Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load)"

Transcrição

1 Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas para trás (Limit Load) Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 1

2 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões rranjo 1 - Mancal fora do fluxo de ar base única rranjo 3 - Mancal no fluxo de ar base regulável rranjo 3 - Duplex mancal no fluxo de ar base regulável rranjo 3 - Mancal no fluxo de ar base única rranjo 4 - Mancal fora do fluxo de ar rranjo 9 - Mancal fora do fluxo de ar 7- Dimensões de eixos e chavetas Registro de descarga RD e veneziana gravitacional de descarga RG Curvas dos ventiladores Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 2

3 1- Fundamentos Um ventilador é uma máquina cuja função é garantir a movimentação de ar a uma determinada vazão e pressão. Dividem-se em dois grupos principais: ventiladores axiais onde a corrente de ar se estabelece axialmente ao ventilador, onde se utiliza geralmente uma hélice e ventiladores centrífugos onde o fluxo de ar se estabelece radialmente através do ventilador e se utiliza geralmente um rotor. Estes por sua vez podem ser classificados de acordo com: - O aumento de pressão que produzem; - Forma das aletas do rotor; - Disposição das aletas; - Com suas diversas aplicações; Os ventiladores descritos neste catálogo são do grupo dos ventiladores centrífugos. Possuem baixa pressão, suas aletas são inclinadas para trás para permitir o melhor direcionamento do fluxo de ar com valores mínimos de perdas por turbulência e são utilizados em instalações de ventilação e ar condicionado. Definições: de ar: é o volume de ar movimentado por um ventilador em um tempo determinado, normalmente expresso em m3/h. Pressão estática (P st ): é a pressão do meio ou recinto através do qual o ar se movimenta. Pressão dinâmica (P d ): é a pressão resultante da transformação integral da energia cinética do ar em pressão. sua equação: P d = Ɣ.v 2 / 2g Sendo: Ɣ = densidade do ar em Kg/m 3 g = aceleração da gravidade ( ) v= velocidade do ar em P d = pressão dinâmica em Pa Pressão total (P t ): É a soma da pressões estática e dinâmica. Medida de pressão: medida das pressões em um duto deve efetuar-se em um ramo de onde o regime de escoamento do ar é estável (longe de uma mudança de secção, curvas etc.). pressão dinâmica se mede com um tubo de Pitot ou um tubo de Prandl conectado a um manômetro diferencial. O tubo de Prandl é mais utilizado pois permite a medição da pressão estática e a dinâmica. Devemos lembrar de diferenciar os dutos de insuflamento dos dutos de aspiração ou retorno, tendo em vista que em relação a pressão atmosférica a pressão estática será positiva no primeiro caso e negativa no segundo sendo que a pressão total será a soma algébrica do valor absoluto de ambas. Devemos estar atentos ao fato que a pressão dinâmica do fluxo de ar é mais baixa perto das paredes do duto em relação ao centro. Este fato é mais pronunciado em regime de fluxo laminar do que em fluxo turbulento. Na figura 1 estão representadas as curvas de distribuição de velocidades em ambos os regimes. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 3

4 Fluxo Turbulento Fluxo Laminar + - Pressão tmosferica Pst +Pd +Pt -Pst +Pd +Pt 2- Curvas características s curvas de características foram determinadas para uma temperatura de ar de C e uma pressão barométrica de 7 mm Hg., equivalente a uma densidade de 1,2 Kg/m³. Qualquer variação destes valores implica na utilização dos coeficientes de correção indicados na tabela nº.1 De acordo com as leis dos ventiladores relativos a variação da densidade do ar, temos: Exemplo de aplicação: 1- vazão do ar em volume permanece invariável V 1 =V 2 2- pressão e a potência absorvida na mesma vazão são proporcionais a densidade. p t1 = p t2. t 2. Ɣ 2 / Ɣ 1 ssim, se precisarmos de um ventilador que forneça uma vazão de m 3 /h com uma pressão total de mmca situado em uma localidade a 10m sobre o nível do mar e a uma temperatura de 38 C, procederemos como segue: - Na tabela nº.1 obtemos o coeficiente de correção, que é 0,785. Selecionamos um ventilador para m 3 /h a uma pressão de /0,785 = 64 mmca - potência real absorvida será equivalente a potência absorvida lida nas curvas, multiplicada por 0,785. Temperatura do ar C Nível do mar ELEVÇÃO SORE O NIVEL DO MR m PRESSÃO ROMÈTRIC mmhg Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 4

5 3- Fórmulas relativas aos ventiladores centrífugos Leis de proporcionalidade Indicamos a seguir as leis de proporcionalidade dos ventiladores centrífugos, que apesar de teóricas, podem ser aplicadas com suficiente precisão aos ventiladores reais. Para um ventilador e um sistema de dutos dados, com ar a densidade constante tem: V 2 = V 1.n 2 / n 1 Pressão p t1 = p t2. (n 2 / n 1) 2 Potência bsorvida P 2 = P 1. (n 2 / n 1 ) 3 Onde: V n p t P = vazão em m 3 /h; = rotação em rpm; =pressão total mmca =potencia absorvida kw Rendimento e potência: O rendimento é calculado por: ɳ = v. p t /. P ɳ = rendimento v = vazão em m 3 /s; p t = diferença de pressão total ( N/m 2 ) P = potência absorvida W (N) *Utilizando as unidades usuais devemos introduzir um fator de conversão: ɳ = (v (m3/h). p t(mmca)) / ( P (kw)) potência absorvida que consta nas curvas não leva em consideração as perdas por transmissão nem as perdas por atrito do ar ocasionando certa sobrecarga ao motor, por isto é aconselhável aumentar a potência absorvida em cerca de % para selecionar o motor a ser utilizado. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 5

6 4- Nomenclatura Modelo: VLS: Simples spiração VLD: Dupla spiração Montagem: 1- Simplex 2- Duplex 3- Triplex rranjo: 1: Mancal fora do fluxo. 3: Mancal no fluxo 4: Motor dir. acoplado 9: Mancal fora do fluxo,motor na base do mancal Rotação do ventilador / Potência CV/Tensão do motor V VLD 4 2 U H-90-C 2-2 Tamanho: Tipo do conjunto PQ: Pé quadrado* R: ase regulável U: ase única MV: Moto ventilador DD: cionamento direto Classe 1, 2 ou 3 Sentido de rotação: horário; anti-horário Posição de montagem (45/90/180/270/315/3) Posição do motor (//C/D/E/Z/W) *Estas opções não possuem motor. 5- Características construtivas Construídos em chapa de aço galvanizado, com rotor tipo Limit load com pás voltadas para trás, balanceado estaticamente e dinamicamente no grau Q=6,3 (ISO 19). O eixo é projetado com alto fator de segurança, de aço de alto carbono e com chavetas nas extremidades. Rolamentos de esferas de alta qualidade e selecionados para uma vida útil mínima de.000 horas. cessórios disponíveis: conexões flexíveis na descarga e sucção,bocal ou flange de aspiração ou descarga, amortecedores de vibração,porta de inspeção,pintura especial e dreno de esgotamento. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 6

7 6- Dimensões 6.1- rranjo 1 - Mancal fora do fluxo de ar base única F E H O Z W P J J I I D C Medidas em mm MODELO VENTILDOR VLS U E F I ,5 32,5 J 17,5 17,5 17,5 17, ,5 32,5 O P POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H90 H270 H C D H POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H C D H Posição do ventilador e motor Z W Z W Z W Z W H-90 H-180 H-270 H-3 Z W Z W Z W Z W Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 7

8 6.2 - rranjo 3 - Mancal no fluxo de ar base regulável Medidas em mm VENTILDOR - VLS / VLD R MODELO C D E F F G ,5 32,5 H K L M N , ,5 4,5 7,5 547, P , ,5 96,5 97,5 97, R S Q Posição do motor e base regulável D E C D C E C E D E D C H-90 H-180 H-270 H-3 E D C C D E C E D D E Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP C 8

9 6.3 - rranjo 3 - Duplex mancal no fluxo de ar base regulável K E H F I F H F C G G M P D G Medidas em mm VENTILDOR - VLD R MODELO C D E F G H I J K M P Posição do motor e base regulável D E C D C E C E D E D C H-90 H-180 H-270 H-3 E D C C D E C E D D E C Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 9

10 6.4 - rranjo 3 - Mancal no fluxo de ar base única M N C2-SIMPLES SPIRÇÃO Medidas em mm MODELO VENTILDOR - VLS / VLD U D D E F F I ,5 J 17,5 17,5 17,5 17, ,5 M N POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H90 H270 H H180 C C H POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H C C H Posição do ventilador e motor Z W Z W Z W Z W H-90 H-180 H-270 H-3 Z W Z W Z W Z W Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

11 6.5 - rranjo 4 - Mancal fora do fluxo de ar F E G H M N D J I C Medidas em mm MODELO VENTILDOR - VLS MV E F M N POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H90 H C H POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H180 H C D I ,5 J H Posição do ventilador H-90 H-180 H-270 H-3 Obs.: O motor é montado sempre na mesma posição Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 11

12 6.6 - rranjo 9 - Mancal fora do fluxo de ar F E G H K L J I D C Medidas em mm MODELO MNCL FOR DE FLUXO E F G J 17,5 17,5 17,5 17,5,5, ,5 I ,5 K L POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H90 H C H POSIÇÃO DE DESCRG DO VENTILDOR = H180 H C D H Posição do ventilador H-90 H-180 H-270 H-3 Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

13 7- Dimensões dos eixos e chavetas MODELO mm Classe 1 Classe 2 Classe 3 Eixo 19,05 19,05 25,4 25, Chaveta 1/4"x1/4" 1/4"x1/4" 8x7 8x7 8x7 8x7 x8 x8 x8 x8 x9 x9 x9 x9 x Eixo 19,05 19,05 25,4 25, Chaveta 1/4"x1/4" 1/4"x1/4" 8x7 8x7 8x7 8x7 x8 x8 x8 x8 x9 x9 x9 x9 x Eixo 25,4 25, Chaveta 1/4"x1/4" 1/4"x1/4" 8x7 8x7 x8 x8 x8 x8 x9 x9 x9 x9 x x 18x11 8- Registro de descarga RD e veneziana gravitacional de descarga RG RD RG i j k VLS VLD MODELO e f g h i j k MODELO e f g h i j k Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 13

14 9- Curvas dos ventiladores potência absorvida que consta nas curvas não leva em consideração as perdas por transmissão nem as perdas por atrito do ar ocasionando certa sobrecarga ao motor, por isto é aconselhável aumentar a potencia absorvida em cerca de % para selecionar o motor a ser utilizado. Lembrem que estas curvas de desempenho são apresentadas para altitude 0 m e ar padrão com densidade de 1,5 kg/m 3. interpolação dentro dos limites das curvas é permitida, a extrapolação não. Para obter o desempenho dos ventiladores duplex ou triples utilize as curvas dos modelos VSD(dupla aspiração) e multiplique a vazão e a potencia por 2 ou 3 mantendo as demais características de pressão e rendimento. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

15 0.15 VLS-0 63% 66% 70% 68% 57% Potencia bsorvida (cv) % Diametro do Rotor - 0mm Classe I - 45 Classe II - x = 0. x 0.25 rea = 0.04 m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 15

16 VLS % 66% 70% 68% Potencia bsorvida (cv) 57% 48% Diametro do Rotor - 4mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.18 x 0.28 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

17 VLS-2 65% 68% 71% 68% Potencia bsorvida (cv) 56% 49% Diametro do Rotor - 2mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.2 x rea = 0.063m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 17

18 VLS % 68% 71% 68% Potencia bsorvida (cv) 56% 49% Diametro do Rotor - 280mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.4 x rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 18

19 VLS % 69% 73% 71% % Potencia bsorvida (cv) % Diametro do Rotor - 315mm Classe I - 45 Classe II - x = x 0.0 rea = 0.08m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 19

20 VLS Potencia bsorvida (cv) 67% 71% 73% 72% 57% 51% Diametro do Rotor - 355mm Classe I - 45 Classe II - x = x 0.4 rea = 0.78m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

21 VLS % 69% 74% 73% 63% 0 Potencia bsorvida (cv) 52% Diametro do Rotor - 0mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.3 x 0.0 rea = 0.m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 21

22 VLS Potencia bsorvida (cv) 69% 70% 75% 74% 64% 53% Diametro do Rotor - 4mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.3 x rea = 0.m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

23 VLS % 72% 76% 73% 0 Potencia bsorvida (cv) 59% 52% Diametro do Rotor - 0mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.4 x 0.63 rea = 0.252m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 23

24 0.33 VLS %.5 75% 76% 64% 0 Potencia bsorvida (cv) 57% 52% Diametro do Rotor - 5mm Classe I - 45 Classe II x = x 0.71 rea = 0.38m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 24

25 VLS %.5 75% 15 78% 76% 0 Potencia bsorvida (cv) 61% 53% Diametro do Rotor - 6mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.4 x 800 rea = 0.32m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 25

26 VLS % 74% 78% 77% 0 Potencia bsorvida (cv) % 54% Diametro do Rotor - 7mm Classe I - 45 Classe II - x = 68 x 900 rea = 1m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 26

27 VLS % 75% 79% 78% 66% 0 Potencia bsorvida (cv) 58% Diametro do Rotor - 800mm Classe I - 45 Classe II - x = 6 x 00 rea = 0.64m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 27

28 VLS % 25 76% 80% 79% 0 Potencia bsorvida (cv).5 69% 56% Diametro do Rotor - 900mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.7 x 11 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 28

29 VLS % 76% 81% 79% 0 Potencia bsorvida (cv) Diametro do Rotor - 00mm Classe I - 45 Classe II - x = x rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 29

30 VLS % 35 79% 45 81% 74% 0 Potencia bsorvida (cv) % 56% Diametro do Rotor - 11mm Classe I - 45 Classe II - x = 896 x 10 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

31 0.25 VLD % 66% 70% 68% 57% Potencia bsorvida (cv) 48% Diametro do Rotor - 0mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.3 x 0.25 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 31

32 0 VLD-4 64% 66% 70% 68% Potencia bsorvida (cv) 57% 48% Diametro do Rotor - 4mm Classe I - 45 Classe II - x = x 0.28 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 32

33 VLD-2 65% 68% 71% 68% 0 0 Potencia bsorvida (cv) 56% 49% Diametro do Rotor - 2mm Classe I - 45 Classe II - x = x rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 33

34 0.75 VLD % 68% 72% 69% 0 0 Potencia bsorvida (cv) 55% 49% Diametro do Rotor - 280mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.42 x rea = 0.91 m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 34

35 VLD % 69% 73% 71% 0 59% 0 Potencia bsorvida (cv) % Diametro do Rotor - 315mm Classe I - 45 Classe II - x = x 0.4 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 35

36 VLD Potencia bsorvida (cv) 68% 69% % 73% 64% 52% Diametro do Rotor - 0mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.6 x rea = 0.3 m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 36

37 0 VLD-4 68%.5 70% 15 75% 74% 64% 0 Potencia bsorvida (cv) 53% Diametro do Rotor - 4mm Classe I - 45 Classe II - x = x 6 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 37

38 VLD % 15 72% 76% 73% 0 0 Potencia bsorvida (cv) 59% 52% Diametro do Rotor - 0mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.75 x 0.63 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 38

39 VLD-5 70% 73% 77% 74% Potencia bsorvida (cv).5 61% 52% Diametro do Rotor - 5mm Classe I - 45 Classe II - x = 0.84 x 0.71 rea = 964 m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 39

40 VLD-6 71% 25 75% 78% 75% Potencia bsorvida (cv).5 62% 53% Diametro do Rotor - 6mm Classe I - 45 Classe II - x = x 0.8 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP

41 VLD % 74% 78% 76% 0 0 Potencia bsorvida (cv) % 54% Diametro do Rotor - 7mm Classe I - 45 Classe II x = 65 x 0.9 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 41

42 VLD % 75% 79% 78% % Potencia bsorvida (cv) 58% Diametro do Rotor - 800mm Classe I - 45 Classe II - x = 1.2 x rea = 1.2 m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 42

43 VLD % 76% 80% 79% 68% Potencia bsorvida (cv) % Diametro do Rotor - 900mm Classe I - 45 Classe II - x = 1.35 x 1. rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 43

44 0 VLD-00 74% 76% 70 81% 79% 0 Potencia bsorvida (cv) % 55% Diametro do Rotor - 00mm Classe I - 45 Classe II - x = x 1.25 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 44

45 0 VLD-11 Potencia bsorvida (cv) 25 75% 79% 81% 75% 64% % Diametro do Rotor - 11mm Classe I - 45 Classe II x = 1.68 x 1.4 rea = m² Rua Rio de Janeiro, 528 CEP Fazendinha Santana do Parnaíba SP 45

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

RFS/RFD VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO AIR FOIL

RFS/RFD VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO AIR FOIL RFS/RFD VETILDORES ETRÍFUGOS TIPO IR FOIL ÍDIE OTEÚDO Pág º Generalidades sobre ventiladores Generalidades sobre as curvas características 5 Ventiladores RFS e RFD 6 rranjos e Posições 7 Dimensões Gerais

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA

VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA VENTILADORES CENTRÍFUGOS TIPO SIROCCO TDA/TSA ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características Nomenclatura e terminologia 6 Níveis sonoros 7 Características

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características 5 Ventiladores AFR 5 Nomenclatura 6 Seleção 7 Dimensões AFR /

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

VENTILADORES AXIAIS AVR

VENTILADORES AXIAIS AVR VENTILADORES AXIAIS AVR ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características Ventiladores AVR 6 Nomenclatura 7 Pré-seleção 8 Dimensões AVR / AL 9 Dimensões

Leia mais

Desde 1993, sinônimo de qualidade, prestatividade e bom atendimento, para melhor servir o mercado do ar.

Desde 1993, sinônimo de qualidade, prestatividade e bom atendimento, para melhor servir o mercado do ar. Desde 1993, sinônimo de qualidade, prestatividade e bom atendimento, para melhor servir o mercado do ar. Da Termodin saem os ventiladores para as maiores indústrias de ar-condicionado do país. Além de

Leia mais

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores VENTILADORES Aspectos gerais As unidades de ventilação modelo BBS, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para frente, e BBL, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para trás, são fruto de

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS. Tipo Limit Load - Linhas L e Q RLS/RLD

VENTILADORES CENTRÍFUGOS. Tipo Limit Load - Linhas L e Q RLS/RLD VENTILDORES ENTRÍFUGOS Tipo Limit Load - Linhas L e Q RLS/RLD ÍNDIE ONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 3 Generalidades sobre as curvas características Nomenclatura e terminologia 5 RLD - Dupla

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS. Tipo Limit Load - Linhas L e Q RLS/RLD

VENTILADORES CENTRÍFUGOS. Tipo Limit Load - Linhas L e Q RLS/RLD VENTILDORES ENTRÍFUGOS Tipo Limit Load - Linhas L e Q RLS/RLD ÍNDIE ONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 3 Generalidades sobre as curvas características Nomenclatura e terminologia 5 RLD - Dupla

Leia mais

VENTILADORES LIMIT LOAD

VENTILADORES LIMIT LOAD VENTILADORES LIMIT LOAD UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES LIMIT LOAD Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: ELSC 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ESPECIALIZAÇÃO em ENGENHARIA de SEGURANÇA do TRABALHO Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho (6ª Aula) Prof. Alex Maurício Araújo Recife - 2009 Ventiladores

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

- Quanto a entrada de aspiração a Simples aspiração entrada somente de um lado b Dupla aspiração entrada dos dois lados

- Quanto a entrada de aspiração a Simples aspiração entrada somente de um lado b Dupla aspiração entrada dos dois lados Ventiladores Ventiladores são máquinas de fluxo, que movimentam os gases produzindo trabalho para seu deslocamento. Esse trabalho é transferido em forma de energia cinética e potencial, fazendo movimentar-se

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO. Modelos BSD-GTD

VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO. Modelos BSD-GTD VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO Modelos BSD-GTD VENTILADORES DUPLA ASPIRAÇÃO Aspectos gerais Os ventiladores da série BSD, de pás curvadas para frente e GTD/GHB (tecnologia ABB) de pás curvadas

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS SIMPLES ASPIRAÇÃO. Modelos BSS / GTS

VENTILADORES CENTRÍFUGOS SIMPLES ASPIRAÇÃO. Modelos BSS / GTS Modelos BSS / GTS Aspectos gerais Os ventiladores de simples aspiração das séries BSS e GTS respectivamente de pás curvadas para frente e para trás, representam o avançado estágio de um sistemático e contínuo

Leia mais

Unidades de Ventilação Com Ventiladores de Dupla Aspiração

Unidades de Ventilação Com Ventiladores de Dupla Aspiração Ventiladores Unidades de Ventilação Com Ventiladores de Dupla Aspiração Modelo BBS (ventilador Sirocco) Modelo BBL (ventilador Limit-Load) entrimaster Tecnologia ABB Fans Ventiladores 1 - Aspectos gerais

Leia mais

Catálogo geral Fancoil

Catálogo geral Fancoil Catálogo geral Fancoil 1 Catálogo Técnico de unidades Intercambiadoras de calor Índice 1- Características Construtivas 3 2- Nomenclatura 4 3- Dados Nominais 5 4- Diâmetro dos coletores 7 5- Peso dos equipamentos

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

GABINETES DE VENTILAÇÃO

GABINETES DE VENTILAÇÃO GABINETES DE VENTILAÇÃO espirovent UMA MARCA DO GRUPO DUTOS E Descricao e Nomenclatura GABINETES DE VENTILACAO GABINETES DE VENTILAÇÃO PERSPECTIVA GERAL As caixas de ventilação da linha ESDG e ELDG são

Leia mais

Bipartida Axialmente

Bipartida Axialmente Linha BP BI-PARTIDA ROTOR DE DUPLA SUCÇÃO Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam

Leia mais

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO Tal como nos sistemas de bombeamento de água, nos dutos de ventilação industrial carateriza-se o escoamento em função do número de Reynols. A queda de pressão em

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO Pedro José Moacyr Rangel Neto pedrorangel@pucrs.br PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia - Departamento de Engenharia

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORES: MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI NAZARENO FERREIRA

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

BT-01 - O que é um Ventilador - Terminologia de Definição de Ventiladores 4. BT-02- Leis dos Ventiladores 7

BT-01 - O que é um Ventilador - Terminologia de Definição de Ventiladores 4. BT-02- Leis dos Ventiladores 7 MANUAL TÉCNICO ÍNDICE CONTEÚDO Total de Págs. BT- - O que é um Ventilador - Terminologia de Definição de Ventiladores 4 BT-- Leis dos Ventiladores 7 BT-3 - Curvas de Desempenho de um Ventilador Curvas

Leia mais

CAS 460 2T 7,5. Número de pólos motor 2=2900 r/min 50 Hz. Intensidade máxima admissível (A) Potência instalada (kw)

CAS 460 2T 7,5. Número de pólos motor 2=2900 r/min 50 Hz. Intensidade máxima admissível (A) Potência instalada (kw) CAS CAS CAS: Ventiladores centrífugos de alta pressão e aspiração simples com revestimento e turbina em chapa de aço : Ventiladores centrífugos de alta pressão e aspiração simples com revestimento e turbina

Leia mais

Ventiladores Centrífugos RadiFit EC. Compactos, eficientes e de reposição fácil.

Ventiladores Centrífugos RadiFit EC. Compactos, eficientes e de reposição fácil. Ventiladores Centrífugos RadiFit EC Compactos, eficientes e de reposição fácil. Se encaixa, economiza e faz sentido! A nossa linha de ventiladores centrífugos RadiFit com voluta e pás curvadas para trás

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM

Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM Climatizador de ar ECLIPSE As unidades climatizadoras ECLIPSE, estão disponíveis em 16 modelos, com vazões de ar que variam de 1.300 a 34.000 m 3 /h, e

Leia mais

Exaustores. Transmissão indireta Transmissão direta

Exaustores. Transmissão indireta Transmissão direta A Wgui é uma empresa do grupo Arwek / Atmos Ambiental do Brasil uma empresa experiente que visa o desenvolvimento de novas tecnologias sem estar agredindo o nosso eco sistema. Exaustores. Exaustores são

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

VAV/Z CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL

VAV/Z CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL VAV/Z CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL A Tropical, com o intuito de melhor atender às necessidades do mercado, oferece a opção de Caixa de Volume Variável de formato circular.

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil ÍNDICE 1. Introdução 2. Pressão 3. Pressão da água 4. Pressão atmosférica ou barométrica 5. Vazão 6. Velocidade 7. Trabalho 8. Potência

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AC é composto por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, unidos por um jogo de correias planas fixadas aos cubos através de um flange aparafusado.

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

Varycontrol Caixas VAV

Varycontrol Caixas VAV 5/1/P/3 Varycontrol Caixas VAV Para Sistemas de Volume Variável Séries TVZ, TVA TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORA: JORDANA MOURA CAETANO GOIÂNIA, GO 2015-1

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

Atuando desde 1981 a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos

Atuando desde 1981 a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos Atuando desde 1981 a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais variados sistemas de movimentação

Leia mais

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS 1 INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS ROTATIVOS O objetivo da presente apostila é prestar informações mínimas, a nível técnico, sobre os principais equipamentos rotativos utilizados na indústria de petróleo e petroquímica.

Leia mais

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression TM Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression Ar condicionado Central VRF Perfil do Produto A linha de produtos Impression é um novo conceito de condicionador de ar inteligente VRF

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Condicionadores de Ar Self Contained 5 a 40 TR tipo ROOF-TOP ESPECIFICAÇÕES A linha SELF CONTAINED TOSI foi projetada visando obter a melhor relação custo-beneficio do mercado,

Leia mais

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos Elementos de Máquinas I Engrenagens Conceitos Básicos 34 5. EGREAGES Conceitos Básicos 5.1 Tipos de Engrenagens Engrenagens Cilíndricas Retas: Possuem dentes paralelos ao eixo de rotação da engrenagem.

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Especificações Construtivas Os climatizadores (Fan Coil Tosi Baby) foram projetado vizando obter maior vida útil, performance adequada e facilidade de instalação, operação

Leia mais

VENTILADORES VENTILADORES AXIAIS. Modelos VHF-VHV

VENTILADORES VENTILADORES AXIAIS. Modelos VHF-VHV Modelos VHF-VHV Aspectos Gerais Os ventiladores aiais da linha VH, com pás em perfil airfoil fundidas em alumínio representam o avanço de um sistemático e contínuo trabalho de desenvolvimento e aprimoramento

Leia mais

UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. DCEEng - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS

UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. DCEEng - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS 1 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DCEEng - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS CURSO ENGENHARIA MECÂNICA Campus Panambi FELIPE LUDWIG DOS SANTOS DIMENSIONAMENTO

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Intercambiador de Calor de Extensão Direta 2 a 40 TR ESPECIICAÇÕES CONSTRUTIVAS Os climatizadores Modelo foram projetados visando obter maior vida útil, performance e facilidade

Leia mais

CONJUNTO VENTILADOR- MOTOR- CHAMINÉ. 10º Período de Engenharia Mecânica

CONJUNTO VENTILADOR- MOTOR- CHAMINÉ. 10º Período de Engenharia Mecânica CONJUNTO VENTILADOR- MOTOR- CHAMINÉ 10º Período de Engenharia Mecânica Fernando Coradi Engenheiro Mecânico Engenheiro em Segurança do Trabalho Mestrando em Engenharia de Energia 1 Referências Bibliográficas

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão Definição - I Força por unidade de área p = Força (F) grandeza vetorial Área (A) grandeza

Leia mais

Série ILT ATEX NOVIDADE VENTILADORES CENTRIFUGOS IN-LINE DE BAIXO PERFIL ANTI-DEFLAGRANTE ILT ATEX. Ventiladores em linha. Tampa de inspecção

Série ILT ATEX NOVIDADE VENTILADORES CENTRIFUGOS IN-LINE DE BAIXO PERFIL ANTI-DEFLAGRANTE ILT ATEX. Ventiladores em linha. Tampa de inspecção VENTILDORES ENTRIFUGOS IN-LINE DE IXO PERFIL NTI-DEFLGRNTE Série ILT TEX NOVIDDE Ventiladores centrífugos in-line de baixo perfil, especialmente desenhados para extracção de ar em atmosferas explosivas,

Leia mais

SV 150/H (T) Diâmetro boca em mm. instalada (r/min) (A)

SV 150/H (T) Diâmetro boca em mm. instalada (r/min) (A) /PLUS /ECO : Exaustores em linha para condutas, com baixo nível sonoro, montados dentro de um revestimento acústico /PLUS: Exaustores em linha para condutas, com baixo nível sonoro, montados dentro de

Leia mais

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO

BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO BOMBA CENTRÍFUGA FBRL20B MONO-ESTÁGIO MANUAL TÉCNICO Série: FBRL20B Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas,

Leia mais

Noções de Hidráulica

Noções de Hidráulica Noções de Hidráulica 1- INTRODUÇÃO - PRESSÃO - PRESSÃO DA ÁGUA 4- PRESSÃO ATMOSFÉRICA OU BAROMÉTRICA 5- VAZÃO 6- VELOCIDADE 7- TRABALHO 8- POTÊNCIA 9- ENERGIA 10- RENDIMENTO 11- CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

Equipamentos de Controle

Equipamentos de Controle Departamento de Química Aula 5 Equipamentos de Controle Parte 2 Prof.: Gisele Fátima Morais Nunes Disciplina: Operações Unitárias I Curso: Técnico em Química Módulo III 1 semestre de 2015 Introdução Temas

Leia mais

www.imbil.com.br 1 1

www.imbil.com.br 1 1 www.imbil.com.br 1 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e curvas características de cada

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

NCP ULTRANORMA BOMBA CENTRÍFUGA HORIZONTAL. Características construtivas: Principais aplicações

NCP ULTRANORMA BOMBA CENTRÍFUGA HORIZONTAL. Características construtivas: Principais aplicações BOMBA CETRÍFUGA ORIZOTAL CP ULTRAORMA Características construtivas: - Construída conforme as normas DI e ISO * - Altura de recalque de a mca - Rotação e trabalho - / rpm - Sistema de desmontagem "back-pull-out"

Leia mais

Manual Técnico. Ventilador de Conforto Industrial

Manual Técnico. Ventilador de Conforto Industrial Manual Técnico Aeroville Equipamentos Industriais Rua Otto Max Petersen, 158 Bairro Aventureiro CEP 89226-250 Joinville SC. www.aeroville.com.br aeroville@aeroville.com.br Fone: (47) 3419-0004 Fax: (47)

Leia mais

Engenharia Mecânica Automação e Sistemas PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UMA BANCADA PARA ENSAIO DE VENTILADORES AXIAIS

Engenharia Mecânica Automação e Sistemas PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UMA BANCADA PARA ENSAIO DE VENTILADORES AXIAIS 1 Engenharia Mecânica Automação e Sistemas PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UMA BANCADA PARA ENSAIO DE VENTILADORES AXIAIS Anderson Carlos de Barros Itatiba São Paulo Brasil 2009 2 Engenharia Mecânica Automação

Leia mais

Seleção de moto-ventiladores em air handlers

Seleção de moto-ventiladores em air handlers Seleção de moto-ventiladores em air handlers Autor: Engº. J. Fernando B. Britto, engenheiro mecânico, sócio da Adriferco Engenharia, secretário do GEC-4 Contato: adriferco@gmail.com J. Fernando B. Britto

Leia mais

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 ventilação Défumair XTA caixa de desenfumagem à transmissão F400-120 vantagens Desempenhos optimizados. Modularidade: 4 versões possíveis. Construção monobloco.

Leia mais

VENTILADORES CENTRÍFUGOS DE ACCIONAMENTO DIRECTO

VENTILADORES CENTRÍFUGOS DE ACCIONAMENTO DIRECTO VENTILADORES CENTRÍFUGOS DE ACCIONAMENTO DIRECTO COM MOTOR ASSÍNCRONO DE ROTOR INTERNO (DD) OU ROTOR EXTERNO (DDM) Entrada dupla com accionamento directo Rotor com turbina de pás avançadas em chapa de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

INTRODUÇÃO NOTAS. www.imbil.com.br 3

INTRODUÇÃO NOTAS. www.imbil.com.br 3 www.imbil.com.br 1 www.imbil.com.br 2 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha INI-K e INI-O de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRARECUOS DENFLEX NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN PINOFLEXNP SPEFLEX N VULBRAFLEX VB VULKARDAN E VULMEX 2009/01 GENERALIDADES Os acoplamentos

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. Autor: João Batista de Azevedo Dutra Engenheiro Eletricista Engenharia Elétrica Consultoria

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 17 Bombas Hidráulicas Tópicos Abordados Nesta Aula Características das Bombas Hidráulicas. Definição São Máquinas Hidráulicas Operatrizes, isto é, máquinas que recebem energia potencial (força motriz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0 VULBRAFLEX VB GENERALIDADES O VULBRAFLEX é um acoplamento flexível e torcionalmente elástico. Sua flexibilidade permite desalinhamentos radiais, axiais e angulares entre os eixos acoplados e ainda, sendo

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED Capacidade de 3 a 50TR Estrutura em perfil de alumínio extrudado Tampas rechapeadas e facilmente removíveis Pintura eletrostática a pó Várias opções de montagem e acabamentos

Leia mais

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA KILIAN, Christopher. Modern Control Technology: Components & Systems,

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

APRESETAÇÃO E SÍNTESE

APRESETAÇÃO E SÍNTESE Estudo do Pitot Ver 4 APRESETAÇÃO E SÍNTESE O artigo Tubo de Pitot, calibrar ou não calibrar, tem por finalidade demonstrar de maneira Teórica, Estatística e Prática, a não necessidade de enviar seu tubo

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO SISTEMA DE EXAUSTÃO CE 01 SISTEMA DE EXAUSTÃO CE 01 Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a cozinha

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: HIGIENE OCUPACIONAL IV Aula 60 VENTILAÇÃO LOCAL EXAUSTORA Parte I da Aula 60

Leia mais

VAV - R CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL

VAV - R CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL VAV - R CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL VAV CAIXA DE VOLUME DE AR VARIÁVEL A Tropical, com o intuito de melhor atender às necessidades do mercado, oferece a opção de Caixa de Volume Variável de formato

Leia mais

Self Wall Mounted. Catálogo Técnico Unidade Wall Mounted 50BW 24/36/48/60

Self Wall Mounted. Catálogo Técnico Unidade Wall Mounted 50BW 24/36/48/60 Self Wall Mounted Catálogo Técnico Unidade Wall Mounted 50BW 24/36/48/60 Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 INTRODUÇÃO...3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS...5 DADOS ELÉTRICOS...6 DADOS DIMENSIONAIS...6 CIRCUITO FRIGORÍFICO...9

Leia mais

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS 1. Introdução Carlos Rogério de Mello 1 Tadayuki Yanagi Jr. 2 Com a evolução dos processos produtivos agrícolas, demonstrada principalmente pela presença cada vez maior da

Leia mais