Análise numérica para solução de integrais não elementares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise numérica para solução de integrais não elementares"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA CAMPUS CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ESPECIALIZACAO EM MATEMÁTICA PURA E APLICADA Análise numéric pr solução de integris não elementres por BALDOINO SONILDO DA NÓBREGA sob orientção d Professor Dr. KÁTIA ELIZABETE GALDINO CAMPINA GRANDE-PB 212

2 BALDOINO SONILDO DA NÓBREGA Análise numéric pr solução de integris não elementres Monogrfi presentd o curso de Especilizção em Mtemátic Pur e Aplicd d Universidde Estdul d Príb em cumprimento s exigêncis legis pr obtenção do título de Especilist. sob orientção d Professor: Dr. KÁTIA ELIZABETE GALDINO CAMPINA GRANDE-PB 212

3

4 Análise numéric pr solução de integris não elementres por Bldoino Sonildo d Nóbreg Monogrfi presentd o curso de Especilizção em Mtemátic Pur e Aplicd do Deprtmento de Mtemátic, Centro de Ciêncis e Tecnologi d Universidde Estdul d Príb em cumprimento s exigêncis legis pr obtenção do título de Especilist em Mtemátic Pur e Aplicd. Áre de Concentrção: Mtemátic Aplicd Aprovd por: Junho/212 ii

5 Agrdecimentos Primeirmente, Deus por está sempre presente em todos os momentos de minh vid brindo s ports pr que eu lcnce meus objetivos. Aos meus pis Antonio Sonldo e Mri Selm, os meus irmãos Sonldo Junior, Lucielm, Sidelâni e Synti por terem me ddo muit forç e incetivo que form fundmentis e minh nmord Vlm Rvnny pelo poio e crinho. Aos meus migos e compnheiros de estudo Jiro, Vnlex e Rivnildo que muits vezes me judrm e derm forç pr não desistir. A Professor e Orientdor Dr. Káti Elizbete Gldino pel tenção, compreensão e dedicção no desenvolvimento deste trblho. A Professor Dr. Rosn Mrques por sempre ter tendido tão bem os meus pedidos durnte tod grdução. A todos Professores do Curso de Especilizção em Mtemátic Pur e Aplicd. Enfim, todos queles que contribuirm pr relizção deste trblho. iii

6 Dedictóri A tod minh fmíli. iv

7 Resumo Neste trblho é presentdo um estudo sobre como resolver integris definids de funções contínus que não podem ser clculds utilizndo o Teorem Fundmentl do Cálculo, ou sej, funções que não possuem primitivs ou que sej de difícil obtenção. A integrção numéric oferece um cminho prático pr estimr os vlores desss integris, trvés de métodos numéricos, como Regr do Trpézio, e s Regrs Simpson. Será feit um proximção d função f integrr por um polinômio P que é um função simples de integrr. Tmbém será estimdo o erro em que se incorre o usr tis métodos de proximção.

8 Abstrct This pper presents study on how to solve definite integrls of continuous functions tht cn not be clculted with the Fundmentl Theorem of Clculus, their functions which re not primitive or elementry formultions it is difficult to obtin. The numericl integrtion offers prcticl wy to estimte the integrl by numericl methods, such s the Trpezium Rule nd Simpson s Rules. There will be n pproch to integrte the function F by polynomil P which is simple function to integrte. Also the error is estimted to be incurred when using such methods of pproximtion.

9 Conteúdo Introdução Conceitos Básicos Preliminres Integrl Relção entre Integrção e Derivção Interpolção Polinomil Polinômios de Lgrnge Fórmul de Lgrnge Polinômios de Newton Fórmul de Newton Polinômios de Gregory-Newton Fórmul de Gregory-Newton Erro de truncmento d interpolção polinomil Integrção Numéric Motivção Fórmuls de Newton-Cotes Regr do Trpézio Primeir Regr de Simpson Segund Regr de Simpson Aplicções ds Regrs de Newton-Cotes tipo Fechd Aplicção

10 ii 4.2 Aplicção Aplicção Considerções Finis 58 Bibliogrfi 6

11

12 Introdução O cálculo é mtemátic d vrição. No cerne do cálculo estão os conceitos mtemáticos relciondos de derivção (ou diferencição) e integrção. A importânci do cálculo integrl reside ns sus inúmers plicções em vários domínios d engenhri, ms tmbém em físic, em teori ds probbiliddes, em economi, em gestão, ou sej, existe um grnde número de plicções. O processo inverso d derivção no cálculo é integrção. De cordo com definição do dicionário, integrr signific "juntr s prtes em um todo; unir; indicr quntidde totl". Um relção de grnde importânci entre derivção e integrção é ddo no Teorem Fundmentl do Cálculo, que é peç chve de todo Cálculo Diferencil e Integrl, pois estbelece ligção entre s operções de derivção e integrção. Ao colocr em prátic esse teorem num integrl definid é necessário encontrr um fórmul F(x) pr ums ds primitivs de f(x) e fzer o devido cálculo do número, porém lgums primitivs são muito difíceis de se encontrr e outrs não podem ser clculds, pois sus primitivs não têm fórmuls elementres. Sej qul for rzão, qundo não se pode clculr um integrl definid com um primitiv, um solução é recorrer integrção numéric. A idéi básic dos métodos de integrção numéric é proximr função ser integrd f(x), x [, b], por um polinômio, chmdo polinômio interpoldor e integrr esse polinômio, ou sej, b = n w i f(x i ) + Erro, i= onde w i são chmdos de pesos e dependem do polinômio escolhido e os pontos x [, b], i =,..., n, são chmdos de pontos de integrção. A escolh do polinômio interpoldor e dos pontos de integrção define Fórmul

13 8 de integrção usd. Neste trblho vmos considerr s fórmuls de Newton-Cotes fechds, com n = 1, 2, e 3, chmds de fórmuls ou regrs do Trpézio e de Simpson, usndo o polinômio interpoldor de Gregory-Newton como polinômio interpoldor. Apresentremos lguns resultdos e feito comprções entre s regrs supr-citds buscndo qul melhor se plicr e qundo poderá ser utilizd, ssim como tmbém os seus erros cometidos, já que os resultdos são proximções. A seguir um pequeno resumo de cd cpítulo deste trblho. No cpítulo 1 trtremos de lguns conceitos importntes do cálculo, bem como idéi básic d integrção. Introduziremos lguns conceitos tis como, continuidde e de diferencibilidde de um função. Em prticulr, será mostrdo que se f for diferenciável, então f é contínu. Em seguid bordremos definição de integrl usndo soms de Riemnn e um breve comentário sobre o seguinte teorem: se f é contínu em um intervlo fechdo, então f é integrável. A prte finl do cpítulo trtremos d relção entre derivção e integrção com demonstrção do Teorems Fundmentl do Cálculo, ssim como tmbém definição de primitivs. O cpítulo 2, é um breve presentção sobre conceitos básicos de interpolção polinomil. Apresentremos lguns métodos pr construir um polinômio interpoldor de um conjunto de pres ordendos. Alguns desses polinômios são: Polinômio de Lgrnge, Polinômio de Newton e Polinômio de Gregory-Newton. No cpítulo 3 trtremos de integrção numéric, mis precismente de técnics de integrção. Inicilmente presentremos motivção com lguns exemplos de funções não elemetres, mis dinte é feit escolh do polinômio interpoldor ser utilizdo n construção ds técnics, esse é chmdo Polinômio de Gregory-Newton, que é um cso prticulr do Polinômio de Newton pr pontos igulmentes espçdos. N sequênci, bordremos cd técnic de integrção numéric seprdemente, se resumindo às fórmuls de Newton Cotes tipo Fechd que são s Regrs do Trpézio e Primeir e Segund Regr de Simpson. O cpítulo 4 é formdo por váris plicções ns mis diverss áres, como por exemplo, n engenhri cívil, n mtemátic e n esttístic, mostrndo grnde importânci do ssunto citdo no cpítulo 3. No cpítulo 5 trtremos de lgums poderções e comprções entre s devids técnics citds neste trblho.

14 Cpítulo 1 Conceitos Básicos Pr presentção deste trblho, precismos de um breve revisão bibliográfic de lguns conceitos básicos do cálculo como continuidde, derivds, integris, entre outros. 1.1 Preliminres Definição 1.1 Sej f : I R R um função definid no intervlo I. Dizemos que f é contínu no ponto I se, pr todo ɛ > ddo rbitrrimente, é possível encontrr um δ > de tl form que pr todo x I com x < δ implic que f(x) f() < ɛ, isto é, um função f é contínu em um número se: lim f(x) = f() x ou sej, é possível tornr f(x) rbitrrimente tão próximo de f() qunto desejmos, desde que se tomemos um x suficientemente próximo de. Dizemos que um função f é contínu, se est função for contínu em todo pertencente o seu domínio. [2] Definição 1.2. Sej f : I R R um função definid num intervlo berto I. Dizemos que f é derivável em um ponto x I se o seguinte limite existir lim h f(x + h) f(x). h Neste cso, este limite é denomindo derivd de f no ponto x denotdo por f (x). Dizemos que f é derivável, se el for derivável em todos os pontos do seu domínio. [6]

15 Chmremos de derivd lterl de f pel direit do ponto x denotdo por f (x + ): f (x + ) = lim x x + f(x) f(x ) x x, se o limite existe, onde x x + signific que x > x. Chmremos de derivd lterl de f pel esquerd do ponto x denotdo por f (x ) f (x ) = lim x x f(x) f(x ) x x, se o limite existe, onde x x signific que x < x. Observção 1. Cso um ds derivds lteris não exist em x ou os seus vlores sejm diferentes, dizemos que f não é derivável em x. Proposição 1.3. contínu em. Se função f :I R é derivável no ponto I, então f é Prov: Sej I fixo. Bst mostrr que lim f(x) = f(). x Por hipótese temos que f é derivável no ponto, ssim su derivd neste ponto é dd por: f f( + h) f() f(x) f() () = lim, fzeno x = + h, temos lim. h h x x Podemos escrever f(x) de form que contenh f(x) f(),como se segue: x [ ] f(x) f() f(x) = (x ) + f(). x Aplicndo o limite em mbos os ldos d expressão cim e como existem os limites de f(x) f(), (x ) qundo x, temos: x f(x) f() lim f(x) = lim lim(x ) + lim f(). x x x x x 1 Logo, lim f(x) = f () + f() lim f(x) = f(). x x Portnto, se um função f é derivável no intervlo I, então f é contínu em I. A reciproc dest proposição não é verddeir, isto é, nem tod função contínu é derivável. Um exemplo clro deste fto é função f(x) = x qul é contínu,

16 porém no ponto x = não possui derivd, já que s derivds lteris neste ponto são diferentes. Pois derivd lterl pel direit é 1 e derivd lterl pel esquerd é -1. Exemplo 1.1. Dd f(x) = 1, encontre função derivd de f.[6] x Solução: f (x) = lim h f(x + h) f(x) h = lim h 1 x + h 1 x h = lim h x (x + h) (x + h)x h 11 = lim h h (x + h)x h = lim h h (x + h) 1 h = lim h 1 (x + h)x = 1 (x + )x = 1 x. 2 f (x) = 1, x. x2 1.2 Integrl Um dos grndes vnços d geometri clássic foi obter fórmuls pr determinr áre e volume ds mis vrids forms geometrics. Nest seção bordremos o conceito de Integrl definid utilizndo idei de Soms de Riemnn. Sej f : [, b] R um função, com e b números reis e < b, sendo f um função contínu no intervlo fechdo [, b] e f(x), x [, b] e sej R região limitd pel curv y = f(x), s rets x = e x n = b e o eixo x, conforme ilustr figur 1.1.

17 12 Figur 1.1: Região R Um prtição do intervlo [, b] com n subintervlos, é definid escolhendo n 1 pontos entre e b, seguinte form, = x < x 1 <... < x n 1 < x n = b Sejm k x = x k x k 1, o comprimento do subintervlo [x k 1, x k ] k = 1, 2,..., n, t k um ponto em [x k 1, x k ] e R k o retângulo com ltur f(t k ) e lrgur k x. Dess form, encontrmos um vlor proximdo pr áre que se desej clculr, somndo s áres dos retângulos R k, ou sej, n Áre de R f(t 1 ) 1 x + f(t 2 ) 2 x f(t n 1 ) n 1 x + f(t n ) n x = f(t k ) k x k=1 Figur 1.2: Aproximção d região R Observe n Figur 1.2, que qunto mior for o vlor de n n prtição considerd, mis próximo d região R estrá som ds áres dos retângulos. Sej P o comprimento do mior subintervlo d prtição, isto é,

18 13 P = mx{ k x, 1 k n}. Qunto mis próximo P estiver de, mis próxim estrá som ds áres dos retângulos d áre d região R. Logo, Áre de R = lim P n f(t k ) k x Definição 1.4. Dd um função f limitd num intervlo [, b], e um prtição P = { = x < x 1 <... < x n 1 < x n = b} desse intervlo, um Som de Riemnn é ddo por: k=1 n f(t k ) k x, onde t k [x k 1, x k ] e k x = x k x k 1. k=1 Definição 1.5. Sej f(x) um função definid em um intervlo fechdo [, b]. Dizemos que um número I = b f(x)dx é integrl definid de f em [, b] e que I é o limite ds soms de Riemnn n k=1 f(t k) k x, se seguinte condição é stisfeit: Ddo qulquer número ɛ >, existe um número correspondente δ >, tl que, pr qulquer prtição P = {x, x 1,..., x n 1, x n } de [, b] com P < δ e qulquer escolh de t k em [x k 1, x k ], temos [6] n f(t k ) k x I < ɛ. k=1 Portnto, áre d região R é dd por: I = b f(x)dx Exemplo 1.2. Sej R região entre o eixo x e curv y = x 2, x [, 1] (vej Figur 1.3). Figur 1.3: Região R

19 Devemos encontrr um vlor proximdo d áre dest região trvés de um Som de Riemnn. é, Pr isto, fremos prtições do subintervlo [, 1] em n subintervlos iguis, isto O comprimento de cd subintervlo é [ k 1 [x k 1, x k ] = n, k ], k = 1, 2, 3,..., n. n k x = k n k 1 n Escolhendo t k como o ponto médio do subintervlo = 1, k = 1, 2, 3,..., n n [ ] k 1, k, isto é, n n 14 t k = k = 2k 2+1 n 2n 2n = 2k 1 2n, k = 1, 2, 3,..., n. Neste cso, Som de Riemnn é n t 2 k k x = k=1 n ( ) 2 2k 1 1 2n n = k=1 n k=1 (2k 1) 2 4n 3 = 1 4n 3 n (2k 1) 2. k=1 Sej A(R) áre d região R, A(R) = Portnto, áre d região R é, A(R) = 1 1 x 2 1 dx = lim n 4n 3 x 2 dx = n 3 n (2k 1) 2. k=1 n (2k 1) 2. Aumentndo n, Som de Riemnn dest prtição fic mis próximo do vlor d áre d região R. k=1 Figur 1.4: Subdivisão do intervlo

20 15 Tomndo n = 2, temos Tomndo n = 4, A(R) = A(R) = k=1 2 (2k 1) 2 = ( ) = 1 =, k=1 (2k 1) 2 = ( ) = 84 =, A seguir um importnte teorem, cuj demonstrção encontrmos em livros de Análise Rel. Teorem 1.1 Tod função contínu em um intervlo fechdo é integrável. [2] Vle slientr que recíproc deste teorem é fls, isto é, nem tod função integrável é contínu. 1.3 Relção entre Integrção e Derivção Derivr e integrr são operções inverss. Por exemplo, se f(x) = x 2, então integrl indefinid de f é fmíli de funções A(x) = x c f(t)dt = x C t 2 dt = x3 3 C3 3, sendo C um constnte. Derivndo obtemos A (x) = x 2 = f(x). Este exemplo muito simples ilustr um resultdo gerl, chmdo o Primeiro Teorem Fundmentl do Cálculo. Nest seção bordremos o Teorem Fundmentl do Cálculo. [5] Sej f : [, b] R um função integrável. Logo fixdo qulquer x [, b] existe x f(t)dt, ssim podemos definir um função G : [, b] R, isto é, G(x) = x f(t)dt. Note que G() = e se f é positiv e contínu, G(x) é o vlor d áre limitd pelo eixo x e o gráfico de f, entre s rets t = e t = x, conforme figur seguir: Figur 1.5: y=f(t)

21 Teorem 1.2 (Primeiro Teorem Fundmentl do Cálculo). Sej f : [, b] R um função contínu e definimos G : [, b] R como sendo função: G(x) = x f(t)dt, Então G é um função diferenciável e vle: [ ] G (x) = d x f(t)dt = f(x). dx Prov: Se x e x + h [; b] temos: ou sej: G(x + h) G(x) = G(x + h) G(x) = x+h x+h f(t)dt Fzendo f(t) = f(x) + [f(t) f(x)] em (1.1), obtemos: donde se conclui G(x + h) G(x) = x+h x x = hf(x) + x f(t)dt, f(t)dt. (1.1) f(x)dt + x+h x x+h x [f(t) f(x)]dt [f(t) f(x)]dt, 16 G(x + h) G(x) h = f(x) + 1 h x+h Pr completr demonstrção vmos provr que 1 lim h h x+h x x [f(t) f(x)]dt. (1.2) [f(t) f(x)]dt =. Nest fse de demonstrção fremos o uso de continuidde de f em x. Representndo o segundo termo do segundo membro de (1.2) por A(h), provremos que A(h) qundo h. Logo, pel definição de limite, temos que pr todo ɛ > existe um δ > tl que A(h) < ɛ sempre que < h < δ. (1.3) Em virtude d continuidde de f em x, ddo um ɛ > existe um δ positivo tl que: f(t) f(x) < 1 2 ɛ (1.4). sempre que x δ < t < x + δ (1.5)

22 Se escolhermos h de mneir que < h < δ, então cd t do intervlo [x, x + h] stisfz (1.5) e por isso (1.4) é válid pr cd t desse intervlo. Logo, x+h x+h x+h [f(t) f(x)]dt 1 f(t) f(x) dt 2 ɛdt = 1 2 h < hɛ. x x Dividindo por h, é visto que (1.3) é válid pr < h < δ. Se h <, um rciocínio nálogo prov que (1.3) é válid sempre que < h < δ, estndo ssim complet demosntrção. [5] Definição 1.6. Dizemos que um função F é um Primitiv (ou ntiderivd) de f em um intervvo I, se F (x) = f(x) pr todo x de I. [5] x 17 Por exemplo, função seno é um primitiv d função cosseno em todo intervlo, porque derivd d função seno é o cosseno. Fl-se de um primitiv, em vez de primitiv, porque se F é primitiv de f, então tmbém F + k o é, qulquer que sej constnte k. [5] Proposição 1.7. Dus primitivs diferem por um constnte. Prov: Sejm F e G dus primitivs d função f e H função definid por: H(x) = F (x) G(x), x Então, pr todo x I, temos: H (x) = F (x) G (x) = f f = H (x) =. Portnto, H é um constnte, logo temos: F (x) G(x) = C pr todo x, donde: F (x) = G(x) + C pr todo x.

23 18 Teorem 1.3 (Segundo Teorem Fundmentl do Cálculo). Sej f : [, b] R um função contínu. Se F : [, b] R é um primitiv de f, implic que b f(t)dt = F (b) F (). Prov: Por hipótese temos que F é Primitiv de f, ou sej, F = f. Definimos G(x) = x f(t)dt, do teorem 1.2 temos que G (x) = f(x), ou sej, G tmbém é um primitiv de f. D proposição 2, sbemos que dus primitivs diferem por um constnte, logo: G(x) = F (x) + C. Dí temos que: G() = F () + C, ms G() = Assim, C = F () Portnto temos: G(x) = Consequentemente: x x f(t)dt e G(x) = F (x) F (). f(t)dt = F (x) F (). E como o ponto x está no intervlo [, b], podemos substituir x por b e obteremos: b f(t)dt = F (b) F ().

24 Cpítulo 2 Interpolção Polinomil Métodos de interpolção polinomil são utilizdos pr proximr um função f(x), principlmente ns seguintes situções: Conhecemos pens vlores de f(x) em pens pontos discretos x, x 1, x 2,..., x n f(x) é extremmente complicd e de difícil mnejo e f(x) não é conhecid explicitmente. Polinômios Interpoldores Considerndo que os Polinômios são s funções mis simples, no sentido que derivd ou um primitiv de um função polinomil é um função polinomil, e portnto, são os mis utilizdos. Um polinômio construído com o intuito de proximr um função é denomindo Polinômio Interpoldor, estes são fundmentis em diversos ssuntos como, por exemplo, integrção numéric que será bordd no próximo cpítulo. [3]

25 2.1 Polinômios de Lgrnge 2 Sejm ddos n+1 pontos (x, y ), (x 1, y 1 ),..., (x n, y n ), sendo x i x j, i, j = 1, 2, 3,..., n, tis que y i = f(x i ) e x i (x, x n ). Desej-se construir um polinômio L n (x) de gru não superior n e possuindo nos pontos x i o mesmo vlor d função f(x), isto é, L n = y i, i =, 1, 2,..., n. (2.1) Fórmul de Lgrnge Inicilmente, sejm os polinômios de gru n, P i (x), i =, 1, 2,...n, tis que P i (x i ) = e P i (x j ), i j. Assim, P (x) = (x x 1 )(x x 2 )(x x 3 )...(x x n ), P 1 (x) = (x x )(x x 2 )(x x 3 )...(x x n ), P 2 (x) = (x x )(x x 1 )(x x 3 )...(x x n ),. P k (x) = (x x )...(x x k 1 )(x x k+1 )...(x x n ),. P n (x) = (x x )(x x 1 )(x x 2 )...(x x n 1 ), ou sej, n P i (x) = (x x j ), j i, i =, 1, 2,...n. (2.2) j= Considerndo que L n (x) é de gru não superior n, ele pode ser escrito como um combinção liner dos polinômios P i (x), isto é, L n (x) = c P (x) + c 1 P 1 (x) + c 2 P 2 (x) c n P n (x) ou n L n (x) = c i P i (x). (2.3) i= Comprndo (2.1) e (2.3) e em vist de (2.2) L n (x i ) = y i = c i P i (x i ),

26 21 de onde c i = y i P i (x i ). (2.4) Substituindo (2.4) em (2.3), temos L n (x) = n i= y i P i (x i ) P i(x i ). Em vist de (2.2), tem-se, finlmente, fórmul do polinômio interpoldor de Lgrnge de gru n seguir. L n (x) = n i= y i n j= x x j x i x j, i j (2.5) Pr fcilitr o entendimento construiremos um polinômio com n = 2, no exemplo Exemplo 2.1: Encontre o polinômio que interpol os pontos d tbel seguir: x -1 2 y L 2 (x) = y x x 1 x x 1 x x 2 x x 2 + y 1 x x x 1 x x x 2 x 1 x 2 + y 2 x x x 2 x x x 1 x 2 x 1 (x ) (x 2) L 2 (x) = 4 ( 1 ) ( 1 2) (x + 1) (x 2) + ( + 1) ( 2) (x + 1) (x ) (2 + 1) (2 ) Dí, ( ) ( ) ( ) x 2 2x x 2 x 2 x 2 + x P 2 (x) = P 2 (x) = x x2 2.2 Polinômios de Newton Diferençs dividids Sej f função que pss pelos pontos (x i, y i ), i=,1,2,...,n. Definimos Diferençs Dividids

27 22 ) ordem : f[x i ] = f(x i ), b) ordem 1: f[x i, x i+1 ] = f(x i+1) f(x i ) x i+1 x i c) ordem 2: f[x i, x i+1, x i+2 ] = f[x i+1, x i+2 ] f[x i, x i+1 ] x i+2 x i d) ordem n: f[x i, x i+1,..., x i+n ] = f[x i+1, x i+2,..., x i+n ] f[x i, x i+1,..., x i+n 1 ] x i+n x i Exemplo 2.2 Verificr tbel de diferençs dividids de y = 5x 3 2x 2 x + 3 pr lguns pontos x i no intervlo [;, 9]. i x i f(x i ) f[x i, x i+1 ] f[x i, x i+1, x i+2 ] f[x i,..., x i+3 ] f[x i,..., x i+4 ], 3, -1,2,5 5 1,2 2,76-1,5 2,5 5 2,3 2,655 -,55 5, 5 3,4 2,6 1,45 8, 4,7 3,35 5,45 5,9 4, Fórmul de Newton Sejm os n+1 pontos (x i, y i ), i=,1,2,...,n, com x i distintos, tis que y i = P (x i ), sendo P(x) um polinômio de gru n. De cordo com o que foi definido sobre diferenç dividid, fzendo y i = f(x i ) e f(x i ) = P (x i ) temos, ou f[x, x ] = P (x) P (x ) x x P (x) = P (x) + f[x, x ](x x ). (2.7) No entnto, f[x, x, x 1 ] = f[x,x ] f[x,x 1 ] x x 1, logo, f[x, x ] = f[x, x 1 ] + f[x, x, x 1 ](x x 1 ) Substituindo equção cim em (2.7), tem-se Como, P (x) = P (x ) + f[x, x 1 ](x x ) + f[x, x, x 1 ](x x )(x x 1 ). (2.8) f[x, x, x 1, x 2 ] = f[x,x,x 1 ] f[x,x 1,x 2 ] x x 2, temos f[x, x, x 1 ] = f[x, x 1, x 2 ] + f[x, x, x 1, x 2 ](x x 2 ).

28 23 Substituindo equção cim em (2.8), obtém-se P (x) = P (x ) + f[x, x 1 ](x x ) + f[x, x 1, x 2 ](x x )(x x 1 )+ +f[x, x, x 1, x 2 ](x x )(x x 1 )(x x 2 ). (2.9) Continundo o desenvolvimento de f[x, x, x 1, x 2 ], cheg-se P (x) = P (x ) + f[x, x 1 ](x x ) + f[x, x 1, x 2 ](x x )(x x 1 )+ +f[x, x 1, x 2, x 3 ](x x )(x x 1 )(x x 2 ) f[x, x 1, x 2,..., x n ](x x )(x x 1 )...(x x n 1 )+ +f[x, x, x 1,..., x n ](x x )(x x 1 )...(x x n ). Como P(x) é um polinômio de gru n, diferenç dividid f[x, x, x 1,..., x n ] =, x. Fzendo y = P (x ) temos o polinômio de Newton de gru n P n (x) = y + f[x, x 1 ](x x ) f[x, x 1,..., x n ](x x )...(x x n 1 ) (2.1) Exemplo 2.2 [3] : Determinr P 2 (1, 2), usndo tbel de diferenç dividid seguir: i x i f(x i ) f[x i, x i+1 ] f[x i, x i+1, x i+2 ],9 3,211-2,1,62 1 1,1 2,89-1, , 1,614 - Por (4) com n = 2, tem-se que P 2 (x) = y + f[x, x 1 ](x x ) + f[x, x 1, x 2 ](x x )(x x 1 ), P (1, 2) = 3, ( 2, 1)(1, 2, 9) + (, 62)(1, 2, 9)(1, 2 1, 1) P (1, 2) = 2, Polinômios de Gregory-Newton Qundo os vlores ds bscisss x i forem igulmente espçdos, fórmul de Newton pode ser simplificd, resultndo n fórmul de Gregory-Newton. Logo o Polinômio de Gregory-Newton é um cso prticulr do polinômio de Newton pr pontos igulmente espçdos. [3]

29 24 Diferenç finit scendente Sej função y = f(x) que pss pelos pontos (x i, y i ), i=,1,2,...,n, sendo x i+1 x i = h, i. O operdor de diferenç finit scedente é definido como sendo: ) ordem : y i = y i, b) ordem 1: y i = y i+1 y i = y i+1 y i, c) ordem 2: 2 y i = y i+1 y i, d) ordem 3: n y i = n 1 y i+1 n 1 y i Exemplo 2.3 [3] Construir tbel ds diferençs finits pr função dd pel tbel seguir: x i y i 3,5 9,82 4, 1,91 4,5 12,5 5, 13,14 5,5 16,19 A tbel ds diferençs finits ficrá d seguinte form: x i y i y i 2 y i 3 y i 4 y i 3,5 9,82 1,9,5 -,1 2,11 4, 1,91 1,14 -,5 2,1 4,5 12,5 1,9 1,96 5, 13,14 3,5 5,5 16,19 Usndo indução finit, mostr-se que diferençs finits scendentes e dividids é dd pel expressão, f[x, x 1,..., x n ] = n y i n!h n (2.11) Fórmul de Gregory-Newton Sej fórmul do polinômio interpoldor de Newton (2.1) n form P n (x) = y + f[x, x 1 ](x x ) f[x, x 1,..., x n ](x x )...(x x n 1 )

30 25 e um vriável uxilir z = x x, d qul verific-se que h x = x + hz, x x 1 = x (x + h) = x x h = zh h = h(z 1) x x 2 = x (x + 2h) = x x 2h = zh 2h = h(z 2). x x n 1 = x (x + (n 1)h) = x x (n 1)h = h(z n + 1). Substituindo estes vlores n fórmul de Newton e plicndo relção (2.11) entre operdores, tem-se: [3] P n (x) = y + y 1!h hz + 2 y 2!h 2 hzh(z 1) n y n!h n hzh(z 1)...h(z n + 1). Assim temos fórmul do polinômio interpoldor de Gregory-Newton de gru n, P n (x) = y + y z + n y 2! z(z 1) n y n! z(z 1)...(z n + 1). (2.12) Exemplo 2.3: Clculr P 2 (115), prti d tbel: A vriável z = x x h i x i y i y i 2 y i 11 2,41,38 -, ,79, ,114 - = =, 5. usndo (2.12) com n = 2, tem-se P 2 (x) = y + y z + 2 y 2! z(z 1), P 2 (115) = 2, 41 + (, 38)(, 5) + (,3) 2 (, 5)(, 5 1) P 2 (115) = 2, Erro de truncmento d interpolção polinomil Pr estimr diferenç f(x) P n (x), isto é, o erro com que o polinômio interpoldor P n (x) proxim f(x) em x I, com I o menor intervlo que contém x, x,..., x n, não é suficiente conhecer o domínio de f(x) e os nós de interpolção x,..., x n. Bst lembrr que qulquer função que ssum os mesmos vlores tbeldos está ssocido

31 o mesmo polinômio interpoldor, podendo diferenç f(x) P n (x) tornr-se rbitrrimente diferente em qulquer x I. 26 Todvi o conhecimento d derivd de ordem n+1 de f(x) pode levr-nos um estimtiv do erro. No seguinte teorem é presentd um fórmul explícit pr o cálculo do erro de interpolção. Teorem 2.1 Sej P n (x) o polinômio de gru menor ou igul n interpoldor d função f(x) nos nós de interpolção distintos x,..., x n [, b]. Se f(x) tiver derivds contínus té ordem n + 1 em [, b] então, pr cd x [, b] existe x i I (com I o menor intervlo que contém x, x,..., x n ), tl que f(x) P n (x) = n (x x j ) f n+1 (ξ) (n + 1)!. j= Prov: O resultdo é imedito se x = x i, i =,..., n, e nesse cso o erro óbvimente nulo. Sej então x x i, i =,..., n. Considerndo Defin-se função onde, θ(t) = n (x x j ) j= F (t) = f(t) P n (t) cθ(t), (2.13) c = f(x) P n(x). (2.14) θ(x) A função F (t) está definid em I e é tl que F (x) = e F (x i ) =, i =, 1,..., n, isto é, F (t) = tem pelo menos n + 2 zeros em I. Pelo teorem de Rolle, F (t) tem pelo menos n + 1 zeros em I, F (t) tem pelo menos n zeros em I, F (n+1) (t) tem pelo menos 1 zero em I. Sendo ξ esse zero de F (n+1) (t), derivndo (2.13) n + 1 vezes obtemos F (n+1) (ξ) = f (n+1) (ξ) P (n+1) n (ξ) cθ (n+1) (ξ) =. Ms P n (n+1) (ξ) =, pois o polinômio P n (t) é de gru menor ou igul n. Como o coeficiente do termo de mior gru do produto θ(t) é igul 1 temos θ (n+1) (ξ) = (n+1)!. Então

32 27 e, tendendo (2.14), vem c = f (n+1) (ξ) θ (n+1) (ξ) = f (n+1) (ξ) (n + 1)! f(x) p n (x) = θ(x) f (n+1) (ξ) (n + 1)! = n (x x j ) f (n+1) (ξ) (n + 1)!. j= sendo f(x) definid no intervlo [, b] que contém os pontos x, x 1,..., x n, e supondo que derivd f n+1 (x) existe e é contínu no intervlo (, b), então devido dificuldde de loclizr ξ, n prátic ele é tomdo como o ponto no intervlo [x o, x] (, b), onde f n+1 (x) present o mior vlor em módulo. Qulquer um dos polinômios citdos neste cpítulo, poderão ser utilizdos n construção ds técnics de integrção numéric que serão conceituds no cpítulo seguir.

33 Cpítulo 3 Integrção Numéric 3.1 Motivção Vimos no cápitulo 1, um form de obter o vlor exto de um integrl definid, b f(x)dx, é encontrr um fórmul F (x) pr um ds primitivs de f(x) e clcu- lr o número F (b) F () utilizndo o Teorem Fundmentl do Cálculo. Antes de trtr de métodos numéricos pr o cálculo de integris definids, é relevnte tentr pr s rzões d importânci dos mesmos. Sendo ssim, seguir, presentremos lguns exemplos nos quis utilizção de métodos numéricos pr o cálculo de integris definids, por lgum motivo, se fz necessári. As plicções mis imedits ds integris definids se encontrm no cálculo de comprimentos, áres, volumes, mss, centro de mss, distânci percorrid, tempo decorrido, etc. Por exemplo o problem de clculr o comprimento de um curv f de equção y = f(x), com x de té b, se função f for diferenciável, esse problem remete um integrl do tipo b 1 + f(x)dx que, gerlmente é um integrl de difícil resolução e em muitos csos pr resolve-ls se fz necessário o uso de métodos numéricos. Sej, por exemplo, clculr o perímetro de um região elíptic, que exige vlição d expressão, P = 4 b π 2 1 k2 sen 2 (t)dt. Ocorre que integrl 1 k2 sen 2 (t)dt

34 é conhecid como integrl elíptic do primeiro tipo, e não dmite um primitiv que resulte d combinção finit de funções elementres. Em outrs plvrs, não há um fórmul fechd pr o perímetro de um região elíptic. 29 Outro exemplo vem d Teori ds Probbiliddes, onde pr determinr probbilidde de que um evento ocorr dentro de um intervlo [, b] é necessário clculr integrl β = 1 σ 2π b e (x µ)2 2σ 2 dx Acontece que f(x) = e x2 2 é um função cuj primitiv não pode ser express como um combinção finit de funções elementres. Mis um exemplo é encontrdo no cso em que há necessidde de se trblhr com ddos experimentis. Nest situção, não há funções mtemátics que descrevem um determindo fenômeno físico, ms pens tbels de ddos que devem ser integrdos pr se nlisr o problem. O trtmento é feito, essencilmente, de form numéric. Os exemplos presentdos ilustrm necessidde de conhecermos métodos numéricos pr o cálculo de integris definids. Por rzões histórics, s fórmuls de integrção numéric tmbém são denominds qudrtur numéric, pois foi com o problem d qudrtur do círculo que Arquimedes fez os primeiros cálculos usndo noção de integrl. Conforme ilustrdo nos exemplos presentdos nteriormente, n resolução de um integrl definid váris situções podem ocorrer: (i) determinção d primitiv F pode ser difícil; (ii) função integrr pode não dmitir um primitiv F que poss ser escrit como um combinção finit de funções elementres; (iii) função ser integrd pode não ser conhecid n su form nlític, ms pens, em um conjunto de pontos (x i, y i ), i =, 1,...n. A chve pr solução do problem é, essencilmente, proximr função ser integrd f, por outr função cuj integrl sej fácil de clculr, ou sej, um polinômio. Este objetivo pode ser lcnçdo subdividindo o intervlo [, b] em n subintervlos de mesmo comprimento, h = b, substituindo f pelo polinômio interpoldor de Gregoryn Newton de gru n. Poderi se usr qulquer um dos polinômio citdos no cpítulo nterior, ms devido fcilidde de mnipulção neste trblho utilizremos pens o Polinômio de Gregory-Newton. Ou sej,

35 P n (z) = y + z y + z(z 1) 2 y 2! + + z(z 1)...(z (n 1)) n y n! em que z = x x h (3.1) A Figur 3.1, ilustr o comportmento do polinômio interpoldor p n. 3 Figur 3.1: Polinômio interpoldor P n (x) de um função f Pr clculr o erro cometido n integrção (E i ) bst integrr o erro d interpolção E(x). De fto, como E(x) = f(x) P n (x) então f(x) = P n (x) + E(x), dess form: b f(x)dx = b P n (x)dx + b Logo, o erro cometido n integrção é ddo por: E i = b E(x)dx E(x)dx O erro de truncmento de um polinômio de Gregory-Newton de gru n, é ddo por: E(x + nz) = h n+1 z(z 1)(z 2)... (z n) f n+1 (ξ) n+1. pr z = x x n (3.2) 3.2 Fórmuls de Newton-Cotes As fórmuls de Newton-Cotes podem ser: () Do tipo Fechdo: tis fórmuls são quels em que todos os pontos estão no intervlo de integrção [, b], x = e x n = b são os extremos.

36 31 (b) Do tipo Aberto: nests fórmuls todos os pontos estão no intervlo [, b] de integrção, porém função integrnd y = f(x), não é vlid em mbs extremiddes do intervlo, ms em pontos próximos. Utilizmos qundo função integrnd present descontinuiddes nos extremos do intervlo de integrção, têm utilidde n nálise de integris imprópris. Serão nlisds pens s Fórmuls de Newton-Cotes do tipo fechdo (Regr do Trpézio e s Regrs de Simpson) devido fcilidde de interpretção e plicção ds fórmuls. Ests permitem clculr, por proximção, um integrl definid substituindo função ser integrd pelo polinômio interpoldor de Gregory-Newton. [3] Regr do Trpézio Fórmul Simples A idei desse procedimento é substituir função f integrr em [, b] pelo polinômio interpoldor de Gregory-Newton de gru n = 1, nos pontos, x = e x 1 = b logo, P 1 (x) = y + x x h y. T = Fzendo mudnç e vriável: z = x x h b f(x)dx b P 1 (x)dx dz = 1 dx, isto é, dx = hdz e dequndo os limites de integrção em z temos: h Pr x = x = z = Pr x = x 1 = z = x 1 x h = h h = 1. Dí, T s = b f(x)dx = x1 x 1 P 1 (x)dx (y + z y )hdz = h(y z + z2 2 y ) 1 = h(y y ) = h[y (y 1 y )] = h 2 (y + y 1 ). Portnto, o se substituir f(x) por P 1 (x), em [, b], obtemos proximção: T s = b f(x)dx h 2 (y + y 1 ). (3.3)

37 32 Figur 3.2: Aproximção de f pelo polinômio P 1 Geometricmente, fórmul (3.3) indic áre d Figur (3.2) compreendid entre s rets = x, b = x 1, o eixo OX e o polinômio interpoldor P 1 (x), isto é, áre de um Trpézio. Como sbemos áre de um trpézio vle metde do produto d ltur pel som d bse menor (no nosso cso, y 1 ) com bse mior (no nosso cso, y ). [4] 4 1 Exemplo 3.1 Clculr dx pel regr do trpézio. 1 x O polinômio de gru 1 pss pelos pontos com bscisss = x = 1 e b = x 1 = 4, ssim h = 4 1 = 3 T 1 = 3 2 ( ) = 1, Erro d fórmul Simples Fzendo n = 1 n fórmul do erro dd por (3.2), temos b b E T = E(x)dx = h 2 z(z 1) f (ξ) dx = 2! 1 = h 2 z(z 1) f (ξ) hdz = h 3 f (ξ) 1 (z 2 z)dz = 2! 2 [ ] = h 3 f 1 [ ] (ξ) z z2 = h 3 f (ξ) = h 3 f (ξ) Logo, o erro cometido o substituir f por um polinômio interpoldor de gru 1 é

38 33 ddo pel seguinte fórmul: pr lgum ξ [, b]. E T = h 3 f (ξ) 12, (3.4) A fórmul (3.4) tem plicbilidde prátic restrit, um vez que determinção de ξ não é tref trivil. Em virtude disso, n prátic é comum obtermos um limitnte pr o erro d integrção, isto é: h E i = 3 f (ξ) 12 h3 M (3.5) 12 f sendo M = mx x b (ξ). Observmos que se o intervlo [, b] é pequeno, proximção é rzoável, ms se [, b] é grnde, o erro tmbém pode ser grnde. N Figur 3.3, áre hchurd é o erro cometido o clculrmos integrl de té b usndo (3.3). [4] Figur 3.3: Gráfico slientndo o erro cometido Fórmul Compost A idei desse procedimento é dividir o intervlo [, b] em n subintervlos de mesmo espçmento h = (b ) n e plicr cd subintervlo [x i, x i+1 ] pr todo i =, 1, 2, 3,, n 1 Fórmul Simples d Regr do Trpézio. Dí fórmul compost consiste num mneir de obter proximções com menor erro. obtemos Considerndo fórmul (3.3) em cd subintervlo [x i, x i+1 ], i =,..., n 1, T c = b f(x)dx h 2 [y + y 1 ] + h 2 [y 1 + y 2 ] + + h 2 [y n 1 + y n ]

39 34 Figur 3.4: Aproximção de f usndo fómul compost d Regr do Trpézio A fórmul compost d Regr dos Trpézios é, portnto: T c = b f(x)dx h ] [y + 2y 1 + 2y 2 + 2y y n 1 + y n 2 (3.6) Erro d Fórmul Compost O erro E T c d fórmul compost d Regr do Trpézios é som dos erros E i cometidos em cd um dos subintervlos [x i, x i+1 ], isto é: E T c = E 1 + E 2 + E n, onde E i = h 3 f (ξ) 12, ξ i [x i, x i+1 ], com i = 1,, n. Um limitnte do erro pode ser determindo considerndo que: ET c E1 + E2 + En, sendo E i h 3 M i e M 12 i = mx x [xi,x i+1 ] f (x). Sej M = mx x b f (x). Logo Ei h 3 M i 12 h 3 M 12 Como h = b n, temos: ET (b ) 3 M c = n. 12n 3 e ET c = n h 3 M Finlmente, tem-se fórmul pr o erro máximo cometido pel plicção d fórmul compost d Regr dos Trpézios: ET c (b ) 3 M 12n 2, (3.7) 12.

40 sendo M = mx x b f (x). Exemplo 3.2 Determine um limitnte superior pr o erro cometido n estimtiv π x senx dx o usr fórmul compost d regr do trpézio com n = 1 pssos. Solução: Com =, b = π e n = 1, estimtiv de erro E T, é dd por 35 E T M(b )3 12n 2 = π3 12 M. O número M pode ser qulquer limitnte superior pr mgnitude d segund derivd de f(x) = x senx o longo de [, π]. Clculndo f (x) obtemos f (x) = 2cosx xsenx Portnto, f (x) = 2cosx xsenx 2 cosx + x senx π 1 = 2 + π Podemos com segurnç considerr M = 2 + π. Portnto, E T π3 12 M = π3 (2+π) 12 <.133 O erro bsoluto não é mior que,133. Pr melhorr proximção podemos umentr o número de pssos do método, ou sej, umentr n. [6] Exemplo 3.3 Clculr, usndo Regr do Trpézio, Solução: Temos que, 1,2 e x cos xdx. x x 1 x 2 x 3 x 4 x 5 x 6 x,2,4,6,8 1, 1,2 e x cosx e x cosx

41 36 Aplicndo, (3.6) T c = 1,2 e x cosxdx h ] [y + 2y 1 + 2y 2 + 2y 3 + 2y 4 + 2y 5 + y 6 2 =.2 [1 + 2( ) ] 2 =.1[1 + 2(7.94) ] =.1[ ] =.1[16.39] = Primeir Regr de Simpson Fórmul Simples Pr obtenção dest Regr bst substituir função f integrr em [, b] pelo polinômio interpoldor de Gregory-Newton de gru n = 2, ou sej, proximr função por um polinômio qudrático (prábol). Portnto, precismos de três pontos, x =, x 1 = +b 2 e x 2 = b pr construir fórmul simples d Primeir Regr de Simpson onde o polinômio se comport d seguinte mneir: P 2 (x) = y + x x y + (x x )(x x 1 ) 2 y. h h 2 2! Logo, S 1 = Fzendo mudnç e vriável: z = x x h b f(x)dx b P 2 (x)dx. dz = 1 dx, isto é, dx = hdz e dequndo os limites de integrção em z temos: h Pr x = x = z = Pr x = x 2 = z = x 2 x h = 2h h = 2.

42 37 Dí, S 1 = b f(x)dx x2 2 P 2 (x)dx = (y + z y + (z 2 z) 2 y )hdz = x 2! = h [ y z + z2 2 y + ( z3 3 z2 y ] 2 2 ) 2 2 = = h [2y + 2 y + ( 8 ] 3 2) 2 y = [ = h 2y + 2(y 1 y ) + 1 ] 3 (y 2 2y 1 + y ) = = h ] [y + 4y 1 + y 2. 3 Dí, o se substituir f por P 2 (x) obtemos pr integrl seguinte expressão: S 1 = b f(x)dx h 3 [y + 4y 1 + y 2 ]. (3.8) A interpretção geométric dest regr é presentd n Figur 3.5. Figur 3.5: Aproximção de f pelo polinômio P 2 Erro d Fórmul Simples Fzendo n = 2 n fórmul do erro ddo por (3.2), temos: E i = b E(x)dx = = 2 2 h 3 z(z 1)(z 2) f (3) (ξ) dz = 3! h 3 (z 3 3z 2 + 2z) f (3) (ξ) hdz = h 4 f (3) 3! 6 = h 4 f (3) 6 =. [ z 4 ] 2 4 z3 + z 2 =

43 38 Portnto, o vlor do erro de truncmento pr Primeir Regr de Simpson em su fórmul simples não depende de E(x) qundo n = 2. Assim, tomndo n = 3, E 1S = 2 = h 5 f (4) (ξ) 24 = h 5 f (4) (ξ) 24 Logo, fórmul simples do erro será: pr lgum ξ [, b]. h 4 z(z 1)(z 2)(z 3) f (4) (ξ) hdz = 4! [ z 5 ] 5 3z z3 2 3z 2 = 3 [ 4 15 ] = h5 9 f (4) (ξ). E 1S = h5 f (4) (ξ), (3.9) 9 Fórmul Compost Pr obter fórmul compost d Primeir Regr de Simpson, deve-se dividir o intervlo [, b] em n subintervlos de espçmento h = b, n pr, e plicr cd pr n de subintervlos [x i 1, x i ], [x i, x i+1 ] pr todo i = 1, 2,, n 1, fórmul simples d Primeir Regr de Simpson. A figur seguir ilustr o procedimento. [4] Figur 3.6: Regr de Simpson - Fórmul compost S c = Dí, S c = b b f(x)dx h 3 f(x)dx h 3 ] [y + 4y 1 + y 2 + h ] [y 2 + 4y 3 + y h ] [y n 2 + 4y n 1 + y n. 3 3 [y + 4y 1 + 2y 2 + 4y 3 + 2y y n 2 + 4y n 1 + y n ] (3.1)

44 39 sendo n um número pr de subintervlos. Erro d fórmul compost O erro d fórmul é som dos erros cometidos em cd um dos n 2 pres de subintervlos, um pr cd conjunto de 3 pontos, isto é: E 1S = E 1 + E 2 + E n 2, sendo E i = h5 f (4) (ξ) pr ξ 9 i [x 2(i 1), x 2i ] i =,..., n. 2 f Determinndo um limitnte pr o erro, sej M 1 = mx (4) x b (x). Então E i h 5 M 1 9 E 1S n E1S 2 E i n Como h = b, então E1S n n ( ) b 5M1 = (b )5 M 18 n 18n 4 1. h5 M O limitnte pr o erro d fórmul compost d Primeir Regr de Simpson é, ( ) 5 E b 1Sc M 18n 4 1, (3.11) f sendo M 1 = mx (4) x b (x). Um vez que Primeir Regr de Simpson foi obtid pel proximção d função integrnd por um polinômio de segundo gru, seri de esperr que tivesse gru de extidão dois. No entnto, expressão obtid pr o erro mostr que est regr tem gru de extidão três, ou sej, é ext sempre que função integrr é um polinômio de gru menor ou igul três. [3] 1,2 Exemplo 3.4 Usndo Primeir Regr de Simpson, clculr integrl e x cos x dx prtir d tbel dd no exemplo 3.3.

45 Solução: Temos, usndo (2.1), que: 1,2 e x cos xdx h 3 [y + 4y 1 + 2y 2 + 4y 3 + 2y 4 + 4y 5 + y 6 ] =.2 [1 + 4( ) + +2( ) ] 3 =.2 [1 + 4(4.168) + 2(2.926) ] 3 =.2 [ ] 3 =.2 [24.726] = Segund Regr de Simpson Fórmul Simples A idei desse procedimento é substituir função f integrr, pelo polinômio interpoldor de Gregory-Newton de gru n = 3, isto é, por 4 P 2 (x) = y + x x y + (x x )(x x 1 ) 2 y h h 2 2! + (x x )(x x 1 )(x x 2 ) 3 y. h 3 3! S 2 = b f(x)dx b P 3 (x)dx. De form nlog Primeir Regr de Simpson, fzendo = x, b = x 3 z = x x, z 3, temos h e S 2 = b 3 f(x)dx x3 x P 3 (x)dx = = (y + z y + z(z 1) 2 y + z(z 1)(z 2) 3 y )hdz 2! 3! [ ] 3 = h y z + z2 y + ( z3 2 3 z2 y 2 ) 2 + ( z z 2 ) 3 y 6 [ = h 3y + 9 y + ( y 2 ) 2 + ( 81 ] y 9) 3 6 [ = h 3y (y 1 y ) (y 2 2y 1 + y ) + 3 ] 8 (y 3 3y 2 + 3y 1 y ) [ 3 = h 8 y y y ] 8 y 3 = 3h ] [y + 3y 1 + 3y 2 + y 3. 8 Sendo ssim, fórmul simples d Segund Regr de Simpson, b S 2 = f(x)dx 3h ] [y + 3y 1 + 3y 2 + y 3 (3.12) 8

46 41 Figur 3.7: Representção gráfic d Segund Regr de Simpson Erro d Fórmul de Simples E S2 = 3 = h 5 f (4) (ξ) 24 Logo, fórmul simples do erro será: pr lgum ξ [, b]. h 4 z(z 1)(z 2)(z 3) f (4) (ξ) hdz = 4! [ ] z z z3 3z 2 3 E S2 = 3h5 f 4 (ξ), (2.13) 8 = 3h5 f (4) (ξ). 8 Fórmul Compost Pr obter fórmul compost d Segund Regr de Simpson, devemos dividir o intervlo [, b] em n subintervlos de espçmento h = b, com n multiplo de 3, cd n conjunto de 4 pontos, isto é, cd três subintervlos [x i 1, x i ], [x i, x i+1 ], [x i+1, x i+2 ] i = 1, 2,, n 2, plicr fórmul simples. [3] Dest form, obtemos: b S 2c = f(x)dx 3h ] [y + 3y 1 + 3y 2 + y 3 + 8

47 [y 3 + 3y 4 + 3y 5 + y 6 ] [y n 3 + 3y n 2 + 3y n 1 + y n ] h 8 Assim, S 2c = b f(x)dx 3h h 8 [y + 3y 1 + 3y 2 + 2y y n 3 + 3y n 2 + 3y n 1 + y n ] (3.14) com n multiplo de 3, é fórmul compost d Segund Regr de Simpson. Erro d Fórmul Compost De form similr o plicdo n derterminção do erro d fórmul compost d Primeir Regr de Simpson, obtemos: sendo M 2 = mx x b f (4) (x). E S2 (b )5 M 2 8n 4, (3.15) Este resultdo mostr que Segund Regr de Simpson tem gru de extidão igul três. [3] Exemplo 3.5 Usndo Segund Regr de Simpson, clculr integrl prtir d tbel dd no exemplo 3.3. Solução: Usndo 3.14, temos que: 1.2 e x cosxdx 3h 8 [y + 3(y 1 + y 2 ) + 2y 3 + 3(y 4 + y 5 ) + y 6 ] 1.2 =.6 [1 + 3( ) + 2(1.53) + 3( ) ] 8 =.6 [1 + 3(2.571) (3.2) ] 8 =.6 [ ] 8 =.6 [21.981] = e x cosxdx

48 Cpítulo 4 Aplicções ds Regrs de Newton-Cotes tipo Fechd Neste Cpítulo presentremos lguns exemplos do uso de Fórmuls de Integrção Numéric n resolução de problems envolvendo Físic, Geometri e Teori ds Probbiliddes. 4.1 Aplicção 1 Forç efetiv no mstro de um Veleiro de corrid [7] Fundmentos. Um seção trnsversl de um veleiro de corrid é mostrdo n figur 4.1. A forç do vento (f) exercid pelo pé do mstro d vel vri como um função d distânci cim do convés do brco (z), como n Figur 4.1b. Clculr forç de tenção T no cbo de suporte esquerdo do mstro supondo que o cbo de suporte direito está completmente frouxo e que o mstro está ligdo o convés de modo que trnsmite forçs horizontis e verticis ms não trnsmite torques. Suponh que o mstro permneç verticl. Solução: Pr prosseguir com esse problem, é necessário que forç distribuíd f sej convertid em um forç totl equivlente F e que su posição efetiv d cim do convés sej clculd (Figur 4.2). Esse cálculo é complicdo pelo fto de que forç exercid pelo pé do mstro vri com distânci cim do mstro. A forç totl exercid no mstro pode ser express como integrl de um função contínu: [7]

49 f(z) = ( 3 z ) 2 e 2z 3 dz (4.1) 5 + z 44 Ess integrl não-liner é difícil de clculr nliticmente. Portnto, é conveniente empregr bordgens numérics como Regr de Simpson e Regr do Trpézio pr esse problem. Pode-se fzê-lo clculndo f(z) pr diversos vlores de z e então usr equção (3.6) ou (3.1). Por exemplo, tbel 4.1 tem vlores de f(z) pr um tmnho de psso de 3 pés fornecendo ddos pr Primeir Regr de Simpson ou pr Regr do Trpézio. Resultdos pr diversos tmnhos de psso são ddos n Tbel 4.2. Observ-se que mbos os métodos dão um vlor de F = 1.48, 6Ib qundo o tmnho do psso se torn pequeno. Nesse cso, tmnhos de psso de,5 pé pr Regr do Trpézio e,5 pé pr Primeir Regr de Simpsom fornecem bons resultdos. Figur 4.1: () Seção trnsversl de um veleiro de corrid. (b) forç do vento f exercid por pé do mstro como um função d distânci z cim do convés do brco

50 45 Tbel 4.1 Vlores de f(z) pr um tmnho de psso de 3 pés. z, pés f(z), Ib/pés 3 61,4 6 73,13 9 7, , , , , , , ,2 Tbel 4.2 Vlores de F clculdos com bse em diverss versões d Regr do Trpézio e d Primeir Regr de Simpson. Técnic tmnho do psso, pés Segmentos F, Ib Regr do Trpézio , , , , ,1, ,7, ,3, ,5, ,6 Primeiri Regr de Simpson , , , ,5, ,6

51 46 integrl [7] A posição de ção efetiv de F (Figur 4.2) pode ser obtid pelo cálculo d ou d = d = 3 zf(z)dz 3 f(z)dz. (4.2) 3 2z[z/(5 + z)]e 2z/3 dz 1.48, 6 (4.3) Ess integrl pode ser clculd usndo métodos similres os usdos cim. exemplo, Primeir Regr de Simpson com um tmnho de psso de, 5 fornece d = ,9 1.48,6 = 13, 5 pés. Com F e d determindos prtir de métodos numéricos, é usdo um digrm de corpo livre pr desenvolver s equções de blnço de forç e blnço de torque. Esse digrm de corpo livre é mostrdo n Figur 4.2. Por Figur 4.2: Digrm de corpo livre ds forçs exercids no mstro de um veleiro Somndo s forçs n direção horizontl e n verticl e tomndo os torques em relção o ponto, obtemos FH = = F T senθ H (4.4) FV = = V T cosθ (4.5)

52 47 M = = 3V F d (4.6) em que T é tensão no cbo e H e V são s reções desconhecids no mstro trnsmitids pelo convés. O sentido e o módulo de H e V são desconhecidos. A equção (4.6) pode ser resolvid diretmente pr determinr V, pois F e d são conhecidos. Portnto, d Equção (4.5), e d Equção (4.4), V = F d 3 = (1.48,6)(13,5) 3 = 6.44, 6Ib T = V = 6.44,6 = 6.473Ib cosθ,995 H = F T senθ = 1.48, 6 (6.473)(, 995) = 836, 54Ib O conhecimento desss forçs permitem prosseguir pr outros spectos do projeto estruturl do brco, como os cbos e o sistem de suporte do mstro no convés. Esse problem ilustr bem dus utiliddes d integrção numéric que podem ser encontrds durnte o projeto de estruturs em engenhri. É visto que Regr do Trpézio e Regr de Simpson são fáceis de plicr e que são ferrments prátics pr resolução de problems. A Primeir Regr de Simpson é mis curd do que Regr do Trpézio pr o mesmo tmnho de psso, e ssim, em gerl, é mis indicd. 4.2 Aplicção 2 O Perímetro d região delimitd por um elipse Figur 4.3: Região Elíptic O perímetro de um região elíptic depende de e b, que são os comprimentos dos semi-eixos d elipse que contorn. Como e b são positivos e ssumindo que < b, e ind que o semi-eixo mior d elipse está n verticl, um prmetrizção d

53 equção d elipse é dd por γ(t) = (cost, bsent), t 2π, γ (t) = ( sent, bcost), de form que o perímetro P d região é dd pelo comprimento d elipse por γ(t), com t 2π, ou sej, P = 2π 2 sen 2 t + b 2 cos 2 tdt. Por rzões de simetri, podemos integrr somente de π 2 48 e multiplicr por qutro. Além disso podemos substituir cos 2 t por 1 sen 2 t, e colocr b em evidênci n integrl, obtendo: P = 4b 2π 1 k2 sen 2 tdt, onde k 2 = 1 2, é um número positivo e menor do que 1 (ele vle 1 qundo elipse b2 é um círculo, e qundo elipse degener num segmento de ret verticl). O número k é chmdo de excentricidde d elipse. A integrl 1 k2 sen 2 tdt é conhecid como integrl elíptic do primeiro tipo, e não dmite um expressão vi combinção finit de funções elementres. Em outrs plvrs, não há um fórmul fechd pr o perímetro de um região elíptic. Pr ilustrr plicção, será mostrdo situção problem seguir. Um engenheiro é contrtdo pr construir um cnteiro num prç n Cidde de Cmpin Grnde no formto de um "Elipse"de eixos iguis 4m e 5m. Pr delimitá-lo o engenheiro construirá um cerc com estcs e 3 volts de rme. Quntos metros de rme necessário pr este projeto? Solução: Sbe-se que o cálculo do Perímetro de um região elíptic é feito trvés d integrl seguir: π 2 P = 4 b 1 k2 sen 2 (t) dt Vimos que o Perímetro está em função de b, que é o eixo mior, e k su excentricidde definido como, k 2 = 1 2 b 2. P = 4 25 π 2 1, 36sen2 (t)dt O cálculo do vlor proximdo do Perímetro P e d quntidde Q de rme será relizdo trvés de métodos numericos, mis precismente, utilizndo Regr

54 do Trpézio, Primeir e Segund Regr de Simpson. Em um dos 3 csos, substituindo b = 25 e k =, 36 ( = 2 e k 2 = 1 2 b 2 ) obtemos, A integrl ser proximd será 49 π 2 1, 36sen2 (t)dt 1 o Cso: Regr do Trpézio: ) T = (y h 2 + y 1 e h = π 2 = 1, 57 Logo, P = , 413 = 141, 3 Q = 423, 9m i 1 t i 1,57 y i 1,8 ( ) T = 1,57 1 +, 8 T = 1, Clculndo o Erro de truncmento n fórmul temos que, f sendo M = mx x b (ξ). E T h 3 M 12 Sbendo que M =, 45, o erro cometido n fórmul simples do Trpézio será: temos: E T ( π 2 )3, E T, 145 Subdividindo o intervlo em 6 prtes, ou sej, n = 6, e sbendo que h = b n,

55 T c = h 2 [y + 2y 1 + 2y 2 + 2y 3 + 2y 4 + 2y 5 + y 6 ] e h = π 2 6 =, i t i,2618,5236,7854 1,472 1,39 1,578 y i 1,9878,9539,955,8543,8149,8 T c = [ ], (, 9878) + 2(, 9539) + 2(, 955) + 2(, 8543) + 2(, 8149) +, 8 2 =, 139(1, 8328) = 1, 418 Qundo o intervlo é subdividido em 6 prtes um outro vlor pr o perímetro: P = , 418 = 141, 8 Q = 3 141, 8 = 425, 4m O erro de truncmento cometido é ddo pel fórmul: sendo M = mx x b f (x) ET c (b ) 3 M 12n 2 Com M =, 45 o erro será: ET c ( π 2 )3, 45 12(6) 2 ET c, 4 2 o Cso: Primeir Regr de simpson: ] S = [y h 3 + 4y 1 + y 2 e h = π 2 2 =, 785 i 1 2 t i,785 1,57 y i 1,956,8

56 51 Logo, S = [ ], (, 956) +, 8 3 =, 2616(5, 4224) = 1, 4185 P = , 4185 = 141, 85, Q = 425, 55. O erro de truncmento cometido é ddo pel fórmul: f sendo M 1 = mx (4) x b (x). E 1S h 5 M 1 9 Com M 1 = 178, 82, o erro cometido n fórmul simples d Primeir Regr de Simpson: E 1S (, 785) 5 178, 82 9 E 1S, 59 Agor subdividindo o intervlo em 6 prtes, ou sej, n = 6, e h = b, dí temos: 6 ] S 1c = [y h 3 + 4y 1 + 2y 2 + 4y 3 + 2y 4 + 4y 5 + y 6 h = π 2 =, i t i,2618,5236,7854 1,472 1,39 1,578 y i 1,9878,9539,955,8543,8149,8 S 1c = [ ], (, 9878) + 2(, 9539) + 4(, 955) + 2(, 8543) + 4(, 8149) +, 8 3 =, 872(16, 2492) = 1, 4169

57 52 Com subdivisão do intervlo temos, P = , 4169 = 141, 69, Q = 425, 7. O erro de truncmento cometido é ddo pel fórmul: f sendo M 1 = mx (4) x b (x). E 1Sc ( ) 5 b Com M 1 = 178, 82, o erro d fórmul compost: 18n 4 M 1 E 1Sc ( π 2 )5 178, 82, 18(6) 4 E 1Sc, o Cso: Segund Regr de Simpson: ] S 2 = [y 3h 8 + 3y 1 + 3y 2 + y 3 e h = b n = π 2 3 =, 5236 i t i,5236 1,472 1,578 y i 1,9539,8544,8 Então, S 2 = [ ] 3, (, 9539) + 3(, 8544) +, 8 8 =, 1963(7, 2349) = 1, 4182 P = , 4182 = 141, 82m, Q = 425, 46m.

58 53 O erro de truncmento cometido é ddo pel fórmul: sendo M 2 = mx x b f (4) (x). E S2 3h5 M 2 8 Com M 2 = 178, 82 o erro cometido n fórmul simples d Segund Regr de Simpson: E S2 3(, 5236)5 178, 82, 8 E S2, 263. Subdividindo o intervlo em 6 prtes, ou sej, n = 6 e h = b. temos: 6 ] S 2 = [y 3h 8 + 3y 1 + 3y 2 + 2y 3 + 3y 4 + 3y 5 + y 6 e h = π 2 =, i t i,2618,5236,7854 1,472 1,39 1,578 y i 1,9878,9539,955,8543,8149,8 S 2c = [ ] 3, (, 9878) + 3(, 9539) + 2(, 955) + 3(, 8543) + 3(, 8149) +, 8 8 =, 981(14, 4437) = 1, 4169 P = , 4169 = 141, 69, Q = 425, 7. O erro de truncmento cometido é ddo pel fórmul: sendo M 2 = mx x b f (4) (x). E S2 (b )5 M 2 8n 4, Com M 2 = 178, 82 temos que o erro cometido n fórmul compost d Segund Regr de Simpson:

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i =

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i = Cpítulo 7 Integrção numéric 71 Qudrtur por interpolção O método de qudrtur por interpolção consiste em utilizr um polinômio interpolnte p(x) pr proximr o integrndo f(x) no domínio de integrção [, b] Dess

Leia mais

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS.

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS. Qudrtur por interpolção DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção O

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Integrção Numéric Métodos Numéricos e Esttísticos Prte I-Métodos Numéricos Integrção numéric Luís Morgdo Lic. Eng. Biomédic e Bioengenhri-009/010 Luís Morgdo Integrção numéric Integrção Numéric Recorrendo

Leia mais

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por SÉRIES DE FOURIER 1. Um série trigonométric e su sequênci ds soms prciis (S N ) N são dds por (1) c n e inx, n Z, c n C, x R ; S N = n= c n e inx. Tl série converge em x R se (S N (x)) N converge e, o

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas;

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas; Funções vetoriis Integris MÓDULO 3 - AULA 35 Aul 35 Funções vetoriis Integris Objetivo Conhecer integrl de funções vetoriis; Aprender clculr comprimentos de curvs prmetrizds; Aprender clculr áres de regiões

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

Como calcular a área e o perímetro de uma elipse?

Como calcular a área e o perímetro de uma elipse? Como clculr áre e o perímetro de um elipse? Josiel Pereir d Silv Resumo Muitos professores de Mtemátic reltm que miori dos livros didáticos de Mtemátic utilizdos no Ensino Médio não bordm o conceito de

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28 A integrl de Riemnn - Continução Aplicções d Integrl A integrl de Riemnn e Aplicções Aul 28 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 16 de Mio de 2014 Primeiro Semestre de

Leia mais

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos Aplicções de integris Áres e comprimentos MÓDULO - AULA 9 Aul 9 Aplicções de integris Áres e comprimentos Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo d áre de um superfície de revolução e do comprimento

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração RESUMO DE INTEGRAIS INTEGRAL INDEFINIDA A rte de encontrr ntiderivds é chmd de integrção. Desse modo, o plicr integrl dos dois ldos d equção, encontrmos tl d ntiderivd: f (x) = d dx [F (x)] f (x)dx = F

Leia mais

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x.

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x. Universidde Federl Fluminense Mtemátic II Professor Mri Emili Neves Crdoso Cpítulo Integrl. Diferenciis dy Anteriormente, foi considerdo um símolo pr derivd de y em relção à, ms em lguns prolems é útil

Leia mais

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam Aplicções de integris Volumes Aul 28 Aplicções de integris Volumes Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo de diversos tipos de volumes de sólidos, especificmente os chmdos método ds seções

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura.

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura. Cálculo I Aul 2 - Cálculo de Volumes Dt: 29/6/25 Objetivos d Aul: Clculr volumes de sólidos por seções trnsversis Plvrs-chves: Seções Trnsversis - Volumes Volume de um Cilindro Nosso objetivo nest unidde

Leia mais

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT 5 SEVERINO TOSCANO DO REGO MELO. Polinômios de Tylor A ret tngente o gráfico de um função f derivável em um ponto define função de primeiro gru que melhor proxim função em pontos

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS Um dos grndes problems de mtemátic n ntiguidde er resolução de equções polinomiis. Encontrr um fórmul ou um método pr resolver tis equções er um grnde desfio. E ind hoje

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3)

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3) Universidde Federl do Rio de Jneiro Instituto de Mtemátic Deprtmento de Métodos Mtemáticos Integrl Imprópri Integrl imprópri em R n (n =,, 3) Autores: Angel Cássi Bizutti e Ivo Fernndez Lopez Introdução

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Capítulo Breve referência histórica Aproximação da primeira derivada

Capítulo Breve referência histórica Aproximação da primeira derivada Cpítulo 5 Derivção e integrção numéric 5.1 Breve referênci istóric As técnics de derivção e integrção numéric, d form como s iremos estudr neste cpítulo, têm mesm origem d interpolção. No entnto, temos

Leia mais

Diferenciação Numérica

Diferenciação Numérica Cpítulo 6: Dierencição e Integrção Numéric Dierencição Numéric Em muits circunstâncis, torn-se diícil oter vlores de derivds de um unção: derivds que não são de ácil otenção; Eemplo clculr ª derivd: e

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Volume. Objetivos da Aula. Aula n o 25: Volume por Casca Cilíndrica e Volume por Discos

CÁLCULO I. 1 Volume. Objetivos da Aula. Aula n o 25: Volume por Casca Cilíndrica e Volume por Discos CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o 25: Volume por Csc Cilíndric e Volume por Discos Objetivos d Aul Clculr o volume de sólidos de revolução utilizndo técnic do volume por csc

Leia mais

O binário pode ser escrito em notação vetorial como M = r F, onde r = OA = 0.1j + ( )k metros e F = 500i N. Portanto:

O binário pode ser escrito em notação vetorial como M = r F, onde r = OA = 0.1j + ( )k metros e F = 500i N. Portanto: Mecânic dos Sólidos I - TT1 - Engenhri mbientl - UFPR Dt: 5/8/13 Professor: Emílio G. F. Mercuri Nome: ntes de inicir resolução lei tentmente prov e verifique se mesm está complet. vlição é individul e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Aspectos do Teorema Fundamental do Cálculo

Aspectos do Teorema Fundamental do Cálculo Aspectos do Teorem Fundmentl do Cálculo Luis Aduto Medeiros Conferênci proferid n Fculdde de Mtemátic - UFPA (Belém Mrço de 2008) Então porque pint? Por nd. Procuro simplesmente reproduzir o que vejo W.

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a)

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a) A integrl definid Prof. Méricles Thdeu Moretti MTM/CFM/UFSC. - INTEGRAL DEFINIDA - CÁLCULO DE ÁREA Já vimos como clculr áre de um tipo em específico de região pr lgums funções no intervlo [, t]. O Segundo

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral.

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral. Nots de ul de Métodos Numéricos. c Deprtmeto de Computção/ICEB/UFOP. Itegrção Numéric Mrcoe Jmilso Freits Souz, Deprtmeto de Computção, Istituto de Ciêcis Exts e Biológics, Uiversidde Federl de Ouro Preto,

Leia mais

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b).

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b). 1 Lembrete: curvs Definição Chmmos Curv em R n : um função contínu : I R n onde I R é intervlo. (link desenho curvs) Definimos: Trço d curv: imgem equção prmêtric/vetoril d curv: lei (t) =... Dizemos que

Leia mais

Aula 20 Hipérbole. Objetivos

Aula 20 Hipérbole. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 20 Aul 20 Hipérbole Objetivos Descrever hipérbole como um lugr geométrico. Determinr su equção reduzid no sistem de coordends com origem no ponto médio entre os focos e eixo x como o eixo

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões Aul de solução de problems: cinemátic em 1 e dimensões Crlos Mciel O. Bstos, Edurdo R. Azevedo FCM 01 - Físic Gerl pr Químicos 1. Velocidde instntâne 1 A posição de um corpo oscil pendurdo por um mol é

Leia mais

Integral indefinida ou integral imprópria

Integral indefinida ou integral imprópria Integrl indefinid ou integrl imprópri Prcino-Pereir, Trcisio 13 de julho de 217 preprints d Sobrl Mtemátic no. 217.4 Editor Trcisio Prcino-Pereir trcisio@member.ms.org Resumo Neste rtigo defendo idei que

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 )

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 ) Universidde Federl de Viços Deprtmento de Mtemátic MAT 40 Cálculo I - 207/II Eercícios Resolvidos e Comentdos Prte 2 Limites: Clcule os seguintes ites io se eistirem. Cso contrário, justique não eistênci.

Leia mais

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas 8.1 Áres Plns Suponh que um cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região

Leia mais

Integração Numérica Grau de uma regra

Integração Numérica Grau de uma regra Integrção Numéric Gru de um regr Um regr diz-se de gru n se integrr sem erro todos os polinómios de gru n eexistir pelo menos um polinómio de gru n que não é integrdo exctmente. Exemplos: Regr do Trpézio

Leia mais

8 AULA. Funções com Valores Vetoriais LIVRO. META Estudar funções de uma variável real a valores em R 3

8 AULA. Funções com Valores Vetoriais LIVRO. META Estudar funções de uma variável real a valores em R 3 1 LIVRO Funções com Vlores Vetoriis 8 AULA META Estudr funções de um vriável rel vlores em R 3 OBJETIVOS Estudr movimentos de prtículs no espço. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido os conceitos de funções

Leia mais

Revisão de Polinômios

Revisão de Polinômios Cpítulo 1 Revisão de Polinômios Definição 1 Um polinômio p é um função com domínio e imgem em um conjunto C ou R ddo n form: p : C C x p(x) = 0 x n + 1 x n 1 +... + n 1 x + 0 O número inteiro n é dito

Leia mais

A força não provém da capacidade física, e sim de uma vontade indomável. Mahatma Gandhi

A força não provém da capacidade física, e sim de uma vontade indomável. Mahatma Gandhi A forç não provém d cpcidde físic, e sim de um vontde indomável. Mhtm Gndhi Futuros militres, postos! É hor de meter o ggá! Este é o módulo 8 do curso de MATEMÁTICA d turm AFA-EN-EFOMM- EsPCE-EEAr. Nesse

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL E INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. Equipe de Cálculo Numérico do MAP/IME/USP

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL E INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. Equipe de Cálculo Numérico do MAP/IME/USP INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL E INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Equipe de Cálculo Numérico do MAP/IME/USP Nests nots desenvolveremos teori d prte finl do curso, escolendo lguns cminos lterntivos à referênci principl, que

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Derivação e Integração Numérica. 1.1 Aproximação da derivada por diferenças nitas. f (x 0 ) f(x 0) f(x 0 h) = y 1 y 0

Derivação e Integração Numérica. 1.1 Aproximação da derivada por diferenças nitas. f (x 0 ) f(x 0) f(x 0 h) = y 1 y 0 Derivção e Integrção Numéric 1 Derivção Numéric Ddo um conjunto de pontos (x i, y i ) ( ) n i=1, derivd dy pode ser clculd de váris forms N próxim dx i seção trblremos com diferençs nits, que é mis dequd

Leia mais

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Volumes de Sólidos

Leia mais

As fórmulas aditivas e as leis do seno e do cosseno

As fórmulas aditivas e as leis do seno e do cosseno ul 3 s fórmuls ditivs e s leis do MÓDULO 2 - UL 3 utor: elso ost seno e do cosseno Objetivos 1) ompreender importânci d lei do seno e do cosseno pr o cálculo d distânci entre dois pontos sem necessidde

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Universidde Federl de Mins Geris Instituto de Ciêncis Exts Deprtmento de Mtemátic Aproximção Por Funções Polinomiis (Polinômios de Tylor) Wi Gerldo Moreir dos Sntos Belo Horizonte, Julho de 26 Em tudo

Leia mais

Lista 5: Geometria Analítica

Lista 5: Geometria Analítica List 5: Geometri Anlític A. Rmos 8 de junho de 017 Resumo List em constnte tulizção. 1. Equção d elipse;. Equção d hiperból. 3. Estudo unificdo ds cônics não degenerds. Elipse Ddo dois pontos F 1 e F no

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 5: Integral Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Integral

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 5: Integral Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Integral Eercícios de Integrl Eercícios de Fição Cálculo I (5/) IM UFRJ List 5: Integrl Prof Milton Lopes e Prof Mrco Cbrl Versão 55 Fi : Determine se é Verddeiro (provndo rmtiv) ou Flso (dndo contreemplo): b ()

Leia mais

META: Introduzir o conceito de integração de funções de variáveis complexas.

META: Introduzir o conceito de integração de funções de variáveis complexas. Integrção omplex AULA 7 META: Introduzir o conceito de integrção de funções de vriáveis complexs. OBJETIVOS: Ao fim d ul os lunos deverão ser cpzes de: Definir integrl de um função complex. lculr integrl

Leia mais

Cálculo em Computadores 2006 Integrais e volumes 1. Cálculo em Computadores Integrais de funções de duas variáveis reais 4

Cálculo em Computadores 2006 Integrais e volumes 1. Cálculo em Computadores Integrais de funções de duas variáveis reais 4 Cálculo em Computdores 2006 Integris e volumes 1 Contents Cálculo em Computdores 2006 Integris de funções de dus vriáveis 1 Áres no plno 2 1.1 exercícios...............................................

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1 Cpítulo 1 Funções Vetoriis Neste cpítulo estudremos s funções f : R R n, funções que descrevem curvs ou movimentos de objetos no espço. 1.1 Definições e proprieddes Definição 1.1.1 Um função vetoril, é

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x.

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x. 6. Primitivs cd. 6. Em cd cso determine primitiv F (x) d função f (x), stisfzendo condição especi- () f (x) = 4p x; F () = f (x) = x + =x ; F () = (c) f (x) = (x + ) ; F () = 6. Determine função f que

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA UNVERSDDE DE SÃO PULO ESOL POLTÉN Deprtmento de Engenhri de Estruturs e Geotécnic URSO ÁSO DE RESSTÊN DOS TERS FSÍULO Nº 5 Flexão oblíqu H. ritto.010 1 FLEXÃO OLÍU 1) udro gerl d flexão F LEXÃO FLEXÃO

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto:

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: www.engenhrifcil.weely.com Resumo com eercícios resolvidos do ssunto: (I) (II) Teorem Fundmentl do Cálculo Integris Indefinids (I) Teorem Fundmentl do Cálculo Ness postil vmos ordr o Teorem Fundmentl do

Leia mais

NOTAS DE AULA CURVAS PARAMETRIZADAS. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA CURVAS PARAMETRIZADAS. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA CURVAS PARAMETRIZADAS Cláudio Mrtins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções com Vlores Vetoriis 2 1.1 Definições - Proprieddes.............................. 2 1.2 Movimentos no

Leia mais

Matemática B Superintensivo

Matemática B Superintensivo GRITO Mtemátic Superintensivo Eercícios 0) 4 m M, m 0 m N tg 0 = b = b = b = = cos 0 = 4 = = 4. =.,7 =,4 MN =, +,4 + MN =,9 m tg 60 = = =.. = h = + = 0 m 04) 0) D O vlor de n figur bio é: (Errt) 4 sen

Leia mais

DERIVADAS DAS FUNÇÕES SIMPLES12

DERIVADAS DAS FUNÇÕES SIMPLES12 DERIVADAS DAS FUNÇÕES SIMPLES2 Gil d Cost Mrques Fundentos de Mteátic I 2. Introdução 2.2 Derivd de y = n, n 2.2. Derivd de y = / pr 0 2.2.2 Derivd de y = n, pr 0, n =,, isto é, n é u núero inteiro negtivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA. Andréa Costa Nascimento

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA. Andréa Costa Nascimento UNIVERSIDDE FEDERL DE MINS GERIS INSTITUTO DE CIÊNCIS EXTS DEPRTMENTO DE MTEMÁTIC ndré Cost Nscimento Dus mneirs diferentes de demonstrr Relção de Euler pr poliedros convexos, vist no ensino médio Belo

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

Substituição Trigonométrica. Substituição Trigonométrica. Se a integral fosse. a substituição u = a 2 x 2 poderia ser eficaz, mas, como está,

Substituição Trigonométrica. Substituição Trigonométrica. Se a integral fosse. a substituição u = a 2 x 2 poderia ser eficaz, mas, como está, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Introdução Se integrl

Leia mais

Elementos Finitos Isoparamétricos

Elementos Finitos Isoparamétricos Cpítulo 5 Elementos Finitos Isoprmétricos 5.1 Sistems de Referênci Globl e Locl Considere o elemento liner, ilustrdo n Figur 5.1, com nós i e j, cujs coordends são x i e x j em relção o sistem de referênci

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS.

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS. LIST N3 FLEXÃO E TENSÕES NORMIS. Nos problems que se seguem, desprer o peso próprio (p.p.) d estrutur, menos qundo dito explicitmente o contrário. FÓRMUL GERL D FLEXÃO,: eixos centris principis M G N M

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

Matemática para Economia Les 201

Matemática para Economia Les 201 Mtemátic pr Economi Les uls 8_9 Integris Márci znh Ferrz Dis de Mores _//6 Integris s operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição operção invers d dierencição

Leia mais

Matemática Básica II - Trigonometria Nota 02 - Trigonometria no Triângulo

Matemática Básica II - Trigonometria Nota 02 - Trigonometria no Triângulo Mtemátic ásic II - Trigonometri Not 0 - Trigonometri no Triângulo Retângulo Márcio Nscimento d Silv Universidde Estdul Vle do crú - UV urso de Licencitur em Mtemátic mrcio@mtemticuv.org 18 de mrço de 014

Leia mais