação genérica: A 4+ + B 2+ A 3+ + B 3+ (etapa lenta) A 4+ + B 3+ A 3+ + B 4+ (etapa rápida) C + + B 4+ C 3+ + B 2+ (etapa rápida)

Leia mais

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Cinética Química Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Fatores que afetam a velocidade da reação: Concentração dos reagentes.

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE PIRÓLISE DE XISTO

ESTUDO DA CINÉTICA DE PIRÓLISE DE XISTO STUDO DA CINÉTICA D PIRÓLIS D XISTO J. P. FOLTIN 1, A. C. L. LISBÔA 1 1 Universidade stadual de Campinas, Faculdade de ngenharia Química -mail para contato: juliana.p.foltin@gmail.com RSUMO studos recentes

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

METAIS E LIGAS METÁLICAS

METAIS E LIGAS METÁLICAS DEPARTAMENTO DE C. Físico-Químicas DISCIPLINA: Química COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 12º ano... Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização (blocos) METAIS E LIGAS METÁLICAS METAIS E LIGAS METÁLICAS

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais

Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais TG Termogravimetria DTA Análise Térmica Diferencial DSC Calorimetria Diferencial de Varredura Métodos de análises térmicas Análise térmica

Leia mais

Equação Geral da Condução

Equação Geral da Condução Equação Geral da Condução Para um sistema unidimensional demonstrouse: q x = k A T x x Para um sistema multidimensional o fluxo de calor é vetorial: q,, =q x,, i q y,, j q z,, k = k T i k T j k T k =k

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato

Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato Química Geral e Experimental II: Cinética Química Prof. Fabrício Ronil Sensato Resolução comentada de exercícios selecionados. Versão v2_2005 2 1) Para a reação em fase gasosa N 2 + 3H 2 2NH 3, 2) A decomposição,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA ADERÊNCIA DE DIFERENTES ADESIVOS EPOXÍDICOS. INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO COM ÁGUA DESTILADA.

ESTUDO COMPARATIVO DA ADERÊNCIA DE DIFERENTES ADESIVOS EPOXÍDICOS. INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO COM ÁGUA DESTILADA. ESTUDO COMPARATIVO DA ADERÊNCIA DE DIFERENTES ADESIVOS EPOXÍDICOS. INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO COM ÁGUA DESTILADA. Filiberto González Garcia 1,2*, Maik A. Pires Lopes 2, Francisco C. Rodrigues Junior 2, Eduardo

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach Imagens de Rorschach 1 Leis de velocidade Velocidade de uma reação química: Variação de reagentes / produtos em função do tempo: a A+ b B produtos v = k [A] x [B] y Lei de velocidade k: constante de velocidade

Leia mais

EMPREGO DE TÉCNICAS DE ANÁLISE TÉRMICA E FTIR NA AVALIAÇÃO DE RESINAS EPÓXI CURADAS ATRAVÉS DE IRRADIAÇÃO DE MICRO-ONDAS RESUMO

EMPREGO DE TÉCNICAS DE ANÁLISE TÉRMICA E FTIR NA AVALIAÇÃO DE RESINAS EPÓXI CURADAS ATRAVÉS DE IRRADIAÇÃO DE MICRO-ONDAS RESUMO EMPREGO DE TÉCNICAS DE ANÁLISE TÉRMICA E FTIR NA AVALIAÇÃO DE RESINAS EPÓXI CURADAS ATRAVÉS DE IRRADIAÇÃO DE MICRO-ONDAS D. F. Kersting 1 *, H. Wiebeck 1, F. J. Esper 2 Av.Prof. Mello Moraes n o 2463 -CEP

Leia mais

APLICAÇÃO DO SIMULADOR EMSO EM UM PROBLEMA ESPECÍFICO DE CINÉTICA E CÁLCULO DE REATORES

APLICAÇÃO DO SIMULADOR EMSO EM UM PROBLEMA ESPECÍFICO DE CINÉTICA E CÁLCULO DE REATORES APLICAÇÃO DO SIMULADOR EMSO EM UM PROBLEMA ESPECÍFICO DE CINÉTICA E CÁLCULO DE REATORES T. A. F. ROCHA 1, W. U. LEITE 1, B. L. VERÁS 1 e W. R. O. PIMENTEL 1 1 Universidade Federal de Alagoas, Centro de

Leia mais

Comportamento Térmico dos Polímeros Parte 2

Comportamento Térmico dos Polímeros Parte 2 Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de Lorena - EEL Comportamento Térmico dos Polímeros Parte 2 Prof. Amilton Martins dos Santos Rafael Caetano J. P. Silva Eletronegatividade do substituinte

Leia mais

ANÁLISE DE AMOSTRAS DE PETRÓLEO POR TERMOGRAVIMETRIA

ANÁLISE DE AMOSTRAS DE PETRÓLEO POR TERMOGRAVIMETRIA ANÁLISE DE AMOSTRAS DE PETRÓLEO POR TERMOGRAVIMETRIA A sample analysis of oil by thermogravimetry MARCÍLIO PELICANO RIBEIRO Universidade Potiguar, Escola de Engenharias e Ciências Exatas. Universidade

Leia mais

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados;

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; CINÉTICA QUÍMICA 1. Trata das velocidades das reações; 2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; 3. A dependência da velocidade; 4. Estudo do mecanismo de reação.

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA A. Analisando Reações Orgânicas e seus Intermediários

QUIMICA ORGÂNICA A. Analisando Reações Orgânicas e seus Intermediários QUIMICA ORGÂNICA A Analisando Reações Orgânicas e seus Intermediários Prof. Antonio Luiz Braga braga.antonio@ufsc.br 1 Intermedíarios de Reações Mecanismos de Reações 2 1 Intermedíarios de Reações Nucleófilos

Leia mais

X X. Calor ou Luz. Calor R O O R. Exemplo 1: Peróxidos. Exemplo 2: Halogênios. Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA. 1. Reações de Alcanos

X X. Calor ou Luz. Calor R O O R. Exemplo 1: Peróxidos. Exemplo 2: Halogênios. Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA. 1. Reações de Alcanos 1. Reações de Alcanos Os alcanos são caracterizados por apresentar pouca reatividade a muitos reagentes químicos. As ligações carbono carbono e hidrogênio hidrogênio são bastante fortes; elas não quebram,

Leia mais

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo:

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo: 1. Introdução Cinética Química A termodinâmica indica a direção e a extensão de uma transformação química, porém não indica como, nem a que velocidade, uma reação acontece. A velocidade de uma reação deve

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL H. A. R. GOMES 1, A. B. N. BRITO 1 1 Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo,

Leia mais

OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL CATALISADA POR ÓXIDOS DE FERRO

OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL CATALISADA POR ÓXIDOS DE FERRO OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL CATALISADA POR ÓXIDOS DE FERRO Wallyson Ribeiro Parente 1 ; Miguel de Araujo Medeiros 2. 1 Aluno do Curso de Ciências Biológicas; Campus de Porto Nacional; e-mail: wallysonparente@hotmail.com

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DO ALUMÍNIO

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DO ALUMÍNIO DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DO ALUMÍNIO INTRODUÇÃO Equação de resfriamento de Newton Quando dois objetos, com temperaturas diferentes, são colocados em contato térmico, há transferência de calor do

Leia mais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Propriedades Elétricas Propriedades Térmicas

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Propriedades Elétricas Propriedades Térmicas MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Propriedades Elétricas Propriedades Térmicas Condutividade Elétrica 1820 Físicos podiam produzir e detectar correntes elétricas; Medir diferenças de potenciais;

Leia mais

PAG Química Cinética 1.

PAG Química Cinética 1. 1. 2. 3. errata: a reação é em mais de uma etapa, os gráficos devem apresentar pelo menos duas!! 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaixo é correta ou não, para reações químicas que ocorrem

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA.

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. Glauber Silva Godoi Aula 14 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros cinéticos de uma reação a partir

Leia mais

Química de Polímeros LOM3058 PROF. FÁBIO HERBST FLORENZANO

Química de Polímeros LOM3058 PROF. FÁBIO HERBST FLORENZANO Química de Polímeros LOM3058 PROF. FÁBIO HERBST FLORENZANO Estrutura da disciplina Aulas Expositivas Listas de Exercícios Provas teóricas Apoio didático por meio do STOA Avaliação Provas teóricas (26/4

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário Resposta: 02 + 32 + 64 = 98 01. Incorreta. carbonato de magnésio é um sal insolúvel em H 2, logo não dissocia-se em Mg 2+ e (aq) C2. 3(aq) 02. Correta. 12 Mg 2+ = 1s 2 2s 2 2p 6 K L 04. Incorreta. É um

Leia mais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Química / Metas Curriculares ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO-QUÍMICA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO

Leia mais

Materiais Poliméricos

Materiais Poliméricos Materiais Poliméricos -Introdução O termo "plástico" é geralmente empregado para designar os materiais orgânicos que podem ser moldados por deformação plástica, adquirindo e conservando uma forma planejada,

Leia mais

Gás Ideal (1) PMT2305 Físico-Química para Metalurgia e Materiais I César Yuji Narita e Neusa Alonso-Falleiros 2012

Gás Ideal (1) PMT2305 Físico-Química para Metalurgia e Materiais I César Yuji Narita e Neusa Alonso-Falleiros 2012 Gás Ideal (1) Para um gás, uma equação de estado é uma relação entre pressão (P), volume (V), temperatura (T) e composição ou número de mols (n). O primeiro passo para a determinação de uma equação de

Leia mais

Polímeros no Estado Sólido

Polímeros no Estado Sólido Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Polímeros no Estado Sólido O Estado Sólido Sólidos Cristalinos: Possuem um arranjo ordenado de átomos/moléculas, formando um retículo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Cinética Química

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Cinética Química UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127 Cinética Química Prof. Antonio Guerra Departamento de Química Geral e Inorgânica - DQI Cinética Química Definição e Objetivo Estudar

Leia mais

META Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos.

META Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos. ATIVIDADS SOBR LI D ARHHNIUS CATÁLIS Aula 7 MTA Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos. OBJTIVOS Ao fi

Leia mais

CATÁLISE ENZIMÁTICA. CINÉTICA Controle da velocidade de reações. CINÉTICA Equilíbrio e Estado Estacionário

CATÁLISE ENZIMÁTICA. CINÉTICA Controle da velocidade de reações. CINÉTICA Equilíbrio e Estado Estacionário CATÁLISE ENZIMÁTICA Equilíbrio e Estado Estacionário P U T F M A Velocidade: período inicial Tempo As medidas de velocidade inicial (v 0 ) são obtidas com a variação da concentração de S btenção de várias

Leia mais

CINÉTICA DE EVAPORAÇÃO DO ÓXIDO DE ZINCO. N. Duarte 1, W.B. Ferraz 2, A.C.S.Sabioni 3. Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto, Brasil

CINÉTICA DE EVAPORAÇÃO DO ÓXIDO DE ZINCO. N. Duarte 1, W.B. Ferraz 2, A.C.S.Sabioni 3. Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto, Brasil CINÉTICA DE EVAPORAÇÃO DO ÓXIDO DE ZINCO N. Duarte 1, W.B. Ferraz 2, A.C.S.Sabioni 3 1 Departamento de Metalurgia / EM / UFOP Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto, Brasil 2 Centro de

Leia mais

UFSC. Resposta: 76. Comentário. 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico.

UFSC. Resposta: 76. Comentário. 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico. Resposta: 76 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico. H 2 CO 3 + KOH = K 2 CO 3 + H 2 0 02. Incorreta. O nox do carbono é +4. 04. Correta.

Leia mais

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45 Seja Bem-indo a Goiânia elocidade Média Cinética Química Hora da saída: 11:45 Δd 40km m 40 km Δt 1h h Distância Hidrolândia: 40 km Seja Bem-indo a Hidrolândia Prof. Xuxu Hora da chegada: 12:45 elocidade

Leia mais

uma expansão livre, a pressão externa é 0, de modo que w pext dv 0 e q = 0. No Processo 2, o trabalho é dado pela equação

uma expansão livre, a pressão externa é 0, de modo que w pext dv 0 e q = 0. No Processo 2, o trabalho é dado pela equação Expectativa de respostas: FISICO QUIMICA Questão 1 Questão 2 Como a energia interna de um gás perfeito depende somente da temperatura (U m (T) = U m (0) + 3/2 RT) e independe do volume que as moléculas

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

Aula Prática - 1 Obtenção de Dados Cinéticos para projeto de reator

Aula Prática - 1 Obtenção de Dados Cinéticos para projeto de reator UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC CINÉTICA APLICADA E CÁLCULO DE REATORES SHS 0358 Aula Prática - 1 Obtenção de Dados Cinéticos para projeto de reator Alunos e nº USP

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR W 501_ENDURECEDOR W 556

BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR W 501_ENDURECEDOR W 556 BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR _ENDURECEDOR Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina epóxi de superfície Descrição Resina epóxi tixotrópica

Leia mais

Avaliação do grau de cura de formulações poliméricas por análise térmica e métodos complementares

Avaliação do grau de cura de formulações poliméricas por análise térmica e métodos complementares Avaliação do grau de cura de formulações poliméricas por análise térmica e métodos Bárbara Catarina Abreu Teixeira Mestrado em Química, Departamento Química e Bioquímica 2014/2015 Orientador Faculdade

Leia mais

Propriedades Físicas da Matéria

Propriedades Físicas da Matéria Propriedades Físicas da Matéria Condutividade Térmica k Massa Específica ρ Calor Específico a Pressão Constante cp Difusividade Térmica α Viscosidade Cinemática (ν) ou Dinâmica (μ) Coeficiente de Expansão

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam.

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam. Cinética Química...? Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciência e Tecnologia groalimentar Profª Roberlucia Candeia Disciplina: Química geral É o estudo da velocidade das reações químicas

Leia mais

BIK0102: ESTRUTURA DA MATÉRIA. Crédito: Sprace GASES. Professor Hugo B. Suffredini Site:

BIK0102: ESTRUTURA DA MATÉRIA. Crédito: Sprace GASES. Professor Hugo B. Suffredini Site: BIK0102: ESTRUTURA DA MATÉRIA Crédito: Sprace GASES Professor Hugo B. Suffredini hugo.suffredini@ufabc.edu.br Site: www.suffredini.com.br Pressão Atmosférica A pressão é a força atuando em um objeto por

Leia mais

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química Capítulo 3 Cinética Química Velocidade de Uma Reacção Lei de Velocidades Relação Entre a Concentração de Reagente e o Tempo Energia de Activação e Dependência das Constantes de Velocidade com a Temperatura

Leia mais

Elan-Tron 0013 EBR. Boletim Técnico. 350 partes por peso. Sistema Epóxi Alta Resistência a Trincas e Fissuras. Elan tron 0013 EBR + Elan tro H120 LA 1

Elan-Tron 0013 EBR. Boletim Técnico. 350 partes por peso. Sistema Epóxi Alta Resistência a Trincas e Fissuras. Elan tron 0013 EBR + Elan tro H120 LA 1 Boletim Técnico Elan-Tron 0013 EBR Elan tron H0004 BR WA Elan tron H120 LA Quartzo #200 100 partes por peso 85 partes por peso 1,0 a 1,5 partes por peso 350 partes por peso Sistema Epóxi Alta Resistência

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS PREPARADOS COM BLENDA DE POLIETILENO.

CARACTERIZAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS PREPARADOS COM BLENDA DE POLIETILENO. CARACTERIZAÇÃO DE NANOCOMPÓSITOS PREPARADOS COM BLENDA DE POLIETILENO. Camila M. O. Wolski 1, Jéssica K. Akishino 1, Mario S. Cabussu 2, Kleber F. Portella 1, Paulo C. Inone 1, Marilda Munaro 1 *. 1* -

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO.

DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO. DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO. Glauber Silva Godoi Aula 13 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros

Leia mais

TERMODINÂMICA. Aula 2 Introdução à Termodinâmica Sistema Fase Substância Equilíbrio

TERMODINÂMICA. Aula 2 Introdução à Termodinâmica Sistema Fase Substância Equilíbrio TERMODINÂMICA Aula 2 Introdução à Termodinâmica Sistema Fase Substância Equilíbrio INTRODUÇÃO Ampla área de aplicação: organismos microscópicos aparelhos domésticos até veículos sistemas de geração de

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/11/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 G o = H o - T S o G = - n F E o RT E =

Leia mais

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos: APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas 2016-1 - Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais

Leia mais

COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP

COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP D. M. Mariano 1 *, L. C. Mendes 1, D. F.Silva 1 1: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Macromoléculas IMA UFRJ

Leia mais

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MC 153 NF Blue_Endurecedor W 57.01 Resina epóxi

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE OOT COMO ALTERNATIVA AO OIT PARA COMPOSTOS COM BAIXA ESTABILIDADE TERMO-OXIDATIVA

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE OOT COMO ALTERNATIVA AO OIT PARA COMPOSTOS COM BAIXA ESTABILIDADE TERMO-OXIDATIVA UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE OOT COMO ALTERNATIVA AO OIT PARA COMPOSTOS COM BAIXA ESTABILIDADE TERMO-OXIDATIVA Rubens E. dos Santos 1,2*, Pedro A. P. Nascente 2 1* Centro de Caracterização e Desenvolvimento

Leia mais

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 QUÍMICA AVALIAÇÃO CLAUDI / SARA III UNIDADE Aluno(a): COMENTADA Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 1. A prova é composta de 07 questões abertas e 03 questões objetivas. 2.

Leia mais

ESTUDO DA PIRÓLISE DO BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR E PAPEL JORNAL

ESTUDO DA PIRÓLISE DO BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR E PAPEL JORNAL ESTUDO DA PIRÓLISE DO BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR E PAPEL JORNAL Michele K. Lima 1, Ana A. W. Hechenleitner 1, Edgardo A. G. Pineda 1*. 1 Universidade Estadual de Maringá - UEM, Campus de Maringá, Maringá-PR

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto Prof. Alexandre D. Marquioreto Estuda as velocidades, mecanismos e os fatores que podem interferir nas reações químicas. Lentas Reações Químicas Rápidas Reação Rápida Cinética Química Faísca 2 H 2(g) +

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira Cinética Módulo I - Físico Química vançada Profa. Introdução Estudo das velocidades das reações químicas; Velocidade em função das concentrações das espécies presentes; Leis de velocidade: equações diferenciais;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS DE CURA DE RESINAS POLIMÉRICAS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS DE CURA DE RESINAS POLIMÉRICAS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS DE CURA DE RESINAS POLIMÉRICAS SOFTWARE DEVELOPMENT FOR CURE KINETIC PARAMETER ESTIMATION OF POLYMERIC RESIN Lucas Fernando Santos de

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL

TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL QUÍMICA 3ª SÉRIE 1. (Udesc) Considere que um prego é fabricado apenas com o metal Fe. Se este prego entrar em contato com uma solução aquosa de HC, irá acontecer

Leia mais

PHENOTAN AG ADESIVO PARA AGLOMERADOS

PHENOTAN AG ADESIVO PARA AGLOMERADOS PHENTAN AG ADESIV PARA AGLMERADS PHENTAN AG é uma resina de origem vegetal desenvolvida para fabricação de chapas de madeira. CNSTITUIÇÃ QUÍMICA PHENTAN AG consiste de uma modificação química do extrato

Leia mais

Deixe nossas inovações surpreender você!

Deixe nossas inovações surpreender você! Deixe nossas inovações surpreender você! Fundada em 1992 A EMPRESA 100% Brasileira Tecnologias próprias para crosslinking Patentes Nacionais e Internacionais Alta Capacidade Produtiva Assistência Técnica

Leia mais

Desenvolvimento presente em todo o mundo.

Desenvolvimento presente em todo o mundo. 1 Desenvolvimento presente em todo o mundo. - Faturamento anual de U$ 18 bilhões. - Mais de 875 unidades em 54 países Fundada em 1912, a Illinois Tool Works Inc. é uma empresa multinacional produtora de

Leia mais

T= R: 1º trocador: Q= cal/s; mc=208,33 mol/s; A = 60,82 m 2 ; 2º trocador: Q= cal/s; mc=173,61 mol/s; A = 115,52 m 2

T= R: 1º trocador: Q= cal/s; mc=208,33 mol/s; A = 60,82 m 2 ; 2º trocador: Q= cal/s; mc=173,61 mol/s; A = 115,52 m 2 Lista 4 1- Uma reação elementar deve ocorrer adiabaticamente em fase líquida e sob alta pressão. Calcule os volumes de um CSTR e de um PFR necessários para processar 100 kmol/h a 60% de conversão de uma

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R.

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. Demarquete 1 Roteiro da Aula Histórico Química das moléculas poliméricas Estrutura

Leia mais

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila Disciplina Materiais Dentários II Ano-semestre 2016-1 Titulo da aula Expositor Resinas Acrílicas Prof. Dr. Eclérion Chaves Slides 46 Duração Aproximadamente 1:50 Texto base Plano de aula Anusavice Phillips

Leia mais

CÁLCULO DO EQUILIBRIO DE TROCA-IÔNICA DO SISTEMA Na + -Pb 2+ -Cu 2+ USANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS.

CÁLCULO DO EQUILIBRIO DE TROCA-IÔNICA DO SISTEMA Na + -Pb 2+ -Cu 2+ USANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS. CÁLCULO DO EQUILIBRIO DE TROCA-IÔNICA DO SISTEMA Na + -Pb 2+ -Cu 2+ USANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS. A. B. B. GIOPATTO 1, E. A. SILVA 2, T. D. MARTINS 1 1 Universidade Federal de São Paulo, Departamento

Leia mais

DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS

DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS ESTUDO DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS Cheila Gonçalves Mothé 1 Denise ZaldenandoCorreia 2 RESUMO Lipídeos são formados por ésteres de glicerol e ácidos graxos. Os ácidos graxos são ácidos carboxílicos

Leia mais

OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA ENZIMAS E INIBIDORES ENZIMÁTICOS

OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA ENZIMAS E INIBIDORES ENZIMÁTICOS OBJETIVOS Enzimas: Funções, Nomenclatura e Propriedades Fundamentos da Cinética Enzimática Cinética Enzimática: Michaelis-Menten Ensaios Cinéticos: Padronização e Validação Parâmetros Cinéticos: vo, KM,

Leia mais

BT 0074 BOLETIM TÉCNICO RESINA MPS 2 OCHRE_ ENDURECEDOR W 202 RED

BT 0074 BOLETIM TÉCNICO RESINA MPS 2 OCHRE_ ENDURECEDOR W 202 RED BT 0074 BOLETIM TÉCNICO RESINA MPS 2 OCHRE_ ENDURECEDOR W 202 RED Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MPS 2 OCHRE_Endurecedor W 202 RED Sistema epóxi

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais