Sistema de Pagamentos Brasileiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Pagamentos Brasileiro"

Transcrição

1 Sistema de Pagamentos Brasileiro José Antonio Marciano Telebrasil 2007 Costa do Sauípe 2/6/2007

2 Tópicos Sistema de Pagamentos Brasileiro O papel do Banco Central no SPB O projeto de reestruturação O papel das empresas de telecomunicações Próximos passos

3 Sistema de Pagamentos Definição Infra-estrutura que possibilita aos agentes econômicos a liquidação de suas obrigações financeiras, de maneira tempestiva, segura, eficiente e confiável. Sistema de pagamentos compreende os sistemas, os meios de comunicação, as regras e os operadores.

4 Importância do sistema de pagamentos e interesse dos bancos centrais Importância É a infra-estrutura para que o dinheiro cumpra sua função de intermediário de trocas Possibilita (suporta) o funcionamento da economia real e do sistema financeiro Interesse dos bancos centrais Manter a confiança da população na moeda como meio de troca estabilidade do poder de compra da moeda Promover a segurança e a eficiência do sistema de pagamentos Promover a solidez do sistema financeiro Preservar o canal de transmissão da política monetária Promover a eficiência econômica no uso do dinheiro

5 O Papel do Banco Central do Brasil Vigilante do sistema de pagamentos Ações relacionadas à segurança e à eficiência Avaliação do gerenciamento de risco Classificação quanto à importância sistêmica Monitoramento da liquidez para manter a continuidade no fluxo de pagamentos Provedor de serviços Contas de liquidação Crédito intradia STR Selic

6 Formas de Atuação do Banco Central Indicação de rumos: políticas, diretrizes e objetivos Coordenação de expectativas e decisões de investimento Produção e divulgação de análises e informações Participação no desenvolvimento de padrões Mensageria, transparência, amplo acesso, requerimentos mínimos de segurança, modalidades e grades de liquidação Persuasão moral Agir como catalisador de idéias entre as partes Incentivar soluções privadas e cooperativas Regulação, quando necessário

7 Reforma do Sistema de Pagamentos Brasileiro Objetivos Gerais Promover a estabilidade financeira funcionamento sem sobressaltos da economia real risco sistêmico reduzido Mecanismo de transmissão da Política Monetária eficiente Aperfeiçoar as bases legal e regulamentar Implantar sistema de transferência de fundos com liquidação bruta e em tempo real Garantir que sistemas de liquidação diferida líquida (LDL) estejam aderentes às melhores políticas e práticas Pronta liquidação final e certeza de liquidação Planos de contingência adequados

8 Modelo Vigente Antes da Reestruturação Banco Central assumindo risco do mercado Desenho do sistema não era ótimo Elevado moral hazard Oportunidade Inflação sob controle Sistema financeiro saneado PROER, PROES e bancos federais capitalizados

9 Reações do Mercado Aversão natural a qualquer mudança Preferência pela manutenção do status quo Banco Central assumindo riscos Receio de concorrência Hábitos Novas oportunidades de negócios Novas câmaras Novos produtos para a clientela

10 Envolvimento do Mercado 100% 90% 80% 70% 60% 50% Até 1995: Estudos sobre a conta Reservas Bancárias julho/1995: Seminário de Pagos - CEMLA / WorldBank julho/1996: WorkPaper "Efficient Payment System in Brazil" Depois 1997: Primeiros sinais da reestruturação Nota Técnica da Compe Revisão da Nota Técnica de Política Monetária 40% 30% 20% Anúncio Público Base Legal Normas das Câmaras em Audiência Privada 10% Nota Técnica de Política Monetária 0% jun/99 dez/99 mai/00 ago/00 dez/00 out/01

11 Condução do Processo pelo Banco Central Engajamento da diretoria e apoio do governo Ampla divulgação de objetivos Intensa discussão com o mercado parceria Rigor no cumprimento das etapas do projeto Postura ética

12 Postura do Banco Central Observância das melhores práticas internacionais Regulamentação do mercado Orientação Vigilância na sua esfera de competência Maior conservadorismo no estágio inicial Amplo debate com todos os segmentos: Transparência Comunicação: Internet Imprensa Respeito à iniciativa privada Atendimento às necessidades particulares do mercado brasileiro

13 Reforma do Sistema de Pagamentos Mudanças na Infra-estrutura Rede do Sistema Financeiro nacional (RSFN) Mensageria Redundância de Sistema Contingência Criptografia Certificação digital Grupos Técnicos Documentação

14 O Papel das Empresas de Telecomunicações Provedoras de infra-estrutura Suporte a negócios Indutoras de inovações

15 Próximos passos Aperfeiçoamento dos instrumentos de vigilância do BCB Modernização do Sistema de Pagamentos de Varejo Aumentar a participação relativa dos instrumentos eletrônicos em relação aos em papel Incentivar a cooperação entre os participantes para melhorar o uso da infra-estrutura Economias de escala e de escopo Externalidades de rede

16 Sistema de Pagamentos Brasileiro José Antonio Marciano Telebrasil 2007 Costa do Sauípe 2/6/2007

José Antonio Marciano

José Antonio Marciano Sistema de Pagamentos de Varejo José Antonio Marciano Pro Teste São Paulo abril/2008 1 Agenda Sistema de Pagamentos de Varejo Política e Papel do Banco Central Diagnóstico Ações Próximos passos 2 Sistema

Leia mais

O acesso a operações compromissadas intradia do Banco Central do Brasil por instituições financeiras não bancárias

O acesso a operações compromissadas intradia do Banco Central do Brasil por instituições financeiras não bancárias O acesso a operações compromissadas intradia do Banco Central do Brasil por instituições financeiras não bancárias Arcabouço jurídico e benefícios econômicos do acesso ao mecanismo de liquidez intradia

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item SPB - Sistema de Pagamento Brasileiro

Conhecimentos Bancários. Item SPB - Sistema de Pagamento Brasileiro Conhecimentos Bancários Item 3.4 - SPB - Sistema de Pagamento Brasileiro Conhecimentos Bancários Item 3.4 - SPB - Sistema de Pagamento Brasileiro STR: Sistema de Transferência de Reservas (A partir de

Leia mais

A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda

A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda Seminário ANBIMA Conta de Liquidação e Compromissada Intradia A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda São Paulo, 12 de setembro de 2012 1 Seminário ANBIMA Conta

Leia mais

3 Sistema de pagamentos

3 Sistema de pagamentos 3 Sistema de pagamentos 3.1 Introdução Após um ano da reestruturação do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), observa-se a consolidação das medidas estabelecidas com o propósito de adequar o SPB às melhores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

4º Seminário FEBRABAN sobre CONTROLES INTERNOS. Paulo Sérgio Neves de Souza Banco Central do Brasil Departamento de Supervisão Bancária

4º Seminário FEBRABAN sobre CONTROLES INTERNOS. Paulo Sérgio Neves de Souza Banco Central do Brasil Departamento de Supervisão Bancária 4º Seminário FEBRABAN sobre CONTROLES INTERNOS Paulo Sérgio Neves de Souza Banco Central do Brasil Departamento de Supervisão Bancária Novos Desafios para Controles Internos Modelo de Supervisão do BCB

Leia mais

Segmentação e gerenciamento de riscos e de capital - regulação. Junho/2017

Segmentação e gerenciamento de riscos e de capital - regulação. Junho/2017 Segmentação e gerenciamento de riscos e de capital - regulação Junho/2017 1 Agenda 1 Segmentação 2 Gerenciamento integrado de riscos e gerenciamento de capital 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 Benefícios Estrutura

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item SELIC Sistema Especial de Liquidação e de Custódia

Conhecimentos Bancários. Item SELIC Sistema Especial de Liquidação e de Custódia Conhecimentos Bancários Item 3.2 - SELIC Sistema Especial de Liquidação e de Custódia Conhecimentos Bancários Item 3.2 - SELIC Sistema Especial de Liquidação e de Custódia SELIC Depositário central dos

Leia mais

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores 'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Sistema de Pagamentos Brasileiro 6 3 0 ) Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 1 Este texto integra a série Perguntas

Leia mais

Câmara dos Deputados - Comissão de Defesa do Consumidor. Audiência Pública: Modelo de Negócio das Moedas Virtuais. Brasília,

Câmara dos Deputados - Comissão de Defesa do Consumidor. Audiência Pública: Modelo de Negócio das Moedas Virtuais. Brasília, Câmara dos Deputados - Comissão de Defesa do Consumidor Audiência Pública: Modelo de Negócio das Moedas Virtuais Brasília, 18.11.2015 Tipos de moedas Substitutos potenciais das moedas físicas Moeda (tradicional)-

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano Departamento de Comunicação e Educação Financeira 06/04/2017 O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Apresentação da Agenda

Leia mais

Política institucional de governança corporativa. 1. Esta Política institucional de governança corporativa:

Política institucional de governança corporativa. 1. Esta Política institucional de governança corporativa: 1. Esta Política institucional de governança corporativa: a) é elaborada por proposta da área de Normas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação), entidade definida como

Leia mais

Ref.: Regulamentação de arranjos de pagamentos e unificação de terminais de cartão de débito e crédito.

Ref.: Regulamentação de arranjos de pagamentos e unificação de terminais de cartão de débito e crédito. Rio de Janeiro, 04 de fevereiro de 2016. Of. Circ. Nº 045/16 Ref.: Regulamentação de arranjos de pagamentos e unificação de terminais de cartão de débito e crédito. Senhor(a) Presidente, A Fecomércio RJ

Leia mais

1. Moeda e o Sistema Monetário

1. Moeda e o Sistema Monetário 1. Moeda e o Sistema Monetário 1.2 Funções típicas dos Bancos Centrais Bibliografia Carvalho, F. (2015), cap. 2 BCB (PMF 11) 1 Origem dos Bancos Centrais Origens dos primeiros Bancos Centrais Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos Intervenção do Governador do Banco de Cabo Verde, Dr. Carlos Burgo, no VII Encontro dos Governadores dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, Cidade da Praia, 2 de Maio de 2014. A Convergência

Leia mais

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Agenda 1. A Supervisão do SFN e a importância da Governança Corporativa 2. Prevenção

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

A importância do Varejo no Sistema Financeiro

A importância do Varejo no Sistema Financeiro A importância do Varejo no Sistema Financeiro MISSÃO ACREFI MISSÃO A Casa do Crédito ao Consumidor desde 1958 A ACREFI Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento foi

Leia mais

ARTESIA GESTÃO DE RECURSOS S.A. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

ARTESIA GESTÃO DE RECURSOS S.A. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS ARTESIA GESTÃO DE RECURSOS S.A. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS São Paulo, 30 de maio de 2016 1. Introdução A presente Política de Gestão de Riscos ( Política ) estabelece procedimentos de controle e gerenciamento

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - SFN. César de Oliveira Frade

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - SFN. César de Oliveira Frade SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - SFN César de Oliveira Frade Sistema Especial de Liquidação de Custódia - SELIC É um sistema eletrônico de teleprocessamento que permite a atualização diária das posições das

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Política Institucional de Governança Corporativa. 1. Esta Política Institucional de Governança Corporativa:

Política Institucional de Governança Corporativa. 1. Esta Política Institucional de Governança Corporativa: Anexo II (Ata da 14ª Assembleia Geral Extraordinária do Sicoob Confederação) 1. Esta Política Institucional de Governança Corporativa: Política Institucional de Governança Corporativa a) é elaborada por

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

SERVIÇOS DE INTERNET BRASIL EM 2016 E TELEFONIA NO AUDIÊNCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

SERVIÇOS DE INTERNET BRASIL EM 2016 E TELEFONIA NO AUDIÊNCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS SERVIÇOS DE INTERNET E TELEFONIA NO BRASIL EM 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA, 17 DE OUTUBRO DE 2017 ALEXANDER CASTRO Os serviços de telecomunicações

Leia mais

Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: supervisão e visão da indústria

Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: supervisão e visão da indústria Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: supervisão e visão da indústria Workshop Gestão Integrada de Riscos para cooperativas de crédito Brasília (DF), 6 de junho de 2017 AGENDA 1. Contexto

Leia mais

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa ANBIMA - Seminário Conta de Liquidação e Compromissada Intradia Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa Paulo Fontoura Valle Subsecretário da Dívida Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Professora Mestre Keilla OBJETIVOS DA AULA: O Mercado Financeiro e sua composição Conceito de Mercado de Capitais Composição do Mercado de Capitais Histórico do

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Thelma Lúcia Pacheco Gerente do Projeto - Gence Lucio Hellery Holanda Oliveira Gerente Alterno

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas. Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 2017

Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas. Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 2017 Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 217 1 1/7/1996 13/3/1997 23/11/1997 5/8/1998 17/4/1999 28/12/1999 8/9/2 21/5/21 31/1/22 13/1/22

Leia mais

Que Bancos no Futuro?

Que Bancos no Futuro? Que Bancos no Futuro? Carlos da Silva Costa Governador Lisboa, 3 de outubro 2016 XXVI ENCONTRO DE LISBOA entre os Banco Centrais dos Países de Língua Portuguesa As instituições bancárias enfrentam atualmente

Leia mais

Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS)

Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS) Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS) Campinas - SP, Outubro 2008 Agenda Informações sobre o projeto Resultados

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Evento de Lançamento do Processo ISE 2016 Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Agenda 09h00 Café de boas-vindas 09h30 Abertura 09h40 Objetivos Estratégicos

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO DE 2016 Sumário POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 3 1 Objetivo... 3 2 Abrangência... 3 3 Princípios Norteadores... 3 4 Diretrizes... 4 5 Responsabilidades... 4 6 Endereço

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Evento de Lançamento do Processo ISE 2016 Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Agenda 09h00 Café de boas-vindas 09h30 Abertura 09h40 Objetivos Estratégicos

Leia mais

PREVIDÊNCIA ENERGIZED BY. Definição do Administrador do Plano Petros LANXESS

PREVIDÊNCIA ENERGIZED BY. Definição do Administrador do Plano Petros LANXESS PREVIDÊNCIA ENERGIZED BY Definição do Administrador do Plano Petros LANXESS INTRODUÇÃO Este material, em formato de perguntas e respostas, faz parte da série de comunicações para informar sobre a escolha

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL DE OUVIDORIA 2016/2 RESOLUÇÃO CMN/BACEN N 4433/2015 SUMÁRIO

RELATÓRIO SEMESTRAL DE OUVIDORIA 2016/2 RESOLUÇÃO CMN/BACEN N 4433/2015 SUMÁRIO RELATÓRIO SEMESTRAL DE OUVIDORIA 2016/2 RESOLUÇÃO CMN/BACEN N 4433/2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DIRETRIZES... 2 3. ESTRUTURA E TRATAMENTO... 2 4. EQUIPE... 3 5. ANÁLISE TOTAL DE DEMANDAS... 3 5.1.

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Nota de Aula 17: Instrumentos, Objetivos e Metas de Política Monetária. Intervenções diretas no mercado de reservas pelo banco central

Nota de Aula 17: Instrumentos, Objetivos e Metas de Política Monetária. Intervenções diretas no mercado de reservas pelo banco central Fundação Getúlio Vargas / EPGE Economia Monetária e Financeira Bibliografia: Nota de Aula 17: Instrumentos, Objetivos e Metas de Política Monetária Mishkin, cap. 18 e 19 (5. edição traduzida) Condução

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 2008 INSTITUCIONAL GESTÃO DE RISCOS Com as constantes mudanças no cenário financeiro mundial mercado globalizado, diversidade de produtos e serviços financeiros

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

Clearings B3. Diretoria de Liquidação INFORMAÇÃO PÚBLICA

Clearings B3. Diretoria de Liquidação INFORMAÇÃO PÚBLICA Clearings B3 Diretoria de Liquidação INFORMAÇÃO SÃO PAULO, 20 PÚBLICA DE ABRIL DE 2017 Clearings B3 Função de CCP Clearing B3 Função de CCP Infraestrutura da Pós Negociação Negociação e Registro Bolsas

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital

Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital Telebrasil 2007 - Costa do Sauípe - Bahia Antônio Carlos Valente 01 de Junho de 2007 Indicadores das maiores operadoras européias Telefonia Fixa Banda

Leia mais

Boleto de Pagamento Banco Central do Brasil

Boleto de Pagamento Banco Central do Brasil Banco Central do Brasil Agenda Alterações recentes na regulamentação do Boleto de Pagamento Principais características das espécies do Boleto de Pagamento Participação dos boletos nos pagamentos Visão

Leia mais

P TTema: Dí david Pda vid a: Dív Dí ca Pública

P TTema: Dí david Pda vid a: Dív Dí ca Pública T P Tema: Dív vida Pública A Secretaria do Tesouro Nacional (STN), que é um órgão do Ministério da Fazenda, através da Subsecretaria da Dívida Pública (SUDIP) convida os interessados a apresentarem consultas

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

INOVAÇÃO E MANUFATURA AVANÇADA

INOVAÇÃO E MANUFATURA AVANÇADA INOVAÇÃO E MANUFATURA AVANÇADA Aqui estão alguns dos benefícios gerados pelo desenvolvimento e adoção de tecnologias digitais e entrada na era da manufatura avançada: CONTROLAR PROCESSOS E AUMENTAR EFICIÊNCIA

Leia mais

Melhores Práticas para Monitoramento e Controle de seu Portfólio

Melhores Práticas para Monitoramento e Controle de seu Portfólio Melhores Práticas para Monitoramento e Controle de seu Portfólio Principais aprendizados e insights Programa Voz do Cliente Diretoria de Integração e Processos Gestão de Mudança e Qualidade As informações

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2011 - Risco de Liquidez - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Responsabilidades:... 4 4.1. Conselho de Administração:...

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE OUVIDORIA /2 SUMÁRIO

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE OUVIDORIA /2 SUMÁRIO RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE OUVIDORIA - 2015/2 RESOLUÇÃO CMN/BACEN Nº 4433/2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 3. DIRETRIZES... 2 4. ESTRUTURA E TRATAMENTO... 2 4.1. Equipe... 3 5. ANÁLISE

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

The Brazilian payment system reorganization: how the messagery improved efficiency to the financial market

The Brazilian payment system reorganization: how the messagery improved efficiency to the financial market The Brazilian payment system reorganization: how the messagery improved efficiency to the financial market Celso Menechini (FIAP, São Paulo, Brasil) cmenech@bovespa.com.br Daniel Estima de Carvalho (FIAP,

Leia mais

Transformação da sociedade - Novos Paradigmas

Transformação da sociedade - Novos Paradigmas Transformação da sociedade - Novos Paradigmas Consumo de massa Consumo consciente Crédito Produto Crédito Consciente Consumo consciente + Crédito Consciente = Consumo e Crédito Sustentável crescimento

Leia mais

Morgan Stanley. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez

Morgan Stanley. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez Morgan Stanley Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez Título Estrutura de Gerenciamento do Risco de Liquidez Data de Vigência: 2015 Proprietário Tesouraria Corporativa Aprovação Diretor Financeiro

Leia mais

Estudos de Inovações Tecnológicas do Banco Central do Brasil. Aristides Andrade Cavalcante Neto

Estudos de Inovações Tecnológicas do Banco Central do Brasil. Aristides Andrade Cavalcante Neto Departamento de Tecnologia da Informação Estudos de Inovações Tecnológicas do Banco Central do Brasil Aristides Andrade Cavalcante Neto Chefe-adjunto do Departamento de Tecnologia da Informação Banco Central

Leia mais

Interoperabilidade Padronização de Contas. Julho de 2016

Interoperabilidade Padronização de Contas. Julho de 2016 Interoperabilidade Padronização de Contas Julho de 2016 Visão Geral Infraestrutura de acesso IFs CIP IMF IPs Rede do SFN RSFN Banco Central do Brasil IFs IPs P S T I STR Transferência de Fundos Contas

Leia mais

Regime Prudencial Simplificado Edital nº 53/2017

Regime Prudencial Simplificado Edital nº 53/2017 Regime Prudencial Simplificado Edital nº 53/2017 Agosto/2017 1 Edital nº 53/2017 1 minuta de Resolução+ 3 minutas de Circulares Nos próximos dias, planos de publicação de minutas de Cartas circulares Prazo

Leia mais

Ministério de de Minas Minas e e Energia PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO

Ministério de de Minas Minas e e Energia PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO Ministério de de Minas Minas e PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO 18 de Junho de 2013 Sumário 1 1. OBJETIVOS DA PROPOSTA 2. MODIFICAÇÕES INSTITUCIONAIS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA MINERAL (CNPM) PODER

Leia mais

EDITAL CHAMADA PÚBLICA PSR MAPA/SPA Nº 02/2016 PARCERIA DE PESQUISA SOBRE GESTÃO DE RISCOS AGROPECUÁRIOS

EDITAL CHAMADA PÚBLICA PSR MAPA/SPA Nº 02/2016 PARCERIA DE PESQUISA SOBRE GESTÃO DE RISCOS AGROPECUÁRIOS EDITAL CHAMADA PÚBLICA PSR MAPA/SPA Nº 02/2016 PARCERIA DE PESQUISA SOBRE GESTÃO DE RISCOS AGROPECUÁRIOS A SPA, no exercício da competência que lhe conferem as alíneas c do inciso IV do artigo 29 e o inciso

Leia mais

Os Bancos e a Política Monetária e Financeira

Os Bancos e a Política Monetária e Financeira Os Bancos e a Política Monetária e Financeira Introdução Conceitos: monetário e financeiro Política como arte ; Fundamentos teóricos da PMF; objetivos Controle da inflação? Estatutos X práticas dos BCs

Leia mais

Crise de confiança. Roberto Padovani Setembro 2013

Crise de confiança. Roberto Padovani Setembro 2013 Crise de confiança Roberto Padovani Setembro 2013 jan/92 nov/92 set/93 jul/94 mai/95 mar/96 jan/97 nov/97 set/98 jul/99 mai/00 mar/01 jan/02 nov/02 set/03 jul/04 mai/05 mar/06 jan/07 nov/07 set/08 jul/09

Leia mais

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO NO BRASIL

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO NO BRASIL COOPERATIVISMO DE CRÉDITO NO BRASIL Palestrante: Altamar Mendes altamar@feldensmadruga.com.br Índice 1. Natureza-Origem 2. Características 3. Marco legal 4. Papel do Bacen 5. Desafios do cooperativismo

Leia mais

TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES

TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES 3. Os termos utilizados no presente Regulamento, em sua forma plural ou singular e observado o disposto nos títulos que lhes são próprios, têm a seguinte definição: 3.1 Aceitação

Leia mais

Manual de Conformidade

Manual de Conformidade Manual de Conformidade Divisão de Conformidade BB Gestão de Recursos DTVM S.A. SUMÁRIO Introdução... 2 Definições... 3 1. Capítulo 1 - Segregação na Administração de Recursos de Terceiros... 4 2. Capítulo

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA 15/junho/2016 Pg 1 de 6 I. OBJETIVO E ESCOPO 1. O objetivo do Gerenciamento de Riscos da Capitânia é preservar a aderência dos fundos por ela

Leia mais

Regulação. O Mercado de Cartões no Brasil. Ricardo Teixeira Leite Mourão 1º JUN 2017

Regulação. O Mercado de Cartões no Brasil. Ricardo Teixeira Leite Mourão 1º JUN 2017 Regulação O Mercado de Cartões no Brasil Ricardo Teixeira Leite Mourão 1º JUN 2017 Todas as opiniões expressas são as do autor e não representam a posição oficial de nenhuma das instituições as quais é

Leia mais

MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA.

MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA. MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA. 1 Sumário Introdução...3 Definições...3 Gerenciamento de Risco...3 Apoio ao Gerenciamento...4 Escopo de Atuação de Risco...4

Leia mais

BLINDAGEM LEGAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA BANCO DIGITAL

BLINDAGEM LEGAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA BANCO DIGITAL BANCO DIGITAL BLINDAGEM LEGAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA BANCO DIGITAL PASSO 1 Análise de Viabilidade Jurídica de Inovação Tecnológica PASSO 2 Oferta com contratação totalmente digital e/ou biométrica

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016

PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS COMISSÃO DE ÉTICA PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

IX Seminário TelComp 2016 Perspectivas para as Telecomunicações em Momento Regulatório

IX Seminário TelComp 2016 Perspectivas para as Telecomunicações em Momento Regulatório IX Seminário TelComp 2016 Perspectivas para as Telecomunicações em 2017 Momento Regulatório Novembro/2016 Aspectos Constitucionais Constituição de 1988: Art. 21. Compete à União: (...) XI - explorar, diretamente

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P O U T U B R O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 26 de outubro de 2017 Crédito imobiliário atinge R$ 3,41 bilhões

Leia mais

Evolução da Regulação Bancária no Brasil Isaac Sidney Menezes Ferreira

Evolução da Regulação Bancária no Brasil Isaac Sidney Menezes Ferreira Evolução da Regulação Bancária no Brasil Isaac Sidney Menezes Ferreira Procurador-Geral do Banco Central 1 ESTRUTURA REGULATÓRIA E ARCABOUÇO NORMATIVO DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (SFN) 2 Estrutura do

Leia mais

Metodologias de Avaliação de Programas Sociais

Metodologias de Avaliação de Programas Sociais Metodologias de Avaliação de Programas Sociais Júnia Quiroga Diretora de Avaliação SAGI/MDS Avaliação no Campo das Políticas Públicas: Institucionalidades e temas emergentes Fortaleza, 18 e 19 de novembro

Leia mais

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia 1 Índice: 1. Introdução 2. Objetivo 3. Abrangência e público-alvo 4. Referências 5. Valores 6. Princípios de Sustentabilidade 7. Responsabilidades 8. Atualização

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS ASPECTOS RELEVANTES DE CONTROLES INTERNOS DO SEMESTRE FINDO EM 30 de JUNHO de 2016

DESCRIÇÃO DOS ASPECTOS RELEVANTES DE CONTROLES INTERNOS DO SEMESTRE FINDO EM 30 de JUNHO de 2016 DESCRIÇÃO DOS ASPECTOS RELEVANTES DE CONTROLES INTERNOS DO SEMESTRE FINDO EM 30 de JUNHO de 2016 As descrições neste anexo foram elaboradas diretamente e sob a responsabilidade da administração da TURISCAM

Leia mais

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos.

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos. De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE 1. Sistema Financeiro Nacional SFN 1.1. Definição e estrutura 1.2. Papel, função e classificação

Leia mais

Workshops de Revisão Questionário ISE Março de 2016

Workshops de Revisão Questionário ISE Março de 2016 Workshops de Revisão Questionário ISE Março de 2016 Workshops de revisão do questionário 9h-9h30 Workshops manhã Abertura / Rodada de apresentações / Introd. do Coord. (30') 9h30-10h15 Debate em grupos

Leia mais

Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público

Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público Nelson Barbosa Grupo de Economia Política do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB) 11 de setembro de 17 Evolução

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017 PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan Junho/2017 PLANSAB Metas de universalização: Água : 100% em 2023 Esgoto: 92% em 2033 Perdas: 31% em

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

\ pea Versão: lOh SAE1PR. Proposta Orçamentária 2010

\ pea Versão: lOh SAE1PR. Proposta Orçamentária 2010 r! \ pea Versão: 15-07-09-lOh SAE1PR Proposta Orçamentária 2010 Versão: 15 07 09 loh 1. Desafios Estratégicos Esta proposta orçamentária contempla recursos financeiros necessários para a superação dos

Leia mais

CREDENCIAIS DA FUNENSEG

CREDENCIAIS DA FUNENSEG CREDENCIAIS DA FUNENSEG Criação 1971 ( 34 anos 4 décadas) Personalidade Jurídica Entidade de direito privado, de natureza educativo - cultural, sem fins lucrativos. CREDENCIAIS DA FUNENSEG Mantenedores

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações Incentivos à implantação de infraestrutura de banda larga INVESTIMENTOS NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES R$ bilhões correntes 25 20 15 10 5 4.6% 3.3 3.3% 4.3 5.2% 4.7% 7.4 7.6 7.4%

Leia mais

GESTÃO PLANEJAMENTO E PROPOSTAS. Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade

GESTÃO PLANEJAMENTO E PROPOSTAS. Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade GESTÃO 2017-2020 PLANEJAMENTO E PROPOSTAS Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade 5 anos da Lei 12.529/2011 e o Legado das gestões anteriores O atual desenho institucional da autoridade antitruste

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA IV REUNIÃO DOS PONTOS FOCAIS DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO DE LUANDA IV REUNIÃO DOS PONTOS FOCAIS DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO DE LUANDA IV REUNIÃO DOS PONTOS FOCAIS DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Pontos Focais da Governação Eletrónica da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Leia mais

Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015

Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015 Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015 2 Introdução Consideramos que o ambiente econômico vigente e as perspectivas futuras são bastante desafiadoras para a gestão dos recursos financeiros.

Leia mais

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Market Share Indicadores dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 set/13 Ativo Total * 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido * 11º 12º 11º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 7º

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MUNICIPAL Jonias de O. e Silva. PRINCÍPIOS NORTEADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MUNICIPAL Jonias de O. e Silva. PRINCÍPIOS NORTEADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MUNICIPAL Jonias de O. e Silva. PRINCÍPIOS NORTEADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ATRIBUIÇÕES ECONÔMICAS DO ESTADO Os objetivos de toda política orçamentária são corrigir

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais