HENRY, Michel. Ver o invisível: Sobre Kandinsky. São Paulo: Realizações, 2012.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HENRY, Michel. Ver o invisível: Sobre Kandinsky. São Paulo: Realizações, 2012."

Transcrição

1 HENRY, Michel. Ver o invisível: Sobre Kandinsky. São Paulo: Realizações, Rafaela Belo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades UFES 2014/1

2 Vietnam, 1922 França, 2002 Michel Henry

3 Michel Henry Fenomenologia da vida A vida sente-se, experimenta-se a si mesma. Não que ela seja qualquer coisa que, ademais, teria a propriedade de se sentir a si mesma, mas que aí reside a sua essência: a pura experiência de si, o fato de se sentir a si mesma. A essência da vida reside na auto-afecção HENRY apud ROSA, 2006, p. 188

4 Wassily Kandinsky Rússia, 16/12/1866 França, 14/12/1944

5 Wassily Kandinsky Nacionalidades: Russo, alemão e francês Bauhaus Abstracionismo

6 Wassily Kandinsky: Da Rússia para a Europa Um homem capaz de derrubar as montanhas Franz Marc

7 Cap. 1 Interior/Exterior: O invisível e o visível p

8 Todo fenômeno pode ser vivido de duas maneiras, não arbitrariamente ligadas aos fenômenos, mas decorrentes da natureza dos fenômenos, de duas de suas propriedades: Exterior- Interior. KANDINSKY, Wassily. Ponto e linha sobre plano, 1926.

9 Experimentamos constantemente com um fenômeno que justamente nunca nos abandona: nosso corpo. Interiormente como nosso ser mais profundo; Exteriormente enquanto se propõe a mim ao modo de objeto. - Kandinsky estende essa propriedade a todos os fenômenos.

10 O que aparece a nós, justamente chamado fenômeno, permite a distinção das duas maneiras. A maneira pela qual esse conteúdo se mostra a nós. As duas maneiras são dois modos de aparecer. Kandinsky as chama de EXTERIOR e INTERIOR.

11 Exterior não designa imediatamente algo exterior, mas a maneira pela qual esse algo se manifesta a nós. Um fenômeno exterior nunca é visto por suas propriedades, mas só por ser exterior. Kandinsky diz que a maneira não está ligada arbitrariamente ao fenômeno, pois é essa maneira- a exterioridade- que justamente o torna fenômeno.

12 O EXTERIOR se autocomprova, é ele próprio, o mundo como aparece em sua visibilidade. O INTERIOR se autocomprova de maneira própria, que não é mais a do mundo. Ele é invisível, o que não pode ser visto nunca num mundo, nem à maneira do mundo.

13 Então como se revela o INTERIOR, se nem se assemelha a um mundo? Como a vida. É sentido e experienciado imediatamente, imerso em si. Primeira formulação da equação Kandinskyana: interior = interioridade= vida= invisível = páthos

14 VISÍVEL na luz do mundo as coisas se mostram a nós e são vividas por nós como fenômenos EXTERIORES. O INVISÍVEL, na ausência desse mundo e de sua luz, a vida se apossa de seu ser próprio, se apertando nessa prova INTERIOR imediata de si, que é seu páthos, que faz dela a vida. Visível = Exterior Invisível = Interior

15 A qual dos dois campos, o do visível ou do invisível, a pintura pertence? A resposta é indubitável. Pintar, desenhar, não é o artista pintar, desenhar o que vê, aquilo que desdobra seu ser diante de seu olhar, na luz do mundo?

16 Nossa tradicional concepção da pintura atesta sua origem grega. Fenômeno, para os gregos, designa o que brilha, o que se mostra sob a luz, de tal modo que se mostrar significa mostrar-se sob a luz. Ver é participar da luz, penetrá-la, ser iluminado por ela.

17 O conceito de fenômeno sofre mutação decisiva quando, deixando de se submeter docilmente às injunções do visível, ele é relacionado à vida, à existência. Desde essa transferência, como ocorre em Kandinsky, questões inteiramente novas surgem, acarretando redefinição completa dos objetivos e dos procedimentos da pintura.

18 Uma abordagem inteiramente nova da atividade pictórica quando são dispensados os pressupostos gregos. Deixa-se de pretender representar o mundo e seus objetos, quando, paradoxalmente, cessa a pintura do visível. O que ela pode então pintar? O invisível, o que Kandinsky chama de interior.

19 Todo quadro deve ser considerado sob dois ângulos: Sua materialidade; A representação pictórica, a obra em si.

20 Se a pintura empreendesse, ao contrário, pintar o invisível, um problema singular se lhe apresentaria: como representar de maneira visível, sob a forma de quadro, que acabamos de mostrar ser exterior sob todos os aspectos, essa realidade interior, invisível, chamada a constituir doravante o tema da atividade artística?

21 A revolução de Kandinsky, pensada e cumprida por ele, pode assim ser formulada: Não só o conteúdo da pintura, em última instância representado, expresso por ela, não pertence mais ao mundo enquanto um de seus elementos ou partes, mas os meios permitindo a expressão do conteúdo invisível que constitui o tema novo da arte devem ser compreendidos agora como interiores em seu significado e finalmente em sua realidade verdadeira: como invisíveis.

22 Consideremos os quadros de Kandinsky: encontramos neles outra coisa além de linhas e massas coloridas? Ao contrário, só se trata delas. O autor escreve que a teoria da pintura abstrata é a teoria de toda pintura concebível.

23 Dois pensamentos loucos: O conteúdo da pintura, de qualquer pintura, é o interior, a vida invisível em si e que não pode deixar de sê-lo. Os meios expressando esse conteúdo invisívelas formas e as cores- são eles próprios invisíveis em sua realidade original.

24 Na pintura tradicional os meios eram homogêneos, pertencendo ambos ao mundo visível. Com o surgimento da abstração, isso se rompe, já que o conteúdo se torna o invisível, enquanto os meios permanecem o que são. Talvez até conviesse abolir a própria ideia de sua distinção, constituindo conteúdo e meios a mesma realidade, a única essência da pintura.

25 Kandinsky chama abstrato o conteúdo que a pintura deve expressar, ou seja, essa vida invisível que somos. Equação Kandinskyana: interior = interioridade = invisível = vida= páthos = abstrato

26 Salta aos olhos que essas duas analogias da arte nova com certas formas de épocas passadas são diametralmente opostas. A primeira, toda exterior, será sem futuro. A segunda é interior e encena o germe do futuro. Após o período da tentação materialista a que aparentemente sucumbiu, mas que repele como uma tentação ruim, a alma emerge, purificada pela luta e pela dor. Os sentimentos elementares, como o medo, a tristeza, a alegria, que teriam podido, durante o período da tentação, servir de conteúdo para a arte, atrairão pouco o artista. Ele se esforçará por despertar sentimentos mais matizados, ainda sem nome. O próprio artista vive uma existência completa, relativamente requintada, e a obra, nascida de seu cérebro, provocará, no espectador capaz de experimentá-las, emoções mais delicadas, que nossa linguagem é incapaz de exprimir. KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte e na pintura em particular. São Paulo: Martins Fontes, p. 28.

27 Wassily Kandinsky: Da Rússia para a Europa Um homem capaz de derrubar as montanhas Franz Marc

28 Autumn in Bavaria, 1908 Paris, Musée National Art Moderne, Centre Georges Pompidou

29 Moscow I, 1916 Moscow, The State Tretyakov Gallery

30 Composition VIII, 1923 New York, The Solomon R. Guggenheim Museum

31 Colorful Ensemble, 1938 Paris, Musée National Art Moderne, Centre Georges Pompidou

O Expressionimo das Formas

O Expressionimo das Formas O Expressionimo das Formas Na sua opinião existem formas diferentes de representar uma mesma idéia ou uma mesma emoção? Como você representaria, por exemplo, a dor e o sofrimento humano? Mas, e o que é

Leia mais

Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons

Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons Profa. Consuelo Holanda consueloholanda2010@hotmail.com 1 A arte abstrata tende a suprimir toda a relação entre a realidade

Leia mais

Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons

Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons Arte Abstrata: a destruição da forma e a representação da imaginação e do sons Profa. Consuelo Holanda consueloholanda2010@hotmail.com 1 A arte abstrata tende a suprimir toda a relação entre a realidade

Leia mais

Expressionismo e Arte Pop

Expressionismo e Arte Pop Courtauld Institute Galleries, London Expressionismo e Arte Pop Índice Expressionismo Arte Pop Autorretrato com Orelha Cortada, de Vincent Van Gogh (1889). Óleo sobre tela, 60,5 x 50 cm. Courtauld Institute

Leia mais

Teorias da arte Finalidade da arte Função do artista Origem do prazer estético

Teorias da arte Finalidade da arte Função do artista Origem do prazer estético Imitação (Platão e Aristóteles, Atenas séc. IV a. C.) Teses: Imitar (Platão) ou representar a realidade como ela é, como o artista a vê ou como deveria ser (Aristóteles). Atenção dada às propriedades objetivas

Leia mais

Sem luz não existe cor

Sem luz não existe cor Estudo da cor Sem luz não existe cor Aristóteles, um filósofo grego, que viveu de 384 a 322 ac, parece ter sido o primeiro a perceber que os olhos não podem ver a cor sem luz. A cor está presente na nossa

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

Universidade Estadual do estado de Santa Catarina UDESC. Proposição desenvolvida para a disciplina; Estagio VI 2012/01 Tema:

Universidade Estadual do estado de Santa Catarina UDESC. Proposição desenvolvida para a disciplina; Estagio VI 2012/01 Tema: Universidade Estadual do estado de Santa Catarina UDESC Proposição desenvolvida para a disciplina; Estagio VI 2012/01 Tema: Pintura Professora: Jociele Lampert propositor: Denilson Antonio Data Conteúdo

Leia mais

ARTE DOS SÉCULOS XIX E XX

ARTE DOS SÉCULOS XIX E XX ARTE DOS SÉCULOS XIX E XX Os movimentos europeus de vanguarda eram aqueles que, segundo seus próprios autores, guiavam a cultura de seus tempos, estando de certa forma à frente deles. Movimentos vanguardistas

Leia mais

VANGUARDAS EUROPÉIAS

VANGUARDAS EUROPÉIAS VANGUARDAS EUROPÉIAS VANGUARDA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante uma batalha.daí

Leia mais

Kandinsky O abstracionismo é uma das mais discutidas escolas da pintura moderna.

Kandinsky O abstracionismo é uma das mais discutidas escolas da pintura moderna. ABSTRACIONISMO A pintura abstrata nos desperta sentimentos, reações e associações de idéias livres, variadas e múltiplas. Diante de um quadro abstrato, a sensibilidade de cada um reage com liberdade. (WASSILY

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova. Departamento Curricular de Expressões PROGRAMA DE ARTES PLÁSTICAS. (Reajustamento) 7º e 8º ano

Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova. Departamento Curricular de Expressões PROGRAMA DE ARTES PLÁSTICAS. (Reajustamento) 7º e 8º ano Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova Departamento Curricular de Expressões PROGRAMA DE ARTES PLÁSTICAS (Reajustamento) 7º e 8º ano 2016 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2.1. COMPETÊNCIAS

Leia mais

ABSTRACIONISMO. Wassily Kandinski, é indicado como o iniciador desse movimento, com a obra: Batalha, de 1910.

ABSTRACIONISMO. Wassily Kandinski, é indicado como o iniciador desse movimento, com a obra: Batalha, de 1910. ABSTRACIONISMO A arte abstrata tende a suprimir toda a relação entre a realidade e o quadro, entre as linhas e os planos, as cores e a significação que esses elementos podem sugerir ao espírito. Quando

Leia mais

A diversidade étnica, cultural, social e a inclusão de pessoas com deficiência na Literatura Infantil

A diversidade étnica, cultural, social e a inclusão de pessoas com deficiência na Literatura Infantil A diversidade étnica, cultural, social e a inclusão de pessoas com deficiência na Literatura Infantil Temas ligados à diversidade sempre estiveram presentes na literatura infantil, ou na representação

Leia mais

- A estética de Plotino é influenciada pela estética de Platão. Assim, Plotino acredita também em uma hierarquia do belo com 3 planos sucessivos:

- A estética de Plotino é influenciada pela estética de Platão. Assim, Plotino acredita também em uma hierarquia do belo com 3 planos sucessivos: - 204 a.c. a 270 a.c. - A estética de é influenciada pela estética de Platão. Assim, acredita também em uma hierarquia do belo com 3 planos sucessivos: - a forma - a alma - a transcendência. - também critica

Leia mais

ESTÉTICA e ARTE 10/02/2017 1

ESTÉTICA e ARTE 10/02/2017 1 ESTÉTICA e ARTE 10/02/2017 1 TOZZI, C. Colcha de retalhos. Mosaico figurativo. Estação de Metrô Sé. Disponível em: www.arteforadomuseu.com.br. Acesso em 8 mar. 2013. Colcha de retalhos representa a essência

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

CONSTRUTIVISMO SANDRA MIKA MAGNA PATRÍCIA ALAN MOURA JACKSON HELBERT

CONSTRUTIVISMO SANDRA MIKA MAGNA PATRÍCIA ALAN MOURA JACKSON HELBERT CONSTRUTIVISMO SANDRA MIKA ALAN MOURA MAGNA PATRÍCIA JACKSON HELBERT Linha construtiva A ideia sobre o construtivismo, com a linha construtiva idealizada pelo suíço Jean Piaget, o seu método procura instigar

Leia mais

Minha inspiração. A Poesia harmoniza o seu dia

Minha inspiração. A Poesia harmoniza o seu dia Minha inspiração A Poesia harmoniza o seu dia Meu jeito de amar Meu jeito de amar é alegre e autêntico É sincero puro e verdadeiro Meu jeito de amar é romântico Me doo me dedico por inteiro Meu jeito de

Leia mais

Artes visuais AULA 5 Vanguardas Europeias; Elementos da Arte Contemporânea

Artes visuais AULA 5 Vanguardas Europeias; Elementos da Arte Contemporânea Artes visuais AULA 5 Vanguardas Europeias; Elementos da Arte Contemporânea Prof. André de Freitas Barbosa Pablo Picasso. Guernica (1937), Museu Reina Sofía, Madrid (Espanha). Contra modelos e conceitos

Leia mais

Estudo da cor [breve síntese]

Estudo da cor [breve síntese] Estudo da cor [breve síntese] Sem luz não existe cor Aristóteles, filósofo grego que viveu de 384 a 322 ac, parece ter sido o primeiro a perceber que os olhos não podem ver a cor sem luz. A cor está presente

Leia mais

Pergaminho dos Sonhos

Pergaminho dos Sonhos Pergaminho dos Sonhos Michel R.S. Era uma vez um poeta... Um jovem poeta que aprendera a amar e deixar de amar. E de uma forma tão simples, assim como o bem e o mal, O amor tornou-se o objetivo de suas

Leia mais

Professora Cristina Cardoso 8º Ano- EDUCAÇÃO VISUAL Escola Básica e Secundária D. Martinho Vaz de Castelo Branco

Professora Cristina Cardoso 8º Ano- EDUCAÇÃO VISUAL Escola Básica e Secundária D. Martinho Vaz de Castelo Branco Professora Cristina Cardoso 8º Ano- EDUCAÇÃO VISUAL Escola Básica e Secundária D. Martinho Vaz de Castelo Branco LUZ E COR A COR A cor é um produto cultural; não existe se não for percebida, isto é, se

Leia mais

Hibridismo formal: uma questão gráfica ou conceitual?

Hibridismo formal: uma questão gráfica ou conceitual? René Magritte Grafite anônimo Hibridismo formal: uma questão gráfica ou conceitual? Maurício Silva Gino O autor agradece aos componentes do Grupo de Estudos de Metáforas e Analogias na Tecnologia, na Educação

Leia mais

Vanguardas Históricas I

Vanguardas Históricas I Vanguardas Históricas I As transformações do início do século XX e as vanguardas históricas Os avanços da ciência realizados a partir do século XIX mudaram a percepção da realidade e conduziram, no campo

Leia mais

Luis Carlos Zabel Curso de Iluminação - Mod. Verde Programa Kairos - Processo De Criação SP Escola de Teatro Orientação Grissel Piguillem

Luis Carlos Zabel Curso de Iluminação - Mod. Verde Programa Kairos - Processo De Criação SP Escola de Teatro Orientação Grissel Piguillem Luis Carlos Zabel Curso de Iluminação - Mod. Verde Programa Kairos - Processo De Criação SP Escola de Teatro Orientação Grissel Piguillem O FANTASMA DA NATUREZA MORTA O FANTASMA DA NATUREZA MORTA. 2 cria

Leia mais

O caminho para dentro de si

O caminho para dentro de si O caminho para dentro de si Existem diversos caminhos que podem levar ao encontro com o eu verdadeiro que mora dentro de você. Esta jornada não é simples e exige completa dedicação e comprometimento com

Leia mais

Técnico Design Interior

Técnico Design Interior Técnico Design Interior Principais movimentos artísticos do século XX Professora Alba Baroni Arquiteta Principais movimentos artísticos do século XX No século XX amplia-se as conquistas técnicas e progresso

Leia mais

Técnico Design Interior

Técnico Design Interior Técnico Design Interior Principais movimentos artísticos do século XX Professora Alba Baroni Arquiteta Principais movimentos artísticos do século XX No século XX amplia-se as conquistas técnicas e progresso

Leia mais

Espiritual e magia na arte. A noção de Gênio na obra de Kandinsky

Espiritual e magia na arte. A noção de Gênio na obra de Kandinsky Espiritual e magia na arte. A noção de Gênio na obra de Kandinsky 123 Walter Menon romeromenon@yahoo.fr Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Brasil resumo Este texto pretende-se um ensaio sobre

Leia mais

Mas por que à simples relação de fatos, à meia expressão de emoções por meio da escrita chamamos arte como à pintura, à escultura, à música?

Mas por que à simples relação de fatos, à meia expressão de emoções por meio da escrita chamamos arte como à pintura, à escultura, à música? O que é Literatura? Segundo o crítico e historiador literário José Veríssimo, várias são as acepções do termo literatura: conjunto da produção intelectual humana escrita; conjunto de obras especialmente

Leia mais

Psicologia Aplicada à Nutrição

Psicologia Aplicada à Nutrição Psicologia Aplicada à Nutrição Objetivos Abordar alguns conceitos da psicologia existentes no contexto social e da saúde. De psicólogo e louco todo mundo tem um pouco Psicologia e o conhecimento do Senso

Leia mais

Abertura terça, 31 de maio, h00

Abertura terça, 31 de maio, h00 Abertura terça, 31 de maio, 2016 19-22h00 Exposição 1 abril - 26 julho, 2016 segunda - sexta > 10-19h00 sábado > 11-15h00 Galeria Nara Roesler Rio de Janeiro Rua Redentor 241, Rio de Janeiro, RJ +55 21

Leia mais

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 13) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com (...) embora todo conhecimento comece com a experiência, nem por isso ele se origina justamente da experiência. Pois poderia bem acontecer

Leia mais

Prova Prática de Artes Visuais

Prova Prática de Artes Visuais Prova Prática de Artes Visuais 1. Leia e execute as tarefas indicadas nos itens A, B e C. A. A estrutura oculta de um quadrado. Observe a figura abaixo: A localização do círculo preto poderia ser descrita

Leia mais

Artes. Tema 01: Abstração e Figuração. 6 A - Volume 01 Professor: Alexandro Lima

Artes. Tema 01: Abstração e Figuração. 6 A - Volume 01 Professor: Alexandro Lima 01 Artes Tema 01: Abstração e Figuração 6 A - Volume 01 Professor: Alexandro Lima 02 Professor: Alexandro Lima Abstração e Figuração História da arte 03 Nada existe realmente a que se possa dar o nome

Leia mais

II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO"

II ENCONTRO OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO" Título da Exposição: A poética da morada e os cenários do imaginário habitado Trabalho fotográfico realizado com base no livro A

Leia mais

Filosofia (aula 15) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 15) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 15) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teoria do Conhecimento Teoria do Conhecimento A crise da Razão Blaise Pascal (1623-1662) Soren Kierkegaard (1813-1855) Pascal (séc. XVII)

Leia mais

VIVA OS PAIS PAI, MELHOR AMIGO!

VIVA OS PAIS PAI, MELHOR AMIGO! VIVA OS PAIS PAI, MELHOR AMIGO! Não existe melhor amigo que o pai! Pai pequena palavra, não obstante, grande em amor, capaz de renunciar tudo a favor do filho que ama! Muitas vezes é difícil para o filho

Leia mais

História da Arte Publicidade e Propaganda. Aula 1: Unisalesiano Semestre

História da Arte Publicidade e Propaganda. Aula 1: Unisalesiano Semestre História da Arte Publicidade e Propaganda Aula 1: Unisalesiano 2017-2 Semestre O que é arte? A arte é a expressão crítica de homens e da sociedade, de uma ou mais realidades, caracterizada por um estilo

Leia mais

Trabalhando a alfabetização emocional com qualidade

Trabalhando a alfabetização emocional com qualidade Trabalhando a alfabetização emocional com qualidade Copyright Paulus 2012 Direção editorial Zolferino Tonon Coordenação editorial Antonio Iraildo Alves de Brito Produção editorial AGWM produções editoriais

Leia mais

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no Cores A cor é uma sensação provocada pela luz sobre o órgão da visão, isto é, sobre nossos olhos. A cor-luz pode ser observada através dos raios luminosos. Cor-luz é a própria luz que pode se decompor

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR Expressionismo ALUNOS: EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR DEFINIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Movimento heterogêneo

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

Expressionismo abstrato. Clique para adicionar texto

Expressionismo abstrato. Clique para adicionar texto Expressionismo abstrato. Clique para adicionar texto Conceito Foi um movimento artístico com origem nos Estados Unidos da América, muito popular no pós-guerra. Ele foi o primeiro movimento especificamente

Leia mais

Realismo REALISMO E IMPRESSIONISMO TRADIÇÃO E RUPTURA O PROCESSO DA MODERNIDADE

Realismo REALISMO E IMPRESSIONISMO TRADIÇÃO E RUPTURA O PROCESSO DA MODERNIDADE REALISMO E IMPRESSIONISMO TRADIÇÃO E RUPTURA O PROCESSO DA MODERNIDADE A invenção da fotografia em 1823 influencia as artes de diversas maneiras; Surgem duas correntes, os Realistas e os Impressionistas;

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

Modernismo nas artes plásticas: Séculos XIX e XX

Modernismo nas artes plásticas: Séculos XIX e XX Modernismo nas artes plásticas: Séculos XIX e XX O que era ser um artista moderno? Vincent Van Gogh- Auto retrato com orelha decepada, (1889) Vincent Van Gogh Autorretrato com orelha decepada (1889) Todo

Leia mais

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento)

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento) EDUCAÇÃO DA VIDA PROJETO EDUCARE (Educação, Amor e Reconhecimento) DESEJOS FUNDAMENTAIS DO SER HUMANO EDUCAÇÃO AMOR RECONHECIMENTO EDUCAÇÃO *Ser elogiado AMOR *Ser amado *Ser livre RECONHECIMENTO *Ser

Leia mais

Uma pergunta. O que é o homem moderno?

Uma pergunta. O que é o homem moderno? Uma pergunta O que é o homem moderno? Respostas O homem moderno é aquele que não trabalha para viver, mas vive para trabalhar. O homem moderno não domina o tempo; ao contrário, é dominado pelo tempo. O

Leia mais

ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal. Aspectos Psicomotores de Base

ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal. Aspectos Psicomotores de Base ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal Aspectos Psicomotores de Base Definição É a representação global que a criança tem do próprio corpo É elemento básico e indispensável para a formação da personalidade

Leia mais

O que é LITERATURA? Aula 02 de Língua Portuguesa Pré-Vestibular e Pré-ENEM Professora Carolina

O que é LITERATURA? Aula 02 de Língua Portuguesa Pré-Vestibular e Pré-ENEM Professora Carolina O que é LITERATURA? Aula 02 de Língua Portuguesa Pré-Vestibular e Pré-ENEM Professora Carolina O que é literatura? Assim como a música, a pintura e a dança, a Literatura é considerada uma arte. Através

Leia mais

Mais do que um retrato

Mais do que um retrato Faculdade Cásper Líbero Mais do que um retrato Os detalhes nas personagens de Van Dick Luciana Fernandes dos Reis 2º JO D História da Arte Jorge Paulino São Paulo/ 2009 A Marquesa Lomellini e os Filhos

Leia mais

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

Ainda Sobre o Teorema de Euler para Poliedro Convexos

Ainda Sobre o Teorema de Euler para Poliedro Convexos 1 Introdução Ainda Sobre o Teorema de Euler para Poliedro Convexos Elon Lages Lima Instituto de M atemática Pura e Aplicada Estr. D. Castorina, 110 22460 Rio de Janeiro RJ O número 3 da RPM traz um artigo

Leia mais

Estilos de Representação e Apresentação no Desenho eliane bettocchi

Estilos de Representação e Apresentação no Desenho eliane bettocchi Maneirismo/Barroco/Rococó = apresentação naturalista observação do real representando, de maneira expressionista ou clássica, temas "ideais" em que os valores tonais preponderam e a sensação de "real"

Leia mais

Arte Abstrata. no Brasil COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II PROF. SHANNON BOTELHO

Arte Abstrata. no Brasil COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II PROF. SHANNON BOTELHO Arte Abstrata no Brasil COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II PROF. SHANNON BOTELHO Entendendo... Abstracionismo refere-se às formas de arte não regidas pela figuração e pela imitação do mundo. Em significado

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em:

Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em: 2.2 A SINTAXE DA ILUSTRAÇÃO Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em: SINTÁTICA - Manifesta-se através da forma. Diz respeito aos elementos estruturais e técnicos de composição

Leia mais

A subversão do documento 2. 1

A subversão do documento 2. 1 A subversão do documento 2 1 http://carloshenriquesiqueira.com/blog/ Modernidade e modernismo Revolução Industrial - Técnica e dominação Revolução Francesa - Liberalismo Iluminismo - Razão - Declínio da

Leia mais

Período: Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I

Período: Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I Período: 2017.1 Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) CURSO: Os abstracionismos dos anos 1950-60, no Brasil: entendimentos, diversidade

Leia mais

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? -

Leia mais

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah 3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah QUEM FOI DURKHEIM? BIOGRAFIA Francês, nascido em Épinal, em 1858. Inaugurou o estudo da Sociologia. CONTEXTO / INFLUÊNCIAS Revolução Industrial / Neocolonialismo. Influenciado

Leia mais

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA 1 O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA O retorno sugerido pelo título - Remontemos de Espinosa a Foucault - remete muito mais a uma coincidência singular entre Michel Pêcheux e Baruch

Leia mais

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito Fabiany Monteiro do Nascimento Amor Perfeito Dedico este livro a... Grandes pessoas que fizeram de minha vida uma fábula de sonhos reais. Primeiro agradeço a Deus, que mesmo nós momentos ruins, nunca me

Leia mais

Título original Poemas, Maurício Ribeiro: Espírito e Alma.

Título original Poemas, Maurício Ribeiro: Espírito e Alma. 1 Título original Poemas, Maurício Ribeiro: Espírito e Alma. Todos os direitos reservados: nenhuma parte dessa publicação pode ser reproduzida ou transmitida por meio eletrônico, mecânico, fotocópia ou

Leia mais

UNIDADE 5. Arte como expressão o abstrato e os elementos visuais

UNIDADE 5. Arte como expressão o abstrato e os elementos visuais UNIDADE 5 Arte como expressão o abstrato e os elementos visuais O que é arte abstrata? Às vezes conhecida como aquela obra que até uma criança de 3 anos faz, no entanto há cerca de um século artistas são

Leia mais

ARTE ABSTRATA O INTRÍNSECO DA INFÂNCIA. Comunicação- Relato de Experiência

ARTE ABSTRATA O INTRÍNSECO DA INFÂNCIA. Comunicação- Relato de Experiência ARTE ABSTRATA O INTRÍNSECO DA INFÂNCIA Patrícia da Silva Faria patyartesufu@gmail.com EMEI Professora Maria Barbosa de Souza-SME Comunicação- Relato de Experiência Resumo: Este relato apresenta a experiência

Leia mais

Prefácio A obra em contexto: tradução, história e autoria (Sheila Camargo Grillo)...19

Prefácio A obra em contexto: tradução, história e autoria (Sheila Camargo Grillo)...19 Sumário Apresentação Importância e necessidade da obra O método formal nos estudos literários: introdução a uma poética sociológica (Beth Brait)...11 Prefácio A obra em contexto: tradução, história e autoria

Leia mais

UML LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA Diagrama de Classes

UML LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA Diagrama de Classes UML LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA Diagrama de Classes O diagrama de classe é a essência de qualquer modelagem orientada a objeto. Ele tem por objetivo descrever, segundo uma visão estática, o escopo

Leia mais

SEIS PASSOS PARA SE DESINTOXICAR DE EMOÇÕES E SENTIMENTOS NEGATIVOS

SEIS PASSOS PARA SE DESINTOXICAR DE EMOÇÕES E SENTIMENTOS NEGATIVOS SEIS PASSOS PARA SE DESINTOXICAR DE EMOÇÕES E SENTIMENTOS NEGATIVOS ÍNDICE Introdução Desintoxicação X Meditação Seis Passos Conclusão Divida o seu conteúdo em capítulos e enumere as páginas dessa maneira

Leia mais

GIACOMETTI. Sempre há progresso/não refazer as coisas negativas 108. É preciso destruir (destrói mesmo?) tudo (= cabeça) 49

GIACOMETTI. Sempre há progresso/não refazer as coisas negativas 108. É preciso destruir (destrói mesmo?) tudo (= cabeça) 49 GIACOMETTI QUESTÕES SINTÁTICAS CONCEITO DE INACABAMENTO Inacabamento insatisfação 27/64 (não fim de obra) Inacabamento Cézanne 44 Tempo inacabamento 113 / 117 / 119 Obra não é abandonada enquanto há chance

Leia mais

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. Alfredo Bosi (São Paulo, 26 de agosto de 1936) é um professor universitário, crítico e historiador de literatura brasileira, e também imortal

Leia mais

A Mística do Educador:

A Mística do Educador: A Mística do Educador: A educação popular é um ato de amor. É um gesto humano e político de entrega a fim de que as pessoas se realizem como gente, como classe e como povo. A missão educativa junto a sujeitos

Leia mais

Spot. Ana Cláudia Rocha. Ana Paula Moreira, engenheira, e Vivi Baobá, advogado, experimentaram a culinária japonesa no restaurante Sapporo

Spot. Ana Cláudia Rocha. Ana Paula Moreira, engenheira, e Vivi Baobá, advogado, experimentaram a culinária japonesa no restaurante Sapporo Spot Ana Cláudia Rocha Sebastião Nogueira Ana Paula Moreira, engenheira, e Vivi Baobá, advogado, experimentaram a culinária japonesa no restaurante Sapporo Sebastião Nogueira Paulo Afonso Sanches, coronel,

Leia mais

paul ramírez jonas domínio público

paul ramírez jonas domínio público paul ramírez jonas No desenho que organiza as diversas atividades do espaço urbano, sua circulação e formas de ocupação, os monumentos representam uma pontuação, a demarcação de um território coletivo

Leia mais

C E L E S T E P E R E I R A 2ª EDIÇÃO

C E L E S T E P E R E I R A 2ª EDIÇÃO C E L E S T E P E R E I R A 2ª EDIÇÃO Bordar a Vida Pego em letras, estéreis quando isoladas, e tricoto-as cuidadosamente, compondo velhas palavras. Arranjo as palavras, muito delicadamente, bordando

Leia mais

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular.

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Poesia Miguel Reale Eterna juventude Quando em meus olhos os teus olhos pousas vejo-te jovem como via outrora: luz interior

Leia mais

Concretismo e Neoconcretismo

Concretismo e Neoconcretismo concretismo substantivo masculino 1.representação concreta de coisas abstratas. 2.hist.art tendência segundo a qual a arte deve concretizar ('materializar') visualmente os conceitos intelectuais, através

Leia mais

O significado público da Obra de Arte: A natureza do gênio. Da Cunha, E. Murari, Da

O significado público da Obra de Arte: A natureza do gênio. Da Cunha, E. Murari, Da O significado público da Obra de Arte: A natureza do gênio Da Cunha, E. Murari, Da Resumo: Deixo claro que o que publico são impressões pessoais acerca da estética e busco transpor em palavras minhas investigações

Leia mais

Universidade Cidade de São Paulo UNICID. Curso Superior de Tecnologia em Produção Publicitária. Core Curriculum: Arte e suas Linguagens

Universidade Cidade de São Paulo UNICID. Curso Superior de Tecnologia em Produção Publicitária. Core Curriculum: Arte e suas Linguagens Universidade Cidade de São Paulo UNICID Curso Superior de Tecnologia em Produção Publicitária Core Curriculum: Arte e suas Linguagens Pesquisa e Análise de Obra de Arte Nome Completo CA Priscila Nakayama

Leia mais

INDIVIDUO E SOCIEDADE DURKHEIM E O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS

INDIVIDUO E SOCIEDADE DURKHEIM E O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS INDIVIDUO E SOCIEDADE DURKHEIM E O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Émile Durkheim (francês) (1858-1917) Biografia Émile Durkheim (1858-1917) nasceu em Epinal, região de Lorena, na França, no dia 15 de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fotografia; Fotojornalismo; Futebol; Torcida. 1 INTRODUÇÃO

PALAVRAS-CHAVE: Fotografia; Fotojornalismo; Futebol; Torcida. 1 INTRODUÇÃO Campeonato de Futebol Amador Uberlandense 1 Guilherme Gonçalves da SILVA 2 Rafael Duarte Oliveira VENANCIO 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Fotografar tem sido uma atividade

Leia mais

CUBISMO ANALÍTICO E SINTÉTICO

CUBISMO ANALÍTICO E SINTÉTICO CUBISMO ANALÍTICO E SINTÉTICO O Cubismo Surgiu no século XX, sendo que o marco inicial foi em 1907 com a obra Les Demoiselles d Avignon de Picasso. Principais fundadores foram Pablo Picasso e Georges Braque,

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

O que é a Terapia Floral?

O que é a Terapia Floral? O que é a Terapia Floral? Devido às suas vibrações elevadas, certas flores, árvores e arbustos silvestres têm o poder de elevar nossas vibrações humanas e abrir os canais para ouvirmos as mensagens do

Leia mais

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Uma análise pessoal sobre obras abstracionistas Obras em observadas: Obra 1 Namorados

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 TURMA: Nível 1 PERÍODO: 23/02 a 22/05 DISCIPLINA/PROFESSOR/A OBJETIVO CONTEÚDOS Viviane Bhoes Identidade e Autonomia * Reconhecer colegas e professores pelo nome; * Ampliar

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Filosofia da Arte Aula 01. Introdução à compreensão da arte e sua história. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

Filosofia da Arte Aula 01. Introdução à compreensão da arte e sua história. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. Filosofia da Arte Aula 01 Introdução à compreensão da arte e sua história Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com Trivium (Gramática, a Retórica e a Lógica/Dialética) Quadrivium (Música,

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: UMA DISCUSSÃO INTRODUTÓRIA À LUZ DA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL Leandro Carmo Souza Silvana Calvo Tuleski A apropriação da linguagem escrita constitui-se como elemento

Leia mais

Exposição Almandrade INSTALAÇÃO E POEMAS VISUAIS

Exposição Almandrade INSTALAÇÃO E POEMAS VISUAIS Exposição Almandrade INSTALAÇÃO E POEMAS VISUAIS CASA DAS ROSAS Av. Paulista, 37 São Paulo / Sp. (até 27 de abril de 2014) De terça feira a sábado, das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 10h às 18h.

Leia mais

2 Fluxogramas e Pseudocódigo. 18 Programação em C/C++ estrutura básica e conceitos fundamentais

2 Fluxogramas e Pseudocódigo. 18 Programação em C/C++ estrutura básica e conceitos fundamentais 2 Fluxogramas e Pseudocódigo 18 Programação em C/C++ estrutura básica e conceitos fundamentais 1 Algoritmos em linguagem informal e em linguagens formais Voltemos a considerar alguns algoritmos que traduzem

Leia mais

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein NOME DO AUTOR: Priscilla da Veiga BORGES; André da Silva PORTO. UNIDADE ACADÊMICA: Universidade Federal de

Leia mais