BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016"

Transcrição

1 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova Rio de Janeiro RJ Tel (+21) Fax (+21)

2 2016/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT ONS - xxx/2016 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016

3 Sumário 1 Introdução 4 2 Considerações Gerais 4 3 Conclusões 6 4 Resultados Obtidos 9 5 Benefícios para o Sistema Elétrico Regiões Sul/Sudeste/Centro-Oeste Área Brasília Área Goiás Área Rio de Janeiro/Espírito Santo Área Minas Gerais Área São Paulo Área Mato Grosso Área Mato Grosso do Sul Região Sul Área Rio Grande do Sul Área Santa Catarina Área Paraná 15 ONS NT ONS - XXX/2016 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

4 1 Introdução Esta Nota Técnica tem por objetivo apresentar os benefícios obtidos durante a vigência do Horário de Verão HV 2015/2016, na operação eletroenergética dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste do Sistema Interligado Nacional SIN, além de áreas geoelétricas específicas devido, principalmente, à redução da demanda no período de ponta. A partir do Decreto Nº 6558 de 8 de Setembro de 2008, o Horário de Verão HV passou a ter caráter permanente, ocorrendo em período pré-determinado. Dessa forma, a vigência do HV 2015/2016 abrangeu o período da zero hora de 18 de outubro de 2015, até a zero hora do dia 21 de fevereiro de 2016, totalizando 126 dias. O Decreto nº 8.112/2013, de 30 de Setembro de 2013, excluiu o estado do Tocantins. Assim sendo o HV foi adotado nos seguintes estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, na região Sudeste, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal no Centro-Oeste; Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, na região Sul. 2 Considerações Gerais A duração do período de luminosidade natural varia segundo a latitude e a época do ano, apresentando variações mais significativas à medida que se desloca em direção ao sul do país, o que induz à utilização do HV visando o melhor aproveitamento da luz do dia durante o verão. A redução do consumo provocado pela defasagem de uma hora com a implantação do HV é explicada pelo deslocamento da entrada da carga de iluminação pública e residencial, evitando-se a coincidência com a carga dos consumos comercial e industrial, cuja redução normalmente se inicia após as 18 horas. A superposição desses consumos, sem o HV, causa o aumento da demanda no horário de ponta com reflexos na segurança operacional dos estados dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. Portanto, durante a vigência do HV, a demanda na hora da ponta noturna diminui, permanecendo reduzida de seu início até o término do HV, quando então, a mesma se eleva. Assim, a diferença entre os valores verificados da demanda noturna com e sem a vigência da medida representa o benefício para o sistema elétrico. No princípio do dia, se há pouca luminosidade, a carga também aumenta, embora em escala menor, uma vez que a população acorda e consome energia. Esse efeito é mais visível na curva de carga dos subsistemas ao término do HV. As figuras 1 e 2 ilustram as condições de luminosidade no Brasil, no horário das 6 horas da manhã, com e sem o Horário de Verão, no dia previsto do fim da medida, 21/02/2016. A população do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil convive às 6 horas da manhã ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 4/ 21

5 com menor luminosidade com o HV. No entanto, essa condição de pouca luminosidade ao acordar, no horário das 6 horas da manhã, no SE, Sul e estados do Centro-Oeste onde o HV é adotado, é a rotina sem o HV, desde meados de maio até o final de agosto, conforme se observa na Figura 3 e 4. Figura 1 - Brasil às 6 horas da manhã com HV no dia 21/02/2016 Figura 2 - Brasil às 6 horas da manhã sem HV no dia 21/02/2016 Figura 3 - Brasil às 6 horas da manhã sem HV no dia 15/05/2016 Figura 4 - Brasil às 6 horas da manhã sem HV no dia 15/08/2016 O anoitecer no dia 21/02/2016, às 19 horas no fim da implantação do Horário de Verão, ilustrado na Figura 6, apresenta luminosidade diurna, que motiva a redução da ponta nos subsistemas Sul, Sudeste e Centro-Oeste, devido ao deslocamento da entrada da carga de iluminação pública e residencial. Dessa forma, é evitada a sua coincidência com a carga dos consumos comercial e industrial, cuja redução normalmente se inicia após as 18 horas. Sem o HV, a luminosidade das 19 horas já é menor, no Sudeste e Nordeste, o conforme se observa na Figura 7. No entanto em parte do Norte e Centro-Oeste e na totalidade do Sul ainda há luminosidade diurna, às 19 horas. Figura 6 - Brasil às 19 horas com HV em 21/02/2016 Figura 7 - Brasil às 19 horas sem HV em 21/02/2016 ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 5/ 21

6 3 Conclusões 3.1 Constata-se que a adoção do HV, pelo fato do mesmo aproveitar a extensão do período de luz natural, tem efeito mais acentuado na demanda do horário de ponta. 3.2 Pelo exposto, o término do HV é conveniente pelas condições de luminosidade do amanhecer na época prevista, dado que sua prorrogação conduziria a um certo desconforto para a população por estender a condição de menor luminosidade pela manhã por um maior período. 3.3 Devido à implantação do HV, a variação da demanda na hora da ponta de carga foi estimada em MW no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e em 648 MW no subsistema Sul, correspondendo a uma redução de 4,5%, e de 5,0%, respectivamente, de suas cargas totais. As Figuras 8 e 9, a seguir, ilustram as reduções estimadas, no início da vigência dessa medida, para os dois subsistemas brasileiros, nos quais o HV foi adotado. Figura 8: Redução da demanda na hora da ponta do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 6/ 21

7 Figura 9: Redução da demanda na hora da ponta do Subsistema Sul 3.4 A estimativa de redução do consumo de energia foi de 260 MWmed, sendo 200 MWmed no subsistema SE/CO, 60 MWmed no subsistema Sul, o que representa 0,5% da energia consumida nesses Subsistemas, durante a vigência do HV 2015/ Do ponto de vista da segurança operacional do sistema, a implantação do Horário de Verão é relevante pela redução de demanda proporcionada na hora da ponta noturna de carga. Tal fato resultará em diminuição do carregamento das instalações de transmissão, maior flexibilidade no controle de tensão em condições normais de operação, com reflexos, principalmente, na segurança elétrica em situações de emergência, por minimizar ou mesmo evitar a necessidade de corte de carga nessas situações. Assim, nesse contexto, pode-se destacar: i. Ganhos Energéticos A implementação do HV 2015/2016, nas Regiões Sudeste/C.Oeste e Sul, proporcionou uma economia de energia da ordem de 200 MWmed e de 60 MWmed, que se traduzem em ganhos de armazenamento de 0,4% e de 1,2 % da Energia Armazenada Máxima dos subsistemas Sudeste/C.Oeste e Sul, respectivamente. Destaca-se que, estes ganhos são relevantes, uma vez que estes armazenamentos adicionais contribuem para a garantia do atendimento energético ao longo de 2016, como também, em eventual redução do despacho futuro de geração térmica, com reflexos nas tarifas do consumidor final. ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 7/ 21

8 ii. Ganhos Econômicos O HV também proporcionou os seguintes ganhos referentes à redução no despacho de geração térmica para garantia de atendimento energético: Os ganhos referentes ao custo evitado para contornar riscos em equipamentos em regime normal de operação resultaram em benefícios econômicos, de R$ 51,5 milhões, com a redução de geração térmica por razões de segurança elétrica, no período de janeiro a fevereiro/2016. Desse total, R$ 4,5 milhões se referem ao despacho de térmica evitado nas usinas no subsistema Sul e R$ 47 milhões no subsistema Sudeste/Centro-Oeste; Além da redução de geração térmica para contornar os problemas apresentados, a redução do valor da carga esperada para a ponta do sistema irá proporcionar uma redução da necessidade de geração térmica para atendimento à ponta e para a manutenção da segurança operativa durante os grandes eventos que ocorreram durante o período, tal como o Réveillon. Os ganhos referentes ao custo evitado na ponta resultaram em benefícios econômicos para o SIN da ordem de R$ 111 milhões, que acrescidos aos custos evitados para a segurança elétrica, como mencionado anteriormente, totalizam uma economia de R$ 162,5 milhões. iii. Ganhos na Confiabilidade da Operação Elétrica Nas áreas geoelétricas compostas pelos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, os benefícios preponderantes foram relacionados à redução dos carregamentos nos troncos de transmissão, refletindo em melhorias no controle de tensão, maior flexibilidade operativa para realização de manutenções em equipamentos do sistema de transmissão e na redução dos cortes de carga em emergências, proporcionando aumento de segurança no atendimento ao consumidor final. iv. Ganhos de Investimento Evitado Os ganhos referentes à racionalização de investimentos em geração e/ou transmissão para o atendimento ao aumento de carga do período de verão, podem ser traduzidos pelo custo evitado de investimento na construção de térmicas a gás natural (US$750/kW) para atender à ponta, o equivalente da ordem de US$ 2 bilhões ou R$ 7,7 bilhões no SIN. 3.6 Pelo exposto, constata-se que a adoção do HV traz benefícios para a operação do sistema, principalmente devido à redução da demanda no horário de ponta noturna. Para o consumidor final, o benefício, além dos ganhos de lazer, turismo e segurança, pode ser traduzido no aumento evitado na tarifa. Esse benefício pode ser avaliado, também, como decorrente da postergação de investimentos para atender o acréscimo na demanda no horário de ponta noturna bem como, para ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 8/ 21

9 garantia da confiabilidade em determinadas áreas do SIN como na redução (ou até mesmo eliminação) de cortes de carga em emergências. 4 Resultados Obtidos Para a quantificação dos resultados alcançados com o HV , as curvas utilizadas para o cálculo da redução de demanda na hora da ponta noturna para os subsistemas Sudeste/C.Oeste e Sul foram obtidas a partir de curvas verificadas de carga horária do histórico, com e sem a adoção da medida, ajustadas para o nível da carga verificado no período de meados de outubro de 2015 a meados de fevereiro de Para a quantificação da redução estimada da carga de energia devido à implantação do HV, foi considerada a redução média de 0,5% da carga de energia mensal do período. Cabe ressaltar que, as curvas de carga, principalmente do subsistema SE-CO, vêm sofrendo alterações em seu perfil, através de ações de gerenciamento da demanda pelos agentes, de modo a torná-las mais planas, minimizando picos de carga e/ou completando vales de modo a suavizar as grandes variações. Como consequência, há mudança nos perfis das curvas de carga de modo que, se minimizam investimentos em transmissão e geração, fato de grande interesse para o setor elétrico do país. Destaca-se que o HV é uma ação cujo efeito esperado é a redução do consumo no período de ponta noturna. A Tabela 1 resume as reduções de demanda pela implantação do HV 2015/2016. Tabela 1: Redução de Demanda com a implantação do Horário de Verão nos Subsistemas brasileiros ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 9/ 21

10 Os valores da redução verificada na ponta de carga e na carga de energia nos subsistemas foram quantificados através de avaliação comparativa, bem como pela discriminação de benefícios eletroenergéticos, sendo os mesmos apresentados na Tabela 2. Tabela 2: Quantificação das Reduções de Carga Advindas do HV NA PONTA SE/CO A redução de MW equivale a aproximadamente à carga de uma e meia cidade de Brasília no horário de ponta noturna. Permite a racionalização de investimentos em geração para o atendimento ao aumento de carga do período de verão. Evita o investimento pela construção de uma térmica a gás natural (US$750/kW), para atender à ponta noturna, da ordem de US$ 1,5 bilhões ou R$ 5,7 bilhões*. SUL A redução de 648 MW equivale aproximadamente à 75% da carga da cidade de Curitiba, no horário de ponta noturna. Evita o investimento pela construção de uma usina térmica a gás natural (US$750/kW), para atender à ponta noturna, da ordem de US$ 500 milhões ou R$ 2 bilhões*. * - conversão US$ para R$ a partir do valor médio da taxa de câmbio no período de outubro/2015 a fevereiro/2016, obtido no site do Banco Central - NA ENERGIA Durante a vigência do HV a redução de 200 MWmed, a cada mês, no período do HV, equivale aproximadamente ao consumo médio mensal da cidade de Brasília. SE/CO O benefício energético com a implantação do HV durante todo o período de vigência da medida, mantida a mesma redução média de energia nos 126 dias da vigência do HV 2015/2016, foi da ordem de 606 GWh, correspondente a um aumento da ordem de 0,4% do armazenamento desse subsistema. Durante a vigência do HV a redução 60 MWmed, a cada mês, no período do HV, equivale aproximadamente à 60% do consumo médio mensal da cidade de Curitiba. SUL O benefício energético com a implantação do HV durante todo o período de vigência da medida, mantida a mesma redução média de energia nos 126 dias da vigência do HV 2015/2016, foi da ordem de 190 GWh, correspondente a um aumento de 1,2% do armazenamento desse subsistema. 5 Benefícios para o Sistema Elétrico As reduções na demanda máxima instantânea noturna, com a implantação do horário de verão, trouxeram os seguintes benefícios de natureza qualitativa: ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

11 a) Aumento da qualidade e segurança do fornecimento de energia elétrica ao consumidor final através do aumento da confiabilidade do SIN, permitindo que determinadas áreas geoelétricas passassem a suportar a indisponibilidade de equipamentos do sistema de transmissão sem que houvesse a necessidade de corte de carga. Estes benefícios são acentuados nas regiões típicamente de veraneio, litorâneas e serranas, em função do aumento de consumo decorrentes da maior atividade turística; b) Aumento da flexibilidade operativa em função dos menores carregamentos proporcionados nos equipamentos do sistema de transmissão; c) Redução no consumo de potência reativa durante a transição dos períodos de carga média para pesada, o que evita o esgotamento dos recursos de controle de tensão em algumas áreas, em função da defasagem entre o horário da entrada das cargas de iluminação (que se caracterizam pelo baixo fator de potência) e o período de transição da carga média para a pesada; d) Flexibilização para a execução de serviços de manutenção que passam a ser realizados com o dia ainda claro nas instalações de geração e transmissão, devido à maior duração do período de luminosidade natural e ao deslocamento do horário de ocorrência de demanda máxima. 5.1 Regiões Sul/Sudeste/Centro-Oeste Área Brasília A redução de demanda para esta área, proporcionada pelo HV, foi da ordem de 50 MW. Tal medida foi um importante fator para minimizar os problemas de corte de carga decorrentes da possibilidade de atuação de Sistema Especiais de Proteção (SEP) em situações de contingências duplas no sistema de 345 kv de atendimento à Brasília Área Goiás A redução de demanda proporcionada pelo HV para esta área foi da ordem de 88 MW. Essa redução proporcionou benefícios para o atendimento à grande Goiânia, tendo em vista o esgotamento da rede de transmissão atual, principalmente, no que diz respeito aos transformadores de fronteira 230/138 kv da SEs Xavantes, Anhanguera e Pirineus, bem como da linha de 230 kv Pirineus - Xavantes, tanto em regime normal de operação, como nas situações de contingência. A adoção do HV também contribuiu para a melhoria no perfil de tensão de toda a rede de transmissão da região Norte de Goiás que atualmente não atende aos requisitos mínimos preconizados nos Procedimentos de Rede. ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

12 A redução da demanda no período do HV foi fundamental para se evitar a possibilidade de geração térmica da ordem de 18 MW na UTE Xavantes, de janeiro a fevereiro/2016, com um custo estimado de cerca de R$ 13,5 milhões, para eliminar as sobrecargas apontadas na transformação 230/138 kv de Xavantes Área Rio de Janeiro/Espírito Santo Para os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, a redução na demanda no horário de ponta noturna foi de 400 MW, sendo 323 MW somente no estado do Rio de Janeiro, com reflexos na melhoria do controle de tensão e redução do carregamento das principais transformações de fronteira com a Rede Básica, aumentando a confiabilidade no atendimento aos consumidores da área Rio de Janeiro Espírito Santo (RJ-ES). Essa redução da demanda minimizou o risco de atuação dos esquemas especiais de proteção (SEP) da área RJ-ES em função de contingências duplas de linhas que utilizam a mesma faixa de servidão ou que correm na mesma torre, ou na indisponibilidade de uma das usinas nucleares de Angra. Esses esquemas tem a finalidade de manter a integridade e estabilidade da área RJ-ES através de cortes de cargas (de até 1500 MW) na Ampla, Escelsa e Light. A principal restrição no sistema de transmissão de atendimento aos consumidores localizados no Rio de Janeiro está associada à transformação 500/138 kv 4x600 MVA da SE São José que poderia apresentar, no verão 2015/2016, carregamentos próximos do nominal e sobrecargas inadmissíveis na contingência de um dos bancos dessa transformação. Em relação à transformação 345/138 kv - 5x225 MVA da SE Jacarepaguá, observa-se que nesse verão essa transformação poderia apresentar carregamentos elevados em regime normal de operação e sobrecargas inadmissíveis em situações de contingências (perda da LT 500 kv Adrianópolis Grajaú ou de um dos transformadores). Neste contexto, a implantação do Horário de Verão trouxe significativos benefícios, uma vez que reduziu a demanda da área Rio de Janeiro em cerca de 4,6%. Com a adoção, haverá redução da necessidade de geração térmica por razões elétricas de cerca de 132 MW, nos horários de cargas pesada e média nas UTE Santa Cruz e UTE Barbosa Lima Sobrinho, e uma redução de 90 MW, também no horário de carga pesada, na UTE Governador L. Brizola, para controle do carregamento nas transformações anteriormente mencionadas. A redução de 222 MW ( na necessidade de geração térmica nas usinas mencionadas representou uma economia de cerca R$ 27,5 milhões. Em relação à área Espírito Santo, a implantação do Horário de Verão traz significativos benefícios, uma vez que reduz a demanda dessa área em cerca de ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

13 4,3%. Assim, com a adoção do HV haverá a possibilidade de redução da necessidade de geração térmica por razões elétricas, de cerca de 90 MW nas usinas termelétricas de Mário Lago e Norte Fluminense nos horários de cargas pesada e média para controle do carregamento na transformação 500/345 kv 900 MVA da SE Viana 2 em situações de contingência. Esta redução implica numa economia de cerca de R$ 6 milhões Área Minas Gerais A redução de 350 MW na demanda da área Minas Gerais resultou em maior flexibilidade operativa para atendimento à Região Central do estado, tanto em condições normais de operação, como em condições de emergência. Também permitiu viabilizar uma maior exploração da geração nas usinas do Rio Paranaíba, simultaneamente com recebimentos da região Norte/Nordeste, dado que o HV permite redução na carga e consequentemente no carregamento das linhas de 500 kv e 345 kv de suprimento à região Central de Minas Gerais Área São Paulo Para o estado de São Paulo, a redução verificada na demanda no horário de ponta foi de 966 MW, com reflexos na melhoria do controle de tensão, redução do carregamento das transformações da Rede Básica de Fronteira que se encontram atualmente muito próximas às suas capacidades nominais. Esta redução da demanda acarretou uma melhoria da confiabilidade de atendimento aos consumidores da área, reduzindo o risco de atuação dos esquemas de corte de carga. Ressalta-se que alguns equipamentos da área São Paulo estão operando com carregamentos elevados em regime normal de operação, tais como: SE Norte 1 345/88 kv - 2x400 MVA que tem como solução estrutural a implantação de uma terceira unidade ainda sem outorga; SE Sul 1 345/88 kv - 2x400 MVA que ainda não possui solução estrutural; SE Taubaté 440/230 kv MVA que tem como solução estrutural sua substituição por duas unidades de 750 MVA, sendo a primeira unidade prevista para julho de 2017 e a segunda unidade para novembro de 2017; SE Atibaia 345/138 kv 400 MVA que tem como solução a SE Água Azul 440/138 kv 2x300 MVA, que possibilitará transferências de carga para alívio da transformação citada, ainda sem outorga definida; LT 345 kv Baixada Santista Sul, em cenários de elevado recebimento pela região Sudeste, que terá como solução estrutural o seccionamento da LT 345 kv ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

14 Embu Guaçu Baixada Santista, outorgada à CTEEP, e atualmente prevista para 10 meses após LI. Nesse contexto a utilização do HV contribuiu significativamente para reduzir os riscos de corte de carga nas regiões supracitadas e na região do Vale do Paraíba Área Mato Grosso A redução de demanda proporcionada pelo HV para esta área foi de 56 MW e impactou diretamente o carregamento nas principais fontes de suprimento ao anel de Cuiabá, destacando as subestações de Coxipó 230/138 kv 5 x 100 MVA, que atualmente encontra-se com a capacidade esgotada, e as subestações de Várzea Grande 230/138 kv 1 x 150 MVA e de Rondonópolis 230/138 kv 2 x 100 MVA. Ressalta-se que a adoção do HV reduziu os riscos de sobrecarga na transformação de Coxipó Área Mato Grosso do Sul A redução de demanda proporcionada pelo HV para esta área foi de 38 MW, promovendo uma melhoria no controle de tensão e carregamento no sistema de distribuição da Energisa MS, com impactos nas transformações de fronteira com a Rede Básica, com destaque para os TR 230/138 kv da SE Dourados, em situações de indisponibilidade/contingência simples de uma unidade paralela em cenários de geração reduzida nas usinas de biomassa dessa região, a qual não se verificou durante este período. 5.2 Região Sul Área Rio Grande do Sul A redução na demanda da ordem de 259 MW nesta área, se traduziu em elevação da confiabilidade de suprimento à mesma, em função do aumento na margem de segurança no atendimento às cargas, permitindo reduções nos cortes de carga ou geração térmica adicional, quando de contingências nas redes de 525 kv e 230 kv deste estado. Por razões de atendimento sistêmico ao estado do Rio Grande do Sul, não se esperaria a necessidade de sincronização da UTE Sepé Tiarajú, mesmo sem o HV. Considerando a indisponibilidade das LT de 230 kv Guaíba 2 Porto Alegre 9 e Guaíba 2 Cidade Industrial e P. Médici Santa Cruz (desde de 14/10/2015) foi possível prescindir de uma unidade geradora da fase C (175 MW) da UTE Candiota ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

15 3 por razões elétricas locais para a região Sul do RS nos meses de dezembro a fevereiro/2016, representando uma economia de cerca de R$ 2,5 milhões. Deve-se ainda registrar a redução dos carregamentos nas transformações 230/13,8 kv de Porto Alegre 6 e 13, das transformações 230/69 kv das SEs Porto Alegre 6 e Porto Alegre 10, da transformação 230/23 kv Gravataí 2 e da transformação 230/138 kv de Pelotas 3, sujeitas a sobrecarga, já em regime normal. Adicionalmente, foram obtidas reduções nos montantes de corte de carga em situações de indisponibilidade/contingência em uma unidade das seguintes transformações: TRs 230/138 kv de Pelotas 3, Presidente Médici e Lagoa Vermelha 2, TRs 230/69 kv Gravataí 3, Guaíba 2, Guarita, Porto Alegre 6, Porto Alegre 10, São Borja 2, Bagé 2, Camaquã, Charqueadas, Farroupilha, Livramento 2, Venâncio Aires, Santa Marta, Santa Rosa 1 e Garibaldi, assim como outras transformações que atendem à carga de forma radial. Durante o horário de verão, no período esperado de redução de carga (carga pesada), ocorreram contingências que levaram ao corte carga de aproximadamente 150 MW, o qual poderia ser 5% maior na ausência do horário de verão Área Santa Catarina A diminuição de demanda da ordem de 170 MW, proporcionou a redução do carregamento do sistema de atendimento à região metropolitana de Florianópolis, reduzindo a exposição a possíveis cortes de carga em situações de contingência. Desta forma, com a adoção do Horário de Verão evitou-se a sincronização de uma unidade geradora (1 x 80 MW) na UTE J. Lacerda B, por razões elétricas locais, proporcionando uma economia da ordem de R$ 2 milhões. Também minimizou a possibilidade de corte de carga na contingência de um dos transformadores 230/138 kv da SE Xanxerê, a qual não se verificou durante este período Área Paraná A redução de demanda com a implantação do HV, da ordem de 219 MW, proporcionou benefícios no controle de tensão da região metropolitana de Curitiba, principalmente, quando de elevados intercâmbios entre as regiões Sul e Sudeste. Também proporcionou melhora no atendimento à região Norte do Estado. No que se refere a necessidade de despacho da UTE Araucária, não foram verificados valores de carga e de intercâmbio entre as regiões Sul e Sudeste que levassem seu despacho por restrições elétricas. Ressalta-se que mesmo ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

16 considerando cargas superiores às verificadas (cerca de 5% maior), na ausência do HV, não seria necessário o despacho desta UTE. O HV proporcionou, ainda, a redução de corte de carga na contingência das transformações 230/138 kv de Bateias, Foz do Iguaçu Norte, Sarandi e de outras transformações que atendem a carga de forma radial, quais sejam: TRs 230/34 kv das SEs P. Grossa Norte, P. Grossa Sul, São Mateus do Sul, TRs 230/13,8 kv das SEs Campo Comprido, Campo do Assobio, Cidade Industrial de Curitiba, Dist. Ind. São José dos Pinhais, Areia, Figueira, Gov. Parigot de Souza, Santa Quitéria e Uberaba. Durante o horário de verão, no período esperado de redução de carga (carga pesada), ocorreram contingências que levaram ao corte carga de aproximadamente 46 MW, o qual poderia ser 5% maior na ausência do horário de verão. ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

17 ANEXO I Figura 10: Efeito no Fim do HV 2015/2016 ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

18 Figura 11: Efeito no Fim do HV 2015/2016 ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

19 Figura 12: Efeito no Início do HV 2015/2016 ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

20 Figura 13: Efeito no Início do HV 2015/ MW 5% ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

21 Lista de figuras e tabelas Figuras Figura 8: Redução da demanda na hora da ponta do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste 6 Figura 9: Redução da demanda na hora da ponta do Subsistema Sul 7 Figura 10: Efeito no Fim do HV 2015/ Figura 11: Efeito no Fim do HV 2015/ Figura 12: Efeito no Início do HV 2015/ Figura 13: Efeito no Início do HV 2015/ Lista de figuras e tabelas 20 Tabelas Tabela 1: Redução de Demanda com a implantação do Horário de Verão nos Subsistemas brasileiros 9 Tabela 2: Quantificação das Reduções de Carga Advindas do HV ONS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/ / 21

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

TÉRMINO DO HORÁRIO DE VERÃO 2013/2014

TÉRMINO DO HORÁRIO DE VERÃO 2013/2014 TÉRMINO DO HORÁRIO DE VERÃO 2013/2014 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2014/ONS Todos os direitos

Leia mais

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2015/ONS

Leia mais

ESTIMATIVA DOS BENEFÍCIOS COM A IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2016/2017

ESTIMATIVA DOS BENEFÍCIOS COM A IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2016/2017 ESTIMATIVA DOS BENEFÍCIOS COM A IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2016/2017 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 21/01/2017 a 27/01/2017 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 14 a 20/01/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 Revisões do relatório Minuta emitida em 22/09/2016 Seção páginas descrição Versão Final

Leia mais

Permanente Programável Rotina Computacional

Permanente Programável Rotina Computacional Número do SEP 1.13.01 Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Status Habilitado Nome Emissão: 06/07/2004 Esquemas de Alívio de Carregamento da Transformação 345/138 kv 5x150 MVA

Leia mais

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc 2006/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 066/2006 C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc !" #$ "%&'" ( "#)*+,-+. -!++/+-0-$"%"*"1!/

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

Portal G1 (Globo.com) 11/02/2014 Governo desiste de estender horário de verão, diz ministro

Portal G1 (Globo.com) 11/02/2014 Governo desiste de estender horário de verão, diz ministro Portal G1 (Globo.com) 11/02/2014 Governo desiste de estender horário de verão, diz ministro http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/02/governo-desiste-de-estender-horario-de-verao.html O ministro de

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 10 a 16 de agosto, conforme a previsão, a atuação de duas frentes frias e de áreas de instabilidade voltou a ocasionar precipitação

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Somente no final da semana de 17 a 23 de agosto, uma frente fria conseguiu atingir a região Sul do país, ocasionando chuva fraca/moderada

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

Portal G1 (Globo.com) 05/02/2015 Governo estuda estender o horário de verão para economizar energia

Portal G1 (Globo.com) 05/02/2015 Governo estuda estender o horário de verão para economizar energia Portal G1 (Globo.com) 05/02/2015 Governo estuda estender o horário de verão para economizar energia http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/02/governo-estuda-estender-o-horario-de-verao-paraeconomizar-energia.html

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005. C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~

2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005. C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~ 2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005 C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~8766246.doc !" # $% "&'(" ) "$*+,-.,.*".$&/'-., 2.1 Conclusão Geral

Leia mais

São Paulo - SP - Brasil. Integração Técnico-Comercial: A utilização da geração própria do cliente em auxílio à segurança da rede elétrica da CELG D.

São Paulo - SP - Brasil. Integração Técnico-Comercial: A utilização da geração própria do cliente em auxílio à segurança da rede elétrica da CELG D. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Integração Técnico-Comercial: A utilização da geração própria do cliente em auxílio à segurança

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. RESOLUÇÃO No 262, DE 13 DE AGOSTO DE 1998.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. RESOLUÇÃO No 262, DE 13 DE AGOSTO DE 1998. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO No 262, DE 13 DE AGOSTO DE 1998. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece a composição da Rede Básica dos sistemas elétricos interligados

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS Mário Daher 1 O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO - 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação Setor Ind e Abast Sul, Área Serv Públicos, Lote A 71215-000 Brasília DF tel

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL

CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO:

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO: 1. ECE Nº 5.34.01 2. Esquema de Corte de Carga por sobrecarga nos Transformadores 230/69 kv 2X100MVA da SE Pici II. 3. EMPRESA RESPONSÁVEL. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 5. FINALIDADE: Para

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA HÁ RISCO DE RACIONAMENTO? O título desta análise é a pergunta mais frequente neste início de 2013, e o objetivo deste artigo é aprofundar a discussão em busca de uma resposta. Desde setembro de 2012 há

Leia mais

2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata

2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata 2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata O procedimento inicial para a metodização proposta consiste no levantamento das linhas de transmissão existentes e das expansões previstas para a rede

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS Como pode cair no enem? (ENEM) Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste da Bahia.

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS DE GERAÇÃO DISPONÍVEIS PARA O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO

OTIMIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS DE GERAÇÃO DISPONÍVEIS PARA O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO O CAG CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO Autores: Roberto Gomes Peres Junior ONS Sérgio Luiz de Azevedo Sardinha ONS Ailton Andrade ONS 2 CONCEITUAÇÃO BÁSICA Margem de regulação: módulo da diferença entre

Leia mais

Outorga da Termelétrica: proposta da CSA. Julho 2016 thyssenkrupp CSA / Steel

Outorga da Termelétrica: proposta da CSA. Julho 2016 thyssenkrupp CSA / Steel Outorga da Termelétrica: proposta da CSA Julho 2016 thyssenkrupp CSA / Steel O Complexo Siderúrgico Eficiência na utilização dos recursos Capacidade de produção de 5 milhões de ton/ano Autossuficiente

Leia mais

2 Estudo de Caso Descrição da Empresa

2 Estudo de Caso Descrição da Empresa 2 Estudo de Caso Descrição da Empresa A Companhia estudada é uma empresa distribuidora de energia elétrica. Uma sociedade anônima de capital aberto, concessionária de Serviço Público de Energia Elétrica,

Leia mais

ENASE 2008 DESAFIOS PARA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HÍDRICA GRANDES APROVEITAMENTOS CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO

ENASE 2008 DESAFIOS PARA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HÍDRICA GRANDES APROVEITAMENTOS CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ENASE 2008 DESAFIOS PARA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HÍDRICA GRANDES APROVEITAMENTOS CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO JOSÉ CLÁUDIO CARDOSO PRESIDENTE OUTUBRO/2008 CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

INFLUENCE OF ITAIPU HVDC ON POWER SYSTEM DYNAMIC PERFORMANCE

INFLUENCE OF ITAIPU HVDC ON POWER SYSTEM DYNAMIC PERFORMANCE INFLUENCE OF ITAIPU HVDC ON POWER SYSTEM DYNAMIC PERFORMANCE Rui Jovita G. C. da Silva Jose Maria Sanchez Tilleria ITAIPU BINACIONAL Introdução Nos setores de 50 Hz e 60 Hz de Itaipu existem registradores

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A

Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim EDP Bandeirante Empresa Bandeirante

Leia mais

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes Belo Horizonte/MG Setembro 2007 Paulo da Silva Capella G E R E N T E D E P R O J E T O Autores Paulo

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2014

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 8, PLD Médio /214 8 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 7, 7 6, 6 5, 4, 3, 2, 1,, MÉDIA SEMANA 1 29/ a 5/ NORTE SEMANA 2 6/ a 12/ SEMANA 3 13/ a 19/

Leia mais

Permanente Fixa Eletromecânica

Permanente Fixa Eletromecânica Número do SEP 6.16.01 Categoria do esquema Alívio de carga Empresa responsável Status Habilitado Nome Emissão: Janeiro/2004 Esquema de preservação de carga das áreas Goiás e Brasília para perda das 2 LT's

Leia mais

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL Fredner Leandro Cardoso CPFL Paulista Campinas SP RESUMO Manobra Encadeada é um sistema de manobras

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda Gestão de Energia pelo Lado da Demanda A participação do Consumo na Gestão Energética Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores Vitória, 27 de novembro de 2015 Marco Antonio Siqueira Necessária maior

Leia mais

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL JANEIRO/2006 CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO TÍTULO

Leia mais

Relação e detalhes das 14 linhas e três subestações que serão leiloadas pela Aneel

Relação e detalhes das 14 linhas e três subestações que serão leiloadas pela Aneel Relação e detalhes das 14 linhas e três subestações que serão leiloadas pela Aneel LOTE A Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por: LT Jauru (MT) Vilhena (RO) 230 354 LT Vilhena (RO)

Leia mais

COS-ABENGOA EXPERIÊNCIA DA ABENGOA NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE OPERAÇÃO DE SISTEMA

COS-ABENGOA EXPERIÊNCIA DA ABENGOA NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE OPERAÇÃO DE SISTEMA 1 Abílio José da Rocha Cardoso Alex de Lima e Silva Francisco de Assis Pereira Marcelo Vargas Rêdes Ricardo Pereira Grumbach Vanessa Alves dos Santos M. Maria ATE Transmissora de Energia S.A. 2 Concessionárias

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT 6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT O presente capítulo tem como objetivo determinar o mercado potencial de energia elétrica deslocado da concessionária pública de distribuição

Leia mais

NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias

NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias São Paulo, 23 de setembro de 2004 2 SUMÁRIO O modelo do setor para as fontes

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Aula 3.1 Tópico da Aula: Estudo e Projeção da Demanda de Energia Elétrica

Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Aula 3.1 Tópico da Aula: Estudo e Projeção da Demanda de Energia Elétrica Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Aula 3.1 Tópico da Aula: Estudo e Projeção da Demanda

Leia mais

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Belo Horizonte, MG 20 de agosto de 2008 Fábio Medeiros Sumário Situação atual da energia eólica no mundo. Situação e perspectivas da energia eólica no Brasil. Primeiras

Leia mais

A CO-GERAÇÃO E O PROGRAMA PRIORITÁRIO DE TERMELETRICIDADE

A CO-GERAÇÃO E O PROGRAMA PRIORITÁRIO DE TERMELETRICIDADE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA EXPOSIÇÃO E SEMINÁRIO INTERNACIONAIS A CO-GERAÇÃO E O PROGRAMA PRIORITÁRIO DE TERMELETRICIDADE Junho / 2002 GILSON FRANÇA 1 SUMÁRIO 1. LEGISLAÇÃO - LEIS - DECRETOS - PORTARIAS - RESOLUÇÕES

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético ENERGIA ASSEGURADA GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético PARA QUE SERVE Garantia Física Lastro Placa Energia passível de comercialização Principal fonte de rendimento

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO A recente crise hídrica que tem afetado as principais bacias hidrográficas das regiões SE/CO e NE no que concerne à operação de seus aproveitamentos

Leia mais

Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009

Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009 Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009 ILUMINA. Análise do ilumina sobre o apagão de 10 de novembro de 2009. Disponível em http://www.ilumina.org.br/zpublisher/materias/noticias_comentadas.asp?id=19494

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014

Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014 Dezembro/214 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA

Leia mais

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013.

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013. Estudo de Perfil do Consumidor Potencial Brasil - Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/ Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM Francisco Benedito da Costa Barbosa Sócio Presidente IPADES Na nova conjuntura do século XXI,

Leia mais

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos.

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL?

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? Mario Veiga mario@psr-inc.com Institute of the Americas Mesa Redonda sobre Energia no Brasil Rio de Janeiro, 1 de abril de 2011 A pergunta que não quer calar Dado

Leia mais

CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012

CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012 CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012 2010/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 127/2010 CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais