REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA DO NUCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA DO NUCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE"

Transcrição

1

2 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA DO NUCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE Art1º O Serviço de Psicologia do NPJ é constituído por um profissional de formação específica em Psicologia, que tenha aptidão a atender as demandas Psicológicas e Judicias dos assistidos, bem como estagiários do curso de Psicologia, com as seguintes características: I - Sensibilidade para compreender as dificuldades dos solicitantes e capacidade para intervir; II - Perfil de comprometimento com suas funções, envolvendo-se com responsabilidade, discrição e organização; III - Demonstrar habilidade e oferecer bom tratamento à população entendida como carente, conferindo a atenção necessária a todos os atendimentos; IV Tratar o assistido com cordialidade e respeito, evitando o uso de jargões técnicos de modo a tornar possível a comunicação; V - Esforço no relacionamento em equipe, especialmente na troca de experiências em atividades com outras áreas, tais como Serviço Social e Direito; VI - Estar comprometido com a afirmação e efetivação dos direitos humanos; VII Preocupação com a repercussão das atividades desempenhadas para contribuir em nível social, econômico e ambiental; VIII - Tratar a clientela do Núcleo de Prática Jurídica, os colegas, professores, advogados, funcionários, serventuários da justiça e demais pessoas com que tenha que tratar com seriedade, respeito e urbanidade; Art 2º. O Psicólogo do Núcleo atuará no âmbito da Justiça, colaborando com os demais membros para garantir uma promoção da Saúde ao assistido, tendo apoio

3 multiprofissional no seu atendimento, satisfazendo suas demandas sociais, psicológicas e jurídicas. Parágrafo único. Compete ao Serviço de Psicologia as seguintes atribuições: I Permanecer nas dependências do Núcleo de Prática Jurídica durante todo o período acordado; II - Preencher a ficha de atendimento do assistido com o máximo de detalhes; III-Zelar para que o material privativo de Psicólogo se mantenha conservado e não seja comercializado, extraviado, doado, emprestado ou divulgado incorretamente. IV - Cuidar do processo de seleção dos estagiários; V - Fiscalizar, in loco ou à distância, através de relatórios e provas, o desempenho de cada estagiário; VI- Promover métodos extrajudiciais de resolução de conflitos e manter em funcionamento núcleo de negociação, conciliação e mediação; VII- Auxiliar na mediação, realizando uma escuta individual com ambas as partes antes da audiência, esclarecendo as dúvidas relativas à solução de conflitos e ouvindo as diferentes versões do mesmo caso, contribuindo para o diálogo das partes; VIII - Promover palestras, encontros, seminários e cursos de ordem pedagógica aos docentes, estagiários e funcionários do Núcleo para assessoramento nas atividades, primando pela qualidade e organização no serviço; IX - Propor projetos de trabalho interdisciplinar a serem desenvolvidos conjuntamente com outros conselhos de curso ou núcleo; X Realizar pesquisas e elaborar trabalhos visando a construção e ampliação do conhecimento psicológico aplicado ao campo do Direito, bem como relatórios semestrais sobre os atendimentos; XI - Encaminhar para instituições conveniadas ou gratuitas os casos de atendimento que demandam necessidade de outros profissionais especializados, uma vez que o núcleo não realiza tratamentos terapêuticos que ultrapassem o aconselhamento breve, de orientação pontual a aspectos de ordem emocional que estejam influenciando a demanda judicial;

4 XII Aplicar testes psicológicos, que são privativos de psicólogos, a depender da necessidade do caso; XIII- Realizar atendimento psicoterápico breve, amenizando o sofrimento oriundo de causas judiciais, buscando conscientizar o assistido e superar ressentimentos como raiva e frustração. O assistido será atendido na sala designada para tal fim, garantido o sigilo das informações; XIV Ministrar cursos e seminários na graduação, explicando como funciona o Núcleo, sua importância e os resultados obtidos, a fim de orientar os alunos sobre possíveis intervenções e estágios; XV - Desempenhar todas as demais atividades decorrentes da sua função; XVI - Cumprir e fazer cumprir este Regulamento, onde os casos omissos serão resolvidos pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica. Art 3º Os membros do Serviço de Psicologia poderão sofrer sanções administrativas nas seguintes hipóteses: I - Destruir ou inutilizar material do escritório do NPJ; II - Acessar sites de divulgação inadequados a atividades de Estágio; III - Utilizar qualquer material ou equipamento do escritório para fins particulares; IV Portar-se inadequadamente quando das realizações das atividades de estágio, ainda que quando da realização das visitas oficiais; V - Indicar, sugerir ou encaminhar clientes do Núcleo de Prática Jurídica para qualquer profissional, excluindo-se os encaminhamentos a serviços gratuitos, bem como cobrar, aceitar ou receber, a qualquer título, dinheiro ou qualquer outro valor de cliente do NPJ; VI - Induzir a convicções políticas, filosóficas, morais, ideológicas, religiosas, de orientação sexual ou a qualquer tipo de preconceito, quando do exercício de suas funções profissionais; Art 4º. Os estagiários de Psicologia estão subordinados, pedagogicamente, ao coordenador de estágio do curso de Psicologia e, administrativamente, à coordenação do Curso de Direito.

5 Art 5º. As atividades do Serviço de Psicologia serão registradas em formulários específicos, respeitando o critério de sigilo profissional. Art 6º - O Serviço de Psicologia poderá, por solicitação da direção ou coordenação, elaborar pesquisas e relatórios com o objetivo de auxiliar na compreensão do perfil dos assistidos, suas dificuldades e possíveis intervenções, sempre respeitando o sigilo profissional que envolve as informações.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DE PARAÍSO DO TOCANTINS (FCJP)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DE PARAÍSO DO TOCANTINS (FCJP) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DE PARAÍSO DO TOCANTINS (FCJP) Considerando a Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE)/ Câmara de Educação Superior

Leia mais

FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO

FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO São José do Rio Preto 2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO PSICOPEDAGÓGICO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica e do Estágio Supervisionado no Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Universidade Feevale é um serviço que tem por finalidade garantir a efetiva comunicação e o relacionamento com

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CAP CAPÍTULO I DO OBJETO

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CAP CAPÍTULO I DO OBJETO REGULAMENTO DO CENTRO DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CAP CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º. Este regulamento disciplina o funcionamento do Centro de Atendimento Psicológico - CAP da Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO

REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO Capítulo I Da Ouvidoria Art. 1º A Ouvidoria da Associação Caruaruense de Ensino Superior e Técnico - ASCES é elo de

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento rege as Atividades de Assistência Jurídica do Centro de Ensino Superior Cenecista de Farroupilha

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE DIREITO CAPÍTULO III ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS Art. 50. Este Regulamento rege as atividades relativas aos estágios supervisionados do Curso de Direito.

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CNPJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CNPJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CNPJ REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ DO CURSO DE DIREITO CAMPUS BINACIONAL TÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL - UniBrasil.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL - UniBrasil. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL - UniBrasil. Considerando a Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE)/ Câmara de Educação Superior (CES), nº

Leia mais

FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD. Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED

FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD. Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED 2016 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE FRUTAL-FAF CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE FRUTAL-FAF CAPÍTULO I DA OUVIDORIA FACULDADE FRUTAL-FAF Rua Nova Ponte, 439 Jardim Laranjeiras Frutal MG CEP:38.200-000 REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE FRUTAL-FAF CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade Frutal - FAF

Leia mais

ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO São Miguel do Oeste, outubro de 2012 ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL

Leia mais

ANEXO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

ANEXO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ANEXO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Dos Princípios Gerais Art. 1. Este Regulamento rege as atividades de estágio do Curso de Graduação em Direito, em especial o

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE NOTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS)

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE NOTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS) REGULAMENTO DE NOTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS) DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da FCHPE destina-se ao treinamento de

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS Regulamenta o funcionamento da Ouvidoria no âmbito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO AVANÇADA DE VITÓRIA IESFAVI REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAAP

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO AVANÇADA DE VITÓRIA IESFAVI REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAAP INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO AVANÇADA DE VITÓRIA IESFAVI REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAAP Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP Regulamenta o Núcleo de Apoio Psicopedagógico O Conselho de Administração, Ensino, Pesquisa e Extensão Consaepe, tendo em conta a Portaria n. 34, de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO - CEPEAGE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO - CEPEAGE REGULAMENTO DE ESTÁGIO - CEPEAGE REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CENTRO DE PRÁTICA EM ENGENHARIA, ARQUITETURA E GESTÃO - CEPEAGE DAS FACULDADES INTEGRADAS PITÁGORAS / FIPMoc I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1.

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Cachoeira BA Julho de 2016 Sumário DA OUVIDORIA... 3 DA FUNÇÃO DE OUVIDOR E DE SUAS ATRIBUIÇÕES... 3 DOS REQUISITOS PARA A FUNÇÃO DE OUVIDOR... 4

Leia mais

TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO. Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP

TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO. Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP SÃO PAULO 2015 4 Sumário 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 5 2. FINALIDADE E OBJETIVOS DO NAP... 5 3. ATUAÇÃO DO NAP...

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DE MATO GROSSO DO SUL DEFENSORIA PÚBLICA-GERAL DO ESTADO RESOLUÇÃO DPGE N. 134/2017, DE 31 DE MAIO DE 2017.

DEFENSORIA PÚBLICA DE MATO GROSSO DO SUL DEFENSORIA PÚBLICA-GERAL DO ESTADO RESOLUÇÃO DPGE N. 134/2017, DE 31 DE MAIO DE 2017. RESOLUÇÃO DPGE N. 134/2017, DE 31 DE MAIO DE 2017. Publicado no D.O.E. nº 9.421, de 1º de junho de 2017 Cria a Câmara de Conciliação de Conflitos de Família (CCON-Família) da Defensoria Pública de Mato

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE DE TRÊS CORAÇÕES NOP

UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE DE TRÊS CORAÇÕES NOP UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE DE TRÊS CORAÇÕES NOP NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA TRÊS CORAÇÕES 2015 1 SUMÁRIO NUCLEO DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA-NOP...3 OBJETIVO:...3 CAPÍTULO I...4 DA DEFINIÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE OUVIDORIA (cursos presenciais e à distância) CACOAL 2015 CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO Aprovado pelo CAS Resolução nº 173/2017 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E DO NÚCLEO DE PRÁTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório do

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - SAJULBRA - REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - SAJULBRA DOS

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 24.04.2008 O Prefeito Municipal de São

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB PARTE I - DOS ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB PARTE I - DOS ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB PARTE I - DOS ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO Art. 1º - Este regulamento tem por finalidade, fixar

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS E DAS DISCIPLINAS ELETIVAS

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS E DAS DISCIPLINAS ELETIVAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS E DAS DISCIPLINAS ELETIVAS Art. 1º. Este Regulamento dos Estágios Supervisionados e das disciplinas Eletivas rege as atividades relativas aos estágios supervisionados

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-LIBRAS

REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-LIBRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LIBRAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS LIBRAS REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente

Leia mais

Art. 5º- Para uma instituição ser conveniada como local de estágio é indispensável :

Art. 5º- Para uma instituição ser conveniada como local de estágio é indispensável : REGULAMENTO DE ESTÁGIOS ESPECÍFICOS Fixa normas para o funcionamento dos Estágios Supervisionados Específicos em Psicologia. (Aprovado pelo CONSEPE) I - DOS OBJETIVOS Art. 1º- O Estágio Curricular Específico

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL OUVIDORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Unidade de Ensino, é um elo entre a comunidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 213 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 213 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 213 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES REGULAMENTO DE ESTÁGIO Aprovado pelo CAS Resolução nº 155/2017 REGULAMENTO DE ESTÁGIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES Art. 1 Este Regulamento tem por finalidade normatizar o sistema

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este regulamento rege as atividades de estágio no Núcleo de Prática Jurídica do curso de Direito da Faculdade Cesmac do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DA OUVIDORIA Art. 1º. A Ouvidoria é um elo entre as comunidades acadêmica e externa e as instâncias administrativas da Faculdade, visando

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS 0BRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS 0BRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS 0BRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. o - Este regulamento

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB

FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB PROGRAMA DE OUVIDORIA VÁRZEA GRANDE - 2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

REGULAMENTO OUVIDORIA

REGULAMENTO OUVIDORIA Mantenedora Instituto de Ensino Dalva Campos Mantida Faculdade FASIPE-MATO GROSSO REGULAMENTO OUVIDORIA CUIABÁ / MATO GROSSO SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA OUVIDORIA CAPÍTULO II - DA COMISSÃO CAPÍTULO III - DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 185 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 185 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 185 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade CNEC Farroupilha constitui-se em um canal de comunicação para receber as reclamações/sugestões, dúvidas, denúncias, ou

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NAPE FACULDADE DE CALDAS NOVAS - UNICALDAS APRESENTAÇÃO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NAPE FACULDADE DE CALDAS NOVAS - UNICALDAS APRESENTAÇÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NAPE FACULDADE DE CALDAS NOVAS - UNICALDAS APRESENTAÇÃO O NAPE é o Núcleo de Apoio Psicopedagógico Especializado foi criado com o propósito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA BOM JESUS/IELUSC RESOLUÇÃO CES Nº 16/2012

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA BOM JESUS/IELUSC RESOLUÇÃO CES Nº 16/2012 ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA BOM JESUS/IELUSC RESOLUÇÃO CES Nº 16/2012 Regulamenta e normatiza o funcionamento dos Núcleos de Pesquisa e Extensão do BOM JESUS/IELUSC. A Câmara de Ensino Superior do

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O presente regulamento normatiza as atribuições e o funcionamento do núcleo de apoio psicopedagógico da Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO O conselho do curso de Direito do Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara, no uso de suas competências

Leia mais

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO A AESGA no uso de suas atribuições regimentais vem regulamentar o funcionamento do Núcleo Integrado de Práticas Administrativas. TÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da A E s c o l a d e E n g e n h a r i a K e n n e d y é um elo de ligação entre a comunidade acadêmica ou externa e as instâncias acadêmicoadministrativas

Leia mais

- NPJ - DIRETRIZES E ROTINAS

- NPJ - DIRETRIZES E ROTINAS - NPJ - DIRETRIZES E ROTINAS Agosto/2016 I. Missão O NPJ tem por finalidade a supervisão, articulação e promoção de atividades de Prática Jurídica pelos estudantes do Curso de Direito, sob a forma real

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e,

RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas de Estágio do Curso

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Artigo 1º - Para os efeitos deste regulamento, considera-se:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Artigo 1º - Para os efeitos deste regulamento, considera-se: REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP, CÂMPUS DE MARÍLIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

1 Manual do atendimento psicopedagógico

1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico 1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico FACULDADE DE ARTES DULCINA DE MORAES APRESENTAÇÃO Neste manual você irá encontrar as

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM PSICOLOGIA APLICADA - CEPPA

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM PSICOLOGIA APLICADA - CEPPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM PSICOLOGIA APLICADA - CEPPA REGULAMENTO INTERNO i Uberaba 2016 0 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINALIDADE E COMPETÊNCIAS

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem do Centro Universitário do Cerrado - Patrocínio (UNICERP) fundamenta a ação pedagógica, a ser desenvolvida junto aos alunos, na

Leia mais

Estágio curricular supervisionado

Estágio curricular supervisionado Estágio curricular supervisionado O Estágio curricular supervisionado do curso de Direito da Facer, de acordo com o art. 7 da Resolução CNE/CES n. 9, de 29 de setembro de 2004 (DCN) é obrigatório e desenvolve-se

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO INTERNO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Artigo 1º - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória no Currículo do Curso de Matemática Licenciatura

Leia mais

NORMAS DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS OBJETIVOS

NORMAS DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS OBJETIVOS NORMAS DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Estabelece as normas para desenvolver a atividade curricular Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 184/2009/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 184/2009/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 184/2009/CONEPE Altera as Normas Específicas do Estágio Supervisionado

Leia mais

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA CURSO DE FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO Capítulo I Princípios gerais: Art. 1º De acordo com o Projeto Pedagógico do curso de Fonoaudiologia da Faculdade Redentor, os estágios supervisionados fazem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MAFRA NÚCLEO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MAFRA NÚCLEO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MAFRA NÚCLEO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO INTERNO MAFRA 2002 Disposições Preliminares Art.1º) O presente Regulamento disciplina as atividades didático pedagógicas

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico aos

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE CESUMAR DE PONTA GROSSA. CAPÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVOS E FINALIDADES. Art. 1º O

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO CIÊNCIAS DA NATUREZA LICENCIATURA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO CIÊNCIAS DA NATUREZA LICENCIATURA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO O presente regulamento normatiza o estágio curricular supervisionado do Curso Ciências da Natureza Licenciatura da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Leia mais

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa;

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa; RESOLUÇÃO DO CGAA-ESEF Nº 03/2011. EMENTA: Normatiza a utilização do Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE. O Conselho de Gestão Acadêmica e Administrativa da Escola Superior de Educação Física da Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PROEN

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PROEN INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PROEN Normatiza a criação, funcionamento e atribuições do Colegiado de Eixo Tecnológico para os Cursos Técnicos do Instituto Federal Farroupilha conforme previsto no Art.

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ SOBRAL - CE ÍNDICE PÁG. TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS 01 TÍTULO II DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 02 CAPÍTULO I DO COORDENADOR DE ESTÁGIOS

Leia mais

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Ouvidoria do Conselho Federal de Enfermagem tem por objetivo colaborar para o aperfeiçoamento e

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Assis-SP 201 CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria foi instituída para ser a ligação necessária que deve existir entre a comunidade acadêmica, comunidade externa, docentes

Leia mais

CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 135 DE 19 DE SETEMBRO DE RESOLVE

CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 135 DE 19 DE SETEMBRO DE RESOLVE CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 135 DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. Aprova Regulamento para funcionamento da Brinquedoteca, espaço compartilhado do Colégio e do Curso de Pedagogia - Licenciatura da Faculdade

Leia mais

UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano Unidade Campinas Curso de Direito REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO. REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO (Anexo ao Decreto nº 4.550, 14 de agosto de 2003)

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO. REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO (Anexo ao Decreto nº 4.550, 14 de agosto de 2003) PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO (Anexo ao Decreto nº 4.550, 14 de agosto de 2003) Art.1º - O presente regulamento disciplina os procedimentos a serem

Leia mais

SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA

SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA ALTERAÇÕES APROVADAS Ad referendum do Conselho Superior pela Direção Geral, em 26.04.2017. SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA Norma 017 Regulamenta o Serviço de Assistência Jurídica (SAJ) oferecido pela FADISMA.

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLOGIAS DCHT CAMPUS XIX CAMAÇARI NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Camaçari BA CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º

Leia mais

Regulamento contendo as Normas de Funcionamento dos LABORATÓRIOS INTERDISCIPLINARES DE FORMAÇÃO DE EDUCADORES (LIFEs)

Regulamento contendo as Normas de Funcionamento dos LABORATÓRIOS INTERDISCIPLINARES DE FORMAÇÃO DE EDUCADORES (LIFEs) Regulamento contendo as Normas de Funcionamento dos LABORATÓRIOS INTERDISCIPLINARES DE FORMAÇÃO DE EDUCADORES (LIFEs) CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º - Os Laboratórios Interdisciplinares

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Núcleo de Atendimento Educacional ao Discente NAED Regulamento CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO NAED Art.

Leia mais

Do Conceito. Da Criação

Do Conceito. Da Criação REGIMENTO DAS FAZENDAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (FEPE) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS DA UNESP, CAMPUS DE BOTUCATU, ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008 Do Conceito Artigo

Leia mais

Regulamento OUVIDORIA

Regulamento OUVIDORIA Regulamento OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da Faculdade Paulo Picanço é um elo entre a comunidade acadêmica ou externa e as instâncias administrativas da IES, visando agilizar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo em Saúde da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC foi instituída para estabelecer, de forma mais efetiva, a comunicação

Leia mais

Do Núcleo de Prática Jurídica

Do Núcleo de Prática Jurídica 1 Do Núcleo de Prática Jurídica A Resolução MEC/CNE/CES n. 09/2004, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Direito do Brasil conferiu à educação jurídica superior a possibilidade

Leia mais

FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO MANTIDA PELO INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO MANTIDA PELO INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE Regulamento Núcleo Docente Estruturante REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DE CURSO DE GRAUDAÇÃO CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo Docente Estruturante NDE, de Curso de Graduação

Leia mais

FACULDADES EST REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES DA OUVIDORIA

FACULDADES EST REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES DA OUVIDORIA FACULDADES EST REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da Faculdades EST é um canal de ligação entre a comunidade acadêmica, comunidade externa,

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA GOIÂNIA 2015 2 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO REGULAMENTO DA OUVIDORIA TÍTULO I DA OUVIDORIA E SUAS FINALIDADES Art. 1º. A Ouvidoria do INSTITUTO UNIFICADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 086/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 086/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 086/2005-CEPE/UNICENTRO Cria o Núcleo de Educação a Distância da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO e aprova o seu Regulamento. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE,

Leia mais

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MATRIZ CURRICULAR 2013 Fabieli Spessatto Coordenadora do Curso Caçador, 2016

Leia mais

2º A monitoria remunerada por bolsa não gera nenhum vínculo empregatício entre o IFPE e o estudante.

2º A monitoria remunerada por bolsa não gera nenhum vínculo empregatício entre o IFPE e o estudante. 2º A monitoria remunerada por bolsa não gera nenhum vínculo empregatício entre o IFPE e o estudante. 3º O estudante-monitor deverá assinar um Termo de Compromisso específico à atividade de monitoria. Art.4º

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO A Coordenadora da FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS - FACIT, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Geral e Legislação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular dos Cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA - LAP CAPÍTULO I DO OBJETO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA - LAP CAPÍTULO I DO OBJETO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA - LAP CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento do Laboratório de Avaliação Psicológica LAP, da Universidade do Vale do

Leia mais