PROJETO: VIABILIDADE DA CONSERVAÇÃO DOS REMANESCENTES DE CERRADO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO: VIABILIDADE DA CONSERVAÇÃO DOS REMANESCENTES DE CERRADO DO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 1 PROJETO: VIABILIDADE DA CONSERVAÇÃO DOS REMANESCENTES DE CERRADO DO ESTADO DE SÃO PAULO SUB-PROJETO: Florística, fitogeografia e estado de conservação dos remanescentes Coordenação do sub-projeto: Giselda Durigan, Inst. Florestal, SP Outros membros da equipe: Geraldo A. D. C. Franco, IF, SP. Marinez F. de Siqueira, CRIA, Campinas 1. INTRODUÇÃO A região de domínio do bioma Cerrado compreende uma extensa área contínua nos Estados de Goiás, Bahia, Minas Gerais e Mato Grosso e algumas penínsulas e áreas disjuntas que se estendem por outros estados (Eiten, 1972). No Estado de São Paulo, o Cerrado apresenta-se na forma de manchas dispersas, associadas a solos de baixa fertilidade, especialmente na Depressão Periférica e no Planalto Ocidental Paulista, além de algumas pequenas manchas surpreendentemente situadas no Vale do Paraíba, encravadas em pleno domínio da Mata Atlântica. A área total coberta por essas manchas de cerrado correspondia, originalmente, a cerca de 14 % do território do Estado de São Paulo (São Paulo, 1997). Em 1962, segundo Borgonovi & Chiarini (1965), a vegetação de Cerrado, com todas as suas fitofisionomias, cobria km 2 (13,7% do Estado). Onze anos depois, Serra Filho et al. (1974) estimaram essa cobertura em apenas km 2 (cerca de 4,2%) e Kronka et al. (1998), com imagens de 1992, encontraram área total remanescente de apenas km 2 de Cerrado (cerca de 0,96%), comprovando a rápida destruição desse bioma no Estado. Em 30 anos, o cerrado paulista foi reduzido a menos de 7% de sua área original. A área protegida na forma de unidades de conservação representa apenas 0,51% do cerrado original do estado. A vegetação de Cerrado compreende um gradiente de fitofisionomias correspondente a um gradiente de biomassa: campo sujo, campo cerrado, cerrado e cerradão. Mapear as fitofisionomias separadamente é difícil, seja por não haver nitidez na separação entre elas, seja porque as fitofisionomias se alteram ao longo do tempo em um mesmo local, em função da freqüência e intensidade de impactos como o fogo e o pastoreio. Chiarini & Coelho (1969), através da interpretação de fotografias aéreas de 1962, mapearam a vegetação de Cerrado no Estado de São Paulo e encontraram predominância da fisionomia cerrado (75 %) sobre as fisionomias de campo (16 %) e

2 2 cerradão (9 %). Kronka et al. (1998), mapeando as áreas remanescentes a partir de imagens de satélite, encontraram 68,9 % de cerrado, 30,5 % de cerradão e 0,6 % de campo cerrado. A vegetação de Cerrado no Estado de São Paulo encontrava-se relativamente bem preservada até a metade do século XX, ocupada quase que exclusivamente pelo pastoreio extensivo e exploração de lenha. Essas formas de exploração, embora não levassem à redução da extensão do domínio do cerrado no Estado, condicionavam o predomínio de fisionomias campestres (campo sujo a cerrado sensu stricto) sobre fisionomias florestais (cerradão, mata-galeria). O uso do fogo como forma de manejo das pastagens extensivas era comum e freqüente em praticamente todas as áreas de cerrado. Hoje, sabe-se que as fitofisionomias da vegetação de cerrado são dinâmicas, estreitamente relacionadas com a forma de exploração e, principalmente, com a freqüência de queimadas, que pode conduzir a fisionomias mais ou menos densas, desde que a capacidade de suporte do meio admita fisionomias de maior biomassa. A rápida redução de área a que vem sendo submetido o cerrado paulista, ao longo das últimas três décadas, é decorrente, principalmente, da expansão de culturas geneticamente adaptadas ou tecnologias avançadas de cultivo, que permitem obter alta produtividade mesmo em solos de baixa fertilidade. Isso inclui a silvicultura (Pinus e Eucalyptus), outras culturas, como a cana-de-açúcar e a laranja, e ainda pastagens com gramíneas africanas. Além desses fatores, foram constatadas ao longo das visitas de campo deste projeto, duas outras causas importantes para o desmatamento recente de grandes áreas de cerrado no Estado de São Paulo: assentamentos para reforma agrária (Martinópolis e Promissão) e expansão urbana (Bauru). Constatou-se também a pressão para implantação de novos assentamentos em fragmentos de cerrado na região de Colômbia (próximo à divisa com MG). Além da perda considerável de área, a vegetação de cerrado vem sofrendo alterações de natureza qualitativa, decorrentes da própria fragmentação (p. ex. a proliferação de Brachiaria) ou decorrentes de modificações nas práticas de uso da terra. Com o recrudescimento das leis ambientais, o uso do fogo como prática de manejo passou a ser proibido há alguns anos e a pecuária extensiva passou a ser anti-econômica, abandonada por iniciativa dos próprios pecuaristas. A exploração de lenha para carvão deixou de ser prática comum no estado e, assim, a fisionomia da vegetação dos poucos remanescentes de cerrado que sobrevivem tem se transformado lentamente, reduzindo-se a área de

3 3 fisionomias campestres e aumentando a área de fisionomias florestais, tendendo a um clímax predominantemente de cerradão. Paralelamente a essa alteração fitofisionômica, certamente estão ocorrendo modificações florísticas, impossíveis de se resgatar na inexistência de dados ao longo do tempo. O Projeto Viabilidade da conservação dos remanescentes de cerrado do Estado de São Paulo teve, entre seus objetivos, a caracterização dos principais remanescentes de cerrado no Estado, como ferramenta básica para a definição de estratégias de manejo visando a sua conservação. Este projeto tomou como base o mapa de áreas prioritárias para conservação, resultante do Workshop Bases para a Conservação e o uso Sustentável dos Cerrados do Estado de São Paulo, realizado pelo PROBIO SMA, em Foram estabelecidas, na época, 23 manchas consideradas de prioridade máxima, contendo cada mancha uma ou diversas áreas que, pelo seu tamanho, conectividade ou localização no Estado, sugerissem alto valor para a conservação do Bioma Cerrado. Àquelas 23 manchas, no decorrer do projeto, foram acrescentadas outras duas: Angatuba e Vale do Paraíba, consideradas prioritárias pelos pesquisadores envolvidos neste projeto, com base nos resultados do workshop nacional (realizado em 1998), Ações prioritárias para a conservação da biodiversidade do Cerrado e Pantanal (Cavalcanti et al., 1999). Estas manchas estão localizadas fora do mapa-base utilizado no Workshop restrito ao Estado de São Paulo e, por isso, naturalmente, não foram incluídas como prioritárias naquela ocasião. Verificou-se, durante o trabalho de campo, que algumas das manchas originais continham, na verdade, vegetação de floresta estacional semidecidual e não de cerrado. Destas manchas, algumas foram submetidas a diagnóstico e levantamento florístico em pelo menos um fragmento, outras foram simplesmente desconsideradas (p. ex. Sabino, Novo Horizonte), uma vez que o objeto de trabalho eram remanescentes de Cerrado. Muitos remanescentes, alguns de extensão considerável, continham vegetação ecotonal, com espécies de cerrado e floresta estacional semidecidual compartilhando o mesmo espaço. Estes fragmentos, considerados importantes por preservarem espécies de cerrado, foram incluídos na amostragem e nas análises. A amostragem florística focalizou essencialmente espécies arbóreas e arbustivas, estendendo-se a outras formas de vida (ervas ou lianas) desde que fossem espécies com

4 4 potencial de uso econômico, visando subsidiar o trabalho de outro grupo de pesquisadores dentro do projeto, relativo ao manejo sustentável dos remanescentes. Não foram incluídas no levantamento Unidades de Conservação legalmente existentes, presumindo-se que a conservação dessas áreas já está assegurada. Foram visitadas 86 áreas, nas quais foi efetuado o diagnóstico fitofisionômico e do estado de conservação, além do inventário florístico expedito. O objetivo dos levantamentos efetuados foi identificar as espécies vegetais que caracterizam os cerrados do Estado de São Paulo, conhecer a área de ocorrência de cada espécie, encontrar possíveis padrões fitogeográficos e avaliar as áreas visitadas segundo o seu valor para a conservação. Com esta amostragem ampla dentro do Estado, pretendeu-se dar um zoom no trabalho que vem sendo desenvolvido por outros pesquisadores para conhecer e mapear a flora dos cerrados de todo o Brasil, apresentados por Ratter et al. (1996), Ratter et al. (2000a e 2000b) e por Castro et al. (1999). Além das atividades voltadas à análise da flora e fitogeografia, desenvolveu-se um protocolo de avaliação dos fragmentos segundo o seu valor para a conservação, que foi aplicado às 86 áreas visitadas no Estado de São Paulo. O método aplicado baseia-se, essencialmente, nos chamados métodos de pontuação ( scoring procedures ), dicutidos por Morsello (2001). O objetivo foi a eleição de hot spots para a conservação, em uma escala mais fina que aquela gerada pelos workshops, indicando áreas individuais (fragmentos) com maior valor biológico e sob maior grau de ameaça dentro do Estado de São Paulo. 2. METODOLOGIA 2.1.Levantamentos de campo Ao longo de dois anos, utilizando-se de GPS e mapas fitofisionômicos gerados a partir de imagens de satélite recentes, localizaram-se os fragmentos em campo, os quais foram alvo de estudo Inventário florístico Em cada uma das áreas visitadas foi realizado inventário florístico expedito, com registro de ocorrência das espécies em intervalos cronometrados de 15 minutos, até que fosse atingida a estabilização da curva espécies x tempo. Este método foi originalmente

5 5 empregado para levantamento florístico em áreas de cerrado de todo o Brasil por Ratter et al. (2000a). Registrou-se a ocorrência de todas as espécies arbustivas e arbóreas e também de espécies sub-arbustivas e algumas herbáceas com potencial de utilização econômica. Espécies cuja identificação no campo não era possível foram coletadas para identificação posterior Diagnóstico do estado de conservação Cada um dos fragmentos visitados foi submetido a um diagnóstico fitofisionômico e do estado de conservação, com documentação fotográfica, envolvendo os seguintes aspectos: área, coordenadas geográficas, fisionomias presentes, altura do dossel, cobertura de copas, presença de gado, invasão por gramíneas exóticas, evidências de fogo, presença de lixo, indícios de desmatamento, uso do solo no entorno, proteção de mananciais. Na medida do possível, averiguou-se o status legal da área e identificou-se o proprietário Análise dos dados Flora e fitogeografia Os dados obtidos a partir do inventário florístico resultaram em uma listagem das espécies associadas às fitofisionomias em que ocorrem. Obteve-se a partir daí as espécies mais freqüentes, melhor distribuídas, assim como espécies raras ou de distribuição geográfica restrita. A matriz de ocorrência das espécies por fragmento foi submetida a análises multivariadas, buscando-se identificar padrões fitogeográficos distintos para a vegetação de cerrado dentro do Estado de São Paulo Conservação Com base nos dados gerados pelas análises florísticas e fitogeográficas, associados às informações obtidas a partir de imagens de satélite e GIS, avaliou-se cada fragmento, considerando as teorias e princípios da ecologia e da biologia da conservação, segundo os critérios relacionados a seguir: Atributos biofísicos: Tamanho Representatividade fitogeográfica (com base nas UCs já existentes) Conectividade

6 6 Proteção de mananciais Diversidade de fisionomias Riqueza de espécies Número de espécies raras Número de espécies de ocorrência restrita Integridade dos recursos naturais Presença de espécies invasoras Presença de gado Lixo Corte seletivo Influências externas Uso do solo no entorno Relação perímetro / superfície (efeitos de borda) 3. RESULTADOS 3.1. Flora e fiotogeografia Os resultados obtidos dos estudos de flora e fitogeografia transcritos a seguir, foram publicados em Durigan et al (2002). De modo geral, em uma escala ampla, os resultados comprovam resultados de pesquisas anteriores (Castro, 1994, Castro & Martins, 1999), que mostram a flora de cerrado do Estado de São Paulo dividida em dois grandes grupos: o primeiro, localizado do centro para o norte-nordeste do Estado de São Paulo (predominante fisionomias campestres), que, mediante análise regional, assemelha-se à flora das áreas de cerrado do sul de Minas Gerais e do Mato Grosso do Sul. O segundo grupo corresponde às áreas de cerrado do oeste de São Paulo (predominantemente cerradão e ecótono cerrado / floresta) e é distinto da flora do restante do Estado e de estados vizinhos. Dentro desses dois grandes padrões, encontram-se grupos menores, floristicamente distintos, embora em menor grau de dissimilaridade, certamente relacionados com condições ambientais particulares. As análises efetuadas apontam como fatores possíveis para explicar diferenças florísticas entre regiões dentro do estado: fisionomia da vegetação (reconhecidamente associada à fertilidade do solo), condições climáticas (especialmente duração do período seco e temperatura) e ainda uma tendência a maior similaridade florística entre áreas localizadas em uma mesma bacia hidrográfica. Aparecem nas análises como grupo distinto, por exemplo, as áreas

7 7 do extremo nordeste do Estado, municípios de Rifaina e Pedregulho (alto Rio Grande), únicas áreas em que se amostraram espécies como Mauritia flexuosa L.f., Vochysia rufa Mart., Xylopia sericea A. St. Hil, Neea theifera Oerst. e Macairea radula (Bonpl.) DC., entre outras. Da mesma forma, os remanescentes de cerrado do Vale do Paraíba possuem flora bastante distinta do restante do Estado, com espécies peculiares, como Memora pedunculata Miers, Mandevilla coccinea (Hook e& Arn.) Woods., Ouratea confertiflora (Pohl.) Engl., Miconia ferruginata DC. Registraram-se, no total, 549 espécies vegetais no Estado de São Paulo, incluindo árvores, palmeiras, arbustos e subarbustos. Uma vez que foram amostrados fragmentos com vegetação ecotonal (transição com floresta estacional semidecidual e floresta ombrófila densa), encontram-se na listagem espécies que não ocorrem em vegetação de cerrado sensu lato. De todas as espécies amostradas, apenas 167 são árvores típicas de cerrado sensu lato. Algumas espécies destacaram-se pela ocorrência em grande parte dos fragmentos. São espécies de alta plasticidade ecológica, muitas vezes não associadas a um bioma específico, podendo ocorrer em floresta estacional semidecidual ou em cerrado. Casearia sylvestris Sw., Byrsonima intermedia A. Juss., Copaifera langsdorffii Desf., Gochnatia barrosii Cabrera, Tabebuia ochracea (Cham.) Standl., Siparuna guianensis Aubl., Bromelia balansae Mez e Machaerium acutifolium Mart. ex Benth. foram as espécies mais freqüentes, ocorrendo em pelo menos 80% das áreas amostradas. Ironicamente, logo a seguir, nesta ordem, encontra-se Roupala montana Aubl., presente em 79% das áreas e, no entanto, incluída na lista oficial de espécies ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo (D.O.E., 1998). Desta mesma lista, constatou-se a ocorrência de Byrsonima subterranea Brade & Markgr., citada entre as espécies presumivelmente extintas no Estado. Por outro lado, há um grande número de espécies (19%) que foram observadas em somente uma das áreas visitadas. Muitas delas são espécies de outros biomas, ocorrendo em áreas ecotonais ou áreas erroneamente mapeadas como cerrado. Porém, boa parte das espécies com uma única ocorrência são espécies típicas de cerrado, como Annona cornifolia A. St.-Hil., Bauhinia purpurea Wall., Eriotheca pubescens Schott & Endl., Eugenia klotzchiana Berg, Harpalyce brasiliana Benth., Memora pedunculata Miers, Riedeliella graciliflora Harms, Xylopia sericea A. St.-

8 8 Hil., que, embora possam ser comuns em outros estados, são verdadeiramente raras em São Paulo. Os trabalhos já publicados sobre a flora de cerrado do Estado de São Paulo, quase na sua totalidade, tratam de áreas com fisionomias campestres, localizadas na porção centro-nordeste do Estado. Por isso, os estudos baseados nesses trabalhos podem sugerir que a flora do cerrado paulista forma um bloco único, floristicamente indistinto, dentro de uma visão panorâmica dos cerrados de todo o Brasil, conforme apresentado por Ratter et al. (1996). Os cerradões e a vegetação ecotonal do oeste do Estado são praticamente desconhecidos do ponto de vista florístico e também pouco representados na forma de unidades de conservação Estado de conservação dos fragmentos remanescentes Surpreendentemente, existem ainda fragmentos relativamente extensos e em excelente estado de conservação, especialmente na região oeste do estado, onde predominam fisionomias florestais (cerradão e vegetação ecotonal cerrado - floresta estacional semidecidual). Foram amostrados 26 fragmentos considerados grandes (nove com mais de 800 ha e 17 com área entre 400 e 800 ha). Alguns fragmentos que eram grandes quando foram indicadas as manchas prioritárias para conservação, pelo Workshop de 1995, foram desmatados antes deste estudo, principalmente para assentamento de trabalhadores rurais (Martinópolis e Promissão) ou para a expansão de canaviais (Agudos e Pederneiras). As ameaças mais sérias à conservação dos remanescentes de cerrado de São Paulo têm sido relativas ao uso do solo no entorno. Alguns fragmentos biologicamente importantes encontram-se praticamente inseridos na zona urbana de grandes cidades, fortemente pressionados pela especulação imobiliária e com lixo abundante e disperso (10% dos fragmentos). Várias áreas são cortadas ou delimitadas por rodovias, que colocam em risco a fauna e aumentam tremendamente o risco de incêndios. Assim mesmo, verifica-se que, de modo geral, a proteção contra incêndios tem sido bem sucedida, com apenas 9% das áreas com evidências de fogo freqüente. Em 79% das áreas, nenhum indício de fogo recente, sequer pontual, foi observado. Corte seletivo ou desmatamento parcial foi constatado em apenas 5 das 86 áreas. A ameaça mais freqüente à biodiversidade dos remanescentes de cerrado tem sido a invasão por gramíneas africanas, quase que invariavelmente Brachiaria decumbens.

9 9 Além de dominar o estrato inferior, dificultando a sobrevivência e reprodução das espécies nativas, a Brachiaria forma imensa quantidade de matéria seca no inverno, aumentando o risco e a intensidade de incêndios. Das áreas visitadas, apenas 24 (28%) não tinham gramíneas invasoras, principalmente áreas circundadas por reflorestamentos ou pomares de Citrus. Do restante, 32 (37%) tinham gramíneas invasoras apenas nas bordas, 19 (22%) estavam com parte da área invadida e 11 fragmentos (13%) tinham o estrato inferior totalmente dominado por gramíneas invasoras. A presença de Brachiaria torna questionável se a presença de gado (observou-se a presença de gado no interior de 27 áreas) é uma ameaça ou um benefício à conservação do cerrado. Em áreas invadidas, o gado controla a biomassa das gramíneas invasoras, diminuindo o seu impacto negativo pela competição e pelo risco de incêndios. Porém, o gado pode agir como dispersor das gramíneas invasoras, agravando a invasão, além de causar impacto sobre o ecossistema pelo pisoteio. 4. PERSPECTIVAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL Depois de termos visitado todas as manchas consideradas prioritárias para a conservação do cerrado no Estado de São Paulo, mapeando a ocorrência das espécies, avaliando o estado de conservação dessas áreas e conhecendo um pouco da realidade de uso da terra no Estado, constatamos que: Poucas espécies que permitem exploração direta ocorrem no Estado de São Paulo em populações de tamanho tal que permita o manejo sustentável. Há um grande número de espécies com potencial de utilização econômica, mas de outras formas que não o manejo sustentável. Para essas espécies, o uso comercial dependeria, por exemplo, do desenvolvimento de processos industriais ou de domesticação e cultivo em larga escala. As pessoas que moram junto das áreas de cerrado geralmente desconhecem o uso das plantas (não se sabe se esse conhecimento foi perdido ou se nunca teve importância no Estado de São Paulo, colonizado em boa parte por imigrantes). Os remanescentes maiores e melhor conservados localizam-se geralmente em grandes propriedades, nas quais não há interesse algum em exploração do cerrado, que muitas vezes é Reserva Legal averbada.

10 10 5. COMENTÁRIOS FINAIS A vegetação de cerrado no Estado de São Paulo vem sendo rapidamente destruída, em um processo ainda mais acelerado do que no restante do país, a despeito dos dois workshops que foram realizados indicando zonas prioritárias para a conservação do bioma no estado. Alçar a bandeira da exploração econômica sustentável das plantas do cerrado como estratégia para assegurar a conservação dos últimos remanescentes nos parece um caminho equivocado. Há uma incompreensível dicotomia nas ações governamentais em relação aos remanescentes de cerrado, que precisa ser solucionada: enquanto a Secretaria do Meio Ambiente luta para assegurar a preservação e conter o desmatamento, outros órgãos do Governo (estadual e federal) têm desapropriado grandes áreas de cerrado para implantação de assentamentos de trabalhadores sem terra. Parte das áreas remanescentes pode ainda ter legalmente autorizado o seu desmatamento, uma vez que a legislação vigente não dispõe de mecanismos para evitálo. Diante de todas essas constatações, considera-se que o melhor caminho para a conservação efetiva dos remanescentes de cerrado no Estado de São Paulo é transformálos em unidades de conservação, ao menos aqueles de maior valor biológico ou sob maior ameaça. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Borgonovi, M. & Chiarini, J.V Cobertura vegetal do Estado de São Paulo. I - Levantamento por fotointerpretação das áreas cobertas com cerrado, cerradão e campo, em Bragantia 24: Castro, A.A.J.F. & Martins, F.R Cerrados do Brasil e do nordeste: caracterização, área de ocupação e considerações sobre a sua fitodiversidade. Pesquisa em Foco 7: Castro, A.A.J.F Comparação florístico-geográfica (Brasil) e fitossociológica (Piauí-São Paulo) de amostras de cerrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 520pp. Tese de Doutorado. Cavalcanti, R. B. ed. (1999). Ações prioritárias para a conservação da biodiversidade do Cerrado e Pantanal. Belo Horizonte: Conservation International do Brasil.

11 11 Chiarini, J.V. & Coelho, A.G.S. (1969). Cobertura vegetal natural e áreas reflorestadas do Estado de São Paulo. Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo. Instituto Agronômico. Boletim 193. Campinas, Brazil. D.O.E Espécies da flora ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Seção I, São Paulo 108(46):23 (10 de março de 1998). Durigan, G.; Siqueira, M.F.; Franco, G.A.D.C.; Bridgewater, S. & Ratter, J.A. (no prelo). The vegetation of priority areas for cerrado conservation in São Paulo State, Brazil. Edinburgh Journal of Botany. Durigan, G.; Siqueira, M.F. & Franco, G.A.D.C A vegetação de cerrado no Estado de São Paulo. In: Eiten, G The cerrado vegetation of Brazil. Botanical Review 38(2): Kronka, F.J.N., Nalon, M.A., Matsukuma, C.K., Pavão, M., Guillaumon, J.R., Cavalli, A.C., Giannotti, E., Iwane, M.S.S., Lima, L.M.P.R., Montes, J., Del Cali, I.H. & Haack, P.G Áreas de domínio do cerrado no Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Instituto Florestal. Morsello, C Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo. Anablume / FAPESP. 344p. Ratter, J. A.; Bridgewater, S.; Atkinson, R. & Ribeiro, J. F Analysis of the floristic composition of the Brazilian Cerrado Vegetation II: comparison of the wood vegetation of 98 areas. Edinburgh Journal of Botany 53(2): Ratter, J. A.; Bridgewater, S.; Ribeiro, J.F.; Dias, T.A B. & Silva, M.R. 2000a. Distribuição das espécies lenhosas da fitofisionomia Cerrado sentido restrito nos estados compreendidos pelo bioma Cerrado. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer. 5:5-43. Ratter, J. A.; Ribeiro, J.F. & Bridgewater, S. 2000b. Woody flora distribution of the Cerrado biome: phytogeography and conservation priorities. In: Cavalcanti, T.B. & Walter, B.M.T. (orgs) Tópicos Atuais em Botânica. EMBRAPA/SBB. Brasília. P São Paulo, Secretaria de Estado do Meio Ambiente Bases para a conservação e uso sustentável das áreas de cerrado do Estado de São Paulo. São Paulo. (Série PROBIO/SP). Serra Filho, R. et al Levantamento da cobertura natural e do reflorestamento no Estado de São Paulo. São Paulo. Boletim Técnico do Instituto Florestal, 11.

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Inventário Florestal do Estado de São Paulo

Inventário Florestal do Estado de São Paulo Inventário Florestal do Estado de São Paulo LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DO INSTITUTO FLORESTAL MUNDOGEO CONNECT LATIN AMERICA 2014 Histórico 1938: Gonzaga Campos 1962: Borgonovi, et al 1972: Serra

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Imagem dos Corredores Ecológicos: Exibe a imagem de satélite baixa resolução de SPOT-5, adquirida em 2005. Esta imagem está como padrão defaut ao iniciar o sistema,

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F.

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. Junior¹ A relação da comunidade com o meio-ambiente é uma das mais importantes

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução Diagnóstico do uso e ocupação da terra da Gleba Cavalcante como fator transformador da paisagem Lourivaldo Amâncio de CASTRO 1 ; Fabiano Rodrigues de MELO 1 ; Amintas Nazaré ROSSETE 2 1 Universidade Federal

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: LEI Nº 12.927, DE 23 DE ABRIL DE 2008 (Projeto de lei nº 53/08, do Deputado Valdomiro Lopes - PSB) Dispõe sobre a recomposição de reserva legal, no âmbito do Estado de São Paulo O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 289ª Reunião Ordinária do Plenário do CONSEMA Dispõe sobre a elaboração e a atualização de lista de espécies exóticas com potencial de bioinvasão no Estado

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo.

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Relatório mensal JULHO/2014 Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Atividades desenvolvidas no mês: Estudo das espécies

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais MINUTA DE RESOLUÇÃO Define critérios rios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Situações I - APPs localizadas em pequena propriedade ou posse rural familiar desprovidas de vegetação

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Sra. CRISTINA MARIA DO AMARAL AZEVEDO Coordenadora de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA/SP

Sra. CRISTINA MARIA DO AMARAL AZEVEDO Coordenadora de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA/SP São Paulo, 08 de abril de 2015 Sra. PATRÍCIA FAGA IGLECIAS LEMOS Secretária de Meio Ambiente do Estado de São Paulo SMA/SP Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente de São Paulo Consema Sra. CRISTINA

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais