FÓRUM LIXO & CIDADANIA RIO DE JANEIRO Os Rumos da Coleta Seletiva Boas Práticas e Indicadores de Sustentabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM LIXO & CIDADANIA RIO DE JANEIRO Os Rumos da Coleta Seletiva Boas Práticas e Indicadores de Sustentabilidade"

Transcrição

1 FÓRUM LIXO & CIDADANIA RIO DE JANEIRO Os Rumos da Coleta Seletiva Boas Práticas e Indicadores de Sustentabilidade AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DAS ORGANIZAÇÕES DE CATADORES DOS MUNICÍPIOS DO RIO DE JANEIRO E BAIXADA Ubirajara Mattos Set/2008

2 Estrutura da apresentação A PESQUISA CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA ESTUDADA SOBRE O PERFIL DO(A) TRABALHADOR(A) CONDIÇÕES DE TRABALHO FATORES DE RISCOS IDENTIFICADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS AGRADECIMENTOS

3 A PESQUISA Título: AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES SEGURANÇA DO TRABALHO EM COOPERATIVAS E ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DOS MUNICÍPIOS DO RIO DE JANEIRO E DA BAIXADA FLUMINENSE Objetivos: - Investigar as condições de segurança do trabalho em uma amostra de associações e cooperativas de catadores do município do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense; - Propor recomendações voltadas para a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais.

4 A PESQUISA Metodologia - Estudo realizado em uma amostra de 10 organizações, em processo de cadastramento junto à SEA/RJ. - Instrumentos aplicados na pesquisa de campo: a) Questionário aplicado em uma amostra de 5 trabalhadores de cada organização; b) Roteiro para o mapeamento de riscos nos locais de trabalho. Impacto social - Contribuir para a melhoria das condições de trabalho e com informações para viabilizar o cadastramento dessas organizações, junto a SEA/RJ, implementando o Decreto Estadual n o , de 08/03/2007 e ampliando o número de organizações de caráter autogestionário com condições de participar do programa de coleta seletiva solidária.

5 A PESQUISA Equipe - Ubirajara A. O. Mattos (UERJ) - Elmo Rodrigues da Silva (UERJ) - Júlio Domingos Nunes Fortes (UERJ) - Polita Gonçalves (SEA/RJ) - Jorge A da Silva Sandins (ENSP/FIOCRUZ) - Cristiane Schuch Pinto (ENSP/FIOCRUZ) - Marina de Oliveira Frota (CESA/UERJ) - Agnaldo Borel (CESA/UERJ)

6 Organizações Estudadas CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA ESTUDADA Localização N o de associados Modo de coleta Materiais processados Fornecedores A Baixada 20 caminhão Papel, papelão, plástico,vidro, metais, ferro B Rio de Janeiro 21 Carro PET, papelão, Papel C Baixada 75 caminhão Papel, papelão, Metais,vidro,plástico Casas,colégios, repartições, bancos e indústrias Moradores do bairro e rua Aterro de Gramacho D Rio de Janeiro 44 caminhão - Aterro E Rio de Janeiro 26 caminhão Plásticos, papel, Condomínios, Papelão, vidro, Garrafas de óleo lubrificante Escolas, industria Escritórios, comércio, repartições públicas, F Rio de Janeiro 170 caminhão Plásticos, papel, Papelões, metais Comlurb G Rio de Janeiro 17 Kombi, carrinhos, caminhão H Rio de Janeiro 20 Caminhão e carrinho I Rio de Janeiro - Carrinhos e carroças Papel, jornal, Garrafas PET, plástico Vidro, papel, plástico duro, plástico mole, PET PET, papelão, latas e materiais de alumínio, jornais e plásticos Comlurb Residências e Comunidades próximas Rua J Rio de Janeiro - Carrinho Papel, papelão, metais -

7 SOBRE O PERFIL DO(A) TRABALHADOR(A) Organização Sexo idade escolaridade estado civil renda dependentes A Feminino (100%) 45 a 55 anos Até 2 o grau incompleto(50%) Solteira(100%) R$320,00 a R$ 415,00 60% B Masculino (100%) 25 a 35 anos 1 o grau incompleto (75%) Casado (50%) R$360,00 a R$400,00 75% C Masculino (80%) 30 a 45 anos Até 2 o grau incompleto Casado R$400,00 a R$500,00 80% D Feminino Acima de 50 anos 1 o grau incompleto(67%) Casada (34%) R$200,00 a R$450,00 E Feminino 40 a 60 Até 2 o grau Solteira R$700,00 a 87,5% (100%) anos(50%) incompleto(75%) (87,5%) R$ % F Feminino 30 a 40 anos (80%) 1 o grau incompleto Casada R$1.000 e R$ % G Masculino Entre 30 e 40 anos 1 o grau incompleto Casado - 80% H Masculino (100%) 20 a 30 anos(50%) 1 o grau incompleto (50%) Casado (50%) - 50% I Masculino (67%) 35 a 50 anos(83%) 2 o grau incompleto (67%) Solteiro (100%) - 83% J Masculino (100%) 35 a 45 anos (100%) Até 1 o grau incompleto(67%) Solteiro (67%) R$350,00 a R$450,00 67%

8 CONDIÇÕES DE TRABALHO Organização Carga de trabalho diária Esforço físico excessivo Sinais/ sintomas Doença adquirida no trabalho Acidente de trabalho EPI (uso) A 9 h (80%) 100% 100% 20% Não 60% B 9 h (75%) - 75% % C 10h (80%) 40% 100% 20% 20% 80% D 10h 100% 80% 80% 80% 100% E 8h (100%) 100% 40% - 20% 80% F 9h (100%) 20% 80% % G 8h (100%) 60% % H 8h (75%) 75% 100% % I 10h (67%) 100% 83% 50% 50% 67% J 6h (33%) 67% 67% %

9 Condições de saúde e segurança no trabalho: percepção dos(as) trabalhadores (as) Organização Insalubre/perigoso A Perigoso (80%), insalubre B - C Insalubre, perigoso (40%) D E 100% ambos 60% ambos F - G Ambos (40%) H Ambos 40% I 67% ambos J Insalubre (33%)

10 FATORES DE RISCOS IDENTIFICADOS - 1 Organização Físicos Químicos Biológicos Ergonômicos Acidentários A Calor, ruído, radiação solar gases Material cirúrgica, animais mortos Posturas, erguimento, Maquinas sem proteção B Poeiras, particulados Postura Material perfuro-cortante, desprendimento de material na prensa C Ruído, calor Solventes, vapores Material contaminado Postura, repetitividade Equipamentos defeituosos, queda de nível, impactos de objetos D Ruídos Gases, pilhas e baterias Vetores transmissores Iluminação, sinalização(falta), máquinas sem proteção, materiais perfuro-cortantes E Ruído, calor e umidade Poeira, produtos químicos, gases Vírus, fungos, protozoários e bactérias Esforço, postura, levantamento manual, jornada, fadiga e stress Treinamento (falta), insetos, animais peçonhentos, iluminação, equipamentos/ferramentas F Ruído, umidade Gases, vapores, substâncias tóxicas, partículas, Bactérias, protozoários Controle rígido produtividade, postura, repetitividade, movimentação manual Máquinas sem proteção, vãos sem proteção (queda), materiais perfuro-cortantes, iluminação, diferença de níveis (queda), ferramentas, instalação elétrica exposta

11 FATORES DE RISCOS IDENTIFICADOS - 2 G Exposição ao tempo Poeira, pilhas e baterias, óleos e graxas, solventes tintas, produtos de limpeza, remédios, cosméticosaer ossóis, pesticidas Vírus, bactérias, protozoários, fungos, parasitas, bacilos Odores, esforço, posturas, ritmos excessivos, jornadas, monotonia, repetitividade, Objetos perfuro-cortantes, diferença de níveis (queda), armazenamento, H Ruído, Poeira, Insetos, Equipamentos Materiais perfurovibração, substâncias microorganismos inadequados cortantes, levantamento de calor tóxicas peso. I Calor,ruído, umidade, radiação solar Poeiras e gases Bactérias, fungos, material cirúrgico, animais mortos Esforço, levantamento/ transporte manual, postura, ritmos excessivos e jornadas prolongadas Iluminação, máquinas sem proteção, animais peçonhentos, atropelamentos. J Ruído, substâncias tóxicas posturas

12 CONSIDERAÇÕES FINAIS Níveis de necessidade variados Capacitação Assistência em saúde do trabalhador

13 Agradecimentos FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro

Mapa de Risco da Empresa :

Mapa de Risco da Empresa : Mapa de Risco da Empresa : Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Objetivos: A - O objetivo deste questionário é de reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da

Leia mais

PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994

PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155 e 200, item VI, da Consolidação das

Leia mais

Uso de catalisador, hexametileno, poeiras, fumos, vapores, gases etc. Arranjo físico inadequado, iluminação inadequada, queda de objeto etc.

Uso de catalisador, hexametileno, poeiras, fumos, vapores, gases etc. Arranjo físico inadequado, iluminação inadequada, queda de objeto etc. AA DE RISCO ESTÃO 2012 AAZON SAND INDÚSTRIAL E COÉRCIO SETOR: LABORATÓRIO SÍBOLO QUÍICO BIOLÓICO ERONÔICO Ruído, calor, umidade etc. Uso de catalisador, hexametileno, poeiras, fumos, vapores, gases etc.

Leia mais

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/RADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO DE RAIOS-X Nome SIAPE Lotação Coordenação Cargo Telefone INFORMAÇÕES DO SERVIDOR Carga horária /

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Mapa de Risco

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Mapa de Risco MAPA DE RISCO - SUBSOLO Comissão Interna de Prevenção de - CIPA Mapa de Risco 0-06 Expediente Compras, Contratos e Convênios Almoxarifado Contabilidade Dep. Mat. Limpeza Limpadora Terceirizada Atendimento

Leia mais

Segurança do Trabalho na Construção Civil. Enga. Civil Olivia O. da Costa

Segurança do Trabalho na Construção Civil. Enga. Civil Olivia O. da Costa Segurança do Trabalho na Construção Civil Enga. Civil Olivia O. da Costa Qual a importância da Segurança do Trabalho na Construção Civil? A construção civil é o quinto setor econômico em número de acidentes

Leia mais

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/RADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO DE RAIOS-X Nome Fulano de Tal SIAPE 18246987 Lotação Coordenação Cargo Telefone (22)... Campos Itaperuna

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 02)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 02) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 02) Oficina 02 Ganhos Rápidos O que é Ganho Rápido (GR)? Resolução em curto prazo, de uma situação perigosa ou que polua o meio ambiente

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Vídeos de Integração https://www.youtube.com/ watch?v=wnxyae3zkgc https://www.youtube.com/ watch?v=nzfh56c-ods PREMISSAS BÁSICAS DA SEGURANÇA DO TRABALHO 1- A SEGURANÇA

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA. CONTEÚDO 13: Saúde e Segurança dos Trabalhadores

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA. CONTEÚDO 13: Saúde e Segurança dos Trabalhadores SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA CONTEÚDO 13: Saúde e Segurança dos Trabalhadores O TEMPLO DA SAÚDE Nosso corpo é uma máquina perfeita, mas exige manutenção Saúde enquanto patrimônio do trabalhador

Leia mais

CURSO DE SEGURANÇA DO TRABALHO RISCOS AMBIENTAIS E MAPA DE RISCOS

CURSO DE SEGURANÇA DO TRABALHO RISCOS AMBIENTAIS E MAPA DE RISCOS Sociedade de Ensino Regional Ltda SOER SOCIEDADE DE ENSINO REGIONAL LTDA Rua Ipiranga, 681 Nova York - Araçatuba SP - CEP 16018-305 Fone/Fax (18) 3625-6960/3117-7481/3117-7482 www.colegiosoer.com.br/ contato@colegiosoer.com.br

Leia mais

Avaliação dos riscos e níveis de tolerância dos laboratórios do curso de agronomia do IFC - Campus Rio do Sul

Avaliação dos riscos e níveis de tolerância dos laboratórios do curso de agronomia do IFC - Campus Rio do Sul Avaliação dos riscos e níveis de tolerância dos laboratórios do curso de agronomia do IFC - Campus Rio do Sul Mateus Guilherme de SOUZA, aluno (a) do IFC Campus Rio do Sul, curso Técnico em Agropecuária,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA MAPA DE RISCOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA MAPA DE RISCOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA MAPA DE RISCOS Autores: Professor: Cláudia Gonçalves de Azevedo Marina Damião Besteti Kallyu Manoel de Souza Luís Cláudio Lopes Outubro,

Leia mais

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA)

Riscos ambientais empresariais. 4.1 Programa de prevenção de acidentes (PPRA) Capítulo 4 Riscos ambientais empresariais Segundo o artigo 9.1.5 da Portaria n 25, de 29.12.94, do Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, considera-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos

Leia mais

Disciplina de Saúde do Trabalho

Disciplina de Saúde do Trabalho Disciplina de Saúde do Trabalho Angelica dos Santos Vianna 10 e 11 fevereiro 2011 NORMAS REGULAMENTADORAS Ministério Trabalho e Emprego - CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 33 NR Revogadas

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO. Riscos Ambientais

SEGURANÇA DO TRABALHO. Riscos Ambientais SEGURANÇA DO TRABALHO Riscos Ambientais Riscos Profissionais Os riscos profissionais são decorrentes de condições inseguras, ou seja, das condições precárias de trabalho, capazes de afetar a segurança

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 05 de Maio de 2016.

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ARAQUARI

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ARAQUARI LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ARAQUARI ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 02 de Fevereiro de 2016.

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ABELARDO LUZ

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ABELARDO LUZ LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ABELARDO LUZ ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, Abril 2017. SUMÁRIO 1

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 11 de Abril de 2017. SUMÁRIO

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS SOMBRIO

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS SOMBRIO LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS SOMBRIO ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau,03 de Setembro de 2014. Laudo

Leia mais

MBA em Gestão e Negócio em Saúde Gestão em Serviços Hospitalares Profa. Esp. Kelly Barros

MBA em Gestão e Negócio em Saúde Gestão em Serviços Hospitalares Profa. Esp. Kelly Barros FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Vice-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação MBA em Gestão e Negócio em Saúde Gestão em Serviços Hospitalares Profa. Esp. Kelly Barros 09/05/2014 a 10/05/2014

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS CONCÓRDIA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS CONCÓRDIA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS CONCÓRDIA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau,03 de Setembro de 2015. SUMÁRIO

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau,03 de Agosto de 2015.

Leia mais

Segurança no Trabalho

Segurança no Trabalho Apresentação Ronei Vagner Alves Técnico em Segurança no Trabalho 2007 Tecnólogo em Segurança no Trabalho 2012 Supervisor de Trabalho em Altura 2012 Supervisor de Espaço Confinado 2014 Prestador de serviços

Leia mais

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA Grupo 01 Riscos Físicos 01. Existe ruído constante no setor? 02. Existe ruído intermitente no setor? 03. Indique os equipamentos mais ruidosos: 04. Os funcionários utilizam Proteção

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BRUSQUE

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BRUSQUE LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BRUSQUE ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 08 de Junho de 2016. SUMÁRIO

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS LUZERNA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS LUZERNA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS LUZERNA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 11 de Agosto de 2015. SUMÁRIO

Leia mais

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE PALESTRA INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE P A L E S T R A N T E : E N G. º S É R G I O B A P T I S T A T A B O S A E N G E N H E I R O D E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O P E R I T O J U D I C I A

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Oficina Mecânica

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Oficina Mecânica Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Oficina Mecânica CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio Antônio

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO REITORIA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO REITORIA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO REITORIA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 28 de Abril de 2015. SUMÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 10 de Fevereiro de 2015.

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS VIDEIRA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS VIDEIRA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS VIDEIRA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 30 de Setembro de 2015. SUMÁRIO

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA N.º

NORMA REGULAMENTADORA N.º SUMÁRIO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA N.º 10 2. Formação profissional 2.1 Qualificação 2.2 Habilitação 2.3 Capacitação 2.4 Autorização 3. Medidas de controle

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCO O MAPA DE RISCOS

MAPEAMENTO DE RISCO O MAPA DE RISCOS Professor: Eng. Alexandre Dezem Bertozzi MAPEAMENTO DE RISCO Percebeu-se, na década de 70, a necessidade de se criar uma nova metodologia que mapeasse os riscos ambientais dos locais de trabalho. Esse

Leia mais

PPRA: Equívocos Comuns na Elaboração

PPRA: Equívocos Comuns na Elaboração XXXI Jornada Paranaense de Saúde Ocupacional, IV Congresso Paranaense de Medicina do Trabalho II Encontro Iberoamericano II Simpósio Paranaense de Higiene Ocupacional PPRA: Equívocos Comuns na Elaboração

Leia mais

Magnífico(a) Reitor(a),

Magnífico(a) Reitor(a), REQUERIMENTO DE CONCESSÃO DE ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE, IRRADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO POR TRABALHO COM RAIO-X OU SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS Magnífico(a) Reitor(a), O servidor(a) abaixo

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS RIO DO SUL UNIDADE URBANA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS RIO DO SUL UNIDADE URBANA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS RIO DO SUL UNIDADE URBANA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 22 de Abril

Leia mais

Enfª Jeane A.G.Bronzatti COREN-SP. Nº23.219

Enfª Jeane A.G.Bronzatti COREN-SP. Nº23.219 Enfª Jeane A.G.Bronzatti COREN-SP. Nº23.219 Julho - 2010 Colabora dor Na análise da relação TRABALHO X SAÚDE = DOENÇA/ INCAPACITAÇÃO ERGONOMIA DEFINIÇÃO A Ergonomia pode ser definida como o estudo

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais

(Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho) Treinamento: EPIs. (Equipamentos de Proteção Individual)

(Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho) Treinamento: EPIs. (Equipamentos de Proteção Individual) (Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho) Treinamento: EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) O que são EPIs? EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador,

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

IFSC Campus Lages. Mapas de Risco

IFSC Campus Lages. Mapas de Risco IFSC Campus Lages Mapas de Risco O mapa de risco se disseminou por todo o mundo, chegando ao Brasil na década de 80. Existem duas versões de sua divulgação: A primeira atribui às áreas acadêmica e sindical,

Leia mais

Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais

Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais A SIMPLICIDADE DO MAPA DE RISCOS FSP Faculdade Sudoeste Paulista Departamento de Engenharia Civil Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. 1 Histórico

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 32. Educação Continuada EDC Em parceria com Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho - SEMST

Norma Regulamentadora NR 32. Educação Continuada EDC Em parceria com Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho - SEMST Norma Regulamentadora NR 32 Saúde e Segurança em Serviços de Saúde Educação Continuada EDC Em parceria com Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho - SEMST NR 32? É uma norma regulamentadora específica

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes Jeniffer Guedes PLURAL Indústria Gráfica Ltda Parque gráfico da PLURAL com 33.500m 2. Fundada em 1996. Atualmente a PLURAL emprega 841 profissionais. Composição Acionária 51% 49% 90 anos de história Jornal

Leia mais

CST em Processos Gerenciais Gestão de Segurança e Higiene do Trabalho Prof. Luiz Gustavo Saes. Empresa Concreta

CST em Processos Gerenciais Gestão de Segurança e Higiene do Trabalho Prof. Luiz Gustavo Saes. Empresa Concreta CST em Processos Gerenciais Gestão de Segurança e Higiene do Trabalho Prof. Luiz Gustavo Saes Empresa Concreta Daiane Torres, Greice Marques, Lucinara Silveira, Luciano Konrad, Silvia Ferreira e Vera Kruger.

Leia mais

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras.

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras. 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para o processo de gerenciamento de resíduos nas áreas da ABCZ, visando a melhoria contínua na performance ambiental, a melhoria na eficiência do gerenciamento de

Leia mais

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com RESPONSABILIDADES FASE INTERNA FASE EXTERNA Geração Coleta interna Acondicionamento Armazenamento

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ENF412 Ergonomia

Programa Analítico de Disciplina ENF412 Ergonomia Catálogo de Graduação 06 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina ENF Ergonomia Departamento de Engenharia Florestal - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em

Leia mais

CONSULTORIA EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

CONSULTORIA EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Documentos legais: PPRA, LTCAT, PPP, PCMSO, E social; Monitoramento de Ruído, vibração, calor e químicos (NR 15) Emissão de laudos técnicos em atendimento a NR 15 e NR 16 Assistência técnica Pericial;

Leia mais

Normas de Segurança em Laboratórios. Profa. Soraya Ferreira Habr

Normas de Segurança em Laboratórios. Profa. Soraya Ferreira Habr Normas de Segurança em Laboratórios Profa. Soraya Ferreira Habr Por que devemos nos preocupar com a segurança nos Laboratórios? Segundo a Declaração dos Direitos Humanos todo homem tem direito à vida e

Leia mais

LISTA DE EXERCÌCIOS 1

LISTA DE EXERCÌCIOS 1 Faculdade Anhanguera de Guarulhos Rua do Rosário, 300, Centro - Guarulhos SP. Data: / / 2014 Nota: Nome RA Assinatura Ergonomia e Segurança do Trabalho José Jorge Alcoforado Curso/Turma Disciplina Professor

Leia mais

Sobre Cores. Professor Heli Meurer Design Uniritter

Sobre Cores. Professor Heli Meurer Design Uniritter Sobre Cores Professor Heli Meurer Design Uniritter Norma brasileira para cores Existem diversas normas que regulamentam o uso de cores, como a norma NBR 6503/1984, que fixa a terminologia das cores. A

Leia mais

INDÍCE: 2. TIPOS DE ERGONOMIA 3 3. DESLOCAR, LEVANTAR E TRANSPORTAR CARAS MANUAIS DEFINIÇÃO OBJETIVO 5 3.

INDÍCE: 2. TIPOS DE ERGONOMIA 3 3. DESLOCAR, LEVANTAR E TRANSPORTAR CARAS MANUAIS DEFINIÇÃO OBJETIVO 5 3. 1 INDÍCE: 1. QUANDO SURGIU A ERGONOMIA. 2 1.1 DEFINIÇÃO 2 1.2 A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO 2 1.3 ONDE PODEMOS APLICAR UM ESTUDO ERGÔNOMICO 2 2. TIPOS DE ERGONOMIA 3 3. DESLOCAR, LEVANTAR E

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS APROVADAS PELA PORTARIA 3214 DE 08/06/1978 33 NR REVOGADAS NR RURAIS EM 15/04/2008 http://www.mte.gov.br/legislacao normas regulamentadoras NR 4 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA

Leia mais

Causas de Acidentes. de Trabalho

Causas de Acidentes. de Trabalho UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba Causas de Acidentes de Trabalho Curso de Especialização em Energias Renováveis UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba Causas

Leia mais

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense Autora: Aline Viana de Souza O presente trabalho, através da pesquisa realizada com os catadores, tanto de rua como do aterro controlado do município de Campos

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO HISTÓRICO A ergonomia nasce da constatação de que o Homem não é uma máquina, pois: - ele não é um dispositivo mecânico; - ele não transforma energia como uma máquina a vapor;

Leia mais

BARRA DO PIRAÍ/RJ. FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890

BARRA DO PIRAÍ/RJ. FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890 A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ BARRA DO PIRAÍ/RJ BARRA DO PIRAÍ/RJ FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890 LOCALIZAÇÃO: região do Médio Paraíba (Sul Fluminense)

Leia mais

RISCOS. Riscos de origem elétrica. Riscos de queda. Riscos no transporte e com equipamentos. Riscos de ataques de insetos

RISCOS. Riscos de origem elétrica. Riscos de queda. Riscos no transporte e com equipamentos. Riscos de ataques de insetos RISCOS Os riscos à segurança e saúde dos trabalhadores no setor de energia elétrica são, via de regra elevados, podendo levar a lesões de grande gravidade e são específicos a cada tipo de atividade. Contudo,

Leia mais

PREVALÊNCIA DA PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO E O RISCO RELACIONADO À EXPOSIÇÃO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PESCADORES E TRABALHADORES DE FRIGORÍFICO

PREVALÊNCIA DA PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO E O RISCO RELACIONADO À EXPOSIÇÃO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PESCADORES E TRABALHADORES DE FRIGORÍFICO PREVALÊNCIA DA PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO E O RISCO RELACIONADO À EXPOSIÇÃO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PESCADORES E TRABALHADORES DE FRIGORÍFICO Grazielle Gütz Marques Professora Dra. Adriana Bender

Leia mais

PR-SMS-017. PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Sistema de Gestão de SMS

PR-SMS-017. PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Sistema de Gestão de SMS PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Sistema de Gestão de SMS PROGRAMA PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Nº PR-SMS-017 Fl. 1/9 Rev. Data Descrição Executado Verificado Aprovado

Leia mais

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR)

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) CIPATR S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) A CIPATR tem uma grande importância na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais nas atividades

Leia mais

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS REQUISITOS LEGAIS:

Leia mais

SEMEANDO O BEM-ESTAR DO GARI

SEMEANDO O BEM-ESTAR DO GARI ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO

Leia mais

3M Saúde Ocupacional. Saúde. Ocupacional. Protegendo o seu mundo.

3M Saúde Ocupacional. Saúde. Ocupacional. Protegendo o seu mundo. 3M Saúde Ocupacional. Saúde Ocupacional Protegendo o seu mundo. Respiradores Descartáveis Respiradores anatômicos que se adaptam ao formato do rosto e que protegem contra a entrada do ar contaminado, proporcionando

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Riscos no Ambiente de Trabalho no Setor de Construção Civil Elisabete Poiani Delboni HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO Construção

Leia mais

Módulo 4 Identificando perigos e riscos, definindo controles, objetivos e programas para SSO, exercícios.

Módulo 4 Identificando perigos e riscos, definindo controles, objetivos e programas para SSO, exercícios. Módulo 4 Identificando perigos e riscos, definindo controles, objetivos e programas para SSO, exercícios. Identificando perigos e riscos Defina os contornos de seu SGSSO, isto é, identifique em que processos

Leia mais

RISCOS ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO (APR) CHECK LIST

RISCOS ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO (APR) CHECK LIST 1 RISCOS ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO (APR) CHECK LIST RISCOS Os riscos à segurança e saúde dos trabalhadores no setor de energia elétrica são, via de regra elevados, podendo levar a lesões de grande gravidade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS AMACIANTE AQUAFAST

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS AMACIANTE AQUAFAST FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS AMACIANTE AQUAFAST 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do produto: Amaciante Aquafast 1.2. Natureza Química: Amaciante de Roupas 1.3.

Leia mais

COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE

COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE O PROBLEMA - O descarte de resíduos é uma das práticas mais impactantes do ponto de vista socioambiental. Além de sobrecarregar os aterros, ele ocasiona

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES Objetivo do Curso Levar ao conhecimento do membro da CIPA as principais normas, instruções e rotinas sobre segurança e saúde do trabalho. Definir competências

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos 8/5/2016 1 8/5/2016 2 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública; Como avaliar a dimensão dos riscos?

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA VIGÊNCIA: FEVEREIRO DE 2016 à FEVEREIRO DE 2017. Empresa: A DA SILVA LEITE & CIA LTDA EPP. Responsável Técnico: REGINALDO BESERRA ALVES Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 038

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 038 1/6 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Desenvolvimento de novos produtos Vendas Gestão de Contratos

Leia mais

Unidade de Medida A0010

Unidade de Medida A0010 Código de Identificação de Resíduos Tipo de Resíduo Descrição Unidade de Medida A0010 RESIDUO DE RESTAURANTE (RESTOS mġ DE ALIMENTOS) A0020 RESIDUO GERADO FORA PROCESSO mġ INDUSTRIAL (EMBALAGENS, ESCRI)

Leia mais

Apresentação. Incentivamos inovações e iniciativas que levem à qualidade ambiental e à redução dos efeitos das mudanças climáticas.

Apresentação. Incentivamos inovações e iniciativas que levem à qualidade ambiental e à redução dos efeitos das mudanças climáticas. Apresentação Na 3corações temos consciência de que a natureza é um bem de todos e origem dos recursos necessários para a nossa sobrevivência como pessoas e como negócio. Nosso objetivo é preservar e até

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA

AVALIAÇÃO GLOBAL DO PPRA AVALIAÇÃO GLOBAL DO VIGÊNCIA: NOVEMBRO DE 2015 à NOVEMBRO DE 2016. Empresa: P.M.F TRANSPORTES ESPECIAIS LTDA. Responsável Técnico: REGINALDO BESERRA ALVES Engº Segurança no Trabalho CREA 5907-D/ PB Avaliação

Leia mais

Curso de Formação Básica de Segurança

Curso de Formação Básica de Segurança Curso de Formação Básica de Segurança Programa de Formação Ed.3 21-11-2016 Equipa de trabalho A equipa de trabalho, coordenação pedagógica, gestão da formação, apoio técnico-administrativo e atendimento

Leia mais

da manipulação e processamento de matérias-primas. Destacam-se: InformAtivo Edição Extraordinária Abril de 2012

da manipulação e processamento de matérias-primas. Destacam-se: InformAtivo Edição Extraordinária Abril de 2012 InformAtivo Edição Extraordinária Abril de 2012 ---------------------------------------------------- NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS ---------------------------------------------------

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO RECOMENDAÇÃO 192. Segurança e Saúde na Agricultura

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO RECOMENDAÇÃO 192. Segurança e Saúde na Agricultura CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO RECOMENDAÇÃO 192 Segurança e Saúde na Agricultura Genebra, 2001 Recomendação 192 RECOMENDAÇÃO SOBRE SEGURANÇA E SAÚDE NA AGRICULTURA A Conferência Geral da Organização

Leia mais

INTRODUÇÃO... 2 DADOS DA EMPRESA... 5 CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 5 ESTRUTURA DO PPRA... 7 DESENVOLVIMENTO DO PPRA... 8 RECONHECIMENTO DOS RISCOS...

INTRODUÇÃO... 2 DADOS DA EMPRESA... 5 CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 5 ESTRUTURA DO PPRA... 7 DESENVOLVIMENTO DO PPRA... 8 RECONHECIMENTO DOS RISCOS... SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 INTEGRAÇÃO PCMSO E PPRA... 3 RESPONSABILIDADES DA FLEX VIDA... 3 RESPONSABILIDADES DOS ASSOCIADOS DA FLEXVIDA... 4 DADOS DA EMPRESA... 5 CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 5 ESTRUTURA DO

Leia mais

Administração e Gestão Farmacêutica. Josiane, Mônica, Tamara Agosto 2014

Administração e Gestão Farmacêutica. Josiane, Mônica, Tamara Agosto 2014 Administração e Gestão Farmacêutica Josiane, Mônica, Tamara Agosto 2014 Responsabilidade dos geradores pelo gerenciamento dos resíduos até a disposição final; A exigência de se fazer a segregação na fonte;

Leia mais

INSTRUÇÃO AMBIENTAL. Status: Aprovada COLETA SELETIVA

INSTRUÇÃO AMBIENTAL. Status: Aprovada COLETA SELETIVA 1 de 6 1 OBJETIVOS Definir procedimentos quanto à identificação, segregação, coleta e disponibilização de resíduos do Programa de coleta Seletiva, gerados na Câmara Municipal de Manaus. 2 DEFINIÇÕES E

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Curso de Noções Básicas de Segurança

Curso de Noções Básicas de Segurança Curso de Noções Básicas de Segurança Programa de Formação Ed.1 11-11-2016 Equipa de trabalho A equipa de trabalho, coordenação pedagógica, gestão da formação, apoio técnico-administrativo e atendimento

Leia mais

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Noções Gerais de Biossegurança Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Conceito Conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização eliminação de RISCOS inerentes às atividades de pesquisa, produção,

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS Saint- Gobain Canalização Itaúna Palestrantes: Adriana Oliveira Adriano Corrêa PGR - Plano de Gerenciamento de Resíduos Parte integrante essencial do sistema de gestão de

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS. Histórico

MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS. Histórico MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS Histórico HISTÓRICO CIPA 1921 - primeira CIPA foi formada no Brasil (LIGHT-RJ). 1945 - regulamentação da CIPA. 1964 participação cada vez maior do sindicato dos trabalhadores

Leia mais

SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS. Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS. Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Cecília Leonor Guarda, 02 de Outubro de 2012 PRINCIPAIS RISCOS DOS

Leia mais