4. Características da CTC do Solo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. Características da CTC do Solo"

Transcrição

1 4. Características da CTC do Solo Dada a importância da CTC no solo, as características relacionadas com esta propriedade são constantemente determinadas e utilizadas em interpretações e em cálculos de necessidades de corretivos e de fertilizantes. Essas características são a própria CTC, também representada por T para a CTC a ph 7 e por t para CTC efetiva, no ph do solo, a soma de bases (SB), o índice de saturação por bases (V), a acidez trocável (alumínio trocável), a acidez total (H + Al) e a saturação por alumínio (m). Esses valores, à exceção da saturação por alumínio, são conhecidos como valores de Hissink. Uma idéia da amplitude da variação das características relacionadas com a CTC do solo, bem como a divisão dessas características em classes, de acordo com a magnitude da mesma, para solos de regiões tropicais, como os do Estado de Minas Gerais, é dada na Tabela 1. Tabela 1. Classes de características relacionadas com a CTC de solos do Estado de Minas Gerais. Características Classes Muito Baixa Baixa Média Alta Muito Alta SB cmolc dm ,0 2,1-5,0 > 5,0 - Al3+ cmolc dm ,3 0,4-1,0 > 1,0 - t cmolc dm ,5 2,6-6,0 > 6,0 - (H + Al) cmolc dm ,5 2,6-5,0 > 5,0 - T cmolc dm ,5 4,6-10,0 > 10,0 - V% > 90 m% > 60 FONTE: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais (1989). 1

2 4.1. Valor T A capacidade de troca catiônica (T) é geralmente determinada a ph 7,0, ou a ph 8,2 (para solos alcalinos e salinos). Ultimamente, tem sido mais usado o valor T a ph 7,0 que é calculado somando-se as bases e a acidez total (SB + H + Al). Além dessas duas expressões, pode-se ainda citar o valor t ao ph do solo (CTC efetiva), que é calculado somando-se as bases com a acidez trocável (SB + Al 3+ ). Os princípios básicos do fenômeno de troca são usados no processo de determinação da CTC de um solo ou de um material qualquer. 1) Agita-se uma amostra de solo, de peso ou volume conhecidos, com uma solução de KCl 1 mol L: -1 2) Os cátions deslocados, bem como o excesso de KCl em solução são eliminados da amostra, por meio de filtração e lavagens. No filtrado, podem ser determinadas as bases Na +, Ca 2+ e Mg 2+, que, adicionadas ao K +, determinado em outra extração, dão a soma de bases (SB). Também nesse filtrado determina-se Al 3+. Outra alternativa é continuar com a lavagem do excesso de KCl e os seguintes passos: 3) Agita-se a amostra agora com uma solução que contenha outro cátion, CaCl2 0,5 mol/l, por exemplo: 2

3 4) Filtra-se a suspensão e analisa-se, quantitativamente, o K + em solução, deslocado pelo Ca 2+. A quantidade de K + analisada, em cmol + kg -1 de amostra do solo quando a medida foi em peso e cmol + dm -3 quando a media foi em volume, este valor corresponde à sua CTC (cmolc kg -1 ou cmolc dm -3 ). Para separar as contribuições de CTC permanente e CTC dependente de ph, utilizam-se soluções extratoras (caso do KCl 1 mol L -1 no 1 o passo), em diferentes valores de ph. Historicamente, foi Schofield (1949) que verificou que a CTC de uma argila caulinítica eleva-se de 4 para 10 cmolc kg -1 com a elevação do ph da solução extratora de 6,0 para 7,0. O acréscimo no valor da CTC com a elevação do valor do ph foi denominado CTC dependente de ph (CTC ph-dependente). No ph da solução extratora correspondente ao do solo, tem-se a CTC efetiva, que é a CTC permanente mais o aumento do valor da CTC com a elevação do ph de extração correspondente à CTC ph-dependente até o ph do solo (Tabela 2). Também os dados do Quadro mostram que em todos os três solos a contribuição da CTC ph-dependente até ph 7 e ph 8 foi bastante significativa, principalmente no primeiro e último solos, devido ao maior conteúdo de matéria orgânica, material que apresenta CTC tipicamente dependente de ph. 3

4 Tabela 2. Valores de CTC de três solos, em três valores diferentes de ph da solução extratora e conteúdo de matéria orgânica dos solos. ph de Determinação da CTC Matéria ph Solo ph 7,0 ph 8,0 Orgânica Solo cmolc kg dag kg -1 Argissolo Amarelo 4,41 8,32 11,44 5,24 Latossolo Vermelho, textura média 1,58 3,14 4,22 1,39 Latossolo Vermelho, textura argilosa 1,41 5,62 8,96 3, Soma de Bases (SB) A soma de bases (SB) é calculada somando-se os teores de Ca +2, Mg +2, K +, Na + e NH 4 + trocáveis. Nos solos ácidos de regiões tropicais, como os do Estado de Minas Gerais, os cátions trocáveis Na + e NH 4 + desprezível Saturação por Bases (V) geralmente têm magnitude A participação das bases no complexo sortivo do solo, expressa em porcentagem, é conhecida como saturação por bases (V). V = SB.100 T Para este cálculo, usa-se o valor T (CTC a ph 7,0) Acidez Trocável A acidez trocável é representada pelo Al +3 mais o H + que faz parte da CTC efetiva. Como, em geral, a participação do H + é pequena em relação ao Al +3, este valor é também chamado de alumínio trocável. O alumínio é considerado como acidez porque, em solução, por hidrólise, gera acidez, de acordo com a seguinte equação simplificada: 4

5 4.5. Acidez Potencial A determinação da acidez total ou potencial é feita usando-se como extrator uma solução tamponada de acetato de cálcio 0,5 mol L -1, ph 7,0. Esta acidez inclui H + Al (H + trocável, H de ligações covalentes que é dissociado com a elevação do ph, Al +3 trocável e outras formas de Al). A maior parte do H provém das cargas negativas dependentes do ph. Esta fração é chamada acidez dependente do ph. A participação do H em geral é maior do que a do alumínio trocável. Uma outra denominação usada para a acidez potencial é acidez titulável, certamente inadequada Saturação por Alumínio (m) A saturação por alumínio, representada por m, é calculada pela expressão: Al 3+ m = 3+ SB + Al x100 Observa-se que m é a percentagem de alumínio trocável na CTC efetiva do solo. Informações sobre os valores de T, SB e V de um solo podem indicar o tipo de mineral presente na fração argila e possíveis problemas na sua utilização, bem como sobre o procedimento adequado a ser tomado para aperfeiçoar sua utilização (Tabela 3). Tabela 3. Valores de ph, Al +3, SB, t, (H + Al), T, V e m de três solos. Solos ph Al +3 SB t (H + Al) T V m cmolc kg % A 5,4 0,1 1,9 2,0 1,4 3, B 4,5 1,7 1,0 2,7 5,0 6, C 6,5 0,0 10,0 10,0 1,0 11, O solo A, com valor baixo de T, deve ter sua fração argila constituída de caulinita e óxido de Fe e de Al, argilas pouco ativas, se o conteúdo total de argila do 5

6 solo não for muito baixo (solo arenoso). Um outro aspecto provável é a existência de baixo teor de matéria orgânica neste solo. A adição de matéria orgânica a este solo para aumentar pelo menos temporariamente seu valor T, seria recomendada. O valor de V é médio, e a percentagem de saturação de Al +3 é baixa, em razão dos baixos valores de Al +3, presente em níveis não tóxicos. O solo B, muito ácido, tem baixo V; logo, alta participação da acidez (H + Al) no complexo de troca, podendo apresentar alta percentagem de saturação por Al. Para uso agrícola, deverá ter o seu ph elevado por meio de calagem, o que irá causar aumento dos valores de SB e V, aumentando, conseqüentemente, o seu ph. O seu valor de T e valor de SB indicam que o material constituinte da fração argila é ativo, ou que o teor de matéria orgânica deste solo é elevado, mas apresenta poucas bases no seu complexo de troca. O solo C apresenta-se em boas condições quanto ao seu complexo de troca e características a ele relacionadas. 6

CARGAS ELÉTRICAS DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 12- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO CARGAS ELÉTRICAS E FOTOSSÍNTESE:

CARGAS ELÉTRICAS DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 12- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO CARGAS ELÉTRICAS E FOTOSSÍNTESE: CARGAS ELÉTRICAS DO SOLO Atributos físicos e químicos do solo -Aula 12- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO CARGAS ELÉTRICAS E FOTOSSÍNTESE: Vida na Terra Propriedade de uma dispersão coloidal Argilas

Leia mais

DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) Dr. José Ribamar Silva

DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) Dr. José Ribamar Silva MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) Dr. José Ribamar Silva MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) NECESSIDADE DE CALAGEM (NC). Conceito NC Quantidade corretivo para

Leia mais

Atributos Diagnósticos

Atributos Diagnósticos UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DOCENTE: Dr. Ribamar Silva ph do Solo. É o logaritmo negativo da atividade (concentração) de H + na solução do solo. ph = - log [H + ] [H + ] = 10 -ph. p H e Acidez são diferentes..

Leia mais

ACIDEZ, CALAGEM E GESSAGEM

ACIDEZ, CALAGEM E GESSAGEM Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Dracena Curso de Zootecnia ACIDEZ, CALAGEM E GESSAGEM Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes Prof. Dr. Reges Heinrichs Dracena

Leia mais

REAÇÃO DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 11- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO. Solos ácidos: distribuição geográfica

REAÇÃO DO SOLO. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 11- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO. Solos ácidos: distribuição geográfica REAÇÃO DO SOLO Atributos físicos e químicos do solo -Aula 11- Prof. Alexandre Paiva da Silva INTRODUÇÃO Solos ácidos: distribuição geográfica Efeito sobre as culturas e nos atributos do solo Acidez superficial

Leia mais

3. Origem das cargas elétricas no solo

3. Origem das cargas elétricas no solo 3. Origem das cargas elétricas no solo 3.1. Origem das cargas elétricas Há no solo, em geral, predominância de cargas negativas sobre positivas. Essa predominância, bastante significativa em solos de regiões

Leia mais

ANÁLISE DO SOLO. Determinações, cálculos e interpretação

ANÁLISE DO SOLO. Determinações, cálculos e interpretação ANÁLISE DO SOLO Determinações, cálculos e interpretação INTRODUÇÃO Esta cartilha tem por objetivo levar informações sobre interpretação de análises de solos para fins de recomendação de calagem e adubação.

Leia mais

ACIDEZ DO SOLO CORREÇÃO DO SOLO. ph DO SOLO CORREÇÃO DO SOLO. ph DO SOLO. ph DO SOLO ACIDEZ ATIVA ACIDEZ TROCÁVEL ACIDEZ NÃO TROCÁVEL ACIDEZ POTENCIAL

ACIDEZ DO SOLO CORREÇÃO DO SOLO. ph DO SOLO CORREÇÃO DO SOLO. ph DO SOLO. ph DO SOLO ACIDEZ ATIVA ACIDEZ TROCÁVEL ACIDEZ NÃO TROCÁVEL ACIDEZ POTENCIAL CORREÇÃO DO SOLO 1 2 CORREÇÃO DO SOLO O QUE VAMOS CORRIGIR? POTENCIAL HIDROGENIÔNICO ACIDEZ DO SOLO = =0,0001 ph 1 =log 0,0001 =log 1 10 =log10 =4,0 3 4 TIPOS DE ACIDEZDO SOLO ACIDEZ ATIVA ACIDEZ TROCÁVEL

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS 5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS Victor Hugo Alvarez V. 1 Roberto Ferreira de Novais 2 Nairam Félix de Barros 3 Reinaldo Bertola Cantarutti 4 Alfredo Scheid Lopes 5 Os critérios a

Leia mais

Construção de Perfil do Solo

Construção de Perfil do Solo Gargalos Tecnológicos para Produção Agrícola Construção de Perfil do Solo Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual de Ponta Grossa Solos com Fertilidade Baixa ou Muito Baixa Acidez Excessiva Teor tóxico

Leia mais

ISSN Dezembro, Guia Prático para Interpretação de Resultados de Análises de Solo

ISSN Dezembro, Guia Prático para Interpretação de Resultados de Análises de Solo ISSN 1678-1953 Dezembro, 2015 206 Guia Prático para Interpretação de Resultados de Análises de Solo ISSN 1678-1953 Dezembro, 2015 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros Costeiros

Leia mais

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, om Jesus da Lapa, ahia A utilização de solos de baixa fertilidade e a não manutenção de níveis adequados

Leia mais

INDICADORES QUÍMICOS DE QUALIDADE DO SOLO

INDICADORES QUÍMICOS DE QUALIDADE DO SOLO INDICADORES QUÍMICOS DE QUALIDADE DO SOLO Eduardo Fávero Caires Professor Associado - Fertilidade do Solo Reunião Paranaense de Ciência do Solo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA III REUNIÃO PARANAENSE

Leia mais

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências do Solo LSO 526 Adubos e Adubação Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Leia mais

POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO NO SOLO

POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO NO SOLO 1. POTÁSSIO NO SOLO POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO NO SOLO Demanda por K pelas culturas Demanda de K (kg K 2 O t -1 grão) Arroz 3 Feijão 15 Milho 6 Soja 20 Sorgo 4 Trigo 6 Recomendação de K (kg K 2 O ha -1

Leia mais

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo Unidade III - SILVA J.R.T., 2005 1. Material de Origem. 2. Clima. 3. Relevo. 4. Organismos Vivos. 5. Tempo. Estudo da influência de cada fator é difícil Interdependência entre eles. Fatores Ativos: Clima

Leia mais

Tecnologia americana gerando resultado no agronegócio brasileiro

Tecnologia americana gerando resultado no agronegócio brasileiro Tecnologia americana gerando resultado no agronegócio brasileiro Empresas Análises Meio Ambiente 2013 2013 software de gestão da informação 2005 Consultoria SULVET 1996/2002 2002 Construção da fertilidade

Leia mais

REAÇÃO DO SOLO E CALAGEM

REAÇÃO DO SOLO E CALAGEM REAÇÃO DO SOLO E CALAGEM 1 INTRODUÇÃO 1.1 Reação do solo (ph) - Maior parte dos solos são ácidos - A acidez causa redução do crescimento das plantas ÁCIDO DE ARRHENIUS (1884): substância que libera H +

Leia mais

Igor Rodrigues Queiroz. Bacharel em Agronomia pela Faculdade Dr. Francisco Maeda (FAFRAM) Anice Garcia

Igor Rodrigues Queiroz. Bacharel em Agronomia pela Faculdade Dr. Francisco Maeda (FAFRAM) Anice Garcia 40 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DE UM LATOSSOLO VERMELHO SOB CULTIVO DE CANA-DE-AÇÚCAR (SACCHARUM OFFICINARUM L.), CAFÉ (COFFEA ARÁBICA L.) E SOB MATA NATIVA. ESTUDO

Leia mais

Dinâmica de nutrientes no Solo

Dinâmica de nutrientes no Solo 8º Curso de Atualização em Cafeicultura Dinâmica de nutrientes no Solo Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Antônio Wander R. Garcia Eng. Agr.MAPA/Fundação Procafé Introdução: Solo: Fase Gasosa

Leia mais

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO-526 Adubos e Adubação Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola Prof. Dr. Paulo

Leia mais

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Produtividade: Pomar A:70 ton/ha Pomar B:10 ton/ha 52 fatores influenciam a produção vegetal: 07 deles são

Leia mais

ESCÓRIA DE SIDERURGIA E A DISPONIBILIDADE DE CÁLCIO E MAGNÉSIO EM LATOSSOLOS

ESCÓRIA DE SIDERURGIA E A DISPONIBILIDADE DE CÁLCIO E MAGNÉSIO EM LATOSSOLOS ESCÓRIA DE SIDERURGIA E A DISPONIBILIDADE DE CÁLCIO E MAGNÉSIO EM LATOSSOLOS Luciana Ventura Machado 1, Ramires Ventura Machado 2, Maria Maiara Cazotti 2, Felipe Vaz Andrade 2 1 Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia MICRO UTRIE TES. Prof. Dr.

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia MICRO UTRIE TES. Prof. Dr. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia MICRO UTRIE TES Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes Prof. Dr. Reges Heinrichs Dracena

Leia mais

REAÇÃO DO SOLO E CALAGEM

REAÇÃO DO SOLO E CALAGEM REAÇÃO DO SOLO E CALAGEM 1 INTRODUÇÃO 1.1 Reação do solo (ph) - Maior parte dos solos são ácidos - A acidez causa redução do crescimento das plantas ÁCIDO DE ARRHENIUS (1884): substância que libera H +

Leia mais

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 Andrei de Souza da Silva 2 ; José Ricken Neto 3 ; Vanderson Mondolon Duart 4 ; Fernando José

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO MACRONUTRIENTE DOCENTE: Dr. Ribamar Silva Potássio ------------------------------------------------------------------------ I. Introdução. K +

Leia mais

Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho

Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 ADUBOS E ADUBAÇÃO Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho Ac. Francisco

Leia mais

Química Ambiental Aula 09 Química dos Solos - parte I

Química Ambiental Aula 09 Química dos Solos - parte I Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental Aula 09 Química dos Solos - parte I Solos e sedimentos - Definição e composição química

Leia mais

A prática da análise de solo

A prática da análise de solo A prática da análise de solo - É a análise química mais utilizada na agricultura. - Sucesso variável em diferentes países e regiões. - É importante a quantidade e qualidade da pesquisa sobre métodos e

Leia mais

Propriedades Químicas

Propriedades Químicas Propriedades Químicas Fertilidade 1. Armazenar micro e macro nutrientes em moléculas estáveis no solo 2. Disponibilização desses nutrientes às plantas 3. ph 4. Depende da composição mineral e orgânica

Leia mais

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO526 Adubos e Adubações Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto

Leia mais

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja Alimento de importância mundial Continente asiático maior produtor (80%) Brasil 9º país produtor RS - 70% da produção nacional Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja CONAB Nitrogênio é bastante

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE O ph E O GRAU DE SATURAÇÃO EM BASES NOS SOLOS COM HORIZONTE B TEXTURAL E HORIZONTE B LATOSSÓLICO ( 1 )

CORRELAÇÕES ENTRE O ph E O GRAU DE SATURAÇÃO EM BASES NOS SOLOS COM HORIZONTE B TEXTURAL E HORIZONTE B LATOSSÓLICO ( 1 ) CORRELAÇÕES ENTRE O ph E O GRAU DE SATURAÇÃO EM BASES NOS SOLOS COM HORIZONTE B TEXTURAL E HORIZONTE B LATOSSÓLICO ( 1 ) BERNARDO VAN RAIJ, MARIA THEREZA DOVICHI SACCHETTO, engenheiros-agrôtiomos, Seção

Leia mais

Recomendação da quantidade de fósforo

Recomendação da quantidade de fósforo POTÁSSIO (K) FÓSFORO -Aula passada Avaliação da disponibilidade de fósforo Recomendação da quantidade de fósforo Filosofia da adubação Fertilizantes fosfatados POTÁSSIO -Aula hoje Formas e dinâmica do

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater Abordagem Aspectos qualitativos no SPDP; Perdas no sistema (nutrientes); Variabilidade horizontal e vertical;

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Química e Fertilidade do Solo Código da Disciplina: AGR 257 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 4 P Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

Introdução ao Estudo de Solos. DOCENTE: Dr. Ribamar Silva

Introdução ao Estudo de Solos. DOCENTE: Dr. Ribamar Silva DOCENTE: Dr. Ribamar Silva ❶ Pedologia Introdução ao ALGUNS CONCEITOS DE SOLO. Corpos naturais organizados, com características próprias adquiridas Ação dos Fatores e Processos de Formação e que evoluem

Leia mais

Fertilidade de Solos

Fertilidade de Solos Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO Edicarlos Damacena

Leia mais

ISSN X EM 1998/99. Henrique de Oliveira William Marra Silva Luiz Alberto Staut João Ronaldo Novachinski

ISSN X EM 1998/99. Henrique de Oliveira William Marra Silva Luiz Alberto Staut João Ronaldo Novachinski ISSN 1516-845X RESULTADOS DE ANÁLISES DE SOLO REALIZADAS PELO LABORATÓRIO DA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE EM 1998/99 Henrique de Oliveira William Marra Silva Luiz Alberto Staut João Ronaldo Novachinski Dourados,

Leia mais

Adubação de plantio para Eucalyptus sp.

Adubação de plantio para Eucalyptus sp. LSO0526 - Adubos e Adubação Adubação de plantio para Eucalyptus sp. Manoel Augusto Luiz Almeida 16 de junho de 2016 Eucalyptus sp. Aproximadamente 600 espécies; Grande variação genótipica; 5,37 milhões

Leia mais

Eficiência de Doses e Combinações de Corretivos e Fertilizantes Fosfatados para um Latossolo Vermelho distrófico psamítico do Noroeste do Paraná

Eficiência de Doses e Combinações de Corretivos e Fertilizantes Fosfatados para um Latossolo Vermelho distrófico psamítico do Noroeste do Paraná XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Eficiência de Doses e Combinações de Corretivos e Fertilizantes Fosfatados para um Latossolo Vermelho distrófico

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS 1 Introdução O que significa classificar solos? Distribuir os solos em classes e/ou grupos segundo um sistema ou método de

Leia mais

CORRETIVOS DO SOLO - USO EFICIENTE E EFEITOS NA PRODUÇÃO

CORRETIVOS DO SOLO - USO EFICIENTE E EFEITOS NA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Depto. De Ciência do Solo LSO-526 Adubos e Adubação CORRETIVOS DO SOLO - USO EFICIENTE E EFEITOS NA PRODUÇÃO Prof. Dr. Paulo Sergio

Leia mais

CALAGEM SUPERFICIAL E GESSAGEM EM PLANTIO DIRETO

CALAGEM SUPERFICIAL E GESSAGEM EM PLANTIO DIRETO SISTEMAS INTEGRADOS DE MANEJO NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA SUSTENTÁVEL CALAGEM SUPERFICIAL E GESSAGEM EM PLANTIO DIRETO SINOP MATO GROSSO 23 a 25 de Novembro de 2015 Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual

Leia mais

Fertilidade do solo e Nutrição de Plantas Notas de aula

Fertilidade do solo e Nutrição de Plantas Notas de aula Fertilidade do solo e Nutrição de Plantas Notas de aula Profª. Mônica Oliveira 1- Origem da acidez no solo a) Remoção de bases (lixiviação, erosão, extração pelas culturas), resultam no aumento de H e

Leia mais

ADUBAÇÃO POTÁSSICA DA SOJA EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO SUDOESTE DE GOIÁS

ADUBAÇÃO POTÁSSICA DA SOJA EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO SUDOESTE DE GOIÁS XXVII Reunião Brasileira de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas XI Reunião Brasileira sobre Micorrizas IX Simpósio Brasileiro de Microbiologia do Solo VI Re un iã o Bra sile ira d e Bio lo g ia d

Leia mais

É correto afirmar: Os solos da Amazônia em geral têm ph ácido?. ph logaritmo do inverso da [H + ]

É correto afirmar: Os solos da Amazônia em geral têm ph ácido?. ph logaritmo do inverso da [H + ] 1. ph e Acidez É correto afirmar: Os solos da Amazônia em geral têm ph ácido?. ph logaritmo do inverso da [H + ] 1 ph = log + [H ] ph = - log [H + ] ph 0 7 14. Acidez [H + ] = 10 -ph ph = 6 [H + ] = 10-6

Leia mais

Manejo da Adubação do Milho Safrinha

Manejo da Adubação do Milho Safrinha 01 Manejo da Adubação do Milho Safrinha Introdução Manejar adequadamente as adubações envolve um complexo processo de tomada de decisão, onde estão envolvidas as características do solo e da planta, o

Leia mais

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo 1 ASPECTOS GERAIS - MOS todos os compostos orgânicos do solo - Influência os atributos do solo - Teor no solo amplamente variável (0,5

Leia mais

79 ISSN Dezembro, 2009 Corumbá, MS

79 ISSN Dezembro, 2009 Corumbá, MS 79 ISSN 98-723 Dezembro, 2009 Corumbá, MS Análise de Solos: Finalidade e Procedimentos de Amostragem Evaldo Luis Cardoso Ana Helena Bergamim Marozzi Fernandes 2 Fernando Antonio Fernandes 3 Introdução

Leia mais

ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL EM SOLOS E SUA IMPLICAÇÃO NO CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (1)

ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL EM SOLOS E SUA IMPLICAÇÃO NO CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (1) ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL EM SOLOS E SUA IMPLICAÇÃO NO CÁLCULO... 1107 ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL EM SOLOS E SUA IMPLICAÇÃO NO CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (1) J. KAMINSKI (2), L. C. GATIBONI

Leia mais

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1 DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1 FABBRIS, Cristiano 2 ; CHERUBIN, Maurício Roberto 2 ; WEIRICH, Sidinei Wolnei 2 ; MORAES, Moacir

Leia mais

ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL PELO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (1)

ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL PELO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (1) ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL PELO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO NORTE... 561 ESTIMATIVA DA ACIDEZ POTENCIAL PELO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (1) E. B. SILVA (2), M. S. C. DIAS

Leia mais

FERTILIDADE E ACIDEZ DE LATOSSOLOS SOB PASTAGEM NO BIOMA CERRADO

FERTILIDADE E ACIDEZ DE LATOSSOLOS SOB PASTAGEM NO BIOMA CERRADO FERTILIDADE E ACIDEZ DE LATOSSOLOS SOB PASTAGEM NO BIOMA CERRADO Pedro Rodolfo Siqueira Vendrame 1, Osmar Rodrigues Brito 1, Maria de Fátima Guimarães 1, Éder de Souza Martins 2, Thierry Becquer 3 ( 1

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO: Amostragem, interpretação, recomendação de calagem e adubação.

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO: Amostragem, interpretação, recomendação de calagem e adubação. MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO: Amostragem, interpretação, recomendação de calagem e adubação. A produção agrícola depende de uma série de fatores bióticos e abióticos. Dentre os fatores mais importantes

Leia mais

ISSN Setembro, Avaliação de Métodos de Calagem para Solos dos Tabuleiros Costeiros

ISSN Setembro, Avaliação de Métodos de Calagem para Solos dos Tabuleiros Costeiros 69 ISSN 1678-1961 Setembro, 2012 Avaliação de Métodos de Calagem para Solos dos Tabuleiros Costeiros Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros Costeiros Ministério da Agricultura,

Leia mais

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO-526 Adubos e Adubação Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola Prof. Dr. Paulo

Leia mais

Sistema Embrapa de Produção Agroindustrial de Sorgo Sacarino para Bioetanol Sistema BRS1G Tecnologia Qualidade Embrapa

Sistema Embrapa de Produção Agroindustrial de Sorgo Sacarino para Bioetanol Sistema BRS1G Tecnologia Qualidade Embrapa 42 A recomendação de corte de colmos pelos equipamentos de colheita é de 20 cm, considerando que os campos de produção situam-se um pouco distante das moendas, ocorrendo fermentação dos colmos e perda

Leia mais

Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte

Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte 7/4/216 Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte Carl R. Crozier Estudos Aplicação de Dejeto Líquido de Suínos (DLS) (Sobrenadante) Produtividade e acúmulo de nitrato em Capim Bermuda (Cynodon

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, MO, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 23,50/am.

Leia mais

6 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6 CALAGEM E ADUBAÇÃO CULTURA DO MILHO 6 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.1 - CALAGEM -Neutralização do Al; -Buscando atingir 70% da saturação de bases corrige a camada de incorporação; -Correção mais profunda incorporação mais profunda

Leia mais

A Importância da amostragem e análise do solo

A Importância da amostragem e análise do solo INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 4 NÚMERO 11 dezembro 2015 A Importância da amostragem e análise do solo 1. Introdução A análise de solo é uma das ferramentas mais importantes da agricultura

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 09 TURMA FMJ

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 09 TURMA FMJ RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 09 TURMA FMJ 01. Item A III Incorreto. A torrefação não consiste em um processo de separação de misturas. IV Incorreto. A trituração não consiste em processo químico

Leia mais

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR GUIA DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR GUIA DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR LUIZ CARLOS PREZOTTI ANDRÉ GUARÇONI M. Vitória, ES 2013 2013 - Incaper Instituto Capixaba de Pesquisa,

Leia mais

%

% PERFIL 2 1. Descrição geral Situação e declive: Corte de estrada na meia encosta de uma elevação com 5% de declividade. Material de origem: Rochas sedimentares, arenito. Pedregosidade e rochosidade: Não

Leia mais

Relatório de pesquisa de utilização de basalto na agricultura biodinâmica em parceria com o Grupo Siqueira.

Relatório de pesquisa de utilização de basalto na agricultura biodinâmica em parceria com o Grupo Siqueira. Relatório de pesquisa de utilização de basalto na agricultura biodinâmica em parceria com o Grupo Siqueira. Efeito de basalto e preparados biodinâmicos na produtividade de aveia preta e milho em cultivo

Leia mais

Calcário e gesso: os corretivos essenciais ao Plantio Direto

Calcário e gesso: os corretivos essenciais ao Plantio Direto Correção do solo Calcário e gesso: os corretivos essenciais ao Plantio Direto Godofredo César Vitti e Júlio César Priori* Rodrigo Estevam Munhoz de Almeida Aplicação de calcário em área de cana de açúcar,

Leia mais

A Importância da amostragem e análise do solo

A Importância da amostragem e análise do solo INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 4 NÚMERO 11 dezembro 2015 A Importância da amostragem e análise do solo 1. Introdução A análise de solo é uma das ferramentas mais importantes da agricultura

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO II DAS ESPECIFICAÇÕES E GARANTIAS MÍNIMAS DOS PRODUTOS. Seção I Da Natureza Física

ANEXO CAPÍTULO II DAS ESPECIFICAÇÕES E GARANTIAS MÍNIMAS DOS PRODUTOS. Seção I Da Natureza Física ANEXO DEFINIÇÕES E NORMAS SOBRE AS ESPECIFICAÇÕES E AS GARANTIAS, AS TOLERÂNCIAS, O REGISTRO, A EMBALAGEM E A ROTULAGEM DOS CORRETIVOS DE ACIDEZ, CORRETIVOS DE ALCALINIDADE, CORRETIVOS DE SODICIDADE E

Leia mais

Comunicado Técnico 43

Comunicado Técnico 43 Comunicado Técnico 43 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Interpretação de resultados de análise de solo Francisco Morel Freire 1 Gilson Villaça Exel Pitta 2 Vera Maria Carvalho

Leia mais

Fabricio Bianchini; Carlos Carraro; Roberto Martins de Souza; Celina Wisniewski 1.

Fabricio Bianchini; Carlos Carraro; Roberto Martins de Souza; Celina Wisniewski 1. Desenvolvimento Rural Monferrer 288 - AVALIAÇÃO DA ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO COMPARANDO OS SISTEMAS CONVENCIONAL E AGROECOLÓGICO DE PRODUÇÃO TRADICIONAL, COMO UM INDICADOR DA SUSTENTABILIDADE NA AGRICULTURA

Leia mais

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola MAGNÉSIO Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br COMPOSIÇÃO QUÍMICA MÉDIA DA CROSTA TERRESTRE NA PROFUNDIDADE DE 0 16 KM (MENEGEL & KIRKBY, 1987) Mg no solo

Leia mais

Recomendação de calagem e adubação

Recomendação de calagem e adubação Recomendação de calagem e adubação Na agricultura, a recomendação de calagem e adubação para as culturas é geralmente efetuada com base nas doses de corretivos e fertilizantes que assegurem entre 80% e

Leia mais

VII Semana de Ciência Tecnologia IFMG campus

VII Semana de Ciência Tecnologia IFMG campus Avaliação do efeito do corretivo líquido sobre o ph, Ca 2+, Mg 2+, porcentagem de saturação por bases (V) e alumínio (m) em um Latossolo Vermelho distroférrico André Luís Xavier Souza 1 ; Fernando Carvalho

Leia mais

03747 CPAC Avaliação dos métodos de

03747 CPAC Avaliação dos métodos de 03747 CPAC 1997. - Avaliação dos métodos de CIRCULAR TÉCNICA SSN O 102-010 Número 27 Outubro, 1997 AVALIAÇÃO DOS MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO EM SOLOS DE CERRADO Dialma Martinhão

Leia mais

ACIDEZ POTENCIAL ESTIMADA PELO MÉTODO DO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO DO VALE NOTA

ACIDEZ POTENCIAL ESTIMADA PELO MÉTODO DO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO DO VALE NOTA ACIDEZ POTENCIAL ESTIMADA PELO MÉTODO DO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO DO VALE... 751 NOTA ACIDEZ POTENCIAL ESTIMADA PELO MÉTODO DO ph SMP EM SOLOS DA REGIÃO DO VALE DO JEQUITINHONHA NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Topossequência de solos derivados de basaltos da formação Serra Geral, Mato Grosso do Sul (1)

Topossequência de solos derivados de basaltos da formação Serra Geral, Mato Grosso do Sul (1) 1 Topossequência de solos derivados de basaltos da formação Serra Geral, Mato Grosso do Sul (1) Eloise Mello Viana-Moraes (2) ; Tatiane Aparecida Curim Faria (3) ; Valquiria Rodrigues Lopes (4) ; Naelmo

Leia mais

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Maringá - PR, 23 de maio de 2017 Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Manejo?

Leia mais

SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1

SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1 SOLOS REPRESENTATIVOS DO ESTADO DO TOCANTINS SOB VEGETAÇÃO NATURAL DO CERRADO Helena Maria de Paula Santana 1 e Marilusa Pinto Coelho Lacerda 2, ( 1 Mestranda em Ciências Agrárias - Faculdade de Agronomia

Leia mais

A CULTURA DO MILHO: CORREÇÃO, ADUBAÇÃO E ESTUDO DE CASO

A CULTURA DO MILHO: CORREÇÃO, ADUBAÇÃO E ESTUDO DE CASO Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciência do Solo A CULTURA DO MILHO: CORREÇÃO, ADUBAÇÃO E ESTUDO DE CASO Angelo Spatti Canassa Felippe Hoffmann Silva

Leia mais

Alteração do caráter eletroquímico de um latossolo vermelhoamarelo do Estado de São Paulo sob diferentes sistemas de manejo *

Alteração do caráter eletroquímico de um latossolo vermelhoamarelo do Estado de São Paulo sob diferentes sistemas de manejo * Alteração do caráter eletroquímico de um latossolo vermelhoamarelo do Estado de São Paulo sob diferentes sistemas de manejo * Change in the eletrochemical balance of a red-yellow latossol from São Paulo

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

Tabela 2 MODELO da análise química de solo da UFPR

Tabela 2 MODELO da análise química de solo da UFPR Tabela 2 MODELO da análise química de solo da UFPR ph ph SMP Al (H + Al) ou H Ca Mg K P dispo nível C Fe Mn Zn Cu B S Na EC SB CTC efetiva CTC ph 7 V % m % Ca % Mg % K % MO Ca/Mg Tabela 2 MODELO da análise

Leia mais

Propriedades Físicas dos Solos. Prof. Dra. Sheila Santos

Propriedades Físicas dos Solos. Prof. Dra. Sheila Santos Propriedades Físicas dos Solos Prof. Dra. Sheila Santos 1 Modelo conceitual simplificado da composição do solo - fases Solução Sólidos Biota Ar 2 Modelo conceitual simplificado da composição do solo -

Leia mais

Mosqueado/concreções Textura 2 Transição

Mosqueado/concreções Textura 2 Transição α Horizonte Profundidade (cm) Cor úmida (Munsell) Mosqueado/concreções Textura 2 Transição Podzólico Amarelo álico - P21 Ap 0-15 10YR 4/3 Fr.-arg.-arenosa Clara e plana BA 15-35 10YR 5/4 Arg.-arenosa Difusa

Leia mais

Química Ambiental Aula 09 Química dos Solos - parte I

Química Ambiental Aula 09 Química dos Solos - parte I Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental Aula 09 Química dos Solos - parte I Solos e sedimentos - Definição e composição química

Leia mais

Número atômico de A = número atômico de B = 18

Número atômico de A = número atômico de B = 18 61 e QUÍMICA O elemento químico B possui 20 nêutrons, é isótopo do elemento químico A, que possui 18 prótons, e isóbaro do elemento químico C, que tem 16 nêutrons Com base nessas informações, pode-se afirmar

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS LSO 310 - Física do Solo DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Prof. Rafael Otto Prof. Miguel Cooper Prof. Jairo Antonio Mazza RELAÇÃO ENTRE A MASSA SÓLIDA E O VOLUME TOTAL (VOLUME DOS SÓLIDOS +

Leia mais

Endereço (1) : Av. Colombo, 5790, Bloco D-90, Bairro Zona Sete, Maringá/PR, CEP Fone: (44)

Endereço (1) : Av. Colombo, 5790, Bloco D-90, Bairro Zona Sete, Maringá/PR, CEP Fone: (44) CARACTERIZAÇÃO DOS ATRIBUTOS MORFOLÓGICOS, FÍSICOS, QUÍMICOS E CLASSIFICAÇÃO DE UM PERFIL DE SOLO PARA ESTUDO EM PARCELA EROSIVA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO MARINGÁ - PR Rosane Freire (1) Engenheira

Leia mais

INTRODUÇÃO. Eng. Agrôn. M.Sc. Embrapa Amazônia Oriental, Caixa Postal 48, CEP Belém, PA.

INTRODUÇÃO. Eng. Agrôn. M.Sc. Embrapa Amazônia Oriental, Caixa Postal 48, CEP Belém, PA. Adubação fosfatada e potássica na cultura da soja em Latossolo Amarelo do Estado do Pará C.A.C. VELOSO (1), J. C. EL-HUSNY (3), J.R.V. CORRÊA (2), E.J.M. CARVALHO (1), F.R.S. de SOUZA (2), G.B. MARTINEZ

Leia mais

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Bruna de Souza SILVEIRA 1 ; André Luís XAVIER 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO 2 ; Fernando

Leia mais

CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO. Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto

CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO. Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto P fonte de energia; K parede celular; Ca comunicação da chegada de inóculo

Leia mais

QUI219 QUÍMICA ANALÍTICA (Farmácia) Prof. Mauricio X. Coutrim

QUI219 QUÍMICA ANALÍTICA (Farmácia) Prof. Mauricio X. Coutrim QUI219 QUÍMICA ANALÍTICA (Farmácia) Prof. Mauricio X. Coutrim (mcoutrim@iceb.ufop.br) Determinando cada espécie em solução com EDTA Calcule a concentração, mol.l -1, de Y 4- em uma solução 0,02 mol.l -1

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto GCP/BRA/079/GFF

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto GCP/BRA/079/GFF TERMO DE REFERÊNCIA Projeto GCP/BRA/079/GFF Fortalecimento do Marco Nacional de Conhecimentos e Informações para Subsidiar Políticas de Manejo Sustentável dos Recursos Florestais Componente: 3 Contratação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO LATOSSOLO VERMELHO DA FAZENDA ESCOLA DA FAZU* CHIMICAL CHARACTERIZATION OF OXISSOL AT FAZU SCHOOL FARM

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO LATOSSOLO VERMELHO DA FAZENDA ESCOLA DA FAZU* CHIMICAL CHARACTERIZATION OF OXISSOL AT FAZU SCHOOL FARM 34 Agronomia/Agronomy CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO LATOSSOLO VERMELHO DA FAZENDA ESCOLA DA FAZU* PEDROSO NETO, J. C. 1 ; SOUZA, J. A. de 2 ; PAES, J. M V. 3 ; CIOCIOLA A. I. 4 1Eng Agr, Doutor em Ciências,

Leia mais

Atributos Diagnósticos

Atributos Diagnósticos Atributos Diagnósticos MATERIAL ORGÂNICO Constituído por compostos orgânicos apresentando proporção variável de material mineral. Deve apresentar conteúdo de carbono orgânico maior ou igual a 80 g kg -1

Leia mais

DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ADUBOS E ADUBAÇÃO CALAGEM

DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ADUBOS E ADUBAÇÃO CALAGEM DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ADUBOS E ADUBAÇÃO CALAGEM Prof. Dr. Gaspar H. Korndörfer Universidade Federal de Uberlândia PORQUE OS SOLOS ÁCIDOS DEVEM RECEBER CALAGEM? A acidez do solo afeta o crescimento

Leia mais